SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO

FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO




                Ana Eliza Grigorio Rodrigues

                   Damaris Siqueira Brito

                Fabiana de Oliveira Paulino

                 Joseane de Santana Tavares

                  Lourival Lopes Cancela




              LEITORES DE RUA




                       SÃO PAULO

                           2010
Ana Eliza Grigorio Rodrigues

   Damaris Siqueira Brito

 Fabiana de Oliveira Paulino

 Joseane de Santana Tavares

  Lourival Lopes Cancela




LEITORES DE RUA




              Trabalho      apresentado   à     Disciplina    de
              Estatística    como   requisito    parcial     para
              aprovação no 3º semestre do curso de
              Biblioteconomia e Ciência da Informação da
              Fundação Escola de Sociologia e Política de
              São Paulo
              Prof. Roseli Terezinha Gatti




       SÃO PAULO

            2010
A cada leitor o seu livro,
                               a cada livro o seu leitor.

                                           Ranganathan


                “Diz-se violento o rio que tudo arrasta,
mas não se dizem violentas as margens que o oprimem.”
                                        Bertold Brecht.
SUMÁRIO

       INTRODUÇÃO                                     5

       1.1 Referencial Teórico                        6

       1.2 Justificativa do Tema                      6

       1.3 Objeto                                     7

        1.4 Objetivo                                  7



       4 METODOLOGIA                                  9

       4.2 Elaboração do Questionário                 9

4.3         Visitas e Aplicação do Questionário       9



       5 ANÁLISE DOS DADOS                            11

       5.2 Idade                                      11

       5.3 Naturalidade                               11

       5.4 Porque Está na Situação de Rua             12

       5.5 Nível Escolar                              13

       5.6 Estado Civil                               14

       5.7 Profissão e Ocupação                       15

       5.8 Porque Frequenta a Biblioteca do Arsenal   15

       5.9 Frequencia em Outras Bibliotecas           16


       6 CONSIDERAÇÕES FINAIS                         17



      REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS                      19
ANEXO 1: RESULTADOS DA PESQUISA REALIZADA PELA FUNDAÇÃO
INSTITUTO DE PESQUISAS ECONÔMICAS (FIPE) SOBRE MORADORES DE
RUA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO                      20



ANEXO 2: O ARSENAL DA ESPERANÇA                        21



ANEXO 3: QUESTIONÁRIO                                  25



ANEXO 4: RELATÓRIO DE VISITA                           27



ANEXO 5: FOTOS DA BIBLIOTECA DO ARSENAL DA ESPERANÇA   28
1 INTRODUÇÃO

       É indiscutível o grande número de pessoas morando nas ruas desta cidade, aliás,
acabou de ser divulgado o resultado de uma pesquisa encomendada pela Prefeitura Municipal
de São Paulo que revelou que existem 13.666 pessoas em situação de rua, dessas 7.079 estão
acolhidos nos albergues e 6.587 morando nas ruas. Esse levantamento, realizado pela
Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), se preocupou em coletar dados
quantitativos relacionados ao sexo, trabalho, cor, despesas e dependência de álcool ou algum
outro tipo de droga. (Anexo 1)
       Chamou-nos a atenção o fato de não haver dados quanto à procura por leituras,
bibliotecas ou algum centro de informação por parte dessa imensa população. Diante disso
baseamos esse trabalho nesta questão investigando se esse público, chamado de morador de
rua, completamente à margem da sociedade, tem o costume de frequentar bibliotecas ou
mesmo se existe por parte do poder público algum incentivo para que isso aconteça.
        Para conhecer melhor o cotidiano dessa população visitamos aquele que é
considerado o maior albergue social da América Latina, o Centro de Acolhida Arsenal da
Esperança Dom Luciano Pedro Mendes de Almeida (Anexo 2), conhecido popularmente
como Arsenal da Esperança, na Rua Doutor Almeida Lima, 900, no bairro da Mooca, partindo
do fator técnico que considera o acolhido em um albergue também um morador de rua, por
pertencer ao mesmo grupo em estado de vulnerabilidade social. Ali são acolhidos 1.200
homens diariamente e entre os diversos serviços que são disponibilizados à esses usuários está
uma biblioteca, que serviu de base para o nosso estudo.
       Partindo da premissa que esse público sente necessidade de leitura, cultura e
informação, este projeto tem por objetivo mostrar a realidade escondida atrás das paredes de
uma antiga hospedaria de imigrantes, que passa despercebida pela maioria das pessoas que
por ali transitam, um verdadeiro universo de boas ações centradas na recolocação dos
acolhidos no mercado de trabalho, na recuperação dos laços familiares, da auto-estima, da
dignidade e, principalmente, da reinserção social. E um dos principais pilares desse processo é
o incentivo diário dado aos seus moradores, para que frequentem a biblioteca, retirem livros e
se mantenham sempre atualizados em relação aos últimos acontecimentos mundiais.
       Por isso, o foco dessa pesquisa é exatamente conhecer o perfil desses leitores, usuários
da biblioteca do Arsenal e que aqui denominamos “leitores de rua”, destacando características
desconhecidas desse público que por ora não tem onde morar.
1.1 Referencial Teórico

       Esta pesquisa foi alicerçada nos estudos realizados pela assistente social Cleisa M. M.
Rosa, relatados em seu livro Vidas de rua (2005), onde estão descritas as primeiras ações de
um processo investigativo sobre a população de rua, no final da década de 1980. A obra
concorda com o que disse Bursztyn (2000, p. 19) “viver no meio da rua não é um problema
novo. Se não é tão antigo quanto à própria existência das ruas, da vida urbana, remonta, pelo
menos, ao renascimento das cidades, no início do capitalismo”.
       Através da narrativa de Rosa (2005, p.10-15) podemos verificar que há muito se vêm
discutindo essa problemática e, com o seu olhar perspicaz, já naquela época, foi possível
constatar a institucionalização do trabalho social com quem mora na rua, pelo padrão de
atendimento convencional em albergues. Apesar deste trabalho já ter cinco anos, os dados
assemelham-se aos da pesquisa realizada pela FIPE e que foram divulgados em junho de 2010
pela Prefeitura Municipal de São Paulo, no qual muito nos baseamos.
       Outra fonte de pesquisa e inspiração foi a matéria realizada pela Rede Globo para o
programa Globo Repórter que mostrou história do ex-morador do Arsenal da Esperança,
Marivaldo da Silva Santos, um homem que saiu de Feira de Santana e foi morar nas ruas de
São Paulo até que descobriu os “tesouros” da biblioteca do Arsenal e renasceu na companhia
dos livros.

       1.2 Justificativa do Tema

       A presença de pessoas vivendo cotidianamente nas ruas é uma realidade universal,
especialmente nas grandes metrópoles, um fenômeno complexo mesclado por processos
sociais e psicólogicos, objetivos e subjetivos, agravados pelas constantes transformações no
mundo do trabalho, geradoras de inseguranças e incertezas que levam ao enfraquecimento e
ruptura de vínculos sociais, familiares, profissionais e comunitários, e pelas dificuldades dos
sistemas de proteção social.
       No Brasil, é bastante heterogêneo o segmento das populações que vivem nas ruas,
especialmente o das maiores cidades e não se sabe exatamente quantos são, pois essas pessoas
sempre ficam de fora dos censos oficiais do IBGE. Por iniciativas de alguns governos locais
têm sido feitos estudos e contagens, como é o caso da cidade de São Paulo, que realiza um
levantamento dessa população a cada três anos e no último realizado pela Prefeitura
Municipal existiam 13.666 pessoas em condição de rua em São Paulo. Esses dados são
sempre contestados pelos órgãos que assistem a essa população, alguns falam em mais de
18.000 pessoas perambulando pelas ruas e pernoitando nos logradouros públicos e nos
albergues da cidade.
          Como citado anteriormente, existe na cidade de São Paulo uma rede de albergues,
centros de serviços e proteção à população de rua, formada por um conjunto de 41 entidades
que recebem verba da Prefeitura para atender e tentar amenizar o sofrimento dessas pessoas
através de diversos programas assistenciais. Segundo informação do site da Secretaria
Municipal de Ação e Desenvolvimento Social (SMADS), não existe em nenhum desses
projetos a implantação de bibliotecas, salas de leitura ou algo parecido onde os usuários
possam buscar alguma fonte de informação, ficando tal responsabilidade à mercê do interesse
e das condições financeiras da Instituição local que, de acordo com inúmeras matérias
veiculadas pela imprensa, não conseguem oferecer nem mesmo os serviços prioritários com
qualidade.
          Pode-se então perceber que essa concepção de proteção social consiste em oferecer os
elementos básicos para suprir as necessidades emergenciais de uma população que cresce ano
a ano, conforme constatado pela FIPE, mas que não se estende a recursos informacionais,
deixando-a desassistida no âmbito sócio-cultural, revelando o caráter assistencialista dos
programas governamentais. Diante disso a biblioteca que encontramos no Arsenal da
Esperança Dom Luciano Pedro Mendes de almeida é um exemplo às demais instituições, pois
contribui para que as pessoas deixem definitivamente as ruas, onde vivem expostas à
violência pessoal e a companhia constante das drogas.

          1.3 Objeto

          É importante esclarecer que consideramos como objeto o excluído social, que se
encontra em situação de rua, ainda que sob os cuidados do albergue Arsenal da Esperança,
pois, segundo disse Alda Marco Antonio em entrevista concedia à Rádio CBN, ao comentar a
pesquisa realizada pela FIPE, mesmo estando albergado essas pessoas também são
consideradas “moradores de rua”, pela dependência da rede de proteção social do município, e
todas foram relacionadas nos dados dessa pesquisa, cujos parâmetros norteiam o nosso
estudo.

