SlideShare uma empresa Scribd logo
1


         TERMOMETRIA

         É a parte da Termologia que estuda a temperatura e suas medidas.

         TEMPERATURA

          Temperatura é a grandeza que caracteriza o estado térmico de um corpo ou sistema.
          Fisicamente o conceito dado a quente e frio é um pouco diferente do que costumamos usar no nosso
cotidiano. Podemos definir como quente um corpo que tem suas moléculas agitando-se muito, ou seja, com
alta energia cinética. Analogamente, um corpo frio, é aquele que tem baixa agitação das suas moléculas.
          Ao aumentar a temperatura de um corpo ou sistema pode-se dizer que está se aumentando o estado
de agitação de suas moléculas.
          Ao tirarmos uma garrafa de água mineral da geladeira ou ao retirar um bolo de um forno, percebemos
que após algum tempo, ambas tendem a chegar à temperatura do ambiente. Ou seja, a água "esquenta" e o
bolo "esfria". Quando dois corpos ou sistemas atingem a mesma temperatura, dizemos que estes corpos ou
sistemas estão em equilíbrio térmico.

         TERMÔMETRO

         Para que seja possível medir a temperatura de um corpo, foi desenvolvido um aparelho chamado
termômetro.
         O termômetro mais comum é o de mercúrio, que consiste em um vidro graduado com um bulbo de
paredes finas que é ligado a um tubo muito fino, chamado tubo capilar.
         Quando a temperatura do termômetro aumenta, as moléculas de mercúrio aumentam sua agitação
fazendo com que este se dilate, preenchendo o tubo capilar. Para cada altura atingida pelo mercúrio está
associada uma temperatura.




         ESCALAS TERMOMÉTRICAS

          Escala termométrica é a seqüência ordena das temperaturas que definem, em graus, os estados
térmicos, ordenados a partir dos mais frios aos mais quentes. A escala de cada termômetro corresponde a este
valor de altura atingida.
    A. ESCALA CELSIUS: é a escala usada no Brasil e na maior parte dos países, oficializada em 1742 pelo
        astrônomo e físico sueco Anders Celsius (1701-1744). Esta escala tem como pontos de referência a
        temperatura de congelamento da água sob pressão normal (0°C) e a temperatura de ebulição da água
        sob pressão normal (100°C).

   B. ESCALA FAHRENHEIT: outra escala bastante utilizada, principalmente nos países de língua inglesa,
       criada em 1708 pelo físico alemão Daniel Gabriel Fahrenheit (1686-1736), tendo como referência a
       temperatura de uma mistura de gelo e cloreto de amônia (0°F) e a temperatura do corpo humano
       (100°F).
         Em comparação com a escala Celsius: 0°C = 32°F; 100°C = 212°F.

   C. ESCALA KELVIN: também conhecida como escala absoluta, foi verificada pelo físico inglês William
       Thompson (1824-1907), também conhecido como Lorde Kelvin. Esta escala tem como referência a
       temperatura do menor estado de agitação de qualquer molécula (0K) e é calculada a partir da escala
       Celsius. Por convenção, não se usa "grau" para esta escala, ou seja 0K, lê-se zero kelvin e não zero
       grau kelvin.
         Em comparação com a escala Celsius:-273°C = 0K; 0°C = 273K; 100°C = 373K.



              Prof. Thiago Miranda                                                o-mundo-da-
                                           fisica.blogspot.com
2



          Conversões entre as escalas

          Convertendo uma temperatura qualquer dada em escala Fahrenheit para escala Celsius ou vice-
verso:




         Convertendo uma temperatura qualquer dada em escala Kelvin para escala Celsius ou vice-verso:




          Convertendo uma temperatura qualquer dada em escala Kelvin para escala Fahrenheit ou vice-verso:




               Prof. Thiago Miranda                                              o-mundo-da-
                                           fisica.blogspot.com
3




CONVERSÕES ENTRE UMA ESCALA QUALQUER E UMA ESCALA ARBITRARIA




 RELAÇÃO ENTRE AS VARIAÇÕES DE TEMPERATURA




    Prof. Thiago Miranda                              o-mundo-da-
                           fisica.blogspot.com
4




         EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

1. A temperatura em uma sala de aula é 25ºC. Qual será a leitura na escala Fahrenheit?

2. Sabendo que o nitrogênio líquido ferve a 77K, determine sua temperatura de ebulição na escala Celsius.

3. Uma pessoa está com uma temperatura de 99,5ºF. Determine sua temperatura na escala Celsius.

4. Ao medir a temperatura de um gás, verificou-se que a leitura era a mesma, tanto na escala Celsius como na
Fahrenheit. Qual era essa temperatura?

5. Que valor assinalaria um termômetro graduado na escala Fahrenheit num ambiente cuja temperatura é
conhecida e igual a 30ºC?

6. Em Sheffield, Inglaterra, um medico toma a temperatura de uma pessoa febril e constata 104ºF. Que valor
indicaria um termômetro na escala Celsius?

7. Um termômetro graduado na escala Kelvin e outro na escala Celsius mergulhados num mesmo liquido. O
segundo assinala 20ºC. Quanto indica o primeiro?

8. No Rio de Janeiro, a temperatura ambiente chegou a atingir, no verão de 1998, o valor de 49 o C. Qual seria
o valor dessa temperatura, se lida num termômetro na escala Fahrenheit?

9. A temperatura média do corpo humano é 36o C. Determine o valor dessa temperatura na escala Fahrenheit.

10. Lê-se no jornal que a temperatura em certa cidade da Rússia atingiu, no inverno, o valor de 14 o F. Qual o
valor dessa temperatura na escala Celsius?

11. Um termômetro graduado na escala Fahrenheit, acusou, para a temperatura ambiente em um bairro de
Belo Horizonte, 64o F. Expresse essa temperatura na escala Celsius.

12. Em um termômetro a álcool a grandeza termométrica é a altura da coluna do álcool no capilar. Seus pontos
fixos são:
Ponto do Gelo: θG = 0ºC e hG = 10 cm
Ponto do vapor: θv = 100ºC e hv = 20 cm
Estabeleça a equação termométrica da temperatura θ em função da altura h.

13. Sob pressão atmosférica normal. Um termômetro graduado na escala Celsius e outro graduado numa
escala termométrica arbitrária X se relacionam segundo o gráfico a seguir.




              Prof. Thiago Miranda                                                 o-mundo-da-
                                            fisica.blogspot.com
5



 C (ºC)


   90


   40


                        100      X (ºX)

Encontre:
a) a relação entre as escalas.
b) a temperatura de ebulição da água na escala X.


