SlideShare uma empresa Scribd logo
Retribuir o mal com o bem Reaja inteligentemente mesmo a um tratamento não inteligente".  (  Lao-Tse  )
Mas Por Que é Difícil ? Momento evolutivo - Como vimos, na “escada da evolução”, cada patamar traz as dificuldades que lhe são próprias.  Nos libertarmos de atitudes, muitas vezes impulsivas, faz parte das dificuldades de nosso hoje.
Influência do Meio  -  Como não somos seres isolados, é bastante forte a influência que recebemos daqueles que nos rodeiam, e contribuem para a construção do ambiente fluídico em que estamos imersos.  Qualquer estímulo que tenhamos do meio, atua como uma espécie de “isca”, que somente “nos fisga”, à medida em que encontra ressonância dentro de nós mesmos (lei de sintonia).  Este estímulo vai, portanto, buscar “lá no fundo” aquele ser que ainda somos, e que estamos tentando modificar, levando-nos a ter atitudes e reações que em condições normais não teríamos, por estarem totalmente sob controle.  Assim também ocorre quando nos é oferecida como “isca”, alguma atitude que consideramos maldosa.
 
Laços anteriores - Alguns daqueles que caminham hoje ao nosso lado, o fazem justamente para que tenhamos, segundo a bondade divina, oportunidade de reconciliação por desentendimentos ocorridos em existências anteriores.  Nestes casos, a intuição que nos predispõe ao desentendimento, aliada à nossa pouca experiência, já “prepara” o terreno à frente, deixando-o, às vezes, um pouco mais pedregoso.
 
O mal que nos é direcionado, é ação que provoca a reação que lhe é característica.  No entanto, a  disciplina da reação  que esboçamos passa obrigatoriamente por diversas fases de um aprendizado, do qual não é possível, “queimarmos etapas”:
Humildade  - O primeiro passo que nos permite deixar de ter uma reação instintiva, é o exercício da humildade. Somente com seu auxílio podemos analisar de forma desapaixonada a ação de que fomos alvo, para somente depois expressarmos nossa reação. Quantos de nós insistimos em não levar desaforo para casa, esquecendo-nos de que podemos estar levando coisa pior... Ex: vizinha prometeu matar nossa cadelinha gritando com minha filha.
 
Perdão  - A reflexão facultada pela humildade, permite-nos descobrir que por vezes, a ação maldosa que nos foi dirigida, é na verdade a reação à uma ação que desencadeamos anteriormente; percebemos com maior clareza, quem atirou a primeira pedra...  Outras vezes, quando nos encontramos isentos de qualquer responsabilidade pelo ocorrido, ainda assim a reflexão nos permite identificar que o irmão que assim agiu, é alguém extremamente necessitado, que precisa de nossa ajuda.  Ex: do estuprador que abandonou sua vítima, quando esta lhe pediu perdão.
Misericórdia  - Perdoamos de coração todas as ofensas recebidas. E daí? Certamente deixamos de retribuir o mal com o mal, mas também não o retribuímos com mais nada....  Após reconhecermos nesse nosso semelhante, um irmão necessitado, o exercício da misericórdia nos leva ao passo seguinte, ilustrado por Emmanuel:  “ Ajudá-lo de forma  sincera, fraternal e desinteressada , a se reerguer. “ Retribuir  significa  reagir . Estaremos então, começando a retribuir o mal com o bem.
 