          1.4 Objetivo


          Valorizar a importância da leitura e da informação como fator de transformação social
e compreender a sua importância na vida de uma parcela da população desprovida de
condições que permitam o acesso a esse universo, capaz de promover mudanças em sua forma
de sobrevivência, e assim possamos contribuir chamando a atenção para essa gente tão
carente, mas que, ainda em meio a esse caos sócio-econômico, segue persistindo no hábito da
leitura como fator determinante para o seu bem-estar, mesmo em estado de abandono.

       Esse estudo centra-se no conhecimento do tipo de público que frequenta o espaço
destinado à leitura e estudo do Arsenal da Esperança, sua origem, profissão, sua frequência a
essa ou outra biblioteca da cidade, para a partir daí traçarmos o seu perfil.
       O nosso desejo é que o resultado final dessa pesquisa possa motivar os órgãos públicos
à implantação de uma rede de bibliotecas e/ou centros de informação dentro das Casas de
Acolhidas conveniadas, para que possam também colaborar no processo de recuperação
psicológica e social dos seus internos, como imaginamos acontecer com os leitores do Arsenal
da Esperança.
2 METODOLOGIA


       Depois de definido o tema deste estudo, realizamos levantamento bibliográfico sobre
moradores de rua e instituições de assistência a esta população no município de São Paulo. A
partir disso, escolhemos a estratégia a ser utilizada para coleta de dados, e elaboramos um
questionário para ser aplicado aos usuários da biblioteca do Arsenal da Esperança.

       2.1 Elaboração do Questionário

       A pesquisa de campo foi realizada através de um questionário misto com 10 perguntas,
sendo oito de múltipla escolha e duas dissertativas.
       As perguntas realizadas foram: idade em anos, em que região do Brasil nasceu, ou
seja, naturalidade, os motivos que levaram à situação de rua, nível escolar, profissão e
ocupação, estado civil, se possui filhos, o porquê freqüenta esta biblioteca e se tem o hábito de
freqüentar outras. (Anexo 3)
       Ao todo foram preenchidos 56 questionários, sendo a maioria de próprio punho e
alguns através de entrevistas.

       2.2 Visitas e Aplicação do Questionário

       Para efetuarmos esta pesquisa visitamos o Arsenal da Esperança cinco vezes. Na
primeira vez conhecemos a instituição e os serviços oferecidos, e tivemos a oportunidade de
nos familiarizar com a biblioteca. (Anexo 4)
       Esta possui aproximadamente 100m² com mesas individuais e em grupo, balcão de
atendimento e um terminal de consulta. O ambiente é aconchegante e adequado ao público.
       É considerada uma biblioteca especial, pois não é mantida ou organizada por órgãos
governamentais para ser classificada como pública, também não tem um tema e público
específico para ser especializada. Está inserida e é financiada por uma instituição, então não é
comunitária, mas como o trabalho realizado é voluntário, não a consideram como particular.
O acervo é composto por 5.600 obras, os materiais encontrados são: Atlas, dicionários,
enciclopédias, guias, mapas, gibis, livros e periódicos. A recuperação da informação é
realizada através do programa PHL.
       Além de empréstimo de livros, os outros serviços oferecidos são: auxílio para
reinserção no mercado de trabalho, para isso a biblioteca adquire semanalmente jornais com
vagas de empregos, realiza digitação de currículos e pesquisa de vagas. Ainda incentiva a
comunicação dos usuários com seus familiares, é o chamado “Central do Brasil”, onde os
voluntários redigem, quando necessário, e enviam correspondências sem nenhum custo
monetário aos interessados. O incentivo à cultura é feito através dos saraus e concursos de
poesias.
       O horário de funcionamento é das 18h às 21h diariamente, exceto quando há outro
evento na Instituição ou ausência de pessoal. Trabalham na biblioteca 16 voluntários sendo
que, 10 são externos e seis são acolhidos que tem a oportunidade de ajudar. (Anexo 5)
       Na segunda visita conhecemos o trabalho dos responsáveis pela biblioteca, o Sr.
Simone Bernardi, Coordenador, e Lourival Lopes Cancela, Técnico Responsável por todo o
processamento e dos demais voluntários, e fomos apresentados aos moradores do albergue,
para que todos pudessem compreender porque estaríamos ali e quais eram nossos objetivos.
Nas três últimas aplicamos os questionários.
       Apesar do objetivo da pesquisa ser revelar o perfil dos usuários da biblioteca não nos
limitamos a realizá-la apenas neste espaço, mas tivemos a liberdade de abordar pessoas na
sala de leitura e em salas de aula.
       Fomos muito bem recebidos pelos albergados e funcionários do Arsenal da Esperança,
e apenas cinco pessoas se recusaram a responder o questionário.
3 ANÁLISE DOS DADOS


       Após a coleta dos dados realizamos análise estatística.

       3.1 Idade

       Em relação à idade 37% dos entrevistados (21 homens) que frequentam a Biblioteca
do Arsenal tem entre 29 e 38 anos, 27% (15 homens) possuem entre 18 e 28 anos, uma
porcentagem significativa. 23% (13 homens) têm idade entre 39 e 48 anos, 9% (cinco) tem
entre 49 e 58 anos e 4% (dois) tem entre 59 e 68 anos. Dos 56 entrevistados, 49 tem idade
entre 18 e 48 anos, ou seja, são relativamente jovens.




       3.2 Naturalidade

       Contradizendo a pressuposição de que a maioria das pessoas que estão em situação de
rua vieram das regiões Norte e Nordeste do Brasil, chegamos ao seguinte resultado: 57% (32
homens) dos entrevistados são da região Sudeste do país, ou seja, mais da metade. 25% (14
homens) são do Nordeste. 7% (quatro) são da região Centro-Oeste. 5% (três) são do Sul e
apenas 2% (um) são do Norte do país. Dois entrevistados não responderam a esta questão.




       3.3 Motivos que levaram à Situação de Rua

Nesta questão os entrevistados puderam marcar mais de uma alternativa. Em sua maioria o
desemprego associado às dificuldades financeiras foram os motivos que levaram os
entrevistados a esta situação. O vício, diferente do que podemos pensar, aparece como quarto
motivo, e é antecedido dos conflitos familiares. Esses resultados levam-nos a pensar que os
dois fatores, o vício e os conflitos familiares, estão relacionados, mas em nenhum dos casos
isso acontece. Já o desemprego e os conflitos familiares podem estar interligados, pois em
quatro questionários estas duas alternativas foram assinaladas.
3.4. Nível Escolar

      A maioria dos entrevistados tem o ensino fundamental incompleto (24 homens ou
43%), mas também tivemos um grande percentual de entrevistados que possuem o ensino
médio completo (12 homens ou 21%), entre eles existe um percentual pequeno de homens que
possuem o superior completo ou incompleto (cinco homens ou 9%). Com ensino fundamental
completo entrevistamos sete homens, 13% do total e com ensino médio incompleto oito
homens, 14% do total.
3.5 Estado Civil

       Em relação ao estado civil 9% (cinco homens) são casados e três possuem filhos. 5%
(três) são divorciados e possuem filhos e um é viúvo e também possui filhos. O número maior
é de solteiros (47 homens ou 84%) e entre eles 24 possuem filhos. Sem fazer a distinção sobre
estado civil 31 ou 55% possuem filhos e 25 ou 45% não possuem.
3.6 Profissão e Ocupação

       Quando perguntados sobre a profissão, houve uma variação muito grande de respostas,
por isso não foi possível colocarmos em gráficos. A maior parte respondeu sobre o que faz,
porém nem todos são profissionais, ou seja, não são especializados na profissão. A maioria
executa trabalho braçal, como de ajudante geral ou de pedreiro, padeiro, pintor, soldador, gari,
borracheiro, outros já executam trabalhos mais leves, como agente comunitário de saúde,
teleoperador, motorista, auxiliar administrativo, funcionário público. Nem todos que dizem
exercer uma profissão está empregado. E alguns não responderam sobre a ocupação, talvez
por não compreenderem a pergunta ou por estarem desempregados.

       3.7 Porque Frequenta a Biblioteca do Arsenal

Nesta questão, mais uma vez, os entrevistados puderam escolher mais de uma alternativa. A
maioria respondeu que frequenta a biblioteca por gostar de ler (44%), para passar o tempo foi
respondido em 16% dos casos e 15% responderam que a utilizam a para adquirir
conhecimento, 11% para se manter atualizado, já que ali eles podem encontrar jornais do dia e
revistas da semana, e 9% por necessidade de estudo. Por fim, 5% dos entrevistados
responderam utilizar a biblioteca por outros motivos, mas não especificaram.




