SlideShare uma empresa Scribd logo
FARSA DE INÊS PEREIRA
 Género dramático que se centra no relacionamento humano, familiar e amoroso,
na oposição dos valores tradicionais e convencionais a valores individuais e
pessoais e no recurso frequente a um triângulo amoroso.
Farsa
 A nível formal/estrutural apresenta as seguintes características:
o ausência de divisão em atos e cenas;
o despreocupação com as unidades de tempo e de espaço;
o utilização de parcos recursos cénicos;
o reduzido número de personagens;
o abundância de tipos sociais característicos da época;
o presença eventual de uma personagemmodelada que evolui psicológica e
moralmente;
o delineamento de uma intriga com uma exposição, desenvolvimento e
desenlace;
o presença de sátira, fonte de cómico.
o Linguagem popular e arcaica.
o Sintaxe pouco elaborada.
o Uso predominante da redondilha maior (7 sílabas métricas).
 Inês Pereira é uma jovem solteira que anseia pelo casamento,
reclama da sorte por estar presa em casa, aos serviços
domésticos, cansando-se deles. Imagina casar-se com um
homem que, ao mesmo tempo, seja alegre, bem-humorado,
galante e que goste de dançar e cantar: tal logo se percebe na
primeira conversa que estabelece com a sua mãe e Lianor Vaz.
Estas duas têm uma visão mais prática do matrimónio: o
importante é que o marido cumpra com as suas obrigações
financeiras, enquanto que Inês está apenas preocupada com o
lado prazeroso, cortesão.
Farsa de Inês Pereira (resumo)
 O primeiro candidato, apresentado por Lianor Vaz, é
Pero Marques, camponês de posses, o que satisfazia
a ideia de marido, na visão da sua mãe, mas era
extremamente simplório, grosseirão, desajeitado,
factos que desagradam a Inês. Por isso, Pero
Marques é logo descartado, enquanto pretendente.
 Inês Pereira aceita, então, a proposta de dois Judeus
casamenteiros, Latão e Vidal, que somente se
interessam pelo dinheiro que o casamento arranjado
lhes pode render, não dando importância ao bem-
estar da moça. Então, apresentam-lhe Brás da Mata,
um escudeiro, que se mostra exatamente do modo
que Inês esperava, apesar das desconfianças da sua
mãe.
 Eles casam-se. No entanto, consumado o casamento, Brás da Mata, o seu recém-
marido, mostra ser um tirano, proibindo-a de tudo, até de ir à janela. Chega a pregar
as janelas para que Inês não olhe para a rua. Proíbe-a de cantar dentro de casa, pois
quer uma mulher obediente e discreta.
 Encarcerada na sua própria casa, Inês sente-se desgraçada. Mas a desventura dura
pouco, pois Brás da Mata torna-se cavaleiro e é chamado para a guerra, onde morre
nas mãos de um mouro pastor, enquanto fugia de forma cobarde.
 Viúva e mais experiente, fingindo tristeza pela morte do marido tirano, Inês aceita
casar-se com Pero Marques, o seu antigo pretendente. Este mostra-se bastante
diferente do primeiro marido, concedendo a Inês toda a liberdade que ela deseja.
Assim, a moça consegue sair e passear quando quer. Num desses passeios, encontra-
se com um Ermitão, que revela ser um seu antigo apaixonado. Inês compromete-se a
visitá-lo na sua ermida.
 Inês consegue que Pero Marques a conduza até ao local,
com o pretexto de o Ermitão ser um homem santo. O
marido chega a carregá-la às costas, enquanto atravessam
um rio. Durante a travessia, cantam uma música carregada
de ironia, na qual Inês chama o marido de “cervo” e de
“cuco” (gíria da época para “marido enganado”). Seguindo
o refrão da canção, Pero Marques limita-se a repetir: “Pois
assim se fazem as cousas”.
 Assim, Gil Vicente dá voz ao ditado/ mote que lhe foi
lançado: «Mais quero asno que me leve que cavalo que me
derrube.»
A representação do quotidiano
Representação de hábitos de vida e de costumes do dia a dia exibidos em várias cenas da
farsa.
• Estatuto da mulher, em particular da jovem solteira
• a falta de liberdade da rapariga solteira, confinada à casa da mãe e a viver sob o
jugo desta;
•a ocupação em tarefas domésticas (bordar, coser);
• o casamento como meio de sobrevivência e de fuga à submissão da mãe;
