SlideShare uma empresa Scribd logo
LISTA DE EXERCICIOS - EXTRA –1S
                             METABOLISMO DE CONTROLE – JUNHO 2012
                                   Professora Ionara Urrutia Moura

1. (Unicamp) As macromoléculas (polissacarídeos, proteínas ou lipídios) ingeridas na alimentação não
podem ser diretamente usadas na produção de energia pela célula. Essas macromoléculas devem sofrer
digestão (quebra), produzindo moléculas menores, para serem utilizadas no processo de respiração
celular.
a) Quais são as moléculas menores que se originam da digestão das macromoléculas citadas no texto?
R:As moléculas menores produzidas da digestão das macromoléculas citadas no texto são
monossacarídeos, como glicose e outros açúcares simples, aminoácidos e ácidos graxos e glicerol,
respectivamente.
b) Como ocorre a “quebra” química das macromoléculas ingeridas?
R: a quebra ou digestão ocorre através do processo de hidrólise enzimática, ou seja, cada ligação no
polímero é quebrada com a adição de uma molécula de água, E ISSO OCORRE com aauxilio de uma
enzima especifica
c) Respiração é um termo aplicado a dois processos distintos, porém intimamente relacionados, que
ocorrem no organismo em nível pulmonar e celular. Explique que relação existe entre os dois processos.
R: A respiração pulmonar se refere à entrada e saída de ar dos pulmões, levando O2 e retirando CO2 da
corrente sangüínea. O O2 captado na respiração pulmonar é levado até a célula. A respiração celular
utiliza o O2 captado na respiração pulmonar. O C02 resultante da respiração celular entra na corrente

2.Atualmente, sabe-se que a relação gene-proteína nem sempre é de um para um. Relacioná-los não é uma
questão simples: em geral, o genoma de um organismo é idêntico em todas as suas células, enquanto o
conjunto de proteínas de cada uma delas varia, dependendo de sua fase de desenvolvimento, do tecido
analisado, do processamento do pré-RNA mensageiro (pré-mRNA) e, até, do ambiente a que o organismo
está submetido.

Mas como genes e proteínas estão relacionados? Em organismos eucariotos, como é o caso da espécie
humana, a informação genética armazenada no DNA é convertida em uma seqüência de aminoácidos,
formando as proteínas -- moléculas fundamentais na determinação das características dos organismos.
Contudo, a informação genética está organizada da seguinte forma: os genes incluem regiões codificadoras
da seqüência de aminoácidos, os exons , e regiões não-codificadoras, os introns. A primeira etapa na síntese
de proteínas é a transcrição do gene em uma molécula de RNA, o pré-mRNA. Este inclui ambas as regiões
e, quando é processado, os introns são removidos da molécula, transformando o pré-mRNA no mRNA
maduro, que será, então, traduzido em proteína. Esse processamento de um pré-mRNA pode variar,
resultando na formação de mais de um tipo de proteína, a partir de uma mesma seqüência de DNA.

Um exemplo extremo descrito recentemente na mosca-da-banana, a Drosophila melanoaster , revela que um
mesmo gene desse inseto é capaz de codificar cerca de 38 mil proteínas. Na espécie humana, estima-se que o
número de genes varie entre 50 mil e 150 mil e que existam milhões de proteínas diferentes

   a) Explique o processo pelo qual os genes controlam a produ~cão de prote~inas em todos os seres
      vivos.

       Os gens produzem mol~eculas de RNA, a partir da compelmentaridede de bases, nucleot~ideos de
       RNA são atraídos pelas bases de um dos filamentos do DNA. O processo de transcrição abcaba nos
       códons de parada e o RNA formado se desliga do DNA , idndo para o citoplasma . Lã os tres rnas
       atuam no processo de tradu~cao. O RNA mensageiro expõe codosn que atraem anticódons de RNA
       trasnportador. Cada RNA transporta um único tipo de aminoácido. Chamamos a correspondência
       entre códons e aminoacidos de código gen~etico. Todos os seres vivos fabricam as suas proteínas
       atraindo aminoácidos na ordem determinada pelos códons do RNA mensageiro. Estes códons são
       transcritos a parti dos genes, e seus exons no DNA .

   b) No texto são abordados os introns e exons. Qual a consequência disso para os seres vivos:
Se a formação do RNA é saltatõria, o numero de possibilidades de leitura aumenta
       exponencialmente, isso possibilidta um aumento considerável da possibilidade de formar RNA e
       prote~inas com um mesmo trecho do DNA.

3 Leia o texto




Folha Saúde 28 de mar;o de 2012
Vaca louca- 25 04 2012
4.Explique a metafora do primeiro paragrafo usando os termos antigeno e anticorpo.
Antígenossão como lanças , e os anticorpos os escudos. Neste texto , os vírus utilizam nproteínas para penetra nas
células hospedeiras, mas uma das proteínas que algumas pessoas produzem, é um escudo contra estes virus,
mesmo não sendo um antoicorpo, ela impede a ação viral
5.Como voce explicaria a expressão “fator inato de resistencia”
De acordo com o textyo , esta proteían á fabricada por algumas pessoas, antesmesmo de terem contato com o
vírus...inato que dizer - o que vem com o nascimento, portanto é de origem genética, (herdado dos pais ou
originado por mutação)

6.De acordo com o texto, a proteina IFTTM3 ,, pode ser considerada um anticorpo: porque:

                                7. (G2 1996) No modelo molecular do ácido ribonucleico (RNA) representado
                                adiante, os números 1, 2 e 3 indicam, respectivamente:
                                 a) desoxirribose, ácido fosfórico e base nitrogenada.
                                b) ácido fosfórico, desoxirribose e base nitrogenada.
                                c) ribose, ácido fosfórico e base nitrogenada.
                                d) ácido fosfórico, ribose e base nitrogenada.
                                e) ácido fosfórico, base nitrogenada e desoxirribose.
8. (G2 1996) Assinale a alternativa que relaciona corretamente o nome das moléculas representadas pelos números
1, 2 e 3, respectivamente, sabendo-se que a figura adiante representa a unidade estrutural do ácido
                              desoxirribonucleico (DNA).
                               a) base nitrogenada, ribose e ácido fosfórico.
                               b) ácido fosfórico, ribose e base nitrogenada.
                               c) desoxirribose, base nitrogenada e ácido fosfórico.
                               d) ácido fosfórico, desoxirribose e base nitrogenada.
                               e) base nitrogenada, desoxirribose e ácido fosfórico.


               O código genético é o conjunto de todas as trincas possíveis de bases nitrogenadas (códons). A
9. (Fuvest 2007)
sequência de códons do RNA mensageiro determina a sequência de aminoácidos da proteína.
É correto afirmar que o código genético
a) varia entre os tecidos do corpo de um indivíduo.
b) é o mesmo em todas as células de um indivíduo, mas varia de indivíduo para indivíduo.
c) é o mesmo nos indivíduos de uma mesma espécie, mas varia de espécie para espécie.
d) permite distinguir procariotos de eucariotos.
e) é praticamente o mesmo em todas as formas de vida




                                                                      10 a) Em A , B e D é DNA – tem timina. Em
                                                                      C, é RNA, pois tem uracila.

                                                                       10 b) B e C possuem uma cadeia. B por ser
                                                                      RNA, e C pode ser um dos dosi filamentos
                                                                      de uma molécula de DNA, e isso pode ser
                                                                      comprovado pela desproporção entre A e
                                                                      T , e C e G. Nas fitas A e D, para cada
                                                                      Adenina há uma timina ,e o mesmo ocorre
                                                                      com C e G.




                                                                      11.resposta d- os genes humanos
                                                                      funcionam dentro das bactérias




                                                                    12 Resposta 2. Uma molécula de DNA,
                                                                    sempre terá duas cadeias de nucleotídeos.
Resposta 13 : Cada nucleotídeo tem uma base,
         portanto há 90 nucleotídeos, 30 códos




    Resposta 14 : A mutação provocada foi a perda
    de 3 códons, pois para cada códon vem um
    aminoácido. Cada códon do DNA tem 3 pares de
    nucleotídeos. Resposta e.




     Resposta 15: a proteína tem 100 aminoácidos.

     Portanto foram necessário 100 códons. Cada
     códon tem três bases ( só é usado um dos dois
     filamentos do DNA)
       Resposta e - 300 nucleotídeos.




Resposta 16 : A saliva fervida tem a ptialina
desnaturada,portanto, a amilase salivar não irá
degradar o amido. Estando presente , reage com
lugol, , fazenda com que a solução fique roxa

Resposta: d




Resposta 17. Se há 28 % de Adenina, haverá 28% de
timina, já que amabas se complementam na molécula
de DNA. Assim teremos 56% da molécula feitos de A e
T , e os restante , 44% será dividido entre C e G , 22%
de cada uma destas bases. Para uma molécula de RNA
este cálculo PE inviável PIS a molécula é de fita única e
não tem esta complementaridade em um filamento
único.
RESPOSTA 18

                                                         a: AGU é o anti- códon para UCA. Este códon foi
                                                         formado por um DNA com as bases AGT




                                                               Resposta 19 - c – lípases são as enzimas que
                                                               degradam lipídios permitindo sua absorção.




