SlideShare uma empresa Scribd logo
White Fang- Jack London
White Fang- Jack London
 Contexto Histórico
 O Centro-oeste dos Estados Unidos começou a
ser explorado por caçadores e armadilheiros,
buscando peles valiosas. Os trappers e
cowboys passaram a figurar nos livros de
ficção.Muitas obras inspiraram-se na marcha
para o Oeste, nas caravanas de carroças em
que , famílias inteiras, carregando seus bens
caseiros, se punham a caminho, à busca de um
pouso que lhes pertenceria. Eram os chamados
“pioneers”.
White Fang- Jack London
 Wild West
 A invasão do extremo oeste, no momento em
que a descoberta das riquezas minerais e a
propaganda de suas possibilidades começou a
empolgar a imaginação, encheu de
aventureiros os vastos territórios do
universalmente denominado Wild West.
 Durante muito tempo, não existiu ali nenhuma
forma de lei. Essa última fase de ocupação
baseou-se em tumultuosas expedições com
meta no ouro da Califórnia.
White Fang- Jack London
 Foi uma época conduzida por gente mais
interessada em levar embora as riquezas da
terra do que em se estabelecer para trabalhar.
Eram homens que chegavam dispostos a tudo,
ávidos de lucro, honesto ou desonesto. Levas
de espertalhões e vigaristas acompanharam a
invasão. Ali se encontrava tudo que fazia a
América parecer admirável a uns e execrável a
outros. Estamos falando da segunda metade
do século XIX.
White Fang- Jack London
 Bret Harte foi o primeiro a esboçar o quadro
que seria tão abundantemente explorado na
literatura e no cinema. Ele foi um contista
pitoresco e romântico, sem realismo e
frequentemente sem realidade. Jack
London(1876-1916) alcançou o Far West na
fase em que os caçadores de ouro iam além
das planícies dos vaqueiros e além das minas
californianas, buscando, nas regiões geladas,
onde ninguém havia ainda pisado, a riqueza
dos minérios que constava haver ali também.
White Fang- Jack London
 Retratou exploradores solitários, confiantes na
robustez da vontade e dos músculos. Foi
desses homens, que nas regiões do Klondike
e do rio Yukon enfrentavam neves e ventos,
viajando em trenós puxados por cães, até às
vezes virem a morrer em acampamentos
perdidos, repetindo em terra os feitos dos
Vikings. Nesse meio, acha-se o melhor de
Jack London, os escritos que permitiram a
seus patrícios acompanhar os pioneiros até o
fim do território americano.
White Fang- Jack London
 A história de Jack London
 Flora Wellman enfrentou grandes dificuldades para
parir o parrudo John. Primeiro, foi abandonada pelo
pai da criança, William Chaney, astrólogo, jornalista,
andarilho e hippie fora do tempo corria o ano de 1876.
Depois, com a deserção de seu amante, teve de
resistir às várias sugestões que recebeu para que
abortasse o rebento. Doente e debilitada, Flora casou,
sete meses depois do parto, com um veterano de
guerra chamado John London. Daí o sobrenome com
que o jovem John Griffith entrou para a história da
literatura.
White Fang- Jack London
 John, ou melhor, Jack, viveu uma infância
dura e infeliz em Oakland, uma região pobre
de San Francisco. Na adolescência, trabalhou
como e onde podia. Percorreu os Estados
Unidos como marujo, a exemplo de milhares
de outros desempregados no começo do
século. Essa peregrinação acabou
conduzindo-o à militância política. Aos 19
anos, Jack era conhecido como o Garoto
Socialista de Oakland. Candidatou-se várias
vezes a prefeito da cidade, sem êxito.
White Fang- Jack London
 Em seguida, Jack trocou a política pela
literatura. Em 1897, passou o inverno na região
do Yukon, no Canadá, e a junção da infância
sofrida, da militância política e da dureza das
condições de vida no Alaska acabou criando
um estilo de literatura e de vida: Jack se
transformava num romancista da natureza e
dos homens rudes, ao mesmo tempo em que
criava para si mesmo a figura de um homem
aguerrido, sempre disposto a enfrentar
polêmicas.
White Fang- Jack London
 Seu livro Chamado Selvagem, publicado em
1903, quando tinha apenas 29 anos, o levou à
condição de autor mais lido nos EUA nas
primeiras décadas do século. Caninos Brancos
é um clássico de aventuras e O Tacão de Ferro
é considerado uma premonição o primeiro texto
que prevê a ascensão do nazismo na Europa.
Jack escreveu mais de 50 livros em cerca de 15
anos. Entrementes, decidiu fixar-se em Londres.
Investiu suas economias numa casa que
chamou de Wolf House.
White Fang- Jack London
 Em agosto de 1913, dias antes de ser habitada,
a casa foi consumida por um incêndio.
 Nada restou e reconstruir a Wolf House foi uma
fixação que o acompanhou pela vida, junto com
a depressão decorrente do fracasso.
Contraditório, autodidata, Jack defendia ao
mesmo tempo as idéias ascendentes do
socialismo do começo do século. Lênin o citava
como exemplo de escritor e as do mais
extremado individualismo. Seus personagens
traziam sempre um estigma de dor e sofrimento.
White Fang- Jack London
 Depois de cruzar o Pacífico Sul por 27 meses
num veleiro, já corroído pelas doenças (entre as
quais a uremia) e pelo cansaço, Jack se
acomoda em Sonoma Valley, região da
Califórnia onde constrói seu rancho. Estava
cansado de cidades e pessoas. Em 22 de
novembro de 1916, veio a morte, causada por
ingestão exagerada de barbitúricos. Foi sua
última polêmica, dividindo seus biógrafos entre
os que acreditam na morte acidental e os que
defendem a tese de morte induzida. Mesmo na
morte, Jack não deixou certezas nem quietudes.
White Fang- Jack London
 Nada melhor que seu texto preferido para
definir a si mesmo:
 “Prefiro ser cinzas do que pó. Prefiro ser
um soberbo meteoro, todo átomo em
magnífica explosão, do que um planeta
eternamente adormecido. A verdadeira
função do homem é viver, e não apenas
existir. Não gastarei meu tempo tentando
prolongar esse tempo, usarei esse tempo,
todo o tempo, para viver.”

