SlideShare uma empresa Scribd logo
Gênero  Mycobacterium Renato Varges
Bastonete álcool - ácido resistente -  BAAR Aeróbias estritas, imóveis, sem cápsula  Não se coram pelo Gram Não produzem toxinas Gênero  Mycobacterium Robert Koch Propriedades gerais:
Parede celular com  espessa camada lipídica: Ácidos micólicos
Longo tempo de geração Resistência a atb Poder alergênico Infecção crônica FIQUEM DE OLHO  NOS LIPÍDEOS DA PAREDE CELULAR
M. tuberculosis M. leprae M. bovis M. avium Gênero  Mycobacterium Principais espécies de interesse médico:
TUBERCULOSE AGENTE: Mycobacterium tuberculosis - Bacilo de Koch
Tuberculose  Dados Epidemiológicos Atuais Casos anuais são estimados em 8,7 milhões de doentes no mundo, com 1,8 milhão de óbitos. 80% dos casos de tuberculose estão concentrados em 22 países.  Apenas um destes está situado na América Latina, o Brasil. Estima-se que no Brasil ocorram 129.000 casos por ano, dos quais são notificados apenas cerca de 90.000. Em 2004, o Brasil notificou 86.881 casos de TB. Com incidência de 60/100.000 habitantes. Em 2005, foram notificados 15.662 casos de TB no Rio de Janeiro. Este número representa 15% de casos de TB notificados no país.
Problema ? Há uma década, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a tuberculose em estado de emergência no mundo, onde ainda é a maior  causa de morte  por doença infecciosa em adultos O Brasil ocupa o  15º lugar  entre os  22 países  responsáveis por 80% do total de casos de tuberculose no mundo. Estima-se cerca de 111.000 casos novos e 6.000 óbitos, anualmente.
 
Mortes Causadas por Doenças Infecciosas em  Adultos no Países em Desenvolvimento Fonte: Banco Mundial, 1997 TB 51.4% Inf. Respiratórias 10.0% HIV 8.6% Malaria 6.4% Outras 23.5% TB 54.7% Inf.   Respiratórias 2.6% HIV 37.1% Malaria 1.3% Outras 4.4% 1990 2020
EPIDEMIOLOGIA Dados do Mundo 8,2 milhões de casos novos/ano 2 milhões de óbitos/ano cada segundo 1 pessoa é infectada  1/3 da população mundial está infectada  5 a 10 % dos infectados adoecerão 22 países concentram 80 % dos casos Tuberculose
TAXA DE INCIDÊNCIA DE TUBERCULOSE POR TODAS AS FORMAS.  BRASIL E UNIDADES FEDERADAS, 2001 . Fonte: SINAN (Dados sujeitos a atualizações)
EPIDEMIOLOGIA - TRANSMISSÃO A infecção pelo bacilo da tuberculose pode ocorrer em qualquer idade. Nem todas as pessoas expostas ao bacilo da tuberculose se tornam infectadas.  A probabilidade que a TB seja transmitida depende de alguns fatores: Da contagiosidade do doente bacilífero fonte da infecção; Do tipo de ambiente onde a exposição ocorreu; Da duração da exposição. Tuberculose
10% das pessoas infectadas adoecem, metade durante os dois primeiros anos após a infecção e a outra metade ao longo da vida.  O risco de progressão da infecção para a doença aumenta na presença de situações que debilitem o sistema imunológico da pessoa, como, por exemplo: Diabetes Mellitus (DM); Infecção pelo HIV; Tratamento prolongado com corticosteroídes; Terapia imunossupressora; Doenças renais crônicas, entre outras. EPIDEMIOLOGIA - TRANSMISSÃO Tuberculose
PATOGENIA Tuberculose  Macrófago ativado IL-6, IL-12, TNF Interferon gama Novos macrófagos Morte dos macrófagos acumulo de células inflamatórias e fibrina formam um granuloma (tubérculo)  Células gigantes de Langhans que retiram água e depositam sais de cálcio
 
