SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
Fundação Escola de Sociologia e Política
   Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação




                      Luiza Wainer




UMA REFLEXÃO SOBRE A CONDIÇÃO DO HOMEM LIVRE NO
   ROMANCE FOGO MORTO, DE JOSÉ LINS DO REGO




                      São Paulo/SP
                          2010
Ninguém queria ser livre. Todos só
desejavam a canga. Bem em cima
 de sua biqueira começou a cantar
um canário cor de gema de ovo. O
           mestre Amaro já estava
acostumado com aquele cantar de
 um pássaro livre. Que cantasse à
                          vontade.

             - José Lins do Rego
     (Fogo Morto, 1978, p. 12-13.)
Uma Reflexão Sobre a Condição do Homem Livre no Romance Fogo Morto, de
                                José Lins do Rego


Introdução


      Fogo Morto é a obra-prima de José Lins do Rego, escrita em 1943. De cunho
realista, o romance é ambientado na Paraíba e procura mostrar o processo de
decadência dos engenhos nordestinos de cana-de-açúcar que perdem seu poder
com o surgimento das usinas e a abolição da escravidão, no final do século XIX e
início do século XX.


      O livro é dividido em três partes conectadas pelos seus personagens. A
primeira aborda o mestre José Amaro, seleiro angustiado e cada vez mais oprimido
com a sua situação atual em relação aos coronéis locais, à sua esposa, à sua filha,
ao negro Floripes e aos boatos de que é um lobisomem. A segunda parte trata da
história de origem do Engenho Santa Fé, de sua prosperidade e de sua decadência.
Já a terceira parte do livro, é uma volta à decadência do presente tratando das
aventuras do Capitão Vitorino cujas ações se pautam no desejo de justiça.


      Fogo Morto situa-se em um período de mudanças econômicas e sociais: os
engenhos tornam-se inativos (transformam-se em fogo morto) dando espaço para as
novas tecnologias agro-manufatureiras (usinas); e a antiga aristocracia rural e mão-
de-obra servil é posta de lado pela classe média urbana e mão-de-obra livre.


Objetivo


      Este trabalho tem como propósito analisar a condição do homem livre - negro
e branco - neste período de transição econômica do engenho canavieiro, mostrando
que as relações pessoais estão muito mais ligadas aos costumes e tradições do que
às novas regras do sistema de produção.
O Homem Negro


      Na segunda parte de Fogo Morto, “O Engenho de Seu Lula”, temos uma
regressão temporal ao período de fundação do Engenho Santa Fé pelo Capitão
Tomás Cabral de Melo, em 1850, ainda na época de escravidão. O negro pertencia
ao senhor de engenho como qualquer outro objeto ou animal de ofício: “negro do
Santa Fé era de verdade besta de carga. O capitão dizia ele mesmo que negro era
só para o trabalho”. (REGO, 1978, p. 137.) Com a morte do Capitão Tomás, o Santa
Fé passa a ser responsabilidade do Coronel Lula, seu genro, e é durante seu mando
que a escravatura é abolida no país.


      Devido à liberdade dos escravos ter sido recém concedida, os homens livres
negros ainda eram considerados sub-humanos, como vemos nesta fala de Vitorino
referindo-se a José Passarinho: “Como é que se tem um negro deste dentro de
casa, meu compadre? É mesmo que morar com um porco.” (REGO, 1978, p. 215,
grifo meu). Essa mesma relação persistente com o período de escravatura pode ser
vista pelas profissões que esses negros agora exerciam, que se assemelham aos
trabalhos serviçais e braçais que faziam quando ainda eram escravos. Como nota
Cordeiro (199-?), a profissão de cada ex-escravo lhe está enraizada, passando a
constituir parte de seu nome próprio, como, por exemplo, Pedro Boleeiro. Isso difere,
por exemplo, dos trabalhadores brancos, cujo nome pode ou não ser precedido pela
sua profissão, como, por exemplo, o tenente Maurício ou o mestre José Amaro.
Vemos, assim, que no romance Fogo Morto a profissão caracteriza intrinsecamente
o personagem, e particulariza todos os aspectos de sua identidade.