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a White Fang Jack London

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Carolina Matuck
 
Aula 9 Washington Irving
Aula 9 Washington IrvingAula 9 Washington Irving
Aula 9 Washington Irving
Sirley Strobel
 
A pérola port 9º ano
A pérola port 9º anoA pérola port 9º ano
A pérola port 9º ano
Rute Simão
 
Charles Dickens
Charles DickensCharles Dickens
Charles Dickens
BecreStuart
 
Jorge Amado doo Brasil
Jorge Amado doo BrasilJorge Amado doo Brasil
Jorge Amado doo Brasil
Escola Estadual Joaquim Abarca -
 
Beatriz romão
Beatriz romãoBeatriz romão
Beatriz romão
Catarina Batista
 
Mark twain
Mark twainMark twain
Mark twain
tessvalente
 
Charles dickens
Charles dickensCharles dickens
Charles dickens
Armanda Ribeiro
 
Lançamentosde outubro da edtora Planeta
Lançamentosde outubro da edtora PlanetaLançamentosde outubro da edtora Planeta
Lançamentosde outubro da edtora Planeta
Claudia Valeria Ortega
 
Washington Irving
Washington IrvingWashington Irving
Washington Irving
Vinicius Husein
 
Destaques Enciclopédia 01-12-2014 a 07-12-2014
Destaques Enciclopédia 01-12-2014 a 07-12-2014Destaques Enciclopédia 01-12-2014 a 07-12-2014
Destaques Enciclopédia 01-12-2014 a 07-12-2014
Umberto Neves
 
A pérola
A pérolaA pérola
A pérola
Vanda Marques
 
Érico Veríssimo Vida e Obra
Érico Veríssimo Vida e ObraÉrico Veríssimo Vida e Obra
Érico Veríssimo Vida e Obra
JuSiilvah
 
Tem o poder de mudar opiniões e valores
Tem o poder de mudar opiniões e valoresTem o poder de mudar opiniões e valores
Tem o poder de mudar opiniões e valores
Ana Letra
 
Tem o poder de mudar opiniões e valores
Tem o poder de mudar opiniões e valoresTem o poder de mudar opiniões e valores
Tem o poder de mudar opiniões e valores
Ana Letra
 
