SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Professora Gabriel Bruno1
ESCOLA SECUNDÁRIA DE BOCAGE
Actividade Experimental nº 2
Observação ao MOC de células de epiderme de cebola
Ciências Naturais 7º Ano
Nome - N.º - Turma -
Objectivo: Observação ao microscópio óptico de células da epiderme interna do bolbo da cebola (Allium cepa).
Introdução: O bolbo da cebola é um caule subterrâneo que apresenta túnicas carnudas e sobrepostas. Cada
túnica é uma folha modificada em forma de escama, que acumula substâncias de reserva, na sua superfície
côncava existe uma epiderme, ou seja uma película fina, facilmente destacável e constituída por uma só
camada de células, o que facilita a observação destas, sendo por isso o nosso objecto de observação
microscópica.
As preparações podem ser temporárias ou definitivas. A preparação relativa à cebola é temporária, visto que,
o meio de montagem é um meio líquido onde o material biológico se encontra imerso numa substância que não o
altera ou danifica.
A coloração é uma técnica importante em microscopia, pois permite evidenciar estruturas celulares pouco
perceptíveis. Assim sendo, nesta actividade experimental utiliza-se a água iodada.
Material:  Microscópio óptico  Água iodada
 Lâminas e lamelas  Conta-gotas
 Bisturi (ou tesoura)  Cebola
 Pinça  Papel de filtro
Material Biológico: Tecido da epiderme da cebola.
Procedimento:
 Com o bisturi corta um pedaço do bolbo de cebola.
 Com a ajuda da pinça, arranca um fino fragmento da epiderme da face interna de uma folha carnuda do
bolbo de cebola.
 Coloca 1 ou 2 gotas de água iodada numa lâmina.
 Com a ajuda da pinça coloca o fragmento da epiderme em cima
da lâmina com água iodada. Deixa que ele se expanda bem de
forma a não apresentar rugas.
 Deixa a água iodada actuar durante cinco minutos.
 Coloca a lamela, com cuidado, com a ajuda da pinça, para evitar
a formação de bolhas de ar.
 Leva a preparação ao microscópio e inicia a focagem com a
objectiva de menor ampliação.
 De seguida efectua a focagem com a objectiva de média
ampliação e faz um esquema daquilo que observaste.
 Compara com a figura ao lado.
Ampliação: 100x epiderme da cebola
Professora Gabriel Bruno2
Questões:
1. Indica a função da água iodada.
2. Como se designa a estrutura que a água iodada te permitiu observar?
Conclusões
Na 1ºexperiência, realizada com as células do tecido não clorofilino da epiderme das túnicas da cebola pôde-
se, deste logo, observar algumas estruturas celulares com a preparação com o soluto de Ringer que manteve
as células vivas para observação. Foi possível depois observar o núcleo corado de vermelho, os vacúolos
incolores, a parede celular e a membrana plasmática com a utilização do corante vermelho neutro.
Utilizando a água iodada conseguiu-se identificar com mais clareza a parede celular, a membrana plasmática, o
citoplasma e ainda se observaram alguns organelos citoplasmáticos. Observou-se assim que o corante
vermelho neutro actua ao nível do núcleo corando-o de vermelho e como os vacúolos ficam incolores também
permite a sua identificação. Já a água iodada actua mais ao nível dos organelos citoplasmáticos e do
citoplasma.
Com Soluto de lugol
Ampliação 400x epiderme da cebola Ampliação 100x epiderme da cebola
O vermelho neutro é um corante que, usado em baixa concentração, penetra na célula sem a matar (corante
vital); assim, enquanto a célula se mantiver viva, o citoplasma e os organitos permanecem incolores,
introduzindo-se o corante no vacúolo, corando-o de vermelho. Pelo contrário, o azul metileno é um corante
básico que actua preferencialmente sobre o núcleo, corando-o de azul. O soluto de Lugol evidência os
elementos celulares em preparações extemporâneas, cora os amiloplastos, já que é um corante que cora o
amido.
Professora Gabriel Bruno3

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Condições da Terra que permitem existência de Vida
Condições da Terra que permitem existência de VidaCondições da Terra que permitem existência de Vida
Condições da Terra que permitem existência de VidaGabriela Bruno
 
