SlideShare uma empresa Scribd logo
DISCIPLINA: DIR036 DIRETOTRIBUTÁRIO II
PROFESSOR: JOHNSON BARBOSA NOGUEIRA
ALUNAS: GÊNIA DARC DE OLIVEIRA PEREIRA
IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO
SALVADOR
2015
GÊNIA DARC DE OLIVEIRA PEREIRA
IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO
Trabalho apresentado a Universidade
Federal da Bahia, como requisito de
avaliação da disciplina DIR.036 Direito
Tributário II.
Professor: Johnson Barbosa Nogueira
SALVADOR
2015
INTRODUÇÃO:
Ao compreender o objeto do estudo atual é imprescindível que seja
explanada uma noção básica de imposto, gênero onde está incluso o imposto
de importação. Essa explicação prévia se faz necessária, visto que é desejável
para um entendimento satisfatório da matéria. Assim, o imposto é o tributo com
um fato gerador que consiste em situação independente de qualquer atividade
por parte do Estado, a qualquer título.
Este conceito foi estipulado no art. 16 do Código Tributário Nacional,
editado em 1966, e vigente até hoje. In verbis: “art. 16. Imposto é o tributo cuja
obrigação tem por fato gerador uma situaçào independente de qualquer
atividade estatal específica, relativa ao contribuinte.”
Visto que, aqui não há aquela característica de contrapartida do Estado,
face ao cumprimento da obrigação tributária. Sendo que isto se deve ao fato de
que o valor do imposto é de acordo com uma medida geral de capacidade
econômica do contribuinte, e é destinado ao Erário Público como forma de
captação de recursos.
1 O IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO: HISTÓRICO E CARACTERÍSTICAS
PRINCIPAIS
Com a vinda da Família Real para o Brasil em 1808 foram criados
alguns impostos, dentre eles o II (Imposto sobre Importações) isso com a
abertura dos portos. Mas, o que vem a ser o imposto de importação? É uma
prestação pecuniária, cobrada pelo Estado brasileiro, quando da entrada de
mercadorias estrangeiras destinadas ao comércio brasileiro. Sendo que este
imposto, além da arrecadação, possui finalidades extrafiscais, pois visa à um
maior controle da balança comercial, através do aumento ou diminuição de
suas alíquotas. De acordo com Saabag (2014) “o imposto de importação é um
dos mais antigos no mundo, possuindo, hodiernamente, função extrafiscal, ao
visar proteger a indústria nacional, como verdadeira arma de política
econômica”.
Sendo que o controle de alíquotas é realizado pelo Poder Executivo de
forma mais simples do que para outros impostos, objetivando uma agilidade
maior para a regulação da economia.
Vale frisar ainda que, sobre a mercadoria nacional, que é exportada e
posteriormente importada para o Brasil, incide o imposto de importação, exceto
se enviada em consignação e não vendida no prazo autorizado, devolvida por
motivo de defeito técnico, para reparo ou substituição, devido a modificações
na sistemática de importação por parte do país importador, por motivo de
guerra ou calamidade pública e por outros fatores alheios à vontade do
exportador.
2 COMPETÊNCIA (MATRIZ)
Uma das principais características do Imposto de Importação é que
somente a União tem competência para instituí-lo e cobrá-lo, portanto é um
imposto federal. Isso encontra guarida no art. 153 da Constituição Federal, que
trata dos impostos da União. Portanto, vejamos:
“Seção III - DOS IMPOSTOS DA UNIÃO
Art. 153. Compete à União instituir impostos sobre:
I - importação de produtos estrangeiros;
II - exportação, para o exterior, de produtos nacionais ou nacionalizados;
III - renda e proventos de qualquer natureza;
IV - produtos industrializados;
V - operações de crédito, câmbio e seguro, ou relativas a títulos ou valores
mobiliários;
VI - propriedade territorial rural;
VII - grandes fortunas, nos termos de lei complementar.(...)”(grifo nosso).
Ainda de acordo com Saabag
“A competência tributária está adstrita à União, uma vez que
somente esta, no exercício pleno de sua soberania, pode impor
um critério uniforme de tratamento em relação às importações
praticadas em todo território nacional” (SABBAG,2014, p.1154).
Frise-se que, com o advento da Constituição Federal de 1988, o elenco
de impostos federais diminuiu, posto que no ordenamento anterior a União
Federal podia dispor de uma gama maior à sua disposição.
Ainda falando sobre a competência, outros dispositivos legais são
plenamente aplicáveis, tais como o Código Tributário Nacional-CTN, que em
seus arts. 19 a 22 prevê.
“SEÇÃO I
Impostos sobre a Importação
Art. 19. O imposto, de competência da União, sobre a importação de produtos
estrangeiros tem como fato gerador a entrada destes no território nacional.
Art. 20. A base de cálculo do imposto é:
I - quando a alíquota seja específica, a unidade de medida adotada pela lei
tributária;
II - quando a alíquota seja ad valorem, o preço normal que o produto, ou seu
similar, alcançaria, ao tempo da importação, em uma venda em condições de
livre concorrência, para entrega no porto ou lugar de entrada do produto no
País;
III - quando se trate de produto apreendido ou abandonado, levado a leilão, o
preço da arrematação.
Art. 21. O Poder Executivo pode, nas condições e nos limites estabelecidos em
lei, alterar as alíquotas ou as bases de cálculo do imposto, a fim de ajustá-lo
aos objetivos da política cambial e do comércio exterior.
Art. 22. Contribuinte do imposto é:
I - o importador ou quem a lei a ele equiparar;
II - o arrematante de produtos apreendidos ou abandonados.”
Já a Lei nº 3.244/57 que dispõe sobre a reforma da tarifa das alfândegas
em seu capitulo I trata da sua incidência, como se segue.
“Art.1º - Está sujeita ao imposto de importação a mercadoria estrangeira que
entrar em território nacional.
§ 1º - Não se aplicará o disposto neste artigo à mercadoria estrangeira
destinada a outro país, em trânsito regular pelo território nacional, trafegando
por via usual ao comércio internacional.
§ 2º - Considerar-se-á igualmente entrada no território nacional, para os efeitos
deste artigo, a mercadoria manifestada, cuja falta for apurada no ato de
descarga ou de conferência do manifesto, sem prejuízo das sanções cabíveis.”
Assim, é possível falar ainda do Decreto-Lei nº 37/66 e do Decreto-Lei nº
2.472/88, ambos, como a lei anterior referem-se ao imposto de importação.
Contudo, a Lei nº 2.472/88 altera disposições da legislação aduaneira,
consubstanciada no Decreto-Lei n° 37, de 18 de novembro de 1966.
O critério material, portanto, na hipótese de incidência é “importar
produtos estrangeiros” (CF., art.153, I). Enquanto, o critério temporal é o
momento da entrada, real, ou ficta, do produto estrangeiro, no território
nacional. Já o critério espacial da hipótese de incidência é o território aduaneiro
que compreende todo o teritório nacional, e está dividido em zona primária e
zona secundária.
Há o que se falar ainda em critério subjetivo do prescritor que
compreende o sujeito ativo, como sendo a União, e o sujeito passivo que é o
importador, a pessoa equiparada, o destinatário de remessa postal, bem como
o adquirente de mercadoria entrepostada. E também no critério quantificativo
do prescritor que tem como base de cálculo: Alíquota específica: a quantidade
de mercadoria, expressa na unidade de medida indicada na Tarifa Aduaneira
do Brasil(TAB), Alíquota ad valorem: o valor aduaneiro apurado segundo as
normas do artigo VII do GATT e ainda, o preço do produto adquirido em
licitação. E alíquota específica: importância em dinheiro, por unidade de
medida prevista em lei. Bem como, alíquota ad valorem: percentual previsto em
lei, para ser aplicado sobre uma base de cálculo em dinheiro. E ainda, a
alíquota mista que a combinação das anteriores.
REFERÊNCIAS:
Brasil. Constituição (1998). Constituição da República Federativa do Brasil.
Brasília, DF: Senado, 1988.
Brasil. DECRETO-LEI Nº 37, DE 18 DE NOVEMBRO DE 1966. Disponível em:<
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del0037.htm>. Acesso em: 12
abr. 2015.
Brasil. DECRETO-LEI Nº 2.472, DE 1º DE SETEMBRO DE 1988. Disponível em:<
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1965-1988/del2472.htm>.
Acesso em: 12 abr. 2015.
Brasil. LEI Nº 3.244, DE 14 DE AGOSTO DE 1957. Disponível
em:<www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L3244.htm>. Acesso em: 12 abr. 2015.
Código Tributário Nacional
SABBAG, Eduardo. Manual de Direito Tributário. 6ª ed.- São Paulo: Saraiva,
2014.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumo tributario
Resumo tributarioResumo tributario
Resumo tributario
zeramento contabil
 