SINAIS CLÍNICOS
Febre  Sudorese  Emagrecimento Astenia Hemoptise  SINAIS CLÍNICOS
Diagnóstico   Clínico Investigar Sempre os Pacientes que Apresentem: Tosse por mais de três semanas; Febre  Sudorese  Emagrecimento Astenia
Diagnóstico Epidemiológico A propagação da tuberculose está intimamente ligada às condições de vida da população.  Sua prevalência é maior nas grandes cidades.
Diagnóstico Epidemiológico História de contato, intradomiciliar ou não, com uma pessoa com tuberculose; Indivíduo oriundo de população que vive em comunidade fechada (manicômios, presídios, abrigos, asilos, e outros);  Trabalhadores da área de saúde (principalmente aqueles que trabalham com tuberculose e/ou AIDS); Populações de rua.
Diagnóstico Laboratorial – Tuberculinização
Diagnóstico Laboratorial - baciloscopia
Diagnóstico Laboratorial - Baciloscopia Baciloscopia do Escarro: Principal exame diagnóstico para TB pulmonar; Informação acerca da transmissibilidade (pacientes bacilíferos são os epidemiologicamente importantes) Detecta até 80% dos casos de TB pulmonar.
A baciloscopia direta do escarro deve ser solicitada para: Tosse por três ou mais semanas; Alterações pulmonares na radiografia de tórax; Contatos de casos de TB pulmonar bacilíferos. Diagnóstico Laboratorial - Baciloscopia
Percentual  de  Municípios com Laboratórios que Realizam  Baciloscopia - 2003 Fonte:LACEN CGLAB/DEVEP/SVS/MS
TRATAMENTO
TRATAMENTO O  tratamento  supervisionado: - apoio governamental  busca  ativa dos  sintomáticos  respiratórios suprimento de medicamentos  com regularidade  e  qualidade observação  direta e incentivo do  tratamento monitoramento  do  paciente - Fator de risco para seleção de cepas multi-resistentes
Fonte: GT-SINAN (Atualizado em Outubro/2003) Resultados após 6 meses de Tratamento para Tuberculose. Brasil, 2001.
Vacina BCG – 1º mês de vida Identificação precoce dos doentes e tratamento Programa de Tratamento Supervisionado para evitar abandono PROFILAXIA E CONTROLE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Inês Santos
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Rui Alves
 
Tuberculose Aula
Tuberculose   AulaTuberculose   Aula
Tuberculose Aula
douglas silva
 
Doença de chagas
Doença de chagas Doença de chagas
Doença de chagas
Fausto Barros
 
Tuberculose slide
Tuberculose slideTuberculose slide
Tuberculose slide
Vinicius Monteirobarreto
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Fabiano Da Ventura
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Difteria
Difteria Difteria
Difteria
Gabriela Bruno
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Hugo Fialho
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonar
Erick Bragato
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
André Pombo
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasDoenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
Rafael Serafim
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
Caroline Landim
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
HIAGO SANTOS
 
Doenças bacterianas
Doenças bacterianasDoenças bacterianas
Doenças bacterianas
Magali Feldmann
 
Arboviroses e Influenza Desmistificando e Esclarecendo
Arboviroses e Influenza  Desmistificando e EsclarecendoArboviroses e Influenza  Desmistificando e Esclarecendo
Arboviroses e Influenza Desmistificando e Esclarecendo
Alexandre Naime Barbosa
 
Difteria
DifteriaDifteria
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
resenfe2013
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
DCRDANYLA
 

Mais procurados (20)

Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose Aula
Tuberculose   AulaTuberculose   Aula
Tuberculose Aula
 
Doença de chagas
Doença de chagas Doença de chagas
Doença de chagas
 
Tuberculose slide
Tuberculose slideTuberculose slide
Tuberculose slide
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Difteria
Difteria Difteria
Difteria
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonar
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasDoenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
 
Doenças bacterianas
Doenças bacterianasDoenças bacterianas
Doenças bacterianas
 
Arboviroses e Influenza Desmistificando e Esclarecendo
Arboviroses e Influenza  Desmistificando e EsclarecendoArboviroses e Influenza  Desmistificando e Esclarecendo
Arboviroses e Influenza Desmistificando e Esclarecendo
 
Difteria
DifteriaDifteria
Difteria
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 

Semelhante a Mycobacteruim tuberculosis - Renato Varges

Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011
cipasap
 
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
Mônica Firmida
 
Tuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitaisTuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitais
Josy Farias
 
