SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 221
O Período Regencial
1831 - 1840
• O Brasil estava um caos com a renúncia de D.
Pedro I. As províncias estavam agitadas e os
políticos começavam a organizar partidos. D.
Pedro II, filho e sucessor de D. Pedro I, tinha
então cinco anos e só poderia governar o país
quando fosse maior de dezoito anos.
D. Pedro II:
• Como o sucessor ainda era criança,
a Constituição de 1824, no Capítulo V,
ordenava governo fosse entregue a uma
Regência até que a maioridade fosse
completada –a maioridade prevista
pelo artigo 121 da Constituição era de 18
anos completos.
• Como não havia nenhum parente próximo de
D. Pedro apto a assumir a Regência,
organizou-se a Regência Trina Provisória, que,
tinha a missão de eleger
a Regência Trina Permanente.
• A Regência Trina Provisória foi composta
por Nicolau Pereira Campos Vergueiro, José
Joaquim Carneiro de Campos e Francisco Lima
da Silva e durou apenas dois meses.
A Regência Trina Provisória:
A Regência Trina Permanente:
• Em 3 de maio, houve a eleição para a
Regência Permanente, como mandava a lei.
Em 17 de julho, aconteceu a efetivação do
governo, composta por José da Costa
Carvalho (Marquês de Monte
Alegre), Francisco Lima e Silva e João Bráulio
Muniz.
Os grupos políticos do Período
Regencial:
• No período regencial havia três grupos
políticos que disputavam o poder. Embora
todos fizessem parte da elite aristocrática
brasileira, eles tinham diferenças de
pensamento quanto à maneira de governar.
• Uma das figuras de maior destaque da
Regência Trina Permanente foi o padre Diogo
Antônio Feijó, nomeado para o cargo de
ministro da Justiça.
Padre Diogo Antônio Feijó:
• Sua principal preocupação era garantir -a
ordem pública, que interessava aos
moderados. Para isso era preciso acabar com
as agitações populares e revoltas militares que
ameaçavam o governo.
• Para impor a ordem, o governo precisava de
uma força militar que lhe fosse fiel. O Exército
não era confiável, pois parte da tropa,
composta de pessoas pobres, sempre se
colocava a favor dos que protestavam contra
o governo.
• A solução proposta pelos políticos moderados
foi a criação em 18 de agosto de 1831, da
Guarda Nacional: uma polícia de confiança
do governo e dos grandes fazendeiros.
Guarda Nacional:
• Em 1834, os políticos moderados conseguiram
fazer uma reforma na Constituição do
Império, instituindo o Ato Adicional. Por meio
dele, ficou estabelecido que a Regência seria
exercida por uma única pessoa, com mandato
de quatro anos. Surgiu então, a Regência Una.
O padre Diogo Antônio Feijó foi eleito para o
cargo.
A regência do Padre Feijó: a
explosão das rebeliões
• Ele exerceu o mandato de 1835 a 1837.
Durante sua regência, Feijó tentou conciliar os
interesses contrários das correntes políticas
do país, atendendo algumas reivindicações da
oposição. Sua regência, no entanto, foi
marcada pelo início de várias revoltas e
rebeliões separatistas, que ameaçaram a
ordem e unidade territorial do Brasil.
• Em 1835, começam a Cabanagem, no Pará; e
a Farroupilha, no Rio Grande do Sul; em 1837
a Sabinada na Bahia. Responsabilizado pela
onda de rebeliões, Feijó renunciou em 1837.
O senador pernambucano, Pedro Araújo Lima,
assumiu a regência e permaneceu no cargo
até 1840.
Pedro de Araújo Lima:
A regência de Araújo Lima:
• Ao assumir o poder, Araújo Lima montou um
ministério composto só de políticos
conservadores.
• Havia uma firme decisão do governo de usar
toda a violência contra as revoltas políticas
populares que agitavam o país (Cabanagem,
Balaiada, Sabinada, Farroupilha).
• Os fazendeiros estavam assustados, com
medo de perder suas riquezas, baseadas na
grande propriedade e na exploração dos
escravos.
• Por isso, foi criada a Lei Interpretativa do Ato
Adicional (12 de maio de 1840), que reduzia o
poder das províncias e colocava os órgãos da
Polícia e da Justiça sob o comando do regente.
A crise socioeconômica:
• No campo econômico, as exportações
brasileiras perdiam preço e mercado.
• O açúcar de cana sofria a concorrência
internacional das Antilhas, que produziam
açúcar mais barato e de melhor qualidade.
• Os Estados Unidos produziam o algodão, o
fumo também mais barato.
• Uruguai e Argentina, produziam mate e o
couro.
• O ouro era um minério quase esgotado;
portanto, nossa situação econômica era muito
desfavorável nesse momento.
• O povo da cidade e do campo levava uma vida
miserável. Os alimentos eram caros. A riqueza
e o poder estavam concentrados em mãos dos
grandes fazendeiros e comerciantes.
• No campo político, havia grande oposição ao
autoritarismo da regência. As províncias
queriam mais liberdade e autonomia.
• Queriam o direito de eleger seus próprios
presidentes (governadores)da província.
Muitos políticos das províncias pregavam a
separação do governo central.
• Essas, são algumas das causas das revoltas do
período regencial.
A Cabanagem: 1835 – 1840:
• Na região, que hoje compreende as regiões do
Pará e do Amazonas, a economia vivia em
função de atividades extrativistas (extração de
madeiras e na exploração das plantas
medicinais) e o cultivo de: cacau, algodão,
tabaco e arroz.
• A cidade de Belém era o centro do comércio
que era controlado por portugueses e
britânicos.
• Utilizava-se a mão-de-obra escrava negra e a
de índios que viviam em aldeias ou já estavam
fora das aldeias e submetidos a um regime de
semiescravidão.
• Os negros, índios e mestiços compunham a
maioria da população inferiorizada do Grão-
Pará e viviam nas pequenas ilhas e na beira
dos rios em cabanas miseráveis (daí o nome
cabanos, como eram conhecidos).
• Em 1832 os paraenses pegaram em armas
para impedir a posse de um governador
nomeado pelo governo regencial. Resistindo
à insatisfação dos paraenses, a regência
nomeou o conservador Bernardo Lobo Sousa
para governar o Grão-Pará.
• Impondo uma política repressora, Bernardo
Lobo perseguiu aqueles que oferecessem
qualquer tipo de ameaça à sua autoridade.
Isso só aumentou as tensões internas.
• No ano de 1835, um grupo de revoltosos
invadiu Belém, capital da província e
assassinou o governador. Nesse momento,
surgiram líderes da elite e das camadas
populares.
• Resistindo às tropas da regência, os cabanos
entregaram o poder para o fazendeiro Félix
Malcher. Em pouco tempo, as reivindicações
mais profundas dos populares instigou a saída
dos grandes proprietários desse movimento.
Félix Malcher:
• Com a deposição de Félix Malcher, o comando
da Cabanagem cai nas mãos dos Irmãos Pedro
e Francisco Vinagre e do seringueiro Eduardo
Angelim.
• Enquanto a rebelião se reorganizava, o
governo regencial enviou tropas lideradas
pelo mercenário inglês John Taylor.
John Taylor:
• A vitória das forças oficiais não aconteceu
totalmente. Comandando mais de 3 mil
populares, Eduardo Angelim conseguiu reaver
o controle de Belém.
• A chegada de Angelim dava esperanças de
uma vitória do levante popular. No entanto, a
