SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
RESUMO DE LIVROS - HOFFMAN, Jussara. Avaliação Mediadora: Um
HOFFMAN, Jussara. Avaliação Mediadora; Uma Pratica da Construção da Pré-escola a Universidade. 17.ª
ed. Porto Alegre: Mediação, 2000.
POR UMA ESCOLA DE QUALIDADE
São vários os fatores que dificultam a superação da prática tradicional, como: a crença que a manutenção da
avaliação classificatória garante ensino de qualidade, resistência das escolas em mudar por causa da
possibilidade de cancelar matriculas, a crença que escolas tradicionais são mais exigentes.
Sobre a avaliação tradicional, ela legitima uma escola elitista, alicerçada no capitalismo e que mantém uma
concepção elitista do aluno.
Entretanto, uma escola de qualidade se da conta de que todas as crianças devem ser concebidas sua realidade
concreta considerando toda a pluralidade de seu jeito de viver. pag 17
Deve se preocupar com o acesso de todos, promovendo-os como cidadãos participantes nessa sociedade.
O desenvolvimento máximo possível do ser humano depende de muitas coisas além das da escola
tradicional como memorizar, notas altas, obediência e passividade, depende da aprendizagem, da
compreensão, dos questionamentos, da participação. Pag 30
O sentido da avaliação na escola, seja ela qual for a proposta pedagógica, como a de não aprovação não
pode ser entendida como uma proposta de não avaliação, de aprovação automática. Ela tem que ser
analisada num processo amplo, na observação do professor em entender suas falas, argumentos, perguntas
debates, nos desafios em busca de alternativas e conquistas de autonomia.
A ação mediadora é uma postura construtivista em educação, onde a relação dialógica, de troca discussões,
provocações dos alunos, possibilita entendimento progressivo entre professor/aluno.
O conhecimento dos alunos é adquirido com a interação com o meio em que vive e as condições deste meio,
vivências, objetos e situações ultrapassam os estágios de desenvolvimento e estabelecem relações mais
complexas e abstratas, de forma evolutiva a partir de uma maturação. O meio pode acelerar ou retardar esse
processo. Compreender essa evolução é assumir compromisso diante as diferenças individuais dos alunos.
Quanto ao erro, na concepção mediadora da avaliação, a correção de tarefas é um elemento positivo a se
trabalhar numa continuidade de ações desenvolvidas. O momento da correção passa a existir como momento
de reflexão sobre as hipóteses construídas pelo aluno, não por serem certas ou erradas, problematizando o
dialogo, trocando idéias. Os erros construtivos caracterizam-se por sua perspectiva lógico-matemática.
A avaliação mediadora possibilita investigar, mediar, aproximar hipóteses aos alunos e provocá-los em
seguida; perceber pontos de vistas para construir um caminho comum para o conhecimento científico
aprofundamento teórico e domínio do professor. Pressupõe uma análise qualitativa, uma avaliação não de
produto, mas do processo, se dá constantemente através de cadernos, observações do dia a dia, é teórica usa-
se registros.
A avaliação mediadora passa por três princípios: a de investigação precoce (o professor faz provocações
intelectuais significativas), a de provisoriedade (sem fazer juízos do aluno), e o da complementaridade
(complementa respostas velhas a um novo entendimento). Cabe ao pesquisador descobrir o mundo, mas
cabe ao avaliador torná-lo melhor.
A mediação se dá relacionando experiências passadas às futuras, relacionado propostas de aprendizagens a
estruturas cognitivas do educando, organizando experiências, refletivo sobre o estudo, com participação
ativa na solução de problemas com a apreciação de valores e diferenças individuais. O educador toma
consciência do estudante no alcance de metas individuais, promovendo interações a partir da curiosidade
intelectual, originalidade, criatividade, confrontações.
http://www.recantodasletras.com.br/resenhasdelivros/3476530
AVALIAÇÃO MEDIADORA: UMA PRÁTICA EM CONSTRUÇÃO DA PRÉ-ESCOLA À
UNIVERSIDADE. de Jussara Hoffmann
CREDENCIAIS DO AUTOR
Jussara Hoffmann é Graduada em Letras pela UFRGS em 1974; Mestre em Avaliação Educacional pela
UFRJ em 1981; Professora e Coordenadora Pedagógica de Escolas Particulares e de Escolas Estaduais de
1968 a 1980; Assessora de Delegacia de Educação do RS de 1981 a 1986; Curso de Extensão em Supervisão
Educacional pela UFRGS em 1984. Professora da PUC-RS - Curso de Metodologia do Ensino Superior - de
1982 a 1986.
HOFFMANN, Jussara. Avaliação Mediadora: uma prática em construção da pré-escola à universidade –
Porto Alegre: Editora Mediação, 1993. 20ª Edição revista, 2003.
RESUMO: O texto de Jussara Hoffmann, “Avaliação Mediadora: Uma prática em construção da pré-escola
à universidade”, toma por base a avaliação como uma atividade que faz com que o aluno seja instigado a
desenvolver seu processo cognitivo, mas o que a maioria das escolas, juntamente com seus professores
perpassam é, o processo avaliativo como um sistema “classificatório de ensino de qualidade”, (
HOFFMANN, p. 12.)
O texto de Jussara Hoffmann, “Avaliação Mediadora: Uma prática em construção da pré-escola à
universidade”, toma por base a avaliação como uma atividade que faz com que o aluno seja instigado a
desenvolver seu processo cognitivo, mas o que a maioria das escolas, juntamente com seus professores
perpassam é, o processo avaliativo como um sistema “classificatório de ensino de qualidade”, (
HOFFMANN, p. 12.), ou seja, a avaliação neste caso vai dizer se determinada escola é uma instituição que
tem melhor índice de desenvolvimento por parte dos alunos. A autora argumenta que este tipo de prática
acaba dificultando o alunado, por quê tal metodologia torna-se um fator excludente que qualifica e
desqualifica o aluno.
A sociedade argumenta, muita das vezes, que a avaliação como processo não classificatória desqualifica o
ensino, por isso ainda é visível a busca de muitas famílias a escolas conservadoras, como se este fator
revelasse a competência dos alunos, ao contrário a esta idéia, segundo a autora, “observamos, com
freqüência, historias contrárias de maus alunos que se tornam excelentes profissionais. Ou o inverso, alunos
nota 10 em cursos superiores que realizam estágios profissionais medíocres.” (HOFFMANN, p. 23). Ai se
percebe que não é a avaliação como um processo classificatório que vai dizer se o aluno tem ou não tem
capacidade de se desenvolver no meio profissional.
A autora também aborda em seu livro a questão do professor, sujeito mediador do processo avaliativo, e
mostra que muita das vezes o professor não está preparado, como fora dito antes. Ainda, é claro, entende a
avaliação na sua forma de qualificar e não de avaliar a aprendizagem do alunado. Ter notas altas não quer
dizer que o aluno aprendeu o assunto. A autora diz que o aluno entende a escola fora do seu meio social e
não veiculado a ele. “Escola é escola, para ele a vida é diferente.” (HOFFMANN, p. 26). Isso mostra que a
pesquisa feita pela autora mostra a escola não como a mediadora do conhecimento, mas sim cumpridora da
fusão de passar o conhecimento, desconsiderando a aprendizagem do estudante. A escola toma por base a
ensinar, mas sem se preocupar com a realidade social do aluno. “ O que revela a concepção de escola para a
memorização de fatos que não adquirem significado algum ao longo de sua vida, fatos transmitidos,
memorizados, esquecidos.” Hoffmann diz ainda que a avaliação deve ser passada visando a realidade do
aluno. Deve-se haver uma preocupação entre a escola no ser psíquico do estudante.
Hoffmann no livro destaca uma fala dita por uma aluna: “ Quanto mais eu vou a escola, mais eu estudo,
quanto mais eu estudo, mais eu aprendo, quanto mais eu aprendo, mais eu esqueço.” (HOFFMANN, p. 26).
Portanto, fica claro que a metodologia usada na educação desfavorece os alunos no sentido de produzir o
conhecimento, visando a idéia de arrancar o conhecimento do aluno custe o que custar . O que mais poderia,
como exemplifica bem a autora, era haver um dialogo entre escola e família sobre o adquire conhecimento e
não introduzi-lo no aluno.
Em uma parte do livro a autora destaca o seguinte título: “ As charadas da avaliação”, e discerne que as
atividades avaliativas são passadas em sala de aula de uma forma que não condiz com a realidade social dos
estudantes, formando-se assim, na cabeça dos alunos, verdadeiras charadas. Destaca-se aqui um exemplo
relevante da autora:
“Uma pessoa mora no 18º andar de um prédio de apartamento. Todos os dias desce pelo elevador para ir ao
seu local de trabalho. Ao final do expediente, retornando para casa, vai pelo elevador até o 13º andar e sobe
os demais andares pela escada. Isso se repete todos os dias. Você saberia dizer por quê?” ( HOFFMANN, p.
29)
A resposta da autora a questão apresentada é que “a pessoa é tão baixinha que só alcança o 13º andar dentre
os painel do elevador” (HOFFMANN, p. 29). Os professores pesquisados deram varias respostas, isso se
evidencia pelo o fato de em um processo avaliativo as questões introduzidas ao sujeito que vai ser avaliado
está submetida a varias interpretações e inferências. No aluno isso ainda é mais visível porque ele relaciona
as questões escolares com seu meio de convivência. Como tais questões, e isso se argumentou aqui antes,
não condizem com a realidade, há um certo confronto na pessoa do estudante em relação a escola e a
aprendizagem.
Aqui se faz a mesma pergunta prefaciada pela autora, “por que o aluno não aprende?” (HOFFMANN, p.
31). Não seria pelo o motivo de que não há uma preocupação da escola em relação ao sujeito do aluno, ou
seja, a escola quer formar o estudante para a sociedade, mas esquece que este ser já dispõe de uma formação.
Como esclarece bem a autora: “ O aluno constrói o seu conhecimento na interação com o meio em que vive.
Portanto, depende das condições desse meio, da vivência de objetos e situações.”(HOFFMANN, p. 41).
Hoffmann disserta que os professores, mais ainda a escola, deveria preocupar-se mais com o ser do aluno.
Como este aluno está desenvolvendo sua aprendizagem entre escola e família? As avaliações deveriam frisar
mais a realidade social do aluno, e o professor deveria voltar sua atenção para uma avaliação que
valorizasse o ser social do aluno, fato que na escolas tradicionalista se introduz como avaliação
classificatória, esquecendo totalmente das percepções empíricas e cognitivas do estudante.
Jussara Hoffmann apresenta um livro elaborado sobre a ótica da teoria e da prática. Mesmo que pareça uma
utopia perguntar-se como fazer com que os alunos aprendam em um pais igual ao Brasil onde há tantos
contrastes sociais, se deve acima de tudo, preocupar-se em mudar tal realidade. Como? A resposta é dada
pela autora que descrevendo o significado da avaliação mediadora diz: “ Presta muita atenção na criança, no
jovem, no eu. Eu diria “pegar no pé” desse aluno mesmo, instituindo em conhecê-lo melhor, em entender
suas falas, seus argumentos, teimando em conversar com ele em todos os momentos, ouvindo todas as suas
perguntas, fazendo novas e desafiadoras questões, (...). Neste sentido, então, teremos perseguido uma escola
de qualidade para todas as crianças e jovens deste país.” (HOFFMANN, p. 28).
A autora aborda a questão da escola como um agente social e a avaliação com uma parte integrante na
formação do ser social. Para isso é necessário que a sociedade compreenda que os processos avaliativos
tende a serem mediadores e não classificatórios, por que é de responsabilidade social o desenvolvimento da
educação. O filosofo Anísio Teixeira afirma em seu livro “Introdução a Filosofia da Educação” que: “Se há
crise do "espírito", como hoje se diz, se os valores humanos, na sua perpétua transformação, conquistam
novas formas e velhas ilusões se vão desfazendo em troca de valores realistas e ásperos, - é que as escolas
estão a falhar na sua finalidade espiritual…e urge reformá-las.” (TEIXEIRA, p. 01).
Muitas vezes, o professor investe suficientemente na dimensão cognitiva do desenvolvimento e não dedica
atenção à dimensão afetiva. Outras vezes, faz o inverso: cuida da criança com carinho e atenção, mas sem
planejar adequadamente como vai ajudá-la a progredir na aprendizagem para alcançar as metas que devem
ser atingidas do ponto de vista cognitivo. Assim, é proposto que cada professor, ao planejar as situações
didáticas, reflita sobre os estudantes, considerando o desenvolvimento integral, contemplando as
características culturais dos grupos a que pertencem e as características individuais, tanto no que se refere
aos modos como interagem na escola, quanto às bagagens de saberes de que dispõem. É nessa linha de
pensamento que Silva (2003, p.10) aponta “que o espaço educativo se transforma em ambiente de superação
de desafios pedagógicos que dinamiza e dá significado a aprendizagem, que passa a ser compreendida como
construção de conhecimentos e desenvolvimento de competências da formação cidadã.” É preciso que os
professores reconheçam a necessidade de avaliar com diferentes finalidades: conhecer e acompanhar o seu
desenvolvimento; conhecer as dificuldades e planejar atividades que os ajudem a superá-las; saber se as
estratégias de ensino estão sendo eficientes e modificá-las quando necessário. Diferentemente do que muitos
professores vivenciaram como estudantes ou em seu processo de formação docente, é preciso que, em suas
práticas de ensino, elaborem diferentes estratégias e oportunidades de aprendizagem e avaliem se estão
sendo adequadas. Assim, não apenas o estudante é avaliado, mas o trabalho do professor e a escola. A
concepção de avaliação perpassa a lógica de um processo de organização de ensino, relacionado com a
aprendizagem do aluno e com a sociedade. A partir disso, é possível realizar os questionamentos: para que
avaliar? O que avaliar? Considera-se que, ao avaliar o aluno, o professor avalia sua própria prática. Para o
grupo de estudos, a avaliação serve para reorientar a prática pedagógica, ou seja, como Luckesi (1995)
propõe, “verificar as falhas, compreender as causas e propor soluções, para mudar a situação que dificulta o
êxito da ação educativa.” Quanto à forma de avaliar, avalia-se o todo e as mudanças de comportamentos
gerados no aluno, pois se avalia para concretizar o processo de educação, como ato humano, intelectual,
cientifico e sistemático. Não se pode pretender que o aluno esteja pronto ao final de cada bimestre ou ano
letivo, pois como ser em construção há muito que desenvolver no processo ensino-aprendizagem. Por isso, é
preciso estabelecer um diálogo constante com os estudantes. Assim, a avaliação deve constituir prática
contínua e não apenas do final de um período. Como tal, exige muitas tarefas, pelas quais o aluno possa se
expressar de várias formas, facilitando o ato de avaliação. Nesta direção, avaliar significa identificar as
necessidades dos alunos e ir à busca de soluções para sanar essas necessidades. Neste contexto, a avaliação
passa a ser diagnóstica e inclusiva, porque concebe o aluno como ser em desenvolvimento contínuo. Deve-
se ressaltar a relevância da viabilização do projeto politico-pedagógico, pois é ele que vai subsidiar um
processo de avaliação comprometido com o desenvolvimento. Destaca-se também como fator indispensável,
a metodologia aplicada pelo docente, que deve instigar o aluno a fazer uso do conhecimento
adquirido. Portanto, faz-se necessário definir um perfil de saída de cada etapa de ensino e assegurar
esforços para compreender os processos de construção de conhecimentos das crianças e adolescentes. Essa
complexa tarefa pressupõe uma atitude permanente de observação e registro. Se o estudante e sua família
sabem aonde a escola quer chegar, se estão envolvidos no dia a dia de que são os principais beneficiários,
poderão participar com mais investimento e autonomia na busca do sucesso nessa empreitada que é o
aprender.
As escolas devem, e já se vê no horizonte, repensar seus valores como transformadoras de conhecimentos,
por já o aluno dispor de uma relevada experiência, assim martela Hoffmann. A escola não deve só querer
formar cidadãos porque o cidadão ali já está, mesmo fora da escola, em processo de formação. Buscar
adaptar-se a realidade do aluno e remetê-lo a sociedade, no momento não é a tarefa desafiadora da escola,
mas sim compreender que se deve mudar seu processo avaliativo para melhor instigar e desenvolver os seus
alunos para uma sociedade culturalmente rica e produtiva.
INDICAÇÃO DA OBRA
O texto é simples e bastante informativo, sendo indicado para estudantes a cursos correspondente as áreas
de licenciaturas, pedagogia.
http://pedagogiaunicidiesdeguaianas.spaceblog.com.br/623673/JUSSARA-HOFFMANN-AVALIACAO-
MEDIADORA/
JUSSARA HOFFMANN – AVALIAÇÃO MEDIADORA
Avaliação Mediadora
· Objetivo da autora: problematizar a prática de avaliação na escola, refletindo sobre o cotidiano escolar
Concepção de avaliação para Hoffmann:
A avaliação está ligada à concepção de conhecimento e a Avaliação Mediadora exige observação
individual de cada aluno, atenta ao seu momento no processo de construção do conhecimento. Professor e
aluno têm papéis diferentes, senão poderíamos falar da relação entre dois alunos. O professor como
parceiro mais experiente tem como papel facilitar o acesso do aluno a este conhecimento. Para a autora, da
mesma forma que o professor faz a mediação entre o conhecimento e o aluno, a avaliação deveria mediar
todo esse processo. Assim como o médico, através de exames laboratoriais e de sua avaliação clínica
prescreve medicamentos e outras medidas conforme o estado de saúde de seu paciente, o professor deveria
utilizar a avaliação durante todo o processo de ensino-aprendizagem, observando como o aluno está
apreendendo o conhecimento, que dificuldades enfrenta, que reformulações em seu método de ensino devem
ser feitas, etc. Ou seja, a avaliação passa a ser um instrumento de regulação da aprendizagem.
"Se o aluno é considerado um receptor passivo dos conteúdos que o docente sistematiza, suas falhas, seus
argumentos incompletos e inconsistentes não são considerados senão algo indesejável e digno de um dado
de reprovação. Contrariamente, se introduzirmos a problemática do erro numa perspectiva dialógica e
construtivista, então o erro é fecundo e positivo, um elemento fundamental à produção de conhecimento
pelo ser humano. A opção epistemológica está em corrigir ou refletir sobre a tarefa do aluno. Corrigir para
ver se aprendeu reflete o paradigma positivista de avaliação. Refletir a respeito da produção de
conhecimento do aluno para encaminhá-lo à superação, ao enriquecimento do saber significa desenvolver
uma ação avaliativa mediadora."
"Ou seja, o acompanhamento do processo de construção de conhecimento implica favorecer o
desenvolvimento do aluno, orientá-lo nas tarefas, oferecer-lhe novas leituras ou explicações, sugerir-lhe
investigações, proporcionar-lhe vivências enriquecedoras e favorecedoras à sua ampliação do saber."
"As exigências avaliativas, desprovidas muitas vezes de significado quanto ao desenvolvimento efetivo das
crianças e dos jovens, favorecem a manutenção de uma Escola elitista e autoritária"
Publicação: Série Idéias n. 22. São Paulo: FDE, 1994
Páginas: 51-59
Proposta de Mediação
Por uma escola de Qualidade
· Crítica ao sistema tradicional de avaliação que enfatiza a testagem
· Problemática do Acesso e Permanência
· Qual é o papel da Escola nesse processo? Escola que percebe a educação como um direito da criança e
um compromisso da escola em torná-la capaz de reivindicar.
· Defesa de uma proposta pedagógica coerente. Não pode ser vista como uma proposta de não-
avaliação.
· Questão: Como os professores vêm interpretando as propostas de promoção automática?
· Sucesso na escola tradicional: memorização, notas altas, obediência e passividade.
· Desenvolvimento Máximo Possível: aprendizagem, compreensão, questionamento e participação.
As charadas da Avaliação
Por que um aluno não aprende?
 Crítica ao modelo behaviorista
 Ênfase nas técnicas de motivação
 Sugere que o aluno não aprende porque não faz as tarefas previstas, não presta atenção nas
explicações

