SlideShare uma empresa Scribd logo
Clube da eletrônica Eletricidade
Motores de indução trifásicos – Autor: Clodoaldo Silva - Versão: 27Fev2006 1
Motores de indução e ligações
Os motores elétricos são máquinas elétricas bastante simples cuja finalidade é converter a energia
elétrica em energia mecânica, e com isso obter movimento.
As máquinas elétricas podem ser classificadas como:
Máquina de corrente continua – (Motores DC);
Máquina síncrona – (geradores); e
Máquina assíncrona – (motores de indução).
A esse capítulo daremos uma atenção especial ao motor de indução trifásico de corrente alternada, que é
o mais comum na industria, e as razões são varias, entre elas:
Vantagens
A energia é em sua grande maioria é produzida e distribuída em corrente alternada (AC);
São mais simples e mais “baratos” que os motores de corrente continua;
Não necessita que qualquer entreposto entre ele e a fonte de energia;
Não há ligação elétrica ao rotor, não existindo, portanto, anéis e escovas como nos motores de
corrente contínua; e
A velocidade é determinada pela freqüência da fonte de energia, o que propicia excelentes condições
para seu funcionamento a velocidades constantes.
Porém, o motor de indução trifásico de corrente alternada não é feito somente de vantagens, mas
também de desvantagens, entre elas:
A eletrônica para controle de velocidade tem custo elevado;
Instabilidade em operar com velocidades baixas; e
A eletrônica para controle de posicionamento tem custo elevado.
Características construtivas
São constituídos basicamente de duas partes:
Estator ⇒ é a parte fixa, que consiste de
enrolamentos alojados nas ranhuras existentes na
periferia interna de um núcleo de ferro laminado
(carcaça). Os enrolamentos do estator são
alimentados com tensão trifásica, que produz um
campo magnético que gira com velocidade síncrona.
Rotor ⇒ é uma parte móvel do motor, ligada ao
eixo de transmissão de movimento. Nesta parte do
motor normalmente existem bobinas, percorridas
por correntes elétricas que geram campos
magnéticos. Em função da polaridade, os campos
magnéticos submetem o rotor a forças de atração
e repulsão, produzindo o movimento giratório do
rotor.
Clube da eletrônica Eletricidade
Motores de indução trifásicos – Autor: Clodoaldo Silva - Versão: 27Fev2006 2
O rotor, que é construído em dois tipos:
Rotor em curto-circuito ou bobinado.
O rotor bobinado consta de um núcleo em
tambor, provido de ranhuras onde são alojados
enrolamentos semelhantes ao do estator, e
produzindo o mesmo número de pólos.
No motor trifásico estes enrolamentos são
geralmente ligados em estrela, e as três
extremidades livres dos enrolamentos são
ligadas a três anéis coletores montados no
eixo, permitindo a inserção de resistor variável
em série em cada fase.
Gaiola de esquilo ou simplesmente gaiola.
O rotor tipo gaiola de esquilo consta de um núcleo em
tambor, providos de ranhuras, nas quais são alojados
fios ou barras de cobre curto-circuitados nos extremos
por anéis.
Os núcleos magnéticos de ambos os tipos de rotores são
de ferro laminado.
O motor em corte transversal
Clube da eletrônica Eletricidade
Motores de indução trifásicos – Autor: Clodoaldo Silva - Versão: 27Fev2006 3
O conjugado do motor
A característica fundamental de qualquer motor de indução é a sua curva de conjugado versus rotação.
A curva mostra que à medida que o escorregamento aumenta de zero até cerca de 10 % o torque aumenta
linearmente com o escorregamento. À medida que a carga e o escorregamento aumentam além do torque
especificado, o torque atinge um valor máximo de cerca de 25% de escorregamento. Esse valor máximo do
torque é chamado de torque de ruptura. Se a carga aumentar ainda mais, além do ponto de ruptura, o
motor irá parar rapidamente.
Nota : Os valores de Cmáx, Cmín e Cp são especificados pela norma NBR 7094.
Conjugado Máximo (Cmáx): É o conjugado máximo que o motor irá desenvolver com tensão e freqüência
nominal sem queda abrupta na rotação.
Conjugado de Partida ou com Rotor Bloqueado (CP): É o conjugado mínimo que o motor irá desenvolver
em repouso com tensão e freqüência nominal aplicada.
Conjugado Mínimo (Cmín): O conjugado mínimo que o motor irá desenvolver durante o período de
aceleração do repouso até a rotação em que o conjugado máximo ocorre. Para motores que não possuem
um conjugado máximo definido o conjugado mínimo é o menor conjugado desenvolvido até a rotação
nominal.
Conjugado Nominal (CN): É o conjugado necessário para produzir a potência nominal à rotação nominal.
O prototo newton.metro (N.m) é igual a potência em CV vezes 7022 dividido pela rotação nominal em rpm.
Categoria de conjugado
Conforme as suas características de conjugado em relação à velocidade e corrente de partida, os motores
são classificados em categorias, cada uma adequada a um tipo de carga. Estas categorias são definidas
em norma, e são as seguintes:
N Conjugado normal, corrente de partida normal e baixo escorregamento;
H Conjugado alto, corrente de partida normal e baixo escorregamento;
D Conjugados altos (Cp ³ 275% Cn), Corrente de partida normal e alto escorregamento ( 5 a 8% e 8 a 13% ).
Clube da eletrônica Eletricidade
Motores de indução trifásicos – Autor: Clodoaldo Silva - Versão: 27Fev2006 4
NY
São motores com características parecidas com os motores de categoria normal (designados
como N), mas previstos para partida estrela-triângulo. Na ligação em estrela o torque de partida
e é de 25% do valor indicado para os motores de categoria N.
HY
São motores com características parecidas com os motores de categoria H, mas previstos para
partida estrela-triângulo. Na ligação em estrela o torque de partida e é de 25% do valor indicado
para os motores de categoria H.
Veja a curva do conjugado para cada uma das categorias apresentadas.
Identificação dos motores
Os motores elétricos possuem uma placa
identificadora, colocada pelo fabricante, na
qual pelas normas, deve ser fixada em
local bem visível.
Para instalar adequadamente um motor, é
imprescindível que o instalador saiba
interpretar os dados de placa. Estes dados
são:
Dados do fabricante e modelo;
Potência (CV, HP e kW);
Freqüência nominal (Hz);
Velocidade nominal (RPM);
Fator de serviço (FS)
Classe de isolamento (ISOL)
Corrente de Partida/Nominal (IP/IN)
Grau de proteção (IP)
Tensões/correntes nominais e
ligações;
Categoria CAT (visto acima)
Regime de operação (REG)
Placa identificadora
Clube da eletrônica Eletricidade
Motores de indução trifásicos – Autor: Clodoaldo Silva - Versão: 27Fev2006 5
Potência do motor kW (cv)
