SlideShare uma empresa Scribd logo
GEOGRAFIA DE GOIÁS
Professor: Frederico Marques Sodré
População do estado de Goiás
 Goiás é uma das unidades federativas que
integram a região Centro-Oeste. Sua extensão
territorial é de 340.103,467 quilômetros
quadrados, correspondendo a 4% do território
nacional.
 Conforme contagem populacional realizada em
2010 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística (IBGE), sua população
totaliza 6.003.788 habitantes, distribuídos em
246 municípios, sendo o estado mais populoso
do Centro-Oeste. O crescimento demográfico é
de 1,8% ao ano e a densidade demográfica é de
17,6 habitantes por quilômetro quadrado.
 O povoamento do estado de Goiás intensificou-se
em decorrência de uma série de políticas públicas
para a ocupação e desenvolvimento econômico da
porção oeste do território brasileiro, a chamada
Marcha para o Oeste. Houve a expansão da fronteira
agrícola e maiores investimentos em infraestrutura
no estado, além da construção da nova capital,
Goiânia, e da capital Federal, Brasília. Fatos estes
que desencadearam grandes fluxos migratórios para
Goiás.
 Como resultado dessa política de incentivo à
ocupação do oeste brasileiro, a população de Goiás
teve um aumento significativo, principalmente após
o ano de 1950. Neste, segundo dados do IBGE, havia
1.010.880 habitantes no estado, população essa que
atingiu, conforme dados do mesmo instituto,
6.003.788 habitantes em 2010.
A Economia do estado de Goiás
 Localizado na região Centro-Oeste, na qual a
atividade agropecuária tem grande destaque,
Goiás apresenta extensas áreas de pastagens e
lavouras. Quase metade do território goiano é
formada por latifúndios rurais, ou seja,
propriedades com mais de mil hectares.
 Em 2008, a contribuição de Goiás para o Produto
Interno Bruto (PIB) brasileiro foi de 2,5% e, no
âmbito regional, sua participação foi de 27,6%.
A composição do PIB goiano é a seguinte:
 Agropecuária:11%
Indústria:27%
Serviços: 62%
 A agropecuária goiana tem grande importância no cenário
econômico nacional, uma vez que sua produção de carnes e
grãos impulsiona a exportação estadual.
 Goiás é um dos maiores produtores de tomate, milho e soja
do Brasil. Responsável por 33% da produção nacional de
sorgo, Goiás é o principal produtor desse grão no país.
 Outros cultivos importantes são: algodão, cana-de-açúcar,
café, arroz, feijão, trigo e alho.
A pecuária, por sua vez, está em constante expansão. O
estado possui, atualmente, o terceiro maior rebanho
bovino do país. O aspecto negativo com relação à
agropecuária é que ela é a principal atividade responsável
pela destruição do bioma Cerrado, visto que desencadeia
constantes desmatamentos e degradação do solo.
 Goiás também possui reservas minerais. Entre essas,
destacam-se os municípios de Minaçu (extração de
amianto), Niquelândia e Barro Alto (níquel), além de
Catalão (fosfato)
INDÚSTRIAS DE GOIÁS
Movimento do PIB Goiano
Dados feito pelo Instituto Mauro Borges da Secretaria de Gestão e
Planejamento mostram que a economia goiana conseguiu suportar as
intempéries do cenário nacional e teve um recuo do Produto Interno Bruto
(PIB) abaixo da média brasileira.
Os dados divulgados mostram que o setor agropecuário foi o
responsável por segurar a economia goiana em 2016, fechando o ano com
crescimento de 0,6%. A recuperação do setor foi especialmente
significativa no quarto trimestre, com alta de 4,9%. Enquanto isso, em
todo o Brasil, a agropecuária recuou 6,6% no período.
Perspectiva:
A estimativa preliminar do IMB aponta
que os valores correntes do PIB de Goiás
chegaram a R$ 178,9 bilhões em 2016. Para 2017,
a perspectiva é de um cenário mais favorável, com
a alta nos preços das commodities, a recuperação
da produção agrícola e industrial e o crescimento
das exportações e geração de novos postos de
trabalho.
FONTE: Comunicação Setorial da Segplan
 O que é PIB:
 PIB é a sigla para Produto Interno Bruto, e representa a soma, em
valores monetários, de todos os bens e serviços finais
produzidos numa determinada região, durante um determinado
período.
 Políticas públicas De Goiás :
 A questão das desigualdades regionais começou a fazer parte da
agenda de política pública brasileira no final dos anos de 1950, por tanto
as políticas públicas de desenvolvimento regional sustentável tem como
objetivo propostas de inclusão social, acesso ao crédito, geração de