       3.8 Frequência em Outras Bibliotecas

       67% dos entrevistados frequentam outra biblioteca, e 33% não frequentam. Alguns
relataram que vão a outras bibliotecas para ler um pouco e passar o tempo, mas não podem ter
a carteirinha por não possuir um endereço fixo.
4 CONSIDERAÇÕES FINAIS


         Através da análise dos dados verificamos que a maioria das pessoas que frequenta a
biblioteca são de meia idade, o que os leva à essa situação, como mostram os gráficos, na
maioria das vezes é o desemprego e que a maior parte dessas pessoas não vem de muito
longe.
         Apesar das dificuldades que estes homens enfrentam e a necessidade que sentem de
conversar e desabafar com alguém que os escutem, e nem sempre existe este alguém,
observamos que uma das maneiras de esquecer um pouco os problemas é através leitura, e o
lugar perfeito para isso dentro do Arsenal é a biblioteca.
         Neste sentido podemos considerar a Biblioteca do Arsenal um espaço privilegiado de
difusão de informações, fomento de cultura e promoção de cidadania, pois propicia a esse
público a inclusão através do conhecimento. Do ponto de vista inclusivo, ela oferece serviços
que auxiliam na formação de novos leitores e além do aprimoramento daqueles cidadãos que,
semi-alfabetizados, engrossam o impressionante número de iletrados de nossa sociedade. O
grande desafio a ser superado deve-se a conquista destes e mais brasileiros no que tange à
leitura é, segundo a análise que lá foi feita, uma maior atenção e investimento justamente à
acessibilidade ao livro, desde que é notório que o cidadão excluído socialmente encontra-se
impossibilitado de adquirir, com recursos próprios, a informação que a leitura lhe fornece.
         A biblioteca por sua vez pode se constituir em um espaço privilegiado para a
intervenção social e o desenvolvimento de mediação pedagógica. Nesse sentido a biblioteca
tem tudo para estar à frente da luta contra a exclusão social se conseguirmos aliar o acesso a
tecnologias da informação, o texto escrito e a comunicação voltada para o educativo, o
organizativo e o produtivo.
         Com essa pesquisa verificamos que os estudos sobre a população em situação de rua
no Brasil ainda são relativamente escassos e que a diversidade de conceitos que envolvem
esse tipo população e as dificuldades relacionadas à sua mensuração são obstáculos que têm
sido superados gradativamente, graças ao trabalho humanitário de instituições como o Arsenal
da Esperança Dom Lucas Pedro Mendes de Almeida. Aliás, uma das maiores satisfações que
sentimos ao realizar esse trabalho, foi realmente o exemplo de caridade e cidadania que é
dado diariamente por essa instituição, abrindo não somente as suas portas, mas o coração para
acolher todos aqueles que a procuram e lhes oferecer o melhor de que dispõe naquele
momento.
       Ficamos tristes com a miséria e a desigualdade que impera entre nós, porém, quando
vimos exemplos como o de Marivaldo e o interesse dos leitores em buscar meios de deixarem
a rua, acreditamos que vale a pena sonhar e lutar para que esse sonho de liberdade se realize.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS



1    BURSZTYN, M. No meio da rua: nômades, excluídos e viradores. Rio de Janeiro:
    Garamond, 2000. p. 19



2    MORADOR        de   rua   renasce    ao   descobrir   a   leitura.   Disponível   em:
    <http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1178563-7823-
    MORADOR+DE+RUA+RENASCE+AO+DESCOBRIR+A+LEITURA,00.html>.Ac
    esso em: 28 maio 2010



3    MORADORES                   de            rua.            Disponível              em:
    <http://colunas.cbn.globoradio.globo.com/miltonjung/moradoresderua>. Acesso em:
    01 jun. 2010.



4    O QUE a SMADS faz? Disponível em:
    <http://ww2.prefeitura.sp.gov.br/secretarias/assistencia_social/defuturo/smads.php>.
    Acesso em: 30 maio 2010.



5    PARREIRAS, M. Cresce o número de moradores de rua em SP. Jornal Agora São
    Paulo, São Paulo, ano 12, p. A3, 01 jun. 2010



6    ROSA, C.M.M. Visas de rua. São Paulo: Hucitec,2005.



7    __________.Disponível em: <http://www.arsenaldaesperanca.org.br>. Acesso em: 02
    jun. 2010.
ANEXO 1: RESULTADOS DA PESQUISA REALIZADA PELA FUNDAÇÃO

INSTITUTO DE PESQUISAS ECONÔMICAS (FIPE) SOBRE MORADORES DE

               RUA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO
ANEXO 2: O ARSENAL DA ESPERANÇA DOM LUCIANO PEDRO

                                 MENDES DE ALMEIDA


          O Arsenal da Esperança é uma Instituição Beneficente fundada por Ernesto Olivero

e Dom Luciano Mendes de Almeida, em 1 de fevereiro de 1996 e administrado pela

Associação Assindes Sermig, SP




          Todos os dias oferece acolhida a 1150 homens que se encontram em dificuldades,

devido, na maioria das vezes, à falta de trabalho, casa, alimentação, saúde e família. Quem

ingressa nesta casa recebe uma acolhida digna e, sobretudo, a oportunidade de transformar a

sua própria condição de vida. Nestes 14 anos de funcionamento hospedou mais de 35.000

pessoas, ofereceu mais de 4,5 milhões de atendimentos, produziu e forneceu mais de 12

milhões                                     de                                     refeições.

O Arsenal é também um lugar de encontro para os jovens e as famílias que queiram dialogar

e “crescer” e que se proponham a serem promotores de ações de paz, justiça e solidariedade.


          Localização:

          Encontra-se num local repleto de construções históricas, onde funcionou a

Hospedaria dos Imigrantes, um enorme conjunto de prédios destinado, desde 1886, a abrigar

imigrantes recém–chegados a São Paulo.
Esta continua preservando a história da imigração, mantendo viva a memória da

cidade. Neste mesmo espaço, o Arsenal, sendo “uma casa que acolhe”, congrega tanto as

antigas instalações da hospedaria, quanto à acolhida as pessoas de passagem, que também

hoje chegam com os seus fardos, seus sofrimentos e seus projetos, e que aqui podem

encontrar uma esperança.


Rua Dr. Almeida Lima, 900 – Mooca

CEP 03164-000 - São Paulo - SP

Tel./Fax (11) 2292-0977

(Próximo da Estação do Metrô Bresser Mooca).



         Filosofia:

         Para o Arsenal da Esperança a pessoa que utiliza seus serviços não é um “morador

de rua” e sim um “acolhido”.

         Ser acolhido quer dizer, em primeiro lugar, não se sentir mais um número, mas

sentir-se compreendido, aceito, amado, parte de uma família. A partir disso pode renascer a

esperança. Neste local, cada um é acolhido com o próprio passado, com as próprias angústias,

com os medos que muitas vezes são comuns aos de muitos outros.

         Propõe um método e algumas regras que, se aceitos, o ajudarão a crescer. Jovens e

adultos encontram um lugar bem cuidado, limpo e acolhedor, elementos fundamentais para

ajudar a descobrir uma dignidade talvez perdida, e encontrar também uma espiritualidade que

nasce da oração e da ajuda concreta dos outros.

         O Arsenal, vivendo realmente cada dia o próprio empenho de solidariedade e de

esperança, semeando traços indeléveis em cada pessoa que acolhe: não é somente um

albergue e muito menos um “gueto” feito para tirar as pessoas da rua, mas sim um espaço de

integração entre os diversos níveis da sociedade.
A questão do desemprego sempre fez dedicar especial atenção às iniciativas que

visem à realização de cursos profissionalizantes, no próprio Arsenal, ou através da

participação em cursos externos. Com o objetivo de criar oportunidades para elevar ou

diversificar a capacitação profissional das pessoas acolhidas, a Associação Assindes Sermig

mantém contato com várias empresas e tradicionais instituições de ensino profissionalizante.


         Cursos oferecidos:

         Em parceria com o SENAI, implementou cursos voltados para a capacitação

profissional nas áreas de: construção civil, informática e alimentação.

         O "Caminho Novo" é um programa, iniciado em 1997, e desde 2004 em parceria

com Associação pela Família (ASPF), tradicional entidade educacional, em que o Arsenal

oferece aos acolhidos a possibilidade de aprender a ler e a escrever ou de retomar os estudos.

Há diversas atividades: o clube de leitura, as atividades de artes plásticas, oficina de

reciclagem de papel, encadernação, visitas a exposições, festas e eventos são experiências

valiosas, que auxiliam no processo educativo.


         Bazar:




       O bazar do Arsenal da Esperança é organizado por uma equipe voluntária, juntamente

com membros da Fraternidade da Esperança, mas também conta com a participação de grupos
de jovens que se disponibilizam para ajudar na preparação e no atendimento.

         As peças (roupas, sapatos, bijuterias, acessórios, brinquedos, etc.) oferecidas no

bazar chegam através de doações. O lucro obtido com a venda desses artigos é investido no

próprio Arsenal, para que assim, as portas desta casa, continuem sempre abertas.


         Reconhecimentos:

         A Associação Assindes Sermig teve o seu trabalho reconhecido da seguinte forma:

       • Prêmio Bem Eficiente 2003, concedido pela Kanitz & Associados que, através de

critérios próprios de seleção, reconheceu a ASSINDES-SP (atual ASSINDES SERMIG) pelo

bom trabalho e desempenho dentro de uma estrutura profissional e eficiente, operando com

custos administrativos baixos, com transparência e supervisão externa, de forma a garantir a

sua perpetuação como entidade beneficente.

       • Homenagem das Nações Unidas, em junho de 2004, através do Alto Comissariado

das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), pela colaboração ativa da ASSINDES-SP

(atual ASSINDES SERMIG) no atendimento a Refugiados em São Paulo, no Arsenal da

Esperança.

       • Homenagem do Conselho Comunitário de Segurança Brás-Mooca Belenzinho como

Destaque 2008.

       • Homenagem da Câmara Municipal de São Paulo e da Coordenadoria Municipal de

Defesa Civil, em fevereiro de 2009, pela solidariedade manifestada à Defesa Civil na

Operação SOS Santa Catarina.

       • Homenagem da Câmara Municipal de São Paulo e da Coordenadoria Municipal de

Defesa Civil, em fevereiro de 2009, pela solidariedade manifestada à Defesa Civil na

Operação SOS Santa Catarina.
ANEXO 3: QUESTIONÁRIO


     1.Idade (em anos):

     ( ) 18 – 28            ( ) 29 – 38             ( ) 39 – 48          ( ) 49 – 58

     ( ) 59 – 68            ( ) Mais de 68


     2.Naturalidade:

     ( ) Região Norte       ( ) Região Nordeste     ( ) Região Centro-Oeste

     ( ) Região Sudeste     ( ) Região Sul


     3.Motivos que levaram a situação de rua:

     ( ) Desemprego         ( ) Dificuldade financeira     ( ) Conflitos com a família

     ( ) Vício        ( ) Migração ( ) Outros____________________________________


4.    Nível escolar:

     ( ) Fundamental incompleto              ( ) Fundamental completo

     ( ) Ensino médio incompleto             ( ) Ensino médio completo

     ( ) Superior incompleto                 ( ) Superior completo

     ( ) Pós-graduação: ___________________________________________


5.    Profissão: ___________________________________________


6.    Ocupação: ___________________________________________


7.    Estado civil:

     ( ) Solteiro     ( ) Casado   ( ) Divorciado          ( ) Viúvo

     ( ) Outros________________________________________
8.     Possui filhos? ( ) Sim       ( ) Não


9.     Por que freqüenta esta biblioteca?

      ( ) gosto pela leitura ( ) necessidade de estudo   ( ) se manter atualizado

      ( ) passar o tempo    ( )adquirir conhecimento     ( ) falta de opção

      ( ) outros ___________________________________________


10.    Tem o hábito de freqüentar outras bibliotecas? ( ) Sim ( ) Não
ANEXO 4: RELATÓRIO DE VISITA


1. Nome do local de visita: Biblioteca do Arsenal da Esperança


2. Descrição do local de visita: A Biblioteca possui aproximadamente 100m² dividido

   em dois espaços com mesas individuais e em grupo, balcão de atendimento, um

   terminal de consulta.


