SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Síndrome do Túnel doSíndrome do Túnel do
CarpoCarpo
Alunas:Alunas:
Jéssica Oliveira e Monique Fernandes
Professora:Professora:
Geovanna Lima Ximenes
Túnel do Carpo
 É um canal que tem, em média, 3cm de largura
formado por pequenos ossos situados no punho,
que lhe servem de base, e um ligamento
transverso, que compõe o teto do túnel.
 Por esse canal, passam o nervo mediano e nove
tendões responsáveis pela flexão dos dedos.
 O nervo mediano que vem do antebraço e passa
para a mão através desse canal estreito, enerva o
polegar, as duas faces do indicador e do dedo
médio e a face interna do quarto dedo.
 Essas características anatômicas fazem dele um
túnel rígido e qualquer aumento de pressão em seu
interior comprime o nervo mediano contra o
ligamento transverso, gerando a síndrome do túnel
do carpo.
Um corte transverso deixa ver a região do carpo,
os ossículos e o ligamento transverso.
Todas as situações que provocam
aumento do tecido sinovial, que
reveste os tendões e serve para
nutri-los, sejam elas traumáticas,
inflamatórias, tumorais ou
medicamentosas, aumentam também
a pressão dentro desse canal, o que
gera compressão do nervo e o
aparecimento de diversos sintomas.
Sinais e Sintomas
 Dor ou dormência à noite nas mãos,
principalmente após uso intensivo destas
durante o dia. A dor pode ser intensa a
ponto de acordar o paciente e pode ir para o
braço e até o ombro
 Ocorre diminuição da sensação dos dedos,
com exceção do dedo mínimo e sensação de
sudorese nas mãos. Com a perda da
sensação nos dedos, pode haver dificuldade
de amarrar os sapatos e pegar objetos.
Algumas pessoas podem apresentar até
dificuldade de distinguir o quente e o frio.
 Atividades que promovem a flexão do punho
por longo período podem aumentar a dor.
 Também são freqüentes as sensações de
choques em determinadas posições da mão
como segurar um objeto com força, segurar
volante do carro ou descascar frutas e
legumes.
 Com muita freqüência as pessoas imaginam
que estão tendo “derrame” ou “problemas de
circulação” procurando assistência médica
especializada nessa área.
 Esses sintomas de dormência e formigamento
podem melhorar e piorar ao longo de meses ou
até anos, fazendo com que o diagnóstico
preciso e correto seja retardado.
Algumas causas
 Trabalho manual com movimentos repetidos (L.E.R)
Lesão do Esforço Repetitivo
 Tem associação com alterações hormonais como
menopausa e gravidez (geralmente desaparece ao fim
da gravidez); fato que explica o porque de haver mais
mulheres acometidas que homens.
 Diabetes mellitus, por causa da alteração do tecido
sinovial e porque o nervo mediano apresenta alterações
secundárias decorrentes da glicemia elevada.
 Artrite reumatóide, doenças da tireóide dentre outras.
Diagnóstico
 Existem dois testes que ajudam a estabelecer o
diagnóstico clínico: o teste de Phalen e o teste de
Tinel.
 O primeiro consiste em dobrar o punho do paciente
e mantê-lo fletido durante um minuto. Como nessa
posição aumenta a pressão intracarpeana de quatro
a cinco vezes, se houver compressão do nervo, os
sintomas pioram na área enervada.
 O outro teste, que não é tão específico quanto o de
Phalen, consiste em percutir o nervo mediano, o
que provoca sensação de choque e formigamento
se ele estiver comprometido.
 Embora o diagnóstico seja basicamente clínico,
podemos recorrer a um exame complementar, a
eletroneuromiografia, para esclarecer alguns casos.
Teste de Phalen
Teste de Tinel
eletroneuromiografia
São colocadas agulhas em
determinados pontos.
Essas agulhas estão
ligadas a um aparelho que
emite um pequeno
choque, o que torna
possível medir a condução
sensitiva e motora do
nervo dentro do túnel.
Tratamento
 Deve levar em conta o grau de comprometimento da
doença: leve, moderado e grave.
 Se for leve, indica-se a colocação de uma órtese, isto é,
de um aparelho que mantém o punho em posição de
extensão e associar o uso de um antiinflamatório.
 A imobilização deve ser mantida durante um mês, período em
que deve ocorrer a melhora dos sintomas.
 Se por ventura esse tratamento for ineficaz, cabe utilizar uma
medida um pouco mais agressiva, ou seja, a aplicação de
cortisona dentro do canal. Essa droga diminui a reação do tecido
sinovial que, ao proliferar, comprime o nervo. O alívio da pressão
acarreta melhora dos sintomas. Como procedimento prévio,
coloca-se xilocaína para adormecer a área em que vai ser dada a
injeção com cortisona.
Cirurgia
 A cirurgia promove a abertura do ligamento
anular do carpo. É muito importante entender
que essa abertura deve ser feita distante do
nervo mediano. Não é raro encontrar, na
nossa prática clínica, casos em que a cirurgia
não deu certo, porque a abertura foi feita
inadvertidamente na projeção do nervo, que
continua prensado, provocando até piora dos
sintomas.
 Essa abertura provoca uma alteração que
deve desaparecer em três meses. Nas
primeiras quatro semanas depois da cirurgia,
especialmente, há perda de força da mão,
porque o canal do carpo aumenta de
diâmetro e isso provoca uma alteração
biodinâmica dos tendões.
 É um tratamento definitivo que faz
desaparecer os sintomas. A recidiva
só ocorre quando a proliferação
sinovial é decorrente de uma doença
anterior que continua sem
tratamento adequado.
 A cirurgia por via endoscópica tem
sido recentemente utilizada com
bons resultados e a grande
vantagem de pequena incisão e,
consequentemente, menor cicatriz.
Deve ser feita por profissionais
experientes e para casos
selecionados.
Fisioterapia
Caso os sintomas persistam, o
tratamento fisioterápico será
essencial.
A diminuição do edema gerado
pela inflamação das estruturas
vizinhas ao nervo mediano deverá
ser o primeiro objetivo do
tratamento fisioterápico (a
tendinite é a principal causa) por
isso devemos utilizar o ultra-som
que possui princípios analgésicos e
anti-inflamatórios acompanhados
de manipulações da região
acometida.
A orientação quanto as atividades da vida
diária (AVDs) devem ser dadas privilegiando a
biomecânica funcional do membro.
Exercícios de alongamento dos flexores dos
dedos e do punho sob orientação do
profissional são benéficos para melhorar a
função e aumentar a formação de líquido
sinovial auxiliando com isso, a lubrificação dos
tendões, bainhas e fáscias adjacentes (tendões
lubrificados diminuem o atrito entre as bainhas
evitando a inflamação).
Prevenção
 Realizar pausa entre os
movimentos repetitivos
 Alongamentos da
musculatura envolvida
 Realizar atividades
diversificadas
 Ter um ambiente de
trabalho ergonomicamente
correto.
Bibliografia
OBRIGADA!OBRIGADA!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial FUAD HAZIME
 