emprego e renda são necessárias para o desenvolvimento
socioeconômico regional. Neste contexto, o Fundo Constitucional do
Centro-Oeste (FCO) rural aparece como fonte de financiamento para o
desenvolvimento sustentável do setor rural.
As prioridades na aplicação dos recursos dos
fundos concentram-se nas seguintes
atividades:
 Projetos de apoio à agricultura familiar;
 Projetos com alto grau de geração de
emprego e renda e/ou da economia
solidária e/ou que possibilitem a
estruturação e o fortalecimento de cadeias
produtivas;
 Projetos voltados para a preservação e a
recuperação do meio ambiente;
 Projetos que utilizem tecnologias
inovadoras; e) Projetos do setor de
turismo;
 Projetos da indústria de alimentos;
 Projetos dos setores comercial e de
serviços
Polo Industrial de Goianésia:
 Goialli
 Usina Jales Machado
 Usina Codora
 Usina Goianésia
 Hering
 ...
Jalles Machado:
A Jalles Machado é fruto do espírito
empreendedor de Otávio Lage de Siqueira. A empresa já
nasceu com uma missão social: gerar mais empregos e
renda para Goianésia - GO. E hoje, é referência em
qualidade, responsabilidade social, além de estar
presente em várias partes do mundo com a marca Itajá.
Atualmente, são duas unidades industriais que geram
cerca de 3.700 empregos diretos e fazem da cana a
principal atividade econômica do município.
Agricultura e Pecuária do
estado de Goiás
 O setor agropecuário tem sido tradicionalmente
a base da economia goiana. Nas três últimas
décadas do século XX, Goiás foi uma das regiões
de fronteira agrícola mais expressivas do país.
Em muitas culturas, como soja, milho, arroz,
feijão, tornou-se, naquele período, um dos
maiores produtores do país. A principal área
agrícola e pastoril do estado é a região do Mato
Grosso de Goiás, onde se pratica uma agricultura
diversificada, com arroz, milho, soja, feijão,
algodão e mandioca.
 Apesar de possuir o segundo rebanho do país, Goiás
observa uma tradição de baixa produtividade, tanto
em nível de fertilidade quanto de idade de abate dos
animais, idade de primeira parição e produção
leiteira. A bovinocultura de corte representa um
segmento de importância fundamental para a
economia do estado, tanto como fonte de divisas,
pelos excedentes exportáveis, quanto pelo
expressivo contingente de mão-de-obra ocupado
nessa atividade.
 Nos pastos plantados em antigos terrenos florestais
(invernadas) engordam-se bovinos, criados nas áreas
de cerrado, e mantém-se um rebanho de gado
leiteiro. O vale do Paranaíba é a segunda região
econômica de Goiás e maior produtora de arroz e
abacaxi. Cultivam-se também milho, soja, feijão e
mandioca. É grande o rebanho de leite e corte
A soja no estado de Goiás
 A soja é o principal produto agrícola do estado.
 Introduzida em 1980, a cultura foi aperfeiçoada pela obtenção de
sementes adaptadas ao cerrado e aplicação de calcário e outros
elementos para combater a acidez do solo.
 Com o lançamento de novas variedades de grãos mais resistentes
à armazenagem e às pragas, registrou-se forte aumento de
produtividade. A cultura do milho é geralmente associada à
criação de suínos e ao plantio de feijão. A cana-de-açúcar e a
mandioca têm caráter de lavouras de subsistência e servem ao
fabrico de farinha, aguardente e rapadura. O extrativismo vegetal
inclui babaçu, casca de angico, pequi e exploração de madeira,
principalmente mogno.
 Na produção de grãos, Goiás (9,9%) representa a 4ª posição na
avaliação para 2017, ficando atrás somente dos Estados de Mato
Grosso (25,3%), Paraná (18,3%) e Rio Grande do Sul (14,8%).
Esses dados constam de divulgação do IBGE.
 A agricultura foi o carro-chefe do processo de desenvolvimento do
Estado de Goiás. No início esteve voltada para o autoconsumo,
mas a partir dos anos 70, e, principalmente dos anos 80 a
industrialização ganha força no campo.
 No estado de Goiás, a soja introduziu-se e
expandiu-se pela porção sul, substituindo áreas
de cultivos anuais tradicionais e de subsistência.
 O cultivo da soja 1º Sorgo 43,34% 2º Algodão
20,99% 3º Tomate 12,83% 4º Soja 10,80% 3º
Alho 10,12% 6º Milho 8,45% 5º Commodities
agrícolas 8,5% Agricultura 15 se deveu à
campanha oficial de aumento da produtividade e
diversificação de cultivos de 1970, cujo objetivo
principal era atenuar a instabilidade econômica
advinda do apoio exclusivo da economia agrícola
estadual na produção de arroz. Essa campanha
era uma ação integrada do Ministério da
