SlideShare uma empresa Scribd logo
Proteção de rolamentos
www.d4vib.com
Eletro-erosão em rolamentos
• Devido às altas frequências geradas nos inversores de modulação de largura
de pulso, os variadores de frequência induzem tensões no veio acopladas
capacitivamente, nos motores elétricos que controlam.
• As altas velocidades de chaveamento dos transístores bipolares de potência
usados nesses variadores produzem tensões de modo comum no veio do
motor durante a normal operação através da capacitância parasita entre o
estator e o rotor.
• Assim que essas tensões atingem um nível suficiente para sobrepor as
propriedades dielétricas da massa do rolamento, formam um arco pelos
rolamentos do motor, que vai sendo descarregado ao longo do percurso da
menor resistência para a carcaça do motor.
• Durante praticamente cada ciclo de chaveamento do variador de frequência, a
tensão do veio induzida é descarregada do veio do motor até à estrutura
externa por meio dos rolamentos, deixando uma pequena cratera de fusão
(desgaste) na pista do rolamento.
• Quando isso acontece, as temperaturas são suficientes para derreter o aço do
rolamento e danificar ou queimar severamente a lubrificação do rolamento.
Eletro-erosão em rolamentos
• Essas descargas são tão frequentes (potencialmente milhões por hora) que muito
toda a superfície da pista do rolamento se danifica com incontáveis escareações
conhecidas como cristalização.
• Um fenómeno conhecido como estriamento também pode ocorrer, produzindo
estrias ao longo da pista de rolamento cristalizada.
• O estriamento causa ruído e vibração audível e é uma indicação de um modo de
falha catastrófico.
Tensões no veio induzidas por variadores de frequência e correntes
nos rolamentos – Três fontes de corrente de rolamento:
Existem três fontes de correntes nos rolamentos aqui referidas,
duas das quais, a corrente eletro-erosão capacitiva e a corrente
circulante de alta frequência, são originadas por variadores de
frequência.
O terceiro tipo, que se designa por corrente circulante
50/60Hz, ocorre principalmente em grandes motores de
corrente que são operados por tensões de rede a 50/60 Hz.
• Corrente de eletro-erosão capacitiva (do variador de
frequência)
• Corrente circulante de alta frequência (do variador de
frequência)
• Corrente circulante de 50/60 Hz (da tensão da rede)
Corrente de eletro-erosão capacitiva (do variador de frequência)
• Tensão capacitiva induzida proveniente da
forma de onda do chaveamento da largura
de pulso produzida pelo variador de
frequência.
• Esta tensão é acoplada ao veio do motor
por meio da capacitância parasita e pode
ser descarregada nos rolamentos do motor
ou nos rolamentos do equipamento
conectado causando maquinagem por
eletro-erosão.
Corrente circulante de alta frequência (do variador de frequência)
• As correntes circulantes de alta frequência
podem fluir devido a um fluxo de alta
frequência produzido por correntes de
modo comum.
• As correntes circulantes indutivas de alta
frequência dos variadores de frequências
estão na faixa de kHz ou MHz e podem
estar presentes em motores acima de 75
kW.
• Geralmente, quanto maior o motor,
maiores são os efeitos das correntes
circulantes de alta frequência.
Corrente circulante de 50/60 Hz (da tensão da rede):
• As fontes de tensão de ondas
sinusoidais de 50/60 Hz em grandes
máquinas podem causar correntes
circulantes de frequência
extremamente baixa devido ao projeto
assimétrico do motor e das assimetrias
magnéticas.
Aplicações práticas de proteção de rolamentos de motores
elétricos, contra a passagem de correntes induzidas
• Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão de até e incluindo 100 HP (75 kW)
• Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão com mais de 100 HP (75 kW)
• Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão onde ambos os rolamentos estão isolados - qualquer HP/kW
• Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão onde com rolamentos de rolo cilíndrico, Babbitt ou luva
• Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão de veio sólido vertical até e incluindo 100 HP (75 kW)
• Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão de veio sólido vertical com mais de 100 HP (75 kW)
• Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão de manuseio de impulso vertical (veio oco e sólido) até e incluindo 100
HP (75 kW)
• Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão de manuseio de impulso vertical (veio oco e sólido) com mais de 100
HP (75 kW)
• Proteção de rolamentos de motores de média tensão de com mais de 100 HP (75 kW)
• Proteção de rolamentos de motores de média tensão onde ambos os rolamentos estão isolados - Qualquer HP/kW
• Proteção de rolamentos de motores de média tensão com rolamentos de rolo cilíndrico, Babbitt ou luva
• Proteção de rolamentos de motores de média tensão de veio sólido vertical com mais de 100 HP (75 kW)
• Proteção de rolamentos de motores de média tensão de veio vertical oco com mais de 100 HP (75 kW)
• Proteção de rolamentos de motores de Corrente Contínua até e incluindo 10 HP (7,5 kW) - operados no inversor CC
• Proteção de rolamentos de motores de Corrente Contínua com mais de 10 HP (7,5 kW) - operados no inversor CC
Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão de até e
incluindo 100 HP (75 kW)
Recomendações gerais:
• Para motores de indução operados via VFDs por
PWM com IGBT, tanto motores montados na
base, face C ou flange D com rolamentos esféricos
radiais de fileira única em ambas as extremidades
do motor. Os motores podem ser instalados
horizontal ou verticalmente na aplicação do
cliente.
• Instale um anel de proteção de rolamento AEGIS®
SGR na extremidade de acionamento ou na
extremidade sem acionamento do motor para
descarregar a tensão capacitiva induzida do veio.
O AEGIS® SGR pode ser instalado internamente
ou externamente.
• Use o Revestimento de veio de prata coloidal
AEGIS® (NP CS015) no veio do motor onde as
fibras encostam.
• Proteção dos rolamentos do motor e do
equipamento accionado.
Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão com mais de
100 HP (75 kW)
Para motores montados horizontalmente com rolamentos
esféricos radiais de fileira única em ambas as extremidades
do motor:
• Extremidade sem acionamento: A carcaça do rolamento
deve ser isolada com luva ou revestimento isolados ou
use rolamento híbrido ou cerâmico isolado para
interromper as correntes circulantes.
• Extremidade do acionamento: Instale um anel de
proteção de rolamento AEGIS®.
• O anel AEGIS® pode ser instalado internamente na
parte de trás da tampa do rolamento ou externamente
no suporte da extremidade do motor.
• Use o Revestimento de veio de prata coloidal AEGIS®
(NP CS015) no veio do motor onde as fibras encostam.
• Instale o anel de proteção de rolamentos AEGIS® na
extremidade oposta do isolamento
Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão onde ambos
os rolamentos estão isolados - qualquer HP/kW
• Instale um anel de proteção de rolamento AEGIS®,
preferencialmente na extremidade de acionamento,
para proteger os rolamentos no equipamento
conectado (caixa da engrenagem, bomba, rolamento
do ventilador e codificador, etc...).
• O anel AEGIS® pode ser instalado internamente na
parte de trás da tampa do rolamento ou
externamente no suporte da extremidade do motor.
• O Revestimento de veio de prata coloidal AEGIS® NP
CS015 é necessário para esse tipo de aplicação.
• Os rolamentos no equipamento conectado podem
estar sob risco de tensão de veio induzida por VFD a
menos que o aterramento de veio AEGIS® esteja
instalado.
• Instale o anel AEGIS® na extremidade oposta do
isolamento.
Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão onde com
rolamentos de rolo cilíndrico, Babbitt ou luva
• Rolamento de rolo cilíndrico, babbitt ou mancal de bucha: A
carcaça do rolamento deve ser isolada ou use rolamento
isolado.
