SlideShare uma empresa Scribd logo
CENTRO UNIVERSITÁRIO DO SUL DE MINAS –
UNIS/MG

COMPLEMENTAÇÃO DE CARGA HORÁRIA
ENGENHARIA CIVIL

INTEGRAIS

Aluna:
Estela Mesquita Lasmar
Professor:
Dr. Alessandro Ferreira Alves

Varginha - MG
2013
ESTELA MESQUITA LASMAR

INTEGRAIS

Relatório apresentado
ao curso de Engenharia civil
na instituição de ensino
Centro universitário do Sul
de Minas-UNIS/MG, como
requisito a complementação
de carga horária na disciplina
de Cálculo diferencial e
integral I/Matemática.

Professor: Dr. Alessandro Ferreira Alves.

Varginha- MG
2013
Página | 2
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO.................................................................................4
2. INTEGRAL INDEFINIDA..............................................................5
I.
II.
III.

Contexto..............................................................................5
Estudo de primitivas..........................................................5
Exemplos resolvidos..........................................................6
1.
2.
3.
4.
5.
6.

Exemplo
Exemplo
Exemplo
Exemplo
Exemplo
Exemplo

3. INTEGRAL DEFINIDA...................................................................7
I. Áreas...................................................................................7
II. Integral definida................................................................9
III. Propriedades......................................................................9
IV. Teorema do cálculo..........................................................10
V. Exemplos resolvidos.........................................................10
1. Exemplo
2. Exemplo
3. Exemplo
VI. Continuação de áreas.......................................................11
1. Situações
2. Situações
3. Situações
VII. Exemplos resolvidos.........................................................12
1. Exemplo
2. Exemplo
3. Exemplo
4. INTEGRAÇÃO TRIGONOMÉTRICA.......................................13
I. Contexto............................................................................13
II. Substituição trigonométrica............................................13
III. Tabela de substituição trigonométrica...........................14
IV. Observação.......................................................................14
5. EXERCÍCIOS.................................................................................15
6. CONSIDERAÇÕES FINAIS.........................................................18
7. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA..............................................19

Página | 3
1. INTRODUÇÃO
Neste relatório serão apresentadas definições e técnicas para o cálculo de
integrais, embasadas nos conhecimentos adquiridos na disciplina de Funções
Matemáticas (Cálculo Diferencial e Integral I).
As observações foram feitas a partir do entendimento de cada tópico. Os
exemplos e exercícios ou foram retirados do livro Cálculo vol. I de James
Stewart ou de própria autoria.
Os tópicos abordados serão: Integral indefinida, integral definida, cálculo de
áreas e integração de funções trigonométricas.

Página | 4
2. INTEGRAL INDEFINIDA

I.

Contexto:
Podemos imaginar a integral como uma “derivação para trás”. A integral é
o inverso da derivada de uma função para achar a própria função.
As regras usadas no cálculo de integrais são praticamente similares as
regras de derivação, no entanto são usadas no sentido contrário.

II.

Estudo de primitivas

Dada uma função deve-se encontrar uma função F cuja derivada é uma
função conhecida ƒ.
Se a função F existir, ela é chamada de primitiva de ƒ.
Uma função F é denominada uma primitiva de ƒ no intervalo I se F’(x) = f(x)
para todo x em I.
Note: A primitiva de uma função é uma função que quando eu derivo
retorna à função inicial.
Por exemplo, seja f(x) = x²
Note: Não é difícil descobrir uma primitiva de ƒ se nos lembrarmos da
Regra da Potência.
Se F(x) = ⅓ x³, então F’(x) = x² = f(x).
Note: Mas a função H(x) = ⅓ x³ + 100, H(x) = ⅓ x³ + 45, H(x) =⅓ x³+27
... também satisfazem H’(x) = x².
Logo, F e H são primitivas de ƒ.
Note: Na verdade, qualquer função com a forma de H(x)=⅓ x3 + C, em
que C é uma constante, é uma primitiva de ƒ.
Generalizando, se y = f(x) e F é uma primitiva de f, ou seja, F’=f é a família
de primitivas de f.
Então, usa-se a notação abaixo para indicar a família de primitivas de f, que
também é chamada de Integral Indefinida de f.
⌡f(x)dx = F(x) = C
Note: Para facilitar o entendimento podemos pensar na integral
indefinida como uma família de funções.

Página | 5
III.

Exemplos resolvidos:

1.

Exemplo : ⌡sen x dx= -cos x + C
Pois, sabemos que (-cos x + C)’ = - (-sen x) = sen x

2.

Exemplo :
dx=
Note: Percebemos então que, se a f(x) =x^n, n≠0, n≠-1, temos que:

⌡

⌡
3.

Exemplo :

Pois,

⌡

(

dx =

)’= 3 x (

)=

Lembrando que (ln x)’= 1/x
Logo, no intervalo a primitiva de 1/x é ln x + C.
Note: Isto para todo x diferente de zero, ou, para todo intervalo que não
contenha o zero.
Tal conceito é verdadeiro nos intervalos (-∞, 0) e (0, ∞). Então a primitiva geral
de f é:
ln x + C

x>0

ln(-x) +C

x<0

F(x) =

4.

Exemplo : ⌡e^x = e^x + C

5.