Aula imposto sobre a renda - pessoa jurídica 2013 -paulo ayres barreto
Aula   imposto sobre a renda - pessoa jurídica 2013 -paulo ayres barretoAula   imposto sobre a renda - pessoa jurídica 2013 -paulo ayres barreto
Aula imposto sobre a renda - pessoa jurídica 2013 -paulo ayres barreto
Fernanda Moreira
 
Direito tributário segundo o edital
Direito tributário segundo o editalDireito tributário segundo o edital
Direito tributário segundo o edital
Álida Carvalho
 
Aula irpj julho 2011 - rio de janeiro
Aula irpj   julho 2011 - rio de janeiroAula irpj   julho 2011 - rio de janeiro
Aula irpj julho 2011 - rio de janeiro
Julia De Menezes Nogueira
 
Slide ISSN, Simples Nacional, IRPJ, IPI, ICMS e planejamento tributario
Slide ISSN, Simples Nacional, IRPJ, IPI, ICMS e planejamento tributarioSlide ISSN, Simples Nacional, IRPJ, IPI, ICMS e planejamento tributario
Slide ISSN, Simples Nacional, IRPJ, IPI, ICMS e planejamento tributario
yurineres7
 
Aula dra. célia murphy 22-11
Aula dra. célia murphy   22-11Aula dra. célia murphy   22-11
Aula dra. célia murphy 22-11
Fernanda Moreira
 
Imposto sobre a renda p.f. logo ibet - out.10
Imposto sobre a renda p.f.   logo ibet - out.10Imposto sobre a renda p.f.   logo ibet - out.10
Imposto sobre a renda p.f. logo ibet - out.10
Fernanda Moreira
 
Apr aula icms aspectos servicos
Apr aula icms aspectos servicosApr aula icms aspectos servicos
Apr aula icms aspectos servicos
Fernanda Moreira
 
ICMS - Base de Cálculos e Alíquotas
ICMS - Base de Cálculos e AlíquotasICMS - Base de Cálculos e Alíquotas
ICMS - Base de Cálculos e Alíquotas
Sacha Calmon Misabel Derzi - Consultores e Advogados
 
Aula irpj dezembro 2010 - sj rio preto
Aula irpj   dezembro 2010 - sj rio pretoAula irpj   dezembro 2010 - sj rio preto
Aula irpj dezembro 2010 - sj rio preto
Julia De Menezes Nogueira
 
1. especies tributarias[1]
1. especies tributarias[1]1. especies tributarias[1]
1. especies tributarias[1]
Jessica Namba
 
Apr aula 1_icms
Apr aula 1_icmsApr aula 1_icms
Apr aula 1_icms
Betânia Costa
 
Aula irpf e irrf outubro 2011 ibet sp
Aula irpf e irrf outubro 2011   ibet spAula irpf e irrf outubro 2011   ibet sp
Aula irpf e irrf outubro 2011 ibet sp
Julia De Menezes Nogueira
 
