SlideShare uma empresa Scribd logo
A DITADURA MILITAR NO BRASIL
(1964 – 1985)
Profª. – Fatima Ap. de Freitas
O GOLPE MILITAR
• Na manhã do dia 1º. De abril de 1964, os cidadãos brasileiros
acordaram ao som do movimento de tropas do exército.
• Era um golpe militar que contou com o apoio de parte da sociedade
civil, e depôs o presidente João Goulart, sob a justificativa de
garantir a ordem e a segurança nacional, e conter as ações dos que
queriam transformar o Brasil em um país socialista.
• João Goulart contava com o apoio dos governadores Miguel Arraes
(PE), João Dória (SE) e o ex-governador Leonel Brizola (RS).
• O presidente deposto refugiou-se no Rio Grande do Sul e em
seguida exilou-se no Uruguai, procurando evitar uma guerra civil.
• Ranieri Mazzili presidente da Câmara dos Deputados, assume
provisoriamente a presidência.
Os golpistas
• Entre os personagens que
participaram do golpe estavam
os militares:
• Humberto de Alencar Castelo
Branco, Ernesto Geisel, Orlando
Geisel, Arthur da Costa e Silva,
Olímpio Mourão Filho e Golbery
do Couto e Silva.
• Contou ainda com o apoio dos
governadores:
• Magalhães Pinto (MG), Carlos
Lacerda (Guanabara), Adhemar
de Barros (SP), Ildo Meneghetti
(RS) e Ney Braga (PR).
O ATO INSTITUCIONAL Nº. 1
• No dia 09 de abril de 1964, foi instituído o AI-1
com poderes para:
– Demitir funcionários públicos (civis ou militares) leais ao
antigo governo.
– Cassações de mandatos de opositores do golpe por um
período de dez anos.
– Prisões de opositores.
– Eleições indiretas para presidente.
– Limitações da sociedade civil na vida política do país.
Os militares e a perseguição política
• Ações militares ao assumirem o poder:
• Cassaram o mandato de muitos políticos de oposição entre os quais
destacamos: Luiz Carlos Prestes, João Goulart, JK, Miguel Arraes, Jânio
Quadros, Leonel Brizola, Darcy Ribeiro, etc.
• Alguns artistas foram acusados de serem comunistas e perderam o
emprego como Herivelto Martins, Mário Lago, Dias Gomes, Paulo
Gracindo, etc.
• O líder comunista Gregório bezerra foi preso, espancado e arrastado
pelas ruas do Recife.
• Alguns políticos conservadores que haviam apoiado o golpe esperando
receber benefícios políticos foram abandonados ao ostracismo ou
cassados, como Carlos Lacerda governador da Guanabara.
• No dia 15 de abril, o congresso Nacional elegeu indiretamente o
marechal Humberto de Alencar Castelo Branco como presidente da
República.
OS PRESIDENTES MILITARES:
MÉDICI
COSTA E SILVA
FIGUEIREDO
GEISEL
CASTELLO BRANCO
Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco (1964-67)
• Eleito de forma indireta através da
votação da Câmara.
• PAEG (Plano de Ação Econômica do
Governo):
– Corte de gastos.
– Aumento de tarifas e impostos.
– Fim da Lei da Estabilidade.
– Criação do FGTS (Fundo de Garantia
por
Tempo de Serviço).
– Aumento salarial (1X ao ano) abaixo
da inflação.
– Restrição de crédito.
– Arrocho salarial, recessão e
desemprego.
• Fim da Lei de Remessa de
Lucros (1962).
• Desvalorização monetária
(cruzeiro novo).
• Compra de empresas
nacionais por estrangeiras.
• Renegociação da dívida
externa.
• Novos empréstimos.
• Aproximação cada vez maior
com EUA.
• Jul/64 – prorrogação do mandato presidencial até mar/67.
• 1965: eleições em 11 Estados.
– Candidatos governistas perdem em vários.
• Out/65 : instituição do AI - nº 2.
– Extinção dos antigos partidos e criação de dois novos:
– ARENA (Aliança Renovadora Nacional) – partido do governo.
– MDB (Movimento Democrático Brasileiro) – oposição ao governo.
– Autorização para fechar órgãos legislativos.
 Em fevereiro de 1966:
AI - nº. 3
 Eleições indiretas para
governadores e
 indicação de prefeitos
de capitais e cidades
estratégicas.
 Em fevereiro de 1966 instituiu-se o AI - nº. 3 que estabelecia:
 Eleições indiretas para governadores que seriam submetidos
à aprovação das Assembléias Legislativas;
 indicação de prefeitos de capitais e cidades estratégicas.
 indicação de prefeitos pelos governadores.
 Com o AI – nº. 4, o governo adquiriu poderes para produzir
uma nova Constituição em 1967, que tinha como pontos
principais:
 Fortalecimento do Executivo.
 Emendas constitucionais a cargo exclusivo do presidente.
 Incorporação de Atos Institucionais.
 LSN (Lei de Segurança Nacional) – defesa da pátria contra o “perigo
comunista” (repressão consentida).
Marechal Costa e Silva
(1967 – 1969)
(1967-69
• Governo marcado pelos protestos e movimentos sociais contrários à ditadura
estudantes saíram em passeatas;
• operários organizaram greves contra o arrocho salarial,
• políticos de oposição faziam pronunciamentos contra a ditadura e
organizaram uma “frente ampla” composto por padres progressistas que
discursaram sobre a fome do povo e a tortura praticada pelos órgãos de
segurança.
• Esses eventos levaram à criação do AI-5, que restringiu os direitos civis dos
brasileiros.
• O deputado Marcio Moreira Alves (PMDB) propôs à população um boicote à parada
militar de 7 de setembro.
• Em dezembro de 1968, houve o fechamento do Congresso, a cassação do mandato
de Márcio e de outros parlamentares e decretaram o AI – nº. 5 decretando o
aumento da repressão.
O Ato Institucional nº 5
 O Ato autorizava o presidente da República, em caráter excepcional e, portanto, sem
apreciação judicial, a:
 decretar o recesso do Congresso Nacional;
 intervir nos estados e municípios;
 cassar mandatos de centenas de parlamentares;
 suspender, por dez anos, os direitos políticos de qualquer cidadão;
 e suspender a garantia do habeas-corpus
• Em 1969 afastou-se do governo alegando problemas de saúde e uma junta militar
composta dos ministros do exército, marinha e aeronáutica governou o país durante
dois meses (31/08-22/10 de 1969).
• Reconhecendo a impossibilidade de Costa e Silva a junta indicou e a ARENA
referendou como sucessor o general Emílio Garrastazu Médici.
Estudante Édson Luís Missa de 7º dia de Édson Luís Greve em Contagem -
