SlideShare uma empresa Scribd logo
EXAMES
APLICADOS À ENFERMAGEM
URINÁLISE
FORMAÇÃO DA URINA
 Produzida nos rins
Constituinte Filtrado (g/24 h) Reabsorvido (g/24 h) Excretado (g/24 h)
Sódio 540 537 3
Cloreto 630 625 5
Bicarbonato 300 300 0,3
Potássio 28 24 4
Glicose 140 140 0
Ureia 53 28 25
Creatinina 1,4 0 1,4
Ácido úrico 8,5 7,7 0,8
Exemplos de filtração, reabsorção e excreção seletiva pelo sistema urinário:
COMPOSIÇÃO DA URINA
 Substâncias inorgânicas:
• Cloreto;
• Sódio;
• Potássio.
 Substâncias inorgânicas e orgânicas dissolvidas em água.
 Substâncias orgânicas:
• Ureia;
• Creatinina;
• Ácido úrico.
As concentrações das
substâncias são muito
influenciadas pela
alimentação.
COMPOSIÇÃO DA URINA
 Outras substâncias:
• Hormônios;
• Vitaminas;
• Medicamentos;
• Células;
• Cristais;
• Muco;
• Bactérias.
O aumento do nível desses
elementos costuma indicar
alguma doença.
URINÁLISE
 Também chamada de análise dos elementos anormais do sedimento urinário
(EAS).
 Esse exame é solicitado em casos de sintomas de irritação, queimação, dor,
alteração na frequência de micção, alteração do aspecto da urina ou ainda para
análise de rotina.
OBTENÇÃO DAS AMOSTRAS
 Amostra de urina única e aleatória: é coletada a primeira amostra de urina pela
manhã, ainda em jejum, ou após 2 horas sem urinar.
 Coleta de urina programada prolongada: amostras de urina são coletadas
durante o período de 24 horas para avaliação precisa da função renal.
EXAMES DE URINA
 Exame com tira reagente: são utilizadas fitas quimicamente impregnadas que
permitem determinações rápidas de pH, proteínas, glicose, cetonas, bilirrubina,
hemoglobina, densidade específica, hormônios
EXAMES DE URINA
 Exames realizados em laboratórios.
ASPECTO DA URINA
 Primeira observação feita na amostra de urina.
 Geralmente refere-se à transparência da amostra.
 Valor de referência: no estado normal, a urina fresca é límpida ou
discretamente turva.
 Turvação moderada da urina: hemácias, leucócitos, células epiteliais ou
bactérias.
 Turvação intensa da urina: infecções urinárias.
COLORAÇÃO DA URINA
 A cor amarela da urina é dada pelo pigmento urocromo.
 A coloração das amostras pode variar de amarelo-pálida a âmbar escura.
 Urina quase incolor:
• Grande consumo de líquido;
• Diabetes;
• Consumo de álcool etílico e cafeína;
• Tratamento com diuréticos;
• Nervosismo.
COLORAÇÃO DA URINA
 Urina alaranjada (âmbar):
• Urina concentrada por febre, sudorese, pouca ingestão de líquido ou
primeira amostra da manhã;
• Bilirrubina (forma espuma amarela ao agitar);
• Ingestão de cenoura ou vitamina A em excesso;
• Alguns medicamentos.
 Urina amarelo-acastanhada ou amarelo-esverdeada:
• Bilirrubina que foi oxidada em biliverdina (forma espuma verde ao agitar).
COLORAÇÃO DA URINA
 Urina esverdeada:
• Infecção por Pseudomonas;
• Corantes.
 Urina róseo-avermelhada:
• Hemácias;
• Hemoglobina;
• Mioglobina;
• Porfirinas.
COLORAÇÃO DA URINA
 Urina castanho-enegrecida:
• Hemácias oxidadas em metemoglobina;
• Metemoglobina;
• Melanina ou melogêneo.
 Urina esfumaçada:
• Hemácias.
 Urina leitosa:
• Gordura;
• Cistinúria;
• Muitos leucócitos.
ODOR DA URINA
 A urina normal e recém eliminada tem um odor fraco, por causa dos ácidos
voláteis.
 Urina com odor de frutas: pode ocorrer em pacientes com diabetes mellitus;
 Urina fétida: infecções urinárias;
 Urina com odor sulfuroso: cistinúria e homocistinúria;
 Odor semelhante à cerveja: síndrome de má absorção de metionina;
 Odor semelhante ao de repolho ou peixe: tirosinemia (acúmulo de tirosina).
VOLUME DE URINA
 As medidas do volume de urina fazem parte da avaliação do equilíbrio hídrico e
da função renal.
 Valores de referência:
• Crianças: 500 a 1.400 mL/dia
• Adultos: 800 a 2.500 mL/dia
 Poliúria (aumento do volume de urina) com níveis elevados de ureia e
creatinina:
• Cetoacidose diabética;
• Obstrução parcial das vias urinárias;
• Alguns tipos de necrose tubular.
VOLUME DE URINA
 Poliúria com níveis de ureia e creatinina normais:
• Diabetes;
• Estados neuróticos (ingestão compulsiva de água);
• Alguns tumores do encéfalo e medula espinhal.
 Oligúria (50 a 400 mL/dia em adultos; <15 a 20 mL/kg em crianças ao dia):
• Problemas renais;
• Desidratação (vômito prolongado, diarreia, queimaduras);
• Obstrução de alguma parte do sistema urinário;
• Insuficiência cardíaca.
VOLUME DE URINA
 Anúria (<50 mL/dia):
• Obstrução completa das vias urinárias;
• Necrose cortical aguda (córtex renal);
• Glomerulonefrite;
• Necrose tubular aguda;