A potência de um motor trifásico deve ser especificada em CV ou HP, na placa identificadora. A potência
em watts pode se calculada pela seguinte equação:
Freqüência nominal (Hz) e Velocidade nominal (RPM)
Velocidade síncrona (ns): A freqüência da rede de energia no Brasil é padronizada em 60Hz, alterações na
freqüência alteram a velocidade do campo girante (velocidade síncrona) no estator é dada pela seguinte
equação:
Velocidade do rotor (nr): A velocidade do rotor é sempre menor que a velocidade síncrona produzida pelo
estator, ou seja, não há sincronismo entre as duas velocidades. Por isso, estes motores são também
chamados assíncronos.
Escorregamento (slip): É a diferença entre as duas velocidades é chamada escorregamento é tomado
sempre em valores percentuais ou em pu da velocidade síncrona, ou seja:
O fator de serviço – FS
O fator de serviço é um parâmetro que trata a capacidade do motor em suportar sobrecargas continuas.
Essa característica melhora o desempenho do motor em condições desfavoráveis, caso o fator de serviço
for maior que 1,0 deve ser considerado para o cálculo da corrente de linha.
Clube da eletrônica Eletricidade
Motores de indução trifásicos – Autor: Clodoaldo Silva - Versão: 27Fev2006 6
Classe de isolação – ISOL
Define o limite máximo de temperatura que o enrolamento do motor pode suportar continuamente, sem que
haja redução na sua vida útil. As primeiras classes de isolamento e suas respectivas temperaturas – limites
são:
A ( 105 ºC ) ⇒ pouco utilizado na industria.
E ( 120 ºC ) ⇒ pouco utilizado na industria.
B ( 130 ºC ) ⇒ mais usado na industria em motores IP23.
F ( 155 ºC ) ⇒ mais usado na industria em motores IP54 e 55.
H ( 180 ºC ) ⇒ mais usado na industria em motores IP54, 55, 64 e locais com pouca troca de calor.
Razão entre a corrente de pico e nominal - IP/IN
Ao “partir” um motor a corrente de pico (IP) pode chegar até 6 vezes o valor da corrente nominal (IN). Isso
ocorre porque é necessário retirar o rotor de seu estado estático, após isso a corrente é estabilizada.
Exemplo:
IP/IN = 9,0 significa que no momento da partida a corrente pode atingir nove vezes o valor da corrente
nominal.
Grau de proteção - IP
O grau de proteção é um código padronizado, formado pelas letras IP seguidas de um número de dois
algarismos, que define o tipo de proteção do motor contra a entrada de água ou de objetos estranhos,
conforme mostrado no quadro abaixo.
Motor 1° Numeral 2° Numeral
Classe de proteção
Proteção contra
contato
Proteção contra
corpos sólidos
Proteção contra água
IP11 Pingos de água nas verticas
IP12
Pingos de água até uma inclinação
de 15° com a vertical
IP13
Toque acidental
com a mão
Corpos sólidos de
dimensões
de 50 mm
Água de chuva de inclinação de 60°
com a vertical
IP21 Pingos de água nas verticas
IP22
Pingos de água até uma inclinação
de 15° com a vertical
Aberto
IP23
Toque com
os dedos
Corpos sólidos de
dimensões acima de
12 mm
Água de chuva até uma inclinação
de 60° com a vertical
IP44
Toque com as
ferramentas
Corpos sólidos de
dimensão acima
1mm
Respingos de todas as direções
Totalmente
fechado
IP54
Proteção completa
contra toques
Protegido contra
acúmulo de poeira
nociva ao motor
Jatos de água de todas as direções
Clube da eletrônica Eletricidade
Motores de indução trifásicos – Autor: Clodoaldo Silva - Versão: 27Fev2006 7
Tensões e correntes nominais
A maioria dos motores é fornecida com terminais do enrolamento religáveis, de modo que podem funcionar
em rede de pelo menos duas tensões / correntes diferentes.
Os principais tipos de religação de terminais de motores para funcionamento em mais de uma tensão são:
a) Ligação estrela – triângulo
A conexão estrela permite ligar um motor com tensão nominal V em uma rede V. √3, exemplo, um motor
127 V pode ser ligado a uma rede 220V e motor 220 V pode ser ligado a uma rede 380V e assim por
diante. Esse tipo de ligação exige no mínimo seis terminais e serve para quaisquer tensões nominais
duplas, desde que a segunda seja igual a primeira multiplicada por √3. A conexão triângulo permite que
100% da tensão da rede seja entregue a cada fase.
Ligação estrela
Conexão estrela Placa de ligação
Ligação triângulo
Conexão triângulo Placa de ligação
b) Ligação série – paralelo
O enrolamento de cada fase é dividido em duas partes. Ligando as duas metades em série o motor, cada
metade ficará com metade da tensão de fase nominal do motor.Ligando as duas metades em paralelo, o
motor poderá ser alimentado com uma tensão igual a metade da tensão anterior, sem que se altera a
tensão aplicada a cada bobina.
Clube da eletrônica Eletricidade
Motores de indução trifásicos – Autor: Clodoaldo Silva - Versão: 27Fev2006 8
Ligação estrela série – paralelo
Ligação triângulo série – paralelo
c) Tripla tensão nominal (motor de quatro tensões)
Combinando os casos anteriores: o enrolamento de cada fase é dividido em duas metades para a ligação
série - paralelo. Além disso, todos os terminais são acessíveis, para podermos ligar as três fases em estrela
ou triângulo. Deste modo temos quatro combinações possíveis.
Vejamos um exemplo: 220V/380V/440V e 760V.
Ligação: Triângulo – paralelo Ligação: Estrela – paralelo
Recebe a tensão V (220V) Recebe a V. √3 (380V)
Clube da eletrônica Eletricidade
Motores de indução trifásicos – Autor: Clodoaldo Silva - Versão: 27Fev2006 9
Ligação: triângulo – série Ligação: estrela – série
Recebe o dobro da primeira tensão (440V) Recebe a tensão √3 vezes a terceira (760V)
Regime - REG
O regime é o grau de regularidade da carga a que o motor é submetido. Os motores normais são
projetados para regime contínuo (S1), isto é, um funcionamento com carga constante, por tempo indefinido,
desenvolvendo potência nominal. São previstos, por norma, vários tipos de regimes de funcionamento.
Rendimento – REND
É a relação entre a potência de saída (realmente aproveitada) e a potência de entrada, que pode ser
calculado pela seguinte expressão.
Fator de potência (cosϕ)
O fator de potência (cosϕ), indica a relação entre a potência ativa e a potência aparente. Matematicamente
podemos escrever:
Referências bibliográficas:
http://www.dsee.fee.unicamp.br/~sato/ET515/ET515.html
http://www.geindustrial.com.br/download/artigos/nt01.pdf
http://www.weg.com.br
http://www.tecowestinghouse.com
Não somos responsáveis apenas pelo que fazemos, mas também pelo que deixamos de fazer.
(Molière, dramaturgo francês)
www.clubedaeletronica.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Maquinas eletricas
Maquinas eletricasMaquinas eletricas
Maquinas eletricas
Francisco Costa
 