20 ) Muitas estruturas do nosso organismo possuem em sua estrutura o colágeno. Quimicamente, o colágeno
pertence ao grupo de:
a) carboidratos
b) lipídeos
c) proteínas
d) glicídeos
e) ácidos nucléicos

21)A fenilcetonúria é uma doença que resulta de um defeito na enzima fenilalanina hidroxilase, que participa do
catabolismo do aminoácido fenilalanina.
A falta de hidroxilase produz o acúmulo de fenilalanina que, por transaminação, forma ácido fenilpirúvico. Quando em
excesso, o ácido fenilpirúvico provoca retardamento mental severo.
Por outro lado, o portador desse defeito enzimático pode ter uma vida normal desde que o defeito seja diagnosticado
imediatamente após o nascimento e que sua dieta seja controlada. A fenilcetonúria é tão comum que mesmo nas
latas de refrigerantes dietéticos existe o aviso: "Este produto contém fenilcetonúricos!".

Qual o principal cuidado a tomar com a dieta alimentar de um portador desse defeito enzimático? Por quê? 9.
(Udesc) Assinale a alternativa que completa CORRETAMENTE as afirmativas a seguir: As_________ são proteínas
especiais que_________ reações químicas que ocorrem no_________ das células. Quando o organismo é aquecido
demasiadamente, elas são__________.
a) gorduras; catalisam; interior; desnaturadas
b) moléculas; aceleram; exterior; recriadas
c) enzimas; retardam; exterior; derretidas
d) gorduras; alteram; limite; destruídas
e) enzimas; catalisam; interior; desnaturadas

resposta:Evitar a ingestão de alimentos que contenham o aminoácido fenilalanina pois os "fenilcetonúricos" são
incapazes de metabolizar essa substância e correm risco de apresentar graves distúrbios metabólicos com
conseqüências irreversíveis
22)Considere um gato siamês, que difere de outras raças de gatos por sua pelagem característica: escura nas patas,
no focinho e no pavilhão auditivo, contrastando com o resto do corpo, onde é clara. As regiões escuras são as mais
frias e nelas, a substância que controla a produção do pigmento responsável pela pelagem escura é ativa, enquanto
nas claras, que são quentes, essa substância é inativa.

Pela sua ação no escurecimento da pelagem do animal, conclui-se que essa substância é:
a) um glicídio
b) um lipídio
c) uma enzima
d) um glicosaminoglicano
e) uma vitamina

23)Considere as seguintes afirmativas:

I - As proteínas são moléculas de grande importância para os organismos - atuam tanto estruturalmente como
também metabolicamente.
II - As enzimas são proteínas que atuam como catalisadores biológicos.
III - Existem proteínas que atuam como linhas de defesa do organismo e algumas delas são conhecidas como
anticorpos. Quais estão corretas?
a) Apenas I
b) Apenas II
c) Apenas III
d) Apenas II e III
e) I, II, III

                               24)Assinale a alternativa INCORRETA a respeito da molécula dada pela fórmula geral
                               a seguir

                               a) É capaz de se ligar a outra molécula do mesmo tipo através de pontes de
                               hidrogênio.
                               b) Entra na constituição de enzimas.
                               c) R representa um radical variável que identifica diferentes tipos moleculares dessa
                               substância.
                               d) Os vegetais são capazes de produzir todos os tipos moleculares dessa substância,
                               necessários à sua sobrevivência.
                               e) Essas moléculas são unidas umas às outras nos ribossomos.


25) Ceará joga fora opção alimentar"

Segundo pesquisas da UFC, a cada ano 800 toneladas de carne de cabeça de lagosta não são aproveitadas sendo
lançadas ao mar. "0 estudo sobre hidrólise enzimática de desperdício de lagosta", título do pesquisador Gustavo
Vieira, objetiva o uso de material de baixo custo para enriquecer a alimentação de populações carentes. O processo
consiste na degradação de moléculas orgânicas complexas em simples por meio de um catalisador e na posterior
liofilização. O pó resultante é de alto teor nutritivo, com baixa umidade e resiste, em bom estado de conservação, por
longos períodos. (Jornal do Brasil - 27/08/94)



Com base nos processos descritos no artigo anterior, assinale a opção correta.
a) As moléculas orgânicas simples obtidas são glicerídios que são utilizados pelo organismo com função reguladora.
b) As moléculas orgânicas complexas empregadas são proteínas que, ao serem digeridas em aminoácidos são
utilizadas pelo organismo com função estrutural.
c) O catalisador do processo é uma enzima capaz de degradar proteínas em monossacarídeos essenciais à liberação
de energia para as atividades orgânicas.
d) A hidrólise enzimática de moléculas orgânicas complexas é realizada por catalisador inorgânico em presença de
água.
e) O alto teor nutritivo do produto é devido ao fato de as moléculas orgânicas simples obtidas serem sais minerais
indispensáveis ao desenvolvimento orgânico.
Molécula reverte processo que leva à insuficiência cardíaca
11/05/2012
Por Karina Toledo
Agência FAPESP – Uma molécula desenvolvida por pesquisadores da Universidade Stanford, nos Estados
Unidos, e da Universidade de São Paulo (USP) se mostrou capaz de estabilizar e até mesmo reverter o
processo degenerativo observado na insuficiência cardíaca. O mal é caracterizado pela incapacidade do
coração em bombear sangue adequadamente e leva à morte 70% dos afetados nos primeiros cinco anos.
Os resultados dos testes pré-clínicos com a molécula batizada de βIIV5-3 foram divulgados na revista PLoS
One. A pesquisa faz parte do pós-doutorado de Julio Cesar Batista Ferreira, com Bolsa da FAPESP.
“A insuficiência cardíaca é o resultado final comum de diferentes doenças cardiovasculares, como infarto
do miocárdio e hipertensão arterial. Depois que o problema se instala, a sobrevida do paciente costuma
ser relativamente curta, mesmo com a ajuda de todos os fármacos do mercado”, disse Ferreira, professor
do Instituto de Ciências Biomédicas da USP.
Ainda durante o doutorado, realizado na Escola de Educação Física e Esporte da USP sob orientação da
professora Patricia Chakur Brum, Ferreira encontrou evidências de que uma proteína chamada PKCβII
("protein kinase C isoform βII") poderia ser a vilã por trás do processo que leva à insuficiência cardíaca.
Para testar sua hipótese, decidiu criar uma molécula capaz de inibir a ação dessa proteína nas células do
coração. O trabalho foi feito em colaboração com a pesquisadora Daria Mochly-Rosen, da Escola de
Medicina de Stanford.
“O βIIV5-3 é uma combinação de seis aminoácidos ligados a uma molécula carreadora, capaz de atravessar
a membrana celular. Esse princípio ativo inibe a interação da proteína com seu receptor”, disse Ferreira.
Para chegar a essa combinação, os cientistas usaram programas de computador capazes de alinhar duas
proteínas e apontar semelhanças e diferenças estruturais, completou. “Isso permite escolher regiões
específicas de interação entre essas proteínas.”
A equipe então testou a molécula em dois modelos animais. No primeiro, um grupo de ratos passou por
uma cirurgia para obstruir uma artéria coronária e induzir o infarto. Cerca de um mês depois, os animais
apresentaram sinais de insuficiência cardíaca. Metade foi tratada com o βIIV5-3 por seis semanas e a outra
metade recebeu placebo.
“Após as seis semanas, a função cardíaca havia melhorado cerca de duas vezes nos animais tratados com o
βIIV5-3, quando comparada ao grupo controle. Além disso, a mortalidade caiu de 35% para 3%”, contou
Ferreira.
O segundo experimento foi feito com ratos que apresentavam grande sensibilidade ao sódio. Com seis
semanas de vida, os animais foram submetidos a uma dieta rica em sal e, logo em seguida, desenvolveram
hipertensão. Quando completaram 11 semanas, já estavam com sinais de insuficiência cardíaca e passaram
a receber o tratamento ou o placebo.
A função cardíaca dos animais que receberam o βIIV5-3 melhorou duas vezes em relação ao grupo controle
e, nesse caso, ficou igual à de ratos sem insuficiência cardíaca. Já a mortalidade caiu de 50% para 0%.
“Mesmo após o término do tratamento os animais que receberam o βIIV5-3 apresentaram reduzida
mortalidade quando comparados ao grupo placebo”, comemorou o pesquisador.
Validação
Para provar que também em humanos a PKCβII desempenha papel decisivo no agravamento da
insuficiência cardíaca, os pesquisadores avaliaram amostras de biópsia cardíacas de portadores desse
problema.
“A relação foi clara: quanto mais altos eram os níveis de PKCβII, pior era a função cardíaca dos pacientes”,
contou Ferreira. Essa etapa da pesquisa teve a participação de Berta Napchan Boer e Max Grinberg, ambos
do Instituto do Coração (Incor) da USP.
O próximo passo foi entender por que a proteína PKCβII é deletéria ao músculo cardíaco. Para isso, os
pesquisadores realizaram uma série de experimentos in vitro com a proteína isolada e com culturas de
células cardíacas de ratos.
“Descobrimos que a PKCβII desregula o controle de qualidade das proteínas dentro das células cardíacas.
Ela se liga ao proteassomo, um complexo intracelular que elimina as proteínas oxidadas, e impede que ele
funcione adequadamente”, explicou Ferreira.
Para piorar, o coração com insuficiência torna-se um ambiente pró-oxidante, ou seja, no qual está
favorecida a produção de radicais livres e outras substâncias tóxicas que danificam as proteínas e outras
macromoléculas da célula.
“Como há aumento na produção de proteínas oxidadas e o controle de qualidade está desregulado, elas
começam a se acumular e a impedir que as células cardíacas contraiam de forma apropriada. Com o
tempo, o coração vai deixando de bater adequadamente e as células começam a morrer”, disse Ferreira.
Nos experimentos feitos com ratos, a molécula desenvolvida se mostrou capaz de reativar o sistema de
controle de qualidade nas células cardíacas. As proteínas oxidadas voltaram a ser eliminadas pelo
proteassomo e o processo degenerativo foi interrompido.
Antes de testar o candidato a fármaco em seres humanos, os pesquisadores pretendem realizar outra
rodada de ensaios pré-clínicos com animais de maior porte, possivelmente porcos.
“A molécula já foi bem-sucedida nos testes de toxicidade realizados em animais. Se tudo correr bem,
dentro de aproximadamente sete anos saberemos com certeza se ela poderá se tornar um medicamento”,
afirmou Ferreira.
O artigo Protein Quality Control Disruption by PKCβII in Heart Failure; Rescue by the Selective PKCβII
Inhibitor, βIIV5-3 (doi:10.1371/journal.pone.0033175), de Julio Ferreira e outros, pode ser lido em
www.plosone.org/article/info%3Adoi%2F10.1371%2Fjournal.pone.0033175