MG
Manifestação
estudantil
Passeata dos
100 mil
O governo Médici (1969-1974)
• Período conhecido como “Anos de Chumbo” devido ao
grande poder ditatorial e a violência repressiva contra as
oposições acentuaram.
• Os direitos dos cidadãos foram suspensos;
• Qualquer um que se opusesse ao governo poderia ser preso;
• O governo utilizou a TV para divulgar seus projetos para o
país;
• Início da ação armada contra o governo:
 Guerrilha urbana (seqüestros de embaixadores e diplomatas
estrangeiros, assaltos a bancos);
 Guerrilha rural (Araguaia – PA)
O Milagre Econômico (1969 – 1974):
 Delfim Netto (Ministro da economia).
 Crescimento de 10% ao ano.
 Facilidades de crédito (bens de consumo duráveis).
 Arrocho salarial (trabalhadores e sindicatos não podiam reagir
à repressão política).
 Investimentos externos (favorecimento do governo).
 Grandes empréstimos.
 Crise do petróleo e aumento da dívida externa.
 O governo foi perdendo seus argumentos de prosperidade e
mostrou que a ditadura não garantia desenvolvimento.
 As oposições foram lentamente se reorganizando e passaram
a exigir a volta da democracia.
 Consequencias do milagre: aumento da dívida externa e
desvalorização salarial.
Pau de arara
Popularidade: censura e propaganda e Slogans otimistas:
SELEÇÃO TRICAMPEÃ
MUNDIAL (1970)
Governo Geisel (1974-1979)
• Abertura lenta gradual e segura DE “ABERTURA
DEMOCRÁTICA”.
• Garantiu a realização de eleições livres para senador,
deputado e vereador ( o MDB alcançou significativa vitória
sobre a ARENA assustando os militares de linha dura.
• Em SP foram presos e mortos nas dependências do II Exército,
o jornalista Vladimir Herzog (1975) e o operário Manuel del
Filho (1976), escandalizando a opinião pública.
• 1976: decretou a lei Falcão: limitando a propaganda eleitoral
dos candidatos no rádio e na TV, onde apareciam somente os
retratos dos candidatos e um breve resumo de suas atividades
políticas.
• 1977: criou-se os “senadores biônicos” onde 1/3 seriam
escolhidos diretamente pelo presidente, e sempre votavam a
favor do governo.
Foram mortos o jornalista Vladimir Herzog em 1975,
o metalúrgico Manoel Fiel em 1976 nas
dependências do DOI-CODI.
Elaboração do II Plano Nacional de Desenvolvimento
que previa novos empréstimos para investimentos
na expansão das indústrias de bens de produção
(máquinas, equipamentos pesados, aço, cobre,
energia elétrica, etc.)
Devido a crise do, petróleo metade das receitas das
exportações era utilizada para importação do
produto.
Tentativa de substituir importações.
• Reação da “Linha Dura” do exército à
abertura política:
Atentados terroristas em bancas de revistas,
contra a OAB (Ordem dos Advogados do
Brasil).
Atentado do Riocentro (30/04/1981).
Desmoralização da “Linha Dura”
General João Figueiredo
(1979-1985)
• Figueiredo foi eleito com 335 votos contra 266
Votos do general Euler Monteiro.
• Seu governo enfrentou críticas ao autoritarismo, sindicatos de
trabalhadores, grupos de empresários, Igreja, associações
artísticas e científicas, universidades e imprensa reivindicavam
a redemocratização do país.
• Figueiredo assumiu o compromisso de realizar a abertura
política e reinstalar a democracia no Brasil.
• Durante o ano de 1979 em todo o país mais de 3 milhões de
trabalhadores fizeram greve (ABC paulista sob o comando de
Lula).
• Concedeu anistia a todos que foram punidos pela ditadura,
onde muitos brasileiros regressaram do exílio.
• Fim do bipartidarismo – surgindovários partidos: PDS no lugar da
ARENA, PMDB (MDB), PT, PDT, PP, PTB.
• Foram estabelecidas eleições diretas para governadores.
• No plano econômico o ministro Delfim neto não conseguiu
equacionar os problemas da dívida externa com o FMI.
• A inflação bateu recordes históricos, 200% ao ano, e os
trabalhadores tinham seus salários corroídos dia a dia pela
elevação do custo de vida.
• Desemprego crônico devido a falta de investimentos no setor
produtivo, o que reduziu o crescimento econômico, em 1983, os
níveis de desemprego eram altíssimos chegando a ocorrer uma
série de saques a lojas e supermercados.
• Devido ao agravamento da crise, aumentou a insatisfação popular
contra o governo, e a resposta veio nas eleições de 1982, onde
um grande nº. de candidatos de oposição mais populosos foram
eleitos.
OBRAS FARAÔNICAS DO
REGIME MILITAR
 Rodovia
Transamazônica
(ainda sem
conclusão).
Usina de Itaipu
Ponte Rio-Niterói
Usina Nuclear –
Angra I
Ponte Colombo-
Salles
O FIM DO REGIME MILITAR
 A insatisfação popular foi canalizada pelas lideranças políticas de
oposição para uma campanha em favor das eleições diretas para
presidente.
 O objetivo era fazer com que o Congresso Nacional aprovasse a
emenda constitucional proposta pelo deputado Dante de
Oliveira (PMDB_MT) que estabelecia eleições diretas para
presidente acabando com o Colégio Eleitoral criado pelo regime
militar.
 A campanha pelas Diretas Já reuniu milhões de pessoas em
manifestações populares realizando comícios em praças, ruas
exigindo eleições diretas.
 Uma série de manobras de políticas aliados dos militares
derrotou a emenda e impediu a realização de eleições diretas, o
deputado federal Paulo Maluf liderou o grupo, pois pretendia
eleger-se através do Colégio Eleitoral.
A ditadura militar no brasil
• Concorreram à presidência Paulo Maluf (PDS - governo) e
Tancredo Neves (Aliança Democrática – composta de ex-
integrantes do PDS na chamada Frente Liberal e membros do
MDB).
Paulo Maluf
Tancredo Neves
• Tancredo não chegou a tomar posse do cargo foi
internado, submetido a várias cirurgias vindo a
falecer no dia 21 de abril de 1985.
• José Sarney assumiu a presidência da República.
Funeral de Tancredo Neves
Presidente José Sarney
Sugestões de filmes
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
• História Global – Gilberto Cotrim
• Coleção História Novo Olhar – Marco
Pellegrini
• www.portalsaofrancisco
• Imagens google

