SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 129
Baixar para ler offline
CENTRO CIRÚRGICO
Professora, Rosimeyre Luciene da S. Lira
Abordaremos
● Enfermagem Cirúrgica
● Bloco Operatório
● Pré e Pós- Operatório
CONCEITOS E OBJETIVOS DA ENFERMAGEM CIRÚRGICA
É a unidade hospitalar onde permanecem os indivíduos nos
períodos pré e pós-operatórios, e onde são preparados para o
ato cirúrgico e auxiliados, após eles, onde monitoramos A
recuperação e o equilíbrio hemodinâmico.
Hemodinâmico: respeito à pressão arterial, frequência
cardíaca, fluxo sanguíneo, entre outros...
BLOCO CIRURGICO
● Mesa de auxiliar mesa de mayo
SALA completa
equipamentos
O bisturi monopolar é composto por uma unidade
geradora onde são conectados a caneta do bisturi e
uma placa neutralizadora da corrente. A caneta é a
parte estéril do bisturi que entra em contato com o
campo operatório e passa a corrente elétrica para a
placa. Este tipo de bisturi é utilizado quando há
necessidade de corte ou de coagulação, ou de
ambos. No corte, a caneta entra em contato com o
tecido, provocando o seu aquecimento até as células
se desintegrarem. Na coagulação, o tecido recebe
uma quantidade de calor apenas suficiente para
secar as células.
O bisturi bipolar também é composto de uma
unidade geradora, mas de menor potência que a
do bisturi monopolar, e de uma caneta ou pinça
bipolar. Esse tipo de aparelho é indicado apenas
para a coagulação, e tem a vantagem de
dispensar o uso da placa neutralizadora, pois a
corrente só passa entre as duas pontas da
pinça. O uso do bisturi bipolar é indicado para
tecidos sensíveis, em áreas pequenas e
localizadas, preservando os tecidos vizinhos no
local da coagulação.
EQUIPE
A equipe multiprofissional que participa do ato cirúrgico é composta
por cirurgião, anestesista e equipe de enfermagem (enfermeiro,
instrumentador, circulante, técnicos e auxiliares), cabendo a todos,
atividades específicas,
OBRIGAÇÕES – TÉCNICO EM
ENFERMAGEM
Compete ao Técnico de Enfermagem do Centro Cirúrgico:
● I- Receber o paciente no CC.
● II- Participar da reuniões com seu enfermeiro quando solicitado.
● III- Colaborar com o enfermeiro nos treinamentos de funcionários.
● IV- Desenvolver procedimento técnico, conforme orientação do enfermeiro.
● V- Conservar seu ambiente limpo e em ordem.
● VI- Manter uma boa relação interpessoal com a equipe interdisciplinar.
● VII- Zelar pelo correto manuseio dos equipamentos.
● VIII- Estar ciente sobre as cirurgias marcadas para a sala de sua responsabilidade.
● IX- Dar prioridade aos procedimentos de maior complexidade, conforme
● orientação do enfermeiro.
● X- Prover as salas com matérias e equipamentos adequados, de acordo com cada
● tipo de cirurgia e com a necessidade individuais do paciente descritas pelo
planejamento do enfermeiro.
● XI-Remover as sujidades dos equipamentos levando em consideração as
● orientações feitas pela CCIH e verificar a limpeza das paredes, pisos e mobiliários
realizada
● pela higienização comunicando qualquer intercorrência ao enfermeiro.
● XII- Checar o funcionamento de gases e equipamentos.
● XIII- Notificar possíveis Intercorrências ao enfermeiro.
● XIV- Colaborar com a conferência do Check list.
● XV- Utilizar-se da roupa privativa somente no setor;
● XVI- Apresentar-se corretamente segundo as medidas que possibilitam a maior,
● segurança para o paciente, tais como a utilização da touca/gorro, máscara
cobrindo boca e nariz,
● do pro pé, evitando sempre a utilização de adornos e adereços durante qualquer
procedimento
● de enfermagem no Centro Cirúrgico, SRPA e Central de Material e Esterilização;
Técnico de Enfermagem: Auxiliar direto da
enfermeira, a este profissional
são delegadas também tarefas especiais, como: verificar o
funcionamento, a conservação e manutenção dos equipamentos
necessários ao funcionamento do Centro Cirúrgico:
responsabilizar-se pelo encaminhamento das peças cirúrgicas ao
laboratórios especializados de Patologia e controlar o material
esterilizado, verificando seus prazos de validade. Pode também
exercer as atividades de circulante de sala, responsabilizando-se
pelo cumprimento das rotinas de controle de material da Unidade
e de cada Sala de Operação.
Circulante de sala: papel normalmente exercido pelo auxiliar
de enfermagem (rever porque não formamos mais Auxiliar de
Enfermagem. Sugestão: incluir nas atividades do Técnico de
Enfermagem), embora as unidades fechadas como UTI e
Centro Cirúrgico, por Legislação, que a equipe de saúde
tenha nível médio com Habilitação Profissional Técnica.
Atribuições: atendimento direto das solicitações da equipe
médica no decorrer do ato cirúrgico; posicionamento
adequado do paciente e sua assistência o pré operatório e
controle de todos os equipamentos exigidos pela cirurgia.
ATRIBUIÇÕS DO CIRCULANTE EM UMA SALA DE OPERAÇÕES:
1. Montagem de uma sala de cirurgia
A) Saber quais são as operações marcadas para a sala sob sua responsabilidade, os respectivos
horários e a existência ou não de solicitação de equipamento ou material especifico;
B) Verificar a limpeza os pisos e paredes da sala;
C) Equipar a sala com aparelhos solicitados;
D) Remover o pó dos equipamentos com tecido embebido em álcool etílico a
70%;
E) Testar o funcionamento dos aparelhos elétricos, inclusive os focos, pontos e gás, luz e
aspirador, regular temperatura da sala;
F) Verificar se o lavabo está equipado para lavagem e antissepsia das mãos e
antebraços;
G) Revisar os materiais existentes na sala, tais como: Medicações, antisépticos e impressos,
complementando o que falta e providenciar o material específico de cada operação.
H) Verificar as medicações e os impressos;
I) Equipar o carro de anestesia e colocá-lo à cabeceira da mesa cirúrgica;
J) Colocar o pacote de campos e o de aventais, as luvas e a caixa de instrumental em local
acessível para sua utilização;
K) Preparar soro morno, se necessário
Cuidados após Cirurgia Simples:
A) Desligar o foco e aparelhos elétricos;
B) Remover os campos e pinças que estão sobre o
paciente;
C) Transferir o paciente para maca;
D) Providenciar o transporte do paciente, encaminhando
com o prontuário completo;
E) Separar a roupa utilizada na cirurgia e encaminhar;
F) Separar o material de vidro, cortante, borracha e
instrumentais, as pinças dever ser abertas e colocadas em
uma bacia com solução desencrostante;
G) Encaminhar a peça anatômica identificada.
●
Sala de Recuperação Pós Anestésica (RPA):
Destina-se a receber e prestar assistência à pacientes sob ação anestésica. É a unidade onde o
paciente é observado intensivamente até que as possibilidades de desenvolvimento de asfixia,
choque ou outras complicações, requerendo ressuscitação ventilatória ou circulatória já não
existam. Deve localizar-se o mais próximo das salas cirúrgicas, permitindo o fácil acesso ao