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celularRelatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celularAMLDRP
 
Modelo mitose trabpratico
Modelo mitose trabpraticoModelo mitose trabpratico
Modelo mitose trabpraticoJoana Margarida
 
5 moc - características da imagem
5   moc - características da imagem5   moc - características da imagem
5 moc - características da imagemMina Covas
 
Relatório dissecação do coração de porco
Relatório dissecação do coração de porcoRelatório dissecação do coração de porco
Relatório dissecação do coração de porcoMaria Freitas
 
Medição em Química
Medição em Química Medição em Química
Medição em Química Rui Barqueiro
 
11 atmosfera primitiva e atual
11   atmosfera primitiva e atual11   atmosfera primitiva e atual
11 atmosfera primitiva e atualdaniela pinto
 
Relatorio de Simulação de Erupções Vulcânicas
Relatorio de Simulação de Erupções VulcânicasRelatorio de Simulação de Erupções Vulcânicas
Relatorio de Simulação de Erupções Vulcânicaskyzinha
 
Orações coordenadas e subordinadas esquema
Orações coordenadas e subordinadas   esquemaOrações coordenadas e subordinadas   esquema
Orações coordenadas e subordinadas esquemaPaulo Portelada
 
Métodos para o estudo do interior da geosfera
Métodos para o estudo do interior da geosferaMétodos para o estudo do interior da geosfera
Métodos para o estudo do interior da geosferaIsabel Lopes
 
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11ºRelatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11ºRicardo Dias
 
Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11º
Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11ºExtração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11º
Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11ºFrancisco Palaio
 
Biologia - Relatório da Extração de DNA do Kiwi (11º Ano)
Biologia - Relatório da Extração de DNA do Kiwi (11º Ano)Biologia - Relatório da Extração de DNA do Kiwi (11º Ano)
Biologia - Relatório da Extração de DNA do Kiwi (11º Ano)Mountain Expedition
 
Caderno de apoio ao professor 10 f
Caderno de apoio ao professor 10 fCaderno de apoio ao professor 10 f
Caderno de apoio ao professor 10 fSilvia Couto
 

Mais procurados (20)

Condições da Terra que permitem existência de Vida
Condições da Terra que permitem existência de VidaCondições da Terra que permitem existência de Vida
Condições da Terra que permitem existência de Vida
 
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celularRelatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
 
Modelo mitose trabpratico
Modelo mitose trabpraticoModelo mitose trabpratico
Modelo mitose trabpratico
 
Microscópio Óptico
Microscópio Óptico Microscópio Óptico
Microscópio Óptico
 
5 moc - características da imagem
5   moc - características da imagem5   moc - características da imagem
5 moc - características da imagem
 
Relatório dissecação do coração de porco
Relatório dissecação do coração de porcoRelatório dissecação do coração de porco
Relatório dissecação do coração de porco
 
Medição em Química
Medição em Química Medição em Química
Medição em Química
 
Abertura e fecho dos estomas
Abertura e fecho dos estomasAbertura e fecho dos estomas
Abertura e fecho dos estomas
 
11 atmosfera primitiva e atual
11   atmosfera primitiva e atual11   atmosfera primitiva e atual
11 atmosfera primitiva e atual
 
Relatorio de Simulação de Erupções Vulcânicas
Relatorio de Simulação de Erupções VulcânicasRelatorio de Simulação de Erupções Vulcânicas
Relatorio de Simulação de Erupções Vulcânicas
 
Orações coordenadas e subordinadas esquema
Orações coordenadas e subordinadas   esquemaOrações coordenadas e subordinadas   esquema
Orações coordenadas e subordinadas esquema
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
Métodos para o estudo do interior da geosfera
Métodos para o estudo do interior da geosferaMétodos para o estudo do interior da geosfera
Métodos para o estudo do interior da geosfera
 
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11ºRelatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
 
bolores 11 ano
bolores 11 anobolores 11 ano
bolores 11 ano
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11º
Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11ºExtração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11º
Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11º
 