26 Texto Para a próxima questão

As reações enzimáticas são muito importantes em alimentos e ocorrem não só no alimento in natura, mas ta
mbém durante o seu processamento e armazenamento. O aroma da cebola, por exemplo, deve-se à ação da
alinase, enzima que age sobre os compostos que contêm enxofre presentes nesse alimento. Enzimas proteolíticas
como a bromelina presente no abacaxi são empregadas no amaciamento da carne. As amilases são enzimas
importantes principalmente na produção de xaropes de milho pela sua capacidade de romper as ligações
glicosídicas do amido. Frutas e vegetais que contêm compostos fenólicos na sua composição, quando cortadas e
expostas ao ar, sofrem escurecimento causado pela enzima polifenoloxidase (PPO). O que essa enzima faz é
oxidar os fenóis a ortoquinonas .Estes últimos compostos polimerizam facilmente formando compostos escuros,
as melaninas. Essas reações de escurecimento enzimático podem ser mais facilmente observadas em vegetais de
cores claras, como banana, batata e maçã.

Com base no texto analise os procedimentos que seguem.
1 )Um aluno, querendo evitar o escurecimento de uma torta de maçãs, acrescentou suco de limão
2) A cebola fica mais suave se aquecida
3) A alinase poderia ser utilizada como a,maciante de carnes.
4) É possível evitar o escurecimento da maçã mantendo-a livre do contato com o ar.
Diga se os procedimentos estão corretos ou não. Justifique .

   1- Correto, o ph ácido desnatura a polifenoloxidase, impedindo a reação que provoca escurecimento
   2- Sim, pois o calor desnatura a alinase
   3- Sim, pois a alinase é uma enzima que age sobre substancias que tem enxofre, como as proteínas da
        carne
   4 - incorreto. Isso provoca o escurecimento, pois a reação é de oxidação.


27. Foi realizado o seguinte experimento durante a aula de Biologia:
   Procedimento A - Acrescentou-se 20 ml de saliva em dois tubos de ensaio etiquetados, respectivamente, com os
                     números 1 e 2.
                                                 o
   Procedimento B - O tubo 1 foi aquecido a 80 C por cerca de 30 minutos, enquanto o tubo 2 foi colocado em estufa e
                                  o
                     mantido a 36 C.
   Procedimento C - Após serem resfriados à temperatura ambiente, acrescentou-se em cada tubo dois gramas de amido
                     de milho (maizena).
Baseado no experimento, responda:
   a) Em qual(is) dos tubos ocorrerá digestão do amido? Justifique.
   Apenas nos tubos em que a enzima nao está desnaturada pelo calor ou pela presença de ions ou seja, no tubo 2, pois está
     na temperatura ótima para atividade enzimática
   .b) Se após o procedimento C, pingássemos algumas gotas de lugol(reagente a base de iodo) nos dois tubos, qual(is) dele(s)
       ficaria(m) azulado(s)? Justifique. (0,3 ponto)
   Resposta: apenas no tubo 2, pois ali a enzima foi desnaturada e nao converteu o amido a maltose.

   OBS.: O lugol é um reagente de coloração amarelada, que em presença de amido torna-se azul.


28. A figura ao lado expressa simbolicamente a contribuição da Biologia Molecular no conhecimento atual dos
                               genomas e sua aplicação em Biotecnologia. As técnicas de análise do DNA incluem
                               a obtenção de padrões de distribuição de segmentos de desoxirribonucleotídeos
                               submetidos a eletroforese, como os observados na figura.
                               Constituem exemplos da utilização dessas técnicas as investigações de paternidade,
                               criminalidade e análises comparativas de espécies e populações em estudos de
                               Genética e Evolução.
                               Os biólogos moleculares decifraram o código genético no começo dos anos 60 do
                               século XX. No modelo proposto, códons constituídos por três bases nitrogenadas no
RNA, cada base representada por uma letra, codificam os vinte aminoácidos. Considerando as quatro bases
nitrogenadas presentes no RNA (A, U, C e G), responda:
a) Por que foram propostos no modelo códons de três letras, ao invés de códons de duas letras? b) Um dado
aminoácido pode ser codificado por mais de um códon? Um único códon pode especificar mais de um aminoácido?

Resposta:
a) Pois códons de duas letras codificam poucos aminoácidos
b) Pela existência do código degenerado, poderá mais de um códon determinar um único aminoácido, porém o códon
sempre especifica um único tipo de aminoácido.

29. Para investigar a dinâmica de biossíntese de uma proteína transportadora de glicose para o interior das células,
com relação às várias organelas de uma célula, um pesquisador incubou as células em um meio de cultura contendo
um aminoácido marcado com carbono-14 (radioativo). Este procedimento garantiu ao cientista a possibilidade dele
“seguir” as moléculas do aminoácido marcado no decorrer do experimento.

Após um período de incubação, o pesquisador tomou amostras das células em cultura, isolou as várias organelas e
mediu a radioatividade de cada uma. As organelas analisadas foram: núcleo, ribossomos, mitocôndrias e membrana
plasmática.

a) Identifique a organela que, inicialmente, apresentou radioatividade mais alta. Justifique sua resposta. (0,5 ponto)
b) Ao final do período de incubação, qual organela apresentou radioatividade mais alta? Justifique sua resposta. (0,5
ponto)

Respostas:
a) Ribossomos. É nessa organela que ocorre a síntese de proteínas.
b) A membrana plasmática, pois é nela que acontece o transporte de glicose.

Questão Dissertativa:
30. (Unicamp 2008) O gráfico a seguir representa a resposta imunitária de uma criança vacinada contra determinada
doença, conforme recomendação dos órgãos públicos de saúde.
a) Explique o que são vacinas e como protegem contra doenças.
b) Observe o gráfico e explique a que se deve a resposta imunitária da criança após a dose de reforço.

Resposta da questão 22:
 a) Constituem-se de antígenos obtidos da morte ou atenuação do microrganismo causador. Ao serem inoculadas, as
vacinas induzem a formação de anticorpos específicos, proteínas que neutralizam os antígenos do microrganismo.

b) A primeira dose da vacina estimulou a produção de anticorpos específicos, determinando a formação de células de
memória (linfócitos), que permanecem na circulação. A dose de reforço ativa essas células, levando a uma rápida e
intensa produção de anticorpos.


31. (Ufsm 2008) Considere, hipoteticamente, que o DNA de uma planta em estudo por pesquisadores brasileiros
possui um gene responsável pela produção do óleo aromatizante da planta. Esse gene é repelente natural de
mosquitos e possui como parte de sua sequência com sentido: ...AGGCCCGTTCCCTTA... Caso ocorressem
mutações gênicas que alterassem essa sequência para ...AGCCCCCAACCCAAA..., os novos aminoácidos
formados, conforme o quadro, seriam:




a) serina - glicina - valina - glicina - fenilalanina
b) tirosina - prolina - valina - prolina - leucina
c) serina - glicina - glutamina - glicina - aspargina
d) serina - prolina - glicina - prolina - lisina
e) arginina - prolina - valina - prolina - leucina
32 . (Ufrj 2007) As sequências de RNA mensageiro a seguir codificam peptídeos com atividades biológicas
específicas. Suponha que mutações no DNA tenham causado as seguintes mudanças nas duas moléculas de mRNA
(1 e 2).

                                                A tabela resumida do código genético mostra alguns códons e seus
                                                aminoácidos correspondentes.



                                                Em qual das mudanças (1 ou 2) há risco de perda ou de diminuição
                                                da atividade biológica?