3. Tipo de biblioteca: Biblioteca especial


4. Objetivo: Atender as necessidades informacionais e a inserção sociocultural dos

   usuários.


5. Acervo: O acervo é composto por 5.500 obras catalogadas, num montante de 5.600.

   Os materiais encontrados na biblioteca são: Atlas, dicionários, enciclopédias, gibis,

   livros e periódicos.


6. Público alvo: Moradores do Arsenal.


7. Serviços: Empréstimo de livros, auxílio para reinserção no mercado de trabalho,

   “Central do Brasil”, saraus e concursos de poesia.

8. Recuperação da informação: Através do programa PHL; as consultas são realizadas

   pelos voluntários ou no terminal pelos usuários.


9. Horário de funcionamento: Diariamente das17h às 21h.


10. Dia /ano/ da visita 04, 09, 11, 18 e 25 de maio de 2010.


11. Recursos humanos/equipe: 17 voluntários sendo que 10 são externos e sete são

   acolhidos que tem a oportunidade de ajudar.
ANEXO 5: FOTOS DA BIBLIOTECA DO ARSENAL DA ESPERANÇA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (8)

Os Simpsons e a História - Alessandro de Almeida
Os Simpsons e a História - Alessandro de AlmeidaOs Simpsons e a História - Alessandro de Almeida
Os Simpsons e a História - Alessandro de Almeida
 
Cartaz do concurso literário concelhio
Cartaz do concurso literário concelhioCartaz do concurso literário concelhio
Cartaz do concurso literário concelhio
 
ApresentaçãO 25 03
ApresentaçãO 25 03ApresentaçãO 25 03
ApresentaçãO 25 03
 
Dia mundial da luta contra a lepra
Dia mundial da luta contra a lepraDia mundial da luta contra a lepra
Dia mundial da luta contra a lepra
 
Cartazconcursolit2010 (1)
Cartazconcursolit2010 (1)Cartazconcursolit2010 (1)
Cartazconcursolit2010 (1)
 
expo virtual
expo virtualexpo virtual
expo virtual
 
Atividade comparada
Atividade comparadaAtividade comparada
Atividade comparada
 
O Bandeirante - Setembro 2007 - nº 178
O Bandeirante - Setembro 2007 - nº 178O Bandeirante - Setembro 2007 - nº 178
O Bandeirante - Setembro 2007 - nº 178
 

Destaque

Propaganda Política Brasileira 2010 - Jucilene Lopes dos Santos
Propaganda Política Brasileira 2010 - Jucilene Lopes dos SantosPropaganda Política Brasileira 2010 - Jucilene Lopes dos Santos
Propaganda Política Brasileira 2010 - Jucilene Lopes dos Santos
Monitor Científico FaBCI
 
Bullying: um novo nome para um comportamento recorrente
Bullying: um novo nome para um comportamento recorrenteBullying: um novo nome para um comportamento recorrente
Bullying: um novo nome para um comportamento recorrente
Monitor Científico FaBCI
 

Destaque (20)

A propaganda eleitoral no Brasil - Cristiano Neves de Souza Pereira
A propaganda eleitoral no Brasil - Cristiano Neves de Souza PereiraA propaganda eleitoral no Brasil - Cristiano Neves de Souza Pereira
A propaganda eleitoral no Brasil - Cristiano Neves de Souza Pereira
 
Biblioteca pública especializada em literatura fantástica
Biblioteca pública especializada em literatura fantásticaBiblioteca pública especializada em literatura fantástica
Biblioteca pública especializada em literatura fantástica
 
Propaganda Política Brasileira 2010: candidato à presidente - Adriana Celini ...
Propaganda Política Brasileira 2010: candidato à presidente - Adriana Celini ...Propaganda Política Brasileira 2010: candidato à presidente - Adriana Celini ...
Propaganda Política Brasileira 2010: candidato à presidente - Adriana Celini ...
 
Atrativos e inconvenientes da implantação do espaço Europeu de Educação Super...
Atrativos e inconvenientes da implantação do espaço Europeu de Educação Super...Atrativos e inconvenientes da implantação do espaço Europeu de Educação Super...
Atrativos e inconvenientes da implantação do espaço Europeu de Educação Super...
 
Propaganda Política Brasileira 2010 - Luciana Aparecida de Souza
Propaganda Política Brasileira 2010 - Luciana Aparecida de SouzaPropaganda Política Brasileira 2010 - Luciana Aparecida de Souza
Propaganda Política Brasileira 2010 - Luciana Aparecida de Souza
 
O Cangaço em Fogo Morto
O Cangaço em Fogo MortoO Cangaço em Fogo Morto
O Cangaço em Fogo Morto
 
Trabalho sobre o livro: O Falcão Maltês - Fernando Reis de Arruda Alves; Marc...
Trabalho sobre o livro: O Falcão Maltês - Fernando Reis de Arruda Alves; Marc...Trabalho sobre o livro: O Falcão Maltês - Fernando Reis de Arruda Alves; Marc...
Trabalho sobre o livro: O Falcão Maltês - Fernando Reis de Arruda Alves; Marc...
 
O Blog do Monitor Científico como ferramenta de comunicação da comunidade aca...
O Blog do Monitor Científico como ferramenta de comunicação da comunidade aca...O Blog do Monitor Científico como ferramenta de comunicação da comunidade aca...
O Blog do Monitor Científico como ferramenta de comunicação da comunidade aca...
 
A lógica no Falcão Maltês - Adrian Parra Carneiro; Florindo Peixoto Neto
A lógica no Falcão Maltês - Adrian Parra Carneiro; Florindo Peixoto NetoA lógica no Falcão Maltês - Adrian Parra Carneiro; Florindo Peixoto Neto
A lógica no Falcão Maltês - Adrian Parra Carneiro; Florindo Peixoto Neto
 
Propaganda Política Brasileira 2010 - Sheila Cecheto
Propaganda Política Brasileira 2010 - Sheila CechetoPropaganda Política Brasileira 2010 - Sheila Cecheto
Propaganda Política Brasileira 2010 - Sheila Cecheto
 
Pesquisa de docentes de graduação da Fundação Escola de Sociologia e Política...
Pesquisa de docentes de graduação da Fundação Escola de Sociologia e Política...Pesquisa de docentes de graduação da Fundação Escola de Sociologia e Política...
Pesquisa de docentes de graduação da Fundação Escola de Sociologia e Política...
 
Propaganda Política Brasileira 2010 - Jucilene Lopes dos Santos
Propaganda Política Brasileira 2010 - Jucilene Lopes dos SantosPropaganda Política Brasileira 2010 - Jucilene Lopes dos Santos
Propaganda Política Brasileira 2010 - Jucilene Lopes dos Santos
 
Dom Quixote do Pilar
Dom Quixote do PilarDom Quixote do Pilar
Dom Quixote do Pilar
 
Bullying: um novo nome para um comportamento recorrente
Bullying: um novo nome para um comportamento recorrenteBullying: um novo nome para um comportamento recorrente
Bullying: um novo nome para um comportamento recorrente
 
Fesp mc rep_informação na área de biblioteconomia e c
Fesp mc rep_informação na área de biblioteconomia e cFesp mc rep_informação na área de biblioteconomia e c
Fesp mc rep_informação na área de biblioteconomia e c
 
Propaganda Política Brasileira 2010 - Izabele de Siqueira Mello
Propaganda Política Brasileira 2010 - Izabele de Siqueira MelloPropaganda Política Brasileira 2010 - Izabele de Siqueira Mello
Propaganda Política Brasileira 2010 - Izabele de Siqueira Mello
 
Rede brasil de bibliotecas comunitárias uma rede social criada para aproximar...
Rede brasil de bibliotecas comunitárias uma rede social criada para aproximar...Rede brasil de bibliotecas comunitárias uma rede social criada para aproximar...
Rede brasil de bibliotecas comunitárias uma rede social criada para aproximar...
 
Carminda n. c. Ferreira
Carminda n. c. FerreiraCarminda n. c. Ferreira
Carminda n. c. Ferreira
 
Diagnóstico do arquivo da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paul...
Diagnóstico do arquivo da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paul...Diagnóstico do arquivo da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paul...
Diagnóstico do arquivo da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paul...
 
Arquivo de desenhos técnicos: "massa acumulada" do setor rede de engenharia d...
Arquivo de desenhos técnicos: "massa acumulada" do setor rede de engenharia d...Arquivo de desenhos técnicos: "massa acumulada" do setor rede de engenharia d...
Arquivo de desenhos técnicos: "massa acumulada" do setor rede de engenharia d...
 