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial
Daniel Alves Bronstrup
 
O Governo Dutra (1946-1950)
O Governo Dutra (1946-1950)O Governo Dutra (1946-1950)
O Governo Dutra (1946-1950)
Edenilson Morais
 
O governo Jânio Quadros (1961)
O governo Jânio Quadros (1961)O governo Jânio Quadros (1961)
O governo Jânio Quadros (1961)
Edenilson Morais
 
O populismo; a república liberal, período democrático 1946 - 1964
O populismo; a república liberal, período democrático   1946 - 1964O populismo; a república liberal, período democrático   1946 - 1964
O populismo; a república liberal, período democrático 1946 - 1964
Claudio Apolinário
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
isameucci
 
Governo Collor
Governo Collor Governo Collor
Governo Collor
Valéria Shoujofan
 
Do governo dutra ao governo joão goulart
Do governo dutra ao governo joão goulartDo governo dutra ao governo joão goulart
Do governo dutra ao governo joão goulart
Edenilson Morais
 
Nova República
Nova RepúblicaNova República
Nova República
Elaine Bogo Pavani
 
Ditadura militar no Brasil - resumo
Ditadura militar no Brasil - resumoDitadura militar no Brasil - resumo
Ditadura militar no Brasil - resumo
Cecília Chagas
 
Juscelino kubitschek
Juscelino kubitschekJuscelino kubitschek
Juscelino kubitschek
Adriana Gomes Messias
 
Janio quadros e joão goulart
Janio quadros e joão goulartJanio quadros e joão goulart
Janio quadros e joão goulart
harlissoncarvalho
 
A Revolução Russa
A Revolução RussaA Revolução Russa
A Revolução Russa
Edenilson Morais
 
Governo Sarney
Governo SarneyGoverno Sarney
Governo Sarney
Edenilson Morais
 
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
Ditadura Militar (1964-1985)
Ditadura Militar (1964-1985)Ditadura Militar (1964-1985)
Ditadura Militar (1964-1985)
Edenilson Morais
 
a era vargas (1930-1945)
a era vargas  (1930-1945) a era vargas  (1930-1945)
a era vargas (1930-1945)
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
José Augusto Fiorin
 
Redemocratização brasil
Redemocratização brasilRedemocratização brasil
Redemocratização brasil
Fabiana Tonsis
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
eiprofessor
 
Descolonizaçao da África e da Ásia
Descolonizaçao da  África e da ÁsiaDescolonizaçao da  África e da Ásia
Descolonizaçao da África e da Ásia
Rodrigo Luiz
 

Mais procurados (20)

3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial
 
O Governo Dutra (1946-1950)
O Governo Dutra (1946-1950)O Governo Dutra (1946-1950)
O Governo Dutra (1946-1950)
 
O governo Jânio Quadros (1961)
O governo Jânio Quadros (1961)O governo Jânio Quadros (1961)
O governo Jânio Quadros (1961)
 