Exemplo : ⌡sec²x dx = tg x + C

6.

Exemplo : ⌡sec.tg x dx = sec x + C

Página | 6
3. INTEGRAL DEFINIDA

I.

Áreas

Para melhor entendimento da integral definida vamos introduzir o
conceito de área. Quando queremos saber a área de alguma figura esta não parece
ser uma pergunta muito difícil...
Se quisermos, por exemplo, saber a área de um retângulo basta
multiplicarmos seu comprimento pela sua altura.

Se quisermos determinar a área de um quadrado, basta multiplicarmos
seus lados por eles mesmos, l².

Se quisermos a área do triangulo sabemos que ela é igual a Multiplicação
de sua base pela altura e dividida por dois. (BxA)/2

Suponha, então, que queiramos calcular a área da região A, representada
no esquema abaixo compreendida entre as retas x=a e x=b abaixo, do gráfico
y=f(x):

Página | 7
Pelos métodos que conhecemos não existe fórmula especifica para
calcular esta figura, logo temos o intuito subdividir esta área em figuras
conhecidas e somá-las.

No entanto, não é tão fácil, encontrar a área de uma região com lados
curvos.
Temos uma idéia que se aproxima da área desta região, mas parte do problema
da área é tornar precisa essa idéia intuitiva, dando uma definição exata de área.

Aproximando infinitamente a faixa por um retângulo com largura ∆x e
altura f(x), então a área de cada retângulo é ∆x.f(x), e a área total da figura é
aproximada pela soma das áreas dos retângulos é representada por:
S = f(x¹)∆x + f(x²)∆x + f(x³)∆x +.... f(xn) ∆x
Portanto, a melhor forma de definia esta área é da seguinte forma:
A = Lim [f(x¹)∆x + f(x²)∆x + f(x³)∆x +.... f(xn) ∆x]

Página | 8
Note: A área, então, é uma função contínua f e o limite da soma das áreas
dos retângulos.

Para melhor adequação usa-se a notação de somatória para escrever a soma de
muitos números de maneira compacta:
∑ f(xn)∆x
Note: Esta notação é chamada de soma de Riemann.

II.

Integral Definida

A integral definida é uma integral com limites, ou seja, é a integral que
representa uma quantidade definida.
A integral definida de f de a à b é representada por:

⌡ f(x)dx = Lim ∑ f(x¹)∆x
Desde que, este limite exista.
Note: A integral definida é o limite da soma de Riemann.
Se o limite existir podemos dizer que f é integrável em [a, b].
Note: Se f(x) <0 em [a, b], então A= área S=-⌡ f(x)dx
Curiosidade: O símbolo ⌡ foi introduzido por Leibniz e é denominado sinal de
integral. Ele é um S alongado e foi assim escolhido porque uma integral é um
limite de somas.

III.

Propriedades:
Supondo que f e g sejam funções continuas a integral passa a ter algumas
Propriedades:
⌡ c dx = c (b-a), onde c é uma constante
⌡ [f(x) = g(x)] dx = ⌡ f(x) dx + ⌡ g(x) dx
⌡ c f(x) dx = c ⌡f(x) dx, onde c é uma constante
⌡ [f(x) – g(x)] dx = ⌡f(x) dx - ⌡g(x) dx
Se f é continua em [a, b] e c esta contido (a, b), então
⌡ f(x) dx = ⌡ f(x) dx + ⌡ g(x) dx
6. Se f(x) ≥ 0 para a ≤ x≤ b, então
⌡ f(x) dx ≥ 0
7. Se f(x) ≥ g(x) para a ≤ x ≤ b, então
⌡f(x) dx ≥ ⌡ g(x) dx
8. Se m ≤ f(x) ≤M para a≤x≤b, então
m(b-a) ≤ ⌡ f(x) dx ≤ M (b-a)
1.
2.
3.
4.
5.

Página | 9
IV.

Teorema do Cálculo
Seja f contínua em um intervalo fechado [a, b]:
Note: Se a função G é definida por G(x) = ⌡ f(t)dt para todo x existente
em [a, b], então G é uma primitiva de f em [a, b], ou seja, G’=f.
Note: Se F é uma primitiva de f, ou seja, F’=f, então
⌡ f(x)dx = F(b) – F(a)
Usamos a notação F(x)
para indicar a diferença F(b) – F(a). Assim:

⌡ f(x)dx = F(x)

= F(b) – F(a)

Onde, F’(x) = f(x).
E se, a = b temos que ⌡ f(x) dx = F(a) – F(a) = 0

V.

Exemplos Resolvidos

1.

Exemplo: ⌡ (6x²-5)dx= 45
Ache a primitiva sem o limite 2x³-5x
Coloque ela com os limites 2x³-5x
= F(b) – F(a)
Faça F(b)-F(a) = (2.3³ - 5.3)-(2(-2)³-5(-2)) = 45

2.

Exemplo: ⌡ (x³+1)²dx =
⌡ (x^6 + 1 +2x³)dx=
⌡ (x^7)/7 + x + (2x²)/4)

3.

= F(b) – F(a) = 405/14

Exemplo: ⌡ |x|dx =
-x²/2
= F(b)-F(a)
=0-(-2) =2
x²/2
= F(b)-F(a)
=9/2
=13/2

Página | 10
VI.