Eletrônica industrial transformadores
Eletrônica industrial transformadoresEletrônica industrial transformadores
Eletrônica industrial transformadores
Rodrigo Antonio Tomazeli
 
1 motores de indução
1 motores de indução1 motores de indução
1 motores de indução
Dorival Brito
 
Transformadores
TransformadoresTransformadores
Transformadores
Thatá Freitas
 
07 potencia elétrica
07  potencia elétrica07  potencia elétrica
07 potencia elétrica
Bruno De Siqueira Costa
 
motores trifasicos de ca
  motores trifasicos de ca  motores trifasicos de ca
motores trifasicos de ca
Renato Campos
 
Máquinas síncronas
Máquinas síncronasMáquinas síncronas
Máquinas síncronas
eselco
 
Aula disjuntor
Aula disjuntorAula disjuntor
Aula disjuntor
Vamberto Barbosa
 
Aula 6 o indutor
Aula 6 o indutorAula 6 o indutor
Aula 6 o indutor
Vander Bernardi
 
[Motores sincronos e assincronos]
[Motores sincronos e assincronos][Motores sincronos e assincronos]
[Motores sincronos e assincronos]
Daniel Santos
 
32731 apost motores-de_inducao_cefetes
32731 apost motores-de_inducao_cefetes32731 apost motores-de_inducao_cefetes
32731 apost motores-de_inducao_cefetes
Sebastião Jorge Barroso de Souza
 
M6 eficiência energética
M6   eficiência energéticaM6   eficiência energética
M6 eficiência energética
confidencial
 
Inversor de frequencia
Inversor de frequenciaInversor de frequencia
Inversor de frequencia
kustelinha
 
Motores cc
Motores ccMotores cc
Motores cc
Daiane Krupa
 
Dispositivos Utilizados em Comandos Elétricos
Dispositivos Utilizados em Comandos ElétricosDispositivos Utilizados em Comandos Elétricos
Dispositivos Utilizados em Comandos Elétricos
Jadson Caetano
 
Exercícios pneumática solução
Exercícios pneumática    soluçãoExercícios pneumática    solução
Exercícios pneumática solução
Cynthia Janei
 
