SlideShare uma empresa Scribd logo
ROSELI APARECIDA SOUTO
INDISCIPLINA NA SALA DE AULA:
Dificuldade de Aprendizagem ou Desinteresse do Aluno?
Psicopedagoga Clínica e Institucional. Professora Universitária na área da
Educação. Licenciada em Letras (Português e Inglês) e em Pedagogia
(Administração e Supervisão Escolares). Tutora em EAD na área de Mídias na
Educação.
São Paulo
2013
2
RESUMO
Sabe-se que a indisciplina de alunos em sala de aula é um dos grandes
problemas enfrentados atualmente por educadores brasileiros do ensino fundamental,
que em sua grande maioria, acabam desmotivados em parte das vezes, ou afastados de
suas atividades por diagnósticos de doenças laborativas diversas. Fatos estes que só
colaboram no aumento da problemática citada acima.
Cabe ao investigador e estudioso do fato “Indisciplina” a análise das
circunstâncias que fazem parte do processo gerador de tais dificuldades dentro do
ambiente escolar e ainda a observação dos fazeres pedagógicos de todos os envolvidos,
enquanto sujeitos ativos no meio diagnosticado. Desta forma, participantes e
responsáveis pelos resultados obtidos.
Considerando ainda, o papel do investigador, é de suma importância, o estudo de
uma literatura pertinente e condizente com o objeto pesquisado e que tem por base toda
a legislação vigente que rege a educação atualmente no país, tais como: Lei Federal n.°
9.394, de 20/12/96 - Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional; Lei
Federal n.° 8.069, de 13/07/90 - Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente,
Artigos 53 a 59 e 136 a 137; entre outras mencionadas na bibliografia, que orientou e
formou o sistema de ensino nos moldes como são apresentados atualmente. E que desta
maneira, novos estudos possam traçar novas perspectivas em rumo à educação do
futuro.
Assim, problemática e estrutura de ensino estão intrinsecamente ligados.
Geradores e norteadores das atuais ações e responsáveis por novos rumos seguidos, que
construirão a educação de amanhã neste país.
Palavras–Chave: Indisciplina; Ambiente escolar; Fazeres Pedagógicos.
3
INTRODUÇÃO
A indisciplina na sala de aula faz parte de uma problemática muito discutida na
atualidade, seja dentro do ambiente escolar, no meio acadêmico, nas mídias ou ainda no
ambiente familiar. Em todos os casos, discutem-se as dificuldades para apontar soluções
cabíveis. O ponto de partida é sempre a escola, que enfrenta e sofre no seu cotidiano às
diversidades culturais e epistemológicas de uma geração cujos valores estão
notadamente diversificados, onde se confunde desinteresse com dificuldade de
aprendizagem.
Partindo desse pressuposto, tal problema abrange não só as dificuldades
encontradas dentro da família, tais como baixa qualidade de vida, conflitos nas relações
familiares, mas também a relação professor-aluno, estrutura escolar e metodologias de
ensino. Desta forma, uma linha tênue divide a desmotivação pela aprendizagem com as
dificuldades trazidas e acumuladas na trajetória do educando.
Assim, quando o objeto de pesquisa trata-se da indisciplina na sala de aula, duas
perspectivas podem ser abordadas. A primeira relacionada a problemas advindos da
própria instituição de ensino, como práticas pedagógicas e condutas do professor, mas
que também podem ser advindas de problemas externos à instituição inserindo práticas
excludentes no cotidiano escolar. Já a segunda traz a indisciplina como descumprimento
das normas impostas, seja por razões de “revolta” ou pelo simples fato do “não
conhecimento” das mesmas.
Para Kant em Vaz (1999), alcançar o esclarecimento é ter capacidade de agir
autonomamente, percebendo que a educação é o que provoca a evolução do homem.
Desta forma, a educação seria responsável por conduzir o aluno ao esclarecimento. Para
que esse indivíduo consiga autonomia moral, sendo imprescindível que o ambiente
propiciado na escola, seja cooperativo, pois as virtudes morais não são transmitidas
verbalmente, mas construídas nas relações interpessoais. Baseando-se na teoria
piagetiana, tanto Yves de La Taille (1996 e 1998) como Araújo (1996), afirmam que o
desrespeito às normas pode ser sinal de autonomia, significando resistência às
imposições e ao autoritarismo.
4
Em se tratando da teoria de desenvolvimento da aprendizagem piagetiana,
observa-se as diferenças individuais no aluno em determinadas áreas do saber, cujo
enfoque do fracasso escolar está muito relacionado à rápida passagem que os
professores fazem do aspecto qualitativo (lógico) para o quantitativo (numérico).
Assim, a prática do ensino deveria utilizar o método ativo, por meio do qual a criança
reconstruirá e reinventará, não somente a mera transmissão de informações ao aluno,
para uma educação formadora do desenvolvimento natural de cada indivíduo.
Mas há que se pensar sobre as influências e ou os poderes envolvidos em todo
esse processo didático pedagógico e também em que modelos sociais estão sendo
representados e reproduzidos ao longo das últimas décadas, que são responsáveis pela
apresentação da sociedade nos moldes atuais. Paulo Freire questiona em uma de suas
obras:
[...] A tradição pedagógica insiste ainda hoje em limitar o
pedagógico à sala de aula, à relação professor-aluno, educador-
educando, ao diálogo singular ou plural entre duas ou várias
pessoas. Não seria esta uma forma de cercear, de limitar a ação
pedagógica? (FREIRE, 1994, p.11)
O verdadeiro papel da educação não é apenas em reproduzir modelos já
existentes de acordo com gerações anteriores, mas sim com a formação da
personalidade do indivíduo crítico, conhecedor de seu espaço no mundo e capaz de
interagir com ele na construção de um melhor, onde sejam respeitadas as diferenças
individuais e culturais de uma sociedade crítica e esclarecida a tal ponto que o principal
interesse seja a diversidade.
5
INDISCIPLINA NA SALA DE AULA:
Dificuldade de Aprendizagem ou Desinteresse do Aluno?
Ao longo de uma trajetória pedagógica e acadêmica de quase vinte anos, muito
foi vivenciado neste percurso, dificuldades enfrentadas e solucionadas, sempre numa
incessante busca de novos conhecimentos para a solução de antigos problemas. O ponto
