SlideShare uma empresa Scribd logo
Principio de funcionamento do motor de
indução
www.DMC.pt
Diagnóstico de Motores Eléctricos 2
Índice
•Conceitos de Magnetismo
•O motor eléctrico
•Partes constituintes
•Modo de funcionamento
•Tipos de Motores
O íman
Polos
Atracção
O íman
Polos
AtracçãoRepulsão
O íman
Atracção
FERRO
O ELECTROIMAN
FERRO
O ELECTROIMAN
BOBINE EM TORNO DO NUCLEO DE FERRO
O ELECTROIMAN
+ -
N S
Quando se liga os fios a uma alimentação
eléctrica gera-se uma campo electomagnético
O ELECTROIMAN
SE A DIRECÇÃO DA CORRENTE MUDAR A POLARIDADE INVERTE-SE
-+
N S
+-
NS
CONCEITOS DE ELECTROMAGNETISMO
• Campo Magnético criado por uma bobina: Uma bobina é formada por um
condutor enrolado em forma de hélice cilíndrica ou por várias espiras em
serie, muito próximas entre si.
• O campo mágnetico resultante é similar ao de um iman, aparecendo um
polo norte no extremo da bobina por onde saem as linhas de força e um
pólo sul por ontre entra.
•O sentido do campo magnético obtem-se aplicando a regra do sacarolhas,
fazendo-lo girar no sentido da corrente que circule pelas espiras.
A corrente alterna muda de fase
50 vezes por segundo
Num íman electromagnético ocorrerá uma mudança
de polaridade 50 vezes por segundo
CORRENTE ELÉCTRICA TRIFÁSICA
-100,00%
-80,00%
-60,00%
-40,00%
-20,00%
0,00%
20,00%
40,00%
60,00%
80,00%
100,00%
0 90 180 270 360
ANGULO DE FASE
CORRENTE
Fase A Fase B Fase C
A corrente trifásica
INDUÇÃO MAGNÉTICA
•Um circuito eléctrico (espira) submetido a um campo
magnético variável sofre a indução de uma corrente
eléctrica.
•As leis da indução electromagnética conhecem-se como
Faraday e de Lenz.
•Faraday descobrio que quando um fio conductor se move
dentro de um campo magnético e corta as linhas de fluxo
magnético, é induzida nele uma força electromotriz
proporcinal à variação de fluxo.
Indução de corrente num condutor
+
-
Movimento de um condutor num campo magnético
>>>>>>>>>>>>>>>>
Indução de corrente num condutor
+
-
A direcção da corrente inverte-se se a polaridade se inverter
<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<
Lei de FARADAY
Indução de corrente num condutor
Anel de
fecho
Barras do Rotor
Se dois condutores estiverem
ligados e o rotor rodar no
campo magnético, resulta uma
corrente circular
A direcção da corrente muda
duas vezes por rotação
Gerador simples
Anel de
fecho
Barras do Rotor
Se dois condutores estiverem
ligados e o rotor rodar no
campo magnético, resulta uma
corrente circular
A direcção da corrente muda
duas vezes por rotação
Índice
•Conceitos de Magnetismo
•O motor eléctrico
•Partes constituintes
•Modo de funcionamento
•Tipos de Motores
Tipos de Motores Eléctricos
-Estima-se que de 70 a 80% da energia eléctrica consumida pelo
conjunto de todas as industrias seja transformada em energia
mecânica através de motores eléctricos.
Constituição de um Motor
de Indução AC
Um
electroíman
estático
uma
carcaça
um
rotor
montado
em
rolamentos
Ventoinha
•Na indústria as categorias mais
utilizadas são:
•Máquinas de indução (CA)
•Máquinas síncronas (CA)
•Máquinas de corrente continua (CC)
O MOTOR ELÉCTRICO
Máquinas de Indução
•O funcionamiento baseia-se nas propiedades
magnéticas da corrente eléctrica e na possibilidade
de criar, a partir delas, forças de atracção e repulsão.
•Lei de Faraday: num conductor que se move dentro
de um campo magnético gera-se uma diferença de
potencial nos seus extremos proporcional à
velocidade de deslocamento.
Máquinas de Indução
•Caso se tenha um circuito magnético externo, e se
estableça um fluxo mediante bobinas situadas nos polos
inductores.
N
S
V
N
S
V
•Na práctica não se move a parte
externa, e é suficiente um circuito
trifásico imóvil alimentado com um
sistema de tensões tambem trifásico.
Desta forma obtem-se um campo
magnético rotativo.
No circuito magnético interno, de forma cilíndrica, existe uma espira curto-
circuitada. Se giramos a parte exterior a uma velocidade ws, constante, gerar-se-
á na espira uma força electromotriz devida à variação do fluxo que fará circular
uma corrente cujo sentido será tal que tente opor-se à variação do fluxo.
A circulação da corrente pela espira, na presença do campo magnético, dará lugar a
um binário motriz que a fará girar no mesmo sentido do campo.
Máquinas de Indução
A alimentação de 3 fases produz um campo magnético rotativo
N
s
N
s
Fase A
Fase C
Fase C
Estator monofásico
A corrente alterna provoca uma mudança de polaridade a 50 Hz
Estator Trifásico
DE DOIS POLOS
A corrente alterna provoca uma mudança de polaridade a 50 Hz
Fase 1 Fase 2
Fase 3
Rotor
•A diferença fundamental entre o rotor de um motor de indução e o de um motor
síncrono radica-se em que o campo magnético do rotor no caso do de indução é o
resultado do fluxo de corrente induzida nas barras do rotor. Portanto, o rotor de gaiola
de esquilo num motor de indução não está ligado a nenhuma fonte de alimentação
eléctrica (excitatriz).
• O rotor do motor de indução é formado por uma pilha de placas isoladas entre si,
semelhantes às do estator, mas no interior das suas ranhuras não existem
enrolamentos de fios conductores, mas sim barras, normalmente de aluminio, que
vão de um extremo ao outro do rotor e que estão unidas mecanicamente e
eléctricamente aos anéis de curtocircuito.
Anéis de fecho Barras
O rotor é constituído por um núcleo ferromagnético, em segmentos
(ou fundido) no qual se inserem as barras, nas quais são induzidas
correntes provocadas pelo campo magnético gerado no estator.
Rotor Gaiola em Esquilo
Rotor (Sícrono)
•O rotor consiste num iman montado num veio que está centrado
no interior do estator e suportado sobre em rolamentos ou
chumaceiras.
•Este iman, no interior do campo magnético giratório do estator,
sofre forças magnéticas induzidas que o fazem girar à mesma
velocidade de rotação do campo magnético do estator.
•Este é o fundamento das máquinas síncronas, onde o iman do rotor
pode ser um iman permanente, mas normalmente será um
electroiman alimentado por corrente continua DC.
A folga do entreferro (distância entre o rotor e o estator) é
bastante reduzida, de forma a aumentar a eficiência do motor
O entreferro
Força magnética entre rotor e estator
2
2
g
I
KF =
F – força magnética
I – corrente no estator
G - folga do entreferros
K - constante
Em vazio a força magnética é muito fraca !
O principio fundamental do funcionamento de
um motor é o binário de forças induzidas
electromagnéticas.
O entreferro
•O elemento que oferece maior resistência ao fluxo magnético é o entreferro.
• Como consequência, é importante que o valor do entreferro seja pequeno
•É também importante que seja constante em toda a circunferência do
estator, para evitar:
• excentricidades magnéticas,
• distorsões de onda,
• vibrações
• aquecimentos.
Rotor em Gaiola de Esquilo
•O Rotor de Gaiola de Esquilo, é formado por condutores distribuidos uniformente
pelas ranhuras periféricas, formados por barras de cobre ou aluminio e unidas pelos
anéis de curtocircuito.
Anel de Fecho
Segmentos
do núcleo
Barras
condutoras
Estator
• Das duas partes que forman o motor o Estator é a parte fixa, é o inductor e
encontra-se separada do rotor por um espaço conhecido como entreferro.
• Este espaço de ar entre o estator e o rotor é constante em toda a
circunferência.
Estator
• O estator compõe-se básicamente de uma série de bobinas
conductoras dispostas no interior de ranhuras de um núcleo de ferro.
• O núcleo de ferro está fortemente fixo à estructura da carcaça do motor
• É formado por uma pilha de placas delgadas (stacks) de material
ferromagnético, isoladas entre si para evitar as perdas por correntes de
Foucault (correntes induzidas no material que reduzem a eficiência do
motor por aquecimento).
