SlideShare uma empresa Scribd logo
Ultrassom 
PROF MSC JULIANA RAMIRO
Ultrassom 
Ondas cinéticas ou mecânicas produzidas por um transdutor vibratório que se 
aplica sobre a pele com fins terapêuticos, atravessando-a e penetrando no 
organismo em diferentes profundidades. 
Ondas sonoras audíveis: entre 16 e 20 000 Hz 
O comportamento da onda se altera com a mudança da impedância acústica 
◦ impedância: facilidade que o meio oferece à passagem do feixe de US 
◦ Refração: a velocidade da onda se altera, muda de direção (angulação) 
◦ Reflexão: a onda bate no meio e inverte a sua direção (eco) 
◦ Absorção: o meio recebe a onda e transforma em energia cinética e em calor
Absorção nos tecidos 
A energia diminui ao passar pelos tecidos devido a absorção e reflexão de parte desta. 
◦ Quanto mais distante da fonte, menor a energia. 
A absorção depende da natureza do tecido, da frequência e da amplitude da onda do US. 
A absorção da energia sonora é maior nos tecidos ricos em proteína e com pouca água. 
◦ Osso: 96% de absorção 
◦ Cartilagem: 68% 
◦ Tendão: 59% 
◦ Pele: 39% 
◦ Músculo 24% 
◦ Gordura 13% 
◦ Sangue: 3%
Efeito piezoelétrico 
Consiste na geração de uma vibração de alta frequência ao aplicarmos uma 
corrente elétrica a um cristal de quartzo, quando este é comprimido entre duas 
placas metálicas, sofrendo variação nas suas dimensões físicas 
OBS.: 
Cavitação: fenômeno onde as ondas ultrassônicas geram, aumentam e 
implodem cavidades de vapor e gases em um líquido 
◦ Cavitação estável: formação e preservação de bolhas 
◦ Cavitação transitória: pode causar lesão celular devido a liberação de radicais 
livres que são produzidos. 
Ondas estacionárias: ondas se sobrepõem podendo causar danos celulares (ex. 
cabeçote parado)
Reflexão 
Refração Absorção
US 
Ondas sonoras acima de 20 000 HZ 
Penetração profunda, capaz de produzir alterações nos tecidos por mecanismos 
térmicos e mecânicos. 
1 MHz = traumato 
3 MHz = dermato 
Aparelho é composto de um gerador que produz corrente alternada de alta 
frequência e um transdutor que converte a energia em vibrações. 
ERA: área efetiva de emissão: é de 10 a 20 % menor que o cabeçote 
◦ Entre 5 e 6 cm2
Efeitos 
Mecânico: 
◦ Ondas ao entrar no tecido provocam vibração a nível celular 
(micromassagem), acelerando a velocidade de difusão de íons através da 
membrana celular. 
◦ Aumento da permeabilidade da membrana e aceleração de processos 
osmóticos 
Térmico: 
◦ Quando os tecidos opõem resistência às ondas, é gerada uma energia térmica 
por forte atrito intermolecular ou por agitação do meio eletrolítico dos 
líquidos intersticiais
Profundidade de penetração e 
atenuação 
A medida que o feixe de US vai penetrando nos tecidos vai perdendo a sua 
intensidade 
A atenuação é diretamente proporcional à frequência: 
◦ Há maior perda de intensidade quanto maior for a sua frequência empregada 
US 1 MHz – atinge cerca de 5 cm 
US 3 MHz – atinge cerca de 2 cm
Energia, potência e intensidade 
A energia do US é conduzida num determinado espaço de tempo chamado 
potência (watt). Quando essa potência é dividida pela superfície do feixe (cm2), a 
intensidade do feixe será W/ cm2 
US contínuo: 
◦ Aplicação constante de vibração e frequência 
◦ 50% efeito mecânico / 50% efeito térmico 
◦ Intensidade: 0,5 e 1,3 W/ cm2 
US pulsado: 
◦ Modulação de conjunto de pulsos, obtendo-se efeitos térmicos mínimos. 
◦ Intensidade: 0,1 e 0,26 W/ cm2
Técnica de aplicação 
◦ Limpa a área a ser tratada 
◦ Utilizar gel 
Acoplamento direto: colocar gel 
Subaquático: distância de 1 a 2 cm da pele (Intensidade 0,01 a 
0,3 W/ cm2) 
Bexiga com água: (Intensidade 0,01 a 0,1 W/ cm2)
Efeitos biológicos 
Vasodilatação da área com hiperemia e aumento do fluxo sanguíneo 
Aumento da permeabilidade celular 
Incremento do metabolismo local 
Incremento da elasticidade dos tecidos ricos em colágeno 
Anestésico 
Espasmolíttico
Efeitos gerais 
Hiperemia 
Antiinflamatório 
Catalisador de reações químicas 
Favrecedor do aumento da permeabilidade da membrana celular 
Espasmolítico (relaxante muscular) 
Fibrinplítico: melhor flexibilidade tecidual 
Analgésico
Indicações 
Processos reumáticos 
Processos álgicos 
Processos inflamatórios 
Processos traumáticos 
Afecções musculoesqueléticas
Precauções 
Fraturas recentes 
Osteosíntese ou endoprótese 
Evitar doses altas sobre sistema nervoso 
Precauções sobre cavidades com ar (pulmões e intestino)
Contraindicações 
Área precordial 
Órgãos reprodutores 
AR aguda 
Marcapasso cardíaco 
Neoplasia 
Epífises ósseas em crescimento 
Baço 
Fígado 
Medula espinhal 
Quadros infecciosos 
Implantes
Aspectos relevantes 
Tixotropo: uso do US em alta intensidade para conseguir cavitação 
havendo liquefação na fase gel (destruir esporão de calcâneo 
quando ele ainda não está calcificado) 
Dor perióstica: quando o feixe de US chega ao nível do osso, este 
reflete ondas sonoras paar o periósteo, que acumula esses feixes 
causando dor.
Aspectos relevantes 
Profundidade de hemirredução: redução do feixe ultrassônico para 
metade a medida em que ele é absorvido e refletido pelas interfaces 
teciduais. 
Fonoforese ou sonoforese: é a migração de moléculas de substâncias 
químicas (medicamentos) através da pele sob a influência do US. 
◦ Frequências mais baixas geram maior absorção da substância 
(modo pulsado)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Eletroterapia
Aula EletroterapiaAula Eletroterapia
Aula Eletroterapia
Jacqueline Bexiga
 