MicroscóPio
MicroscóPioMicroscóPio
MicroscóPio
 
Biologia - Relatório da Extração de DNA do Kiwi (11º Ano)
Biologia - Relatório da Extração de DNA do Kiwi (11º Ano)Biologia - Relatório da Extração de DNA do Kiwi (11º Ano)
Biologia - Relatório da Extração de DNA do Kiwi (11º Ano)
 
Caderno de apoio ao professor 10 f
Caderno de apoio ao professor 10 fCaderno de apoio ao professor 10 f
Caderno de apoio ao professor 10 f
 

Destaque

Actividade experimental célula
Actividade experimental célulaActividade experimental célula
Actividade experimental célulaCarlos Moutinho
 
Aulas práticas de bio cel
Aulas práticas de bio celAulas práticas de bio cel
Aulas práticas de bio celDaniel Delani
 
Apresentação Cenoura & Bronze - TCC
Apresentação Cenoura & Bronze - TCCApresentação Cenoura & Bronze - TCC
Apresentação Cenoura & Bronze - TCCThais Pastén
 
Sales Pitch - Presentation Layout
Sales Pitch - Presentation LayoutSales Pitch - Presentation Layout
Sales Pitch - Presentation LayoutThais Pastén
 
Relatório aula prática modificação dos pigmentos
Relatório aula prática   modificação dos pigmentosRelatório aula prática   modificação dos pigmentos
Relatório aula prática modificação dos pigmentosJ10I27
 
Aula métodos de cocção
Aula métodos de cocçãoAula métodos de cocção
Aula métodos de cocçãokatsan
 
03 ObservaçãO Da CéLula Da Cebola Ao Microscopio Tc0809
03 ObservaçãO Da CéLula Da Cebola Ao Microscopio Tc080903 ObservaçãO Da CéLula Da Cebola Ao Microscopio Tc0809
03 ObservaçãO Da CéLula Da Cebola Ao Microscopio Tc0809Teresa Monteiro
 

Destaque (12)

Actividade experimental célula
Actividade experimental célulaActividade experimental célula
Actividade experimental célula
 
Trabalho células 2 b
Trabalho células 2 bTrabalho células 2 b
Trabalho células 2 b
 
Portfólioa
PortfólioaPortfólioa
Portfólioa
 
Aulas práticas de bio cel
Aulas práticas de bio celAulas práticas de bio cel
Aulas práticas de bio cel
 
Apresentação Cenoura & Bronze - TCC
Apresentação Cenoura & Bronze - TCCApresentação Cenoura & Bronze - TCC
Apresentação Cenoura & Bronze - TCC
 
Frutas
FrutasFrutas
Frutas
 
A célula pp[1]
A célula pp[1]A célula pp[1]
A célula pp[1]
 
Frutas
FrutasFrutas
Frutas
 
Sales Pitch - Presentation Layout
Sales Pitch - Presentation LayoutSales Pitch - Presentation Layout
Sales Pitch - Presentation Layout
 
Relatório aula prática modificação dos pigmentos
Relatório aula prática   modificação dos pigmentosRelatório aula prática   modificação dos pigmentos
Relatório aula prática modificação dos pigmentos
 
Aula métodos de cocção
Aula métodos de cocçãoAula métodos de cocção
Aula métodos de cocção
 
03 ObservaçãO Da CéLula Da Cebola Ao Microscopio Tc0809
03 ObservaçãO Da CéLula Da Cebola Ao Microscopio Tc080903 ObservaçãO Da CéLula Da Cebola Ao Microscopio Tc0809
03 ObservaçãO Da CéLula Da Cebola Ao Microscopio Tc0809
 

Semelhante a Observação de células de cebola ao microscópio

Relatório de ciências
Relatório de ciências Relatório de ciências
Relatório de ciências Sasuke Sakura
 
Pratica fotossintese e cloroplasto
Pratica fotossintese e cloroplastoPratica fotossintese e cloroplasto
Pratica fotossintese e cloroplastoErnanevaligra
 
Pratica fotossintese e cloroplasto
Pratica   fotossintese e cloroplastoPratica   fotossintese e cloroplasto
Pratica fotossintese e cloroplastoErnanevaligra
 
Protocolo animal e vegetal
 Protocolo animal e vegetal Protocolo animal e vegetal
Protocolo animal e vegetalgraca_sandra
 