• Motores com rolamento de rolo cilíndrico isolado na DE:
Instale o anel de proteção de rolamento AEGIS® na
extremidade de acionamento oposta (NDE).
• O anel AEGIS® pode ser instalado internamente na parte de
trás da tampa do rolamento ou externamente no suporte da
extremidade do motor.
• O Revestimento de veio de prata coloidal AEGIS® NP CS015 é
necessário para esse tipo de aplicação.
• Observação: É preferível isolar o rolamento de rolo cilíndrico
no LA(Lado acoplado).No entanto, se isso não for possível,
isole então o rolamento no LNA (lado não acoplado) e instale
um anel AEGIS® no LA (lado do rolamento de rolo cilíndrico).
• O anel AEGIS® deve ser instalado no lado oposto do
isolamento.
Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão de veio sólido
vertical até e incluindo 100 HP (75 kW)
• Rolamento Inferior: Instale um anel
de proteção de rolamento AEGIS®
SGR.
• O AEGIS® SGR pode ser instalado
internamente na parte de trás da
tampa do rolamento ou
externamente no suporte da
extremidade do motor.
• O Revestimento de veio de prata
coloidal AEGIS® NP CS015 é
necessário para esse tipo de
aplicação.
Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão de veio sólido
vertical com mais de 100 HP (75 kW)
• Rolamento Superior: O munhão do
rolamento deve ser isolado ou deve ser
instalado um rolamento cerâmico isolado
ou cerâmico híbrido.
• Rolamento Inferior: Instale um anel de
proteção de rolamento AEGIS®.
• O anel AEGIS® pode ser instalado
internamente na parte de trás da tampa do
rolamento ou externamente no suporte da
extremidade do motor.
• O Revestimento de veio de prata coloidal
AEGIS® NP CS015 é necessário para esse
tipo de aplicação.
Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão de manuseio
de impulso vertical (veio oco e sólido) até e incluindo 100 HP (75
kW)
• Rolamento Inferior: Instale um anel de
proteção de rolamento AEGIS® SGR.
• • O AEGIS® SGR pode ser instalado
internamente na parte de trás da tampa do
rolamento.
• • O Revestimento de veio de prata coloidal
AEGIS® NP CS015 é necessário para esse tipo
de aplicação.
• Observação: Para instalação externa, o anel
AEGIS® deve estar no veio do motor ou da
bomba no rolamento inferior. O anel não deve
ser montado em torno da bucha fixa. O
rolamento superior pode ser isolado com o
carregador de rolamento isolado para
proteção adicional.
Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão de manuseio
de impulso vertical (veio oco e sólido) com mais de 100 HP (75 kW)
• Rolamento Superior: O carregador de
rolamento deve ter rolamento cerâmico híbrido
ou cerâmico isolado instalado.
• Rolamento Inferior: Instale um anel de
proteção de rolamento AEGIS®.
• O anel AEGIS® pode ser instalado internamente
na parte de trás da tampa do rolamento.
• O Revestimento de veio de prata coloidal
AEGIS® NP CS015 é necessário para esse tipo
de aplicação.
Proteção de rolamentos de motores de média tensão de com mais
de 100 HP (75 kW)
Para motores montados horizontalmente com rolamentos
esféricos radiais de fileira única em ambas as extremidades
do motor:
• Extremidade sem acionamento: A carcaça do rolamento
deve ser isolada com luva ou revestimento isolados ou
use rolamento híbrido ou cerâmico isolado para
interromper as correntes circulantes.
• Extremidade do acionamento: Instale um anel de
proteção de rolamento AEGIS®.
• O anel AEGIS® pode ser instalado internamente na parte
de trás da tampa do rolamento ou externamente no
suporte da extremidade do motor.
• Use o Revestimento de veio de prata coloidal AEGIS® (NP
CS015) no veio do motor onde as fibras encostam.
• Instale o anel AEGIS® na extremidade oposta do
isolamento
Proteção de rolamentos de motores de média tensão onde ambos
os rolamentos estão isolados - Qualquer HP/kW
• Instale um anel de proteção de rolamento AEGIS®,
preferencialmente na extremidade de acionamento, para
proteger os rolamentos no equipamento conectado (caixa
da engrenagem, bomba, rolamento do ventilador e
codificador, etc...).
• • O anel AEGIS® pode ser instalado internamente na parte
de trás da tampa do rolamento ou externamente no
suporte da extremidade do motor.
• • O Revestimento de veio de prata coloidal AEGIS® NP
CS015 é necessário para esse tipo de aplicação.
• Instale o anel AEGIS® na extremidade oposta do
isolamento.
• Os rolamentos no equipamento conectado podem estar
sob risco de tensão de veio induzida por VFD a menos que
o aterramento de veio AEGIS® esteja instalado.
Proteção de rolamentos de motores de média tensão com
rolamentos de rolo cilíndrico, Babbitt ou luva
• Rolamento de rolo cilíndrico, babbitt ou mancal de
bucha: A carcaça do rolamento deve ser isolada ou
use rolamento isolado.
• Motores com rolamento de rolo cilíndrico isolado na
DE: Instale o anel de proteção de rolamento AEGIS®
na extremidade de acionamento oposta (NDE).
• O anel AEGIS® pode ser instalado internamente na
parte de trás da tampa do rolamento ou
externamente no suporte da extremidade do motor.
• O Revestimento de veio de prata coloidal AEGIS® NP
CS015 é necessário para esse tipo de aplicação.
• Observação: O rolamento no LA isolada é
preferencial. No entanto, se isso não for possível,
isole então o rolamento no LNA e instale um anel
AEGIS® na LA (lado do rolamento de rolo cilíndrico).
• O anel AEGIS® deve ser instalado no lado oposto da
ligação à terra.
Proteção de rolamentos de motores de média tensão de veio
sólido vertical com mais de 100 HP (75 kW)
• Rolamento Superior: O munhão do rolamento deve
ser isolado ou deve ser instalado um rolamento
cerâmico isolado ou cerâmico híbrido.
• Rolamento Inferior: Instale um anel de proteção de
rolamento AEGIS®.
• O anel AEGIS® pode ser instalado internamente na
parte de trás da tampa do rolamento ou
externamente no suporte da extremidade do
motor.
• O Revestimento de veio de prata coloidal AEGIS® NP
CS015 é necessário para esse tipo de aplicação.
Proteção de rolamentos de motores de média tensão de veio
vertical oco com mais de 100 HP (75 kW)
• Rolamento Superior: O carregador de
rolamento deve ter rolamento cerâmico
híbrido ou cerâmico isolado instalado.
• Rolamento Inferior: Instale um anel de
proteção de rolamento AEGIS®.
• O anel AEGIS® pode ser instalado
internamente na parte de trás da tampa
do rolamento.
• O Revestimento de veio de prata coloidal
AEGIS® NP CS015 é necessário para esse
tipo de aplicação.
Proteção de rolamentos de motores de Corrente Contínua até e
incluindo 10 HP (7,5 kW) - operados no inversor CC
Instale um anel de proteção de rolamento
AEGIS® SGR na extremidade de acionamento ou
na extremidade sem acionamento do motor para
descarregar a tensão induzida no veio.
• O AEGIS® SGR deve ser instalado
internamente no motor se possível, mas
também pode ser conectado externamente
no suporte da extremidade do motor.
• Use o Revestimento de veio de prata coloidal
AEGIS® (NP CS015) no veio do motor onde as
fibras encostam.
Proteção de rolamentos de motores de Corrente Contínua com
mais de 10 HP (7,5 kW) - operados no inversor CC
• Extremidade sem acionamento: A carcaça do
rolamento deve ser isolada com luva ou
revestimento isolados ou use rolamento híbrido
ou cerâmico isolado para interromper as
correntes circulantes.
• Extremidade do acionamento: Instale um anel
de proteção de rolamento AEGIS® para
descarregar a tensão de veio induzida.
• O anel AEGIS® deve ser instalado internamente
no motor se possível, mas também pode ser
conectado externamente no suporte da
extremidade do motor.
• Use o Revestimento de veio de prata coloidal
AEGIS® (NP CS015) no veio do motor onde as
fibras encostam.
Pode ver um artigo sobre este tema neste link
www.D4vib.com
Se quiser ler um artigo sobre este tema veja este link
https://www.d4vib.com/protecao-de-rolamentos/
Se quiser ler um artigo sobre medição de tensões em veios veja este link
https://www.dmc.pt/medicao-de-tensao-em-veios/
OBRIGADO
Esperamos que esta
apresentação tenho sido
interessante