atendimento dos cirurgiões, dos anestesistas e da equipe de enfermagem.
É composta basicamente de:
● Macas com grades laterais de proteção com suporte de soro e
● movimento(s);
● Esfigmomanômetro e estetoscópio individual por leito;
● Aspiração de secreção de parede / Vácuo (1 por leito);
● Aspirador de secreção móvel;
● Dispositivo de oxigênio com fluxômetro em cada leito;
● Ar Comprimido;
● Mesa de cabeceira com suporte;
● Carro para parada cardio-respiratória (desfibrilador, material para
● entubação);
● Armário(s);
● Monitor Cardíaco;
● Oxímetro de pulso;
● Outros
Assistência ao pré-operatório
De um modo geral, o objetivo do pré-operatório é garantir adequada
preparação do doente para cirurgia, promovendo assim a segurança cirúrgica
e o bem estar do paciente. Aqui é de total importância ter um tempo para
fazer todas as perguntas, sem induzi-lo.
Cuidados gerais
Os cuidados começam quando recebe o paciente na porta do CC,
PRIMEIRAMENTE, conferir todos os dados do paciente NÃO FALA O NOME
(deixa que ele fale), tenha sensibilidade em perceber o estado emocional do
paciente; não fale alto, seja gentil. Se possível senta o paciente antes de
colocá-lo na maca de cirurgia; depois que estiver na maca (afira a PA, por
favor não esqueça), se tem alergia a algum medicamento; anota tudo que
puder (respaldo)
Preparo da pele: esse procedimento tem como finalidade eliminar ao máximo
a flora bacteriana que normalmente habita a pele do paciente.
.
● Preparar psicologicamente o paciente;
● Controlar de SSVV.
● Preparar e orientar sobre a cirurgia ;
● Observar e orientar quanto à higiene
● ATENTE PARA ESTE ÍTEM, POIS
DEPENDENDO DA MANEIRA DE COMO SE FALA O
PACIENTE
PODE FICAR MAIS APREENSIVO.
Preparo intestinal/lavagem intestinal:
Para a maioria das cirurgias, principalmente as realizadas sob
anestesia geral, é importante o reto estar vazio, evitando, assim,
que o que o paciente evacue durante o ato cirúrgico. Em função
do tipo de cirurgia a ser realizada, o médico prescreverá o
preparo adequado, que pode variar desde ouso de laxante até a
aplicação de clister (clister de glicerina é uma solução reta,
usado via retal) ou lavagem intestinal. Uma cirurgia de intestino
grosso, por exemplo, exige um preparo maior, para o órgão ficar
o mais vazio e limpo possível. Nesses casos, o laxante é
administrado dias antes, mas o clister e a lavagem são feitos na
véspera da operação. Já em cirurgias de pequeno porte, pode-
se dispensar a execução desse preparo, desde que o paciente
tenha evacuado normalmente na manhã do dia da cirurgia.
Um intestino limpo permite a visualização acurada do sitio cirúrgico e
previne traumas intestinais ou contaminação acidental do peritônio
por fezes. Um enema evacuador ou um laxante é prescrito para a noite
que antecede a cirurgia, e pode ser repetido na manhã do dia da
cirurgia.Quando uma cirurgia intestinal é programada,antibióticos
também podem ser prescritos para reduzir a microbiota intestinal.
As vezes usamos o clister que é a lavagem do intestino e feitos na
véspera da operação.
Já em cirurgias de pequeno porte, pode-se dispensar a execução desse
preparo, desde que o paciente tenha evacuado normalmente na manhã
do dia da cirurgia. Um intestino limpo permite a visualização acurada
do sitio cirúrgico e previne traumas intestinais ou contaminação
acidental do peritônio por fezes. Um enema evacuador ou um laxante é
prescrito para a noite que antecede a cirurgia, e pode ser repetido na
manhã do dia da cirurgia.
●
O cateterismo vesical de alívio
● É o esvaziamento completo e imediato da bexiga,
recomendado somente para casos de retenção urinária
temporária. Para isso, um cateter estéril é introduzido
através da uretra até a bexiga, assim a urina é eliminada
causando alívio ao paciente.
Obs.: SVD é privativo do enfermeiro
SONDA NASOGÁSTRICA E ORIENTAÇÃO DIETÉTICA
● É introduzida a sonda por via nasal ou oral e chega até o
estômago. Esse procedimento é indicado para
descomprimir o estômago, eliminar gases e líquidos.
● Obs. É um procedimento privativo do enfermeiro
OS CUIDADOS IMPORTANTE
Fixação
● Para evitar retrações e o deslocamento da sonda, ela
deve ser fixada à pele do paciente com um esparadrapo
ou uma fita hipoalergênica. A fita deve ser trocada com
regularidade, ou sempre que estiver descolando.
● Lave o nariz com água e sabão e seque bem, antes de
colar novamente, mas sem esfregar, tomando cuidado
para não deixar o tubo dobrar e nem passar na frente dos
olhos ou da boca.
Aspiração
●
Antes de administrar qualquer substância via sonda, é necessário
aspirar o líquido que está dentro do estômago. Dobre a ponta da
sonda e aperte, evitando a entrada de ar no tubo e, então, retire a
tampa.
●
Encaixe a seringa, desdobre o tubo e puxe o êmbolo, aspirando o
conteúdo gástrico. Caso o volume aspirado corresponda a mais da
metade da refeição anterior, é recomendado aguardar para alimentá-
la mais tarde. O conteúdo aspirado deve sempre ser reposto.
●
Ao término, dobre novamente a ponta da sonda, repetindo o
procedimento para que não entre ar no tubo e retire a seringa,
voltando a tampá-la
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS COMPLICAÇÕES E
DESCONFORTOS NO PÓS - OPERATÓRIO
Complicações Imediatas:
● Náuseas e Vômitos: São transtornos frequentes no pós-operatório
imediato. O grande problema é a aspiração que pode causar asfixia e
levar ao óbito ou pneumonia aspirativa. Em caso de SNG deve-se
desobstruí-la. As principais causas são:
● Efeitos dos anestésicos principalmente os utilizados em anestesia geral;
● Deglutição de sangue e secreções nas cirurgias de nariz e garganta;
Cuidados de enfermagem:
● Lateralizar a cabeça para escoamento do vômito, evitando aspiração;
● Suspender ingestão V.O;
● Administrar antiemético via parenteral conforme prescrição médica;
●
Anotar e comunicar o número de vezes e a quantidade eliminada;
● Manter o paciente e o ambiente higienizado.
COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS
Conceito: É o período que vai desde o término do ato cirúrgico até a alta hospitalar.
●
Podem também ser gerais, especiais ou específicas. A complicação geral é aquela que pode
acontecer com qualquer paciente, independentemente do tipo de procedimento cirúrgico como
hemorragia, atelectasia pulmonar (é um distúrbio esofágico neurogênico, afeta o mecanismo de
funcionamento da cárdia (esfíncter esofágico inferior), resultando em dificuldade de passagem de
alimento do esôfago para o estômago), insuficiência renal aguda e doença tromboembólica.
● Obs. Quando o paciente sai da sala de cirurgia, levamos para SRPA sala de Recuperação pós
anestésica, nos técnicos que preparamos, averiguamos se tudo esta funcionando, caso não esteja, a