Bobines constituídas por espiras colocadas em
cavas (ranhuras) feitas num núcleo condutor
Estator
Estator
Bobines feitas de enrolamentos individuais de
arame de cobre enrolado
Cada bobine é isolada das outras bobines (esmalte)
Cada espira é isolada das outras espiras (esmalte)
O núcleo magnético é feito de segmentos de chapas
magnéticas
Cada segmento é isolada com uma camada de óxido (ou
verniz)
O núcleo magnético tornar-se-á nos pólos do electroíman
estatórico
Estator
•Os materiais magnéticos utilizados para o
núcleo também são condutores
•A tensão induzida produz corrente, que origina
subida de temperatura reduzindo a eficiência.
•O núcleo laminado reduz a circulação de
corrente.
Exemplo de Segmento
do Estator
As espiras são agrupadas em 3 circuitos eléctricos
separados (3 fases)
Quando os enrolamentos estão montados , o
conjunto do estator é impregnado com um verniz
Estator
Sistemas de Isolamento do Estator
Existem quatro sistemas de isolamento no
estator
Isolamento dos segmentos
Isolamento das espiras
Isolamento das bobines
Verniz de impregnação global
Enrolamento Trifásico
•Normalmente, o estator compõe-se de vários bobinados
independentes no interior das ranhuras (slots) do núcleo, e que são
alimentados pela mesma rede eléctrica, fazendo que o núcleo de
ferro do estator se converta num electroiman. A corrente alterna da
rede (50 Hz) induz no estator um campo magnético de polaridade
alternante na razão de 50 vezes por segundo.
2 polos 3.000 RPM
4 polos 1.500 RPM
6 polos 1.000 RPM
8 polos 750 RPM
Corte do Motor
Arranque do Motor-1
Quando o motor é alimentado.
Origina-se um campo magnético rotativo a partir das bobinas do
estator
Quando o polo norte do estator passa por diante de uma barra do
rotor, induz-se uma corrente na barra. O mesmo está a ocorrer no
polo sul do estator com a barra oposta, induzindo-se uma corrente no
sentido contrário.
O resultado é uma corrente circular no rotor através de uma barra, o
anel de fecho e a outra barra.
Este fluxo circular de corrente através do rotor em torno das laminas
converte o rotor num electroiman.
Arranque do Motor - 2
As forças electromagnéticas são máximas quando o rotor está
parado
O campo magnético do rotor tenta alinhar-se magneticamente
com o do estator.
O rotor vai aumentando de velocidade de rotação numa
tentativa de se alinhar com o campo do estator.
A intensidade de corrente no rotor diminui à medida que as
velocidades se aproximam. Também a intensidade do campo
magnético rotativo – o binário diminui.
Chega a uma altura em que o binário gerado pela diferença de
velocidades é igual à potência pedida ao motor – a velocidade de
rotação estabiliza.
O rotor nunca consegue alcançar a velocidade de rotação do
campo do estator – é esta diferença de velocidades que gera o
binário ( caso atingisse o binário gerado seria nulo)
Escorregamento
Arranque do Motor – 3
Quando o motor arranca , correntes até 10 vezes o normal
percorrem as três fases.
nns s −=
Velocidade de rotação
•Deste modo o motor de indução sempre girará a uma velocidade inferior à do
campo giratório, e dai o nome de assíncrono.
•Velocidade do campo de sincronismo (ns) depende dos seguintes parametros:
ns=120*f/P
f frequência de alimentação (Hz)
P numero de polos inductores
•Denomina-se de deslizamento a diferença entre a velocidade de rotação (n) e a de
sincronismo (ns):
Escorregamento
( FE )
Frequência de escorregamento=
= 3000-2800= 200 cpm
EXEMPLO
3000 RPM
N
S
2800
Velocidade de Rotação do Campo Electromagnético
50 Hz
Nº. Pares de Pólos
2 pólos – 3000 RPM
4 pólos – 1500 RPM
6 pólos – 1000 RPM
Etc.
Motores de Indução
• Os dados de velocidade de rotação do motor que se
indicam na sua placa de especificações referem-se a
condições de plena carga.
• Por exemplo, um motor de 8 polos, 1700 CV e 6000 volt
consumirá 140 amper a plena carga. Caso se reduza a
carga, o consumo diminuirá e o motor aumentará a sua
velocidade ligeiramente por cima da especificada na placa.
Neste tipo de motores a velocidade de rotação varia
sempre em função da carga.
Motores de Indução
• Quando um motor arranca desde repouso, a corrente
induzida nas barras do rotor é normalmente 6 vezes maior
que o consumo nominal indicada na placa para plena carga.
•Produzindo grande quantidade de calor,
•Razão pela qual os motores de grande dimensão têm
limitado o número de arranques por hora, a temperatura
máxima de estabilisação entre arranques, ou um sistema
estrela-triângulo temporizado para limitar o consumo no
arranque preservar o motor de um aquecimento excesivo
que danifique o isolamento do estator ou as barras do rotor.
Indice
•Conceitos de Magnetismo
•O motor eléctrico
•Partes constituintes
•Modo de funcionamento
•Tipos de Motores
Tipos de Rotor
Gaiola de Esquilo Rotor Bobinado
Anel de Fecho
Segmentos
do núcleo
Barras
condutoras
Bobines
Segmentos
do núcleo
Rotor Bobinado
• Consiste num cilindro formado por discos paralelos contiguos e isolados, providos
de ranhuras isoladas ao longo da sua superficie exterior sobre os quais se
encontram as espiras ou bobinados fechados por si mesmos.
• O objetivo das espiras, é o de fazer circular através de elas as correntes induzidas,
para criar um campo magnético em sentido contrário ao que é produzido pelo
estator.
• As três fases costumam-se ligar em estrela e os terminais livres ligam-se a três
anéis colectores isolados entre si do veio , sobre os quais deslizam escovas. A
missão destas escovas é unir o bobinado rotórico a um reóstato apropiado.
• O uso destes tipos de motores é menor que os anteriores e utiliza-se
especialmente para motores de grande potência e tamanho, em que a corrente de
arranque rotórica se regula desde o exterior.
Rotor Bobinado
• Condições constructivas do bobinado
rotórico relativamente ao estatórico:
•O nº de polos e de fases de ambos os
bobinados tem de ser igual.
•O nº de ranhuras do rotor e do estator
tem de ser distinto a fim de evitar pontos
mortos no arranque do motor.
Máquinas SINCRONAS
•A sua velocidade de rotação é constante e uniforme, sendo regulada
pela frequência da corrente de alimentação.
•Utilizam-se no caso de se necessitar grandes potências já que
apresentam maiores rendimentos.
•Aqui a velocidade será: (para 50 Hz)
ns=120.f/P
2 polos 3000
4 polos 1500
6 polos 1000
8 polos 750
10polos 600
12polos 500
Máquinas SINCRONAS
•A complexidade apresenta-se ao necessitar de uma corrente contínua que excita
o rotor (inductor), e uma alterna que excita o estator (induzido).
•O campo variável do estator faz girar o rotor a uma velocidade fixa e constante de
sincronismo que depende da frequência da tensão alterna aplicada.
•No caso de que a carga aplicada no seu veio ultrapasse o valor limite, o motor já
não poderia seguir as alternancias da corrente no estator, desacoplando-se, com o
que o rotor poderia imobilizar-se rápidamente. Neste caso, a corrente do induzido
poderia aumentar alcançando valores de intensidade alarmantes.
Máquinas de CORRENTE CONTINUA
• Nos motores DC, como o seu nome indica, é necessário aplicar ao induzido uma
corrente continua para produzir movimento, assim como no inductor (no caso em que
seja do tipo de electroiman) conhecendo-se esta última como corrente de excitação.
• Complexidade constructiva - maior fragilidade, pela presença do colector e das escovas.
• O Colector, é o que faz inverter o sentido de circulação de corrente nas bobinas do
rotor.
• As escovas que transportam a corrente externa para o Colector, geram sobretensões e chispas, que
vão degradando o conjunto Colector.
Pode ver um artigo sobre este tema neste link
www.DMC.com
https://www.dmc.pt/analise-de-vibracoes-
em-motores-eletricos/
OBRIGADO
Esperamos que esta
apresentação tenho
sido interessante