Agricultura e Associação de Crédito e da
Assistência Rural (ACAR – GO).
Energia e Mineração
 Terceira maior província mineral do País, Goiás
desponta hoje no Brasil e no mundo pela grande
fertilidade de seu ambiente geológico.
 O Estado possui verdadeiros tesouros como
níquel, ouro, cobre, nióbio, fosfato e amianto,
distribuídos em pouco mais de mil quilômetros
quadrados de seu território, riqueza que têm
atraído as atenções de grandes grupos do setor.
 Um dos carros-chefes da economia goiana, a
mineração tem cerca de R$ 7,8 bilhões em
investimentos já em fase de andamento ou
programados para até 2019.
 O valor da produção mineral do Estado
cresceu quase 46% entre 2010 e 2012, quando
alcançou os R$ 6,6 bilhões, segundo dados do
Departamento Nacional de Produção Mineral
(DNPM), ligado ao Ministério de Minas e
Energia.
 O crescimento só não foi maior por causa da
queda na cotação de vários minerais. Os
municípios goianos que registram os maiores
valores são Alto Horizonte, Niquelândia,
Barro Alto, Crixás, Minaçu e Catalão. Os
minerais níquel, cobre, ouro e amianto detêm
os maiores valores (veja quadro).
 Goiás é o primeiro colocado no ranking brasileiro de
extração de níquel, com 37,12% da produção
nacional.
 O Estado também lidera a produção nacional de
cobre, com 34,38% do volume nacional, e é o
segundo colocado na produção de ouro, com
20,04% de participação.
 Já foram descobertas reservas minerais de Norte a
Sul do Estado, desde a década de 60, sendo muitas
exploradas ainda hoje. Atualmente, o setor gera 14,2
mil empregos em Goiás. Outros 6 mil empregos
diretos e indiretos devem ser criados com os
investimentos em andamento. A Região Sul do
Estado, com destaque para Catalão e Ouvidor, é rica
em reservas de fosfato e nióbio. O POPULAR
apurou que mais de R$ 3 bilhões serão investidos
para ampliar a produção desses minerais na região.
O Transporte em Goiás
 Na década de 1970, em consonância com as diretrizes
federais, o estado de Goiás iniciou a implantação dos
primeiros corredores de exportação, conceito que definiu
rotas de transporte destinadas a ligar as áreas produtivas a
algum porto, com prioridade para os excedentes agrícolas.
 Posteriormente, essas diretrizes foram aplicadas ao
abastecimento, visando a articular os sistemas de
armazenagem e escoamento de uma determinada área
geográfica, de forma a adequar os fluxos das fontes de
produção até os centros de consumo ou terminais de
embarque, com destino ao mercado externo ou a outras
regiões do país.
 No estado de Goiás estabeleceu-se uma rede rodoviária
capaz de dar sustentação ao transporte das regiões
produtoras de grãos e minerais para os pontos de
captação de cargas ferroviárias de Goiânia, Anápolis,
Brasília, Pires do Rio e Catalão.
 Na área de influência do corredor de exportação
goiano, os principais troncos utilizados para atingir os
pontos de transbordo ferroviário, sobretudo para a
soja e o farelo, são: a BR-153, principal eixo de
escoamento do norte de Goiás e de Tocantins,
interligado ao ponto de transbordo rodoferroviário de
Anápolis; a GO-060, que liga Aragarças a Goiânia,
numa distância de 388km; a BR-020, que liga o
nordeste de Goiás à região oeste da Bahia e a Brasília,
onde está instalado outro ponto de transbordo; a BR-
060, que liga Santa Rita do Araguaia/Rio Verde a
Goiânia; a BR-452, que liga Rio Verde a Itumbiara,
importante centro produtor e beneficiador de grãos, e
segue até Uberlândia MG, onde está instalada uma
rede de armazenagem de grande capacidade; e a BR-
364-365, que liga Jataí a Uberlândia e atravessa a
cidade de São Simão, outra opção para o escoamento
da produção do sudoeste goiano.
Comunicação
 Os jornais de maior circulação são:
O Popular, a Tribuna de Goiás, o Diário Oficial do
Estado e o Diário do Município, em Goiânia.
 Em Anápolis, circulam:
A Imprensa eTribuna de Anápolis.
 Na antiga capital, Goiás, circula:
O Cidade de Goiás.
Há várias emissoras de rádio em AM e FM. A
principal emissora de televisão é a TV Anhanguera,
pertencente à Organização Jaime Câmara.
Trabalho Apresentado ao Colégio Estadual
Laurentino Martins Rodrigues
 Disciplina: Geografia
 Série: 3ª Série – Ensino Médio
 Alunos (as):
Albenaia, Alessandra, Brenda, Edilaine, Edvan,
Elber, Fernanda, Geordana, Ian, Joana, Maraísa,
Mayra, Mirella, Murilo,Wanderson, Maxson.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
Prof. Francesco Torres
 
