SlideShare uma empresa Scribd logo
João Paulo FrançaJoão Paulo França
Interno – 11º Período UFPEInterno – 11º Período UFPE
INFECÇÃO DE SÍTIOINFECÇÃO DE SÍTIO
CIRÚRGICOCIRÚRGICO
Infecções relacionadas aos procedimentos cirúrgicosInfecções relacionadas aos procedimentos cirúrgicos
 Procedimentos cirúrgicosProcedimentos cirúrgicos
 Pacientes internados ou admitidos para o procedimentoPacientes internados ou admitidos para o procedimento
 Realizados dentro do Centro CirúrgicoRealizados dentro do Centro Cirúrgico
 Pelo menos 01 incisãoPelo menos 01 incisão
 Também cirurgias onde não há suturaTambém cirurgias onde não há sutura
 Cirurgias videoscópicas são incluídasCirurgias videoscópicas são incluídas
 Não são cirúrgicosNão são cirúrgicos
 Procedimentos fora do Centro Cirúrgico (sutura no PS)Procedimentos fora do Centro Cirúrgico (sutura no PS)
 Procedimentos sem incisão (punções, incisão prévia)Procedimentos sem incisão (punções, incisão prévia)
 Biópsias endoscópicas, episiotomias e circuncisõesBiópsias endoscópicas, episiotomias e circuncisões
DEFINIÇÕESDEFINIÇÕES
 Tempo de observação:Tempo de observação:
 Início atéInício até 30 dias30 dias após o procedimentoapós o procedimento
 No caso de implante de próteseNo caso de implante de prótese  início atéinício até 01 ano01 ano após o implante,após o implante,
ou até a retirada da prótese, se esta ocorrer em período inferiorou até a retirada da prótese, se esta ocorrer em período inferior
TEMPO DETEMPO DE
OBSERVAÇÃO EOBSERVAÇÃO E
CLASSIFICAÇÃOCLASSIFICAÇÃO
ISC incisional superficialISC incisional superficial  envolve apenas a pele e o tecido celularenvolve apenas a pele e o tecido celular
subcutâneo do local da incisãosubcutâneo do local da incisão
ISC incisional profundaISC incisional profunda  pode envolver ou não os mesmos tecidos dapode envolver ou não os mesmos tecidos da
ISC superficial, mas envolve obrigatoriamente tecidos moles profundos,ISC superficial, mas envolve obrigatoriamente tecidos moles profundos,
como fáscia e camadas muscularescomo fáscia e camadas musculares
ISC órgão ou espaço específicaISC órgão ou espaço específica  envolve órgãos ou espaços profundosenvolve órgãos ou espaços profundos
manipulados durante a cirurgia, mas não necessariamente a incisãomanipulados durante a cirurgia, mas não necessariamente a incisão
 Meningite após manipulação do SNC, peritonite após cirurgiaMeningite após manipulação do SNC, peritonite após cirurgia
abdominal, endocardite após troca de válvula cardíacaabdominal, endocardite após troca de válvula cardíaca
ClassificaçãoClassificação
INFECÇÃO DE SÍTIOINFECÇÃO DE SÍTIO
CIRÚRGICOCIRÚRGICO
www.ipig.org
Um dos critérios deve estar presenteUm dos critérios deve estar presente
 Secreção purulenta no local da incisão (Secreção purulenta no local da incisão (ISC superficialISC superficial), drenada), drenada
de tecidos moles profundos (de tecidos moles profundos (ISC profundaISC profunda) ou de órgão ou) ou de órgão ou
cavidade manipulados na cirurgia (cavidade manipulados na cirurgia (ISC específicaISC específica))
 Organismo isolado com técnica asséptica de material teoricamenteOrganismo isolado com técnica asséptica de material teoricamente
estéril, de local previamente fechadoestéril, de local previamente fechado
DIAGNÓSTICODIAGNÓSTICO
 Abscesso ou evidência radiológica ou histopatológica sugestivaAbscesso ou evidência radiológica ou histopatológica sugestiva
de infecção (tecidos profundos)de infecção (tecidos profundos)
 Sinais inflamatórios na incisão e febreSinais inflamatórios na incisão e febre
 Diagnóstico de ISC pelo médico assistenteDiagnóstico de ISC pelo médico assistente  necessárionecessário
exame da ferida para comprovaçãoexame da ferida para comprovação
 Patógenos provenientes de 03 fontesPatógenos provenientes de 03 fontes
 Microbiota do próprio pacienteMicrobiota do próprio paciente  importância da topografiaimportância da topografia
da cirurgia, da técnica, do tempo de duração e das condiçõesda cirurgia, da técnica, do tempo de duração e das condições
infecciosas prévias do pacienteinfecciosas prévias do paciente
 Equipe de saúdeEquipe de saúde  anti-sepsia pré-operatória e condiçõesanti-sepsia pré-operatória e condições
infecciosasinfecciosas
 Ambiente inanimadoAmbiente inanimado, incluindo material cirúrgico (importância, incluindo material cirúrgico (importância
menor, porém não irrelevante)menor, porém não irrelevante)  falha no processo defalha no processo de
esterilização, ar do ambiente cirúrgico (importante em algumasesterilização, ar do ambiente cirúrgico (importante em algumas
cirurgias; menor importância na prática diária)cirurgias; menor importância na prática diária)
PRINCIPAIS AGENTESPRINCIPAIS AGENTES
MICROBIANOS NA ISCMICROBIANOS NA ISC
Staphylococcus aureus e Estafilococos Coagulase – NegativaStaphylococcus aureus e Estafilococos Coagulase – Negativa
Colonizante de peleColonizante de pele  erradicação pela anti-sepsia impossívelerradicação pela anti-sepsia impossível 