Laser
LaserLaser
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Cleanto Santos Vieira
 
Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial
FUAD HAZIME
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Cleanto Santos Vieira
 
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptxEletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
RAFAELVINICIUSDEOLIV
 
Eletroterapia
EletroterapiaEletroterapia
Laser Fisioterápico
Laser FisioterápicoLaser Fisioterápico
Laser Fisioterápico
Andreia Evelyn
 
Laserterapia
LaserterapiaLaserterapia
Radiofrequência
RadiofrequênciaRadiofrequência
Corrente russa
Corrente russaCorrente russa
Corrente russa
Caroline Lima
 
Neurodyn 10 canais 2013
Neurodyn 10 canais 2013Neurodyn 10 canais 2013
Neurodyn 10 canais 2013
IBRAMED
 
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e MicroondasDiatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
FUAD HAZIME
 
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
HTM ELETRÔNICA
 
Ultrassom terapêutico
Ultrassom terapêuticoUltrassom terapêutico
Ultrassom terapêutico
laismoraes93
 
2 laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
2   laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...2   laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
2 laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
HTM ELETRÔNICA
 
Laser de baixa potência efeitos primários e secundarios
Laser de baixa potência  efeitos primários e secundariosLaser de baixa potência  efeitos primários e secundarios
Laser de baixa potência efeitos primários e secundarios
Ezequiel Paulo de Souza
 
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Cleanto Santos Vieira
 
4 radiofrequência multifrequencial e multipolar nos tratamentos corporais e...
4   radiofrequência multifrequencial e multipolar nos tratamentos corporais e...4   radiofrequência multifrequencial e multipolar nos tratamentos corporais e...
4 radiofrequência multifrequencial e multipolar nos tratamentos corporais e...
HTM ELETRÔNICA
 