      Como exemplo, tomamos José Passarinho, cujo nome já sugere que vivia a
cantar. Depois que a esposa de José Amaro abandonou-o e sua filha foi para um
sanatório, Passarinho passou a viver na casa do seleiro realizando tarefas caseiras.
Passara de escravo a homem livre, trabalhando de graça e realizando tarefas de
cunho servil. Neste meio tempo, como vimos, é maltratado por Vitorino, que o acha
um animal sujo. Quando José Passarinho e José Amaro são presos por suspeita de
envolvimento com o cangaço, Passarinho é fisicamente agredido por soldados.
O Homem Branco


       Tomaremos o mestre José Amaro como exemplo de homem livre branco em
Fogo Morto.


       José Amaro é um seleiro, ofício aprendido com o pai que lhe garante sua
independência e sustento financeiro; sua habilidade é tal que ganhou o status de
mestre. Seu trabalho artesanal é a única coisa sobre o que tem pleno controle,
podendo escolher para quem trabalha e quanto recebe. Por exemplo, recusa a
miséria oferecida pelo Coronel José Paulino, reforçando a condição de
independência de seu ofício: “(...) eu vivo disto (...)” (REGO, 1978, p. 14).


       A propriedade em que vive também foi herdada do pai, embora não lhe
pertença: situa-se no Engenho Santa Fé, terra do coronel Lula de Holanda.


       José Amaro vive em um estado de semi-dependência. Tem a liberdade de
escolha em seu trabalho, mas plena consciência de sua posição social submissa
perante o senhor de engenho (mesmo em decadência). Por viver nas terras de
outrem, precisa mostrar sua submissão e obediência; não é à toa seu sentimento de
perda e sua angústia profunda, quando o coronel o expulsa das terras.


       Pode-se dizer que o homem livre branco era de grande importância na
realidade do Fogo Morto, por ser eleitor de voto livre.




Conclusão


       A liberdade na realidade de Fogo Morto é uma liberdade assistida. Um
homem livre é aquele que age segundo a vontade e a tradição dos engenhos.


       O homem negro tem sua identidade marcada pelo preconceito decorrente de
políticas de posse e de mando. Assim, mesmo livre, o negro acaba sendo vítima de
agressões reminiscentes da sociedade escravocrata. Isso repercute no seu campo
profissional, pois acaba tendo ofícios serviçais ou braçais, como havia antes da
abolição.
Já o homem branco vive em um limbo. É livre em suas escolhas profissionais
e políticas - afinal, é um eleitor livre - todavia, não é dono de terras e depende do
senhor de engenho para ter sua propriedade. Assim, deve mostrar obediência e
fidelidade à aristocracia rural, pois são, nas palavras de Pereira, “gente de alguém”.
(199-?)




Referências


CORDEIRO, Carla de Fátima. II. Os homens negros, resistência e cooptação em
Fogo Morto. UNESP Marilia. POBRES, REBELDES E OUTROS HERÓIS DE
FOGO MORTO. 23 maio 2010.
<http://www.marilia.unesp.br/Home/RevistasEletronicas/BaleianaRede/numero1/jlr3.
htm>.


PEREIRA, Odirlei Dias. II. Trabalho, mando e obediência: as profissões na
primeira parte de Fogo Morto. UNESP Marilia. PROFISSÕES, ANIMAIS E
OBJETOS EM FOGO MORTO. 23 maio 2010.
<http://www.marilia.unesp.br/Home/RevistasEletronicas/BaleianaRede/numero1/jlr2.
htm>.


