SlideShare uma empresa Scribd logo
Cristiane Pavanello R Silva Serviço Profissional 3M para Soluções em Centro Cirúrgico Mestre e Doutora em Ciências da Saúde Preparo de Pele como Estratégia de  Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico SOBECC 2011
CENÁRIO ATUAL ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
CENÁRIO ATUAL ,[object Object],[object Object],[object Object],World Health Organization. WHO guidelines on hand hygiene in health care. The first global patient safety challenge: clean care is safer care. Geneva: World Health Organization; 2009.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],CENÁRIO ATUAL
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],CENÁRIO ATUAL
[object Object],[object Object],[object Object],- CDC. Guideline for Prevention of Surgical Site Infection, 1999. Infection Control and epidemiology, v.20, p. 247-280. - Joint Commission International Center for  Patient Safety. 2008 International Patient Safety Goals. Disponível em www.jcipatientsafety.org/29083/
As cirurgias não ocorrem em condições absolutamente estéreis!!! ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Lacerda RA. Controle de Infecção em Sítio Cirúrgico: fatos, mitos e controvérsias. SP: Atheneu, 2003
Controle de Contaminação de Sítio Cirúrgico !!!! ,[object Object],[object Object],[object Object],Lacerda RA. Controle de Infecção em Sítio Cirúrgico: fatos, mitos e controvérsias. SP: Atheneu, 2003
Controle de Contaminação de Sítio Cirúrgico !!!! ,[object Object],S. Aureus e S. coagulase Colonizantes da Pele do Paciente é um fator conhecido de Risco para Infecção do Sítio Cirúrgico
Controle de Contaminação de Sítio Cirúrgico !!!! ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Preparo de Pele Cirúrgica ,[object Object]
Recomendação 1 Pacientes de Cirurgias limpas devem receber 2 banhos pré-operatórios como CHG antes da cirurgias.
Recomendação 1 ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Recomendação 1 ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Recomendação 2 Pêlos no local do sítio cirúrgico não devem ser removidos, sempre que possível.
Recomendação 2 ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Recomendação 2 -Alexander JW, et al. The Influence of Hair-removal, methods on wound infections. Arch Surg. 1983, 118:347-352. -De Geest S, et al. Clinical and Cost Comparison of three postopertaive skin preparation protocol in CABG patients. Prog Cardiovasc Nurs, 1996, 11: 4-16. “ NO SHAVE ZONE” ,[object Object]
[object Object],Recomendação 2 -  BALTHAZAR,E.R. Southern Medical Journal, 75(7):799-801,1982
Recomendação 3 O anti-séptico para preparo da pele cirúrgica deve ser selecionado de acordo com as necessidades dos pacientes.
 