aumento da concentração no decorrer do procedimentoaumento da concentração no decorrer do procedimento 
descamação da peledescamação da pele  atinge tecidos lesados pela cirurgiaatinge tecidos lesados pela cirurgia
Enterobactérias (Gram -)Enterobactérias (Gram -)  E. coli, Klebsiella,E. coli, Klebsiella,
EnterobacterEnterobacter
 Presentes em grandes concentrações emPresentes em grandes concentrações em
cavidades ocascavidades ocas  cirurgias do tubo digestivo,cirurgias do tubo digestivo,
vias biliares e urináriasvias biliares e urinárias
 Uso abusivo de cefalosporinasUso abusivo de cefalosporinas
Gram (–) não fermentadoresGram (–) não fermentadores  P. aeruginosa,P. aeruginosa,
AcinetobacterAcinetobacter
 Internação prolongada, uso prévio deInternação prolongada, uso prévio de
antimicrobianos, casos mais graves.antimicrobianos, casos mais graves.
AnaeróbiosAnaeróbios
 Principalmente cirurgias do trato digestivo; em geral, agemPrincipalmente cirurgias do trato digestivo; em geral, agem
acompanhados de outros patógenosacompanhados de outros patógenos
EnterococosEnterococos
 Freqüência elevada, predominando em cirurgias do tratoFreqüência elevada, predominando em cirurgias do trato
digestivo e ginecológicasdigestivo e ginecológicas
 Uso abusivo de cefalosporinasUso abusivo de cefalosporinas
EstreptococosEstreptococos
 Menos freqüentes, porém curto período de incubação e maiorMenos freqüentes, porém curto período de incubação e maior
gravidadegravidade
 Profissionais de saúde colonizadosProfissionais de saúde colonizados  associados a surtosassociados a surtos
Importante !Importante !
 Considerar as características específicasConsiderar as características específicas
da instituiçãoda instituição
 População atendidaPopulação atendida
 Principais patologias cirúrgicasPrincipais patologias cirúrgicas
 Normas para uso de antimicrobianosNormas para uso de antimicrobianos
 Disponibilidade de antimicrobianosDisponibilidade de antimicrobianos
 Média de permanência antes do procedimentoMédia de permanência antes do procedimento
 OutrasOutras
PRINCIPAIS AGENTESPRINCIPAIS AGENTES
MICROBIANOS NA ISCMICROBIANOS NA ISC
 Microrganismos atingem a ferida operatória emMicrorganismos atingem a ferida operatória em
geral durante o ato cirúrgicogeral durante o ato cirúrgico
 Quando não há fechamento primário, ou háQuando não há fechamento primário, ou há
dreno, ocorreu manipulação excessiva da feridadreno, ocorreu manipulação excessiva da ferida
ou deiscênciaou deiscência  contaminação pode ocorrer nocontaminação pode ocorrer no
pós-operatóriopós-operatório
 Implante secundário de patógenos por viaImplante secundário de patógenos por via
hematogênicahematogênica
A ruptura de continuidade da pele é o principalA ruptura de continuidade da pele é o principal
fator para ISC !fator para ISC !
FATORES DE RISCOFATORES DE RISCO
PARA ISCPARA ISC
 Relacionados ao pacienteRelacionados ao paciente
 Estado clínicoEstado clínico  doenças agudas ou crônicas descompensadas e infecçãodoenças agudas ou crônicas descompensadas e infecção
em sítio distanteem sítio distante  avaliação clínica criteriosa é imprescindível !avaliação clínica criteriosa é imprescindível !
 Tempo de internação pré-operatórioTempo de internação pré-operatório  relacionado à colonização da pelerelacionado à colonização da pele
pela microbiota hospitalarpela microbiota hospitalar
 Estado nutricionalEstado nutricional  desnutrição ou obesidadedesnutrição ou obesidade
 Imunodepressão e uso de corticosteróideImunodepressão e uso de corticosteróide  menor inóculo emenor inóculo e
retardamento do processo de cicatrizaçãoretardamento do processo de cicatrização
 Relacionados ao procedimento cirúrgicoRelacionados ao procedimento cirúrgico
 ImunossupressãoImunossupressão  provável contrapeso à liberação de proteínas queprovável contrapeso à liberação de proteínas que
poderiam desencadear reação imunepoderiam desencadear reação imune
 Rompimento da barreira epitelialRompimento da barreira epitelial  interrupção do aporte de nutrientesinterrupção do aporte de nutrientes
 Alterações no campo operatórioAlterações no campo operatório 
HIPÓXIA + ACIDOSE  DIFICULTAM A AÇÃO DOS NEUTRÓFILOS
DEPOSIÇÃO DE FIBRINA  SEQÜESTRO DE BACTÉRIAS E ALTERAÇÃO
DOS MECANISMOS LOCAIS DE DEFESA
 Relacionados ao procedimento cirúrgicoRelacionados ao procedimento cirúrgico
 Classificação da cirurgia de acordo com o potencial de contaminaçãoClassificação da cirurgia de acordo com o potencial de contaminação
 fator clássico de risco !fator clássico de risco !
LIMPALIMPA
POTENCIALMENTE CONTAMINADAPOTENCIALMENTE CONTAMINADA
CONTAMINADACONTAMINADA
INFECTADAINFECTADA
 Relacionados ao procedimento cirúrgicoRelacionados ao procedimento cirúrgico  duração do procedimentoduração do procedimento
cirúrgicocirúrgico
 Maior exposição ao ambiente externoMaior exposição ao ambiente externo
 Maior complexidadeMaior complexidade
 Pior estado clínicoPior estado clínico
 Menor experiência da equipeMenor experiência da equipe
 Desorganização da sala cirúrgicaDesorganização da sala cirúrgica