Apr aula 1_icms_mercadorias
Apr aula 1_icms_mercadoriasApr aula 1_icms_mercadorias
Apr aula 1_icms_mercadorias
Fernanda Moreira
 
Competência Tributária - Cogeae - out 2013
Competência Tributária - Cogeae - out 2013Competência Tributária - Cogeae - out 2013
Competência Tributária - Cogeae - out 2013
Tacio Lacerda Gama
 
Nsl 01 conceito e conteúdo dt
Nsl 01   conceito e conteúdo dtNsl 01   conceito e conteúdo dt
Nsl 01 conceito e conteúdo dt
Viviane Danieleski
 
Apr aula icms aspectos servicos
Apr aula icms aspectos servicosApr aula icms aspectos servicos
Apr aula icms aspectos servicos
Betânia Costa
 
2. A Competência Tributária
2. A Competência Tributária2. A Competência Tributária
2. A Competência Tributária
Jessica Namba
 
Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)
Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)
Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)
Fernando Favacho
 
Espécies tributárias 2013-1
Espécies tributárias   2013-1Espécies tributárias   2013-1
Espécies tributárias 2013-1
Fabiana Del Padre Tomé
 

Mais procurados (20)

Resumo tributario
Resumo tributarioResumo tributario
Resumo tributario
 
Aula imposto sobre a renda - pessoa jurídica 2013 -paulo ayres barreto
Aula   imposto sobre a renda - pessoa jurídica 2013 -paulo ayres barretoAula   imposto sobre a renda - pessoa jurídica 2013 -paulo ayres barreto
Aula imposto sobre a renda - pessoa jurídica 2013 -paulo ayres barreto
 
Direito tributário segundo o edital
Direito tributário segundo o editalDireito tributário segundo o edital
Direito tributário segundo o edital
 
Aula irpj julho 2011 - rio de janeiro
Aula irpj   julho 2011 - rio de janeiroAula irpj   julho 2011 - rio de janeiro
Aula irpj julho 2011 - rio de janeiro
 
Slide ISSN, Simples Nacional, IRPJ, IPI, ICMS e planejamento tributario
Slide ISSN, Simples Nacional, IRPJ, IPI, ICMS e planejamento tributarioSlide ISSN, Simples Nacional, IRPJ, IPI, ICMS e planejamento tributario
Slide ISSN, Simples Nacional, IRPJ, IPI, ICMS e planejamento tributario
 
Aula dra. célia murphy 22-11
Aula dra. célia murphy   22-11Aula dra. célia murphy   22-11
Aula dra. célia murphy 22-11
 
Imposto sobre a renda p.f. logo ibet - out.10
Imposto sobre a renda p.f.   logo ibet - out.10Imposto sobre a renda p.f.   logo ibet - out.10
Imposto sobre a renda p.f. logo ibet - out.10
 
Apr aula icms aspectos servicos
Apr aula icms aspectos servicosApr aula icms aspectos servicos
Apr aula icms aspectos servicos
 
ICMS - Base de Cálculos e Alíquotas
ICMS - Base de Cálculos e AlíquotasICMS - Base de Cálculos e Alíquotas
ICMS - Base de Cálculos e Alíquotas
 
Aula irpj dezembro 2010 - sj rio preto
Aula irpj   dezembro 2010 - sj rio pretoAula irpj   dezembro 2010 - sj rio preto
Aula irpj dezembro 2010 - sj rio preto
 
1. especies tributarias[1]
1. especies tributarias[1]1. especies tributarias[1]
1. especies tributarias[1]
 
Apr aula 1_icms
Apr aula 1_icmsApr aula 1_icms
Apr aula 1_icms
 
Aula irpf e irrf outubro 2011 ibet sp
Aula irpf e irrf outubro 2011   ibet spAula irpf e irrf outubro 2011   ibet sp
Aula irpf e irrf outubro 2011 ibet sp
 
Apr aula 1_icms_mercadorias
Apr aula 1_icms_mercadoriasApr aula 1_icms_mercadorias
Apr aula 1_icms_mercadorias
 
Competência Tributária - Cogeae - out 2013
Competência Tributária - Cogeae - out 2013Competência Tributária - Cogeae - out 2013
Competência Tributária - Cogeae - out 2013
 
Nsl 01 conceito e conteúdo dt
Nsl 01   conceito e conteúdo dtNsl 01   conceito e conteúdo dt
Nsl 01 conceito e conteúdo dt
 
Apr aula icms aspectos servicos
Apr aula icms aspectos servicosApr aula icms aspectos servicos
Apr aula icms aspectos servicos
 
2. A Competência Tributária
2. A Competência Tributária2. A Competência Tributária
2. A Competência Tributária
 
Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)
Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)
Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)
 
Espécies tributárias 2013-1
Espécies tributárias   2013-1Espécies tributárias   2013-1
Espécies tributárias 2013-1
 

Destaque

Para leitura
Para leituraPara leitura
Para leitura
Gênia Darc
 
Trajetória e estado da arte da formação em engenharia, arquitetura e agronomia
Trajetória e estado da arte da formação em engenharia, arquitetura e agronomiaTrajetória e estado da arte da formação em engenharia, arquitetura e agronomia
Trajetória e estado da arte da formação em engenharia, arquitetura e agronomia
Gênia Darc
 
Contribuições interventivasecorporativas fgv.30.3.2009
Contribuições interventivasecorporativas fgv.30.3.2009Contribuições interventivasecorporativas fgv.30.3.2009
Contribuições interventivasecorporativas fgv.30.3.2009
Tacio Lacerda Gama
 