ausência de outras províncias participantes e
a instabilidade política dos poderes instalados
acabou esfriando o potencial revolucionário
do movimento. No ano de 1840 a Cabanagem
chegava ao seu fim com um trágico saldo de
30 mil mortos.
• Era mais um claro exemplo que a classe
dominante não admitia a ascensão do povo ao
poder nem as manifestações populares que
colocassem em risco o domínio político da
aristocracia ( os ricos = elite).
A Revolta dos Malês – 1835:
• Em Salvador, a capital da Bahia metade da população
era formada por escravos e negros libertos de
diferentes etnias africanas como Muitos desses
africanos praticavam a religião muçulmana e, sabiam
ler e escrever eles eram chamados de malês.
• Eles prestavam pequenos serviços
(carpinteiros, serventes de pedreiro,
vendedores) ou a administravam comércios e
eram obrigados a repassar a maioria dos
ganhos para os seus donos.
Barbeiro:
• Parte desses escravos, insatisfeitos a situação,
passaram a se mobilizar em reuniões secretas,
nas quais decidiram organizar uma rebelião.
• O plano deles era tomar pontos estratégicos
da cidade de Salvador com o objetivo de
controlar o governo da capital.
• Eles escolheram o dia 25 de janeiro de 1835
para começar a revolta, porque neste dia,
grande parte da população e das autoridades
estariam ocupados com os preparativos da
festa de Nossa Senhora da Guia.
• Os malês arrecadaram dinheiro e compraram
armas para os combates. O plano do
movimento foi todo escrito em árabe. Apesar
de todo o cuidado para a execução de seus
planos, os malês acabaram prejudicados pela
delação de ex- escravas. Elas ficaram com
medo da revolta.
• Os malês queriam acabar com o catolicismo,
iriam confiscar os bens dos brancos e mulatos
(iriam matar os brancos e os mulatos) e
implantar uma república muçulmana.
• De acordo com o plano, os revoltosos sairiam
do bairro de Vitória (Salvador) e se reuniriam
com outros malês vindos de outras regiões da
cidade. Invadiriam os engenhos de açúcar e
libertariam os escravos
• A região de Água de Meninos foi onde
aconteceu o mais violento dos confrontos.
Cerca de quinhentos militares e um esquadrão
de cavalaria os malês – que gradativamente
foram empurrados em direção ao litoral. Pelo
mar, um navio com um destacamento de
marinheiros utilizado para abafar
rapidamente qualquer tipo de resistência.
• Estima-se que de 600 até 1500 africanos
participaram dessa revolta. A maioria dos
africanos muçulmanos que viviam na Bahia
naquela época, não participou do
movimento.
• Cerca de 200 integrantes da revolta foram
presos pelas forças oficiais. Todos foram
julgados pelos tribunais. Para conter outros
movimentos, as autoridades ordenaram a
execução de quatro líderes e a deportação de
setecentos envolvidos.
• O governo local, para evitar outras revoltas do
tipo, decretou leis proibindo a circulação dos
escravos à noite e a prática de suas
cerimônias religiosas.
A Sabinada (1837-1838):
Salvador:
• A Sabinada foi uma das rebeliões regenciais
que nasceu bem no meio de um período com
uma grande instabilidade política. A Sabinada
é considerada uma revolta totalmente
autônoma e aconteceu entre novembro do
ano de 1837 e março do ano de 1838, na
Bahia.
• No ano de 1837, os baianos se revoltaram quando o
governo regencial decretou a participação
obrigatória da população nas frentes da Guerra dos
Farrapos, outra rebelião que ocorria na região sul do
país. Sob o comando de Francisco Sabino Vieira,
nome que deu origem ao nome do movimento, os
revoltosos conquistaram o poderio na Bahia e
proclamaram a República Bahiense.
Francisco Sabino Álvares da Rocha
Vieira:
• Essa revolta seria uma solução provisória,
porque quando Pedro de Alcântara,
conhecido também como D. Pedro II tivesse
idade suficiente para assumir o trono, o que
deveria acontecer no ano de 1843,a Bahia
voltaria a fazer parte do Brasil. Mas até isso
acontecer , a Bahia seria uma república
independente e sem regentes.
• Eles ainda pretendiam libertar apenas os
escravos que apoiavam a revolução e que
eram nascidos no Brasil. A classe que tomou
frente desse movimento foi a classe média.
Esta era composta por comerciantes e
profissionais liberais, como médicos,
advogados e professores, que foram os
principais líderes dessa rebelião.
• Na tentativa de acabar com a revolta, o
governo da província (Bahia) mandou
soldados fortemente armados para os
sabinos, mas eles acabaram aderindo ao
movimento.
• A Câmara Municipal foi ocupada com o
comando dos militares Luiz Antônio Barbosa
de Almeida e José Duarte da Silva, do político
João Carneiro da Silva Rego e de Francisco
Sabino Vieira.
• Após conseguir a dominação em Salvador de
alguns quarteis e da própria cidade, os
revoltosos não conseguiram o apoio dos
senhores de engenho da região, pois eles
eram fieis ao governo regencial; os sabinos
também não conseguiram um apoio grande
dos escravos, e por isso foram vencidos pelas
tropas regenciais.
• Houve muita violência para conter essa
revolta, centenas de casas dos participantes
do movimento foram queimadas pelo
governo. Mais de 2 mil pessoas morreram;
Mais de 3 mil revoltosos foram presos e os
líderes da Sabinada foram perseguidos e
capturados pelas forças militares.
• Os rebeldes que sobreviveram foram
capturados e julgados por um tribunal
composto pelos donos de latifúndios da Bahia.
Três dos líderes foram executados e os outros
três deportados, entre eles Francisco Sabino
Vieira, que terminou os seus dias na Fazenda
Jacobina, na região de Cáceres, província do
Mato Grosso.
Fazenda Jacobina – Cáceres:
• Outros, como Daniel Gomes de Freitas,
Francisco José da Rocha, João Rios Ferreira e
Manoel Gomes Pereira, conseguiram fugir e
depois se juntaram à Revolução Farroupilha.
A Balaiada (1838-1841):
• Desde o início do século XIX, a s camadas
intermediárias e escravas da sociedade do
Maranhão eram afetadas pelos abusos dos
grandes proprietários de terra. As disputas
políticas e o interesse particular se
manifestavam nas rixas pessoais dos
fazendeiros e na opressão aos mais pobres.
• A Revolta recebeu o nome de Balaiada por
causa do apelido de um dos líderes do
movimento, Manoel Francisco dos Anjos
Ferreira, o "Balaio" (cestos, objetos que ele
fazia).
Estátua de Manuel Balaio:
• A Balaiada é diferente das outras revoltas que
do período regencial porque foi um
movimento popular contra os grandes
proprietários da região. As camadas sociais
que mais sofriam com a situação eram os
trabalhadores livres, camponeses, vaqueiros,
sertanejos e escravos.
• As causas da revolta estão relacionadas às
condições de miséria e opressão a que estava
submetida a população pobre da região.
Nesta época, a economia agrária do
Maranhão atravessava um período de grande
crise.
• A principal riqueza produzida na província, o
algodão, sofria forte concorrência no mercado
internacional e, com isso, o produto perdeu
preço e compradores no exterior.
• A miséria, a fome, a escravidão e os maus
