SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Colégio Estadual São Paulo
Apóstolo - EFM
Prof. Cleiton
2° ano - Ensino Médio
1° Trimestre - 2015
TERMOMETRIA
Temperatura: é o estado de agitação das moléculas de um
corpo.
Equilíbrio Térmico: Quando dois corpos são colocados um
em contato com o outro, após um certo tempo eles
apresentam uma temperatura em comum, denominado
estado de equilíbrio térmico.
OBS: O equilíbrio térmico se da sempre do corpo com
temperatura maior para o corpo de menor temperatura.
2
3
As substâncias em geral dilatam-se (aumentam de
volume) quando sofrem aumento de temperatura.
Assim, uma barra de ferro, por exemplo, aumenta de
comprimento quando colocada no fogo.
Do mesmo modo, o volume de gás contido num
balão elástico aumenta quando cresce a temperatura.
A coluna de mercúrio contida num tubo sofre o
mesmo efeito e aumenta de altura.
A propriedade que os corpos apresentam de mudar
de volume, quando se modifica a temperatura, pode
ser usada para medir temperaturas.
TEMPERATURA
4
Os termômetros de mercúrio, muito comuns em laboratórios, clínicas médicas
e mesmo em casa, funcionam baseados na dilatação do mercúrio.
Digamos, por exemplo, que precisamos medir a temperatura da água de um
copo. Colocamos o termômetro dentro dele e aguardamos alguns minutos
para que a água e o termômetro entrem em equilíbrio térmico.
A variação de temperatura, para mais ou para menos, sofrida pelo mercúrio
vai fazer com que seu volume varie, para mais ou para menos. Com isso, ele
sobe ou desce na escala de temperaturas, indicando o valor correto da
temperatura.
5
Escala Celsius
No século XVII, o físico e astrônomo sueco Anders Celsius sugeriu que a
temperatura de fusão do gelo, ao nível do mar, recebesse o valor arbitrário
de 0 grau (hoje 0 grau Celsius), e que a temperatura de ebulição da água,
também ao nível do mar, fosse fixada em 100 graus (100 graus Celsius,
valor igualmente arbitrário).
6
Escolhidos os pontos de fusão e ebulição da água, pode-se agora
construir um termômetro calibrado na escala Celsius.
Para isso é necessário um tubo fino (tubo capilar) de vidro, com um
reservatório para o mercúrio.
Coloca-se o conjunto num recipiente com gelo em fusão (que, portanto,
está à temperatura de 0 grau Celsius), e, após alguns minutos, quando o
mercúrio parar de descer, por entrar em equilíbrio térmico com a mistura
água-gelo, faz-se uma marca para 0 grau Celsius.
Em seguida, coloca-se o tubo em água fervente (que na escala Celsius
está a 100 graus) e faz-se uma marca para 100 graus Celsius.
A seguir divide-se o espaço entre as duas marcas em 100 partes e fecha-
se o tubo.
O termômetro está pronto para ser usado.
7
Escala Fahrenheit
Na escala Fahrenheit, ainda em uso nos
países de língua inglesa, ao 0 e ao 100
da escala Celsius correspondem
respectivamente os números 32 e 212.
Assim, entre a temperatura de fusão do
gelo e da ebulição da água, estão
compreendidos 180º F.
8
Escala Kelvin
Sabe-se que não há, teoricamente, um limite superior para a
temperatura que um corpo pode alcançar.
Observa-se, entretanto, que existe um limite inferior. Os
cientistas verificaram que é impossível reduzir a temperatura de
qualquer substância a um valor inferior a -273,15 ºC (o zero
absoluto).
O físico inglês lorde Kelvin propôs uma escala termométrica,
que leva o seu nome. Tal escala tem origem no zero absoluto,
usando como unidade de variação o grau Celsius.
Na escala Kelvin, a temperatura de fusão do gelo corresponde a
273 K e a de ebulição da água, a 373 K.
ESCALAS DE TEMPERATURA
Escala
Celsius
Escala
Fahrenheit
Escala
Kelvin