mais marcante neste roteiro de aprendizagem segue a necessidade do compartilhamento
de práticas adquiridas, na argumentação de teorias acadêmicas e de enfrentamento dos
obstáculos diários, que se deparam os docentes do ensino fundamental, e mais
especificamente do ciclo II.
Em determinado momento, se faz necessário, uma parada para a reflexão de
todos esses fatos já interiorizados e num processo vivo de aprendizagem, após a
acomodação de novos conhecimentos, resultando na mudança da estrutura cognitiva
para que haja uma assimilação efetiva. E partindo desse pressuposto, norteador e
encorajador de decisões nunca antes pensadas, é que o ousar se fez de premissa para a
elaboração deste projeto de pesquisa.
Quanto ao objeto de pesquisa, pode-se afirmar que o tema escolhido:
“INDISCIPLINA NA SALA DE AULA: Dificuldade de Aprendizagem ou Desinteresse
do Aluno?” faz parte de um questionamento enfrentado ao longo de anos de trabalho
pedagógico e de estudos acadêmicos, que apesar das variantes encontradas sempre
existiu como agente causador do atraso intelectual no ambiente escolar e dificultador de
novas propostas e métodos de ensino.
Uma linha muito tênue perpassa entre o que é desinteresse do aluno e as
dificuldades de aprendizagens acumuladas em seu percurso escolar. Onde começa um e
termina outra? Ou ainda mais preocupante, onde o desinteresse gera a dificuldade e
vice-versa? Em que ambiente pedagógico, todas essas dificuldades foram geradas ao
longo dos anos?
Os questionamentos são muitos, a bibliografia pertinente ao tema é vasta, a
legislação em vigor preocupa-se e tenta traçar diretrizes ao fazer pedagógico, na busca
incessante para a solução de tais problemas. Porém, há um longo caminho a se
percorrer, onde os estudos acadêmicos podem e devem nortear novas linhas de
6
pesquisas geradoras de questionamentos em busca de soluções efetivas para a
construção de uma escola de qualidade.
Partindo desse pressuposto, o tema para este projeto de pesquisa foi pensado e
elaborado minuciosamente, com a preocupação construída através da prática escolar,
com a colaboração de estudos acadêmicos efetivados no intuito de aperfeiçoamento das
práticas diárias e por fim com o estudo e respeito a toda uma legislação que rege e
organiza os fazeres pedagógicos como estão dispostos hoje em nossa sociedade.
Segundo Piaget em La Taille (1996); a cooperação, a solidariedade e o respeito
mútuo são valores que devem fazer parte do cotidiano escolar, das relações
interpessoais na escola. Piaget em La Taille (1996) defende duas alternativas: formar
personalidades livres ou conformistas. Como o objetivo da educação é o de formar
indivíduos autônomos e cooperativos, é necessário que haja uma escola preocupada em
propiciar um ambiente de aprendizagem efetiva capaz de formar meios de cooperação.
Um ponto a ser ressaltado é que seja qual for a concepção de indisciplina, ela
estará sempre vinculada à concepção de educação e de cidadão. Caso não se opte por
uma educação tradicional, de cunho autoritário, também não se deve optar por uma
educação permissiva e espontânea, na qual o aluno não se sente responsável pelo seu
processo de aprendizagem, defende-se assim, de acordo com Peter Woods, uma
educação de abordagem fenomenológica, que:
[...] vê a criança mais como uma ‘vela a ser acesa’ do que como
um ‘recipiente a ser enchido’, mais como um parceiro ativo do
que um parceiro passivo no processo de aprendizagem. Nesta
perspectiva, mais centrada na criança do que no saber ou no
professor, a criança será desviante se for passiva. (WOODS,
2001, p. 56)
Desta forma, a plena consciência do papel de todos os envolvidos dentro do
ambiente escolar, se faz de suma importância, que a experiência e a criticidade norteiem
os fazeres pedagógicos na busca da excelência do ensino, num ambiente, cujos
protagonistas valorizem o cotidiano e as realidades vividas e finalmente reconhecendo a
educação como uma relação humana dialética e intrínseca na subjetividade e não apenas
na busca de resultados e ou significados absolutos.
7
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
AQUINO, Julio R. Groppa. Indisciplina: o contraponto das escolas democráticas. 4. ed.
São Paulo: Moderna, 1998.
ARAÚJO, Ulisses F. de. Moralidade e indisciplina: uma leitura possível a partir do
referencial piagetiano. In.: AQUINO, Julio Groppa (Org.) Indisciplina na escola:
Alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1996.
FREIRE, Paulo. A Importância do Ato de Ler: em três artigos que se completam. 23.
ed. São Paulo: Cortez Editora, 1981.
FREIRE, Paulo. Educação e mudança. São Paulo : Paz e Terra, 1994.
LA TAILLE, Yves de. A indisciplina e o sentimento de vergonha. Indisciplina na
escola.São Paulo: Summus, 1996.
LA TAILLE, Yves de. Autoridade na escola. Autoridade e autonomia na escola. São
Paulo: Summus, 1999.
PIAGET, Jean. O Julgamento Moral na Criança. São Paulo: Mestre Jou, 1977.
VASCONCELLOS, Celso dos Santos. (In)Disciplina: construção da disciplina
consciente e interativa em sala de aula e na escola. São Paulo: Libertad, 2004.
Legislação:
Lei Federal n.° 9.394, de 20/12/96 - Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação
Nacional.
Lei Federal nº 10.172, de 09/01/01 - Aprova o Plano Nacional de Educação.
Lei nº 14.660, de 26/12/07 - Dispõe sobre as alterações das Leis nº 11.229/92, nº
11.434/93 e legislação subsequente, reorganiza os Quadros dos Profissionais de
Educação, com as respectivas carreiras, criado pela Lei nº 11.434/93, e consolida o
Estatuto dos Profissionais de Educação Municipal.
Deliberação CME nº 03/06 - Dispõe sobre o Ensino Fundamental de nove anos no
Sistema Municipal de Ensino de São Paulo.
Indicação CME nº 07/06 - Ensino Fundamental de 9 (nove) anos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Integracao familia escola - a experiencia de um estagio em educacao e comunidade
Integracao familia escola - a experiencia de um estagio em educacao e comunidadeIntegracao familia escola - a experiencia de um estagio em educacao e comunidade
Integracao familia escola - a experiencia de um estagio em educacao e comunidade
Jacinto Alves
 
