SlideShare uma empresa Scribd logo
Um Olhar Sobre a
Dependência Química
Medo
cansei de me enganar
Acreditando que suportaria
Que tudo passaria
Que era forte demais.
Agindo assim,
Só magoei meu coração
imaginando-o uma fortaleza.

Mas era frágil
Nunca soube superar
Sinto medo! Toque de Letra-Aline leite (18 anos)
OMS Droga é toda e qualquer
substância, natural ou sintética que,
uma vez introduzida no organismo,
modifica suas funções.
Toda droga tem seus efeitos que se apresentam
de formas diversas, em função de cada
organismo;
Drogas lícitas: energéticos, café, refrigerantes,
chocolates, álcool, tabaco.
Drogas ilícitas: maconha,cocaína/crack, ecstasy.
Todas, se usadas demasiadamente, trazem
dependência.
A humanidade sempre buscou substâncias
que produzissem alterações no humor, nas
percepções e nas sensações.
Tais alterações são fonte de prazer: promovem
euforia;
melhoram sentidos e estados já
experimentados;
elevam a concentração;
produzem mudança na perspectiva
mental, como aumento da criatividade;
Droga psicoativa ou substância psicotrópica é a
substância química que age, principalmente, no
sistema nervoso central, alterando a função
cerebral, temporariamente para :

Fins Recreacionais – Altera propositalmente a
consciência;
Fins Científicos – Altera o funcionamento da
mente;
Fins Médico-Farmacológicos – Uso como
medicação
Drogas depressoras do sistema nervoso central –
lentificam o funcionamento cerebral, reduzindo a
atividade motora, ansiedade, atenção, concentração,
capacidade de memorização, capacidade intelectual,
diminuem a temperatura, depressão respiratória e
induzem o sono.
• Lícitas: Álcool,
. Benzodiazepínicos,
barbitúricos.
Ilícitas: heroína
inalantes(solventes, colas)
Estimulantes do sistema nervoso central aceleram a atividade de determinados sistemas
neuronais, levando a um estado de alerta
exagerado, insônia e aceleração dos processos
psíquicos , como reflexos e desempenho.

• Lícitas: Xantina(café),
Nicotina, Anfetaminasfarmacodependência)
•
Ilícitas:
Cocaína/crack/merla
Perturbadoras do sistema nervoso central –
produzem uma série de distorções qualitativas
no funcionamento do cérebro, como delírios,
alucinações e alteração na senso-percepção.

• Lícitas: anticolinérgicos.
Ilícitas: Maconha, LSD,
ecstasy,Ayhuasca.
Uso ocasional (passividade) se tiver acesso a
droga, a usa, inclui a experimentação e uso
esporádico;

Uso regular/ abusivo (compra a droga) não se
inibe mais com o uso que passa a ser nocivo,
trazendo alguns prejuízos biológicos,
psicológicos, econômicos, legais ou sociais;
Dependência (instalação do vício) estado
emocional e/ou físico , caracterizado pela
urgência da droga , seja pelos efeitos positivos
ou evitação dos negativos (ausência da mesma)
Não existe mundo sem drogas e elas vem desde
a Antiguidade, em diferentes povos e ingeridas
em rituais, festas ou durante o convívio social.
Problema: Hábito

Vício

Vida orientada apenas pelo uso das SPA’s:
situações de risco
sentidos e reflexos +
comprometidos.
Critérios para Diagnóstico da
Dependência Química
Compulsão ou perda do controle desejo
incontrolável de consumir uma substância.
Tolerância necessidade de quantidade cada vez
maior da substância para obter o mesmo efeito
de antes.
Síndrome de abstinência surgimento de
sintomas de desconforto, físicos e psíquicos,
quando o consumo é interrompido ou reduzido.
Evitação da síndrome de abstinência Consiste no
uso continuado da substância a fim de evitar o
surgimento dos sintomas de abstinência.
Saliência do consumo Utilizar a substância vai se
tornando mais importante do que tudo o que o
indivíduo valorizava.
Estreitamento do repertório É o consumo
dissociado de eventos sociais. Não se utiliza mais a
droga por ocasião de eventos. Usa-se pela
necessidade de aliviar sintomas de abstinência.
Dependência física = neuro-adaptação do
organismo à droga , não depende da
vontade.
Dependência Psicológica = uso contínuo ou
periódico para obter satisfação emocional,
prazer e alívio dos sintomas da abstinência.
Dependência → vínculo do sujeito com a
substância.
Quadro Clínico depende do tipo de droga
consumida, comorbidades, dosagem,
intervalo de consumo, existência de
tolerância.
Dependência química é um transtorno
cerebral como qualquer outro problema
psiquiátrico ou neurológico.
podem desempenhar um papel importante nesse
processo:
 Características hereditárias;
 Fatores psicossociais;
 Fatores culturais;
 Fatores ambientais.
Motivações para o uso
• Curiosidade,
• Fuga dos problemas,
frustrações,
• Fuga do tédio,
• Busca de prazer
• Desinibir, vencer timidez e
insegurança
• Aceitação entre iguais pressão dos companheiros
• alívio da dor(física e/ou
emocional,
• Desafiar a morte,
• Experimentar emoções
novas
Fatores de proteção e risco
Fatores de Risco: são aquelas circunstâncias
sociais ou características pessoais que tornam a
pessoa mais vulnerável a assumir
comportamentos arriscados, dificuldade de
interação social, vulnerabilidade de laços sociais
Fatores de Proteção: são aqueles que
contrabalançam as vulnerabilidades, tornando a
pessoa com menos chances de assumir estes
comportamentos.
Fator de Risco
Fator de Proteção.
Encontram-se em todo domínio da vida do
adolescente:
Nos próprios indivíduos;
Na família;
Nos pares;
Na escola;
Na comunidade.
Falta de informação, saúde precária,
problemas psicossociais, transtornos
psiquiátricos/psicológicos e fácil acesso às
drogas
Maior Vulnerabilidade.
Fatores Individuais
De risco:
insegurança
insatisfação com a vida
Comprometimento da
saúde física e/ou mental
curiosidade
busca de prazer