Termoeletroterapia Aplicada
Termoeletroterapia AplicadaTermoeletroterapia Aplicada

Mais procurados (20)

Aula Eletroterapia
Aula EletroterapiaAula Eletroterapia
Aula Eletroterapia
 
Laser
LaserLaser
Laser
 
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
 
Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
 
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptxEletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
 
Eletroterapia
EletroterapiaEletroterapia
Eletroterapia
 
Laser Fisioterápico
Laser FisioterápicoLaser Fisioterápico
Laser Fisioterápico
 
Laserterapia
LaserterapiaLaserterapia
Laserterapia
 
Radiofrequência
RadiofrequênciaRadiofrequência
Radiofrequência
 
Corrente russa
Corrente russaCorrente russa
Corrente russa
 
Neurodyn 10 canais 2013
Neurodyn 10 canais 2013Neurodyn 10 canais 2013
Neurodyn 10 canais 2013
 
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e MicroondasDiatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
 
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
 
Ultrassom terapêutico
Ultrassom terapêuticoUltrassom terapêutico
Ultrassom terapêutico
 
2 laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
2   laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...2   laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
2 laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
 
Laser de baixa potência efeitos primários e secundarios
Laser de baixa potência  efeitos primários e secundariosLaser de baixa potência  efeitos primários e secundarios
Laser de baixa potência efeitos primários e secundarios
 
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
 
4 radiofrequência multifrequencial e multipolar nos tratamentos corporais e...
4   radiofrequência multifrequencial e multipolar nos tratamentos corporais e...4   radiofrequência multifrequencial e multipolar nos tratamentos corporais e...
4 radiofrequência multifrequencial e multipolar nos tratamentos corporais e...
 
Termoeletroterapia Aplicada
Termoeletroterapia AplicadaTermoeletroterapia Aplicada
Termoeletroterapia Aplicada
 

Semelhante a Ultrassom

Us
UsUs
ULTRA-SOM.pdf
ULTRA-SOM.pdfULTRA-SOM.pdf
ULTRA-SOM.pdf
thiagopennachaves
 
ondas curtas
ondas curtasondas curtas
ondas curtas
Nay Ribeiro
 
Artefatos em ultrassonografia
Artefatos em ultrassonografiaArtefatos em ultrassonografia
Artefatos em ultrassonografia
Marcos Dias
 
termoterapia.ppt
termoterapia.ppttermoterapia.ppt
termoterapia.ppt
thiagopennachaves
 
Uso da alta frequência
Uso da alta frequênciaUso da alta frequência
Uso da alta frequência
Anna Paulla
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Cleanto Santos Vieira
 
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
marcelamenezes28
 
Choque Eletrico
Choque EletricoChoque Eletrico
Choque Eletrico
Santos de Castro
 
Materiais
MateriaisMateriais
Biofísica aplicada à ultra-sonografia
Biofísica aplicada à ultra-sonografiaBiofísica aplicada à ultra-sonografia
Biofísica aplicada à ultra-sonografia
Dalvânia Santos
 
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13 Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Cleanto Santos Vieira
 
Termoterapia
TermoterapiaTermoterapia
Termoterapia
Cecy Peña
 
Eletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodosEletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodos
Jaqueline da Silva
 
Slide de Ultrassom - Introdução radiologia.pdf
Slide de Ultrassom - Introdução radiologia.pdfSlide de Ultrassom - Introdução radiologia.pdf
Slide de Ultrassom - Introdução radiologia.pdf
EducareEnsinoeFormao
 
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermiaSonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
Ana Pereira
 
Choque Eletrico
Choque EletricoChoque Eletrico
Choque Eletrico
Zero.Com Blogspot
 
ELETROTERAPIA NA PODOLOGIA
ELETROTERAPIA NA PODOLOGIAELETROTERAPIA NA PODOLOGIA
ELETROTERAPIA NA PODOLOGIA
MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO
 
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcionalRecursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Nathanael Amparo
 