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Motores de Indução - Parte 1
Motores de Indução - Parte 1Motores de Indução - Parte 1
Motores de Indução - Parte 1
guest9c114b
 
Aula motores elétricos
Aula motores elétricosAula motores elétricos
Aula motores elétricos
Deyvide de Souza
 
Street zx brochure portuguese
Street zx brochure portugueseStreet zx brochure portuguese
Street zx brochure portuguese
Anderson Gueraldt
 
Motores de passo
Motores de passoMotores de passo
Motores de passo
Henrique Dória
 
Acionamentos eletricos 2008 neemias
Acionamentos eletricos 2008 neemiasAcionamentos eletricos 2008 neemias
Acionamentos eletricos 2008 neemias
andydurdem
 
Motores universais
Motores universaisMotores universais
Motores universais
Francisco Costa
 
Acionamentos Elétricos
Acionamentos ElétricosAcionamentos Elétricos
Acionamentos Elétricos
elliando dias
 
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
DeyvidDacoregio
 
Assincronas
AssincronasAssincronas
Assincronas
redesinforma
 
Rolamentos senai 21 09
Rolamentos senai 21 09Rolamentos senai 21 09
Rolamentos senai 21 09
Julio Weiger
 
Relatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosRelatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicos
Victor Said
 
Polarização de motor monofásico
Polarização de motor monofásicoPolarização de motor monofásico
Polarização de motor monofásico
Natalicio Lima
 
motores trifasicos de ca
  motores trifasicos de ca  motores trifasicos de ca
motores trifasicos de ca
Renato Campos
 