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaTestes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaFisioterapeuta
 
FISIOTERAPIA : Síndrome do Túnel do Carpo; Tenossinovite ; Lesões de Labrum
FISIOTERAPIA : Síndrome do Túnel do Carpo; Tenossinovite; Lesões de LabrumFISIOTERAPIA : Síndrome do Túnel do Carpo; Tenossinovite; Lesões de Labrum
FISIOTERAPIA : Síndrome do Túnel do Carpo; Tenossinovite ; Lesões de LabrumDanyllo Lucas
 
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêuticoSíndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêuticoadrianomedico
 
Semiologia do Aparelho Locomotor ll
Semiologia do Aparelho Locomotor llSemiologia do Aparelho Locomotor ll
Semiologia do Aparelho Locomotor llpauloalambert
 
Manual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTMManual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTMAmericanFisio
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Proqualis
 
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - Ergonomia
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - ErgonomiaFisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - Ergonomia
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - ErgonomiaUniversidade Norte do Paraná
 
15 -amplitude_de_movimento
15  -amplitude_de_movimento15  -amplitude_de_movimento
15 -amplitude_de_movimentoJohnny Martins
 
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação CorporalCineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação CorporalHerbert Santana
 
Uso do ultrassom terapêutico sobre implantes metálicos (artigo)
Uso do ultrassom terapêutico sobre implantes metálicos (artigo)Uso do ultrassom terapêutico sobre implantes metálicos (artigo)
Uso do ultrassom terapêutico sobre implantes metálicos (artigo)Davi Sousa
 
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publica
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publicafisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publica
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publicaDelainy Batista
 
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)FUAD HAZIME
 

Mais procurados (20)

Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial
 
Coluna lombar
Coluna lombarColuna lombar
Coluna lombar
 
Pontos gatilho
Pontos gatilhoPontos gatilho
Pontos gatilho
 
Lesão muscular
Lesão muscularLesão muscular
Lesão muscular
 
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaTestes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
 
FISIOTERAPIA : Síndrome do Túnel do Carpo; Tenossinovite ; Lesões de Labrum
FISIOTERAPIA : Síndrome do Túnel do Carpo; Tenossinovite; Lesões de LabrumFISIOTERAPIA : Síndrome do Túnel do Carpo; Tenossinovite; Lesões de Labrum
FISIOTERAPIA : Síndrome do Túnel do Carpo; Tenossinovite ; Lesões de Labrum
 
Termoterapia
TermoterapiaTermoterapia
Termoterapia
 
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêuticoSíndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
 
Semiologia do Aparelho Locomotor ll
Semiologia do Aparelho Locomotor llSemiologia do Aparelho Locomotor ll
Semiologia do Aparelho Locomotor ll
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Fibromialgia
Fibromialgia Fibromialgia
Fibromialgia
 
Manual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTMManual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTM
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
 
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - Ergonomia
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - ErgonomiaFisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - Ergonomia
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - Ergonomia
 
15 -amplitude_de_movimento
15  -amplitude_de_movimento15  -amplitude_de_movimento
15 -amplitude_de_movimento
 
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação CorporalCineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
 
Uso do ultrassom terapêutico sobre implantes metálicos (artigo)
Uso do ultrassom terapêutico sobre implantes metálicos (artigo)Uso do ultrassom terapêutico sobre implantes metálicos (artigo)
Uso do ultrassom terapêutico sobre implantes metálicos (artigo)
 
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publica
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publicafisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publica
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publica
 
Hidroterapia
HidroterapiaHidroterapia
Hidroterapia
 
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
 

Destaque

Síndrome do túnel do carpo
Síndrome do túnel do carpoSíndrome do túnel do carpo
Síndrome do túnel do carpoadrianomedico
 
Fascículo anatomia da mão
Fascículo anatomia da mãoFascículo anatomia da mão
Fascículo anatomia da mãoGeane Sarges
 
Tratamento síndrome do tunel do carpo diretrizes 2011
Tratamento síndrome do tunel do carpo diretrizes 2011Tratamento síndrome do tunel do carpo diretrizes 2011
Tratamento síndrome do tunel do carpo diretrizes 2011Rosiane Pinho
 
Dort -patologias
Dort  -patologiasDort  -patologias
Dort -patologiaspamcolbano
 
Propedeutica reumato eraldoxx2012
Propedeutica reumato eraldoxx2012Propedeutica reumato eraldoxx2012
Propedeutica reumato eraldoxx2012ERALDO DOS SANTOS
 
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteMauricio Fabiani
 
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotadorAula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotadorMauricio Fabiani
 
Síndrome do impacto
Síndrome do impactoSíndrome do impacto
Síndrome do impactoRaquel Pizol
 
Semiologia ortopédica tjmg
Semiologia ortopédica tjmgSemiologia ortopédica tjmg
Semiologia ortopédica tjmgOtavio Melo
 
Classificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpo
Classificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpoClassificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpo
Classificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpoadrianomedico
 
Propedeutica reumato lourdes 2016
Propedeutica reumato lourdes 2016Propedeutica reumato lourdes 2016
Propedeutica reumato lourdes 2016ERALDO DOS SANTOS
 
TENDINOPATIAS: UMA REVISÃO DE TRATAMENTO NA LITERATURA ATUAL EM ATLETAS JOVE...
TENDINOPATIAS:  UMA REVISÃO DE TRATAMENTO NA LITERATURA ATUAL EM ATLETAS JOVE...TENDINOPATIAS:  UMA REVISÃO DE TRATAMENTO NA LITERATURA ATUAL EM ATLETAS JOVE...
TENDINOPATIAS: UMA REVISÃO DE TRATAMENTO NA LITERATURA ATUAL EM ATLETAS JOVE...Deivison Aquino
 
Esclerose sistêmica
Esclerose sistêmica Esclerose sistêmica
Esclerose sistêmica Nay Ribeiro
 
Apresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcareaApresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcareaCinthia Salto
 

Destaque (20)

