SlideShare uma empresa Scribd logo
CENTRO DE TRABALHOS
ESPÍRITA ANA LUZ
Metodologia e Critérios Utilizados
na Codificação Espírita
1804-1869
Roteiro 3   metodologia e critérios utilizados na codificação espírita
Metodologia e Critérios Utilizados
na Codificação Espírita
Objetivos Específicos
Justificar a importância da aplicação do método
experimental para a elaboração da Doutrina
Espírita
Explicar por que a generalidade e a concordância
se constituem na garantia dos ensinos dos
Espíritos.
 Não duvide do valor da
vida, da paz, do amor, do prazer
de viver, em fim, de tudo que faz a
vida florescer.
Mas duvide de tudo que a
compromete.
Duvide do controle que a
miséria, ansiedade, egoísmo,
intolerância e irritabilidade
exercem sobre você.
Use a dúvida como
ferramenta para fazer uma higiene
no delicado palco da sua mente
com o mesmo empenho com que
você faz higiene bucal.
SubsídiosSubsídios
 Allan Kardec, como se
sabe, não era um cientista no
sentido profissional, de
especialista neste ou naquele
ramo da Ciência, mas tinha
cultura científica, espírito
científico.
A propósito deste assunto, o escritor e
jornalista espírita Deolindo Amorim, num de
seus artigos dedicados ao Codificador, assim se
expressa:
► Alan Kardec revela-se, em tudo e por
tudo, um homem de espírito científico pela sua
própria natureza.
Todas as condições indispensáveis ao
espírito científico nele estão, sem tirar nem pôr,
como diz o jargão habitual:
Em primeiro lugar, a serenidade com que
encarou os fatos mediúnicos, com equilíbrio
imperturbável, sem negar nem afirmar
aprioristicamente (sem considerar as evidências).
Em segundo lugar, o domínio próprio, a fim
de não se entusiasmar com os primeiros
resultados:
Em terceiro lugar, o cuidado na seleção
das comunicações;
Em quarto lugar, a prudência nas
declarações, sempre com a preocupação de
evitar divulgação precipitada de fatos ainda não
de todo examinados e comprovados;
Em quinto lugar, finalmente, a humildade,
que é também uma condição do espírito
científico, interessado na procura da verdade,
antes e acima de tudo. (11)
 E foi esse espírito científico que o
secundou, todo o tempo, no cumprimento da sua
missão de Codificador da Doutrina Espírita.
Roteiro 3   metodologia e critérios utilizados na codificação espírita
Roteiro 3   metodologia e critérios utilizados na codificação espírita
“Por quê?”
está fora do domínio da ciência.
A ciência busca responder “que” e “como”.
Para saber “por quê?”
assista à aula de Filosofia.
 Espírito e matéria, de acordo com a
Doutrina Espírita, são duas constantes da
realidade universal.
Assim, Espiritismo e Ciência não são
forças antagônicas, mas, ao contrário,
completam-se reciprocamente, segundo o
pensamento de Kardec, expresso em A
Gênese:
► Assim como a Ciência propriamente
dita tem por objeto o estudo das leis do
princípio material, o objeto especial do
Espiritismo é o conhecimento das leis do
princípio espiritual.
Ora, como último é uma das
forças da Natureza, a reagir incessantemente
sobre o princípio material e reciprocamente, segue-se que
o conhecimento de um não, pode estar completo
sem o conhecimento do outro.
O Espiritismo e a Ciência se completam
reciprocamente;
Ciência, sem o Espiritismo, se acha na
impossibilidade de explicar certos fenômenos só
pelas leis da matéria;
Ao Espiritismo, sem a Ciência, faltariam
apoio e comprovação.
O estudo das leis da matéria tinha que
preceder o da espiritualidade, porque a matéria é
que primeiro fere os sentidos.
Se o Espiritismo tivesse vindo antes das
descobertas científicas, teria abortado, como
tudo quanto surge antes do tempo. (8)
“A ciência sem a religião é manca;
A religião sem a ciência é cega”.
Albert Einstein.
Roteiro 3   metodologia e critérios utilizados na codificação espírita
 O fato de a Ciência oferecer ao
Espiritismo apoio e confirmação não garante, no
entanto, àquela a competência para se
pronunciar em questão de Doutrina Espírita.
Eis os argumentos apresentados pelo
Codificador, com respeito a este assunto.
► As ciências comuns se apoiam nas
propriedades da matéria, que podem ser
experimentadas e manipuladas à vontade;
Os fenômenos espíritas se apoiam na
ação de inteligências que têm vontade própria e
nos provam a todo instante não estarem
submetidas ao nosso capricho
As observações, portanto, não podem ser
feitas da mesma maneira, num e noutro caso.
No Espiritismo elas requerem condições
especiais e outra maneira de encará-las:
Requer sujeita-las aos processos
ordinários (comuns) de investigação seria
estabelecer analogias que não existem.
A ciência propriamente dita, como ciência,
é incompetente para se do Espiritismo:
Não lhe cabe ocupar-se do assunto e seu
pronunciamento a respeito, qualquer que seja,
favorável ou não, nenhum peso poderá ter.(9)
☞ É importante
ressaltar que;
Ao referir-se às
ciências ordinárias
(comuns), Kardec fazia
alusão às ciências
positivas, classificadas
por Auguste Comte
em:
Matemática, Física,
Astronomia, Química,
Biologia e Sociologia.
☞ A filosofia positiva de Comte nega
que a explicação dos fenômenos naturais,
assim como sociais, provenha de um só
princípio.
A visão positiva dos fatos abandona a
consideração das causas dos fenômenos (
Deus ou natureza) e pesquisa suas leis,
vistas como relações abstratas (de difícil
compreensão) e constantes entre fenômenos
observáveis.
A diferença fundamental entre idealismo
O primeiro (idealismo) procura uma
interpretação, uma unificação da experiência
mediante a razão;
O segundo (positivismo), ao contrário,
quer limitar-se à experiência imediata, pura,
sensível, como já fizera o empirismo.
IMPIRISMO: (Toda doutrina para a qual o
conhecimento só pode ser alcançado mediante a
experiência sensorial, opondo-se assim a todo
racionalismo e a toda transcendência metafísica).
☞ Allan Kardec não se manteve preso
às ideias do Positivismo; foi além deste.
A filosofia positivista, elaborada por
Comte, estabelecia que...:
(...) todo conhecimento científico e
filosófico deve ter por finalidade o
aperfeiçoamento moral e político da
humanidade.
Para tanto, só o conhecimento dos
fatos é fecundo e qualquer certeza só é
determinada pelas ciências experimentais,
através das suas leis.
Naturalmente que nem todos os fatos
sociais, mesmo alguns das ciências, podem ser
reduzidos a leis.
Esta é a fragilidade maior do Positivismo.
Na verdade, as ciências humanas têm
demonstrado que é complexo, difícil mesmo,
estabelecer padrões (ou leis), por exemplo, na
área comportamental ou na afetiva.
Daí a sua pobreza filosófica, mas também
o seu maior valor como descrição e análise
objetiva da experiência - através da história e
da ciência - com respeito ao idealismo, que
alterava a experiência, a ciência e a história.
Dada essa objetividade da ciência e da
história do pensamento positivista,
compreende-se porque elas são fecundas no
campo prático, técnico, aplicado.
☞ O método adotado por Allan Kardec na
investigação e comprovação do fato mediúnico
— instrumento comprobatório da existência e
comunicabilidade do Espírito — é o
experimental, aplicado às ciências positivas...,
...fundamentado na observação, comparação,
análise sistemática e conclusão.
São suas palavras:
► Como meio de elaboração, o
Espiritismo procede exatamente da mesma
forma que as ciências positivas, aplicando o
método experimental.
Fatos novos se apresentam, que não
podem ser explicados pelas leis conhecidas;
Ele os observa, compara, analisa e,
remontando dos efeitos às causas, chega à
lei que os rege;
Depois, deduz-lhes as consequências e
busca as aplicações úteis.
Não estabeleceu nenhuma teoria
preconcebida;
Assim, não apresentou como hipóteses
a existência e a intervenção dos Espíritos,
nem o perispírito, nem a rematerialização,
nem qualquer princípio da doutrina;
Concluiu pela existência dos Espíritos,
quando essa existência ressaltou da
observação dos fatos, procedendo de igual
maneira quanto aos outros princípios.
Não foram os fatos que vieram a
posteriori confirmar a teoria: a teoria é que
veio subsequentemente explicar e resumir os
fatos.
É, pois, rigorosamente exato dizer-se
que o Espiritismo é uma ciência de
observação e não produto da imaginação.
As ciências só fizeram progressos
importantes depois que seus estudos se
basearam sobre o método experimental;
Até então, acreditou-se que esse
método também só era aplicável à matéria...,
...ao passo que o é também às coisas
metafísicas . (7)
► Apliquei a essa nova ciência, como o
fizera até então, o método experimental;
Nunca elaborei teorias preconcebidas;
Observava cuidadosamente, comparava,
deduzia consequências;
Dos efeitos procurava remontar às causas,
por dedução e pelo encadeamento lógico dos
fatos, não admitindo por válida uma explicação,
senão quando resolvia todas as dificuldades da
questão. (10).
☞ Na indução científica (*), chega-se à
generalização pela análise das partes.
► Esse tipo de lógica exige observações
repetidas de uma experiência ou de um
acontecimento.
Da observação de muitos exemplos
diferentes [partes] os cientistas podem tirar uma
conclusão geral. (11)
☞ Foi assim que procedeu Kardec em
relação à Doutrina Espírita, colocando-a
confortavelmente entre as demais ciências.
☞ A respeito do caminho das induções –
percorrido pela Doutrina Espírita –, Herculano
Pires, em seu livro O Espírito e o Tempo, infere
(Concluir ou deduzir (algo) a partir de exame dos fatos e de
raciocínio) que é a partir da observação dos fatos
positivos que o Espiritismo chega às realidades
extrafísicas. (13)
☞ Em A Gênese, diz-nos o Codificador:
► Não foram os fatos que vieram a
posteriori confirmar a teoria: a teoria é que veio
subsequentemente explicar e resumir os fatos.
(7).
☞ Fica, assim, a estrutura lógica do
Espiritismo caracterizada como de natureza
indutiva. (12).
☞ No entanto, o processo dedutivo(**)
está igualmente consagrado na Doutrina
Espírita, (12), já que o método científico exige
que se combinem indução e dedução.
São palavras de Kardec:
► Nunca elaborei teorias preconcebidas;
Observava cuidadosamente, comparava,
deduzia consequências;
Dos efeitos, procurava remontar às causas,
por dedução e pelo encadeamento lógico dos
fatos, não admitindo por válida uma explicação,
senão quando resolvia todas as dificuldades da
questão. (10).
► As ideias do homem estão na razão do
que ele sabe;
Como todas as descobertas importantes, a
da constituição dos mundos [por exemplo]
deveria imprimir-lhes outro curso;
Sob a influência desses conhecimentos novos,
as crenças se modificaram;
O Céu foi deslocado e a região estelar,