Curso tuberculose, hanseníase e sífilis novo
Curso tuberculose, hanseníase e sífilis novoCurso tuberculose, hanseníase e sífilis novo
Curso tuberculose, hanseníase e sífilis novo
Douglas Lício
 
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e DiagnósticoTuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Flávia Salame
 
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e DiagnósticoTuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Flávia Salame
 
Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01
Flávia Salame
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
Dessa Reis
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
Cms Nunes
 
Pne 2 - Tuberculose_ Micoses Pulmonares.pdf
Pne 2 - Tuberculose_ Micoses Pulmonares.pdfPne 2 - Tuberculose_ Micoses Pulmonares.pdf
Pne 2 - Tuberculose_ Micoses Pulmonares.pdf
NielsonFrota
 
Resumo tuberculose grupo 5
Resumo   tuberculose grupo 5Resumo   tuberculose grupo 5
Resumo tuberculose grupo 5
Inês Santos
 
Aprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserhAprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserh
Ismael Costa
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Maria Eliane Santos
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Aline Cristina
 
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RSCapacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
jorge luiz dos santos de souza
 
Tuberculose para Profissionais de UBS 2008.ppt
Tuberculose para Profissionais de UBS 2008.pptTuberculose para Profissionais de UBS 2008.ppt
Tuberculose para Profissionais de UBS 2008.ppt
MonicaAguilar22698
 
Tuberculose pleural
Tuberculose pleuralTuberculose pleural
Tuberculose pleural
Gustavo Andreis
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
Flávia Salame
 
Aprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirioAprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirio
Ismael Costa
 
Tuberculose em Salvador - Uma questão de Saúde Pública
Tuberculose em Salvador -  Uma questão de Saúde PúblicaTuberculose em Salvador -  Uma questão de Saúde Pública
Tuberculose em Salvador - Uma questão de Saúde Pública
Érica Rangel
 

Semelhante a Mycobacteruim tuberculosis - Renato Varges (20)

Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011
 
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
 
Tuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitaisTuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitais
 
Curso tuberculose, hanseníase e sífilis novo
Curso tuberculose, hanseníase e sífilis novoCurso tuberculose, hanseníase e sífilis novo
Curso tuberculose, hanseníase e sífilis novo
 
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e DiagnósticoTuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
 
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e DiagnósticoTuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
 
Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
Pne 2 - Tuberculose_ Micoses Pulmonares.pdf
Pne 2 - Tuberculose_ Micoses Pulmonares.pdfPne 2 - Tuberculose_ Micoses Pulmonares.pdf
Pne 2 - Tuberculose_ Micoses Pulmonares.pdf
 
Resumo tuberculose grupo 5
Resumo   tuberculose grupo 5Resumo   tuberculose grupo 5
Resumo tuberculose grupo 5
 
Aprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserhAprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserh
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RSCapacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
 
Tuberculose para Profissionais de UBS 2008.ppt
Tuberculose para Profissionais de UBS 2008.pptTuberculose para Profissionais de UBS 2008.ppt
Tuberculose para Profissionais de UBS 2008.ppt
 
Tuberculose pleural
Tuberculose pleuralTuberculose pleural
Tuberculose pleural
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
 
Aprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirioAprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirio
 
Tuberculose em Salvador - Uma questão de Saúde Pública
Tuberculose em Salvador -  Uma questão de Saúde PúblicaTuberculose em Salvador -  Uma questão de Saúde Pública
Tuberculose em Salvador - Uma questão de Saúde Pública
 

Mais de Renato Varges - UFF

Repercussões sistêmicas das doenças infecciosas da boca
Repercussões sistêmicas das doenças infecciosas da bocaRepercussões sistêmicas das doenças infecciosas da boca
Repercussões sistêmicas das doenças infecciosas da boca
Renato Varges - UFF
 
Controle microbiano - Renato Varges
Controle microbiano - Renato VargesControle microbiano - Renato Varges
Controle microbiano - Renato Varges
Renato Varges - UFF
 
Técnicas de estudo - Renato Varges
Técnicas de estudo - Renato VargesTécnicas de estudo - Renato Varges
Técnicas de estudo - Renato Varges
Renato Varges - UFF
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
Renato Varges - UFF
 
Microbiota normal odonto
Microbiota normal odontoMicrobiota normal odonto
Microbiota normal odonto
Renato Varges - UFF
 