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRAINDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
Bruno Lima
 
Fuso Horário
Fuso HorárioFuso Horário
Fuso Horário
Linguagem Geográfica
 
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
Sistemas Agrícolas
Sistemas AgrícolasSistemas Agrícolas
Sistemas Agrícolas
joao paulo
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
Professor
 
Agricultura brasileira
Agricultura brasileiraAgricultura brasileira
Agricultura brasileira
Thamires Bragança
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Agropecuária geral e do brasil
Agropecuária   geral e do brasilAgropecuária   geral e do brasil
Agropecuária geral e do brasil
Professor
 
Os continentes
Os continentesOs continentes
Os continentes
Gustavo Silva de Souza
 
Região centro oeste
Região centro oesteRegião centro oeste
Região centro oeste
John Joseph
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
Abner de Paula
 
Agricultura brasileira
Agricultura brasileiraAgricultura brasileira
Agricultura brasileira
João José Ferreira Tojal
 
Recursos naturais na América Latina
Recursos naturais na América LatinaRecursos naturais na América Latina
Recursos naturais na América Latina
Isabela Espíndola
 
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
Hidrografia do brasil
Hidrografia do brasilHidrografia do brasil
Hidrografia do brasil
Prof.Paulo/geografia
 
Formação do território brasileiro
Formação do território brasileiroFormação do território brasileiro
Formação do território brasileiro
AEntrudeiranaEscola
 
7º ano unidade 5 - Região Norte
7º ano   unidade 5 - Região Norte7º ano   unidade 5 - Região Norte
7º ano unidade 5 - Região Norte
Christie Freitas
 
O espaço geográfico rural
O espaço geográfico ruralO espaço geográfico rural
O espaço geográfico rural
Professor
 
Formação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do BrasilFormação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do Brasil
Luciano Pessanha
 

Mais procurados (20)

Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
 
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRAINDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
 
Fuso Horário
Fuso HorárioFuso Horário
Fuso Horário
 
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
 
Sistemas Agrícolas
Sistemas AgrícolasSistemas Agrícolas
Sistemas Agrícolas
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
 
Agricultura brasileira
Agricultura brasileiraAgricultura brasileira
Agricultura brasileira
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Agropecuária geral e do brasil
Agropecuária   geral e do brasilAgropecuária   geral e do brasil
Agropecuária geral e do brasil
 
Os continentes
Os continentesOs continentes
Os continentes
 
Região centro oeste
Região centro oesteRegião centro oeste
Região centro oeste
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
 
Agricultura brasileira
Agricultura brasileiraAgricultura brasileira
Agricultura brasileira
 
Recursos naturais na América Latina
Recursos naturais na América LatinaRecursos naturais na América Latina
Recursos naturais na América Latina
 
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
 
Hidrografia do brasil
Hidrografia do brasilHidrografia do brasil
Hidrografia do brasil
 
Formação do território brasileiro
Formação do território brasileiroFormação do território brasileiro
Formação do território brasileiro
 
7º ano unidade 5 - Região Norte
7º ano   unidade 5 - Região Norte7º ano   unidade 5 - Região Norte
7º ano unidade 5 - Região Norte
 
O espaço geográfico rural
O espaço geográfico ruralO espaço geográfico rural
O espaço geográfico rural
 
Formação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do BrasilFormação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do Brasil
 

Semelhante a Geografia de Goiás

2º Mb Grupo 07
2º Mb   Grupo 072º Mb   Grupo 07
2º Mb Grupo 07
ProfMario De Mori
 
2 Goiás em dados
2 Goiás  em dados2 Goiás  em dados
2 Goiás em dados
Vanúcia Moreira
 
A Evolução Do Setor Agrícola
A Evolução Do Setor AgrícolaA Evolução Do Setor Agrícola
A Evolução Do Setor Agrícola
Josevani Tocchetto
 
Geografia de Mato Grosso 2
Geografia de Mato Grosso  2Geografia de Mato Grosso  2
Geografia de Mato Grosso 2
Gilvandro O. da Silva
 
2º Md Grupo 07
2º Md   Grupo 072º Md   Grupo 07
2º Md Grupo 07
ProfMario De Mori
 
Agroindústria
AgroindústriaAgroindústria
Agroindústria
23101996
 
Material historia tjgo
Material historia tjgoMaterial historia tjgo
Material historia tjgo
Isis Forte
 
Material historiago marcossouza_aula1_2
Material historiago marcossouza_aula1_2Material historiago marcossouza_aula1_2
Material historiago marcossouza_aula1_2
julio2012souto
 
Agricultura no brasil
Agricultura no brasilAgricultura no brasil
Agricultura no brasil
Ualas Magalhães
 
A economia do Piauí
A economia do PiauíA economia do Piauí
A economia do Piauí
Girleno Oliveira
 
Bahia deve fechar 2014 com safra recorde de grãos
Bahia deve fechar 2014 com safra recorde de grãosBahia deve fechar 2014 com safra recorde de grãos
Bahia deve fechar 2014 com safra recorde de grãos
Alexandre Santos
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
annymedeiros
 
Fruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do TocantinsFruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do Tocantins
Killer Max
 
Porto E Cidade AlteraçãO 16.12
Porto E Cidade AlteraçãO 16.12Porto E Cidade AlteraçãO 16.12
Porto E Cidade AlteraçãO 16.12
guestfc48b3
 