nossa obrigação é comunicar o enfermeiro...a sala deve estar montada sempre, com todos os
equipamentos funcionando, OXIGÊNIO, APARELHO PARA ASPIRAÇÃO, ETC... aqui não podemos
achar que esta funcionando temos que ter certeza.
● Obs.: SINAIS VITAIS COMPLETO, não copie e cole. È uma vida que precisa dos seus cuidados
CIRURGIAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO
Assistir psicologicamente, alguns não conseguem falar e ficam curiosos com os resultados do
tratamento, temem o câncer e a morte;
● Verificar sinais vitais;
● Higiene oral criteriosa e com uso de anti-sépticos orais para reduzir a flora bacteriana;
●
Cuidados com hidratação venosa;
●
Atentar para a higiene oral;
●
Umidificar o ambiente, pois o ar frio e seco é irritante às mucosas.
●
Aspirar secreções sempre que necessário;
● Transmitir confiança, fazer reforço positivo
● Trocar recipiente de nebulizador, latéx silicone ou PVC e máscara a cada 24h
●
OBS> SINAIS VITAIS
.
● COMPLICAÇÕES RESPIRATÓRIAS
Limitação na expansão pulmonar acumulo de secreção traqueobronquica e dificuldade do
cliente em elimina-la. Atelectasia: colabamento dos alvéolos .
- Ações: pulmonares pela obstrução dos brônquios por tampão mucoso. Manutenção da
ventilação (artificial) Manifestações: aumento na frequência Permeabilidade das vias
respiratória. Dispnéia, hipoventilação. Estimulação da tosse, Estimulação de exercícios
respiratórios, Realizar nebulização, mudança de decúbito.
- Complicações urinárias. Complicações urinárias: infecção urinária e a retenção
urinária(bexigoma), é geralmente causada por falhas na técnica de sondagem vesical e refluxo
da urina. Manifestação: hipertermia, disúria e alterações nas características da urina.
- Ações: higiene íntima adequada do cliente, bem como técnica asséptica na passagem da
sonda e sempre utilizar extensões, conectores e coletores esterilizados com sistema fechado de
drenagem.
- Retenção urinária: medicando o cliente contra a dor, promovendo sua privacidade, mudando-
lhe de posição (se não houver contra-indicação) e avaliando a presença de dobraduras e grumos
nas extensões das sondas e drenos nas proximidades da bexiga.
COMPLICAÇÕES GASTRINTESTINAIS
Náuseas e vômito Os efeitos colaterais dos anestésicos e a diminuição do peristaltismo ocasionam
distensão abdominal, acúmulo de líquidos e restos alimentares no trato digestório; em consequência, o
cliente pode apresentar náuseas e vômito.
- Ações: clientes sem sonda nasogástrica devem ser colocados em decúbito lateral ou com
a cabeça lateralizada para facilitar a drenagem do vômito pela boca.
- Ações: clientes com sonda nasogástrica, abrir a sonda e, mantendo-a aberta, proceder à aspiração
para esvaziar a cavidade gástrica. Administrar antieméticos, passar a sonda nasogástrica (mantendo- a
aberta) e aspirar mais frequentemente o conteúdo gástrico, de acordo com as orientações da
enfermeira e/ou médico.
- Constipação intestinal: Diminuição do peristaltismo provocada pelo efeito colateral do anestésico,
imobilidade prolongada no leito, quadro inflamatório, exposição e manipulação do intestino durante as
cirurgias abdominais e o medo da dor. Como resultado, ocorre retenção de fezes acompanhada ou não
de dor, desconforto abdominal e flatulência.
- Ação: movimentação no leito, deambulação precoce, ingestão de líquidos e aceitação de alimentos
ricos em celulose. A aplicação de calor na região abdominal e a orientação, ao cliente, para que degluta
menos ar ao beber ou ingerir alimentos pode ajudar no retorno do movimento peristáltico e diminuir o
acúmulo de gases. promover sua privacidade para que possa eliminar os gases e, o médico pode
prescrever laxante no período noturno e/ou lavagem intestinal.
- Sede: Provocada pela ação inibidora da atropina, perdas sanguíneas e de líquidos pela cavidade
exposta durante o ato operatório, sudorese e hipertermia.
- Ação: A equipe de enfermagem deve observar a presença de sinais de desidratação (alteração no
turgor da pele e da PA e diminuição da diurese), manter a hidratação por via oral e, nos Clientes
impossibilitados de hidratar-se por via oral, umidificar os lábios e a boca, realizar higiene oral e manter
hidratação endovenosa.
As feridas cirúrgicas, durante o processo de cicatrização,
podem apresentar complicações como o hematoma,
infecções e deiscências. O hematoma é uma coleção de
sangue sob a pele, na ferida cirúrgica, que resulta em
formação de coágulo que pode levar horas.
A deiscência da sutura cirúrgica, é uma complicação
grave na qual os bordos da ferida, que estão unidos por
uma sutura, acabam abrindo e se afastando, aumentando
o risco de infecção e dificultando a cicatrização
Os sinais vitais é de extrema importância pós cirurgia
● Eutermia ou normotermia: valor dentro da normalidade
● = 36°C a 37°C
● Febril ou febrícula: valor de 37,5°C a 38°C
● Febre: valor de 38,1°C a 39°C
● Pirexia: de 39,1°C a 40°C
● Hiperexia ou hipertermia: acima de 40°C
● Hipotermia: abaixo de 36°C
CUIDADOS DE ENFERMAGEM (GENITAL, URINÁRIO)
Hemorragia Interna: os cuidados de enfermagem nesse caso visam a detecção e a
prevenção do agravamento:
● Deixar o paciente em repouso absoluto;
●
Manter o paciente aquecido;
● Avisar o médico imediatamente;
●
Controlar SSVV frequente e rigorosamente.
●
Hemorragia Externa: pode ser de maior facilidade de controle por ser visível. Os
cuidados
incluem:
● Repouso no leito; evitando o aumento do sangramento;
●
Fazer compressão direta sobre o local que está sangrando utilizando compressas
estéreis;
O QUE É ESTOMA E QUAIS OS CUIDADOS COM ESTOMAS?
● Exitem vários. São orifícios abertos intencionalmente, através
de intervenção cirúrgica, para comunicar órgãos ocos à
superfície corporal dos pacientes. Favorece a administração
de oxigênio, de alimentos e drenagem de efluentes.
Há três tipos de estoma. Os três tipos de estoma são:
Colostomia, ileostomia e urostomia. Em uma operação de
colostomia, parte do seu cólon é trazido para a superfície de
seu abdome para formar o estoma.
● COLOSTOMIA ILEOSTOMIA
● GASTROSTOMIA (GTT)
●
É um procedimento cirúrgico que estabelece o acesso à
luz do estômago através da parede abdominal. As
técnicas empregadas para realização da gastrostomia
são: cirurgia através de laparotomia, via endoscópica ou
através de laparoscopia.
CUIDADOS: Assim, é necessário realizar a limpeza da
sonda após o uso. Aplique 30 ml de água filtrada antes e
após cada utilização, para assepsia. Injete com cuidado
para que a pressão da água não rompa a sonda. Limpe
também a parte externa do tubo, com gaze, água e álcool
70%, pelo menos, uma vez ao dia.
ILEOSTOMIA
Ileostomia é quando essa abertura cirúrgica é feita
especificamente no intestino delgado. As fezes passam a ser
coletadas por uma bolsa de ostomia (ou bolsa de ileostomia),
que deve ser esvaziada várias vezes durante o dia.
●
●
