SlideShare uma empresa Scribd logo
Árvore de Causas
ÁRVORE DE CAUSAS

Árvore de causas é uma ferramenta prática de se investigar algo, seja um
acidente, incidentes , desvio etc. Ajudando compreender o que acorreu e
encontrar uma maneira mais adequada para lutar contra ele.

Pode ser definida como uma representação gráfica do encadeamento lógico
dos fatores que contribuíram para o acontecimento do acidente ou incidente,
elaborada a partir do caso real.

Árvore de Causas
Slide 1
PRINCÍPIOS PARA ELABORAÇÃO DA ÁRVORE DE CAUSAS

Para sua elaboração é fundamental observar alguns princípios:
• Apoiar-se em fatos concretos, que comprovadamente tenham ocorrido. Não basear-se em
hipóteses, nem fazer interpretações (deduções) ou julgamentos.
• Não fazer uso tendencioso do método, isto é, para fazer valer ideias pessoais. O método foi
desenvolvido para ser explorado em grupo.

• Deve ser bem feita, bem elaborada e transparente.
• Se analisada em grupo, não deve haver hierarquia entre seus membros, todos devem ter peso
igual.
• Seu objetivo é procurar estabelecer as causas básicas, e não buscar culpados..
• O resultado não deve indicar apenas uma causa, mas várias.

Árvore de Causas
Slide 2
FATOS QUE ANTECEDEM A ELABORAÇÃO DA ÁRVORE
Analise da Situação:
Ponto de partida: O processo se inicia após a ocorrência de um acidente ou incidente.
Observação de Princípios: Antes do inicio da investigação propriamente dita, os membros devem estar
conscientes dos princípios para elaboração da Árvore de causa mencionado anteriormente.
Coleta de informações: Esta coleta deve ser feita de forma objetiva e levando em conta os seguintes
critérios.
•Iniciar a investigação imediatamente após a ocorrência do acidente ou incidente.
•Reconstituir o acidente no local da ocorrência, reunindo evidencia “sinais” que possam ser utilizados para
construção ADC.
•Estar atento para reconhecer informações imprecisas ou deturpadas, lembrando-se de que o intervalo de
tempo entre o momento do acidente ou incidente e o início da investigação pode deixar no esquecimento
detalhes importantes.
• Registrar todas as informações obtidas, para utilizá-las sempre que necessário.
• Entre os elementos envolvidos na investigação, são fundamentais.
Individuo, trabalho, material, meio de trabalho,retroagir o Maximo.
Lembre-se: A qualidade da investigação depende do número de dados recebidos. Portanto, todo
trabalho poderá ficar comprometido, se não for feito um levantamento correto e preciso.
Árvore de Causas
Slide 3
DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO
DE ISHIKASWA (ESPINHA DE PEIXE)

O diagrama de causa e efeito, também chamado diagrama espinha de peixe ou
diagrama de Ishikawa é uma representação gráfica que permite a organização
das informações possibilitando a identificação das possíveis causas de um
problema ou efeito.

Esta ferramenta foi desenvolvida em 1943 por Kaoru Ishikawa, na Universidade
de Tóquio, ela nos mostra as principais causas de ação. As quais dirigem para
as sub- causas, levando ao resultado final. Embora não identifique, ele próprio
, as causas do problema, o diagrama funciona como um “veículo para conduzir
com o máximo de foco possível, uma lista de todas as causa possíveis ou
presumíveis, que potencialmente contribuem para o efeito observado”.

Árvore de Causas
Slide 4
QUANDO UTILIZAR ESTA FERRAMENTA?