GHG no Preparo de Pele Cirúrgica ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Edmiston CE, et al. Evidence for Using Chlorhexidine Gluconate Perioperative Cleasing to Reduce the risk of Surgical Site Infection. AORN Journal, v.92, n.5, nov.2010
Importance of Alcohol in Skin Preparation Protocols.  Brian R. Swenson, MD, MS; Robert G. Sawyer, MD Infection Control and Hospital Epidemiology September 2010, vol. 31, no. 9 Surgical Site Infection (SSI) Rates (All Types) after Clean-Contaminated Surgical Procedures Study, solution Rate of SSI, Proportion (%) Darouiche et al(1) Povidone-iodine  (without alcohol) Chlorhexidine-alcohol 71/440  (16.1) 39/409 (9.5) Swenson et al(2) Povidone-iodine-alcohol Iodine povacrylex–alcohol Chlorhexidine-alcohol 44/541 (8.1) 27/414 (6.5) 46/454 (10.1)
Recomendação 3 ,[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Recomendação 3
CHG + PVPI: é possível? Recomendação 3
Recomendação 3
Recomendação 3
Recomendação 3
Recomendação 3
Recomendação 4 A pele ao redor do sítio cirúrgico deve estar livre de óleo, debris, exsudatos e microorganismos transitórios para minimizar a contaminação da ferida operatória antes da aplicação do anti-séptico.
Recomendação 4 ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Recomendação 5 Medidas de proteção devem ser implementadas para prevenir lesões devido contato prolongado com agentes anti-sépticos.
Recomendação 5 ,[object Object],[object Object],[object Object]
Recomendação 6 O agente anti-séptico deve ser aplicado a pele para além da área cirúrgica para minimizar a contaminação durante a manipulação cirúrgica, preservando a integridade da pele e lesões tissulares.
Recomendação 6 ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Recomendação 7 Ao final do procedimento cirúrgico o anti-séptico deve ser retirado da pele.
Recomendação 8 Colaboradores devem receber educação inicial, treinamentos e validação da sua competência na seleção do anti-séptico.
Recomendação 9 O preparo cirúrgico deve ser registrado
Recomendação 10 Padronização, políticas e procedimentos devem ser  revisados periodicamente e deve haver um programa de melhoria contínua da qualidade da assistência peri-operatória.
Boas Práticas, Conscientização e Colaboração Ativa é a Chave do Sucesso! Nós 3M Podemos Contribuir!!
SOLUÇÕES 3M PARA REMOÇÃO DE PELOS: CLIPPER – TRICOTOMIZADORES ELÉTRICOS ©3M 2009. Todos os direitos reservados. 9661 9671
SOLUÇÕES 3M PARA MANUTENÇÃO DA ANTI-SEPSIA DO CAMPO OPERATÓRIO: CAMPOS PLÁSTICOS ESPECIAIS ©3M 2009. Todos os direitos reservados.
SOLUÇÕES 3M PARA MANUTENÇÃO DA ANTI-SEPSIA DO CAMPO OPERATÓRIO: CAMPOS PLÁSTICOS ADESIVOS INCISIONAIS. ©3M 2009. Todos os direitos reservados.
SOLUÇÕES 3M PARA MANUTENÇÃO DA ANTI-SEPSIA DO CAMPO OPERATÓRIO: CAMPOS PLÁSTICOS ADESIVOS INCISIONAIS IMPREGNADOS. ©3M 2009. Todos os direitos reservados.
NO CENTRO CIRÚRGICO CERTEZA DE SEGURANÇA E QUALIDADE 
By Ana Sandra Santos OBRIGADA [email_address] 011-9629-8643

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Aline Bandeira
 
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)JONAS ARAUJO
 
Aula de eventos adversos aspectos introdutorios
Aula de eventos adversos   aspectos introdutoriosAula de eventos adversos   aspectos introdutorios
Aula de eventos adversos aspectos introdutoriosProqualis
 
Apostila de humanização atendimento 2
Apostila de  humanização  atendimento 2Apostila de  humanização  atendimento 2
Apostila de humanização atendimento 2MariaBritodosSantos
 
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...Milena de Oliveira Matos Carvalho
 
Assistência de Enfermagem: A Crianças e Adolescentes Com Queimaduras de 1°, 2...
Assistência de Enfermagem: A Crianças e Adolescentes Com Queimaduras de 1°, 2...Assistência de Enfermagem: A Crianças e Adolescentes Com Queimaduras de 1°, 2...
Assistência de Enfermagem: A Crianças e Adolescentes Com Queimaduras de 1°, 2...Rafael Medeiros
 
Implantação da cirurgia segura
Implantação da cirurgia seguraImplantação da cirurgia segura
Implantação da cirurgia seguracmecc
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...Proqualis
 
Livro de Medicamentos, NR 32 para Enfermeiros, Biossegurança e Manual de Enfe...
Livro de Medicamentos, NR 32 para Enfermeiros, Biossegurança e Manual de Enfe...Livro de Medicamentos, NR 32 para Enfermeiros, Biossegurança e Manual de Enfe...
Livro de Medicamentos, NR 32 para Enfermeiros, Biossegurança e Manual de Enfe...Gabriela Montargil
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do pacienteHIAGO SANTOS
 