Artigo a psicopedagogia e intervenção na dislexia
Artigo   a psicopedagogia e intervenção na dislexiaArtigo   a psicopedagogia e intervenção na dislexia
Artigo a psicopedagogia e intervenção na dislexia
mkbariotto
 
INDISCIPLINA
INDISCIPLINAINDISCIPLINA
INDISCIPLINA
Glaucia Oliveira
 
Indisciplina escolar sentidos_atribuidos_alunos_ensino_fundamental
Indisciplina escolar sentidos_atribuidos_alunos_ensino_fundamentalIndisciplina escolar sentidos_atribuidos_alunos_ensino_fundamental
Indisciplina escolar sentidos_atribuidos_alunos_ensino_fundamental
elianabizarro
 
As marcas da indisciplina na escola
As marcas da indisciplina na escolaAs marcas da indisciplina na escola
As marcas da indisciplina na escola
Gabriel Angelo Oliveira
 
O desenvolvimento da aprendizagem de uma jovem adulta no ensino fundamental
O desenvolvimento da aprendizagem de uma jovem adulta no ensino fundamentalO desenvolvimento da aprendizagem de uma jovem adulta no ensino fundamental
O desenvolvimento da aprendizagem de uma jovem adulta no ensino fundamental
Colégio Municipal Profª Enedina Costa De Macêdo
 
Estudo de intervençao
Estudo de intervençaoEstudo de intervençao
Estudo de intervençao
Antonio Jose Chalegre
 
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunosOs motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
primeiraopcao
 
Relatório do diagnóstico psicopedagógico clínico
Relatório do diagnóstico psicopedagógico clínicoRelatório do diagnóstico psicopedagógico clínico
Relatório do diagnóstico psicopedagógico clínico
Daniela Alencar
 
Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...
Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...
Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...
primeiraopcao
 
A trajetória da psicopedagogia
A trajetória da psicopedagogiaA trajetória da psicopedagogia
A trajetória da psicopedagogia
Jamille Araújo
 
O pensamento lógico matemático e psicopedagogia
O pensamento lógico matemático e psicopedagogiaO pensamento lógico matemático e psicopedagogia
O pensamento lógico matemático e psicopedagogia
Colégio Municipal Profª Enedina Costa De Macêdo
 
Indisciplina escolar: diferentes olhares teóricos
Indisciplina escolar: diferentes olhares teóricosIndisciplina escolar: diferentes olhares teóricos
Indisciplina escolar: diferentes olhares teóricos
primeiraopcao
 
Introdução monografia
Introdução   monografiaIntrodução   monografia
Introdução monografia
Rafael Machado
 
Pscopedagogia a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...
Pscopedagogia   a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...Pscopedagogia   a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...
Pscopedagogia a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...
mkbariotto
 
Avaliação psicopedagógica protocolo breve
Avaliação psicopedagógica   protocolo breveAvaliação psicopedagógica   protocolo breve
Avaliação psicopedagógica protocolo breve
Nanci Barillo
 
Fatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagem
Fatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagemFatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagem
Fatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagem
edgarsouza27
 
Apostila o psicopedagogo e a educação especial pdf
Apostila o psicopedagogo e a educação especial   pdfApostila o psicopedagogo e a educação especial   pdf
Apostila o psicopedagogo e a educação especial pdf
Prof. Antônio Martins de Almeida Filho
 
Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1
Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1
Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1
Cássimo Saide
 
Artigo ana angélica
Artigo   ana angélicaArtigo   ana angélica
Artigo ana angélica
Fátima Noronha
 

Mais procurados (20)

Integracao familia escola - a experiencia de um estagio em educacao e comunidade
Integracao familia escola - a experiencia de um estagio em educacao e comunidadeIntegracao familia escola - a experiencia de um estagio em educacao e comunidade
Integracao familia escola - a experiencia de um estagio em educacao e comunidade
 
Artigo a psicopedagogia e intervenção na dislexia
Artigo   a psicopedagogia e intervenção na dislexiaArtigo   a psicopedagogia e intervenção na dislexia
Artigo a psicopedagogia e intervenção na dislexia
 
INDISCIPLINA
INDISCIPLINAINDISCIPLINA
INDISCIPLINA
 
Indisciplina escolar sentidos_atribuidos_alunos_ensino_fundamental
Indisciplina escolar sentidos_atribuidos_alunos_ensino_fundamentalIndisciplina escolar sentidos_atribuidos_alunos_ensino_fundamental
Indisciplina escolar sentidos_atribuidos_alunos_ensino_fundamental
 
As marcas da indisciplina na escola
As marcas da indisciplina na escolaAs marcas da indisciplina na escola
As marcas da indisciplina na escola
 
O desenvolvimento da aprendizagem de uma jovem adulta no ensino fundamental
O desenvolvimento da aprendizagem de uma jovem adulta no ensino fundamentalO desenvolvimento da aprendizagem de uma jovem adulta no ensino fundamental
O desenvolvimento da aprendizagem de uma jovem adulta no ensino fundamental
 
Estudo de intervençao
Estudo de intervençaoEstudo de intervençao
Estudo de intervençao
 
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunosOs motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
 
Relatório do diagnóstico psicopedagógico clínico
Relatório do diagnóstico psicopedagógico clínicoRelatório do diagnóstico psicopedagógico clínico
Relatório do diagnóstico psicopedagógico clínico
 
Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...
Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...
Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...
 
A trajetória da psicopedagogia
A trajetória da psicopedagogiaA trajetória da psicopedagogia
A trajetória da psicopedagogia
 
O pensamento lógico matemático e psicopedagogia
O pensamento lógico matemático e psicopedagogiaO pensamento lógico matemático e psicopedagogia
O pensamento lógico matemático e psicopedagogia
 
Indisciplina escolar: diferentes olhares teóricos
Indisciplina escolar: diferentes olhares teóricosIndisciplina escolar: diferentes olhares teóricos
Indisciplina escolar: diferentes olhares teóricos
 
Introdução monografia
Introdução   monografiaIntrodução   monografia
Introdução monografia
 
Pscopedagogia a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...
Pscopedagogia   a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...Pscopedagogia   a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...
Pscopedagogia a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...
 