REGO, José Lins do. Fogo Morto. 10 ed. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio,
1978.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Clara dos Anjos - 3ª B - 2011
Clara dos Anjos - 3ª B - 2011Clara dos Anjos - 3ª B - 2011
Clara dos Anjos - 3ª B - 2011
Daniel Leitão
 
Questões sobre triste fim de policarpo quaresma
Questões sobre triste fim de policarpo quaresmaQuestões sobre triste fim de policarpo quaresma
Questões sobre triste fim de policarpo quaresma
ma.no.el.ne.ves
 
Sinopse dos contos de lima barreto português
Sinopse dos contos de lima barreto   portuguêsSinopse dos contos de lima barreto   português
Sinopse dos contos de lima barreto português
Uelder Santos
 
Capitães da Areia: linhas temáticas
Capitães da Areia: linhas temáticasCapitães da Areia: linhas temáticas
Capitães da Areia: linhas temáticas
sin3stesia
 
2a fase modernista - Capitães da Areia
2a fase modernista  - Capitães da Areia2a fase modernista  - Capitães da Areia
2a fase modernista - Capitães da Areia
Octávio Da Matta
 

Mais procurados (18)

Clara dos Anjos - 3ª B - 2011
Clara dos Anjos - 3ª B - 2011Clara dos Anjos - 3ª B - 2011
Clara dos Anjos - 3ª B - 2011
 
Os bruzundangas
Os bruzundangasOs bruzundangas
Os bruzundangas
 
Questões sobre triste fim de policarpo quaresma
Questões sobre triste fim de policarpo quaresmaQuestões sobre triste fim de policarpo quaresma
Questões sobre triste fim de policarpo quaresma
 
Trabalho Livro A Escrava Isaura
Trabalho Livro A Escrava Isaura Trabalho Livro A Escrava Isaura
Trabalho Livro A Escrava Isaura
 
1º resumo lp
1º resumo lp1º resumo lp
1º resumo lp
 
João simões lopes neto
João simões lopes netoJoão simões lopes neto
João simões lopes neto
 
Triste fim exercícios
Triste fim exercíciosTriste fim exercícios
Triste fim exercícios
 
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª D - 2011
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª D - 2011Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª D - 2011
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª D - 2011
 
Vidas secas (2)
Vidas secas (2)Vidas secas (2)
Vidas secas (2)
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
 
O romance de 1930
O romance de 1930O romance de 1930
O romance de 1930
 
Sinopse dos contos de lima barreto português
Sinopse dos contos de lima barreto   portuguêsSinopse dos contos de lima barreto   português
Sinopse dos contos de lima barreto português
 
Triste fim de policarpo quaresma
Triste fim de policarpo quaresmaTriste fim de policarpo quaresma
Triste fim de policarpo quaresma
 
Angústia 01 (1)
Angústia 01 (1)Angústia 01 (1)
Angústia 01 (1)
 
Capitães da Areia: linhas temáticas
Capitães da Areia: linhas temáticasCapitães da Areia: linhas temáticas
Capitães da Areia: linhas temáticas
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
2a fase modernista - Capitães da Areia
2a fase modernista  - Capitães da Areia2a fase modernista  - Capitães da Areia
2a fase modernista - Capitães da Areia
 

Destaque

Bullying: um novo nome para um comportamento recorrente
Bullying: um novo nome para um comportamento recorrenteBullying: um novo nome para um comportamento recorrente
Bullying: um novo nome para um comportamento recorrente
Monitor Científico FaBCI
 
Propaganda Política Brasileira 2010 - Jucilene Lopes dos Santos
Propaganda Política Brasileira 2010 - Jucilene Lopes dos SantosPropaganda Política Brasileira 2010 - Jucilene Lopes dos Santos
Propaganda Política Brasileira 2010 - Jucilene Lopes dos Santos
Monitor Científico FaBCI
 

Destaque (20)

Fogo morto, de José Lins do Rego - análise
Fogo morto, de José Lins do Rego - análiseFogo morto, de José Lins do Rego - análise
Fogo morto, de José Lins do Rego - análise
 
O Blog do Monitor Científico como ferramenta de comunicação da comunidade aca...
O Blog do Monitor Científico como ferramenta de comunicação da comunidade aca...O Blog do Monitor Científico como ferramenta de comunicação da comunidade aca...
O Blog do Monitor Científico como ferramenta de comunicação da comunidade aca...
 