Relatório Motor Casseiro de Corrente Contínua
Relatório Motor Casseiro de Corrente ContínuaRelatório Motor Casseiro de Corrente Contínua
Relatório Motor Casseiro de Corrente Contínua
Fernando Filho
 
Comandos elétricos
Comandos elétricosComandos elétricos
Comandos elétricos
Leo Laurett
 
Princípios da corrente Alternada
Princípios da corrente AlternadaPrincípios da corrente Alternada
Princípios da corrente Alternada
Odair Soares
 
Ce aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina ccCe aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina cc
Igor Fortal
 

Mais procurados (20)

Maquinas eletricas
Maquinas eletricasMaquinas eletricas
Maquinas eletricas
 
Eletrônica industrial transformadores
Eletrônica industrial transformadoresEletrônica industrial transformadores
Eletrônica industrial transformadores
 
1 motores de indução
1 motores de indução1 motores de indução
1 motores de indução
 
Transformadores
TransformadoresTransformadores
Transformadores
 
07 potencia elétrica
07  potencia elétrica07  potencia elétrica
07 potencia elétrica
 
motores trifasicos de ca
  motores trifasicos de ca  motores trifasicos de ca
motores trifasicos de ca
 
Máquinas síncronas
Máquinas síncronasMáquinas síncronas
Máquinas síncronas
 
Aula disjuntor
Aula disjuntorAula disjuntor
Aula disjuntor
 
Aula 6 o indutor
Aula 6 o indutorAula 6 o indutor
Aula 6 o indutor
 
[Motores sincronos e assincronos]
[Motores sincronos e assincronos][Motores sincronos e assincronos]
[Motores sincronos e assincronos]
 
32731 apost motores-de_inducao_cefetes
32731 apost motores-de_inducao_cefetes32731 apost motores-de_inducao_cefetes
32731 apost motores-de_inducao_cefetes
 
M6 eficiência energética
M6   eficiência energéticaM6   eficiência energética
M6 eficiência energética
 
Inversor de frequencia
Inversor de frequenciaInversor de frequencia
Inversor de frequencia
 
Motores cc
Motores ccMotores cc
Motores cc
 
Dispositivos Utilizados em Comandos Elétricos
Dispositivos Utilizados em Comandos ElétricosDispositivos Utilizados em Comandos Elétricos
Dispositivos Utilizados em Comandos Elétricos
 
Exercícios pneumática solução
Exercícios pneumática    soluçãoExercícios pneumática    solução
Exercícios pneumática solução
 
Relatório Motor Casseiro de Corrente Contínua
Relatório Motor Casseiro de Corrente ContínuaRelatório Motor Casseiro de Corrente Contínua
Relatório Motor Casseiro de Corrente Contínua
 
Comandos elétricos
Comandos elétricosComandos elétricos
Comandos elétricos
 
Princípios da corrente Alternada
Princípios da corrente AlternadaPrincípios da corrente Alternada
Princípios da corrente Alternada
 
Ce aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina ccCe aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina cc
 

Destaque

Motores de Indução - Parte 1
Motores de Indução - Parte 1Motores de Indução - Parte 1
Motores de Indução - Parte 1
Jim Naturesa
 
Maquinas assincronas
Maquinas assincronasMaquinas assincronas
Maquinas assincronas
Samuel R
 
Motores de Indução - Parte 2
Motores de Indução - Parte 2Motores de Indução - Parte 2
Motores de Indução - Parte 2
Jim Naturesa
 
motores e geradores
motores e geradoresmotores e geradores
motores e geradores
Gabriela Lopes
 
Motores Elétricos
Motores ElétricosMotores Elétricos
Motores Elétricos
vcolpo
 
Motores elétricos
Motores elétricosMotores elétricos
Motores elétricos
Markinhos Carvalho
 
Motores de Indução - Parte 4
Motores de Indução - Parte 4Motores de Indução - Parte 4
Motores de Indução - Parte 4
guest9c114b
 
Synchronous generators
Synchronous generatorsSynchronous generators
Synchronous generators
Angelo Hafner
 
Synchronous motors
Synchronous motorsSynchronous motors
Synchronous motors
Angelo Hafner
 
Motores de Indução - Parte 4
Motores de Indução - Parte 4Motores de Indução - Parte 4
Motores de Indução - Parte 4
Jim Naturesa
 
Calculo potencia trifasica
Calculo potencia trifasicaCalculo potencia trifasica
Calculo potencia trifasica
Diony Junio Natali
 
Fernandes 2006 tese máq.sincrona
Fernandes 2006 tese máq.sincronaFernandes 2006 tese máq.sincrona
Fernandes 2006 tese máq.sincrona
Vanessa Gonçalves
 
Synchronous motors
Synchronous motorsSynchronous motors
Synchronous motors
Angelo Hafner
 
Acionamentos elétricos chaves de partida
Acionamentos elétricos   chaves de partidaAcionamentos elétricos   chaves de partida
Acionamentos elétricos chaves de partida
Angelo Hafner
 
Máquina síncrona 2
Máquina síncrona 2Máquina síncrona 2
Máquina síncrona 2
Jim Naturesa
 
Motores elétricos de corrente alternada
Motores elétricos de corrente alternadaMotores elétricos de corrente alternada
Motores elétricos de corrente alternada
lehnner
 
Máquina síncrona 3
Máquina síncrona 3Máquina síncrona 3
Máquina síncrona 3
Jim Naturesa
 