Segundo nos ensina André Luiz, não temos a  obrigação  de sermos cristãos, e sim, o  direito . O que fazemos obrigado, muitas vezes traz o peso de ser feito, não porque queremos, mas por que não conseguimos ver outra saída.  São atitudes que perdem a naturalidade e o simples prazer de serem feitas com dedicação.  Esse alerta de André Luiz mostra que conseguiremos melhores resultados sempre que formos cristãos por livre opção.
Não é impossível - Jesus é seguramente o nosso Norte.  Mas se ainda nos achamos bastante distantes dos exemplos praticados por ele, podemos identificar igualmente bons exemplos em tantos outros irmãos nossos que seguiram os caminhos de Jesus, e dos quais nos encontramos mais próximos, como irmãos nesta caminhada terrena.
Retribuir o mal com o bem, não é tarefa fácil. No entanto, a lição de Jesus é mais ampla, nos apontando outras tarefas igualmente difíceis que podemos tentar levar a bom termo, onde tantos outros tropeçam. São outras formas de respondermos com a prática do bem às situações nem sempre tão boas com as quais convivemos.  Nos afirma Emmanuel, em Fonte Viva: “ Jesus espera  algo mais  do discípulo. - Executas o trabalho com alegria ? - Improvisas o bem onde outros não conseguem ? - Aproveitas com êxito o que os outros desprezam ? - Aguardas com paciência onde outros se desesperam ?”  FIM
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra Espírita - Parábola do festim de bodas
Palestra Espírita - Parábola do festim de bodasPalestra Espírita - Parábola do festim de bodas
Palestra Espírita - Parábola do festim de bodas
Divulgador do Espiritismo
 
Evangeliza - Infortúnios Ocultos
Evangeliza - Infortúnios OcultosEvangeliza - Infortúnios Ocultos
Evangeliza - Infortúnios Ocultos
Antonino Silva
 
Ajuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudaráAjuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudará
Lisete B.
 
Caridade para com os criminosos
Caridade para com os criminososCaridade para com os criminosos
Caridade para com os criminosos
Izabel Cristina Fonseca
 
Convidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESE
Convidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESEConvidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESE
Convidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESE
Fernanda Florian
 
ReconciliaçãO Com Os AdversáRios
ReconciliaçãO Com Os AdversáRiosReconciliaçãO Com Os AdversáRios
ReconciliaçãO Com Os AdversáRios
Grupo Espírita Cristão
 
Os sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntariosOs sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntarios
Marcos Antônio Alves
 
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudaráAjuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Graça Maciel
 
O sacrificio mais agradável a Deus
O sacrificio mais agradável a DeusO sacrificio mais agradável a Deus
O sacrificio mais agradável a Deus
Izabel Cristina Fonseca
 
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VIIBem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
NatyMadeira
 
Evangeliza - O dever
Evangeliza - O deverEvangeliza - O dever
Evangeliza - O dever
Antonino Silva
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Bruno Cechinel Filho
 
Injúrias E Violências
Injúrias E ViolênciasInjúrias E Violências
Injúrias E Violências
Grupo Espírita Cristão
 
Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicações
Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicaçõesTerceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicações
Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicações
CeiClarencio
 
Desapego - Liberdade para Evoluir
Desapego - Liberdade para EvoluirDesapego - Liberdade para Evoluir
Desapego - Liberdade para Evoluir
Ricardo Azevedo
 
Alegria de Viver
Alegria de Viver Alegria de Viver
Alegria de Viver
Ricardo Azevedo
 
ÓDIO na visão Espírita
ÓDIO na visão EspíritaÓDIO na visão Espírita
ÓDIO na visão Espírita
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
CAPÍTULO XIII NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
CAPÍTULO XIII   NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...CAPÍTULO XIII   NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
CAPÍTULO XIII NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
Patricia Farias
 
A paciência
A paciênciaA paciência
A paciência
Jose Ferreira Almeida
 
A prece
A prece A prece
A prece
Graça Maciel
 

Mais procurados (20)

Palestra Espírita - Parábola do festim de bodas
Palestra Espírita - Parábola do festim de bodasPalestra Espírita - Parábola do festim de bodas
Palestra Espírita - Parábola do festim de bodas
 
Evangeliza - Infortúnios Ocultos
Evangeliza - Infortúnios OcultosEvangeliza - Infortúnios Ocultos
Evangeliza - Infortúnios Ocultos
 
Ajuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudaráAjuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudará
 