                                                Justifique sua resposta. Resposta da questão :
                                                 A mudança 2, pois essa é a única que provoca troca de
                                                aminoácidos. Essa troca altera a estrutura do peptídeo, o que pode
                                                alterar sua função.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mitose e Meiose
Mitose e MeioseMitose e Meiose
Mitose e Meiose
Gisele A. Barbosa
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
César Milani
 
Aula 07 núcleo e cromossomos
Aula 07   núcleo e cromossomosAula 07   núcleo e cromossomos
Aula 07 núcleo e cromossomos
Hamilton Nobrega
 
Ácidos nucleicos DNA RNA
Ácidos nucleicos DNA RNAÁcidos nucleicos DNA RNA
Ácidos nucleicos DNA RNA
José Luís Alves
 
DNA
DNADNA
Transporte de membrana
Transporte de membranaTransporte de membrana
Transporte de membrana
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Células procariontes e eucariontes
Células procariontes e eucariontesCélulas procariontes e eucariontes
Células procariontes e eucariontes
Naiiane Da Motta
 
duplicação do dna e rna
duplicação do dna  e rnaduplicação do dna  e rna
duplicação do dna e rna
Aparecido Guerino
 
Tabela de aminoácidos
Tabela de aminoácidosTabela de aminoácidos
Tabela de aminoácidos
Almir Caputo
 
Mutações cromossômicas estruturais
Mutações cromossômicas estruturaisMutações cromossômicas estruturais
Mutações cromossômicas estruturais
Nathália Vasconcelos
 
Mutações
Mutações Mutações
Mutações
Isabel Lopes
 
Aula 1º Ano Ensino Médio: Embriologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Embriologia animal/humanaAula 1º Ano Ensino Médio: Embriologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Embriologia animal/humana
Ronaldo Santana
 
1 introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
1   introdução ao Estudo da Biologia 1º ano1   introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
1 introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
Luiz Lázaro Leal de Albuquerque
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Bio
 
Prova bioquímica a3 2011 gabarito
Prova bioquímica a3 2011   gabaritoProva bioquímica a3 2011   gabarito
Prova bioquímica a3 2011 gabarito
Ana Claudia Rodrigues
 
Conceitos basicos em genetica
 Conceitos basicos em genetica Conceitos basicos em genetica
Conceitos basicos em genetica
Adrianne Mendonça
 
METABOLISMO ENERGETICO - FOTOSSINTESE.pptx
METABOLISMO ENERGETICO - FOTOSSINTESE.pptxMETABOLISMO ENERGETICO - FOTOSSINTESE.pptx
METABOLISMO ENERGETICO - FOTOSSINTESE.pptx
AugustoBraga5
 
Mutações gênicas
Mutações gênicasMutações gênicas
Mutações gênicas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aula biologia celular
Aula   biologia celularAula   biologia celular
Aula biologia celular
santhdalcin
 
Aula de gametogenese
Aula de gametogeneseAula de gametogenese
Aula de gametogenese
Fatima Comiotto
 

Mais procurados (20)

Mitose e Meiose
Mitose e MeioseMitose e Meiose
Mitose e Meiose
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
 
Aula 07 núcleo e cromossomos
Aula 07   núcleo e cromossomosAula 07   núcleo e cromossomos
Aula 07 núcleo e cromossomos
 
Ácidos nucleicos DNA RNA
Ácidos nucleicos DNA RNAÁcidos nucleicos DNA RNA
Ácidos nucleicos DNA RNA
 
DNA
DNADNA
DNA
 
Transporte de membrana
Transporte de membranaTransporte de membrana
Transporte de membrana
 
Células procariontes e eucariontes
Células procariontes e eucariontesCélulas procariontes e eucariontes
Células procariontes e eucariontes
 
duplicação do dna e rna
duplicação do dna  e rnaduplicação do dna  e rna
duplicação do dna e rna
 
Tabela de aminoácidos
Tabela de aminoácidosTabela de aminoácidos
Tabela de aminoácidos
 
Mutações cromossômicas estruturais
Mutações cromossômicas estruturaisMutações cromossômicas estruturais
Mutações cromossômicas estruturais
 
Mutações
Mutações Mutações
Mutações
 
Aula 1º Ano Ensino Médio: Embriologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Embriologia animal/humanaAula 1º Ano Ensino Médio: Embriologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Embriologia animal/humana
 
1 introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
1   introdução ao Estudo da Biologia 1º ano1   introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
1 introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)
 
Prova bioquímica a3 2011 gabarito
Prova bioquímica a3 2011   gabaritoProva bioquímica a3 2011   gabarito
Prova bioquímica a3 2011 gabarito
 
Conceitos basicos em genetica
 Conceitos basicos em genetica Conceitos basicos em genetica
Conceitos basicos em genetica
 
METABOLISMO ENERGETICO - FOTOSSINTESE.pptx
METABOLISMO ENERGETICO - FOTOSSINTESE.pptxMETABOLISMO ENERGETICO - FOTOSSINTESE.pptx
METABOLISMO ENERGETICO - FOTOSSINTESE.pptx
 
Mutações gênicas
Mutações gênicasMutações gênicas
Mutações gênicas
 
Aula biologia celular
Aula   biologia celularAula   biologia celular
Aula biologia celular
 
Aula de gametogenese
Aula de gametogeneseAula de gametogenese
Aula de gametogenese
 

Semelhante a Questoes para 1 s respondidas

Td 05 bio i síntese proteica
Td 05 bio i síntese proteicaTd 05 bio i síntese proteica
Td 05 bio i síntese proteica
MatheusMesquitaMelo
 
Questoes para 1 s respondidas
Questoes para 1 s respondidasQuestoes para 1 s respondidas
Questoes para 1 s respondidas
CotucaAmbiental
 
15 09 16 ii exe_acidos_nucleicos
15 09 16 ii exe_acidos_nucleicos15 09 16 ii exe_acidos_nucleicos
15 09 16 ii exe_acidos_nucleicos
Mário Samico Samico
 
Núcleo e a síntese protéica
Núcleo e a síntese protéicaNúcleo e a síntese protéica
Núcleo e a síntese protéica
URCA
 
Natureza do material genético
Natureza do material genético Natureza do material genético
Natureza do material genético
URCA
 
Questoes para 1 s sem resposta
Questoes para 1 s  sem respostaQuestoes para 1 s  sem resposta
Questoes para 1 s sem resposta
Ionara Urrutia Moura
 
Rna e dna
Rna e dnaRna e dna
Rna e dna
ADÃO Graciano
 
Treinamento ácidos nucléicos
Treinamento ácidos nucléicosTreinamento ácidos nucléicos
Treinamento ácidos nucléicos
emanuel
 
Exercícios cito acidos nucleicos
Exercícios cito acidos nucleicosExercícios cito acidos nucleicos
Exercícios cito acidos nucleicos
Cacu-o (Cursinho Alternativo Campus Unesp Ourinhos)
 
Código Genético e Síntese Proteica
Código Genético e Síntese ProteicaCódigo Genético e Síntese Proteica
Código Genético e Síntese Proteica
guestdb5b7a
 
GenéTico e Síntese Proteica
GenéTico e Síntese ProteicaGenéTico e Síntese Proteica
GenéTico e Síntese Proteica
Colégio Adventista de Planaltina CEAP
 
Aula 08 síntese de proteínas
Aula 08   síntese de proteínasAula 08   síntese de proteínas
Aula 08 síntese de proteínas
Jonatas Carlos
 
Teste BG - Síntese Proteica
Teste BG - Síntese ProteicaTeste BG - Síntese Proteica
Teste BG - Síntese Proteica
José Luís Alves
 
1 acidos nucleicos
1 acidos nucleicos1 acidos nucleicos
1 acidos nucleicos
Ana Bento
 
Revisão.1ºsemetre
Revisão.1ºsemetreRevisão.1ºsemetre
Revisão.1ºsemetre
Alpha Colégio e Vestibulares
 
áCidos nucleicos dna e rna
áCidos nucleicos  dna e rnaáCidos nucleicos  dna e rna
áCidos nucleicos dna e rna
SONALI NASCIMENTO
 
1º biologia
1º biologia1º biologia
1º biologia
newtonbonfim
 
Resumo biologia (0)
Resumo biologia (0)Resumo biologia (0)
Resumo biologia (0)
Mateus Ferraz
 
BIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptx
BIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptxBIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptx
BIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptx
EduardoBaena7
 
ae_bf11_ppt1.pptx
ae_bf11_ppt1.pptxae_bf11_ppt1.pptx
ae_bf11_ppt1.pptx
Miguel766590
 

Semelhante a Questoes para 1 s respondidas (20)

Td 05 bio i síntese proteica
Td 05 bio i síntese proteicaTd 05 bio i síntese proteica
Td 05 bio i síntese proteica
 
Questoes para 1 s respondidas
Questoes para 1 s respondidasQuestoes para 1 s respondidas
Questoes para 1 s respondidas
 
15 09 16 ii exe_acidos_nucleicos
15 09 16 ii exe_acidos_nucleicos15 09 16 ii exe_acidos_nucleicos
15 09 16 ii exe_acidos_nucleicos
 
Núcleo e a síntese protéica
Núcleo e a síntese protéicaNúcleo e a síntese protéica
Núcleo e a síntese protéica
 
