FaBci – 1º Semestre Matutino – 2012Camila S. Coppola, Eulália Moreno Chaves, Mariana de Paula,Nayabe Rodrigues, Regina Bra...
considera o primeiro jingle do Brasil, para a cervejaria Brahma, “Chopp emGarrafa”, em parceria com Ary Barroso.O bibliote...
Referências BibliográficasBRASIL. Decreto n° 84.631 de 12 de abril de 1980. Dispõe sobre o dia nacionaldo bibliotecário e ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Manoel Bastos Tigre

1.074 visualizações

Publicada em

Trabalho apresentado por Camila S. Coppola, Eulália Moreno Chaves, Mariana de Paula, Nayabe Rodrigues, Regina Bracco no evento Bibliotecário Nota 10.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.074
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Manoel Bastos Tigre

  1. 1. FaBci – 1º Semestre Matutino – 2012Camila S. Coppola, Eulália Moreno Chaves, Mariana de Paula,Nayabe Rodrigues, Regina Bracco MANOEL BASTOS TIGRE 12/03/1882-02/08/1957O intelectualManoel Bastos Tigre teve uma trajetória profissional e intelectual bastantediversificada, que se iniciou em Recife, Pernambuco, onde nasceu, e seconsolidou no Rio de Janeiro, onde viveu a partir de 1899. É de sua autoria umsem-número de trabalhos realizados para várias mídias, da publicidade à música,passando pelo teatro, o rádio, a imprensa, a prosa e a poesia. Embora graduadoem engenharia, optou por ser bibliotecário.Seu talento foi notado e registrado desde muito cedo. Aos 15 anos criou, noSeminário de Olinda, onde estudava, o jornal O Vigia, no qual já se destacavamsuas qualidades humorísticas e críticas. Aos 17, no Rio de Janeiro, publicou seuprimeiro livro, Saguão da Posteridade, e começou a frequentar rodas deintelectuais, das quais participavam, entre outros, Olavo Bilac, Pedro Rabelo eMartins Fontes. Aos 18 anos começou a escrever para a revista humorísticaTagarela e aos 20 ingressou no jornal Correio da Manhã. Como jornalista,colaborou com quase todos os grandes órgãos de imprensa cariocas.Desde essa época era grande o prestígio e a popularidade de Bastos Tigre naimprensa e entre artistas e intelectuais. Em 1906 estreou a revista musicalMaxixe, a primeira de mais de uma dezena de peças que escreveu. No rádio, foium dos precursores do rádio-teatro. Mas foi como publicitário que o humor e aespirituosidade de Bastos Tigre, bem como sua facilidade para criar versos,slogans e trocadilhos, fizeram dele um dos nomes mais importantes dosprimórdios, e da história, da nossa publicidade. Criou o consagrado slogan daempresa Bayer, “Se é Bayer é bom”, utilizado internacionalmente, e o que se
  2. 2. considera o primeiro jingle do Brasil, para a cervejaria Brahma, “Chopp emGarrafa”, em parceria com Ary Barroso.O bibliotecárioEm 1915 candidatou-se ao primeiro concurso para Bibliotecário Arquivista doMuseu Nacional, classificou-se em primeiro lugar, com sua tese sobre a“Classificação Decimal”, baseada no sistema de Melvil Dewey, e se tornou oprimeiro bibliotecário concursado do país. Bastos Tigre conheceu Dewey nosEstados Unidos quando fazia um curso de especialização na área de Engenharia,entre 1906 e 1909. A disseminação desse trabalho foi um marco importante naárea da Biblioteconomia, o que, junto com suas muitas contribuições ao livro e àsbibliotecas, rendeu a Bastos Tigre o título de “Patrono dos BibliotecáriosBrasileiros”.Foi o primeiro diretor da Biblioteca Central da Universidade do Brasil (atualmenteUniversidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ). A partir de 1952, mesmoaposentado e com 70 anos de idade, continuou ativo. Seu trabalho em prol doslivros e da cultura ultrapassava a obrigação profissional, o que o levou a dirigirvoluntariamente outras bibliotecas, como a da Sociedade Brasileira de AutoresTeatrais e a da Associação Brasileira de Imprensa, que hoje leva seu nome.Por seus esforços na divulgação do livro, Bastos Tigre recebeu, em 20 de janeirode 1957, o prêmio Paula Brito, criado pela Biblioteca Municipal do Rio de Janeiro.E em 1958, o prefeito do então Distrito Federal, Francisco Negrão de Lima,instituiu o “Dia do Bibliotecário”, a ser comemorado em 12 de março, data donascimento de Bastos Tigre. Posteriormente, essa comemoração passou a terabrangência nacional.Não se pode contar a história da Biblioteconomia no Brasil sem incluir a atuaçãode Manoel Bastos Tigre. Multifacetado, multimidiático, intelectual fértil, criativo earguto, soube como ninguém usar e moldar a palavra e suas nuances, com todosos recursos e em todos os meios que teve à disposição. Vanguardista, foi umgrande comunicador, sempre antenado com o que havia de mais atual no espaçoe tempo em que construiu a sua história.
  3. 3. Referências BibliográficasBRASIL. Decreto n° 84.631 de 12 de abril de 1980. Dispõe sobre o dia nacionaldo bibliotecário e a semana nacional do livro e da biblioteca. Diário Oficial daUnião, Brasília, 09 de abril de 1980.CERVEJA, Brahma. Brahma Chopp: o primeiro jingle do Brasil. Disponível em<http://www.brahma.com.br/sabor/2011/02/brahma-chopp-o-primeiro-jingle-do-brasil/> Acesso em 04 de março de 2012.CONSELHO REGIONAL DE BIBLIOTECONOMIA 3ª REGIÃO. Fortaleza.Homepage. Disponível em < http://www.crb3.org.br/carreira.php?codigo=13>Acesso em 03 de março de 2012.FERRAZ, Arnaldo. Bastos Tigre: eclética trajetória. Rio de Janeiro. Lado a LadoEditores Associados, 1987.FÓRUM DE CIÊNCIA E CULTURA UFRJ. Rio de Janeiro. Homepage. Disponívelem: <http://www.forumufrj.com.br/biblioteca/?page_id=22 > Acesso em 03 demarço de 2012.TIGRE, Manoel Bastos. Reminiscências: a alegre roda da Colombo e algumasfiguras do tempo de antigamente. Brasília. Thesaurus, 1992.TIGRE, Sylvia Bastos (Coord.). Bastos Tigre: notas biográficas. Brasília, 03 demarço de 1982.

×