Quem são os responsáveis pelo fracasso?
 Professor, Aluno ou Sociedade

Uma visão construtivista do erro
n Pista: Cotidiano do Professor
n A questão da subjetividade na elaboração das atividades escritas ou orais
n A subjetividade e objetividade na correção do professor
n A importância das tarefas: observação das hipóteses construídas pelos alunos
Por que corrigir, professor?
n Qual o significado da ação corretiva para o aluno, para o professor e para os pais?
n Como proceder o registro do que se observou nas tarefas dos alunos sem incorrer na prática tradicional
e autoritária?
n Como partir dessas observações para uma ação mediadora, de fato, que provoque o aluno a refletir e
descobrir gradativamente melhores soluções sem a imposição de nossas respostas?
n Avaliação Classificatória: corrigir tarefas e provas dos alunos para verificar as respostas certas e
erradas e, com base nessa verificação periódica, tomar decisões quanto ao seu aproveitamento escolar, sua
aprovação ou reprovação em cada série ou grau de ensino
n Avaliação Mediadora: Analisar teoricamente as várias manifestações dos alunos em situação de
aprendizagem (verbais ou escritas, outras produções), para acompanhar as hipóteses que vêm formulando a
respeito de determinados assunto, em diferentes áreas de conhecimento, de forma a exercer uma ação
educativa que lhes favoreça a descoberta de melhores soluções ou a formulação de hipóteses
preliminarmente formuladas.
Avaliação Mediadora:
Uma postura de vida
n Como romper com uma prática que se constitui fortemente pela estória de vida dos professores,
reveladora, sem dúvida, de posturas pedagógicas que parecem condizentes a suas posturas de vida?
n A autora não acredita em mudanças por meio de decretos e regimentos.
n Defesa de uma avaliação que promova a aprendizagem do aluno
http://educador.brasilescola.com/trabalho-docente/o-mito-avaliacao-aprendizagem.htm
O Mito da avaliação da aprendizagem
“A avaliação é a reflexão transformada em ação, não podendo ser estática nem ter caráter sensitivo e
classificatório”. Jussara Hoffmann
A Lei de diretrizes e Bases nº. 9.394/96, nos proporciona os dois mais importantes princípios da afetividade
e amor no domínio escolar, o respeito à liberdade e a consideração à tolerância, que são inspirados nos
princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana. Ambos têm por fim último o pleno
desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para as
ocupações no trabalho. A Lei 9.394/96, das diretrizes e bases para a educação nacional, faz menção à
avaliação da aprendizagem. Ao longo dos seus artigos, o termo avaliação (e suas variações) aparece 24
vezes, e o termo verificação (do rendimento ou da aprendizagem), duas. São, assim, pelo menos vinte e seis
alusões à idéia de avaliar, seja relacionando-a a instituições, a alunos, aos docentes, ou aos processos
educacionais como um todo. A diferença fundamental entre verificação e avaliação, é que a primeira é uma
ação estática e a segunda é um processo dinâmico e encaminha a ação.
Avaliar envolve valor, e valor envolve pessoa. Avaliação é, fundamentalmente, acompanhamento do
desenvolvimento do aluno no processo de construção do conhecimento. O professor precisa caminhar junto
com o educando, passo a passo, durante todo o caminho da aprendizagem.
Hoffmann propõe para a realização da avaliação, na perspectiva de construção, duas premissas
fundamentais: confiança na possibilidade do aluno construir as suas próprias verdades; valorização de suas
manifestações e interesses. Para Hoffmann, o aparecimento de erros e dúvidas dos alunos, numa extensão
educativa é um componente altamente significativo ao desenvolvimento da ação educacional, pois permitirá
ao docente a observação e investigação de como o aluno se coloca diante da realidade ao construir suas
verdades. Ela distingue o diálogo entre professor e aluno como indicador de aprendizagem, necessário, à
reformulação de alternativas de solução para que a construção do saber aconteça. A reflexão do professor
sobre seus próprios posicionamentos metodológicos, na elaboração de questões e na análise de respostas dos
alunos deve ter sempre um caráter dinâmico.
Na avaliação mediadora o professor deve interpretar a prova não para saber o que o aluno não sabe, mas
para pensar nas estratégias pedagógicas que ele deverá utilizar para interagir com esse discente. Para que
isso aconteça, o desenvolvimento dessa prática avaliativa deverá decodificar a trajetória de vida do aluno
durante a qual ocorrem mudanças em múltiplas dimensões, e isso é muito mais que conhecer o educando.
Em um processo de aprendizagem toda resposta do aluno é ponto de partida para novas interrogações ou
desafios do professor. Devem-se ofertar aos alunos muitas oportunidades de emitir idéias sobre um assunto,
para ressaltar as hipóteses em construção, ou as que já foram elaboradas Sem tais atitudes, não se idealiza,
de fato, um processo de avaliação contínua e mediadora.
Avaliar significa ação provocativa do professor desafiando o educando a refletir sobre as situações vividas, a
formular e reformular hipóteses, encaminhando-o a um saber enriquecido, acompanhando o “vir a ser”,
favorecendo ações educativas para novas descobertas. A avaliação apresenta uma importância social e
política fundamental no fazer educativo vinculando-a a idéia de qualidade. Não há como evitar a
necessidade de avaliação de conhecimentos, muito embora se possa torná-la eficaz naquilo que se propõe: a
melhora de todo o processo educativo. Avaliar qualitativamente significa um julgamento mais global e
intenso, no qual o aluno é observado como um ser integral, colocado em determinada situação relacionada às
expectativas do professor e também deles mesmos. Nesse momento, o professor deixa de ser um simples
colecionador de elementos quantificáveis e utiliza sua experiência e competência analisando os fatos dentro
de um contexto de valores, que legitimam sua atitude como educador.
Ref: HOFFMANN, Jussara. Avaliação Mediadora: Uma Prática em Construção da Pré-Escola à
Universidade
http://lubarrach.blogspot.com.br/2010/10/tema-de-concurso-avaliacao-mediadora.html
TEMA DE CONCURSO: Avaliação Mediadora ( Jussara Hoffmann )
Avaliação Mediadora, trás uma abordagem referete a questão de como avaliar um aluno, quais os meios,
maneiras, enfim, será que avaliar baseia-se em apenas um único momento?
Para Jussara Hoffmann, existem duas premissas fundamentais: o aluno constrói suas verdades e valoriza
suas manifestações e interesses. Contudo devemos considerar seus pensamentos e suas ideias.
Ela valoriza: erros e dúvidas dos alunos, no qual se abre uma oportunidade do docente observar e investigar
o aluno.
Trata o diálogo entre Professor e Aluno, como um indicador de aprendizagem, onde ocorre troca de
informações.
Nesse processo, sempre haverá uma oportunidade para reformular uma alternativa de solução para que a
construção do saber aconteça.
Professor deve: Refletir sobre seus métodos na elaboração de questões e analisar as respostas dos alunos,
isso ela chama de caráter dinâmico.
Na Avaliação Mediadora o Professor não deve interpretar a prova para saber o que o aluno não sabe, mas
para pensar nas estratégias pedagógicas para interagir com seu aluno.
Ela afirma que, no processo de aprendizagem, resposta é = Ponto de partida para novas interrogações ou
desafios do professor.
É oferecer muitas oportunidades de emitir idéias ou as que já foram elaboradas. (Sem isso não é possível
obter uma avaliação contínua e mediadora.
Avaliar = Provocar = Desafiar = Refletir = Formular = Reformular Hipóteses.
Avaliar qualitativamente significa olhar global, o aluno ser visto, observado como um ser integral
http://www.professorefetivo.com.br/resumos/Avaliacao-Mediadora-Uma-Pratica-da-Pre-Escola-a-
Universidade.html
Avaliação Mediadora - Uma Prática da Pré-Escola à Universidade
Jussara Hoffmann
Esta obra discute a avaliação numa perspectiva construtivista que se contraponha à prática de avaliação
tradicional, buscando o sentido em direção a uma escola igualitária e libertadora desde a educação infantil, o
ensino fundamental, médio, até a universidade.
O livro inicia com a discussão da escola de qualidade e sobre o compromisso de manter na escola o aluno
favorecendo lhe de fato o acesso ao saber (não simplesmente por promovê-lo), a outros graus de ensino, de
permanência e continuidade nos estudos. Pg. 15
Melhoria da qualidade do ensino requer: escolaridade para todas as crianças e escolas que compreendam
essas crianças a ponto de auxiliá-las a usufruir seu direito ao ensino fundamental no sentido de sua
promoção como cidadãos participantes nesta sociedade; que perceba a educação como direito da criança
consciente desse direito.
Numa perspectiva construtivista da avaliação, a questão da qualidade do ensino deve ser analisada em
termos dos objetivos efetivamente perseguidos no sentido do desenvolvimento máximo possível dos alunos,
à aprendizagem, no seu sentido amplo, alcançada pela criança a partir das oportunidades que o meio lhe
oferece.
A qualidade do ensino na concepção classificatória, a qualidade se refere a padrões preestabelecidos, em
bases comparativas: critérios de promoção, gabaritos de respostas, padrões de comportamento ideal. Uma
qualidade que se confunde com quantidade.
Qualidade, na perspectiva mediadora da avaliação, significa desenvolvimento máximo possível, um
permanente “vir a ser”, sem limites preestabelecidos, embora com objetivos delineados e aceitação das pré-
condições socioculturais do educando. Pg. 32
A avaliação apresenta uma importância social e política fundamental no fazer educativo vinculando-a a idéia
de qualidade. Avaliar qualitativamente significa um julgamento mais global e intenso, no qual o aluno é
observado como um ser integral, colocado em determinada situação relacionada às expectativas do professor
e também deles mesmos.
A autora pesquisou as causas do fracasso escolar junto aos professores (30) de escolas estaduais de educação
infantil, ensino fundamental e médio, os quais responderam:
1. o aluno não se interessa pelo conteúdo da escola. (10)
2. o aluno apresenta problemas de relacionamento com professores e colegas. (10)
3. o aluno não apresenta maturidade. (06)
4. o aluno não tem oportunidade de expressar suas idéias ao professor. (03)
5. o professor apresenta falta de conhecimento quanto a questões de aprendizagem. (1)
Percebe-se que alguns professores atribuem a responsabilidade a si próprios, porém a maioria atribui a culpa
aos alunos, os quais passam a ser um misto de réu e vítima.
Quem são os responsáveis pelo fracasso escolar: professores, alunos ou sociedade? O compromisso do
professor diante da criança e do jovem deve proceder diante das diferenças individuais dos alunos em
relação a todos os níveis
socioculturais. Um dos princípios da teoria construtivista é fundamental para avaliação: o indivíduo se dá
por estágios evolutivos do pensamento a partir de sua maturação e suas vivências.