De proteção:
autonomia
auto-estima
cooperação
habilidades sociais
vínculos positivos com
pessoas, instituições e
valores
habilidades para resolver
problemas
Fatores familiares
De risco:
pais que fazem uso de
drogas
pais que sofrem de
doenças mentais
Conflito e/ou violência
familiar

De Proteção:
Diálogo, monitoramento e
afetividade familiar
Regras de condutas claras
e estabelecidas;
Respeito a hierarquia
familiar (experiência)
Critério na aplicação de
disciplina.
Fatores escolares
De risco:
baixo desempenho escolar
falta de vínculos com a
aprendizagem
exclusão social

De proteção:
Adaptação no ambiente
escolar – vínculos afetivos;
Forte ligação com escola;
Critérios na aplicação de
regras disciplinares
Prazer em aprender,
estimulação para o bom
desempenho escolar
Descobrir possibilidades;
Desenvolver
potencialidades;
Fatores Sociais
De risco:
• violência
• desvalorização das
autoridades
• descrença nas
instituições
• falta de recursos para
prevenção, atendimento
e falta de oportunidade
de trabalho e lazer.
• Fragilidade das relações
institucionais de saúde e
de educação.

De proteção:
• Educação formal
valorizada
• Participação em grupos
sociais, culturais e lazer
• informações adequadas
sobre drogas e seus
efeitos
• Bom acolhimento e
acompanhamento nas
unidades de saúde
• consciência comunitária
e mobilização social.
Fatores de Risco x Relacionamento familiar

Disponibilidade de compra;
Propaganda incentivadora, mostra só o prazer
que a drogas causa;
Prazer intenso que leva o indivíduo a repetir o
uso.
Monitoramento por parte dos pais com orientação
e regras leva o adolescente ao autocontrole e,
filhos compreendendo que estão sendo
orientados e não impedidos de sua liberdade,
terão força suficiente para dizer NÃO.
A família é uma equipe, com papéis e objetivos,
as tarefas devem ser distribuídas entre todos,
bem como os problemas deverão ser
solucionados por ela própria, assim como a
escola. Quando unidos, ajudam o adolescente a
ser mais seguro e a pedir auxilio quando
necessário.

Comunicação efetiva e afetuosa com a finalidade
de esclarecer e solucionar conflitos. Conversar
sobre sexo, drogas, álcool e outros problemas
variados com o intuito de orientar.
Reflexões para os adolescentes
Reflita sobre o presente em relação ao futuro
estabeleça objetivos e tente as possibilidades
cumpra com suas responsabilidades e reflita, sempre, a
longo prazo;
Decida o que fazer em relação às drogas e o álcool;
Integre-se à família-acolha e seja acolhido;
Estabeleça confiança nos seus relacionamentos dentro
da família e na escola;
Apesar dos problemas e mudanças, a adolescência
pode ser divertida, sem necessidade de alterar o
comportamento através de qualquer substância.
Posturas sobre o abuso de SPA’s
Proibicionista:
Concentra-se na redução da oferta;
Informações difundidas com base no medo e
apelo moral → persuasão p/ abstinência. Além
disso seguem o modelo educativo de
aprendizado passivo (informações pontuais
em forma de palestras) “Diga não às drogas”
Redução de danos
Procura fornecer informações mesmo aos
que não querem ou conseguem abandonar o
uso.
Acolhe e cuida, sem preconceito, quem não
adota a abstinência.
Uso de material individual para consumo da
droga ( seringa, cachimbos, canudos, etc )→
usuários são vulneráveis a contaminação por
hepatites B e C e HIV.
Drogas → prejuízo do autocuidado →
relaxamento no uso de preservativos e ↑DST’s
Focou-se mais no autocuidado,
desestimulando preconceito e segregação.
Concentra-se menos no perigo e mais no
uso racional e responsável , permitindo ao
sujeito qualidade de vida.
Estratégias de ação-Intervenção
Entender o adolescente em seu contexto;
Criar vinculo com o mesmo;
Favorecer troca de experiências;
Incentivar atividades que promovam saúde;
Ofertar informações sobre o problema;
Disponibilizar recursos institucionais;
Facilitar o acesso ao serviço de saúde;
Discutir possibilidade de aderir ao tratamento;
Estimular qualidade de vida.
Ênfase no Tratamento
• Distinguir uso abusivo dos demais;
• Discenir problemas relacionados ao uso de
droga dos conflitos próprios da adolescência;
• Histórico familiar do uso de drogas e
transtornos mentais;
• Identificar presença de quadro de abstinência;
• Identificar principais transtornos, ansiedade,
depressão, déficit de atenção/hiperatividade,
relacionadas ao uso de drogas;
• Encaminhar, quando necessário, para
atendimento especializado.
• O foco principal da escola deve ser a reflexão, contribuindo
para a visão crítica das situações e dos problemas e
desenvolvendo a autonomia e capacidade de escolha dos
adolescentes.
• O trabalho de prevenção na escola não surge de uma
necessidade localizada, não pretende reprimir os
adolescentes, nem ensiná-los a “dizer não às drogas” nem
fazer terrorismo. Não visa acumular mais uma tarefa para o
professor.
• A prevenção ao abuso de drogas é uma tarefa integrante da
sua função educacional, fazendo parte do seu projeto
pedagógico. Quando compartilhada pelos educadores, pode
ser percebida num contexto de construção da
responsabilidade social do grupo de alunos.
modelo
Conhecimento
científico