• Reação hemolítica à transfusão.
DENSIDADE URINÁRIA (DU)
 Mede a capacidade renal de concentrar urina.
 A DU é influenciada tanto pelo número de partículas presentes quanto pelo
tamanho das partículas.
 Pode ser determinada tanto pela fita reagente como por um refratômetro.
 Valores de referência:
• Hidratação e volume normais: 1,005 a 1,030
• Urina concentrada: ≥ 1,030
• Urina diluída: 1,001 a 1,010
• Lactente < 2 anos: 1,001 a 1,006
DENSIDADE URINÁRIA (DU)
 Densidade urinária normal: geralmente, os valores da DU são inversamente
proporcionais ao volume de urina excretado, exceto em algumas situações,
inclusive:
• Diabetes mellitus – aumento volume urinário, aumento da DU;
• Hipertensão arterial – volume normal, diminuição da DU;
• Doença renal crônica – aumento do volume, diminuição da DU.
 Hipostenúria (densidade urinária baixa):
• Diabetes insipidus;
• Glomerulonefrite;
• Lesão renal grave.
DENSIDADE URINÁRIA (DU)
 Hiperestenúria (densidade urinária aumentada):
• Diabetes mellitus;
• Nefrose;
• Perda excessiva de água (desidratação, febre, vômito, diarreia);
• Aumento da secreção de hormônio antidiurético;
• Insuficiência cardíaca;
• Toxemia da gravidez.
pH DA URINA
 O pH é um indicador da capacidade dos túbulos renais de manter a
concentração normal de íon hidrogênio no plasma e no líquido extracelular.
 Valores de referência:
• pH da urina normal pode variar de 4,6 a 8,0
• pH médio é de 6,0 (ácido).
pH DA URINA
 Urina ácida (pH < 7,0):
• Acidose metabólica, cetose diabética, diarreia, inanição, uremia;
• Infecções urinárias causadas por Escherichia coli;
• Acidose respiratória (retenção de CO2);
• Febre;
• Cálculos renais de ácido úrico, cistina e oxalato de cálcio
 Urina alcalina (pH > 7,0):
• Infecções urinárias causadas por bactérias que decompõem a ureia
(Proteus e Pseudomonas);
• Insuficiência renal crônica;
• Cálculos de fosfatos de cálcio, carbonato de cálcio e fosfato de magnésio;
• Depleção de potássio.
SANGUE OU Hb NA URINA
 Esse exame detecta hemácias, hemoglobina e mioglobina na urina.
 O sangue na urina é sempre um indicador de lesão do rim ou das vias urinárias.
 Valores de referência:
Negativo (< 0,03 mgHb livre/dL ou < 10 eritrócitos/mL)
 Hematúria (hemácias na urina):
• Infecção urinária aguda (cistite);
• Tumores das vias urinárias ou renais;
• Cálculos urinários;
• Glomerulonefrite;
• Traumatismo renal;
• Leucemia;
• Trombocitopenia;
• Exercício físico intenso;
• Tabagismo.
SANGUE OU Hb NA URINA
 Hemoglobinúria (hemoglobina na urina):
• Queimaduras extensas;
• Reações à transfusão;
• Intoxicação febril;
• Alguns agentes químicos (cogumelos venenosos, veneno de cobras);
• Malária;
• Anemia falciforme;
• Exercício físico intenso.
SANGUE OU Hb NA URINA
PROTEÍNA NA URINA
 O aumento da concentração de proteína na urina pode indicar doença renal.
 Em um sistema urinário saudável, a urina não contém proteínas ou contém
traços (albumina).
 Valores de referência para urina de 24 horas:
Homem adulto: 10 a 140 mg/L ou 1 a 14 mg/dL
Mulher adulta: 30 a 100 mg/L ou 3 a 10 mg/dL
Criança < 10 anos: 10 a 100 mg/L ou 1 a 10 mg/dL
 Valores de referência – qualitativos
Negativo.
PROTEÍNA NA URINA
 Proteinúria: ocorre por 2 mecanismos principais
1 – Lesão glomerular:
• Glomerulonefrite, aguda e crônica;
• Lúpus;
• Hipertensão arterial maligna;
• Diabetes mellitus;
• Síndrome nefrótica;
• Doença renal policística.
PROTEÍNA NA URINA
 Proteinúria: ocorre por 2 mecanismos principais
2 – Diminuição da reabsorção tubular:
• Doença tubular renal;
• Pielonefrite aguda e crônica;
• Cistinose;
• Doença de Wilson;
• Síndrome de Fanconi;
• Nefrite intersticial.
PROTEÍNA NA URINA
 Pode haver proteinúria em outras doenças não renais (proteinúria funcional):
• Infecção aguda, policitemia;
• Traumatismo, estresse;
• Leucemia, distúrbios hematológicos;
• Toxemia, pre-eclampsia da gravidez;
• Hipertireoidismo;
• Rejeição de transplante renal;
• Hereditariedade, célula falciforme;
• Tumores.
GLICOSE NA URINA
 Quando o nível sanguíneo de glicose ultrapassa a capacidade de reabsorção dos
túbulos, há eliminação de glicose na urina.
 Valores de referência:
Amostra aleatória: negativo
Amostra de 24 horas: 1 a 15 mg/dL (60 a 830 mmol/L) ou <0,5 g/24 h
GLICOSE NA URINA
 Aumento da glicose:
• Diabetes mellitus;
• Distúrbios endócrinos;
• Doença hepática e pancreática;
• Distúrbios do sistema nervoso central;
• Diminuição da reabsorção tubular;
• Diabetes gestacional.
4.Exames de urina.pptx
4.Exames de urina.pptx
4.Exames de urina.pptx