Citologia bacteriana
Citologia bacterianaCitologia bacteriana
Citologia bacteriana
Renato Varges - UFF
 

Mais de Renato Varges - UFF (6)

Repercussões sistêmicas das doenças infecciosas da boca
Repercussões sistêmicas das doenças infecciosas da bocaRepercussões sistêmicas das doenças infecciosas da boca
Repercussões sistêmicas das doenças infecciosas da boca
 
Controle microbiano - Renato Varges
Controle microbiano - Renato VargesControle microbiano - Renato Varges
Controle microbiano - Renato Varges
 
Técnicas de estudo - Renato Varges
Técnicas de estudo - Renato VargesTécnicas de estudo - Renato Varges
Técnicas de estudo - Renato Varges
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
 
Microbiota normal odonto
Microbiota normal odontoMicrobiota normal odonto
Microbiota normal odonto
 
Citologia bacteriana
Citologia bacterianaCitologia bacteriana
Citologia bacteriana
 

Mycobacteruim tuberculosis - Renato Varges

  • 1. Gênero Mycobacterium Renato Varges
  • 2. Bastonete álcool - ácido resistente - BAAR Aeróbias estritas, imóveis, sem cápsula Não se coram pelo Gram Não produzem toxinas Gênero Mycobacterium Robert Koch Propriedades gerais:
  • 3. Parede celular com espessa camada lipídica: Ácidos micólicos
  • 4. Longo tempo de geração Resistência a atb Poder alergênico Infecção crônica FIQUEM DE OLHO NOS LIPÍDEOS DA PAREDE CELULAR
  • 5. M. tuberculosis M. leprae M. bovis M. avium Gênero Mycobacterium Principais espécies de interesse médico:
  • 6. TUBERCULOSE AGENTE: Mycobacterium tuberculosis - Bacilo de Koch
  • 7. Tuberculose Dados Epidemiológicos Atuais Casos anuais são estimados em 8,7 milhões de doentes no mundo, com 1,8 milhão de óbitos. 80% dos casos de tuberculose estão concentrados em 22 países. Apenas um destes está situado na América Latina, o Brasil. Estima-se que no Brasil ocorram 129.000 casos por ano, dos quais são notificados apenas cerca de 90.000. Em 2004, o Brasil notificou 86.881 casos de TB. Com incidência de 60/100.000 habitantes. Em 2005, foram notificados 15.662 casos de TB no Rio de Janeiro. Este número representa 15% de casos de TB notificados no país.
  • 8. Problema ? Há uma década, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a tuberculose em estado de emergência no mundo, onde ainda é a maior causa de morte por doença infecciosa em adultos O Brasil ocupa o 15º lugar entre os 22 países responsáveis por 80% do total de casos de tuberculose no mundo. Estima-se cerca de 111.000 casos novos e 6.000 óbitos, anualmente.
  • 9.  
  • 10. Mortes Causadas por Doenças Infecciosas em Adultos no Países em Desenvolvimento Fonte: Banco Mundial, 1997 TB 51.4% Inf. Respiratórias 10.0% HIV 8.6% Malaria 6.4% Outras 23.5% TB 54.7% Inf. Respiratórias 2.6% HIV 37.1% Malaria 1.3% Outras 4.4% 1990 2020
  • 11. EPIDEMIOLOGIA Dados do Mundo 8,2 milhões de casos novos/ano 2 milhões de óbitos/ano cada segundo 1 pessoa é infectada 1/3 da população mundial está infectada 5 a 10 % dos infectados adoecerão 22 países concentram 80 % dos casos Tuberculose
  • 12. TAXA DE INCIDÊNCIA DE TUBERCULOSE POR TODAS AS FORMAS. BRASIL E UNIDADES FEDERADAS, 2001 . Fonte: SINAN (Dados sujeitos a atualizações)
  • 13. EPIDEMIOLOGIA - TRANSMISSÃO A infecção pelo bacilo da tuberculose pode ocorrer em qualquer idade. Nem todas as pessoas expostas ao bacilo da tuberculose se tornam infectadas. A probabilidade que a TB seja transmitida depende de alguns fatores: Da contagiosidade do doente bacilífero fonte da infecção; Do tipo de ambiente onde a exposição ocorreu; Da duração da exposição. Tuberculose