Avaliação psicopedagógica protocolo breve
Avaliação psicopedagógica   protocolo breveAvaliação psicopedagógica   protocolo breve
Avaliação psicopedagógica protocolo breve
 
Fatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagem
Fatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagemFatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagem
Fatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagem
 
Apostila o psicopedagogo e a educação especial pdf
Apostila o psicopedagogo e a educação especial   pdfApostila o psicopedagogo e a educação especial   pdf
Apostila o psicopedagogo e a educação especial pdf
 
Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1
Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1
Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1
 
Artigo ana angélica
Artigo   ana angélicaArtigo   ana angélica
Artigo ana angélica
 

Destaque

Bilhete
BilheteBilhete
Bilhete
AlieteFG
 
Psicomotricidade e psiconeurologia
Psicomotricidade e psiconeurologiaPsicomotricidade e psiconeurologia
Psicomotricidade e psiconeurologia
oficinadeaprendizagemace
 
Como as crianças interpretam a matemática na escola
Como as crianças interpretam a matemática na escolaComo as crianças interpretam a matemática na escola
Como as crianças interpretam a matemática na escola
oficinadeaprendizagemace
 
Dificuldades de aprendizagem na escrita e características emocionais de crianças
Dificuldades de aprendizagem na escrita e características emocionais de criançasDificuldades de aprendizagem na escrita e características emocionais de crianças
Dificuldades de aprendizagem na escrita e características emocionais de crianças
oficinadeaprendizagemace
 
Atividades
AtividadesAtividades
Dias, simone trevizan. a importância do lúdico. campinas, unicamp (2006).
Dias, simone trevizan. a importância do lúdico. campinas, unicamp (2006).Dias, simone trevizan. a importância do lúdico. campinas, unicamp (2006).
Dias, simone trevizan. a importância do lúdico. campinas, unicamp (2006).
oficinadeaprendizagemace
 
A influência da escolaridade na lateralização inter hemisférica da linguagem
A influência da escolaridade na lateralização inter hemisférica da linguagemA influência da escolaridade na lateralização inter hemisférica da linguagem
A influência da escolaridade na lateralização inter hemisférica da linguagem
oficinadeaprendizagemace
 
Aprendizagem e subjetividade
Aprendizagem e subjetividadeAprendizagem e subjetividade
Aprendizagem e subjetividade
oficinadeaprendizagemace
 
A influência da escolaridade na lateralização inter hemisférica da linguagem
A influência da escolaridade na lateralização inter hemisférica da linguagemA influência da escolaridade na lateralização inter hemisférica da linguagem
A influência da escolaridade na lateralização inter hemisférica da linguagem
oficinadeaprendizagemace
 
O problema são as fórmulas um estudo sobre os sentidos atribuídos à dificul...
O problema são as fórmulas   um estudo sobre os sentidos atribuídos à dificul...O problema são as fórmulas   um estudo sobre os sentidos atribuídos à dificul...
O problema são as fórmulas um estudo sobre os sentidos atribuídos à dificul...
oficinadeaprendizagemace
 
Brincadeira e educação considerações a partir da perspectiva histórico-cult...
Brincadeira e educação   considerações a partir da perspectiva histórico-cult...Brincadeira e educação   considerações a partir da perspectiva histórico-cult...
Brincadeira e educação considerações a partir da perspectiva histórico-cult...
oficinadeaprendizagemace
 
Histórias infantis e aquisição da escrita
Histórias infantis e aquisição da escritaHistórias infantis e aquisição da escrita
Histórias infantis e aquisição da escrita
oficinadeaprendizagemace
 
Natureza das dificuldades de leitura em crianças
Natureza das dificuldades de leitura em criançasNatureza das dificuldades de leitura em crianças
Natureza das dificuldades de leitura em crianças
oficinadeaprendizagemace
 
Méto dos de alfabetização delimitação
Méto dos de alfabetização delimitaçãoMéto dos de alfabetização delimitação
Méto dos de alfabetização delimitação
oficinadeaprendizagemace
 
O brinquedo na educação: considerações históricas
O brinquedo na educação:  considerações históricasO brinquedo na educação:  considerações históricas
O brinquedo na educação: considerações históricas
oficinadeaprendizagemace
 
Matematica é difícil um sentindo pré-construído evidenciado na fala dos alunos
Matematica é difícil   um sentindo pré-construído evidenciado na fala dos alunosMatematica é difícil   um sentindo pré-construído evidenciado na fala dos alunos
Matematica é difícil um sentindo pré-construído evidenciado na fala dos alunos
oficinadeaprendizagemace
 
Dificuldade de aprendizagem na escrita em crianças de escola pública oriundos...
Dificuldade de aprendizagem na escrita em crianças de escola pública oriundos...Dificuldade de aprendizagem na escrita em crianças de escola pública oriundos...
Dificuldade de aprendizagem na escrita em crianças de escola pública oriundos...
oficinadeaprendizagemace
 
Dificuldades de escrita, o erro ortográfico
Dificuldades de escrita, o erro ortográficoDificuldades de escrita, o erro ortográfico
Dificuldades de escrita, o erro ortográfico
oficinadeaprendizagemace
 
A indisciplina na sala de aula
A indisciplina na sala de aulaA indisciplina na sala de aula
A indisciplina na sala de aula
Cida Queirós
 
A história dos números
A história dos númerosA história dos números
A história dos números
oficinadeaprendizagemace
 

Destaque (20)

Bilhete
BilheteBilhete
Bilhete
 
Psicomotricidade e psiconeurologia
Psicomotricidade e psiconeurologiaPsicomotricidade e psiconeurologia
Psicomotricidade e psiconeurologia
 
Como as crianças interpretam a matemática na escola
Como as crianças interpretam a matemática na escolaComo as crianças interpretam a matemática na escola
Como as crianças interpretam a matemática na escola
 
Dificuldades de aprendizagem na escrita e características emocionais de crianças
Dificuldades de aprendizagem na escrita e características emocionais de criançasDificuldades de aprendizagem na escrita e características emocionais de crianças
Dificuldades de aprendizagem na escrita e características emocionais de crianças
 
Atividades
AtividadesAtividades
Atividades
 
Dias, simone trevizan. a importância do lúdico. campinas, unicamp (2006).
Dias, simone trevizan. a importância do lúdico. campinas, unicamp (2006).Dias, simone trevizan. a importância do lúdico. campinas, unicamp (2006).
Dias, simone trevizan. a importância do lúdico. campinas, unicamp (2006).
 