Imposto Industrial/ Imposto Sobre as Empresas pelo mundo em powerpoint
Imposto Industrial/ Imposto Sobre as Empresas pelo mundo em powerpointImposto Industrial/ Imposto Sobre as Empresas pelo mundo em powerpoint
Imposto Industrial/ Imposto Sobre as Empresas pelo mundo em powerpoint
Altair Marta
 
II HISTÓRIA DA ENGENHARIA
II HISTÓRIA DA ENGENHARIAII HISTÓRIA DA ENGENHARIA
II HISTÓRIA DA ENGENHARIA
Thays J. Perassoli Boiko
 
Historia da engenharia utfpr
Historia da engenharia utfprHistoria da engenharia utfpr
Historia da engenharia utfpr
Francieli Carolina Souza Ribeiro
 
Blocos EconôMicos Conceitos Importantes
Blocos EconôMicos   Conceitos ImportantesBlocos EconôMicos   Conceitos Importantes
Blocos EconôMicos Conceitos Importantes
Diego Yamazaki Bolano
 
Sentencias Sql
Sentencias SqlSentencias Sql
Sentencias Sql
Cristian Villalva
 
Rpt y4 english kssr
Rpt y4 english kssrRpt y4 english kssr
Rpt y4 english kssr
juhaida abdul aziz
 
Internet of No Things @ Slush 2015
Internet of No Things @ Slush 2015Internet of No Things @ Slush 2015
Internet of No Things @ Slush 2015
TheNakedApproach
 
conclusion
conclusionconclusion
conclusion
5496856
 
Economía
EconomíaEconomía
Economía
AdrianaValdz
 
Lung infection symptoms and treatment (2)
Lung infection symptoms and treatment (2)Lung infection symptoms and treatment (2)
Lung infection symptoms and treatment (2)
lungs19
 
MAPA CONCEPTUAL ESTADÍSTICA II
MAPA CONCEPTUAL ESTADÍSTICA IIMAPA CONCEPTUAL ESTADÍSTICA II
MAPA CONCEPTUAL ESTADÍSTICA II
Lisdey Fuenmayor
 
Restaurering af en højmose i Syddanmark
Restaurering af en højmose i SyddanmarkRestaurering af en højmose i Syddanmark
Restaurering af en højmose i Syddanmark
Tapio Wilkinson
 
ishtiyaq cv2
ishtiyaq cv2ishtiyaq cv2
ishtiyaq cv2
Ishtiyaq Mohammed
 
Science ppt
Science pptScience ppt

Destaque (18)

Para leitura
Para leituraPara leitura
Para leitura
 
Trajetória e estado da arte da formação em engenharia, arquitetura e agronomia
Trajetória e estado da arte da formação em engenharia, arquitetura e agronomiaTrajetória e estado da arte da formação em engenharia, arquitetura e agronomia
Trajetória e estado da arte da formação em engenharia, arquitetura e agronomia
 
Contribuições interventivasecorporativas fgv.30.3.2009
Contribuições interventivasecorporativas fgv.30.3.2009Contribuições interventivasecorporativas fgv.30.3.2009
Contribuições interventivasecorporativas fgv.30.3.2009
 
Imposto Industrial/ Imposto Sobre as Empresas pelo mundo em powerpoint
Imposto Industrial/ Imposto Sobre as Empresas pelo mundo em powerpointImposto Industrial/ Imposto Sobre as Empresas pelo mundo em powerpoint
Imposto Industrial/ Imposto Sobre as Empresas pelo mundo em powerpoint
 
II HISTÓRIA DA ENGENHARIA
II HISTÓRIA DA ENGENHARIAII HISTÓRIA DA ENGENHARIA
II HISTÓRIA DA ENGENHARIA
 
Historia da engenharia utfpr
Historia da engenharia utfprHistoria da engenharia utfpr
Historia da engenharia utfpr
 
Blocos EconôMicos Conceitos Importantes
Blocos EconôMicos   Conceitos ImportantesBlocos EconôMicos   Conceitos Importantes
Blocos EconôMicos Conceitos Importantes
 
Sentencias Sql
Sentencias SqlSentencias Sql
Sentencias Sql
 
Rpt y4 english kssr
Rpt y4 english kssrRpt y4 english kssr
Rpt y4 english kssr
 
Internet of No Things @ Slush 2015
Internet of No Things @ Slush 2015Internet of No Things @ Slush 2015
Internet of No Things @ Slush 2015
 
conclusion
conclusionconclusion
conclusion
 
Economía
EconomíaEconomía
Economía
 
Lung infection symptoms and treatment (2)
Lung infection symptoms and treatment (2)Lung infection symptoms and treatment (2)
Lung infection symptoms and treatment (2)
 
MAPA CONCEPTUAL ESTADÍSTICA II
MAPA CONCEPTUAL ESTADÍSTICA IIMAPA CONCEPTUAL ESTADÍSTICA II
MAPA CONCEPTUAL ESTADÍSTICA II
 
Restaurering af en højmose i Syddanmark
Restaurering af en højmose i SyddanmarkRestaurering af en højmose i Syddanmark
Restaurering af en højmose i Syddanmark
 
ishtiyaq cv2
ishtiyaq cv2ishtiyaq cv2
ishtiyaq cv2
 
Guess Work Samples
Guess Work SamplesGuess Work Samples
Guess Work Samples
 
Science ppt
Science pptScience ppt
Science ppt
 

Semelhante a Trabalho de tributário

Icms para iniciantes acre
Icms para iniciantes acreIcms para iniciantes acre
Icms para iniciantes acre
Solange Braga
 
Cartilha tributaria 2014
Cartilha tributaria 2014Cartilha tributaria 2014
Cartilha tributaria 2014
Angelica Maurina
 