Neste sentido, deve-se ter uma visão construtivista do erro em termos da correção das tarefas feitas pelos
alunos em todas as situações de aprendizagem. Os erros e as dúvidas dos alunos são componentes
significativos ao desenvolvimento da ação educacional, pois permitirá ao docente a observação e
investigação de como o aluno se coloca diante da realidade ao construir seu conhecimento.
A autora distingue o diálogo entre professor e aluno como indicador de aprendizagem, necessário, à
reformulação de alternativas de solução para que a construção do saber aconteça. A reflexão do professor
sobre seus próprios posicionamentos metodológicos, na elaboração de questões e na análise de respostas dos
alunos deve ter sempre um caráter dinâmico.
Na avaliação mediadora o professor deve interpretar a prova não para saber o que o aluno não sabe, mas
para pensar nas estratégias pedagógicas que ele deverá utilizar para interagir com esse aluno. Para que isso
aconteça, o desenvolvimento dessa prática avaliativa deverá desvelar a trajetória de vida do aluno durante a
qual ocorrem mudanças em múltiplas dimensões.
Em relação ao processo de aprendizagem toda resposta do aluno é ponto de partida para novas interrogações
ou desafios do professor. Devem-se oportunizar aos discentes emitir idéias sobre um assunto, para ressaltar
as hipóteses em construção, ou as que já foram elaboradas. São estas atitudes que idealizam, de fato, um
processo de avaliação contínua e mediadora.
A objetividade e a subjetividade em geral refere-se a forma de elaboração das questões, mas é pela correção
que as questões se caracterizam em “objetivas” ou “subjetivas”.
A partir das considerações, apontamos alguns princípios coerentes à ação avaliativa mediadora:
- oportunizar aos alunos muitos momentos de expressar suas idéias – as tarefas são elementos essenciais
para a observação das hipóteses construída pelos alunos ao longo do processo;
- oportunizar discussões entre os alunos a partir de situações desencadeadoras - os trabalhos em grupo são
“gatilhos” para a reflexão de cada aluno, para o desenvolvimento do conhecimento em sua perspectiva de
compreensão;
- realizar várias tarefas individuais, menores e sucessivas, investigando teoricamente, procurando entender
razões para as respostas apresentadas pelos estudantes – a avaliação mediadora exige a observação
individual, ou seja uma relação direta com o aluno a partir de muitas tarefas (orais ou escritas),
interpretando-as (respeito a subjetividade), refletindo e investigando teoricamente razões para soluções
apresentadas de acordo com os estágios
e as experiências do aluno;
- em vez do certo/errado e da atribuição de pontos, fazer comentários sobre as tarefas dos alunos,
auxiliando-os a localizar as dificuldades, oferecendo-lhes oportunidades de descobrirem melhores soluções –
é preciso ultrapassar a sistemática tradicional de buscar certos e errados em relação às respostas do aluno e
atribuir significado ao que se
observa em sua tarefa, valorizando idéia e dando importância a suas dificuldades. O respeito e a valorização
de cada tarefa favorecem a expressão de crenças verdadeiramente espontâneas.
- transformar os registros de avaliação em anotações significativas sobre o acompanhamento dos alunos em
seu processo de construção de conhecimento – os registros do professor devem responder às questões: O
aluno aprendeu? Ainda não aprendeu? Por que não aprendeu? Quais os encaminhamentos feitos ou por fazer
nesse sentido?
Em relação à correção há duas posturas que se opõem naturalmente:
Avaliação Classificatória
Corrigir tarefas e provas do aluno para
verificar respostas certas e erradas e, com
base nesta verificação periódica, tomar
decisões quanto ao seu aproveitamento
escolar, sua aprovação em cada série ou grau
de ensino (prática Avaliativa).
Avaliação Mediadora
Analisar Teoricamente as várias manifestações
dos alunos em situações de aprendizagem
(verbais ou escritas, outra produções), para
acompanhar as hipóteses que vem formulando
a respeito de determinados assuntos, em
diferentes áreas de conhecimento, de forma a
exercer uma ação educativa que lhes favoreça
a descoberta de melhores soluções ou
reformulação de hipóteses preliminarmente
formuladas. Acompanhamento esse que visa
ao acesso gradativo do aluno a um saber
competente na escola e, portanto, sua
promoção a outras séries e graus de ensino
As diferentes posturas também se revelam nas expectativas dos alunos (pedindo para professor dar nota em
toda atividade; não aceitando que sua tarefa tenha erro), dos pais ( não aceitando que não se corrija o
caderno de seu filho), dos professores (corrijo tudo, não corrijo, o que fazer?).
Na concepção mediadora a correção se faz presente pensando na evolução do conhecimento de forma
dinâmica, de descoberta por ensaio e erro, de tomada de consciência sobre o fazer, muito mais que a
preocupação com resultados imediatos ou fórmulas definitivas de solução apresentadas pelo professor.
Não significa aceitar tudo o que a criança faz. Considerar, valorizar, não significa observar e deixar como
está. Ao contrário exige do professor a reflexão teórica necessária para o planejamento de situações
provocativas ao aluno que favoreçam a sua descoberta. As tarefas de aprendizagem são pontos de partida do
professor no sentido de gerar conflitos entre as crianças pela confrontação entre elas a respeito de diferentes
soluções pensadas em evolução.
A ação mediadora do professor, a sua intervenção pedagógica, desafiadora, não pode ser uniforme em todas
as situações de tarefas dos alunos. Os erros que a criança apresenta podem ser de natureza diversa. Nenhum
extremo é válido: considerar que sempre devemos dizer a resposta certa ou no outro extremo, considerar que
todo e qualquer erro que o aluno cometa tenha o caráter construtivo e que ele poderá descobrir todas as
respostas.
A tarefa do aluno está presente entre uma tarefa do aluno e a posterior. A tarefa do professor consiste em
favorecer a este aluno o alcance de um saber competente e a aproximação com a verdade científica.
O tema correção envolve essencialmente o respeito à criança em suas etapas de desenvolvimento e, por isso
é urgente incluir o termo “ainda” no seu vocabulário. Ao invés de analisar os exercícios dos alunos para
responder quem errou ou quem acertou, analisá-los para observar quem aprendeu e quem “ainda” não
aprendeu.
Os registros de avaliação refletem a concepção de educação do professor. Relatórios de avaliação devem
expressar avanços, conquistas, descobertas, bem como relatar o processo vivido em sua evolução, em seu
desenvolvimento, dirigindose aos encaminhamentos, às sugestões de cooperação entre todos que participam
do processo. Ao relatarmos um processo efetivamente vivido, encontraremos as representações que lhes
dêem verdadeiro sentido.
Há muitas crenças que a avaliação mediadora é restrita aos professores das séries iniciais do ensino
fundamental, mas a autora revela o desenvolvimento desta perspectiva no ensino médio e no ensino
universitário através de pesquisas realizadas.
O modelo que se instala em cursos de formação, é um modelo reprodutivista sendo muito mais forte que
qualquer teoria que o aluno possa adquirir, pois é vivida em seu cotidiano.
Em sua pesquisa no curso universitário a autora aponta algumas concepções apresentadas pelos professores
resistentes à avaliação mediadora e assinala caminhos para reflexão :
1. alunos desinteressados e desatentos – observa-se , nesta visão, um compromisso do educador alienado de
uma relação de aproximação com o pensar do aluno: o professor “dá” a aula e o aluno “pega” as
explicações. Na avaliação mediadora despertaria, então, o educador para a relação dialógica da avaliação,
buscando alternativas para estabelecer sua aproximação e descoberta dos diferentes modos de pensar.
2. tempos e disponibilidade: entraves do processo – a avaliação mediadora opõe-se ao modelo “transmitir-
verificar-registrar” e evolui no sentido de uma ação reflexiva e desafiadora do educador em termos de
contribuir, elucidar, favorecer a troca de idéias entre e com seus alunos.
3. o diálogo professor/aluno – o diálogo entendido a partir da relação epistemológica, não se processa
obrigatoriamente através da conversa, enquanto comunicação verbal com o estudante.
Refletir em conjunto com o aluno sobre o objeto do conhecimento, para encaminhar-se à superação,
significa desenvolver uma relação dialógica, princípio fundamental da avaliação mediadora.
4. acompanhamento individualizado – o diálogo, compreendido como leitura curiosa e investigativa do
professor das tarefas de aprendizagem, poderá se estabelecer mesmo se o educador trabalhar com muitos
alunos, no sentido de permitir lhe, senão a proximidade corpo a corpo com o estudante, o debruçar-se sobre
suas idéias e as do grupo para acompanhar seus argumentos e vir a discuti-los ou enriquecê-los.
Portanto, o maior desafio é favorecer a descoberta pelos professores do significado da avaliação mediadora
para a formação de um profissional competente.
Confirmando a hipótese da autora que experiências em avaliação mediadora possam provocar
espontaneamente um reestudo do currículo, realizou um trabalho junto a uma universidade e constatou que a
prática avaliativa foi sendo reformulada e explicitada em seu desenvolvimento através de reflexões
constantes e ajustes necessários.
Os professores participantes do projeto no Ensino Médio relataram algumas conclusões:
- o processo de transformação inicia de forma lenta com muitas resistências dos alunos. Uma vez
compreendido, o processo alcança bons resultados; · a proposta exige a reflexão permanente do grupo e
ajustes freqüentes;
- a cooperação entre os alunos e destes com a professora é um dos resultados alcançados. Os alunos passam
a mostrar-se mais interessados em vencer suas dificuldades e a refazer seus trabalhos; · a não-atribuição de
notas à tarefas e situações não-declaradas de “prova” causam menor pressão e resultados mais favoráveis de
aprendizagem;
- o processo provoca naturalmente a revisão do currículo pelos professores e o repensar de sua metodologia;
- percebe-se com maior clareza a dimensão das dificuldades dos alunos.
Nesta perspectiva, avaliação mediadora é uma postura de vida e os fundamentos de uma ação avaliativa
mediadora ultrapassam estudos sobre teorias de avaliação e exigem o aprofundamento em teorias de
conhecimento bem como estudos referentes a áreas específicas de trabalho do professor.
A ação avaliativa mediadora se desenvolve em benefício ao educando e dá-se fundamentalmente pela
proximidade entre quem educa e quem é educado. Pela curiosidade de conhecer a quem educa e
conhecendo, a descoberta de si
próprio. Conhecimento das possibilidades dos educandos de contínuo vir a ser, desde que lhe sejam
oferecidas as oportunidades de viver muitas e desafiadoras situações de vida.
Resumo elaborado por
Martha Sirlene da Silva