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

03 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Modos de Falha
03 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Modos de Falha03 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Modos de Falha
03 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Modos de Falha
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Máquinas síncronas
Máquinas síncronasMáquinas síncronas
Máquinas síncronas
eselco
 
motores trifasicos de ca
  motores trifasicos de ca  motores trifasicos de ca
motores trifasicos de ca
Renato Campos
 
Curso de medição de vibrações
Curso de medição de vibraçõesCurso de medição de vibrações
Curso de medição de vibrações
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Motores elétricos de ca
Motores elétricos de caMotores elétricos de ca
Motores elétricos de ca
Claudio Queiroz Nascimento
 
1 análise de vibração - definições técnicas
1  análise de vibração - definições técnicas1  análise de vibração - definições técnicas
1 análise de vibração - definições técnicas
Evaldo Agnoletto
 
08 Diagnóstico de Motores Eléctricos - A Análise de Corrente
08 Diagnóstico de Motores Eléctricos - A Análise de Corrente08 Diagnóstico de Motores Eléctricos - A Análise de Corrente
08 Diagnóstico de Motores Eléctricos - A Análise de Corrente
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentosI Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
U09 instalacoes para motores eletricos
U09 instalacoes para motores eletricosU09 instalacoes para motores eletricos
U09 instalacoes para motores eletricos
\Renato costa
 
Análise de vibraçoes e envelope
Análise de vibraçoes e envelopeAnálise de vibraçoes e envelope
Análise de vibraçoes e envelope
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Apresentação motores de indução
Apresentação motores de induçãoApresentação motores de indução
Apresentação motores de indução
Luiz Carlos Farkas
 
Apostila senai materiais e equipamentos de instalações elétricas(1)
Apostila senai   materiais e equipamentos de instalações elétricas(1)Apostila senai   materiais e equipamentos de instalações elétricas(1)
Apostila senai materiais e equipamentos de instalações elétricas(1)
silvanojsilva
 
5ª aula pratica com inversor de frequencia
5ª aula pratica com inversor de frequencia5ª aula pratica com inversor de frequencia
5ª aula pratica com inversor de frequencia
AnaMacedoeletrical
 
Tabela de defeitos e espectros
Tabela de defeitos e espectrosTabela de defeitos e espectros
Tabela de defeitos e espectros
RODRIGO GERMANO DA SILVA
 
TP e TCs
TP e TCsTP e TCs
TP e TCs
DENIVALDO
 
Apostila de instalação e manutenção de motores elétricos weg
Apostila de instalação e manutenção de motores elétricos wegApostila de instalação e manutenção de motores elétricos weg
Apostila de instalação e manutenção de motores elétricos weg
Claudio Arkan
 