22751145 conceitos-motor-de-passo
22751145 conceitos-motor-de-passo22751145 conceitos-motor-de-passo
22751145 conceitos-motor-de-passo
Edaplo
 
32731 apost motores-de_inducao_cefetes
32731 apost motores-de_inducao_cefetes32731 apost motores-de_inducao_cefetes
32731 apost motores-de_inducao_cefetes
Sebastião Jorge Barroso de Souza
 
Como funcionam os motores elétricos
Como funcionam os motores elétricosComo funcionam os motores elétricos
Como funcionam os motores elétricos
Everton Moura
 
Motor
MotorMotor
motores e geradores
motores e geradoresmotores e geradores
motores e geradores
Gabriela Lopes
 
3.0 m quinas el tricas girantes
3.0 m quinas el tricas girantes3.0 m quinas el tricas girantes
3.0 m quinas el tricas girantes
William Andrade
 

Mais procurados (19)

Motores de Indução - Parte 1
Motores de Indução - Parte 1Motores de Indução - Parte 1
Motores de Indução - Parte 1
 
Aula motores elétricos
Aula motores elétricosAula motores elétricos
Aula motores elétricos
 
Street zx brochure portuguese
Street zx brochure portugueseStreet zx brochure portuguese
Street zx brochure portuguese
 
Motores de passo
Motores de passoMotores de passo
Motores de passo
 
Acionamentos eletricos 2008 neemias
Acionamentos eletricos 2008 neemiasAcionamentos eletricos 2008 neemias
Acionamentos eletricos 2008 neemias
 
Motores universais
Motores universaisMotores universais
Motores universais
 
Acionamentos Elétricos
Acionamentos ElétricosAcionamentos Elétricos
Acionamentos Elétricos
 
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
 
Assincronas
AssincronasAssincronas
Assincronas
 
Rolamentos senai 21 09
Rolamentos senai 21 09Rolamentos senai 21 09
Rolamentos senai 21 09
 
Relatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosRelatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicos
 
Polarização de motor monofásico
Polarização de motor monofásicoPolarização de motor monofásico
Polarização de motor monofásico
 
motores trifasicos de ca
  motores trifasicos de ca  motores trifasicos de ca
motores trifasicos de ca
 
22751145 conceitos-motor-de-passo
22751145 conceitos-motor-de-passo22751145 conceitos-motor-de-passo
22751145 conceitos-motor-de-passo
 
32731 apost motores-de_inducao_cefetes
32731 apost motores-de_inducao_cefetes32731 apost motores-de_inducao_cefetes
32731 apost motores-de_inducao_cefetes
 
Como funcionam os motores elétricos
Como funcionam os motores elétricosComo funcionam os motores elétricos
Como funcionam os motores elétricos
 
Motor
MotorMotor
Motor
 
motores e geradores
motores e geradoresmotores e geradores
motores e geradores
 
3.0 m quinas el tricas girantes
3.0 m quinas el tricas girantes3.0 m quinas el tricas girantes
3.0 m quinas el tricas girantes
 

Semelhante a Proteção de rolamentos

te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdfte039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
antoniogff
 
Motores elétricos de ca
Motores elétricos de caMotores elétricos de ca
Motores elétricos de ca
Claudio Queiroz Nascimento
 
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdfte344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
Tomaz13
 
Comandos elétricos
Comandos elétricosComandos elétricos
Comandos elétricos
Anderson Silva
 
MD1 Motores Elétricos.pdf
MD1 Motores Elétricos.pdfMD1 Motores Elétricos.pdf
MD1 Motores Elétricos.pdf
MarcosBornelli1
 
1000000679.PDFwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwww
1000000679.PDFwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwww1000000679.PDFwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwww
1000000679.PDFwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwww
ladydayboutiqueee
 
Ms intruder 125
Ms intruder 125Ms intruder 125
Ms intruder 125
Dharlei Granetto
 
Motores de Indução 2023.pptx
Motores de Indução 2023.pptxMotores de Indução 2023.pptx
Motores de Indução 2023.pptx
joelson37
 
Inversores2
Inversores2Inversores2
Inversores2
André Luis Lenz
 
Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)
Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)
Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)
Adailton Brito
 
[Motores sincronos e assincronos]
[Motores sincronos e assincronos][Motores sincronos e assincronos]
[Motores sincronos e assincronos]
Daniel Santos
 
Motores elétricos
Motores elétricosMotores elétricos
Motores elétricos
Markinhos Carvalho
 
Ge motores eletricos
Ge motores eletricosGe motores eletricos
Ge motores eletricos
Marcelo Muniz Rodrigues
 
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemias
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemiasApostila acionamentos eletricos 2008_neemias
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemias
Samuel de Alencastro
 
Aplicação de acionamentos com servomotor
Aplicação de acionamentos com servomotorAplicação de acionamentos com servomotor
Aplicação de acionamentos com servomotor
ClaudiomarConceioCos
 
Máquinas cc
Máquinas ccMáquinas cc
Máquinas cc
A.C MADEIRA
 
Manual de serviço cr80 r motor
Manual de serviço cr80 r motorManual de serviço cr80 r motor
Manual de serviço cr80 r motor
Thiago Huari
 
Ce aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina ccCe aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina cc
Igor Fortal
 
Teoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativasTeoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativas
Rodrigo Prado
 
02 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Princípio de Funcionamento
02 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Princípio de Funcionamento02 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Princípio de Funcionamento
02 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Princípio de Funcionamento
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 

Semelhante a Proteção de rolamentos (20)

te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdfte039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
 
Motores elétricos de ca
Motores elétricos de caMotores elétricos de ca
Motores elétricos de ca
 
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdfte344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
 
Comandos elétricos
Comandos elétricosComandos elétricos
Comandos elétricos
 
MD1 Motores Elétricos.pdf
MD1 Motores Elétricos.pdfMD1 Motores Elétricos.pdf
MD1 Motores Elétricos.pdf
 