Caridade para com os criminosos
Caridade para com os criminososCaridade para com os criminosos
Caridade para com os criminosos
 
Convidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESE
Convidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESEConvidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESE
Convidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESE
 
ReconciliaçãO Com Os AdversáRios
ReconciliaçãO Com Os AdversáRiosReconciliaçãO Com Os AdversáRios
ReconciliaçãO Com Os AdversáRios
 
Os sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntariosOs sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntarios
 
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudaráAjuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
 
O sacrificio mais agradável a Deus
O sacrificio mais agradável a DeusO sacrificio mais agradável a Deus
O sacrificio mais agradável a Deus
 
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VIIBem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
 
Evangeliza - O dever
Evangeliza - O deverEvangeliza - O dever
Evangeliza - O dever
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
 
Injúrias E Violências
Injúrias E ViolênciasInjúrias E Violências
Injúrias E Violências
 
Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicações
Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicaçõesTerceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicações
Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicações
 
Desapego - Liberdade para Evoluir
Desapego - Liberdade para EvoluirDesapego - Liberdade para Evoluir
Desapego - Liberdade para Evoluir
 
Alegria de Viver
Alegria de Viver Alegria de Viver
Alegria de Viver
 
ÓDIO na visão Espírita
ÓDIO na visão EspíritaÓDIO na visão Espírita
ÓDIO na visão Espírita
 
CAPÍTULO XIII NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
CAPÍTULO XIII   NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...CAPÍTULO XIII   NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
CAPÍTULO XIII NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
 
A paciência
A paciênciaA paciência
A paciência
 
A prece
A prece A prece
A prece
 

Semelhante a Retribuir O Mal Com O Bem

Aula responsabilidade e disciplina 3ciclo 2010
Aula responsabilidade e disciplina 3ciclo 2010Aula responsabilidade e disciplina 3ciclo 2010
Aula responsabilidade e disciplina 3ciclo 2010
Mocidade Bezzerra de Menezes
 
Desafio: um dia sem julgamentos
Desafio: um dia sem julgamentosDesafio: um dia sem julgamentos
Desafio: um dia sem julgamentos
Wallace Liimaa
 
A Opção – A tua e a de Cristo_catequese 8º ano.pptx
A Opção – A tua e a de Cristo_catequese 8º ano.pptxA Opção – A tua e a de Cristo_catequese 8º ano.pptx
A Opção – A tua e a de Cristo_catequese 8º ano.pptx
Sabina Silverio
 
A SEMENTE 4 novembro
A  SEMENTE  4 novembroA  SEMENTE  4 novembro
A SEMENTE 4 novembro
Centro Espírita Antoninho Marmo
 
Reforma íntima
Reforma íntimaReforma íntima
Reforma íntima
Levi Antonio Amancio
 
IntervençãO De Deus Nas Penas E Recompensas
IntervençãO De Deus Nas Penas E RecompensasIntervençãO De Deus Nas Penas E Recompensas
IntervençãO De Deus Nas Penas E Recompensas
Sergio Menezes
 
AS 13 REGRAS DO BEM VIVER.
AS 13 REGRAS DO BEM VIVER.AS 13 REGRAS DO BEM VIVER.
AS 13 REGRAS DO BEM VIVER.
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
Reforma intima real
Reforma intima realReforma intima real
Reforma intima real
Norberto Scavone Augusto
 
Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
Aula 105 EAE Regras para a educação.  Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)Aula 105 EAE Regras para a educação.  Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
PatiSousa1
 
Palestra Fora da Caridade não Há Salvação
Palestra Fora da Caridade não Há Salvação Palestra Fora da Caridade não Há Salvação
Palestra Fora da Caridade não Há Salvação
Rodrigo Spinosa
 
A virtude e os superiores e os inferiores
A virtude e os superiores e os inferioresA virtude e os superiores e os inferiores
A virtude e os superiores e os inferiores
Helio Cruz
 