Negros nas hqs parte 02
Negros nas hqs parte 02Negros nas hqs parte 02
Negros nas hqs parte 02
IFMT - Pontes e Lacerda
 
Aula 2 - Gabriel García Márquez
Aula 2 - Gabriel García MárquezAula 2 - Gabriel García Márquez
Aula 2 - Gabriel García Márquez
isadoravivacqua
 
As minas do rei salomão
As minas do rei salomãoAs minas do rei salomão
As minas do rei salomão
letrasbriteiros
 
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
Umberto Neves
 
Aula 2 [3º ano - 2022] - Industrialização e imperialismo
Aula 2 [3º ano - 2022] - Industrialização e imperialismoAula 2 [3º ano - 2022] - Industrialização e imperialismo
Aula 2 [3º ano - 2022] - Industrialização e imperialismo
Gerson Coppes
 

Semelhante a White Fang Jack London (20)

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Aula 9 Washington Irving
Aula 9 Washington IrvingAula 9 Washington Irving
Aula 9 Washington Irving
 
A pérola port 9º ano
A pérola port 9º anoA pérola port 9º ano
A pérola port 9º ano
 
Charles Dickens
Charles DickensCharles Dickens
Charles Dickens
 
Jorge Amado doo Brasil
Jorge Amado doo BrasilJorge Amado doo Brasil
Jorge Amado doo Brasil
 
Beatriz romão
Beatriz romãoBeatriz romão
Beatriz romão
 
Mark twain
Mark twainMark twain
Mark twain
 
Charles dickens
Charles dickensCharles dickens
Charles dickens
 
Lançamentosde outubro da edtora Planeta
Lançamentosde outubro da edtora PlanetaLançamentosde outubro da edtora Planeta
Lançamentosde outubro da edtora Planeta
 
Washington Irving
Washington IrvingWashington Irving
Washington Irving
 
Destaques Enciclopédia 01-12-2014 a 07-12-2014
Destaques Enciclopédia 01-12-2014 a 07-12-2014Destaques Enciclopédia 01-12-2014 a 07-12-2014
Destaques Enciclopédia 01-12-2014 a 07-12-2014
 
A pérola
A pérolaA pérola
A pérola
 
Érico Veríssimo Vida e Obra
Érico Veríssimo Vida e ObraÉrico Veríssimo Vida e Obra
Érico Veríssimo Vida e Obra
 
Tem o poder de mudar opiniões e valores
Tem o poder de mudar opiniões e valoresTem o poder de mudar opiniões e valores
Tem o poder de mudar opiniões e valores
 
Tem o poder de mudar opiniões e valores
Tem o poder de mudar opiniões e valoresTem o poder de mudar opiniões e valores
Tem o poder de mudar opiniões e valores
 
Negros nas hqs parte 02
Negros nas hqs parte 02Negros nas hqs parte 02
Negros nas hqs parte 02
 
Aula 2 - Gabriel García Márquez
Aula 2 - Gabriel García MárquezAula 2 - Gabriel García Márquez
Aula 2 - Gabriel García Márquez
 
As minas do rei salomão
As minas do rei salomãoAs minas do rei salomão
As minas do rei salomão
 
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
 
Aula 2 [3º ano - 2022] - Industrialização e imperialismo
Aula 2 [3º ano - 2022] - Industrialização e imperialismoAula 2 [3º ano - 2022] - Industrialização e imperialismo
Aula 2 [3º ano - 2022] - Industrialização e imperialismo
 

Mais de BriefCase

República brasileira
República brasileiraRepública brasileira
República brasileira
BriefCase
 
Nazismo na Alemanha 2010
Nazismo na Alemanha   2010Nazismo na Alemanha   2010
Nazismo na Alemanha 2010
BriefCase
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
BriefCase
 
Questão Palestina
Questão PalestinaQuestão Palestina
Questão Palestina
BriefCase
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
BriefCase
 
Grandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais ExercíciosGrandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais Exercícios
BriefCase
 
Funções quimica organica
Funções quimica organicaFunções quimica organica
Funções quimica organica
BriefCase
 
Enzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos geraisEnzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos gerais
BriefCase
 
Resumão Dom Casmurro
Resumão Dom CasmurroResumão Dom Casmurro
Resumão Dom Casmurro
BriefCase
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
BriefCase
 