Quando necessitar identificar todas as possíveis causas de um problema;
Para obter uma melhor visualização da relações entre a causa e efeito delas
decorrente;
Classificar as causas, dividindo- as em sub-causas, sobre um efeito ou
resultado;
Para saber quais as causas que estão provocando este problema;

Árvore de Causas
Slide 5
DESENVOLVIMENTO

1- Descreva o problema e coloque em uma caixa a direita.
2- Desenhe uma longa seta horizontal apontando para a caixa.
3- Identifique as principais causas.
Utilizaremos o 6M “método, mão -de-obra, material, meio ambiente, medida e maquina”
4- Utilizando a técnica Brainstorming, para descobrir causa mais detalhadas.
5- adicione sempre que necessário mais sub- causa.
6- Após concluir o Brainstorming, faça uma analise das informações, para achar as
principais áreas a se investigar.
7- Se não houver um consenso sobre a área a investigar , utilize um sistema de votação.
8- Para cada item selecionado, discuta como ele impactou para o problema.

9- Cite um plano de ação para as áreas selecionada.

Árvore de Causas
Slide 6
ÁRVORE DE CAUSAS

Árvore de Causas
Slide 7
ÁRVORE DE CAUSAS

Árvore de Causas
Slide 8
ÁRVORE DE CAUSAS

Árvore de Causas
Slide 9

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
Caio Roberto de Souza Filho
 
Diagrama de Causa e Efeito - Descubra e aprenda ishikawa na pratica
Diagrama de Causa e Efeito - Descubra e aprenda ishikawa na praticaDiagrama de Causa e Efeito - Descubra e aprenda ishikawa na pratica
Diagrama de Causa e Efeito - Descubra e aprenda ishikawa na pratica
Jefferson Affonso - PMP®, ITIL®, MCTS®, MBA
 
O Mapa da Causa Raiz - A ferramenta que alia eficácia e simplicidade na soluç...
O Mapa da Causa Raiz - A ferramenta que alia eficácia e simplicidade na soluç...O Mapa da Causa Raiz - A ferramenta que alia eficácia e simplicidade na soluç...
O Mapa da Causa Raiz - A ferramenta que alia eficácia e simplicidade na soluç...
Rogério Campos Meira
 
9 7 ferramentas-qualidade
9   7 ferramentas-qualidade9   7 ferramentas-qualidade
9 7 ferramentas-qualidade
Bruno Barros
 
As 7 novas ferramentas da qualidade
As 7 novas ferramentas da qualidadeAs 7 novas ferramentas da qualidade
As 7 novas ferramentas da qualidade
José Daniel Barros
 
Processo de Analise e Solucao de Problemas
Processo de Analise e Solucao de ProblemasProcesso de Analise e Solucao de Problemas
Processo de Analise e Solucao de Problemas
Rogério Souza
 
Ferramentas de qualidade
Ferramentas de qualidadeFerramentas de qualidade
Ferramentas de qualidade
Gustavo Kerezi
 
7 Ferramentas Básicas Ou Clássicas
7 Ferramentas Básicas  Ou Clássicas7 Ferramentas Básicas  Ou Clássicas
7 Ferramentas Básicas Ou Clássicas
Instituto Monitor
 
Aula 7 - MASP - ferramentas da qualidade - 2019-1
Aula 7   - MASP -  ferramentas da qualidade - 2019-1Aula 7   - MASP -  ferramentas da qualidade - 2019-1
Aula 7 - MASP - ferramentas da qualidade - 2019-1
IFMG
 
Ferramentas
FerramentasFerramentas
Ferramentas
Tħiago Ivo Pereira
 
Ferramentas+de+qu --
Ferramentas+de+qu --Ferramentas+de+qu --
Ferramentas+de+qu --
Edilene Aguiar
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
blogcorreafabio
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
Luiz Claudio Santana
 
MASP - Método de Análise e Solução de Problemas
MASP - Método de Análise e Solução de ProblemasMASP - Método de Análise e Solução de Problemas
MASP - Método de Análise e Solução de Problemas
Márcio Hosken
 