02 - TÉCNICAS DE VISUALIZAÇÃO DE MICRORGANISMOS.pdf
02 - TÉCNICAS DE VISUALIZAÇÃO DE MICRORGANISMOS.pdf02 - TÉCNICAS DE VISUALIZAÇÃO DE MICRORGANISMOS.pdf
02 - TÉCNICAS DE VISUALIZAÇÃO DE MICRORGANISMOS.pdfLucasPortilho9
 
Ficha de trabalho_5_celula_vegetal_vs_celula_animal_gab_bru
Ficha de trabalho_5_celula_vegetal_vs_celula_animal_gab_bruFicha de trabalho_5_celula_vegetal_vs_celula_animal_gab_bru
Ficha de trabalho_5_celula_vegetal_vs_celula_animal_gab_bruGabriela Bruno
 
FT5 - Célula vegetal vs célula animal
FT5 - Célula vegetal vs célula animalFT5 - Célula vegetal vs célula animal
FT5 - Célula vegetal vs célula animalGabriela Bruno
 
Poligrafo histologia i
Poligrafo histologia iPoligrafo histologia i
Poligrafo histologia ikaiorochars
 
14817 aula 02-mã©todos_em_microbiologia_parte_1
14817 aula 02-mã©todos_em_microbiologia_parte_114817 aula 02-mã©todos_em_microbiologia_parte_1
14817 aula 02-mã©todos_em_microbiologia_parte_1Hamilton Aguiar
 
Coloração de ziehl neelsen
Coloração de ziehl neelsenColoração de ziehl neelsen
Coloração de ziehl neelsenLiana Leuck
 
Apostila praticas de morfo vegetal 012008
Apostila praticas de morfo vegetal 012008Apostila praticas de morfo vegetal 012008
Apostila praticas de morfo vegetal 012008Tatiana Faria
 
Prática cells[1]Primeiras séries
Prática cells[1]Primeiras  sériesPrática cells[1]Primeiras  séries
Prática cells[1]Primeiras sériesIonara Urrutia Moura
 

Semelhante a Observação de células de cebola ao microscópio (20)

Prática cells
Prática cellsPrática cells
Prática cells
 
A celula
A celulaA celula
A celula
 
betelgeuse
betelgeusebetelgeuse
betelgeuse
 
5 - MOC.ppt
5 - MOC.ppt5 - MOC.ppt
5 - MOC.ppt
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
Relatório de ciências
Relatório de ciências Relatório de ciências
Relatório de ciências
 
Pratica fotossintese e cloroplasto
Pratica fotossintese e cloroplastoPratica fotossintese e cloroplasto
Pratica fotossintese e cloroplasto
 
Pratica fotossintese e cloroplasto
Pratica   fotossintese e cloroplastoPratica   fotossintese e cloroplasto
Pratica fotossintese e cloroplasto
 
Protocolo animal e vegetal
 Protocolo animal e vegetal Protocolo animal e vegetal
Protocolo animal e vegetal
 
MUCOSA BUCAL
MUCOSA BUCALMUCOSA BUCAL
MUCOSA BUCAL
 
02 - TÉCNICAS DE VISUALIZAÇÃO DE MICRORGANISMOS.pdf
02 - TÉCNICAS DE VISUALIZAÇÃO DE MICRORGANISMOS.pdf02 - TÉCNICAS DE VISUALIZAÇÃO DE MICRORGANISMOS.pdf
02 - TÉCNICAS DE VISUALIZAÇÃO DE MICRORGANISMOS.pdf
 
Ficha de trabalho_5_celula_vegetal_vs_celula_animal_gab_bru
Ficha de trabalho_5_celula_vegetal_vs_celula_animal_gab_bruFicha de trabalho_5_celula_vegetal_vs_celula_animal_gab_bru
Ficha de trabalho_5_celula_vegetal_vs_celula_animal_gab_bru
 
FT5 - Célula vegetal vs célula animal
FT5 - Célula vegetal vs célula animalFT5 - Célula vegetal vs célula animal
FT5 - Célula vegetal vs célula animal
 
Poligrafo histologia i
Poligrafo histologia iPoligrafo histologia i
Poligrafo histologia i
 
