SlideShare uma empresa Scribd logo
Aline Valeriano dos Santos
Luis Felipe Falcão
Rudy Alan Medeiros
Stefani Caroline
Processo Quimicos
Professor Marco Antônio Bumba
Centro de Ciências Exatas, Arquitetura e Engenharia
Curso de Engenharia de Produção
Objetivo
Processo de Fabricação do Ácido fosfórico
 Matérias Primas
 Aditivos Do Processo
 Ácido Fosfórico
 Fluxograma do Processo
 Impactos Ambientais do Ácido Fosfórico
 Utilização do Ácido Fosforico
Justificativa
O ácido fosfórico é considerado um ácido do tipo forte utilizado em grande escala na
indústria de fertilizantes. Sua utilização vai desde a produção de fertilizantes a indústria
alimentícia e farmacêutica podendo ser empregado em uma vasta gama de segmentos. Por
este motivo notou-se a necessidade de estudar a forma de produção, onde e como pode ser
utilizado e sua função.
Matéria Prima
 Rocha Fosfática
 Ácido Sulfúrico
Aditivos do Processo
 DBS - Dodecil Benzeno
Sulfonato
 WC – Water contaminated
Rocha Fosfática - Ca3(PO4)2
O fósforo, elemento encontrado em certa abundância no globo terrestre, biologicamente
indispensável para organismo de vários seres vivos, inclusive o homem, e reativo com diversos
compostos importantes, é um mineral não metálico.
O fósforo não é encontrado em sua forma livre na natureza, apenas em combinações como os
fosfatos, que representa 0,12% da composição da crosta terrestre.
As matérias-primas das quais se extrai o fósforo são os fosfatos de metais alcalino-terrosos
encontrados em depósitos de rochas de fosfato.
Ácido Sulfúrico – H2SO4
O ácido sulfúrico é muito importante industrialmente, sendo usado em vários processos. Devido
a sua importância econômica, muitas vezes o seu consumo pode indicar o grau de
desenvolvimento de um país.
O ácido sulfúrico é uma solução aquosa de sulfato de hidrogênio forte e corrosiva, sendo a
substância química mais usada pela indústria.
DBS - Dodecil Benzeno Sulfonato
Tem a finalidade de alterar o hábito cristalino provocando uma melhora na filtração e lavagem.
WC
Water contaminated - água contaminada
Ácido Fosfórico – H3PO4
O ácido fosfórico é um composto líquido, incolor, solúvel em água e etanol,
deliquescente, isto é, absorve a umidade do ar e consegue se dissolver, formando uma
solução aquosa concentrada.
Reage com metais, liberando gás hidrogênio inflamável, incompatível com bases fortes
e com a maior parte dos metais. Trata-se do mais importante dos ácidos de fósforo.
Fluxograma do Processo
REATOR
Função: Obter a máxima extração de
P2O5, produzir gesso facilmente filtrável
e lavável.
Construção: Vaso cilíndrico, oco no
centro. Sua construção é de chapa de
aço carbono, revestida internamente de
borracha e tijolos de grafite.
Capacidade 537m3.
Tipo de Reação: Exotérmica.
FILTRO
Função: Separar a fase líquida da fase
sólida do reator.
Construção: Filtro do tipo esteira, com
tela e sistema de filtração a vácuo. Área
efetiva 60m2 (19,53/3,07).
Àcido 32% P2O5
Densidade: 1290 g/cm3
Filtro Tipo Esteira
EVAPORADOR
Função: Remover a água existente no
ácido fosfórico de maneira a elevar a
concentração do ácido aos níveis
desejados para o consumidor.
Construção: Trocador de calor casco
tubo de grafite, feixe tubular com 395
tubos, trocador contra corrente.
Sistema De Operação: Sistema a vácuo,
para uma evaporação mais efetiva em
temperatura mais baixa (+/-70°C). Injeção
de vapor saturado (consumo 20t/h).
Àcido 42% P2O5
Densidade: 1520 g/cm3
Trocador de Calor Casco Tubo
Trocador Contra Corrente
ESTOCAGEM
Função: Armazenar o ácido
produzido na unidade, efetuar
decantação de sólidos quando
necessário, controlar níveis para
manter a produtividade do cliente
(interno ou esterno)
LAVADORA
Função: Lavar os gases da unidade
(Reação, filtração e evaporação),
reduzindo a concentração de
fluoretos para os parâmetros da
CETESB. Limite de 10 ppm.
Lavadora de Gases
Identificação e Perigos do Ácido Fosfórico
Perigos mais importantes: O vapor do ácido fosfórico é corrosivo, irritante para os olhos, pele,
membranas mucosas e trato respiratório superior.
Efeitos adversos à saúde humana: Causa irritações quando em contato com algumas partes do
corpo, porém a queimadura pode não aparecer imediatamente. Ingestão pode provocar vômitos, dores
abdominais, choque, diarréia sanguínea. A inalação do vapor ou névoa pode causar tosse, espirros,
salivação e dificuldades na respiração. Severas exposições podem levar à pneumonia química.
Efeitos ambientais: Pode contaminar cursos de águas, tornando-os impróprios para uso em qualquer
finalidade. Animais expostos a estes produtos poderão sofrer danos teciduais e ser levados à morte. As
plantas contaminadas com o produto podem adversamente ser afetadas ou destruídas.
Utilização do Ácido Fosfórico
Industria Alimentícia: Acidulante de refrigerante, doces, molhos para saladas, geleias, geleias,
refinação do açúcar, usinas de chocolate, entre outros;
Industria Farmacêutica: Obtenção de insulina, produção de antibióticos, fortificantes, etc;
Industria Química: Fabricação de fertilizantes agrícolas, fostato bicálcio para ração de animal,
produção de carvão, formulação de detergentes, decapante e antiferrugem.
Bibliografia
http://www.valefertilizantes.com
http://www.infoescola.com/quimica/acido-
fosforico/
http://www.infoescola.com/quimica/acido-
sulfidrico/
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabadoControle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Vanessa Rodrigues
 