Continuação de Áreas:

As situações a seguir vão nos fazer entender o conceito de área para uma
classe mais ampla.

1.

Na figura abaixo f(x) ≤ 0 em [a, b] então ⌡ f(x) dx ≤ 0
Logo, área= -⌡ f(x)dx

Note: Se a função é negativa a área é igual a menos a integral.
2.

Seja A o conjunto hachurado na figura ao lado, então a área é:
A=⌡ f(x)dx - ⌡ f(x)dx + ⌡ f(x)dx

3.

Área = ⌡ f(x)-g(x)dx

Página | 11
VII.

Exemplos Resolvidos:
1. Encontre a área da região limitada pelo gráfico y = x³, pelo eixo x e pelas
retas x=-1 e x =0.

2. Cálcule a área do conjunto de todos os pontos (x,y) tais que x²≤y≤√x

3. Calcule a área da região compreendida entre os gráficos de y=x y=x² com
0≤x≤2.

Página | 12
4. INTEGRAÇÃO TRIGONOMÉTRICA
I.

Contexto

Na substituição trigonométrica usam-se identidades trigonométricas para
integrar certas combinações de funções trigonométricas. Além de podermos
integrar as funções básicas dada pela tabela podemos também integrar funções
mais complexas realizando reduções.
Temos diversas formas de integrar uma função e para cada integral
devemos identificar qual o melhor método de se usar.

II.

Substituição Trigonométrica

Calcule ⌡√(1-x²)dx

Página | 13
III.

Tabela de substituição Trigonométrica

Expressão
√(a²-x²)
√(a²+x²)
(x²-a²)
IV.

Substituição
x = a.sen u
−π/2 ≤ u ≤ π/2
x = a.tg u
−π/2 < u < π/2
x = a.sec u, 0≤u≤π/2
π ≤ u ≤ 3π/2

Identidade
1-sen²u = cos²u
1+tg²u = sec²u
sec²u-1=tg²u

Observação

A ocorrência de raiz no integrando é algo muito desagradável. Se você
conseguir perceber uma mudança de variável que a elimine, aplique.
Por exemplo, em ⌡√(1-4x²)dx, a mudança 2x=sent ou x =1/2sent elimina a
raiz, veja:
√(1-4x²)= √(1-2x²)= √(1-sen²t)= √(cos²t)= |cos t|

Página | 14
5. EXERCÍCIOS
Note: Os exercícios a seguir foram retirados do livro Cálculo I- James
Stewart.
A. ⌡dx=
B. ⌡x³dx=
C. ⌡3x^4dx=
D. ⌡(4x^5 + 7)dx=
E. ⌡3dx=
F. ⌡5x^7dx=
G. ⌡(5 + 3x² - 7x³)dx=

H. ⌡dx/x^4=
I. ⌡√x³dx=
J. ⌡(7√x² + 3/x³)dx=

K. ⌡3x^-4 – 3x + 4dx=

L. ⌡2/3√x dx=
M. ⌡dx/√x=

N. ⌡ 3s²+2s-1 ds=

Página | 15
O. ⌡ x³ + 1/x + 1/x³=

P. ⌡ sem x (1-cos²x)dx =

Calcule a área compreendida entre:
Q. A= {(x, y) e R²; 0≤y≤|sen x|, 0≤x≤2π}

R. A= {(x, y) e R²; x²-1≤y≤0}

Página | 16
S. Calcule a área do circulo de raio r>0

Página | 17
6. CONSIDERAÇÕES FINAIS
O trabalho apresentado teve a finalidade de demonstrar o conhecimento na
área de integrais. Observa-se que o conteúdo é meramente ilustrativo, já que em
cada tópico o assunto não foi aprofundado.
Para melhores definições recomenda-se pesquisar em livros de calculo I. No
relatório em questão a bibliografia usada é Cálculo I - James Stewart.

Página | 18
7. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
STEWART, James. Cálculo, Vol. 2, 6ª edição. Editora Cengage Learning, 2009.

Página | 19

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cadeno 1 integrais duplos e intregrais de linha
Cadeno 1 integrais duplos e intregrais de linhaCadeno 1 integrais duplos e intregrais de linha
Cadeno 1 integrais duplos e intregrais de linha
Bowman Guimaraes
 
Integração cálculo 4
Integração cálculo 4Integração cálculo 4
Integração cálculo 4
Alexandre Neris
 
Cálculo limites, derivadas e integrais
Cálculo   limites, derivadas e integraisCálculo   limites, derivadas e integrais
Cálculo limites, derivadas e integrais
Maick Henrique
 
Resolucao dos exercicios_integrais
Resolucao dos exercicios_integraisResolucao dos exercicios_integrais
Resolucao dos exercicios_integrais
Wilson Kushima
 
Cálculo diferencial e integral de várias variáveis unid iii
Cálculo diferencial e integral de várias variáveis   unid iiiCálculo diferencial e integral de várias variáveis   unid iii
Cálculo diferencial e integral de várias variáveis unid iii
Bruno Luz
 
Integral Substituicao Trigonometrica
Integral Substituicao TrigonometricaIntegral Substituicao Trigonometrica
Integral Substituicao Trigonometrica
btizatto1
 