•diferentes conceções de vida e de casamento – diferenças intergeracionais;
• a tradição da cerimónia do casamento, seguida de banquete; a importância (ou não)
dada ao dote;
• a prática religiosa (ida à missa);
• a submissão ao marido da mulher casada e o seu «aprisionamento» em casa;
• o adultério.
• A presença de tipos que nos dão uma ideia de funções sociais significativas
Alcoviteira - o hábito de recorrer a alcoviteiras (Lianor Vaz) e os Judeus modo de vida
popular (Pêro Marques) vs modo de vida cortês (Brás da Mata);
Pêro Marques – camponês rude e simples, desconhecedor dos hábitos da vida urbana e
vivendo do trabalho rural duro e sem distinção social;
Escudeiro – figura sem destaque social, mas com aspiração a promoção. A decadência
da nobreza que procurava enriquecer através do casamento e buscava o prestígio
perdido na luta contra os mouros;
Judeus – cumprem um papel semelhante ao da alcoviteira, a pedido de Inês Pereira. O
tipo do judeu associa-se sobretudo ao negócio (neste caso, o dos casamentos
encomendados) e às diligências para obter lucro;
Ermitão – a devassidão do clero; a corrupção moral de mulheres que se deixavam
seduzir por elementos do clero; o episódio relatado por Lianor Vaz.
Presença da sátira, fonte de cómico
Mundo às avessas / subversão da ordem social estabelecida
– crise de valores (hipocrisia, tirania, adultério, devassidão do clero,
culto da aparência)
– conflitos sociais em potência (casamento entre pessoas de classes
sociais distintas)
Mecanismos
– Personagens-tipo (tipos sociais característicos da época)
– Recurso ao cómico (de situação, de caráter e de linguagem)
A sátira, estreitamente ligada ao cómico, ao riso e ao caricatural,
recai principalmente sobre as personagens de Inês Pereira, Pêro
Marques e Brás da Mata.
Dimensão Satírica
• A sátira torna evidente que, nesta sociedade, certos atributos – a ambição, a
ostentação, o fingimento – devem ser tratados como defeitos que importa criticar.
• Exige também uma certa cumplicidade com o público – facilmente alerta o
espetador para hábitos e figuras que ele reconhece e que importa corrigir.
Dimensão satírica - exemplos
Inês Pereira:
apresenta-se como revoltada contra os trabalhos domésticos;
• pretende libertar-se através de casamento;
• tem uma noção idealizada do casamento, muito longe da realidade;
• pretende um marido que seja bem-falante, tocador de viola, sedutor, mesmo que
nada tenha de comer; • é castigada quando vê desabar, na prática, o seu engano, a
sua conceção de casamento;
• encaminha-se, às costas do marido, para um encontro amoroso que fará de si
adúltera.
Pêro Marques:
• é visto pela primeira vez a caminhar desajeitadamente em busca da casa de Inês;
• revela incapacidade de falar, de seduzir;
• traz presentes inadequados para Inês;
• expõe a sua rusticidade de campónio que desconhece a função da cadeira;
• mostra a sua ingenuidade em assuntos amorosos, pois, encontrando-se de noite com Inês, não aproveita
para lhe dizer palavras de amor;
• leva a mulher às costas , com docilidade e ingenuidade, para se encontrar com um amante: é o modelo
do marido enganado e complacente – sem perdão, é castigado pelo riso.
Brás da Mata:
• reconhecimento, aquando da sua entrada em cena, acompanhado pelo Moço, de uma figura velha
conhecida: o escudeiro pelintra, fanfarrão, pretensioso;
• palavras do Moço, que, direta ou indiretamente, em vários apartes, castiga o amo ao lembrar-lhe a
pobreza esfomeada e descalça em que vive, ou se espanta com as manias de grandeza de quem até a viola
tem de pedir emprestada…;
• respostas do Escudeiro aos pedidos do Moço, a indicar caminhos de mentira e de dissimulação, ou a
propor-lhe o roubo para se alimentar;
• notícia do modo como morreu: fugindo cobardemente da luta.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
gracacruz
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. i
ameliapadrao
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Dina Baptista
 