objetivo

ação

informações de modo
imparcial e científico, a
partir das quais os
jovens podem tomar
decisões
fundamentadas e
conscientes sobre
drogas

Oficinas e debates
Filme: O informantecom profissionais de 1999
saúde;
Meu nome não é
Leitura de livros;
johnny –

Educação Afetiva Jovens mais
estruturados e menos
vulneráveis,psicologica
mente, estão menos
sujeitos ao abuso de
drogas

sugestóes

Discussão de filmes.
Livros:
Drgas – Mitos e
Verdades Beatriz
Calini
Doces
venenos:conversas
e desconversas
sobre drogas Lygia
R. Aratangy
Desenvolver:
Auto-estima,
Interação grupal;
Capacidade
decisória;
Tolerância à

orientação
educacional para
desenvolver a
afetividade e a autoestima; atividades
grupais organizadas
Oferta de
alternativas

Oferta de desafios,
prazeres e
realizações
proporcionadas
por outros meios
que não incluam o
consumo de
drogas

Orientação escolar
p/ alunos mais
jovens;
Práticas esportivas
desafiadoras;
Atividades
artísticas

Torneios
esportivos e
gestão de hortas
comunitárias;
Atividade de
monitoria ou ajuda
mutua.

Educação para
saúde

Educação a serviço
de uma vida
saudável.

Formar cidadãos
conscientes dos
riscos que os
cercam e que
possam escolher
uma vida saudável.

Educação de temas
gerais e de
relevante
importância.

Modificação das
Formação integral
condições de ensino do jovem, não
apenas na
prevenção ao uso
indevido de drogas

Ações iniciadas na
pré-escola e que
envolvam pais e
comunidade.

Autorizar o
professor,
credibilizar o
conhecimento e
respeitar o aluno;
Oferta de serviços
de saúde, na
relação professor –
aluno e pais nas
http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/multimedia/adolescente/drogas2.swf
http://www.brasilescola.com/drogas/
http://dab.saude.gov.br/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad24.pdf
http://apps.einstein.br/alcooledrogas/novosite/dependencia_criterios.htm
http://www.dependenciaquimica.inf.br/?pg=prevencao&pr=3
http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&id=14578%3Aprogram
a-saude-nas-escolas&Itemid=817
http://www.cebrid.epm.br/index.php
http://www.uniad.org.br/desenvolvimento/index.php/publicacoes
O verdadeiro lugar de nascimento é aquele
em que lançamos um olhar , verdadeiro,
sobre nós mesmos.
Marguerite Yourcenar
Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas
CAPS ad II
Av. Antônio Emerick,94 – 2ªandar
fone: (13)35611993
Maria José E. Junqueira D. Alcalá Cravo
Psicóloga CRP 06/53.267
(13)997012019
maria.alcala@uol.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dependência química conceitos
Dependência química conceitosDependência química conceitos
Dependência química conceitos
Gabriela Haack
 
Drogas e família
Drogas e famíliaDrogas e família
Drogas e família
Bruno Morais Lopes
 
Motivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência químicaMotivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência química
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosGuia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
CITRAT
 
Adolescentes e drogas
Adolescentes e drogasAdolescentes e drogas
Adolescentes e drogas
ariadnemonitoria
 
Slide sobre drogas
Slide sobre drogasSlide sobre drogas
Slide sobre drogas
ladydanasoares
 
Slides drogas-2
Slides   drogas-2Slides   drogas-2
Slides drogas-2
Dallyla Sohara
 
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIADROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
Fernanda Marinho
 
Transtornos mentais
 Transtornos mentais Transtornos mentais
Transtornos mentais
Gustavo Henrique
 
Seminario Alcool e Drogas
Seminario Alcool e DrogasSeminario Alcool e Drogas
Seminario Alcool e Drogas
Potencial Empresário
 
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln BoldriniDEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
Lincoln Boldrini
 
ÁLcool e outras drogas
ÁLcool e outras  drogasÁLcool e outras  drogas
ÁLcool e outras drogas
Centro Universitário Ages
 
Como Manejar a Ansiedade?
Como Manejar a Ansiedade?Como Manejar a Ansiedade?
Palestras sobre drogas
Palestras sobre drogasPalestras sobre drogas
Palestras sobre drogas
Otacilio Fraga
 