 Cirurgias de urgênciaCirurgias de urgência
 Preparo inadequado do pacientePreparo inadequado do paciente
 Pior estado clínicoPior estado clínico
 Técnica menos rigorosaTécnica menos rigorosa
 Redução do tempo de internação pré-cirúrgicoRedução do tempo de internação pré-cirúrgico
 Avaliação pré-operatória em ambulatórioAvaliação pré-operatória em ambulatório
 Internação somente com avaliação pré-operatóriaInternação somente com avaliação pré-operatória
 Organização do agendamento de internação e cirurgiaOrganização do agendamento de internação e cirurgia
 Lavagem das mãos na enfermaria (equipe de saúde)Lavagem das mãos na enfermaria (equipe de saúde)
 evitar a colonização do paciente com a floraevitar a colonização do paciente com a flora
hospitalar !hospitalar !
 Estabilização do quadro clínico do pacienteEstabilização do quadro clínico do paciente 
principalmente o tratamento de infecção préviaprincipalmente o tratamento de infecção prévia
 Banho pré-operatórioBanho pré-operatório  noite anterior e manhã da cirurgia, comnoite anterior e manhã da cirurgia, com
água e sabãoágua e sabão
 TricotomiaTricotomia  se imprescindível e imediatamente antes do atose imprescindível e imediatamente antes do ato
cirúrgicocirúrgico
 Paramentação cirúrgicaParamentação cirúrgica
 AventaisAventais  milhares de células epiteliais são desprendidasmilhares de células epiteliais são desprendidas
por minuto, junto com bactérias, dispersando-se nopor minuto, junto com bactérias, dispersando-se no
ambienteambiente  o uso de avental de algodão reduz emo uso de avental de algodão reduz em
aproximadamente 30% a taxa de dispersãoaproximadamente 30% a taxa de dispersão
 MáscarasMáscaras  utilizadas com dupla finalidadeutilizadas com dupla finalidade  prevençãoprevenção
da ISC e proteção dos membros da equipe cirúrgica contrada ISC e proteção dos membros da equipe cirúrgica contra
respingos de sangue e secreções durante o procedimentorespingos de sangue e secreções durante o procedimento
 Há controvérsias sobre o papel na prevenção das ISC,Há controvérsias sobre o papel na prevenção das ISC,
mas nenhuma quanto à proteção ocupacionalmas nenhuma quanto à proteção ocupacional
 PropésPropés  estudos concluíram não haver diferençaestudos concluíram não haver diferença
significativa de contaminação no piso entre calçadossignificativa de contaminação no piso entre calçados
limpos, calçados de uso habitual e propés.limpos, calçados de uso habitual e propés.
 Paramentação cirúrgicaParamentação cirúrgica
 GorrosGorros  devem cobrir totalmente o cabelo na cabeça e facedevem cobrir totalmente o cabelo na cabeça e face
 LuvasLuvas  devem ser usadas após a escovação das mãos e depois dedevem ser usadas após a escovação das mãos e depois de
vestido o avental estérilvestido o avental estéril  é recomendado o duplo enluvamentoé recomendado o duplo enluvamento
(para minimizar os efeitos de pequenos furos ou rupturas) ou a troca(para minimizar os efeitos de pequenos furos ou rupturas) ou a troca
a cada 02 horas de procedimentoa cada 02 horas de procedimento
 Anti-sepsia das mãos dos membros da equipeAnti-sepsia das mãos dos membros da equipe
cirúrgicacirúrgica
 Retirada de sujeira e detritos, redução substancial ou eliminação da floraRetirada de sujeira e detritos, redução substancial ou eliminação da flora
transitória e redução parcial da flora residentetransitória e redução parcial da flora residente
 Solução degermante de iodóforo (PVPI) ou de gluconato de clorhexidina,Solução degermante de iodóforo (PVPI) ou de gluconato de clorhexidina,
ou álcool a 70% com emolienteou álcool a 70% com emoliente
 Escovação necessária nos leitos sub-ungueais e espaços interdigitaisEscovação necessária nos leitos sub-ungueais e espaços interdigitais
 05 minutos para a primeira cirurgia e 03 para os demais procedimentos05 minutos para a primeira cirurgia e 03 para os demais procedimentos
 Enxágüe em água corrente, das mãos para os cotovelos (mãos sempreEnxágüe em água corrente, das mãos para os cotovelos (mãos sempre
acima do nível dos cotovelos)acima do nível dos cotovelos)
 Antibioticoprofilaxia cirúrgicaAntibioticoprofilaxia cirúrgica
 Indicação apropriadaIndicação apropriada  cirurgias potencialmentecirurgias potencialmente
contaminadas e contaminadascontaminadas e contaminadas
 Antimicrobiano adequado à flora esperada, em razãoAntimicrobiano adequado à flora esperada, em razão
dodo tipo de cirurgiatipo de cirurgia  flora residente do localflora residente do local
abordadoabordado  considerar, também, menor toxicidade econsiderar, também, menor toxicidade e
custocusto
 Dose adequada e momento certoDose adequada e momento certo  01 a 02 horas01 a 02 horas
antesantes do início do procedimentodo início do procedimento
 Uso por curto períodoUso por curto período  cobertura durante o atocobertura durante o ato
cirúrgicocirúrgico
Concluindo:Concluindo:
Melhor tratamento =Melhor tratamento =
PREVENÇÃO!!!PREVENÇÃO!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Isolamento
IsolamentoIsolamento
Isolamento
Rodrigo Abreu
 