TRAQUEOSTOMIA
● O tubo de traqueostomia é colocado entre a segunda e
terceira cartilagem traqueal
● A traqueostomia (ou estoma traqueal) é um procedimento
cirúrgico realizado para possibilitar a entrada de oxigênio em
situações em que a passagem de ar está obstruída. Para
isso, é feita uma abertura (estoma) na parede da traqueia,
que é mantida afastada por meio de um tubo de metal ou de
plástico, chamado de cânula.
NOÇÕES DE ANESTESIA E ANALGESIA
● Analgesia - as drogas usadas têm o objetivo apenas de aliviar ou
minimizar a dor. Ou seja, elas provocam a ausência ou o
amortecimento da dor sem perda de consciência.
● Anestesia - são usadas drogas anestésicas no paciente para que o
cérebro dele não reaja à dor durante um procedimento cirúrgico.
Obs.: Por CAUSA da correria às vezes os médicos pedem que faz
para administrar medicamento sem prescrever, muito cuidado.
● TIPOS DE ANESTÉSIA
Objetivo: Estado de relaxamento, perda da sensibilidade e dos reflexos, deforma parcial ou
total, provocada pela ação de drogas anestésicas, é evitar a dor e facilitar o ato operatório
pela equipe cirúrgica.
Anestesia geral ( inconsciência.) Anestesia geral: administra-se o anestésico por via inalatória,
endovenosa ou combinado (inalatória e endovenosa), com o objetivo de promover um estado
reversível de ausência de sensibilidade, relaxamento muscular, perda de reflexos e inconsciência
devido à ação de uma ou mais drogas no sistema nervoso
.Raqui anestesia é indicada para as cirurgias na região abdominal e de membros inferiores,
porque o anestésico é depositado no espaço subaracnóide da região lombar, produzindo
insensibilidade aos estímulos dolorosos por bloqueio da condução nervosa.
Anestesia peridural: o anestésico é depositado no espaço peridural, ou seja, o anestesista não
perfura a duramater. O anestésico se difunde nesse espaço, fixa-se no tecido nervoso e bloqueia
as raízes nervosas.
Anestesia local: infiltra-se o anestésico nos tecidos próximos ao local da incisão cirúrgica.
Utilizam-se anestésicos associados com a adrenalina, com o objetivo de aumentar a ação do
bloqueio por vasoconstrição e prevenir sua rápida absorção para a corrente circulatória .
Anestesia tópica: está indicada para alívio da dor da pele lesada por feridas, úlceras e
traumatismos, ou de mucosas das vias aéreas e sistema geniturinário.
POSIÇÕES CIRÚRGICAS
● São manobras que merecem alguns comentários pois, destinadas a facilitar a
execução do ato cirúrgico, podem dificultar as condições de observação e controle
por parte dos anestesista, bem como ter repercussões no período pós- operatório.
● OBS: a escolha da posição cirúrgica cabe ao cirurgião enquanto que o anestesista
devera fazer os ajustes necessários para a administração dos anestésicos e
observação dos seus efeitos. Facilidade dos movimentos respiratórios
● Não comprimir terminações nervosas ou vasos sanguíneos, para isso deve-se
● proteger com panos ou faixas qualquer parte do corpo que exija restrições, que
● devem ser relativamente confortáveis.
● Não deixar os membros do cliente pendentes na mesa operatória.
● Evitar, sempre que possíveis distensões musculares em qualquer parte do corpo.
POSIÇÃO DE TRENDELENBURG OU TRENDELENBURG
MODIFICADA
● São geralmente usadas para cirurgia do abdome inferior
(permite que a gravidade
● ajude a manter as alças intestinais na parte superior da
cavidade abdominal) e em algumas cirurgias nos membros
inferiores ajudando na hemostasia. O paciente é colocado em
posição supina e toda a mesa de operação é levemente
inclinada para que a cabeça do paciente fique mais baixo que
seus pés em alguns graus. Esta posição as vezes pode
interferir na respiração porque o peso adicional dos órgãos
internos comprime o diafragma, o que pode ocasionar em
dificuldades respiratórias
POSIÇÃO DE TRENDELENBURG REVERSA OU PROCLIVE
● Esta posição é geralmente usada para a cirurgias da cavidade abdominal superior
e da cabeça e pescoço, permite uma exposição operatória melhor porque a
gravidade mantêm as alças intestinais na parte inferior do abdome. Também,
como a cabeça elevada levemente, a hemostasia se torna mais fácil nas
operações deste sangramento.
OBS: Quando for usada para cirurgia de pescoço e face, o dorso da mesa deve ser
elevado e um coxim roliço pesado sob os ombros do paciente para hiperestender o
pescoço, apenas o suficiente para facilitar o ato cirúrgico.
O paciente é colocado em supina e toda a mesa é inclinada para que a cabeça fique
mais alta que os pés, eventualmente um apoio para os pés pode ser usado se a
inclinação da mesa for muito grande.
●
A posição de Fowler: modificada ou posição sentada, é usada na
maioria das vezes para cirurgias neurocirurgias, mamoplastias e
abdominoplastias. O paciente deve ser cuidadosamente
posicionado sobre as dobras da mesa, o dorso fica elevado e um
suporte para os pés deve ser colocado.
●
A posição lateral: geralmente é utilizada nas operações nos rins,
pulmões ou quadril. O paciente a indução da anestesia na posição
supina e é cuidadosamente virado para a posição lateral após o
anestesista dar permissão. Posicionadores como coxins podem ser
usados para manter o paciente lateralizado. Em alguns casos, uma
fita longa de 5 a 10cm de esparadrapo é passada pelo quadril e pelo
ombro para imobilizá-lo com
●
segurança na mesa operatória, a perna interior é flexionada e a
levemente flexionada, separadas por um travesseiro que previne
compressões vasculares e nervosas entre ambas.
DECUBITO VENTRAL OU POSIÇÃO DE PRONA
● Usadas em pacientes que serão submetidos a cirurgia na
parte posterior do corpo.
● A indução da anestesia geral é feita na posição de supina,
após o anestesista autorizar, o paciente pode ser mobilizado
cuidadosamente pela equipe. São colocados dois coxins
debaixo das axilas e aos lados do tórax, que permitem melhor
expansão pulmonar e diminuem a pressão na mamas das
pacientes femininas, os braços são colocados em braçadeiras
bem almofadadas, estendidos para fora e com as palmas
voltadas para baixo, a cabeça do paciente deve
POSIÇÃO GINECOLOGICA
É usada em cirurgias que requerem uma abordagem perineal ou anal.
O paciente deve ser colocado em posição supina após a indução
anestésica, com as nádegas próximas a dobra inferior da mesa de
operações, após o anestesista permitir duas pessoas (cada uma
movendo uma perna) dobram-nas e colocam as panturrilhas utensílios
com o nome de perneira, que devem ser protegidas com pano para
que o paciente não tenha contatos com metal, ambos as perneiras
devem ser colocadas na mesma altura e no mesmo ângulo de
afastamento, em seguida, o segmento inferior da mesa é retirado ou
abaixado em ângulo reto, ficando exposto a região perineal, as mãos
do paciente são colocados em braçadeiras laterais.
Tchau galera! Até mais