Semelhante a Leitores de rua: biblioteca do albergue Arsenal da Esperança

Trabalhos Aprovados - Posteres
Trabalhos Aprovados - PosteresTrabalhos Aprovados - Posteres
Trabalhos Aprovados - Posteres
Erecssul
 
Bob news, nº24, março de 2010
Bob news, nº24, março de 2010Bob news, nº24, março de 2010
Bob news, nº24, março de 2010
Biblio 2010
 
Desafios para aproximação das bibliotecas públicas com a comunidade
Desafios para aproximação das bibliotecas públicas com a comunidadeDesafios para aproximação das bibliotecas públicas com a comunidade
Desafios para aproximação das bibliotecas públicas com a comunidade
Sistema Municipal de Bibliotecas
 
Retratos da Leitura em Esteio
Retratos da Leitura em EsteioRetratos da Leitura em Esteio
Retratos da Leitura em Esteio
Ana Paula Cecato
 
A antropologia de grupos urbanos
A antropologia de grupos urbanosA antropologia de grupos urbanos
A antropologia de grupos urbanos
Marcos Dias
 
Anais de resumo Encontro PROLER 2012
Anais de resumo  Encontro PROLER 2012Anais de resumo  Encontro PROLER 2012
Anais de resumo Encontro PROLER 2012
Univille
 

Semelhante a Leitores de rua: biblioteca do albergue Arsenal da Esperança (20)

Insights para transformar as cidades - Carolina Zaine
Insights para transformar as cidades - Carolina ZaineInsights para transformar as cidades - Carolina Zaine
Insights para transformar as cidades - Carolina Zaine
 
Trabalhos Aprovados - Posteres
Trabalhos Aprovados - PosteresTrabalhos Aprovados - Posteres
Trabalhos Aprovados - Posteres
 
Bob news, nº24, março de 2010
Bob news, nº24, março de 2010Bob news, nº24, março de 2010
Bob news, nº24, março de 2010
 
Estudo de usuário: Biblioteca de São Paulo
Estudo de usuário: Biblioteca de São PauloEstudo de usuário: Biblioteca de São Paulo
Estudo de usuário: Biblioteca de São Paulo
 
Desafios para aproximação das bibliotecas públicas com a comunidade
Desafios para aproximação das bibliotecas públicas com a comunidadeDesafios para aproximação das bibliotecas públicas com a comunidade
Desafios para aproximação das bibliotecas públicas com a comunidade
 
A imagem do bibliotecário no cinema: ficção ou realidade?
A imagem do bibliotecário no cinema: ficção ou realidade?A imagem do bibliotecário no cinema: ficção ou realidade?
A imagem do bibliotecário no cinema: ficção ou realidade?
 
Retratos da Leitura em Esteio
Retratos da Leitura em EsteioRetratos da Leitura em Esteio
Retratos da Leitura em Esteio
 
Afinal, O que é Favela?
Afinal, O que é Favela?Afinal, O que é Favela?
Afinal, O que é Favela?
 
000767622
000767622000767622
000767622
 
A antropologia de grupos urbanos
A antropologia de grupos urbanosA antropologia de grupos urbanos
A antropologia de grupos urbanos
 
Oliven-ruben-george-a-antropologia-de-grupos-urbanos[1]
 Oliven-ruben-george-a-antropologia-de-grupos-urbanos[1] Oliven-ruben-george-a-antropologia-de-grupos-urbanos[1]
Oliven-ruben-george-a-antropologia-de-grupos-urbanos[1]
 
Anais de resumo Encontro PROLER 2012
Anais de resumo  Encontro PROLER 2012Anais de resumo  Encontro PROLER 2012
Anais de resumo Encontro PROLER 2012
 
Ensino em Biblioteconomia: graduação e pós-graduação
Ensino em Biblioteconomia: graduação e pós-graduaçãoEnsino em Biblioteconomia: graduação e pós-graduação
Ensino em Biblioteconomia: graduação e pós-graduação
 
Revista ZN - Outubro/2016
Revista ZN - Outubro/2016Revista ZN - Outubro/2016
Revista ZN - Outubro/2016
 
Desenvolvimento da competência em informação em pessoas em situação de rua: f...
Desenvolvimento da competência em informação em pessoas em situação de rua: f...Desenvolvimento da competência em informação em pessoas em situação de rua: f...
Desenvolvimento da competência em informação em pessoas em situação de rua: f...
 
Aplicação do modelo de análise de conteúdo para leitura de facetas da missão ...
Aplicação do modelo de análise de conteúdo para leitura de facetas da missão ...Aplicação do modelo de análise de conteúdo para leitura de facetas da missão ...
Aplicação do modelo de análise de conteúdo para leitura de facetas da missão ...
 
Discursos à Beira do Sinos
Discursos à Beira do SinosDiscursos à Beira do Sinos
Discursos à Beira do Sinos
 
O cinema em teresina
O cinema em teresinaO cinema em teresina
O cinema em teresina
 
Introducao a sociologia
Introducao a sociologiaIntroducao a sociologia
Introducao a sociologia
 
Dialogus 2006 v.1_n.1
Dialogus 2006 v.1_n.1Dialogus 2006 v.1_n.1
Dialogus 2006 v.1_n.1
 

Mais de Monitor Científico FaBCI

Mais de Monitor Científico FaBCI (16)

Manoel Bastos Tigre
Manoel Bastos TigreManoel Bastos Tigre
Manoel Bastos Tigre
 
Manual de Processamento Técnico
Manual de Processamento TécnicoManual de Processamento Técnico
Manual de Processamento Técnico
 
Manual de processamento técnico
Manual de processamento técnicoManual de processamento técnico
Manual de processamento técnico
 
Manual de processamento técnico
Manual de processamento técnico Manual de processamento técnico
Manual de processamento técnico
 
A sustentabilidade e as bibliotecas comunitárias: possível implementação - De...
A sustentabilidade e as bibliotecas comunitárias: possível implementação - De...A sustentabilidade e as bibliotecas comunitárias: possível implementação - De...
A sustentabilidade e as bibliotecas comunitárias: possível implementação - De...
 
Organograna cronologico com base no livro: O Falcão Maltês - Denis Maimoni
Organograna cronologico com base no livro: O Falcão Maltês - Denis MaimoniOrganograna cronologico com base no livro: O Falcão Maltês - Denis Maimoni
Organograna cronologico com base no livro: O Falcão Maltês - Denis Maimoni
 
Serviços Informacionais 2.0 - Profª Renate Landshoff
Serviços Informacionais 2.0 - Profª Renate LandshoffServiços Informacionais 2.0 - Profª Renate Landshoff
Serviços Informacionais 2.0 - Profª Renate Landshoff
 
Inserção laboral dos graduados em Documentação na Espanha em anos de crise ec...
Inserção laboral dos graduados em Documentação na Espanha em anos de crise ec...Inserção laboral dos graduados em Documentação na Espanha em anos de crise ec...
Inserção laboral dos graduados em Documentação na Espanha em anos de crise ec...
 
Propaganda Política Brasileira 2010 - Leidieice Santos
Propaganda Política Brasileira 2010 - Leidieice SantosPropaganda Política Brasileira 2010 - Leidieice Santos
Propaganda Política Brasileira 2010 - Leidieice Santos
 
Observação e Análise da Propaganda Eleitoral Gratuita - Joseane de Santana Ta...
Observação e Análise da Propaganda Eleitoral Gratuita - Joseane de Santana Ta...Observação e Análise da Propaganda Eleitoral Gratuita - Joseane de Santana Ta...
Observação e Análise da Propaganda Eleitoral Gratuita - Joseane de Santana Ta...
 
Propaganda Política Brasileira 2010 - Henrique Onofre Freitas de Souza
Propaganda Política Brasileira 2010 - Henrique Onofre Freitas de SouzaPropaganda Política Brasileira 2010 - Henrique Onofre Freitas de Souza
Propaganda Política Brasileira 2010 - Henrique Onofre Freitas de Souza
 
Propaganda Política Brasileira 2010 - Eloiza Pereira Silveira Tinoco
Propaganda Política Brasileira 2010 - Eloiza Pereira Silveira TinocoPropaganda Política Brasileira 2010 - Eloiza Pereira Silveira Tinoco
Propaganda Política Brasileira 2010 - Eloiza Pereira Silveira Tinoco
 
Análise do horário político brasileiro 2010: três momentos distintos - Elizab...
Análise do horário político brasileiro 2010: três momentos distintos - Elizab...Análise do horário político brasileiro 2010: três momentos distintos - Elizab...
Análise do horário político brasileiro 2010: três momentos distintos - Elizab...
 
Horário Eleitoral Gratuito 2010 - Cibele Maria Dias
Horário Eleitoral Gratuito 2010 - Cibele Maria DiasHorário Eleitoral Gratuito 2010 - Cibele Maria Dias
Horário Eleitoral Gratuito 2010 - Cibele Maria Dias
 
Propaganda Política Brasileira 2010 - Ana Paula Cavalcante
Propaganda Política Brasileira 2010 - Ana Paula CavalcantePropaganda Política Brasileira 2010 - Ana Paula Cavalcante
Propaganda Política Brasileira 2010 - Ana Paula Cavalcante
 
Bibliotecários que atuam em consultoria - Profª Drª Valéria Valls
Bibliotecários que atuam em consultoria - Profª Drª Valéria VallsBibliotecários que atuam em consultoria - Profª Drª Valéria Valls
Bibliotecários que atuam em consultoria - Profª Drª Valéria Valls
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 

Último (20)

HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 

Leitores de rua: biblioteca do albergue Arsenal da Esperança

  • 1. FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO Ana Eliza Grigorio Rodrigues Damaris Siqueira Brito Fabiana de Oliveira Paulino Joseane de Santana Tavares Lourival Lopes Cancela LEITORES DE RUA SÃO PAULO 2010
  • 2. Ana Eliza Grigorio Rodrigues Damaris Siqueira Brito Fabiana de Oliveira Paulino Joseane de Santana Tavares Lourival Lopes Cancela LEITORES DE RUA Trabalho apresentado à Disciplina de Estatística como requisito parcial para aprovação no 3º semestre do curso de Biblioteconomia e Ciência da Informação da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Prof. Roseli Terezinha Gatti SÃO PAULO 2010
  • 3. A cada leitor o seu livro, a cada livro o seu leitor. Ranganathan “Diz-se violento o rio que tudo arrasta, mas não se dizem violentas as margens que o oprimem.” Bertold Brecht.
  • 4. SUMÁRIO INTRODUÇÃO 5 1.1 Referencial Teórico 6 1.2 Justificativa do Tema 6 1.3 Objeto 7 1.4 Objetivo 7 4 METODOLOGIA 9 4.2 Elaboração do Questionário 9 4.3 Visitas e Aplicação do Questionário 9 5 ANÁLISE DOS DADOS 11 5.2 Idade 11 5.3 Naturalidade 11 5.4 Porque Está na Situação de Rua 12 5.5 Nível Escolar 13 5.6 Estado Civil 14 5.7 Profissão e Ocupação 15 5.8 Porque Frequenta a Biblioteca do Arsenal 15 5.9 Frequencia em Outras Bibliotecas 16 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS 17 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 19
  • 5. ANEXO 1: RESULTADOS DA PESQUISA REALIZADA PELA FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESQUISAS ECONÔMICAS (FIPE) SOBRE MORADORES DE RUA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO 20 ANEXO 2: O ARSENAL DA ESPERANÇA 21 ANEXO 3: QUESTIONÁRIO 25 ANEXO 4: RELATÓRIO DE VISITA 27 ANEXO 5: FOTOS DA BIBLIOTECA DO ARSENAL DA ESPERANÇA 28
  • 6. 1 INTRODUÇÃO É indiscutível o grande número de pessoas morando nas ruas desta cidade, aliás, acabou de ser divulgado o resultado de uma pesquisa encomendada pela Prefeitura Municipal de São Paulo que revelou que existem 13.666 pessoas em situação de rua, dessas 7.079 estão acolhidos nos albergues e 6.587 morando nas ruas. Esse levantamento, realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), se preocupou em coletar dados quantitativos relacionados ao sexo, trabalho, cor, despesas e dependência de álcool ou algum outro tipo de droga. (Anexo 1) Chamou-nos a atenção o fato de não haver dados quanto à procura por leituras, bibliotecas ou algum centro de informação por parte dessa imensa população. Diante disso baseamos esse trabalho nesta questão investigando se esse público, chamado de morador de rua, completamente à margem da sociedade, tem o costume de frequentar bibliotecas ou mesmo se existe por parte do poder público algum incentivo para que isso aconteça. Para conhecer melhor o cotidiano dessa população visitamos aquele que é considerado o maior albergue social da América Latina, o Centro de Acolhida Arsenal da Esperança Dom Luciano Pedro Mendes de Almeida (Anexo 2), conhecido popularmente como Arsenal da Esperança, na Rua Doutor Almeida Lima, 900, no bairro da Mooca, partindo do fator técnico que considera o acolhido em um albergue também um morador de rua, por pertencer ao mesmo grupo em estado de vulnerabilidade social. Ali são acolhidos 1.200 homens diariamente e entre os diversos serviços que são disponibilizados à esses usuários está uma biblioteca, que serviu de base para o nosso estudo. Partindo da premissa que esse público sente necessidade de leitura, cultura e informação, este projeto tem por objetivo mostrar a realidade escondida atrás das paredes de uma antiga hospedaria de imigrantes, que passa despercebida pela maioria das pessoas que por ali transitam, um verdadeiro universo de boas ações centradas na recolocação dos acolhidos no mercado de trabalho, na recuperação dos laços familiares, da auto-estima, da dignidade e, principalmente, da reinserção social. E um dos principais pilares desse processo é o incentivo diário dado aos seus moradores, para que frequentem a biblioteca, retirem livros e se mantenham sempre atualizados em relação aos últimos acontecimentos mundiais. Por isso, o foco dessa pesquisa é exatamente conhecer o perfil desses leitores, usuários da biblioteca do Arsenal e que aqui denominamos “leitores de rua”, destacando características desconhecidas desse público que por ora não tem onde morar.
  • 7. 1.1 Referencial Teórico Esta pesquisa foi alicerçada nos estudos realizados pela assistente social Cleisa M. M. Rosa, relatados em seu livro Vidas de rua (2005), onde estão descritas as primeiras ações de um processo investigativo sobre a população de rua, no final da década de 1980. A obra concorda com o que disse Bursztyn (2000, p. 19) “viver no meio da rua não é um problema novo. Se não é tão antigo quanto à própria existência das ruas, da vida urbana, remonta, pelo menos, ao renascimento das cidades, no início do capitalismo”. Através da narrativa de Rosa (2005, p.10-15) podemos verificar que há muito se vêm discutindo essa problemática e, com o seu olhar perspicaz, já naquela época, foi possível constatar a institucionalização do trabalho social com quem mora na rua, pelo padrão de atendimento convencional em albergues. Apesar deste trabalho já ter cinco anos, os dados assemelham-se aos da pesquisa realizada pela FIPE e que foram divulgados em junho de 2010 pela Prefeitura Municipal de São Paulo, no qual muito nos baseamos. Outra fonte de pesquisa e inspiração foi a matéria realizada pela Rede Globo para o programa Globo Repórter que mostrou história do ex-morador do Arsenal da Esperança, Marivaldo da Silva Santos, um homem que saiu de Feira de Santana e foi morar nas ruas de São Paulo até que descobriu os “tesouros” da biblioteca do Arsenal e renasceu na companhia dos livros. 1.2 Justificativa do Tema A presença de pessoas vivendo cotidianamente nas ruas é uma realidade universal, especialmente nas grandes metrópoles, um fenômeno complexo mesclado por processos sociais e psicólogicos, objetivos e subjetivos, agravados pelas constantes transformações no mundo do trabalho, geradoras de inseguranças e incertezas que levam ao enfraquecimento e ruptura de vínculos sociais, familiares, profissionais e comunitários, e pelas dificuldades dos sistemas de proteção social. No Brasil, é bastante heterogêneo o segmento das populações que vivem nas ruas, especialmente o das maiores cidades e não se sabe exatamente quantos são, pois essas pessoas sempre ficam de fora dos censos oficiais do IBGE. Por iniciativas de alguns governos locais têm sido feitos estudos e contagens, como é o caso da cidade de São Paulo, que realiza um levantamento dessa população a cada três anos e no último realizado pela Prefeitura Municipal existiam 13.666 pessoas em condição de rua em São Paulo. Esses dados são sempre contestados pelos órgãos que assistem a essa população, alguns falam em mais de
  • 8. 18.000 pessoas perambulando pelas ruas e pernoitando nos logradouros públicos e nos albergues da cidade. Como citado anteriormente, existe na cidade de São Paulo uma rede de albergues, centros de serviços e proteção à população de rua, formada por um conjunto de 41 entidades que recebem verba da Prefeitura para atender e tentar amenizar o sofrimento dessas pessoas através de diversos programas assistenciais. Segundo informação do site da Secretaria Municipal de Ação e Desenvolvimento Social (SMADS), não existe em nenhum desses projetos a implantação de bibliotecas, salas de leitura ou algo parecido onde os usuários possam buscar alguma fonte de informação, ficando tal responsabilidade à mercê do interesse e das condições financeiras da Instituição local que, de acordo com inúmeras matérias veiculadas pela imprensa, não conseguem oferecer nem mesmo os serviços prioritários com qualidade. Pode-se então perceber que essa concepção de proteção social consiste em oferecer os elementos básicos para suprir as necessidades emergenciais de uma população que cresce ano a ano, conforme constatado pela FIPE, mas que não se estende a recursos informacionais, deixando-a desassistida no âmbito sócio-cultural, revelando o caráter assistencialista dos programas governamentais. Diante disso a biblioteca que encontramos no Arsenal da Esperança Dom Luciano Pedro Mendes de almeida é um exemplo às demais instituições, pois contribui para que as pessoas deixem definitivamente as ruas, onde vivem expostas à violência pessoal e a companhia constante das drogas. 1.3 Objeto É importante esclarecer que consideramos como objeto o excluído social, que se encontra em situação de rua, ainda que sob os cuidados do albergue Arsenal da Esperança, pois, segundo disse Alda Marco Antonio em entrevista concedia à Rádio CBN, ao comentar a pesquisa realizada pela FIPE, mesmo estando albergado essas pessoas também são consideradas “moradores de rua”, pela dependência da rede de proteção social do município, e todas foram relacionadas nos dados dessa pesquisa, cujos parâmetros norteiam o nosso estudo. 1.4 Objetivo Valorizar a importância da leitura e da informação como fator de transformação social e compreender a sua importância na vida de uma parcela da população desprovida de
  • 9. condições que permitam o acesso a esse universo, capaz de promover mudanças em sua forma de sobrevivência, e assim possamos contribuir chamando a atenção para essa gente tão carente, mas que, ainda em meio a esse caos sócio-econômico, segue persistindo no hábito da leitura como fator determinante para o seu bem-estar, mesmo em estado de abandono. Esse estudo centra-se no conhecimento do tipo de público que frequenta o espaço destinado à leitura e estudo do Arsenal da Esperança, sua origem, profissão, sua frequência a essa ou outra biblioteca da cidade, para a partir daí traçarmos o seu perfil. O nosso desejo é que o resultado final dessa pesquisa possa motivar os órgãos públicos à implantação de uma rede de bibliotecas e/ou centros de informação dentro das Casas de Acolhidas conveniadas, para que possam também colaborar no processo de recuperação psicológica e social dos seus internos, como imaginamos acontecer com os leitores do Arsenal da Esperança.