Ishikawa
IshikawaIshikawa
Ishikawa
Tiago Longhi
 
Aula 3 fusc omasp juran_2
Aula 3 fusc omasp juran_2Aula 3 fusc omasp juran_2
Aula 3 fusc omasp juran_2
José Paulo Alves Fusco
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
Rubia Soraya Rabello
 
masp - Método de Análise de Problemas
masp - Método de Análise de Problemasmasp - Método de Análise de Problemas
masp - Método de Análise de Problemas
Sergio Murilo Rocha da Silva
 

Mais procurados (18)

1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
 
Diagrama de Causa e Efeito - Descubra e aprenda ishikawa na pratica
Diagrama de Causa e Efeito - Descubra e aprenda ishikawa na praticaDiagrama de Causa e Efeito - Descubra e aprenda ishikawa na pratica
Diagrama de Causa e Efeito - Descubra e aprenda ishikawa na pratica
 
O Mapa da Causa Raiz - A ferramenta que alia eficácia e simplicidade na soluç...
O Mapa da Causa Raiz - A ferramenta que alia eficácia e simplicidade na soluç...O Mapa da Causa Raiz - A ferramenta que alia eficácia e simplicidade na soluç...
O Mapa da Causa Raiz - A ferramenta que alia eficácia e simplicidade na soluç...
 
9 7 ferramentas-qualidade
9   7 ferramentas-qualidade9   7 ferramentas-qualidade
9 7 ferramentas-qualidade
 
As 7 novas ferramentas da qualidade
As 7 novas ferramentas da qualidadeAs 7 novas ferramentas da qualidade
As 7 novas ferramentas da qualidade
 
Processo de Analise e Solucao de Problemas
Processo de Analise e Solucao de ProblemasProcesso de Analise e Solucao de Problemas
Processo de Analise e Solucao de Problemas
 
Ferramentas de qualidade
Ferramentas de qualidadeFerramentas de qualidade
Ferramentas de qualidade
 
7 Ferramentas Básicas Ou Clássicas
7 Ferramentas Básicas  Ou Clássicas7 Ferramentas Básicas  Ou Clássicas
7 Ferramentas Básicas Ou Clássicas
 
Aula 7 - MASP - ferramentas da qualidade - 2019-1
Aula 7   - MASP -  ferramentas da qualidade - 2019-1Aula 7   - MASP -  ferramentas da qualidade - 2019-1
Aula 7 - MASP - ferramentas da qualidade - 2019-1
 
Ferramentas
FerramentasFerramentas
Ferramentas
 
Ferramentas+de+qu --
Ferramentas+de+qu --Ferramentas+de+qu --
Ferramentas+de+qu --
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
MASP - Método de Análise e Solução de Problemas
MASP - Método de Análise e Solução de ProblemasMASP - Método de Análise e Solução de Problemas
MASP - Método de Análise e Solução de Problemas
 
Ishikawa
IshikawaIshikawa
Ishikawa
 
Aula 3 fusc omasp juran_2
Aula 3 fusc omasp juran_2Aula 3 fusc omasp juran_2
Aula 3 fusc omasp juran_2
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
masp - Método de Análise de Problemas
masp - Método de Análise de Problemasmasp - Método de Análise de Problemas
masp - Método de Análise de Problemas
 

Destaque

Arvore de causas
Arvore de causasArvore de causas
Arvore de causas
Edilson Azevedo
 
(Transformar) Sessão 03 - Gestão de Projetos Sociais PMD
(Transformar) Sessão 03 - Gestão de Projetos Sociais PMD(Transformar) Sessão 03 - Gestão de Projetos Sociais PMD
(Transformar) Sessão 03 - Gestão de Projetos Sociais PMD
Ink_conteudos
 
Cipa Arvore De Causas
Cipa   Arvore De CausasCipa   Arvore De Causas
Cipa Arvore De Causas
Alessandro Silva
 