Tecnica de integracao resumo
Tecnica de integracao   resumoTecnica de integracao   resumo
Tecnica de integracao resumo
João Bastos
 
Exercicios resolvidos
Exercicios resolvidosExercicios resolvidos
Exercicios resolvidos
Concursando Persistente
 
Apostila de cálculo 3
Apostila de cálculo 3Apostila de cálculo 3
Apostila de cálculo 3
Metal Frio Solutions
 
Exercícios de Função 2 grau.doc
Exercícios de Função 2 grau.docExercícios de Função 2 grau.doc
Exercícios de Função 2 grau.doc
alenumeros
 
Função quadrática - definições e exercícios - AP 12
Função quadrática - definições e exercícios - AP 12Função quadrática - definições e exercícios - AP 12
Função quadrática - definições e exercícios - AP 12
Secretaria de Estado de Educação do Pará
 
Exercícios função de 2° grau 2p
Exercícios função de 2° grau 2pExercícios função de 2° grau 2p
Exercícios função de 2° grau 2p
Jean Silveira
 
Exercício sobre Pré-Imagem
Exercício sobre Pré-ImagemExercício sobre Pré-Imagem
Exercício sobre Pré-Imagem
Rodrigo Thiago Passos Silva
 
Funcao exponencial
Funcao exponencialFuncao exponencial
Funcao exponencial
slidericardinho
 
lista-de-exercicios-funcao-exponencial
lista-de-exercicios-funcao-exponenciallista-de-exercicios-funcao-exponencial
lista-de-exercicios-funcao-exponencial
Ministério da Educação
 
Exercícios - Logaritmos
Exercícios - LogaritmosExercícios - Logaritmos
Exercícios - Logaritmos
Rodrigo Thiago Passos Silva
 
Inequação exponencial
Inequação exponencialInequação exponencial
Inequação exponencial
Péricles Penuel
 
Regra da cadeia
Regra da cadeiaRegra da cadeia
Regra da cadeia
calculogrupo
 
Equações Exatas exercicios
Equações Exatas exerciciosEquações Exatas exercicios
Equações Exatas exercicios
Cursinho Vest. Jr.
 
Proposta de-correccao-do-teste-intermedio-9-ano7-de-fevereiro-de-2011-v1
Proposta de-correccao-do-teste-intermedio-9-ano7-de-fevereiro-de-2011-v1Proposta de-correccao-do-teste-intermedio-9-ano7-de-fevereiro-de-2011-v1
Proposta de-correccao-do-teste-intermedio-9-ano7-de-fevereiro-de-2011-v1
Ana Tapadinhas
 

Mais procurados (20)

Cadeno 1 integrais duplos e intregrais de linha
Cadeno 1 integrais duplos e intregrais de linhaCadeno 1 integrais duplos e intregrais de linha
Cadeno 1 integrais duplos e intregrais de linha
 
Integração cálculo 4
Integração cálculo 4Integração cálculo 4
Integração cálculo 4
 
Cálculo limites, derivadas e integrais
Cálculo   limites, derivadas e integraisCálculo   limites, derivadas e integrais
Cálculo limites, derivadas e integrais
 
Resolucao dos exercicios_integrais
Resolucao dos exercicios_integraisResolucao dos exercicios_integrais
Resolucao dos exercicios_integrais
 
Cálculo diferencial e integral de várias variáveis unid iii
Cálculo diferencial e integral de várias variáveis   unid iiiCálculo diferencial e integral de várias variáveis   unid iii
Cálculo diferencial e integral de várias variáveis unid iii
 
Integral Substituicao Trigonometrica
Integral Substituicao TrigonometricaIntegral Substituicao Trigonometrica
Integral Substituicao Trigonometrica
 
Tecnica de integracao resumo
Tecnica de integracao   resumoTecnica de integracao   resumo
Tecnica de integracao resumo
 
Exercicios resolvidos
Exercicios resolvidosExercicios resolvidos
Exercicios resolvidos
 
Apostila de cálculo 3
Apostila de cálculo 3Apostila de cálculo 3
Apostila de cálculo 3
 
Exercícios de Função 2 grau.doc
Exercícios de Função 2 grau.docExercícios de Função 2 grau.doc
Exercícios de Função 2 grau.doc
 
Função quadrática - definições e exercícios - AP 12
Função quadrática - definições e exercícios - AP 12Função quadrática - definições e exercícios - AP 12
Função quadrática - definições e exercícios - AP 12
 
Exercícios função de 2° grau 2p
Exercícios função de 2° grau 2pExercícios função de 2° grau 2p
Exercícios função de 2° grau 2p
 
Exercício sobre Pré-Imagem
Exercício sobre Pré-ImagemExercício sobre Pré-Imagem
Exercício sobre Pré-Imagem
 
Funcao exponencial
Funcao exponencialFuncao exponencial
Funcao exponencial
 
lista-de-exercicios-funcao-exponencial
lista-de-exercicios-funcao-exponenciallista-de-exercicios-funcao-exponencial
lista-de-exercicios-funcao-exponencial
 
Exercícios - Logaritmos
Exercícios - LogaritmosExercícios - Logaritmos
Exercícios - Logaritmos
 