  • 10. 2 METODOLOGIA Depois de definido o tema deste estudo, realizamos levantamento bibliográfico sobre moradores de rua e instituições de assistência a esta população no município de São Paulo. A partir disso, escolhemos a estratégia a ser utilizada para coleta de dados, e elaboramos um questionário para ser aplicado aos usuários da biblioteca do Arsenal da Esperança. 2.1 Elaboração do Questionário A pesquisa de campo foi realizada através de um questionário misto com 10 perguntas, sendo oito de múltipla escolha e duas dissertativas. As perguntas realizadas foram: idade em anos, em que região do Brasil nasceu, ou seja, naturalidade, os motivos que levaram à situação de rua, nível escolar, profissão e ocupação, estado civil, se possui filhos, o porquê freqüenta esta biblioteca e se tem o hábito de freqüentar outras. (Anexo 3) Ao todo foram preenchidos 56 questionários, sendo a maioria de próprio punho e alguns através de entrevistas. 2.2 Visitas e Aplicação do Questionário Para efetuarmos esta pesquisa visitamos o Arsenal da Esperança cinco vezes. Na primeira vez conhecemos a instituição e os serviços oferecidos, e tivemos a oportunidade de nos familiarizar com a biblioteca. (Anexo 4) Esta possui aproximadamente 100m² com mesas individuais e em grupo, balcão de atendimento e um terminal de consulta. O ambiente é aconchegante e adequado ao público. É considerada uma biblioteca especial, pois não é mantida ou organizada por órgãos governamentais para ser classificada como pública, também não tem um tema e público específico para ser especializada. Está inserida e é financiada por uma instituição, então não é comunitária, mas como o trabalho realizado é voluntário, não a consideram como particular. O acervo é composto por 5.600 obras, os materiais encontrados são: Atlas, dicionários, enciclopédias, guias, mapas, gibis, livros e periódicos. A recuperação da informação é realizada através do programa PHL. Além de empréstimo de livros, os outros serviços oferecidos são: auxílio para reinserção no mercado de trabalho, para isso a biblioteca adquire semanalmente jornais com vagas de empregos, realiza digitação de currículos e pesquisa de vagas. Ainda incentiva a
  • 11. comunicação dos usuários com seus familiares, é o chamado “Central do Brasil”, onde os voluntários redigem, quando necessário, e enviam correspondências sem nenhum custo monetário aos interessados. O incentivo à cultura é feito através dos saraus e concursos de poesias. O horário de funcionamento é das 18h às 21h diariamente, exceto quando há outro evento na Instituição ou ausência de pessoal. Trabalham na biblioteca 16 voluntários sendo que, 10 são externos e seis são acolhidos que tem a oportunidade de ajudar. (Anexo 5) Na segunda visita conhecemos o trabalho dos responsáveis pela biblioteca, o Sr. Simone Bernardi, Coordenador, e Lourival Lopes Cancela, Técnico Responsável por todo o processamento e dos demais voluntários, e fomos apresentados aos moradores do albergue, para que todos pudessem compreender porque estaríamos ali e quais eram nossos objetivos. Nas três últimas aplicamos os questionários. Apesar do objetivo da pesquisa ser revelar o perfil dos usuários da biblioteca não nos limitamos a realizá-la apenas neste espaço, mas tivemos a liberdade de abordar pessoas na sala de leitura e em salas de aula. Fomos muito bem recebidos pelos albergados e funcionários do Arsenal da Esperança, e apenas cinco pessoas se recusaram a responder o questionário.
  • 12. 3 ANÁLISE DOS DADOS Após a coleta dos dados realizamos análise estatística. 3.1 Idade Em relação à idade 37% dos entrevistados (21 homens) que frequentam a Biblioteca do Arsenal tem entre 29 e 38 anos, 27% (15 homens) possuem entre 18 e 28 anos, uma porcentagem significativa. 23% (13 homens) têm idade entre 39 e 48 anos, 9% (cinco) tem entre 49 e 58 anos e 4% (dois) tem entre 59 e 68 anos. Dos 56 entrevistados, 49 tem idade entre 18 e 48 anos, ou seja, são relativamente jovens. 3.2 Naturalidade Contradizendo a pressuposição de que a maioria das pessoas que estão em situação de rua vieram das regiões Norte e Nordeste do Brasil, chegamos ao seguinte resultado: 57% (32 homens) dos entrevistados são da região Sudeste do país, ou seja, mais da metade. 25% (14
  • 13. homens) são do Nordeste. 7% (quatro) são da região Centro-Oeste. 5% (três) são do Sul e apenas 2% (um) são do Norte do país. Dois entrevistados não responderam a esta questão. 3.3 Motivos que levaram à Situação de Rua Nesta questão os entrevistados puderam marcar mais de uma alternativa. Em sua maioria o desemprego associado às dificuldades financeiras foram os motivos que levaram os entrevistados a esta situação. O vício, diferente do que podemos pensar, aparece como quarto motivo, e é antecedido dos conflitos familiares. Esses resultados levam-nos a pensar que os dois fatores, o vício e os conflitos familiares, estão relacionados, mas em nenhum dos casos isso acontece. Já o desemprego e os conflitos familiares podem estar interligados, pois em quatro questionários estas duas alternativas foram assinaladas.
  • 14. 3.4. Nível Escolar A maioria dos entrevistados tem o ensino fundamental incompleto (24 homens ou 43%), mas também tivemos um grande percentual de entrevistados que possuem o ensino médio completo (12 homens ou 21%), entre eles existe um percentual pequeno de homens que possuem o superior completo ou incompleto (cinco homens ou 9%). Com ensino fundamental completo entrevistamos sete homens, 13% do total e com ensino médio incompleto oito homens, 14% do total.
  • 15. 3.5 Estado Civil Em relação ao estado civil 9% (cinco homens) são casados e três possuem filhos. 5% (três) são divorciados e possuem filhos e um é viúvo e também possui filhos. O número maior é de solteiros (47 homens ou 84%) e entre eles 24 possuem filhos. Sem fazer a distinção sobre estado civil 31 ou 55% possuem filhos e 25 ou 45% não possuem.
  • 16. 3.6 Profissão e Ocupação Quando perguntados sobre a profissão, houve uma variação muito grande de respostas, por isso não foi possível colocarmos em gráficos. A maior parte respondeu sobre o que faz, porém nem todos são profissionais, ou seja, não são especializados na profissão. A maioria executa trabalho braçal, como de ajudante geral ou de pedreiro, padeiro, pintor, soldador, gari, borracheiro, outros já executam trabalhos mais leves, como agente comunitário de saúde, teleoperador, motorista, auxiliar administrativo, funcionário público. Nem todos que dizem exercer uma profissão está empregado. E alguns não responderam sobre a ocupação, talvez por não compreenderem a pergunta ou por estarem desempregados. 3.7 Porque Frequenta a Biblioteca do Arsenal Nesta questão, mais uma vez, os entrevistados puderam escolher mais de uma alternativa. A maioria respondeu que frequenta a biblioteca por gostar de ler (44%), para passar o tempo foi respondido em 16% dos casos e 15% responderam que a utilizam a para adquirir
  • 17. conhecimento, 11% para se manter atualizado, já que ali eles podem encontrar jornais do dia e revistas da semana, e 9% por necessidade de estudo. Por fim, 5% dos entrevistados responderam utilizar a biblioteca por outros motivos, mas não especificaram. 3.8 Frequência em Outras Bibliotecas 67% dos entrevistados frequentam outra biblioteca, e 33% não frequentam. Alguns relataram que vão a outras bibliotecas para ler um pouco e passar o tempo, mas não podem ter a carteirinha por não possuir um endereço fixo.
  • 18. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS Através da análise dos dados verificamos que a maioria das pessoas que frequenta a biblioteca são de meia idade, o que os leva à essa situação, como mostram os gráficos, na maioria das vezes é o desemprego e que a maior parte dessas pessoas não vem de muito longe. Apesar das dificuldades que estes homens enfrentam e a necessidade que sentem de conversar e desabafar com alguém que os escutem, e nem sempre existe este alguém, observamos que uma das maneiras de esquecer um pouco os problemas é através leitura, e o lugar perfeito para isso dentro do Arsenal é a biblioteca. Neste sentido podemos considerar a Biblioteca do Arsenal um espaço privilegiado de difusão de informações, fomento de cultura e promoção de cidadania, pois propicia a esse público a inclusão através do conhecimento. Do ponto de vista inclusivo, ela oferece serviços que auxiliam na formação de novos leitores e além do aprimoramento daqueles cidadãos que, semi-alfabetizados, engrossam o impressionante número de iletrados de nossa sociedade. O grande desafio a ser superado deve-se a conquista destes e mais brasileiros no que tange à leitura é, segundo a análise que lá foi feita, uma maior atenção e investimento justamente à acessibilidade ao livro, desde que é notório que o cidadão excluído socialmente encontra-se impossibilitado de adquirir, com recursos próprios, a informação que a leitura lhe fornece. A biblioteca por sua vez pode se constituir em um espaço privilegiado para a intervenção social e o desenvolvimento de mediação pedagógica. Nesse sentido a biblioteca tem tudo para estar à frente da luta contra a exclusão social se conseguirmos aliar o acesso a tecnologias da informação, o texto escrito e a comunicação voltada para o educativo, o organizativo e o produtivo. Com essa pesquisa verificamos que os estudos sobre a população em situação de rua no Brasil ainda são relativamente escassos e que a diversidade de conceitos que envolvem esse tipo população e as dificuldades relacionadas à sua mensuração são obstáculos que têm sido superados gradativamente, graças ao trabalho humanitário de instituições como o Arsenal da Esperança Dom Lucas Pedro Mendes de Almeida. Aliás, uma das maiores satisfações que sentimos ao realizar esse trabalho, foi realmente o exemplo de caridade e cidadania que é dado diariamente por essa instituição, abrindo não somente as suas portas, mas o coração para