  • 14. 10% das pessoas infectadas adoecem, metade durante os dois primeiros anos após a infecção e a outra metade ao longo da vida. O risco de progressão da infecção para a doença aumenta na presença de situações que debilitem o sistema imunológico da pessoa, como, por exemplo: Diabetes Mellitus (DM); Infecção pelo HIV; Tratamento prolongado com corticosteroídes; Terapia imunossupressora; Doenças renais crônicas, entre outras. EPIDEMIOLOGIA - TRANSMISSÃO Tuberculose
  • 15. PATOGENIA Tuberculose Macrófago ativado IL-6, IL-12, TNF Interferon gama Novos macrófagos Morte dos macrófagos acumulo de células inflamatórias e fibrina formam um granuloma (tubérculo) Células gigantes de Langhans que retiram água e depositam sais de cálcio
  • 16.  
  • 18. Febre Sudorese Emagrecimento Astenia Hemoptise SINAIS CLÍNICOS
  • 19. Diagnóstico Clínico Investigar Sempre os Pacientes que Apresentem: Tosse por mais de três semanas; Febre Sudorese Emagrecimento Astenia
  • 20. Diagnóstico Epidemiológico A propagação da tuberculose está intimamente ligada às condições de vida da população. Sua prevalência é maior nas grandes cidades.
  • 21. Diagnóstico Epidemiológico História de contato, intradomiciliar ou não, com uma pessoa com tuberculose; Indivíduo oriundo de população que vive em comunidade fechada (manicômios, presídios, abrigos, asilos, e outros); Trabalhadores da área de saúde (principalmente aqueles que trabalham com tuberculose e/ou AIDS); Populações de rua.
  • 22. Diagnóstico Laboratorial – Tuberculinização
  • 24. Diagnóstico Laboratorial - Baciloscopia Baciloscopia do Escarro: Principal exame diagnóstico para TB pulmonar; Informação acerca da transmissibilidade (pacientes bacilíferos são os epidemiologicamente importantes) Detecta até 80% dos casos de TB pulmonar.
  • 25. A baciloscopia direta do escarro deve ser solicitada para: Tosse por três ou mais semanas; Alterações pulmonares na radiografia de tórax; Contatos de casos de TB pulmonar bacilíferos. Diagnóstico Laboratorial - Baciloscopia
  • 26. Percentual de Municípios com Laboratórios que Realizam Baciloscopia - 2003 Fonte:LACEN CGLAB/DEVEP/SVS/MS
  • 28. TRATAMENTO O tratamento supervisionado: - apoio governamental busca ativa dos sintomáticos respiratórios suprimento de medicamentos com regularidade e qualidade observação direta e incentivo do tratamento monitoramento do paciente - Fator de risco para seleção de cepas multi-resistentes
  • 29. Fonte: GT-SINAN (Atualizado em Outubro/2003) Resultados após 6 meses de Tratamento para Tuberculose. Brasil, 2001.
  • 30. Vacina BCG – 1º mês de vida Identificação precoce dos doentes e tratamento Programa de Tratamento Supervisionado para evitar abandono PROFILAXIA E CONTROLE

Notas do Editor

  1. A infecção pelo bacilo da tuberculose pode ocorrer em qualquer idade, mas no Brasil geralmente acontece na infância. Nem todas as pessoas expostas ao bacilo da tuberculose se tornam infectadas. A probabilidade que a TB seja transmitida depende de alguns fatores; Da contagiosidade do caso índice (doente bacilífero fonte da infecção); Do tipo de ambiente onde a exposição ocorreu; Da duração da exposição.
  2. Apenas em torno de 10% das pessoas infectadas adoecem, metade delas durante os 2 primeiros anos após a infecção e a outra metade ao longo de sua vida. Esta estimativa está correta se não existirem outras infecções ou doenças que debilitem o sistema imunológico da pessoa, como, por exemplo: Diabetes Mellitus (DM); Infecção pelo HIV; Tratamento prolongado com corticosteroídes; Terapia imunossupressora; Doenças renais crônicas, entre outras. NESTES CASOS O RISCO DE PROGRESSÃO DA INFECÇÃO PARA A DOENÇA AUMENTA.