tratos constituíram os principais fatores de
descontentamento popular que motivou a
mobilização dessas camadas sociais para a
luta contra as injustiças sociais.
• Os principais líderes da Balaiada foram:
Manuel Francisco dos Anjos Ferreira (O
Balaio), Raimundo Gomes Vieira (O Cara
Preta) e Cosme Bento das Chagas (O Negro
Cosme).
Cosme Bento das Chagas:
• No mês de dezembro de 1838 o líder do
movimento, Raimundo Gomes, invadiu a
prisão de Vila Manga para libertar seu irmão.
Acabou aproveitando a situação e libertando
todos outros presos.
• Mesmo sem ter sido cuidadosamente
preparada e possuir um projeto político
definido, a Balaiada eclodiu em 1838. Os
balaios conseguiram tomar a cidade de Caxias,
uma das mais importantes do Maranhão, em
1839.
Caxias:
• Para combatê-los foi nomeado Presidente e
Comandante das Armas da Província, o
coronel Luís Alves de Lima e Silva, que venceu
os revoltosos na Vila de Caxias. Por isso foi
promovido a General e recebeu o seu
primeiro título de nobreza , Barão de Caxias.
Luís Alves de Lima e Silva:
Tropas imperiais se preparam para o
combate:
• Em 1841, o último líder da Balaiada, Cosme
Bento foi capturado e enforcado. Os outros
líderes do movimento já estavam mortos:
Raimundo Gomes foi exilado para São Paulo e
morreu na viagem e o "Balaio" morreu de
gangrena após ser ferido pelos seus
companheiros.
A Guerra dos Farrapos/Revolução
Farroupilha: 1835 - 1845
• A Guerra dos Farrapos ocorreu no Rio Grande
do Sul na época em que o Brasil era
governado pelo Regente Feijó (Período
Regencial).
• A região do Rio Grande do Sul tinha um setor
agropecuário muito rico e abastecia boa parte
do Brasil com: gado, couro e charque; o
principal produto era o charque.
Estância Gaúcha:
Charque:
• O charque, além de ser o principal alimento
dos escravos e dos pobres, também era o
principal produto da economia gaúcha.
• Os comerciantes do sudeste (dominados pelos
latifundiários do centro e norte) compravam
charque mais barato do Uruguai e da
Argentina.
• Os uruguaios e argentinos vendiam barato,
porque a mercadoria era produzida com mão-
de-obra livre.
• A concorrência não agradava os fazendeiros
gaúchos que pagavam mais impostos do que
os estrangeiros.
• Por causa dos impostos, a classe dominante
do Rio Grande do Sul apoiava os ideais dos
federalistas (chamados de farroupilhas) que
queriam diminuir o poder do governo e
aumentar a autonomia da província do Rio
Grande do Sul.
• Em 1834, nas eleições para assembleia
provincial, os federalistas eram a maioria e
isso dificultou as relações com o presidente da
província (nomeado pelo regente).
• Um grande proprietário chamado Bento
Gonçalves, assumiu o comando do exército
farroupilha (formado por fazendeiros e peões)
e pouco tempo depois ocuparam Porto Alegre
iniciando a guerra.
Porto Alegre:
• Começava um movimento de ordem
republicana, onde os revoltosos começavam a
utilizar de pedaços de panos vermelho
amarrados em alguma parte de suas
vestimentas para mostrar que faziam parte
daquela revolução, foi daí que ganharam o
nome de Farrapos, devido a esses pedaços de
tecidos.
• Liderados por Bento Gonçalves, David
Canabarro, Antonio de Souza Neto, Onofre
Pires e Giuseppe Garibaldi, os farroupilhas
declararam independente a República de
Pirantini (RS – 16/11/1836) e Juliana (SC –
25/07/1839).
Bento Gonçalves:
David Canabarro:
Teixeira Nunes:
• Em 1835 Bento Gonçalves foi preso na Batalha
de Fanfa e a liderança do movimento passou
para Antônio de Souza Neto.
Antônio de Souza Neto:
Prisão de Bento Gonçalves:
• Em novembro de 1836, os revolucionários
proclamaram a República em Piratini e Bento
Gonçalves, ainda preso, foi nomeado
presidente. Somente em1837, após fugir da
prisão, é que Bento Gonçalves finalmente
assume a presidência da República de Piratini.
Bandeira:
Bento Gonçalves na prisão:
• Fingindo que ia tomar um banho de mar,
Bento começou a nadar em frente ao forte até
que, aproveitando um descuido de seus
guardas, fugiu - a nado - em direção a um
barco que estava à sua espera.
Forte de São Marcelo:
• Mesmo com as forças do exército da regência,
os farroupilhas liderados por Davi Canabarro e
Giuseppe Garibaldi, conquistaram a vila de
Laguna, em Santa Catarina, proclamando,
desta forma, a República Catarinense.
Giuseppe Garibaldi:
Transporte de barcos por terra:
Ataque à Laguna – SC:
Anita Garibaldi:
• No ano de 1842, o governo nomeou Luiz Alves
de Lima e Silva (Duque de Caxias) para colocar
fim ao conflito. Após três anos de batalha e
várias derrotas, os "Farrapos" aceitaram a paz
proposta por Duque de Caxias.
Caxias:
• Ainda em 1844, Bento Gonçalves iniciou
conversações de paz, mas retirou-se por
discordar de Caxias em pontos fundamentais,
Davi Canabarro, assumiu seu lugar.
Bento Gonçalves:
David Canabarro:
• Os farrapos queriam assinar um Tratado de
Paz, mas os imperiais rejeitavam, porque
tratados se assinam entre países, e o Império
não considerava a República Rio-Grandense
um Estado.
• Caxias contornou a situação, agradando os
interesses dos farroupilhas sem criar
constrangimentos para o Império.
Teixeira Nunes:
Lanceiro Negro:
• O Coronel Teixeira Nunes e seus lanceiros
negros foram atacados de surpresa. Quase
todos morreram, inclusive Teixeira Nunes.
Massacre do Porongo:
• Dos escravos sobreviventes, alguns
acompanharam o exército do general Antônio
Neto em seu exílio no Uruguai, outros foram
incorporados ao Exército Imperial e muitos
foram vendidos novamente como escravos no
Rio de Janeiro.
General Antonio de Souza Neto:
• A pacificação foi assinada em 1º de Março
de 1845 em Ponche Verde.
Cláusulas do Tratado de Ponche Verde:
• O Império assumia as dívidas do governo da
República;
• Os farroupilhas escolheriam o novo
presidente da província - Caxias;
Caxias:
• Os oficiais rio-grandenses seriam
incorporados ao exército imperial nos
mesmos postos, exceto os generais;
• Todos os processos da justiça republicana
continuavam válidos;
• Todos os ex - escravos que lutaram no
exército rio-grandense seriam declarados
livres (mas muitos deles foram reescravizados
depois);
• Todas as dívidas dos gaúchos foram
perdoadas e seus bens e propriedades
devolvidos.
• Todos os prisioneiros de guerra seriam
devolvidos à província.
• O governo aumentou o imposto sobre o
charque importado em 25%.
• Terminou assim a Guerra dos Farrapos, que
apesar da vitória militar do Império do Brasil
contra a República Rio-Grandense, significou a
consolidação do Rio Grande do Sul como força
política dentro do país.
Roupas da Época da Revolução:
Armas:
Canhão da época:
Fim do Período Regencial:
• Em abril de 1840, surgiu o Clube da
Maioridade, cuja atuação resultou na emenda
constitucional que antecipou a maioridade do
imperador. Desse modo, com 15 anos de
idade, Pedro de Alcântara foi coroado e
recebeu o título de Pedro II. A coroação de
Pedro II deu início ao Segundo Reinado.
Coroação de Pedro II
O período regencial   2017
O período regencial   2017