14. Descreva, resumidamente, como se deve proceder para graduar um termômetro na escala Celsius.

15. Quando medimos a temperatura de uma pessoa, devemos manter o termômetro em contato com ela
durante certo tempo. Por quê?

16. Desejando-se medir a temperatura de um pequeno inseto, colocou-se um grande número deles em um
recipiente. Introduzindo-se entre os insetos um termômetro, verificou-se que, depois de um certo tempo, o
termômetro indicava 30o C.
a) Para determinar a temperatura de cada inseto seria necessário conhecer o número deles no recipiente?
b) Então, qual era a temperatura de um dos insetos?




          GABARITO

1.
 25 = F – 32 → 5 = F -32 → F – 32 = 5 . 9 → F – 32 = 45 → F = 45 + 32 → F = 77 °F
 5       9     1    9

2. C = 77 – 273 → C = - 196 °C

3.
C = 99,5 – 32 → C = 67,5 → C = 7,5 → C = 5 . 7,5 → C = 37,5 °C
5       9       5    9     5

4. C = X e F = X

C = F – 32 → X = X – 32 → 9 . X = 5 . (X – 32) → 9X = 5X – 160 → 9X – 5X = - 160
5      9      5      9

4X = - 160 → X = - 160 → X = - 40
                  4

5.
 30 = F – 32 → 6 = F - 32 → F – 32 = 6 . 9 → F – 32 = 54 → F = 54 + 32 → F = 86 °F
 5       9     1    9

6.
C = 104 – 32 → C = 72 → C = 8 → C = 5 . 8 → C = 40 °C
5       9       5  9    5


              Prof. Thiago Miranda                                             o-mundo-da-
                                           fisica.blogspot.com
6



7. 20 = K – 273 → K = 20 + 273 → K = 293 K

8.
 49 = F – 32 → 9,8 = F - 32 → F – 32 = 9,8 . 9 → F – 32 = 88,2
 5       9     1      9

F = 88,2 + 32 → F = 120,2 °F

9.
 36 = F – 32 → 7,2 = F - 32 → F – 32 = 7,2 . 9 → F – 32 = 64,8
 5       9      1      9

F = 64,8 + 32 → F = 96,8 °F

10.
 C = 14 – 32 → C = - 18 → C = - 2 → C = 5 . (- 2) → C = - 10 °C
 5       9     5    9    5

11.
 C = 64 – 32 → C = 32 → C . 9 = 5 . 32 → 9C = 160 → C = 160 → C = 17,8 °C
 5       9     5   9                                  9

12.
  θ - 0 = h - 10   →        θ = h - 10 →      θ = h - 10 → θ = 10 (h – 10)
 100 – 0  100 – 10         100   90           10    9              9

13. a)
  C - 40 = X - 0       → C - 40 = X → C - 40 = X             → X = 2 (C – 40)
 90 – 40  100 – 0         50     100   1       2

X = 2C – 80

b) X = 2 . (100) – 80 → X = 200 - 80 → X = 120 °X

14. Colocá-lo num recipiente com água e gelo esperar a temperatura se estabilizar e marcar o zero grau.
Depois colocá-lo em um recipiente com água em fervura, esperar a temperatura se estabilizar e marcar o 100
graus.
Após marcar os dois pontos fixos você deve dividir a distância entre estas duas marcas em 100 partes iguais. A
rigor isso deve ser feito com pressão atmosférica do nível do mar.

15. Para que ocorra a transferência do calor do corpo da pessoa para o termômetro até atingir o equilíbrio
térmico.

16. a) Não, porque todos os insetos se encontram em equilíbrio térmico.

b) A temperatura de cada um dos insetos era de 30 °C.




              Prof. Thiago Miranda                                                 o-mundo-da-
                                            fisica.blogspot.com
6



7. 20 = K – 273 → K = 20 + 273 → K = 293 K

8.
 49 = F – 32 → 9,8 = F - 32 → F – 32 = 9,8 . 9 → F – 32 = 88,2
 5       9     1      9

F = 88,2 + 32 → F = 120,2 °F

9.
 36 = F – 32 → 7,2 = F - 32 → F – 32 = 7,2 . 9 → F – 32 = 64,8
 5       9      1      9

F = 64,8 + 32 → F = 96,8 °F

10.
 C = 14 – 32 → C = - 18 → C = - 2 → C = 5 . (- 2) → C = - 10 °C
 5       9     5    9    5

11.
 C = 64 – 32 → C = 32 → C . 9 = 5 . 32 → 9C = 160 → C = 160 → C = 17,8 °C
 5       9     5   9                                  9

12.
  θ - 0 = h - 10   →        θ = h - 10 →      θ = h - 10 → θ = 10 (h – 10)
 100 – 0  100 – 10         100   90           10    9              9

13. a)
  C - 40 = X - 0       → C - 40 = X → C - 40 = X             → X = 2 (C – 40)
 90 – 40  100 – 0         50     100   1       2

X = 2C – 80

b) X = 2 . (100) – 80 → X = 200 - 80 → X = 120 °X

14. Colocá-lo num recipiente com água e gelo esperar a temperatura se estabilizar e marcar o zero grau.
Depois colocá-lo em um recipiente com água em fervura, esperar a temperatura se estabilizar e marcar o 100
graus.
Após marcar os dois pontos fixos você deve dividir a distância entre estas duas marcas em 100 partes iguais. A
rigor isso deve ser feito com pressão atmosférica do nível do mar.

15. Para que ocorra a transferência do calor do corpo da pessoa para o termômetro até atingir o equilíbrio
térmico.

16. a) Não, porque todos os insetos se encontram em equilíbrio térmico.

b) A temperatura de cada um dos insetos era de 30 °C.




              Prof. Thiago Miranda                                                 o-mundo-da-
                                            fisica.blogspot.com
6



7. 20 = K – 273 → K = 20 + 273 → K = 293 K

8.
 49 = F – 32 → 9,8 = F - 32 → F – 32 = 9,8 . 9 → F – 32 = 88,2
 5       9     1      9

F = 88,2 + 32 → F = 120,2 °F

9.
 36 = F – 32 → 7,2 = F - 32 → F – 32 = 7,2 . 9 → F – 32 = 64,8
 5       9      1      9

F = 64,8 + 32 → F = 96,8 °F

10.
 C = 14 – 32 → C = - 18 → C = - 2 → C = 5 . (- 2) → C = - 10 °C
 5       9     5    9    5

11.
 C = 64 – 32 → C = 32 → C . 9 = 5 . 32 → 9C = 160 → C = 160 → C = 17,8 °C
 5       9     5   9                                  9

12.
  θ - 0 = h - 10   →        θ = h - 10 →      θ = h - 10 → θ = 10 (h – 10)
 100 – 0  100 – 10         100   90           10    9              9

13. a)
  C - 40 = X - 0       → C - 40 = X → C - 40 = X             → X = 2 (C – 40)
 90 – 40  100 – 0         50     100   1       2

X = 2C – 80

b) X = 2 . (100) – 80 → X = 200 - 80 → X = 120 °X

14. Colocá-lo num recipiente com água e gelo esperar a temperatura se estabilizar e marcar o zero grau.
Depois colocá-lo em um recipiente com água em fervura, esperar a temperatura se estabilizar e marcar o 100
graus.
Após marcar os dois pontos fixos você deve dividir a distância entre estas duas marcas em 100 partes iguais. A
rigor isso deve ser feito com pressão atmosférica do nível do mar.