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
FatianeSantos
 
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
 Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
resenfe2013
 

Mais procurados (20)

Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
 
Aula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoAula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgico
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
Sala de recuperação
Sala de recuperaçãoSala de recuperação
Sala de recuperação
 
Equipe cirúrgica
Equipe cirúrgicaEquipe cirúrgica
Equipe cirúrgica
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
 
instrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgicainstrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgica
 
Posicionamento paciente
Posicionamento pacientePosicionamento paciente
Posicionamento paciente
 
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgicaClínica cirúrgica
Clínica cirúrgica
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
 
Admissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgicoAdmissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgico
 
Apostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgicoApostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgico
 
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
 Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
 
ESCOVAÇÃO CIRURGICA DAS MÃOS-convertido.pptx
ESCOVAÇÃO CIRURGICA DAS MÃOS-convertido.pptxESCOVAÇÃO CIRURGICA DAS MÃOS-convertido.pptx
ESCOVAÇÃO CIRURGICA DAS MÃOS-convertido.pptx
 
Apresentação cc
Apresentação ccApresentação cc
Apresentação cc
 
Punção venosa
Punção venosaPunção venosa
Punção venosa
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 

Semelhante a Aula slide centro cirurgico 2

ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdfROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ssuser80ae40
 
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).pptaula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
Marcelo Ocampos
 
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdfaula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
TARCIA1
 
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptxENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
Nome Sobrenome
 

Semelhante a Aula slide centro cirurgico 2 (20)

ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdfROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
 
Instrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thatyInstrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thaty
 
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptxRRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
 
Katia02
Katia02Katia02
Katia02
 
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptxAULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Hist rico uti
 
Katia
KatiaKatia
Katia
 
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdfAula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
 
AULA 4A (1).pptx
AULA 4A (1).pptxAULA 4A (1).pptx
AULA 4A (1).pptx
 
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptxInstrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
 
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).pptaula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
 
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdfaula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
 
Slide cirurgia
Slide cirurgiaSlide cirurgia
Slide cirurgia
 
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdfaulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
 
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docxO CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
 
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptxENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
 
Cirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passosCirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passos
 

Último (6)

Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesApresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
Saúde da Pessoa Negra e o papel da Psicologia.pptx
Saúde da Pessoa Negra e o papel da Psicologia.pptxSaúde da Pessoa Negra e o papel da Psicologia.pptx
Saúde da Pessoa Negra e o papel da Psicologia.pptx
 
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaPuerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
 