sendo ilimitada, não mais lhe pode servir.
Onde está ele, pois? E ante esta questão
emudecem todas as religiões.
O Espiritismo vem resolvê-la demonstrando
o verdadeiro destino do homem. Tomando-se por
base a natureza deste último e os atributos
divinos,
Chega-se a uma conclusão;
Isto quer dizer que, partindo do conhecido,
atinge-se o desconhecido por uma dedução
lógica, sem falar das observações diretas que o
Espiritismo faculta. (1)
Clareando IdeiasClareando Ideias
☞ Experimentação Científica (*)
☞ Método Dedutivo (**)
☞ Método Indutivo (**)
☞ Método Dedutivo (**) é o processo de
raciocínio pelo qual tiramos conclusões por
inferência lógica de premissas dadas.
Se começamos aceitando as proposições
“Todos os gregos têm barba” e “Zenão é grego”,
podemos concluir validamente que «Zenão tem
barba».
Referimo-nos às conclusões do raciocínio
dedutivo como válidas, ao invés de verdadeiras,
porque precisamos distinguir claramente entre
aquilo que se depreende logicamente de outras
afirmações e aquilo que efetivamente é.
As premissas iniciais podem ser artigos
de fé ou suposições.
Antes de podermos considerar as
conclusões tiradas dessas premissas como
válidas, precisamos demonstrar que elas
são coerentes entre si e com a premissa
original.
A matemática e a lógica são exemplos
de disciplinas que utilizam muito o método
dedutivo.
O método científico exige uma
combinação de dedução e indução.
☞ Método Indutivo (**) é o processo de
raciocínio pelo qual de uma experiência
particular se passa a generalizações.
Pode-se começar com “Todas as maçãs
que comi são doces”.
A partir dessa constatação, conclui-se
que “As maçãs são doces”.
Mas a maçã seguinte pode não ser doce.
O método indutivo leva a probabilidades,
não a certezas.
É a base do senso comum, segundo o
qual uma pessoa age.
É também empregado na descoberta
científica.
Os cientistas utilizam a indução e a dedução.
Na dedução, o cientista começa com
generalizações.
Ele deduz afirmativas particulares a partir
delas.
Pode testar suas suposições pela
experimentação, confirmá-las, revisá-las ou
rejeitar suas generalizações originais.
Usando apenas a dedução, o homem ignora
a experiência.
Empregando apenas a indução, ignora
as relações entre os fatos.
Pela combinação destes métodos, a
ciência estabelece uma união entre a teoria
e a prática.
(Enciclopédia Delta Universal, v. 10, p. 5257).
☞ Experimentação Científica (*) é um
método empregado para testar ideias e
descobrir os fatos sobre qualquer coisa que
um cientista possa controlar e observar.
Os cientistas utilizam-no para estudar
os seres vivos ou brutos, em vários campos
das ciências físicas e da vida.
[...] Qualquer experimento científico
válido deve ser capaz de ser repetido, não
só pelo pesquisador original, mas por outros
cientistas.
Se eles concordam com as conclusões,
atribui-se ao pesquisador original o crédito
de ter feito uma importante descoberta
(Enciclopédia Delta Universal, v. 6, p. 3154).
☞ Dois importantes critérios científicos
foram adotados por Kardec, na tarefa de reunir
informações para a elaboração da Doutrina
Espírita:
A generalidade (ou universalidade) e a
concordância dos ensinos dos Espíritos.
☞ Esses critérios, com o suporte do uso
da razão, do bom senso e da lógica rigorosa
emprestam à Doutrina Espírita força e
autoridade, como podemos constatar na
introdução de O Evangelho Segundo o
Espiritismo:
► Quis Deus que a nova revelação
chegasse aos homens por mais rápido
caminho e mais autêntico.
Incumbiu, pois, os Espíritos de levá-la de
um polo a outro, manifestando-se por toda a
parte, sem conferir a ninguém o privilégio de
lhes ouvir a palavra.
Um homem pode ser ludibriado, pode
enganar-se a si mesmo;
Já não será assim, quando milhões de
criaturas veem e ouvem a mesma coisa.
Constitui isso uma garantia para cada
um e para todos.
Ao demais, pode fazer-se que desapareça
um homem; mas não se pode fazer que
desapareçam as coletividades;
Podem queimar-se os livros, mas não se
podem queimar os Espíritos.
Ora, queimassem-se todos os livros e a
fonte da doutrina não deixaria de conservar-se
inexaurível, pela razão mesma de não estar na
Terra, de surgir em todos os lugares e de
poderem todos dessedentar-se nela. (2).
► Não será à opinião de um homem que se
aliarão os outros, mas à voz unânime dos
Espíritos;
Não será um homem, como não será
qualquer outro que fundará a ortodoxia espírita;
Tampouco será um Espírito que se venha
impor a quem quer que seja:
Será a universalidade dos Espíritos que se
comunicam em toda a Terra, por ordem de
Deus.
Esse o caráter essencial da Doutrina
Espírita; Essa a sua força, a sua autoridade.
Quis Deus que a sua lei assentasse em
base inamovível e por isso não lhe deu por
fundamento a cabeça frágil de um só. (5).
► O primeiro exame comprobativo [das
mensagens dos Espíritos] é, pois, sem contradita,
o da razão, ao qual cumpre se submeta, sem
exceção, tudo o que venha dos Espíritos.
Toda teoria em manifesta contradição com
o bom senso, com uma lógica rigorosa e com os
dados positivos já adquiridos, deve ser rejeitada,
por mais respeitável que seja o nome que traga
como assinatura.
Incompleto, porém, ficará esse exame em
muitos casos, por efeito da falta de luzes de
certas pessoas e das tendências de não poucas
a tomar as próprias opiniões, como juízes únicos
da verdade.
► Assim sendo, que hão de fazer
aqueles que não depositam confiança
absoluta em si mesmos?
Buscar o parecer da maioria e tomar
por guia a opinião desta.
De tal modo é que se deve proceder
em face do que digam os Espíritos, que
são os primeiros a nos fornecer os meios
de consegui-lo.
Uma só garantia séria existe para o
ensino dos Espíritos:
A concordância que haja entre as
revelações que eles façam espontaneamente,
servindo-se de grande número de médiuns
estranhos uns aos outros e em vários lugares.
(3).
► Essa [concordância] a base em que
nos apoiamos, quando formulamos um princípio
da doutrina.
Não é porque esteja de acordo com as
nossas ideias que o temos por verdadeiro.
Não nos arvoramos, absolutamente, em
árbitro supremo da verdade e a ninguém
dizemos.
► «Crede em tal coisa, porque somos
nós que vo-lo dizemos.»
A nossa opinião não passa, aos
nossos próprios olhos, de uma opinião
pessoal, que pode ser verdadeira ou falsa,
visto não nos considerarmos mais infalível
do que qualquer outro.
Também não é porque um princípio
nos foi ensinado que, para nós, ele exprime
a verdade, mas porque recebeu a sanção
da concordância.
Na posição em que nos encontramos, a receber
comunicações de perto de mil centros espíritas
sérios, disseminados pelos mais diversos pontos
da Terra, achamo-nos em condições de observar
sobre que princípio se estabelece a concordância.
Essa observação é que nos tem guiado até hoje
e é a que nos guiará em novos campos que o
Espiritismo terá de explorar.
Porque, estudando atentamente as
comunicações vindas tanto da França como do
estrangeiro, reconhecemos, pela natureza toda
especial das revelações, que ele tende a entrar por
um novo caminho e que lhe chegou o momento de
dar um passo para diante.
Essas revelações, feitas muitas vezes com
palavras veladas, hão frequentemente passado
despercebidas a muitos dos que as obtiveram.
Outros julgaram-se os únicos a possuí-las.
Tomadas insuladamente, (Impedido de
comunicação com os outros Espíritos) elas,
para nós, nenhum valor teriam;
Somente a coincidência lhes imprime
gravidade.
Depois, chegado o momento de serem
entregues à publicidade, cada um se lembrará
de haver obtido instruções no mesmo sentido.
Esse movimento geral, que observamos e
estudamos, com a assistência dos nossos guias
espirituais, é que nos auxilia a julgar da
oportunidade de fazermos ou não alguma coisa.
Essa verificação universal constitui uma
garantia para a unidade futura do Espiritismo e
anulará todas as teorias contraditórias.
Aí é que, no porvir, se encontrará o critério da
verdade.
O que deu lugar ao êxito da doutrina exposta
em O Livro dos Espíritos e em O Livro dos Médiuns
foi que em toda a parte todos receberam
diretamente dos Espíritos a confirmação do que
esses livros contêm. (4).
☞ Retomando, em A Gênese, esse
assunto, Kardec assim se expressa:
► Generalidade e concordância no
ensino, esse o caráter essencial da doutrina,
a condição mesma da sua existência, donde
resulta que todo princípio que ainda não haja
recebido a consagração do controle da
generalidade não pode ser considerado
parte integrante dessa mesma doutrina.
Será uma simples opinião isolada, da
qual não pode o Espiritismo assumir a
responsabilidade.
► Essa coletividade concordante da opinião
dos Espíritos, passada, ao demais, pelo critério da
lógica, é que constitui a força da Doutrina Espírita e
lhe assegura a perpetuidade.
Para que ela mudasse, fora mister que a
universalidade dos Espíritos mudasse de opinião e
viesse um dia dizer o contrário do que dissera.
Pois que ela tem sua fonte de origem no
ensino dos Espíritos, para que sucumbisse, seria
necessário que os Espíritos deixassem de existir.
É também o que fará que prevaleça sobre
todos os sistemas pessoais, cujas raízes não se
encontram por toda a parte, como com ela se dá.
(6).
1. KARDEC, Allan. O Céu e Inferno. Tradução
Manuel Justiniano Quintão. 58ª ed. Rio de
Janeiro: FEB 2005. – 1ª Parte – Cap. 3 – Item: 4 –
Pág. 29.
2.______. O Evangelho Segundo Espiritismo.
Tradução de Guillon Ribeiro. 124ª ed. Rio de
Janeiro: FEB 2005 – Introdução - Pág. 29.
3. ______.Pág. 31.
4. ______.Págs. 32-33.
5. ______.Pág. 36.
ReferênciaReferência BibliográficaBibliográfica
6.________.A Gênese. Tradução Guillon
Ribeiro. 48ª ed. Rio de Janeiro: FEB 2005. –
Introdução – Pág. 11.
7. ______.Cap. 1 – Item 14 - Pág. 20.
8. ______.Item 16 - Pág. 21.
9.______.O Livro dos Espíritos. Tradução J.
Herculano Pires. 68ª ed. São Paulo: LAKE 2009 –
Introdução ao Estudo da Doutrina Espírita – Item
VII – A Ciência e o Espiritismo - Págs. 37-39.
10.______.Obras Póstumas. Tradução Guillon Ribeiro. 76ª
ed. Rio de Janeiro: FEB 2005. – Segunda Parte – (Minha 1ª
Iniciação no Espiritismo) - Pág. 268.
11. AMORIM, Deolindo. Análises Espíritas.
Compilação de Celso Martins – 2ª ed. – Rio de
Janeiro: FEB 1995 (Allan Kardec e o Espírito
Científico) Págs. 133-134.
12. ENCICLOPÉDIA DELTA UNIVERSAL.
Rio de Janeiro: DELTA S/A 1980 – Vol. 4 - Pág.
2043.
13. PIRES, J. Herculano. O Espírito e o
Tempo. 7ª ed. Sobradinho – EDICEL 1995 – 3ª
Parte – Cap. 1 (O Triângulo de Emmanuel) - Pág.
136.
14. ______.Cap. 2 (A Ciência Admirável) -
Pág. 139.
Roteiro 3   metodologia e critérios utilizados na codificação espírita