Propaganda Política Brasileira 2010 - Luciana Aparecida de Souza
Propaganda Política Brasileira 2010 - Luciana Aparecida de SouzaPropaganda Política Brasileira 2010 - Luciana Aparecida de Souza
Propaganda Política Brasileira 2010 - Luciana Aparecida de Souza
 
Bullying: um novo nome para um comportamento recorrente
Bullying: um novo nome para um comportamento recorrenteBullying: um novo nome para um comportamento recorrente
Bullying: um novo nome para um comportamento recorrente
 
Carminda n. c. Ferreira
Carminda n. c. FerreiraCarminda n. c. Ferreira
Carminda n. c. Ferreira
 
Fesp mc rep_informação na área de biblioteconomia e c
Fesp mc rep_informação na área de biblioteconomia e cFesp mc rep_informação na área de biblioteconomia e c
Fesp mc rep_informação na área de biblioteconomia e c
 
Arquivo de desenhos técnicos: "massa acumulada" do setor rede de engenharia d...
Arquivo de desenhos técnicos: "massa acumulada" do setor rede de engenharia d...Arquivo de desenhos técnicos: "massa acumulada" do setor rede de engenharia d...
Arquivo de desenhos técnicos: "massa acumulada" do setor rede de engenharia d...
 
Dom Quixote do Pilar
Dom Quixote do PilarDom Quixote do Pilar
Dom Quixote do Pilar
 
A lógica no Falcão Maltês - Adrian Parra Carneiro; Florindo Peixoto Neto
A lógica no Falcão Maltês - Adrian Parra Carneiro; Florindo Peixoto NetoA lógica no Falcão Maltês - Adrian Parra Carneiro; Florindo Peixoto Neto
A lógica no Falcão Maltês - Adrian Parra Carneiro; Florindo Peixoto Neto
 
A propaganda eleitoral no Brasil - Cristiano Neves de Souza Pereira
A propaganda eleitoral no Brasil - Cristiano Neves de Souza PereiraA propaganda eleitoral no Brasil - Cristiano Neves de Souza Pereira
A propaganda eleitoral no Brasil - Cristiano Neves de Souza Pereira
 
Atrativos e inconvenientes da implantação do espaço Europeu de Educação Super...
Atrativos e inconvenientes da implantação do espaço Europeu de Educação Super...Atrativos e inconvenientes da implantação do espaço Europeu de Educação Super...
Atrativos e inconvenientes da implantação do espaço Europeu de Educação Super...
 
Propaganda Política Brasileira 2010 - Jucilene Lopes dos Santos
Propaganda Política Brasileira 2010 - Jucilene Lopes dos SantosPropaganda Política Brasileira 2010 - Jucilene Lopes dos Santos
Propaganda Política Brasileira 2010 - Jucilene Lopes dos Santos
 
Propaganda Política Brasileira 2010: candidato à presidente - Adriana Celini ...
Propaganda Política Brasileira 2010: candidato à presidente - Adriana Celini ...Propaganda Política Brasileira 2010: candidato à presidente - Adriana Celini ...
Propaganda Política Brasileira 2010: candidato à presidente - Adriana Celini ...
 
O Cangaço em Fogo Morto
O Cangaço em Fogo MortoO Cangaço em Fogo Morto
O Cangaço em Fogo Morto
 
Propaganda Política Brasileira 2010 - Sheila Cecheto
Propaganda Política Brasileira 2010 - Sheila CechetoPropaganda Política Brasileira 2010 - Sheila Cecheto
Propaganda Política Brasileira 2010 - Sheila Cecheto
 
Leitores de rua: biblioteca do albergue Arsenal da Esperança
Leitores de rua: biblioteca do albergue Arsenal da EsperançaLeitores de rua: biblioteca do albergue Arsenal da Esperança
Leitores de rua: biblioteca do albergue Arsenal da Esperança
 
Rede brasil de bibliotecas comunitárias uma rede social criada para aproximar...
Rede brasil de bibliotecas comunitárias uma rede social criada para aproximar...Rede brasil de bibliotecas comunitárias uma rede social criada para aproximar...
Rede brasil de bibliotecas comunitárias uma rede social criada para aproximar...
 