Classificação das cirurgias
Classificação das cirurgiasClassificação das cirurgias
Classificação das cirurgias
Jéssica Ferreira
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
Luana Santos
 
Prevenção e controle de infecção
Prevenção e controle de infecçãoPrevenção e controle de infecção
Prevenção e controle de infecção
Sallus Consultoria e Treinamento em Saúde
 
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em CirurgiaPré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Aillyn F. Bianchi, Faculdade de Medicina - UNIC
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Aline Bandeira
 
Sala de recuperação
Sala de recuperaçãoSala de recuperação
Sala de recuperação
Wylla Katherine
 
Aula 01 (4)
Aula 01 (4)Aula 01 (4)
Aula 01 (4)
Nadja Martins
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
Conceição Quirino
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
Waslan Oliveira
 
Principais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalaresPrincipais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalares
Jonathan Sampaio
 
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsia
Fernando de Oliveira Dutra
 
Terminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgicaTerminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgica
Fernando de Oliveira Dutra
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
Cacilda Peixoto
 
História da Cirurgia
História da CirurgiaHistória da Cirurgia
História da Cirurgia
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Aula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTIAula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTI
Rodrigo Biondi
 
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsia
Danilo Modesto
 
Apresentação cc
Apresentação ccApresentação cc
Apresentação cc
Telma Justa Freitas
 

Mais procurados (20)

Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
 
Isolamento
IsolamentoIsolamento
Isolamento
 
Classificação das cirurgias
Classificação das cirurgiasClassificação das cirurgias
Classificação das cirurgias
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
 
Prevenção e controle de infecção
Prevenção e controle de infecçãoPrevenção e controle de infecção
Prevenção e controle de infecção
 
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em CirurgiaPré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
Sala de recuperação
Sala de recuperaçãoSala de recuperação
Sala de recuperação
 
Aula 01 (4)
Aula 01 (4)Aula 01 (4)
Aula 01 (4)
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
 
Principais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalaresPrincipais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalares
 
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsia
 
Terminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgicaTerminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgica
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
História da Cirurgia
História da CirurgiaHistória da Cirurgia
História da Cirurgia
 
Aula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTIAula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTI
 
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsia
 
Apresentação cc
Apresentação ccApresentação cc
Apresentação cc
 

Semelhante a Infecções Sitio Cirurgico

Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdfAula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
RonanAlmeidaMacedo
 
Criterios diagnosticos infeccao_sitio_cirurgico (3)
Criterios diagnosticos infeccao_sitio_cirurgico (3)Criterios diagnosticos infeccao_sitio_cirurgico (3)
Criterios diagnosticos infeccao_sitio_cirurgico (3)
DanieladaGraadeOlive
 
Manual infeccao zero_compacto
Manual infeccao zero_compactoManual infeccao zero_compacto
Manual infeccao zero_compacto
DanieladaGraadeOlive
 
Atividades no pré e trans operatório
Atividades no pré e trans operatórioAtividades no pré e trans operatório
Atividades no pré e trans operatório
Silvânia Galdino
 
Prof. Marco Versiani - Cirurgia Paraendodôntica
Prof. Marco Versiani - Cirurgia ParaendodônticaProf. Marco Versiani - Cirurgia Paraendodôntica
Prof. Marco Versiani - Cirurgia Paraendodôntica
Prof Dr. Marco Versiani
 
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgicaClínica cirúrgica
Clínica cirúrgica
Raniery Penha
 
Slide cirurgia
Slide cirurgiaSlide cirurgia
Slide cirurgia
Rene Junior
 
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
Urovideo.org
 
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica IICirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
Enfº Ícaro Araújo
 