CONHECER-SE ATRAVÉS DA AUTOANÁLISE
CONHECER-SE ATRAVÉS DA AUTOANÁLISECONHECER-SE ATRAVÉS DA AUTOANÁLISE
CONHECER-SE ATRAVÉS DA AUTOANÁLISE
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
4 A Força Do Entusiasmo
4 A Força Do Entusiasmo4 A Força Do Entusiasmo
4 A Força Do Entusiasmo
tomdeamor
 
Pps reflexão 2
Pps reflexão 2Pps reflexão 2
Pps reflexão 2
ACEAlcobaca
 
Lição 02 adeus a culpa
Lição 02   adeus a culpaLição 02   adeus a culpa
Lição 02 adeus a culpa
Lição 02   adeus a culpaLição 02   adeus a culpa
Lição 02 adeus a culpa
Lição 02   adeus a culpaLição 02   adeus a culpa
371 an 20_março_2012.ok
371 an 20_março_2012.ok371 an 20_março_2012.ok
371 an 20_março_2012.ok
Roberto Rabat Chame
 
1 Abrir Se Ao PróPrio Valor E àS CoincidêNcias
1   Abrir Se Ao PróPrio Valor E àS CoincidêNcias1   Abrir Se Ao PróPrio Valor E àS CoincidêNcias
1 Abrir Se Ao PróPrio Valor E àS CoincidêNcias
Abdul Jussub
 
Sabedoria do desapego
Sabedoria do desapegoSabedoria do desapego
Sabedoria do desapego
Helio Cruz
 

Semelhante a Retribuir O Mal Com O Bem (20)

Aula responsabilidade e disciplina 3ciclo 2010
Aula responsabilidade e disciplina 3ciclo 2010Aula responsabilidade e disciplina 3ciclo 2010
Aula responsabilidade e disciplina 3ciclo 2010
 
Desafio: um dia sem julgamentos
Desafio: um dia sem julgamentosDesafio: um dia sem julgamentos
Desafio: um dia sem julgamentos
 
A Opção – A tua e a de Cristo_catequese 8º ano.pptx
A Opção – A tua e a de Cristo_catequese 8º ano.pptxA Opção – A tua e a de Cristo_catequese 8º ano.pptx
A Opção – A tua e a de Cristo_catequese 8º ano.pptx
 
A SEMENTE 4 novembro
A  SEMENTE  4 novembroA  SEMENTE  4 novembro
A SEMENTE 4 novembro
 
Reforma íntima
Reforma íntimaReforma íntima
Reforma íntima
 
IntervençãO De Deus Nas Penas E Recompensas
IntervençãO De Deus Nas Penas E RecompensasIntervençãO De Deus Nas Penas E Recompensas
IntervençãO De Deus Nas Penas E Recompensas
 
AS 13 REGRAS DO BEM VIVER.
AS 13 REGRAS DO BEM VIVER.AS 13 REGRAS DO BEM VIVER.
AS 13 REGRAS DO BEM VIVER.
 
Reforma intima real
Reforma intima realReforma intima real
Reforma intima real
 
Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
Aula 105 EAE Regras para a educação.  Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)Aula 105 EAE Regras para a educação.  Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
 
Palestra Fora da Caridade não Há Salvação
Palestra Fora da Caridade não Há Salvação Palestra Fora da Caridade não Há Salvação
Palestra Fora da Caridade não Há Salvação
 
A virtude e os superiores e os inferiores
A virtude e os superiores e os inferioresA virtude e os superiores e os inferiores
A virtude e os superiores e os inferiores
 
CONHECER-SE ATRAVÉS DA AUTOANÁLISE
CONHECER-SE ATRAVÉS DA AUTOANÁLISECONHECER-SE ATRAVÉS DA AUTOANÁLISE
CONHECER-SE ATRAVÉS DA AUTOANÁLISE
 