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Crescer SaudáVel
Crescer SaudáVelCrescer SaudáVel
Crescer SaudáVel
maria do rosario macedo
 
Ascite
AsciteAscite
Aula de aminoacidos
Aula de aminoacidosAula de aminoacidos
Aula de aminoacidos
alinemmi
 
semio-abdominal.pdf
semio-abdominal.pdfsemio-abdominal.pdf
semio-abdominal.pdf
DamarisTavante
 
CIRROSE HEPÁTICA (1).pptx
CIRROSE HEPÁTICA (1).pptxCIRROSE HEPÁTICA (1).pptx
CIRROSE HEPÁTICA (1).pptx
FranciscoFlorencio6
 
Cirrose Hepática
Cirrose HepáticaCirrose Hepática
Cirrose Hepática
ivanaferraz
 
Glomerulopatias atualizacao
Glomerulopatias atualizacaoGlomerulopatias atualizacao
Glomerulopatias atualizacao
PUCPR
 
Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi
Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda GobbiInsuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi
Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi
Eduarda Gobbi
 
Hiponatremia
HiponatremiaHiponatremia
áGua e sais minerais (desporto a)
áGua e sais minerais (desporto a)áGua e sais minerais (desporto a)
áGua e sais minerais (desporto a)
isabelalexandrapinto
 
Extração, Caracterização e Imobilização da Enzima Invertase
Extração, Caracterização e Imobilização da Enzima InvertaseExtração, Caracterização e Imobilização da Enzima Invertase
Extração, Caracterização e Imobilização da Enzima Invertase
Euclides Formica
 
Incontinência Urinária: O que devo saber?
Incontinência Urinária: O que devo saber?Incontinência Urinária: O que devo saber?
Incontinência Urinária: O que devo saber?
Maria Betania Alves
 
Avaliação do estado de hidratação
Avaliação do estado de hidrataçãoAvaliação do estado de hidratação
Avaliação do estado de hidratação
pauloalambert
 
Aula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal CrônicaAula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal Crônica
Jucie Vasconcelos
 
Cirose hepática (pontos essenciais)
Cirose hepática (pontos essenciais)Cirose hepática (pontos essenciais)
Cirose hepática (pontos essenciais)
Digão Pereira
 
Desequilibrios hidroeletroliticos
Desequilibrios hidroeletroliticosDesequilibrios hidroeletroliticos
Desequilibrios hidroeletroliticos
Aroldo Gavioli
 
Insuficiência renal crónica
Insuficiência renal crónicaInsuficiência renal crónica
Insuficiência renal crónica
Lénise Parreira
 
Litíase urinária atualizada
Litíase urinária atualizadaLitíase urinária atualizada
Litíase urinária atualizada
Jorge Kevin N. Negreiros
 