100 °C 212 °F 373 K
273 K32 °F0 °C
°C °F K
Ponto
de
Fusão
Ponto
de
Ebulição
Ponto
de
Ebulição
Ponto
de
Ebulição
Ponto
de
Fusão
Ponto
de
Fusão
EQUAÇÕES DE CONVERSÃO
273 K32 °F0 °C
TC TF TK
100 °C 212 °F 373 K
Macete: como as três escalas mostram a mesma temperatura
ambiente, temos:
=
−
−
baixocima
baixoMeio
=
−
−
baixocima
baixoMeio
baixocima
baixoMeio
−
−
EQUAÇÕES DE CONVERSÃO –
continuação:
°−°
°−
0100
0TC
°−°
°−
=
32212
32TF
273373
273
−
−
=
TK
100 °C 212 °F 373 K
273 K32 °F0 °C
TC TF TK
Portanto:
Simplificando
:
5
273
9
32
5
−
=
−
=
TKTFTC
100
273
180
32
100
−
=
−
=
TKTFTC
Mamão com
açúcar !!!!
Exemplo 1
01 – (UFBA) A temperatura do corpo humano é de aproximadamente 36,5 °C.
Qual a leitura que a escala Fahrenheit e Kelvin fornecem para essa mesma
temperatura?
Pensando !!!!
Pela equação de conversão temos:
5
273
9
32
5
−
=
−
=
TKTFTC
5
TC
9
32−
=
TF
Passando de Celsius para Fahrenheit:
9
32
3,7
−
=
TF
9
32
5
5,36 −
=
TF
7,6532 =−TF
327,65 +=TF
FTF °= 7,97
Passando de Celsius para
Kelvin:
5
273
5
−
=
TKTC
5
273
5
5,36 −
=
TK
5,36273 =−TK
5,36273+=TK
KTK 5,309=
Abacate com
leite !!!
Uma ilusão de óptica
A temperatura normal de funcionamento do motor de um
automóvel é 90ºC. Determine essa temperatura em Graus
Fahrenheit.
a) 90ºF b) 180ºF c) 194ºF d) 216ºF e) –32ºF
Exemplo 2
5
90
9
32−
=
TF
18
9
32−
=
TF
TF – 32 = 162
TF = 162 + 32
TF = 194 °F
Banana com
farinha !!!
9
32
5
−
=
TFTC
x
+
Mais ilusões de óptica
O tradutor, ao receber o manual de instruções com a frase:
After that, check whether temperature has remained hot, about
149ºF, traduziu-a corretamente desta forma:
“Após este tempo, verifique se a temperatura permaneceu
quente, aproximadamente”:
a) 45ºC. b) 55ºC. c) 65ºC. d) 76ºC. e) 78ºC.
Exemplo 3
5
TC
9
32149 −
=
9
117
=
TC= 65 °C
Café com
biscoito !!!
5
TC
13
5
=
TC9
32
5
−
=
TFTC
Exemplo 4
A temperatura de determinada substância é 50°F. A temperatura absoluta
dessa substância, em kelvin, é
a) 343 b) 283 c) 263 d) 323 e) 273
Pensando !!!!
Pela equação de conversão temos:
5
273
9
32
5
−
=
−
=
TKTFTC
5
273−TK
=
−
9
32TF
=
−
9
3250
5
273−TK
=
9
18
5
273−TK
=2
5
273−TK
10273 =−TK
27310 +=TK
KTK 283=
Baião de dois com
churrasco !!!
Exemplo 5
Quando se deseja realizar experimentos a baixas temperaturas, é muito
comum a utilização de nitrogênio líquido como refrigerante, pois seu ponto
normal de ebulição é de - 196 ºC. Na escala Kelvin, esta temperatura vale:
a) 469 K b) 77 K c) 196 K d) 273 K e)100 K
Pela equação de conversão temos:
5
273
5
−
=
TKTC
=
−
5
196
5
273−TK
=−196 273−TK
273196 +−=TK
KTK 77=
Açaí com
torresmo !!!
273−TK 196−=
Exemplo
6
Quando Fahrenheit definiu a escala termométrica que hoje leva o seu
nome, o primeiro ponto fixo definido por ele, o 0ºF, corresponde à
temperatura obtida ao se misturar uma porção de cloreto de amônia
com três porções de neve, à pressão normal. Qual é,
aproximadamente, esta temperatura na escala Celsius?
a) 32° b) 273° c) 37,7° d) –18°
e) 17,7°
9
320 −
=
5
TC
9
32−
=
5
TC
=
5
TC
6,3−
CTC °−= 18
M
ocotó
com
farinha
e
pim
enta
!!!
9
32
5
−
=
TFTC
Exemplo
7A fim de diminuir o risco de explosão durante um incêndio, os botijões de gás
possuem um pequeno pino com aspecto de parafuso, conhecido como plugue
fusível. Uma vez que a temperatura do botijão chegue a 172ºF, a liga metálica
desse dispositivo de segurança se funde, permitindo que o gás escape. Em termos
de nossa escala habitual, o derretimento do plugue fusível ocorre,
aproximadamente, a:
a) 342 ºC. b) 78ºC. c) 85ºC. d) 140ºC. E) 113ºC.
9
32
5
−
=
TFTC
=
5
TC
9
32172 −
=
5
TC
9
140
=
5
TC 15,6
TC = 78 °C
Pão com
ovo !!!
Termometria-aula-1.ppt