A influência da escolaridade na lateralização inter hemisférica da linguagem
A influência da escolaridade na lateralização inter hemisférica da linguagemA influência da escolaridade na lateralização inter hemisférica da linguagem
A influência da escolaridade na lateralização inter hemisférica da linguagem
 
Aprendizagem e subjetividade
Aprendizagem e subjetividadeAprendizagem e subjetividade
Aprendizagem e subjetividade
 
A influência da escolaridade na lateralização inter hemisférica da linguagem
A influência da escolaridade na lateralização inter hemisférica da linguagemA influência da escolaridade na lateralização inter hemisférica da linguagem
A influência da escolaridade na lateralização inter hemisférica da linguagem
 
O problema são as fórmulas um estudo sobre os sentidos atribuídos à dificul...
O problema são as fórmulas   um estudo sobre os sentidos atribuídos à dificul...O problema são as fórmulas   um estudo sobre os sentidos atribuídos à dificul...
O problema são as fórmulas um estudo sobre os sentidos atribuídos à dificul...
 
Brincadeira e educação considerações a partir da perspectiva histórico-cult...
Brincadeira e educação   considerações a partir da perspectiva histórico-cult...Brincadeira e educação   considerações a partir da perspectiva histórico-cult...
Brincadeira e educação considerações a partir da perspectiva histórico-cult...
 
Histórias infantis e aquisição da escrita
Histórias infantis e aquisição da escritaHistórias infantis e aquisição da escrita
Histórias infantis e aquisição da escrita
 
Natureza das dificuldades de leitura em crianças
Natureza das dificuldades de leitura em criançasNatureza das dificuldades de leitura em crianças
Natureza das dificuldades de leitura em crianças
 
Méto dos de alfabetização delimitação
Méto dos de alfabetização delimitaçãoMéto dos de alfabetização delimitação
Méto dos de alfabetização delimitação
 
O brinquedo na educação: considerações históricas
O brinquedo na educação:  considerações históricasO brinquedo na educação:  considerações históricas
O brinquedo na educação: considerações históricas
 
Matematica é difícil um sentindo pré-construído evidenciado na fala dos alunos
Matematica é difícil   um sentindo pré-construído evidenciado na fala dos alunosMatematica é difícil   um sentindo pré-construído evidenciado na fala dos alunos
Matematica é difícil um sentindo pré-construído evidenciado na fala dos alunos
 
Dificuldade de aprendizagem na escrita em crianças de escola pública oriundos...
Dificuldade de aprendizagem na escrita em crianças de escola pública oriundos...Dificuldade de aprendizagem na escrita em crianças de escola pública oriundos...
Dificuldade de aprendizagem na escrita em crianças de escola pública oriundos...
 
Dificuldades de escrita, o erro ortográfico
Dificuldades de escrita, o erro ortográficoDificuldades de escrita, o erro ortográfico
Dificuldades de escrita, o erro ortográfico
 
A indisciplina na sala de aula
A indisciplina na sala de aulaA indisciplina na sala de aula
A indisciplina na sala de aula
 
A história dos números
A história dos númerosA história dos números
A história dos números
 

Semelhante a Indisciplina na sala de aula

CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
christianceapcursos
 
INDISCIPLINA ESCOLAR NO CONTEXTO FAMILIAR
INDISCIPLINA ESCOLAR NO CONTEXTO FAMILIARINDISCIPLINA ESCOLAR NO CONTEXTO FAMILIAR
INDISCIPLINA ESCOLAR NO CONTEXTO FAMILIAR
christianceapcursos
 
Disciplina um dos desafios dos tempos modernos
Disciplina   um dos desafios dos tempos modernosDisciplina   um dos desafios dos tempos modernos
Disciplina um dos desafios dos tempos modernos
Valderez Cardoso
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
marcelle55
 
A metodologia de_projetos_como_recurso_de_ensino
A metodologia de_projetos_como_recurso_de_ensinoA metodologia de_projetos_como_recurso_de_ensino
A metodologia de_projetos_como_recurso_de_ensino
Nildo Souza
 
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
christianceapcursos
 
A avaliação lógica classificatória e emancipatória 1
A avaliação lógica classificatória e emancipatória 1A avaliação lógica classificatória e emancipatória 1
A avaliação lógica classificatória e emancipatória 1
ntecaxias
 
O que são realmente as dificuldades de aprendizagem
O que são realmente as dificuldades de aprendizagemO que são realmente as dificuldades de aprendizagem
O que são realmente as dificuldades de aprendizagem
Maria Masarela Passos
 
Trablho pnaic inclusão
Trablho pnaic inclusãoTrablho pnaic inclusão
Trablho pnaic inclusão
Caroll Lima
 
Projeto para o tcc orientação educacional – mediação e intervenção diante ...
Projeto para o tcc   orientação educacional – mediação e  intervenção diante ...Projeto para o tcc   orientação educacional – mediação e  intervenção diante ...
Projeto para o tcc orientação educacional – mediação e intervenção diante ...
Psicanalista Santos
 
Esp. andressa jully bento de medeiros silva
Esp. andressa jully bento de medeiros silvaEsp. andressa jully bento de medeiros silva
Esp. andressa jully bento de medeiros silva
helio123456
 
Teoria e crítica literária
Teoria e crítica literáriaTeoria e crítica literária
Teoria e crítica literária
Edilene Jadao
 
Ee ta versão_final_gilbertootavianodasilva.
Ee ta versão_final_gilbertootavianodasilva.Ee ta versão_final_gilbertootavianodasilva.
Ee ta versão_final_gilbertootavianodasilva.
197569go
 
Monografia Agda Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Agda Pedagogia Itiúba 2012Monografia Agda Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Agda Pedagogia Itiúba 2012
Biblioteca Campus VII
 
40868 texto do artigo-171561-1-10-20160419
40868 texto do artigo-171561-1-10-2016041940868 texto do artigo-171561-1-10-20160419
40868 texto do artigo-171561-1-10-20160419
patyferrari2
 
Dificuldades de Aprendizagem e a Instituição.docx
Dificuldades de Aprendizagem e a Instituição.docxDificuldades de Aprendizagem e a Instituição.docx
Dificuldades de Aprendizagem e a Instituição.docx
ClaudineRodriguesAra1
 
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestradoEducação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
packarde2709
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402
maria152302
 