Inequação exponencial
Inequação exponencialInequação exponencial
Inequação exponencial
 
Regra da cadeia
Regra da cadeiaRegra da cadeia
Regra da cadeia
 
Equações Exatas exercicios
Equações Exatas exerciciosEquações Exatas exercicios
Equações Exatas exercicios
 
Proposta de-correccao-do-teste-intermedio-9-ano7-de-fevereiro-de-2011-v1
Proposta de-correccao-do-teste-intermedio-9-ano7-de-fevereiro-de-2011-v1Proposta de-correccao-do-teste-intermedio-9-ano7-de-fevereiro-de-2011-v1
Proposta de-correccao-do-teste-intermedio-9-ano7-de-fevereiro-de-2011-v1
 

Semelhante a Relatorio integrais rev

Teoría y Problemas de Calculo Integral souza-ccesa007
Teoría y Problemas de Calculo Integral souza-ccesa007Teoría y Problemas de Calculo Integral souza-ccesa007
Teoría y Problemas de Calculo Integral souza-ccesa007
Demetrio Ccesa Rayme
 
Integraldefinida
IntegraldefinidaIntegraldefinida
Integraldefinida
Vismael Santos
 
Lista de exercícios 8
Lista de exercícios 8Lista de exercícios 8
Lista de exercícios 8
Carlos Campani
 
Lista de exercícios 2 - Cálculo
Lista de exercícios 2 - CálculoLista de exercícios 2 - Cálculo
Lista de exercícios 2 - Cálculo
Carlos Campani
 
Derivadas Aplicações
Derivadas AplicaçõesDerivadas Aplicações
Derivadas Aplicações
Jones Fagundes
 
Aula 05 - Revisão Derivada e Integral.pdf
Aula 05 - Revisão Derivada e Integral.pdfAula 05 - Revisão Derivada e Integral.pdf
Aula 05 - Revisão Derivada e Integral.pdf
Diully1
 
Ex algebra (7)
Ex algebra  (7)Ex algebra  (7)
Ex algebra (7)
Andrei Bastos
 
Double Triple Integrals (integrais duplas e triplas)
Double Triple Integrals (integrais duplas e triplas)Double Triple Integrals (integrais duplas e triplas)
Double Triple Integrals (integrais duplas e triplas)
bedrock128
 
Material sobre a Derivada
Material sobre a DerivadaMaterial sobre a Derivada
Material sobre a Derivada
Einstein Rafael
 
Funções - Aula (3).pdf
Funções - Aula  (3).pdfFunções - Aula  (3).pdf
Funções - Aula (3).pdf
Marcelo Martelli Rossilho
 
Integral
IntegralIntegral
Integral
Carlos Campani
 
16598764 apostila-de-calculo
16598764 apostila-de-calculo16598764 apostila-de-calculo
16598764 apostila-de-calculo
JanainaFernandesLace
 
Derivadas
DerivadasDerivadas
Funções Elementares
Funções ElementaresFunções Elementares
Funções Elementares
Carlos Campani
 
Apostila 2 calculo i derivadas
Apostila 2 calculo i derivadasApostila 2 calculo i derivadas
Apostila 2 calculo i derivadas
trigono_metrico
 
Matematica2 1
Matematica2 1Matematica2 1
Matematica2 1
Débora Bastos
 
2_Funçoes.pdf
2_Funçoes.pdf2_Funçoes.pdf
2_Funçoes.pdf
MCapitolina
 
INTEGRAIS DE LINHA DE CAMPOS VETORIAIS
INTEGRAIS DE LINHA DE CAMPOS VETORIAISINTEGRAIS DE LINHA DE CAMPOS VETORIAIS
INTEGRAIS DE LINHA DE CAMPOS VETORIAIS
AnaLgia20
 
Funcoes
FuncoesFuncoes
Funções, suas propriedades e gráfico
Funções, suas propriedades e gráficoFunções, suas propriedades e gráfico
Funções, suas propriedades e gráfico
Carlos Campani
 

Semelhante a Relatorio integrais rev (20)

Teoría y Problemas de Calculo Integral souza-ccesa007
Teoría y Problemas de Calculo Integral souza-ccesa007Teoría y Problemas de Calculo Integral souza-ccesa007
Teoría y Problemas de Calculo Integral souza-ccesa007
 
Integraldefinida
IntegraldefinidaIntegraldefinida
Integraldefinida
 
Lista de exercícios 8
Lista de exercícios 8Lista de exercícios 8
Lista de exercícios 8
 
Lista de exercícios 2 - Cálculo
Lista de exercícios 2 - CálculoLista de exercícios 2 - Cálculo
Lista de exercícios 2 - Cálculo
 
Derivadas Aplicações
Derivadas AplicaçõesDerivadas Aplicações
Derivadas Aplicações
 
Aula 05 - Revisão Derivada e Integral.pdf
Aula 05 - Revisão Derivada e Integral.pdfAula 05 - Revisão Derivada e Integral.pdf
Aula 05 - Revisão Derivada e Integral.pdf
 
Ex algebra (7)
Ex algebra  (7)Ex algebra  (7)
Ex algebra (7)
 
Double Triple Integrals (integrais duplas e triplas)
Double Triple Integrals (integrais duplas e triplas)Double Triple Integrals (integrais duplas e triplas)
Double Triple Integrals (integrais duplas e triplas)
 