4 A Força Do Entusiasmo
4 A Força Do Entusiasmo4 A Força Do Entusiasmo
4 A Força Do Entusiasmo
 
Pps reflexão 2
Pps reflexão 2Pps reflexão 2
Pps reflexão 2
 
Lição 02 adeus a culpa
Lição 02   adeus a culpaLição 02   adeus a culpa
Lição 02 adeus a culpa
 
Lição 02 adeus a culpa
Lição 02   adeus a culpaLição 02   adeus a culpa
Lição 02 adeus a culpa
 
Lição 02 adeus a culpa
Lição 02   adeus a culpaLição 02   adeus a culpa
Lição 02 adeus a culpa
 
371 an 20_março_2012.ok
371 an 20_março_2012.ok371 an 20_março_2012.ok
371 an 20_março_2012.ok
 
1 Abrir Se Ao PróPrio Valor E àS CoincidêNcias
1   Abrir Se Ao PróPrio Valor E àS CoincidêNcias1   Abrir Se Ao PróPrio Valor E àS CoincidêNcias
1 Abrir Se Ao PróPrio Valor E àS CoincidêNcias
 
Sabedoria do desapego
Sabedoria do desapegoSabedoria do desapego
Sabedoria do desapego
 

Mais de Grupo Espírita Cristão

Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Grupo Espírita Cristão
 
SeparaçãO Da Alma E Do Corpo
SeparaçãO Da Alma E Do CorpoSeparaçãO Da Alma E Do Corpo
SeparaçãO Da Alma E Do Corpo
Grupo Espírita Cristão
 
DiáLogo E DedicaçãO
DiáLogo E DedicaçãODiáLogo E DedicaçãO
DiáLogo E DedicaçãO
Grupo Espírita Cristão
 
ProgressãO Dos EspíRitos Palestra 11 7 9
ProgressãO Dos EspíRitos Palestra 11 7 9ProgressãO Dos EspíRitos Palestra 11 7 9
ProgressãO Dos EspíRitos Palestra 11 7 9
Grupo Espírita Cristão
 
Finalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãOFinalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãO
Grupo Espírita Cristão
 
Fraternidade E Ecumenismo
Fraternidade E EcumenismoFraternidade E Ecumenismo
Fraternidade E Ecumenismo
Grupo Espírita Cristão
 
é Permitido Repreender Os Outros
é Permitido Repreender Os Outrosé Permitido Repreender Os Outros
é Permitido Repreender Os Outros
Grupo Espírita Cristão
 
Ante Os Pequeninos
Ante Os PequeninosAnte Os Pequeninos
Ante Os Pequeninos
Grupo Espírita Cristão
 
A BençãO Do Trabalho
A BençãO Do TrabalhoA BençãO Do Trabalho
A BençãO Do Trabalho
Grupo Espírita Cristão
 
A AçãO Da Amizade
A AçãO Da AmizadeA AçãO Da Amizade
A AçãO Da Amizade
Grupo Espírita Cristão
 
A Cura Pelas Virtudes
A Cura Pelas VirtudesA Cura Pelas Virtudes
A Cura Pelas Virtudes
Grupo Espírita Cristão
 
Anjos E DemôNios
Anjos E DemôNiosAnjos E DemôNios
Anjos E DemôNios
Grupo Espírita Cristão
 
Os Valores Da Vida
Os Valores Da VidaOs Valores Da Vida
Os Valores Da Vida
Grupo Espírita Cristão
 
Chico Xavier
Chico XavierChico Xavier
Um Grande Homem
Um Grande HomemUm Grande Homem
Um Grande Homem
Grupo Espírita Cristão
 
Senhor
SenhorSenhor
Chico Xavier
Chico XavierChico Xavier
é Permitido Repreender Os Outros
é Permitido Repreender Os Outrosé Permitido Repreender Os Outros
é Permitido Repreender Os Outros
Grupo Espírita Cristão
 
O P E S C A D O R E O B A N Q U E I R O
O  P E S C A D O R  E  O  B A N Q U E I R OO  P E S C A D O R  E  O  B A N Q U E I R O
O P E S C A D O R E O B A N Q U E I R O
Grupo Espírita Cristão
 