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conflitos sociais na rep. velha rurais
Conflitos sociais na rep. velha   ruraisConflitos sociais na rep. velha   rurais
Conflitos sociais na rep. velha ruraishistoriando
 
História do Brasil - Período Regencial (1831-1840)
História do Brasil - Período Regencial (1831-1840)História do Brasil - Período Regencial (1831-1840)
História do Brasil - Período Regencial (1831-1840)isameucci
 
Guerras, revoltas e revoluções brasileiras
Guerras, revoltas e revoluções brasileirasGuerras, revoltas e revoluções brasileiras
Guerras, revoltas e revoluções brasileirasRafael Ávila
 
Formação dos Estados Unidos
Formação dos Estados UnidosFormação dos Estados Unidos
Formação dos Estados UnidosJéssica Simões
 
260894843 historia-do-imperio-joao-camilo-de-oliveira-torres
260894843 historia-do-imperio-joao-camilo-de-oliveira-torres260894843 historia-do-imperio-joao-camilo-de-oliveira-torres
260894843 historia-do-imperio-joao-camilo-de-oliveira-torresMariGiopato
 
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinadoDaniel Alves Bronstrup
 
História - Revoltas no brasil
História - Revoltas no brasilHistória - Revoltas no brasil
História - Revoltas no brasilCarson Souza
 
Formação e desenvolvimento dos EUA
Formação e desenvolvimento dos EUAFormação e desenvolvimento dos EUA
Formação e desenvolvimento dos EUAPaulo Alexandre
 
História do Brasil - A América Portuguesa
História do Brasil - A América PortuguesaHistória do Brasil - A América Portuguesa
História do Brasil - A América PortuguesaDiego Silva
 
Formação da população e expansão eua
Formação da população e expansão euaFormação da população e expansão eua
Formação da população e expansão euaFernanda Lopes
 
O Período Regencial e suas revoltas
O Período Regencial e suas revoltasO Período Regencial e suas revoltas
O Período Regencial e suas revoltasaraujombarbara
 
O REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IO REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IIsabel Aguiar
 
8°ano d. pedro I e o período regencial
8°ano d. pedro I e o período regencial8°ano d. pedro I e o período regencial
8°ano d. pedro I e o período regencialKaique Alves
 

Mais procurados (20)

Conflitos sociais na rep. velha rurais
Conflitos sociais na rep. velha   ruraisConflitos sociais na rep. velha   rurais
Conflitos sociais na rep. velha rurais
 
3° ano período regencial
3° ano   período regencial3° ano   período regencial
3° ano período regencial
 
História do Brasil - Período Regencial (1831-1840)
História do Brasil - Período Regencial (1831-1840)História do Brasil - Período Regencial (1831-1840)
História do Brasil - Período Regencial (1831-1840)
 
Guerras, revoltas e revoluções brasileiras
Guerras, revoltas e revoluções brasileirasGuerras, revoltas e revoluções brasileiras
Guerras, revoltas e revoluções brasileiras
 
Estados unidos
Estados unidosEstados unidos
Estados unidos
 
Formação dos Estados Unidos
Formação dos Estados UnidosFormação dos Estados Unidos
Formação dos Estados Unidos
 
260894843 historia-do-imperio-joao-camilo-de-oliveira-torres
260894843 historia-do-imperio-joao-camilo-de-oliveira-torres260894843 historia-do-imperio-joao-camilo-de-oliveira-torres
260894843 historia-do-imperio-joao-camilo-de-oliveira-torres
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
 
Capítulo 3 - Primeira República - dominação e resistência
Capítulo 3 - Primeira República - dominação e resistênciaCapítulo 3 - Primeira República - dominação e resistência
Capítulo 3 - Primeira República - dominação e resistência
 
Brasil império
Brasil  impérioBrasil  império
Brasil império
 
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
 
História - Revoltas no brasil
História - Revoltas no brasilHistória - Revoltas no brasil
História - Revoltas no brasil
 
As 13 colônias e a crise do absolutismo
As 13 colônias e a crise do absolutismoAs 13 colônias e a crise do absolutismo
As 13 colônias e a crise do absolutismo
 
Formação e desenvolvimento dos EUA
Formação e desenvolvimento dos EUAFormação e desenvolvimento dos EUA
Formação e desenvolvimento dos EUA
 
História do Brasil - A América Portuguesa
História do Brasil - A América PortuguesaHistória do Brasil - A América Portuguesa
História do Brasil - A América Portuguesa
 
Formação da população e expansão eua
Formação da população e expansão euaFormação da população e expansão eua
Formação da população e expansão eua
 
O Período Regencial e suas revoltas
O Período Regencial e suas revoltasO Período Regencial e suas revoltas
O Período Regencial e suas revoltas
 
O REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IO REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO I
 
Eua séc XIX
Eua séc XIXEua séc XIX
Eua séc XIX
 
8°ano d. pedro I e o período regencial
8°ano d. pedro I e o período regencial8°ano d. pedro I e o período regencial
8°ano d. pedro I e o período regencial
 

Semelhante a O período regencial 2017

Conflitos sociais na rep. velha rurais
Conflitos sociais na rep. velha   ruraisConflitos sociais na rep. velha   rurais
Conflitos sociais na rep. velha ruraishistoriando
 
Conflitos sociais na rep. velha rurais
Conflitos sociais na rep. velha   ruraisConflitos sociais na rep. velha   rurais
Conflitos sociais na rep. velha ruraishistoriando
 
Conflitos sociais na rep. velha rurais
Conflitos sociais na rep. velha   ruraisConflitos sociais na rep. velha   rurais
Conflitos sociais na rep. velha ruraisNelia Salles Nantes
 
Conflitos sociais na rep. velha rurais
Conflitos sociais na rep. velha   ruraisConflitos sociais na rep. velha   rurais
Conflitos sociais na rep. velha ruraishistoriando
 
Período regencial (17 05-10)
Período regencial (17 05-10)Período regencial (17 05-10)
Período regencial (17 05-10)Bruna Sanchez
 
História-801-slide-07-10.pptx
História-801-slide-07-10.pptxHistória-801-slide-07-10.pptx
História-801-slide-07-10.pptxKanandaSilva4
 
Brasil Império2018
Brasil Império2018Brasil Império2018
Brasil Império2018Zeze Silva
 
A guerra de canudos
A guerra de canudosA guerra de canudos
A guerra de canudoshistoriando
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira Repúblicaisameucci
 
primeirarepublicacompleto-160518140115.pdf
primeirarepublicacompleto-160518140115.pdfprimeirarepublicacompleto-160518140115.pdf
primeirarepublicacompleto-160518140115.pdfSandro Nandolpho
 
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. limaA independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. limaSaulo Barreto
 

Semelhante a O período regencial 2017 (20)