15. Para que ocorra a transferência do calor do corpo da pessoa para o termômetro até atingir o equilíbrio
térmico.

16. a) Não, porque todos os insetos se encontram em equilíbrio térmico.

b) A temperatura de cada um dos insetos era de 30 °C.




              Prof. Thiago Miranda                                                 o-mundo-da-
                                            fisica.blogspot.com
6



7. 20 = K – 273 → K = 20 + 273 → K = 293 K

8.
 49 = F – 32 → 9,8 = F - 32 → F – 32 = 9,8 . 9 → F – 32 = 88,2
 5       9     1      9

F = 88,2 + 32 → F = 120,2 °F

9.
 36 = F – 32 → 7,2 = F - 32 → F – 32 = 7,2 . 9 → F – 32 = 64,8
 5       9      1      9

F = 64,8 + 32 → F = 96,8 °F

10.
 C = 14 – 32 → C = - 18 → C = - 2 → C = 5 . (- 2) → C = - 10 °C
 5       9     5    9    5

11.
 C = 64 – 32 → C = 32 → C . 9 = 5 . 32 → 9C = 160 → C = 160 → C = 17,8 °C
 5       9     5   9                                  9

12.
  θ - 0 = h - 10   →        θ = h - 10 →      θ = h - 10 → θ = 10 (h – 10)
 100 – 0  100 – 10         100   90           10    9              9

13. a)
  C - 40 = X - 0       → C - 40 = X → C - 40 = X             → X = 2 (C – 40)
 90 – 40  100 – 0         50     100   1       2

X = 2C – 80

b) X = 2 . (100) – 80 → X = 200 - 80 → X = 120 °X

14. Colocá-lo num recipiente com água e gelo esperar a temperatura se estabilizar e marcar o zero grau.
Depois colocá-lo em um recipiente com água em fervura, esperar a temperatura se estabilizar e marcar o 100
graus.
Após marcar os dois pontos fixos você deve dividir a distância entre estas duas marcas em 100 partes iguais. A
rigor isso deve ser feito com pressão atmosférica do nível do mar.

15. Para que ocorra a transferência do calor do corpo da pessoa para o termômetro até atingir o equilíbrio
térmico.

16. a) Não, porque todos os insetos se encontram em equilíbrio térmico.

b) A temperatura de cada um dos insetos era de 30 °C.




              Prof. Thiago Miranda                                                 o-mundo-da-
                                            fisica.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gases perfeitos questões resolvidas - termologia
Gases perfeitos   questões resolvidas - termologiaGases perfeitos   questões resolvidas - termologia
Gases perfeitos questões resolvidas - termologia
Drica Salles
 
Termometria slides
Termometria  slidesTermometria  slides
Termometria slides
Cristiano Silva
 
AULA SOBRE Termometria
AULA SOBRE TermometriaAULA SOBRE Termometria
AULA SOBRE Termometria
andre alcantara
 
Plano anual de física para o ensino médio
Plano anual de física para o ensino médioPlano anual de física para o ensino médio
Plano anual de física para o ensino médio
Eric Novais SIlva
 
Aula de calorimetria
Aula de calorimetriaAula de calorimetria
Aula de calorimetria
Derbiano Alves Soares
 
Calor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latenteCalor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latente
ReinaldoMassayuki1
 
Transmissão de calor
Transmissão de calorTransmissão de calor
Transmissão de calor
Arthur Carlos de Oliveira
 
Termometria-aula-1.ppt
Termometria-aula-1.pptTermometria-aula-1.ppt
Termometria-aula-1.ppt
Cleiton Rosa
 
Cinemática introdução
Cinemática introduçãoCinemática introdução
Cinemática introdução
O mundo da FÍSICA
 
Escalas termométricas
Escalas termométricasEscalas termométricas
Escalas termométricas
O mundo da FÍSICA
 
Propagação de Calor
Propagação de CalorPropagação de Calor
Propagação de Calor
Bruno De Siqueira Costa
 
Triângulos
TriângulosTriângulos
Triângulos
Rodrigo Carvalho
 
MATERIAL - ESTUDO DOS GASES - 2 ANO
MATERIAL - ESTUDO DOS GASES - 2 ANOMATERIAL - ESTUDO DOS GASES - 2 ANO
MATERIAL - ESTUDO DOS GASES - 2 ANO
Taciano Santos
 
Lei de coulomb
Lei de coulombLei de coulomb
Lei de coulomb
Betine Rost
 
Temperatura
TemperaturaTemperatura
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Calor sensível, capacidade térmica e calor específicoCalor sensível, capacidade térmica e calor específico
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Paulo Alexandre
 
Exercícios termometria 8º ano
Exercícios termometria 8º anoExercícios termometria 8º ano
Exercícios termometria 8º ano
Wellington Sampaio
 
Dilatacao termica superficial
Dilatacao termica superficialDilatacao termica superficial
Dilatacao termica superficial
Eloir De Carli
 
Física 2 Ramalho (testes propostos)
Física 2 Ramalho (testes propostos)Física 2 Ramalho (testes propostos)
Física 2 Ramalho (testes propostos)
Guilherme Fernando
 
Relatorio sobre calorimetria (3)
Relatorio sobre calorimetria (3)Relatorio sobre calorimetria (3)
Relatorio sobre calorimetria (3)
Tuane Paixão
 

Mais procurados (20)

Gases perfeitos questões resolvidas - termologia
Gases perfeitos   questões resolvidas - termologiaGases perfeitos   questões resolvidas - termologia
Gases perfeitos questões resolvidas - termologia
 
Termometria slides
Termometria  slidesTermometria  slides
Termometria slides
 
AULA SOBRE Termometria
AULA SOBRE TermometriaAULA SOBRE Termometria
AULA SOBRE Termometria
 