Incontinência urinária
Incontinência urináriaIncontinência urinária
Aula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal AgudaAula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal Aguda
Jucie Vasconcelos
 

Mais procurados (20)

Crescer SaudáVel
Crescer SaudáVelCrescer SaudáVel
Crescer SaudáVel
 
Ascite
AsciteAscite
Ascite
 
Aula de aminoacidos
Aula de aminoacidosAula de aminoacidos
Aula de aminoacidos
 
semio-abdominal.pdf
semio-abdominal.pdfsemio-abdominal.pdf
semio-abdominal.pdf
 
CIRROSE HEPÁTICA (1).pptx
CIRROSE HEPÁTICA (1).pptxCIRROSE HEPÁTICA (1).pptx
CIRROSE HEPÁTICA (1).pptx
 
Cirrose Hepática
Cirrose HepáticaCirrose Hepática
Cirrose Hepática
 
Glomerulopatias atualizacao
Glomerulopatias atualizacaoGlomerulopatias atualizacao
Glomerulopatias atualizacao
 
Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi
Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda GobbiInsuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi
Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi
 
Hiponatremia
HiponatremiaHiponatremia
Hiponatremia
 
áGua e sais minerais (desporto a)
áGua e sais minerais (desporto a)áGua e sais minerais (desporto a)
áGua e sais minerais (desporto a)
 
Extração, Caracterização e Imobilização da Enzima Invertase
Extração, Caracterização e Imobilização da Enzima InvertaseExtração, Caracterização e Imobilização da Enzima Invertase
Extração, Caracterização e Imobilização da Enzima Invertase
 
Incontinência Urinária: O que devo saber?
Incontinência Urinária: O que devo saber?Incontinência Urinária: O que devo saber?
Incontinência Urinária: O que devo saber?
 
Avaliação do estado de hidratação
Avaliação do estado de hidrataçãoAvaliação do estado de hidratação
Avaliação do estado de hidratação
 
Aula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal CrônicaAula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal Crônica
 
Cirose hepática (pontos essenciais)
Cirose hepática (pontos essenciais)Cirose hepática (pontos essenciais)
Cirose hepática (pontos essenciais)
 
Desequilibrios hidroeletroliticos
Desequilibrios hidroeletroliticosDesequilibrios hidroeletroliticos
Desequilibrios hidroeletroliticos
 
Insuficiência renal crónica
Insuficiência renal crónicaInsuficiência renal crónica
Insuficiência renal crónica
 
Litíase urinária atualizada
Litíase urinária atualizadaLitíase urinária atualizada
Litíase urinária atualizada
 
Incontinência urinária
Incontinência urináriaIncontinência urinária
Incontinência urinária
 
Aula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal AgudaAula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal Aguda
 

Semelhante a 4.Exames de urina.pptx

aula aval renal e urinária 2018-19.pdf
aula aval renal e urinária 2018-19.pdfaula aval renal e urinária 2018-19.pdf
aula aval renal e urinária 2018-19.pdf
SocorroClaudino2
 
URINÁLISE.pptx
URINÁLISE.pptxURINÁLISE.pptx
URINÁLISE.pptx
AndriellyFernandadeS
 
AULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENAL
AULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENALAULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENAL
AULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENAL
DannyFernandes33
 
dokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptx
dokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptxdokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptx
dokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptx
gabrielabouchuid
 
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptxAssistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
VeridyanaValverde1
 
Sistema Geniturinário
Sistema GeniturinárioSistema Geniturinário
Sistema Geniturinário
Will Nunes
 
38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina
Fernanda Assunção
 
Propedeutica ira irc 2016
Propedeutica ira irc 2016Propedeutica ira irc 2016
Propedeutica ira irc 2016
pauloalambert
 
Doença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptx
Doença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptxDoença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptx
Doença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptx
EstvoManuel2
 
Coleta e preparo da urina
Coleta e preparo da urinaColeta e preparo da urina
Coleta e preparo da urina
Jéssica Barbosa
 
Insuficinciaheptica
Insuficinciaheptica Insuficinciaheptica
Insuficinciaheptica
Shirley Moraes
 
Insuficiência hepática
Insuficiência hepáticaInsuficiência hepática
Insuficiência hepática
Paulo Alambert
 
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp0238515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
Maria Jaqueline Mesquita
 
Aula 7 - Avaliação da Função renal.pptx
Aula 7 - Avaliação  da Função renal.pptxAula 7 - Avaliação  da Função renal.pptx
Aula 7 - Avaliação da Função renal.pptx
KarolSilva622082
 