1000000679.PDFwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwww
1000000679.PDFwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwww1000000679.PDFwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwww
1000000679.PDFwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwww
 
Ms intruder 125
Ms intruder 125Ms intruder 125
Ms intruder 125
 
Motores de Indução 2023.pptx
Motores de Indução 2023.pptxMotores de Indução 2023.pptx
Motores de Indução 2023.pptx
 
Inversores2
Inversores2Inversores2
Inversores2
 
Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)
Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)
Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)
 
[Motores sincronos e assincronos]
[Motores sincronos e assincronos][Motores sincronos e assincronos]
[Motores sincronos e assincronos]
 
Motores elétricos
Motores elétricosMotores elétricos
Motores elétricos
 
Ge motores eletricos
Ge motores eletricosGe motores eletricos
Ge motores eletricos
 
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemias
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemiasApostila acionamentos eletricos 2008_neemias
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemias
 
Aplicação de acionamentos com servomotor
Aplicação de acionamentos com servomotorAplicação de acionamentos com servomotor
Aplicação de acionamentos com servomotor
 
Máquinas cc
Máquinas ccMáquinas cc
Máquinas cc
 
Manual de serviço cr80 r motor
Manual de serviço cr80 r motorManual de serviço cr80 r motor
Manual de serviço cr80 r motor
 
Ce aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina ccCe aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina cc
 
Teoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativasTeoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativas
 
02 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Princípio de Funcionamento
02 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Princípio de Funcionamento02 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Princípio de Funcionamento
02 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Princípio de Funcionamento
 

Mais de DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda

Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursosRecursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Sistemas de monitorização de vibrações wireless casos práticos
Sistemas de monitorização de vibrações wireless   casos práticosSistemas de monitorização de vibrações wireless   casos práticos
Sistemas de monitorização de vibrações wireless casos práticos
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Caso práctico ventilador
Caso práctico ventiladorCaso práctico ventilador
Caso práctico ventilador
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Caso practico bomba
Caso practico bombaCaso practico bomba
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibrações XII - unidades dos eixos do espetro de frequência
Analisador de vibrações XII -   unidades dos eixos do espetro de frequênciaAnalisador de vibrações XII -   unidades dos eixos do espetro de frequência
Analisador de vibrações XII - unidades dos eixos do espetro de frequência
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibrações X o Cepstro
Analisador de vibrações X  o CepstroAnalisador de vibrações X  o Cepstro
Analisador de vibrações X o Cepstro
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
MCM exemplo prático de aplicação - Base solta
MCM exemplo prático de aplicação - Base soltaMCM exemplo prático de aplicação - Base solta
MCM exemplo prático de aplicação - Base solta
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionadaMCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibraçôes IX Funções de um canal no tempo
Analisador de vibraçôes IX   Funções de um canal no tempoAnalisador de vibraçôes IX   Funções de um canal no tempo
Analisador de vibraçôes IX Funções de um canal no tempo
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibrações VIII Função de dois canais no domínio do tempo - or...
Analisador de vibrações VIII   Função de dois canais no domínio do tempo - or...Analisador de vibrações VIII   Função de dois canais no domínio do tempo - or...
Analisador de vibrações VIII Função de dois canais no domínio do tempo - or...
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibrações 7 - Funções de dois canais no domínio da frequência
Analisador de vibrações 7   - Funções de dois canais no domínio da frequênciaAnalisador de vibrações 7   - Funções de dois canais no domínio da frequência
Analisador de vibrações 7 - Funções de dois canais no domínio da frequência
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
MCM exemplos práticos - avaria no rotor
MCM exemplos práticos  - avaria no rotorMCM exemplos práticos  - avaria no rotor
MCM exemplos práticos - avaria no rotor
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM CASO...
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM  CASO...Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM  CASO...
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM CASO...
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
III Analise de vibrações em rolamentos - Exemplos de análise do envelope
III Analise de vibrações em rolamentos   - Exemplos de análise do envelopeIII Analise de vibrações em rolamentos   - Exemplos de análise do envelope
III Analise de vibrações em rolamentos - Exemplos de análise do envelope
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
II Análise de vibrações em rolamentos - análise do envelope
II Análise de vibrações em rolamentos  - análise do envelopeII Análise de vibrações em rolamentos  - análise do envelope
II Análise de vibrações em rolamentos - análise do envelope
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentosI Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Controlo de condição em engrenagens - integração de técnicas
Controlo de condição em engrenagens  -  integração de técnicasControlo de condição em engrenagens  -  integração de técnicas
Controlo de condição em engrenagens - integração de técnicas
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 

Mais de DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda (20)

Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursosRecursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
 
Sistemas de monitorização de vibrações wireless casos práticos
Sistemas de monitorização de vibrações wireless   casos práticosSistemas de monitorização de vibrações wireless   casos práticos
Sistemas de monitorização de vibrações wireless casos práticos
 
Caso práctico ventilador
Caso práctico ventiladorCaso práctico ventilador
Caso práctico ventilador
 
Caso practico bomba
Caso practico bombaCaso practico bomba
Caso practico bomba
 
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
 
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
 
Analisador de vibrações XII - unidades dos eixos do espetro de frequência
Analisador de vibrações XII -   unidades dos eixos do espetro de frequênciaAnalisador de vibrações XII -   unidades dos eixos do espetro de frequência
Analisador de vibrações XII - unidades dos eixos do espetro de frequência
 
Analisador de vibrações X o Cepstro
Analisador de vibrações X  o CepstroAnalisador de vibrações X  o Cepstro
Analisador de vibrações X o Cepstro
 
MCM exemplo prático de aplicação - Base solta
MCM exemplo prático de aplicação - Base soltaMCM exemplo prático de aplicação - Base solta
MCM exemplo prático de aplicação - Base solta
 
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionadaMCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
 
Analisador de vibraçôes IX Funções de um canal no tempo
Analisador de vibraçôes IX   Funções de um canal no tempoAnalisador de vibraçôes IX   Funções de um canal no tempo
Analisador de vibraçôes IX Funções de um canal no tempo
 
Analisador de vibrações VIII Função de dois canais no domínio do tempo - or...
Analisador de vibrações VIII   Função de dois canais no domínio do tempo - or...Analisador de vibrações VIII   Função de dois canais no domínio do tempo - or...
Analisador de vibrações VIII Função de dois canais no domínio do tempo - or...
 