O período regencial
O período regencialO período regencial
O período regencial
 
O período regencial
O período regencialO período regencial
O período regencial
 
2° ano Primeiro Reinado e Regências
2° ano   Primeiro Reinado e Regências2° ano   Primeiro Reinado e Regências
2° ano Primeiro Reinado e Regências
 
Conflitos sociais na rep. velha rurais
Conflitos sociais na rep. velha   ruraisConflitos sociais na rep. velha   rurais
Conflitos sociais na rep. velha rurais
 
Conflitos sociais na rep. velha rurais
Conflitos sociais na rep. velha   ruraisConflitos sociais na rep. velha   rurais
Conflitos sociais na rep. velha rurais
 
Conflitos sociais na rep. velha rurais
Conflitos sociais na rep. velha   ruraisConflitos sociais na rep. velha   rurais
Conflitos sociais na rep. velha rurais
 
Conflitos sociais na rep. velha rurais
Conflitos sociais na rep. velha   ruraisConflitos sociais na rep. velha   rurais
Conflitos sociais na rep. velha rurais
 
Período regencial (17 05-10)
Período regencial (17 05-10)Período regencial (17 05-10)
Período regencial (17 05-10)
 
História-801-slide-07-10.pptx
História-801-slide-07-10.pptxHistória-801-slide-07-10.pptx
História-801-slide-07-10.pptx
 
Crtl V Crtl C
Crtl V Crtl CCrtl V Crtl C
Crtl V Crtl C
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
O Primeiro Reinado e as Regências - (Apresentação em Grupo)
O Primeiro Reinado e as Regências - (Apresentação em Grupo)O Primeiro Reinado e as Regências - (Apresentação em Grupo)
O Primeiro Reinado e as Regências - (Apresentação em Grupo)
 
1º reinado
1º reinado1º reinado
1º reinado
 
Brasil Império2018
Brasil Império2018Brasil Império2018
Brasil Império2018
 
A guerra de canudos
A guerra de canudosA guerra de canudos
A guerra de canudos
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República
 
primeirarepublicacompleto-160518140115.pdf
primeirarepublicacompleto-160518140115.pdfprimeirarepublicacompleto-160518140115.pdf
primeirarepublicacompleto-160518140115.pdf
 
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. limaA independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
 
REGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASILREGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASIL
 
I reinado - Período Regencial e II Reinado
I reinado -  Período Regencial e II ReinadoI reinado -  Período Regencial e II Reinado
I reinado - Período Regencial e II Reinado
 

Mais de Nelia Salles Nantes

A ditadura militar no brasil 2017
A ditadura militar no brasil   2017A ditadura militar no brasil   2017
A ditadura militar no brasil 2017Nelia Salles Nantes
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilNelia Salles Nantes
 
2 guerra japão e estados unidos - 2017
2 guerra   japão e estados unidos - 20172 guerra   japão e estados unidos - 2017
2 guerra japão e estados unidos - 2017Nelia Salles Nantes
 
2ª guerra em imagens do dia d ao fim da guerra na europa -2017
2ª guerra em imagens   do dia d ao fim da guerra na europa -20172ª guerra em imagens   do dia d ao fim da guerra na europa -2017
2ª guerra em imagens do dia d ao fim da guerra na europa -2017Nelia Salles Nantes
 
2ª guerra áfrica italia e alemanha
2ª guerra    áfrica italia e alemanha2ª guerra    áfrica italia e alemanha
2ª guerra áfrica italia e alemanhaNelia Salles Nantes
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilNelia Salles Nantes
 
Os regimes totalitários na europa
Os regimes totalitários na europaOs regimes totalitários na europa
Os regimes totalitários na europaNelia Salles Nantes
 
A crise de 1929 e o new deal 2017
A crise de 1929 e o new deal   2017A crise de 1929 e o new deal   2017
A crise de 1929 e o new deal 2017Nelia Salles Nantes
 

Mais de Nelia Salles Nantes (20)

A ditadura militar no brasil 2017
A ditadura militar no brasil   2017A ditadura militar no brasil   2017
A ditadura militar no brasil 2017
 
Brasil 1945 1964 -
Brasil 1945   1964 -Brasil 1945   1964 -
Brasil 1945 1964 -
 
O 1º reinado
O 1º reinadoO 1º reinado
O 1º reinado
 
A independência do brasil
A independência do brasilA independência do brasil
A independência do brasil
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasil
 
2 guerra japão e estados unidos - 2017
2 guerra   japão e estados unidos - 20172 guerra   japão e estados unidos - 2017
2 guerra japão e estados unidos - 2017
 
2ª guerra em imagens do dia d ao fim da guerra na europa -2017
2ª guerra em imagens   do dia d ao fim da guerra na europa -20172ª guerra em imagens   do dia d ao fim da guerra na europa -2017
2ª guerra em imagens do dia d ao fim da guerra na europa -2017
 
2ª guerra 1942 a 1945 imagens
2ª guerra 1942 a 1945   imagens2ª guerra 1942 a 1945   imagens
2ª guerra 1942 a 1945 imagens
 
2ª guerra áfrica italia e alemanha
2ª guerra    áfrica italia e alemanha2ª guerra    áfrica italia e alemanha
2ª guerra áfrica italia e alemanha
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasil
 
A 2ª guerra mundial 2017
A 2ª guerra mundial   2017A 2ª guerra mundial   2017
A 2ª guerra mundial 2017
 
A era napoleônica 2017
A era napoleônica   2017A era napoleônica   2017
A era napoleônica 2017
 
A era napoleônica 2017
A era napoleônica   2017A era napoleônica   2017
A era napoleônica 2017
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
Os regimes totalitários na europa
Os regimes totalitários na europaOs regimes totalitários na europa
Os regimes totalitários na europa
 
A crise de 1929 e o new deal 2017
A crise de 1929 e o new deal   2017A crise de 1929 e o new deal   2017
A crise de 1929 e o new deal 2017
 
O despotismo esclarecido 2017
O despotismo esclarecido   2017O despotismo esclarecido   2017
O despotismo esclarecido 2017
 
O iluminismo 2017
O iluminismo   2017O iluminismo   2017
O iluminismo 2017
 
A república velha 2017
A república velha   2017A república velha   2017
A república velha 2017
 
Trabalho daniel
Trabalho danielTrabalho daniel
Trabalho daniel
 

Último

Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalErikOliveira40
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 

