SlideShare uma empresa Scribd logo
CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL | ECONOMIA CIRCULAR.
Enquadramento histórico
 1987: Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento da ONU;
 Relatório de Brundtland:
Objetivo: discutir um novo modelo econômico que conciliasse o crescimento
económico, com a justiça social e a preservação do ambiente.
O QUE É SUSTENTABILIDADE?
“É a capacidade de satisfazer às próprias necessidades sem reduzir as oportunidades
das gerações futuras.” (Relatório de Brundtland, 1987)
Enquadramento histórico
 1992: Conferência de Nações Unidas sobre o Ambiente e Desenvolvimento
 Objetivo: buscar formas de conciliar o desenvolvimento social e econômico com a
conservação e proteção dos ecossistemas.
 1994: definição mais aceite internacionalmente sobre construção sustentável, de
Charles Kibert :
 Construção Sustentável: "criação e gestão responsável de um ambiente construído
saudável, tendo em consideração os princípios ecológicos e a utilização eficiente dos
recursos".
Construção Sustentável
Desafios para 2020 e mais além:
Setor da Construção
• Edifícios são grandes contribuidores para o fenómeno das alterações climáticas;
• Indispensáveis à vida humana (passamos 90% do nosso tempo de vida);
• Responsáveis por grandes consumos de energia e consequentes emissões de CO2;
• Responsáveis por aprox. 40% do consumo de energia;
• Estima-se que mais de 50% dos resíduos sólidos sejam provenientes do setor da construção;
• Este setor é responsável pelas extração de mais de 30% dos recursos naturais .
É urgente diminuir a
dependência
energética e as
emissões de GEE
Objetivos UE para 2020
20% peso das
renováveis na
energia final
20% de
redução de
emissões de
CO2
20% de
redução do
consumo de
energia
primária
Utilização de edifícios
Construção de edifícios
Portugal (sustentavel)
Compromissos assumidos por Portugal 2020:
 apoiar a transição para uma economia com baixas
emissões de carbono em todos os setores;
 proteger o ambiente e promover a eficiência dos recursos;
 promover transportes sustentáveis;
 promover o emprego e apoiar a mobilidade laboral;
 promover a inclusão social e combater a pobreza.
Construção sustentável
 Construir com sustentabilidade é construir com racionalidade, tendo em
vista a minimização dos impactes ecológicos que prejudicam a
biodiversidade.
 Este objetivo concretiza-se com:
 planeamento partilhado (todos os setores envolvidos);
 com o respeito pelos ciclos naturais do ar e da água;
 com o recurso a estratégias passivas de produção de energia;
 com a gestão e reciclagem de resíduos;
 com a utilização de produtos sustentáveis;
Planeamento partilhado
Respeito pelos ciclos naturais
e envolvente
• aproveitamento de condições naturais locais;
• utilizar mínimo de terreno e integrar-se ao ambiente natural;
• implantação e análise da envolvente;
• não provocar ou reduzir ao máximo os impactes na envolvente;
• gestão ambiental da obra;
Recurso a estratégias passivas
Recurso a estratégias passivas
Recurso a estratégias passivas
Recurso a energias de fontes
renováveis
Produtos sustentáveis?
O que são produtos
sustentáveis?
 São aqueles que usam os recursos materiais o mais eficiente possível, na
sua produção.
 Que integram os aspetos ambientais em todos os seus estágios;
 Os que cumprem as especificações de uso requeridas;
Logo, não se trata de priorizar produtos apenas devido a seu especto
ambiental, mas sim considerar seriamente tal espeto juntamente com os
tradicionais critérios de especificações técnicas e preço.
Opção sustentável de produtos
 Os produtos sustentáveis funcionam de forma a:
 usar menos recursos naturais;
 não conterem materiais perigosos ou tóxicos;