Natureza do material genético
Natureza do material genético Natureza do material genético
Natureza do material genético
 
Questoes para 1 s sem resposta
Questoes para 1 s  sem respostaQuestoes para 1 s  sem resposta
Questoes para 1 s sem resposta
 
Rna e dna
Rna e dnaRna e dna
Rna e dna
 
Treinamento ácidos nucléicos
Treinamento ácidos nucléicosTreinamento ácidos nucléicos
Treinamento ácidos nucléicos
 
Exercícios cito acidos nucleicos
Exercícios cito acidos nucleicosExercícios cito acidos nucleicos
Exercícios cito acidos nucleicos
 
Código Genético e Síntese Proteica
Código Genético e Síntese ProteicaCódigo Genético e Síntese Proteica
Código Genético e Síntese Proteica
 
GenéTico e Síntese Proteica
GenéTico e Síntese ProteicaGenéTico e Síntese Proteica
GenéTico e Síntese Proteica
 
Aula 08 síntese de proteínas
Aula 08   síntese de proteínasAula 08   síntese de proteínas
Aula 08 síntese de proteínas
 
Teste BG - Síntese Proteica
Teste BG - Síntese ProteicaTeste BG - Síntese Proteica
Teste BG - Síntese Proteica
 
1 acidos nucleicos
1 acidos nucleicos1 acidos nucleicos
1 acidos nucleicos
 
Revisão.1ºsemetre
Revisão.1ºsemetreRevisão.1ºsemetre
Revisão.1ºsemetre
 
áCidos nucleicos dna e rna
áCidos nucleicos  dna e rnaáCidos nucleicos  dna e rna
áCidos nucleicos dna e rna
 
1º biologia
1º biologia1º biologia
1º biologia
 
Resumo biologia (0)
Resumo biologia (0)Resumo biologia (0)
Resumo biologia (0)
 
BIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptx
BIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptxBIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptx
BIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptx
 
ae_bf11_ppt1.pptx
ae_bf11_ppt1.pptxae_bf11_ppt1.pptx
ae_bf11_ppt1.pptx
 

Mais de Ionara Urrutia Moura

Recuperação final 2015 todas as séries e turmas professora ionara
Recuperação final 2015 todas as séries e turmas  professora ionaraRecuperação final 2015 todas as séries e turmas  professora ionara
Recuperação final 2015 todas as séries e turmas professora ionara
Ionara Urrutia Moura
 
notas 3°S
  notas 3°S  notas 3°S
2S_Fisio comparada circulação nov2015
2S_Fisio comparada circulação nov20152S_Fisio comparada circulação nov2015
2S_Fisio comparada circulação nov2015
Ionara Urrutia Moura
 
1S envoltórios celulares e transportes nov 2015
1S  envoltórios celulares e  transportes nov 20151S  envoltórios celulares e  transportes nov 2015
1S envoltórios celulares e transportes nov 2015
Ionara Urrutia Moura
 
Exercicios biologia reino_animal_sistema_digestivo
Exercicios biologia reino_animal_sistema_digestivoExercicios biologia reino_animal_sistema_digestivo
Exercicios biologia reino_animal_sistema_digestivo
Ionara Urrutia Moura
 
1 s respiração_out_ 2015
1 s respiração_out_ 20151 s respiração_out_ 2015
1 s respiração_out_ 2015
Ionara Urrutia Moura
 
Biologia exercicios fisiologia_hormonios_vegetais (1)
Biologia exercicios fisiologia_hormonios_vegetais (1)Biologia exercicios fisiologia_hormonios_vegetais (1)
Biologia exercicios fisiologia_hormonios_vegetais (1)
Ionara Urrutia Moura
 
Biologia embriologia tipos_de_ovos_segmentacao
Biologia embriologia tipos_de_ovos_segmentacaoBiologia embriologia tipos_de_ovos_segmentacao
Biologia embriologia tipos_de_ovos_segmentacao
Ionara Urrutia Moura
 
Exercicios reino animal_zoologia_invertebrados_comgabarito
Exercicios reino animal_zoologia_invertebrados_comgabaritoExercicios reino animal_zoologia_invertebrados_comgabarito
Exercicios reino animal_zoologia_invertebrados_comgabarito
Ionara Urrutia Moura
 
Biologia citologia respiracao_celular_exercicios_gabarito
Biologia citologia respiracao_celular_exercicios_gabaritoBiologia citologia respiracao_celular_exercicios_gabarito
Biologia citologia respiracao_celular_exercicios_gabarito
Ionara Urrutia Moura
 
Lista embriologia 30 questões
Lista embriologia   30 questõesLista embriologia   30 questões
Lista embriologia 30 questões
Ionara Urrutia Moura
 
Exercicios zoologia 182 questoes_por area
Exercicios zoologia 182 questoes_por areaExercicios zoologia 182 questoes_por area
Exercicios zoologia 182 questoes_por area
Ionara Urrutia Moura
 
Fisiologia digestão out2015
Fisiologia  digestão out2015Fisiologia  digestão out2015
Fisiologia digestão out2015
Ionara Urrutia Moura
 
2 s reino metazoa embrio 2015 para postar
2 s  reino metazoa  embrio 2015 para postar2 s  reino metazoa  embrio 2015 para postar
2 s reino metazoa embrio 2015 para postar
Ionara Urrutia Moura
 
Orientação trabalho 4_bim _1s
Orientação   trabalho 4_bim _1sOrientação   trabalho 4_bim _1s
Orientação trabalho 4_bim _1s
Ionara Urrutia Moura
 
1S fotossíntese outubro 2015
1S fotossíntese outubro 20151S fotossíntese outubro 2015
1S fotossíntese outubro 2015
Ionara Urrutia Moura
 
Hormônios vegetais e movimentos vegetais final
Hormônios vegetais e  movimentos vegetais finalHormônios vegetais e  movimentos vegetais final
Hormônios vegetais e movimentos vegetais final
Ionara Urrutia Moura
 
Orientação trab. 2 s 4 bim 2015
Orientação trab. 2 s  4 bim 2015Orientação trab. 2 s  4 bim 2015
Orientação trab. 2 s 4 bim 2015
Ionara Urrutia Moura
 
2S Fisiologia vegetal
2S Fisiologia vegetal          2S Fisiologia vegetal
2S Fisiologia vegetal
Ionara Urrutia Moura
 
Exercicios fotossintese primeiro ano
Exercicios fotossintese primeiro anoExercicios fotossintese primeiro ano
Exercicios fotossintese primeiro ano
Ionara Urrutia Moura
 

Mais de Ionara Urrutia Moura (20)

Recuperação final 2015 todas as séries e turmas professora ionara
Recuperação final 2015 todas as séries e turmas  professora ionaraRecuperação final 2015 todas as séries e turmas  professora ionara
Recuperação final 2015 todas as séries e turmas professora ionara
 
notas 3°S
  notas 3°S  notas 3°S
notas 3°S
 
2S_Fisio comparada circulação nov2015
2S_Fisio comparada circulação nov20152S_Fisio comparada circulação nov2015
2S_Fisio comparada circulação nov2015
 
1S envoltórios celulares e transportes nov 2015
1S  envoltórios celulares e  transportes nov 20151S  envoltórios celulares e  transportes nov 2015
1S envoltórios celulares e transportes nov 2015
 
Exercicios biologia reino_animal_sistema_digestivo
Exercicios biologia reino_animal_sistema_digestivoExercicios biologia reino_animal_sistema_digestivo
Exercicios biologia reino_animal_sistema_digestivo
 
1 s respiração_out_ 2015
1 s respiração_out_ 20151 s respiração_out_ 2015
1 s respiração_out_ 2015
 
Biologia exercicios fisiologia_hormonios_vegetais (1)
Biologia exercicios fisiologia_hormonios_vegetais (1)Biologia exercicios fisiologia_hormonios_vegetais (1)
Biologia exercicios fisiologia_hormonios_vegetais (1)
 
Biologia embriologia tipos_de_ovos_segmentacao
Biologia embriologia tipos_de_ovos_segmentacaoBiologia embriologia tipos_de_ovos_segmentacao
Biologia embriologia tipos_de_ovos_segmentacao
 
Exercicios reino animal_zoologia_invertebrados_comgabarito
Exercicios reino animal_zoologia_invertebrados_comgabaritoExercicios reino animal_zoologia_invertebrados_comgabarito
Exercicios reino animal_zoologia_invertebrados_comgabarito
 
Biologia citologia respiracao_celular_exercicios_gabarito
Biologia citologia respiracao_celular_exercicios_gabaritoBiologia citologia respiracao_celular_exercicios_gabarito
Biologia citologia respiracao_celular_exercicios_gabarito
 
Lista embriologia 30 questões
Lista embriologia   30 questõesLista embriologia   30 questões
Lista embriologia 30 questões
 
Exercicios zoologia 182 questoes_por area
Exercicios zoologia 182 questoes_por areaExercicios zoologia 182 questoes_por area
Exercicios zoologia 182 questoes_por area
 
Fisiologia digestão out2015
Fisiologia  digestão out2015Fisiologia  digestão out2015
Fisiologia digestão out2015
 