O populismo; a república liberal, período democrático 1946 - 1964
O populismo; a república liberal, período democrático   1946 - 1964O populismo; a república liberal, período democrático   1946 - 1964
O populismo; a república liberal, período democrático 1946 - 1964
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 
Governo Collor
Governo Collor Governo Collor
Governo Collor
 
Do governo dutra ao governo joão goulart
Do governo dutra ao governo joão goulartDo governo dutra ao governo joão goulart
Do governo dutra ao governo joão goulart
 
Nova República
Nova RepúblicaNova República
Nova República
 
Ditadura militar no Brasil - resumo
Ditadura militar no Brasil - resumoDitadura militar no Brasil - resumo
Ditadura militar no Brasil - resumo
 
Juscelino kubitschek
Juscelino kubitschekJuscelino kubitschek
Juscelino kubitschek
 
Janio quadros e joão goulart
Janio quadros e joão goulartJanio quadros e joão goulart
Janio quadros e joão goulart
 
A Revolução Russa
A Revolução RussaA Revolução Russa
A Revolução Russa
 
Governo Sarney
Governo SarneyGoverno Sarney
Governo Sarney
 
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
Brasil - Primeira república
 
Ditadura Militar (1964-1985)
Ditadura Militar (1964-1985)Ditadura Militar (1964-1985)
Ditadura Militar (1964-1985)
 
a era vargas (1930-1945)
a era vargas  (1930-1945) a era vargas  (1930-1945)
a era vargas (1930-1945)
 
8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
 
Redemocratização brasil
Redemocratização brasilRedemocratização brasil
Redemocratização brasil
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
 
Descolonizaçao da África e da Ásia
Descolonizaçao da  África e da ÁsiaDescolonizaçao da  África e da Ásia
Descolonizaçao da África e da Ásia
 

Destaque

História de mato grosso período colonial
História de mato grosso   período colonialHistória de mato grosso   período colonial
História de mato grosso período colonial
Edenilson Morais
 
Primeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencialPrimeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencial
Tatiana Rezende
 
Felicidade 3 ano
Felicidade 3 anoFelicidade 3 ano
Felicidade 3 ano
Over Lane
 
O período regencial
O período regencialO período regencial
O período regencial
Adeilsa Ferreira
 
Apresentação Anita Garibaldi
 Apresentação Anita Garibaldi Apresentação Anita Garibaldi
Apresentação Anita Garibaldi
Dayanne de Menezes
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Lucas Cardoso
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Marlon Novaes
 
Regência
RegênciaRegência
Primeiro reinado (1822 1831)
Primeiro reinado (1822 1831)Primeiro reinado (1822 1831)
Primeiro reinado (1822 1831)
PROFºWILTONREIS
 
Muralhasda china
Muralhasda chinaMuralhasda china
Muralhasda china
Carlos Zaranza
 
78070797 a-felicidade-em-aristoteles
78070797 a-felicidade-em-aristoteles78070797 a-felicidade-em-aristoteles
78070797 a-felicidade-em-aristoteles
Adeilsa Ferreira
 
Brasil Império - Período Regencial (1831-1840)
Brasil Império  - Período Regencial (1831-1840)Brasil Império  - Período Regencial (1831-1840)
Brasil Império - Período Regencial (1831-1840)
Isaquel Silva
 
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Edenilson Morais
 
07. brasil aula sobre período regencial
07. brasil aula sobre período regencial07. brasil aula sobre período regencial
07. brasil aula sobre período regencial
Darlan Campos
 
Músicas na ditadura militar
Músicas na ditadura militarMúsicas na ditadura militar
Músicas na ditadura militar
Edson Alves
 
CEGH 12 - O Período Regencial
CEGH 12 - O Período RegencialCEGH 12 - O Período Regencial
CEGH 12 - O Período Regencial
Prof Vaguito Sobrenome
 
Cinema e educação
Cinema e educaçãoCinema e educação
Cinema e educação
Eddieuepg
 
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIALHISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
carlosbidu
 
Música na ditadura militar
Música na ditadura militarMúsica na ditadura militar
Música na ditadura militar
liea
 
Aula ditadura militar
Aula ditadura militarAula ditadura militar
Aula ditadura militar
Cristiano Santana
 

Destaque (20)

História de mato grosso período colonial
História de mato grosso   período colonialHistória de mato grosso   período colonial
História de mato grosso período colonial
 
Primeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencialPrimeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencial
 
Felicidade 3 ano
Felicidade 3 anoFelicidade 3 ano
Felicidade 3 ano
 
O período regencial
O período regencialO período regencial
O período regencial
 
Apresentação Anita Garibaldi
 Apresentação Anita Garibaldi Apresentação Anita Garibaldi
Apresentação Anita Garibaldi
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Regência
RegênciaRegência
Regência
 
Primeiro reinado (1822 1831)
Primeiro reinado (1822 1831)Primeiro reinado (1822 1831)
Primeiro reinado (1822 1831)
 
Muralhasda china
Muralhasda chinaMuralhasda china
Muralhasda china
 
78070797 a-felicidade-em-aristoteles
78070797 a-felicidade-em-aristoteles78070797 a-felicidade-em-aristoteles
78070797 a-felicidade-em-aristoteles
 