 ter maior vida útil;
 consumir menos água ou energia na sua produção ou uso;
 poder ser reutilizado ou reciclado;
 gerar menos resíduos.
Princípios PCS para a seleção
de materiais de construção
10 princípios
Princípios PCS para a seleção
de materiais de construção:
1. Princípio da redução do consumo de
recursos
2. Princípio da reutilização e/ou reciclagem
3. Princípio da absorção de CO2
5. Princípio da pureza na sua composição
6. Princípio da baixa energia incorporada
7. Princípio da origem local
8. Princípio da inocuidade à saúde humana
4. Princípio da renovação
9. Princípio da durabilidade e/ou de baixa manutenção
10. Princípio da certificação acreditada
Produtos sustentáveis
 Produtos sustentáveis não se resume à reciclagem materiais, mas compreende
a maioria dos propósitos referidos desde:
 Ideia
 Fabrico
 Transporte
 Destino final
O número de fornecedores deste tipo de produtos só aumentará se aumentar a
consciência dos compradores!
Produtos sustentáveis
Ciclo da construção
Elevado impacto
económico e
ambiental
(Adaptado de EPA, 2008).
“Num planeta com recursos finitos e serviços ambientais no limite da sua capacidade
(e.g. areia para construção, solo arável, concentração de CO2 na atmosfera,
concentração elevada de NO2 e partículas nas cidades), persistir num modelo
económico linear de “extrair- consumir- descartar” não será viável, pelo que impõe-se
mudar a abordagem estratégica.”
Fonte: Diário da República n.º 119/2017, Série II de 2017-06-22, publicado em 2017-06-22
Com o nº 6907/2017, Parte:C;
Ciclo da construção
CONSTRUÇÃO OPERAÇÃO
CONTROLADA
DESCONSTRUÇÃ
O
RESÍDUOS
VALORIZADO
S
PROJETO
(Adaptado de EPA, 2008).
CONSTRUÍR
PARA
DESCONSTRUÍR
Economia circular
 Região Norte e Centro do país:
 Identificar dois municípios onde haja necessidade de reabilitação e/ou
demolição de edifícios;
 Duas tipologias diferentes de edifícios;
 Desconstrução seletiva e valorização dos materiais provenientes ;
 Envolver os municípios;
Economia circular
 Criar um modelo de “projeto de desconstrução”, através de casos reais;
 Perceber as diferenças entre um edifício desconstruído versus um
edifício demolido e encaminhado para aterro ou outro destino não
valorizado adequadamente.
 Envolver os municípios, possibilitando uma forma de estes se tornarem
piloto na implementação de projetos de desconstrução ou demolição
seletiva;
 Obrigatoriedade de entrega do “projeto de desconstrução” na entrega
de projetos de arquitetura, ou pedidos de licença de demolição.
Objetivos do projeto de
desconstrução
 Informação detalhada dos materiais e métodos para desconstrução;
 Optar por conexões acessíveis e métodos de junção que facilitem a
desmontagem (por exemplo, minimizando conexões químicas e de
soldagem e usando conexões aparafusadas, roscadas e pregadas);
 Evitar a utilização de materiais não recicláveis e não reutilizáveis;
 Optar por estruturas simples de design e formas que permitam a
padronização de componentes e dimensões.
Processo linear – processo
circular
Economia circular
[7] A.R. Chini, Deconstruction and Materials Reuse ± an International Overview,
University of Florida, 2005.
Realidade internacional
Fases do projeto
Objetivos do projeto
Aumento da
meta de
incorporação
de materiais
reciclados (?)
Nova regulamentação
que obrigue à entrega
de projetos de
desconstrução (?)
(…)
www.csustentavel.com
www.csustentavel.com
csustentavel@csustentavel.com
portal-ecoproducts.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Engenharia verde
Engenharia verdeEngenharia verde
Cartilha de construcao casa sustentável
Cartilha de construcao casa sustentávelCartilha de construcao casa sustentável
Cartilha de construcao casa sustentável
Míriam Morata Novaes
 