Aula 09 legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
Aula 09   legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)Aula 09   legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
Aula 09 legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
1° aula fertilizantes
1° aula   fertilizantes1° aula   fertilizantes
1° aula fertilizantes
Fernanda de Sousa Fernandes
 
Tratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJF
Tratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJFTratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJF
Tratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJF
marcelo otenio
 
Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Inseticidas 1
Inseticidas 1 Inseticidas 1
Inseticidas 1
Geagra UFG
 
Adubação orgânica
Adubação orgânicaAdubação orgânica
Adubação orgânica
Ewerton Guilherme
 
Água para uso farmacêutico
Água para uso farmacêuticoÁgua para uso farmacêutico
Água para uso farmacêutico
Rodrigo Caixeta
 
PODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASIL
PODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASILPODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASIL
PODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASIL
fruticultura
 
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e DrágeasTecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
Guilherme Becker
 
Abacaxi - fusariose - Ananas comosus- Fusarium subglutinans - doença- gomose ...
Abacaxi - fusariose - Ananas comosus- Fusarium subglutinans - doença- gomose ...Abacaxi - fusariose - Ananas comosus- Fusarium subglutinans - doença- gomose ...
Abacaxi - fusariose - Ananas comosus- Fusarium subglutinans - doença- gomose ...
Prof. Marcelo Brito de MELO
 
Banana Doenças
Banana DoençasBanana Doenças
Banana Doenças
Cristieli Mendes
 
11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Produção de Vinho
Produção de VinhoProdução de Vinho
Produção de Vinho
Silenezé Souza
 
Apresentação alho
Apresentação alhoApresentação alho
Apresentação alho
Julieme Uepb
 
Ambiente das plantas
Ambiente das plantasAmbiente das plantas
Ambiente das plantas
Danielle Sousa
 
Aula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislaçãoAula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislação
Giovanna Ortiz
 
PROJETO VIVEIRO DE MUDAS - VEREDAS DO CERRADO - MANANCIAL DE VIDA
PROJETO VIVEIRO DE MUDAS - VEREDAS DO CERRADO - MANANCIAL DE VIDA PROJETO VIVEIRO DE MUDAS - VEREDAS DO CERRADO - MANANCIAL DE VIDA
PROJETO VIVEIRO DE MUDAS - VEREDAS DO CERRADO - MANANCIAL DE VIDA
PauloSergioGomes7
 
Aula 4-química do-solo
Aula 4-química do-soloAula 4-química do-solo
Aula 4-química do-solo
Juliana de Oliveira
 
Aula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamentoAula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamento
Giovanna Ortiz
 

Mais procurados (20)

Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabadoControle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
 
Aula 09 legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
Aula 09   legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)Aula 09   legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
Aula 09 legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
 