O L I V R O D A V I D A
O  L I V R O  D A  V I D AO  L I V R O  D A  V I D A
O L I V R O D A V I D A
Grupo Espírita Cristão
 

Mais de Grupo Espírita Cristão (20)

Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
 
SeparaçãO Da Alma E Do Corpo
SeparaçãO Da Alma E Do CorpoSeparaçãO Da Alma E Do Corpo
SeparaçãO Da Alma E Do Corpo
 
DiáLogo E DedicaçãO
DiáLogo E DedicaçãODiáLogo E DedicaçãO
DiáLogo E DedicaçãO
 
ProgressãO Dos EspíRitos Palestra 11 7 9
ProgressãO Dos EspíRitos Palestra 11 7 9ProgressãO Dos EspíRitos Palestra 11 7 9
ProgressãO Dos EspíRitos Palestra 11 7 9
 
Finalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãOFinalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãO
 
Fraternidade E Ecumenismo
Fraternidade E EcumenismoFraternidade E Ecumenismo
Fraternidade E Ecumenismo
 
é Permitido Repreender Os Outros
é Permitido Repreender Os Outrosé Permitido Repreender Os Outros
é Permitido Repreender Os Outros
 
Ante Os Pequeninos
Ante Os PequeninosAnte Os Pequeninos
Ante Os Pequeninos
 
A BençãO Do Trabalho
A BençãO Do TrabalhoA BençãO Do Trabalho
A BençãO Do Trabalho
 
A AçãO Da Amizade
A AçãO Da AmizadeA AçãO Da Amizade
A AçãO Da Amizade
 
A Cura Pelas Virtudes
A Cura Pelas VirtudesA Cura Pelas Virtudes
A Cura Pelas Virtudes
 
Anjos E DemôNios
Anjos E DemôNiosAnjos E DemôNios
Anjos E DemôNios
 
Os Valores Da Vida
Os Valores Da VidaOs Valores Da Vida
Os Valores Da Vida
 
Chico Xavier
Chico XavierChico Xavier
Chico Xavier
 
Um Grande Homem
Um Grande HomemUm Grande Homem
Um Grande Homem
 
Senhor
SenhorSenhor
Senhor
 
Chico Xavier
Chico XavierChico Xavier
Chico Xavier
 
é Permitido Repreender Os Outros
é Permitido Repreender Os Outrosé Permitido Repreender Os Outros
é Permitido Repreender Os Outros
 
O P E S C A D O R E O B A N Q U E I R O
O  P E S C A D O R  E  O  B A N Q U E I R OO  P E S C A D O R  E  O  B A N Q U E I R O
O P E S C A D O R E O B A N Q U E I R O
 
O L I V R O D A V I D A
O  L I V R O  D A  V I D AO  L I V R O  D A  V I D A
O L I V R O D A V I D A
 

Último

12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 

Último (14)