Plano anual de física para o ensino médio
Plano anual de física para o ensino médioPlano anual de física para o ensino médio
Plano anual de física para o ensino médio
 
Aula de calorimetria
Aula de calorimetriaAula de calorimetria
Aula de calorimetria
 
Calor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latenteCalor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latente
 
Transmissão de calor
Transmissão de calorTransmissão de calor
Transmissão de calor
 
Termometria-aula-1.ppt
Termometria-aula-1.pptTermometria-aula-1.ppt
Termometria-aula-1.ppt
 
Cinemática introdução
Cinemática introduçãoCinemática introdução
Cinemática introdução
 
Escalas termométricas
Escalas termométricasEscalas termométricas
Escalas termométricas
 
Propagação de Calor
Propagação de CalorPropagação de Calor
Propagação de Calor
 
Triângulos
TriângulosTriângulos
Triângulos
 
MATERIAL - ESTUDO DOS GASES - 2 ANO
MATERIAL - ESTUDO DOS GASES - 2 ANOMATERIAL - ESTUDO DOS GASES - 2 ANO
MATERIAL - ESTUDO DOS GASES - 2 ANO
 
Lei de coulomb
Lei de coulombLei de coulomb
Lei de coulomb
 
Temperatura
TemperaturaTemperatura
Temperatura
 
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Calor sensível, capacidade térmica e calor específicoCalor sensível, capacidade térmica e calor específico
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
 
Exercícios termometria 8º ano
Exercícios termometria 8º anoExercícios termometria 8º ano
Exercícios termometria 8º ano
 
Dilatacao termica superficial
Dilatacao termica superficialDilatacao termica superficial
Dilatacao termica superficial
 
Física 2 Ramalho (testes propostos)
Física 2 Ramalho (testes propostos)Física 2 Ramalho (testes propostos)
Física 2 Ramalho (testes propostos)
 
Relatorio sobre calorimetria (3)
Relatorio sobre calorimetria (3)Relatorio sobre calorimetria (3)
Relatorio sobre calorimetria (3)
 

Semelhante a Termometria

Termometria - Escalas termométricas
Termometria - Escalas termométricasTermometria - Escalas termométricas
Termometria - Escalas termométricas
Lara Lídia
 
Exerccioslivro2 temperaturaeescalastermomtricas-090523121818-phpapp01
Exerccioslivro2 temperaturaeescalastermomtricas-090523121818-phpapp01Exerccioslivro2 temperaturaeescalastermomtricas-090523121818-phpapp01
Exerccioslivro2 temperaturaeescalastermomtricas-090523121818-phpapp01
Cleiton Turibio
 
Termômetros e escalas termométricas
Termômetros e escalas termométricasTermômetros e escalas termométricas
Termômetros e escalas termométricas
Rafael Costa
 
Termometria
TermometriaTermometria
Termometria
LEAM DELGADO
 
Escola de jatobá 2
Escola de jatobá 2Escola de jatobá 2
Escola de jatobá 2
Ana Paula C. Sousa
 
Lista de exercícios complementar 8°
Lista de exercícios complementar 8°Lista de exercícios complementar 8°
Lista de exercícios complementar 8°
Wellington Sampaio
 
Termologiatransmissaodecalordilatacao
TermologiatransmissaodecalordilatacaoTermologiatransmissaodecalordilatacao
Termologiatransmissaodecalordilatacao
brendarezende
 
Apostila de-fisica-2º-ano
Apostila de-fisica-2º-anoApostila de-fisica-2º-ano
Apostila de-fisica-2º-ano
Irmão Jáder
 
Apostila de-fisica-2º-ano
Apostila de-fisica-2º-anoApostila de-fisica-2º-ano
Apostila de-fisica-2º-ano
Irmão Jáder
 
Termometria aula
Termometria   aulaTermometria   aula
Termometria aula
Roberto Bagatini
 
Lista 1 2013 escalas termométricas
Lista 1 2013   escalas termométricasLista 1 2013   escalas termométricas
Lista 1 2013 escalas termométricas
Péricles Penuel
 
Exercícios extras_Termometria
Exercícios extras_TermometriaExercícios extras_Termometria
Exercícios extras_Termometria
O mundo da FÍSICA
 
Exercícios Livro 2 Temperatura E Escalas Termométricas
Exercícios Livro 2   Temperatura E Escalas TermométricasExercícios Livro 2   Temperatura E Escalas Termométricas
Exercícios Livro 2 Temperatura E Escalas Termométricas
guest640ecc
 
Exercícios Livro 2 Temperatura E Escalas Termométricas
Exercícios Livro 2   Temperatura E Escalas TermométricasExercícios Livro 2   Temperatura E Escalas Termométricas
Exercícios Livro 2 Temperatura E Escalas Termométricas
Eduardo Tuba
 
Exescalas
ExescalasExescalas
Exescalas
Emerson Assis
 
AULA-001---TERMOMETRIA-E-CALORIMETRIA_0d196498cda04bdbb848c2c572009c89.pptx
AULA-001---TERMOMETRIA-E-CALORIMETRIA_0d196498cda04bdbb848c2c572009c89.pptxAULA-001---TERMOMETRIA-E-CALORIMETRIA_0d196498cda04bdbb848c2c572009c89.pptx
AULA-001---TERMOMETRIA-E-CALORIMETRIA_0d196498cda04bdbb848c2c572009c89.pptx
jonecassius2
 
Revisão de termômetros e escalas termométricas
Revisão de termômetros e escalas termométricasRevisão de termômetros e escalas termométricas
Revisão de termômetros e escalas termométricas
Cleiton Rosa
 
Termoligia trabalhar.pptx
Termoligia trabalhar.pptxTermoligia trabalhar.pptx
Termoligia trabalhar.pptx
Márcia Moura
 
Lista de exercícios - escalas de temperatura
Lista de exercícios - escalas de temperaturaLista de exercícios - escalas de temperatura
Lista de exercícios - escalas de temperatura
Luis Paulo Oliveira
 
Apostila 2ano presao e atividade sensivel
Apostila 2ano  presao e atividade sensivelApostila 2ano  presao e atividade sensivel
Apostila 2ano presao e atividade sensivel
Emerson Assis
 

Semelhante a Termometria (20)

Termometria - Escalas termométricas
Termometria - Escalas termométricasTermometria - Escalas termométricas
Termometria - Escalas termométricas
 
Exerccioslivro2 temperaturaeescalastermomtricas-090523121818-phpapp01
Exerccioslivro2 temperaturaeescalastermomtricas-090523121818-phpapp01Exerccioslivro2 temperaturaeescalastermomtricas-090523121818-phpapp01
Exerccioslivro2 temperaturaeescalastermomtricas-090523121818-phpapp01
 