1° aula fertilizantes
1° aula   fertilizantes1° aula   fertilizantes
1° aula fertilizantes
 
Tratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJF
Tratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJFTratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJF
Tratamento de Efleuntes de Laticínios_Palestra III Semana da Indústria UFJF
 
Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
 
Inseticidas 1
Inseticidas 1 Inseticidas 1
Inseticidas 1
 
Adubação orgânica
Adubação orgânicaAdubação orgânica
Adubação orgânica
 
Água para uso farmacêutico
Água para uso farmacêuticoÁgua para uso farmacêutico
Água para uso farmacêutico
 
PODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASIL
PODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASILPODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASIL
PODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASIL
 
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e DrágeasTecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
 
Abacaxi - fusariose - Ananas comosus- Fusarium subglutinans - doença- gomose ...
Abacaxi - fusariose - Ananas comosus- Fusarium subglutinans - doença- gomose ...Abacaxi - fusariose - Ananas comosus- Fusarium subglutinans - doença- gomose ...
Abacaxi - fusariose - Ananas comosus- Fusarium subglutinans - doença- gomose ...
 
Banana Doenças
Banana DoençasBanana Doenças
Banana Doenças
 
11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo
 
Produção de Vinho
Produção de VinhoProdução de Vinho
Produção de Vinho
 
Apresentação alho
Apresentação alhoApresentação alho
Apresentação alho
 
Ambiente das plantas
Ambiente das plantasAmbiente das plantas
Ambiente das plantas
 
Aula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislaçãoAula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislação
 
PROJETO VIVEIRO DE MUDAS - VEREDAS DO CERRADO - MANANCIAL DE VIDA
PROJETO VIVEIRO DE MUDAS - VEREDAS DO CERRADO - MANANCIAL DE VIDA PROJETO VIVEIRO DE MUDAS - VEREDAS DO CERRADO - MANANCIAL DE VIDA
PROJETO VIVEIRO DE MUDAS - VEREDAS DO CERRADO - MANANCIAL DE VIDA
 
Aula 4-química do-solo
Aula 4-química do-soloAula 4-química do-solo
Aula 4-química do-solo
 
Aula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamentoAula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamento
 

Semelhante a Processo quimicos bumba

Exemplos de detergentes comerciais e suas especificações
Exemplos de detergentes comerciais e suas especificaçõesExemplos de detergentes comerciais e suas especificações
Exemplos de detergentes comerciais e suas especificações
Anderson Formiga
 
DENTIFRÍCIOS-E-ENXAGUATÓRIOS-BUCAIS-Final.pdf
DENTIFRÍCIOS-E-ENXAGUATÓRIOS-BUCAIS-Final.pdfDENTIFRÍCIOS-E-ENXAGUATÓRIOS-BUCAIS-Final.pdf
DENTIFRÍCIOS-E-ENXAGUATÓRIOS-BUCAIS-Final.pdf
Isabelabueno11
 
Formulações utilizadadas em clareamento dental
Formulações utilizadadas em clareamento dentalFormulações utilizadadas em clareamento dental
Formulações utilizadadas em clareamento dental
henriquetabosa
 
Quimica Descritiva
Quimica DescritivaQuimica Descritiva
Quimica Descritiva
Cursos Profissionalizantes
 
proc qui 2019.pptx
proc qui 2019.pptxproc qui 2019.pptx
proc qui 2019.pptx
deborafermandes
 
Fosfatizacao 20cromatizacao 20_20anodizacao_20e_20silanos
Fosfatizacao 20cromatizacao 20_20anodizacao_20e_20silanosFosfatizacao 20cromatizacao 20_20anodizacao_20e_20silanos
Fosfatizacao 20cromatizacao 20_20anodizacao_20e_20silanos
leonesquierro
 
bioquimica do fluor 2018.pptx
bioquimica do fluor 2018.pptxbioquimica do fluor 2018.pptx
bioquimica do fluor 2018.pptx
LUIZFERNANDOZOCHLOPE
 
Microbiologia do Solo - Ciclos Biogeoquímicos do P e do S.ppt [modo de compat...
Microbiologia do Solo - Ciclos Biogeoquímicos do P e do S.ppt [modo de compat...Microbiologia do Solo - Ciclos Biogeoquímicos do P e do S.ppt [modo de compat...
Microbiologia do Solo - Ciclos Biogeoquímicos do P e do S.ppt [modo de compat...
MICROBIOLOGIA-CSL-UFSJ
 