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptxAULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptxVanessaAlvesDeSouza4
 
Prevenção da infecção de sítio cirúrgico
Prevenção da infecção de sítio cirúrgicoPrevenção da infecção de sítio cirúrgico
Prevenção da infecção de sítio cirúrgicoRenato sg
 
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdfatencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdfNaidilene Aguilar
 
Aula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânica
Aula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânicaAula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânica
Aula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânicaProqualis
 

Mais procurados (20)

Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
 
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
 
Aula de eventos adversos aspectos introdutorios
Aula de eventos adversos   aspectos introdutoriosAula de eventos adversos   aspectos introdutorios
Aula de eventos adversos aspectos introdutorios
 
Apostila de humanização atendimento 2
Apostila de  humanização  atendimento 2Apostila de  humanização  atendimento 2
Apostila de humanização atendimento 2
 
CCIH
CCIHCCIH
CCIH
 
Técnicas assépticas e Infecções
Técnicas assépticas e Infecções Técnicas assépticas e Infecções
Técnicas assépticas e Infecções
 
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
 
Feridas e Curativos EEEP 2017 WFG
Feridas e Curativos EEEP 2017 WFGFeridas e Curativos EEEP 2017 WFG
Feridas e Curativos EEEP 2017 WFG
 
Assistência de Enfermagem: A Crianças e Adolescentes Com Queimaduras de 1°, 2...
Assistência de Enfermagem: A Crianças e Adolescentes Com Queimaduras de 1°, 2...Assistência de Enfermagem: A Crianças e Adolescentes Com Queimaduras de 1°, 2...
Assistência de Enfermagem: A Crianças e Adolescentes Com Queimaduras de 1°, 2...
 
Implantação da cirurgia segura
Implantação da cirurgia seguraImplantação da cirurgia segura
Implantação da cirurgia segura
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
 
Livro de Medicamentos, NR 32 para Enfermeiros, Biossegurança e Manual de Enfe...
Livro de Medicamentos, NR 32 para Enfermeiros, Biossegurança e Manual de Enfe...Livro de Medicamentos, NR 32 para Enfermeiros, Biossegurança e Manual de Enfe...
Livro de Medicamentos, NR 32 para Enfermeiros, Biossegurança e Manual de Enfe...
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptxAULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
 
Prevenção da infecção de sítio cirúrgico
Prevenção da infecção de sítio cirúrgicoPrevenção da infecção de sítio cirúrgico
Prevenção da infecção de sítio cirúrgico
 
Ética Profissional na Enfermagem
Ética Profissional na EnfermagemÉtica Profissional na Enfermagem
Ética Profissional na Enfermagem
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdfatencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
 
Aula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânica
Aula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânicaAula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânica
Aula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânica
 

Semelhante a Aula SOBECC 2011 Cristiane Pavanello

Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
Terapia antineoplasica graziela_0110(2)Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
Terapia antineoplasica graziela_0110(2)Kayo Alves Figueiredo
 
Aula Biossegurança[5473].pdf
Aula Biossegurança[5473].pdfAula Biossegurança[5473].pdf
Aula Biossegurança[5473].pdfCarolinaMalburg2
 
Biossegurança faculdade católica
Biossegurança faculdade católica Biossegurança faculdade católica
Biossegurança faculdade católica Hygor Malheiros
 
2ªaula - biossegurana.ppt
2ªaula  -  biossegurana.ppt2ªaula  -  biossegurana.ppt
2ªaula - biossegurana.pptmonicamamedes1
 
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagem
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagemApostila de biossegurança nas ações de enfermagem
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagemDouglas Oliveira
 
Aula biossegurança 2
Aula biossegurança 2Aula biossegurança 2
Aula biossegurança 2Paula Rocha
 
Normas basicas para a obtencao de uma amostra de exsudado de uma ulcera por p...
Normas basicas para a obtencao de uma amostra de exsudado de uma ulcera por p...Normas basicas para a obtencao de uma amostra de exsudado de uma ulcera por p...
Normas basicas para a obtencao de uma amostra de exsudado de uma ulcera por p...GNEAUPP.
 
