SlideShare uma empresa Scribd logo
Troca de energia entre um sistema elétrico e um sistema mecânico
através de acoplamento magnético.

99% da energia elétrica é gerada por máquinas elétricas
gasto de energia na indústria está em grande parte relacionados com motores
motores mal dimensionados são fonte de desperdício de energia e baixos
fatores de potência
60 a 70% é reconvertida em energia mecânica por meio de máquinas elétricas
Exemplos de aplicações
Alto-falante (converte sinal elétrico em movimento mecânico)

Microfone (converte movimento mecânico em sinal elétrico)
Relé de contato
Chave magnética

Eletroímã
MÁQUINAS ELÉTRICAS ROTATIVAS
Máquinas de Corrente Contínua (MCC): muito utilizadas como
motores de velocidade variável.
Máquinas Síncronas: destinadas principalmente à geração de
energia elétrica em central termo e hidroelétrica. São máquinas de
corrente alternada.
Máquinas Assíncronas: também chamadas de "indução", são
utilizadas principalmente como motores em sistemas
industriais, podendo ser máquinas de pequeno, médio ou grande porte
(baixa e média tensão). Estima-se que 90 % da base instalada de
motores na industria sejam de indução.
O motor de indução trifásico é chamados de MIT
Motor Monofásico : largamente utilizado em
eletrodomésticos,
tem boa eficiência (rendimento) e também são
de fácil construção. Geralmente são de baixa potência.
Motor de Passo: é famoso por poder controlar sua posição angular e
velocidade, quando possível. Alimentado e controlado por dispositivos
eletrônicos tem aplicação extensiva em equipamentos quer requer
precisão, por exemplo:
- o controle de micro-câmeras num circuito interno de vigilância,
- em clínicas radiológicas no auxílio de operadores para os mesmos
orientarem o posicionamento das pessoas submetidas a uma
radiografia,
- furação automática de acordo com instruções em fita sobre as
posições dos furos, impressoras, aeromodelos e etc.

Sua utilização é muito ampla e vai desde o
controle de máquinas industriais (robôs)
até pequenas demonstrações num curso de robótica.
MAQUINAS ELÉTRICAS DE CORRENTE CONTÍNUA
PARTES CONSTRUTIVAS
ESTATOR- indutor

Carcaça - estrutura de aço ou ferro. Serve de suporte para as
partes constituintes da máquina.
Sapatas Polares - são de ferro laminado aparafusado ou soldado na
carcaça. A sapata polar é curvada e mais larga do que o núcleo
polar, a fim de espalhar o fluxo mais uniformemente.
Interpolos - também estão montados na carcaça, entre os
pólos principais e geralmente, possuem menor tamanho.
Enrolamento de campo - as bobinas de campo produzem
uma força magnetomotriz adequada à produção do fluxo
necessário para gerar uma tensão induzida ou uma força
mecânica. Esses enrolamentos se localizam nas sapatas
polares.

Escovas coletoras - são constituídas de carvão e grafito
colocadas nos estator através de um suporte tipo anel e
mantidas por meio de molas. São utilizadas para coletar a
corrente contínua para a armadura (motor) ou da armadura para
a carga (gerador).
• Os pólos do campo são induzidos por corrente elétrica.
• A corrente usada para induzir os pólos (fluxo) é chamada de corrente de
campo.
• O enrolamento (bobina ou solenóide) é chamada de enrolamento de campo.
• O controle da corrente da campo permite o controle da densidade de fluxo
nos pólos.
ROTOR – Armadura- Induzido

Eixo da armadura - imprime a rotação ao núcleo da
armadura, enrolamentos e comutador.
Núcleo da armadura - constituído de camadas laminadas de aço
Enrolamento da armadura - composto de bobinas isoladas entre
si e do núcleo da armadura e ligadas ao comutador.