Termômetros e escalas termométricas
Termômetros e escalas termométricasTermômetros e escalas termométricas
Termômetros e escalas termométricas
 
Termometria
TermometriaTermometria
Termometria
 
Escola de jatobá 2
Escola de jatobá 2Escola de jatobá 2
Escola de jatobá 2
 
Lista de exercícios complementar 8°
Lista de exercícios complementar 8°Lista de exercícios complementar 8°
Lista de exercícios complementar 8°
 
Termologiatransmissaodecalordilatacao
TermologiatransmissaodecalordilatacaoTermologiatransmissaodecalordilatacao
Termologiatransmissaodecalordilatacao
 
Apostila de-fisica-2º-ano
Apostila de-fisica-2º-anoApostila de-fisica-2º-ano
Apostila de-fisica-2º-ano
 
Apostila de-fisica-2º-ano
Apostila de-fisica-2º-anoApostila de-fisica-2º-ano
Apostila de-fisica-2º-ano
 
Termometria aula
Termometria   aulaTermometria   aula
Termometria aula
 
Lista 1 2013 escalas termométricas
Lista 1 2013   escalas termométricasLista 1 2013   escalas termométricas
Lista 1 2013 escalas termométricas
 
Exercícios extras_Termometria
Exercícios extras_TermometriaExercícios extras_Termometria
Exercícios extras_Termometria
 
Exercícios Livro 2 Temperatura E Escalas Termométricas
Exercícios Livro 2   Temperatura E Escalas TermométricasExercícios Livro 2   Temperatura E Escalas Termométricas
Exercícios Livro 2 Temperatura E Escalas Termométricas
 
Exercícios Livro 2 Temperatura E Escalas Termométricas
Exercícios Livro 2   Temperatura E Escalas TermométricasExercícios Livro 2   Temperatura E Escalas Termométricas
Exercícios Livro 2 Temperatura E Escalas Termométricas
 
Exescalas
ExescalasExescalas
Exescalas
 
AULA-001---TERMOMETRIA-E-CALORIMETRIA_0d196498cda04bdbb848c2c572009c89.pptx
AULA-001---TERMOMETRIA-E-CALORIMETRIA_0d196498cda04bdbb848c2c572009c89.pptxAULA-001---TERMOMETRIA-E-CALORIMETRIA_0d196498cda04bdbb848c2c572009c89.pptx
AULA-001---TERMOMETRIA-E-CALORIMETRIA_0d196498cda04bdbb848c2c572009c89.pptx
 
Revisão de termômetros e escalas termométricas
Revisão de termômetros e escalas termométricasRevisão de termômetros e escalas termométricas
Revisão de termômetros e escalas termométricas
 
Termoligia trabalhar.pptx
Termoligia trabalhar.pptxTermoligia trabalhar.pptx
Termoligia trabalhar.pptx
 
Lista de exercícios - escalas de temperatura
Lista de exercícios - escalas de temperaturaLista de exercícios - escalas de temperatura
Lista de exercícios - escalas de temperatura
 
Apostila 2ano presao e atividade sensivel
Apostila 2ano  presao e atividade sensivelApostila 2ano  presao e atividade sensivel
Apostila 2ano presao e atividade sensivel
 

Mais de O mundo da FÍSICA

3° etapa_3° avaliação_Tipo II_3° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo II_3° ano3° etapa_3° avaliação_Tipo II_3° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo II_3° ano
O mundo da FÍSICA
 
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_3° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_3° ano3° etapa_3° avaliação_Tipo I_3° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_3° ano
O mundo da FÍSICA
 
3° etapa_3° avaliaçã_Tipo II_2° ano
3° etapa_3° avaliaçã_Tipo II_2° ano3° etapa_3° avaliaçã_Tipo II_2° ano
3° etapa_3° avaliaçã_Tipo II_2° ano
O mundo da FÍSICA
 
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_2° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_2° ano3° etapa_3° avaliação_Tipo I_2° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_2° ano
O mundo da FÍSICA
 
Potência e energia
Potência e energiaPotência e energia
Potência e energia
O mundo da FÍSICA
 
Espelho planos
Espelho planosEspelho planos
Espelho planos
O mundo da FÍSICA
 
Reflexão da luz
Reflexão da luzReflexão da luz
Reflexão da luz
O mundo da FÍSICA
 
Óptica introdução
Óptica introduçãoÓptica introdução
Óptica introdução
O mundo da FÍSICA
 
3° Etapa_2° Avaliação Simulado_3° Ano
3° Etapa_2° Avaliação Simulado_3° Ano3° Etapa_2° Avaliação Simulado_3° Ano
3° Etapa_2° Avaliação Simulado_3° Ano
O mundo da FÍSICA
 
3° Etapa_2° Avaliação_Simulado_2° Ano
3° Etapa_2° Avaliação_Simulado_2° Ano3° Etapa_2° Avaliação_Simulado_2° Ano
3° Etapa_2° Avaliação_Simulado_2° Ano
O mundo da FÍSICA
 
Associação de resistores
Associação de resistoresAssociação de resistores
Associação de resistores
O mundo da FÍSICA
 
Exercícios extras_calorimetria
Exercícios extras_calorimetriaExercícios extras_calorimetria
Exercícios extras_calorimetria
O mundo da FÍSICA
 
3° Bimestre_2° Avaliação_1° ano_A_B_C
3° Bimestre_2° Avaliação_1° ano_A_B_C3° Bimestre_2° Avaliação_1° ano_A_B_C
3° Bimestre_2° Avaliação_1° ano_A_B_C
O mundo da FÍSICA
 
3° Bimestre_2° Avaliação_2° ano EJA_AM
3° Bimestre_2° Avaliação_2° ano EJA_AM3° Bimestre_2° Avaliação_2° ano EJA_AM
3° Bimestre_2° Avaliação_2° ano EJA_AM
O mundo da FÍSICA
 
3° Bimestre_2° Avaliação_3° ano_A_B
3° Bimestre_2° Avaliação_3° ano_A_B3° Bimestre_2° Avaliação_3° ano_A_B
3° Bimestre_2° Avaliação_3° ano_A_B
O mundo da FÍSICA
 
3° Bimestre_2° Avaliação_3° Ano EJA_AM_BM
3° Bimestre_2° Avaliação_3° Ano EJA_AM_BM3° Bimestre_2° Avaliação_3° Ano EJA_AM_BM
3° Bimestre_2° Avaliação_3° Ano EJA_AM_BM
O mundo da FÍSICA
 
Óptica introdução
Óptica introduçãoÓptica introdução
Óptica introdução
O mundo da FÍSICA
 