Apostila sp1 luciano
Apostila sp1 lucianoApostila sp1 luciano
Apostila sp1 luciano
Ricardo Carvalho
 
sistema de potencia ii
sistema de potencia iisistema de potencia ii
sistema de potencia ii
Adonairon Linconl
 
Motor de Alto Rendimento (AR)
Motor de Alto Rendimento (AR)Motor de Alto Rendimento (AR)
Motor de Alto Rendimento (AR)
Aparecida Bezerra
 

Destaque (20)

Motores de Indução - Parte 1
Motores de Indução - Parte 1Motores de Indução - Parte 1
Motores de Indução - Parte 1
 
Maquinas assincronas
Maquinas assincronasMaquinas assincronas
Maquinas assincronas
 
Motores de Indução - Parte 2
Motores de Indução - Parte 2Motores de Indução - Parte 2
Motores de Indução - Parte 2
 
motores e geradores
motores e geradoresmotores e geradores
motores e geradores
 
Motores Elétricos
Motores ElétricosMotores Elétricos
Motores Elétricos
 
Motores elétricos
Motores elétricosMotores elétricos
Motores elétricos
 
Motores de Indução - Parte 4
Motores de Indução - Parte 4Motores de Indução - Parte 4
Motores de Indução - Parte 4
 
Synchronous generators
Synchronous generatorsSynchronous generators
Synchronous generators
 
Synchronous motors
Synchronous motorsSynchronous motors
Synchronous motors
 
Motores de Indução - Parte 4
Motores de Indução - Parte 4Motores de Indução - Parte 4
Motores de Indução - Parte 4
 
Calculo potencia trifasica
Calculo potencia trifasicaCalculo potencia trifasica
Calculo potencia trifasica
 
Fernandes 2006 tese máq.sincrona
Fernandes 2006 tese máq.sincronaFernandes 2006 tese máq.sincrona
Fernandes 2006 tese máq.sincrona
 
Synchronous motors
Synchronous motorsSynchronous motors
Synchronous motors
 
Acionamentos elétricos chaves de partida
Acionamentos elétricos   chaves de partidaAcionamentos elétricos   chaves de partida
Acionamentos elétricos chaves de partida
 
Máquina síncrona 2
Máquina síncrona 2Máquina síncrona 2
Máquina síncrona 2
 
Motores elétricos de corrente alternada
Motores elétricos de corrente alternadaMotores elétricos de corrente alternada
Motores elétricos de corrente alternada
 
Máquina síncrona 3
Máquina síncrona 3Máquina síncrona 3
Máquina síncrona 3
 
Apostila sp1 luciano
Apostila sp1 lucianoApostila sp1 luciano
Apostila sp1 luciano
 
sistema de potencia ii
sistema de potencia iisistema de potencia ii
sistema de potencia ii
 
Motor de Alto Rendimento (AR)
Motor de Alto Rendimento (AR)Motor de Alto Rendimento (AR)
Motor de Alto Rendimento (AR)
 

Semelhante a Motores de inducao

Placa identificadora do motor elétrico
Placa identificadora do motor elétricoPlaca identificadora do motor elétrico
Placa identificadora do motor elétrico
Mauricio Machado Concalves
 
Motores de Indução 2023.pptx
Motores de Indução 2023.pptxMotores de Indução 2023.pptx
Motores de Indução 2023.pptx
joelson37
 
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdfte039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
antoniogff
 
Apresentação de motores e servomecanismos slideshare
Apresentação de motores e servomecanismos slideshareApresentação de motores e servomecanismos slideshare
Apresentação de motores e servomecanismos slideshare
Watson Oliveira
 
Instalação de Motores Elétricos.pptx
Instalação de Motores Elétricos.pptxInstalação de Motores Elétricos.pptx
Instalação de Motores Elétricos.pptx
VicenteOsmil
 
Aspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptx
Aspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptxAspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptx
Aspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptx
VladimirSilva37
 
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdfte344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
Tomaz13
 
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
Miguel Eletricista
 
Siemens guia do eletricista (192)
Siemens   guia do eletricista (192)Siemens   guia do eletricista (192)
Siemens guia do eletricista (192)
Marcellus Figueiredo
 
Apostila manutenã§ã£o eletrica
Apostila manutenã§ã£o eletricaApostila manutenã§ã£o eletrica
Apostila manutenã§ã£o eletrica
Rui Pedro Sousa
 
Guia do eletricista
Guia do eletricistaGuia do eletricista
Guia do eletricista
Milton Menezes
 
Sel0437 aula08 motores01_2017
Sel0437 aula08 motores01_2017Sel0437 aula08 motores01_2017
Sel0437 aula08 motores01_2017
Monilson Salles
 
Apostila soft inversor
Apostila soft inversorApostila soft inversor
Apostila soft inversor
Ivanir Silva
 
aula_11.pdf
aula_11.pdfaula_11.pdf
5ª aula pratica com inversor de frequencia
5ª aula pratica com inversor de frequencia5ª aula pratica com inversor de frequencia
5ª aula pratica com inversor de frequencia
AnaMacedoeletrical
 
Teoria
TeoriaTeoria
Teoria
Teoria Teoria
Interpretacao de-placas-de-motores
Interpretacao de-placas-de-motores Interpretacao de-placas-de-motores
Interpretacao de-placas-de-motores
Samuel Jó
 
gerador sincrono aula 1.pdf
gerador sincrono aula 1.pdfgerador sincrono aula 1.pdf
gerador sincrono aula 1.pdf
vasco74
 