Comutador - é segmento de cobre isolado entre si e do eixo. É
responsável pelo processo de comutação (ca/cc ou cc/ca).
• Chama-se de enrolamento de armadura ao conjunto de condutores que
conduzem corrente e cortam as linhas de fluxo do campo da máquina.
• A magnitude da corrente de armadura controla a força(lei de Lenz), e por
conseguinte o torque no eixo da máquina.
Máquinas cc
Máquinas cc
Máquinas cc
Máquinas cc
CLASSIFICAÇÃO DAS MÁQUINAS C.C:

São classificadas de acordo com a conexão do enrolamento de campo com
o enrolamento da armadura.
•Tipo série: o enrolamento da armadura é conectado em série com o
enrolamento de campo. O enrolamento de campo série é composto de
poucas espiras e condutor de maior diâmetro.
•Tipo “Shunt” (paralelo): o enrolamento de campo é conectado em
paralelo com o enrolamento de armadura. O enrolamento de campo
shunt possui muitas espiras e o condutor é de pequeno diâmetro.
•Tipo composto: Os dois enrolamentos (série e shunt) são ligados
juntos como o enrolamento da armadura.
•Máquinas com excitação independente.
PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO DO MOTOR CC
O princípio de funcionamento de um motor de corrente contínua está
baseado na força mecânica que atua sobre um condutor imerso num
campo magnético, quando sobre ele circula uma corrente elétrica.
Sabemos que, quando um condutor está imerso num campo
magnético, se deslocando com uma certa velocidade dentro deste
campo, sobre ele é induzida uma corrente elétrica
e, conseqüentemente, uma tensão induzida. Como essa tensão induzida
se opõe ao fluxo que a deu origem ( Lei de Lenz) ela é chamada de
Força-contra-eletromotriz induzida - fcem simbolizada pelas letras Ec.
Essa fcem gerada pelo movimento do motor é dada por:
Onde:
N = número de rotações por minuto;
K =constante construtiva da máquina

Ec  K ..N
Velocidade do Motor C.C
Como a força-contra-eletromotriz, Ec, varia com a velocidade e o
fluxo, podemos chegar na seguinte equação de velocidade
(em rpm):

N

Ec
K .

Esta equação nos diz que a velocidade do motor depende da
tensão aplicada na armadura, da corrente na bobina e do valor do
fluxo magnético. Note que a velocidade do motor tende ao infinito
quando o fluxo tende a zero. Conseqüentemente, não devemos
tirar, sob hipótese alguma, a corrente de campo, pois o motor
“dispara”.
Equação fundamental do torque
A equação para o torque desenvolvido na armadura será em
função do fluxo magnético e da corrente da armadura:

T  K t . . Ia
Entretanto, o torque disponível no eixo do motor é menor que
o troque desenvolvido, devido às perdas rotacionais e
Joulicas. Portanto, o torque também pode ser obtido através
da potencia e da velocidade do rotor.

T  9,56 x

Potencia mecanica( watts)
N (rpm)
Motor Tipo Shunt

IL  Ip  Ia
Vp
Ip 
Rp

Va  Vp  VL
Ec  VL  ( Ra.Ia  Vesc)
Motor Tipo Série

IL  Is  Ia
VL  Va  Vs

Ec  VL  ( Ra.Ia  Vesc)
Inversão no Sentido de Rotação e Controle de Velocidade
Para inverter o sentido de rotação de qualquer motor CC é necessário
inverter a corrente de armadura em relação a corrente de campo.
Deve-se inverter somente um deles, e a inversão em ambos os circuitos
manterá o mesmo sentido de rotação.

Uma das principais aplicação dos motores de corrente contínua é o
acionamento de máquinas com controle preciso de velocidade.
Os métodos mais utilizados para este fim são:
•Ajuste da tensão aplicada na armadura do motor;
•Ajuste da corrente nas bobinas de campo, ou seja, controle do fluxo
magnético do motor;
•Combinação dos anteriores.
O controle de velocidade pode ser realizado através de um conversor
estático CC ou por meio de um reostato.
Aplicações
Devido a sua versatilidade nas aplicações, o motor de corrente contínua
possui uma grande parcela do mercado de motores elétricos, destacando-se:

- Bombas a pistão
- Ferramentas de avanço
- Tornos
- Bobinadeiras
- Mandrilhadoras
- Máquinas de moagem
- Máquinas têxteis
- Guinchos e guindastes
- Veículos de tração
- Prensas
- Máquinas de papel
- Indústria química e petroquímica
- Indústrias siderúrgicas
- Fornos, exaustores, separadores e esteiras para indústria cimenteira e outras.
Rendimento do Motor
Um diagrama de fluxo de potencia é representado abaixo:

Então, o rendimento é obtido por:

% 

Potencia de saída
Potencia de saída

Potencia entrada
Potencia de saída  perdas

x 100%

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Circuito em séria, paralelo e misto
Circuito em séria, paralelo e mistoCircuito em séria, paralelo e misto
Circuito em séria, paralelo e misto
John Marcos Souza
 
transformadores elétricos
transformadores elétricostransformadores elétricos
transformadores elétricos
Ananda Medeiros
 
Circuitos de corrente continua
Circuitos de corrente continuaCircuitos de corrente continua
Circuitos de corrente continua
Ualasse Fernando Santos Silva
 
Eletrônica industrial transformadores
Eletrônica industrial transformadoresEletrônica industrial transformadores
Eletrônica industrial transformadores
Rodrigo Antonio Tomazeli
 
1 motores de indução
1 motores de indução1 motores de indução
1 motores de indução
Dorival Brito
 
Transformadores
Transformadores Transformadores
Transformadores
Heitor Galvão
 
Clic aqui
Clic aquiClic aqui
Clic aqui
Henrique Farias
 
Física: Indução Magnética - Faraday
Física: Indução Magnética -  FaradayFísica: Indução Magnética -  Faraday
Física: Indução Magnética - Faraday
Loiane Groner
 
Apresentação energia elétrica
Apresentação energia elétricaApresentação energia elétrica
Apresentação energia elétrica
Edno Silva Fernandes de Souza
 
32731 apost motores-de_inducao_cefetes
32731 apost motores-de_inducao_cefetes32731 apost motores-de_inducao_cefetes
32731 apost motores-de_inducao_cefetes
Sebastião Jorge Barroso de Souza
 
Aula 01 noçoes de eletricidade
Aula 01   noçoes de eletricidadeAula 01   noçoes de eletricidade
Aula 01 noçoes de eletricidade
viktordwarf
 
Estudo dos geradores
Estudo dos geradoresEstudo dos geradores
Estudo dos geradores
Marco Antonio Sanches
 
U05 instalacao para_iluminacao_e_aparelhos_domesticos
U05 instalacao para_iluminacao_e_aparelhos_domesticosU05 instalacao para_iluminacao_e_aparelhos_domesticos
U05 instalacao para_iluminacao_e_aparelhos_domesticos
Manassés da Costa Agra Mello
 
Estudo dos receptores
Estudo dos receptoresEstudo dos receptores
Estudo dos receptores
Marco Antonio Sanches
 
U09 instalacoes para motores eletricos
U09 instalacoes para motores eletricosU09 instalacoes para motores eletricos
U09 instalacoes para motores eletricos
\Renato costa
 
Energia Solar Fotovoltaica
Energia Solar FotovoltaicaEnergia Solar Fotovoltaica
Energia Solar Fotovoltaica
Voltaicas
 
Indução magnética
Indução magnéticaIndução magnética
Indução magnética
Juliocm Juliocm
 
Aulas máquinas eléctricas ib
Aulas máquinas eléctricas ibAulas máquinas eléctricas ib
Aulas máquinas eléctricas ib
Renata Nascimento
 
Aula 4 eletromagnetismo[2]
Aula 4 eletromagnetismo[2]Aula 4 eletromagnetismo[2]
Aula 4 eletromagnetismo[2]
flaviomenesantos
 
Força magnética
Força magnéticaForça magnética
Força magnética
Marco Antonio Sanches
 

Mais procurados (20)

Circuito em séria, paralelo e misto
Circuito em séria, paralelo e mistoCircuito em séria, paralelo e misto
Circuito em séria, paralelo e misto
 
transformadores elétricos
transformadores elétricostransformadores elétricos
transformadores elétricos
 