AnáLise Oportunidade De Mercado Para O Porto De Luis Correia Pi
AnáLise Oportunidade De Mercado Para O Porto De Luis Correia PiAnáLise Oportunidade De Mercado Para O Porto De Luis Correia Pi
AnáLise Oportunidade De Mercado Para O Porto De Luis Correia Pi
guest35f5cc
 
Projeto de adimministração rural
Projeto de adimministração rural Projeto de adimministração rural
Projeto de adimministração rural
Anibia Vicente
 
Relatório Carlos Cogo - 28 de julho
Relatório Carlos Cogo - 28 de julhoRelatório Carlos Cogo - 28 de julho
Relatório Carlos Cogo - 28 de julho
José Florentino
 
Agronegocio no mercosul
Agronegocio no mercosulAgronegocio no mercosul
Agronegocio no mercosul
cleberson.souza
 
Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
Revista Cafeicultura
 
Ministério da Agricultura
Ministério da AgriculturaMinistério da Agricultura
Ministério da Agricultura
Portal Canal Rural
 

Semelhante a Geografia de Goiás (20)

2º Mb Grupo 07
2º Mb   Grupo 072º Mb   Grupo 07
2º Mb Grupo 07
 
2 Goiás em dados
2 Goiás  em dados2 Goiás  em dados
2 Goiás em dados
 
A Evolução Do Setor Agrícola
A Evolução Do Setor AgrícolaA Evolução Do Setor Agrícola
A Evolução Do Setor Agrícola
 
Geografia de Mato Grosso 2
Geografia de Mato Grosso  2Geografia de Mato Grosso  2
Geografia de Mato Grosso 2
 
2º Md Grupo 07
2º Md   Grupo 072º Md   Grupo 07
2º Md Grupo 07
 
Agroindústria
AgroindústriaAgroindústria
Agroindústria
 
Material historia tjgo
Material historia tjgoMaterial historia tjgo
Material historia tjgo
 
Material historiago marcossouza_aula1_2
Material historiago marcossouza_aula1_2Material historiago marcossouza_aula1_2
Material historiago marcossouza_aula1_2
 
Agricultura no brasil
Agricultura no brasilAgricultura no brasil
Agricultura no brasil
 
A economia do Piauí
A economia do PiauíA economia do Piauí
A economia do Piauí
 
Bahia deve fechar 2014 com safra recorde de grãos
Bahia deve fechar 2014 com safra recorde de grãosBahia deve fechar 2014 com safra recorde de grãos
Bahia deve fechar 2014 com safra recorde de grãos
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
Fruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do TocantinsFruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do Tocantins
 
Porto E Cidade AlteraçãO 16.12
Porto E Cidade AlteraçãO 16.12Porto E Cidade AlteraçãO 16.12
Porto E Cidade AlteraçãO 16.12
 
AnáLise Oportunidade De Mercado Para O Porto De Luis Correia Pi
AnáLise Oportunidade De Mercado Para O Porto De Luis Correia PiAnáLise Oportunidade De Mercado Para O Porto De Luis Correia Pi
AnáLise Oportunidade De Mercado Para O Porto De Luis Correia Pi
 
Projeto de adimministração rural
Projeto de adimministração rural Projeto de adimministração rural
Projeto de adimministração rural
 
Relatório Carlos Cogo - 28 de julho
Relatório Carlos Cogo - 28 de julhoRelatório Carlos Cogo - 28 de julho
Relatório Carlos Cogo - 28 de julho
 
Agronegocio no mercosul
Agronegocio no mercosulAgronegocio no mercosul
Agronegocio no mercosul
 
Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
 
Ministério da Agricultura
Ministério da AgriculturaMinistério da Agricultura
Ministério da Agricultura
 

Mais de Frederico Marques Sodré

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptxINTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
Frederico Marques Sodré
 
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptxBIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
Frederico Marques Sodré
 
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptxESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
Frederico Marques Sodré
 
Slide Santa Rita do Novo Destino
Slide Santa Rita do Novo DestinoSlide Santa Rita do Novo Destino
Slide Santa Rita do Novo Destino
Frederico Marques Sodré
 
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Frederico Marques Sodré
 
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Frederico Marques Sodré
 
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Frederico Marques Sodré
 
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Frederico Marques Sodré
 
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º AnoCaderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Frederico Marques Sodré
 
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º AnoCaderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
Frederico Marques Sodré
 
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais  Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Frederico Marques Sodré
 
Mapa Conceitual República Velha
Mapa Conceitual República VelhaMapa Conceitual República Velha
Mapa Conceitual República Velha
Frederico Marques Sodré
 
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIIIMapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
Frederico Marques Sodré
 
Mapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
Mapa conceitual Absolutismo e MercantilismoMapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
Mapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
Frederico Marques Sodré
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismo
Frederico Marques Sodré
 
A origem da filosofia
A origem da filosofiaA origem da filosofia
A origem da filosofia
Frederico Marques Sodré
 
Reforma Protestante e Contrarreforma
Reforma Protestante e ContrarreformaReforma Protestante e Contrarreforma
Reforma Protestante e Contrarreforma
Frederico Marques Sodré
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Populismo no Brasil
O Populismo no BrasilO Populismo no Brasil
O Populismo no Brasil
Frederico Marques Sodré
 