Os maias personagens
Os maias personagensOs maias personagens
Os maias personagens
Fátima Teixeira Kika
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
Sara Afonso
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Maria Góis
 
Os Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e IIOs Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e II
sin3stesia
 
Um mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadosoUm mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadoso
Helena Coutinho
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
Dina Baptista
 
Os Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os LusíadasOs Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os Lusíadas
Rosalina Simão Nunes
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
Helena Coutinho
 
Os Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVIOs Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVI
Sara Leonardo
 
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Marisa Ferreira
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
Dina Baptista
 
Canto viii 96_99
Canto viii 96_99Canto viii 96_99
Canto viii 96_99
Maria Teresa Soveral
 
O resumo de Os Maias
O resumo de Os MaiasO resumo de Os Maias
O resumo de Os Maias
António Fernandes
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
nando_reis
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Anabela Fernandes
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
Helena Coutinho
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Lurdes Augusto
 

Mais procurados (20)

Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. i
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
Os maias personagens
Os maias personagensOs maias personagens
Os maias personagens
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
 
Os Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e IIOs Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e II
 
Um mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadosoUm mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadoso
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Os Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os LusíadasOs Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os Lusíadas
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Os Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVIOs Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVI
 
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Canto viii 96_99
Canto viii 96_99Canto viii 96_99
Canto viii 96_99
 
O resumo de Os Maias
O resumo de Os MaiasO resumo de Os Maias
O resumo de Os Maias
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
 

Semelhante a sintese_farsa_ines.ppt

Farsadeinespereira
FarsadeinespereiraFarsadeinespereira
Farsadeinespereira
Diana Oliveira
 
Auto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês PereiraAuto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês Pereira
nanasimao
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereira
nanasimao
 
Resumos de literaturaportuguesa
Resumos de literaturaportuguesaResumos de literaturaportuguesa
Resumos de literaturaportuguesa
Rosário Pinto
 
Literaturaportuguesa
LiteraturaportuguesaLiteraturaportuguesa
Literaturaportuguesa
Conceicao Mousinho
 
49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf
49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf
49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf
MarianaAlmeida674808
 
Resumo exame.docx
Resumo exame.docxResumo exame.docx
Resumo exame.docx
CarolinaRodrigues818742
 
resumo das obras de pt.pdf
resumo das obras de pt.pdfresumo das obras de pt.pdf
resumo das obras de pt.pdf
Margarida347059
 
A Farsa de Inês.docx
A Farsa de Inês.docxA Farsa de Inês.docx
A Farsa de Inês.docx
HELENAFERREIRA976148
 
Análise literária josimar porto -paes-uema-2012
Análise literária josimar porto -paes-uema-2012Análise literária josimar porto -paes-uema-2012
Análise literária josimar porto -paes-uema-2012
minafirmeza
 
Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI.
Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI. Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI.
Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI.
Rita Magalhães
 
Auto da Índia – Gil Vicente
Auto da Índia – Gil VicenteAuto da Índia – Gil Vicente
Auto da Índia – Gil Vicente
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
O primo basilio
O primo basilioO primo basilio
O primo basilio
Guilherme Calixto Vicente
 
O primo Basílio - Eça de Queiroz
O primo Basílio - Eça de QueirozO primo Basílio - Eça de Queiroz
O primo Basílio - Eça de Queiroz
colegiodombosco
 
Inocência-Visconde de Taunay
Inocência-Visconde de TaunayInocência-Visconde de Taunay
Inocência-Visconde de Taunay
Ragloferreira
 
Lima barreto
Lima barretoLima barreto
Lima barreto
Maria das Dores Justo
 
Senhora Cepra 3 V1
Senhora   Cepra   3 V1Senhora   Cepra   3 V1
Senhora Cepra 3 V1
Lúcia Dantas
 
Livros da literatura brasileira
Livros da literatura brasileiraLivros da literatura brasileira
Livros da literatura brasileira
Gabriel Martins
 
Os Maias XII capítulo
Os Maias XII capítuloOs Maias XII capítulo
Os Maias XII capítulo
DinisRocha2
 