[Infographic] CYREN Q3 2015 Cyber Threat Report
[Infographic] CYREN Q3 2015 Cyber Threat Report[Infographic] CYREN Q3 2015 Cyber Threat Report
[Infographic] CYREN Q3 2015 Cyber Threat Report
Christian Reuter
 
Planejamento de trabalho julho
Planejamento de trabalho julhoPlanejamento de trabalho julho
Planejamento de trabalho julho
WELINGTON JUSTO
 
Cronograma anual 2009
Cronograma anual 2009Cronograma anual 2009
Cronograma anual 2009
DGAC
 
Cronograma anual de capacitaciones pereira
Cronograma anual de capacitaciones pereiraCronograma anual de capacitaciones pereira
Cronograma anual de capacitaciones pereira
Jose Joaco Pena
 
Modelo de ppra_comentado
Modelo de ppra_comentadoModelo de ppra_comentado
Modelo de ppra_comentado
Silvia Nascimento
 
Comoelaborar
ComoelaborarComoelaborar
Comoelaborar
revol12345
 
Aac analise arvore de causas
Aac analise arvore de causasAac analise arvore de causas
Aac analise arvore de causas
vanderli cunha
 
PPRA
PPRAPPRA
(Transformar) Sessão 02 - Gestão de Projetos Sociais
(Transformar) Sessão 02 - Gestão de Projetos Sociais(Transformar) Sessão 02 - Gestão de Projetos Sociais
(Transformar) Sessão 02 - Gestão de Projetos Sociais
Ink_conteudos
 
PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional
PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde OcupacionalPCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional
PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional
Renato Sfolia
 
NR7 PCMSO
NR7 PCMSONR7 PCMSO
NR7 PCMSO
Rose Oliveira
 
Nr 7, a teoria e a prática
Nr 7, a teoria e a práticaNr 7, a teoria e a prática
Nr 7, a teoria e a prática
Ana Carolina Castro
 
PPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS
PPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAISPPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS
PPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS
Francielle Almeida
 
Primeiros socorros trabalho em altura 2014
Primeiros socorros trabalho em altura  2014Primeiros socorros trabalho em altura  2014
Primeiros socorros trabalho em altura 2014
Clemilson Souza
 

Destaque (17)

Arvore de causas
Arvore de causasArvore de causas
Arvore de causas
 
(Transformar) Sessão 03 - Gestão de Projetos Sociais PMD
(Transformar) Sessão 03 - Gestão de Projetos Sociais PMD(Transformar) Sessão 03 - Gestão de Projetos Sociais PMD
(Transformar) Sessão 03 - Gestão de Projetos Sociais PMD
 
Cipa Arvore De Causas
Cipa   Arvore De CausasCipa   Arvore De Causas
Cipa Arvore De Causas
 
[Infographic] CYREN Q3 2015 Cyber Threat Report
[Infographic] CYREN Q3 2015 Cyber Threat Report[Infographic] CYREN Q3 2015 Cyber Threat Report
[Infographic] CYREN Q3 2015 Cyber Threat Report
 
Planejamento de trabalho julho
Planejamento de trabalho julhoPlanejamento de trabalho julho
Planejamento de trabalho julho
 
Cronograma anual 2009
Cronograma anual 2009Cronograma anual 2009
Cronograma anual 2009
 
Cronograma anual de capacitaciones pereira
Cronograma anual de capacitaciones pereiraCronograma anual de capacitaciones pereira
Cronograma anual de capacitaciones pereira
 
Modelo de ppra_comentado
Modelo de ppra_comentadoModelo de ppra_comentado
Modelo de ppra_comentado
 
Comoelaborar
ComoelaborarComoelaborar
Comoelaborar
 
Aac analise arvore de causas
Aac analise arvore de causasAac analise arvore de causas
Aac analise arvore de causas
 
PPRA
PPRAPPRA
PPRA
 
(Transformar) Sessão 02 - Gestão de Projetos Sociais
(Transformar) Sessão 02 - Gestão de Projetos Sociais(Transformar) Sessão 02 - Gestão de Projetos Sociais
(Transformar) Sessão 02 - Gestão de Projetos Sociais
 
PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional
PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde OcupacionalPCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional
PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional
 
NR7 PCMSO
NR7 PCMSONR7 PCMSO
NR7 PCMSO
 
Nr 7, a teoria e a prática
Nr 7, a teoria e a práticaNr 7, a teoria e a prática
Nr 7, a teoria e a prática
 
PPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS
PPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAISPPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS
PPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS
 
Primeiros socorros trabalho em altura 2014
Primeiros socorros trabalho em altura  2014Primeiros socorros trabalho em altura  2014
Primeiros socorros trabalho em altura 2014
 

Semelhante a Bruno Franklin- áRvore de causas

Ferramenta 2 diagrama de ishikawa
Ferramenta 2 diagrama de ishikawaFerramenta 2 diagrama de ishikawa
Ferramenta 2 diagrama de ishikawa
Ailton Melo
 
1-1DIAGNÓSTICO_MASP_2489000424_131948.pdf
1-1DIAGNÓSTICO_MASP_2489000424_131948.pdf1-1DIAGNÓSTICO_MASP_2489000424_131948.pdf
1-1DIAGNÓSTICO_MASP_2489000424_131948.pdf
NelsonAngeloZavale
 
Apostila ferramentas QT
Apostila ferramentas QTApostila ferramentas QT
Apostila ferramentas QT
Marcos Magnanti
 
analise critica do desempenho e identificacao de causa raiz.pptx
analise critica do desempenho e identificacao de causa raiz.pptxanalise critica do desempenho e identificacao de causa raiz.pptx
analise critica do desempenho e identificacao de causa raiz.pptx
RonaldoAlves153492
 
Metodologia para uma Analise de Acidente.pptx
Metodologia para uma Analise de Acidente.pptxMetodologia para uma Analise de Acidente.pptx
Metodologia para uma Analise de Acidente.pptx
lippeszbianca
 
Gestao baseada processos
Gestao baseada processosGestao baseada processos
Gestao baseada processos
UNIFACS
 
Analise de causa raiz.pptx
Analise de causa raiz.pptxAnalise de causa raiz.pptx
Analise de causa raiz.pptx
isidrodosAnjos
 
Roteiro investigacao acidente no trabalho
Roteiro investigacao acidente no trabalhoRoteiro investigacao acidente no trabalho
Roteiro investigacao acidente no trabalho
Jb Alves
 
Folder manual ccq
Folder manual ccqFolder manual ccq
Folder manual ccq
Carlos Eduardo
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
Márcio Hosken
 
Ferramentas para qualidade total
Ferramentas para qualidade totalFerramentas para qualidade total
Ferramentas para qualidade total
Jaqueline Trindade Dos Santos
 
Treinamento INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES.pptx
Treinamento INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES.pptxTreinamento INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES.pptx
Treinamento INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES.pptx
Cristian Briet
 
MASP.pdf
MASP.pdfMASP.pdf
MASP.pdf
AndersonBrito87
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
Sandra De Castro
 
2 Diagrama de Causa e Efeito.pdf
2 Diagrama de Causa e Efeito.pdf2 Diagrama de Causa e Efeito.pdf
2 Diagrama de Causa e Efeito.pdf
Mileny Mayara
 
Diario de bordo_mostrarce
Diario de bordo_mostrarceDiario de bordo_mostrarce
Diario de bordo_mostrarce
Lucia Barbosa
 
Coleta de dados
Coleta de dadosColeta de dados
Coleta de dados
gallojunior
 
Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
RaquelOlimpio1
 
Apostila análise e síntese nível i v01
Apostila análise e síntese   nível i v01Apostila análise e síntese   nível i v01
Apostila análise e síntese nível i v01
Gestaointeligente
 