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
PamelaAschoff
 
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOINSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
Edlauva Santos
 
Pauta planejamento 2012 1º
Pauta planejamento 2012     1ºPauta planejamento 2012     1º
Pauta planejamento 2012 1º
Nethy Marques
 
Aula De Literatura Infantil
Aula De Literatura InfantilAula De Literatura Infantil
Aula De Literatura Infantil
roessencia
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
Linda-maria12
 
Slides da reunião com professores
Slides da reunião com professoresSlides da reunião com professores
Slides da reunião com professores
driminas
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Fernanda Tulio
 

Mais procurados (20)

O processo de alfabetização
O processo de alfabetizaçãoO processo de alfabetização
O processo de alfabetização
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Relatorio estagio educação infantil
Relatorio estagio educação infantil Relatorio estagio educação infantil
Relatorio estagio educação infantil
 
inclusão escolar
inclusão escolarinclusão escolar
inclusão escolar
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Coordenador Pedagógico
Coordenador PedagógicoCoordenador Pedagógico
Coordenador Pedagógico
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
 
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOINSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
 
Pauta planejamento 2012 1º
Pauta planejamento 2012     1ºPauta planejamento 2012     1º
Pauta planejamento 2012 1º
 
Relatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolarRelatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolar
 
Aula De Literatura Infantil
Aula De Literatura InfantilAula De Literatura Infantil
Aula De Literatura Infantil
 
Educação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline Ventura
Educação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline VenturaEducação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline Ventura
Educação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline Ventura
 
Níveis de escrita (1)pnaic
Níveis de escrita (1)pnaicNíveis de escrita (1)pnaic
Níveis de escrita (1)pnaic
 
Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
 
A literatura infantil na escola
A literatura infantil na escolaA literatura infantil na escola
A literatura infantil na escola
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
 
Slides da reunião com professores
Slides da reunião com professoresSlides da reunião com professores
Slides da reunião com professores
 
Conselho de classe
Conselho de classeConselho de classe
Conselho de classe
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
 

Semelhante a resumo-de-avaliação-mediadora-jussara-hoffmann

Relação professor
Relação professorRelação professor
Relação professor
Deia Araujo
 
Avaliacao mediadora
Avaliacao mediadoraAvaliacao mediadora
Avaliacao mediadora
Luciana
 
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
christianceapcursos
 
Tcc ana cristina versão final
Tcc ana cristina versão finalTcc ana cristina versão final
Tcc ana cristina versão final
Edneusa Souza
 
A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Noelma Carvalho...
A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS  Noelma Carvalho...A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS  Noelma Carvalho...
A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Noelma Carvalho...
christianceapcursos
 
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara   o jogo em avaliaçãoHoffmann, jussara   o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
Diego Garcia
 