Dinâmicas para palestras sobre drogas
Dinâmicas para palestras sobre drogasDinâmicas para palestras sobre drogas
Dinâmicas para palestras sobre drogas
Valdenice Barreto
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
Rogério Oliveira
 
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosSíndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Aroldo Gavioli
 
Dependência Química
Dependência QuímicaDependência Química
Dependência Química
Grupo Recanto
 
Apresentação drogas escola
Apresentação drogas escolaApresentação drogas escola
Apresentação drogas escola
Alinebrauna Brauna
 

Mais procurados (20)

Dependência química conceitos
Dependência química conceitosDependência química conceitos
Dependência química conceitos
 
Drogas e família
Drogas e famíliaDrogas e família
Drogas e família
 
Motivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência químicaMotivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência química
 
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosGuia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
 
Adolescentes e drogas
Adolescentes e drogasAdolescentes e drogas
Adolescentes e drogas
 
Slide sobre drogas
Slide sobre drogasSlide sobre drogas
Slide sobre drogas
 
Slides drogas-2
Slides   drogas-2Slides   drogas-2
Slides drogas-2
 
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
 
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIADROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
 
Transtornos mentais
 Transtornos mentais Transtornos mentais
Transtornos mentais
 
Seminario Alcool e Drogas
Seminario Alcool e DrogasSeminario Alcool e Drogas
Seminario Alcool e Drogas
 
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln BoldriniDEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
 
ÁLcool e outras drogas
ÁLcool e outras  drogasÁLcool e outras  drogas
ÁLcool e outras drogas
 
Como Manejar a Ansiedade?
Como Manejar a Ansiedade?Como Manejar a Ansiedade?
Como Manejar a Ansiedade?
 
Palestras sobre drogas
Palestras sobre drogasPalestras sobre drogas
Palestras sobre drogas
 
Dinâmicas para palestras sobre drogas
Dinâmicas para palestras sobre drogasDinâmicas para palestras sobre drogas
Dinâmicas para palestras sobre drogas
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosSíndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
 
Dependência Química
Dependência QuímicaDependência Química
Dependência Química
 
Apresentação drogas escola
Apresentação drogas escolaApresentação drogas escola
Apresentação drogas escola
 

Destaque

Drogas e a família
Drogas e a famíliaDrogas e a família
Drogas e a família
Fatoze
 
Cartilha - Série Conversando sobre Drogas - Família
Cartilha - Série Conversando sobre Drogas - FamíliaCartilha - Série Conversando sobre Drogas - Família
Cartilha - Série Conversando sobre Drogas - Família
Governo ES
 
Drogas palestra aos pais
Drogas palestra aos paisDrogas palestra aos pais
Drogas palestra aos pais
Jonilson Cabral
 
O papel da família no tratamento da dependência
O papel da família no tratamento da dependênciaO papel da família no tratamento da dependência
O papel da família no tratamento da dependência
blogdapsique
 
Quem é o co dependente
Quem é o co dependenteQuem é o co dependente
Quem é o co dependente
blogdapsique
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas: numa visão espírita
Drogas: numa visão espíritaDrogas: numa visão espírita
Drogas: numa visão espírita
Marcelo Suster
 
Revista da turma da mônica sobre drogas
Revista da turma da mônica sobre drogasRevista da turma da mônica sobre drogas
Revista da turma da mônica sobre drogas
Fatima Costa
 
Projeto de Prevenção "Drogas nem Pensar"
Projeto de Prevenção "Drogas nem Pensar"Projeto de Prevenção "Drogas nem Pensar"
Projeto de Prevenção "Drogas nem Pensar"
rozi38
 
Auto estima.ppt 2014 (hj)
Auto estima.ppt 2014 (hj)Auto estima.ppt 2014 (hj)
Auto estima.ppt 2014 (hj)
Edmilson POV 2011 Siqueira de Sá
 
Autoestima
AutoestimaAutoestima
Eu queria ter e ser
Eu queria ter e serEu queria ter e ser
Eu queria ter e ser
guest17042e9
 
As coisas boas da vida
As coisas boas da vidaAs coisas boas da vida
As coisas boas da vida
Emanuel Francisco
 
Crianca doente
Crianca doenteCrianca doente
Crianca doente
Mensagens Virtuais
 
2ª oficina - Escola e família fortalecendo vínculos.
2ª oficina - Escola e família fortalecendo vínculos.2ª oficina - Escola e família fortalecendo vínculos.
2ª oficina - Escola e família fortalecendo vínculos.
Lucimara Lopes França
 
Drogas como podemos agir
Drogas como podemos agirDrogas como podemos agir
Drogas como podemos agir
Elenildo Allman
 
Drogas
DrogasDrogas
Codependencia
CodependenciaCodependencia
Co dependência
Co dependênciaCo dependência
Co dependência
crpvni
 
Drogas lícitas! leidiane trab quimica
Drogas lícitas!  leidiane trab quimicaDrogas lícitas!  leidiane trab quimica
Drogas lícitas! leidiane trab quimica
Ana Silvia De Abreu Coelho
 

Destaque (20)

Drogas e a família
Drogas e a famíliaDrogas e a família
Drogas e a família
 
Cartilha - Série Conversando sobre Drogas - Família
Cartilha - Série Conversando sobre Drogas - FamíliaCartilha - Série Conversando sobre Drogas - Família
Cartilha - Série Conversando sobre Drogas - Família
 