Cotidiano de ácidos, bases e sais.
Cotidiano de ácidos, bases e sais.Cotidiano de ácidos, bases e sais.
Cotidiano de ácidos, bases e sais.
José Marcelo Cangemi
 
Aula caracterizacao efluentes
Aula caracterizacao efluentesAula caracterizacao efluentes
Aula caracterizacao efluentes
Nilton Goulart
 
Exemplo de santitizantes
Exemplo de santitizantesExemplo de santitizantes
Exemplo de santitizantes
Anderson Formiga
 
Catálogo O3R _web
Catálogo O3R _webCatálogo O3R _web
Catálogo O3R _web
Orlando Franca Jr.
 
Aula 2 san ii
Aula 2   san ii Aula 2   san ii
Aula 2 san ii
Daniela Machado
 
Funções Inorgânicas Ácidos.ppt
Funções Inorgânicas Ácidos.pptFunções Inorgânicas Ácidos.ppt
Funções Inorgânicas Ácidos.ppt
Kaique Alves
 
Residuos unifra2
Residuos unifra2Residuos unifra2
Residuos unifra2
larissamesquita
 

Semelhante a Processo quimicos bumba (15)

Exemplos de detergentes comerciais e suas especificações
Exemplos de detergentes comerciais e suas especificaçõesExemplos de detergentes comerciais e suas especificações
Exemplos de detergentes comerciais e suas especificações
 
DENTIFRÍCIOS-E-ENXAGUATÓRIOS-BUCAIS-Final.pdf
DENTIFRÍCIOS-E-ENXAGUATÓRIOS-BUCAIS-Final.pdfDENTIFRÍCIOS-E-ENXAGUATÓRIOS-BUCAIS-Final.pdf
DENTIFRÍCIOS-E-ENXAGUATÓRIOS-BUCAIS-Final.pdf
 
Formulações utilizadadas em clareamento dental
Formulações utilizadadas em clareamento dentalFormulações utilizadadas em clareamento dental
Formulações utilizadadas em clareamento dental
 
Quimica Descritiva
Quimica DescritivaQuimica Descritiva
Quimica Descritiva
 
proc qui 2019.pptx
proc qui 2019.pptxproc qui 2019.pptx
proc qui 2019.pptx
 
Fosfatizacao 20cromatizacao 20_20anodizacao_20e_20silanos
Fosfatizacao 20cromatizacao 20_20anodizacao_20e_20silanosFosfatizacao 20cromatizacao 20_20anodizacao_20e_20silanos
Fosfatizacao 20cromatizacao 20_20anodizacao_20e_20silanos
 
bioquimica do fluor 2018.pptx
bioquimica do fluor 2018.pptxbioquimica do fluor 2018.pptx
bioquimica do fluor 2018.pptx
 
Microbiologia do Solo - Ciclos Biogeoquímicos do P e do S.ppt [modo de compat...
Microbiologia do Solo - Ciclos Biogeoquímicos do P e do S.ppt [modo de compat...Microbiologia do Solo - Ciclos Biogeoquímicos do P e do S.ppt [modo de compat...
Microbiologia do Solo - Ciclos Biogeoquímicos do P e do S.ppt [modo de compat...
 
Cotidiano de ácidos, bases e sais.
Cotidiano de ácidos, bases e sais.Cotidiano de ácidos, bases e sais.
Cotidiano de ácidos, bases e sais.
 
Aula caracterizacao efluentes
Aula caracterizacao efluentesAula caracterizacao efluentes
Aula caracterizacao efluentes
 
Exemplo de santitizantes
Exemplo de santitizantesExemplo de santitizantes
Exemplo de santitizantes
 
Catálogo O3R _web
Catálogo O3R _webCatálogo O3R _web
Catálogo O3R _web
 
Aula 2 san ii
Aula 2   san ii Aula 2   san ii
Aula 2 san ii
 
Funções Inorgânicas Ácidos.ppt
Funções Inorgânicas Ácidos.pptFunções Inorgânicas Ácidos.ppt
Funções Inorgânicas Ácidos.ppt
 
Residuos unifra2
Residuos unifra2Residuos unifra2
Residuos unifra2
 

Mais de Marco Bumba

Aula inaugural de química
Aula inaugural de químicaAula inaugural de química
Aula inaugural de química
Marco Bumba
 