14817 aula 02-mã©todos_em_microbiologia_parte_1
14817 aula 02-mã©todos_em_microbiologia_parte_114817 aula 02-mã©todos_em_microbiologia_parte_1
14817 aula 02-mã©todos_em_microbiologia_parte_1
 
Coloração de ziehl neelsen
Coloração de ziehl neelsenColoração de ziehl neelsen
Coloração de ziehl neelsen
 
Celula
CelulaCelula
Celula
 
Apostila praticas de morfo vegetal 012008
Apostila praticas de morfo vegetal 012008Apostila praticas de morfo vegetal 012008
Apostila praticas de morfo vegetal 012008
 
Prática cells[1]Primeiras séries
Prática cells[1]Primeiras  sériesPrática cells[1]Primeiras  séries
Prática cells[1]Primeiras séries
 
Apostila bce
Apostila bceApostila bce
Apostila bce
 

Mais de Gabriela Bruno

HSCG - Módulo 1 - Competências a desenvolver
HSCG - Módulo 1 - Competências a desenvolverHSCG - Módulo 1 - Competências a desenvolver
HSCG - Módulo 1 - Competências a desenvolverGabriela Bruno
 
Termorregulação e Osmorregulação
Termorregulação e OsmorregulaçãoTermorregulação e Osmorregulação
Termorregulação e OsmorregulaçãoGabriela Bruno
 
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....Gabriela Bruno
 
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....Gabriela Bruno
 
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....Gabriela Bruno
 
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....Gabriela Bruno
 
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....Gabriela Bruno
 
Dia Mundial da Diabetes - 14 de novembro
Dia Mundial da Diabetes - 14 de novembroDia Mundial da Diabetes - 14 de novembro
Dia Mundial da Diabetes - 14 de novembroGabriela Bruno
 
Ficha de trabalho - Saúde Individual e Comunitária
Ficha de trabalho - Saúde Individual e ComunitáriaFicha de trabalho - Saúde Individual e Comunitária
Ficha de trabalho - Saúde Individual e ComunitáriaGabriela Bruno
 
Saúde Individual e Comunitária
Saúde Individual e ComunitáriaSaúde Individual e Comunitária
Saúde Individual e ComunitáriaGabriela Bruno
 
Preservação da Biodiversidade
Preservação da BiodiversidadePreservação da Biodiversidade
Preservação da BiodiversidadeGabriela Bruno
 
Preservação da Biodiversidade
Preservação da BiodiversidadePreservação da Biodiversidade
Preservação da BiodiversidadeGabriela Bruno
 

Mais de Gabriela Bruno (20)

HSCG - Módulo 1 - Competências a desenvolver
HSCG - Módulo 1 - Competências a desenvolverHSCG - Módulo 1 - Competências a desenvolver
HSCG - Módulo 1 - Competências a desenvolver
 
HSCG- 10ºano
HSCG- 10ºanoHSCG- 10ºano
HSCG- 10ºano
 
A pobreza
A pobrezaA pobreza
A pobreza
 
Termorregulação e Osmorregulação
Termorregulação e OsmorregulaçãoTermorregulação e Osmorregulação
Termorregulação e Osmorregulação
 
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
 
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
 
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
 
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
 
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
Dia Mundial da Diabetes - 14 de Novembro....
 
Dia Mundial da Diabetes - 14 de novembro
Dia Mundial da Diabetes - 14 de novembroDia Mundial da Diabetes - 14 de novembro
Dia Mundial da Diabetes - 14 de novembro
 
Ficha de trabalho - Saúde Individual e Comunitária
Ficha de trabalho - Saúde Individual e ComunitáriaFicha de trabalho - Saúde Individual e Comunitária
Ficha de trabalho - Saúde Individual e Comunitária
 
Saúde Individual e Comunitária
Saúde Individual e ComunitáriaSaúde Individual e Comunitária
Saúde Individual e Comunitária
 
Preservação da Biodiversidade
Preservação da BiodiversidadePreservação da Biodiversidade
Preservação da Biodiversidade
 
Preservação da Biodiversidade
Preservação da BiodiversidadePreservação da Biodiversidade
Preservação da Biodiversidade
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
Aranhas
AranhasAranhas
Aranhas
 