2 s reino metazoa embrio 2015 para postar
2 s  reino metazoa  embrio 2015 para postar2 s  reino metazoa  embrio 2015 para postar
2 s reino metazoa embrio 2015 para postar
 
Orientação trabalho 4_bim _1s
Orientação   trabalho 4_bim _1sOrientação   trabalho 4_bim _1s
Orientação trabalho 4_bim _1s
 
1S fotossíntese outubro 2015
1S fotossíntese outubro 20151S fotossíntese outubro 2015
1S fotossíntese outubro 2015
 
Hormônios vegetais e movimentos vegetais final
Hormônios vegetais e  movimentos vegetais finalHormônios vegetais e  movimentos vegetais final
Hormônios vegetais e movimentos vegetais final
 
Orientação trab. 2 s 4 bim 2015
Orientação trab. 2 s  4 bim 2015Orientação trab. 2 s  4 bim 2015
Orientação trab. 2 s 4 bim 2015
 
2S Fisiologia vegetal
2S Fisiologia vegetal          2S Fisiologia vegetal
2S Fisiologia vegetal
 
Exercicios fotossintese primeiro ano
Exercicios fotossintese primeiro anoExercicios fotossintese primeiro ano
Exercicios fotossintese primeiro ano
 

Questoes para 1 s respondidas

  • 1. LISTA DE EXERCICIOS - EXTRA –1S METABOLISMO DE CONTROLE – JUNHO 2012 Professora Ionara Urrutia Moura 1. (Unicamp) As macromoléculas (polissacarídeos, proteínas ou lipídios) ingeridas na alimentação não podem ser diretamente usadas na produção de energia pela célula. Essas macromoléculas devem sofrer digestão (quebra), produzindo moléculas menores, para serem utilizadas no processo de respiração celular. a) Quais são as moléculas menores que se originam da digestão das macromoléculas citadas no texto? R:As moléculas menores produzidas da digestão das macromoléculas citadas no texto são monossacarídeos, como glicose e outros açúcares simples, aminoácidos e ácidos graxos e glicerol, respectivamente. b) Como ocorre a “quebra” química das macromoléculas ingeridas? R: a quebra ou digestão ocorre através do processo de hidrólise enzimática, ou seja, cada ligação no polímero é quebrada com a adição de uma molécula de água, E ISSO OCORRE com aauxilio de uma enzima especifica c) Respiração é um termo aplicado a dois processos distintos, porém intimamente relacionados, que ocorrem no organismo em nível pulmonar e celular. Explique que relação existe entre os dois processos. R: A respiração pulmonar se refere à entrada e saída de ar dos pulmões, levando O2 e retirando CO2 da corrente sangüínea. O O2 captado na respiração pulmonar é levado até a célula. A respiração celular utiliza o O2 captado na respiração pulmonar. O C02 resultante da respiração celular entra na corrente 2.Atualmente, sabe-se que a relação gene-proteína nem sempre é de um para um. Relacioná-los não é uma questão simples: em geral, o genoma de um organismo é idêntico em todas as suas células, enquanto o conjunto de proteínas de cada uma delas varia, dependendo de sua fase de desenvolvimento, do tecido analisado, do processamento do pré-RNA mensageiro (pré-mRNA) e, até, do ambiente a que o organismo está submetido. Mas como genes e proteínas estão relacionados? Em organismos eucariotos, como é o caso da espécie humana, a informação genética armazenada no DNA é convertida em uma seqüência de aminoácidos, formando as proteínas -- moléculas fundamentais na determinação das características dos organismos. Contudo, a informação genética está organizada da seguinte forma: os genes incluem regiões codificadoras da seqüência de aminoácidos, os exons , e regiões não-codificadoras, os introns. A primeira etapa na síntese de proteínas é a transcrição do gene em uma molécula de RNA, o pré-mRNA. Este inclui ambas as regiões e, quando é processado, os introns são removidos da molécula, transformando o pré-mRNA no mRNA maduro, que será, então, traduzido em proteína. Esse processamento de um pré-mRNA pode variar, resultando na formação de mais de um tipo de proteína, a partir de uma mesma seqüência de DNA. Um exemplo extremo descrito recentemente na mosca-da-banana, a Drosophila melanoaster , revela que um mesmo gene desse inseto é capaz de codificar cerca de 38 mil proteínas. Na espécie humana, estima-se que o número de genes varie entre 50 mil e 150 mil e que existam milhões de proteínas diferentes a) Explique o processo pelo qual os genes controlam a produ~cão de prote~inas em todos os seres vivos. Os gens produzem mol~eculas de RNA, a partir da compelmentaridede de bases, nucleot~ideos de RNA são atraídos pelas bases de um dos filamentos do DNA. O processo de transcrição abcaba nos códons de parada e o RNA formado se desliga do DNA , idndo para o citoplasma . Lã os tres rnas atuam no processo de tradu~cao. O RNA mensageiro expõe codosn que atraem anticódons de RNA trasnportador. Cada RNA transporta um único tipo de aminoácido. Chamamos a correspondência entre códons e aminoacidos de código gen~etico. Todos os seres vivos fabricam as suas proteínas atraindo aminoácidos na ordem determinada pelos códons do RNA mensageiro. Estes códons são transcritos a parti dos genes, e seus exons no DNA . b) No texto são abordados os introns e exons. Qual a consequência disso para os seres vivos:
  • 2. Se a formação do RNA é saltatõria, o numero de possibilidades de leitura aumenta exponencialmente, isso possibilidta um aumento considerável da possibilidade de formar RNA e prote~inas com um mesmo trecho do DNA. 3 Leia o texto Folha Saúde 28 de mar;o de 2012 Vaca louca- 25 04 2012 4.Explique a metafora do primeiro paragrafo usando os termos antigeno e anticorpo. Antígenossão como lanças , e os anticorpos os escudos. Neste texto , os vírus utilizam nproteínas para penetra nas células hospedeiras, mas uma das proteínas que algumas pessoas produzem, é um escudo contra estes virus, mesmo não sendo um antoicorpo, ela impede a ação viral 5.Como voce explicaria a expressão “fator inato de resistencia” De acordo com o textyo , esta proteían á fabricada por algumas pessoas, antesmesmo de terem contato com o vírus...inato que dizer - o que vem com o nascimento, portanto é de origem genética, (herdado dos pais ou originado por mutação) 6.De acordo com o texto, a proteina IFTTM3 ,, pode ser considerada um anticorpo: porque: 7. (G2 1996) No modelo molecular do ácido ribonucleico (RNA) representado adiante, os números 1, 2 e 3 indicam, respectivamente: a) desoxirribose, ácido fosfórico e base nitrogenada. b) ácido fosfórico, desoxirribose e base nitrogenada. c) ribose, ácido fosfórico e base nitrogenada. d) ácido fosfórico, ribose e base nitrogenada. e) ácido fosfórico, base nitrogenada e desoxirribose.
  • 3. 8. (G2 1996) Assinale a alternativa que relaciona corretamente o nome das moléculas representadas pelos números 1, 2 e 3, respectivamente, sabendo-se que a figura adiante representa a unidade estrutural do ácido desoxirribonucleico (DNA). a) base nitrogenada, ribose e ácido fosfórico. b) ácido fosfórico, ribose e base nitrogenada. c) desoxirribose, base nitrogenada e ácido fosfórico. d) ácido fosfórico, desoxirribose e base nitrogenada. e) base nitrogenada, desoxirribose e ácido fosfórico. O código genético é o conjunto de todas as trincas possíveis de bases nitrogenadas (códons). A 9. (Fuvest 2007) sequência de códons do RNA mensageiro determina a sequência de aminoácidos da proteína. É correto afirmar que o código genético a) varia entre os tecidos do corpo de um indivíduo. b) é o mesmo em todas as células de um indivíduo, mas varia de indivíduo para indivíduo. c) é o mesmo nos indivíduos de uma mesma espécie, mas varia de espécie para espécie. d) permite distinguir procariotos de eucariotos. e) é praticamente o mesmo em todas as formas de vida 10 a) Em A , B e D é DNA – tem timina. Em C, é RNA, pois tem uracila. 10 b) B e C possuem uma cadeia. B por ser RNA, e C pode ser um dos dosi filamentos de uma molécula de DNA, e isso pode ser comprovado pela desproporção entre A e T , e C e G. Nas fitas A e D, para cada Adenina há uma timina ,e o mesmo ocorre com C e G. 11.resposta d- os genes humanos funcionam dentro das bactérias 12 Resposta 2. Uma molécula de DNA, sempre terá duas cadeias de nucleotídeos.
  • 4. Resposta 13 : Cada nucleotídeo tem uma base, portanto há 90 nucleotídeos, 30 códos Resposta 14 : A mutação provocada foi a perda de 3 códons, pois para cada códon vem um aminoácido. Cada códon do DNA tem 3 pares de nucleotídeos. Resposta e. Resposta 15: a proteína tem 100 aminoácidos. Portanto foram necessário 100 códons. Cada códon tem três bases ( só é usado um dos dois filamentos do DNA) Resposta e - 300 nucleotídeos. Resposta 16 : A saliva fervida tem a ptialina desnaturada,portanto, a amilase salivar não irá degradar o amido. Estando presente , reage com lugol, , fazenda com que a solução fique roxa Resposta: d Resposta 17. Se há 28 % de Adenina, haverá 28% de timina, já que amabas se complementam na molécula de DNA. Assim teremos 56% da molécula feitos de A e T , e os restante , 44% será dividido entre C e G , 22% de cada uma destas bases. Para uma molécula de RNA este cálculo PE inviável PIS a molécula é de fita única e não tem esta complementaridade em um filamento único.