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Allan Kardec
Allan KardecAllan Kardec
Allan Kardec
Power Point
 
Esde módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Esde    módulo 03 - roteiro 01 - existência de deusEsde    módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Esde módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Elysio Laroide Lugarinho
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Transfiguração
Mocidade Espírita Chico Xavier - TransfiguraçãoMocidade Espírita Chico Xavier - Transfiguração
Mocidade Espírita Chico Xavier - Transfiguração
Sergio Lima Dias Junior
 
O centro espírita
O centro espíritaO centro espírita
O centro espírita
nelmarvoc
 
A terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiaçõesA terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiações
Graça Maciel
 
O passe espirita
O passe espiritaO passe espirita
O passe espirita
carlos freire
 
Mediunidade com Jesus
Mediunidade com JesusMediunidade com Jesus
Mediunidade com Jesus
home
 
Introdução ao estudo do espiritismo: conceito e objeto
Introdução ao estudo do espiritismo: conceito e objetoIntrodução ao estudo do espiritismo: conceito e objeto
Introdução ao estudo do espiritismo: conceito e objeto
Denise Aguiar
 
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com JesusEvangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Antonino Silva
 
Trabalhador espírita
Trabalhador espíritaTrabalhador espírita
Trabalhador espírita
Norberto Tomasini Jr
 
História do Espiritismo no Brasil
História do Espiritismo no BrasilHistória do Espiritismo no Brasil
História do Espiritismo no Brasil
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina EspíritaTríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Antonino Silva
 