Material sobre a Derivada
Material sobre a DerivadaMaterial sobre a Derivada
Material sobre a Derivada
 
Funções - Aula (3).pdf
Funções - Aula  (3).pdfFunções - Aula  (3).pdf
Funções - Aula (3).pdf
 
Integral
IntegralIntegral
Integral
 
16598764 apostila-de-calculo
16598764 apostila-de-calculo16598764 apostila-de-calculo
16598764 apostila-de-calculo
 
Derivadas
DerivadasDerivadas
Derivadas
 
Funções Elementares
Funções ElementaresFunções Elementares
Funções Elementares
 
Apostila 2 calculo i derivadas
Apostila 2 calculo i derivadasApostila 2 calculo i derivadas
Apostila 2 calculo i derivadas
 
Matematica2 1
Matematica2 1Matematica2 1
Matematica2 1
 
2_Funçoes.pdf
2_Funçoes.pdf2_Funçoes.pdf
2_Funçoes.pdf
 
INTEGRAIS DE LINHA DE CAMPOS VETORIAIS
INTEGRAIS DE LINHA DE CAMPOS VETORIAISINTEGRAIS DE LINHA DE CAMPOS VETORIAIS
INTEGRAIS DE LINHA DE CAMPOS VETORIAIS
 
Funcoes
FuncoesFuncoes
Funcoes
 
Funções, suas propriedades e gráfico
Funções, suas propriedades e gráficoFunções, suas propriedades e gráfico
Funções, suas propriedades e gráfico
 