Brasil Império - Período Regencial (1831-1840)
Brasil Império  - Período Regencial (1831-1840)Brasil Império  - Período Regencial (1831-1840)
Brasil Império - Período Regencial (1831-1840)
 
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
 
07. brasil aula sobre período regencial
07. brasil aula sobre período regencial07. brasil aula sobre período regencial
07. brasil aula sobre período regencial
 
Músicas na ditadura militar
Músicas na ditadura militarMúsicas na ditadura militar
Músicas na ditadura militar
 
CEGH 12 - O Período Regencial
CEGH 12 - O Período RegencialCEGH 12 - O Período Regencial
CEGH 12 - O Período Regencial
 
Cinema e educação
Cinema e educaçãoCinema e educação
Cinema e educação
 
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIALHISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
 
Música na ditadura militar
Música na ditadura militarMúsica na ditadura militar
Música na ditadura militar
 
Aula ditadura militar
Aula ditadura militarAula ditadura militar
Aula ditadura militar
 

Semelhante a A ditadura militar no brasil

Ditadura militar no brasil
Ditadura militar no brasilDitadura militar no brasil
Ditadura militar no brasil
guiurey
 
A ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilA ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasil
historiando
 
A Ditadura Militar no Brasil
A Ditadura Militar no Brasil A Ditadura Militar no Brasil
A Ditadura Militar no Brasil
Adna Myrella
 
Regime Militar Brasileiro - 1964
Regime Militar Brasileiro - 1964Regime Militar Brasileiro - 1964
Regime Militar Brasileiro - 1964
Aline Oliveira
 
Trabalho de recuperação de historia
Trabalho de recuperação de historiaTrabalho de recuperação de historia
Trabalho de recuperação de historia
Mateus Cabral
 
Texto ditadura 2[1]
Texto ditadura 2[1]Texto ditadura 2[1]
Texto ditadura 2[1]
PIBIDSolondeLucena
 
A ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilA ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasil
Nelia Salles Nantes
 
Ditadura 1964
Ditadura 1964Ditadura 1964
Ditadura 1964
BelbelAntunes
 
Regime Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Regime Militar no Brasil - Prof. Altair AguilarRegime Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Regime Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
3º ano - Ditadura Militar e República Nova.
3º ano - Ditadura Militar e República Nova.3º ano - Ditadura Militar e República Nova.
3º ano - Ditadura Militar e República Nova.
Daniel Alves Bronstrup
 
3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil
Daniel Alves Bronstrup
 
A ditadura militar
A ditadura militarA ditadura militar
A ditadura militar
Gilmar Rodrigues
 
Brasil ditadura militar 1964 a 1985 pdf
Brasil ditadura militar 1964 a 1985   pdfBrasil ditadura militar 1964 a 1985   pdf
Brasil ditadura militar 1964 a 1985 pdf
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
Daniel Alves Bronstrup
 
3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx
3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx
3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx
RobsonAbreuProfessor
 
Resum oditaduramilitar
Resum oditaduramilitarResum oditaduramilitar
Resum oditaduramilitar
Lucas Reis
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
Karina Reimberg
 
Ditadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no BrasilDitadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no Brasil
João Gonçalves Macedo
 
Ditadura militar brasileira 1964 1985
Ditadura militar brasileira 1964   1985Ditadura militar brasileira 1964   1985
Ditadura militar brasileira 1964 1985
Ócio do Ofício
 
Ditadura militar no brasil
Ditadura militar no brasilDitadura militar no brasil
Ditadura militar no brasil
Jainny F.
 

Semelhante a A ditadura militar no brasil (20)

Ditadura militar no brasil
Ditadura militar no brasilDitadura militar no brasil
Ditadura militar no brasil
 
A ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilA ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasil
 
A Ditadura Militar no Brasil
A Ditadura Militar no Brasil A Ditadura Militar no Brasil
A Ditadura Militar no Brasil
 
Regime Militar Brasileiro - 1964
Regime Militar Brasileiro - 1964Regime Militar Brasileiro - 1964
Regime Militar Brasileiro - 1964
 
Trabalho de recuperação de historia
Trabalho de recuperação de historiaTrabalho de recuperação de historia
Trabalho de recuperação de historia
 
Texto ditadura 2[1]
Texto ditadura 2[1]Texto ditadura 2[1]
Texto ditadura 2[1]
 
A ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilA ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasil
 
Ditadura 1964
Ditadura 1964Ditadura 1964
Ditadura 1964
 
Regime Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Regime Militar no Brasil - Prof. Altair AguilarRegime Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Regime Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
 
3º ano - Ditadura Militar e República Nova.
3º ano - Ditadura Militar e República Nova.3º ano - Ditadura Militar e República Nova.
3º ano - Ditadura Militar e República Nova.
 