Anatomia do tunel
Anatomia do tunelAnatomia do tunel
Anatomia do tunel
 
Síndrome do túnel do carpo
Síndrome do túnel do carpoSíndrome do túnel do carpo
Síndrome do túnel do carpo
 
Fascículo anatomia da mão
Fascículo anatomia da mãoFascículo anatomia da mão
Fascículo anatomia da mão
 
Exame Físico de Ombro
Exame Físico de Ombro Exame Físico de Ombro
Exame Físico de Ombro
 
Tratamento síndrome do tunel do carpo diretrizes 2011
Tratamento síndrome do tunel do carpo diretrizes 2011Tratamento síndrome do tunel do carpo diretrizes 2011
Tratamento síndrome do tunel do carpo diretrizes 2011
 
Dort -patologias
Dort  -patologiasDort  -patologias
Dort -patologias
 
Propedeutica reumato eraldoxx2012
Propedeutica reumato eraldoxx2012Propedeutica reumato eraldoxx2012
Propedeutica reumato eraldoxx2012
 
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
 
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotadorAula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotador
 
Ultrassom do ombro
Ultrassom do ombroUltrassom do ombro
Ultrassom do ombro
 
Síndrome do impacto
Síndrome do impactoSíndrome do impacto
Síndrome do impacto
 
Semiologia ortopédica tjmg
Semiologia ortopédica tjmgSemiologia ortopédica tjmg
Semiologia ortopédica tjmg
 
Fisioterapia Em Traumatofuncional
Fisioterapia Em TraumatofuncionalFisioterapia Em Traumatofuncional
Fisioterapia Em Traumatofuncional
 
Classificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpo
Classificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpoClassificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpo
Classificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpo
 
Propedeutica reumato lourdes 2016
Propedeutica reumato lourdes 2016Propedeutica reumato lourdes 2016
Propedeutica reumato lourdes 2016
 
Conduta terapeutica
Conduta terapeuticaConduta terapeutica
Conduta terapeutica
 
TENDINOPATIAS: UMA REVISÃO DE TRATAMENTO NA LITERATURA ATUAL EM ATLETAS JOVE...
TENDINOPATIAS:  UMA REVISÃO DE TRATAMENTO NA LITERATURA ATUAL EM ATLETAS JOVE...TENDINOPATIAS:  UMA REVISÃO DE TRATAMENTO NA LITERATURA ATUAL EM ATLETAS JOVE...
TENDINOPATIAS: UMA REVISÃO DE TRATAMENTO NA LITERATURA ATUAL EM ATLETAS JOVE...
 
Esclerose sistêmica
Esclerose sistêmica Esclerose sistêmica
Esclerose sistêmica
 
Esclerodermia 3
Esclerodermia 3Esclerodermia 3
Esclerodermia 3
 
Apresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcareaApresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcarea
 

Semelhante a Sindrome-do-tunel-do-carpo

Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013Guilherme Terra
 
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o AnoEpicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o AnoCarlos Andrade
 
AULA 12 - TENDINITE PATELAR.pdf
AULA 12 - TENDINITE PATELAR.pdfAULA 12 - TENDINITE PATELAR.pdf
AULA 12 - TENDINITE PATELAR.pdfthiagopennachaves
 
DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (DTM)
DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (DTM)DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (DTM)
DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (DTM)GabrielaSoares07
 
Neuralgia do Trigêmeo
Neuralgia do TrigêmeoNeuralgia do Trigêmeo
Neuralgia do TrigêmeoThais Benicio
 
Síndrome Compartimental
Síndrome CompartimentalSíndrome Compartimental
Síndrome CompartimentalMarcus Murata
 
Gonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográficaGonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográficaNay Ribeiro
 
Apresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcareaApresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcareaCinthia Salto
 
Ultrassom terapêutico
Ultrassom terapêuticoUltrassom terapêutico
Ultrassom terapêuticolaismoraes93
 
Tst ergonomia aula 6
Tst   ergonomia aula 6Tst   ergonomia aula 6
Tst ergonomia aula 6Bolivar Motta
 

Semelhante a Sindrome-do-tunel-do-carpo (20)

Síndrome+do+Túnel+do+Carpo.ppt
Síndrome+do+Túnel+do+Carpo.pptSíndrome+do+Túnel+do+Carpo.ppt
Síndrome+do+Túnel+do+Carpo.ppt
 
Contratura de Dupuytren.doc
Contratura de Dupuytren.docContratura de Dupuytren.doc
Contratura de Dupuytren.doc
 