Catalogo de motores weg
Catalogo de motores wegCatalogo de motores weg
Catalogo de motores weg
Javerson Rodrigues
 
Balanceamento
BalanceamentoBalanceamento
Balanceamento
Pedro Henrique
 
Maquinas eletricas
Maquinas eletricasMaquinas eletricas
Maquinas eletricas
Francisco Costa
 
Motores weg
Motores   wegMotores   weg

Mais procurados (20)

03 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Modos de Falha
03 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Modos de Falha03 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Modos de Falha
03 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Modos de Falha
 
Máquinas síncronas
Máquinas síncronasMáquinas síncronas
Máquinas síncronas
 
motores trifasicos de ca
  motores trifasicos de ca  motores trifasicos de ca
motores trifasicos de ca
 
Curso de medição de vibrações
Curso de medição de vibraçõesCurso de medição de vibrações
Curso de medição de vibrações
 
Motores elétricos de ca
Motores elétricos de caMotores elétricos de ca
Motores elétricos de ca
 
1 análise de vibração - definições técnicas
1  análise de vibração - definições técnicas1  análise de vibração - definições técnicas
1 análise de vibração - definições técnicas
 
08 Diagnóstico de Motores Eléctricos - A Análise de Corrente
08 Diagnóstico de Motores Eléctricos - A Análise de Corrente08 Diagnóstico de Motores Eléctricos - A Análise de Corrente
08 Diagnóstico de Motores Eléctricos - A Análise de Corrente
 
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentosI Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
 
U09 instalacoes para motores eletricos
U09 instalacoes para motores eletricosU09 instalacoes para motores eletricos
U09 instalacoes para motores eletricos
 
Análise de vibraçoes e envelope
Análise de vibraçoes e envelopeAnálise de vibraçoes e envelope
Análise de vibraçoes e envelope
 
Apresentação motores de indução
Apresentação motores de induçãoApresentação motores de indução
Apresentação motores de indução
 
Apostila senai materiais e equipamentos de instalações elétricas(1)
Apostila senai   materiais e equipamentos de instalações elétricas(1)Apostila senai   materiais e equipamentos de instalações elétricas(1)
Apostila senai materiais e equipamentos de instalações elétricas(1)
 
5ª aula pratica com inversor de frequencia
5ª aula pratica com inversor de frequencia5ª aula pratica com inversor de frequencia
5ª aula pratica com inversor de frequencia
 
Tabela de defeitos e espectros
Tabela de defeitos e espectrosTabela de defeitos e espectros
Tabela de defeitos e espectros
 
TP e TCs
TP e TCsTP e TCs
TP e TCs
 
Apostila de instalação e manutenção de motores elétricos weg
Apostila de instalação e manutenção de motores elétricos wegApostila de instalação e manutenção de motores elétricos weg
Apostila de instalação e manutenção de motores elétricos weg
 
Catalogo de motores weg
Catalogo de motores wegCatalogo de motores weg
Catalogo de motores weg
 
Balanceamento
BalanceamentoBalanceamento
Balanceamento
 
Maquinas eletricas
Maquinas eletricasMaquinas eletricas
Maquinas eletricas
 
Motores weg
Motores   wegMotores   weg
Motores weg
 

Semelhante a 02 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Princípio de Funcionamento

motores e geradores
motores e geradoresmotores e geradores
motores e geradores
Gabriela Lopes
 
SLIDE MAQUINAS II.pptx
SLIDE MAQUINAS II.pptxSLIDE MAQUINAS II.pptx
SLIDE MAQUINAS II.pptx
antoniogff
 
Teoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativasTeoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativas
Rodrigo Prado
 
aula_11.pdf
aula_11.pdfaula_11.pdf
Máquinas elétricas rotativas
Máquinas elétricas rotativas Máquinas elétricas rotativas
Máquinas elétricas rotativas
Manuel Augusto Jr.
 
xcxc
xcxcxcxc
xcxc
Josy Noel
 
Ce aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina ccCe aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina cc
Igor Fortal
 
Motor de inducao_parte_teorica
Motor de inducao_parte_teoricaMotor de inducao_parte_teorica
Motor de inducao_parte_teorica
Daniel Ferrari
 
SLIDE MAQUINAS ELÉTRICAS II 3º ANO.pdf
SLIDE MAQUINAS ELÉTRICAS II 3º ANO.pdfSLIDE MAQUINAS ELÉTRICAS II 3º ANO.pdf
SLIDE MAQUINAS ELÉTRICAS II 3º ANO.pdf
antoniogff
 
Máquinas cc
Máquinas ccMáquinas cc
Máquinas cc
A.C MADEIRA
 
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdfte039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
antoniogff
 
Curso (MÁQUINAS ELÉTRICAS).pptx
Curso (MÁQUINAS ELÉTRICAS).pptxCurso (MÁQUINAS ELÉTRICAS).pptx
Curso (MÁQUINAS ELÉTRICAS).pptx
mmessiasamaral
 
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
DeyvidDacoregio
 
Relatório Motor Casseiro de Corrente Contínua
Relatório Motor Casseiro de Corrente ContínuaRelatório Motor Casseiro de Corrente Contínua
Relatório Motor Casseiro de Corrente Contínua
Fernando Filho
 
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdfte344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
Tomaz13
 
Aula 04 eletricidade - acionamento de motores elétricos
Aula 04   eletricidade - acionamento de motores elétricosAula 04   eletricidade - acionamento de motores elétricos
Aula 04 eletricidade - acionamento de motores elétricos
Renaldo Adriano
 
Motores de Indução 2023.pptx
Motores de Indução 2023.pptxMotores de Indução 2023.pptx
Motores de Indução 2023.pptx
joelson37
 
05 -motores_e_geradores_eletricos
05  -motores_e_geradores_eletricos05  -motores_e_geradores_eletricos
05 -motores_e_geradores_eletricos
Daiane Cassol
 
Apostila maquinas eletricas_2
Apostila maquinas eletricas_2Apostila maquinas eletricas_2
Apostila maquinas eletricas_2
João Carlos Silva
 
A_P_O_S_T_I_L_A_COMANDO_E_MOTORES_ELETRI.pdf
A_P_O_S_T_I_L_A_COMANDO_E_MOTORES_ELETRI.pdfA_P_O_S_T_I_L_A_COMANDO_E_MOTORES_ELETRI.pdf
A_P_O_S_T_I_L_A_COMANDO_E_MOTORES_ELETRI.pdf
ssuser823aef
 