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Estudo dos gases slides
Estudo dos gases   slidesEstudo dos gases   slides
Estudo dos gases slides
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Termodinamica
TermodinamicaTermodinamica
Termodinamica
 
Aulão pré prova enem física ciências da natureza
Aulão pré prova enem física ciências da naturezaAulão pré prova enem física ciências da natureza
Aulão pré prova enem física ciências da natureza
 
Comportamento dos gases
Comportamento dos gasesComportamento dos gases
Comportamento dos gases
 
Quimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsQuimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEs
 
Aula de calorimetria
Aula de calorimetriaAula de calorimetria
Aula de calorimetria
 
Eletrodinâmica
EletrodinâmicaEletrodinâmica
Eletrodinâmica
 
Equilíbrio químico
Equilíbrio químicoEquilíbrio químico
Equilíbrio químico
 
Estudo dos gases power point
Estudo dos gases power pointEstudo dos gases power point
Estudo dos gases power point
 
Estudo dos gases
Estudo dos gasesEstudo dos gases
Estudo dos gases
 
Aula 4 - Modelo Atômico de Bohr
Aula 4 - Modelo Atômico de BohrAula 4 - Modelo Atômico de Bohr
Aula 4 - Modelo Atômico de Bohr
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Substância e mistura 9º ano
Substância e mistura 9º anoSubstância e mistura 9º ano
Substância e mistura 9º ano
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
 
Calor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latenteCalor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latente
 
Gases e transformações
Gases  e transformaçõesGases  e transformações
Gases e transformações
 
Termologia
TermologiaTermologia
Termologia
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 

Destaque

exercicios resolvidos-termometria.pdf
exercicios resolvidos-termometria.pdfexercicios resolvidos-termometria.pdf
exercicios resolvidos-termometria.pdfCleiton Rosa
 
Revisão de termômetros e escalas termométricas
Revisão de termômetros e escalas termométricasRevisão de termômetros e escalas termométricas
Revisão de termômetros e escalas termométricasCleiton Rosa
 
Gabarito das questões de Termologia - 2º Ano
Gabarito das questões de Termologia - 2º AnoGabarito das questões de Termologia - 2º Ano
Gabarito das questões de Termologia - 2º AnoEdson Marcos Silva
 
Aula 1 De FíSica Ppt [Recuperado]
Aula 1 De FíSica Ppt [Recuperado]Aula 1 De FíSica Ppt [Recuperado]
Aula 1 De FíSica Ppt [Recuperado]Rejane Conceição
 
Termodinamica aula
Termodinamica aulaTermodinamica aula
Termodinamica aulacristbarb
 
Lista 1 2013 escalas termométricas
Lista 1 2013   escalas termométricasLista 1 2013   escalas termométricas
Lista 1 2013 escalas termométricasPéricles Penuel
 
Manutenção industrial fluxograma
Manutenção industrial fluxogramaManutenção industrial fluxograma
Manutenção industrial fluxogramachemaeadic
 