Assistnciadeenfermagemaopacientepolitraumatizadoequeimadoadultoiii 1206290842...
Assistnciadeenfermagemaopacientepolitraumatizadoequeimadoadultoiii 1206290842...Assistnciadeenfermagemaopacientepolitraumatizadoequeimadoadultoiii 1206290842...
Assistnciadeenfermagemaopacientepolitraumatizadoequeimadoadultoiii 1206290842...
Dina Alves
 
Criterios ISC
Criterios ISCCriterios ISC
Criterios ISC
Renato sg
 
27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf
27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf
27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf
Luiz Fernando Aquino
 
Assistência enfermagem em centro cirúrgico.pptx
Assistência enfermagem em centro cirúrgico.pptxAssistência enfermagem em centro cirúrgico.pptx
Assistência enfermagem em centro cirúrgico.pptx
vaniceandrade1
 
aula 01 - assistencia cirúrgica vmv.pptx
aula 01 - assistencia cirúrgica vmv.pptxaula 01 - assistencia cirúrgica vmv.pptx
aula 01 - assistencia cirúrgica vmv.pptx
vanessa270433
 
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptxClinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
EduardoMachado69756
 
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Carine Silvestrini
 
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxCIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
EvelineMachado3
 
Pre operativo
Pre operativoPre operativo
Pre operativo
Nelio Dinis
 
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdfAULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
EnfermagemUniavan
 
aula 01 - assistencia cirúrgica vv (1).pdf
aula 01 - assistencia cirúrgica vv (1).pdfaula 01 - assistencia cirúrgica vv (1).pdf
aula 01 - assistencia cirúrgica vv (1).pdf
vanessa270433
 

Semelhante a Infecções Sitio Cirurgico (20)

Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdfAula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
 
Criterios diagnosticos infeccao_sitio_cirurgico (3)
Criterios diagnosticos infeccao_sitio_cirurgico (3)Criterios diagnosticos infeccao_sitio_cirurgico (3)
Criterios diagnosticos infeccao_sitio_cirurgico (3)
 
Manual infeccao zero_compacto
Manual infeccao zero_compactoManual infeccao zero_compacto
Manual infeccao zero_compacto
 
Atividades no pré e trans operatório
Atividades no pré e trans operatórioAtividades no pré e trans operatório
Atividades no pré e trans operatório
 
Prof. Marco Versiani - Cirurgia Paraendodôntica
Prof. Marco Versiani - Cirurgia ParaendodônticaProf. Marco Versiani - Cirurgia Paraendodôntica
Prof. Marco Versiani - Cirurgia Paraendodôntica
 
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgicaClínica cirúrgica
Clínica cirúrgica
 
Slide cirurgia
Slide cirurgiaSlide cirurgia
Slide cirurgia
 
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
 
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica IICirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
 
Assistnciadeenfermagemaopacientepolitraumatizadoequeimadoadultoiii 1206290842...
Assistnciadeenfermagemaopacientepolitraumatizadoequeimadoadultoiii 1206290842...Assistnciadeenfermagemaopacientepolitraumatizadoequeimadoadultoiii 1206290842...
Assistnciadeenfermagemaopacientepolitraumatizadoequeimadoadultoiii 1206290842...
 
Criterios ISC
Criterios ISCCriterios ISC
Criterios ISC
 
27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf
27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf
27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf
 
Assistência enfermagem em centro cirúrgico.pptx
Assistência enfermagem em centro cirúrgico.pptxAssistência enfermagem em centro cirúrgico.pptx
Assistência enfermagem em centro cirúrgico.pptx
 
aula 01 - assistencia cirúrgica vmv.pptx
aula 01 - assistencia cirúrgica vmv.pptxaula 01 - assistencia cirúrgica vmv.pptx
aula 01 - assistencia cirúrgica vmv.pptx
 
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptxClinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
 
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
 
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxCIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
 
Pre operativo
Pre operativoPre operativo
Pre operativo
 
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdfAULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
 
aula 01 - assistencia cirúrgica vv (1).pdf
aula 01 - assistencia cirúrgica vv (1).pdfaula 01 - assistencia cirúrgica vv (1).pdf
aula 01 - assistencia cirúrgica vv (1).pdf
 