Relatorio integrais rev

  • 1. CENTRO UNIVERSITÁRIO DO SUL DE MINAS – UNIS/MG COMPLEMENTAÇÃO DE CARGA HORÁRIA ENGENHARIA CIVIL INTEGRAIS Aluna: Estela Mesquita Lasmar Professor: Dr. Alessandro Ferreira Alves Varginha - MG 2013
  • 2. ESTELA MESQUITA LASMAR INTEGRAIS Relatório apresentado ao curso de Engenharia civil na instituição de ensino Centro universitário do Sul de Minas-UNIS/MG, como requisito a complementação de carga horária na disciplina de Cálculo diferencial e integral I/Matemática. Professor: Dr. Alessandro Ferreira Alves. Varginha- MG 2013 Página | 2
  • 3. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO.................................................................................4 2. INTEGRAL INDEFINIDA..............................................................5 I. II. III. Contexto..............................................................................5 Estudo de primitivas..........................................................5 Exemplos resolvidos..........................................................6 1. 2. 3. 4. 5. 6. Exemplo Exemplo Exemplo Exemplo Exemplo Exemplo 3. INTEGRAL DEFINIDA...................................................................7 I. Áreas...................................................................................7 II. Integral definida................................................................9 III. Propriedades......................................................................9 IV. Teorema do cálculo..........................................................10 V. Exemplos resolvidos.........................................................10 1. Exemplo 2. Exemplo 3. Exemplo VI. Continuação de áreas.......................................................11 1. Situações 2. Situações 3. Situações VII. Exemplos resolvidos.........................................................12 1. Exemplo 2. Exemplo 3. Exemplo 4. INTEGRAÇÃO TRIGONOMÉTRICA.......................................13 I. Contexto............................................................................13 II. Substituição trigonométrica............................................13 III. Tabela de substituição trigonométrica...........................14 IV. Observação.......................................................................14 5. EXERCÍCIOS.................................................................................15 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS.........................................................18 7. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA..............................................19 Página | 3
  • 4. 1. INTRODUÇÃO Neste relatório serão apresentadas definições e técnicas para o cálculo de integrais, embasadas nos conhecimentos adquiridos na disciplina de Funções Matemáticas (Cálculo Diferencial e Integral I). As observações foram feitas a partir do entendimento de cada tópico. Os exemplos e exercícios ou foram retirados do livro Cálculo vol. I de James Stewart ou de própria autoria. Os tópicos abordados serão: Integral indefinida, integral definida, cálculo de áreas e integração de funções trigonométricas. Página | 4
  • 5. 2. INTEGRAL INDEFINIDA I. Contexto: Podemos imaginar a integral como uma “derivação para trás”. A integral é o inverso da derivada de uma função para achar a própria função. As regras usadas no cálculo de integrais são praticamente similares as regras de derivação, no entanto são usadas no sentido contrário. II. Estudo de primitivas Dada uma função deve-se encontrar uma função F cuja derivada é uma função conhecida ƒ. Se a função F existir, ela é chamada de primitiva de ƒ. Uma função F é denominada uma primitiva de ƒ no intervalo I se F’(x) = f(x) para todo x em I. Note: A primitiva de uma função é uma função que quando eu derivo retorna à função inicial. Por exemplo, seja f(x) = x² Note: Não é difícil descobrir uma primitiva de ƒ se nos lembrarmos da Regra da Potência. Se F(x) = ⅓ x³, então F’(x) = x² = f(x). Note: Mas a função H(x) = ⅓ x³ + 100, H(x) = ⅓ x³ + 45, H(x) =⅓ x³+27 ... também satisfazem H’(x) = x². Logo, F e H são primitivas de ƒ. Note: Na verdade, qualquer função com a forma de H(x)=⅓ x3 + C, em que C é uma constante, é uma primitiva de ƒ. Generalizando, se y = f(x) e F é uma primitiva de f, ou seja, F’=f é a família de primitivas de f. Então, usa-se a notação abaixo para indicar a família de primitivas de f, que também é chamada de Integral Indefinida de f. ⌡f(x)dx = F(x) = C Note: Para facilitar o entendimento podemos pensar na integral indefinida como uma família de funções. Página | 5
  • 6. III. Exemplos resolvidos: 1. Exemplo : ⌡sen x dx= -cos x + C Pois, sabemos que (-cos x + C)’ = - (-sen x) = sen x 2. Exemplo : dx= Note: Percebemos então que, se a f(x) =x^n, n≠0, n≠-1, temos que: ⌡ ⌡ 3. Exemplo : Pois, ⌡ ( dx = )’= 3 x ( )= Lembrando que (ln x)’= 1/x Logo, no intervalo a primitiva de 1/x é ln x + C. Note: Isto para todo x diferente de zero, ou, para todo intervalo que não contenha o zero. Tal conceito é verdadeiro nos intervalos (-∞, 0) e (0, ∞). Então a primitiva geral de f é: ln x + C x>0 ln(-x) +C x<0 F(x) = 4. Exemplo : ⌡e^x = e^x + C 5. Exemplo : ⌡sec²x dx = tg x + C 6. Exemplo : ⌡sec.tg x dx = sec x + C Página | 6
  • 7. 3. INTEGRAL DEFINIDA I. Áreas Para melhor entendimento da integral definida vamos introduzir o conceito de área. Quando queremos saber a área de alguma figura esta não parece ser uma pergunta muito difícil... Se quisermos, por exemplo, saber a área de um retângulo basta multiplicarmos seu comprimento pela sua altura. Se quisermos determinar a área de um quadrado, basta multiplicarmos seus lados por eles mesmos, l². Se quisermos a área do triangulo sabemos que ela é igual a Multiplicação de sua base pela altura e dividida por dois. (BxA)/2 Suponha, então, que queiramos calcular a área da região A, representada no esquema abaixo compreendida entre as retas x=a e x=b abaixo, do gráfico y=f(x): Página | 7