Palestra sobre O livro dos espíritos ( Leonardo Pereira).
Palestra sobre O  livro dos espíritos ( Leonardo Pereira). Palestra sobre O  livro dos espíritos ( Leonardo Pereira).
Palestra sobre O livro dos espíritos ( Leonardo Pereira).
Leonardo Pereira
 
Influência Moral do Médium e do Meio
Influência Moral do Médium e do MeioInfluência Moral do Médium e do Meio
Influência Moral do Médium e do Meio
igmateus
 
Genese cap 01 de 1 a 29
Genese cap 01  de 1 a 29Genese cap 01  de 1 a 29
Genese cap 01 de 1 a 29
Fernando A. O. Pinto
 
Provas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riquezaProvas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riqueza
Graça Maciel
 
Obras póstumas Allan Kardec FEESP
Obras póstumas Allan Kardec FEESPObras póstumas Allan Kardec FEESP
Obras póstumas Allan Kardec FEESP
Roseli Lemes
 
Instinto e inteligência
Instinto e inteligênciaInstinto e inteligência
Instinto e inteligência
Shantappa Jewur
 
Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado
Izabel Cristina Fonseca
 
Aula 8 - Médium/Mediunidade
Aula 8 - Médium/MediunidadeAula 8 - Médium/Mediunidade
Aula 8 - Médium/Mediunidade
Sergio Lima Dias Junior
 

Mais procurados (20)

Allan Kardec
Allan KardecAllan Kardec
Allan Kardec
 
Esde módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Esde    módulo 03 - roteiro 01 - existência de deusEsde    módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Esde módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Transfiguração
Mocidade Espírita Chico Xavier - TransfiguraçãoMocidade Espírita Chico Xavier - Transfiguração
Mocidade Espírita Chico Xavier - Transfiguração
 
O centro espírita
O centro espíritaO centro espírita
O centro espírita
 
A terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiaçõesA terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiações
 
O passe espirita
O passe espiritaO passe espirita
O passe espirita
 
Mediunidade com Jesus
Mediunidade com JesusMediunidade com Jesus
Mediunidade com Jesus
 
Introdução ao estudo do espiritismo: conceito e objeto
Introdução ao estudo do espiritismo: conceito e objetoIntrodução ao estudo do espiritismo: conceito e objeto
Introdução ao estudo do espiritismo: conceito e objeto
 
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com JesusEvangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
 
Trabalhador espírita
Trabalhador espíritaTrabalhador espírita
Trabalhador espírita
 
História do Espiritismo no Brasil
História do Espiritismo no BrasilHistória do Espiritismo no Brasil
História do Espiritismo no Brasil
 
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina EspíritaTríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita
 
Palestra sobre O livro dos espíritos ( Leonardo Pereira).
Palestra sobre O  livro dos espíritos ( Leonardo Pereira). Palestra sobre O  livro dos espíritos ( Leonardo Pereira).
Palestra sobre O livro dos espíritos ( Leonardo Pereira).
 
Influência Moral do Médium e do Meio
Influência Moral do Médium e do MeioInfluência Moral do Médium e do Meio
Influência Moral do Médium e do Meio
 
Genese cap 01 de 1 a 29
Genese cap 01  de 1 a 29Genese cap 01  de 1 a 29
Genese cap 01 de 1 a 29
 
Provas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riquezaProvas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riqueza
 
Obras póstumas Allan Kardec FEESP
Obras póstumas Allan Kardec FEESPObras póstumas Allan Kardec FEESP
Obras póstumas Allan Kardec FEESP
 
Instinto e inteligência
Instinto e inteligênciaInstinto e inteligência
Instinto e inteligência
 
Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado
 
Aula 8 - Médium/Mediunidade
Aula 8 - Médium/MediunidadeAula 8 - Médium/Mediunidade
Aula 8 - Médium/Mediunidade
 

Destaque

Módulo II - Aula III - Mansão Espírita
Módulo II - Aula III - Mansão EspíritaMódulo II - Aula III - Mansão Espírita
Módulo II - Aula III - Mansão Espírita
brunoquadros
 
Fund I Mód II Rot 3
Fund I Mód II Rot 3 Fund I Mód II Rot 3
Fund I Mód II Rot 3
Shantappa Jewur
 
Os minerais as plantas os animais e o homem
Os minerais as plantas os animais e o homemOs minerais as plantas os animais e o homem
Os minerais as plantas os animais e o homem
Graça Maciel
 
Emancipação parcial da alma 1
Emancipação parcial da alma 1Emancipação parcial da alma 1
Emancipação parcial da alma 1
Graça Maciel
 
Mediunidade aula 08 - efeitos inteligentes 1
Mediunidade   aula 08 - efeitos inteligentes 1Mediunidade   aula 08 - efeitos inteligentes 1
Mediunidade aula 08 - efeitos inteligentes 1
Augusto Luvisotto
 
ESDE 3 - 2013 - REVISÃO POSTULADOS DOUTRINA ESPÍRITA
ESDE 3 - 2013 - REVISÃO POSTULADOS DOUTRINA ESPÍRITAESDE 3 - 2013 - REVISÃO POSTULADOS DOUTRINA ESPÍRITA
ESDE 3 - 2013 - REVISÃO POSTULADOS DOUTRINA ESPÍRITA
Almir Silva
 
Conhecimento Empírico
Conhecimento EmpíricoConhecimento Empírico
Conhecimento Empírico
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Plano de aula 03 - Lorena Sá
Plano de aula 03 - Lorena SáPlano de aula 03 - Lorena Sá
Plano de aula 03 - Lorena Sá
Lorenabiologia
 
Mediunidade aula 00 inaugural
Mediunidade   aula 00 inauguralMediunidade   aula 00 inaugural
Mediunidade aula 00 inaugural
Augusto Luvisotto
 
Plano de aula 07 - Lorena Sá
Plano de aula 07 -  Lorena SáPlano de aula 07 -  Lorena Sá
Plano de aula 07 - Lorena Sá
Lorenabiologia
 
Plano de aula prática sobre misturas homogêneas e heterogêneas e separação de...
Plano de aula prática sobre misturas homogêneas e heterogêneas e separação de...Plano de aula prática sobre misturas homogêneas e heterogêneas e separação de...
Plano de aula prática sobre misturas homogêneas e heterogêneas e separação de...
spereirasantos
 
principios basicos do espiritismo
principios basicos do espiritismoprincipios basicos do espiritismo
principios basicos do espiritismo
cleomarjunior
 
Conhecimento científico
Conhecimento científicoConhecimento científico
Conhecimento científico
mmartinatti
 
091028 conclusão de o livro dos espíritos
091028 conclusão de o livro dos espíritos091028 conclusão de o livro dos espíritos
091028 conclusão de o livro dos espíritos
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Crença verdadeira justificada - filosofia
Crença verdadeira justificada - filosofiaCrença verdadeira justificada - filosofia
Crença verdadeira justificada - filosofia
AMLDRP
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimento
Luis De Sousa Rodrigues
 
Conhecimento Empirico X Conhecimento Cientifico
Conhecimento Empirico X Conhecimento CientificoConhecimento Empirico X Conhecimento Cientifico
Conhecimento Empirico X Conhecimento Cientifico
Julio Siqueira
 
Aula 02 princípios
Aula 02   princípiosAula 02   princípios
Aula 02 princípios
Acacio de Carvalho
 
Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...
Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...
Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...
Marcelo do Nascimento Rodrigues
 
Aula 8º ano - Introdução corpo humano e evolução humana
Aula 8º ano - Introdução corpo humano e evolução humanaAula 8º ano - Introdução corpo humano e evolução humana
Aula 8º ano - Introdução corpo humano e evolução humana
Leonardo Kaplan
 

Destaque (20)

Módulo II - Aula III - Mansão Espírita
Módulo II - Aula III - Mansão EspíritaMódulo II - Aula III - Mansão Espírita
Módulo II - Aula III - Mansão Espírita
 