Artigo copa 2014
Artigo copa 2014Artigo copa 2014
Artigo copa 2014
ProfFernandaBraga
 
App ciências ambientais - síntese
App   ciências ambientais - sínteseApp   ciências ambientais - síntese
App ciências ambientais - síntese
Camila Silva
 
Ap+2º+Per..
Ap+2º+Per..Ap+2º+Per..
Ap+2º+Per..
guest26b6ea
 
Aula2
Aula2Aula2
Aula2
novizo
 
Arquitetura Sustentável
Arquitetura SustentávelArquitetura Sustentável
Arquitetura Sustentável
Kauana ELuiz Agnelo
 
Edificações Sustentáveis (Estudo das Tecnologias)
Edificações Sustentáveis (Estudo das Tecnologias)Edificações Sustentáveis (Estudo das Tecnologias)
Edificações Sustentáveis (Estudo das Tecnologias)
François Urban, MBA
 
Informativo insp 36
Informativo insp   36Informativo insp   36
Informativo insp 36
Douglas Siqueira
 
Práticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARC
Práticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARCPráticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARC
Práticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARC
Arc Engenharia
 
SUSTENTABILIDADE EM PROJETOS DE ENGENHARIA
SUSTENTABILIDADE EM PROJETOS DE ENGENHARIASUSTENTABILIDADE EM PROJETOS DE ENGENHARIA
SUSTENTABILIDADE EM PROJETOS DE ENGENHARIA
Pedro Toledo Piza
 
Física - Energia Calorífica
Física - Energia CaloríficaFísica - Energia Calorífica
Física - Energia Calorífica
Vania Lima "Somos Físicos"
 
Engenharia da Sustentabilidade
Engenharia da SustentabilidadeEngenharia da Sustentabilidade
Engenharia da Sustentabilidade
Adriana Mendes
 
Prova 2-slides-6
Prova 2-slides-6Prova 2-slides-6
Prova 2-slides-6
Walter Fialho
 
Palestra Sustentabilidade
Palestra SustentabilidadePalestra Sustentabilidade
Palestra Sustentabilidade
Ana Dreyer
 
Construcao civil cartilha de gerenciamento de residuos solidos
Construcao civil   cartilha de gerenciamento de residuos solidosConstrucao civil   cartilha de gerenciamento de residuos solidos
Construcao civil cartilha de gerenciamento de residuos solidos
Cosmo Palasio
 
Uffsc ecv5161 sustentabilidade-apostila_0
Uffsc ecv5161 sustentabilidade-apostila_0Uffsc ecv5161 sustentabilidade-apostila_0
Uffsc ecv5161 sustentabilidade-apostila_0
Humberto Magno
 
Dra. maria augusta soares de oliveira
Dra. maria augusta soares de oliveiraDra. maria augusta soares de oliveira
Dra. maria augusta soares de oliveira
leonardo2710
 
Construções sustentáveis
Construções sustentáveisConstruções sustentáveis
Construções sustentáveis
Rochelle Lima
 
Joaquim Pescada - Sonnenkraft
Joaquim Pescada - SonnenkraftJoaquim Pescada - Sonnenkraft
Joaquim Pescada - Sonnenkraft
Construção Sustentável
 

Mais procurados (20)

Engenharia verde
Engenharia verdeEngenharia verde
Engenharia verde
 
Cartilha de construcao casa sustentável
Cartilha de construcao casa sustentávelCartilha de construcao casa sustentável
Cartilha de construcao casa sustentável
 
Artigo copa 2014
Artigo copa 2014Artigo copa 2014
Artigo copa 2014
 
App ciências ambientais - síntese
App   ciências ambientais - sínteseApp   ciências ambientais - síntese
App ciências ambientais - síntese
 
Ap+2º+Per..
Ap+2º+Per..Ap+2º+Per..
Ap+2º+Per..
 
Aula2
Aula2Aula2
Aula2
 
Arquitetura Sustentável
Arquitetura SustentávelArquitetura Sustentável
Arquitetura Sustentável
 
Edificações Sustentáveis (Estudo das Tecnologias)
Edificações Sustentáveis (Estudo das Tecnologias)Edificações Sustentáveis (Estudo das Tecnologias)
Edificações Sustentáveis (Estudo das Tecnologias)
 
Informativo insp 36
Informativo insp   36Informativo insp   36
Informativo insp 36
 
Práticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARC
Práticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARCPráticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARC
Práticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARC
 
SUSTENTABILIDADE EM PROJETOS DE ENGENHARIA
SUSTENTABILIDADE EM PROJETOS DE ENGENHARIASUSTENTABILIDADE EM PROJETOS DE ENGENHARIA
SUSTENTABILIDADE EM PROJETOS DE ENGENHARIA
 
Física - Energia Calorífica
Física - Energia CaloríficaFísica - Energia Calorífica
Física - Energia Calorífica
 
Engenharia da Sustentabilidade
Engenharia da SustentabilidadeEngenharia da Sustentabilidade
Engenharia da Sustentabilidade
 
Prova 2-slides-6
Prova 2-slides-6Prova 2-slides-6
Prova 2-slides-6
 
Palestra Sustentabilidade
Palestra SustentabilidadePalestra Sustentabilidade
Palestra Sustentabilidade
 