Semelhante a 02 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Princípio de Funcionamento (20)

motores e geradores
motores e geradoresmotores e geradores
motores e geradores
 
SLIDE MAQUINAS II.pptx
SLIDE MAQUINAS II.pptxSLIDE MAQUINAS II.pptx
SLIDE MAQUINAS II.pptx
 
Teoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativasTeoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativas
 
aula_11.pdf
aula_11.pdfaula_11.pdf
aula_11.pdf
 
Máquinas elétricas rotativas
Máquinas elétricas rotativas Máquinas elétricas rotativas
Máquinas elétricas rotativas
 
xcxc
xcxcxcxc
xcxc
 
Ce aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina ccCe aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina cc
 
Motor de inducao_parte_teorica
Motor de inducao_parte_teoricaMotor de inducao_parte_teorica
Motor de inducao_parte_teorica
 
SLIDE MAQUINAS ELÉTRICAS II 3º ANO.pdf
SLIDE MAQUINAS ELÉTRICAS II 3º ANO.pdfSLIDE MAQUINAS ELÉTRICAS II 3º ANO.pdf
SLIDE MAQUINAS ELÉTRICAS II 3º ANO.pdf
 
Máquinas cc
Máquinas ccMáquinas cc
Máquinas cc
 
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdfte039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
 
Curso (MÁQUINAS ELÉTRICAS).pptx
Curso (MÁQUINAS ELÉTRICAS).pptxCurso (MÁQUINAS ELÉTRICAS).pptx
Curso (MÁQUINAS ELÉTRICAS).pptx
 
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
 
Relatório Motor Casseiro de Corrente Contínua
Relatório Motor Casseiro de Corrente ContínuaRelatório Motor Casseiro de Corrente Contínua
Relatório Motor Casseiro de Corrente Contínua
 
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdfte344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
 
Aula 04 eletricidade - acionamento de motores elétricos
Aula 04   eletricidade - acionamento de motores elétricosAula 04   eletricidade - acionamento de motores elétricos
Aula 04 eletricidade - acionamento de motores elétricos
 
Motores de Indução 2023.pptx
Motores de Indução 2023.pptxMotores de Indução 2023.pptx
Motores de Indução 2023.pptx
 
05 -motores_e_geradores_eletricos
05  -motores_e_geradores_eletricos05  -motores_e_geradores_eletricos
05 -motores_e_geradores_eletricos
 
Apostila maquinas eletricas_2
Apostila maquinas eletricas_2Apostila maquinas eletricas_2
Apostila maquinas eletricas_2
 
A_P_O_S_T_I_L_A_COMANDO_E_MOTORES_ELETRI.pdf
A_P_O_S_T_I_L_A_COMANDO_E_MOTORES_ELETRI.pdfA_P_O_S_T_I_L_A_COMANDO_E_MOTORES_ELETRI.pdf
A_P_O_S_T_I_L_A_COMANDO_E_MOTORES_ELETRI.pdf
 

Mais de DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda

Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursosRecursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Sistemas de monitorização de vibrações wireless casos práticos
Sistemas de monitorização de vibrações wireless   casos práticosSistemas de monitorização de vibrações wireless   casos práticos
Sistemas de monitorização de vibrações wireless casos práticos
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Caso práctico ventilador
Caso práctico ventiladorCaso práctico ventilador
Caso práctico ventilador
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Caso practico bomba
Caso practico bombaCaso practico bomba
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibrações XII - unidades dos eixos do espetro de frequência
Analisador de vibrações XII -   unidades dos eixos do espetro de frequênciaAnalisador de vibrações XII -   unidades dos eixos do espetro de frequência
Analisador de vibrações XII - unidades dos eixos do espetro de frequência
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibrações X o Cepstro
Analisador de vibrações X  o CepstroAnalisador de vibrações X  o Cepstro
Analisador de vibrações X o Cepstro
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
MCM exemplo prático de aplicação - Base solta
MCM exemplo prático de aplicação - Base soltaMCM exemplo prático de aplicação - Base solta
MCM exemplo prático de aplicação - Base solta
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionadaMCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibraçôes IX Funções de um canal no tempo
Analisador de vibraçôes IX   Funções de um canal no tempoAnalisador de vibraçôes IX   Funções de um canal no tempo
Analisador de vibraçôes IX Funções de um canal no tempo
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibrações VIII Função de dois canais no domínio do tempo - or...
Analisador de vibrações VIII   Função de dois canais no domínio do tempo - or...Analisador de vibrações VIII   Função de dois canais no domínio do tempo - or...
Analisador de vibrações VIII Função de dois canais no domínio do tempo - or...
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibrações 7 - Funções de dois canais no domínio da frequência
Analisador de vibrações 7   - Funções de dois canais no domínio da frequênciaAnalisador de vibrações 7   - Funções de dois canais no domínio da frequência
Analisador de vibrações 7 - Funções de dois canais no domínio da frequência
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
MCM exemplos práticos - avaria no rotor
MCM exemplos práticos  - avaria no rotorMCM exemplos práticos  - avaria no rotor
MCM exemplos práticos - avaria no rotor
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM CASO...
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM  CASO...Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM  CASO...
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM CASO...
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
III Analise de vibrações em rolamentos - Exemplos de análise do envelope
III Analise de vibrações em rolamentos   - Exemplos de análise do envelopeIII Analise de vibrações em rolamentos   - Exemplos de análise do envelope
III Analise de vibrações em rolamentos - Exemplos de análise do envelope
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
II Análise de vibrações em rolamentos - análise do envelope
II Análise de vibrações em rolamentos  - análise do envelopeII Análise de vibrações em rolamentos  - análise do envelope
II Análise de vibrações em rolamentos - análise do envelope
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Controlo de condição em engrenagens - integração de técnicas
Controlo de condição em engrenagens  -  integração de técnicasControlo de condição em engrenagens  -  integração de técnicas
Controlo de condição em engrenagens - integração de técnicas
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Introdução ao Curso de Análise de Vibrações em Engrenagens
Introdução ao  Curso de Análise de Vibrações em EngrenagensIntrodução ao  Curso de Análise de Vibrações em Engrenagens
Introdução ao Curso de Análise de Vibrações em Engrenagens
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 

Mais de DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda (20)

Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursosRecursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
 
Sistemas de monitorização de vibrações wireless casos práticos
Sistemas de monitorização de vibrações wireless   casos práticosSistemas de monitorização de vibrações wireless   casos práticos
Sistemas de monitorização de vibrações wireless casos práticos
 