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara   o jogo em avaliaçãoHoffmann, jussara   o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
marcaocampos
 
O que são realmente as dificuldades de aprendizagem
O que são realmente as dificuldades de aprendizagemO que são realmente as dificuldades de aprendizagem
O que são realmente as dificuldades de aprendizagem
Maria Masarela Passos
 
Avaliação da aprendizagem - AVA 2012
Avaliação da aprendizagem - AVA 2012Avaliação da aprendizagem - AVA 2012
Avaliação da aprendizagem - AVA 2012
Marcelo Saraiva
 
Teoria e crítica literária
Teoria e crítica literáriaTeoria e crítica literária
Teoria e crítica literária
Edilene Jadao
 

Semelhante a resumo-de-avaliação-mediadora-jussara-hoffmann (20)

Artigo da Ellen.doc
Artigo da Ellen.docArtigo da Ellen.doc
Artigo da Ellen.doc
 
Indisciplina na sala de aula
Indisciplina na sala de aulaIndisciplina na sala de aula
Indisciplina na sala de aula
 
Resenha de avaliar para promover
Resenha de avaliar para promoverResenha de avaliar para promover
Resenha de avaliar para promover
 
Relação professor
Relação professorRelação professor
Relação professor
 
Aprendizagem autoria avaliação
Aprendizagem autoria avaliaçãoAprendizagem autoria avaliação
Aprendizagem autoria avaliação
 
Reflexões sobre a avaliação no processo de ensino e aprendizagem
Reflexões sobre a avaliação no processo de ensino e aprendizagemReflexões sobre a avaliação no processo de ensino e aprendizagem
Reflexões sobre a avaliação no processo de ensino e aprendizagem
 
Avaliacao mediadora
Avaliacao mediadoraAvaliacao mediadora
Avaliacao mediadora
 
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
 
Tcc ana cristina versão final
Tcc ana cristina versão finalTcc ana cristina versão final
Tcc ana cristina versão final
 
A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Noelma Carvalho...
A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS  Noelma Carvalho...A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS  Noelma Carvalho...
A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Noelma Carvalho...
 
Sala de aula
Sala de aulaSala de aula
Sala de aula
 
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara   o jogo em avaliaçãoHoffmann, jussara   o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
 
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara   o jogo em avaliaçãoHoffmann, jussara   o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
 
O que são realmente as dificuldades de aprendizagem
O que são realmente as dificuldades de aprendizagemO que são realmente as dificuldades de aprendizagem
O que são realmente as dificuldades de aprendizagem
 
Projeto para o tcc orientação educacional – mediação e intervenção diante ...
Projeto para o tcc   orientação educacional – mediação e  intervenção diante ...Projeto para o tcc   orientação educacional – mediação e  intervenção diante ...
Projeto para o tcc orientação educacional – mediação e intervenção diante ...
 
Avaliação da aprendizagem - AVA 2012
Avaliação da aprendizagem - AVA 2012Avaliação da aprendizagem - AVA 2012
Avaliação da aprendizagem - AVA 2012
 
Serie aula nota_10
Serie aula nota_10Serie aula nota_10
Serie aula nota_10
 
Serie aula nota_10 , de Doug Lemov.
Serie aula nota_10 , de Doug Lemov.Serie aula nota_10 , de Doug Lemov.
Serie aula nota_10 , de Doug Lemov.
 
Teoria e crítica literária
Teoria e crítica literáriaTeoria e crítica literária
Teoria e crítica literária
 
Jussara_Hoffmann
Jussara_HoffmannJussara_Hoffmann
Jussara_Hoffmann
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 

Último (20)

Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 

resumo-de-avaliação-mediadora-jussara-hoffmann

  • 1. RESUMO DE LIVROS - HOFFMAN, Jussara. Avaliação Mediadora: Um HOFFMAN, Jussara. Avaliação Mediadora; Uma Pratica da Construção da Pré-escola a Universidade. 17.ª ed. Porto Alegre: Mediação, 2000. POR UMA ESCOLA DE QUALIDADE São vários os fatores que dificultam a superação da prática tradicional, como: a crença que a manutenção da avaliação classificatória garante ensino de qualidade, resistência das escolas em mudar por causa da possibilidade de cancelar matriculas, a crença que escolas tradicionais são mais exigentes. Sobre a avaliação tradicional, ela legitima uma escola elitista, alicerçada no capitalismo e que mantém uma concepção elitista do aluno. Entretanto, uma escola de qualidade se da conta de que todas as crianças devem ser concebidas sua realidade concreta considerando toda a pluralidade de seu jeito de viver. pag 17 Deve se preocupar com o acesso de todos, promovendo-os como cidadãos participantes nessa sociedade. O desenvolvimento máximo possível do ser humano depende de muitas coisas além das da escola tradicional como memorizar, notas altas, obediência e passividade, depende da aprendizagem, da compreensão, dos questionamentos, da participação. Pag 30 O sentido da avaliação na escola, seja ela qual for a proposta pedagógica, como a de não aprovação não pode ser entendida como uma proposta de não avaliação, de aprovação automática. Ela tem que ser analisada num processo amplo, na observação do professor em entender suas falas, argumentos, perguntas debates, nos desafios em busca de alternativas e conquistas de autonomia. A ação mediadora é uma postura construtivista em educação, onde a relação dialógica, de troca discussões, provocações dos alunos, possibilita entendimento progressivo entre professor/aluno. O conhecimento dos alunos é adquirido com a interação com o meio em que vive e as condições deste meio, vivências, objetos e situações ultrapassam os estágios de desenvolvimento e estabelecem relações mais complexas e abstratas, de forma evolutiva a partir de uma maturação. O meio pode acelerar ou retardar esse processo. Compreender essa evolução é assumir compromisso diante as diferenças individuais dos alunos. Quanto ao erro, na concepção mediadora da avaliação, a correção de tarefas é um elemento positivo a se trabalhar numa continuidade de ações desenvolvidas. O momento da correção passa a existir como momento de reflexão sobre as hipóteses construídas pelo aluno, não por serem certas ou erradas, problematizando o dialogo, trocando idéias. Os erros construtivos caracterizam-se por sua perspectiva lógico-matemática. A avaliação mediadora possibilita investigar, mediar, aproximar hipóteses aos alunos e provocá-los em seguida; perceber pontos de vistas para construir um caminho comum para o conhecimento científico aprofundamento teórico e domínio do professor. Pressupõe uma análise qualitativa, uma avaliação não de produto, mas do processo, se dá constantemente através de cadernos, observações do dia a dia, é teórica usa- se registros. A avaliação mediadora passa por três princípios: a de investigação precoce (o professor faz provocações
  • 2. intelectuais significativas), a de provisoriedade (sem fazer juízos do aluno), e o da complementaridade (complementa respostas velhas a um novo entendimento). Cabe ao pesquisador descobrir o mundo, mas cabe ao avaliador torná-lo melhor. A mediação se dá relacionando experiências passadas às futuras, relacionado propostas de aprendizagens a estruturas cognitivas do educando, organizando experiências, refletivo sobre o estudo, com participação ativa na solução de problemas com a apreciação de valores e diferenças individuais. O educador toma consciência do estudante no alcance de metas individuais, promovendo interações a partir da curiosidade intelectual, originalidade, criatividade, confrontações. http://www.recantodasletras.com.br/resenhasdelivros/3476530 AVALIAÇÃO MEDIADORA: UMA PRÁTICA EM CONSTRUÇÃO DA PRÉ-ESCOLA À UNIVERSIDADE. de Jussara Hoffmann CREDENCIAIS DO AUTOR Jussara Hoffmann é Graduada em Letras pela UFRGS em 1974; Mestre em Avaliação Educacional pela UFRJ em 1981; Professora e Coordenadora Pedagógica de Escolas Particulares e de Escolas Estaduais de 1968 a 1980; Assessora de Delegacia de Educação do RS de 1981 a 1986; Curso de Extensão em Supervisão Educacional pela UFRGS em 1984. Professora da PUC-RS - Curso de Metodologia do Ensino Superior - de 1982 a 1986. HOFFMANN, Jussara. Avaliação Mediadora: uma prática em construção da pré-escola à universidade – Porto Alegre: Editora Mediação, 1993. 20ª Edição revista, 2003. RESUMO: O texto de Jussara Hoffmann, “Avaliação Mediadora: Uma prática em construção da pré-escola à universidade”, toma por base a avaliação como uma atividade que faz com que o aluno seja instigado a desenvolver seu processo cognitivo, mas o que a maioria das escolas, juntamente com seus professores perpassam é, o processo avaliativo como um sistema “classificatório de ensino de qualidade”, ( HOFFMANN, p. 12.) O texto de Jussara Hoffmann, “Avaliação Mediadora: Uma prática em construção da pré-escola à universidade”, toma por base a avaliação como uma atividade que faz com que o aluno seja instigado a desenvolver seu processo cognitivo, mas o que a maioria das escolas, juntamente com seus professores perpassam é, o processo avaliativo como um sistema “classificatório de ensino de qualidade”, ( HOFFMANN, p. 12.), ou seja, a avaliação neste caso vai dizer se determinada escola é uma instituição que tem melhor índice de desenvolvimento por parte dos alunos. A autora argumenta que este tipo de prática acaba dificultando o alunado, por quê tal metodologia torna-se um fator excludente que qualifica e
  • 3. desqualifica o aluno. A sociedade argumenta, muita das vezes, que a avaliação como processo não classificatória desqualifica o ensino, por isso ainda é visível a busca de muitas famílias a escolas conservadoras, como se este fator revelasse a competência dos alunos, ao contrário a esta idéia, segundo a autora, “observamos, com freqüência, historias contrárias de maus alunos que se tornam excelentes profissionais. Ou o inverso, alunos nota 10 em cursos superiores que realizam estágios profissionais medíocres.” (HOFFMANN, p. 23). Ai se percebe que não é a avaliação como um processo classificatório que vai dizer se o aluno tem ou não tem capacidade de se desenvolver no meio profissional. A autora também aborda em seu livro a questão do professor, sujeito mediador do processo avaliativo, e mostra que muita das vezes o professor não está preparado, como fora dito antes. Ainda, é claro, entende a avaliação na sua forma de qualificar e não de avaliar a aprendizagem do alunado. Ter notas altas não quer dizer que o aluno aprendeu o assunto. A autora diz que o aluno entende a escola fora do seu meio social e não veiculado a ele. “Escola é escola, para ele a vida é diferente.” (HOFFMANN, p. 26). Isso mostra que a pesquisa feita pela autora mostra a escola não como a mediadora do conhecimento, mas sim cumpridora da fusão de passar o conhecimento, desconsiderando a aprendizagem do estudante. A escola toma por base a ensinar, mas sem se preocupar com a realidade social do aluno. “ O que revela a concepção de escola para a memorização de fatos que não adquirem significado algum ao longo de sua vida, fatos transmitidos, memorizados, esquecidos.” Hoffmann diz ainda que a avaliação deve ser passada visando a realidade do aluno. Deve-se haver uma preocupação entre a escola no ser psíquico do estudante. Hoffmann no livro destaca uma fala dita por uma aluna: “ Quanto mais eu vou a escola, mais eu estudo, quanto mais eu estudo, mais eu aprendo, quanto mais eu aprendo, mais eu esqueço.” (HOFFMANN, p. 26). Portanto, fica claro que a metodologia usada na educação desfavorece os alunos no sentido de produzir o conhecimento, visando a idéia de arrancar o conhecimento do aluno custe o que custar . O que mais poderia, como exemplifica bem a autora, era haver um dialogo entre escola e família sobre o adquire conhecimento e não introduzi-lo no aluno. Em uma parte do livro a autora destaca o seguinte título: “ As charadas da avaliação”, e discerne que as atividades avaliativas são passadas em sala de aula de uma forma que não condiz com a realidade social dos estudantes, formando-se assim, na cabeça dos alunos, verdadeiras charadas. Destaca-se aqui um exemplo relevante da autora: “Uma pessoa mora no 18º andar de um prédio de apartamento. Todos os dias desce pelo elevador para ir ao seu local de trabalho. Ao final do expediente, retornando para casa, vai pelo elevador até o 13º andar e sobe os demais andares pela escada. Isso se repete todos os dias. Você saberia dizer por quê?” ( HOFFMANN, p. 29) A resposta da autora a questão apresentada é que “a pessoa é tão baixinha que só alcança o 13º andar dentre os painel do elevador” (HOFFMANN, p. 29). Os professores pesquisados deram varias respostas, isso se evidencia pelo o fato de em um processo avaliativo as questões introduzidas ao sujeito que vai ser avaliado está submetida a varias interpretações e inferências. No aluno isso ainda é mais visível porque ele relaciona
  • 4. as questões escolares com seu meio de convivência. Como tais questões, e isso se argumentou aqui antes, não condizem com a realidade, há um certo confronto na pessoa do estudante em relação a escola e a aprendizagem. Aqui se faz a mesma pergunta prefaciada pela autora, “por que o aluno não aprende?” (HOFFMANN, p. 31). Não seria pelo o motivo de que não há uma preocupação da escola em relação ao sujeito do aluno, ou seja, a escola quer formar o estudante para a sociedade, mas esquece que este ser já dispõe de uma formação. Como esclarece bem a autora: “ O aluno constrói o seu conhecimento na interação com o meio em que vive. Portanto, depende das condições desse meio, da vivência de objetos e situações.”(HOFFMANN, p. 41). Hoffmann disserta que os professores, mais ainda a escola, deveria preocupar-se mais com o ser do aluno. Como este aluno está desenvolvendo sua aprendizagem entre escola e família? As avaliações deveriam frisar mais a realidade social do aluno, e o professor deveria voltar sua atenção para uma avaliação que valorizasse o ser social do aluno, fato que na escolas tradicionalista se introduz como avaliação classificatória, esquecendo totalmente das percepções empíricas e cognitivas do estudante. Jussara Hoffmann apresenta um livro elaborado sobre a ótica da teoria e da prática. Mesmo que pareça uma utopia perguntar-se como fazer com que os alunos aprendam em um pais igual ao Brasil onde há tantos contrastes sociais, se deve acima de tudo, preocupar-se em mudar tal realidade. Como? A resposta é dada pela autora que descrevendo o significado da avaliação mediadora diz: “ Presta muita atenção na criança, no jovem, no eu. Eu diria “pegar no pé” desse aluno mesmo, instituindo em conhecê-lo melhor, em entender suas falas, seus argumentos, teimando em conversar com ele em todos os momentos, ouvindo todas as suas perguntas, fazendo novas e desafiadoras questões, (...). Neste sentido, então, teremos perseguido uma escola de qualidade para todas as crianças e jovens deste país.” (HOFFMANN, p. 28). A autora aborda a questão da escola como um agente social e a avaliação com uma parte integrante na formação do ser social. Para isso é necessário que a sociedade compreenda que os processos avaliativos tende a serem mediadores e não classificatórios, por que é de responsabilidade social o desenvolvimento da educação. O filosofo Anísio Teixeira afirma em seu livro “Introdução a Filosofia da Educação” que: “Se há crise do "espírito", como hoje se diz, se os valores humanos, na sua perpétua transformação, conquistam novas formas e velhas ilusões se vão desfazendo em troca de valores realistas e ásperos, - é que as escolas estão a falhar na sua finalidade espiritual…e urge reformá-las.” (TEIXEIRA, p. 01). Muitas vezes, o professor investe suficientemente na dimensão cognitiva do desenvolvimento e não dedica atenção à dimensão afetiva. Outras vezes, faz o inverso: cuida da criança com carinho e atenção, mas sem planejar adequadamente como vai ajudá-la a progredir na aprendizagem para alcançar as metas que devem ser atingidas do ponto de vista cognitivo. Assim, é proposto que cada professor, ao planejar as situações didáticas, reflita sobre os estudantes, considerando o desenvolvimento integral, contemplando as características culturais dos grupos a que pertencem e as características individuais, tanto no que se refere aos modos como interagem na escola, quanto às bagagens de saberes de que dispõem. É nessa linha de pensamento que Silva (2003, p.10) aponta “que o espaço educativo se transforma em ambiente de superação de desafios pedagógicos que dinamiza e dá significado a aprendizagem, que passa a ser compreendida como