Gestao baseada processos
Gestao baseada processosGestao baseada processos
Gestao baseada processos
Reinalvo Orecic
 

Semelhante a Bruno Franklin- áRvore de causas (20)

Ferramenta 2 diagrama de ishikawa
Ferramenta 2 diagrama de ishikawaFerramenta 2 diagrama de ishikawa
Ferramenta 2 diagrama de ishikawa
 
1-1DIAGNÓSTICO_MASP_2489000424_131948.pdf
1-1DIAGNÓSTICO_MASP_2489000424_131948.pdf1-1DIAGNÓSTICO_MASP_2489000424_131948.pdf
1-1DIAGNÓSTICO_MASP_2489000424_131948.pdf
 
Apostila ferramentas QT
Apostila ferramentas QTApostila ferramentas QT
Apostila ferramentas QT
 
analise critica do desempenho e identificacao de causa raiz.pptx
analise critica do desempenho e identificacao de causa raiz.pptxanalise critica do desempenho e identificacao de causa raiz.pptx
analise critica do desempenho e identificacao de causa raiz.pptx
 
Metodologia para uma Analise de Acidente.pptx
Metodologia para uma Analise de Acidente.pptxMetodologia para uma Analise de Acidente.pptx
Metodologia para uma Analise de Acidente.pptx
 
Gestao baseada processos
Gestao baseada processosGestao baseada processos
Gestao baseada processos
 
Analise de causa raiz.pptx
Analise de causa raiz.pptxAnalise de causa raiz.pptx
Analise de causa raiz.pptx
 
Roteiro investigacao acidente no trabalho
Roteiro investigacao acidente no trabalhoRoteiro investigacao acidente no trabalho
Roteiro investigacao acidente no trabalho
 
Folder manual ccq
Folder manual ccqFolder manual ccq
Folder manual ccq
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Ferramentas para qualidade total
Ferramentas para qualidade totalFerramentas para qualidade total
Ferramentas para qualidade total
 
Treinamento INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES.pptx
Treinamento INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES.pptxTreinamento INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES.pptx
Treinamento INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES.pptx
 
MASP.pdf
MASP.pdfMASP.pdf
MASP.pdf
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
2 Diagrama de Causa e Efeito.pdf
2 Diagrama de Causa e Efeito.pdf2 Diagrama de Causa e Efeito.pdf
2 Diagrama de Causa e Efeito.pdf
 
Diario de bordo_mostrarce
Diario de bordo_mostrarceDiario de bordo_mostrarce
Diario de bordo_mostrarce
 
Coleta de dados
Coleta de dadosColeta de dados
Coleta de dados
 
Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
 
Apostila análise e síntese nível i v01
Apostila análise e síntese   nível i v01Apostila análise e síntese   nível i v01
Apostila análise e síntese nível i v01
 
Gestao baseada processos
Gestao baseada processosGestao baseada processos
Gestao baseada processos
 

Último

escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
Daniel273024
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 