  • 5. RESPOSTA 18 a: AGU é o anti- códon para UCA. Este códon foi formado por um DNA com as bases AGT Resposta 19 - c – lípases são as enzimas que degradam lipídios permitindo sua absorção. 20 ) Muitas estruturas do nosso organismo possuem em sua estrutura o colágeno. Quimicamente, o colágeno pertence ao grupo de: a) carboidratos b) lipídeos c) proteínas d) glicídeos e) ácidos nucléicos 21)A fenilcetonúria é uma doença que resulta de um defeito na enzima fenilalanina hidroxilase, que participa do catabolismo do aminoácido fenilalanina. A falta de hidroxilase produz o acúmulo de fenilalanina que, por transaminação, forma ácido fenilpirúvico. Quando em excesso, o ácido fenilpirúvico provoca retardamento mental severo. Por outro lado, o portador desse defeito enzimático pode ter uma vida normal desde que o defeito seja diagnosticado imediatamente após o nascimento e que sua dieta seja controlada. A fenilcetonúria é tão comum que mesmo nas latas de refrigerantes dietéticos existe o aviso: "Este produto contém fenilcetonúricos!". Qual o principal cuidado a tomar com a dieta alimentar de um portador desse defeito enzimático? Por quê? 9. (Udesc) Assinale a alternativa que completa CORRETAMENTE as afirmativas a seguir: As_________ são proteínas especiais que_________ reações químicas que ocorrem no_________ das células. Quando o organismo é aquecido demasiadamente, elas são__________. a) gorduras; catalisam; interior; desnaturadas b) moléculas; aceleram; exterior; recriadas c) enzimas; retardam; exterior; derretidas d) gorduras; alteram; limite; destruídas e) enzimas; catalisam; interior; desnaturadas resposta:Evitar a ingestão de alimentos que contenham o aminoácido fenilalanina pois os "fenilcetonúricos" são incapazes de metabolizar essa substância e correm risco de apresentar graves distúrbios metabólicos com conseqüências irreversíveis
  • 6. 22)Considere um gato siamês, que difere de outras raças de gatos por sua pelagem característica: escura nas patas, no focinho e no pavilhão auditivo, contrastando com o resto do corpo, onde é clara. As regiões escuras são as mais frias e nelas, a substância que controla a produção do pigmento responsável pela pelagem escura é ativa, enquanto nas claras, que são quentes, essa substância é inativa. Pela sua ação no escurecimento da pelagem do animal, conclui-se que essa substância é: a) um glicídio b) um lipídio c) uma enzima d) um glicosaminoglicano e) uma vitamina 23)Considere as seguintes afirmativas: I - As proteínas são moléculas de grande importância para os organismos - atuam tanto estruturalmente como também metabolicamente. II - As enzimas são proteínas que atuam como catalisadores biológicos. III - Existem proteínas que atuam como linhas de defesa do organismo e algumas delas são conhecidas como anticorpos. Quais estão corretas? a) Apenas I b) Apenas II c) Apenas III d) Apenas II e III e) I, II, III 24)Assinale a alternativa INCORRETA a respeito da molécula dada pela fórmula geral a seguir a) É capaz de se ligar a outra molécula do mesmo tipo através de pontes de hidrogênio. b) Entra na constituição de enzimas. c) R representa um radical variável que identifica diferentes tipos moleculares dessa substância. d) Os vegetais são capazes de produzir todos os tipos moleculares dessa substância, necessários à sua sobrevivência. e) Essas moléculas são unidas umas às outras nos ribossomos. 25) Ceará joga fora opção alimentar" Segundo pesquisas da UFC, a cada ano 800 toneladas de carne de cabeça de lagosta não são aproveitadas sendo lançadas ao mar. "0 estudo sobre hidrólise enzimática de desperdício de lagosta", título do pesquisador Gustavo Vieira, objetiva o uso de material de baixo custo para enriquecer a alimentação de populações carentes. O processo consiste na degradação de moléculas orgânicas complexas em simples por meio de um catalisador e na posterior liofilização. O pó resultante é de alto teor nutritivo, com baixa umidade e resiste, em bom estado de conservação, por longos períodos. (Jornal do Brasil - 27/08/94) Com base nos processos descritos no artigo anterior, assinale a opção correta. a) As moléculas orgânicas simples obtidas são glicerídios que são utilizados pelo organismo com função reguladora. b) As moléculas orgânicas complexas empregadas são proteínas que, ao serem digeridas em aminoácidos são utilizadas pelo organismo com função estrutural. c) O catalisador do processo é uma enzima capaz de degradar proteínas em monossacarídeos essenciais à liberação de energia para as atividades orgânicas. d) A hidrólise enzimática de moléculas orgânicas complexas é realizada por catalisador inorgânico em presença de água. e) O alto teor nutritivo do produto é devido ao fato de as moléculas orgânicas simples obtidas serem sais minerais indispensáveis ao desenvolvimento orgânico.
  • 7. Molécula reverte processo que leva à insuficiência cardíaca 11/05/2012 Por Karina Toledo Agência FAPESP – Uma molécula desenvolvida por pesquisadores da Universidade Stanford, nos Estados Unidos, e da Universidade de São Paulo (USP) se mostrou capaz de estabilizar e até mesmo reverter o processo degenerativo observado na insuficiência cardíaca. O mal é caracterizado pela incapacidade do coração em bombear sangue adequadamente e leva à morte 70% dos afetados nos primeiros cinco anos. Os resultados dos testes pré-clínicos com a molécula batizada de βIIV5-3 foram divulgados na revista PLoS One. A pesquisa faz parte do pós-doutorado de Julio Cesar Batista Ferreira, com Bolsa da FAPESP. “A insuficiência cardíaca é o resultado final comum de diferentes doenças cardiovasculares, como infarto do miocárdio e hipertensão arterial. Depois que o problema se instala, a sobrevida do paciente costuma ser relativamente curta, mesmo com a ajuda de todos os fármacos do mercado”, disse Ferreira, professor do Instituto de Ciências Biomédicas da USP. Ainda durante o doutorado, realizado na Escola de Educação Física e Esporte da USP sob orientação da professora Patricia Chakur Brum, Ferreira encontrou evidências de que uma proteína chamada PKCβII ("protein kinase C isoform βII") poderia ser a vilã por trás do processo que leva à insuficiência cardíaca. Para testar sua hipótese, decidiu criar uma molécula capaz de inibir a ação dessa proteína nas células do coração. O trabalho foi feito em colaboração com a pesquisadora Daria Mochly-Rosen, da Escola de Medicina de Stanford. “O βIIV5-3 é uma combinação de seis aminoácidos ligados a uma molécula carreadora, capaz de atravessar a membrana celular. Esse princípio ativo inibe a interação da proteína com seu receptor”, disse Ferreira. Para chegar a essa combinação, os cientistas usaram programas de computador capazes de alinhar duas proteínas e apontar semelhanças e diferenças estruturais, completou. “Isso permite escolher regiões específicas de interação entre essas proteínas.” A equipe então testou a molécula em dois modelos animais. No primeiro, um grupo de ratos passou por uma cirurgia para obstruir uma artéria coronária e induzir o infarto. Cerca de um mês depois, os animais apresentaram sinais de insuficiência cardíaca. Metade foi tratada com o βIIV5-3 por seis semanas e a outra metade recebeu placebo. “Após as seis semanas, a função cardíaca havia melhorado cerca de duas vezes nos animais tratados com o βIIV5-3, quando comparada ao grupo controle. Além disso, a mortalidade caiu de 35% para 3%”, contou Ferreira. O segundo experimento foi feito com ratos que apresentavam grande sensibilidade ao sódio. Com seis semanas de vida, os animais foram submetidos a uma dieta rica em sal e, logo em seguida, desenvolveram hipertensão. Quando completaram 11 semanas, já estavam com sinais de insuficiência cardíaca e passaram a receber o tratamento ou o placebo. A função cardíaca dos animais que receberam o βIIV5-3 melhorou duas vezes em relação ao grupo controle e, nesse caso, ficou igual à de ratos sem insuficiência cardíaca. Já a mortalidade caiu de 50% para 0%. “Mesmo após o término do tratamento os animais que receberam o βIIV5-3 apresentaram reduzida mortalidade quando comparados ao grupo placebo”, comemorou o pesquisador. Validação Para provar que também em humanos a PKCβII desempenha papel decisivo no agravamento da insuficiência cardíaca, os pesquisadores avaliaram amostras de biópsia cardíacas de portadores desse problema. “A relação foi clara: quanto mais altos eram os níveis de PKCβII, pior era a função cardíaca dos pacientes”, contou Ferreira. Essa etapa da pesquisa teve a participação de Berta Napchan Boer e Max Grinberg, ambos do Instituto do Coração (Incor) da USP. O próximo passo foi entender por que a proteína PKCβII é deletéria ao músculo cardíaco. Para isso, os pesquisadores realizaram uma série de experimentos in vitro com a proteína isolada e com culturas de células cardíacas de ratos. “Descobrimos que a PKCβII desregula o controle de qualidade das proteínas dentro das células cardíacas. Ela se liga ao proteassomo, um complexo intracelular que elimina as proteínas oxidadas, e impede que ele funcione adequadamente”, explicou Ferreira.