Circuitos de corrente continua
Circuitos de corrente continuaCircuitos de corrente continua
Circuitos de corrente continua
 
Eletrônica industrial transformadores
Eletrônica industrial transformadoresEletrônica industrial transformadores
Eletrônica industrial transformadores
 
1 motores de indução
1 motores de indução1 motores de indução
1 motores de indução
 
Transformadores
Transformadores Transformadores
Transformadores
 
Clic aqui
Clic aquiClic aqui
Clic aqui
 
Física: Indução Magnética - Faraday
Física: Indução Magnética -  FaradayFísica: Indução Magnética -  Faraday
Física: Indução Magnética - Faraday
 
Apresentação energia elétrica
Apresentação energia elétricaApresentação energia elétrica
Apresentação energia elétrica
 
32731 apost motores-de_inducao_cefetes
32731 apost motores-de_inducao_cefetes32731 apost motores-de_inducao_cefetes
32731 apost motores-de_inducao_cefetes
 
Aula 01 noçoes de eletricidade
Aula 01   noçoes de eletricidadeAula 01   noçoes de eletricidade
Aula 01 noçoes de eletricidade
 
Estudo dos geradores
Estudo dos geradoresEstudo dos geradores
Estudo dos geradores
 
U05 instalacao para_iluminacao_e_aparelhos_domesticos
U05 instalacao para_iluminacao_e_aparelhos_domesticosU05 instalacao para_iluminacao_e_aparelhos_domesticos
U05 instalacao para_iluminacao_e_aparelhos_domesticos
 
Estudo dos receptores
Estudo dos receptoresEstudo dos receptores
Estudo dos receptores
 
U09 instalacoes para motores eletricos
U09 instalacoes para motores eletricosU09 instalacoes para motores eletricos
U09 instalacoes para motores eletricos
 
Energia Solar Fotovoltaica
Energia Solar FotovoltaicaEnergia Solar Fotovoltaica
Energia Solar Fotovoltaica
 
Indução magnética
Indução magnéticaIndução magnética
Indução magnética
 
Aulas máquinas eléctricas ib
Aulas máquinas eléctricas ibAulas máquinas eléctricas ib
Aulas máquinas eléctricas ib
 
Aula 4 eletromagnetismo[2]
Aula 4 eletromagnetismo[2]Aula 4 eletromagnetismo[2]
Aula 4 eletromagnetismo[2]
 
Força magnética
Força magnéticaForça magnética
Força magnética
 

Destaque

MCC- Apostila - Prof. Délvio
MCC- Apostila - Prof. DélvioMCC- Apostila - Prof. Délvio
MCC- Apostila - Prof. Délvio
Hanneli Tavante
 
Aulas máquinas cc 2008
Aulas máquinas cc 2008Aulas máquinas cc 2008
Aulas máquinas cc 2008
alexsandro andrade
 
Vhdl mux
Vhdl muxVhdl mux
Vhdl mux
Ricardo Castro
 
flip flop y memorias pp05
flip flop y memorias pp05flip flop y memorias pp05
flip flop y memorias pp05
Andres Bejarano
 
Máquinas elétricas -_fitzgerald_6ªedição
Máquinas elétricas -_fitzgerald_6ªediçãoMáquinas elétricas -_fitzgerald_6ªedição
Máquinas elétricas -_fitzgerald_6ªedição
Júnior Jair
 
Sistemas digitais 1
Sistemas digitais 1Sistemas digitais 1
Sistemas digitais 1
Guilherme Fuck
 
Introdução à corrente contínua
Introdução à corrente contínuaIntrodução à corrente contínua
Introdução à corrente contínua
Vítor Folgado
 
Livro - Projeto, Desempenho e Aplicacoes de Sistemas Digitais em FPGAs
Livro - Projeto, Desempenho e Aplicacoes de Sistemas Digitais em FPGAsLivro - Projeto, Desempenho e Aplicacoes de Sistemas Digitais em FPGAs
Livro - Projeto, Desempenho e Aplicacoes de Sistemas Digitais em FPGAs
Edward David Moreno
 