Analisador de vibrações 7 - Funções de dois canais no domínio da frequência
Analisador de vibrações 7   - Funções de dois canais no domínio da frequênciaAnalisador de vibrações 7   - Funções de dois canais no domínio da frequência
Analisador de vibrações 7 - Funções de dois canais no domínio da frequência
 
MCM exemplos práticos - avaria no rotor
MCM exemplos práticos  - avaria no rotorMCM exemplos práticos  - avaria no rotor
MCM exemplos práticos - avaria no rotor
 
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM CASO...
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM  CASO...Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM  CASO...
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM CASO...
 
III Analise de vibrações em rolamentos - Exemplos de análise do envelope
III Analise de vibrações em rolamentos   - Exemplos de análise do envelopeIII Analise de vibrações em rolamentos   - Exemplos de análise do envelope
III Analise de vibrações em rolamentos - Exemplos de análise do envelope
 
II Análise de vibrações em rolamentos - análise do envelope
II Análise de vibrações em rolamentos  - análise do envelopeII Análise de vibrações em rolamentos  - análise do envelope
II Análise de vibrações em rolamentos - análise do envelope
 
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentosI Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
 
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
 
Controlo de condição em engrenagens - integração de técnicas
Controlo de condição em engrenagens  -  integração de técnicasControlo de condição em engrenagens  -  integração de técnicas
Controlo de condição em engrenagens - integração de técnicas
 

Último

Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
Momento da Informática
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
joaovmp3
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 

Último (8)

Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 

Proteção de rolamentos

  • 2. Eletro-erosão em rolamentos • Devido às altas frequências geradas nos inversores de modulação de largura de pulso, os variadores de frequência induzem tensões no veio acopladas capacitivamente, nos motores elétricos que controlam. • As altas velocidades de chaveamento dos transístores bipolares de potência usados nesses variadores produzem tensões de modo comum no veio do motor durante a normal operação através da capacitância parasita entre o estator e o rotor. • Assim que essas tensões atingem um nível suficiente para sobrepor as propriedades dielétricas da massa do rolamento, formam um arco pelos rolamentos do motor, que vai sendo descarregado ao longo do percurso da menor resistência para a carcaça do motor. • Durante praticamente cada ciclo de chaveamento do variador de frequência, a tensão do veio induzida é descarregada do veio do motor até à estrutura externa por meio dos rolamentos, deixando uma pequena cratera de fusão (desgaste) na pista do rolamento. • Quando isso acontece, as temperaturas são suficientes para derreter o aço do rolamento e danificar ou queimar severamente a lubrificação do rolamento.
  • 3. Eletro-erosão em rolamentos • Essas descargas são tão frequentes (potencialmente milhões por hora) que muito toda a superfície da pista do rolamento se danifica com incontáveis escareações conhecidas como cristalização. • Um fenómeno conhecido como estriamento também pode ocorrer, produzindo estrias ao longo da pista de rolamento cristalizada. • O estriamento causa ruído e vibração audível e é uma indicação de um modo de falha catastrófico.
  • 4. Tensões no veio induzidas por variadores de frequência e correntes nos rolamentos – Três fontes de corrente de rolamento: Existem três fontes de correntes nos rolamentos aqui referidas, duas das quais, a corrente eletro-erosão capacitiva e a corrente circulante de alta frequência, são originadas por variadores de frequência. O terceiro tipo, que se designa por corrente circulante 50/60Hz, ocorre principalmente em grandes motores de corrente que são operados por tensões de rede a 50/60 Hz. • Corrente de eletro-erosão capacitiva (do variador de frequência) • Corrente circulante de alta frequência (do variador de frequência) • Corrente circulante de 50/60 Hz (da tensão da rede)
  • 5. Corrente de eletro-erosão capacitiva (do variador de frequência) • Tensão capacitiva induzida proveniente da forma de onda do chaveamento da largura de pulso produzida pelo variador de frequência. • Esta tensão é acoplada ao veio do motor por meio da capacitância parasita e pode ser descarregada nos rolamentos do motor ou nos rolamentos do equipamento conectado causando maquinagem por eletro-erosão.
  • 6. Corrente circulante de alta frequência (do variador de frequência) • As correntes circulantes de alta frequência podem fluir devido a um fluxo de alta frequência produzido por correntes de modo comum. • As correntes circulantes indutivas de alta frequência dos variadores de frequências estão na faixa de kHz ou MHz e podem estar presentes em motores acima de 75 kW. • Geralmente, quanto maior o motor, maiores são os efeitos das correntes circulantes de alta frequência.
  • 7. Corrente circulante de 50/60 Hz (da tensão da rede): • As fontes de tensão de ondas sinusoidais de 50/60 Hz em grandes máquinas podem causar correntes circulantes de frequência extremamente baixa devido ao projeto assimétrico do motor e das assimetrias magnéticas.
  • 8. Aplicações práticas de proteção de rolamentos de motores elétricos, contra a passagem de correntes induzidas • Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão de até e incluindo 100 HP (75 kW) • Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão com mais de 100 HP (75 kW) • Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão onde ambos os rolamentos estão isolados - qualquer HP/kW • Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão onde com rolamentos de rolo cilíndrico, Babbitt ou luva • Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão de veio sólido vertical até e incluindo 100 HP (75 kW) • Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão de veio sólido vertical com mais de 100 HP (75 kW) • Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão de manuseio de impulso vertical (veio oco e sólido) até e incluindo 100 HP (75 kW) • Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão de manuseio de impulso vertical (veio oco e sólido) com mais de 100 HP (75 kW) • Proteção de rolamentos de motores de média tensão de com mais de 100 HP (75 kW) • Proteção de rolamentos de motores de média tensão onde ambos os rolamentos estão isolados - Qualquer HP/kW • Proteção de rolamentos de motores de média tensão com rolamentos de rolo cilíndrico, Babbitt ou luva • Proteção de rolamentos de motores de média tensão de veio sólido vertical com mais de 100 HP (75 kW) • Proteção de rolamentos de motores de média tensão de veio vertical oco com mais de 100 HP (75 kW) • Proteção de rolamentos de motores de Corrente Contínua até e incluindo 10 HP (7,5 kW) - operados no inversor CC • Proteção de rolamentos de motores de Corrente Contínua com mais de 10 HP (7,5 kW) - operados no inversor CC
  • 9. Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão de até e incluindo 100 HP (75 kW) Recomendações gerais: • Para motores de indução operados via VFDs por PWM com IGBT, tanto motores montados na base, face C ou flange D com rolamentos esféricos radiais de fileira única em ambas as extremidades do motor. Os motores podem ser instalados horizontal ou verticalmente na aplicação do cliente. • Instale um anel de proteção de rolamento AEGIS® SGR na extremidade de acionamento ou na extremidade sem acionamento do motor para descarregar a tensão capacitiva induzida do veio. O AEGIS® SGR pode ser instalado internamente ou externamente. • Use o Revestimento de veio de prata coloidal AEGIS® (NP CS015) no veio do motor onde as fibras encostam. • Proteção dos rolamentos do motor e do equipamento accionado.
  • 10. Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão com mais de 100 HP (75 kW) Para motores montados horizontalmente com rolamentos esféricos radiais de fileira única em ambas as extremidades do motor: • Extremidade sem acionamento: A carcaça do rolamento deve ser isolada com luva ou revestimento isolados ou use rolamento híbrido ou cerâmico isolado para interromper as correntes circulantes. • Extremidade do acionamento: Instale um anel de proteção de rolamento AEGIS®. • O anel AEGIS® pode ser instalado internamente na parte de trás da tampa do rolamento ou externamente no suporte da extremidade do motor. • Use o Revestimento de veio de prata coloidal AEGIS® (NP CS015) no veio do motor onde as fibras encostam. • Instale o anel de proteção de rolamentos AEGIS® na extremidade oposta do isolamento
  • 11. Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão onde ambos os rolamentos estão isolados - qualquer HP/kW • Instale um anel de proteção de rolamento AEGIS®, preferencialmente na extremidade de acionamento, para proteger os rolamentos no equipamento conectado (caixa da engrenagem, bomba, rolamento do ventilador e codificador, etc...). • O anel AEGIS® pode ser instalado internamente na parte de trás da tampa do rolamento ou externamente no suporte da extremidade do motor. • O Revestimento de veio de prata coloidal AEGIS® NP CS015 é necessário para esse tipo de aplicação. • Os rolamentos no equipamento conectado podem estar sob risco de tensão de veio induzida por VFD a menos que o aterramento de veio AEGIS® esteja instalado. • Instale o anel AEGIS® na extremidade oposta do isolamento.