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo II_3° Ano
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo II_3° Ano3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo II_3° Ano
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo II_3° Ano
O mundo da FÍSICA
 
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo I_3° Ano
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo I_3° Ano3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo I_3° Ano
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo I_3° Ano
O mundo da FÍSICA
 
3° Etapa_1° Avaliação_Tipo II_2° Ano
3° Etapa_1° Avaliação_Tipo II_2° Ano3° Etapa_1° Avaliação_Tipo II_2° Ano
3° Etapa_1° Avaliação_Tipo II_2° Ano
O mundo da FÍSICA
 

Mais de O mundo da FÍSICA (20)

3° etapa_3° avaliação_Tipo II_3° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo II_3° ano3° etapa_3° avaliação_Tipo II_3° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo II_3° ano
 
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_3° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_3° ano3° etapa_3° avaliação_Tipo I_3° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_3° ano
 
3° etapa_3° avaliaçã_Tipo II_2° ano
3° etapa_3° avaliaçã_Tipo II_2° ano3° etapa_3° avaliaçã_Tipo II_2° ano
3° etapa_3° avaliaçã_Tipo II_2° ano
 
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_2° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_2° ano3° etapa_3° avaliação_Tipo I_2° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_2° ano
 
Potência e energia
Potência e energiaPotência e energia
Potência e energia
 
Espelho planos
Espelho planosEspelho planos
Espelho planos
 
Reflexão da luz
Reflexão da luzReflexão da luz
Reflexão da luz
 
Óptica introdução
Óptica introduçãoÓptica introdução
Óptica introdução
 
3° Etapa_2° Avaliação Simulado_3° Ano
3° Etapa_2° Avaliação Simulado_3° Ano3° Etapa_2° Avaliação Simulado_3° Ano
3° Etapa_2° Avaliação Simulado_3° Ano
 
3° Etapa_2° Avaliação_Simulado_2° Ano
3° Etapa_2° Avaliação_Simulado_2° Ano3° Etapa_2° Avaliação_Simulado_2° Ano
3° Etapa_2° Avaliação_Simulado_2° Ano
 
Associação de resistores
Associação de resistoresAssociação de resistores
Associação de resistores
 
Exercícios extras_calorimetria
Exercícios extras_calorimetriaExercícios extras_calorimetria
Exercícios extras_calorimetria
 
3° Bimestre_2° Avaliação_1° ano_A_B_C
3° Bimestre_2° Avaliação_1° ano_A_B_C3° Bimestre_2° Avaliação_1° ano_A_B_C
3° Bimestre_2° Avaliação_1° ano_A_B_C
 
3° Bimestre_2° Avaliação_2° ano EJA_AM
3° Bimestre_2° Avaliação_2° ano EJA_AM3° Bimestre_2° Avaliação_2° ano EJA_AM
3° Bimestre_2° Avaliação_2° ano EJA_AM
 
3° Bimestre_2° Avaliação_3° ano_A_B
3° Bimestre_2° Avaliação_3° ano_A_B3° Bimestre_2° Avaliação_3° ano_A_B
3° Bimestre_2° Avaliação_3° ano_A_B
 
3° Bimestre_2° Avaliação_3° Ano EJA_AM_BM
3° Bimestre_2° Avaliação_3° Ano EJA_AM_BM3° Bimestre_2° Avaliação_3° Ano EJA_AM_BM
3° Bimestre_2° Avaliação_3° Ano EJA_AM_BM
 
Óptica introdução
Óptica introduçãoÓptica introdução
Óptica introdução
 
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo II_3° Ano
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo II_3° Ano3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo II_3° Ano
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo II_3° Ano
 
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo I_3° Ano
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo I_3° Ano3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo I_3° Ano
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo I_3° Ano
 
3° Etapa_1° Avaliação_Tipo II_2° Ano
3° Etapa_1° Avaliação_Tipo II_2° Ano3° Etapa_1° Avaliação_Tipo II_2° Ano
3° Etapa_1° Avaliação_Tipo II_2° Ano
 