Maquinas eletricas senai
Maquinas eletricas senaiMaquinas eletricas senai
Maquinas eletricas senai
José Emílio Mancilla Gálvez
 
Apostila de maquinas cc
Apostila de maquinas ccApostila de maquinas cc
Apostila de maquinas cc
Danilo Magalhães
 
3. Eletrônica Digital: Lógica Combinacional e Seqüencial
3. Eletrônica Digital: Lógica Combinacional e Seqüencial3. Eletrônica Digital: Lógica Combinacional e Seqüencial
3. Eletrônica Digital: Lógica Combinacional e Seqüencial
UFS - Brasil / Prof. Douglas Bressan Riffel
 
Geradores e Motores de Corrente Contínua
Geradores e Motores de Corrente ContínuaGeradores e Motores de Corrente Contínua
Geradores e Motores de Corrente Contínua
Jean Paulo Mendes Alves
 
plano-de-manutencao
 plano-de-manutencao plano-de-manutencao
plano-de-manutencao
Thais Vieira
 

Destaque (13)

MCC- Apostila - Prof. Délvio
MCC- Apostila - Prof. DélvioMCC- Apostila - Prof. Délvio
MCC- Apostila - Prof. Délvio
 
Aulas máquinas cc 2008
Aulas máquinas cc 2008Aulas máquinas cc 2008
Aulas máquinas cc 2008
 
Vhdl mux
Vhdl muxVhdl mux
Vhdl mux
 
flip flop y memorias pp05
flip flop y memorias pp05flip flop y memorias pp05
flip flop y memorias pp05
 
Máquinas elétricas -_fitzgerald_6ªedição
Máquinas elétricas -_fitzgerald_6ªediçãoMáquinas elétricas -_fitzgerald_6ªedição
Máquinas elétricas -_fitzgerald_6ªedição
 
Sistemas digitais 1
Sistemas digitais 1Sistemas digitais 1
Sistemas digitais 1
 
Introdução à corrente contínua
Introdução à corrente contínuaIntrodução à corrente contínua
Introdução à corrente contínua
 
Livro - Projeto, Desempenho e Aplicacoes de Sistemas Digitais em FPGAs
Livro - Projeto, Desempenho e Aplicacoes de Sistemas Digitais em FPGAsLivro - Projeto, Desempenho e Aplicacoes de Sistemas Digitais em FPGAs
Livro - Projeto, Desempenho e Aplicacoes de Sistemas Digitais em FPGAs
 
Maquinas eletricas senai
Maquinas eletricas senaiMaquinas eletricas senai
Maquinas eletricas senai
 
Apostila de maquinas cc
Apostila de maquinas ccApostila de maquinas cc
Apostila de maquinas cc
 
3. Eletrônica Digital: Lógica Combinacional e Seqüencial
3. Eletrônica Digital: Lógica Combinacional e Seqüencial3. Eletrônica Digital: Lógica Combinacional e Seqüencial
3. Eletrônica Digital: Lógica Combinacional e Seqüencial
 
Geradores e Motores de Corrente Contínua
Geradores e Motores de Corrente ContínuaGeradores e Motores de Corrente Contínua
Geradores e Motores de Corrente Contínua
 
plano-de-manutencao
 plano-de-manutencao plano-de-manutencao
plano-de-manutencao
 

Semelhante a Máquinas cc

Acionamentos Elétricos Aula 01 - Eng. Aparecido Junior
Acionamentos Elétricos Aula 01 - Eng. Aparecido JuniorAcionamentos Elétricos Aula 01 - Eng. Aparecido Junior
Acionamentos Elétricos Aula 01 - Eng. Aparecido Junior
accfrosa
 
Acionamentos aula 01
Acionamentos aula 01Acionamentos aula 01
Acionamentos aula 01
Celso Ciamponi
 
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
DeyvidDacoregio
 
Motores
MotoresMotores
Apostila manutenã§ã£o eletrica
Apostila manutenã§ã£o eletricaApostila manutenã§ã£o eletrica
Apostila manutenã§ã£o eletrica
Rui Pedro Sousa
 