Construcao civil cartilha de gerenciamento de residuos solidos
Construcao civil   cartilha de gerenciamento de residuos solidosConstrucao civil   cartilha de gerenciamento de residuos solidos
Construcao civil cartilha de gerenciamento de residuos solidos
 
Uffsc ecv5161 sustentabilidade-apostila_0
Uffsc ecv5161 sustentabilidade-apostila_0Uffsc ecv5161 sustentabilidade-apostila_0
Uffsc ecv5161 sustentabilidade-apostila_0
 
Dra. maria augusta soares de oliveira
Dra. maria augusta soares de oliveiraDra. maria augusta soares de oliveira
Dra. maria augusta soares de oliveira
 
Construções sustentáveis
Construções sustentáveisConstruções sustentáveis
Construções sustentáveis
 
Joaquim Pescada - Sonnenkraft
Joaquim Pescada - SonnenkraftJoaquim Pescada - Sonnenkraft
Joaquim Pescada - Sonnenkraft
 

Semelhante a Sessão técnica - 11 dezembro 2017

Manual de Obras Públicas Sustentáveis
Manual de Obras Públicas SustentáveisManual de Obras Públicas Sustentáveis
Manual de Obras Públicas Sustentáveis
Pref_SBC
 
Gestão imobiliária e sustentabilidade
Gestão imobiliária e sustentabilidadeGestão imobiliária e sustentabilidade
Gestão imobiliária e sustentabilidade
Vítor Reis
 
Casa Popular Sustentável - Sistema de Avaliação
Casa Popular Sustentável - Sistema de AvaliaçãoCasa Popular Sustentável - Sistema de Avaliação
Casa Popular Sustentável - Sistema de Avaliação
Míriam Morata Novaes
 
Gonzalez Pesquisa
Gonzalez PesquisaGonzalez Pesquisa
Gonzalez Pesquisa
semanact2007
 
1º trabalho analise matriz swot empreendedorismo 2
1º trabalho analise matriz swot empreendedorismo 21º trabalho analise matriz swot empreendedorismo 2
1º trabalho analise matriz swot empreendedorismo 2
Ana Genesy
 
Conceitos Ecodesign
Conceitos EcodesignConceitos Ecodesign
Conceitos Ecodesign
martha
 
Leed Construa Verde
Leed Construa VerdeLeed Construa Verde
Leed Construa Verde
Ana Dreyer
 
Livro tornando-nosso-ambiente-construido-mais-sustentavel-greg-katspdf
Livro tornando-nosso-ambiente-construido-mais-sustentavel-greg-katspdfLivro tornando-nosso-ambiente-construido-mais-sustentavel-greg-katspdf
Livro tornando-nosso-ambiente-construido-mais-sustentavel-greg-katspdf
Míriam Morata Novaes
 
ACV & Sustentabilidade uma Abordagem Automotiva
ACV & Sustentabilidade uma Abordagem AutomotivaACV & Sustentabilidade uma Abordagem Automotiva
ACV & Sustentabilidade uma Abordagem Automotiva
Fernando Jose Novaes
 
Miguel Nery OASRN 18 Nov 2010 Braga
Miguel Nery OASRN 18 Nov 2010 BragaMiguel Nery OASRN 18 Nov 2010 Braga
Miguel Nery OASRN 18 Nov 2010 Braga
Construção Sustentável
 
Sustentabilidade no canteiro de obras
Sustentabilidade no canteiro de obrasSustentabilidade no canteiro de obras
Sustentabilidade no canteiro de obras
Tiago Machado, MBA
 
Desenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento SustentávelDesenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento Sustentável
Mariana Pinto
 
SERGIO DE MELLO WE li.pdf
SERGIO DE MELLO  WE li.pdfSERGIO DE MELLO  WE li.pdf
SERGIO DE MELLO WE li.pdf
SERGIODEMELLOQUEIROZ
 
ZERO WAST
ZERO WASTZERO WAST
Introdução aula 6
Introdução   aula 6Introdução   aula 6
Introdução aula 6
Giovanna Ortiz
 
Economia Verde_Clusters_CCDR LVT_07jan2014_s2
Economia Verde_Clusters_CCDR LVT_07jan2014_s2Economia Verde_Clusters_CCDR LVT_07jan2014_s2
Economia Verde_Clusters_CCDR LVT_07jan2014_s2
António Alvarenga
 