Debate Oportunidades de Negócios em Moçambique, 18/08/2011 - Apresentação de ...
Debate Oportunidades de Negócios em Moçambique, 18/08/2011 - Apresentação de ...Debate Oportunidades de Negócios em Moçambique, 18/08/2011 - Apresentação de ...
Debate Oportunidades de Negócios em Moçambique, 18/08/2011 - Apresentação de ...
FecomercioSP
 
Impostos 02
Impostos 02Impostos 02
Impostos 02
razonetecontabil
 
Diferencial de Alíquotas do ICMS (DIFAL ICMS)
Diferencial de Alíquotas do ICMS (DIFAL ICMS)Diferencial de Alíquotas do ICMS (DIFAL ICMS)
Diferencial de Alíquotas do ICMS (DIFAL ICMS)
Dulcineia L. D. Santos
 
ICMS Dispositivos constitucionais
ICMS Dispositivos constitucionaisICMS Dispositivos constitucionais
ICMS Dispositivos constitucionais
elliando dias
 
Direito nas organizações
Direito nas organizaçõesDireito nas organizações
Direito nas organizações
Eudes Silva
 
Incidência tributária no setor de mineração no brasil
Incidência tributária no setor de mineração no brasilIncidência tributária no setor de mineração no brasil
Incidência tributária no setor de mineração no brasil
Rinaldo Maciel de Freitas
 
Revisaço - Agente Fiscal de Rendas (ICMS-SP) - 932 Questões comentadas - 2a e...
Revisaço - Agente Fiscal de Rendas (ICMS-SP) - 932 Questões comentadas - 2a e...Revisaço - Agente Fiscal de Rendas (ICMS-SP) - 932 Questões comentadas - 2a e...
Revisaço - Agente Fiscal de Rendas (ICMS-SP) - 932 Questões comentadas - 2a e...
Editora Juspodivm
 
Tributos em-esp-cie-nota-de-atualiza-o-ec-87-2015
Tributos em-esp-cie-nota-de-atualiza-o-ec-87-2015Tributos em-esp-cie-nota-de-atualiza-o-ec-87-2015
Tributos em-esp-cie-nota-de-atualiza-o-ec-87-2015
Al Cf
 
Direito Tributario
Direito TributarioDireito Tributario
Direito Tributario
otony1ccn1
 
Conceitos tributários aplicados a logística
Conceitos tributários aplicados a logísticaConceitos tributários aplicados a logística
Conceitos tributários aplicados a logística
Dawison Oliveira
 
Aula 24 09-14 - dr. luciano garcia miguel
Aula 24 09-14 - dr. luciano garcia miguelAula 24 09-14 - dr. luciano garcia miguel
Aula 24 09-14 - dr. luciano garcia miguel
Fernanda Moreira
 
Aula 24 09-14 - dr. luciano garcia miguel
Aula 24 09-14 - dr. luciano garcia miguelAula 24 09-14 - dr. luciano garcia miguel
Aula 24 09-14 - dr. luciano garcia miguel
Fernanda Moreira
 
Discursiva
DiscursivaDiscursiva
Discursiva
marcio farias
 
Resumo Tributos em espécie
Resumo Tributos em espécieResumo Tributos em espécie
Resumo Tributos em espécie
vanessachamma
 
Curso de atualização em direito tributário Assembleia Legislativa de Santa Ca...
Curso de atualização em direito tributário Assembleia Legislativa de Santa Ca...Curso de atualização em direito tributário Assembleia Legislativa de Santa Ca...
Curso de atualização em direito tributário Assembleia Legislativa de Santa Ca...
Fabio Pugliesi
 
Os Impostos na Constituição
Os Impostos na ConstituiçãoOs Impostos na Constituição
Os Impostos na Constituição
Josevani Tocchetto
 
Noções Básicas de Comercio Exterior
Noções Básicas de Comercio Exterior Noções Básicas de Comercio Exterior
Noções Básicas de Comercio Exterior
Osmar Aleixo Rodrigues Filho
 
Modalidades de Importação no Brasil - Parte I
Modalidades de Importação no Brasil - Parte IModalidades de Importação no Brasil - Parte I
Modalidades de Importação no Brasil - Parte I
ThaynaraLins
 

Semelhante a Trabalho de tributário (20)

Icms para iniciantes acre
Icms para iniciantes acreIcms para iniciantes acre
Icms para iniciantes acre
 
Cartilha tributaria 2014
Cartilha tributaria 2014Cartilha tributaria 2014
Cartilha tributaria 2014
 
Debate Oportunidades de Negócios em Moçambique, 18/08/2011 - Apresentação de ...
Debate Oportunidades de Negócios em Moçambique, 18/08/2011 - Apresentação de ...Debate Oportunidades de Negócios em Moçambique, 18/08/2011 - Apresentação de ...
Debate Oportunidades de Negócios em Moçambique, 18/08/2011 - Apresentação de ...
 
Impostos 02
Impostos 02Impostos 02
Impostos 02
 
Diferencial de Alíquotas do ICMS (DIFAL ICMS)
Diferencial de Alíquotas do ICMS (DIFAL ICMS)Diferencial de Alíquotas do ICMS (DIFAL ICMS)
Diferencial de Alíquotas do ICMS (DIFAL ICMS)
 
ICMS Dispositivos constitucionais
ICMS Dispositivos constitucionaisICMS Dispositivos constitucionais
ICMS Dispositivos constitucionais
 
Direito nas organizações
Direito nas organizaçõesDireito nas organizações
Direito nas organizações
 
Incidência tributária no setor de mineração no brasil
Incidência tributária no setor de mineração no brasilIncidência tributária no setor de mineração no brasil
Incidência tributária no setor de mineração no brasil
 
Revisaço - Agente Fiscal de Rendas (ICMS-SP) - 932 Questões comentadas - 2a e...
Revisaço - Agente Fiscal de Rendas (ICMS-SP) - 932 Questões comentadas - 2a e...Revisaço - Agente Fiscal de Rendas (ICMS-SP) - 932 Questões comentadas - 2a e...
Revisaço - Agente Fiscal de Rendas (ICMS-SP) - 932 Questões comentadas - 2a e...
 