  • 12. Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão onde com rolamentos de rolo cilíndrico, Babbitt ou luva • Rolamento de rolo cilíndrico, babbitt ou mancal de bucha: A carcaça do rolamento deve ser isolada ou use rolamento isolado. • Motores com rolamento de rolo cilíndrico isolado na DE: Instale o anel de proteção de rolamento AEGIS® na extremidade de acionamento oposta (NDE). • O anel AEGIS® pode ser instalado internamente na parte de trás da tampa do rolamento ou externamente no suporte da extremidade do motor. • O Revestimento de veio de prata coloidal AEGIS® NP CS015 é necessário para esse tipo de aplicação. • Observação: É preferível isolar o rolamento de rolo cilíndrico no LA(Lado acoplado).No entanto, se isso não for possível, isole então o rolamento no LNA (lado não acoplado) e instale um anel AEGIS® no LA (lado do rolamento de rolo cilíndrico). • O anel AEGIS® deve ser instalado no lado oposto do isolamento.
  • 13. Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão de veio sólido vertical até e incluindo 100 HP (75 kW) • Rolamento Inferior: Instale um anel de proteção de rolamento AEGIS® SGR. • O AEGIS® SGR pode ser instalado internamente na parte de trás da tampa do rolamento ou externamente no suporte da extremidade do motor. • O Revestimento de veio de prata coloidal AEGIS® NP CS015 é necessário para esse tipo de aplicação.
  • 14. Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão de veio sólido vertical com mais de 100 HP (75 kW) • Rolamento Superior: O munhão do rolamento deve ser isolado ou deve ser instalado um rolamento cerâmico isolado ou cerâmico híbrido. • Rolamento Inferior: Instale um anel de proteção de rolamento AEGIS®. • O anel AEGIS® pode ser instalado internamente na parte de trás da tampa do rolamento ou externamente no suporte da extremidade do motor. • O Revestimento de veio de prata coloidal AEGIS® NP CS015 é necessário para esse tipo de aplicação.
  • 15. Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão de manuseio de impulso vertical (veio oco e sólido) até e incluindo 100 HP (75 kW) • Rolamento Inferior: Instale um anel de proteção de rolamento AEGIS® SGR. • • O AEGIS® SGR pode ser instalado internamente na parte de trás da tampa do rolamento. • • O Revestimento de veio de prata coloidal AEGIS® NP CS015 é necessário para esse tipo de aplicação. • Observação: Para instalação externa, o anel AEGIS® deve estar no veio do motor ou da bomba no rolamento inferior. O anel não deve ser montado em torno da bucha fixa. O rolamento superior pode ser isolado com o carregador de rolamento isolado para proteção adicional.
  • 16. Proteção de rolamentos de motores de baixa tensão de manuseio de impulso vertical (veio oco e sólido) com mais de 100 HP (75 kW) • Rolamento Superior: O carregador de rolamento deve ter rolamento cerâmico híbrido ou cerâmico isolado instalado. • Rolamento Inferior: Instale um anel de proteção de rolamento AEGIS®. • O anel AEGIS® pode ser instalado internamente na parte de trás da tampa do rolamento. • O Revestimento de veio de prata coloidal AEGIS® NP CS015 é necessário para esse tipo de aplicação.
  • 17. Proteção de rolamentos de motores de média tensão de com mais de 100 HP (75 kW) Para motores montados horizontalmente com rolamentos esféricos radiais de fileira única em ambas as extremidades do motor: • Extremidade sem acionamento: A carcaça do rolamento deve ser isolada com luva ou revestimento isolados ou use rolamento híbrido ou cerâmico isolado para interromper as correntes circulantes. • Extremidade do acionamento: Instale um anel de proteção de rolamento AEGIS®. • O anel AEGIS® pode ser instalado internamente na parte de trás da tampa do rolamento ou externamente no suporte da extremidade do motor. • Use o Revestimento de veio de prata coloidal AEGIS® (NP CS015) no veio do motor onde as fibras encostam. • Instale o anel AEGIS® na extremidade oposta do isolamento
  • 18. Proteção de rolamentos de motores de média tensão onde ambos os rolamentos estão isolados - Qualquer HP/kW • Instale um anel de proteção de rolamento AEGIS®, preferencialmente na extremidade de acionamento, para proteger os rolamentos no equipamento conectado (caixa da engrenagem, bomba, rolamento do ventilador e codificador, etc...). • • O anel AEGIS® pode ser instalado internamente na parte de trás da tampa do rolamento ou externamente no suporte da extremidade do motor. • • O Revestimento de veio de prata coloidal AEGIS® NP CS015 é necessário para esse tipo de aplicação. • Instale o anel AEGIS® na extremidade oposta do isolamento. • Os rolamentos no equipamento conectado podem estar sob risco de tensão de veio induzida por VFD a menos que o aterramento de veio AEGIS® esteja instalado.
  • 19. Proteção de rolamentos de motores de média tensão com rolamentos de rolo cilíndrico, Babbitt ou luva • Rolamento de rolo cilíndrico, babbitt ou mancal de bucha: A carcaça do rolamento deve ser isolada ou use rolamento isolado. • Motores com rolamento de rolo cilíndrico isolado na DE: Instale o anel de proteção de rolamento AEGIS® na extremidade de acionamento oposta (NDE). • O anel AEGIS® pode ser instalado internamente na parte de trás da tampa do rolamento ou externamente no suporte da extremidade do motor. • O Revestimento de veio de prata coloidal AEGIS® NP CS015 é necessário para esse tipo de aplicação. • Observação: O rolamento no LA isolada é preferencial. No entanto, se isso não for possível, isole então o rolamento no LNA e instale um anel AEGIS® na LA (lado do rolamento de rolo cilíndrico). • O anel AEGIS® deve ser instalado no lado oposto da ligação à terra.
  • 20. Proteção de rolamentos de motores de média tensão de veio sólido vertical com mais de 100 HP (75 kW) • Rolamento Superior: O munhão do rolamento deve ser isolado ou deve ser instalado um rolamento cerâmico isolado ou cerâmico híbrido. • Rolamento Inferior: Instale um anel de proteção de rolamento AEGIS®. • O anel AEGIS® pode ser instalado internamente na parte de trás da tampa do rolamento ou externamente no suporte da extremidade do motor. • O Revestimento de veio de prata coloidal AEGIS® NP CS015 é necessário para esse tipo de aplicação.
  • 21. Proteção de rolamentos de motores de média tensão de veio vertical oco com mais de 100 HP (75 kW) • Rolamento Superior: O carregador de rolamento deve ter rolamento cerâmico híbrido ou cerâmico isolado instalado. • Rolamento Inferior: Instale um anel de proteção de rolamento AEGIS®. • O anel AEGIS® pode ser instalado internamente na parte de trás da tampa do rolamento. • O Revestimento de veio de prata coloidal AEGIS® NP CS015 é necessário para esse tipo de aplicação.
  • 22. Proteção de rolamentos de motores de Corrente Contínua até e incluindo 10 HP (7,5 kW) - operados no inversor CC Instale um anel de proteção de rolamento AEGIS® SGR na extremidade de acionamento ou na extremidade sem acionamento do motor para descarregar a tensão induzida no veio. • O AEGIS® SGR deve ser instalado internamente no motor se possível, mas também pode ser conectado externamente no suporte da extremidade do motor. • Use o Revestimento de veio de prata coloidal AEGIS® (NP CS015) no veio do motor onde as fibras encostam.
  • 23. Proteção de rolamentos de motores de Corrente Contínua com mais de 10 HP (7,5 kW) - operados no inversor CC • Extremidade sem acionamento: A carcaça do rolamento deve ser isolada com luva ou revestimento isolados ou use rolamento híbrido ou cerâmico isolado para interromper as correntes circulantes. • Extremidade do acionamento: Instale um anel de proteção de rolamento AEGIS® para descarregar a tensão de veio induzida. • O anel AEGIS® deve ser instalado internamente no motor se possível, mas também pode ser conectado externamente no suporte da extremidade do motor. • Use o Revestimento de veio de prata coloidal AEGIS® (NP CS015) no veio do motor onde as fibras encostam.
  • 24. Pode ver um artigo sobre este tema neste link www.D4vib.com Se quiser ler um artigo sobre este tema veja este link https://www.d4vib.com/protecao-de-rolamentos/ Se quiser ler um artigo sobre medição de tensões em veios veja este link https://www.dmc.pt/medicao-de-tensao-em-veios/