Infecções Sitio Cirurgico

  • 1. João Paulo FrançaJoão Paulo França Interno – 11º Período UFPEInterno – 11º Período UFPE INFECÇÃO DE SÍTIOINFECÇÃO DE SÍTIO CIRÚRGICOCIRÚRGICO
  • 2. Infecções relacionadas aos procedimentos cirúrgicosInfecções relacionadas aos procedimentos cirúrgicos  Procedimentos cirúrgicosProcedimentos cirúrgicos  Pacientes internados ou admitidos para o procedimentoPacientes internados ou admitidos para o procedimento  Realizados dentro do Centro CirúrgicoRealizados dentro do Centro Cirúrgico  Pelo menos 01 incisãoPelo menos 01 incisão  Também cirurgias onde não há suturaTambém cirurgias onde não há sutura  Cirurgias videoscópicas são incluídasCirurgias videoscópicas são incluídas  Não são cirúrgicosNão são cirúrgicos  Procedimentos fora do Centro Cirúrgico (sutura no PS)Procedimentos fora do Centro Cirúrgico (sutura no PS)  Procedimentos sem incisão (punções, incisão prévia)Procedimentos sem incisão (punções, incisão prévia)  Biópsias endoscópicas, episiotomias e circuncisõesBiópsias endoscópicas, episiotomias e circuncisões DEFINIÇÕESDEFINIÇÕES
  • 3.  Tempo de observação:Tempo de observação:  Início atéInício até 30 dias30 dias após o procedimentoapós o procedimento  No caso de implante de próteseNo caso de implante de prótese  início atéinício até 01 ano01 ano após o implante,após o implante, ou até a retirada da prótese, se esta ocorrer em período inferiorou até a retirada da prótese, se esta ocorrer em período inferior TEMPO DETEMPO DE OBSERVAÇÃO EOBSERVAÇÃO E CLASSIFICAÇÃOCLASSIFICAÇÃO
  • 4. ISC incisional superficialISC incisional superficial  envolve apenas a pele e o tecido celularenvolve apenas a pele e o tecido celular subcutâneo do local da incisãosubcutâneo do local da incisão ISC incisional profundaISC incisional profunda  pode envolver ou não os mesmos tecidos dapode envolver ou não os mesmos tecidos da ISC superficial, mas envolve obrigatoriamente tecidos moles profundos,ISC superficial, mas envolve obrigatoriamente tecidos moles profundos, como fáscia e camadas muscularescomo fáscia e camadas musculares ISC órgão ou espaço específicaISC órgão ou espaço específica  envolve órgãos ou espaços profundosenvolve órgãos ou espaços profundos manipulados durante a cirurgia, mas não necessariamente a incisãomanipulados durante a cirurgia, mas não necessariamente a incisão  Meningite após manipulação do SNC, peritonite após cirurgiaMeningite após manipulação do SNC, peritonite após cirurgia abdominal, endocardite após troca de válvula cardíacaabdominal, endocardite após troca de válvula cardíaca ClassificaçãoClassificação
  • 5. INFECÇÃO DE SÍTIOINFECÇÃO DE SÍTIO CIRÚRGICOCIRÚRGICO www.ipig.org
  • 6. Um dos critérios deve estar presenteUm dos critérios deve estar presente  Secreção purulenta no local da incisão (Secreção purulenta no local da incisão (ISC superficialISC superficial), drenada), drenada de tecidos moles profundos (de tecidos moles profundos (ISC profundaISC profunda) ou de órgão ou) ou de órgão ou cavidade manipulados na cirurgia (cavidade manipulados na cirurgia (ISC específicaISC específica))  Organismo isolado com técnica asséptica de material teoricamenteOrganismo isolado com técnica asséptica de material teoricamente estéril, de local previamente fechadoestéril, de local previamente fechado DIAGNÓSTICODIAGNÓSTICO
  • 7.  Abscesso ou evidência radiológica ou histopatológica sugestivaAbscesso ou evidência radiológica ou histopatológica sugestiva de infecção (tecidos profundos)de infecção (tecidos profundos)  Sinais inflamatórios na incisão e febreSinais inflamatórios na incisão e febre  Diagnóstico de ISC pelo médico assistenteDiagnóstico de ISC pelo médico assistente  necessárionecessário exame da ferida para comprovaçãoexame da ferida para comprovação
  • 8.  Patógenos provenientes de 03 fontesPatógenos provenientes de 03 fontes  Microbiota do próprio pacienteMicrobiota do próprio paciente  importância da topografiaimportância da topografia da cirurgia, da técnica, do tempo de duração e das condiçõesda cirurgia, da técnica, do tempo de duração e das condições infecciosas prévias do pacienteinfecciosas prévias do paciente  Equipe de saúdeEquipe de saúde  anti-sepsia pré-operatória e condiçõesanti-sepsia pré-operatória e condições infecciosasinfecciosas  Ambiente inanimadoAmbiente inanimado, incluindo material cirúrgico (importância, incluindo material cirúrgico (importância menor, porém não irrelevante)menor, porém não irrelevante)  falha no processo defalha no processo de esterilização, ar do ambiente cirúrgico (importante em algumasesterilização, ar do ambiente cirúrgico (importante em algumas cirurgias; menor importância na prática diária)cirurgias; menor importância na prática diária) PRINCIPAIS AGENTESPRINCIPAIS AGENTES MICROBIANOS NA ISCMICROBIANOS NA ISC
  • 9. Staphylococcus aureus e Estafilococos Coagulase – NegativaStaphylococcus aureus e Estafilococos Coagulase – Negativa Colonizante de peleColonizante de pele  erradicação pela anti-sepsia impossívelerradicação pela anti-sepsia impossível  aumento da concentração no decorrer do procedimentoaumento da concentração no decorrer do procedimento  descamação da peledescamação da pele  atinge tecidos lesados pela cirurgiaatinge tecidos lesados pela cirurgia