Pesquisa de docentes de graduação da Fundação Escola de Sociologia e Política...
Pesquisa de docentes de graduação da Fundação Escola de Sociologia e Política...Pesquisa de docentes de graduação da Fundação Escola de Sociologia e Política...
Pesquisa de docentes de graduação da Fundação Escola de Sociologia e Política...
 
Diagnóstico do arquivo da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paul...
Diagnóstico do arquivo da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paul...Diagnóstico do arquivo da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paul...
Diagnóstico do arquivo da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paul...
 
Trabalho sobre o livro: O Falcão Maltês - Fernando Reis de Arruda Alves; Marc...
Trabalho sobre o livro: O Falcão Maltês - Fernando Reis de Arruda Alves; Marc...Trabalho sobre o livro: O Falcão Maltês - Fernando Reis de Arruda Alves; Marc...
Trabalho sobre o livro: O Falcão Maltês - Fernando Reis de Arruda Alves; Marc...
 

Semelhante a Uma reflexão sobre a condição do homem livre no romance Fogo Morto, de José Lins do Rego

O CORTIÇO
O CORTIÇO O CORTIÇO
O CORTIÇO
NexusLanhouse1
 
PORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de Azevedo
PORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de AzevedoPORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de Azevedo
PORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de Azevedo
BlogSJuniinho
 
10 livros essenciais da literatura brasileira
10 livros essenciais da literatura brasileira10 livros essenciais da literatura brasileira
10 livros essenciais da literatura brasileira
Ana Sales
 

Semelhante a Uma reflexão sobre a condição do homem livre no romance Fogo Morto, de José Lins do Rego (20)

O CORTIÇO
O CORTIÇO O CORTIÇO
O CORTIÇO
 
O Cortiço.ppt
O Cortiço.pptO Cortiço.ppt
O Cortiço.ppt
 
ocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdf
ocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdfocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdf
ocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdf
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
PORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de Azevedo
PORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de AzevedoPORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de Azevedo
PORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de Azevedo
 
Literatura 1 Luiz Claudio
Literatura 1 Luiz ClaudioLiteratura 1 Luiz Claudio
Literatura 1 Luiz Claudio
 
Trabalho hemerson 2014
Trabalho hemerson 2014Trabalho hemerson 2014
Trabalho hemerson 2014
 
Policarpo
PolicarpoPolicarpo
Policarpo
 
Lucas manoel e ian o cortiço
Lucas manoel e ian  o cortiçoLucas manoel e ian  o cortiço
Lucas manoel e ian o cortiço
 
Resenha de O cortiço
Resenha de O cortiço Resenha de O cortiço
Resenha de O cortiço
 
Felizmente há Luar
Felizmente há LuarFelizmente há Luar
Felizmente há Luar
 
O cortiço
O cortiço O cortiço
O cortiço
 
Miguel Torga
Miguel TorgaMiguel Torga
Miguel Torga
 
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barretoEuclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
 
O cortiço material de aula
O cortiço   material de aulaO cortiço   material de aula
O cortiço material de aula
 
Monteiro Lobato e Lima Barreto
Monteiro Lobato e Lima BarretoMonteiro Lobato e Lima Barreto
Monteiro Lobato e Lima Barreto
 
Capitulo 09 - Baleia
Capitulo 09 - Baleia Capitulo 09 - Baleia
Capitulo 09 - Baleia
 
O cortiço 3ª b - 2011
O cortiço   3ª b - 2011O cortiço   3ª b - 2011
O cortiço 3ª b - 2011
 
Aparição português
Aparição portuguêsAparição português
Aparição português
 
10 livros essenciais da literatura brasileira
10 livros essenciais da literatura brasileira10 livros essenciais da literatura brasileira
10 livros essenciais da literatura brasileira
 

Mais de Monitor Científico FaBCI

Mais de Monitor Científico FaBCI (18)

Manoel Bastos Tigre
Manoel Bastos TigreManoel Bastos Tigre
Manoel Bastos Tigre
 
Manual de Processamento Técnico
Manual de Processamento TécnicoManual de Processamento Técnico
Manual de Processamento Técnico
 
Manual de processamento técnico
Manual de processamento técnicoManual de processamento técnico
Manual de processamento técnico
 
Manual de processamento técnico
Manual de processamento técnico Manual de processamento técnico
Manual de processamento técnico
 
Leitores de rua - Ana Eliza Grigorio Rodrigues, Damaris Siqueira Brito, Fab...
Leitores de rua - Ana Eliza Grigorio Rodrigues,  Damaris Siqueira Brito,  Fab...Leitores de rua - Ana Eliza Grigorio Rodrigues,  Damaris Siqueira Brito,  Fab...
Leitores de rua - Ana Eliza Grigorio Rodrigues, Damaris Siqueira Brito, Fab...
 