Caso práctico ventilador
Caso práctico ventiladorCaso práctico ventilador
Caso práctico ventilador
 
Caso practico bomba
Caso practico bombaCaso practico bomba
Caso practico bomba
 
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
 
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
 
Analisador de vibrações XII - unidades dos eixos do espetro de frequência
Analisador de vibrações XII -   unidades dos eixos do espetro de frequênciaAnalisador de vibrações XII -   unidades dos eixos do espetro de frequência
Analisador de vibrações XII - unidades dos eixos do espetro de frequência
 
Analisador de vibrações X o Cepstro
Analisador de vibrações X  o CepstroAnalisador de vibrações X  o Cepstro
Analisador de vibrações X o Cepstro
 
MCM exemplo prático de aplicação - Base solta
MCM exemplo prático de aplicação - Base soltaMCM exemplo prático de aplicação - Base solta
MCM exemplo prático de aplicação - Base solta
 
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionadaMCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
 
Analisador de vibraçôes IX Funções de um canal no tempo
Analisador de vibraçôes IX   Funções de um canal no tempoAnalisador de vibraçôes IX   Funções de um canal no tempo
Analisador de vibraçôes IX Funções de um canal no tempo
 
Analisador de vibrações VIII Função de dois canais no domínio do tempo - or...
Analisador de vibrações VIII   Função de dois canais no domínio do tempo - or...Analisador de vibrações VIII   Função de dois canais no domínio do tempo - or...
Analisador de vibrações VIII Função de dois canais no domínio do tempo - or...
 
Analisador de vibrações 7 - Funções de dois canais no domínio da frequência
Analisador de vibrações 7   - Funções de dois canais no domínio da frequênciaAnalisador de vibrações 7   - Funções de dois canais no domínio da frequência
Analisador de vibrações 7 - Funções de dois canais no domínio da frequência
 
MCM exemplos práticos - avaria no rotor
MCM exemplos práticos  - avaria no rotorMCM exemplos práticos  - avaria no rotor
MCM exemplos práticos - avaria no rotor
 
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM CASO...
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM  CASO...Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM  CASO...
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM CASO...
 
III Analise de vibrações em rolamentos - Exemplos de análise do envelope
III Analise de vibrações em rolamentos   - Exemplos de análise do envelopeIII Analise de vibrações em rolamentos   - Exemplos de análise do envelope
III Analise de vibrações em rolamentos - Exemplos de análise do envelope
 
II Análise de vibrações em rolamentos - análise do envelope
II Análise de vibrações em rolamentos  - análise do envelopeII Análise de vibrações em rolamentos  - análise do envelope
II Análise de vibrações em rolamentos - análise do envelope
 
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
 
Controlo de condição em engrenagens - integração de técnicas
Controlo de condição em engrenagens  -  integração de técnicasControlo de condição em engrenagens  -  integração de técnicas
Controlo de condição em engrenagens - integração de técnicas
 
Introdução ao Curso de Análise de Vibrações em Engrenagens
Introdução ao  Curso de Análise de Vibrações em EngrenagensIntrodução ao  Curso de Análise de Vibrações em Engrenagens
Introdução ao Curso de Análise de Vibrações em Engrenagens
 

02 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Princípio de Funcionamento