Motores de Indução 2023.pptx
Motores de Indução 2023.pptxMotores de Indução 2023.pptx
Motores de Indução 2023.pptx
joelson37
 
Trabalho eletro motores cc
Trabalho eletro motores ccTrabalho eletro motores cc
Trabalho eletro motores cc
Talita Medeiros
 
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdfte039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
antoniogff
 
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdfte344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
Tomaz13
 
Teoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativasTeoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativas
Rodrigo Prado
 
Artigo inversor freq
Artigo inversor freqArtigo inversor freq
Artigo inversor freq
Ana Paula Lima
 
Aula 3 - Máquina de corrente contínua.ppt
Aula 3 - Máquina de corrente contínua.pptAula 3 - Máquina de corrente contínua.ppt
Aula 3 - Máquina de corrente contínua.ppt
accfrosa
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1
Keila Guedes
 
Apostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricosApostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricos
Marcelo Pozati
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1
andydurdem
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1
andydurdem
 
Motor
MotorMotor
Máquinas elétricas rotativas
Máquinas elétricas rotativas Máquinas elétricas rotativas
Máquinas elétricas rotativas
Manuel Augusto Jr.
 
Curso (MÁQUINAS ELÉTRICAS).pptx
Curso (MÁQUINAS ELÉTRICAS).pptxCurso (MÁQUINAS ELÉTRICAS).pptx
Curso (MÁQUINAS ELÉTRICAS).pptx
mmessiasamaral
 
Motores cc
Motores ccMotores cc
Motores cc
Daiane Krupa
 

Semelhante a Máquinas cc (20)

Acionamentos Elétricos Aula 01 - Eng. Aparecido Junior
Acionamentos Elétricos Aula 01 - Eng. Aparecido JuniorAcionamentos Elétricos Aula 01 - Eng. Aparecido Junior
Acionamentos Elétricos Aula 01 - Eng. Aparecido Junior
 
Acionamentos aula 01
Acionamentos aula 01Acionamentos aula 01
Acionamentos aula 01
 
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
 
Motores
MotoresMotores
Motores
 
Apostila manutenã§ã£o eletrica
Apostila manutenã§ã£o eletricaApostila manutenã§ã£o eletrica
Apostila manutenã§ã£o eletrica
 
Motores de Indução 2023.pptx
Motores de Indução 2023.pptxMotores de Indução 2023.pptx
Motores de Indução 2023.pptx
 
Trabalho eletro motores cc
Trabalho eletro motores ccTrabalho eletro motores cc
Trabalho eletro motores cc
 
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdfte039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
 
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdfte344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
 
Teoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativasTeoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativas
 
Artigo inversor freq
Artigo inversor freqArtigo inversor freq
Artigo inversor freq
 
Aula 3 - Máquina de corrente contínua.ppt
Aula 3 - Máquina de corrente contínua.pptAula 3 - Máquina de corrente contínua.ppt
Aula 3 - Máquina de corrente contínua.ppt
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1
 
Apostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricosApostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricos
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1
 
Motor
MotorMotor
Motor
 
Máquinas elétricas rotativas
Máquinas elétricas rotativas Máquinas elétricas rotativas
Máquinas elétricas rotativas
 
Curso (MÁQUINAS ELÉTRICAS).pptx
Curso (MÁQUINAS ELÉTRICAS).pptxCurso (MÁQUINAS ELÉTRICAS).pptx
Curso (MÁQUINAS ELÉTRICAS).pptx
 
Motores cc
Motores ccMotores cc
Motores cc
 

Último

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Renato Henriques
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
marcos oliveira
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 