Métodos de separação
Métodos de separaçãoMétodos de separação
Métodos de separação
Marco Bumba
 
Forças intermoleculares
Forças intermoleculares Forças intermoleculares
Forças intermoleculares
Marco Bumba
 
Titulação ácido base
Titulação ácido baseTitulação ácido base
Titulação ácido base
Marco Bumba
 
Aula 2-eletroanalítica
Aula 2-eletroanalíticaAula 2-eletroanalítica
Aula 2-eletroanalítica
Marco Bumba
 
AAula eletroanalitica 2 marco
AAula eletroanalitica 2   marcoAAula eletroanalitica 2   marco
AAula eletroanalitica 2 marco
Marco Bumba
 
Aula eletroanalitica 1 marco
Aula eletroanalitica 1   marcoAula eletroanalitica 1   marco
Aula eletroanalitica 1 marco
Marco Bumba
 
Enade 2011
Enade 2011Enade 2011
Enade 2011
Marco Bumba
 
Lista de exercícios neutralização ácido base
Lista de exercícios neutralização ácido baseLista de exercícios neutralização ácido base
Lista de exercícios neutralização ácido base
Marco Bumba
 
Lavoisier e proust
Lavoisier e proustLavoisier e proust
Lavoisier e proust
Marco Bumba
 
História da química
História da químicaHistória da química
História da química
Marco Bumba
 
Ano internacional da química
Ano internacional da químicaAno internacional da química
Ano internacional da química
Marco Bumba
 

Mais de Marco Bumba (12)

Aula inaugural de química
Aula inaugural de químicaAula inaugural de química
Aula inaugural de química
 
Métodos de separação
Métodos de separaçãoMétodos de separação
Métodos de separação
 
Forças intermoleculares
Forças intermoleculares Forças intermoleculares
Forças intermoleculares
 
Titulação ácido base
Titulação ácido baseTitulação ácido base
Titulação ácido base
 
Aula 2-eletroanalítica
Aula 2-eletroanalíticaAula 2-eletroanalítica
Aula 2-eletroanalítica
 
AAula eletroanalitica 2 marco
AAula eletroanalitica 2   marcoAAula eletroanalitica 2   marco
AAula eletroanalitica 2 marco
 
Aula eletroanalitica 1 marco
Aula eletroanalitica 1   marcoAula eletroanalitica 1   marco
Aula eletroanalitica 1 marco
 
Enade 2011
Enade 2011Enade 2011
Enade 2011
 
Lista de exercícios neutralização ácido base
Lista de exercícios neutralização ácido baseLista de exercícios neutralização ácido base
Lista de exercícios neutralização ácido base
 
Lavoisier e proust
Lavoisier e proustLavoisier e proust
Lavoisier e proust
 
História da química
História da químicaHistória da química
História da química
 
Ano internacional da química
Ano internacional da químicaAno internacional da química
Ano internacional da química
 

Último

Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
RoemirPeres
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
WeltonAgostinhoDias1
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
ClaudioArez
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Wagner Moraes
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 

Último (11)

Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
 

Processo quimicos bumba

  • 1. Aline Valeriano dos Santos Luis Felipe Falcão Rudy Alan Medeiros Stefani Caroline Processo Quimicos Professor Marco Antônio Bumba Centro de Ciências Exatas, Arquitetura e Engenharia Curso de Engenharia de Produção
  • 2. Objetivo Processo de Fabricação do Ácido fosfórico  Matérias Primas  Aditivos Do Processo  Ácido Fosfórico  Fluxograma do Processo  Impactos Ambientais do Ácido Fosfórico  Utilização do Ácido Fosforico
  • 3. Justificativa O ácido fosfórico é considerado um ácido do tipo forte utilizado em grande escala na indústria de fertilizantes. Sua utilização vai desde a produção de fertilizantes a indústria alimentícia e farmacêutica podendo ser empregado em uma vasta gama de segmentos. Por este motivo notou-se a necessidade de estudar a forma de produção, onde e como pode ser utilizado e sua função.
  • 4. Matéria Prima  Rocha Fosfática  Ácido Sulfúrico Aditivos do Processo  DBS - Dodecil Benzeno Sulfonato  WC – Water contaminated
  • 5. Rocha Fosfática - Ca3(PO4)2 O fósforo, elemento encontrado em certa abundância no globo terrestre, biologicamente indispensável para organismo de vários seres vivos, inclusive o homem, e reativo com diversos compostos importantes, é um mineral não metálico. O fósforo não é encontrado em sua forma livre na natureza, apenas em combinações como os fosfatos, que representa 0,12% da composição da crosta terrestre. As matérias-primas das quais se extrai o fósforo são os fosfatos de metais alcalino-terrosos encontrados em depósitos de rochas de fosfato.
  • 6. Ácido Sulfúrico – H2SO4 O ácido sulfúrico é muito importante industrialmente, sendo usado em vários processos. Devido a sua importância econômica, muitas vezes o seu consumo pode indicar o grau de desenvolvimento de um país. O ácido sulfúrico é uma solução aquosa de sulfato de hidrogênio forte e corrosiva, sendo a substância química mais usada pela indústria.
  • 7. DBS - Dodecil Benzeno Sulfonato Tem a finalidade de alterar o hábito cristalino provocando uma melhora na filtração e lavagem. WC Water contaminated - água contaminada
  • 8. Ácido Fosfórico – H3PO4 O ácido fosfórico é um composto líquido, incolor, solúvel em água e etanol, deliquescente, isto é, absorve a umidade do ar e consegue se dissolver, formando uma solução aquosa concentrada. Reage com metais, liberando gás hidrogênio inflamável, incompatível com bases fortes e com a maior parte dos metais. Trata-se do mais importante dos ácidos de fósforo.
  • 10. REATOR Função: Obter a máxima extração de P2O5, produzir gesso facilmente filtrável e lavável. Construção: Vaso cilíndrico, oco no centro. Sua construção é de chapa de aço carbono, revestida internamente de borracha e tijolos de grafite. Capacidade 537m3. Tipo de Reação: Exotérmica.
  • 11. FILTRO Função: Separar a fase líquida da fase sólida do reator. Construção: Filtro do tipo esteira, com tela e sistema de filtração a vácuo. Área efetiva 60m2 (19,53/3,07). Àcido 32% P2O5 Densidade: 1290 g/cm3
  • 13. EVAPORADOR Função: Remover a água existente no ácido fosfórico de maneira a elevar a concentração do ácido aos níveis desejados para o consumidor. Construção: Trocador de calor casco tubo de grafite, feixe tubular com 395 tubos, trocador contra corrente. Sistema De Operação: Sistema a vácuo, para uma evaporação mais efetiva em temperatura mais baixa (+/-70°C). Injeção de vapor saturado (consumo 20t/h). Àcido 42% P2O5 Densidade: 1520 g/cm3
  • 14. Trocador de Calor Casco Tubo Trocador Contra Corrente
  • 15. ESTOCAGEM Função: Armazenar o ácido produzido na unidade, efetuar decantação de sólidos quando necessário, controlar níveis para manter a produtividade do cliente (interno ou esterno)
  • 16. LAVADORA Função: Lavar os gases da unidade (Reação, filtração e evaporação), reduzindo a concentração de fluoretos para os parâmetros da CETESB. Limite de 10 ppm.
  • 18. Identificação e Perigos do Ácido Fosfórico Perigos mais importantes: O vapor do ácido fosfórico é corrosivo, irritante para os olhos, pele, membranas mucosas e trato respiratório superior. Efeitos adversos à saúde humana: Causa irritações quando em contato com algumas partes do corpo, porém a queimadura pode não aparecer imediatamente. Ingestão pode provocar vômitos, dores abdominais, choque, diarréia sanguínea. A inalação do vapor ou névoa pode causar tosse, espirros, salivação e dificuldades na respiração. Severas exposições podem levar à pneumonia química. Efeitos ambientais: Pode contaminar cursos de águas, tornando-os impróprios para uso em qualquer finalidade. Animais expostos a estes produtos poderão sofrer danos teciduais e ser levados à morte. As plantas contaminadas com o produto podem adversamente ser afetadas ou destruídas.
  • 19. Utilização do Ácido Fosfórico Industria Alimentícia: Acidulante de refrigerante, doces, molhos para saladas, geleias, geleias, refinação do açúcar, usinas de chocolate, entre outros; Industria Farmacêutica: Obtenção de insulina, produção de antibióticos, fortificantes, etc; Industria Química: Fabricação de fertilizantes agrícolas, fostato bicálcio para ração de animal, produção de carvão, formulação de detergentes, decapante e antiferrugem.