Conference ISEG_ 2022_RS_JMS_HVGN_FM_AG_VA.pptx
Conference ISEG_ 2022_RS_JMS_HVGN_FM_AG_VA.pptxConference ISEG_ 2022_RS_JMS_HVGN_FM_AG_VA.pptx
Conference ISEG_ 2022_RS_JMS_HVGN_FM_AG_VA.pptx
Ricardo Santos
 
1 encontro cne_ecochoice
1 encontro cne_ecochoice1 encontro cne_ecochoice
1 encontro cne_ecochoice
sinduscon
 
PCC3231 - Aula 11 Sustentabilodade.pdf
PCC3231 - Aula 11 Sustentabilodade.pdfPCC3231 - Aula 11 Sustentabilodade.pdf
PCC3231 - Aula 11 Sustentabilodade.pdf
TamiresFelipe3
 
AULA 1- AUDITORIA.pdf
AULA 1- AUDITORIA.pdfAULA 1- AUDITORIA.pdf
AULA 1- AUDITORIA.pdf
ClaudiaSiano
 

Semelhante a Sessão técnica - 11 dezembro 2017 (20)

Manual de Obras Públicas Sustentáveis
Manual de Obras Públicas SustentáveisManual de Obras Públicas Sustentáveis
Manual de Obras Públicas Sustentáveis
 
Gestão imobiliária e sustentabilidade
Gestão imobiliária e sustentabilidadeGestão imobiliária e sustentabilidade
Gestão imobiliária e sustentabilidade
 
Casa Popular Sustentável - Sistema de Avaliação
Casa Popular Sustentável - Sistema de AvaliaçãoCasa Popular Sustentável - Sistema de Avaliação
Casa Popular Sustentável - Sistema de Avaliação
 
Gonzalez Pesquisa
Gonzalez PesquisaGonzalez Pesquisa
Gonzalez Pesquisa
 
1º trabalho analise matriz swot empreendedorismo 2
1º trabalho analise matriz swot empreendedorismo 21º trabalho analise matriz swot empreendedorismo 2
1º trabalho analise matriz swot empreendedorismo 2
 
Conceitos Ecodesign
Conceitos EcodesignConceitos Ecodesign
Conceitos Ecodesign
 
Leed Construa Verde
Leed Construa VerdeLeed Construa Verde
Leed Construa Verde
 
Livro tornando-nosso-ambiente-construido-mais-sustentavel-greg-katspdf
Livro tornando-nosso-ambiente-construido-mais-sustentavel-greg-katspdfLivro tornando-nosso-ambiente-construido-mais-sustentavel-greg-katspdf
Livro tornando-nosso-ambiente-construido-mais-sustentavel-greg-katspdf
 
ACV & Sustentabilidade uma Abordagem Automotiva
ACV & Sustentabilidade uma Abordagem AutomotivaACV & Sustentabilidade uma Abordagem Automotiva
ACV & Sustentabilidade uma Abordagem Automotiva
 
Miguel Nery OASRN 18 Nov 2010 Braga
Miguel Nery OASRN 18 Nov 2010 BragaMiguel Nery OASRN 18 Nov 2010 Braga
Miguel Nery OASRN 18 Nov 2010 Braga
 
Sustentabilidade no canteiro de obras
Sustentabilidade no canteiro de obrasSustentabilidade no canteiro de obras
Sustentabilidade no canteiro de obras
 
Desenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento SustentávelDesenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento Sustentável
 
SERGIO DE MELLO WE li.pdf
SERGIO DE MELLO  WE li.pdfSERGIO DE MELLO  WE li.pdf
SERGIO DE MELLO WE li.pdf
 
ZERO WAST
ZERO WASTZERO WAST
ZERO WAST
 
Introdução aula 6
Introdução   aula 6Introdução   aula 6
Introdução aula 6
 
Economia Verde_Clusters_CCDR LVT_07jan2014_s2
Economia Verde_Clusters_CCDR LVT_07jan2014_s2Economia Verde_Clusters_CCDR LVT_07jan2014_s2
Economia Verde_Clusters_CCDR LVT_07jan2014_s2
 
Conference ISEG_ 2022_RS_JMS_HVGN_FM_AG_VA.pptx
Conference ISEG_ 2022_RS_JMS_HVGN_FM_AG_VA.pptxConference ISEG_ 2022_RS_JMS_HVGN_FM_AG_VA.pptx
Conference ISEG_ 2022_RS_JMS_HVGN_FM_AG_VA.pptx
 
1 encontro cne_ecochoice
1 encontro cne_ecochoice1 encontro cne_ecochoice
1 encontro cne_ecochoice
 