12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 

Retribuir O Mal Com O Bem

  • 1. Retribuir o mal com o bem Reaja inteligentemente mesmo a um tratamento não inteligente". ( Lao-Tse )
  • 2. Mas Por Que é Difícil ? Momento evolutivo - Como vimos, na “escada da evolução”, cada patamar traz as dificuldades que lhe são próprias. Nos libertarmos de atitudes, muitas vezes impulsivas, faz parte das dificuldades de nosso hoje.
  • 3. Influência do Meio - Como não somos seres isolados, é bastante forte a influência que recebemos daqueles que nos rodeiam, e contribuem para a construção do ambiente fluídico em que estamos imersos. Qualquer estímulo que tenhamos do meio, atua como uma espécie de “isca”, que somente “nos fisga”, à medida em que encontra ressonância dentro de nós mesmos (lei de sintonia). Este estímulo vai, portanto, buscar “lá no fundo” aquele ser que ainda somos, e que estamos tentando modificar, levando-nos a ter atitudes e reações que em condições normais não teríamos, por estarem totalmente sob controle. Assim também ocorre quando nos é oferecida como “isca”, alguma atitude que consideramos maldosa.
  • 4.  
  • 5. Laços anteriores - Alguns daqueles que caminham hoje ao nosso lado, o fazem justamente para que tenhamos, segundo a bondade divina, oportunidade de reconciliação por desentendimentos ocorridos em existências anteriores. Nestes casos, a intuição que nos predispõe ao desentendimento, aliada à nossa pouca experiência, já “prepara” o terreno à frente, deixando-o, às vezes, um pouco mais pedregoso.
  • 6.  
  • 7. O mal que nos é direcionado, é ação que provoca a reação que lhe é característica. No entanto, a disciplina da reação que esboçamos passa obrigatoriamente por diversas fases de um aprendizado, do qual não é possível, “queimarmos etapas”:
  • 8. Humildade - O primeiro passo que nos permite deixar de ter uma reação instintiva, é o exercício da humildade. Somente com seu auxílio podemos analisar de forma desapaixonada a ação de que fomos alvo, para somente depois expressarmos nossa reação. Quantos de nós insistimos em não levar desaforo para casa, esquecendo-nos de que podemos estar levando coisa pior... Ex: vizinha prometeu matar nossa cadelinha gritando com minha filha.
  • 9.  
  • 10. Perdão - A reflexão facultada pela humildade, permite-nos descobrir que por vezes, a ação maldosa que nos foi dirigida, é na verdade a reação à uma ação que desencadeamos anteriormente; percebemos com maior clareza, quem atirou a primeira pedra... Outras vezes, quando nos encontramos isentos de qualquer responsabilidade pelo ocorrido, ainda assim a reflexão nos permite identificar que o irmão que assim agiu, é alguém extremamente necessitado, que precisa de nossa ajuda. Ex: do estuprador que abandonou sua vítima, quando esta lhe pediu perdão.
  • 11. Misericórdia - Perdoamos de coração todas as ofensas recebidas. E daí? Certamente deixamos de retribuir o mal com o mal, mas também não o retribuímos com mais nada.... Após reconhecermos nesse nosso semelhante, um irmão necessitado, o exercício da misericórdia nos leva ao passo seguinte, ilustrado por Emmanuel: “ Ajudá-lo de forma sincera, fraternal e desinteressada , a se reerguer. “ Retribuir significa reagir . Estaremos então, começando a retribuir o mal com o bem.
  • 12.  
  • 13. Segundo nos ensina André Luiz, não temos a obrigação de sermos cristãos, e sim, o direito . O que fazemos obrigado, muitas vezes traz o peso de ser feito, não porque queremos, mas por que não conseguimos ver outra saída. São atitudes que perdem a naturalidade e o simples prazer de serem feitas com dedicação. Esse alerta de André Luiz mostra que conseguiremos melhores resultados sempre que formos cristãos por livre opção.
  • 14. Não é impossível - Jesus é seguramente o nosso Norte. Mas se ainda nos achamos bastante distantes dos exemplos praticados por ele, podemos identificar igualmente bons exemplos em tantos outros irmãos nossos que seguiram os caminhos de Jesus, e dos quais nos encontramos mais próximos, como irmãos nesta caminhada terrena.
  • 15. Retribuir o mal com o bem, não é tarefa fácil. No entanto, a lição de Jesus é mais ampla, nos apontando outras tarefas igualmente difíceis que podemos tentar levar a bom termo, onde tantos outros tropeçam. São outras formas de respondermos com a prática do bem às situações nem sempre tão boas com as quais convivemos. Nos afirma Emmanuel, em Fonte Viva: “ Jesus espera algo mais do discípulo. - Executas o trabalho com alegria ? - Improvisas o bem onde outros não conseguem ? - Aproveitas com êxito o que os outros desprezam ? - Aguardas com paciência onde outros se desesperam ?” FIM
  • 16.