Drogas palestra aos pais
Drogas palestra aos paisDrogas palestra aos pais
Drogas palestra aos pais
 
O papel da família no tratamento da dependência
O papel da família no tratamento da dependênciaO papel da família no tratamento da dependência
O papel da família no tratamento da dependência
 
Quem é o co dependente
Quem é o co dependenteQuem é o co dependente
Quem é o co dependente
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
Drogas: numa visão espírita
Drogas: numa visão espíritaDrogas: numa visão espírita
Drogas: numa visão espírita
 
Revista da turma da mônica sobre drogas
Revista da turma da mônica sobre drogasRevista da turma da mônica sobre drogas
Revista da turma da mônica sobre drogas
 
Projeto de Prevenção "Drogas nem Pensar"
Projeto de Prevenção "Drogas nem Pensar"Projeto de Prevenção "Drogas nem Pensar"
Projeto de Prevenção "Drogas nem Pensar"
 
Auto estima.ppt 2014 (hj)
Auto estima.ppt 2014 (hj)Auto estima.ppt 2014 (hj)
Auto estima.ppt 2014 (hj)
 
Autoestima
AutoestimaAutoestima
Autoestima
 
Eu queria ter e ser
Eu queria ter e serEu queria ter e ser
Eu queria ter e ser
 
As coisas boas da vida
As coisas boas da vidaAs coisas boas da vida
As coisas boas da vida
 
Crianca doente
Crianca doenteCrianca doente
Crianca doente
 
2ª oficina - Escola e família fortalecendo vínculos.
2ª oficina - Escola e família fortalecendo vínculos.2ª oficina - Escola e família fortalecendo vínculos.
2ª oficina - Escola e família fortalecendo vínculos.
 
Drogas como podemos agir
Drogas como podemos agirDrogas como podemos agir
Drogas como podemos agir
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
Codependencia
CodependenciaCodependencia
Codependencia
 
Co dependência
Co dependênciaCo dependência
Co dependência
 
Drogas lícitas! leidiane trab quimica
Drogas lícitas!  leidiane trab quimicaDrogas lícitas!  leidiane trab quimica
Drogas lícitas! leidiane trab quimica
 

Semelhante a Um olhar sobre a dependência química.

Toxico
ToxicoToxico
Guiapraticodrogas
GuiapraticodrogasGuiapraticodrogas
Guiapraticodrogas
Sispho Horizonte
 
Drogas
DrogasDrogas
Europa sem drogas
Europa sem drogasEuropa sem drogas
Europa sem drogas
Mario Mariorui
 
dependencia-quimica-160217163618 (1).pptx
dependencia-quimica-160217163618 (1).pptxdependencia-quimica-160217163618 (1).pptx
dependencia-quimica-160217163618 (1).pptx
MillaCorreia1
 
ADOLESCÊNCIA SEM DROGAS (1).ppt
ADOLESCÊNCIA  SEM DROGAS (1).pptADOLESCÊNCIA  SEM DROGAS (1).ppt
ADOLESCÊNCIA SEM DROGAS (1).ppt
CentraldeOperaes62CI
 
Cartilha Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas Psicotrópicas
Cartilha  Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas PsicotrópicasCartilha  Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas Psicotrópicas
Cartilha Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas Psicotrópicas
JR
 
Cartilha Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas Psicotrópicas
Cartilha  Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas PsicotrópicasCartilha  Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas Psicotrópicas
Cartilha Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas Psicotrópicas
JR
 
Aula: DROGA - prevenir é importante
Aula: DROGA -  prevenir é importanteAula: DROGA -  prevenir é importante
Aula: DROGA - prevenir é importante
Elma De Oliveira
 
Guia Prático Sobre Drogas
Guia Prático Sobre DrogasGuia Prático Sobre Drogas
Guia Prático Sobre Drogas
Gilvander Dias Queiroz
 
Cartilha conhecendo e aprendendo a dizer não as drogas psicotrópicas
Cartilha conhecendo e aprendendo a dizer não as drogas psicotrópicasCartilha conhecendo e aprendendo a dizer não as drogas psicotrópicas
Cartilha conhecendo e aprendendo a dizer não as drogas psicotrópicas
JR
 
Europa sem drogas
Europa sem drogasEuropa sem drogas
Europa sem drogas
Mario Mariorui
 
Instituto Espírita de Educação - Adolescência e Dependência Química
Instituto Espírita de Educação -  Adolescência e Dependência QuímicaInstituto Espírita de Educação -  Adolescência e Dependência Química
Instituto Espírita de Educação - Adolescência e Dependência Química
Instituto Espírita de Educação
 
Mitos
MitosMitos
Mitos
MitosMitos
Mitos
MitosMitos
Comportamentos de risco fam%e dlias
Comportamentos de risco fam%e dliasComportamentos de risco fam%e dlias
Comportamentos de risco fam%e dlias
Escola E.B.2,3 de Jovim Gondomar
 
drogas
 drogas drogas
drogas
Tomás Nini
 
Drogas na Sociedade
Drogas na SociedadeDrogas na Sociedade
Drogas na Sociedade
Olga Graça
 
Drogas na Sociedade
Drogas na SociedadeDrogas na Sociedade
Drogas na Sociedade
Olga Graça
 