PCC3231 - Aula 11 Sustentabilodade.pdf
PCC3231 - Aula 11 Sustentabilodade.pdfPCC3231 - Aula 11 Sustentabilodade.pdf
PCC3231 - Aula 11 Sustentabilodade.pdf
 
AULA 1- AUDITORIA.pdf
AULA 1- AUDITORIA.pdfAULA 1- AUDITORIA.pdf
AULA 1- AUDITORIA.pdf
 

Mais de CICCOPN - Centro de formação Profissional da Industria da Construção Civil e Obras Públicas do Norte

ISO9001 - Aplicação prática no Setor da Construção Civil
ISO9001 -  Aplicação prática no Setor da Construção Civil               ISO9001 -  Aplicação prática no Setor da Construção Civil
Implementação do Lean na Construção
Implementação do Lean na ConstruçãoImplementação do Lean na Construção
eiC - Evolucao Certificacao Construcao Civil
eiC - Evolucao Certificacao Construcao CivileiC - Evolucao Certificacao Construcao Civil
Jornadas Qualidade 2019
Jornadas Qualidade 2019Jornadas Qualidade 2019
Apresentacao joao baptista_julho2019
Apresentacao joao baptista_julho2019Apresentacao joao baptista_julho2019
Apresentacao rui-cunha
Apresentacao rui-cunhaApresentacao rui-cunha
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshopsLearningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshopsLearningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Jornadas Qualidade - Business intelligence
Jornadas Qualidade - Business intelligence Jornadas Qualidade - Business intelligence
Jornadas qualidade - Bosch
Jornadas qualidade - BoschJornadas qualidade - Bosch
Qualidade desenvolvimento-produtos
Qualidade desenvolvimento-produtosQualidade desenvolvimento-produtos
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IECJornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
Equipas de Qualidade
Equipas de QualidadeEquipas de Qualidade
Trabalhador designado - Segurança e Saúde no Trabalho
Trabalhador designado - Segurança e Saúde no TrabalhoTrabalhador designado - Segurança e Saúde no Trabalho
Jornadas da Qualidade no CICCOPN
Jornadas da Qualidade no CICCOPNJornadas da Qualidade no CICCOPN
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
CICCOPN - Centro de formação Profissional da Industria da Construção Civil e Obras Públicas do Norte
 
Guia controlo exposicao profissional a agentes químicos
Guia controlo exposicao profissional a agentes químicosGuia controlo exposicao profissional a agentes químicos
Guia luvas-Exposição profissional a agentes químicos
Guia luvas-Exposição profissional a agentes químicosGuia luvas-Exposição profissional a agentes químicos
Guia epi - Exposição profissional a agentes químicos
Guia epi - Exposição profissional a agentes químicosGuia epi - Exposição profissional a agentes químicos
Exposição profissional a agentes químicos
Exposição profissional a agentes químicosExposição profissional a agentes químicos

Mais de CICCOPN - Centro de formação Profissional da Industria da Construção Civil e Obras Públicas do Norte (20)

ISO9001 - Aplicação prática no Setor da Construção Civil
ISO9001 -  Aplicação prática no Setor da Construção Civil               ISO9001 -  Aplicação prática no Setor da Construção Civil
ISO9001 - Aplicação prática no Setor da Construção Civil
 
Implementação do Lean na Construção
Implementação do Lean na ConstruçãoImplementação do Lean na Construção
Implementação do Lean na Construção
 
eiC - Evolucao Certificacao Construcao Civil
eiC - Evolucao Certificacao Construcao CivileiC - Evolucao Certificacao Construcao Civil
eiC - Evolucao Certificacao Construcao Civil
 
Jornadas Qualidade 2019
Jornadas Qualidade 2019Jornadas Qualidade 2019
Jornadas Qualidade 2019
 
Apresentacao joao baptista_julho2019
Apresentacao joao baptista_julho2019Apresentacao joao baptista_julho2019
Apresentacao joao baptista_julho2019
 
Apresentacao rui-cunha
Apresentacao rui-cunhaApresentacao rui-cunha
Apresentacao rui-cunha
 
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshopsLearningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
 
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshopsLearningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
 
Jornadas Qualidade - Business intelligence
Jornadas Qualidade - Business intelligence Jornadas Qualidade - Business intelligence
Jornadas Qualidade - Business intelligence
 