Interação no espaço escolar contribuições para a construção do conhecimento e...
Interação no espaço escolar contribuições para a construção do conhecimento e...Interação no espaço escolar contribuições para a construção do conhecimento e...
Interação no espaço escolar contribuições para a construção do conhecimento e...
Valria13
 
DiferenciacaoPedagogica.pdf
DiferenciacaoPedagogica.pdfDiferenciacaoPedagogica.pdf
DiferenciacaoPedagogica.pdf
Carlos Dias
 

Semelhante a Indisciplina na sala de aula (20)

CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
 
INDISCIPLINA ESCOLAR NO CONTEXTO FAMILIAR
INDISCIPLINA ESCOLAR NO CONTEXTO FAMILIARINDISCIPLINA ESCOLAR NO CONTEXTO FAMILIAR
INDISCIPLINA ESCOLAR NO CONTEXTO FAMILIAR
 
Disciplina um dos desafios dos tempos modernos
Disciplina   um dos desafios dos tempos modernosDisciplina   um dos desafios dos tempos modernos
Disciplina um dos desafios dos tempos modernos
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
 
A metodologia de_projetos_como_recurso_de_ensino
A metodologia de_projetos_como_recurso_de_ensinoA metodologia de_projetos_como_recurso_de_ensino
A metodologia de_projetos_como_recurso_de_ensino
 
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
 
A avaliação lógica classificatória e emancipatória 1
A avaliação lógica classificatória e emancipatória 1A avaliação lógica classificatória e emancipatória 1
A avaliação lógica classificatória e emancipatória 1
 
O que são realmente as dificuldades de aprendizagem
O que são realmente as dificuldades de aprendizagemO que são realmente as dificuldades de aprendizagem
O que são realmente as dificuldades de aprendizagem
 
Trablho pnaic inclusão
Trablho pnaic inclusãoTrablho pnaic inclusão
Trablho pnaic inclusão
 
Projeto para o tcc orientação educacional – mediação e intervenção diante ...
Projeto para o tcc   orientação educacional – mediação e  intervenção diante ...Projeto para o tcc   orientação educacional – mediação e  intervenção diante ...
Projeto para o tcc orientação educacional – mediação e intervenção diante ...
 
Esp. andressa jully bento de medeiros silva
Esp. andressa jully bento de medeiros silvaEsp. andressa jully bento de medeiros silva
Esp. andressa jully bento de medeiros silva
 
Teoria e crítica literária
Teoria e crítica literáriaTeoria e crítica literária
Teoria e crítica literária
 
Ee ta versão_final_gilbertootavianodasilva.
Ee ta versão_final_gilbertootavianodasilva.Ee ta versão_final_gilbertootavianodasilva.
Ee ta versão_final_gilbertootavianodasilva.
 
Monografia Agda Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Agda Pedagogia Itiúba 2012Monografia Agda Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Agda Pedagogia Itiúba 2012
 
40868 texto do artigo-171561-1-10-20160419
40868 texto do artigo-171561-1-10-2016041940868 texto do artigo-171561-1-10-20160419
40868 texto do artigo-171561-1-10-20160419
 
Dificuldades de Aprendizagem e a Instituição.docx
Dificuldades de Aprendizagem e a Instituição.docxDificuldades de Aprendizagem e a Instituição.docx
Dificuldades de Aprendizagem e a Instituição.docx
 
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestradoEducação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402
 
Interação no espaço escolar contribuições para a construção do conhecimento e...
Interação no espaço escolar contribuições para a construção do conhecimento e...Interação no espaço escolar contribuições para a construção do conhecimento e...
Interação no espaço escolar contribuições para a construção do conhecimento e...
 
DiferenciacaoPedagogica.pdf
DiferenciacaoPedagogica.pdfDiferenciacaoPedagogica.pdf
DiferenciacaoPedagogica.pdf
 

Mais de oficinadeaprendizagemace

Atividade: Quantas silabas quantas letras
Atividade: Quantas silabas quantas letrasAtividade: Quantas silabas quantas letras
Atividade: Quantas silabas quantas letras
oficinadeaprendizagemace
 
Atividade: Quantas silabas quantas letras
Atividade: Quantas silabas quantas letrasAtividade: Quantas silabas quantas letras
Atividade: Quantas silabas quantas letras
oficinadeaprendizagemace
 
O jogo e_a_aprendizagem
O jogo e_a_aprendizagemO jogo e_a_aprendizagem
O jogo e_a_aprendizagem
oficinadeaprendizagemace
 
Reconhecimento de palavras e compreensão de leitura
Reconhecimento de palavras e compreensão de leituraReconhecimento de palavras e compreensão de leitura
Reconhecimento de palavras e compreensão de leitura
oficinadeaprendizagemace
 
A interpretação da matemática na escola
A interpretação da matemática na escolaA interpretação da matemática na escola
A interpretação da matemática na escola
oficinadeaprendizagemace
 
O jogo como um fator positivo para a aprendizagem de crianças com TDAH
O jogo como um fator positivo para a aprendizagem de crianças com TDAHO jogo como um fator positivo para a aprendizagem de crianças com TDAH
O jogo como um fator positivo para a aprendizagem de crianças com TDAH
oficinadeaprendizagemace
 
Dificuldades de aprendizagem e retardo mental: estudo de caso
Dificuldades de aprendizagem e retardo mental: estudo de casoDificuldades de aprendizagem e retardo mental: estudo de caso
Dificuldades de aprendizagem e retardo mental: estudo de caso
oficinadeaprendizagemace
 

Mais de oficinadeaprendizagemace (7)

Atividade: Quantas silabas quantas letras
Atividade: Quantas silabas quantas letrasAtividade: Quantas silabas quantas letras
Atividade: Quantas silabas quantas letras
 
Atividade: Quantas silabas quantas letras
Atividade: Quantas silabas quantas letrasAtividade: Quantas silabas quantas letras
Atividade: Quantas silabas quantas letras
 
O jogo e_a_aprendizagem
O jogo e_a_aprendizagemO jogo e_a_aprendizagem
O jogo e_a_aprendizagem
 
Reconhecimento de palavras e compreensão de leitura
Reconhecimento de palavras e compreensão de leituraReconhecimento de palavras e compreensão de leitura
Reconhecimento de palavras e compreensão de leitura
 