  • 1. Principio de funcionamento do motor de indução www.DMC.pt Diagnóstico de Motores Eléctricos 2
  • 2. Índice •Conceitos de Magnetismo •O motor eléctrico •Partes constituintes •Modo de funcionamento •Tipos de Motores
  • 7. O ELECTROIMAN BOBINE EM TORNO DO NUCLEO DE FERRO
  • 8. O ELECTROIMAN + - N S Quando se liga os fios a uma alimentação eléctrica gera-se uma campo electomagnético
  • 9. O ELECTROIMAN SE A DIRECÇÃO DA CORRENTE MUDAR A POLARIDADE INVERTE-SE -+ N S +- NS
  • 10. CONCEITOS DE ELECTROMAGNETISMO • Campo Magnético criado por uma bobina: Uma bobina é formada por um condutor enrolado em forma de hélice cilíndrica ou por várias espiras em serie, muito próximas entre si. • O campo mágnetico resultante é similar ao de um iman, aparecendo um polo norte no extremo da bobina por onde saem as linhas de força e um pólo sul por ontre entra. •O sentido do campo magnético obtem-se aplicando a regra do sacarolhas, fazendo-lo girar no sentido da corrente que circule pelas espiras.
  • 11. A corrente alterna muda de fase 50 vezes por segundo Num íman electromagnético ocorrerá uma mudança de polaridade 50 vezes por segundo
  • 12. CORRENTE ELÉCTRICA TRIFÁSICA -100,00% -80,00% -60,00% -40,00% -20,00% 0,00% 20,00% 40,00% 60,00% 80,00% 100,00% 0 90 180 270 360 ANGULO DE FASE CORRENTE Fase A Fase B Fase C A corrente trifásica
  • 13. INDUÇÃO MAGNÉTICA •Um circuito eléctrico (espira) submetido a um campo magnético variável sofre a indução de uma corrente eléctrica. •As leis da indução electromagnética conhecem-se como Faraday e de Lenz. •Faraday descobrio que quando um fio conductor se move dentro de um campo magnético e corta as linhas de fluxo magnético, é induzida nele uma força electromotriz proporcinal à variação de fluxo.
  • 14. Indução de corrente num condutor + - Movimento de um condutor num campo magnético >>>>>>>>>>>>>>>>
  • 15. Indução de corrente num condutor + - A direcção da corrente inverte-se se a polaridade se inverter <<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<
  • 16. Lei de FARADAY Indução de corrente num condutor Anel de fecho Barras do Rotor Se dois condutores estiverem ligados e o rotor rodar no campo magnético, resulta uma corrente circular A direcção da corrente muda duas vezes por rotação
  • 17. Gerador simples Anel de fecho Barras do Rotor Se dois condutores estiverem ligados e o rotor rodar no campo magnético, resulta uma corrente circular A direcção da corrente muda duas vezes por rotação
  • 18. Índice •Conceitos de Magnetismo •O motor eléctrico •Partes constituintes •Modo de funcionamento •Tipos de Motores
  • 19. Tipos de Motores Eléctricos -Estima-se que de 70 a 80% da energia eléctrica consumida pelo conjunto de todas as industrias seja transformada em energia mecânica através de motores eléctricos.
  • 20. Constituição de um Motor de Indução AC Um electroíman estático uma carcaça um rotor montado em rolamentos Ventoinha
  • 21. •Na indústria as categorias mais utilizadas são: •Máquinas de indução (CA) •Máquinas síncronas (CA) •Máquinas de corrente continua (CC) O MOTOR ELÉCTRICO
  • 22. Máquinas de Indução •O funcionamiento baseia-se nas propiedades magnéticas da corrente eléctrica e na possibilidade de criar, a partir delas, forças de atracção e repulsão. •Lei de Faraday: num conductor que se move dentro de um campo magnético gera-se uma diferença de potencial nos seus extremos proporcional à velocidade de deslocamento.
  • 23. Máquinas de Indução •Caso se tenha um circuito magnético externo, e se estableça um fluxo mediante bobinas situadas nos polos inductores. N S V
  • 24. N S V •Na práctica não se move a parte externa, e é suficiente um circuito trifásico imóvil alimentado com um sistema de tensões tambem trifásico. Desta forma obtem-se um campo magnético rotativo. No circuito magnético interno, de forma cilíndrica, existe uma espira curto- circuitada. Se giramos a parte exterior a uma velocidade ws, constante, gerar-se- á na espira uma força electromotriz devida à variação do fluxo que fará circular uma corrente cujo sentido será tal que tente opor-se à variação do fluxo. A circulação da corrente pela espira, na presença do campo magnético, dará lugar a um binário motriz que a fará girar no mesmo sentido do campo. Máquinas de Indução
  • 25. A alimentação de 3 fases produz um campo magnético rotativo N s N s Fase A Fase C Fase C
  • 26. Estator monofásico A corrente alterna provoca uma mudança de polaridade a 50 Hz
  • 27. Estator Trifásico DE DOIS POLOS A corrente alterna provoca uma mudança de polaridade a 50 Hz Fase 1 Fase 2 Fase 3
  • 28. Rotor •A diferença fundamental entre o rotor de um motor de indução e o de um motor síncrono radica-se em que o campo magnético do rotor no caso do de indução é o resultado do fluxo de corrente induzida nas barras do rotor. Portanto, o rotor de gaiola de esquilo num motor de indução não está ligado a nenhuma fonte de alimentação eléctrica (excitatriz). • O rotor do motor de indução é formado por uma pilha de placas isoladas entre si, semelhantes às do estator, mas no interior das suas ranhuras não existem enrolamentos de fios conductores, mas sim barras, normalmente de aluminio, que vão de um extremo ao outro do rotor e que estão unidas mecanicamente e eléctricamente aos anéis de curtocircuito.
  • 29. Anéis de fecho Barras O rotor é constituído por um núcleo ferromagnético, em segmentos (ou fundido) no qual se inserem as barras, nas quais são induzidas correntes provocadas pelo campo magnético gerado no estator. Rotor Gaiola em Esquilo
  • 30. Rotor (Sícrono) •O rotor consiste num iman montado num veio que está centrado no interior do estator e suportado sobre em rolamentos ou chumaceiras. •Este iman, no interior do campo magnético giratório do estator, sofre forças magnéticas induzidas que o fazem girar à mesma velocidade de rotação do campo magnético do estator. •Este é o fundamento das máquinas síncronas, onde o iman do rotor pode ser um iman permanente, mas normalmente será um electroiman alimentado por corrente continua DC.
  • 31. A folga do entreferro (distância entre o rotor e o estator) é bastante reduzida, de forma a aumentar a eficiência do motor O entreferro
  • 32. Força magnética entre rotor e estator 2 2 g I KF = F – força magnética I – corrente no estator G - folga do entreferros K - constante Em vazio a força magnética é muito fraca ! O principio fundamental do funcionamento de um motor é o binário de forças induzidas electromagnéticas.
  • 33. O entreferro •O elemento que oferece maior resistência ao fluxo magnético é o entreferro. • Como consequência, é importante que o valor do entreferro seja pequeno •É também importante que seja constante em toda a circunferência do estator, para evitar: • excentricidades magnéticas, • distorsões de onda, • vibrações • aquecimentos.
  • 34. Rotor em Gaiola de Esquilo •O Rotor de Gaiola de Esquilo, é formado por condutores distribuidos uniformente pelas ranhuras periféricas, formados por barras de cobre ou aluminio e unidas pelos anéis de curtocircuito. Anel de Fecho Segmentos do núcleo Barras condutoras
  • 35. Estator • Das duas partes que forman o motor o Estator é a parte fixa, é o inductor e encontra-se separada do rotor por um espaço conhecido como entreferro. • Este espaço de ar entre o estator e o rotor é constante em toda a circunferência.
  • 36. Estator • O estator compõe-se básicamente de uma série de bobinas conductoras dispostas no interior de ranhuras de um núcleo de ferro. • O núcleo de ferro está fortemente fixo à estructura da carcaça do motor • É formado por uma pilha de placas delgadas (stacks) de material ferromagnético, isoladas entre si para evitar as perdas por correntes de Foucault (correntes induzidas no material que reduzem a eficiência do motor por aquecimento).