A sustentabilidade e as bibliotecas comunitárias: possível implementação - De...
A sustentabilidade e as bibliotecas comunitárias: possível implementação - De...A sustentabilidade e as bibliotecas comunitárias: possível implementação - De...
A sustentabilidade e as bibliotecas comunitárias: possível implementação - De...
 
Organograna cronologico com base no livro: O Falcão Maltês - Denis Maimoni
Organograna cronologico com base no livro: O Falcão Maltês - Denis MaimoniOrganograna cronologico com base no livro: O Falcão Maltês - Denis Maimoni
Organograna cronologico com base no livro: O Falcão Maltês - Denis Maimoni
 
Serviços Informacionais 2.0 - Profª Renate Landshoff
Serviços Informacionais 2.0 - Profª Renate LandshoffServiços Informacionais 2.0 - Profª Renate Landshoff
Serviços Informacionais 2.0 - Profª Renate Landshoff
 
Inserção laboral dos graduados em Documentação na Espanha em anos de crise ec...
Inserção laboral dos graduados em Documentação na Espanha em anos de crise ec...Inserção laboral dos graduados em Documentação na Espanha em anos de crise ec...
Inserção laboral dos graduados em Documentação na Espanha em anos de crise ec...
 
Propaganda Política Brasileira 2010 - Leidieice Santos
Propaganda Política Brasileira 2010 - Leidieice SantosPropaganda Política Brasileira 2010 - Leidieice Santos
Propaganda Política Brasileira 2010 - Leidieice Santos
 
Observação e Análise da Propaganda Eleitoral Gratuita - Joseane de Santana Ta...
Observação e Análise da Propaganda Eleitoral Gratuita - Joseane de Santana Ta...Observação e Análise da Propaganda Eleitoral Gratuita - Joseane de Santana Ta...
Observação e Análise da Propaganda Eleitoral Gratuita - Joseane de Santana Ta...
 
Propaganda Política Brasileira 2010 - Izabele de Siqueira Mello
Propaganda Política Brasileira 2010 - Izabele de Siqueira MelloPropaganda Política Brasileira 2010 - Izabele de Siqueira Mello
Propaganda Política Brasileira 2010 - Izabele de Siqueira Mello
 
Propaganda Política Brasileira 2010 - Henrique Onofre Freitas de Souza
Propaganda Política Brasileira 2010 - Henrique Onofre Freitas de SouzaPropaganda Política Brasileira 2010 - Henrique Onofre Freitas de Souza
Propaganda Política Brasileira 2010 - Henrique Onofre Freitas de Souza
 
Propaganda Política Brasileira 2010 - Eloiza Pereira Silveira Tinoco
Propaganda Política Brasileira 2010 - Eloiza Pereira Silveira TinocoPropaganda Política Brasileira 2010 - Eloiza Pereira Silveira Tinoco
Propaganda Política Brasileira 2010 - Eloiza Pereira Silveira Tinoco
 
Análise do horário político brasileiro 2010: três momentos distintos - Elizab...
Análise do horário político brasileiro 2010: três momentos distintos - Elizab...Análise do horário político brasileiro 2010: três momentos distintos - Elizab...
Análise do horário político brasileiro 2010: três momentos distintos - Elizab...
 