Semelhante a Um olhar sobre a dependência química. (20)

Toxico
ToxicoToxico
Toxico
 
Guiapraticodrogas
GuiapraticodrogasGuiapraticodrogas
Guiapraticodrogas
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
Europa sem drogas
Europa sem drogasEuropa sem drogas
Europa sem drogas
 
dependencia-quimica-160217163618 (1).pptx
dependencia-quimica-160217163618 (1).pptxdependencia-quimica-160217163618 (1).pptx
dependencia-quimica-160217163618 (1).pptx
 
ADOLESCÊNCIA SEM DROGAS (1).ppt
ADOLESCÊNCIA  SEM DROGAS (1).pptADOLESCÊNCIA  SEM DROGAS (1).ppt
ADOLESCÊNCIA SEM DROGAS (1).ppt
 
Cartilha Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas Psicotrópicas
Cartilha  Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas PsicotrópicasCartilha  Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas Psicotrópicas
Cartilha Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas Psicotrópicas
 
Cartilha Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas Psicotrópicas
Cartilha  Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas PsicotrópicasCartilha  Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas Psicotrópicas
Cartilha Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas Psicotrópicas
 
Aula: DROGA - prevenir é importante
Aula: DROGA -  prevenir é importanteAula: DROGA -  prevenir é importante
Aula: DROGA - prevenir é importante
 
Guia Prático Sobre Drogas
Guia Prático Sobre DrogasGuia Prático Sobre Drogas
Guia Prático Sobre Drogas
 
Cartilha conhecendo e aprendendo a dizer não as drogas psicotrópicas
Cartilha conhecendo e aprendendo a dizer não as drogas psicotrópicasCartilha conhecendo e aprendendo a dizer não as drogas psicotrópicas
Cartilha conhecendo e aprendendo a dizer não as drogas psicotrópicas
 
Europa sem drogas
Europa sem drogasEuropa sem drogas
Europa sem drogas
 
Instituto Espírita de Educação - Adolescência e Dependência Química
Instituto Espírita de Educação -  Adolescência e Dependência QuímicaInstituto Espírita de Educação -  Adolescência e Dependência Química
Instituto Espírita de Educação - Adolescência e Dependência Química
 
Mitos
MitosMitos
Mitos
 
Mitos
MitosMitos
Mitos
 
Mitos
MitosMitos
Mitos
 
Comportamentos de risco fam%e dlias
Comportamentos de risco fam%e dliasComportamentos de risco fam%e dlias
Comportamentos de risco fam%e dlias
 
drogas
 drogas drogas
drogas
 
Drogas na Sociedade
Drogas na SociedadeDrogas na Sociedade
Drogas na Sociedade
 
Drogas na Sociedade
Drogas na SociedadeDrogas na Sociedade
Drogas na Sociedade
 

Um olhar sobre a dependência química.