Manual cir. 2017 hrl r2
Manual cir. 2017  hrl r2Manual cir. 2017  hrl r2
Manual cir. 2017 hrl r2cfecury
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemGabriela Montargil
 
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdf
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdfCURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdf
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdfssuserf1aeac2
 
Atividade profissional ii estudo dirigido
Atividade profissional ii   estudo dirigidoAtividade profissional ii   estudo dirigido
Atividade profissional ii estudo dirigidoVanessa Marques
 

Semelhante a Aula SOBECC 2011 Cristiane Pavanello (20)

Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
Terapia antineoplasica graziela_0110(2)Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
 
Manual infeccao zero_compacto
Manual infeccao zero_compactoManual infeccao zero_compacto
Manual infeccao zero_compacto
 
Aula Biossegurança[5473].pdf
Aula Biossegurança[5473].pdfAula Biossegurança[5473].pdf
Aula Biossegurança[5473].pdf
 
Biossegurança faculdade católica
Biossegurança faculdade católica Biossegurança faculdade católica
Biossegurança faculdade católica
 
Cirurgiasegura
CirurgiaseguraCirurgiasegura
Cirurgiasegura
 
Epi
EpiEpi
Epi
 
Biossegurança na CME
Biossegurança na CMEBiossegurança na CME
Biossegurança na CME
 
2ªaula - biossegurana.ppt
2ªaula  -  biossegurana.ppt2ªaula  -  biossegurana.ppt
2ªaula - biossegurana.ppt
 
Biossegurança dental care
Biossegurança dental careBiossegurança dental care
Biossegurança dental care
 
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagem
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagemApostila de biossegurança nas ações de enfermagem
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagem
 
Aula biossegurança 2
Aula biossegurança 2Aula biossegurança 2
Aula biossegurança 2
 
Normas basicas para a obtencao de uma amostra de exsudado de uma ulcera por p...
Normas basicas para a obtencao de uma amostra de exsudado de uma ulcera por p...Normas basicas para a obtencao de uma amostra de exsudado de uma ulcera por p...
Normas basicas para a obtencao de uma amostra de exsudado de uma ulcera por p...
 
ATIVIDADEBIO.docx
ATIVIDADEBIO.docxATIVIDADEBIO.docx
ATIVIDADEBIO.docx
 
Biossegurana 2012
Biossegurana 2012Biossegurana 2012
Biossegurana 2012
 
Biosseguranca 2012
Biosseguranca 2012Biosseguranca 2012
Biosseguranca 2012
 
Biossegurana 2012
Biossegurana 2012Biossegurana 2012
Biossegurana 2012
 
Manual cir. 2017 hrl r2
Manual cir. 2017  hrl r2Manual cir. 2017  hrl r2
Manual cir. 2017 hrl r2
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
 
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdf
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdfCURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdf
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdf
 
Atividade profissional ii estudo dirigido
Atividade profissional ii   estudo dirigidoAtividade profissional ii   estudo dirigido
Atividade profissional ii estudo dirigido
 