Fund I Mód II Rot 3
Fund I Mód II Rot 3 Fund I Mód II Rot 3
Fund I Mód II Rot 3
 
Os minerais as plantas os animais e o homem
Os minerais as plantas os animais e o homemOs minerais as plantas os animais e o homem
Os minerais as plantas os animais e o homem
 
Emancipação parcial da alma 1
Emancipação parcial da alma 1Emancipação parcial da alma 1
Emancipação parcial da alma 1
 
Mediunidade aula 08 - efeitos inteligentes 1
Mediunidade   aula 08 - efeitos inteligentes 1Mediunidade   aula 08 - efeitos inteligentes 1
Mediunidade aula 08 - efeitos inteligentes 1
 
ESDE 3 - 2013 - REVISÃO POSTULADOS DOUTRINA ESPÍRITA
ESDE 3 - 2013 - REVISÃO POSTULADOS DOUTRINA ESPÍRITAESDE 3 - 2013 - REVISÃO POSTULADOS DOUTRINA ESPÍRITA
ESDE 3 - 2013 - REVISÃO POSTULADOS DOUTRINA ESPÍRITA
 
Conhecimento Empírico
Conhecimento EmpíricoConhecimento Empírico
Conhecimento Empírico
 
Plano de aula 03 - Lorena Sá
Plano de aula 03 - Lorena SáPlano de aula 03 - Lorena Sá
Plano de aula 03 - Lorena Sá
 
Mediunidade aula 00 inaugural
Mediunidade   aula 00 inauguralMediunidade   aula 00 inaugural
Mediunidade aula 00 inaugural
 
Plano de aula 07 - Lorena Sá
Plano de aula 07 -  Lorena SáPlano de aula 07 -  Lorena Sá
Plano de aula 07 - Lorena Sá
 
Plano de aula prática sobre misturas homogêneas e heterogêneas e separação de...
Plano de aula prática sobre misturas homogêneas e heterogêneas e separação de...Plano de aula prática sobre misturas homogêneas e heterogêneas e separação de...
Plano de aula prática sobre misturas homogêneas e heterogêneas e separação de...
 
principios basicos do espiritismo
principios basicos do espiritismoprincipios basicos do espiritismo
principios basicos do espiritismo
 
Conhecimento científico
Conhecimento científicoConhecimento científico
Conhecimento científico
 
091028 conclusão de o livro dos espíritos
091028 conclusão de o livro dos espíritos091028 conclusão de o livro dos espíritos
091028 conclusão de o livro dos espíritos
 
Crença verdadeira justificada - filosofia
Crença verdadeira justificada - filosofiaCrença verdadeira justificada - filosofia
Crença verdadeira justificada - filosofia
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimento
 
Conhecimento Empirico X Conhecimento Cientifico
Conhecimento Empirico X Conhecimento CientificoConhecimento Empirico X Conhecimento Cientifico
Conhecimento Empirico X Conhecimento Cientifico
 
Aula 02 princípios
Aula 02   princípiosAula 02   princípios
Aula 02 princípios
 
Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...
Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...
Introdução a doutrina espirita-Palestra do Curso Espiritismo E Evangelho-GECM...
 
Aula 8º ano - Introdução corpo humano e evolução humana
Aula 8º ano - Introdução corpo humano e evolução humanaAula 8º ano - Introdução corpo humano e evolução humana
Aula 8º ano - Introdução corpo humano e evolução humana
 

Semelhante a Roteiro 3 metodologia e critérios utilizados na codificação espírita

( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
( Espiritismo) # - astrid sayegh - teorias espiritas e rigor cientifico
( Espiritismo)   # - astrid sayegh - teorias espiritas e rigor cientifico( Espiritismo)   # - astrid sayegh - teorias espiritas e rigor cientifico
( Espiritismo) # - astrid sayegh - teorias espiritas e rigor cientifico
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Verificab..
Verificab..Verificab..
Verificab..
pyteroliva
 
Alex, alessandro, eduardo, igor 23 mp
Alex, alessandro, eduardo, igor 23 mpAlex, alessandro, eduardo, igor 23 mp
Alex, alessandro, eduardo, igor 23 mp
alemisturini
 
Entrevista ciencia-e-filosofia-para-melhor-entender-kardec
Entrevista ciencia-e-filosofia-para-melhor-entender-kardecEntrevista ciencia-e-filosofia-para-melhor-entender-kardec
Entrevista ciencia-e-filosofia-para-melhor-entender-kardec
HOME
 
Racionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mpRacionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mp
alemisturini
 
O que é espiritismo
O que é espiritismoO que é espiritismo
O que é espiritismo
Melita Andrade
 
Esdei 01.02 conceito e objeto
Esdei 01.02 conceito e objetoEsdei 01.02 conceito e objeto
Esdei 01.02 conceito e objeto
Denise Aguiar
 
Espiritismo, científico, filosófico e religioso (nertan jucá)
Espiritismo, científico, filosófico e religioso (nertan jucá)Espiritismo, científico, filosófico e religioso (nertan jucá)
Espiritismo, científico, filosófico e religioso (nertan jucá)
Nertan Jucá
 
Teoria e Prática Científica SEVERINO (2007)
Teoria e Prática Científica SEVERINO (2007)Teoria e Prática Científica SEVERINO (2007)
Teoria e Prática Científica SEVERINO (2007)
Anna Keyla Polle
 
Alberto Nhatirre
Alberto NhatirreAlberto Nhatirre
Alberto Nhatirre
Alberto Nhatirre
 
Espiritismo e mediunidade 03
Espiritismo e mediunidade 03Espiritismo e mediunidade 03
Espiritismo e mediunidade 03
Leonardo Pereira
 
Positivismo fund da pesquisa
Positivismo fund  da pesquisaPositivismo fund  da pesquisa
Positivismo fund da pesquisa
Núcleo de Abordagem Sistêmica do Design
 
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
O que e filosofia
O que e filosofiaO que e filosofia
O que e filosofia
Joao Carlos
 
Período Sistemático - novo
Período Sistemático - novoPeríodo Sistemático - novo
Período Sistemático - novo
Juliana Corvino de Araújo
 
A epistemologia crítica
A epistemologia críticaA epistemologia crítica
A epistemologia crítica
Elisngela9
 
Roteiro 2 espiritismo ou doutrina espírito - conceito e objeto
Roteiro 2   espiritismo ou doutrina espírito - conceito e objetoRoteiro 2   espiritismo ou doutrina espírito - conceito e objeto
Roteiro 2 espiritismo ou doutrina espírito - conceito e objeto
Bruno Cechinel Filho
 

Semelhante a Roteiro 3 metodologia e critérios utilizados na codificação espírita (20)

( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
 
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
 
( Espiritismo) # - astrid sayegh - teorias espiritas e rigor cientifico
( Espiritismo)   # - astrid sayegh - teorias espiritas e rigor cientifico( Espiritismo)   # - astrid sayegh - teorias espiritas e rigor cientifico
( Espiritismo) # - astrid sayegh - teorias espiritas e rigor cientifico
 
Verificab..
Verificab..Verificab..
Verificab..
 