Proyectos de ingenieria
Proyectos de ingenieriaProyectos de ingenieria
Proyectos de ingenieriaAndy Rola
 
www.aulasdefisicaapoio.com - Física - Exercícios Resolvidos de Hidrostática ...
www.aulasdefisicaapoio.com - Física -  Exercícios Resolvidos de Hidrostática ...www.aulasdefisicaapoio.com - Física -  Exercícios Resolvidos de Hidrostática ...
www.aulasdefisicaapoio.com - Física - Exercícios Resolvidos de Hidrostática ...Videoaulas De Física Apoio
 
Instrumentos De Medicion En La Evaluacion
Instrumentos De Medicion En La EvaluacionInstrumentos De Medicion En La Evaluacion
Instrumentos De Medicion En La EvaluacionJesus Sanchez
 
Plano de curso de fisica
Plano de curso de fisicaPlano de curso de fisica
Plano de curso de fisicakl3ison
 
6851050 curso-isa-presentation-instrumentacion-basica
6851050 curso-isa-presentation-instrumentacion-basica6851050 curso-isa-presentation-instrumentacion-basica
6851050 curso-isa-presentation-instrumentacion-basicatamapetem
 

Destaque (20)

AULA SOBRE Termometria
AULA SOBRE TermometriaAULA SOBRE Termometria
AULA SOBRE Termometria
 
exercicios resolvidos-termometria.pdf
exercicios resolvidos-termometria.pdfexercicios resolvidos-termometria.pdf
exercicios resolvidos-termometria.pdf
 
Slide Sobre Escalas TermoméTricas
Slide Sobre Escalas TermoméTricasSlide Sobre Escalas TermoméTricas
Slide Sobre Escalas TermoméTricas
 
Aula de TERMOMETRIA
Aula de TERMOMETRIAAula de TERMOMETRIA
Aula de TERMOMETRIA
 
Revisão de termômetros e escalas termométricas
Revisão de termômetros e escalas termométricasRevisão de termômetros e escalas termométricas
Revisão de termômetros e escalas termométricas
 
Termologia
TermologiaTermologia
Termologia
 
Gabarito das questões de Termologia - 2º Ano
Gabarito das questões de Termologia - 2º AnoGabarito das questões de Termologia - 2º Ano
Gabarito das questões de Termologia - 2º Ano
 
Aula 1 De FíSica Ppt [Recuperado]
Aula 1 De FíSica Ppt [Recuperado]Aula 1 De FíSica Ppt [Recuperado]
Aula 1 De FíSica Ppt [Recuperado]
 
Termodinamica aula
Termodinamica aulaTermodinamica aula
Termodinamica aula
 
Instrumentos de medicion
Instrumentos de medicionInstrumentos de medicion
Instrumentos de medicion
 
Lista 1 2013 escalas termométricas
Lista 1 2013   escalas termométricasLista 1 2013   escalas termométricas
Lista 1 2013 escalas termométricas
 
Termometria
TermometriaTermometria
Termometria
 
Manutenção industrial fluxograma
Manutenção industrial fluxogramaManutenção industrial fluxograma
Manutenção industrial fluxograma
 
Reino Protista
Reino ProtistaReino Protista
Reino Protista
 
Manutencao de Equipamentos
Manutencao de EquipamentosManutencao de Equipamentos
Manutencao de Equipamentos
 
Proyectos de ingenieria
Proyectos de ingenieriaProyectos de ingenieria
Proyectos de ingenieria
 
www.aulasdefisicaapoio.com - Física - Exercícios Resolvidos de Hidrostática ...
www.aulasdefisicaapoio.com - Física -  Exercícios Resolvidos de Hidrostática ...www.aulasdefisicaapoio.com - Física -  Exercícios Resolvidos de Hidrostática ...
www.aulasdefisicaapoio.com - Física - Exercícios Resolvidos de Hidrostática ...
 