Jornadas qualidade - Bosch
Jornadas qualidade - BoschJornadas qualidade - Bosch
Jornadas qualidade - Bosch
 
Qualidade desenvolvimento-produtos
Qualidade desenvolvimento-produtosQualidade desenvolvimento-produtos
Qualidade desenvolvimento-produtos
 
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IECJornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
 
Equipas de Qualidade
Equipas de QualidadeEquipas de Qualidade
Equipas de Qualidade
 
Trabalhador designado - Segurança e Saúde no Trabalho
Trabalhador designado - Segurança e Saúde no TrabalhoTrabalhador designado - Segurança e Saúde no Trabalho
Trabalhador designado - Segurança e Saúde no Trabalho
 
Jornadas da Qualidade no CICCOPN
Jornadas da Qualidade no CICCOPNJornadas da Qualidade no CICCOPN
Jornadas da Qualidade no CICCOPN
 
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
 
Guia controlo exposicao profissional a agentes químicos
Guia controlo exposicao profissional a agentes químicosGuia controlo exposicao profissional a agentes químicos
Guia controlo exposicao profissional a agentes químicos
 
Guia luvas-Exposição profissional a agentes químicos
Guia luvas-Exposição profissional a agentes químicosGuia luvas-Exposição profissional a agentes químicos
Guia luvas-Exposição profissional a agentes químicos
 
Guia epi - Exposição profissional a agentes químicos
Guia epi - Exposição profissional a agentes químicosGuia epi - Exposição profissional a agentes químicos
Guia epi - Exposição profissional a agentes químicos
 
Exposição profissional a agentes químicos
Exposição profissional a agentes químicosExposição profissional a agentes químicos
Exposição profissional a agentes químicos
 