Último

Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 

Termometria

  • 1. 1 TERMOMETRIA É a parte da Termologia que estuda a temperatura e suas medidas. TEMPERATURA Temperatura é a grandeza que caracteriza o estado térmico de um corpo ou sistema. Fisicamente o conceito dado a quente e frio é um pouco diferente do que costumamos usar no nosso cotidiano. Podemos definir como quente um corpo que tem suas moléculas agitando-se muito, ou seja, com alta energia cinética. Analogamente, um corpo frio, é aquele que tem baixa agitação das suas moléculas. Ao aumentar a temperatura de um corpo ou sistema pode-se dizer que está se aumentando o estado de agitação de suas moléculas. Ao tirarmos uma garrafa de água mineral da geladeira ou ao retirar um bolo de um forno, percebemos que após algum tempo, ambas tendem a chegar à temperatura do ambiente. Ou seja, a água "esquenta" e o bolo "esfria". Quando dois corpos ou sistemas atingem a mesma temperatura, dizemos que estes corpos ou sistemas estão em equilíbrio térmico. TERMÔMETRO Para que seja possível medir a temperatura de um corpo, foi desenvolvido um aparelho chamado termômetro. O termômetro mais comum é o de mercúrio, que consiste em um vidro graduado com um bulbo de paredes finas que é ligado a um tubo muito fino, chamado tubo capilar. Quando a temperatura do termômetro aumenta, as moléculas de mercúrio aumentam sua agitação fazendo com que este se dilate, preenchendo o tubo capilar. Para cada altura atingida pelo mercúrio está associada uma temperatura. ESCALAS TERMOMÉTRICAS Escala termométrica é a seqüência ordena das temperaturas que definem, em graus, os estados térmicos, ordenados a partir dos mais frios aos mais quentes. A escala de cada termômetro corresponde a este valor de altura atingida. A. ESCALA CELSIUS: é a escala usada no Brasil e na maior parte dos países, oficializada em 1742 pelo astrônomo e físico sueco Anders Celsius (1701-1744). Esta escala tem como pontos de referência a temperatura de congelamento da água sob pressão normal (0°C) e a temperatura de ebulição da água sob pressão normal (100°C). B. ESCALA FAHRENHEIT: outra escala bastante utilizada, principalmente nos países de língua inglesa, criada em 1708 pelo físico alemão Daniel Gabriel Fahrenheit (1686-1736), tendo como referência a temperatura de uma mistura de gelo e cloreto de amônia (0°F) e a temperatura do corpo humano (100°F). Em comparação com a escala Celsius: 0°C = 32°F; 100°C = 212°F. C. ESCALA KELVIN: também conhecida como escala absoluta, foi verificada pelo físico inglês William Thompson (1824-1907), também conhecido como Lorde Kelvin. Esta escala tem como referência a temperatura do menor estado de agitação de qualquer molécula (0K) e é calculada a partir da escala Celsius. Por convenção, não se usa "grau" para esta escala, ou seja 0K, lê-se zero kelvin e não zero grau kelvin. Em comparação com a escala Celsius:-273°C = 0K; 0°C = 273K; 100°C = 373K. Prof. Thiago Miranda o-mundo-da- fisica.blogspot.com
  • 2. 2 Conversões entre as escalas Convertendo uma temperatura qualquer dada em escala Fahrenheit para escala Celsius ou vice- verso: Convertendo uma temperatura qualquer dada em escala Kelvin para escala Celsius ou vice-verso: Convertendo uma temperatura qualquer dada em escala Kelvin para escala Fahrenheit ou vice-verso: Prof. Thiago Miranda o-mundo-da- fisica.blogspot.com
  • 3. 3 CONVERSÕES ENTRE UMA ESCALA QUALQUER E UMA ESCALA ARBITRARIA RELAÇÃO ENTRE AS VARIAÇÕES DE TEMPERATURA Prof. Thiago Miranda o-mundo-da- fisica.blogspot.com
  • 4. 4 EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1. A temperatura em uma sala de aula é 25ºC. Qual será a leitura na escala Fahrenheit? 2. Sabendo que o nitrogênio líquido ferve a 77K, determine sua temperatura de ebulição na escala Celsius. 3. Uma pessoa está com uma temperatura de 99,5ºF. Determine sua temperatura na escala Celsius. 4. Ao medir a temperatura de um gás, verificou-se que a leitura era a mesma, tanto na escala Celsius como na Fahrenheit. Qual era essa temperatura? 5. Que valor assinalaria um termômetro graduado na escala Fahrenheit num ambiente cuja temperatura é conhecida e igual a 30ºC? 6. Em Sheffield, Inglaterra, um medico toma a temperatura de uma pessoa febril e constata 104ºF. Que valor indicaria um termômetro na escala Celsius? 7. Um termômetro graduado na escala Kelvin e outro na escala Celsius mergulhados num mesmo liquido. O segundo assinala 20ºC. Quanto indica o primeiro? 8. No Rio de Janeiro, a temperatura ambiente chegou a atingir, no verão de 1998, o valor de 49 o C. Qual seria o valor dessa temperatura, se lida num termômetro na escala Fahrenheit? 9. A temperatura média do corpo humano é 36o C. Determine o valor dessa temperatura na escala Fahrenheit. 10. Lê-se no jornal que a temperatura em certa cidade da Rússia atingiu, no inverno, o valor de 14 o F. Qual o valor dessa temperatura na escala Celsius? 11. Um termômetro graduado na escala Fahrenheit, acusou, para a temperatura ambiente em um bairro de Belo Horizonte, 64o F. Expresse essa temperatura na escala Celsius. 12. Em um termômetro a álcool a grandeza termométrica é a altura da coluna do álcool no capilar. Seus pontos fixos são: Ponto do Gelo: θG = 0ºC e hG = 10 cm Ponto do vapor: θv = 100ºC e hv = 20 cm Estabeleça a equação termométrica da temperatura θ em função da altura h. 13. Sob pressão atmosférica normal. Um termômetro graduado na escala Celsius e outro graduado numa escala termométrica arbitrária X se relacionam segundo o gráfico a seguir. Prof. Thiago Miranda o-mundo-da- fisica.blogspot.com