Egito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e GréciaEgito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e Grécia
BriefCase
 
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesaBaixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
BriefCase
 
As reformas religiosas
As reformas religiosasAs reformas religiosas
As reformas religiosas
BriefCase
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
BriefCase
 
A economia mineradora
A economia mineradoraA economia mineradora
A economia mineradora
BriefCase
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média
BriefCase
 
Aspectos políticos da colônia portuguesa
Aspectos políticos da colônia portuguesaAspectos políticos da colônia portuguesa
Aspectos políticos da colônia portuguesa
BriefCase
 
As revoluções inglesas do século XVII
As revoluções inglesas do século XVIIAs revoluções inglesas do século XVII
As revoluções inglesas do século XVII
BriefCase
 
A Palestina dos Hebreus
A Palestina dos HebreusA Palestina dos Hebreus
A Palestina dos Hebreus
BriefCase
 
01
0101

Mais de BriefCase (20)

República brasileira
República brasileiraRepública brasileira
República brasileira
 
Nazismo na Alemanha 2010
Nazismo na Alemanha   2010Nazismo na Alemanha   2010
Nazismo na Alemanha 2010
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
 
Questão Palestina
Questão PalestinaQuestão Palestina
Questão Palestina
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Grandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais ExercíciosGrandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais Exercícios
 
Funções quimica organica
Funções quimica organicaFunções quimica organica
Funções quimica organica
 
Enzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos geraisEnzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos gerais
 
Resumão Dom Casmurro
Resumão Dom CasmurroResumão Dom Casmurro
Resumão Dom Casmurro
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
Egito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e GréciaEgito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e Grécia
 
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesaBaixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
 
As reformas religiosas
As reformas religiosasAs reformas religiosas
As reformas religiosas
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
 
A economia mineradora
A economia mineradoraA economia mineradora
A economia mineradora
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média
 
Aspectos políticos da colônia portuguesa
Aspectos políticos da colônia portuguesaAspectos políticos da colônia portuguesa
Aspectos políticos da colônia portuguesa
 
As revoluções inglesas do século XVII
As revoluções inglesas do século XVIIAs revoluções inglesas do século XVII
As revoluções inglesas do século XVII
 
A Palestina dos Hebreus
A Palestina dos HebreusA Palestina dos Hebreus
A Palestina dos Hebreus
 