Mais de Frederico Marques Sodré (20)

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptxINTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
 
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptxBIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
 
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptxESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
 
Slide Santa Rita do Novo Destino
Slide Santa Rita do Novo DestinoSlide Santa Rita do Novo Destino
Slide Santa Rita do Novo Destino
 
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
 
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
 
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
 
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
 
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º AnoCaderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
 
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º AnoCaderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
 
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais  Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
 
Mapa Conceitual República Velha
Mapa Conceitual República VelhaMapa Conceitual República Velha
Mapa Conceitual República Velha
 
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIIIMapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
 
Mapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
Mapa conceitual Absolutismo e MercantilismoMapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
Mapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismo
 
A origem da filosofia
A origem da filosofiaA origem da filosofia
A origem da filosofia
 
Reforma Protestante e Contrarreforma
Reforma Protestante e ContrarreformaReforma Protestante e Contrarreforma
Reforma Protestante e Contrarreforma
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
O Populismo no Brasil
O Populismo no BrasilO Populismo no Brasil
O Populismo no Brasil
 

Último

Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 

Último (20)

Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 

Geografia de Goiás

  • 1. GEOGRAFIA DE GOIÁS Professor: Frederico Marques Sodré
  • 2. População do estado de Goiás  Goiás é uma das unidades federativas que integram a região Centro-Oeste. Sua extensão territorial é de 340.103,467 quilômetros quadrados, correspondendo a 4% do território nacional.  Conforme contagem populacional realizada em 2010 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), sua população totaliza 6.003.788 habitantes, distribuídos em 246 municípios, sendo o estado mais populoso do Centro-Oeste. O crescimento demográfico é de 1,8% ao ano e a densidade demográfica é de 17,6 habitantes por quilômetro quadrado.
  • 3.  O povoamento do estado de Goiás intensificou-se em decorrência de uma série de políticas públicas para a ocupação e desenvolvimento econômico da porção oeste do território brasileiro, a chamada Marcha para o Oeste. Houve a expansão da fronteira agrícola e maiores investimentos em infraestrutura no estado, além da construção da nova capital, Goiânia, e da capital Federal, Brasília. Fatos estes que desencadearam grandes fluxos migratórios para Goiás.  Como resultado dessa política de incentivo à ocupação do oeste brasileiro, a população de Goiás teve um aumento significativo, principalmente após o ano de 1950. Neste, segundo dados do IBGE, havia 1.010.880 habitantes no estado, população essa que atingiu, conforme dados do mesmo instituto, 6.003.788 habitantes em 2010.
  • 4. A Economia do estado de Goiás  Localizado na região Centro-Oeste, na qual a atividade agropecuária tem grande destaque, Goiás apresenta extensas áreas de pastagens e lavouras. Quase metade do território goiano é formada por latifúndios rurais, ou seja, propriedades com mais de mil hectares.  Em 2008, a contribuição de Goiás para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro foi de 2,5% e, no âmbito regional, sua participação foi de 27,6%. A composição do PIB goiano é a seguinte:  Agropecuária:11% Indústria:27% Serviços: 62%
  • 5.  A agropecuária goiana tem grande importância no cenário econômico nacional, uma vez que sua produção de carnes e grãos impulsiona a exportação estadual.  Goiás é um dos maiores produtores de tomate, milho e soja do Brasil. Responsável por 33% da produção nacional de sorgo, Goiás é o principal produtor desse grão no país.  Outros cultivos importantes são: algodão, cana-de-açúcar, café, arroz, feijão, trigo e alho. A pecuária, por sua vez, está em constante expansão. O estado possui, atualmente, o terceiro maior rebanho bovino do país. O aspecto negativo com relação à agropecuária é que ela é a principal atividade responsável pela destruição do bioma Cerrado, visto que desencadeia constantes desmatamentos e degradação do solo.  Goiás também possui reservas minerais. Entre essas, destacam-se os municípios de Minaçu (extração de amianto), Niquelândia e Barro Alto (níquel), além de Catalão (fosfato)