Newtoncbraga.inversor de frequencia
Newtoncbraga.inversor de frequenciaNewtoncbraga.inversor de frequencia
Newtoncbraga.inversor de frequencia
Gilvan Veloso
 

Semelhante a Motores de inducao (20)

Placa identificadora do motor elétrico
Placa identificadora do motor elétricoPlaca identificadora do motor elétrico
Placa identificadora do motor elétrico
 
Motores de Indução 2023.pptx
Motores de Indução 2023.pptxMotores de Indução 2023.pptx
Motores de Indução 2023.pptx
 
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdfte039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
 
Apresentação de motores e servomecanismos slideshare
Apresentação de motores e servomecanismos slideshareApresentação de motores e servomecanismos slideshare
Apresentação de motores e servomecanismos slideshare
 
Instalação de Motores Elétricos.pptx
Instalação de Motores Elétricos.pptxInstalação de Motores Elétricos.pptx
Instalação de Motores Elétricos.pptx
 
Aspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptx
Aspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptxAspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptx
Aspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptx
 
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdfte344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
 
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
 
Siemens guia do eletricista (192)
Siemens   guia do eletricista (192)Siemens   guia do eletricista (192)
Siemens guia do eletricista (192)
 
Apostila manutenã§ã£o eletrica
Apostila manutenã§ã£o eletricaApostila manutenã§ã£o eletrica
Apostila manutenã§ã£o eletrica
 
Guia do eletricista
Guia do eletricistaGuia do eletricista
Guia do eletricista
 
Sel0437 aula08 motores01_2017
Sel0437 aula08 motores01_2017Sel0437 aula08 motores01_2017
Sel0437 aula08 motores01_2017
 
Apostila soft inversor
Apostila soft inversorApostila soft inversor
Apostila soft inversor
 
aula_11.pdf
aula_11.pdfaula_11.pdf
aula_11.pdf
 
5ª aula pratica com inversor de frequencia
5ª aula pratica com inversor de frequencia5ª aula pratica com inversor de frequencia
5ª aula pratica com inversor de frequencia
 
Teoria
TeoriaTeoria
Teoria
 
Teoria
Teoria Teoria
Teoria
 
Interpretacao de-placas-de-motores
Interpretacao de-placas-de-motores Interpretacao de-placas-de-motores
Interpretacao de-placas-de-motores
 
gerador sincrono aula 1.pdf
gerador sincrono aula 1.pdfgerador sincrono aula 1.pdf
gerador sincrono aula 1.pdf
 
Newtoncbraga.inversor de frequencia
Newtoncbraga.inversor de frequenciaNewtoncbraga.inversor de frequencia
Newtoncbraga.inversor de frequencia
 

Último

Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
Faga1939
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
IsaiasJohaneSimango
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
Daniel273024
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 