A interpretação da matemática na escola
A interpretação da matemática na escolaA interpretação da matemática na escola
A interpretação da matemática na escola
 
O jogo como um fator positivo para a aprendizagem de crianças com TDAH
O jogo como um fator positivo para a aprendizagem de crianças com TDAHO jogo como um fator positivo para a aprendizagem de crianças com TDAH
O jogo como um fator positivo para a aprendizagem de crianças com TDAH
 
Dificuldades de aprendizagem e retardo mental: estudo de caso
Dificuldades de aprendizagem e retardo mental: estudo de casoDificuldades de aprendizagem e retardo mental: estudo de caso
Dificuldades de aprendizagem e retardo mental: estudo de caso
 

Último

7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
alphabarros2
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 

Último (20)

7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 

Indisciplina na sala de aula

  • 1. ROSELI APARECIDA SOUTO INDISCIPLINA NA SALA DE AULA: Dificuldade de Aprendizagem ou Desinteresse do Aluno? Psicopedagoga Clínica e Institucional. Professora Universitária na área da Educação. Licenciada em Letras (Português e Inglês) e em Pedagogia (Administração e Supervisão Escolares). Tutora em EAD na área de Mídias na Educação. São Paulo 2013
  • 2. 2 RESUMO Sabe-se que a indisciplina de alunos em sala de aula é um dos grandes problemas enfrentados atualmente por educadores brasileiros do ensino fundamental, que em sua grande maioria, acabam desmotivados em parte das vezes, ou afastados de suas atividades por diagnósticos de doenças laborativas diversas. Fatos estes que só colaboram no aumento da problemática citada acima. Cabe ao investigador e estudioso do fato “Indisciplina” a análise das circunstâncias que fazem parte do processo gerador de tais dificuldades dentro do ambiente escolar e ainda a observação dos fazeres pedagógicos de todos os envolvidos, enquanto sujeitos ativos no meio diagnosticado. Desta forma, participantes e responsáveis pelos resultados obtidos. Considerando ainda, o papel do investigador, é de suma importância, o estudo de uma literatura pertinente e condizente com o objeto pesquisado e que tem por base toda a legislação vigente que rege a educação atualmente no país, tais como: Lei Federal n.° 9.394, de 20/12/96 - Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional; Lei Federal n.° 8.069, de 13/07/90 - Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, Artigos 53 a 59 e 136 a 137; entre outras mencionadas na bibliografia, que orientou e formou o sistema de ensino nos moldes como são apresentados atualmente. E que desta maneira, novos estudos possam traçar novas perspectivas em rumo à educação do futuro. Assim, problemática e estrutura de ensino estão intrinsecamente ligados. Geradores e norteadores das atuais ações e responsáveis por novos rumos seguidos, que construirão a educação de amanhã neste país. Palavras–Chave: Indisciplina; Ambiente escolar; Fazeres Pedagógicos.
  • 3. 3 INTRODUÇÃO A indisciplina na sala de aula faz parte de uma problemática muito discutida na atualidade, seja dentro do ambiente escolar, no meio acadêmico, nas mídias ou ainda no ambiente familiar. Em todos os casos, discutem-se as dificuldades para apontar soluções cabíveis. O ponto de partida é sempre a escola, que enfrenta e sofre no seu cotidiano às diversidades culturais e epistemológicas de uma geração cujos valores estão notadamente diversificados, onde se confunde desinteresse com dificuldade de aprendizagem. Partindo desse pressuposto, tal problema abrange não só as dificuldades encontradas dentro da família, tais como baixa qualidade de vida, conflitos nas relações familiares, mas também a relação professor-aluno, estrutura escolar e metodologias de ensino. Desta forma, uma linha tênue divide a desmotivação pela aprendizagem com as dificuldades trazidas e acumuladas na trajetória do educando. Assim, quando o objeto de pesquisa trata-se da indisciplina na sala de aula, duas perspectivas podem ser abordadas. A primeira relacionada a problemas advindos da própria instituição de ensino, como práticas pedagógicas e condutas do professor, mas que também podem ser advindas de problemas externos à instituição inserindo práticas excludentes no cotidiano escolar. Já a segunda traz a indisciplina como descumprimento das normas impostas, seja por razões de “revolta” ou pelo simples fato do “não conhecimento” das mesmas. Para Kant em Vaz (1999), alcançar o esclarecimento é ter capacidade de agir autonomamente, percebendo que a educação é o que provoca a evolução do homem. Desta forma, a educação seria responsável por conduzir o aluno ao esclarecimento. Para que esse indivíduo consiga autonomia moral, sendo imprescindível que o ambiente propiciado na escola, seja cooperativo, pois as virtudes morais não são transmitidas verbalmente, mas construídas nas relações interpessoais. Baseando-se na teoria piagetiana, tanto Yves de La Taille (1996 e 1998) como Araújo (1996), afirmam que o desrespeito às normas pode ser sinal de autonomia, significando resistência às imposições e ao autoritarismo.
  • 4. 4 Em se tratando da teoria de desenvolvimento da aprendizagem piagetiana, observa-se as diferenças individuais no aluno em determinadas áreas do saber, cujo enfoque do fracasso escolar está muito relacionado à rápida passagem que os professores fazem do aspecto qualitativo (lógico) para o quantitativo (numérico). Assim, a prática do ensino deveria utilizar o método ativo, por meio do qual a criança reconstruirá e reinventará, não somente a mera transmissão de informações ao aluno, para uma educação formadora do desenvolvimento natural de cada indivíduo. Mas há que se pensar sobre as influências e ou os poderes envolvidos em todo esse processo didático pedagógico e também em que modelos sociais estão sendo representados e reproduzidos ao longo das últimas décadas, que são responsáveis pela apresentação da sociedade nos moldes atuais. Paulo Freire questiona em uma de suas obras: [...] A tradição pedagógica insiste ainda hoje em limitar o pedagógico à sala de aula, à relação professor-aluno, educador- educando, ao diálogo singular ou plural entre duas ou várias pessoas. Não seria esta uma forma de cercear, de limitar a ação pedagógica? (FREIRE, 1994, p.11) O verdadeiro papel da educação não é apenas em reproduzir modelos já existentes de acordo com gerações anteriores, mas sim com a formação da personalidade do indivíduo crítico, conhecedor de seu espaço no mundo e capaz de interagir com ele na construção de um melhor, onde sejam respeitadas as diferenças individuais e culturais de uma sociedade crítica e esclarecida a tal ponto que o principal interesse seja a diversidade.