  • 5. construção de conhecimentos e desenvolvimento de competências da formação cidadã.” É preciso que os professores reconheçam a necessidade de avaliar com diferentes finalidades: conhecer e acompanhar o seu desenvolvimento; conhecer as dificuldades e planejar atividades que os ajudem a superá-las; saber se as estratégias de ensino estão sendo eficientes e modificá-las quando necessário. Diferentemente do que muitos professores vivenciaram como estudantes ou em seu processo de formação docente, é preciso que, em suas práticas de ensino, elaborem diferentes estratégias e oportunidades de aprendizagem e avaliem se estão sendo adequadas. Assim, não apenas o estudante é avaliado, mas o trabalho do professor e a escola. A concepção de avaliação perpassa a lógica de um processo de organização de ensino, relacionado com a aprendizagem do aluno e com a sociedade. A partir disso, é possível realizar os questionamentos: para que avaliar? O que avaliar? Considera-se que, ao avaliar o aluno, o professor avalia sua própria prática. Para o grupo de estudos, a avaliação serve para reorientar a prática pedagógica, ou seja, como Luckesi (1995) propõe, “verificar as falhas, compreender as causas e propor soluções, para mudar a situação que dificulta o êxito da ação educativa.” Quanto à forma de avaliar, avalia-se o todo e as mudanças de comportamentos gerados no aluno, pois se avalia para concretizar o processo de educação, como ato humano, intelectual, cientifico e sistemático. Não se pode pretender que o aluno esteja pronto ao final de cada bimestre ou ano letivo, pois como ser em construção há muito que desenvolver no processo ensino-aprendizagem. Por isso, é preciso estabelecer um diálogo constante com os estudantes. Assim, a avaliação deve constituir prática contínua e não apenas do final de um período. Como tal, exige muitas tarefas, pelas quais o aluno possa se expressar de várias formas, facilitando o ato de avaliação. Nesta direção, avaliar significa identificar as necessidades dos alunos e ir à busca de soluções para sanar essas necessidades. Neste contexto, a avaliação passa a ser diagnóstica e inclusiva, porque concebe o aluno como ser em desenvolvimento contínuo. Deve- se ressaltar a relevância da viabilização do projeto politico-pedagógico, pois é ele que vai subsidiar um processo de avaliação comprometido com o desenvolvimento. Destaca-se também como fator indispensável, a metodologia aplicada pelo docente, que deve instigar o aluno a fazer uso do conhecimento adquirido. Portanto, faz-se necessário definir um perfil de saída de cada etapa de ensino e assegurar esforços para compreender os processos de construção de conhecimentos das crianças e adolescentes. Essa complexa tarefa pressupõe uma atitude permanente de observação e registro. Se o estudante e sua família sabem aonde a escola quer chegar, se estão envolvidos no dia a dia de que são os principais beneficiários, poderão participar com mais investimento e autonomia na busca do sucesso nessa empreitada que é o aprender. As escolas devem, e já se vê no horizonte, repensar seus valores como transformadoras de conhecimentos, por já o aluno dispor de uma relevada experiência, assim martela Hoffmann. A escola não deve só querer formar cidadãos porque o cidadão ali já está, mesmo fora da escola, em processo de formação. Buscar adaptar-se a realidade do aluno e remetê-lo a sociedade, no momento não é a tarefa desafiadora da escola, mas sim compreender que se deve mudar seu processo avaliativo para melhor instigar e desenvolver os seus alunos para uma sociedade culturalmente rica e produtiva.
  • 6. INDICAÇÃO DA OBRA O texto é simples e bastante informativo, sendo indicado para estudantes a cursos correspondente as áreas de licenciaturas, pedagogia. http://pedagogiaunicidiesdeguaianas.spaceblog.com.br/623673/JUSSARA-HOFFMANN-AVALIACAO- MEDIADORA/ JUSSARA HOFFMANN – AVALIAÇÃO MEDIADORA Avaliação Mediadora · Objetivo da autora: problematizar a prática de avaliação na escola, refletindo sobre o cotidiano escolar Concepção de avaliação para Hoffmann: A avaliação está ligada à concepção de conhecimento e a Avaliação Mediadora exige observação individual de cada aluno, atenta ao seu momento no processo de construção do conhecimento. Professor e aluno têm papéis diferentes, senão poderíamos falar da relação entre dois alunos. O professor como parceiro mais experiente tem como papel facilitar o acesso do aluno a este conhecimento. Para a autora, da mesma forma que o professor faz a mediação entre o conhecimento e o aluno, a avaliação deveria mediar todo esse processo. Assim como o médico, através de exames laboratoriais e de sua avaliação clínica prescreve medicamentos e outras medidas conforme o estado de saúde de seu paciente, o professor deveria utilizar a avaliação durante todo o processo de ensino-aprendizagem, observando como o aluno está apreendendo o conhecimento, que dificuldades enfrenta, que reformulações em seu método de ensino devem ser feitas, etc. Ou seja, a avaliação passa a ser um instrumento de regulação da aprendizagem. "Se o aluno é considerado um receptor passivo dos conteúdos que o docente sistematiza, suas falhas, seus argumentos incompletos e inconsistentes não são considerados senão algo indesejável e digno de um dado de reprovação. Contrariamente, se introduzirmos a problemática do erro numa perspectiva dialógica e construtivista, então o erro é fecundo e positivo, um elemento fundamental à produção de conhecimento pelo ser humano. A opção epistemológica está em corrigir ou refletir sobre a tarefa do aluno. Corrigir para ver se aprendeu reflete o paradigma positivista de avaliação. Refletir a respeito da produção de
  • 7. conhecimento do aluno para encaminhá-lo à superação, ao enriquecimento do saber significa desenvolver uma ação avaliativa mediadora." "Ou seja, o acompanhamento do processo de construção de conhecimento implica favorecer o desenvolvimento do aluno, orientá-lo nas tarefas, oferecer-lhe novas leituras ou explicações, sugerir-lhe investigações, proporcionar-lhe vivências enriquecedoras e favorecedoras à sua ampliação do saber." "As exigências avaliativas, desprovidas muitas vezes de significado quanto ao desenvolvimento efetivo das crianças e dos jovens, favorecem a manutenção de uma Escola elitista e autoritária" Publicação: Série Idéias n. 22. São Paulo: FDE, 1994 Páginas: 51-59 Proposta de Mediação Por uma escola de Qualidade · Crítica ao sistema tradicional de avaliação que enfatiza a testagem · Problemática do Acesso e Permanência · Qual é o papel da Escola nesse processo? Escola que percebe a educação como um direito da criança e um compromisso da escola em torná-la capaz de reivindicar. · Defesa de uma proposta pedagógica coerente. Não pode ser vista como uma proposta de não- avaliação. · Questão: Como os professores vêm interpretando as propostas de promoção automática? · Sucesso na escola tradicional: memorização, notas altas, obediência e passividade. · Desenvolvimento Máximo Possível: aprendizagem, compreensão, questionamento e participação. As charadas da Avaliação Por que um aluno não aprende?  Crítica ao modelo behaviorista  Ênfase nas técnicas de motivação  Sugere que o aluno não aprende porque não faz as tarefas previstas, não presta atenção nas explicações
  • 8.  Quem são os responsáveis pelo fracasso?  Professor, Aluno ou Sociedade  Uma visão construtivista do erro n Pista: Cotidiano do Professor n A questão da subjetividade na elaboração das atividades escritas ou orais n A subjetividade e objetividade na correção do professor n A importância das tarefas: observação das hipóteses construídas pelos alunos Por que corrigir, professor? n Qual o significado da ação corretiva para o aluno, para o professor e para os pais? n Como proceder o registro do que se observou nas tarefas dos alunos sem incorrer na prática tradicional e autoritária? n Como partir dessas observações para uma ação mediadora, de fato, que provoque o aluno a refletir e descobrir gradativamente melhores soluções sem a imposição de nossas respostas? n Avaliação Classificatória: corrigir tarefas e provas dos alunos para verificar as respostas certas e erradas e, com base nessa verificação periódica, tomar decisões quanto ao seu aproveitamento escolar, sua aprovação ou reprovação em cada série ou grau de ensino n Avaliação Mediadora: Analisar teoricamente as várias manifestações dos alunos em situação de aprendizagem (verbais ou escritas, outras produções), para acompanhar as hipóteses que vêm formulando a respeito de determinados assunto, em diferentes áreas de conhecimento, de forma a exercer uma ação educativa que lhes favoreça a descoberta de melhores soluções ou a formulação de hipóteses preliminarmente formuladas. Avaliação Mediadora: Uma postura de vida
  • 9. n Como romper com uma prática que se constitui fortemente pela estória de vida dos professores, reveladora, sem dúvida, de posturas pedagógicas que parecem condizentes a suas posturas de vida? n A autora não acredita em mudanças por meio de decretos e regimentos. n Defesa de uma avaliação que promova a aprendizagem do aluno http://educador.brasilescola.com/trabalho-docente/o-mito-avaliacao-aprendizagem.htm O Mito da avaliação da aprendizagem “A avaliação é a reflexão transformada em ação, não podendo ser estática nem ter caráter sensitivo e classificatório”. Jussara Hoffmann A Lei de diretrizes e Bases nº. 9.394/96, nos proporciona os dois mais importantes princípios da afetividade e amor no domínio escolar, o respeito à liberdade e a consideração à tolerância, que são inspirados nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana. Ambos têm por fim último o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para as ocupações no trabalho. A Lei 9.394/96, das diretrizes e bases para a educação nacional, faz menção à avaliação da aprendizagem. Ao longo dos seus artigos, o termo avaliação (e suas variações) aparece 24 vezes, e o termo verificação (do rendimento ou da aprendizagem), duas. São, assim, pelo menos vinte e seis alusões à idéia de avaliar, seja relacionando-a a instituições, a alunos, aos docentes, ou aos processos educacionais como um todo. A diferença fundamental entre verificação e avaliação, é que a primeira é uma ação estática e a segunda é um processo dinâmico e encaminha a ação. Avaliar envolve valor, e valor envolve pessoa. Avaliação é, fundamentalmente, acompanhamento do desenvolvimento do aluno no processo de construção do conhecimento. O professor precisa caminhar junto com o educando, passo a passo, durante todo o caminho da aprendizagem. Hoffmann propõe para a realização da avaliação, na perspectiva de construção, duas premissas fundamentais: confiança na possibilidade do aluno construir as suas próprias verdades; valorização de suas manifestações e interesses. Para Hoffmann, o aparecimento de erros e dúvidas dos alunos, numa extensão educativa é um componente altamente significativo ao desenvolvimento da ação educacional, pois permitirá ao docente a observação e investigação de como o aluno se coloca diante da realidade ao construir suas verdades. Ela distingue o diálogo entre professor e aluno como indicador de aprendizagem, necessário, à reformulação de alternativas de solução para que a construção do saber aconteça. A reflexão do professor sobre seus próprios posicionamentos metodológicos, na elaboração de questões e na análise de respostas dos alunos deve ter sempre um caráter dinâmico. Na avaliação mediadora o professor deve interpretar a prova não para saber o que o aluno não sabe, mas para pensar nas estratégias pedagógicas que ele deverá utilizar para interagir com esse discente. Para que
  • 10. isso aconteça, o desenvolvimento dessa prática avaliativa deverá decodificar a trajetória de vida do aluno durante a qual ocorrem mudanças em múltiplas dimensões, e isso é muito mais que conhecer o educando. Em um processo de aprendizagem toda resposta do aluno é ponto de partida para novas interrogações ou desafios do professor. Devem-se ofertar aos alunos muitas oportunidades de emitir idéias sobre um assunto, para ressaltar as hipóteses em construção, ou as que já foram elaboradas Sem tais atitudes, não se idealiza, de fato, um processo de avaliação contínua e mediadora. Avaliar significa ação provocativa do professor desafiando o educando a refletir sobre as situações vividas, a formular e reformular hipóteses, encaminhando-o a um saber enriquecido, acompanhando o “vir a ser”, favorecendo ações educativas para novas descobertas. A avaliação apresenta uma importância social e política fundamental no fazer educativo vinculando-a a idéia de qualidade. Não há como evitar a necessidade de avaliação de conhecimentos, muito embora se possa torná-la eficaz naquilo que se propõe: a melhora de todo o processo educativo. Avaliar qualitativamente significa um julgamento mais global e intenso, no qual o aluno é observado como um ser integral, colocado em determinada situação relacionada às expectativas do professor e também deles mesmos. Nesse momento, o professor deixa de ser um simples colecionador de elementos quantificáveis e utiliza sua experiência e competência analisando os fatos dentro de um contexto de valores, que legitimam sua atitude como educador. Ref: HOFFMANN, Jussara. Avaliação Mediadora: Uma Prática em Construção da Pré-Escola à Universidade http://lubarrach.blogspot.com.br/2010/10/tema-de-concurso-avaliacao-mediadora.html TEMA DE CONCURSO: Avaliação Mediadora ( Jussara Hoffmann ) Avaliação Mediadora, trás uma abordagem referete a questão de como avaliar um aluno, quais os meios, maneiras, enfim, será que avaliar baseia-se em apenas um único momento? Para Jussara Hoffmann, existem duas premissas fundamentais: o aluno constrói suas verdades e valoriza suas manifestações e interesses. Contudo devemos considerar seus pensamentos e suas ideias. Ela valoriza: erros e dúvidas dos alunos, no qual se abre uma oportunidade do docente observar e investigar o aluno. Trata o diálogo entre Professor e Aluno, como um indicador de aprendizagem, onde ocorre troca de informações. Nesse processo, sempre haverá uma oportunidade para reformular uma alternativa de solução para que a construção do saber aconteça. Professor deve: Refletir sobre seus métodos na elaboração de questões e analisar as respostas dos alunos, isso ela chama de caráter dinâmico.