Tributos em-esp-cie-nota-de-atualiza-o-ec-87-2015
Tributos em-esp-cie-nota-de-atualiza-o-ec-87-2015Tributos em-esp-cie-nota-de-atualiza-o-ec-87-2015
Tributos em-esp-cie-nota-de-atualiza-o-ec-87-2015
 
Direito Tributario
Direito TributarioDireito Tributario
Direito Tributario
 
Conceitos tributários aplicados a logística
Conceitos tributários aplicados a logísticaConceitos tributários aplicados a logística
Conceitos tributários aplicados a logística
 
Aula 24 09-14 - dr. luciano garcia miguel
Aula 24 09-14 - dr. luciano garcia miguelAula 24 09-14 - dr. luciano garcia miguel
Aula 24 09-14 - dr. luciano garcia miguel
 
Aula 24 09-14 - dr. luciano garcia miguel
Aula 24 09-14 - dr. luciano garcia miguelAula 24 09-14 - dr. luciano garcia miguel
Aula 24 09-14 - dr. luciano garcia miguel
 
Discursiva
DiscursivaDiscursiva
Discursiva
 
Resumo Tributos em espécie
Resumo Tributos em espécieResumo Tributos em espécie
Resumo Tributos em espécie
 
Curso de atualização em direito tributário Assembleia Legislativa de Santa Ca...
Curso de atualização em direito tributário Assembleia Legislativa de Santa Ca...Curso de atualização em direito tributário Assembleia Legislativa de Santa Ca...
Curso de atualização em direito tributário Assembleia Legislativa de Santa Ca...
 
Os Impostos na Constituição
Os Impostos na ConstituiçãoOs Impostos na Constituição
Os Impostos na Constituição
 
Noções Básicas de Comercio Exterior
Noções Básicas de Comercio Exterior Noções Básicas de Comercio Exterior
Noções Básicas de Comercio Exterior
 
Modalidades de Importação no Brasil - Parte I
Modalidades de Importação no Brasil - Parte IModalidades de Importação no Brasil - Parte I
Modalidades de Importação no Brasil - Parte I
 

Mais de Gênia Darc

aula de introdução ao direito financeiro
aula de introdução ao direito financeiroaula de introdução ao direito financeiro
aula de introdução ao direito financeiro
Gênia Darc
 
Cópia de Aula 1 - Introdução, direito empresarial
Cópia de Aula 1 - Introdução, direito empresarialCópia de Aula 1 - Introdução, direito empresarial
Cópia de Aula 1 - Introdução, direito empresarial
Gênia Darc
 
(DES) USO DE COPOS DESCARTÁVEIS. Faculdade Pitágoras
(DES) USO DE COPOS DESCARTÁVEIS. Faculdade Pitágoras(DES) USO DE COPOS DESCARTÁVEIS. Faculdade Pitágoras
(DES) USO DE COPOS DESCARTÁVEIS. Faculdade Pitágoras
Gênia Darc
 
Direito financeiro e economico, aula primeira
Direito financeiro e economico, aula primeiraDireito financeiro e economico, aula primeira
Direito financeiro e economico, aula primeira
Gênia Darc
 
Agosto lilás, por direito, proteção a mulher
Agosto lilás, por direito, proteção a mulherAgosto lilás, por direito, proteção a mulher
Agosto lilás, por direito, proteção a mulher
Gênia Darc
 
principios do direito ambiental
principios do direito ambiental principios do direito ambiental
principios do direito ambiental
Gênia Darc
 
Atividade..
Atividade..Atividade..
Atividade..
Gênia Darc
 
Legislaçã..
Legislaçã..Legislaçã..
Legislaçã..
Gênia Darc
 
Legislação social roteiros de aula (parte1)
Legislação social   roteiros de aula (parte1)Legislação social   roteiros de aula (parte1)
Legislação social roteiros de aula (parte1)
Gênia Darc
 
I bahia  operário de 18 anos morre após ser 'sugado' por máquina
I bahia   operário de 18 anos morre após ser 'sugado' por máquinaI bahia   operário de 18 anos morre após ser 'sugado' por máquina
I bahia  operário de 18 anos morre após ser 'sugado' por máquina
Gênia Darc
 
Bahia notícias notícia trabalhador morre em fábrica da trifil de itabuna;...
Bahia notícias   notícia   trabalhador morre em fábrica da trifil de itabuna;...Bahia notícias   notícia   trabalhador morre em fábrica da trifil de itabuna;...
Bahia notícias notícia trabalhador morre em fábrica da trifil de itabuna;...
Gênia Darc
 
25 cadernosdocesit
25 cadernosdocesit25 cadernosdocesit
25 cadernosdocesit
Gênia Darc
 
Plano de curso 2013.2
Plano de curso 2013.2Plano de curso 2013.2
Plano de curso 2013.2
Gênia Darc
 
Cronograma de aulas 2013.2
Cronograma de aulas 2013.2Cronograma de aulas 2013.2
Cronograma de aulas 2013.2
Gênia Darc
 
Nota tecnica 61 ratificacao convencao158rev
Nota tecnica 61   ratificacao convencao158revNota tecnica 61   ratificacao convencao158rev
Nota tecnica 61 ratificacao convencao158rev
Gênia Darc
 
Impres
ImpresImpres
Impres
Gênia Darc
 
Quadro contratos por tempo determinado x trabalho temporário
Quadro contratos por tempo determinado x trabalho temporárioQuadro contratos por tempo determinado x trabalho temporário
Quadro contratos por tempo determinado x trabalho temporário
Gênia Darc
 