Ira irc pdf ok
Ira irc pdf okIra irc pdf ok
Ira irc pdf ok
Tatiane Vicente
 
doenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdfdoenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdf
GustavoWallaceAlvesd
 
Aula sobre Pâncreas e fígado e nutrição
Aula sobre  Pâncreas e fígado e nutriçãoAula sobre  Pâncreas e fígado e nutrição
Aula sobre Pâncreas e fígado e nutrição
LuaraGarcia3
 
O rim
O rimO rim
Urinálise
UrináliseUrinálise
Urinálise
Juliana Lima
 
aula sobre hematúria e síndrome nefrítica.ppt
aula sobre hematúria e síndrome nefrítica.pptaula sobre hematúria e síndrome nefrítica.ppt
aula sobre hematúria e síndrome nefrítica.ppt
brulou29
 

Semelhante a 4.Exames de urina.pptx (20)

aula aval renal e urinária 2018-19.pdf
aula aval renal e urinária 2018-19.pdfaula aval renal e urinária 2018-19.pdf
aula aval renal e urinária 2018-19.pdf
 
URINÁLISE.pptx
URINÁLISE.pptxURINÁLISE.pptx
URINÁLISE.pptx
 
AULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENAL
AULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENALAULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENAL
AULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENAL
 
dokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptx
dokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptxdokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptx
dokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptx
 
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptxAssistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
 
Sistema Geniturinário
Sistema GeniturinárioSistema Geniturinário
Sistema Geniturinário
 
38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina
 
Propedeutica ira irc 2016
Propedeutica ira irc 2016Propedeutica ira irc 2016
Propedeutica ira irc 2016
 
Doença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptx
Doença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptxDoença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptx
Doença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptx
 
Coleta e preparo da urina
Coleta e preparo da urinaColeta e preparo da urina
Coleta e preparo da urina
 
Insuficinciaheptica
Insuficinciaheptica Insuficinciaheptica
Insuficinciaheptica
 
Insuficiência hepática
Insuficiência hepáticaInsuficiência hepática
Insuficiência hepática
 
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp0238515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
 
Aula 7 - Avaliação da Função renal.pptx
Aula 7 - Avaliação  da Função renal.pptxAula 7 - Avaliação  da Função renal.pptx
Aula 7 - Avaliação da Função renal.pptx
 
Ira irc pdf ok
Ira irc pdf okIra irc pdf ok
Ira irc pdf ok
 
doenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdfdoenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdf
 
Aula sobre Pâncreas e fígado e nutrição
Aula sobre  Pâncreas e fígado e nutriçãoAula sobre  Pâncreas e fígado e nutrição
Aula sobre Pâncreas e fígado e nutrição
 
O rim
O rimO rim
O rim
 
Urinálise
UrináliseUrinálise
Urinálise
 
aula sobre hematúria e síndrome nefrítica.ppt
aula sobre hematúria e síndrome nefrítica.pptaula sobre hematúria e síndrome nefrítica.ppt
aula sobre hematúria e síndrome nefrítica.ppt
 

Mais de AdrianoCosta696471

Equilíbrio Ácido-base, detalhes e considerações
Equilíbrio Ácido-base, detalhes e consideraçõesEquilíbrio Ácido-base, detalhes e considerações
Equilíbrio Ácido-base, detalhes e considerações
AdrianoCosta696471
 
principais verminoses dos seres humanos.pptx
principais verminoses dos seres humanos.pptxprincipais verminoses dos seres humanos.pptx
principais verminoses dos seres humanos.pptx
AdrianoCosta696471
 
vitaminas hidrossolúveis- classificação e importâncias
vitaminas hidrossolúveis- classificação e importânciasvitaminas hidrossolúveis- classificação e importâncias
vitaminas hidrossolúveis- classificação e importâncias
AdrianoCosta696471
 
Tuberculose e Hanseníase, doenças negligenciadas
Tuberculose e Hanseníase, doenças negligenciadasTuberculose e Hanseníase, doenças negligenciadas
Tuberculose e Hanseníase, doenças negligenciadas
AdrianoCosta696471
 
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptxPROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
AdrianoCosta696471
 
Aula 01 -Clínica Cirúrgica.pptx
Aula 01 -Clínica Cirúrgica.pptxAula 01 -Clínica Cirúrgica.pptx
Aula 01 -Clínica Cirúrgica.pptx
AdrianoCosta696471
 
Trauma vertebromedular.pdf
Trauma vertebromedular.pdfTrauma vertebromedular.pdf
Trauma vertebromedular.pdf
AdrianoCosta696471
 
Biossegurança 02 CME.pptx
Biossegurança 02 CME.pptxBiossegurança 02 CME.pptx
Biossegurança 02 CME.pptx
AdrianoCosta696471
 
CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptx
CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptxCENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptx
CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptx
AdrianoCosta696471
 
Aula 1_Introdução aos Exames Complementares.pdf
Aula 1_Introdução aos Exames Complementares.pdfAula 1_Introdução aos Exames Complementares.pdf
Aula 1_Introdução aos Exames Complementares.pdf
AdrianoCosta696471
 
2.Hemograma.pptx
2.Hemograma.pptx2.Hemograma.pptx
2.Hemograma.pptx
AdrianoCosta696471
 
Aula 02 - Estrutura, função e processos do DNA.pptx
Aula 02 - Estrutura, função e processos do DNA.pptxAula 02 - Estrutura, função e processos do DNA.pptx
Aula 02 - Estrutura, função e processos do DNA.pptx
AdrianoCosta696471
 

Mais de AdrianoCosta696471 (12)

Equilíbrio Ácido-base, detalhes e considerações
Equilíbrio Ácido-base, detalhes e consideraçõesEquilíbrio Ácido-base, detalhes e considerações
Equilíbrio Ácido-base, detalhes e considerações
 
principais verminoses dos seres humanos.pptx
principais verminoses dos seres humanos.pptxprincipais verminoses dos seres humanos.pptx
principais verminoses dos seres humanos.pptx
 
vitaminas hidrossolúveis- classificação e importâncias
vitaminas hidrossolúveis- classificação e importânciasvitaminas hidrossolúveis- classificação e importâncias
vitaminas hidrossolúveis- classificação e importâncias
 
Tuberculose e Hanseníase, doenças negligenciadas
Tuberculose e Hanseníase, doenças negligenciadasTuberculose e Hanseníase, doenças negligenciadas
Tuberculose e Hanseníase, doenças negligenciadas
 
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptxPROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
 
Aula 01 -Clínica Cirúrgica.pptx
Aula 01 -Clínica Cirúrgica.pptxAula 01 -Clínica Cirúrgica.pptx
Aula 01 -Clínica Cirúrgica.pptx
 
Trauma vertebromedular.pdf
Trauma vertebromedular.pdfTrauma vertebromedular.pdf
Trauma vertebromedular.pdf
 
Biossegurança 02 CME.pptx
Biossegurança 02 CME.pptxBiossegurança 02 CME.pptx
Biossegurança 02 CME.pptx
 
CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptx
CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptxCENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptx
CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptx
 
Aula 1_Introdução aos Exames Complementares.pdf
Aula 1_Introdução aos Exames Complementares.pdfAula 1_Introdução aos Exames Complementares.pdf
Aula 1_Introdução aos Exames Complementares.pdf
 
2.Hemograma.pptx
2.Hemograma.pptx2.Hemograma.pptx
2.Hemograma.pptx
 
Aula 02 - Estrutura, função e processos do DNA.pptx
Aula 02 - Estrutura, função e processos do DNA.pptxAula 02 - Estrutura, função e processos do DNA.pptx
Aula 02 - Estrutura, função e processos do DNA.pptx
 