  • 19. acolher todos aqueles que a procuram e lhes oferecer o melhor de que dispõe naquele momento. Ficamos tristes com a miséria e a desigualdade que impera entre nós, porém, quando vimos exemplos como o de Marivaldo e o interesse dos leitores em buscar meios de deixarem a rua, acreditamos que vale a pena sonhar e lutar para que esse sonho de liberdade se realize.
  • 20. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1 BURSZTYN, M. No meio da rua: nômades, excluídos e viradores. Rio de Janeiro: Garamond, 2000. p. 19 2 MORADOR de rua renasce ao descobrir a leitura. Disponível em: <http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1178563-7823- MORADOR+DE+RUA+RENASCE+AO+DESCOBRIR+A+LEITURA,00.html>.Ac esso em: 28 maio 2010 3 MORADORES de rua. Disponível em: <http://colunas.cbn.globoradio.globo.com/miltonjung/moradoresderua>. Acesso em: 01 jun. 2010. 4 O QUE a SMADS faz? Disponível em: <http://ww2.prefeitura.sp.gov.br/secretarias/assistencia_social/defuturo/smads.php>. Acesso em: 30 maio 2010. 5 PARREIRAS, M. Cresce o número de moradores de rua em SP. Jornal Agora São Paulo, São Paulo, ano 12, p. A3, 01 jun. 2010 6 ROSA, C.M.M. Visas de rua. São Paulo: Hucitec,2005. 7 __________.Disponível em: <http://www.arsenaldaesperanca.org.br>. Acesso em: 02 jun. 2010.
  • 21. ANEXO 1: RESULTADOS DA PESQUISA REALIZADA PELA FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESQUISAS ECONÔMICAS (FIPE) SOBRE MORADORES DE RUA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO
  • 22. ANEXO 2: O ARSENAL DA ESPERANÇA DOM LUCIANO PEDRO MENDES DE ALMEIDA O Arsenal da Esperança é uma Instituição Beneficente fundada por Ernesto Olivero e Dom Luciano Mendes de Almeida, em 1 de fevereiro de 1996 e administrado pela Associação Assindes Sermig, SP Todos os dias oferece acolhida a 1150 homens que se encontram em dificuldades, devido, na maioria das vezes, à falta de trabalho, casa, alimentação, saúde e família. Quem ingressa nesta casa recebe uma acolhida digna e, sobretudo, a oportunidade de transformar a sua própria condição de vida. Nestes 14 anos de funcionamento hospedou mais de 35.000 pessoas, ofereceu mais de 4,5 milhões de atendimentos, produziu e forneceu mais de 12 milhões de refeições. O Arsenal é também um lugar de encontro para os jovens e as famílias que queiram dialogar e “crescer” e que se proponham a serem promotores de ações de paz, justiça e solidariedade. Localização: Encontra-se num local repleto de construções históricas, onde funcionou a Hospedaria dos Imigrantes, um enorme conjunto de prédios destinado, desde 1886, a abrigar imigrantes recém–chegados a São Paulo.
  • 23. Esta continua preservando a história da imigração, mantendo viva a memória da cidade. Neste mesmo espaço, o Arsenal, sendo “uma casa que acolhe”, congrega tanto as antigas instalações da hospedaria, quanto à acolhida as pessoas de passagem, que também hoje chegam com os seus fardos, seus sofrimentos e seus projetos, e que aqui podem encontrar uma esperança. Rua Dr. Almeida Lima, 900 – Mooca CEP 03164-000 - São Paulo - SP Tel./Fax (11) 2292-0977 (Próximo da Estação do Metrô Bresser Mooca). Filosofia: Para o Arsenal da Esperança a pessoa que utiliza seus serviços não é um “morador de rua” e sim um “acolhido”. Ser acolhido quer dizer, em primeiro lugar, não se sentir mais um número, mas sentir-se compreendido, aceito, amado, parte de uma família. A partir disso pode renascer a esperança. Neste local, cada um é acolhido com o próprio passado, com as próprias angústias, com os medos que muitas vezes são comuns aos de muitos outros. Propõe um método e algumas regras que, se aceitos, o ajudarão a crescer. Jovens e adultos encontram um lugar bem cuidado, limpo e acolhedor, elementos fundamentais para ajudar a descobrir uma dignidade talvez perdida, e encontrar também uma espiritualidade que nasce da oração e da ajuda concreta dos outros. O Arsenal, vivendo realmente cada dia o próprio empenho de solidariedade e de esperança, semeando traços indeléveis em cada pessoa que acolhe: não é somente um albergue e muito menos um “gueto” feito para tirar as pessoas da rua, mas sim um espaço de integração entre os diversos níveis da sociedade.
  • 24. A questão do desemprego sempre fez dedicar especial atenção às iniciativas que visem à realização de cursos profissionalizantes, no próprio Arsenal, ou através da participação em cursos externos. Com o objetivo de criar oportunidades para elevar ou diversificar a capacitação profissional das pessoas acolhidas, a Associação Assindes Sermig mantém contato com várias empresas e tradicionais instituições de ensino profissionalizante. Cursos oferecidos: Em parceria com o SENAI, implementou cursos voltados para a capacitação profissional nas áreas de: construção civil, informática e alimentação. O "Caminho Novo" é um programa, iniciado em 1997, e desde 2004 em parceria com Associação pela Família (ASPF), tradicional entidade educacional, em que o Arsenal oferece aos acolhidos a possibilidade de aprender a ler e a escrever ou de retomar os estudos. Há diversas atividades: o clube de leitura, as atividades de artes plásticas, oficina de reciclagem de papel, encadernação, visitas a exposições, festas e eventos são experiências valiosas, que auxiliam no processo educativo. Bazar: O bazar do Arsenal da Esperança é organizado por uma equipe voluntária, juntamente com membros da Fraternidade da Esperança, mas também conta com a participação de grupos
  • 25. de jovens que se disponibilizam para ajudar na preparação e no atendimento. As peças (roupas, sapatos, bijuterias, acessórios, brinquedos, etc.) oferecidas no bazar chegam através de doações. O lucro obtido com a venda desses artigos é investido no próprio Arsenal, para que assim, as portas desta casa, continuem sempre abertas. Reconhecimentos: A Associação Assindes Sermig teve o seu trabalho reconhecido da seguinte forma: • Prêmio Bem Eficiente 2003, concedido pela Kanitz & Associados que, através de critérios próprios de seleção, reconheceu a ASSINDES-SP (atual ASSINDES SERMIG) pelo bom trabalho e desempenho dentro de uma estrutura profissional e eficiente, operando com custos administrativos baixos, com transparência e supervisão externa, de forma a garantir a sua perpetuação como entidade beneficente. • Homenagem das Nações Unidas, em junho de 2004, através do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), pela colaboração ativa da ASSINDES-SP (atual ASSINDES SERMIG) no atendimento a Refugiados em São Paulo, no Arsenal da Esperança. • Homenagem do Conselho Comunitário de Segurança Brás-Mooca Belenzinho como Destaque 2008. • Homenagem da Câmara Municipal de São Paulo e da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil, em fevereiro de 2009, pela solidariedade manifestada à Defesa Civil na Operação SOS Santa Catarina. • Homenagem da Câmara Municipal de São Paulo e da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil, em fevereiro de 2009, pela solidariedade manifestada à Defesa Civil na Operação SOS Santa Catarina.
  • 26. ANEXO 3: QUESTIONÁRIO 1.Idade (em anos): ( ) 18 – 28 ( ) 29 – 38 ( ) 39 – 48 ( ) 49 – 58 ( ) 59 – 68 ( ) Mais de 68 2.Naturalidade: ( ) Região Norte ( ) Região Nordeste ( ) Região Centro-Oeste ( ) Região Sudeste ( ) Região Sul 3.Motivos que levaram a situação de rua: ( ) Desemprego ( ) Dificuldade financeira ( ) Conflitos com a família ( ) Vício ( ) Migração ( ) Outros____________________________________ 4. Nível escolar: ( ) Fundamental incompleto ( ) Fundamental completo ( ) Ensino médio incompleto ( ) Ensino médio completo ( ) Superior incompleto ( ) Superior completo ( ) Pós-graduação: ___________________________________________ 5. Profissão: ___________________________________________ 6. Ocupação: ___________________________________________ 7. Estado civil: ( ) Solteiro ( ) Casado ( ) Divorciado ( ) Viúvo ( ) Outros________________________________________
  • 27. 8. Possui filhos? ( ) Sim ( ) Não 9. Por que freqüenta esta biblioteca? ( ) gosto pela leitura ( ) necessidade de estudo ( ) se manter atualizado ( ) passar o tempo ( )adquirir conhecimento ( ) falta de opção ( ) outros ___________________________________________ 10. Tem o hábito de freqüentar outras bibliotecas? ( ) Sim ( ) Não
  • 28. ANEXO 4: RELATÓRIO DE VISITA 1. Nome do local de visita: Biblioteca do Arsenal da Esperança 2. Descrição do local de visita: A Biblioteca possui aproximadamente 100m² dividido em dois espaços com mesas individuais e em grupo, balcão de atendimento, um terminal de consulta. 3. Tipo de biblioteca: Biblioteca especial 4. Objetivo: Atender as necessidades informacionais e a inserção sociocultural dos usuários. 5. Acervo: O acervo é composto por 5.500 obras catalogadas, num montante de 5.600. Os materiais encontrados na biblioteca são: Atlas, dicionários, enciclopédias, gibis, livros e periódicos. 6. Público alvo: Moradores do Arsenal. 7. Serviços: Empréstimo de livros, auxílio para reinserção no mercado de trabalho, “Central do Brasil”, saraus e concursos de poesia. 8. Recuperação da informação: Através do programa PHL; as consultas são realizadas pelos voluntários ou no terminal pelos usuários. 9. Horário de funcionamento: Diariamente das17h às 21h. 10. Dia /ano/ da visita 04, 09, 11, 18 e 25 de maio de 2010. 11. Recursos humanos/equipe: 17 voluntários sendo que 10 são externos e sete são acolhidos que tem a oportunidade de ajudar.
  • 29. ANEXO 5: FOTOS DA BIBLIOTECA DO ARSENAL DA ESPERANÇA