  • 8. Pelos métodos que conhecemos não existe fórmula especifica para calcular esta figura, logo temos o intuito subdividir esta área em figuras conhecidas e somá-las. No entanto, não é tão fácil, encontrar a área de uma região com lados curvos. Temos uma idéia que se aproxima da área desta região, mas parte do problema da área é tornar precisa essa idéia intuitiva, dando uma definição exata de área. Aproximando infinitamente a faixa por um retângulo com largura ∆x e altura f(x), então a área de cada retângulo é ∆x.f(x), e a área total da figura é aproximada pela soma das áreas dos retângulos é representada por: S = f(x¹)∆x + f(x²)∆x + f(x³)∆x +.... f(xn) ∆x Portanto, a melhor forma de definia esta área é da seguinte forma: A = Lim [f(x¹)∆x + f(x²)∆x + f(x³)∆x +.... f(xn) ∆x] Página | 8
  • 9. Note: A área, então, é uma função contínua f e o limite da soma das áreas dos retângulos. Para melhor adequação usa-se a notação de somatória para escrever a soma de muitos números de maneira compacta: ∑ f(xn)∆x Note: Esta notação é chamada de soma de Riemann. II. Integral Definida A integral definida é uma integral com limites, ou seja, é a integral que representa uma quantidade definida. A integral definida de f de a à b é representada por: ⌡ f(x)dx = Lim ∑ f(x¹)∆x Desde que, este limite exista. Note: A integral definida é o limite da soma de Riemann. Se o limite existir podemos dizer que f é integrável em [a, b]. Note: Se f(x) <0 em [a, b], então A= área S=-⌡ f(x)dx Curiosidade: O símbolo ⌡ foi introduzido por Leibniz e é denominado sinal de integral. Ele é um S alongado e foi assim escolhido porque uma integral é um limite de somas. III. Propriedades: Supondo que f e g sejam funções continuas a integral passa a ter algumas Propriedades: ⌡ c dx = c (b-a), onde c é uma constante ⌡ [f(x) = g(x)] dx = ⌡ f(x) dx + ⌡ g(x) dx ⌡ c f(x) dx = c ⌡f(x) dx, onde c é uma constante ⌡ [f(x) – g(x)] dx = ⌡f(x) dx - ⌡g(x) dx Se f é continua em [a, b] e c esta contido (a, b), então ⌡ f(x) dx = ⌡ f(x) dx + ⌡ g(x) dx 6. Se f(x) ≥ 0 para a ≤ x≤ b, então ⌡ f(x) dx ≥ 0 7. Se f(x) ≥ g(x) para a ≤ x ≤ b, então ⌡f(x) dx ≥ ⌡ g(x) dx 8. Se m ≤ f(x) ≤M para a≤x≤b, então m(b-a) ≤ ⌡ f(x) dx ≤ M (b-a) 1. 2. 3. 4. 5. Página | 9
  • 10. IV. Teorema do Cálculo Seja f contínua em um intervalo fechado [a, b]: Note: Se a função G é definida por G(x) = ⌡ f(t)dt para todo x existente em [a, b], então G é uma primitiva de f em [a, b], ou seja, G’=f. Note: Se F é uma primitiva de f, ou seja, F’=f, então ⌡ f(x)dx = F(b) – F(a) Usamos a notação F(x) para indicar a diferença F(b) – F(a). Assim: ⌡ f(x)dx = F(x) = F(b) – F(a) Onde, F’(x) = f(x). E se, a = b temos que ⌡ f(x) dx = F(a) – F(a) = 0 V. Exemplos Resolvidos 1. Exemplo: ⌡ (6x²-5)dx= 45 Ache a primitiva sem o limite 2x³-5x Coloque ela com os limites 2x³-5x = F(b) – F(a) Faça F(b)-F(a) = (2.3³ - 5.3)-(2(-2)³-5(-2)) = 45 2. Exemplo: ⌡ (x³+1)²dx = ⌡ (x^6 + 1 +2x³)dx= ⌡ (x^7)/7 + x + (2x²)/4) 3. = F(b) – F(a) = 405/14 Exemplo: ⌡ |x|dx = -x²/2 = F(b)-F(a) =0-(-2) =2 x²/2 = F(b)-F(a) =9/2 =13/2 Página | 10
  • 11. VI. Continuação de Áreas: As situações a seguir vão nos fazer entender o conceito de área para uma classe mais ampla. 1. Na figura abaixo f(x) ≤ 0 em [a, b] então ⌡ f(x) dx ≤ 0 Logo, área= -⌡ f(x)dx Note: Se a função é negativa a área é igual a menos a integral. 2. Seja A o conjunto hachurado na figura ao lado, então a área é: A=⌡ f(x)dx - ⌡ f(x)dx + ⌡ f(x)dx 3. Área = ⌡ f(x)-g(x)dx Página | 11
  • 12. VII. Exemplos Resolvidos: 1. Encontre a área da região limitada pelo gráfico y = x³, pelo eixo x e pelas retas x=-1 e x =0. 2. Cálcule a área do conjunto de todos os pontos (x,y) tais que x²≤y≤√x 3. Calcule a área da região compreendida entre os gráficos de y=x y=x² com 0≤x≤2. Página | 12
  • 13. 4. INTEGRAÇÃO TRIGONOMÉTRICA I. Contexto Na substituição trigonométrica usam-se identidades trigonométricas para integrar certas combinações de funções trigonométricas. Além de podermos integrar as funções básicas dada pela tabela podemos também integrar funções mais complexas realizando reduções. Temos diversas formas de integrar uma função e para cada integral devemos identificar qual o melhor método de se usar. II. Substituição Trigonométrica Calcule ⌡√(1-x²)dx Página | 13
  • 14. III. Tabela de substituição Trigonométrica Expressão √(a²-x²) √(a²+x²) (x²-a²) IV. Substituição x = a.sen u −π/2 ≤ u ≤ π/2 x = a.tg u −π/2 < u < π/2 x = a.sec u, 0≤u≤π/2 π ≤ u ≤ 3π/2 Identidade 1-sen²u = cos²u 1+tg²u = sec²u sec²u-1=tg²u Observação A ocorrência de raiz no integrando é algo muito desagradável. Se você conseguir perceber uma mudança de variável que a elimine, aplique. Por exemplo, em ⌡√(1-4x²)dx, a mudança 2x=sent ou x =1/2sent elimina a raiz, veja: √(1-4x²)= √(1-2x²)= √(1-sen²t)= √(cos²t)= |cos t| Página | 14
  • 15. 5. EXERCÍCIOS Note: Os exercícios a seguir foram retirados do livro Cálculo I- James Stewart. A. ⌡dx= B. ⌡x³dx= C. ⌡3x^4dx= D. ⌡(4x^5 + 7)dx= E. ⌡3dx= F. ⌡5x^7dx= G. ⌡(5 + 3x² - 7x³)dx= H. ⌡dx/x^4= I. ⌡√x³dx= J. ⌡(7√x² + 3/x³)dx= K. ⌡3x^-4 – 3x + 4dx= L. ⌡2/3√x dx= M. ⌡dx/√x= N. ⌡ 3s²+2s-1 ds= Página | 15
  • 16. O. ⌡ x³ + 1/x + 1/x³= P. ⌡ sem x (1-cos²x)dx = Calcule a área compreendida entre: Q. A= {(x, y) e R²; 0≤y≤|sen x|, 0≤x≤2π} R. A= {(x, y) e R²; x²-1≤y≤0} Página | 16
  • 17. S. Calcule a área do circulo de raio r>0 Página | 17
  • 18. 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS O trabalho apresentado teve a finalidade de demonstrar o conhecimento na área de integrais. Observa-se que o conteúdo é meramente ilustrativo, já que em cada tópico o assunto não foi aprofundado. Para melhores definições recomenda-se pesquisar em livros de calculo I. No relatório em questão a bibliografia usada é Cálculo I - James Stewart. Página | 18
  • 19. 7. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA STEWART, James. Cálculo, Vol. 2, 6ª edição. Editora Cengage Learning, 2009. Página | 19