4.Exames de urina.pptx

  • 2. FORMAÇÃO DA URINA  Produzida nos rins
  • 3. Constituinte Filtrado (g/24 h) Reabsorvido (g/24 h) Excretado (g/24 h) Sódio 540 537 3 Cloreto 630 625 5 Bicarbonato 300 300 0,3 Potássio 28 24 4 Glicose 140 140 0 Ureia 53 28 25 Creatinina 1,4 0 1,4 Ácido úrico 8,5 7,7 0,8 Exemplos de filtração, reabsorção e excreção seletiva pelo sistema urinário:
  • 4. COMPOSIÇÃO DA URINA  Substâncias inorgânicas: • Cloreto; • Sódio; • Potássio.  Substâncias inorgânicas e orgânicas dissolvidas em água.  Substâncias orgânicas: • Ureia; • Creatinina; • Ácido úrico. As concentrações das substâncias são muito influenciadas pela alimentação.
  • 5. COMPOSIÇÃO DA URINA  Outras substâncias: • Hormônios; • Vitaminas; • Medicamentos; • Células; • Cristais; • Muco; • Bactérias. O aumento do nível desses elementos costuma indicar alguma doença.
  • 6. URINÁLISE  Também chamada de análise dos elementos anormais do sedimento urinário (EAS).  Esse exame é solicitado em casos de sintomas de irritação, queimação, dor, alteração na frequência de micção, alteração do aspecto da urina ou ainda para análise de rotina.
  • 7. OBTENÇÃO DAS AMOSTRAS  Amostra de urina única e aleatória: é coletada a primeira amostra de urina pela manhã, ainda em jejum, ou após 2 horas sem urinar.  Coleta de urina programada prolongada: amostras de urina são coletadas durante o período de 24 horas para avaliação precisa da função renal.
  • 8. EXAMES DE URINA  Exame com tira reagente: são utilizadas fitas quimicamente impregnadas que permitem determinações rápidas de pH, proteínas, glicose, cetonas, bilirrubina, hemoglobina, densidade específica, hormônios
  • 9. EXAMES DE URINA  Exames realizados em laboratórios.
  • 10. ASPECTO DA URINA  Primeira observação feita na amostra de urina.  Geralmente refere-se à transparência da amostra.  Valor de referência: no estado normal, a urina fresca é límpida ou discretamente turva.  Turvação moderada da urina: hemácias, leucócitos, células epiteliais ou bactérias.  Turvação intensa da urina: infecções urinárias.
  • 11. COLORAÇÃO DA URINA  A cor amarela da urina é dada pelo pigmento urocromo.  A coloração das amostras pode variar de amarelo-pálida a âmbar escura.  Urina quase incolor: • Grande consumo de líquido; • Diabetes; • Consumo de álcool etílico e cafeína; • Tratamento com diuréticos; • Nervosismo.
  • 12. COLORAÇÃO DA URINA  Urina alaranjada (âmbar): • Urina concentrada por febre, sudorese, pouca ingestão de líquido ou primeira amostra da manhã; • Bilirrubina (forma espuma amarela ao agitar); • Ingestão de cenoura ou vitamina A em excesso; • Alguns medicamentos.  Urina amarelo-acastanhada ou amarelo-esverdeada: • Bilirrubina que foi oxidada em biliverdina (forma espuma verde ao agitar).
  • 13. COLORAÇÃO DA URINA  Urina esverdeada: • Infecção por Pseudomonas; • Corantes.  Urina róseo-avermelhada: • Hemácias; • Hemoglobina; • Mioglobina; • Porfirinas.
  • 14. COLORAÇÃO DA URINA  Urina castanho-enegrecida: • Hemácias oxidadas em metemoglobina; • Metemoglobina; • Melanina ou melogêneo.  Urina esfumaçada: • Hemácias.  Urina leitosa: • Gordura; • Cistinúria; • Muitos leucócitos.
  • 15. ODOR DA URINA  A urina normal e recém eliminada tem um odor fraco, por causa dos ácidos voláteis.  Urina com odor de frutas: pode ocorrer em pacientes com diabetes mellitus;  Urina fétida: infecções urinárias;  Urina com odor sulfuroso: cistinúria e homocistinúria;  Odor semelhante à cerveja: síndrome de má absorção de metionina;  Odor semelhante ao de repolho ou peixe: tirosinemia (acúmulo de tirosina).
  • 16. VOLUME DE URINA  As medidas do volume de urina fazem parte da avaliação do equilíbrio hídrico e da função renal.  Valores de referência: • Crianças: 500 a 1.400 mL/dia • Adultos: 800 a 2.500 mL/dia  Poliúria (aumento do volume de urina) com níveis elevados de ureia e creatinina: • Cetoacidose diabética; • Obstrução parcial das vias urinárias; • Alguns tipos de necrose tubular.
  • 17. VOLUME DE URINA  Poliúria com níveis de ureia e creatinina normais: • Diabetes; • Estados neuróticos (ingestão compulsiva de água); • Alguns tumores do encéfalo e medula espinhal.  Oligúria (50 a 400 mL/dia em adultos; <15 a 20 mL/kg em crianças ao dia): • Problemas renais; • Desidratação (vômito prolongado, diarreia, queimaduras); • Obstrução de alguma parte do sistema urinário; • Insuficiência cardíaca.
  • 18. VOLUME DE URINA  Anúria (<50 mL/dia): • Obstrução completa das vias urinárias; • Necrose cortical aguda (córtex renal); • Glomerulonefrite; • Necrose tubular aguda; • Reação hemolítica à transfusão.