  • 11. Na Avaliação Mediadora o Professor não deve interpretar a prova para saber o que o aluno não sabe, mas para pensar nas estratégias pedagógicas para interagir com seu aluno. Ela afirma que, no processo de aprendizagem, resposta é = Ponto de partida para novas interrogações ou desafios do professor. É oferecer muitas oportunidades de emitir idéias ou as que já foram elaboradas. (Sem isso não é possível obter uma avaliação contínua e mediadora. Avaliar = Provocar = Desafiar = Refletir = Formular = Reformular Hipóteses. Avaliar qualitativamente significa olhar global, o aluno ser visto, observado como um ser integral http://www.professorefetivo.com.br/resumos/Avaliacao-Mediadora-Uma-Pratica-da-Pre-Escola-a- Universidade.html Avaliação Mediadora - Uma Prática da Pré-Escola à Universidade Jussara Hoffmann Esta obra discute a avaliação numa perspectiva construtivista que se contraponha à prática de avaliação tradicional, buscando o sentido em direção a uma escola igualitária e libertadora desde a educação infantil, o ensino fundamental, médio, até a universidade. O livro inicia com a discussão da escola de qualidade e sobre o compromisso de manter na escola o aluno favorecendo lhe de fato o acesso ao saber (não simplesmente por promovê-lo), a outros graus de ensino, de permanência e continuidade nos estudos. Pg. 15 Melhoria da qualidade do ensino requer: escolaridade para todas as crianças e escolas que compreendam essas crianças a ponto de auxiliá-las a usufruir seu direito ao ensino fundamental no sentido de sua promoção como cidadãos participantes nesta sociedade; que perceba a educação como direito da criança consciente desse direito. Numa perspectiva construtivista da avaliação, a questão da qualidade do ensino deve ser analisada em termos dos objetivos efetivamente perseguidos no sentido do desenvolvimento máximo possível dos alunos, à aprendizagem, no seu sentido amplo, alcançada pela criança a partir das oportunidades que o meio lhe oferece. A qualidade do ensino na concepção classificatória, a qualidade se refere a padrões preestabelecidos, em bases comparativas: critérios de promoção, gabaritos de respostas, padrões de comportamento ideal. Uma qualidade que se confunde com quantidade.
  • 12. Qualidade, na perspectiva mediadora da avaliação, significa desenvolvimento máximo possível, um permanente “vir a ser”, sem limites preestabelecidos, embora com objetivos delineados e aceitação das pré- condições socioculturais do educando. Pg. 32 A avaliação apresenta uma importância social e política fundamental no fazer educativo vinculando-a a idéia de qualidade. Avaliar qualitativamente significa um julgamento mais global e intenso, no qual o aluno é observado como um ser integral, colocado em determinada situação relacionada às expectativas do professor e também deles mesmos. A autora pesquisou as causas do fracasso escolar junto aos professores (30) de escolas estaduais de educação infantil, ensino fundamental e médio, os quais responderam: 1. o aluno não se interessa pelo conteúdo da escola. (10) 2. o aluno apresenta problemas de relacionamento com professores e colegas. (10) 3. o aluno não apresenta maturidade. (06) 4. o aluno não tem oportunidade de expressar suas idéias ao professor. (03) 5. o professor apresenta falta de conhecimento quanto a questões de aprendizagem. (1) Percebe-se que alguns professores atribuem a responsabilidade a si próprios, porém a maioria atribui a culpa aos alunos, os quais passam a ser um misto de réu e vítima. Quem são os responsáveis pelo fracasso escolar: professores, alunos ou sociedade? O compromisso do professor diante da criança e do jovem deve proceder diante das diferenças individuais dos alunos em relação a todos os níveis socioculturais. Um dos princípios da teoria construtivista é fundamental para avaliação: o indivíduo se dá por estágios evolutivos do pensamento a partir de sua maturação e suas vivências. Neste sentido, deve-se ter uma visão construtivista do erro em termos da correção das tarefas feitas pelos alunos em todas as situações de aprendizagem. Os erros e as dúvidas dos alunos são componentes significativos ao desenvolvimento da ação educacional, pois permitirá ao docente a observação e investigação de como o aluno se coloca diante da realidade ao construir seu conhecimento. A autora distingue o diálogo entre professor e aluno como indicador de aprendizagem, necessário, à reformulação de alternativas de solução para que a construção do saber aconteça. A reflexão do professor sobre seus próprios posicionamentos metodológicos, na elaboração de questões e na análise de respostas dos alunos deve ter sempre um caráter dinâmico. Na avaliação mediadora o professor deve interpretar a prova não para saber o que o aluno não sabe, mas para pensar nas estratégias pedagógicas que ele deverá utilizar para interagir com esse aluno. Para que isso aconteça, o desenvolvimento dessa prática avaliativa deverá desvelar a trajetória de vida do aluno durante a qual ocorrem mudanças em múltiplas dimensões. Em relação ao processo de aprendizagem toda resposta do aluno é ponto de partida para novas interrogações ou desafios do professor. Devem-se oportunizar aos discentes emitir idéias sobre um assunto, para ressaltar as hipóteses em construção, ou as que já foram elaboradas. São estas atitudes que idealizam, de fato, um processo de avaliação contínua e mediadora.
  • 13. A objetividade e a subjetividade em geral refere-se a forma de elaboração das questões, mas é pela correção que as questões se caracterizam em “objetivas” ou “subjetivas”. A partir das considerações, apontamos alguns princípios coerentes à ação avaliativa mediadora: - oportunizar aos alunos muitos momentos de expressar suas idéias – as tarefas são elementos essenciais para a observação das hipóteses construída pelos alunos ao longo do processo; - oportunizar discussões entre os alunos a partir de situações desencadeadoras - os trabalhos em grupo são “gatilhos” para a reflexão de cada aluno, para o desenvolvimento do conhecimento em sua perspectiva de compreensão; - realizar várias tarefas individuais, menores e sucessivas, investigando teoricamente, procurando entender razões para as respostas apresentadas pelos estudantes – a avaliação mediadora exige a observação individual, ou seja uma relação direta com o aluno a partir de muitas tarefas (orais ou escritas), interpretando-as (respeito a subjetividade), refletindo e investigando teoricamente razões para soluções apresentadas de acordo com os estágios e as experiências do aluno; - em vez do certo/errado e da atribuição de pontos, fazer comentários sobre as tarefas dos alunos, auxiliando-os a localizar as dificuldades, oferecendo-lhes oportunidades de descobrirem melhores soluções – é preciso ultrapassar a sistemática tradicional de buscar certos e errados em relação às respostas do aluno e atribuir significado ao que se observa em sua tarefa, valorizando idéia e dando importância a suas dificuldades. O respeito e a valorização de cada tarefa favorecem a expressão de crenças verdadeiramente espontâneas. - transformar os registros de avaliação em anotações significativas sobre o acompanhamento dos alunos em seu processo de construção de conhecimento – os registros do professor devem responder às questões: O aluno aprendeu? Ainda não aprendeu? Por que não aprendeu? Quais os encaminhamentos feitos ou por fazer nesse sentido? Em relação à correção há duas posturas que se opõem naturalmente: Avaliação Classificatória Corrigir tarefas e provas do aluno para verificar respostas certas e erradas e, com base nesta verificação periódica, tomar decisões quanto ao seu aproveitamento escolar, sua aprovação em cada série ou grau de ensino (prática Avaliativa). Avaliação Mediadora Analisar Teoricamente as várias manifestações dos alunos em situações de aprendizagem
  • 14. (verbais ou escritas, outra produções), para acompanhar as hipóteses que vem formulando a respeito de determinados assuntos, em diferentes áreas de conhecimento, de forma a exercer uma ação educativa que lhes favoreça a descoberta de melhores soluções ou reformulação de hipóteses preliminarmente formuladas. Acompanhamento esse que visa ao acesso gradativo do aluno a um saber competente na escola e, portanto, sua promoção a outras séries e graus de ensino As diferentes posturas também se revelam nas expectativas dos alunos (pedindo para professor dar nota em toda atividade; não aceitando que sua tarefa tenha erro), dos pais ( não aceitando que não se corrija o caderno de seu filho), dos professores (corrijo tudo, não corrijo, o que fazer?). Na concepção mediadora a correção se faz presente pensando na evolução do conhecimento de forma dinâmica, de descoberta por ensaio e erro, de tomada de consciência sobre o fazer, muito mais que a preocupação com resultados imediatos ou fórmulas definitivas de solução apresentadas pelo professor. Não significa aceitar tudo o que a criança faz. Considerar, valorizar, não significa observar e deixar como está. Ao contrário exige do professor a reflexão teórica necessária para o planejamento de situações provocativas ao aluno que favoreçam a sua descoberta. As tarefas de aprendizagem são pontos de partida do professor no sentido de gerar conflitos entre as crianças pela confrontação entre elas a respeito de diferentes soluções pensadas em evolução. A ação mediadora do professor, a sua intervenção pedagógica, desafiadora, não pode ser uniforme em todas as situações de tarefas dos alunos. Os erros que a criança apresenta podem ser de natureza diversa. Nenhum extremo é válido: considerar que sempre devemos dizer a resposta certa ou no outro extremo, considerar que todo e qualquer erro que o aluno cometa tenha o caráter construtivo e que ele poderá descobrir todas as respostas. A tarefa do aluno está presente entre uma tarefa do aluno e a posterior. A tarefa do professor consiste em favorecer a este aluno o alcance de um saber competente e a aproximação com a verdade científica. O tema correção envolve essencialmente o respeito à criança em suas etapas de desenvolvimento e, por isso é urgente incluir o termo “ainda” no seu vocabulário. Ao invés de analisar os exercícios dos alunos para responder quem errou ou quem acertou, analisá-los para observar quem aprendeu e quem “ainda” não aprendeu. Os registros de avaliação refletem a concepção de educação do professor. Relatórios de avaliação devem expressar avanços, conquistas, descobertas, bem como relatar o processo vivido em sua evolução, em seu desenvolvimento, dirigindose aos encaminhamentos, às sugestões de cooperação entre todos que participam
  • 15. do processo. Ao relatarmos um processo efetivamente vivido, encontraremos as representações que lhes dêem verdadeiro sentido. Há muitas crenças que a avaliação mediadora é restrita aos professores das séries iniciais do ensino fundamental, mas a autora revela o desenvolvimento desta perspectiva no ensino médio e no ensino universitário através de pesquisas realizadas. O modelo que se instala em cursos de formação, é um modelo reprodutivista sendo muito mais forte que qualquer teoria que o aluno possa adquirir, pois é vivida em seu cotidiano. Em sua pesquisa no curso universitário a autora aponta algumas concepções apresentadas pelos professores resistentes à avaliação mediadora e assinala caminhos para reflexão : 1. alunos desinteressados e desatentos – observa-se , nesta visão, um compromisso do educador alienado de uma relação de aproximação com o pensar do aluno: o professor “dá” a aula e o aluno “pega” as explicações. Na avaliação mediadora despertaria, então, o educador para a relação dialógica da avaliação, buscando alternativas para estabelecer sua aproximação e descoberta dos diferentes modos de pensar. 2. tempos e disponibilidade: entraves do processo – a avaliação mediadora opõe-se ao modelo “transmitir- verificar-registrar” e evolui no sentido de uma ação reflexiva e desafiadora do educador em termos de contribuir, elucidar, favorecer a troca de idéias entre e com seus alunos. 3. o diálogo professor/aluno – o diálogo entendido a partir da relação epistemológica, não se processa obrigatoriamente através da conversa, enquanto comunicação verbal com o estudante. Refletir em conjunto com o aluno sobre o objeto do conhecimento, para encaminhar-se à superação, significa desenvolver uma relação dialógica, princípio fundamental da avaliação mediadora. 4. acompanhamento individualizado – o diálogo, compreendido como leitura curiosa e investigativa do professor das tarefas de aprendizagem, poderá se estabelecer mesmo se o educador trabalhar com muitos alunos, no sentido de permitir lhe, senão a proximidade corpo a corpo com o estudante, o debruçar-se sobre suas idéias e as do grupo para acompanhar seus argumentos e vir a discuti-los ou enriquecê-los. Portanto, o maior desafio é favorecer a descoberta pelos professores do significado da avaliação mediadora para a formação de um profissional competente. Confirmando a hipótese da autora que experiências em avaliação mediadora possam provocar espontaneamente um reestudo do currículo, realizou um trabalho junto a uma universidade e constatou que a prática avaliativa foi sendo reformulada e explicitada em seu desenvolvimento através de reflexões constantes e ajustes necessários. Os professores participantes do projeto no Ensino Médio relataram algumas conclusões: - o processo de transformação inicia de forma lenta com muitas resistências dos alunos. Uma vez compreendido, o processo alcança bons resultados; · a proposta exige a reflexão permanente do grupo e ajustes freqüentes; - a cooperação entre os alunos e destes com a professora é um dos resultados alcançados. Os alunos passam a mostrar-se mais interessados em vencer suas dificuldades e a refazer seus trabalhos; · a não-atribuição de notas à tarefas e situações não-declaradas de “prova” causam menor pressão e resultados mais favoráveis de
  • 16. aprendizagem; - o processo provoca naturalmente a revisão do currículo pelos professores e o repensar de sua metodologia; - percebe-se com maior clareza a dimensão das dificuldades dos alunos. Nesta perspectiva, avaliação mediadora é uma postura de vida e os fundamentos de uma ação avaliativa mediadora ultrapassam estudos sobre teorias de avaliação e exigem o aprofundamento em teorias de conhecimento bem como estudos referentes a áreas específicas de trabalho do professor. A ação avaliativa mediadora se desenvolve em benefício ao educando e dá-se fundamentalmente pela proximidade entre quem educa e quem é educado. Pela curiosidade de conhecer a quem educa e conhecendo, a descoberta de si próprio. Conhecimento das possibilidades dos educandos de contínuo vir a ser, desde que lhe sejam oferecidas as oportunidades de viver muitas e desafiadoras situações de vida. Resumo elaborado por Martha Sirlene da Silva