Instrumentos De Medicion En La Evaluacion
Instrumentos De Medicion En La EvaluacionInstrumentos De Medicion En La Evaluacion
Instrumentos De Medicion En La Evaluacion
 
Plano de curso de fisica
Plano de curso de fisicaPlano de curso de fisica
Plano de curso de fisica
 
6851050 curso-isa-presentation-instrumentacion-basica
6851050 curso-isa-presentation-instrumentacion-basica6851050 curso-isa-presentation-instrumentacion-basica
6851050 curso-isa-presentation-instrumentacion-basica
 

Semelhante a Termometria-aula-1.ppt

slide temometria
slide temometriaslide temometria
slide temometriajoaberb
 
Apostila eja fisica 2
Apostila eja fisica 2Apostila eja fisica 2
Apostila eja fisica 2Leo Anjos
 
Termometria - Escalas termométricas
Termometria - Escalas termométricasTermometria - Escalas termométricas
Termometria - Escalas termométricasLara Lídia
 
Exercícios termometria 8º ano
Exercícios termometria 8º anoExercícios termometria 8º ano
Exercícios termometria 8º anoWellington Sampaio
 
Termômetros e escalas termométricas
Termômetros e escalas termométricasTermômetros e escalas termométricas
Termômetros e escalas termométricasRafael Costa
 
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE FÍSICA
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE FÍSICAAPOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE FÍSICA
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE FÍSICAKATIA CAVALCANTI
 
Termometria apostila
Termometria apostilaTermometria apostila
Termometria apostilantebrusque
 
"Explorando a Termologia: Calor e Temperatura".pptx
"Explorando a Termologia: Calor e Temperatura".pptx"Explorando a Termologia: Calor e Temperatura".pptx
"Explorando a Termologia: Calor e Temperatura".pptxMarcosViniciusSa
 
Lista de exercícios - escalas de temperatura
Lista de exercícios - escalas de temperaturaLista de exercícios - escalas de temperatura
Lista de exercícios - escalas de temperaturaLuis Paulo Oliveira
 
AULA-001---TERMOMETRIA-E-CALORIMETRIA_0d196498cda04bdbb848c2c572009c89.pptx
AULA-001---TERMOMETRIA-E-CALORIMETRIA_0d196498cda04bdbb848c2c572009c89.pptxAULA-001---TERMOMETRIA-E-CALORIMETRIA_0d196498cda04bdbb848c2c572009c89.pptx
AULA-001---TERMOMETRIA-E-CALORIMETRIA_0d196498cda04bdbb848c2c572009c89.pptxjonecassius2
 
E. MÉDIO 2 MANHÃ FÍSICA 07 03 2023 DEFINIÇÃO DE TEMPERATURA CONCEITOS FUNDAME...
E. MÉDIO 2 MANHÃ FÍSICA 07 03 2023 DEFINIÇÃO DE TEMPERATURA CONCEITOS FUNDAME...E. MÉDIO 2 MANHÃ FÍSICA 07 03 2023 DEFINIÇÃO DE TEMPERATURA CONCEITOS FUNDAME...
E. MÉDIO 2 MANHÃ FÍSICA 07 03 2023 DEFINIÇÃO DE TEMPERATURA CONCEITOS FUNDAME...lprofessorjoao
 
Lista 12 termometria e dilata+º+úo
Lista 12 termometria e dilata+º+úoLista 12 termometria e dilata+º+úo
Lista 12 termometria e dilata+º+úorodrigoateneu
 
Termologiatransmissaodecalordilatacao
TermologiatransmissaodecalordilatacaoTermologiatransmissaodecalordilatacao
Termologiatransmissaodecalordilatacaobrendarezende
 
Física 2º ano prof. pedro ivo - (introdução à termometria )
Física 2º ano   prof. pedro ivo - (introdução à termometria )Física 2º ano   prof. pedro ivo - (introdução à termometria )
Física 2º ano prof. pedro ivo - (introdução à termometria )Pedro Ivo Andrade Sousa
 

Semelhante a Termometria-aula-1.ppt (20)

slide temometria
slide temometriaslide temometria
slide temometria
 
Apostila eja fisica 2
Apostila eja fisica 2Apostila eja fisica 2
Apostila eja fisica 2
 
Termometria - Escalas termométricas
Termometria - Escalas termométricasTermometria - Escalas termométricas
Termometria - Escalas termométricas
 