Máquinas cc

  • 1. Troca de energia entre um sistema elétrico e um sistema mecânico através de acoplamento magnético. 99% da energia elétrica é gerada por máquinas elétricas gasto de energia na indústria está em grande parte relacionados com motores motores mal dimensionados são fonte de desperdício de energia e baixos fatores de potência 60 a 70% é reconvertida em energia mecânica por meio de máquinas elétricas
  • 2. Exemplos de aplicações Alto-falante (converte sinal elétrico em movimento mecânico) Microfone (converte movimento mecânico em sinal elétrico) Relé de contato Chave magnética Eletroímã
  • 3. MÁQUINAS ELÉTRICAS ROTATIVAS Máquinas de Corrente Contínua (MCC): muito utilizadas como motores de velocidade variável.
  • 4. Máquinas Síncronas: destinadas principalmente à geração de energia elétrica em central termo e hidroelétrica. São máquinas de corrente alternada.
  • 5. Máquinas Assíncronas: também chamadas de "indução", são utilizadas principalmente como motores em sistemas industriais, podendo ser máquinas de pequeno, médio ou grande porte (baixa e média tensão). Estima-se que 90 % da base instalada de motores na industria sejam de indução. O motor de indução trifásico é chamados de MIT
  • 6. Motor Monofásico : largamente utilizado em eletrodomésticos, tem boa eficiência (rendimento) e também são de fácil construção. Geralmente são de baixa potência.
  • 7. Motor de Passo: é famoso por poder controlar sua posição angular e velocidade, quando possível. Alimentado e controlado por dispositivos eletrônicos tem aplicação extensiva em equipamentos quer requer precisão, por exemplo: - o controle de micro-câmeras num circuito interno de vigilância, - em clínicas radiológicas no auxílio de operadores para os mesmos orientarem o posicionamento das pessoas submetidas a uma radiografia, - furação automática de acordo com instruções em fita sobre as posições dos furos, impressoras, aeromodelos e etc. Sua utilização é muito ampla e vai desde o controle de máquinas industriais (robôs) até pequenas demonstrações num curso de robótica.
  • 8. MAQUINAS ELÉTRICAS DE CORRENTE CONTÍNUA PARTES CONSTRUTIVAS ESTATOR- indutor Carcaça - estrutura de aço ou ferro. Serve de suporte para as partes constituintes da máquina. Sapatas Polares - são de ferro laminado aparafusado ou soldado na carcaça. A sapata polar é curvada e mais larga do que o núcleo polar, a fim de espalhar o fluxo mais uniformemente. Interpolos - também estão montados na carcaça, entre os pólos principais e geralmente, possuem menor tamanho.
  • 9. Enrolamento de campo - as bobinas de campo produzem uma força magnetomotriz adequada à produção do fluxo necessário para gerar uma tensão induzida ou uma força mecânica. Esses enrolamentos se localizam nas sapatas polares. Escovas coletoras - são constituídas de carvão e grafito colocadas nos estator através de um suporte tipo anel e mantidas por meio de molas. São utilizadas para coletar a corrente contínua para a armadura (motor) ou da armadura para a carga (gerador).
  • 10. • Os pólos do campo são induzidos por corrente elétrica. • A corrente usada para induzir os pólos (fluxo) é chamada de corrente de campo. • O enrolamento (bobina ou solenóide) é chamada de enrolamento de campo. • O controle da corrente da campo permite o controle da densidade de fluxo nos pólos.
  • 11. ROTOR – Armadura- Induzido Eixo da armadura - imprime a rotação ao núcleo da armadura, enrolamentos e comutador. Núcleo da armadura - constituído de camadas laminadas de aço Enrolamento da armadura - composto de bobinas isoladas entre si e do núcleo da armadura e ligadas ao comutador. Comutador - é segmento de cobre isolado entre si e do eixo. É responsável pelo processo de comutação (ca/cc ou cc/ca).
  • 12. • Chama-se de enrolamento de armadura ao conjunto de condutores que conduzem corrente e cortam as linhas de fluxo do campo da máquina. • A magnitude da corrente de armadura controla a força(lei de Lenz), e por conseguinte o torque no eixo da máquina.