Horário Eleitoral Gratuito 2010 - Cibele Maria Dias
Horário Eleitoral Gratuito 2010 - Cibele Maria DiasHorário Eleitoral Gratuito 2010 - Cibele Maria Dias
Horário Eleitoral Gratuito 2010 - Cibele Maria Dias
 
Propaganda Política Brasileira 2010 - Ana Paula Cavalcante
Propaganda Política Brasileira 2010 - Ana Paula CavalcantePropaganda Política Brasileira 2010 - Ana Paula Cavalcante
Propaganda Política Brasileira 2010 - Ana Paula Cavalcante
 
Bibliotecários que atuam em consultoria - Profª Drª Valéria Valls
Bibliotecários que atuam em consultoria - Profª Drª Valéria VallsBibliotecários que atuam em consultoria - Profª Drª Valéria Valls
Bibliotecários que atuam em consultoria - Profª Drª Valéria Valls
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
lbgsouza
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 

Uma reflexão sobre a condição do homem livre no romance Fogo Morto, de José Lins do Rego

  • 1. Fundação Escola de Sociologia e Política Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação Luiza Wainer UMA REFLEXÃO SOBRE A CONDIÇÃO DO HOMEM LIVRE NO ROMANCE FOGO MORTO, DE JOSÉ LINS DO REGO São Paulo/SP 2010
  • 2. Ninguém queria ser livre. Todos só desejavam a canga. Bem em cima de sua biqueira começou a cantar um canário cor de gema de ovo. O mestre Amaro já estava acostumado com aquele cantar de um pássaro livre. Que cantasse à vontade. - José Lins do Rego (Fogo Morto, 1978, p. 12-13.)
  • 3. Uma Reflexão Sobre a Condição do Homem Livre no Romance Fogo Morto, de José Lins do Rego Introdução Fogo Morto é a obra-prima de José Lins do Rego, escrita em 1943. De cunho realista, o romance é ambientado na Paraíba e procura mostrar o processo de decadência dos engenhos nordestinos de cana-de-açúcar que perdem seu poder com o surgimento das usinas e a abolição da escravidão, no final do século XIX e início do século XX. O livro é dividido em três partes conectadas pelos seus personagens. A primeira aborda o mestre José Amaro, seleiro angustiado e cada vez mais oprimido com a sua situação atual em relação aos coronéis locais, à sua esposa, à sua filha, ao negro Floripes e aos boatos de que é um lobisomem. A segunda parte trata da história de origem do Engenho Santa Fé, de sua prosperidade e de sua decadência. Já a terceira parte do livro, é uma volta à decadência do presente tratando das aventuras do Capitão Vitorino cujas ações se pautam no desejo de justiça. Fogo Morto situa-se em um período de mudanças econômicas e sociais: os engenhos tornam-se inativos (transformam-se em fogo morto) dando espaço para as novas tecnologias agro-manufatureiras (usinas); e a antiga aristocracia rural e mão- de-obra servil é posta de lado pela classe média urbana e mão-de-obra livre. Objetivo Este trabalho tem como propósito analisar a condição do homem livre - negro e branco - neste período de transição econômica do engenho canavieiro, mostrando que as relações pessoais estão muito mais ligadas aos costumes e tradições do que às novas regras do sistema de produção.
  • 4. O Homem Negro Na segunda parte de Fogo Morto, “O Engenho de Seu Lula”, temos uma regressão temporal ao período de fundação do Engenho Santa Fé pelo Capitão Tomás Cabral de Melo, em 1850, ainda na época de escravidão. O negro pertencia ao senhor de engenho como qualquer outro objeto ou animal de ofício: “negro do Santa Fé era de verdade besta de carga. O capitão dizia ele mesmo que negro era só para o trabalho”. (REGO, 1978, p. 137.) Com a morte do Capitão Tomás, o Santa Fé passa a ser responsabilidade do Coronel Lula, seu genro, e é durante seu mando que a escravatura é abolida no país. Devido à liberdade dos escravos ter sido recém concedida, os homens livres negros ainda eram considerados sub-humanos, como vemos nesta fala de Vitorino referindo-se a José Passarinho: “Como é que se tem um negro deste dentro de casa, meu compadre? É mesmo que morar com um porco.” (REGO, 