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
 
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
 

Aula slide centro cirurgico 2

  • 2. Abordaremos ● Enfermagem Cirúrgica ● Bloco Operatório ● Pré e Pós- Operatório
  • 3. CONCEITOS E OBJETIVOS DA ENFERMAGEM CIRÚRGICA É a unidade hospitalar onde permanecem os indivíduos nos períodos pré e pós-operatórios, e onde são preparados para o ato cirúrgico e auxiliados, após eles, onde monitoramos A recuperação e o equilíbrio hemodinâmico. Hemodinâmico: respeito à pressão arterial, frequência cardíaca, fluxo sanguíneo, entre outros...
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48.
  • 49.
  • 50.
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59.
  • 60.
  • 61.
  • 62.
  • 63.
  • 64.
  • 65. ● Mesa de auxiliar mesa de mayo
  • 68.
  • 69. O bisturi monopolar é composto por uma unidade geradora onde são conectados a caneta do bisturi e uma placa neutralizadora da corrente. A caneta é a parte estéril do bisturi que entra em contato com o campo operatório e passa a corrente elétrica para a placa. Este tipo de bisturi é utilizado quando há necessidade de corte ou de coagulação, ou de ambos. No corte, a caneta entra em contato com o tecido, provocando o seu aquecimento até as células se desintegrarem. Na coagulação, o tecido recebe uma quantidade de calor apenas suficiente para secar as células.
  • 70. O bisturi bipolar também é composto de uma unidade geradora, mas de menor potência que a do bisturi monopolar, e de uma caneta ou pinça bipolar. Esse tipo de aparelho é indicado apenas para a coagulação, e tem a vantagem de dispensar o uso da placa neutralizadora, pois a corrente só passa entre as duas pontas da pinça. O uso do bisturi bipolar é indicado para tecidos sensíveis, em áreas pequenas e localizadas, preservando os tecidos vizinhos no local da coagulação.
  • 71. EQUIPE A equipe multiprofissional que participa do ato cirúrgico é composta por cirurgião, anestesista e equipe de enfermagem (enfermeiro, instrumentador, circulante, técnicos e auxiliares), cabendo a todos, atividades específicas,
  • 72. OBRIGAÇÕES – TÉCNICO EM ENFERMAGEM
  • 73. Compete ao Técnico de Enfermagem do Centro Cirúrgico: ● I- Receber o paciente no CC. ● II- Participar da reuniões com seu enfermeiro quando solicitado. ● III- Colaborar com o enfermeiro nos treinamentos de funcionários. ● IV- Desenvolver procedimento técnico, conforme orientação do enfermeiro. ● V- Conservar seu ambiente limpo e em ordem. ● VI- Manter uma boa relação interpessoal com a equipe interdisciplinar. ● VII- Zelar pelo correto manuseio dos equipamentos. ● VIII- Estar ciente sobre as cirurgias marcadas para a sala de sua responsabilidade. ● IX- Dar prioridade aos procedimentos de maior complexidade, conforme ● orientação do enfermeiro. ● X- Prover as salas com matérias e equipamentos adequados, de acordo com cada ● tipo de cirurgia e com a necessidade individuais do paciente descritas pelo planejamento do enfermeiro.
  • 74. ● XI-Remover as sujidades dos equipamentos levando em consideração as ● orientações feitas pela CCIH e verificar a limpeza das paredes, pisos e mobiliários realizada ● pela higienização comunicando qualquer intercorrência ao enfermeiro. ● XII- Checar o funcionamento de gases e equipamentos. ● XIII- Notificar possíveis Intercorrências ao enfermeiro. ● XIV- Colaborar com a conferência do Check list. ● XV- Utilizar-se da roupa privativa somente no setor; ● XVI- Apresentar-se corretamente segundo as medidas que possibilitam a maior, ● segurança para o paciente, tais como a utilização da touca/gorro, máscara cobrindo boca e nariz, ● do pro pé, evitando sempre a utilização de adornos e adereços durante qualquer procedimento ● de enfermagem no Centro Cirúrgico, SRPA e Central de Material e Esterilização;
  • 75. Técnico de Enfermagem: Auxiliar direto da enfermeira, a este profissional são delegadas também tarefas especiais, como: verificar o funcionamento, a conservação e manutenção dos equipamentos necessários ao funcionamento do Centro Cirúrgico: responsabilizar-se pelo encaminhamento das peças cirúrgicas ao laboratórios especializados de Patologia e controlar o material esterilizado, verificando seus prazos de validade. Pode também exercer as atividades de circulante de sala, responsabilizando-se pelo cumprimento das rotinas de controle de material da Unidade e de cada Sala de Operação.
  • 76. Circulante de sala: papel normalmente exercido pelo auxiliar de enfermagem (rever porque não formamos mais Auxiliar de Enfermagem. Sugestão: incluir nas atividades do Técnico de Enfermagem), embora as unidades fechadas como UTI e Centro Cirúrgico, por Legislação, que a equipe de saúde tenha nível médio com Habilitação Profissional Técnica. Atribuições: atendimento direto das solicitações da equipe médica no decorrer do ato cirúrgico; posicionamento adequado do paciente e sua assistência o pré operatório e controle de todos os equipamentos exigidos pela cirurgia.
  • 77. ATRIBUIÇÕS DO CIRCULANTE EM UMA SALA DE OPERAÇÕES: 1. Montagem de uma sala de cirurgia A) Saber quais são as operações marcadas para a sala sob sua responsabilidade, os respectivos horários e a existência ou não de solicitação de equipamento ou material especifico; B) Verificar a limpeza os pisos e paredes da sala; C) Equipar a sala com aparelhos solicitados; D) Remover o pó dos equipamentos com tecido embebido em álcool etílico a 70%; E) Testar o funcionamento dos aparelhos elétricos, inclusive os focos, pontos e gás, luz e aspirador, regular temperatura da sala; F) Verificar se o lavabo está equipado para lavagem e antissepsia das mãos e antebraços; G) Revisar os materiais existentes na sala, tais como: Medicações, antisépticos e impressos, complementando o que falta e providenciar o material específico de cada operação. H) Verificar as medicações e os impressos; I) Equipar o carro de anestesia e colocá-lo à cabeceira da mesa cirúrgica; J) Colocar o pacote de campos e o de aventais, as luvas e a caixa de instrumental em local acessível para sua utilização; K) Preparar soro morno, se necessário
  • 78. Cuidados após Cirurgia Simples: A) Desligar o foco e aparelhos elétricos; B) Remover os campos e pinças que estão sobre o paciente; C) Transferir o paciente para maca; D) Providenciar o transporte do paciente, encaminhando com o prontuário completo; E) Separar a roupa utilizada na cirurgia e encaminhar; F) Separar o material de vidro, cortante, borracha e instrumentais, as pinças dever ser abertas e colocadas em uma bacia com solução desencrostante; G) Encaminhar a peça anatômica identificada. ●
  • 79. Sala de Recuperação Pós Anestésica (RPA): Destina-se a receber e prestar assistência à pacientes sob ação anestésica. É a unidade onde o paciente é observado intensivamente até que as possibilidades de desenvolvimento de asfixia, choque ou outras complicações, requerendo ressuscitação ventilatória ou circulatória já não existam. Deve localizar-se o mais próximo das salas cirúrgicas, permitindo o fácil acesso ao atendimento dos cirurgiões, dos anestesistas e da equipe de enfermagem. É composta basicamente de: ● Macas com grades laterais de proteção com suporte de soro e ● movimento(s); ● Esfigmomanômetro e estetoscópio individual por leito; ● Aspiração de secreção de parede / Vácuo (1 por leito); ● Aspirador de secreção móvel; ● Dispositivo de oxigênio com fluxômetro em cada leito; ● Ar Comprimido; ● Mesa de cabeceira com suporte; ● Carro para parada cardio-respiratória (desfibrilador, material para ● entubação); ● Armário(s); ● Monitor Cardíaco; ● Oxímetro de pulso; ● Outros
  • 80. Assistência ao pré-operatório De um modo geral, o objetivo do pré-operatório é garantir adequada preparação do doente para cirurgia, promovendo assim a segurança cirúrgica e o bem estar do paciente. Aqui é de total importância ter um tempo para fazer todas as perguntas, sem induzi-lo. Cuidados gerais Os cuidados começam quando recebe o paciente na porta do CC, PRIMEIRAMENTE, conferir todos os dados do paciente NÃO FALA O NOME (deixa que ele fale), tenha sensibilidade em perceber o estado emocional do paciente; não fale alto, seja gentil. Se possível senta o paciente antes de colocá-lo na maca de cirurgia; depois que estiver na maca (afira a PA, por favor não esqueça), se tem alergia a algum medicamento; anota tudo que puder (respaldo) Preparo da pele: esse procedimento tem como finalidade eliminar ao máximo a flora bacteriana que normalmente habita a pele do paciente. .
  • 81. ● Preparar psicologicamente o paciente; ● Controlar de SSVV. ● Preparar e orientar sobre a cirurgia ; ● Observar e orientar quanto à higiene ● ATENTE PARA ESTE ÍTEM, POIS DEPENDENDO DA MANEIRA DE COMO SE FALA O PACIENTE PODE FICAR MAIS APREENSIVO.
  • 82. Preparo intestinal/lavagem intestinal: Para a maioria das cirurgias, principalmente as realizadas sob anestesia geral, é importante o reto estar vazio, evitando, assim, que o que o paciente evacue durante o ato cirúrgico. Em função do tipo de cirurgia a ser realizada, o médico prescreverá o preparo adequado, que pode variar desde ouso de laxante até a aplicação de clister (clister de glicerina é uma solução reta, usado via retal) ou lavagem intestinal. Uma cirurgia de intestino grosso, por exemplo, exige um preparo maior, para o órgão ficar o mais vazio e limpo possível. Nesses casos, o laxante é administrado dias antes, mas o clister e a lavagem são feitos na véspera da operação. Já em cirurgias de pequeno porte, pode- se dispensar a execução desse preparo, desde que o paciente tenha evacuado normalmente na manhã do dia da cirurgia.