Escola de jatobá 2
Escola de jatobá 2Escola de jatobá 2
Escola de jatobá 2
 
Termometria aula
Termometria   aulaTermometria   aula
Termometria aula
 
Exercícios termometria 8º ano
Exercícios termometria 8º anoExercícios termometria 8º ano
Exercícios termometria 8º ano
 
Termometria
TermometriaTermometria
Termometria
 
Termômetros e escalas termométricas
Termômetros e escalas termométricasTermômetros e escalas termométricas
Termômetros e escalas termométricas
 
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE FÍSICA
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE FÍSICAAPOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE FÍSICA
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE FÍSICA
 
Escalas termometricas.
Escalas termometricas.Escalas termometricas.
Escalas termometricas.
 
Termometria apostila
Termometria apostilaTermometria apostila
Termometria apostila
 
"Explorando a Termologia: Calor e Temperatura".pptx
"Explorando a Termologia: Calor e Temperatura".pptx"Explorando a Termologia: Calor e Temperatura".pptx
"Explorando a Termologia: Calor e Temperatura".pptx
 
Lista de exercícios - escalas de temperatura
Lista de exercícios - escalas de temperaturaLista de exercícios - escalas de temperatura
Lista de exercícios - escalas de temperatura
 
AULA-001---TERMOMETRIA-E-CALORIMETRIA_0d196498cda04bdbb848c2c572009c89.pptx
AULA-001---TERMOMETRIA-E-CALORIMETRIA_0d196498cda04bdbb848c2c572009c89.pptxAULA-001---TERMOMETRIA-E-CALORIMETRIA_0d196498cda04bdbb848c2c572009c89.pptx
AULA-001---TERMOMETRIA-E-CALORIMETRIA_0d196498cda04bdbb848c2c572009c89.pptx
 
E. MÉDIO 2 MANHÃ FÍSICA 07 03 2023 DEFINIÇÃO DE TEMPERATURA CONCEITOS FUNDAME...
E. MÉDIO 2 MANHÃ FÍSICA 07 03 2023 DEFINIÇÃO DE TEMPERATURA CONCEITOS FUNDAME...E. MÉDIO 2 MANHÃ FÍSICA 07 03 2023 DEFINIÇÃO DE TEMPERATURA CONCEITOS FUNDAME...
E. MÉDIO 2 MANHÃ FÍSICA 07 03 2023 DEFINIÇÃO DE TEMPERATURA CONCEITOS FUNDAME...
 
Lista 12 termometria e dilata+º+úo
Lista 12 termometria e dilata+º+úoLista 12 termometria e dilata+º+úo
Lista 12 termometria e dilata+º+úo
 
Termologiatransmissaodecalordilatacao
TermologiatransmissaodecalordilatacaoTermologiatransmissaodecalordilatacao
Termologiatransmissaodecalordilatacao
 
Calorimetria I
Calorimetria ICalorimetria I
Calorimetria I
 
CALORIMETRIA
CALORIMETRIACALORIMETRIA
CALORIMETRIA
 
Física 2º ano prof. pedro ivo - (introdução à termometria )
Física 2º ano   prof. pedro ivo - (introdução à termometria )Física 2º ano   prof. pedro ivo - (introdução à termometria )
Física 2º ano prof. pedro ivo - (introdução à termometria )
 