Vibria Hibridi Sonic maxx (2).pptx
Vibria Hibridi Sonic maxx (2).pptxVibria Hibridi Sonic maxx (2).pptx
Vibria Hibridi Sonic maxx (2).pptx
TailaDias1
 

Semelhante a Ultrassom (20)

Us
UsUs
Us
 
ULTRA-SOM.pdf
ULTRA-SOM.pdfULTRA-SOM.pdf
ULTRA-SOM.pdf
 
ondas curtas
ondas curtasondas curtas
ondas curtas
 
Artefatos em ultrassonografia
Artefatos em ultrassonografiaArtefatos em ultrassonografia
Artefatos em ultrassonografia
 
termoterapia.ppt
termoterapia.ppttermoterapia.ppt
termoterapia.ppt
 
Uso da alta frequência
Uso da alta frequênciaUso da alta frequência
Uso da alta frequência
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
 
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
 
Choque Eletrico
Choque EletricoChoque Eletrico
Choque Eletrico
 
Materiais
MateriaisMateriais
Materiais
 
Biofísica aplicada à ultra-sonografia
Biofísica aplicada à ultra-sonografiaBiofísica aplicada à ultra-sonografia
Biofísica aplicada à ultra-sonografia
 
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13 Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
 
Termoterapia
TermoterapiaTermoterapia
Termoterapia
 
Eletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodosEletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodos
 
Slide de Ultrassom - Introdução radiologia.pdf
Slide de Ultrassom - Introdução radiologia.pdfSlide de Ultrassom - Introdução radiologia.pdf
Slide de Ultrassom - Introdução radiologia.pdf
 
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermiaSonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
 
Choque Eletrico
Choque EletricoChoque Eletrico
Choque Eletrico
 
ELETROTERAPIA NA PODOLOGIA
ELETROTERAPIA NA PODOLOGIAELETROTERAPIA NA PODOLOGIA
ELETROTERAPIA NA PODOLOGIA
 
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcionalRecursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
 
Vibria Hibridi Sonic maxx (2).pptx
Vibria Hibridi Sonic maxx (2).pptxVibria Hibridi Sonic maxx (2).pptx
Vibria Hibridi Sonic maxx (2).pptx
 