Abelhas
AbelhasAbelhas
Abelhas
 
Grilos
GrilosGrilos
Grilos
 
Abelhas
AbelhasAbelhas
Abelhas
 
Louva-a-deus
Louva-a-deusLouva-a-deus
Louva-a-deus
 

Último

HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 

Último (20)

HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 

Observação de células de cebola ao microscópio

  • 1. Professora Gabriel Bruno1 ESCOLA SECUNDÁRIA DE BOCAGE Actividade Experimental nº 2 Observação ao MOC de células de epiderme de cebola Ciências Naturais 7º Ano Nome - N.º - Turma - Objectivo: Observação ao microscópio óptico de células da epiderme interna do bolbo da cebola (Allium cepa). Introdução: O bolbo da cebola é um caule subterrâneo que apresenta túnicas carnudas e sobrepostas. Cada túnica é uma folha modificada em forma de escama, que acumula substâncias de reserva, na sua superfície côncava existe uma epiderme, ou seja uma película fina, facilmente destacável e constituída por uma só camada de células, o que facilita a observação destas, sendo por isso o nosso objecto de observação microscópica. As preparações podem ser temporárias ou definitivas. A preparação relativa à cebola é temporária, visto que, o meio de montagem é um meio líquido onde o material biológico se encontra imerso numa substância que não o altera ou danifica. A coloração é uma técnica importante em microscopia, pois permite evidenciar estruturas celulares pouco perceptíveis. Assim sendo, nesta actividade experimental utiliza-se a água iodada. Material:  Microscópio óptico  Água iodada  Lâminas e lamelas  Conta-gotas  Bisturi (ou tesoura)  Cebola  Pinça  Papel de filtro Material Biológico: Tecido da epiderme da cebola. Procedimento:  Com o bisturi corta um pedaço do bolbo de cebola.  Com a ajuda da pinça, arranca um fino fragmento da epiderme da face interna de uma folha carnuda do bolbo de cebola.  Coloca 1 ou 2 gotas de água iodada numa lâmina.  Com a ajuda da pinça coloca o fragmento da epiderme em cima da lâmina com água iodada. Deixa que ele se expanda bem de forma a não apresentar rugas.  Deixa a água iodada actuar durante cinco minutos.  Coloca a lamela, com cuidado, com a ajuda da pinça, para evitar a formação de bolhas de ar.  Leva a preparação ao microscópio e inicia a focagem com a objectiva de menor ampliação.  De seguida efectua a focagem com a objectiva de média ampliação e faz um esquema daquilo que observaste.  Compara com a figura ao lado. Ampliação: 100x epiderme da cebola
  • 2. Professora Gabriel Bruno2 Questões: 1. Indica a função da água iodada. 2. Como se designa a estrutura que a água iodada te permitiu observar? Conclusões Na 1ºexperiência, realizada com as células do tecido não clorofilino da epiderme das túnicas da cebola pôde- se, deste logo, observar algumas estruturas celulares com a preparação com o soluto de Ringer que manteve as células vivas para observação. Foi possível depois observar o núcleo corado de vermelho, os vacúolos incolores, a parede celular e a membrana plasmática com a utilização do corante vermelho neutro. Utilizando a água iodada conseguiu-se identificar com mais clareza a parede celular, a membrana plasmática, o citoplasma e ainda se observaram alguns organelos citoplasmáticos. Observou-se assim que o corante vermelho neutro actua ao nível do núcleo corando-o de vermelho e como os vacúolos ficam incolores também permite a sua identificação. Já a água iodada actua mais ao nível dos organelos citoplasmáticos e do citoplasma. Com Soluto de lugol Ampliação 400x epiderme da cebola Ampliação 100x epiderme da cebola O vermelho neutro é um corante que, usado em baixa concentração, penetra na célula sem a matar (corante vital); assim, enquanto a célula se mantiver viva, o citoplasma e os organitos permanecem incolores, introduzindo-se o corante no vacúolo, corando-o de vermelho. Pelo contrário, o azul metileno é um corante básico que actua preferencialmente sobre o núcleo, corando-o de azul. O soluto de Lugol evidência os elementos celulares em preparações extemporâneas, cora os amiloplastos, já que é um corante que cora o amido.