Termometria-aula-1.ppt

  • 1. Colégio Estadual São Paulo Apóstolo - EFM Prof. Cleiton 2° ano - Ensino Médio 1° Trimestre - 2015
  • 2. TERMOMETRIA Temperatura: é o estado de agitação das moléculas de um corpo. Equilíbrio Térmico: Quando dois corpos são colocados um em contato com o outro, após um certo tempo eles apresentam uma temperatura em comum, denominado estado de equilíbrio térmico. OBS: O equilíbrio térmico se da sempre do corpo com temperatura maior para o corpo de menor temperatura. 2
  • 3. 3 As substâncias em geral dilatam-se (aumentam de volume) quando sofrem aumento de temperatura. Assim, uma barra de ferro, por exemplo, aumenta de comprimento quando colocada no fogo. Do mesmo modo, o volume de gás contido num balão elástico aumenta quando cresce a temperatura. A coluna de mercúrio contida num tubo sofre o mesmo efeito e aumenta de altura. A propriedade que os corpos apresentam de mudar de volume, quando se modifica a temperatura, pode ser usada para medir temperaturas. TEMPERATURA
  • 4. 4 Os termômetros de mercúrio, muito comuns em laboratórios, clínicas médicas e mesmo em casa, funcionam baseados na dilatação do mercúrio. Digamos, por exemplo, que precisamos medir a temperatura da água de um copo. Colocamos o termômetro dentro dele e aguardamos alguns minutos para que a água e o termômetro entrem em equilíbrio térmico. A variação de temperatura, para mais ou para menos, sofrida pelo mercúrio vai fazer com que seu volume varie, para mais ou para menos. Com isso, ele sobe ou desce na escala de temperaturas, indicando o valor correto da temperatura.
  • 5. 5 Escala Celsius No século XVII, o físico e astrônomo sueco Anders Celsius sugeriu que a temperatura de fusão do gelo, ao nível do mar, recebesse o valor arbitrário de 0 grau (hoje 0 grau Celsius), e que a temperatura de ebulição da água, também ao nível do mar, fosse fixada em 100 graus (100 graus Celsius, valor igualmente arbitrário).
  • 6. 6 Escolhidos os pontos de fusão e ebulição da água, pode-se agora construir um termômetro calibrado na escala Celsius. Para isso é necessário um tubo fino (tubo capilar) de vidro, com um reservatório para o mercúrio. Coloca-se o conjunto num recipiente com gelo em fusão (que, portanto, está à temperatura de 0 grau Celsius), e, após alguns minutos, quando o mercúrio parar de descer, por entrar em equilíbrio térmico com a mistura água-gelo, faz-se uma marca para 0 grau Celsius. Em seguida, coloca-se o tubo em água fervente (que na escala Celsius está a 100 graus) e faz-se uma marca para 100 graus Celsius. A seguir divide-se o espaço entre as duas marcas em 100 partes e fecha- se o tubo. O termômetro está pronto para ser usado.
  • 7. 7 Escala Fahrenheit Na escala Fahrenheit, ainda em uso nos países de língua inglesa, ao 0 e ao 100 da escala Celsius correspondem respectivamente os números 32 e 212. Assim, entre a temperatura de fusão do gelo e da ebulição da água, estão compreendidos 180º F.
  • 8. 8 Escala Kelvin Sabe-se que não há, teoricamente, um limite superior para a temperatura que um corpo pode alcançar. Observa-se, entretanto, que existe um limite inferior. Os cientistas verificaram que é impossível reduzir a temperatura de qualquer substância a um valor inferior a -273,15 ºC (o zero absoluto). O físico inglês lorde Kelvin propôs uma escala termométrica, que leva o seu nome. Tal escala tem origem no zero absoluto, usando como unidade de variação o grau Celsius. Na escala Kelvin, a temperatura de fusão do gelo corresponde a 273 K e a de ebulição da água, a 373 K.