Ultrassom

  • 1. Ultrassom PROF MSC JULIANA RAMIRO
  • 2. Ultrassom Ondas cinéticas ou mecânicas produzidas por um transdutor vibratório que se aplica sobre a pele com fins terapêuticos, atravessando-a e penetrando no organismo em diferentes profundidades. Ondas sonoras audíveis: entre 16 e 20 000 Hz O comportamento da onda se altera com a mudança da impedância acústica ◦ impedância: facilidade que o meio oferece à passagem do feixe de US ◦ Refração: a velocidade da onda se altera, muda de direção (angulação) ◦ Reflexão: a onda bate no meio e inverte a sua direção (eco) ◦ Absorção: o meio recebe a onda e transforma em energia cinética e em calor
  • 3. Absorção nos tecidos A energia diminui ao passar pelos tecidos devido a absorção e reflexão de parte desta. ◦ Quanto mais distante da fonte, menor a energia. A absorção depende da natureza do tecido, da frequência e da amplitude da onda do US. A absorção da energia sonora é maior nos tecidos ricos em proteína e com pouca água. ◦ Osso: 96% de absorção ◦ Cartilagem: 68% ◦ Tendão: 59% ◦ Pele: 39% ◦ Músculo 24% ◦ Gordura 13% ◦ Sangue: 3%
  • 4. Efeito piezoelétrico Consiste na geração de uma vibração de alta frequência ao aplicarmos uma corrente elétrica a um cristal de quartzo, quando este é comprimido entre duas placas metálicas, sofrendo variação nas suas dimensões físicas OBS.: Cavitação: fenômeno onde as ondas ultrassônicas geram, aumentam e implodem cavidades de vapor e gases em um líquido ◦ Cavitação estável: formação e preservação de bolhas ◦ Cavitação transitória: pode causar lesão celular devido a liberação de radicais livres que são produzidos. Ondas estacionárias: ondas se sobrepõem podendo causar danos celulares (ex. cabeçote parado)
  • 6. US Ondas sonoras acima de 20 000 HZ Penetração profunda, capaz de produzir alterações nos tecidos por mecanismos térmicos e mecânicos. 1 MHz = traumato 3 MHz = dermato Aparelho é composto de um gerador que produz corrente alternada de alta frequência e um transdutor que converte a energia em vibrações. ERA: área efetiva de emissão: é de 10 a 20 % menor que o cabeçote ◦ Entre 5 e 6 cm2
  • 7. Efeitos Mecânico: ◦ Ondas ao entrar no tecido provocam vibração a nível celular (micromassagem), acelerando a velocidade de difusão de íons através da membrana celular. ◦ Aumento da permeabilidade da membrana e aceleração de processos osmóticos Térmico: ◦ Quando os tecidos opõem resistência às ondas, é gerada uma energia térmica por forte atrito intermolecular ou por agitação do meio eletrolítico dos líquidos intersticiais
  • 8. Profundidade de penetração e atenuação A medida que o feixe de US vai penetrando nos tecidos vai perdendo a sua intensidade A atenuação é diretamente proporcional à frequência: ◦ Há maior perda de intensidade quanto maior for a sua frequência empregada US 1 MHz – atinge cerca de 5 cm US 3 MHz – atinge cerca de 2 cm
  • 9.
  • 10. Energia, potência e intensidade A energia do US é conduzida num determinado espaço de tempo chamado potência (watt). Quando essa potência é dividida pela superfície do feixe (cm2), a intensidade do feixe será W/ cm2 US contínuo: ◦ Aplicação constante de vibração e frequência ◦ 50% efeito mecânico / 50% efeito térmico ◦ Intensidade: 0,5 e 1,3 W/ cm2 US pulsado: ◦ Modulação de conjunto de pulsos, obtendo-se efeitos térmicos mínimos. ◦ Intensidade: 0,1 e 0,26 W/ cm2
  • 11. Técnica de aplicação ◦ Limpa a área a ser tratada ◦ Utilizar gel Acoplamento direto: colocar gel Subaquático: distância de 1 a 2 cm da pele (Intensidade 0,01 a 0,3 W/ cm2) Bexiga com água: (Intensidade 0,01 a 0,1 W/ cm2)
  • 12. Efeitos biológicos Vasodilatação da área com hiperemia e aumento do fluxo sanguíneo Aumento da permeabilidade celular Incremento do metabolismo local Incremento da elasticidade dos tecidos ricos em colágeno Anestésico Espasmolíttico
  • 13. Efeitos gerais Hiperemia Antiinflamatório Catalisador de reações químicas Favrecedor do aumento da permeabilidade da membrana celular Espasmolítico (relaxante muscular) Fibrinplítico: melhor flexibilidade tecidual Analgésico
  • 14. Indicações Processos reumáticos Processos álgicos Processos inflamatórios Processos traumáticos Afecções musculoesqueléticas
  • 15. Precauções Fraturas recentes Osteosíntese ou endoprótese Evitar doses altas sobre sistema nervoso Precauções sobre cavidades com ar (pulmões e intestino)
  • 16. Contraindicações Área precordial Órgãos reprodutores AR aguda Marcapasso cardíaco Neoplasia Epífises ósseas em crescimento Baço Fígado Medula espinhal Quadros infecciosos Implantes
  • 17. Aspectos relevantes Tixotropo: uso do US em alta intensidade para conseguir cavitação havendo liquefação na fase gel (destruir esporão de calcâneo quando ele ainda não está calcificado) Dor perióstica: quando o feixe de US chega ao nível do osso, este reflete ondas sonoras paar o periósteo, que acumula esses feixes causando dor.
  • 18. Aspectos relevantes Profundidade de hemirredução: redução do feixe ultrassônico para metade a medida em que ele é absorvido e refletido pelas interfaces teciduais. Fonoforese ou sonoforese: é a migração de moléculas de substâncias químicas (medicamentos) através da pele sob a influência do US. ◦ Frequências mais baixas geram maior absorção da substância (modo pulsado)