1978, p. 215, grifo meu). Essa mesma relação persistente com o período de escravatura pode ser vista pelas profissões que esses negros agora exerciam, que se assemelham aos trabalhos serviçais e braçais que faziam quando ainda eram escravos. Como nota Cordeiro (199-?), a profissão de cada ex-escravo lhe está enraizada, passando a constituir parte de seu nome próprio, como, por exemplo, Pedro Boleeiro. Isso difere, por exemplo, dos trabalhadores brancos, cujo nome pode ou não ser precedido pela sua profissão, como, por exemplo, o tenente Maurício ou o mestre José Amaro. Vemos, assim, que no romance Fogo Morto a profissão caracteriza intrinsecamente o personagem, e particulariza todos os aspectos de sua identidade. Como exemplo, tomamos José Passarinho, cujo nome já sugere que vivia a cantar. Depois que a esposa de José Amaro abandonou-o e sua filha foi para um sanatório, Passarinho passou a viver na casa do seleiro realizando tarefas caseiras. Passara de escravo a homem livre, trabalhando de graça e realizando tarefas de cunho servil. Neste meio tempo, como vimos, é maltratado por Vitorino, que o acha um animal sujo. Quando José Passarinho e José Amaro são presos por suspeita de envolvimento com o cangaço, Passarinho é fisicamente agredido por soldados.
  • 5. O Homem Branco Tomaremos o mestre José Amaro como exemplo de homem livre branco em Fogo Morto. José Amaro é um seleiro, ofício aprendido com o pai que lhe garante sua independência e sustento financeiro; sua habilidade é tal que ganhou o status de mestre. Seu trabalho artesanal é a única coisa sobre o que tem pleno controle, podendo escolher para quem trabalha e quanto recebe. Por exemplo, recusa a miséria oferecida pelo Coronel José Paulino, reforçando a condição de independência de seu ofício: “(...) eu vivo disto (...)” (REGO, 1978, p. 14). A propriedade em que vive também foi herdada do pai, embora não lhe pertença: situa-se no Engenho Santa Fé, terra do coronel Lula de Holanda. José Amaro vive em um estado de semi-dependência. Tem a liberdade de escolha em seu trabalho, mas plena consciência de sua posição social submissa perante o senhor de engenho (mesmo em decadência). Por viver nas terras de outrem, precisa mostrar sua submissão e obediência; não é à toa seu sentimento de perda e sua angústia profunda, quando o coronel o expulsa das terras. Pode-se dizer que o homem livre branco era de grande importância na realidade do Fogo Morto, por ser eleitor de voto livre. Conclusão A liberdade na realidade de Fogo Morto é uma liberdade assistida. Um homem livre é aquele que age segundo a vontade e a tradição dos engenhos. O homem negro tem sua identidade marcada pelo preconceito decorrente de políticas de posse e de mando. Assim, mesmo livre, o negro acaba sendo vítima de agressões reminiscentes da sociedade escravocrata. Isso repercute no seu campo profissional, pois acaba tendo ofícios serviçais ou braçais, como havia antes da abolição.
  • 6. Já o homem branco vive em um limbo. É livre em suas escolhas profissionais e políticas - afinal, é um eleitor livre - todavia, não é dono de terras e depende do senhor de engenho para ter sua propriedade. Assim, deve mostrar obediência e fidelidade à aristocracia rural, pois são, nas palavras de Pereira, “gente de alguém”. (199-?) Referências CORDEIRO, Carla de Fátima. II. Os homens negros, resistência e cooptação em Fogo Morto. UNESP Marilia. POBRES, REBELDES E OUTROS HERÓIS DE FOGO MORTO. 23 maio 2010. <http://www.marilia.unesp.br/Home/RevistasEletronicas/BaleianaRede/numero1/jlr3. htm>. PEREIRA, Odirlei Dias. II. Trabalho, mando e obediência: as profissões na primeira parte de Fogo Morto. UNESP Marilia. PROFISSÕES, ANIMAIS E OBJETOS EM FOGO MORTO. 23 maio 2010. <http://www.marilia.unesp.br/Home/RevistasEletronicas/BaleianaRede/numero1/jlr2. htm>. REGO, José Lins do. Fogo Morto. 10 ed. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1978.