Aula SOBECC 2011 Cristiane Pavanello

  • 1. Cristiane Pavanello R Silva Serviço Profissional 3M para Soluções em Centro Cirúrgico Mestre e Doutora em Ciências da Saúde Preparo de Pele como Estratégia de Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico SOBECC 2011
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12. Recomendação 1 Pacientes de Cirurgias limpas devem receber 2 banhos pré-operatórios como CHG antes da cirurgias.
  • 13.
  • 14.
  • 15. Recomendação 2 Pêlos no local do sítio cirúrgico não devem ser removidos, sempre que possível.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19. Recomendação 3 O anti-séptico para preparo da pele cirúrgica deve ser selecionado de acordo com as necessidades dos pacientes.
  • 20.  
  • 21.
  • 22. Importance of Alcohol in Skin Preparation Protocols. Brian R. Swenson, MD, MS; Robert G. Sawyer, MD Infection Control and Hospital Epidemiology September 2010, vol. 31, no. 9 Surgical Site Infection (SSI) Rates (All Types) after Clean-Contaminated Surgical Procedures Study, solution Rate of SSI, Proportion (%) Darouiche et al(1) Povidone-iodine (without alcohol) Chlorhexidine-alcohol 71/440 (16.1) 39/409 (9.5) Swenson et al(2) Povidone-iodine-alcohol Iodine povacrylex–alcohol Chlorhexidine-alcohol 44/541 (8.1) 27/414 (6.5) 46/454 (10.1)
  • 23.
  • 24.
  • 25. CHG + PVPI: é possível? Recomendação 3
  • 30. Recomendação 4 A pele ao redor do sítio cirúrgico deve estar livre de óleo, debris, exsudatos e microorganismos transitórios para minimizar a contaminação da ferida operatória antes da aplicação do anti-séptico.
  • 31.
  • 32. Recomendação 5 Medidas de proteção devem ser implementadas para prevenir lesões devido contato prolongado com agentes anti-sépticos.
  • 33.
  • 34. Recomendação 6 O agente anti-séptico deve ser aplicado a pele para além da área cirúrgica para minimizar a contaminação durante a manipulação cirúrgica, preservando a integridade da pele e lesões tissulares.
  • 35.
  • 36. Recomendação 7 Ao final do procedimento cirúrgico o anti-séptico deve ser retirado da pele.
  • 37. Recomendação 8 Colaboradores devem receber educação inicial, treinamentos e validação da sua competência na seleção do anti-séptico.
  • 38. Recomendação 9 O preparo cirúrgico deve ser registrado
  • 39. Recomendação 10 Padronização, políticas e procedimentos devem ser revisados periodicamente e deve haver um programa de melhoria contínua da qualidade da assistência peri-operatória.
  • 40. Boas Práticas, Conscientização e Colaboração Ativa é a Chave do Sucesso! Nós 3M Podemos Contribuir!!
  • 41. SOLUÇÕES 3M PARA REMOÇÃO DE PELOS: CLIPPER – TRICOTOMIZADORES ELÉTRICOS ©3M 2009. Todos os direitos reservados. 9661 9671
  • 42. SOLUÇÕES 3M PARA MANUTENÇÃO DA ANTI-SEPSIA DO CAMPO OPERATÓRIO: CAMPOS PLÁSTICOS ESPECIAIS ©3M 2009. Todos os direitos reservados.
  • 43. SOLUÇÕES 3M PARA MANUTENÇÃO DA ANTI-SEPSIA DO CAMPO OPERATÓRIO: CAMPOS PLÁSTICOS ADESIVOS INCISIONAIS. ©3M 2009. Todos os direitos reservados.
  • 44. SOLUÇÕES 3M PARA MANUTENÇÃO DA ANTI-SEPSIA DO CAMPO OPERATÓRIO: CAMPOS PLÁSTICOS ADESIVOS INCISIONAIS IMPREGNADOS. ©3M 2009. Todos os direitos reservados.
  • 45. NO CENTRO CIRÚRGICO CERTEZA DE SEGURANÇA E QUALIDADE 
  • 46. By Ana Sandra Santos OBRIGADA [email_address] 011-9629-8643

Notas do Editor

  1. Temos em linha dois modelos de clipper
  2. Temos em linha dois modelos de clipper
  3. Temos em linha dois modelos de clipper
  4. Temos em linha dois modelos de clipper