  • 5. 5 INDISCIPLINA NA SALA DE AULA: Dificuldade de Aprendizagem ou Desinteresse do Aluno? Ao longo de uma trajetória pedagógica e acadêmica de quase vinte anos, muito foi vivenciado neste percurso, dificuldades enfrentadas e solucionadas, sempre numa incessante busca de novos conhecimentos para a solução de antigos problemas. O ponto mais marcante neste roteiro de aprendizagem segue a necessidade do compartilhamento de práticas adquiridas, na argumentação de teorias acadêmicas e de enfrentamento dos obstáculos diários, que se deparam os docentes do ensino fundamental, e mais especificamente do ciclo II. Em determinado momento, se faz necessário, uma parada para a reflexão de todos esses fatos já interiorizados e num processo vivo de aprendizagem, após a acomodação de novos conhecimentos, resultando na mudança da estrutura cognitiva para que haja uma assimilação efetiva. E partindo desse pressuposto, norteador e encorajador de decisões nunca antes pensadas, é que o ousar se fez de premissa para a elaboração deste projeto de pesquisa. Quanto ao objeto de pesquisa, pode-se afirmar que o tema escolhido: “INDISCIPLINA NA SALA DE AULA: Dificuldade de Aprendizagem ou Desinteresse do Aluno?” faz parte de um questionamento enfrentado ao longo de anos de trabalho pedagógico e de estudos acadêmicos, que apesar das variantes encontradas sempre existiu como agente causador do atraso intelectual no ambiente escolar e dificultador de novas propostas e métodos de ensino. Uma linha muito tênue perpassa entre o que é desinteresse do aluno e as dificuldades de aprendizagens acumuladas em seu percurso escolar. Onde começa um e termina outra? Ou ainda mais preocupante, onde o desinteresse gera a dificuldade e vice-versa? Em que ambiente pedagógico, todas essas dificuldades foram geradas ao longo dos anos? Os questionamentos são muitos, a bibliografia pertinente ao tema é vasta, a legislação em vigor preocupa-se e tenta traçar diretrizes ao fazer pedagógico, na busca incessante para a solução de tais problemas. Porém, há um longo caminho a se percorrer, onde os estudos acadêmicos podem e devem nortear novas linhas de
  • 6. 6 pesquisas geradoras de questionamentos em busca de soluções efetivas para a construção de uma escola de qualidade. Partindo desse pressuposto, o tema para este projeto de pesquisa foi pensado e elaborado minuciosamente, com a preocupação construída através da prática escolar, com a colaboração de estudos acadêmicos efetivados no intuito de aperfeiçoamento das práticas diárias e por fim com o estudo e respeito a toda uma legislação que rege e organiza os fazeres pedagógicos como estão dispostos hoje em nossa sociedade. Segundo Piaget em La Taille (1996); a cooperação, a solidariedade e o respeito mútuo são valores que devem fazer parte do cotidiano escolar, das relações interpessoais na escola. Piaget em La Taille (1996) defende duas alternativas: formar personalidades livres ou conformistas. Como o objetivo da educação é o de formar indivíduos autônomos e cooperativos, é necessário que haja uma escola preocupada em propiciar um ambiente de aprendizagem efetiva capaz de formar meios de cooperação. Um ponto a ser ressaltado é que seja qual for a concepção de indisciplina, ela estará sempre vinculada à concepção de educação e de cidadão. Caso não se opte por uma educação tradicional, de cunho autoritário, também não se deve optar por uma educação permissiva e espontânea, na qual o aluno não se sente responsável pelo seu processo de aprendizagem, defende-se assim, de acordo com Peter Woods, uma educação de abordagem fenomenológica, que: [...] vê a criança mais como uma ‘vela a ser acesa’ do que como um ‘recipiente a ser enchido’, mais como um parceiro ativo do que um parceiro passivo no processo de aprendizagem. Nesta perspectiva, mais centrada na criança do que no saber ou no professor, a criança será desviante se for passiva. (WOODS, 2001, p. 56) Desta forma, a plena consciência do papel de todos os envolvidos dentro do ambiente escolar, se faz de suma importância, que a experiência e a criticidade norteiem os fazeres pedagógicos na busca da excelência do ensino, num ambiente, cujos protagonistas valorizem o cotidiano e as realidades vividas e finalmente reconhecendo a educação como uma relação humana dialética e intrínseca na subjetividade e não apenas na busca de resultados e ou significados absolutos.
  • 7. 7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AQUINO, Julio R. Groppa. Indisciplina: o contraponto das escolas democráticas. 4. ed. São Paulo: Moderna, 1998. ARAÚJO, Ulisses F. de. Moralidade e indisciplina: uma leitura possível a partir do referencial piagetiano. In.: AQUINO, Julio Groppa (Org.) Indisciplina na escola: Alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1996. FREIRE, Paulo. A Importância do Ato de Ler: em três artigos que se completam. 23. ed. São Paulo: Cortez Editora, 1981. FREIRE, Paulo. Educação e mudança. São Paulo : Paz e Terra, 1994. LA TAILLE, Yves de. A indisciplina e o sentimento de vergonha. Indisciplina na escola.São Paulo: Summus, 1996. LA TAILLE, Yves de. Autoridade na escola. Autoridade e autonomia na escola. São Paulo: Summus, 1999. PIAGET, Jean. O Julgamento Moral na Criança. São Paulo: Mestre Jou, 1977. VASCONCELLOS, Celso dos Santos. (In)Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola. São Paulo: Libertad, 2004. Legislação: Lei Federal n.° 9.394, de 20/12/96 - Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei Federal nº 10.172, de 09/01/01 - Aprova o Plano Nacional de Educação. Lei nº 14.660, de 26/12/07 - Dispõe sobre as alterações das Leis nº 11.229/92, nº 11.434/93 e legislação subsequente, reorganiza os Quadros dos Profissionais de Educação, com as respectivas carreiras, criado pela Lei nº 11.434/93, e consolida o Estatuto dos Profissionais de Educação Municipal. Deliberação CME nº 03/06 - Dispõe sobre o Ensino Fundamental de nove anos no Sistema Municipal de Ensino de São Paulo. Indicação CME nº 07/06 - Ensino Fundamental de 9 (nove) anos.