O período regencial 2017

  • 2.
  • 3. • O Brasil estava um caos com a renúncia de D. Pedro I. As províncias estavam agitadas e os políticos começavam a organizar partidos. D. Pedro II, filho e sucessor de D. Pedro I, tinha então cinco anos e só poderia governar o país quando fosse maior de dezoito anos.
  • 5. • Como o sucessor ainda era criança, a Constituição de 1824, no Capítulo V, ordenava governo fosse entregue a uma Regência até que a maioridade fosse completada –a maioridade prevista pelo artigo 121 da Constituição era de 18 anos completos.
  • 6. • Como não havia nenhum parente próximo de D. Pedro apto a assumir a Regência, organizou-se a Regência Trina Provisória, que, tinha a missão de eleger a Regência Trina Permanente.
  • 7.
  • 8. • A Regência Trina Provisória foi composta por Nicolau Pereira Campos Vergueiro, José Joaquim Carneiro de Campos e Francisco Lima da Silva e durou apenas dois meses.
  • 9. A Regência Trina Provisória:
  • 10.
  • 11. A Regência Trina Permanente: • Em 3 de maio, houve a eleição para a Regência Permanente, como mandava a lei. Em 17 de julho, aconteceu a efetivação do governo, composta por José da Costa Carvalho (Marquês de Monte Alegre), Francisco Lima e Silva e João Bráulio Muniz.
  • 12.
  • 13. Os grupos políticos do Período Regencial: • No período regencial havia três grupos políticos que disputavam o poder. Embora todos fizessem parte da elite aristocrática brasileira, eles tinham diferenças de pensamento quanto à maneira de governar.
  • 14.
  • 15.
  • 16. • Uma das figuras de maior destaque da Regência Trina Permanente foi o padre Diogo Antônio Feijó, nomeado para o cargo de ministro da Justiça.
  • 18. • Sua principal preocupação era garantir -a ordem pública, que interessava aos moderados. Para isso era preciso acabar com as agitações populares e revoltas militares que ameaçavam o governo.
  • 19. • Para impor a ordem, o governo precisava de uma força militar que lhe fosse fiel. O Exército não era confiável, pois parte da tropa, composta de pessoas pobres, sempre se colocava a favor dos que protestavam contra o governo.
  • 20. • A solução proposta pelos políticos moderados foi a criação em 18 de agosto de 1831, da Guarda Nacional: uma polícia de confiança do governo e dos grandes fazendeiros.
  • 22.
  • 23. • Em 1834, os políticos moderados conseguiram fazer uma reforma na Constituição do Império, instituindo o Ato Adicional. Por meio dele, ficou estabelecido que a Regência seria exercida por uma única pessoa, com mandato de quatro anos. Surgiu então, a Regência Una. O padre Diogo Antônio Feijó foi eleito para o cargo.
  • 24. A regência do Padre Feijó: a explosão das rebeliões
  • 25. • Ele exerceu o mandato de 1835 a 1837. Durante sua regência, Feijó tentou conciliar os interesses contrários das correntes políticas do país, atendendo algumas reivindicações da oposição. Sua regência, no entanto, foi marcada pelo início de várias revoltas e rebeliões separatistas, que ameaçaram a ordem e unidade territorial do Brasil.
  • 26.
  • 27. • Em 1835, começam a Cabanagem, no Pará; e a Farroupilha, no Rio Grande do Sul; em 1837 a Sabinada na Bahia. Responsabilizado pela onda de rebeliões, Feijó renunciou em 1837. O senador pernambucano, Pedro Araújo Lima, assumiu a regência e permaneceu no cargo até 1840.
  • 29. A regência de Araújo Lima: • Ao assumir o poder, Araújo Lima montou um ministério composto só de políticos conservadores. • Havia uma firme decisão do governo de usar toda a violência contra as revoltas políticas populares que agitavam o país (Cabanagem, Balaiada, Sabinada, Farroupilha).
  • 30. • Os fazendeiros estavam assustados, com medo de perder suas riquezas, baseadas na grande propriedade e na exploração dos escravos. • Por isso, foi criada a Lei Interpretativa do Ato Adicional (12 de maio de 1840), que reduzia o poder das províncias e colocava os órgãos da Polícia e da Justiça sob o comando do regente.
  • 31. A crise socioeconômica: • No campo econômico, as exportações brasileiras perdiam preço e mercado.
  • 32.
  • 33. • O açúcar de cana sofria a concorrência internacional das Antilhas, que produziam açúcar mais barato e de melhor qualidade.
  • 34.
  • 35.
  • 36. • Os Estados Unidos produziam o algodão, o fumo também mais barato. • Uruguai e Argentina, produziam mate e o couro. • O ouro era um minério quase esgotado; portanto, nossa situação econômica era muito desfavorável nesse momento.
  • 37. • O povo da cidade e do campo levava uma vida miserável. Os alimentos eram caros. A riqueza e o poder estavam concentrados em mãos dos grandes fazendeiros e comerciantes. • No campo político, havia grande oposição ao autoritarismo da regência. As províncias queriam mais liberdade e autonomia.
  • 38. • Queriam o direito de eleger seus próprios presidentes (governadores)da província. Muitos políticos das províncias pregavam a separação do governo central. • Essas, são algumas das causas das revoltas do período regencial.
  • 39.
  • 40. A Cabanagem: 1835 – 1840:
  • 41. • Na região, que hoje compreende as regiões do Pará e do Amazonas, a economia vivia em função de atividades extrativistas (extração de madeiras e na exploração das plantas medicinais) e o cultivo de: cacau, algodão, tabaco e arroz.
  • 42. • A cidade de Belém era o centro do comércio que era controlado por portugueses e britânicos. • Utilizava-se a mão-de-obra escrava negra e a de índios que viviam em aldeias ou já estavam fora das aldeias e submetidos a um regime de semiescravidão.
  • 43.
  • 44. • Os negros, índios e mestiços compunham a maioria da população inferiorizada do Grão- Pará e viviam nas pequenas ilhas e na beira dos rios em cabanas miseráveis (daí o nome cabanos, como eram conhecidos).
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48.
  • 49.
  • 50.
  • 51. • Em 1832 os paraenses pegaram em armas para impedir a posse de um governador nomeado pelo governo regencial. Resistindo à insatisfação dos paraenses, a regência nomeou o conservador Bernardo Lobo Sousa para governar o Grão-Pará.
  • 52. • Impondo uma política repressora, Bernardo Lobo perseguiu aqueles que oferecessem qualquer tipo de ameaça à sua autoridade. Isso só aumentou as tensões internas.
  • 53. • No ano de 1835, um grupo de revoltosos invadiu Belém, capital da província e assassinou o governador. Nesse momento, surgiram líderes da elite e das camadas populares.
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57. • Resistindo às tropas da regência, os cabanos entregaram o poder para o fazendeiro Félix Malcher. Em pouco tempo, as reivindicações mais profundas dos populares instigou a saída dos grandes proprietários desse movimento.
  • 59. • Com a deposição de Félix Malcher, o comando da Cabanagem cai nas mãos dos Irmãos Pedro e Francisco Vinagre e do seringueiro Eduardo Angelim.
  • 60.
  • 61. • Enquanto a rebelião se reorganizava, o governo regencial enviou tropas lideradas pelo mercenário inglês John Taylor.
  • 63. • A vitória das forças oficiais não aconteceu totalmente. Comandando mais de 3 mil populares, Eduardo Angelim conseguiu reaver o controle de Belém.
  • 64.
  • 65.
  • 66.