01
0101
01
 

White Fang Jack London

  • 2. White Fang- Jack London  Contexto Histórico  O Centro-oeste dos Estados Unidos começou a ser explorado por caçadores e armadilheiros, buscando peles valiosas. Os trappers e cowboys passaram a figurar nos livros de ficção.Muitas obras inspiraram-se na marcha para o Oeste, nas caravanas de carroças em que , famílias inteiras, carregando seus bens caseiros, se punham a caminho, à busca de um pouso que lhes pertenceria. Eram os chamados “pioneers”.
  • 3. White Fang- Jack London  Wild West  A invasão do extremo oeste, no momento em que a descoberta das riquezas minerais e a propaganda de suas possibilidades começou a empolgar a imaginação, encheu de aventureiros os vastos territórios do universalmente denominado Wild West.  Durante muito tempo, não existiu ali nenhuma forma de lei. Essa última fase de ocupação baseou-se em tumultuosas expedições com meta no ouro da Califórnia.
  • 4. White Fang- Jack London  Foi uma época conduzida por gente mais interessada em levar embora as riquezas da terra do que em se estabelecer para trabalhar. Eram homens que chegavam dispostos a tudo, ávidos de lucro, honesto ou desonesto. Levas de espertalhões e vigaristas acompanharam a invasão. Ali se encontrava tudo que fazia a América parecer admirável a uns e execrável a outros. Estamos falando da segunda metade do século XIX.
  • 5. White Fang- Jack London  Bret Harte foi o primeiro a esboçar o quadro que seria tão abundantemente explorado na literatura e no cinema. Ele foi um contista pitoresco e romântico, sem realismo e frequentemente sem realidade. Jack London(1876-1916) alcançou o Far West na fase em que os caçadores de ouro iam além das planícies dos vaqueiros e além das minas californianas, buscando, nas regiões geladas, onde ninguém havia ainda pisado, a riqueza dos minérios que constava haver ali também.
  • 6. White Fang- Jack London  Retratou exploradores solitários, confiantes na robustez da vontade e dos músculos. Foi desses homens, que nas regiões do Klondike e do rio Yukon enfrentavam neves e ventos, viajando em trenós puxados por cães, até às vezes virem a morrer em acampamentos perdidos, repetindo em terra os feitos dos Vikings. Nesse meio, acha-se o melhor de Jack London, os escritos que permitiram a seus patrícios acompanhar os pioneiros até o fim do território americano.
  • 7. White Fang- Jack London  A história de Jack London  Flora Wellman enfrentou grandes dificuldades para parir o parrudo John. Primeiro, foi abandonada pelo pai da criança, William Chaney, astrólogo, jornalista, andarilho e hippie fora do tempo corria o ano de 1876. Depois, com a deserção de seu amante, teve de resistir às várias sugestões que recebeu para que abortasse o rebento. Doente e debilitada, Flora casou, sete meses depois do parto, com um veterano de guerra chamado John London. Daí o sobrenome com que o jovem John Griffith entrou para a história da literatura.
  • 8. White Fang- Jack London  John, ou melhor, Jack, viveu uma infância dura e infeliz em Oakland, uma região pobre de San Francisco. Na adolescência, trabalhou como e onde podia. Percorreu os Estados Unidos como marujo, a exemplo de milhares de outros desempregados no começo do século. Essa peregrinação acabou conduzindo-o à militância política. Aos 19 anos, Jack era conhecido como o Garoto Socialista de Oakland. Candidatou-se várias vezes a prefeito da cidade, sem êxito.
  • 9. White Fang- Jack London  Em seguida, Jack trocou a política pela literatura. Em 1897, passou o inverno na região do Yukon, no Canadá, e a junção da infância sofrida, da militância política e da dureza das condições de vida no Alaska acabou criando um estilo de literatura e de vida: Jack se transformava num romancista da natureza e dos homens rudes, ao mesmo tempo em que criava para si mesmo a figura de um homem aguerrido, sempre disposto a enfrentar polêmicas.
  • 10. White Fang- Jack London  Seu livro Chamado Selvagem, publicado em 1903, quando tinha apenas 29 anos, o levou à condição de autor mais lido nos EUA nas primeiras décadas do século. Caninos Brancos é um clássico de aventuras e O Tacão de Ferro é considerado uma premonição o primeiro texto que prevê a ascensão do nazismo na Europa. Jack escreveu mais de 50 livros em cerca de 15 anos. Entrementes, decidiu fixar-se em Londres. Investiu suas economias numa casa que chamou de Wolf House.
  • 11. White Fang- Jack London  Em agosto de 1913, dias antes de ser habitada, a casa foi consumida por um incêndio.  Nada restou e reconstruir a Wolf House foi uma fixação que o acompanhou pela vida, junto com a depressão decorrente do fracasso. Contraditório, autodidata, Jack defendia ao mesmo tempo as idéias ascendentes do socialismo do começo do século. Lênin o citava como exemplo de escritor e as do mais extremado individualismo. Seus personagens traziam sempre um estigma de dor e sofrimento.
  • 12. White Fang- Jack London  Depois de cruzar o Pacífico Sul por 27 meses num veleiro, já corroído pelas doenças (entre as quais a uremia) e pelo cansaço, Jack se acomoda em Sonoma Valley, região da Califórnia onde constrói seu rancho. Estava cansado de cidades e pessoas. Em 22 de novembro de 1916, veio a morte, causada por ingestão exagerada de barbitúricos. Foi sua última polêmica, dividindo seus biógrafos entre os que acreditam na morte acidental e os que defendem a tese de morte induzida. Mesmo na morte, Jack não deixou certezas nem quietudes.
  • 13. White Fang- Jack London  Nada melhor que seu texto preferido para definir a si mesmo:  “Prefiro ser cinzas do que pó. Prefiro ser um soberbo meteoro, todo átomo em magnífica explosão, do que um planeta eternamente adormecido. A verdadeira função do homem é viver, e não apenas existir. Não gastarei meu tempo tentando prolongar esse tempo, usarei esse tempo, todo o tempo, para viver.”