  • 7. Movimento do PIB Goiano Dados feito pelo Instituto Mauro Borges da Secretaria de Gestão e Planejamento mostram que a economia goiana conseguiu suportar as intempéries do cenário nacional e teve um recuo do Produto Interno Bruto (PIB) abaixo da média brasileira. Os dados divulgados mostram que o setor agropecuário foi o responsável por segurar a economia goiana em 2016, fechando o ano com crescimento de 0,6%. A recuperação do setor foi especialmente significativa no quarto trimestre, com alta de 4,9%. Enquanto isso, em todo o Brasil, a agropecuária recuou 6,6% no período. Perspectiva: A estimativa preliminar do IMB aponta que os valores correntes do PIB de Goiás chegaram a R$ 178,9 bilhões em 2016. Para 2017, a perspectiva é de um cenário mais favorável, com a alta nos preços das commodities, a recuperação da produção agrícola e industrial e o crescimento das exportações e geração de novos postos de trabalho. FONTE: Comunicação Setorial da Segplan
  • 8.  O que é PIB:  PIB é a sigla para Produto Interno Bruto, e representa a soma, em valores monetários, de todos os bens e serviços finais produzidos numa determinada região, durante um determinado período.  Políticas públicas De Goiás :  A questão das desigualdades regionais começou a fazer parte da agenda de política pública brasileira no final dos anos de 1950, por tanto as políticas públicas de desenvolvimento regional sustentável tem como objetivo propostas de inclusão social, acesso ao crédito, geração de emprego e renda são necessárias para o desenvolvimento socioeconômico regional. Neste contexto, o Fundo Constitucional do Centro-Oeste (FCO) rural aparece como fonte de financiamento para o desenvolvimento sustentável do setor rural.
  • 9. As prioridades na aplicação dos recursos dos fundos concentram-se nas seguintes atividades:  Projetos de apoio à agricultura familiar;  Projetos com alto grau de geração de emprego e renda e/ou da economia solidária e/ou que possibilitem a estruturação e o fortalecimento de cadeias produtivas;  Projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente;  Projetos que utilizem tecnologias inovadoras; e) Projetos do setor de turismo;  Projetos da indústria de alimentos;  Projetos dos setores comercial e de serviços
  • 10. Polo Industrial de Goianésia:  Goialli  Usina Jales Machado  Usina Codora  Usina Goianésia  Hering  ...
  • 11. Jalles Machado: A Jalles Machado é fruto do espírito empreendedor de Otávio Lage de Siqueira. A empresa já nasceu com uma missão social: gerar mais empregos e renda para Goianésia - GO. E hoje, é referência em qualidade, responsabilidade social, além de estar presente em várias partes do mundo com a marca Itajá. Atualmente, são duas unidades industriais que geram cerca de 3.700 empregos diretos e fazem da cana a principal atividade econômica do município.
  • 12. Agricultura e Pecuária do estado de Goiás  O setor agropecuário tem sido tradicionalmente a base da economia goiana. Nas três últimas décadas do século XX, Goiás foi uma das regiões de fronteira agrícola mais expressivas do país. Em muitas culturas, como soja, milho, arroz, feijão, tornou-se, naquele período, um dos maiores produtores do país. A principal área agrícola e pastoril do estado é a região do Mato Grosso de Goiás, onde se pratica uma agricultura diversificada, com arroz, milho, soja, feijão, algodão e mandioca.
  • 13.  Apesar de possuir o segundo rebanho do país, Goiás observa uma tradição de baixa produtividade, tanto em nível de fertilidade quanto de idade de abate dos animais, idade de primeira parição e produção leiteira. A bovinocultura de corte representa um segmento de importância fundamental para a economia do estado, tanto como fonte de divisas, pelos excedentes exportáveis, quanto pelo expressivo contingente de mão-de-obra ocupado nessa atividade.  Nos pastos plantados em antigos terrenos florestais (invernadas) engordam-se bovinos, criados nas áreas de cerrado, e mantém-se um rebanho de gado leiteiro. O vale do Paranaíba é a segunda região econômica de Goiás e maior produtora de arroz e abacaxi. Cultivam-se também milho, soja, feijão e mandioca. É grande o rebanho de leite e corte
  • 14. A soja no estado de Goiás  A soja é o principal produto agrícola do estado.  Introduzida em 1980, a cultura foi aperfeiçoada pela obtenção de sementes adaptadas ao cerrado e aplicação de calcário e outros elementos para combater a acidez do solo.  Com o lançamento de novas variedades de grãos mais resistentes à armazenagem e às pragas, registrou-se forte aumento de produtividade. A cultura do milho é geralmente associada à criação de suínos e ao plantio de feijão. A cana-de-açúcar e a mandioca têm caráter de lavouras de subsistência e servem ao fabrico de farinha, aguardente e rapadura. O extrativismo vegetal inclui babaçu, casca de angico, pequi e exploração de madeira, principalmente mogno.  Na produção de grãos, Goiás (9,9%) representa a 4ª posição na avaliação para 2017, ficando atrás somente dos Estados de Mato Grosso (25,3%), Paraná (18,3%) e Rio Grande do Sul (14,8%). Esses dados constam de divulgação do IBGE.  A agricultura foi o carro-chefe do processo de desenvolvimento do Estado de Goiás. No início esteve voltada para o autoconsumo, mas a partir dos anos 70, e, principalmente dos anos 80 a industrialização ganha força no campo.