  • 67. • A chegada de Angelim dava esperanças de uma vitória do levante popular. No entanto, a ausência de outras províncias participantes e a instabilidade política dos poderes instalados acabou esfriando o potencial revolucionário do movimento. No ano de 1840 a Cabanagem chegava ao seu fim com um trágico saldo de 30 mil mortos.
  • 68.
  • 69. • Era mais um claro exemplo que a classe dominante não admitia a ascensão do povo ao poder nem as manifestações populares que colocassem em risco o domínio político da aristocracia ( os ricos = elite).
  • 70. A Revolta dos Malês – 1835:
  • 71.
  • 72. • Em Salvador, a capital da Bahia metade da população era formada por escravos e negros libertos de diferentes etnias africanas como Muitos desses africanos praticavam a religião muçulmana e, sabiam ler e escrever eles eram chamados de malês.
  • 73.
  • 74.
  • 75. • Eles prestavam pequenos serviços (carpinteiros, serventes de pedreiro, vendedores) ou a administravam comércios e eram obrigados a repassar a maioria dos ganhos para os seus donos.
  • 76.
  • 77.
  • 78.
  • 79.
  • 81.
  • 82.
  • 83. • Parte desses escravos, insatisfeitos a situação, passaram a se mobilizar em reuniões secretas, nas quais decidiram organizar uma rebelião. • O plano deles era tomar pontos estratégicos da cidade de Salvador com o objetivo de controlar o governo da capital.
  • 84.
  • 85.
  • 86. • Eles escolheram o dia 25 de janeiro de 1835 para começar a revolta, porque neste dia, grande parte da população e das autoridades estariam ocupados com os preparativos da festa de Nossa Senhora da Guia.
  • 87. • Os malês arrecadaram dinheiro e compraram armas para os combates. O plano do movimento foi todo escrito em árabe. Apesar de todo o cuidado para a execução de seus planos, os malês acabaram prejudicados pela delação de ex- escravas. Elas ficaram com medo da revolta.
  • 88.
  • 89. • Os malês queriam acabar com o catolicismo, iriam confiscar os bens dos brancos e mulatos (iriam matar os brancos e os mulatos) e implantar uma república muçulmana.
  • 90. • De acordo com o plano, os revoltosos sairiam do bairro de Vitória (Salvador) e se reuniriam com outros malês vindos de outras regiões da cidade. Invadiriam os engenhos de açúcar e libertariam os escravos
  • 91.
  • 92. • A região de Água de Meninos foi onde aconteceu o mais violento dos confrontos. Cerca de quinhentos militares e um esquadrão de cavalaria os malês – que gradativamente foram empurrados em direção ao litoral. Pelo mar, um navio com um destacamento de marinheiros utilizado para abafar rapidamente qualquer tipo de resistência.
  • 93.
  • 94.
  • 95.
  • 96. • Estima-se que de 600 até 1500 africanos participaram dessa revolta. A maioria dos africanos muçulmanos que viviam na Bahia naquela época, não participou do movimento.
  • 97. • Cerca de 200 integrantes da revolta foram presos pelas forças oficiais. Todos foram julgados pelos tribunais. Para conter outros movimentos, as autoridades ordenaram a execução de quatro líderes e a deportação de setecentos envolvidos.
  • 98. • O governo local, para evitar outras revoltas do tipo, decretou leis proibindo a circulação dos escravos à noite e a prática de suas cerimônias religiosas.
  • 101. • A Sabinada foi uma das rebeliões regenciais que nasceu bem no meio de um período com uma grande instabilidade política. A Sabinada é considerada uma revolta totalmente autônoma e aconteceu entre novembro do ano de 1837 e março do ano de 1838, na Bahia.
  • 102. • No ano de 1837, os baianos se revoltaram quando o governo regencial decretou a participação obrigatória da população nas frentes da Guerra dos Farrapos, outra rebelião que ocorria na região sul do país. Sob o comando de Francisco Sabino Vieira, nome que deu origem ao nome do movimento, os revoltosos conquistaram o poderio na Bahia e proclamaram a República Bahiense.
  • 103. Francisco Sabino Álvares da Rocha Vieira:
  • 104.
  • 105. • Essa revolta seria uma solução provisória, porque quando Pedro de Alcântara, conhecido também como D. Pedro II tivesse idade suficiente para assumir o trono, o que deveria acontecer no ano de 1843,a Bahia voltaria a fazer parte do Brasil. Mas até isso acontecer , a Bahia seria uma república independente e sem regentes.
  • 106. • Eles ainda pretendiam libertar apenas os escravos que apoiavam a revolução e que eram nascidos no Brasil. A classe que tomou frente desse movimento foi a classe média. Esta era composta por comerciantes e profissionais liberais, como médicos, advogados e professores, que foram os principais líderes dessa rebelião.
  • 107. • Na tentativa de acabar com a revolta, o governo da província (Bahia) mandou soldados fortemente armados para os sabinos, mas eles acabaram aderindo ao movimento.
  • 108. • A Câmara Municipal foi ocupada com o comando dos militares Luiz Antônio Barbosa de Almeida e José Duarte da Silva, do político João Carneiro da Silva Rego e de Francisco Sabino Vieira.
  • 109.
  • 110. • Após conseguir a dominação em Salvador de alguns quarteis e da própria cidade, os revoltosos não conseguiram o apoio dos senhores de engenho da região, pois eles eram fieis ao governo regencial; os sabinos também não conseguiram um apoio grande dos escravos, e por isso foram vencidos pelas tropas regenciais.
  • 111. • Houve muita violência para conter essa revolta, centenas de casas dos participantes do movimento foram queimadas pelo governo. Mais de 2 mil pessoas morreram; Mais de 3 mil revoltosos foram presos e os líderes da Sabinada foram perseguidos e capturados pelas forças militares.
  • 112.
  • 113. • Os rebeldes que sobreviveram foram capturados e julgados por um tribunal composto pelos donos de latifúndios da Bahia. Três dos líderes foram executados e os outros três deportados, entre eles Francisco Sabino Vieira, que terminou os seus dias na Fazenda Jacobina, na região de Cáceres, província do Mato Grosso.
  • 114.
  • 115. Fazenda Jacobina – Cáceres:
  • 116. • Outros, como Daniel Gomes de Freitas, Francisco José da Rocha, João Rios Ferreira e Manoel Gomes Pereira, conseguiram fugir e depois se juntaram à Revolução Farroupilha.
  • 118.
  • 119. • Desde o início do século XIX, a s camadas intermediárias e escravas da sociedade do Maranhão eram afetadas pelos abusos dos grandes proprietários de terra. As disputas políticas e o interesse particular se manifestavam nas rixas pessoais dos fazendeiros e na opressão aos mais pobres.
  • 120.
  • 121. • A Revolta recebeu o nome de Balaiada por causa do apelido de um dos líderes do movimento, Manoel Francisco dos Anjos Ferreira, o "Balaio" (cestos, objetos que ele fazia).
  • 122. Estátua de Manuel Balaio:
  • 123.
  • 124.
  • 125.
  • 126. • A Balaiada é diferente das outras revoltas que do período regencial porque foi um movimento popular contra os grandes proprietários da região. As camadas sociais que mais sofriam com a situação eram os trabalhadores livres, camponeses, vaqueiros, sertanejos e escravos.
  • 127. • As causas da revolta estão relacionadas às condições de miséria e opressão a que estava submetida a população pobre da região. Nesta época, a economia agrária do Maranhão atravessava um período de grande crise.
  • 128. • A principal riqueza produzida na província, o algodão, sofria forte concorrência no mercado internacional e, com isso, o produto perdeu preço e compradores no exterior.