  • 9. ESCALAS DE TEMPERATURA Escala Celsius Escala Fahrenheit Escala Kelvin 100 °C 212 °F 373 K 273 K32 °F0 °C °C °F K Ponto de Fusão Ponto de Ebulição Ponto de Ebulição Ponto de Ebulição Ponto de Fusão Ponto de Fusão
  • 10. EQUAÇÕES DE CONVERSÃO 273 K32 °F0 °C TC TF TK 100 °C 212 °F 373 K Macete: como as três escalas mostram a mesma temperatura ambiente, temos: = − − baixocima baixoMeio = − − baixocima baixoMeio baixocima baixoMeio − −
  • 11. EQUAÇÕES DE CONVERSÃO – continuação: °−° °− 0100 0TC °−° °− = 32212 32TF 273373 273 − − = TK 100 °C 212 °F 373 K 273 K32 °F0 °C TC TF TK
  • 13. Exemplo 1 01 – (UFBA) A temperatura do corpo humano é de aproximadamente 36,5 °C. Qual a leitura que a escala Fahrenheit e Kelvin fornecem para essa mesma temperatura? Pensando !!!! Pela equação de conversão temos: 5 273 9 32 5 − = − = TKTFTC 5 TC 9 32− = TF Passando de Celsius para Fahrenheit: 9 32 3,7 − = TF 9 32 5 5,36 − = TF 7,6532 =−TF 327,65 +=TF FTF °= 7,97 Passando de Celsius para Kelvin: 5 273 5 − = TKTC 5 273 5 5,36 − = TK 5,36273 =−TK 5,36273+=TK KTK 5,309= Abacate com leite !!!
  • 14. Uma ilusão de óptica
  • 15. A temperatura normal de funcionamento do motor de um automóvel é 90ºC. Determine essa temperatura em Graus Fahrenheit. a) 90ºF b) 180ºF c) 194ºF d) 216ºF e) –32ºF Exemplo 2 5 90 9 32− = TF 18 9 32− = TF TF – 32 = 162 TF = 162 + 32 TF = 194 °F Banana com farinha !!! 9 32 5 − = TFTC x +
  • 16. Mais ilusões de óptica
  • 17. O tradutor, ao receber o manual de instruções com a frase: After that, check whether temperature has remained hot, about 149ºF, traduziu-a corretamente desta forma: “Após este tempo, verifique se a temperatura permaneceu quente, aproximadamente”: a) 45ºC. b) 55ºC. c) 65ºC. d) 76ºC. e) 78ºC. Exemplo 3 5 TC 9 32149 − = 9 117 = TC= 65 °C Café com biscoito !!! 5 TC 13 5 = TC9 32 5 − = TFTC
  • 18.
  • 19. Exemplo 4 A temperatura de determinada substância é 50°F. A temperatura absoluta dessa substância, em kelvin, é a) 343 b) 283 c) 263 d) 323 e) 273 Pensando !!!! Pela equação de conversão temos: 5 273 9 32 5 − = − = TKTFTC 5 273−TK = − 9 32TF = − 9 3250 5 273−TK = 9 18 5 273−TK =2 5 273−TK 10273 =−TK 27310 +=TK KTK 283= Baião de dois com churrasco !!!
  • 20.
  • 21. Exemplo 5 Quando se deseja realizar experimentos a baixas temperaturas, é muito comum a utilização de nitrogênio líquido como refrigerante, pois seu ponto normal de ebulição é de - 196 ºC. Na escala Kelvin, esta temperatura vale: a) 469 K b) 77 K c) 196 K d) 273 K e)100 K Pela equação de conversão temos: 5 273 5 − = TKTC = − 5 196 5 273−TK =−196 273−TK 273196 +−=TK KTK 77= Açaí com torresmo !!! 273−TK 196−=
  • 22.
  • 23. Exemplo 6 Quando Fahrenheit definiu a escala termométrica que hoje leva o seu nome, o primeiro ponto fixo definido por ele, o 0ºF, corresponde à temperatura obtida ao se misturar uma porção de cloreto de amônia com três porções de neve, à pressão normal. Qual é, aproximadamente, esta temperatura na escala Celsius? a) 32° b) 273° c) 37,7° d) –18° e) 17,7° 9 320 − = 5 TC 9 32− = 5 TC = 5 TC 6,3− CTC °−= 18 M ocotó com farinha e pim enta !!! 9 32 5 − = TFTC
  • 24.
  • 25. Exemplo 7A fim de diminuir o risco de explosão durante um incêndio, os botijões de gás possuem um pequeno pino com aspecto de parafuso, conhecido como plugue fusível. Uma vez que a temperatura do botijão chegue a 172ºF, a liga metálica desse dispositivo de segurança se funde, permitindo que o gás escape. Em termos de nossa escala habitual, o derretimento do plugue fusível ocorre, aproximadamente, a: a) 342 ºC. b) 78ºC. c) 85ºC. d) 140ºC. E) 113ºC. 9 32 5 − = TFTC = 5 TC 9 32172 − = 5 TC 9 140 = 5 TC 15,6 TC = 78 °C Pão com ovo !!!