  • 10. Enterobactérias (Gram -)Enterobactérias (Gram -)  E. coli, Klebsiella,E. coli, Klebsiella, EnterobacterEnterobacter  Presentes em grandes concentrações emPresentes em grandes concentrações em cavidades ocascavidades ocas  cirurgias do tubo digestivo,cirurgias do tubo digestivo, vias biliares e urináriasvias biliares e urinárias  Uso abusivo de cefalosporinasUso abusivo de cefalosporinas Gram (–) não fermentadoresGram (–) não fermentadores  P. aeruginosa,P. aeruginosa, AcinetobacterAcinetobacter  Internação prolongada, uso prévio deInternação prolongada, uso prévio de antimicrobianos, casos mais graves.antimicrobianos, casos mais graves.
  • 11. AnaeróbiosAnaeróbios  Principalmente cirurgias do trato digestivo; em geral, agemPrincipalmente cirurgias do trato digestivo; em geral, agem acompanhados de outros patógenosacompanhados de outros patógenos EnterococosEnterococos  Freqüência elevada, predominando em cirurgias do tratoFreqüência elevada, predominando em cirurgias do trato digestivo e ginecológicasdigestivo e ginecológicas  Uso abusivo de cefalosporinasUso abusivo de cefalosporinas
  • 12. EstreptococosEstreptococos  Menos freqüentes, porém curto período de incubação e maiorMenos freqüentes, porém curto período de incubação e maior gravidadegravidade  Profissionais de saúde colonizadosProfissionais de saúde colonizados  associados a surtosassociados a surtos
  • 13. Importante !Importante !  Considerar as características específicasConsiderar as características específicas da instituiçãoda instituição  População atendidaPopulação atendida  Principais patologias cirúrgicasPrincipais patologias cirúrgicas  Normas para uso de antimicrobianosNormas para uso de antimicrobianos  Disponibilidade de antimicrobianosDisponibilidade de antimicrobianos  Média de permanência antes do procedimentoMédia de permanência antes do procedimento  OutrasOutras PRINCIPAIS AGENTESPRINCIPAIS AGENTES MICROBIANOS NA ISCMICROBIANOS NA ISC
  • 14.  Microrganismos atingem a ferida operatória emMicrorganismos atingem a ferida operatória em geral durante o ato cirúrgicogeral durante o ato cirúrgico  Quando não há fechamento primário, ou háQuando não há fechamento primário, ou há dreno, ocorreu manipulação excessiva da feridadreno, ocorreu manipulação excessiva da ferida ou deiscênciaou deiscência  contaminação pode ocorrer nocontaminação pode ocorrer no pós-operatóriopós-operatório  Implante secundário de patógenos por viaImplante secundário de patógenos por via hematogênicahematogênica A ruptura de continuidade da pele é o principalA ruptura de continuidade da pele é o principal fator para ISC !fator para ISC ! FATORES DE RISCOFATORES DE RISCO PARA ISCPARA ISC
  • 15.  Relacionados ao pacienteRelacionados ao paciente  Estado clínicoEstado clínico  doenças agudas ou crônicas descompensadas e infecçãodoenças agudas ou crônicas descompensadas e infecção em sítio distanteem sítio distante  avaliação clínica criteriosa é imprescindível !avaliação clínica criteriosa é imprescindível !  Tempo de internação pré-operatórioTempo de internação pré-operatório  relacionado à colonização da pelerelacionado à colonização da pele pela microbiota hospitalarpela microbiota hospitalar  Estado nutricionalEstado nutricional  desnutrição ou obesidadedesnutrição ou obesidade  Imunodepressão e uso de corticosteróideImunodepressão e uso de corticosteróide  menor inóculo emenor inóculo e retardamento do processo de cicatrizaçãoretardamento do processo de cicatrização
  • 16.  Relacionados ao procedimento cirúrgicoRelacionados ao procedimento cirúrgico  ImunossupressãoImunossupressão  provável contrapeso à liberação de proteínas queprovável contrapeso à liberação de proteínas que poderiam desencadear reação imunepoderiam desencadear reação imune  Rompimento da barreira epitelialRompimento da barreira epitelial  interrupção do aporte de nutrientesinterrupção do aporte de nutrientes  Alterações no campo operatórioAlterações no campo operatório  HIPÓXIA + ACIDOSE  DIFICULTAM A AÇÃO DOS NEUTRÓFILOS DEPOSIÇÃO DE FIBRINA  SEQÜESTRO DE BACTÉRIAS E ALTERAÇÃO DOS MECANISMOS LOCAIS DE DEFESA
  • 17.  Relacionados ao procedimento cirúrgicoRelacionados ao procedimento cirúrgico  Classificação da cirurgia de acordo com o potencial de contaminaçãoClassificação da cirurgia de acordo com o potencial de contaminação  fator clássico de risco !fator clássico de risco ! LIMPALIMPA POTENCIALMENTE CONTAMINADAPOTENCIALMENTE CONTAMINADA CONTAMINADACONTAMINADA INFECTADAINFECTADA
  • 18.  Relacionados ao procedimento cirúrgicoRelacionados ao procedimento cirúrgico  duração do procedimentoduração do procedimento cirúrgicocirúrgico  Maior exposição ao ambiente externoMaior exposição ao ambiente externo  Maior complexidadeMaior complexidade  Pior estado clínicoPior estado clínico  Menor experiência da equipeMenor experiência da equipe  Desorganização da sala cirúrgicaDesorganização da sala cirúrgica