Motores de inducao

  • 1. Clube da eletrônica Eletricidade Motores de indução trifásicos – Autor: Clodoaldo Silva - Versão: 27Fev2006 1 Motores de indução e ligações Os motores elétricos são máquinas elétricas bastante simples cuja finalidade é converter a energia elétrica em energia mecânica, e com isso obter movimento. As máquinas elétricas podem ser classificadas como: Máquina de corrente continua – (Motores DC); Máquina síncrona – (geradores); e Máquina assíncrona – (motores de indução). A esse capítulo daremos uma atenção especial ao motor de indução trifásico de corrente alternada, que é o mais comum na industria, e as razões são varias, entre elas: Vantagens A energia é em sua grande maioria é produzida e distribuída em corrente alternada (AC); São mais simples e mais “baratos” que os motores de corrente continua; Não necessita que qualquer entreposto entre ele e a fonte de energia; Não há ligação elétrica ao rotor, não existindo, portanto, anéis e escovas como nos motores de corrente contínua; e A velocidade é determinada pela freqüência da fonte de energia, o que propicia excelentes condições para seu funcionamento a velocidades constantes. Porém, o motor de indução trifásico de corrente alternada não é feito somente de vantagens, mas também de desvantagens, entre elas: A eletrônica para controle de velocidade tem custo elevado; Instabilidade em operar com velocidades baixas; e A eletrônica para controle de posicionamento tem custo elevado. Características construtivas São constituídos basicamente de duas partes: Estator ⇒ é a parte fixa, que consiste de enrolamentos alojados nas ranhuras existentes na periferia interna de um núcleo de ferro laminado (carcaça). Os enrolamentos do estator são alimentados com tensão trifásica, que produz um campo magnético que gira com velocidade síncrona. Rotor ⇒ é uma parte móvel do motor, ligada ao eixo de transmissão de movimento. Nesta parte do motor normalmente existem bobinas, percorridas por correntes elétricas que geram campos magnéticos. Em função da polaridade, os campos magnéticos submetem o rotor a forças de atração e repulsão, produzindo o movimento giratório do rotor.
  • 2. Clube da eletrônica Eletricidade Motores de indução trifásicos – Autor: Clodoaldo Silva - Versão: 27Fev2006 2 O rotor, que é construído em dois tipos: Rotor em curto-circuito ou bobinado. O rotor bobinado consta de um núcleo em tambor, provido de ranhuras onde são alojados enrolamentos semelhantes ao do estator, e produzindo o mesmo número de pólos. No motor trifásico estes enrolamentos são geralmente ligados em estrela, e as três extremidades livres dos enrolamentos são ligadas a três anéis coletores montados no eixo, permitindo a inserção de resistor variável em série em cada fase. Gaiola de esquilo ou simplesmente gaiola. O rotor tipo gaiola de esquilo consta de um núcleo em tambor, providos de ranhuras, nas quais são alojados fios ou barras de cobre curto-circuitados nos extremos por anéis. Os núcleos magnéticos de ambos os tipos de rotores são de ferro laminado. O motor em corte transversal
  • 3. Clube da eletrônica Eletricidade Motores de indução trifásicos – Autor: Clodoaldo Silva - Versão: 27Fev2006 3 O conjugado do motor A característica fundamental de qualquer motor de indução é a sua curva de conjugado versus rotação. A curva mostra que à medida que o escorregamento aumenta de zero até cerca de 10 % o torque aumenta linearmente com o escorregamento. À medida que a carga e o escorregamento aumentam além do torque especificado, o torque atinge um valor máximo de cerca de 25% de escorregamento. Esse valor máximo do torque é chamado de torque de ruptura. Se a carga aumentar ainda mais, além do ponto de ruptura, o motor irá parar rapidamente. Nota : Os valores de Cmáx, Cmín e Cp são especificados pela norma NBR 7094. Conjugado Máximo (Cmáx): É o conjugado máximo que o motor irá desenvolver com tensão e freqüência nominal sem queda abrupta na rotação. Conjugado de Partida ou com Rotor Bloqueado (CP): É o conjugado mínimo que o motor irá desenvolver em repouso com tensão e freqüência nominal aplicada. Conjugado Mínimo (Cmín): O conjugado mínimo que o motor irá desenvolver durante o período de aceleração do repouso até a rotação em que o conjugado máximo ocorre. Para motores que não possuem um conjugado máximo definido o conjugado mínimo é o menor conjugado desenvolvido até a rotação nominal. Conjugado Nominal (CN): É o conjugado necessário para produzir a potência nominal à rotação nominal. O prototo newton.metro (N.m) é igual a potência em CV vezes 7022 dividido pela rotação nominal em rpm. Categoria de conjugado Conforme as suas características de conjugado em relação à velocidade e corrente de partida, os motores são classificados em categorias, cada uma adequada a um tipo de carga. Estas categorias são definidas em norma, e são as seguintes: N Conjugado normal, corrente de partida normal e baixo escorregamento; H Conjugado alto, corrente de partida normal e baixo escorregamento; D Conjugados altos (Cp ³ 275% Cn), Corrente de partida normal e alto escorregamento ( 5 a 8% e 8 a 13% ).
  • 4. Clube da eletrônica Eletricidade Motores de indução trifásicos – Autor: Clodoaldo Silva - Versão: 27Fev2006 4 NY São motores com características parecidas com os motores de categoria normal (designados como N), mas previstos para partida estrela-triângulo. Na ligação em estrela o torque de partida e é de 25% do valor indicado para os motores de categoria N. HY São motores com características parecidas com os motores de categoria H, mas previstos para partida estrela-triângulo. Na ligação em estrela o torque de partida e é de 25% do valor indicado para os motores de categoria H. Veja a curva do conjugado para cada uma das categorias apresentadas. Identificação dos motores Os motores elétricos possuem uma placa identificadora, colocada pelo fabricante, na qual pelas normas, deve ser fixada em local bem visível. Para instalar adequadamente um motor, é imprescindível que o instalador saiba interpretar os dados de placa. Estes dados são: Dados do fabricante e modelo; Potência (CV, HP e kW); Freqüência nominal (Hz); Velocidade nominal (RPM); Fator de serviço (FS) Classe de isolamento (ISOL) Corrente de Partida/Nominal (IP/IN) Grau de proteção (IP) Tensões/correntes nominais e ligações; Categoria CAT (visto acima) Regime de operação (REG) Placa identificadora