3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil
 
A ditadura militar
A ditadura militarA ditadura militar
A ditadura militar
 
Brasil ditadura militar 1964 a 1985 pdf
Brasil ditadura militar 1964 a 1985   pdfBrasil ditadura militar 1964 a 1985   pdf
Brasil ditadura militar 1964 a 1985 pdf
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
 
3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx
3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx
3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx
 
Resum oditaduramilitar
Resum oditaduramilitarResum oditaduramilitar
Resum oditaduramilitar
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Ditadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no BrasilDitadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no Brasil
 
Ditadura militar brasileira 1964 1985
Ditadura militar brasileira 1964   1985Ditadura militar brasileira 1964   1985
Ditadura militar brasileira 1964 1985
 
Ditadura militar no brasil
Ditadura militar no brasilDitadura militar no brasil
Ditadura militar no brasil
 

Mais de Fatima Freitas

Mato grosso do sul
Mato grosso do sulMato grosso do sul
Mato grosso do sul
Fatima Freitas
 
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
Fatima Freitas
 
Rio + 20
Rio + 20Rio + 20
Rio + 20
Fatima Freitas
 
Guerra da coreia
Guerra da coreiaGuerra da coreia
Guerra da coreia
Fatima Freitas
 
Revolução chinesa
Revolução chinesaRevolução chinesa
Revolução chinesa
Fatima Freitas
 
Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Oriente médio
Fatima Freitas
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
Fatima Freitas
 
Clima do brasil
Clima do brasilClima do brasil
Clima do brasil
Fatima Freitas
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
Fatima Freitas
 
áGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e maresáGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e mares
Fatima Freitas
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
Fatima Freitas
 
Paisagens naturais do planeta
Paisagens naturais do planetaPaisagens naturais do planeta
Paisagens naturais do planeta
Fatima Freitas
 
As paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasilAs paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasil
Fatima Freitas
 
Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido  Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido
Fatima Freitas
 
Slides a revolução industrial 2º. ano
Slides a revolução industrial   2º. anoSlides a revolução industrial   2º. ano
Slides a revolução industrial 2º. ano
Fatima Freitas
 
Antiguidade oriental mesopotâmia 1
Antiguidade oriental   mesopotâmia 1Antiguidade oriental   mesopotâmia 1
Antiguidade oriental mesopotâmia 1
Fatima Freitas
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
Fatima Freitas
 
Independência dos eua
Independência dos euaIndependência dos eua
Independência dos eua
Fatima Freitas
 
Indígenas do brasil
Indígenas do brasilIndígenas do brasil
Indígenas do brasil
Fatima Freitas
 
A escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colôniaA escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colônia
Fatima Freitas
 

Mais de Fatima Freitas (20)

Mato grosso do sul
Mato grosso do sulMato grosso do sul
Mato grosso do sul
 
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
 
Rio + 20
Rio + 20Rio + 20
Rio + 20
 
Guerra da coreia
Guerra da coreiaGuerra da coreia
Guerra da coreia
 
Revolução chinesa
Revolução chinesaRevolução chinesa
Revolução chinesa
 
Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Oriente médio
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Clima do brasil
Clima do brasilClima do brasil
Clima do brasil
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
 
áGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e maresáGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e mares
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
 
Paisagens naturais do planeta
Paisagens naturais do planetaPaisagens naturais do planeta
Paisagens naturais do planeta
 
As paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasilAs paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasil
 
Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido  Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido
 
Slides a revolução industrial 2º. ano
Slides a revolução industrial   2º. anoSlides a revolução industrial   2º. ano
Slides a revolução industrial 2º. ano
 
Antiguidade oriental mesopotâmia 1
Antiguidade oriental   mesopotâmia 1Antiguidade oriental   mesopotâmia 1
Antiguidade oriental mesopotâmia 1
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 
Independência dos eua
Independência dos euaIndependência dos eua
Independência dos eua
 
Indígenas do brasil
Indígenas do brasilIndígenas do brasil
Indígenas do brasil
 
A escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colôniaA escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colônia
 