  • 1. Um Olhar Sobre a Dependência Química
  • 2. Medo cansei de me enganar Acreditando que suportaria Que tudo passaria Que era forte demais. Agindo assim, Só magoei meu coração imaginando-o uma fortaleza. Mas era frágil Nunca soube superar Sinto medo! Toque de Letra-Aline leite (18 anos)
  • 3. OMS Droga é toda e qualquer substância, natural ou sintética que, uma vez introduzida no organismo, modifica suas funções. Toda droga tem seus efeitos que se apresentam de formas diversas, em função de cada organismo; Drogas lícitas: energéticos, café, refrigerantes, chocolates, álcool, tabaco. Drogas ilícitas: maconha,cocaína/crack, ecstasy. Todas, se usadas demasiadamente, trazem dependência.
  • 4. A humanidade sempre buscou substâncias que produzissem alterações no humor, nas percepções e nas sensações. Tais alterações são fonte de prazer: promovem euforia; melhoram sentidos e estados já experimentados; elevam a concentração; produzem mudança na perspectiva mental, como aumento da criatividade;
  • 5. Droga psicoativa ou substância psicotrópica é a substância química que age, principalmente, no sistema nervoso central, alterando a função cerebral, temporariamente para : Fins Recreacionais – Altera propositalmente a consciência; Fins Científicos – Altera o funcionamento da mente; Fins Médico-Farmacológicos – Uso como medicação
  • 6. Drogas depressoras do sistema nervoso central – lentificam o funcionamento cerebral, reduzindo a atividade motora, ansiedade, atenção, concentração, capacidade de memorização, capacidade intelectual, diminuem a temperatura, depressão respiratória e induzem o sono. • Lícitas: Álcool, . Benzodiazepínicos, barbitúricos. Ilícitas: heroína inalantes(solventes, colas)
  • 7. Estimulantes do sistema nervoso central aceleram a atividade de determinados sistemas neuronais, levando a um estado de alerta exagerado, insônia e aceleração dos processos psíquicos , como reflexos e desempenho. • Lícitas: Xantina(café), Nicotina, Anfetaminasfarmacodependência) • Ilícitas: Cocaína/crack/merla
  • 8. Perturbadoras do sistema nervoso central – produzem uma série de distorções qualitativas no funcionamento do cérebro, como delírios, alucinações e alteração na senso-percepção. • Lícitas: anticolinérgicos. Ilícitas: Maconha, LSD, ecstasy,Ayhuasca.
  • 9. Uso ocasional (passividade) se tiver acesso a droga, a usa, inclui a experimentação e uso esporádico; Uso regular/ abusivo (compra a droga) não se inibe mais com o uso que passa a ser nocivo, trazendo alguns prejuízos biológicos, psicológicos, econômicos, legais ou sociais; Dependência (instalação do vício) estado emocional e/ou físico , caracterizado pela urgência da droga , seja pelos efeitos positivos ou evitação dos negativos (ausência da mesma)
  • 10. Não existe mundo sem drogas e elas vem desde a Antiguidade, em diferentes povos e ingeridas em rituais, festas ou durante o convívio social. Problema: Hábito Vício Vida orientada apenas pelo uso das SPA’s: situações de risco sentidos e reflexos + comprometidos.
  • 11. Critérios para Diagnóstico da Dependência Química Compulsão ou perda do controle desejo incontrolável de consumir uma substância. Tolerância necessidade de quantidade cada vez maior da substância para obter o mesmo efeito de antes. Síndrome de abstinência surgimento de sintomas de desconforto, físicos e psíquicos, quando o consumo é interrompido ou reduzido.
  • 12. Evitação da síndrome de abstinência Consiste no uso continuado da substância a fim de evitar o surgimento dos sintomas de abstinência. Saliência do consumo Utilizar a substância vai se tornando mais importante do que tudo o que o indivíduo valorizava. Estreitamento do repertório É o consumo dissociado de eventos sociais. Não se utiliza mais a droga por ocasião de eventos. Usa-se pela necessidade de aliviar sintomas de abstinência.
  • 13. Dependência física = neuro-adaptação do organismo à droga , não depende da vontade. Dependência Psicológica = uso contínuo ou periódico para obter satisfação emocional, prazer e alívio dos sintomas da abstinência. Dependência → vínculo do sujeito com a substância. Quadro Clínico depende do tipo de droga consumida, comorbidades, dosagem, intervalo de consumo, existência de tolerância.
  • 14. Dependência química é um transtorno cerebral como qualquer outro problema psiquiátrico ou neurológico. podem desempenhar um papel importante nesse processo:  Características hereditárias;  Fatores psicossociais;  Fatores culturais;  Fatores ambientais.
  • 15. Motivações para o uso • Curiosidade, • Fuga dos problemas, frustrações, • Fuga do tédio, • Busca de prazer • Desinibir, vencer timidez e insegurança • Aceitação entre iguais pressão dos companheiros • alívio da dor(física e/ou emocional, • Desafiar a morte, • Experimentar emoções novas
  • 16. Fatores de proteção e risco Fatores de Risco: são aquelas circunstâncias sociais ou características pessoais que tornam a pessoa mais vulnerável a assumir comportamentos arriscados, dificuldade de interação social, vulnerabilidade de laços sociais Fatores de Proteção: são aqueles que contrabalançam as vulnerabilidades, tornando a pessoa com menos chances de assumir estes comportamentos. Fator de Risco Fator de Proteção.
  • 17. Encontram-se em todo domínio da vida do adolescente: Nos próprios indivíduos; Na família; Nos pares; Na escola; Na comunidade. Falta de informação, saúde precária, problemas psicossociais, transtornos psiquiátricos/psicológicos e fácil acesso às drogas Maior Vulnerabilidade.
  • 18. Fatores Individuais De risco: insegurança insatisfação com a vida Comprometimento da saúde física e/ou mental curiosidade busca de prazer De proteção: autonomia auto-estima cooperação habilidades sociais vínculos positivos com pessoas, instituições e valores habilidades para resolver problemas
  • 19. Fatores familiares De risco: pais que fazem uso de drogas pais que sofrem de doenças mentais Conflito e/ou violência familiar De Proteção: Diálogo, monitoramento e afetividade familiar Regras de condutas claras e estabelecidas; Respeito a hierarquia familiar (experiência) Critério na aplicação de disciplina.
  • 20. Fatores escolares De risco: baixo desempenho escolar falta de vínculos com a aprendizagem exclusão social De proteção: Adaptação no ambiente escolar – vínculos afetivos; Forte ligação com escola; Critérios na aplicação de regras disciplinares Prazer em aprender, estimulação para o bom desempenho escolar Descobrir possibilidades; Desenvolver potencialidades;