  • 83. Um intestino limpo permite a visualização acurada do sitio cirúrgico e previne traumas intestinais ou contaminação acidental do peritônio por fezes. Um enema evacuador ou um laxante é prescrito para a noite que antecede a cirurgia, e pode ser repetido na manhã do dia da cirurgia.Quando uma cirurgia intestinal é programada,antibióticos também podem ser prescritos para reduzir a microbiota intestinal. As vezes usamos o clister que é a lavagem do intestino e feitos na véspera da operação. Já em cirurgias de pequeno porte, pode-se dispensar a execução desse preparo, desde que o paciente tenha evacuado normalmente na manhã do dia da cirurgia. Um intestino limpo permite a visualização acurada do sitio cirúrgico e previne traumas intestinais ou contaminação acidental do peritônio por fezes. Um enema evacuador ou um laxante é prescrito para a noite que antecede a cirurgia, e pode ser repetido na manhã do dia da cirurgia. ●
  • 84. O cateterismo vesical de alívio ● É o esvaziamento completo e imediato da bexiga, recomendado somente para casos de retenção urinária temporária. Para isso, um cateter estéril é introduzido através da uretra até a bexiga, assim a urina é eliminada causando alívio ao paciente. Obs.: SVD é privativo do enfermeiro
  • 85. SONDA NASOGÁSTRICA E ORIENTAÇÃO DIETÉTICA ● É introduzida a sonda por via nasal ou oral e chega até o estômago. Esse procedimento é indicado para descomprimir o estômago, eliminar gases e líquidos. ● Obs. É um procedimento privativo do enfermeiro
  • 86. OS CUIDADOS IMPORTANTE Fixação ● Para evitar retrações e o deslocamento da sonda, ela deve ser fixada à pele do paciente com um esparadrapo ou uma fita hipoalergênica. A fita deve ser trocada com regularidade, ou sempre que estiver descolando. ● Lave o nariz com água e sabão e seque bem, antes de colar novamente, mas sem esfregar, tomando cuidado para não deixar o tubo dobrar e nem passar na frente dos olhos ou da boca.
  • 87. Aspiração ● Antes de administrar qualquer substância via sonda, é necessário aspirar o líquido que está dentro do estômago. Dobre a ponta da sonda e aperte, evitando a entrada de ar no tubo e, então, retire a tampa. ● Encaixe a seringa, desdobre o tubo e puxe o êmbolo, aspirando o conteúdo gástrico. Caso o volume aspirado corresponda a mais da metade da refeição anterior, é recomendado aguardar para alimentá- la mais tarde. O conteúdo aspirado deve sempre ser reposto. ● Ao término, dobre novamente a ponta da sonda, repetindo o procedimento para que não entre ar no tubo e retire a seringa, voltando a tampá-la
  • 88. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS COMPLICAÇÕES E DESCONFORTOS NO PÓS - OPERATÓRIO Complicações Imediatas: ● Náuseas e Vômitos: São transtornos frequentes no pós-operatório imediato. O grande problema é a aspiração que pode causar asfixia e levar ao óbito ou pneumonia aspirativa. Em caso de SNG deve-se desobstruí-la. As principais causas são: ● Efeitos dos anestésicos principalmente os utilizados em anestesia geral; ● Deglutição de sangue e secreções nas cirurgias de nariz e garganta; Cuidados de enfermagem: ● Lateralizar a cabeça para escoamento do vômito, evitando aspiração; ● Suspender ingestão V.O; ● Administrar antiemético via parenteral conforme prescrição médica; ● Anotar e comunicar o número de vezes e a quantidade eliminada; ● Manter o paciente e o ambiente higienizado.
  • 89. COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Conceito: É o período que vai desde o término do ato cirúrgico até a alta hospitalar. ● Podem também ser gerais, especiais ou específicas. A complicação geral é aquela que pode acontecer com qualquer paciente, independentemente do tipo de procedimento cirúrgico como hemorragia, atelectasia pulmonar (é um distúrbio esofágico neurogênico, afeta o mecanismo de funcionamento da cárdia (esfíncter esofágico inferior), resultando em dificuldade de passagem de alimento do esôfago para o estômago), insuficiência renal aguda e doença tromboembólica. ● Obs. Quando o paciente sai da sala de cirurgia, levamos para SRPA sala de Recuperação pós anestésica, nos técnicos que preparamos, averiguamos se tudo esta funcionando, caso não esteja, a nossa obrigação é comunicar o enfermeiro...a sala deve estar montada sempre, com todos os equipamentos funcionando, OXIGÊNIO, APARELHO PARA ASPIRAÇÃO, ETC... aqui não podemos achar que esta funcionando temos que ter certeza. ● Obs.: SINAIS VITAIS COMPLETO, não copie e cole. È uma vida que precisa dos seus cuidados
  • 90. CIRURGIAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO Assistir psicologicamente, alguns não conseguem falar e ficam curiosos com os resultados do tratamento, temem o câncer e a morte; ● Verificar sinais vitais; ● Higiene oral criteriosa e com uso de anti-sépticos orais para reduzir a flora bacteriana; ● Cuidados com hidratação venosa; ● Atentar para a higiene oral; ● Umidificar o ambiente, pois o ar frio e seco é irritante às mucosas. ● Aspirar secreções sempre que necessário; ● Transmitir confiança, fazer reforço positivo ● Trocar recipiente de nebulizador, latéx silicone ou PVC e máscara a cada 24h ● OBS> SINAIS VITAIS .
  • 91. ● COMPLICAÇÕES RESPIRATÓRIAS Limitação na expansão pulmonar acumulo de secreção traqueobronquica e dificuldade do cliente em elimina-la. Atelectasia: colabamento dos alvéolos . - Ações: pulmonares pela obstrução dos brônquios por tampão mucoso. Manutenção da ventilação (artificial) Manifestações: aumento na frequência Permeabilidade das vias respiratória. Dispnéia, hipoventilação. Estimulação da tosse, Estimulação de exercícios respiratórios, Realizar nebulização, mudança de decúbito. - Complicações urinárias. Complicações urinárias: infecção urinária e a retenção urinária(bexigoma), é geralmente causada por falhas na técnica de sondagem vesical e refluxo da urina. Manifestação: hipertermia, disúria e alterações nas características da urina. - Ações: higiene íntima adequada do cliente, bem como técnica asséptica na passagem da sonda e sempre utilizar extensões, conectores e coletores esterilizados com sistema fechado de drenagem. - Retenção urinária: medicando o cliente contra a dor, promovendo sua privacidade, mudando- lhe de posição (se não houver contra-indicação) e avaliando a presença de dobraduras e grumos nas extensões das sondas e drenos nas proximidades da bexiga.
  • 92. COMPLICAÇÕES GASTRINTESTINAIS Náuseas e vômito Os efeitos colaterais dos anestésicos e a diminuição do peristaltismo ocasionam distensão abdominal, acúmulo de líquidos e restos alimentares no trato digestório; em consequência, o cliente pode apresentar náuseas e vômito. - Ações: clientes sem sonda nasogástrica devem ser colocados em decúbito lateral ou com a cabeça lateralizada para facilitar a drenagem do vômito pela boca. - Ações: clientes com sonda nasogástrica, abrir a sonda e, mantendo-a aberta, proceder à aspiração para esvaziar a cavidade gástrica. Administrar antieméticos, passar a sonda nasogástrica (mantendo- a aberta) e aspirar mais frequentemente o conteúdo gástrico, de acordo com as orientações da enfermeira e/ou médico. - Constipação intestinal: Diminuição do peristaltismo provocada pelo efeito colateral do anestésico, imobilidade prolongada no leito, quadro inflamatório, exposição e manipulação do intestino durante as cirurgias abdominais e o medo da dor. Como resultado, ocorre retenção de fezes acompanhada ou não de dor, desconforto abdominal e flatulência. - Ação: movimentação no leito, deambulação precoce, ingestão de líquidos e aceitação de alimentos ricos em celulose. A aplicação de calor na região abdominal e a orientação, ao cliente, para que degluta menos ar ao beber ou ingerir alimentos pode ajudar no retorno do movimento peristáltico e diminuir o acúmulo de gases. promover sua privacidade para que possa eliminar os gases e, o médico pode prescrever laxante no período noturno e/ou lavagem intestinal. - Sede: Provocada pela ação inibidora da atropina, perdas sanguíneas e de líquidos pela cavidade exposta durante o ato operatório, sudorese e hipertermia. - Ação: A equipe de enfermagem deve observar a presença de sinais de desidratação (alteração no turgor da pele e da PA e diminuição da diurese), manter a hidratação por via oral e, nos Clientes impossibilitados de hidratar-se por via oral, umidificar os lábios e a boca, realizar higiene oral e manter hidratação endovenosa.
  • 93. As feridas cirúrgicas, durante o processo de cicatrização, podem apresentar complicações como o hematoma, infecções e deiscências. O hematoma é uma coleção de sangue sob a pele, na ferida cirúrgica, que resulta em formação de coágulo que pode levar horas. A deiscência da sutura cirúrgica, é uma complicação grave na qual os bordos da ferida, que estão unidos por uma sutura, acabam abrindo e se afastando, aumentando o risco de infecção e dificultando a cicatrização