Alex, alessandro, eduardo, igor 23 mp
Alex, alessandro, eduardo, igor 23 mpAlex, alessandro, eduardo, igor 23 mp
Alex, alessandro, eduardo, igor 23 mp
 
Entrevista ciencia-e-filosofia-para-melhor-entender-kardec
Entrevista ciencia-e-filosofia-para-melhor-entender-kardecEntrevista ciencia-e-filosofia-para-melhor-entender-kardec
Entrevista ciencia-e-filosofia-para-melhor-entender-kardec
 
Racionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mpRacionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mp
 
O que é espiritismo
O que é espiritismoO que é espiritismo
O que é espiritismo
 
Esdei 01.02 conceito e objeto
Esdei 01.02 conceito e objetoEsdei 01.02 conceito e objeto
Esdei 01.02 conceito e objeto
 
Espiritismo, científico, filosófico e religioso (nertan jucá)
Espiritismo, científico, filosófico e religioso (nertan jucá)Espiritismo, científico, filosófico e religioso (nertan jucá)
Espiritismo, científico, filosófico e religioso (nertan jucá)
 
Teoria e Prática Científica SEVERINO (2007)
Teoria e Prática Científica SEVERINO (2007)Teoria e Prática Científica SEVERINO (2007)
Teoria e Prática Científica SEVERINO (2007)
 
Alberto Nhatirre
Alberto NhatirreAlberto Nhatirre
Alberto Nhatirre
 
Espiritismo e mediunidade 03
Espiritismo e mediunidade 03Espiritismo e mediunidade 03
Espiritismo e mediunidade 03
 
Positivismo fund da pesquisa
Positivismo fund  da pesquisaPositivismo fund  da pesquisa
Positivismo fund da pesquisa
 
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
 
O que e filosofia
O que e filosofiaO que e filosofia
O que e filosofia
 
Período Sistemático - novo
Período Sistemático - novoPeríodo Sistemático - novo
Período Sistemático - novo
 
A epistemologia crítica
A epistemologia críticaA epistemologia crítica
A epistemologia crítica
 
Roteiro 2 espiritismo ou doutrina espírito - conceito e objeto
Roteiro 2   espiritismo ou doutrina espírito - conceito e objetoRoteiro 2   espiritismo ou doutrina espírito - conceito e objeto
Roteiro 2 espiritismo ou doutrina espírito - conceito e objeto
 

Mais de Bruno Cechinel Filho

Roteiro 3 evangelho no lar
Roteiro 3   evangelho no larRoteiro 3   evangelho no lar
Roteiro 3 evangelho no lar
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Roteiro 1   adoração = significado e objetivoRoteiro 1   adoração = significado e objetivo
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundosRoteiro 6   materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5   diferentes categorias de mundos habitadosRoteiro 5   diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivosRoteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Roteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatórioRoteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatório
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stellaRoteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
Bruno Cechinel Filho
 

Mais de Bruno Cechinel Filho (20)

Roteiro 3 evangelho no lar
Roteiro 3   evangelho no larRoteiro 3   evangelho no lar
Roteiro 3 evangelho no lar
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
 
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Roteiro 1   adoração = significado e objetivoRoteiro 1   adoração = significado e objetivo
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
 
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundosRoteiro 6   materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
 
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5   diferentes categorias de mundos habitadosRoteiro 5   diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
 
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivosRoteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
 
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Roteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatórioRoteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatório
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
 
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stellaRoteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
 

Último

quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
valneirocha
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 

Último (20)

quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 

Roteiro 3 metodologia e critérios utilizados na codificação espírita

  • 1. CENTRO DE TRABALHOS ESPÍRITA ANA LUZ Metodologia e Critérios Utilizados na Codificação Espírita
  • 4. Metodologia e Critérios Utilizados na Codificação Espírita Objetivos Específicos Justificar a importância da aplicação do método experimental para a elaboração da Doutrina Espírita Explicar por que a generalidade e a concordância se constituem na garantia dos ensinos dos Espíritos.
  • 5.  Não duvide do valor da vida, da paz, do amor, do prazer de viver, em fim, de tudo que faz a vida florescer. Mas duvide de tudo que a compromete. Duvide do controle que a miséria, ansiedade, egoísmo, intolerância e irritabilidade exercem sobre você. Use a dúvida como ferramenta para fazer uma higiene no delicado palco da sua mente com o mesmo empenho com que você faz higiene bucal.
  • 7.  Allan Kardec, como se sabe, não era um cientista no sentido profissional, de especialista neste ou naquele ramo da Ciência, mas tinha cultura científica, espírito científico. A propósito deste assunto, o escritor e jornalista espírita Deolindo Amorim, num de seus artigos dedicados ao Codificador, assim se expressa:
  • 8. ► Alan Kardec revela-se, em tudo e por tudo, um homem de espírito científico pela sua própria natureza. Todas as condições indispensáveis ao espírito científico nele estão, sem tirar nem pôr, como diz o jargão habitual: Em primeiro lugar, a serenidade com que encarou os fatos mediúnicos, com equilíbrio imperturbável, sem negar nem afirmar aprioristicamente (sem considerar as evidências). Em segundo lugar, o domínio próprio, a fim de não se entusiasmar com os primeiros resultados:
  • 9. Em terceiro lugar, o cuidado na seleção das comunicações; Em quarto lugar, a prudência nas declarações, sempre com a preocupação de evitar divulgação precipitada de fatos ainda não de todo examinados e comprovados; Em quinto lugar, finalmente, a humildade, que é também uma condição do espírito científico, interessado na procura da verdade, antes e acima de tudo. (11)  E foi esse espírito científico que o secundou, todo o tempo, no cumprimento da sua missão de Codificador da Doutrina Espírita.
  • 12. “Por quê?” está fora do domínio da ciência. A ciência busca responder “que” e “como”. Para saber “por quê?” assista à aula de Filosofia.
  • 13.  Espírito e matéria, de acordo com a Doutrina Espírita, são duas constantes da realidade universal. Assim, Espiritismo e Ciência não são forças antagônicas, mas, ao contrário, completam-se reciprocamente, segundo o pensamento de Kardec, expresso em A Gênese: ► Assim como a Ciência propriamente dita tem por objeto o estudo das leis do princípio material, o objeto especial do Espiritismo é o conhecimento das leis do princípio espiritual.
  • 14. Ora, como último é uma das forças da Natureza, a reagir incessantemente sobre o princípio material e reciprocamente, segue-se que o conhecimento de um não, pode estar completo sem o conhecimento do outro.
  • 15. O Espiritismo e a Ciência se completam reciprocamente; Ciência, sem o Espiritismo, se acha na impossibilidade de explicar certos fenômenos só pelas leis da matéria; Ao Espiritismo, sem a Ciência, faltariam apoio e comprovação. O estudo das leis da matéria tinha que preceder o da espiritualidade, porque a matéria é que primeiro fere os sentidos. Se o Espiritismo tivesse vindo antes das descobertas científicas, teria abortado, como tudo quanto surge antes do tempo. (8)
  • 16. “A ciência sem a religião é manca; A religião sem a ciência é cega”. Albert Einstein.
  • 18.  O fato de a Ciência oferecer ao Espiritismo apoio e confirmação não garante, no entanto, àquela a competência para se pronunciar em questão de Doutrina Espírita. Eis os argumentos apresentados pelo Codificador, com respeito a este assunto. ► As ciências comuns se apoiam nas propriedades da matéria, que podem ser experimentadas e manipuladas à vontade; Os fenômenos espíritas se apoiam na ação de inteligências que têm vontade própria e nos provam a todo instante não estarem submetidas ao nosso capricho
  • 19. As observações, portanto, não podem ser feitas da mesma maneira, num e noutro caso. No Espiritismo elas requerem condições especiais e outra maneira de encará-las: Requer sujeita-las aos processos ordinários (comuns) de investigação seria estabelecer analogias que não existem. A ciência propriamente dita, como ciência, é incompetente para se do Espiritismo: Não lhe cabe ocupar-se do assunto e seu pronunciamento a respeito, qualquer que seja, favorável ou não, nenhum peso poderá ter.(9)
  • 20. ☞ É importante ressaltar que; Ao referir-se às ciências ordinárias (comuns), Kardec fazia alusão às ciências positivas, classificadas por Auguste Comte em: Matemática, Física, Astronomia, Química, Biologia e Sociologia.
  • 21. ☞ A filosofia positiva de Comte nega que a explicação dos fenômenos naturais, assim como sociais, provenha de um só princípio. A visão positiva dos fatos abandona a consideração das causas dos fenômenos ( Deus ou natureza) e pesquisa suas leis, vistas como relações abstratas (de difícil compreensão) e constantes entre fenômenos observáveis. A diferença fundamental entre idealismo
  • 22. O primeiro (idealismo) procura uma interpretação, uma unificação da experiência mediante a razão; O segundo (positivismo), ao contrário, quer limitar-se à experiência imediata, pura, sensível, como já fizera o empirismo. IMPIRISMO: (Toda doutrina para a qual o conhecimento só pode ser alcançado mediante a experiência sensorial, opondo-se assim a todo racionalismo e a toda transcendência metafísica).
  • 23. ☞ Allan Kardec não se manteve preso às ideias do Positivismo; foi além deste. A filosofia positivista, elaborada por Comte, estabelecia que...: (...) todo conhecimento científico e filosófico deve ter por finalidade o aperfeiçoamento moral e político da humanidade. Para tanto, só o conhecimento dos fatos é fecundo e qualquer certeza só é determinada pelas ciências experimentais, através das suas leis.
  • 24. Naturalmente que nem todos os fatos sociais, mesmo alguns das ciências, podem ser reduzidos a leis. Esta é a fragilidade maior do Positivismo. Na verdade, as ciências humanas têm demonstrado que é complexo, difícil mesmo, estabelecer padrões (ou leis), por exemplo, na área comportamental ou na afetiva. Daí a sua pobreza filosófica, mas também o seu maior valor como descrição e análise objetiva da experiência - através da história e da ciência - com respeito ao idealismo, que alterava a experiência, a ciência e a história.
  • 25. Dada essa objetividade da ciência e da história do pensamento positivista, compreende-se porque elas são fecundas no campo prático, técnico, aplicado. ☞ O método adotado por Allan Kardec na investigação e comprovação do fato mediúnico — instrumento comprobatório da existência e comunicabilidade do Espírito — é o experimental, aplicado às ciências positivas...,
  • 26. ...fundamentado na observação, comparação, análise sistemática e conclusão. São suas palavras: ► Como meio de elaboração, o Espiritismo procede exatamente da mesma forma que as ciências positivas, aplicando o método experimental. Fatos novos se apresentam, que não podem ser explicados pelas leis conhecidas; Ele os observa, compara, analisa e, remontando dos efeitos às causas, chega à lei que os rege;
  • 27. Depois, deduz-lhes as consequências e busca as aplicações úteis. Não estabeleceu nenhuma teoria preconcebida; Assim, não apresentou como hipóteses a existência e a intervenção dos Espíritos, nem o perispírito, nem a rematerialização, nem qualquer princípio da doutrina; Concluiu pela existência dos Espíritos, quando essa existência ressaltou da observação dos fatos, procedendo de igual maneira quanto aos outros princípios.
  • 28. Não foram os fatos que vieram a posteriori confirmar a teoria: a teoria é que veio subsequentemente explicar e resumir os fatos. É, pois, rigorosamente exato dizer-se que o Espiritismo é uma ciência de observação e não produto da imaginação. As ciências só fizeram progressos importantes depois que seus estudos se basearam sobre o método experimental; Até então, acreditou-se que esse método também só era aplicável à matéria...,
  • 29. ...ao passo que o é também às coisas metafísicas . (7) ► Apliquei a essa nova ciência, como o fizera até então, o método experimental; Nunca elaborei teorias preconcebidas; Observava cuidadosamente, comparava, deduzia consequências; Dos efeitos procurava remontar às causas, por dedução e pelo encadeamento lógico dos fatos, não admitindo por válida uma explicação, senão quando resolvia todas as dificuldades da questão. (10).
  • 30. ☞ Na indução científica (*), chega-se à generalização pela análise das partes. ► Esse tipo de lógica exige observações repetidas de uma experiência ou de um acontecimento. Da observação de muitos exemplos diferentes [partes] os cientistas podem tirar uma conclusão geral. (11) ☞ Foi assim que procedeu Kardec em relação à Doutrina Espírita, colocando-a confortavelmente entre as demais ciências.
  • 31. ☞ A respeito do caminho das induções – percorrido pela Doutrina Espírita –, Herculano Pires, em seu livro O Espírito e o Tempo, infere (Concluir ou deduzir (algo) a partir de exame dos fatos e de raciocínio) que é a partir da observação dos fatos positivos que o Espiritismo chega às realidades extrafísicas. (13) ☞ Em A Gênese, diz-nos o Codificador: ► Não foram os fatos que vieram a posteriori confirmar a teoria: a teoria é que veio subsequentemente explicar e resumir os fatos. (7).
  • 32. ☞ Fica, assim, a estrutura lógica do Espiritismo caracterizada como de natureza indutiva. (12). ☞ No entanto, o processo dedutivo(**) está igualmente consagrado na Doutrina Espírita, (12), já que o método científico exige que se combinem indução e dedução. São palavras de Kardec: ► Nunca elaborei teorias preconcebidas; Observava cuidadosamente, comparava, deduzia consequências;
  • 33. Dos efeitos, procurava remontar às causas, por dedução e pelo encadeamento lógico dos fatos, não admitindo por válida uma explicação, senão quando resolvia todas as dificuldades da questão. (10). ► As ideias do homem estão na razão do que ele sabe; Como todas as descobertas importantes, a da constituição dos mundos [por exemplo] deveria imprimir-lhes outro curso; Sob a influência desses conhecimentos novos, as crenças se modificaram;