  • 21. Fatores Sociais De risco: • violência • desvalorização das autoridades • descrença nas instituições • falta de recursos para prevenção, atendimento e falta de oportunidade de trabalho e lazer. • Fragilidade das relações institucionais de saúde e de educação. De proteção: • Educação formal valorizada • Participação em grupos sociais, culturais e lazer • informações adequadas sobre drogas e seus efeitos • Bom acolhimento e acompanhamento nas unidades de saúde • consciência comunitária e mobilização social.
  • 22. Fatores de Risco x Relacionamento familiar Disponibilidade de compra; Propaganda incentivadora, mostra só o prazer que a drogas causa; Prazer intenso que leva o indivíduo a repetir o uso. Monitoramento por parte dos pais com orientação e regras leva o adolescente ao autocontrole e, filhos compreendendo que estão sendo orientados e não impedidos de sua liberdade, terão força suficiente para dizer NÃO.
  • 23. A família é uma equipe, com papéis e objetivos, as tarefas devem ser distribuídas entre todos, bem como os problemas deverão ser solucionados por ela própria, assim como a escola. Quando unidos, ajudam o adolescente a ser mais seguro e a pedir auxilio quando necessário. Comunicação efetiva e afetuosa com a finalidade de esclarecer e solucionar conflitos. Conversar sobre sexo, drogas, álcool e outros problemas variados com o intuito de orientar.
  • 24. Reflexões para os adolescentes Reflita sobre o presente em relação ao futuro estabeleça objetivos e tente as possibilidades cumpra com suas responsabilidades e reflita, sempre, a longo prazo; Decida o que fazer em relação às drogas e o álcool; Integre-se à família-acolha e seja acolhido; Estabeleça confiança nos seus relacionamentos dentro da família e na escola; Apesar dos problemas e mudanças, a adolescência pode ser divertida, sem necessidade de alterar o comportamento através de qualquer substância.
  • 25. Posturas sobre o abuso de SPA’s Proibicionista: Concentra-se na redução da oferta; Informações difundidas com base no medo e apelo moral → persuasão p/ abstinência. Além disso seguem o modelo educativo de aprendizado passivo (informações pontuais em forma de palestras) “Diga não às drogas”
  • 26. Redução de danos Procura fornecer informações mesmo aos que não querem ou conseguem abandonar o uso. Acolhe e cuida, sem preconceito, quem não adota a abstinência. Uso de material individual para consumo da droga ( seringa, cachimbos, canudos, etc )→ usuários são vulneráveis a contaminação por hepatites B e C e HIV. Drogas → prejuízo do autocuidado → relaxamento no uso de preservativos e ↑DST’s
  • 27. Focou-se mais no autocuidado, desestimulando preconceito e segregação. Concentra-se menos no perigo e mais no uso racional e responsável , permitindo ao sujeito qualidade de vida.
  • 28. Estratégias de ação-Intervenção Entender o adolescente em seu contexto; Criar vinculo com o mesmo; Favorecer troca de experiências; Incentivar atividades que promovam saúde; Ofertar informações sobre o problema; Disponibilizar recursos institucionais; Facilitar o acesso ao serviço de saúde; Discutir possibilidade de aderir ao tratamento; Estimular qualidade de vida.
  • 29. Ênfase no Tratamento • Distinguir uso abusivo dos demais; • Discenir problemas relacionados ao uso de droga dos conflitos próprios da adolescência; • Histórico familiar do uso de drogas e transtornos mentais; • Identificar presença de quadro de abstinência; • Identificar principais transtornos, ansiedade, depressão, déficit de atenção/hiperatividade, relacionadas ao uso de drogas; • Encaminhar, quando necessário, para atendimento especializado.
  • 30. • O foco principal da escola deve ser a reflexão, contribuindo para a visão crítica das situações e dos problemas e desenvolvendo a autonomia e capacidade de escolha dos adolescentes. • O trabalho de prevenção na escola não surge de uma necessidade localizada, não pretende reprimir os adolescentes, nem ensiná-los a “dizer não às drogas” nem fazer terrorismo. Não visa acumular mais uma tarefa para o professor. • A prevenção ao abuso de drogas é uma tarefa integrante da sua função educacional, fazendo parte do seu projeto pedagógico. Quando compartilhada pelos educadores, pode ser percebida num contexto de construção da responsabilidade social do grupo de alunos.
  • 31. modelo Conhecimento científico objetivo ação informações de modo imparcial e científico, a partir das quais os jovens podem tomar decisões fundamentadas e conscientes sobre drogas Oficinas e debates Filme: O informantecom profissionais de 1999 saúde; Meu nome não é Leitura de livros; johnny – Educação Afetiva Jovens mais estruturados e menos vulneráveis,psicologica mente, estão menos sujeitos ao abuso de drogas sugestóes Discussão de filmes. Livros: Drgas – Mitos e Verdades Beatriz Calini Doces venenos:conversas e desconversas sobre drogas Lygia R. Aratangy Desenvolver: Auto-estima, Interação grupal; Capacidade decisória; Tolerância à orientação educacional para desenvolver a afetividade e a autoestima; atividades grupais organizadas
  • 32. Oferta de alternativas Oferta de desafios, prazeres e realizações proporcionadas por outros meios que não incluam o consumo de drogas Orientação escolar p/ alunos mais jovens; Práticas esportivas desafiadoras; Atividades artísticas Torneios esportivos e gestão de hortas comunitárias; Atividade de monitoria ou ajuda mutua. Educação para saúde Educação a serviço de uma vida saudável. Formar cidadãos conscientes dos riscos que os cercam e que possam escolher uma vida saudável. Educação de temas gerais e de relevante importância. Modificação das Formação integral condições de ensino do jovem, não apenas na prevenção ao uso indevido de drogas Ações iniciadas na pré-escola e que envolvam pais e comunidade. Autorizar o professor, credibilizar o conhecimento e respeitar o aluno; Oferta de serviços de saúde, na relação professor – aluno e pais nas
  • 34. O verdadeiro lugar de nascimento é aquele em que lançamos um olhar , verdadeiro, sobre nós mesmos. Marguerite Yourcenar
  • 35. Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas CAPS ad II Av. Antônio Emerick,94 – 2ªandar fone: (13)35611993 Maria José E. Junqueira D. Alcalá Cravo Psicóloga CRP 06/53.267 (13)997012019 maria.alcala@uol.com.br