EntrePalavras 10_O_Que_E_Auto_da_Feira.pdf
EntrePalavras 10_O_Que_E_Auto_da_Feira.pdfEntrePalavras 10_O_Que_E_Auto_da_Feira.pdf
EntrePalavras 10_O_Que_E_Auto_da_Feira.pdf
AngelaRamos98
 

Semelhante a sintese_farsa_ines.ppt (20)

Farsadeinespereira
FarsadeinespereiraFarsadeinespereira
Farsadeinespereira
 
Auto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês PereiraAuto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês Pereira
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereira
 
Resumos de literaturaportuguesa
Resumos de literaturaportuguesaResumos de literaturaportuguesa
Resumos de literaturaportuguesa
 
Literaturaportuguesa
LiteraturaportuguesaLiteraturaportuguesa
Literaturaportuguesa
 
49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf
49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf
49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf
 
Resumo exame.docx
Resumo exame.docxResumo exame.docx
Resumo exame.docx
 
resumo das obras de pt.pdf
resumo das obras de pt.pdfresumo das obras de pt.pdf
resumo das obras de pt.pdf
 
A Farsa de Inês.docx
A Farsa de Inês.docxA Farsa de Inês.docx
A Farsa de Inês.docx
 
Análise literária josimar porto -paes-uema-2012
Análise literária josimar porto -paes-uema-2012Análise literária josimar porto -paes-uema-2012
Análise literária josimar porto -paes-uema-2012
 
Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI.
Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI. Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI.
Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI.
 
Auto da Índia – Gil Vicente
Auto da Índia – Gil VicenteAuto da Índia – Gil Vicente
Auto da Índia – Gil Vicente
 
O primo basilio
O primo basilioO primo basilio
O primo basilio
 
O primo Basílio - Eça de Queiroz
O primo Basílio - Eça de QueirozO primo Basílio - Eça de Queiroz
O primo Basílio - Eça de Queiroz
 
Inocência-Visconde de Taunay
Inocência-Visconde de TaunayInocência-Visconde de Taunay
Inocência-Visconde de Taunay
 
Lima barreto
Lima barretoLima barreto
Lima barreto
 
Senhora Cepra 3 V1
Senhora   Cepra   3 V1Senhora   Cepra   3 V1
Senhora Cepra 3 V1
 
Livros da literatura brasileira
Livros da literatura brasileiraLivros da literatura brasileira
Livros da literatura brasileira
 
Os Maias XII capítulo
Os Maias XII capítuloOs Maias XII capítulo
Os Maias XII capítulo
 
EntrePalavras 10_O_Que_E_Auto_da_Feira.pdf
EntrePalavras 10_O_Que_E_Auto_da_Feira.pdfEntrePalavras 10_O_Que_E_Auto_da_Feira.pdf
EntrePalavras 10_O_Que_E_Auto_da_Feira.pdf
 

Mais de cnlx

Analise no dia em que eu nasci moura e pereca
Analise no dia em que eu nasci moura e perecaAnalise no dia em que eu nasci moura e pereca
Analise no dia em que eu nasci moura e pereca
cnlx
 
Analise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosaAnalise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosa
cnlx
 
Anlisedeocavaleirodadinamarca
AnlisedeocavaleirodadinamarcaAnlisedeocavaleirodadinamarca
Anlisedeocavaleirodadinamarca
cnlx
 
Alvaro de campos_esquema
Alvaro de campos_esquemaAlvaro de campos_esquema
Alvaro de campos_esquema
cnlx
 
Demografia formulas e conceitos
Demografia formulas e conceitosDemografia formulas e conceitos
Demografia formulas e conceitos
cnlx
 
Demografia formulas e conceitos
Demografia formulas e conceitosDemografia formulas e conceitos
Demografia formulas e conceitos
cnlx
 
12 por _bernardo_soares_retoma_conteudos_p68
12 por _bernardo_soares_retoma_conteudos_p6812 por _bernardo_soares_retoma_conteudos_p68
12 por _bernardo_soares_retoma_conteudos_p68
cnlx
 