  • 17. CLASSIFICAÇÃO DAS MÁQUINAS C.C: São classificadas de acordo com a conexão do enrolamento de campo com o enrolamento da armadura. •Tipo série: o enrolamento da armadura é conectado em série com o enrolamento de campo. O enrolamento de campo série é composto de poucas espiras e condutor de maior diâmetro. •Tipo “Shunt” (paralelo): o enrolamento de campo é conectado em paralelo com o enrolamento de armadura. O enrolamento de campo shunt possui muitas espiras e o condutor é de pequeno diâmetro. •Tipo composto: Os dois enrolamentos (série e shunt) são ligados juntos como o enrolamento da armadura. •Máquinas com excitação independente.
  • 18. PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO DO MOTOR CC O princípio de funcionamento de um motor de corrente contínua está baseado na força mecânica que atua sobre um condutor imerso num campo magnético, quando sobre ele circula uma corrente elétrica. Sabemos que, quando um condutor está imerso num campo magnético, se deslocando com uma certa velocidade dentro deste campo, sobre ele é induzida uma corrente elétrica e, conseqüentemente, uma tensão induzida. Como essa tensão induzida se opõe ao fluxo que a deu origem ( Lei de Lenz) ela é chamada de Força-contra-eletromotriz induzida - fcem simbolizada pelas letras Ec. Essa fcem gerada pelo movimento do motor é dada por: Onde: N = número de rotações por minuto; K =constante construtiva da máquina Ec  K ..N
  • 19. Velocidade do Motor C.C Como a força-contra-eletromotriz, Ec, varia com a velocidade e o fluxo, podemos chegar na seguinte equação de velocidade (em rpm): N Ec K . Esta equação nos diz que a velocidade do motor depende da tensão aplicada na armadura, da corrente na bobina e do valor do fluxo magnético. Note que a velocidade do motor tende ao infinito quando o fluxo tende a zero. Conseqüentemente, não devemos tirar, sob hipótese alguma, a corrente de campo, pois o motor “dispara”.
  • 20. Equação fundamental do torque A equação para o torque desenvolvido na armadura será em função do fluxo magnético e da corrente da armadura: T  K t . . Ia Entretanto, o torque disponível no eixo do motor é menor que o troque desenvolvido, devido às perdas rotacionais e Joulicas. Portanto, o torque também pode ser obtido através da potencia e da velocidade do rotor. T  9,56 x Potencia mecanica( watts) N (rpm)
  • 21. Motor Tipo Shunt IL  Ip  Ia Vp Ip  Rp Va  Vp  VL Ec  VL  ( Ra.Ia  Vesc)
  • 22. Motor Tipo Série IL  Is  Ia VL  Va  Vs Ec  VL  ( Ra.Ia  Vesc)
  • 23. Inversão no Sentido de Rotação e Controle de Velocidade Para inverter o sentido de rotação de qualquer motor CC é necessário inverter a corrente de armadura em relação a corrente de campo. Deve-se inverter somente um deles, e a inversão em ambos os circuitos manterá o mesmo sentido de rotação. Uma das principais aplicação dos motores de corrente contínua é o acionamento de máquinas com controle preciso de velocidade. Os métodos mais utilizados para este fim são: •Ajuste da tensão aplicada na armadura do motor; •Ajuste da corrente nas bobinas de campo, ou seja, controle do fluxo magnético do motor; •Combinação dos anteriores. O controle de velocidade pode ser realizado através de um conversor estático CC ou por meio de um reostato.
  • 24. Aplicações Devido a sua versatilidade nas aplicações, o motor de corrente contínua possui uma grande parcela do mercado de motores elétricos, destacando-se: - Bombas a pistão - Ferramentas de avanço - Tornos - Bobinadeiras - Mandrilhadoras - Máquinas de moagem - Máquinas têxteis - Guinchos e guindastes - Veículos de tração - Prensas - Máquinas de papel - Indústria química e petroquímica - Indústrias siderúrgicas - Fornos, exaustores, separadores e esteiras para indústria cimenteira e outras.
  • 25. Rendimento do Motor Um diagrama de fluxo de potencia é representado abaixo: Então, o rendimento é obtido por: %  Potencia de saída Potencia de saída  Potencia entrada Potencia de saída  perdas x 100%