  • 15.  No estado de Goiás, a soja introduziu-se e expandiu-se pela porção sul, substituindo áreas de cultivos anuais tradicionais e de subsistência.  O cultivo da soja 1º Sorgo 43,34% 2º Algodão 20,99% 3º Tomate 12,83% 4º Soja 10,80% 3º Alho 10,12% 6º Milho 8,45% 5º Commodities agrícolas 8,5% Agricultura 15 se deveu à campanha oficial de aumento da produtividade e diversificação de cultivos de 1970, cujo objetivo principal era atenuar a instabilidade econômica advinda do apoio exclusivo da economia agrícola estadual na produção de arroz. Essa campanha era uma ação integrada do Ministério da Agricultura e Associação de Crédito e da Assistência Rural (ACAR – GO).
  • 16. Energia e Mineração  Terceira maior província mineral do País, Goiás desponta hoje no Brasil e no mundo pela grande fertilidade de seu ambiente geológico.  O Estado possui verdadeiros tesouros como níquel, ouro, cobre, nióbio, fosfato e amianto, distribuídos em pouco mais de mil quilômetros quadrados de seu território, riqueza que têm atraído as atenções de grandes grupos do setor.  Um dos carros-chefes da economia goiana, a mineração tem cerca de R$ 7,8 bilhões em investimentos já em fase de andamento ou programados para até 2019.
  • 17.  O valor da produção mineral do Estado cresceu quase 46% entre 2010 e 2012, quando alcançou os R$ 6,6 bilhões, segundo dados do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), ligado ao Ministério de Minas e Energia.  O crescimento só não foi maior por causa da queda na cotação de vários minerais. Os municípios goianos que registram os maiores valores são Alto Horizonte, Niquelândia, Barro Alto, Crixás, Minaçu e Catalão. Os minerais níquel, cobre, ouro e amianto detêm os maiores valores (veja quadro).
  • 18.  Goiás é o primeiro colocado no ranking brasileiro de extração de níquel, com 37,12% da produção nacional.  O Estado também lidera a produção nacional de cobre, com 34,38% do volume nacional, e é o segundo colocado na produção de ouro, com 20,04% de participação.  Já foram descobertas reservas minerais de Norte a Sul do Estado, desde a década de 60, sendo muitas exploradas ainda hoje. Atualmente, o setor gera 14,2 mil empregos em Goiás. Outros 6 mil empregos diretos e indiretos devem ser criados com os investimentos em andamento. A Região Sul do Estado, com destaque para Catalão e Ouvidor, é rica em reservas de fosfato e nióbio. O POPULAR apurou que mais de R$ 3 bilhões serão investidos para ampliar a produção desses minerais na região.
  • 19. O Transporte em Goiás  Na década de 1970, em consonância com as diretrizes federais, o estado de Goiás iniciou a implantação dos primeiros corredores de exportação, conceito que definiu rotas de transporte destinadas a ligar as áreas produtivas a algum porto, com prioridade para os excedentes agrícolas.  Posteriormente, essas diretrizes foram aplicadas ao abastecimento, visando a articular os sistemas de armazenagem e escoamento de uma determinada área geográfica, de forma a adequar os fluxos das fontes de produção até os centros de consumo ou terminais de embarque, com destino ao mercado externo ou a outras regiões do país.  No estado de Goiás estabeleceu-se uma rede rodoviária capaz de dar sustentação ao transporte das regiões produtoras de grãos e minerais para os pontos de captação de cargas ferroviárias de Goiânia, Anápolis, Brasília, Pires do Rio e Catalão.
  • 20.  Na área de influência do corredor de exportação goiano, os principais troncos utilizados para atingir os pontos de transbordo ferroviário, sobretudo para a soja e o farelo, são: a BR-153, principal eixo de escoamento do norte de Goiás e de Tocantins, interligado ao ponto de transbordo rodoferroviário de Anápolis; a GO-060, que liga Aragarças a Goiânia, numa distância de 388km; a BR-020, que liga o nordeste de Goiás à região oeste da Bahia e a Brasília, onde está instalado outro ponto de transbordo; a BR- 060, que liga Santa Rita do Araguaia/Rio Verde a Goiânia; a BR-452, que liga Rio Verde a Itumbiara, importante centro produtor e beneficiador de grãos, e segue até Uberlândia MG, onde está instalada uma rede de armazenagem de grande capacidade; e a BR- 364-365, que liga Jataí a Uberlândia e atravessa a cidade de São Simão, outra opção para o escoamento da produção do sudoeste goiano.
  • 21. Comunicação  Os jornais de maior circulação são: O Popular, a Tribuna de Goiás, o Diário Oficial do Estado e o Diário do Município, em Goiânia.  Em Anápolis, circulam: A Imprensa eTribuna de Anápolis.  Na antiga capital, Goiás, circula: O Cidade de Goiás. Há várias emissoras de rádio em AM e FM. A principal emissora de televisão é a TV Anhanguera, pertencente à Organização Jaime Câmara.
  • 22.
  • 23. Trabalho Apresentado ao Colégio Estadual Laurentino Martins Rodrigues  Disciplina: Geografia  Série: 3ª Série – Ensino Médio  Alunos (as): Albenaia, Alessandra, Brenda, Edilaine, Edvan, Elber, Fernanda, Geordana, Ian, Joana, Maraísa, Mayra, Mirella, Murilo,Wanderson, Maxson.