Classes de palavras_determ.__pron._adv.__interj._conjun._..__ativa-passiva
Classes de palavras_determ.__pron._adv.__interj._conjun._..__ativa-passivaClasses de palavras_determ.__pron._adv.__interj._conjun._..__ativa-passiva
Classes de palavras_determ.__pron._adv.__interj._conjun._..__ativa-passiva
cnlx
 
Cesario verde
Cesario verdeCesario verde
Cesario verde
cnlx
 
Leandro
LeandroLeandro
Leandro
cnlx
 
7 8 9_fr_sons - fiche informative
7 8 9_fr_sons - fiche informative7 8 9_fr_sons - fiche informative
7 8 9_fr_sons - fiche informative
cnlx
 
Estudo accao personagens_contexto
Estudo accao personagens_contextoEstudo accao personagens_contexto
Estudo accao personagens_contexto
cnlx
 
Simbologia e linguagem em Felizmente há Luar!
Simbologia e linguagem em Felizmente há Luar!Simbologia e linguagem em Felizmente há Luar!
Simbologia e linguagem em Felizmente há Luar!
cnlx
 
Texto informativo
Texto informativoTexto informativo
Texto informativo
cnlx
 
Orações: coordenação e subordinação
Orações: coordenação e subordinaçãoOrações: coordenação e subordinação
Orações: coordenação e subordinação
cnlx
 
Article 2010 diversite culturelle
Article 2010 diversite culturelleArticle 2010 diversite culturelle
Article 2010 diversite culturelle
cnlx
 
Mat 4ºano rev
Mat 4ºano revMat 4ºano rev
Mat 4ºano rev
cnlx
 
O resumo
O resumoO resumo
O resumo
cnlx
 

Mais de cnlx (18)

Analise no dia em que eu nasci moura e pereca
Analise no dia em que eu nasci moura e perecaAnalise no dia em que eu nasci moura e pereca
Analise no dia em que eu nasci moura e pereca
 
Analise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosaAnalise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosa
 
Anlisedeocavaleirodadinamarca
AnlisedeocavaleirodadinamarcaAnlisedeocavaleirodadinamarca
Anlisedeocavaleirodadinamarca
 
Alvaro de campos_esquema
Alvaro de campos_esquemaAlvaro de campos_esquema
Alvaro de campos_esquema
 
Demografia formulas e conceitos
Demografia formulas e conceitosDemografia formulas e conceitos
Demografia formulas e conceitos
 
Demografia formulas e conceitos
Demografia formulas e conceitosDemografia formulas e conceitos
Demografia formulas e conceitos
 
12 por _bernardo_soares_retoma_conteudos_p68
12 por _bernardo_soares_retoma_conteudos_p6812 por _bernardo_soares_retoma_conteudos_p68
12 por _bernardo_soares_retoma_conteudos_p68
 
Classes de palavras_determ.__pron._adv.__interj._conjun._..__ativa-passiva
Classes de palavras_determ.__pron._adv.__interj._conjun._..__ativa-passivaClasses de palavras_determ.__pron._adv.__interj._conjun._..__ativa-passiva
Classes de palavras_determ.__pron._adv.__interj._conjun._..__ativa-passiva
 
Cesario verde
Cesario verdeCesario verde
Cesario verde
 
Leandro
LeandroLeandro
Leandro
 
7 8 9_fr_sons - fiche informative
7 8 9_fr_sons - fiche informative7 8 9_fr_sons - fiche informative
7 8 9_fr_sons - fiche informative
 
Estudo accao personagens_contexto
Estudo accao personagens_contextoEstudo accao personagens_contexto
Estudo accao personagens_contexto
 
Simbologia e linguagem em Felizmente há Luar!
Simbologia e linguagem em Felizmente há Luar!Simbologia e linguagem em Felizmente há Luar!
Simbologia e linguagem em Felizmente há Luar!
 