  • 37. Bobines constituídas por espiras colocadas em cavas (ranhuras) feitas num núcleo condutor Estator
  • 38. Estator Bobines feitas de enrolamentos individuais de arame de cobre enrolado Cada bobine é isolada das outras bobines (esmalte) Cada espira é isolada das outras espiras (esmalte)
  • 39. O núcleo magnético é feito de segmentos de chapas magnéticas Cada segmento é isolada com uma camada de óxido (ou verniz) O núcleo magnético tornar-se-á nos pólos do electroíman estatórico Estator •Os materiais magnéticos utilizados para o núcleo também são condutores •A tensão induzida produz corrente, que origina subida de temperatura reduzindo a eficiência. •O núcleo laminado reduz a circulação de corrente. Exemplo de Segmento do Estator
  • 40. As espiras são agrupadas em 3 circuitos eléctricos separados (3 fases) Quando os enrolamentos estão montados , o conjunto do estator é impregnado com um verniz Estator
  • 41. Sistemas de Isolamento do Estator Existem quatro sistemas de isolamento no estator Isolamento dos segmentos Isolamento das espiras Isolamento das bobines Verniz de impregnação global
  • 42. Enrolamento Trifásico •Normalmente, o estator compõe-se de vários bobinados independentes no interior das ranhuras (slots) do núcleo, e que são alimentados pela mesma rede eléctrica, fazendo que o núcleo de ferro do estator se converta num electroiman. A corrente alterna da rede (50 Hz) induz no estator um campo magnético de polaridade alternante na razão de 50 vezes por segundo. 2 polos 3.000 RPM 4 polos 1.500 RPM 6 polos 1.000 RPM 8 polos 750 RPM
  • 44. Arranque do Motor-1 Quando o motor é alimentado. Origina-se um campo magnético rotativo a partir das bobinas do estator Quando o polo norte do estator passa por diante de uma barra do rotor, induz-se uma corrente na barra. O mesmo está a ocorrer no polo sul do estator com a barra oposta, induzindo-se uma corrente no sentido contrário. O resultado é uma corrente circular no rotor através de uma barra, o anel de fecho e a outra barra. Este fluxo circular de corrente através do rotor em torno das laminas converte o rotor num electroiman.
  • 45. Arranque do Motor - 2 As forças electromagnéticas são máximas quando o rotor está parado O campo magnético do rotor tenta alinhar-se magneticamente com o do estator. O rotor vai aumentando de velocidade de rotação numa tentativa de se alinhar com o campo do estator. A intensidade de corrente no rotor diminui à medida que as velocidades se aproximam. Também a intensidade do campo magnético rotativo – o binário diminui.
  • 46. Chega a uma altura em que o binário gerado pela diferença de velocidades é igual à potência pedida ao motor – a velocidade de rotação estabiliza. O rotor nunca consegue alcançar a velocidade de rotação do campo do estator – é esta diferença de velocidades que gera o binário ( caso atingisse o binário gerado seria nulo) Escorregamento Arranque do Motor – 3 Quando o motor arranca , correntes até 10 vezes o normal percorrem as três fases.
  • 47. nns s −= Velocidade de rotação •Deste modo o motor de indução sempre girará a uma velocidade inferior à do campo giratório, e dai o nome de assíncrono. •Velocidade do campo de sincronismo (ns) depende dos seguintes parametros: ns=120*f/P f frequência de alimentação (Hz) P numero de polos inductores •Denomina-se de deslizamento a diferença entre a velocidade de rotação (n) e a de sincronismo (ns):
  • 48. Escorregamento ( FE ) Frequência de escorregamento= = 3000-2800= 200 cpm EXEMPLO 3000 RPM N S 2800
  • 49. Velocidade de Rotação do Campo Electromagnético 50 Hz Nº. Pares de Pólos 2 pólos – 3000 RPM 4 pólos – 1500 RPM 6 pólos – 1000 RPM Etc.
  • 50. Motores de Indução • Os dados de velocidade de rotação do motor que se indicam na sua placa de especificações referem-se a condições de plena carga. • Por exemplo, um motor de 8 polos, 1700 CV e 6000 volt consumirá 140 amper a plena carga. Caso se reduza a carga, o consumo diminuirá e o motor aumentará a sua velocidade ligeiramente por cima da especificada na placa. Neste tipo de motores a velocidade de rotação varia sempre em função da carga.
  • 51. Motores de Indução • Quando um motor arranca desde repouso, a corrente induzida nas barras do rotor é normalmente 6 vezes maior que o consumo nominal indicada na placa para plena carga. •Produzindo grande quantidade de calor, •Razão pela qual os motores de grande dimensão têm limitado o número de arranques por hora, a temperatura máxima de estabilisação entre arranques, ou um sistema estrela-triângulo temporizado para limitar o consumo no arranque preservar o motor de um aquecimento excesivo que danifique o isolamento do estator ou as barras do rotor.
  • 52. Indice •Conceitos de Magnetismo •O motor eléctrico •Partes constituintes •Modo de funcionamento •Tipos de Motores
  • 53. Tipos de Rotor Gaiola de Esquilo Rotor Bobinado Anel de Fecho Segmentos do núcleo Barras condutoras Bobines Segmentos do núcleo
  • 54. Rotor Bobinado • Consiste num cilindro formado por discos paralelos contiguos e isolados, providos de ranhuras isoladas ao longo da sua superficie exterior sobre os quais se encontram as espiras ou bobinados fechados por si mesmos. • O objetivo das espiras, é o de fazer circular através de elas as correntes induzidas, para criar um campo magnético em sentido contrário ao que é produzido pelo estator. • As três fases costumam-se ligar em estrela e os terminais livres ligam-se a três anéis colectores isolados entre si do veio , sobre os quais deslizam escovas. A missão destas escovas é unir o bobinado rotórico a um reóstato apropiado. • O uso destes tipos de motores é menor que os anteriores e utiliza-se especialmente para motores de grande potência e tamanho, em que a corrente de arranque rotórica se regula desde o exterior.
  • 55. Rotor Bobinado • Condições constructivas do bobinado rotórico relativamente ao estatórico: •O nº de polos e de fases de ambos os bobinados tem de ser igual. •O nº de ranhuras do rotor e do estator tem de ser distinto a fim de evitar pontos mortos no arranque do motor.
  • 56. Máquinas SINCRONAS •A sua velocidade de rotação é constante e uniforme, sendo regulada pela frequência da corrente de alimentação. •Utilizam-se no caso de se necessitar grandes potências já que apresentam maiores rendimentos. •Aqui a velocidade será: (para 50 Hz) ns=120.f/P 2 polos 3000 4 polos 1500 6 polos 1000 8 polos 750 10polos 600 12polos 500
  • 57. Máquinas SINCRONAS •A complexidade apresenta-se ao necessitar de uma corrente contínua que excita o rotor (inductor), e uma alterna que excita o estator (induzido). •O campo variável do estator faz girar o rotor a uma velocidade fixa e constante de sincronismo que depende da frequência da tensão alterna aplicada. •No caso de que a carga aplicada no seu veio ultrapasse o valor limite, o motor já não poderia seguir as alternancias da corrente no estator, desacoplando-se, com o que o rotor poderia imobilizar-se rápidamente. Neste caso, a corrente do induzido poderia aumentar alcançando valores de intensidade alarmantes.
  • 58. Máquinas de CORRENTE CONTINUA • Nos motores DC, como o seu nome indica, é necessário aplicar ao induzido uma corrente continua para produzir movimento, assim como no inductor (no caso em que seja do tipo de electroiman) conhecendo-se esta última como corrente de excitação. • Complexidade constructiva - maior fragilidade, pela presença do colector e das escovas. • O Colector, é o que faz inverter o sentido de circulação de corrente nas bobinas do rotor. • As escovas que transportam a corrente externa para o Colector, geram sobretensões e chispas, que vão degradando o conjunto Colector.
  • 59. Pode ver um artigo sobre este tema neste link www.DMC.com https://www.dmc.pt/analise-de-vibracoes- em-motores-eletricos/