  • 5. Clube da eletrônica Eletricidade Motores de indução trifásicos – Autor: Clodoaldo Silva - Versão: 27Fev2006 5 Potência do motor kW (cv) A potência de um motor trifásico deve ser especificada em CV ou HP, na placa identificadora. A potência em watts pode se calculada pela seguinte equação: Freqüência nominal (Hz) e Velocidade nominal (RPM) Velocidade síncrona (ns): A freqüência da rede de energia no Brasil é padronizada em 60Hz, alterações na freqüência alteram a velocidade do campo girante (velocidade síncrona) no estator é dada pela seguinte equação: Velocidade do rotor (nr): A velocidade do rotor é sempre menor que a velocidade síncrona produzida pelo estator, ou seja, não há sincronismo entre as duas velocidades. Por isso, estes motores são também chamados assíncronos. Escorregamento (slip): É a diferença entre as duas velocidades é chamada escorregamento é tomado sempre em valores percentuais ou em pu da velocidade síncrona, ou seja: O fator de serviço – FS O fator de serviço é um parâmetro que trata a capacidade do motor em suportar sobrecargas continuas. Essa característica melhora o desempenho do motor em condições desfavoráveis, caso o fator de serviço for maior que 1,0 deve ser considerado para o cálculo da corrente de linha.
  • 6. Clube da eletrônica Eletricidade Motores de indução trifásicos – Autor: Clodoaldo Silva - Versão: 27Fev2006 6 Classe de isolação – ISOL Define o limite máximo de temperatura que o enrolamento do motor pode suportar continuamente, sem que haja redução na sua vida útil. As primeiras classes de isolamento e suas respectivas temperaturas – limites são: A ( 105 ºC ) ⇒ pouco utilizado na industria. E ( 120 ºC ) ⇒ pouco utilizado na industria. B ( 130 ºC ) ⇒ mais usado na industria em motores IP23. F ( 155 ºC ) ⇒ mais usado na industria em motores IP54 e 55. H ( 180 ºC ) ⇒ mais usado na industria em motores IP54, 55, 64 e locais com pouca troca de calor. Razão entre a corrente de pico e nominal - IP/IN Ao “partir” um motor a corrente de pico (IP) pode chegar até 6 vezes o valor da corrente nominal (IN). Isso ocorre porque é necessário retirar o rotor de seu estado estático, após isso a corrente é estabilizada. Exemplo: IP/IN = 9,0 significa que no momento da partida a corrente pode atingir nove vezes o valor da corrente nominal. Grau de proteção - IP O grau de proteção é um código padronizado, formado pelas letras IP seguidas de um número de dois algarismos, que define o tipo de proteção do motor contra a entrada de água ou de objetos estranhos, conforme mostrado no quadro abaixo. Motor 1° Numeral 2° Numeral Classe de proteção Proteção contra contato Proteção contra corpos sólidos Proteção contra água IP11 Pingos de água nas verticas IP12 Pingos de água até uma inclinação de 15° com a vertical IP13 Toque acidental com a mão Corpos sólidos de dimensões de 50 mm Água de chuva de inclinação de 60° com a vertical IP21 Pingos de água nas verticas IP22 Pingos de água até uma inclinação de 15° com a vertical Aberto IP23 Toque com os dedos Corpos sólidos de dimensões acima de 12 mm Água de chuva até uma inclinação de 60° com a vertical IP44 Toque com as ferramentas Corpos sólidos de dimensão acima 1mm Respingos de todas as direções Totalmente fechado IP54 Proteção completa contra toques Protegido contra acúmulo de poeira nociva ao motor Jatos de água de todas as direções
  • 7. Clube da eletrônica Eletricidade Motores de indução trifásicos – Autor: Clodoaldo Silva - Versão: 27Fev2006 7 Tensões e correntes nominais A maioria dos motores é fornecida com terminais do enrolamento religáveis, de modo que podem funcionar em rede de pelo menos duas tensões / correntes diferentes. Os principais tipos de religação de terminais de motores para funcionamento em mais de uma tensão são: a) Ligação estrela – triângulo A conexão estrela permite ligar um motor com tensão nominal V em uma rede V. √3, exemplo, um motor 127 V pode ser ligado a uma rede 220V e motor 220 V pode ser ligado a uma rede 380V e assim por diante. Esse tipo de ligação exige no mínimo seis terminais e serve para quaisquer tensões nominais duplas, desde que a segunda seja igual a primeira multiplicada por √3. A conexão triângulo permite que 100% da tensão da rede seja entregue a cada fase. Ligação estrela Conexão estrela Placa de ligação Ligação triângulo Conexão triângulo Placa de ligação b) Ligação série – paralelo O enrolamento de cada fase é dividido em duas partes. Ligando as duas metades em série o motor, cada metade ficará com metade da tensão de fase nominal do motor.Ligando as duas metades em paralelo, o motor poderá ser alimentado com uma tensão igual a metade da tensão anterior, sem que se altera a tensão aplicada a cada bobina.
  • 8. Clube da eletrônica Eletricidade Motores de indução trifásicos – Autor: Clodoaldo Silva - Versão: 27Fev2006 8 Ligação estrela série – paralelo Ligação triângulo série – paralelo c) Tripla tensão nominal (motor de quatro tensões) Combinando os casos anteriores: o enrolamento de cada fase é dividido em duas metades para a ligação série - paralelo. Além disso, todos os terminais são acessíveis, para podermos ligar as três fases em estrela ou triângulo. Deste modo temos quatro combinações possíveis. Vejamos um exemplo: 220V/380V/440V e 760V. Ligação: Triângulo – paralelo Ligação: Estrela – paralelo Recebe a tensão V (220V) Recebe a V. √3 (380V)
  • 9. Clube da eletrônica Eletricidade Motores de indução trifásicos – Autor: Clodoaldo Silva - Versão: 27Fev2006 9 Ligação: triângulo – série Ligação: estrela – série Recebe o dobro da primeira tensão (440V) Recebe a tensão √3 vezes a terceira (760V) Regime - REG O regime é o grau de regularidade da carga a que o motor é submetido. Os motores normais são projetados para regime contínuo (S1), isto é, um funcionamento com carga constante, por tempo indefinido, desenvolvendo potência nominal. São previstos, por norma, vários tipos de regimes de funcionamento. Rendimento – REND É a relação entre a potência de saída (realmente aproveitada) e a potência de entrada, que pode ser calculado pela seguinte expressão. Fator de potência (cosϕ) O fator de potência (cosϕ), indica a relação entre a potência ativa e a potência aparente. Matematicamente podemos escrever: Referências bibliográficas: http://www.dsee.fee.unicamp.br/~sato/ET515/ET515.html http://www.geindustrial.com.br/download/artigos/nt01.pdf http://www.weg.com.br http://www.tecowestinghouse.com Não somos responsáveis apenas pelo que fazemos, mas também pelo que deixamos de fazer. (Molière, dramaturgo francês) www.clubedaeletronica.com.br