  • 34. O Céu foi deslocado e a região estelar, sendo ilimitada, não mais lhe pode servir. Onde está ele, pois? E ante esta questão emudecem todas as religiões. O Espiritismo vem resolvê-la demonstrando o verdadeiro destino do homem. Tomando-se por base a natureza deste último e os atributos divinos, Chega-se a uma conclusão; Isto quer dizer que, partindo do conhecido, atinge-se o desconhecido por uma dedução lógica, sem falar das observações diretas que o Espiritismo faculta. (1)
  • 35. Clareando IdeiasClareando Ideias ☞ Experimentação Científica (*) ☞ Método Dedutivo (**) ☞ Método Indutivo (**)
  • 36. ☞ Método Dedutivo (**) é o processo de raciocínio pelo qual tiramos conclusões por inferência lógica de premissas dadas. Se começamos aceitando as proposições “Todos os gregos têm barba” e “Zenão é grego”, podemos concluir validamente que «Zenão tem barba». Referimo-nos às conclusões do raciocínio dedutivo como válidas, ao invés de verdadeiras, porque precisamos distinguir claramente entre aquilo que se depreende logicamente de outras afirmações e aquilo que efetivamente é.
  • 37. As premissas iniciais podem ser artigos de fé ou suposições. Antes de podermos considerar as conclusões tiradas dessas premissas como válidas, precisamos demonstrar que elas são coerentes entre si e com a premissa original. A matemática e a lógica são exemplos de disciplinas que utilizam muito o método dedutivo. O método científico exige uma combinação de dedução e indução.
  • 38. ☞ Método Indutivo (**) é o processo de raciocínio pelo qual de uma experiência particular se passa a generalizações. Pode-se começar com “Todas as maçãs que comi são doces”. A partir dessa constatação, conclui-se que “As maçãs são doces”. Mas a maçã seguinte pode não ser doce. O método indutivo leva a probabilidades, não a certezas. É a base do senso comum, segundo o qual uma pessoa age.
  • 39. É também empregado na descoberta científica. Os cientistas utilizam a indução e a dedução. Na dedução, o cientista começa com generalizações. Ele deduz afirmativas particulares a partir delas. Pode testar suas suposições pela experimentação, confirmá-las, revisá-las ou rejeitar suas generalizações originais. Usando apenas a dedução, o homem ignora a experiência.
  • 40. Empregando apenas a indução, ignora as relações entre os fatos. Pela combinação destes métodos, a ciência estabelece uma união entre a teoria e a prática. (Enciclopédia Delta Universal, v. 10, p. 5257). ☞ Experimentação Científica (*) é um método empregado para testar ideias e descobrir os fatos sobre qualquer coisa que um cientista possa controlar e observar.
  • 41. Os cientistas utilizam-no para estudar os seres vivos ou brutos, em vários campos das ciências físicas e da vida. [...] Qualquer experimento científico válido deve ser capaz de ser repetido, não só pelo pesquisador original, mas por outros cientistas. Se eles concordam com as conclusões, atribui-se ao pesquisador original o crédito de ter feito uma importante descoberta (Enciclopédia Delta Universal, v. 6, p. 3154).
  • 42. ☞ Dois importantes critérios científicos foram adotados por Kardec, na tarefa de reunir informações para a elaboração da Doutrina Espírita: A generalidade (ou universalidade) e a concordância dos ensinos dos Espíritos. ☞ Esses critérios, com o suporte do uso da razão, do bom senso e da lógica rigorosa emprestam à Doutrina Espírita força e autoridade, como podemos constatar na introdução de O Evangelho Segundo o Espiritismo:
  • 43. ► Quis Deus que a nova revelação chegasse aos homens por mais rápido caminho e mais autêntico. Incumbiu, pois, os Espíritos de levá-la de um polo a outro, manifestando-se por toda a parte, sem conferir a ninguém o privilégio de lhes ouvir a palavra. Um homem pode ser ludibriado, pode enganar-se a si mesmo; Já não será assim, quando milhões de criaturas veem e ouvem a mesma coisa. Constitui isso uma garantia para cada um e para todos.
  • 44. Ao demais, pode fazer-se que desapareça um homem; mas não se pode fazer que desapareçam as coletividades; Podem queimar-se os livros, mas não se podem queimar os Espíritos. Ora, queimassem-se todos os livros e a fonte da doutrina não deixaria de conservar-se inexaurível, pela razão mesma de não estar na Terra, de surgir em todos os lugares e de poderem todos dessedentar-se nela. (2). ► Não será à opinião de um homem que se aliarão os outros, mas à voz unânime dos Espíritos;
  • 45. Não será um homem, como não será qualquer outro que fundará a ortodoxia espírita; Tampouco será um Espírito que se venha impor a quem quer que seja: Será a universalidade dos Espíritos que se comunicam em toda a Terra, por ordem de Deus. Esse o caráter essencial da Doutrina Espírita; Essa a sua força, a sua autoridade. Quis Deus que a sua lei assentasse em base inamovível e por isso não lhe deu por fundamento a cabeça frágil de um só. (5).
  • 46. ► O primeiro exame comprobativo [das mensagens dos Espíritos] é, pois, sem contradita, o da razão, ao qual cumpre se submeta, sem exceção, tudo o que venha dos Espíritos. Toda teoria em manifesta contradição com o bom senso, com uma lógica rigorosa e com os dados positivos já adquiridos, deve ser rejeitada, por mais respeitável que seja o nome que traga como assinatura. Incompleto, porém, ficará esse exame em muitos casos, por efeito da falta de luzes de certas pessoas e das tendências de não poucas a tomar as próprias opiniões, como juízes únicos da verdade.
  • 47. ► Assim sendo, que hão de fazer aqueles que não depositam confiança absoluta em si mesmos? Buscar o parecer da maioria e tomar por guia a opinião desta. De tal modo é que se deve proceder em face do que digam os Espíritos, que são os primeiros a nos fornecer os meios de consegui-lo. Uma só garantia séria existe para o ensino dos Espíritos:
  • 48. A concordância que haja entre as revelações que eles façam espontaneamente, servindo-se de grande número de médiuns estranhos uns aos outros e em vários lugares. (3). ► Essa [concordância] a base em que nos apoiamos, quando formulamos um princípio da doutrina. Não é porque esteja de acordo com as nossas ideias que o temos por verdadeiro. Não nos arvoramos, absolutamente, em árbitro supremo da verdade e a ninguém dizemos.
  • 49. ► «Crede em tal coisa, porque somos nós que vo-lo dizemos.» A nossa opinião não passa, aos nossos próprios olhos, de uma opinião pessoal, que pode ser verdadeira ou falsa, visto não nos considerarmos mais infalível do que qualquer outro. Também não é porque um princípio nos foi ensinado que, para nós, ele exprime a verdade, mas porque recebeu a sanção da concordância.
  • 50. Na posição em que nos encontramos, a receber comunicações de perto de mil centros espíritas sérios, disseminados pelos mais diversos pontos da Terra, achamo-nos em condições de observar sobre que princípio se estabelece a concordância. Essa observação é que nos tem guiado até hoje e é a que nos guiará em novos campos que o Espiritismo terá de explorar. Porque, estudando atentamente as comunicações vindas tanto da França como do estrangeiro, reconhecemos, pela natureza toda especial das revelações, que ele tende a entrar por um novo caminho e que lhe chegou o momento de dar um passo para diante.
  • 51. Essas revelações, feitas muitas vezes com palavras veladas, hão frequentemente passado despercebidas a muitos dos que as obtiveram. Outros julgaram-se os únicos a possuí-las. Tomadas insuladamente, (Impedido de comunicação com os outros Espíritos) elas, para nós, nenhum valor teriam; Somente a coincidência lhes imprime gravidade. Depois, chegado o momento de serem entregues à publicidade, cada um se lembrará de haver obtido instruções no mesmo sentido.
  • 52. Esse movimento geral, que observamos e estudamos, com a assistência dos nossos guias espirituais, é que nos auxilia a julgar da oportunidade de fazermos ou não alguma coisa. Essa verificação universal constitui uma garantia para a unidade futura do Espiritismo e anulará todas as teorias contraditórias. Aí é que, no porvir, se encontrará o critério da verdade. O que deu lugar ao êxito da doutrina exposta em O Livro dos Espíritos e em O Livro dos Médiuns foi que em toda a parte todos receberam diretamente dos Espíritos a confirmação do que esses livros contêm. (4).
  • 53. ☞ Retomando, em A Gênese, esse assunto, Kardec assim se expressa: ► Generalidade e concordância no ensino, esse o caráter essencial da doutrina, a condição mesma da sua existência, donde resulta que todo princípio que ainda não haja recebido a consagração do controle da generalidade não pode ser considerado parte integrante dessa mesma doutrina. Será uma simples opinião isolada, da qual não pode o Espiritismo assumir a responsabilidade.
  • 54. ► Essa coletividade concordante da opinião dos Espíritos, passada, ao demais, pelo critério da lógica, é que constitui a força da Doutrina Espírita e lhe assegura a perpetuidade. Para que ela mudasse, fora mister que a universalidade dos Espíritos mudasse de opinião e viesse um dia dizer o contrário do que dissera. Pois que ela tem sua fonte de origem no ensino dos Espíritos, para que sucumbisse, seria necessário que os Espíritos deixassem de existir. É também o que fará que prevaleça sobre todos os sistemas pessoais, cujas raízes não se encontram por toda a parte, como com ela se dá. (6).
  • 55. 1. KARDEC, Allan. O Céu e Inferno. Tradução Manuel Justiniano Quintão. 58ª ed. Rio de Janeiro: FEB 2005. – 1ª Parte – Cap. 3 – Item: 4 – Pág. 29. 2.______. O Evangelho Segundo Espiritismo. Tradução de Guillon Ribeiro. 124ª ed. Rio de Janeiro: FEB 2005 – Introdução - Pág. 29. 3. ______.Pág. 31. 4. ______.Págs. 32-33. 5. ______.Pág. 36. ReferênciaReferência BibliográficaBibliográfica
  • 56. 6.________.A Gênese. Tradução Guillon Ribeiro. 48ª ed. Rio de Janeiro: FEB 2005. – Introdução – Pág. 11. 7. ______.Cap. 1 – Item 14 - Pág. 20. 8. ______.Item 16 - Pág. 21. 9.______.O Livro dos Espíritos. Tradução J. Herculano Pires. 68ª ed. São Paulo: LAKE 2009 – Introdução ao Estudo da Doutrina Espírita – Item VII – A Ciência e o Espiritismo - Págs. 37-39. 10.______.Obras Póstumas. Tradução Guillon Ribeiro. 76ª ed. Rio de Janeiro: FEB 2005. – Segunda Parte – (Minha 1ª Iniciação no Espiritismo) - Pág. 268.
  • 57. 11. AMORIM, Deolindo. Análises Espíritas. Compilação de Celso Martins – 2ª ed. – Rio de Janeiro: FEB 1995 (Allan Kardec e o Espírito Científico) Págs. 133-134. 12. ENCICLOPÉDIA DELTA UNIVERSAL. Rio de Janeiro: DELTA S/A 1980 – Vol. 4 - Pág. 2043. 13. PIRES, J. Herculano. O Espírito e o Tempo. 7ª ed. Sobradinho – EDICEL 1995 – 3ª Parte – Cap. 1 (O Triângulo de Emmanuel) - Pág. 136. 14. ______.Cap. 2 (A Ciência Admirável) - Pág. 139.