Último

A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 

A ditadura militar no brasil

  • 1. A DITADURA MILITAR NO BRASIL (1964 – 1985) Profª. – Fatima Ap. de Freitas
  • 2. O GOLPE MILITAR • Na manhã do dia 1º. De abril de 1964, os cidadãos brasileiros acordaram ao som do movimento de tropas do exército. • Era um golpe militar que contou com o apoio de parte da sociedade civil, e depôs o presidente João Goulart, sob a justificativa de garantir a ordem e a segurança nacional, e conter as ações dos que queriam transformar o Brasil em um país socialista. • João Goulart contava com o apoio dos governadores Miguel Arraes (PE), João Dória (SE) e o ex-governador Leonel Brizola (RS). • O presidente deposto refugiou-se no Rio Grande do Sul e em seguida exilou-se no Uruguai, procurando evitar uma guerra civil. • Ranieri Mazzili presidente da Câmara dos Deputados, assume provisoriamente a presidência.
  • 3. Os golpistas • Entre os personagens que participaram do golpe estavam os militares: • Humberto de Alencar Castelo Branco, Ernesto Geisel, Orlando Geisel, Arthur da Costa e Silva, Olímpio Mourão Filho e Golbery do Couto e Silva. • Contou ainda com o apoio dos governadores: • Magalhães Pinto (MG), Carlos Lacerda (Guanabara), Adhemar de Barros (SP), Ildo Meneghetti (RS) e Ney Braga (PR).
  • 4. O ATO INSTITUCIONAL Nº. 1 • No dia 09 de abril de 1964, foi instituído o AI-1 com poderes para: – Demitir funcionários públicos (civis ou militares) leais ao antigo governo. – Cassações de mandatos de opositores do golpe por um período de dez anos. – Prisões de opositores. – Eleições indiretas para presidente. – Limitações da sociedade civil na vida política do país.
  • 5. Os militares e a perseguição política • Ações militares ao assumirem o poder: • Cassaram o mandato de muitos políticos de oposição entre os quais destacamos: Luiz Carlos Prestes, João Goulart, JK, Miguel Arraes, Jânio Quadros, Leonel Brizola, Darcy Ribeiro, etc. • Alguns artistas foram acusados de serem comunistas e perderam o emprego como Herivelto Martins, Mário Lago, Dias Gomes, Paulo Gracindo, etc. • O líder comunista Gregório bezerra foi preso, espancado e arrastado pelas ruas do Recife. • Alguns políticos conservadores que haviam apoiado o golpe esperando receber benefícios políticos foram abandonados ao ostracismo ou cassados, como Carlos Lacerda governador da Guanabara. • No dia 15 de abril, o congresso Nacional elegeu indiretamente o marechal Humberto de Alencar Castelo Branco como presidente da República.
  • 6. OS PRESIDENTES MILITARES: MÉDICI COSTA E SILVA FIGUEIREDO GEISEL CASTELLO BRANCO
  • 7. Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco (1964-67) • Eleito de forma indireta através da votação da Câmara. • PAEG (Plano de Ação Econômica do Governo): – Corte de gastos. – Aumento de tarifas e impostos. – Fim da Lei da Estabilidade. – Criação do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço). – Aumento salarial (1X ao ano) abaixo da inflação. – Restrição de crédito. – Arrocho salarial, recessão e desemprego. • Fim da Lei de Remessa de Lucros (1962). • Desvalorização monetária (cruzeiro novo). • Compra de empresas nacionais por estrangeiras. • Renegociação da dívida externa. • Novos empréstimos. • Aproximação cada vez maior com EUA.
  • 8. • Jul/64 – prorrogação do mandato presidencial até mar/67. • 1965: eleições em 11 Estados. – Candidatos governistas perdem em vários. • Out/65 : instituição do AI - nº 2. – Extinção dos antigos partidos e criação de dois novos: – ARENA (Aliança Renovadora Nacional) – partido do governo. – MDB (Movimento Democrático Brasileiro) – oposição ao governo. – Autorização para fechar órgãos legislativos.  Em fevereiro de 1966: AI - nº. 3  Eleições indiretas para governadores e  indicação de prefeitos de capitais e cidades estratégicas.
  • 9.  Em fevereiro de 1966 instituiu-se o AI - nº. 3 que estabelecia:  Eleições indiretas para governadores que seriam submetidos à aprovação das Assembléias Legislativas;  indicação de prefeitos de capitais e cidades estratégicas.  indicação de prefeitos pelos governadores.  Com o AI – nº. 4, o governo adquiriu poderes para produzir uma nova Constituição em 1967, que tinha como pontos principais:  Fortalecimento do Executivo.  Emendas constitucionais a cargo exclusivo do presidente.  Incorporação de Atos Institucionais.  LSN (Lei de Segurança Nacional) – defesa da pátria contra o “perigo comunista” (repressão consentida).
  • 10. Marechal Costa e Silva (1967 – 1969) (1967-69 • Governo marcado pelos protestos e movimentos sociais contrários à ditadura estudantes saíram em passeatas; • operários organizaram greves contra o arrocho salarial, • políticos de oposição faziam pronunciamentos contra a ditadura e organizaram uma “frente ampla” composto por padres progressistas que discursaram sobre a fome do povo e a tortura praticada pelos órgãos de segurança. • Esses eventos levaram à criação do AI-5, que restringiu os direitos civis dos brasileiros.
  • 11. • O deputado Marcio Moreira Alves (PMDB) propôs à população um boicote à parada militar de 7 de setembro. • Em dezembro de 1968, houve o fechamento do Congresso, a cassação do mandato de Márcio e de outros parlamentares e decretaram o AI – nº. 5 decretando o aumento da repressão. O Ato Institucional nº 5  O Ato autorizava o presidente da República, em caráter excepcional e, portanto, sem apreciação judicial, a:  decretar o recesso do Congresso Nacional;  intervir nos estados e municípios;  cassar mandatos de centenas de parlamentares;  suspender, por dez anos, os direitos políticos de qualquer cidadão;  e suspender a garantia do habeas-corpus • Em 1969 afastou-se do governo alegando problemas de saúde e uma junta militar composta dos ministros do exército, marinha e aeronáutica governou o país durante dois meses (31/08-22/10 de 1969). • Reconhecendo a impossibilidade de Costa e Silva a junta indicou e a ARENA referendou como sucessor o general Emílio Garrastazu Médici.