  • 19. DENSIDADE URINÁRIA (DU)  Mede a capacidade renal de concentrar urina.  A DU é influenciada tanto pelo número de partículas presentes quanto pelo tamanho das partículas.  Pode ser determinada tanto pela fita reagente como por um refratômetro.  Valores de referência: • Hidratação e volume normais: 1,005 a 1,030 • Urina concentrada: ≥ 1,030 • Urina diluída: 1,001 a 1,010 • Lactente < 2 anos: 1,001 a 1,006
  • 20. DENSIDADE URINÁRIA (DU)  Densidade urinária normal: geralmente, os valores da DU são inversamente proporcionais ao volume de urina excretado, exceto em algumas situações, inclusive: • Diabetes mellitus – aumento volume urinário, aumento da DU; • Hipertensão arterial – volume normal, diminuição da DU; • Doença renal crônica – aumento do volume, diminuição da DU.  Hipostenúria (densidade urinária baixa): • Diabetes insipidus; • Glomerulonefrite; • Lesão renal grave.
  • 21. DENSIDADE URINÁRIA (DU)  Hiperestenúria (densidade urinária aumentada): • Diabetes mellitus; • Nefrose; • Perda excessiva de água (desidratação, febre, vômito, diarreia); • Aumento da secreção de hormônio antidiurético; • Insuficiência cardíaca; • Toxemia da gravidez.
  • 22. pH DA URINA  O pH é um indicador da capacidade dos túbulos renais de manter a concentração normal de íon hidrogênio no plasma e no líquido extracelular.  Valores de referência: • pH da urina normal pode variar de 4,6 a 8,0 • pH médio é de 6,0 (ácido).
  • 23. pH DA URINA  Urina ácida (pH < 7,0): • Acidose metabólica, cetose diabética, diarreia, inanição, uremia; • Infecções urinárias causadas por Escherichia coli; • Acidose respiratória (retenção de CO2); • Febre; • Cálculos renais de ácido úrico, cistina e oxalato de cálcio  Urina alcalina (pH > 7,0): • Infecções urinárias causadas por bactérias que decompõem a ureia (Proteus e Pseudomonas); • Insuficiência renal crônica; • Cálculos de fosfatos de cálcio, carbonato de cálcio e fosfato de magnésio; • Depleção de potássio.
  • 24. SANGUE OU Hb NA URINA  Esse exame detecta hemácias, hemoglobina e mioglobina na urina.  O sangue na urina é sempre um indicador de lesão do rim ou das vias urinárias.  Valores de referência: Negativo (< 0,03 mgHb livre/dL ou < 10 eritrócitos/mL)
  • 25.  Hematúria (hemácias na urina): • Infecção urinária aguda (cistite); • Tumores das vias urinárias ou renais; • Cálculos urinários; • Glomerulonefrite; • Traumatismo renal; • Leucemia; • Trombocitopenia; • Exercício físico intenso; • Tabagismo. SANGUE OU Hb NA URINA
  • 26.  Hemoglobinúria (hemoglobina na urina): • Queimaduras extensas; • Reações à transfusão; • Intoxicação febril; • Alguns agentes químicos (cogumelos venenosos, veneno de cobras); • Malária; • Anemia falciforme; • Exercício físico intenso. SANGUE OU Hb NA URINA
  • 27. PROTEÍNA NA URINA  O aumento da concentração de proteína na urina pode indicar doença renal.  Em um sistema urinário saudável, a urina não contém proteínas ou contém traços (albumina).  Valores de referência para urina de 24 horas: Homem adulto: 10 a 140 mg/L ou 1 a 14 mg/dL Mulher adulta: 30 a 100 mg/L ou 3 a 10 mg/dL Criança < 10 anos: 10 a 100 mg/L ou 1 a 10 mg/dL  Valores de referência – qualitativos Negativo.
  • 28. PROTEÍNA NA URINA  Proteinúria: ocorre por 2 mecanismos principais 1 – Lesão glomerular: • Glomerulonefrite, aguda e crônica; • Lúpus; • Hipertensão arterial maligna; • Diabetes mellitus; • Síndrome nefrótica; • Doença renal policística.
  • 29. PROTEÍNA NA URINA  Proteinúria: ocorre por 2 mecanismos principais 2 – Diminuição da reabsorção tubular: • Doença tubular renal; • Pielonefrite aguda e crônica; • Cistinose; • Doença de Wilson; • Síndrome de Fanconi; • Nefrite intersticial.
  • 30. PROTEÍNA NA URINA  Pode haver proteinúria em outras doenças não renais (proteinúria funcional): • Infecção aguda, policitemia; • Traumatismo, estresse; • Leucemia, distúrbios hematológicos; • Toxemia, pre-eclampsia da gravidez; • Hipertireoidismo; • Rejeição de transplante renal; • Hereditariedade, célula falciforme; • Tumores.
  • 31. GLICOSE NA URINA  Quando o nível sanguíneo de glicose ultrapassa a capacidade de reabsorção dos túbulos, há eliminação de glicose na urina.  Valores de referência: Amostra aleatória: negativo Amostra de 24 horas: 1 a 15 mg/dL (60 a 830 mmol/L) ou <0,5 g/24 h
  • 32. GLICOSE NA URINA  Aumento da glicose: • Diabetes mellitus; • Distúrbios endócrinos; • Doença hepática e pancreática; • Distúrbios do sistema nervoso central; • Diminuição da reabsorção tubular; • Diabetes gestacional.