  • 94. Os sinais vitais é de extrema importância pós cirurgia ● Eutermia ou normotermia: valor dentro da normalidade ● = 36°C a 37°C ● Febril ou febrícula: valor de 37,5°C a 38°C ● Febre: valor de 38,1°C a 39°C ● Pirexia: de 39,1°C a 40°C ● Hiperexia ou hipertermia: acima de 40°C ● Hipotermia: abaixo de 36°C
  • 95.
  • 96. CUIDADOS DE ENFERMAGEM (GENITAL, URINÁRIO) Hemorragia Interna: os cuidados de enfermagem nesse caso visam a detecção e a prevenção do agravamento: ● Deixar o paciente em repouso absoluto; ● Manter o paciente aquecido; ● Avisar o médico imediatamente; ● Controlar SSVV frequente e rigorosamente. ● Hemorragia Externa: pode ser de maior facilidade de controle por ser visível. Os cuidados incluem: ● Repouso no leito; evitando o aumento do sangramento; ● Fazer compressão direta sobre o local que está sangrando utilizando compressas estéreis;
  • 97. O QUE É ESTOMA E QUAIS OS CUIDADOS COM ESTOMAS? ● Exitem vários. São orifícios abertos intencionalmente, através de intervenção cirúrgica, para comunicar órgãos ocos à superfície corporal dos pacientes. Favorece a administração de oxigênio, de alimentos e drenagem de efluentes. Há três tipos de estoma. Os três tipos de estoma são: Colostomia, ileostomia e urostomia. Em uma operação de colostomia, parte do seu cólon é trazido para a superfície de seu abdome para formar o estoma.
  • 99. ● GASTROSTOMIA (GTT) ● É um procedimento cirúrgico que estabelece o acesso à luz do estômago através da parede abdominal. As técnicas empregadas para realização da gastrostomia são: cirurgia através de laparotomia, via endoscópica ou através de laparoscopia. CUIDADOS: Assim, é necessário realizar a limpeza da sonda após o uso. Aplique 30 ml de água filtrada antes e após cada utilização, para assepsia. Injete com cuidado para que a pressão da água não rompa a sonda. Limpe também a parte externa do tubo, com gaze, água e álcool 70%, pelo menos, uma vez ao dia.
  • 100.
  • 101. ILEOSTOMIA Ileostomia é quando essa abertura cirúrgica é feita especificamente no intestino delgado. As fezes passam a ser coletadas por uma bolsa de ostomia (ou bolsa de ileostomia), que deve ser esvaziada várias vezes durante o dia. ● ●
  • 102. TRAQUEOSTOMIA ● O tubo de traqueostomia é colocado entre a segunda e terceira cartilagem traqueal ● A traqueostomia (ou estoma traqueal) é um procedimento cirúrgico realizado para possibilitar a entrada de oxigênio em situações em que a passagem de ar está obstruída. Para isso, é feita uma abertura (estoma) na parede da traqueia, que é mantida afastada por meio de um tubo de metal ou de plástico, chamado de cânula.
  • 103. NOÇÕES DE ANESTESIA E ANALGESIA ● Analgesia - as drogas usadas têm o objetivo apenas de aliviar ou minimizar a dor. Ou seja, elas provocam a ausência ou o amortecimento da dor sem perda de consciência. ● Anestesia - são usadas drogas anestésicas no paciente para que o cérebro dele não reaja à dor durante um procedimento cirúrgico. Obs.: Por CAUSA da correria às vezes os médicos pedem que faz para administrar medicamento sem prescrever, muito cuidado.
  • 104. ● TIPOS DE ANESTÉSIA Objetivo: Estado de relaxamento, perda da sensibilidade e dos reflexos, deforma parcial ou total, provocada pela ação de drogas anestésicas, é evitar a dor e facilitar o ato operatório pela equipe cirúrgica. Anestesia geral ( inconsciência.) Anestesia geral: administra-se o anestésico por via inalatória, endovenosa ou combinado (inalatória e endovenosa), com o objetivo de promover um estado reversível de ausência de sensibilidade, relaxamento muscular, perda de reflexos e inconsciência devido à ação de uma ou mais drogas no sistema nervoso .Raqui anestesia é indicada para as cirurgias na região abdominal e de membros inferiores, porque o anestésico é depositado no espaço subaracnóide da região lombar, produzindo insensibilidade aos estímulos dolorosos por bloqueio da condução nervosa. Anestesia peridural: o anestésico é depositado no espaço peridural, ou seja, o anestesista não perfura a duramater. O anestésico se difunde nesse espaço, fixa-se no tecido nervoso e bloqueia as raízes nervosas. Anestesia local: infiltra-se o anestésico nos tecidos próximos ao local da incisão cirúrgica. Utilizam-se anestésicos associados com a adrenalina, com o objetivo de aumentar a ação do bloqueio por vasoconstrição e prevenir sua rápida absorção para a corrente circulatória . Anestesia tópica: está indicada para alívio da dor da pele lesada por feridas, úlceras e traumatismos, ou de mucosas das vias aéreas e sistema geniturinário.
  • 105. POSIÇÕES CIRÚRGICAS ● São manobras que merecem alguns comentários pois, destinadas a facilitar a execução do ato cirúrgico, podem dificultar as condições de observação e controle por parte dos anestesista, bem como ter repercussões no período pós- operatório. ● OBS: a escolha da posição cirúrgica cabe ao cirurgião enquanto que o anestesista devera fazer os ajustes necessários para a administração dos anestésicos e observação dos seus efeitos. Facilidade dos movimentos respiratórios ● Não comprimir terminações nervosas ou vasos sanguíneos, para isso deve-se ● proteger com panos ou faixas qualquer parte do corpo que exija restrições, que ● devem ser relativamente confortáveis. ● Não deixar os membros do cliente pendentes na mesa operatória. ● Evitar, sempre que possíveis distensões musculares em qualquer parte do corpo.
  • 106.
  • 107.
  • 108.
  • 109.
  • 110.
  • 111.
  • 112.
  • 113.
  • 114.
  • 115. POSIÇÃO DE TRENDELENBURG OU TRENDELENBURG MODIFICADA ● São geralmente usadas para cirurgia do abdome inferior (permite que a gravidade ● ajude a manter as alças intestinais na parte superior da cavidade abdominal) e em algumas cirurgias nos membros inferiores ajudando na hemostasia. O paciente é colocado em posição supina e toda a mesa de operação é levemente inclinada para que a cabeça do paciente fique mais baixo que seus pés em alguns graus. Esta posição as vezes pode interferir na respiração porque o peso adicional dos órgãos internos comprime o diafragma, o que pode ocasionar em dificuldades respiratórias
  • 116. POSIÇÃO DE TRENDELENBURG REVERSA OU PROCLIVE ● Esta posição é geralmente usada para a cirurgias da cavidade abdominal superior e da cabeça e pescoço, permite uma exposição operatória melhor porque a gravidade mantêm as alças intestinais na parte inferior do abdome. Também, como a cabeça elevada levemente, a hemostasia se torna mais fácil nas operações deste sangramento. OBS: Quando for usada para cirurgia de pescoço e face, o dorso da mesa deve ser elevado e um coxim roliço pesado sob os ombros do paciente para hiperestender o pescoço, apenas o suficiente para facilitar o ato cirúrgico. O paciente é colocado em supina e toda a mesa é inclinada para que a cabeça fique mais alta que os pés, eventualmente um apoio para os pés pode ser usado se a inclinação da mesa for muito grande.
  • 117. ● A posição de Fowler: modificada ou posição sentada, é usada na maioria das vezes para cirurgias neurocirurgias, mamoplastias e abdominoplastias. O paciente deve ser cuidadosamente posicionado sobre as dobras da mesa, o dorso fica elevado e um suporte para os pés deve ser colocado. ● A posição lateral: geralmente é utilizada nas operações nos rins, pulmões ou quadril. O paciente a indução da anestesia na posição supina e é cuidadosamente virado para a posição lateral após o anestesista dar permissão. Posicionadores como coxins podem ser usados para manter o paciente lateralizado. Em alguns casos, uma fita longa de 5 a 10cm de esparadrapo é passada pelo quadril e pelo ombro para imobilizá-lo com ● segurança na mesa operatória, a perna interior é flexionada e a levemente flexionada, separadas por um travesseiro que previne compressões vasculares e nervosas entre ambas.
  • 118. DECUBITO VENTRAL OU POSIÇÃO DE PRONA ● Usadas em pacientes que serão submetidos a cirurgia na parte posterior do corpo. ● A indução da anestesia geral é feita na posição de supina, após o anestesista autorizar, o paciente pode ser mobilizado cuidadosamente pela equipe. São colocados dois coxins debaixo das axilas e aos lados do tórax, que permitem melhor expansão pulmonar e diminuem a pressão na mamas das pacientes femininas, os braços são colocados em braçadeiras bem almofadadas, estendidos para fora e com as palmas voltadas para baixo, a cabeça do paciente deve
  • 119. POSIÇÃO GINECOLOGICA É usada em cirurgias que requerem uma abordagem perineal ou anal. O paciente deve ser colocado em posição supina após a indução anestésica, com as nádegas próximas a dobra inferior da mesa de operações, após o anestesista permitir duas pessoas (cada uma movendo uma perna) dobram-nas e colocam as panturrilhas utensílios com o nome de perneira, que devem ser protegidas com pano para que o paciente não tenha contatos com metal, ambos as perneiras devem ser colocadas na mesma altura e no mesmo ângulo de afastamento, em seguida, o segmento inferior da mesa é retirado ou abaixado em ângulo reto, ficando exposto a região perineal, as mãos do paciente são colocados em braçadeiras laterais.
  • 120.
  • 121.
  • 122.
  • 123.
  • 124.
  • 125.
  • 126.
  • 127.
  • 128.