  • 12. Estudante Édson Luís Missa de 7º dia de Édson Luís Greve em Contagem - MG Manifestação estudantil Passeata dos 100 mil
  • 13. O governo Médici (1969-1974) • Período conhecido como “Anos de Chumbo” devido ao grande poder ditatorial e a violência repressiva contra as oposições acentuaram. • Os direitos dos cidadãos foram suspensos; • Qualquer um que se opusesse ao governo poderia ser preso; • O governo utilizou a TV para divulgar seus projetos para o país; • Início da ação armada contra o governo:  Guerrilha urbana (seqüestros de embaixadores e diplomatas estrangeiros, assaltos a bancos);  Guerrilha rural (Araguaia – PA)
  • 14. O Milagre Econômico (1969 – 1974):  Delfim Netto (Ministro da economia).  Crescimento de 10% ao ano.  Facilidades de crédito (bens de consumo duráveis).  Arrocho salarial (trabalhadores e sindicatos não podiam reagir à repressão política).  Investimentos externos (favorecimento do governo).  Grandes empréstimos.  Crise do petróleo e aumento da dívida externa.  O governo foi perdendo seus argumentos de prosperidade e mostrou que a ditadura não garantia desenvolvimento.  As oposições foram lentamente se reorganizando e passaram a exigir a volta da democracia.  Consequencias do milagre: aumento da dívida externa e desvalorização salarial.
  • 16. Popularidade: censura e propaganda e Slogans otimistas: SELEÇÃO TRICAMPEÃ MUNDIAL (1970)
  • 17. Governo Geisel (1974-1979) • Abertura lenta gradual e segura DE “ABERTURA DEMOCRÁTICA”. • Garantiu a realização de eleições livres para senador, deputado e vereador ( o MDB alcançou significativa vitória sobre a ARENA assustando os militares de linha dura. • Em SP foram presos e mortos nas dependências do II Exército, o jornalista Vladimir Herzog (1975) e o operário Manuel del Filho (1976), escandalizando a opinião pública. • 1976: decretou a lei Falcão: limitando a propaganda eleitoral dos candidatos no rádio e na TV, onde apareciam somente os retratos dos candidatos e um breve resumo de suas atividades políticas. • 1977: criou-se os “senadores biônicos” onde 1/3 seriam escolhidos diretamente pelo presidente, e sempre votavam a favor do governo.
  • 18. Foram mortos o jornalista Vladimir Herzog em 1975, o metalúrgico Manoel Fiel em 1976 nas dependências do DOI-CODI. Elaboração do II Plano Nacional de Desenvolvimento que previa novos empréstimos para investimentos na expansão das indústrias de bens de produção (máquinas, equipamentos pesados, aço, cobre, energia elétrica, etc.) Devido a crise do, petróleo metade das receitas das exportações era utilizada para importação do produto. Tentativa de substituir importações.
  • 19. • Reação da “Linha Dura” do exército à abertura política: Atentados terroristas em bancas de revistas, contra a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). Atentado do Riocentro (30/04/1981). Desmoralização da “Linha Dura”
  • 20. General João Figueiredo (1979-1985) • Figueiredo foi eleito com 335 votos contra 266 Votos do general Euler Monteiro. • Seu governo enfrentou críticas ao autoritarismo, sindicatos de trabalhadores, grupos de empresários, Igreja, associações artísticas e científicas, universidades e imprensa reivindicavam a redemocratização do país. • Figueiredo assumiu o compromisso de realizar a abertura política e reinstalar a democracia no Brasil. • Durante o ano de 1979 em todo o país mais de 3 milhões de trabalhadores fizeram greve (ABC paulista sob o comando de Lula). • Concedeu anistia a todos que foram punidos pela ditadura, onde muitos brasileiros regressaram do exílio.
  • 21. • Fim do bipartidarismo – surgindovários partidos: PDS no lugar da ARENA, PMDB (MDB), PT, PDT, PP, PTB. • Foram estabelecidas eleições diretas para governadores. • No plano econômico o ministro Delfim neto não conseguiu equacionar os problemas da dívida externa com o FMI. • A inflação bateu recordes históricos, 200% ao ano, e os trabalhadores tinham seus salários corroídos dia a dia pela elevação do custo de vida. • Desemprego crônico devido a falta de investimentos no setor produtivo, o que reduziu o crescimento econômico, em 1983, os níveis de desemprego eram altíssimos chegando a ocorrer uma série de saques a lojas e supermercados. • Devido ao agravamento da crise, aumentou a insatisfação popular contra o governo, e a resposta veio nas eleições de 1982, onde um grande nº. de candidatos de oposição mais populosos foram eleitos.
  • 22. OBRAS FARAÔNICAS DO REGIME MILITAR  Rodovia Transamazônica (ainda sem conclusão). Usina de Itaipu Ponte Rio-Niterói Usina Nuclear – Angra I Ponte Colombo- Salles
  • 23. O FIM DO REGIME MILITAR  A insatisfação popular foi canalizada pelas lideranças políticas de oposição para uma campanha em favor das eleições diretas para presidente.  O objetivo era fazer com que o Congresso Nacional aprovasse a emenda constitucional proposta pelo deputado Dante de Oliveira (PMDB_MT) que estabelecia eleições diretas para presidente acabando com o Colégio Eleitoral criado pelo regime militar.  A campanha pelas Diretas Já reuniu milhões de pessoas em manifestações populares realizando comícios em praças, ruas exigindo eleições diretas.  Uma série de manobras de políticas aliados dos militares derrotou a emenda e impediu a realização de eleições diretas, o deputado federal Paulo Maluf liderou o grupo, pois pretendia eleger-se através do Colégio Eleitoral.
  • 25. • Concorreram à presidência Paulo Maluf (PDS - governo) e Tancredo Neves (Aliança Democrática – composta de ex- integrantes do PDS na chamada Frente Liberal e membros do MDB). Paulo Maluf Tancredo Neves
  • 26. • Tancredo não chegou a tomar posse do cargo foi internado, submetido a várias cirurgias vindo a falecer no dia 21 de abril de 1985. • José Sarney assumiu a presidência da República. Funeral de Tancredo Neves Presidente José Sarney
  • 28. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS • História Global – Gilberto Cotrim • Coleção História Novo Olhar – Marco Pellegrini • www.portalsaofrancisco • Imagens google