Mais de Gênia Darc (20)

aula de introdução ao direito financeiro
aula de introdução ao direito financeiroaula de introdução ao direito financeiro
aula de introdução ao direito financeiro
 
Cópia de Aula 1 - Introdução, direito empresarial
Cópia de Aula 1 - Introdução, direito empresarialCópia de Aula 1 - Introdução, direito empresarial
Cópia de Aula 1 - Introdução, direito empresarial
 
(DES) USO DE COPOS DESCARTÁVEIS. Faculdade Pitágoras
(DES) USO DE COPOS DESCARTÁVEIS. Faculdade Pitágoras(DES) USO DE COPOS DESCARTÁVEIS. Faculdade Pitágoras
(DES) USO DE COPOS DESCARTÁVEIS. Faculdade Pitágoras
 
Direito financeiro e economico, aula primeira
Direito financeiro e economico, aula primeiraDireito financeiro e economico, aula primeira
Direito financeiro e economico, aula primeira
 
Agosto lilás, por direito, proteção a mulher
Agosto lilás, por direito, proteção a mulherAgosto lilás, por direito, proteção a mulher
Agosto lilás, por direito, proteção a mulher
 
principios do direito ambiental
principios do direito ambiental principios do direito ambiental
principios do direito ambiental
 
texto
textotexto
texto
 
Revista exame
Revista exameRevista exame
Revista exame
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Atividade..
Atividade..Atividade..
Atividade..
 
Legislaçã..
Legislaçã..Legislaçã..
Legislaçã..
 
Legislação social roteiros de aula (parte1)
Legislação social   roteiros de aula (parte1)Legislação social   roteiros de aula (parte1)
Legislação social roteiros de aula (parte1)
 
I bahia  operário de 18 anos morre após ser 'sugado' por máquina
I bahia   operário de 18 anos morre após ser 'sugado' por máquinaI bahia   operário de 18 anos morre após ser 'sugado' por máquina
I bahia  operário de 18 anos morre após ser 'sugado' por máquina
 
Bahia notícias notícia trabalhador morre em fábrica da trifil de itabuna;...
Bahia notícias   notícia   trabalhador morre em fábrica da trifil de itabuna;...Bahia notícias   notícia   trabalhador morre em fábrica da trifil de itabuna;...
Bahia notícias notícia trabalhador morre em fábrica da trifil de itabuna;...
 
25 cadernosdocesit
25 cadernosdocesit25 cadernosdocesit
25 cadernosdocesit
 
Plano de curso 2013.2
Plano de curso 2013.2Plano de curso 2013.2
Plano de curso 2013.2
 
Cronograma de aulas 2013.2
Cronograma de aulas 2013.2Cronograma de aulas 2013.2
Cronograma de aulas 2013.2
 
Nota tecnica 61 ratificacao convencao158rev
Nota tecnica 61   ratificacao convencao158revNota tecnica 61   ratificacao convencao158rev
Nota tecnica 61 ratificacao convencao158rev
 
Impres
ImpresImpres
Impres
 
Quadro contratos por tempo determinado x trabalho temporário
Quadro contratos por tempo determinado x trabalho temporárioQuadro contratos por tempo determinado x trabalho temporário
Quadro contratos por tempo determinado x trabalho temporário
 

Último

Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 

Último (20)

Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 

Trabalho de tributário

  • 1. DISCIPLINA: DIR036 DIRETOTRIBUTÁRIO II PROFESSOR: JOHNSON BARBOSA NOGUEIRA ALUNAS: GÊNIA DARC DE OLIVEIRA PEREIRA IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO SALVADOR 2015
  • 2. GÊNIA DARC DE OLIVEIRA PEREIRA IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO Trabalho apresentado a Universidade Federal da Bahia, como requisito de avaliação da disciplina DIR.036 Direito Tributário II. Professor: Johnson Barbosa Nogueira SALVADOR 2015
  • 3. INTRODUÇÃO: Ao compreender o objeto do estudo atual é imprescindível que seja explanada uma noção básica de imposto, gênero onde está incluso o imposto de importação. Essa explicação prévia se faz necessária, visto que é desejável para um entendimento satisfatório da matéria. Assim, o imposto é o tributo com um fato gerador que consiste em situação independente de qualquer atividade por parte do Estado, a qualquer título. Este conceito foi estipulado no art. 16 do Código Tributário Nacional, editado em 1966, e vigente até hoje. In verbis: “art. 16. Imposto é o tributo cuja obrigação tem por fato gerador uma situaçào independente de qualquer atividade estatal específica, relativa ao contribuinte.” Visto que, aqui não há aquela característica de contrapartida do Estado, face ao cumprimento da obrigação tributária. Sendo que isto se deve ao fato de que o valor do imposto é de acordo com uma medida geral de capacidade econômica do contribuinte, e é destinado ao Erário Público como forma de captação de recursos. 1 O IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO: HISTÓRICO E CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS Com a vinda da Família Real para o Brasil em 1808 foram criados alguns impostos, dentre eles o II (Imposto sobre Importações) isso com a abertura dos portos. Mas, o que vem a ser o imposto de importação? É uma prestação pecuniária, cobrada pelo Estado brasileiro, quando da entrada de mercadorias estrangeiras destinadas ao comércio brasileiro. Sendo que este imposto, além da arrecadação, possui finalidades extrafiscais, pois visa à um maior controle da balança comercial, através do aumento ou diminuição de suas alíquotas. De acordo com Saabag (2014) “o imposto de importação é um dos mais antigos no mundo, possuindo, hodiernamente, função extrafiscal, ao visar proteger a indústria nacional, como verdadeira arma de política econômica”.
  • 4. Sendo que o controle de alíquotas é realizado pelo Poder Executivo de forma mais simples do que para outros impostos, objetivando uma agilidade maior para a regulação da economia. Vale frisar ainda que, sobre a mercadoria nacional, que é exportada e posteriormente importada para o Brasil, incide o imposto de importação, exceto se enviada em consignação e não vendida no prazo autorizado, devolvida por motivo de defeito técnico, para reparo ou substituição, devido a modificações na sistemática de importação por parte do país importador, por motivo de guerra ou calamidade pública e por outros fatores alheios à vontade do exportador. 2 COMPETÊNCIA (MATRIZ) Uma das principais características do Imposto de Importação é que somente a União tem competência para instituí-lo e cobrá-lo, portanto é um imposto federal. Isso encontra guarida no art. 153 da Constituição Federal, que trata dos impostos da União. Portanto, vejamos: “Seção III - DOS IMPOSTOS DA UNIÃO Art. 153. Compete à União instituir impostos sobre: I - importação de produtos estrangeiros; II - exportação, para o exterior, de produtos nacionais ou nacionalizados; III - renda e proventos de qualquer natureza; IV - produtos industrializados; V - operações de crédito, câmbio e seguro, ou relativas a títulos ou valores mobiliários; VI - propriedade territorial rural; VII - grandes fortunas, nos termos de lei complementar.(...)”(grifo nosso). Ainda de acordo com Saabag
  • 5. “A competência tributária está adstrita à União, uma vez que somente esta, no exercício pleno de sua soberania, pode impor um critério uniforme de tratamento em relação às importações praticadas em todo território nacional” (SABBAG,2014, p.1154). Frise-se que, com o advento da Constituição Federal de 1988, o elenco de impostos federais diminuiu, posto que no ordenamento anterior a União Federal podia dispor de uma gama maior à sua disposição. Ainda falando sobre a competência, outros dispositivos legais são plenamente aplicáveis, tais como o Código Tributário Nacional-CTN, que em seus arts. 19 a 22 prevê. “SEÇÃO I Impostos sobre a Importação Art. 19. O imposto, de competência da União, sobre a importação de produtos estrangeiros tem como fato gerador a entrada destes no território nacional. Art. 20. A base de cálculo do imposto é: I - quando a alíquota seja específica, a unidade de medida adotada pela lei tributária; II - quando a alíquota seja ad valorem, o preço normal que o produto, ou seu similar, alcançaria, ao tempo da importação, em uma venda em condições de livre concorrência, para entrega no porto ou lugar de entrada do produto no País; III - quando se trate de produto apreendido ou abandonado, levado a leilão, o preço da arrematação. Art. 21. O Poder Executivo pode, nas condições e nos limites estabelecidos em lei, alterar as alíquotas ou as bases de cálculo do imposto, a fim de ajustá-lo aos objetivos da política cambial e do comércio exterior. Art. 22. Contribuinte do imposto é: I - o importador ou quem a lei a ele equiparar; II - o arrematante de produtos apreendidos ou abandonados.” Já a Lei nº 3.244/57 que dispõe sobre a reforma da tarifa das alfândegas em seu capitulo I trata da sua incidência, como se segue.
  • 6. “Art.1º - Está sujeita ao imposto de importação a mercadoria estrangeira que entrar em território nacional. § 1º - Não se aplicará o disposto neste artigo à mercadoria estrangeira destinada a outro país, em trânsito regular pelo território nacional, trafegando por via usual ao comércio internacional. § 2º - Considerar-se-á igualmente entrada no território nacional, para os efeitos deste artigo, a mercadoria manifestada, cuja falta for apurada no ato de descarga ou de conferência do manifesto, sem prejuízo das sanções cabíveis.” Assim, é possível falar ainda do Decreto-Lei nº 37/66 e do Decreto-Lei nº 2.472/88, ambos, como a lei anterior referem-se ao imposto de importação. Contudo, a Lei nº 2.472/88 altera disposições da legislação aduaneira, consubstanciada no Decreto-Lei n° 37, de 18 de novembro de 1966. O critério material, portanto, na hipótese de incidência é “importar produtos estrangeiros” (CF., art.153, I). Enquanto, o critério temporal é o momento da entrada, real, ou ficta, do produto estrangeiro, no território nacional. Já o critério espacial da hipótese de incidência é o território aduaneiro que compreende todo o teritório nacional, e está dividido em zona primária e zona secundária. Há o que se falar ainda em critério subjetivo do prescritor que compreende o sujeito ativo, como sendo a União, e o sujeito passivo que é o importador, a pessoa equiparada, o destinatário de remessa postal, bem como o adquirente de mercadoria entrepostada. E também no critério quantificativo do prescritor que tem como base de cálculo: Alíquota específica: a quantidade de mercadoria, expressa na unidade de medida indicada na Tarifa Aduaneira do Brasil(TAB), Alíquota ad valorem: o valor aduaneiro apurado segundo as normas do artigo VII do GATT e ainda, o preço do produto adquirido em licitação. E alíquota específica: importância em dinheiro, por unidade de medida prevista em lei. Bem como, alíquota ad valorem: percentual previsto em lei, para ser aplicado sobre uma base de cálculo em dinheiro. E ainda, a alíquota mista que a combinação das anteriores.
  • 7. REFERÊNCIAS: Brasil. Constituição (1998). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988. Brasil. DECRETO-LEI Nº 37, DE 18 DE NOVEMBRO DE 1966. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del0037.htm>. Acesso em: 12 abr. 2015. Brasil. DECRETO-LEI Nº 2.472, DE 1º DE SETEMBRO DE 1988. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1965-1988/del2472.htm>. Acesso em: 12 abr. 2015. Brasil. LEI Nº 3.244, DE 14 DE AGOSTO DE 1957. Disponível em:<www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L3244.htm>. Acesso em: 12 abr. 2015. Código Tributário Nacional SABBAG, Eduardo. Manual de Direito Tributário. 6ª ed.- São Paulo: Saraiva, 2014.