  • 5. 5 C (ºC) 90 40 100 X (ºX) Encontre: a) a relação entre as escalas. b) a temperatura de ebulição da água na escala X. 14. Descreva, resumidamente, como se deve proceder para graduar um termômetro na escala Celsius. 15. Quando medimos a temperatura de uma pessoa, devemos manter o termômetro em contato com ela durante certo tempo. Por quê? 16. Desejando-se medir a temperatura de um pequeno inseto, colocou-se um grande número deles em um recipiente. Introduzindo-se entre os insetos um termômetro, verificou-se que, depois de um certo tempo, o termômetro indicava 30o C. a) Para determinar a temperatura de cada inseto seria necessário conhecer o número deles no recipiente? b) Então, qual era a temperatura de um dos insetos? GABARITO 1. 25 = F – 32 → 5 = F -32 → F – 32 = 5 . 9 → F – 32 = 45 → F = 45 + 32 → F = 77 °F 5 9 1 9 2. C = 77 – 273 → C = - 196 °C 3. C = 99,5 – 32 → C = 67,5 → C = 7,5 → C = 5 . 7,5 → C = 37,5 °C 5 9 5 9 5 4. C = X e F = X C = F – 32 → X = X – 32 → 9 . X = 5 . (X – 32) → 9X = 5X – 160 → 9X – 5X = - 160 5 9 5 9 4X = - 160 → X = - 160 → X = - 40 4 5. 30 = F – 32 → 6 = F - 32 → F – 32 = 6 . 9 → F – 32 = 54 → F = 54 + 32 → F = 86 °F 5 9 1 9 6. C = 104 – 32 → C = 72 → C = 8 → C = 5 . 8 → C = 40 °C 5 9 5 9 5 Prof. Thiago Miranda o-mundo-da- fisica.blogspot.com
  • 6. 6 7. 20 = K – 273 → K = 20 + 273 → K = 293 K 8. 49 = F – 32 → 9,8 = F - 32 → F – 32 = 9,8 . 9 → F – 32 = 88,2 5 9 1 9 F = 88,2 + 32 → F = 120,2 °F 9. 36 = F – 32 → 7,2 = F - 32 → F – 32 = 7,2 . 9 → F – 32 = 64,8 5 9 1 9 F = 64,8 + 32 → F = 96,8 °F 10. C = 14 – 32 → C = - 18 → C = - 2 → C = 5 . (- 2) → C = - 10 °C 5 9 5 9 5 11. C = 64 – 32 → C = 32 → C . 9 = 5 . 32 → 9C = 160 → C = 160 → C = 17,8 °C 5 9 5 9 9 12. θ - 0 = h - 10 → θ = h - 10 → θ = h - 10 → θ = 10 (h – 10) 100 – 0 100 – 10 100 90 10 9 9 13. a) C - 40 = X - 0 → C - 40 = X → C - 40 = X → X = 2 (C – 40) 90 – 40 100 – 0 50 100 1 2 X = 2C – 80 b) X = 2 . (100) – 80 → X = 200 - 80 → X = 120 °X 14. Colocá-lo num recipiente com água e gelo esperar a temperatura se estabilizar e marcar o zero grau. Depois colocá-lo em um recipiente com água em fervura, esperar a temperatura se estabilizar e marcar o 100 graus. Após marcar os dois pontos fixos você deve dividir a distância entre estas duas marcas em 100 partes iguais. A rigor isso deve ser feito com pressão atmosférica do nível do mar. 15. Para que ocorra a transferência do calor do corpo da pessoa para o termômetro até atingir o equilíbrio térmico. 16. a) Não, porque todos os insetos se encontram em equilíbrio térmico. b) A temperatura de cada um dos insetos era de 30 °C. Prof. Thiago Miranda o-mundo-da- fisica.blogspot.com
  • 7. 6 7. 20 = K – 273 → K = 20 + 273 → K = 293 K 8. 49 = F – 32 → 9,8 = F - 32 → F – 32 = 9,8 . 9 → F – 32 = 88,2 5 9 1 9 F = 88,2 + 32 → F = 120,2 °F 9. 36 = F – 32 → 7,2 = F - 32 → F – 32 = 7,2 . 9 → F – 32 = 64,8 5 9 1 9 F = 64,8 + 32 → F = 96,8 °F 10. C = 14 – 32 → C = - 18 → C = - 2 → C = 5 . (- 2) → C = - 10 °C 5 9 5 9 5 11. C = 64 – 32 → C = 32 → C . 9 = 5 . 32 → 9C = 160 → C = 160 → C = 17,8 °C 5 9 5 9 9 12. θ - 0 = h - 10 → θ = h - 10 → θ = h - 10 → θ = 10 (h – 10) 100 – 0 100 – 10 100 90 10 9 9 13. a) C - 40 = X - 0 → C - 40 = X → C - 40 = X → X = 2 (C – 40) 90 – 40 100 – 0 50 100 1 2 X = 2C – 80 b) X = 2 . (100) – 80 → X = 200 - 80 → X = 120 °X 14. Colocá-lo num recipiente com água e gelo esperar a temperatura se estabilizar e marcar o zero grau. Depois colocá-lo em um recipiente com água em fervura, esperar a temperatura se estabilizar e marcar o 100 graus. Após marcar os dois pontos fixos você deve dividir a distância entre estas duas marcas em 100 partes iguais. A rigor isso deve ser feito com pressão atmosférica do nível do mar. 15. Para que ocorra a transferência do calor do corpo da pessoa para o termômetro até atingir o equilíbrio térmico. 16. a) Não, porque todos os insetos se encontram em equilíbrio térmico. b) A temperatura de cada um dos insetos era de 30 °C. Prof. Thiago Miranda o-mundo-da- fisica.blogspot.com
  • 8. 6 7. 20 = K – 273 → K = 20 + 273 → K = 293 K 8. 49 = F – 32 → 9,8 = F - 32 → F – 32 = 9,8 . 9 → F – 32 = 88,2 5 9 1 9 F = 88,2 + 32 → F = 120,2 °F 9. 36 = F – 32 → 7,2 = F - 32 → F – 32 = 7,2 . 9 → F – 32 = 64,8 5 9 1 9 F = 64,8 + 32 → F = 96,8 °F 10. C = 14 – 32 → C = - 18 → C = - 2 → C = 5 . (- 2) → C = - 10 °C 5 9 5 9 5 11. C = 64 – 32 → C = 32 → C . 9 = 5 . 32 → 9C = 160 → C = 160 → C = 17,8 °C 5 9 5 9 9 12. θ - 0 = h - 10 → θ = h - 10 → θ = h - 10 → θ = 10 (h – 10) 100 – 0 100 – 10 100 90 10 9 9 13. a) C - 40 = X - 0 → C - 40 = X → C - 40 = X → X = 2 (C – 40) 90 – 40 100 – 0 50 100 1 2 X = 2C – 80 b) X = 2 . (100) – 80 → X = 200 - 80 → X = 120 °X 14. Colocá-lo num recipiente com água e gelo esperar a temperatura se estabilizar e marcar o zero grau. Depois colocá-lo em um recipiente com água em fervura, esperar a temperatura se estabilizar e marcar o 100 graus. Após marcar os dois pontos fixos você deve dividir a distância entre estas duas marcas em 100 partes iguais. A rigor isso deve ser feito com pressão atmosférica do nível do mar. 15. Para que ocorra a transferência do calor do corpo da pessoa para o termômetro até atingir o equilíbrio térmico. 16. a) Não, porque todos os insetos se encontram em equilíbrio térmico. b) A temperatura de cada um dos insetos era de 30 °C. Prof. Thiago Miranda o-mundo-da- fisica.blogspot.com
  • 9. 6 7. 20 = K – 273 → K = 20 + 273 → K = 293 K 8. 49 = F – 32 → 9,8 = F - 32 → F – 32 = 9,8 . 9 → F – 32 = 88,2 5 9 1 9 F = 88,2 + 32 → F = 120,2 °F 9. 36 = F – 32 → 7,2 = F - 32 → F – 32 = 7,2 . 9 → F – 32 = 64,8 5 9 1 9 F = 64,8 + 32 → F = 96,8 °F 10. C = 14 – 32 → C = - 18 → C = - 2 → C = 5 . (- 2) → C = - 10 °C 5 9 5 9 5 11. C = 64 – 32 → C = 32 → C . 9 = 5 . 32 → 9C = 160 → C = 160 → C = 17,8 °C 5 9 5 9 9 12. θ - 0 = h - 10 → θ = h - 10 → θ = h - 10 → θ = 10 (h – 10) 100 – 0 100 – 10 100 90 10 9 9 13. a) C - 40 = X - 0 → C - 40 = X → C - 40 = X → X = 2 (C – 40) 90 – 40 100 – 0 50 100 1 2 X = 2C – 80 b) X = 2 . (100) – 80 → X = 200 - 80 → X = 120 °X 14. Colocá-lo num recipiente com água e gelo esperar a temperatura se estabilizar e marcar o zero grau. Depois colocá-lo em um recipiente com água em fervura, esperar a temperatura se estabilizar e marcar o 100 graus. Após marcar os dois pontos fixos você deve dividir a distância entre estas duas marcas em 100 partes iguais. A rigor isso deve ser feito com pressão atmosférica do nível do mar. 15. Para que ocorra a transferência do calor do corpo da pessoa para o termômetro até atingir o equilíbrio térmico. 16. a) Não, porque todos os insetos se encontram em equilíbrio térmico. b) A temperatura de cada um dos insetos era de 30 °C. Prof. Thiago Miranda o-mundo-da- fisica.blogspot.com