Texto informativo
Texto informativoTexto informativo
Texto informativo
 
Orações: coordenação e subordinação
Orações: coordenação e subordinaçãoOrações: coordenação e subordinação
Orações: coordenação e subordinação
 
Article 2010 diversite culturelle
Article 2010 diversite culturelleArticle 2010 diversite culturelle
Article 2010 diversite culturelle
 
Mat 4ºano rev
Mat 4ºano revMat 4ºano rev
Mat 4ºano rev
 
O resumo
O resumoO resumo
O resumo
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 

sintese_farsa_ines.ppt

  • 1. FARSA DE INÊS PEREIRA  Género dramático que se centra no relacionamento humano, familiar e amoroso, na oposição dos valores tradicionais e convencionais a valores individuais e pessoais e no recurso frequente a um triângulo amoroso. Farsa
  • 2.  A nível formal/estrutural apresenta as seguintes características: o ausência de divisão em atos e cenas; o despreocupação com as unidades de tempo e de espaço; o utilização de parcos recursos cénicos; o reduzido número de personagens; o abundância de tipos sociais característicos da época; o presença eventual de uma personagemmodelada que evolui psicológica e moralmente; o delineamento de uma intriga com uma exposição, desenvolvimento e desenlace; o presença de sátira, fonte de cómico. o Linguagem popular e arcaica. o Sintaxe pouco elaborada. o Uso predominante da redondilha maior (7 sílabas métricas).
  • 3.  Inês Pereira é uma jovem solteira que anseia pelo casamento, reclama da sorte por estar presa em casa, aos serviços domésticos, cansando-se deles. Imagina casar-se com um homem que, ao mesmo tempo, seja alegre, bem-humorado, galante e que goste de dançar e cantar: tal logo se percebe na primeira conversa que estabelece com a sua mãe e Lianor Vaz. Estas duas têm uma visão mais prática do matrimónio: o importante é que o marido cumpra com as suas obrigações financeiras, enquanto que Inês está apenas preocupada com o lado prazeroso, cortesão. Farsa de Inês Pereira (resumo)
  • 4.  O primeiro candidato, apresentado por Lianor Vaz, é Pero Marques, camponês de posses, o que satisfazia a ideia de marido, na visão da sua mãe, mas era extremamente simplório, grosseirão, desajeitado, factos que desagradam a Inês. Por isso, Pero Marques é logo descartado, enquanto pretendente.  Inês Pereira aceita, então, a proposta de dois Judeus casamenteiros, Latão e Vidal, que somente se interessam pelo dinheiro que o casamento arranjado lhes pode render, não dando importância ao bem- estar da moça. Então, apresentam-lhe Brás da Mata, um escudeiro, que se mostra exatamente do modo que Inês esperava, apesar das desconfianças da sua mãe.
  • 5.  Eles casam-se. No entanto, consumado o casamento, Brás da Mata, o seu recém- marido, mostra ser um tirano, proibindo-a de tudo, até de ir à janela. Chega a pregar as janelas para que Inês não olhe para a rua. Proíbe-a de cantar dentro de casa, pois quer uma mulher obediente e discreta.  Encarcerada na sua própria casa, Inês sente-se desgraçada. Mas a desventura dura pouco, pois Brás da Mata torna-se cavaleiro e é chamado para a guerra, onde morre nas mãos de um mouro pastor, enquanto fugia de forma cobarde.  Viúva e mais experiente, fingindo tristeza pela morte do marido tirano, Inês aceita casar-se com Pero Marques, o seu antigo pretendente. Este mostra-se bastante diferente do primeiro marido, concedendo a Inês toda a liberdade que ela deseja. Assim, a moça consegue sair e passear quando quer. Num desses passeios, encontra- se com um Ermitão, que revela ser um seu antigo apaixonado. Inês compromete-se a visitá-lo na sua ermida.
  • 6.  Inês consegue que Pero Marques a conduza até ao local, com o pretexto de o Ermitão ser um homem santo. O marido chega a carregá-la às costas, enquanto atravessam um rio. Durante a travessia, cantam uma música carregada de ironia, na qual Inês chama o marido de “cervo” e de “cuco” (gíria da época para “marido enganado”). Seguindo o refrão da canção, Pero Marques limita-se a repetir: “Pois assim se fazem as cousas”.  Assim, Gil Vicente dá voz ao ditado/ mote que lhe foi lançado: «Mais quero asno que me leve que cavalo que me derrube.»