Último

Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 

Sessão técnica - 11 dezembro 2017

  • 1. CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL | ECONOMIA CIRCULAR.
  • 2. Enquadramento histórico  1987: Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento da ONU;  Relatório de Brundtland: Objetivo: discutir um novo modelo econômico que conciliasse o crescimento económico, com a justiça social e a preservação do ambiente. O QUE É SUSTENTABILIDADE? “É a capacidade de satisfazer às próprias necessidades sem reduzir as oportunidades das gerações futuras.” (Relatório de Brundtland, 1987)
  • 3. Enquadramento histórico  1992: Conferência de Nações Unidas sobre o Ambiente e Desenvolvimento  Objetivo: buscar formas de conciliar o desenvolvimento social e econômico com a conservação e proteção dos ecossistemas.  1994: definição mais aceite internacionalmente sobre construção sustentável, de Charles Kibert :  Construção Sustentável: "criação e gestão responsável de um ambiente construído saudável, tendo em consideração os princípios ecológicos e a utilização eficiente dos recursos".
  • 5. Setor da Construção • Edifícios são grandes contribuidores para o fenómeno das alterações climáticas; • Indispensáveis à vida humana (passamos 90% do nosso tempo de vida); • Responsáveis por grandes consumos de energia e consequentes emissões de CO2; • Responsáveis por aprox. 40% do consumo de energia; • Estima-se que mais de 50% dos resíduos sólidos sejam provenientes do setor da construção; • Este setor é responsável pelas extração de mais de 30% dos recursos naturais .
  • 6. É urgente diminuir a dependência energética e as emissões de GEE Objetivos UE para 2020 20% peso das renováveis na energia final 20% de redução de emissões de CO2 20% de redução do consumo de energia primária Utilização de edifícios
  • 8. Portugal (sustentavel) Compromissos assumidos por Portugal 2020:  apoiar a transição para uma economia com baixas emissões de carbono em todos os setores;  proteger o ambiente e promover a eficiência dos recursos;  promover transportes sustentáveis;  promover o emprego e apoiar a mobilidade laboral;  promover a inclusão social e combater a pobreza.
  • 9. Construção sustentável  Construir com sustentabilidade é construir com racionalidade, tendo em vista a minimização dos impactes ecológicos que prejudicam a biodiversidade.  Este objetivo concretiza-se com:  planeamento partilhado (todos os setores envolvidos);  com o respeito pelos ciclos naturais do ar e da água;  com o recurso a estratégias passivas de produção de energia;  com a gestão e reciclagem de resíduos;  com a utilização de produtos sustentáveis;
  • 11. Respeito pelos ciclos naturais e envolvente • aproveitamento de condições naturais locais; • utilizar mínimo de terreno e integrar-se ao ambiente natural; • implantação e análise da envolvente; • não provocar ou reduzir ao máximo os impactes na envolvente; • gestão ambiental da obra;
  • 15. Recurso a energias de fontes renováveis
  • 17. O que são produtos sustentáveis?  São aqueles que usam os recursos materiais o mais eficiente possível, na sua produção.  Que integram os aspetos ambientais em todos os seus estágios;  Os que cumprem as especificações de uso requeridas; Logo, não se trata de priorizar produtos apenas devido a seu especto ambiental, mas sim considerar seriamente tal espeto juntamente com os tradicionais critérios de especificações técnicas e preço.
  • 18. Opção sustentável de produtos  Os produtos sustentáveis funcionam de forma a:  usar menos recursos naturais;  não conterem materiais perigosos ou tóxicos;  ter maior vida útil;  consumir menos água ou energia na sua produção ou uso;  poder ser reutilizado ou reciclado;  gerar menos resíduos.
  • 19. Princípios PCS para a seleção de materiais de construção 10 princípios
  • 20. Princípios PCS para a seleção de materiais de construção: 1. Princípio da redução do consumo de recursos 2. Princípio da reutilização e/ou reciclagem 3. Princípio da absorção de CO2 5. Princípio da pureza na sua composição 6. Princípio da baixa energia incorporada 7. Princípio da origem local 8. Princípio da inocuidade à saúde humana 4. Princípio da renovação 9. Princípio da durabilidade e/ou de baixa manutenção 10. Princípio da certificação acreditada
  • 21. Produtos sustentáveis  Produtos sustentáveis não se resume à reciclagem materiais, mas compreende a maioria dos propósitos referidos desde:  Ideia  Fabrico  Transporte  Destino final O número de fornecedores deste tipo de produtos só aumentará se aumentar a consciência dos compradores!
  • 23. Ciclo da construção Elevado impacto económico e ambiental (Adaptado de EPA, 2008).
  • 24. “Num planeta com recursos finitos e serviços ambientais no limite da sua capacidade (e.g. areia para construção, solo arável, concentração de CO2 na atmosfera, concentração elevada de NO2 e partículas nas cidades), persistir num modelo económico linear de “extrair- consumir- descartar” não será viável, pelo que impõe-se mudar a abordagem estratégica.” Fonte: Diário da República n.º 119/2017, Série II de 2017-06-22, publicado em 2017-06-22 Com o nº 6907/2017, Parte:C;
  • 25. Ciclo da construção CONSTRUÇÃO OPERAÇÃO CONTROLADA DESCONSTRUÇÃ O RESÍDUOS VALORIZADO S PROJETO (Adaptado de EPA, 2008). CONSTRUÍR PARA DESCONSTRUÍR
  • 26.
  • 27. Economia circular  Região Norte e Centro do país:  Identificar dois municípios onde haja necessidade de reabilitação e/ou demolição de edifícios;  Duas tipologias diferentes de edifícios;  Desconstrução seletiva e valorização dos materiais provenientes ;  Envolver os municípios;
  • 28. Economia circular  Criar um modelo de “projeto de desconstrução”, através de casos reais;  Perceber as diferenças entre um edifício desconstruído versus um edifício demolido e encaminhado para aterro ou outro destino não valorizado adequadamente.  Envolver os municípios, possibilitando uma forma de estes se tornarem piloto na implementação de projetos de desconstrução ou demolição seletiva;  Obrigatoriedade de entrega do “projeto de desconstrução” na entrega de projetos de arquitetura, ou pedidos de licença de demolição.
  • 29. Objetivos do projeto de desconstrução  Informação detalhada dos materiais e métodos para desconstrução;  Optar por conexões acessíveis e métodos de junção que facilitem a desmontagem (por exemplo, minimizando conexões químicas e de soldagem e usando conexões aparafusadas, roscadas e pregadas);  Evitar a utilização de materiais não recicláveis e não reutilizáveis;  Optar por estruturas simples de design e formas que permitam a padronização de componentes e dimensões.
  • 30. Processo linear – processo circular
  • 32. [7] A.R. Chini, Deconstruction and Materials Reuse ± an International Overview, University of Florida, 2005. Realidade internacional
  • 34. Objetivos do projeto Aumento da meta de incorporação de materiais reciclados (?) Nova regulamentação que obrigue à entrega de projetos de desconstrução (?)
  • 35.
  • 37.