  • 19.  Cirurgias de urgênciaCirurgias de urgência  Preparo inadequado do pacientePreparo inadequado do paciente  Pior estado clínicoPior estado clínico  Técnica menos rigorosaTécnica menos rigorosa
  • 20.  Redução do tempo de internação pré-cirúrgicoRedução do tempo de internação pré-cirúrgico  Avaliação pré-operatória em ambulatórioAvaliação pré-operatória em ambulatório  Internação somente com avaliação pré-operatóriaInternação somente com avaliação pré-operatória  Organização do agendamento de internação e cirurgiaOrganização do agendamento de internação e cirurgia  Lavagem das mãos na enfermaria (equipe de saúde)Lavagem das mãos na enfermaria (equipe de saúde)  evitar a colonização do paciente com a floraevitar a colonização do paciente com a flora hospitalar !hospitalar !  Estabilização do quadro clínico do pacienteEstabilização do quadro clínico do paciente  principalmente o tratamento de infecção préviaprincipalmente o tratamento de infecção prévia
  • 21.  Banho pré-operatórioBanho pré-operatório  noite anterior e manhã da cirurgia, comnoite anterior e manhã da cirurgia, com água e sabãoágua e sabão  TricotomiaTricotomia  se imprescindível e imediatamente antes do atose imprescindível e imediatamente antes do ato cirúrgicocirúrgico
  • 22.  Paramentação cirúrgicaParamentação cirúrgica  AventaisAventais  milhares de células epiteliais são desprendidasmilhares de células epiteliais são desprendidas por minuto, junto com bactérias, dispersando-se nopor minuto, junto com bactérias, dispersando-se no ambienteambiente  o uso de avental de algodão reduz emo uso de avental de algodão reduz em aproximadamente 30% a taxa de dispersãoaproximadamente 30% a taxa de dispersão  MáscarasMáscaras  utilizadas com dupla finalidadeutilizadas com dupla finalidade  prevençãoprevenção da ISC e proteção dos membros da equipe cirúrgica contrada ISC e proteção dos membros da equipe cirúrgica contra respingos de sangue e secreções durante o procedimentorespingos de sangue e secreções durante o procedimento  Há controvérsias sobre o papel na prevenção das ISC,Há controvérsias sobre o papel na prevenção das ISC, mas nenhuma quanto à proteção ocupacionalmas nenhuma quanto à proteção ocupacional  PropésPropés  estudos concluíram não haver diferençaestudos concluíram não haver diferença significativa de contaminação no piso entre calçadossignificativa de contaminação no piso entre calçados limpos, calçados de uso habitual e propés.limpos, calçados de uso habitual e propés.
  • 23.  Paramentação cirúrgicaParamentação cirúrgica  GorrosGorros  devem cobrir totalmente o cabelo na cabeça e facedevem cobrir totalmente o cabelo na cabeça e face  LuvasLuvas  devem ser usadas após a escovação das mãos e depois dedevem ser usadas após a escovação das mãos e depois de vestido o avental estérilvestido o avental estéril  é recomendado o duplo enluvamentoé recomendado o duplo enluvamento (para minimizar os efeitos de pequenos furos ou rupturas) ou a troca(para minimizar os efeitos de pequenos furos ou rupturas) ou a troca a cada 02 horas de procedimentoa cada 02 horas de procedimento
  • 24.  Anti-sepsia das mãos dos membros da equipeAnti-sepsia das mãos dos membros da equipe cirúrgicacirúrgica  Retirada de sujeira e detritos, redução substancial ou eliminação da floraRetirada de sujeira e detritos, redução substancial ou eliminação da flora transitória e redução parcial da flora residentetransitória e redução parcial da flora residente  Solução degermante de iodóforo (PVPI) ou de gluconato de clorhexidina,Solução degermante de iodóforo (PVPI) ou de gluconato de clorhexidina, ou álcool a 70% com emolienteou álcool a 70% com emoliente  Escovação necessária nos leitos sub-ungueais e espaços interdigitaisEscovação necessária nos leitos sub-ungueais e espaços interdigitais  05 minutos para a primeira cirurgia e 03 para os demais procedimentos05 minutos para a primeira cirurgia e 03 para os demais procedimentos  Enxágüe em água corrente, das mãos para os cotovelos (mãos sempreEnxágüe em água corrente, das mãos para os cotovelos (mãos sempre acima do nível dos cotovelos)acima do nível dos cotovelos)
  • 25.  Antibioticoprofilaxia cirúrgicaAntibioticoprofilaxia cirúrgica  Indicação apropriadaIndicação apropriada  cirurgias potencialmentecirurgias potencialmente contaminadas e contaminadascontaminadas e contaminadas  Antimicrobiano adequado à flora esperada, em razãoAntimicrobiano adequado à flora esperada, em razão dodo tipo de cirurgiatipo de cirurgia  flora residente do localflora residente do local abordadoabordado  considerar, também, menor toxicidade econsiderar, também, menor toxicidade e custocusto  Dose adequada e momento certoDose adequada e momento certo  01 a 02 horas01 a 02 horas antesantes do início do procedimentodo início do procedimento  Uso por curto períodoUso por curto período  cobertura durante o atocobertura durante o ato cirúrgicocirúrgico
  • 26. Concluindo:Concluindo: Melhor tratamento =Melhor tratamento = PREVENÇÃO!!!PREVENÇÃO!!!