  • 129. • A miséria, a fome, a escravidão e os maus tratos constituíram os principais fatores de descontentamento popular que motivou a mobilização dessas camadas sociais para a luta contra as injustiças sociais.
  • 130. • Os principais líderes da Balaiada foram: Manuel Francisco dos Anjos Ferreira (O Balaio), Raimundo Gomes Vieira (O Cara Preta) e Cosme Bento das Chagas (O Negro Cosme).
  • 131.
  • 132.
  • 133.
  • 134. Cosme Bento das Chagas:
  • 135. • No mês de dezembro de 1838 o líder do movimento, Raimundo Gomes, invadiu a prisão de Vila Manga para libertar seu irmão. Acabou aproveitando a situação e libertando todos outros presos.
  • 136.
  • 137. • Mesmo sem ter sido cuidadosamente preparada e possuir um projeto político definido, a Balaiada eclodiu em 1838. Os balaios conseguiram tomar a cidade de Caxias, uma das mais importantes do Maranhão, em 1839.
  • 139. • Para combatê-los foi nomeado Presidente e Comandante das Armas da Província, o coronel Luís Alves de Lima e Silva, que venceu os revoltosos na Vila de Caxias. Por isso foi promovido a General e recebeu o seu primeiro título de nobreza , Barão de Caxias.
  • 140. Luís Alves de Lima e Silva:
  • 141. Tropas imperiais se preparam para o combate:
  • 142.
  • 143.
  • 144.
  • 145. • Em 1841, o último líder da Balaiada, Cosme Bento foi capturado e enforcado. Os outros líderes do movimento já estavam mortos: Raimundo Gomes foi exilado para São Paulo e morreu na viagem e o "Balaio" morreu de gangrena após ser ferido pelos seus companheiros.
  • 146. A Guerra dos Farrapos/Revolução Farroupilha: 1835 - 1845
  • 147.
  • 148. • A Guerra dos Farrapos ocorreu no Rio Grande do Sul na época em que o Brasil era governado pelo Regente Feijó (Período Regencial).
  • 149. • A região do Rio Grande do Sul tinha um setor agropecuário muito rico e abastecia boa parte do Brasil com: gado, couro e charque; o principal produto era o charque.
  • 151.
  • 153. • O charque, além de ser o principal alimento dos escravos e dos pobres, também era o principal produto da economia gaúcha. • Os comerciantes do sudeste (dominados pelos latifundiários do centro e norte) compravam charque mais barato do Uruguai e da Argentina.
  • 154. • Os uruguaios e argentinos vendiam barato, porque a mercadoria era produzida com mão- de-obra livre. • A concorrência não agradava os fazendeiros gaúchos que pagavam mais impostos do que os estrangeiros.
  • 155.
  • 156. • Por causa dos impostos, a classe dominante do Rio Grande do Sul apoiava os ideais dos federalistas (chamados de farroupilhas) que queriam diminuir o poder do governo e aumentar a autonomia da província do Rio Grande do Sul.
  • 157. • Em 1834, nas eleições para assembleia provincial, os federalistas eram a maioria e isso dificultou as relações com o presidente da província (nomeado pelo regente).
  • 158. • Um grande proprietário chamado Bento Gonçalves, assumiu o comando do exército farroupilha (formado por fazendeiros e peões) e pouco tempo depois ocuparam Porto Alegre iniciando a guerra.
  • 160.
  • 161. • Começava um movimento de ordem republicana, onde os revoltosos começavam a utilizar de pedaços de panos vermelho amarrados em alguma parte de suas vestimentas para mostrar que faziam parte daquela revolução, foi daí que ganharam o nome de Farrapos, devido a esses pedaços de tecidos.
  • 162.
  • 163. • Liderados por Bento Gonçalves, David Canabarro, Antonio de Souza Neto, Onofre Pires e Giuseppe Garibaldi, os farroupilhas declararam independente a República de Pirantini (RS – 16/11/1836) e Juliana (SC – 25/07/1839).
  • 167. • Em 1835 Bento Gonçalves foi preso na Batalha de Fanfa e a liderança do movimento passou para Antônio de Souza Neto.
  • 169. Prisão de Bento Gonçalves:
  • 170. • Em novembro de 1836, os revolucionários proclamaram a República em Piratini e Bento Gonçalves, ainda preso, foi nomeado presidente. Somente em1837, após fugir da prisão, é que Bento Gonçalves finalmente assume a presidência da República de Piratini.
  • 171.
  • 172.
  • 174.
  • 175. Bento Gonçalves na prisão:
  • 176. • Fingindo que ia tomar um banho de mar, Bento começou a nadar em frente ao forte até que, aproveitando um descuido de seus guardas, fugiu - a nado - em direção a um barco que estava à sua espera.
  • 177. Forte de São Marcelo:
  • 178.
  • 179. • Mesmo com as forças do exército da regência, os farroupilhas liderados por Davi Canabarro e Giuseppe Garibaldi, conquistaram a vila de Laguna, em Santa Catarina, proclamando, desta forma, a República Catarinense.
  • 181. Transporte de barcos por terra:
  • 182.
  • 183. Ataque à Laguna – SC:
  • 185.
  • 186.
  • 187.
  • 188.
  • 189.
  • 190.
  • 191. • No ano de 1842, o governo nomeou Luiz Alves de Lima e Silva (Duque de Caxias) para colocar fim ao conflito. Após três anos de batalha e várias derrotas, os "Farrapos" aceitaram a paz proposta por Duque de Caxias.
  • 193. • Ainda em 1844, Bento Gonçalves iniciou conversações de paz, mas retirou-se por discordar de Caxias em pontos fundamentais, Davi Canabarro, assumiu seu lugar.
  • 196. • Os farrapos queriam assinar um Tratado de Paz, mas os imperiais rejeitavam, porque tratados se assinam entre países, e o Império não considerava a República Rio-Grandense um Estado.
  • 197. • Caxias contornou a situação, agradando os interesses dos farroupilhas sem criar constrangimentos para o Império.
  • 200.
  • 201. • O Coronel Teixeira Nunes e seus lanceiros negros foram atacados de surpresa. Quase todos morreram, inclusive Teixeira Nunes.
  • 203. • Dos escravos sobreviventes, alguns acompanharam o exército do general Antônio Neto em seu exílio no Uruguai, outros foram incorporados ao Exército Imperial e muitos foram vendidos novamente como escravos no Rio de Janeiro.
  • 204. General Antonio de Souza Neto:
  • 205. • A pacificação foi assinada em 1º de Março de 1845 em Ponche Verde.
  • 206.
  • 207. Cláusulas do Tratado de Ponche Verde: • O Império assumia as dívidas do governo da República; • Os farroupilhas escolheriam o novo presidente da província - Caxias;
  • 209. • Os oficiais rio-grandenses seriam incorporados ao exército imperial nos mesmos postos, exceto os generais; • Todos os processos da justiça republicana continuavam válidos;
  • 210. • Todos os ex - escravos que lutaram no exército rio-grandense seriam declarados livres (mas muitos deles foram reescravizados depois); • Todas as dívidas dos gaúchos foram perdoadas e seus bens e propriedades devolvidos.
  • 211. • Todos os prisioneiros de guerra seriam devolvidos à província. • O governo aumentou o imposto sobre o charque importado em 25%.
  • 212. • Terminou assim a Guerra dos Farrapos, que apesar da vitória militar do Império do Brasil contra a República Rio-Grandense, significou a consolidação do Rio Grande do Sul como força política dentro do país.
  • 213. Roupas da Época da Revolução:
  • 214. Armas:
  • 215.
  • 216.
  • 218. Fim do Período Regencial: • Em abril de 1840, surgiu o Clube da Maioridade, cuja atuação resultou na emenda constitucional que antecipou a maioridade do imperador. Desse modo, com 15 anos de idade, Pedro de Alcântara foi coroado e recebeu o título de Pedro II. A coroação de Pedro II deu início ao Segundo Reinado.