Bruno Franklin- áRvore de causas

  • 2. ÁRVORE DE CAUSAS Árvore de causas é uma ferramenta prática de se investigar algo, seja um acidente, incidentes , desvio etc. Ajudando compreender o que acorreu e encontrar uma maneira mais adequada para lutar contra ele. Pode ser definida como uma representação gráfica do encadeamento lógico dos fatores que contribuíram para o acontecimento do acidente ou incidente, elaborada a partir do caso real. Árvore de Causas Slide 1
  • 3. PRINCÍPIOS PARA ELABORAÇÃO DA ÁRVORE DE CAUSAS Para sua elaboração é fundamental observar alguns princípios: • Apoiar-se em fatos concretos, que comprovadamente tenham ocorrido. Não basear-se em hipóteses, nem fazer interpretações (deduções) ou julgamentos. • Não fazer uso tendencioso do método, isto é, para fazer valer ideias pessoais. O método foi desenvolvido para ser explorado em grupo. • Deve ser bem feita, bem elaborada e transparente. • Se analisada em grupo, não deve haver hierarquia entre seus membros, todos devem ter peso igual. • Seu objetivo é procurar estabelecer as causas básicas, e não buscar culpados.. • O resultado não deve indicar apenas uma causa, mas várias. Árvore de Causas Slide 2
  • 4. FATOS QUE ANTECEDEM A ELABORAÇÃO DA ÁRVORE Analise da Situação: Ponto de partida: O processo se inicia após a ocorrência de um acidente ou incidente. Observação de Princípios: Antes do inicio da investigação propriamente dita, os membros devem estar conscientes dos princípios para elaboração da Árvore de causa mencionado anteriormente. Coleta de informações: Esta coleta deve ser feita de forma objetiva e levando em conta os seguintes critérios. •Iniciar a investigação imediatamente após a ocorrência do acidente ou incidente. •Reconstituir o acidente no local da ocorrência, reunindo evidencia “sinais” que possam ser utilizados para construção ADC. •Estar atento para reconhecer informações imprecisas ou deturpadas, lembrando-se de que o intervalo de tempo entre o momento do acidente ou incidente e o início da investigação pode deixar no esquecimento detalhes importantes. • Registrar todas as informações obtidas, para utilizá-las sempre que necessário. • Entre os elementos envolvidos na investigação, são fundamentais. Individuo, trabalho, material, meio de trabalho,retroagir o Maximo. Lembre-se: A qualidade da investigação depende do número de dados recebidos. Portanto, todo trabalho poderá ficar comprometido, se não for feito um levantamento correto e preciso. Árvore de Causas Slide 3
  • 5. DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO DE ISHIKASWA (ESPINHA DE PEIXE) O diagrama de causa e efeito, também chamado diagrama espinha de peixe ou diagrama de Ishikawa é uma representação gráfica que permite a organização das informações possibilitando a identificação das possíveis causas de um problema ou efeito. Esta ferramenta foi desenvolvida em 1943 por Kaoru Ishikawa, na Universidade de Tóquio, ela nos mostra as principais causas de ação. As quais dirigem para as sub- causas, levando ao resultado final. Embora não identifique, ele próprio , as causas do problema, o diagrama funciona como um “veículo para conduzir com o máximo de foco possível, uma lista de todas as causa possíveis ou presumíveis, que potencialmente contribuem para o efeito observado”. Árvore de Causas Slide 4
  • 6. QUANDO UTILIZAR ESTA FERRAMENTA? Quando necessitar identificar todas as possíveis causas de um problema; Para obter uma melhor visualização da relações entre a causa e efeito delas decorrente; Classificar as causas, dividindo- as em sub-causas, sobre um efeito ou resultado; Para saber quais as causas que estão provocando este problema; Árvore de Causas Slide 5
  • 7. DESENVOLVIMENTO 1- Descreva o problema e coloque em uma caixa a direita. 2- Desenhe uma longa seta horizontal apontando para a caixa. 3- Identifique as principais causas. Utilizaremos o 6M “método, mão -de-obra, material, meio ambiente, medida e maquina” 4- Utilizando a técnica Brainstorming, para descobrir causa mais detalhadas. 5- adicione sempre que necessário mais sub- causa. 6- Após concluir o Brainstorming, faça uma analise das informações, para achar as principais áreas a se investigar. 7- Se não houver um consenso sobre a área a investigar , utilize um sistema de votação. 8- Para cada item selecionado, discuta como ele impactou para o problema. 9- Cite um plano de ação para as áreas selecionada. Árvore de Causas Slide 6
  • 8. ÁRVORE DE CAUSAS Árvore de Causas Slide 7
  • 9. ÁRVORE DE CAUSAS Árvore de Causas Slide 8
  • 10. ÁRVORE DE CAUSAS Árvore de Causas Slide 9