Síndrome do compartimento3
Síndrome  do compartimento3Síndrome  do compartimento3
Síndrome do compartimento3
 
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
 
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o AnoEpicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
 
Contratura de Dupuytren
Contratura de DupuytrenContratura de Dupuytren
Contratura de Dupuytren
 
AULA 12 - TENDINITE PATELAR.pdf
AULA 12 - TENDINITE PATELAR.pdfAULA 12 - TENDINITE PATELAR.pdf
AULA 12 - TENDINITE PATELAR.pdf
 
Tratamento artrose
Tratamento artroseTratamento artrose
Tratamento artrose
 
DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (DTM)
DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (DTM)DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (DTM)
DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (DTM)
 
Neuralgia do Trigêmeo
Neuralgia do TrigêmeoNeuralgia do Trigêmeo
Neuralgia do Trigêmeo
 
Síndrome Compartimental
Síndrome CompartimentalSíndrome Compartimental
Síndrome Compartimental
 
Gonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográficaGonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográfica
 
Meralgia parestésica
Meralgia parestésicaMeralgia parestésica
Meralgia parestésica
 
Lesão de Flexores.pdf
Lesão de Flexores.pdfLesão de Flexores.pdf
Lesão de Flexores.pdf
 
122091768 revistapodologia-com-028pt
122091768 revistapodologia-com-028pt122091768 revistapodologia-com-028pt
122091768 revistapodologia-com-028pt
 
Apresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcareaApresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcarea
 
Guia feridas
Guia feridasGuia feridas
Guia feridas
 
Guia feridas
Guia feridasGuia feridas
Guia feridas
 
Ultrassom terapêutico
Ultrassom terapêuticoUltrassom terapêutico
Ultrassom terapêutico
 
Tst ergonomia aula 6
Tst   ergonomia aula 6Tst   ergonomia aula 6
Tst ergonomia aula 6
 

Último

AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxWenderSantos21
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 

Último (10)

AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 

Sindrome-do-tunel-do-carpo

  • 1. Síndrome do Túnel doSíndrome do Túnel do CarpoCarpo Alunas:Alunas: Jéssica Oliveira e Monique Fernandes Professora:Professora: Geovanna Lima Ximenes
  • 2. Túnel do Carpo  É um canal que tem, em média, 3cm de largura formado por pequenos ossos situados no punho, que lhe servem de base, e um ligamento transverso, que compõe o teto do túnel.  Por esse canal, passam o nervo mediano e nove tendões responsáveis pela flexão dos dedos.  O nervo mediano que vem do antebraço e passa para a mão através desse canal estreito, enerva o polegar, as duas faces do indicador e do dedo médio e a face interna do quarto dedo.  Essas características anatômicas fazem dele um túnel rígido e qualquer aumento de pressão em seu interior comprime o nervo mediano contra o ligamento transverso, gerando a síndrome do túnel do carpo.
  • 3. Um corte transverso deixa ver a região do carpo, os ossículos e o ligamento transverso.
  • 4. Todas as situações que provocam aumento do tecido sinovial, que reveste os tendões e serve para nutri-los, sejam elas traumáticas, inflamatórias, tumorais ou medicamentosas, aumentam também a pressão dentro desse canal, o que gera compressão do nervo e o aparecimento de diversos sintomas.
  • 5. Sinais e Sintomas  Dor ou dormência à noite nas mãos, principalmente após uso intensivo destas durante o dia. A dor pode ser intensa a ponto de acordar o paciente e pode ir para o braço e até o ombro  Ocorre diminuição da sensação dos dedos, com exceção do dedo mínimo e sensação de sudorese nas mãos. Com a perda da sensação nos dedos, pode haver dificuldade de amarrar os sapatos e pegar objetos. Algumas pessoas podem apresentar até dificuldade de distinguir o quente e o frio.  Atividades que promovem a flexão do punho por longo período podem aumentar a dor.
  • 6.  Também são freqüentes as sensações de choques em determinadas posições da mão como segurar um objeto com força, segurar volante do carro ou descascar frutas e legumes.  Com muita freqüência as pessoas imaginam que estão tendo “derrame” ou “problemas de circulação” procurando assistência médica especializada nessa área.  Esses sintomas de dormência e formigamento podem melhorar e piorar ao longo de meses ou até anos, fazendo com que o diagnóstico preciso e correto seja retardado.
  • 7. Algumas causas  Trabalho manual com movimentos repetidos (L.E.R) Lesão do Esforço Repetitivo  Tem associação com alterações hormonais como menopausa e gravidez (geralmente desaparece ao fim da gravidez); fato que explica o porque de haver mais mulheres acometidas que homens.  Diabetes mellitus, por causa da alteração do tecido sinovial e porque o nervo mediano apresenta alterações secundárias decorrentes da glicemia elevada.  Artrite reumatóide, doenças da tireóide dentre outras.
  • 8. Diagnóstico  Existem dois testes que ajudam a estabelecer o diagnóstico clínico: o teste de Phalen e o teste de Tinel.  O primeiro consiste em dobrar o punho do paciente e mantê-lo fletido durante um minuto. Como nessa posição aumenta a pressão intracarpeana de quatro a cinco vezes, se houver compressão do nervo, os sintomas pioram na área enervada.  O outro teste, que não é tão específico quanto o de Phalen, consiste em percutir o nervo mediano, o que provoca sensação de choque e formigamento se ele estiver comprometido.  Embora o diagnóstico seja basicamente clínico, podemos recorrer a um exame complementar, a eletroneuromiografia, para esclarecer alguns casos.
  • 10. eletroneuromiografia São colocadas agulhas em determinados pontos. Essas agulhas estão ligadas a um aparelho que emite um pequeno choque, o que torna possível medir a condução sensitiva e motora do nervo dentro do túnel.
  • 11. Tratamento  Deve levar em conta o grau de comprometimento da doença: leve, moderado e grave.  Se for leve, indica-se a colocação de uma órtese, isto é, de um aparelho que mantém o punho em posição de extensão e associar o uso de um antiinflamatório.
  • 12.  A imobilização deve ser mantida durante um mês, período em que deve ocorrer a melhora dos sintomas.  Se por ventura esse tratamento for ineficaz, cabe utilizar uma medida um pouco mais agressiva, ou seja, a aplicação de cortisona dentro do canal. Essa droga diminui a reação do tecido sinovial que, ao proliferar, comprime o nervo. O alívio da pressão acarreta melhora dos sintomas. Como procedimento prévio, coloca-se xilocaína para adormecer a área em que vai ser dada a injeção com cortisona.
  • 13. Cirurgia  A cirurgia promove a abertura do ligamento anular do carpo. É muito importante entender que essa abertura deve ser feita distante do nervo mediano. Não é raro encontrar, na nossa prática clínica, casos em que a cirurgia não deu certo, porque a abertura foi feita inadvertidamente na projeção do nervo, que continua prensado, provocando até piora dos sintomas.  Essa abertura provoca uma alteração que deve desaparecer em três meses. Nas primeiras quatro semanas depois da cirurgia, especialmente, há perda de força da mão, porque o canal do carpo aumenta de diâmetro e isso provoca uma alteração biodinâmica dos tendões.
  • 14.  É um tratamento definitivo que faz desaparecer os sintomas. A recidiva só ocorre quando a proliferação sinovial é decorrente de uma doença anterior que continua sem tratamento adequado.  A cirurgia por via endoscópica tem sido recentemente utilizada com bons resultados e a grande vantagem de pequena incisão e, consequentemente, menor cicatriz. Deve ser feita por profissionais experientes e para casos selecionados.
  • 15. Fisioterapia Caso os sintomas persistam, o tratamento fisioterápico será essencial. A diminuição do edema gerado pela inflamação das estruturas vizinhas ao nervo mediano deverá ser o primeiro objetivo do tratamento fisioterápico (a tendinite é a principal causa) por isso devemos utilizar o ultra-som que possui princípios analgésicos e anti-inflamatórios acompanhados de manipulações da região acometida.
  • 16. A orientação quanto as atividades da vida diária (AVDs) devem ser dadas privilegiando a biomecânica funcional do membro. Exercícios de alongamento dos flexores dos dedos e do punho sob orientação do profissional são benéficos para melhorar a função e aumentar a formação de líquido sinovial auxiliando com isso, a lubrificação dos tendões, bainhas e fáscias adjacentes (tendões lubrificados diminuem o atrito entre as bainhas evitando a inflamação).
  • 17. Prevenção  Realizar pausa entre os movimentos repetitivos  Alongamentos da musculatura envolvida  Realizar atividades diversificadas  Ter um ambiente de trabalho ergonomicamente correto.