  • 8. Para piorar, o coração com insuficiência torna-se um ambiente pró-oxidante, ou seja, no qual está favorecida a produção de radicais livres e outras substâncias tóxicas que danificam as proteínas e outras macromoléculas da célula. “Como há aumento na produção de proteínas oxidadas e o controle de qualidade está desregulado, elas começam a se acumular e a impedir que as células cardíacas contraiam de forma apropriada. Com o tempo, o coração vai deixando de bater adequadamente e as células começam a morrer”, disse Ferreira. Nos experimentos feitos com ratos, a molécula desenvolvida se mostrou capaz de reativar o sistema de controle de qualidade nas células cardíacas. As proteínas oxidadas voltaram a ser eliminadas pelo proteassomo e o processo degenerativo foi interrompido. Antes de testar o candidato a fármaco em seres humanos, os pesquisadores pretendem realizar outra rodada de ensaios pré-clínicos com animais de maior porte, possivelmente porcos. “A molécula já foi bem-sucedida nos testes de toxicidade realizados em animais. Se tudo correr bem, dentro de aproximadamente sete anos saberemos com certeza se ela poderá se tornar um medicamento”, afirmou Ferreira. O artigo Protein Quality Control Disruption by PKCβII in Heart Failure; Rescue by the Selective PKCβII Inhibitor, βIIV5-3 (doi:10.1371/journal.pone.0033175), de Julio Ferreira e outros, pode ser lido em www.plosone.org/article/info%3Adoi%2F10.1371%2Fjournal.pone.0033175 26 Texto Para a próxima questão As reações enzimáticas são muito importantes em alimentos e ocorrem não só no alimento in natura, mas ta mbém durante o seu processamento e armazenamento. O aroma da cebola, por exemplo, deve-se à ação da alinase, enzima que age sobre os compostos que contêm enxofre presentes nesse alimento. Enzimas proteolíticas como a bromelina presente no abacaxi são empregadas no amaciamento da carne. As amilases são enzimas importantes principalmente na produção de xaropes de milho pela sua capacidade de romper as ligações glicosídicas do amido. Frutas e vegetais que contêm compostos fenólicos na sua composição, quando cortadas e expostas ao ar, sofrem escurecimento causado pela enzima polifenoloxidase (PPO). O que essa enzima faz é oxidar os fenóis a ortoquinonas .Estes últimos compostos polimerizam facilmente formando compostos escuros, as melaninas. Essas reações de escurecimento enzimático podem ser mais facilmente observadas em vegetais de cores claras, como banana, batata e maçã. Com base no texto analise os procedimentos que seguem. 1 )Um aluno, querendo evitar o escurecimento de uma torta de maçãs, acrescentou suco de limão 2) A cebola fica mais suave se aquecida 3) A alinase poderia ser utilizada como a,maciante de carnes. 4) É possível evitar o escurecimento da maçã mantendo-a livre do contato com o ar. Diga se os procedimentos estão corretos ou não. Justifique . 1- Correto, o ph ácido desnatura a polifenoloxidase, impedindo a reação que provoca escurecimento 2- Sim, pois o calor desnatura a alinase 3- Sim, pois a alinase é uma enzima que age sobre substancias que tem enxofre, como as proteínas da carne 4 - incorreto. Isso provoca o escurecimento, pois a reação é de oxidação. 27. Foi realizado o seguinte experimento durante a aula de Biologia: Procedimento A - Acrescentou-se 20 ml de saliva em dois tubos de ensaio etiquetados, respectivamente, com os números 1 e 2. o Procedimento B - O tubo 1 foi aquecido a 80 C por cerca de 30 minutos, enquanto o tubo 2 foi colocado em estufa e o mantido a 36 C. Procedimento C - Após serem resfriados à temperatura ambiente, acrescentou-se em cada tubo dois gramas de amido de milho (maizena).
  • 9. Baseado no experimento, responda: a) Em qual(is) dos tubos ocorrerá digestão do amido? Justifique. Apenas nos tubos em que a enzima nao está desnaturada pelo calor ou pela presença de ions ou seja, no tubo 2, pois está na temperatura ótima para atividade enzimática .b) Se após o procedimento C, pingássemos algumas gotas de lugol(reagente a base de iodo) nos dois tubos, qual(is) dele(s) ficaria(m) azulado(s)? Justifique. (0,3 ponto) Resposta: apenas no tubo 2, pois ali a enzima foi desnaturada e nao converteu o amido a maltose. OBS.: O lugol é um reagente de coloração amarelada, que em presença de amido torna-se azul. 28. A figura ao lado expressa simbolicamente a contribuição da Biologia Molecular no conhecimento atual dos genomas e sua aplicação em Biotecnologia. As técnicas de análise do DNA incluem a obtenção de padrões de distribuição de segmentos de desoxirribonucleotídeos submetidos a eletroforese, como os observados na figura. Constituem exemplos da utilização dessas técnicas as investigações de paternidade, criminalidade e análises comparativas de espécies e populações em estudos de Genética e Evolução. Os biólogos moleculares decifraram o código genético no começo dos anos 60 do século XX. No modelo proposto, códons constituídos por três bases nitrogenadas no RNA, cada base representada por uma letra, codificam os vinte aminoácidos. Considerando as quatro bases nitrogenadas presentes no RNA (A, U, C e G), responda: a) Por que foram propostos no modelo códons de três letras, ao invés de códons de duas letras? b) Um dado aminoácido pode ser codificado por mais de um códon? Um único códon pode especificar mais de um aminoácido? Resposta: a) Pois códons de duas letras codificam poucos aminoácidos b) Pela existência do código degenerado, poderá mais de um códon determinar um único aminoácido, porém o códon sempre especifica um único tipo de aminoácido. 29. Para investigar a dinâmica de biossíntese de uma proteína transportadora de glicose para o interior das células, com relação às várias organelas de uma célula, um pesquisador incubou as células em um meio de cultura contendo um aminoácido marcado com carbono-14 (radioativo). Este procedimento garantiu ao cientista a possibilidade dele “seguir” as moléculas do aminoácido marcado no decorrer do experimento. Após um período de incubação, o pesquisador tomou amostras das células em cultura, isolou as várias organelas e mediu a radioatividade de cada uma. As organelas analisadas foram: núcleo, ribossomos, mitocôndrias e membrana plasmática. a) Identifique a organela que, inicialmente, apresentou radioatividade mais alta. Justifique sua resposta. (0,5 ponto) b) Ao final do período de incubação, qual organela apresentou radioatividade mais alta? Justifique sua resposta. (0,5 ponto) Respostas: a) Ribossomos. É nessa organela que ocorre a síntese de proteínas. b) A membrana plasmática, pois é nela que acontece o transporte de glicose. Questão Dissertativa: 30. (Unicamp 2008) O gráfico a seguir representa a resposta imunitária de uma criança vacinada contra determinada doença, conforme recomendação dos órgãos públicos de saúde.
  • 10. a) Explique o que são vacinas e como protegem contra doenças. b) Observe o gráfico e explique a que se deve a resposta imunitária da criança após a dose de reforço. Resposta da questão 22: a) Constituem-se de antígenos obtidos da morte ou atenuação do microrganismo causador. Ao serem inoculadas, as vacinas induzem a formação de anticorpos específicos, proteínas que neutralizam os antígenos do microrganismo. b) A primeira dose da vacina estimulou a produção de anticorpos específicos, determinando a formação de células de memória (linfócitos), que permanecem na circulação. A dose de reforço ativa essas células, levando a uma rápida e intensa produção de anticorpos. 31. (Ufsm 2008) Considere, hipoteticamente, que o DNA de uma planta em estudo por pesquisadores brasileiros possui um gene responsável pela produção do óleo aromatizante da planta. Esse gene é repelente natural de mosquitos e possui como parte de sua sequência com sentido: ...AGGCCCGTTCCCTTA... Caso ocorressem mutações gênicas que alterassem essa sequência para ...AGCCCCCAACCCAAA..., os novos aminoácidos formados, conforme o quadro, seriam: a) serina - glicina - valina - glicina - fenilalanina b) tirosina - prolina - valina - prolina - leucina c) serina - glicina - glutamina - glicina - aspargina d) serina - prolina - glicina - prolina - lisina e) arginina - prolina - valina - prolina - leucina 32 . (Ufrj 2007) As sequências de RNA mensageiro a seguir codificam peptídeos com atividades biológicas específicas. Suponha que mutações no DNA tenham causado as seguintes mudanças nas duas moléculas de mRNA (1 e 2). A tabela resumida do código genético mostra alguns códons e seus aminoácidos correspondentes. Em qual das mudanças (1 ou 2) há risco de perda ou de diminuição da atividade biológica? Justifique sua resposta. Resposta da questão : A mudança 2, pois essa é a única que provoca troca de aminoácidos. Essa troca altera a estrutura do peptídeo, o que pode alterar sua função.