  • 7. A representação do quotidiano Representação de hábitos de vida e de costumes do dia a dia exibidos em várias cenas da farsa. • Estatuto da mulher, em particular da jovem solteira • a falta de liberdade da rapariga solteira, confinada à casa da mãe e a viver sob o jugo desta; •a ocupação em tarefas domésticas (bordar, coser); • o casamento como meio de sobrevivência e de fuga à submissão da mãe; •diferentes conceções de vida e de casamento – diferenças intergeracionais; • a tradição da cerimónia do casamento, seguida de banquete; a importância (ou não) dada ao dote; • a prática religiosa (ida à missa); • a submissão ao marido da mulher casada e o seu «aprisionamento» em casa; • o adultério.
  • 8. • A presença de tipos que nos dão uma ideia de funções sociais significativas Alcoviteira - o hábito de recorrer a alcoviteiras (Lianor Vaz) e os Judeus modo de vida popular (Pêro Marques) vs modo de vida cortês (Brás da Mata); Pêro Marques – camponês rude e simples, desconhecedor dos hábitos da vida urbana e vivendo do trabalho rural duro e sem distinção social; Escudeiro – figura sem destaque social, mas com aspiração a promoção. A decadência da nobreza que procurava enriquecer através do casamento e buscava o prestígio perdido na luta contra os mouros; Judeus – cumprem um papel semelhante ao da alcoviteira, a pedido de Inês Pereira. O tipo do judeu associa-se sobretudo ao negócio (neste caso, o dos casamentos encomendados) e às diligências para obter lucro; Ermitão – a devassidão do clero; a corrupção moral de mulheres que se deixavam seduzir por elementos do clero; o episódio relatado por Lianor Vaz.
  • 9. Presença da sátira, fonte de cómico Mundo às avessas / subversão da ordem social estabelecida – crise de valores (hipocrisia, tirania, adultério, devassidão do clero, culto da aparência) – conflitos sociais em potência (casamento entre pessoas de classes sociais distintas) Mecanismos – Personagens-tipo (tipos sociais característicos da época) – Recurso ao cómico (de situação, de caráter e de linguagem) A sátira, estreitamente ligada ao cómico, ao riso e ao caricatural, recai principalmente sobre as personagens de Inês Pereira, Pêro Marques e Brás da Mata. Dimensão Satírica
  • 10. • A sátira torna evidente que, nesta sociedade, certos atributos – a ambição, a ostentação, o fingimento – devem ser tratados como defeitos que importa criticar. • Exige também uma certa cumplicidade com o público – facilmente alerta o espetador para hábitos e figuras que ele reconhece e que importa corrigir. Dimensão satírica - exemplos Inês Pereira: apresenta-se como revoltada contra os trabalhos domésticos; • pretende libertar-se através de casamento; • tem uma noção idealizada do casamento, muito longe da realidade; • pretende um marido que seja bem-falante, tocador de viola, sedutor, mesmo que nada tenha de comer; • é castigada quando vê desabar, na prática, o seu engano, a sua conceção de casamento; • encaminha-se, às costas do marido, para um encontro amoroso que fará de si adúltera.
  • 11. Pêro Marques: • é visto pela primeira vez a caminhar desajeitadamente em busca da casa de Inês; • revela incapacidade de falar, de seduzir; • traz presentes inadequados para Inês; • expõe a sua rusticidade de campónio que desconhece a função da cadeira; • mostra a sua ingenuidade em assuntos amorosos, pois, encontrando-se de noite com Inês, não aproveita para lhe dizer palavras de amor; • leva a mulher às costas , com docilidade e ingenuidade, para se encontrar com um amante: é o modelo do marido enganado e complacente – sem perdão, é castigado pelo riso. Brás da Mata: • reconhecimento, aquando da sua entrada em cena, acompanhado pelo Moço, de uma figura velha conhecida: o escudeiro pelintra, fanfarrão, pretensioso; • palavras do Moço, que, direta ou indiretamente, em vários apartes, castiga o amo ao lembrar-lhe a pobreza esfomeada e descalça em que vive, ou se espanta com as manias de grandeza de quem até a viola tem de pedir emprestada…; • respostas do Escudeiro aos pedidos do Moço, a indicar caminhos de mentira e de dissimulação, ou a propor-lhe o roubo para se alimentar; • notícia do modo como morreu: fugindo cobardemente da luta.