SlideShare uma empresa Scribd logo
Processo de Avaliação da Aprendizagem
Objetiva avaliar o desempenho acadêmico do aluno no que diz respeito a sua
aprendizagem
TECNICAS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM
Os portfolios e registros pessoais são formas de comunicação dos resultados como um modo de coletar
informações a partir das percepções do aluno em relação ao trabalho do professor
No Brasil, o uso de portfólio ainda não se consolidou como
instrumento de avaliação no ensino superior
Elaborado a partir de leituras e pesquisas tem como finalidade exercitar a habilidade de argumentar, fundamentar
Construir, descontruir, interpretar leis, dados e fatos até que consiga dar consistência teórico-metodológico ao que
pesquisa
Considerando o tripé de uma
universidade formado por:
ensino, pesquisa e extensão a
pesquisa é uma valiosa
técnica de desenvolvimento
profissional por integrar a
dimensão teórico-prática.
Textos, relatórios e narrativas
possibilitam ao aluno perceber as
leituras do mundo, ingredientes
essenciais a sua autonomia
PESQUISA
ELABORAÇÃO DE TEXTOS
TESTAGEM
Relacionado a prova é o método mais utilizado pelos professores na pedagogia tradicional, que
é estruturada em torno de um Numero limitado de perguntas que o aluno deve responder.
Quando bem utilizada, a prova cumpre funções que podem ser educativamente válidas.
Se bem conduzido o processo avaliativo não se restringirá ao uso exclusivo
de provas
CRITERIOS PARA ELABORAÇÃO DE QUESTÕES
Cabe ao professor se cercar de todos os conhecimentos possíveis para situar-se,
com consciência e compromisso, para realizar essa grandiosa tarefa
Objetividade: delimitar-se ao que é pretendido para não fugir
do foco.
Relevância: incluir conhecimentos que sejam essenciais à
formação do aluno.
Pertinência e Oportunidade: referem-se à adequação com os
objetivos propostos e às
Fidedignidade e Validade: dizem respeito ao rigor, a precisão e
a finalidade do que se avalia.
Utilidade: algo é útil quando é capaz de satisfazer a
necessidade para a qual foi criado. Nesse caso a
questão deve contemplar esse requisito.
Interdisciplinaridade: tem a ver com integração de áreas de
conhecimento numa proposição ou
solução de problemas.
Contextualização: está relacionada ao contexto e ao cotidiano.
Roteiro Para Elaboração e Itens
Toda avaliação deve esta baseada em uma matriz de referencia, que servirá de apoio e direção para o que deve ser exigido
do aluno
MODALIDADES DE PROVAS
Além das provas (dissertativas / objetivas) realizadas de forma individual e sem consulta de material,
Há aquelas que o professor pode aplicar, levando em conta outros aspectos, tais como:
Prova de Livro Aberto Provas Praticas ou Pratico-orais
É permitido o uso de livros ou textos referenciados ao assunto,
Normalmente é visto pelos alunos como uma prova fácil.
Coloca o aluno diante de situações reais ou fictícias
Onde o avaliador vera sua capacidade de desenvolver
O que foi visto na teoria
MODALIDADES DE PROVAS
Provas Diferenciadas
Destinadas a recuperação, após um período de preparação
o professor pode usar outros instrumentos Juntamente
com a prova.
Provas em Grupo
Provas realizadas em grupo de até 5 pessoas
Prova em grupo sem consulta: os alunos discutem,
Trocam ideias, construindo coletivamente as respostas
A partir do que estudaram, sem consultar nenhum
material
Prova em grupo com consulta: coletiva e com
permissão de consultar a livros e apontamentos sobre
o assunto.
MODALIDADES DE PROVAS
Provas Mistas Prova Oral
Dividas em dois tempos e de duas modalidades uma, para ser
realizada no primeiro tempo, individualmente; a outra para ser
realizada, no segundo tempo, em grupo.
A parte individual é voltada para verificar as habilidades de
pensamento de cada aluno.
A parte grupal é voltada a aplicação ou perspectiva mais
complexa do conhecimento, sendo discutida e construída
coletivamente
Utilizada pra medir a habilidade de expressão oral
E a desenvoltura na apresentação de um assunto
MODALIDADES DE PROVAS
Provas Objetiva
Provas normalmente de múltipla escolha, de somatório, verdadeiro e falso, ou mesmo de múltipla assertivas.
Vantagens
Fáceis de corrigir;
Pouco tempo para correção;
Possível correção mecânica;
Possibilidade de avaliar, em extensão, maior quantidade de
conteúdo.
Desvantagens
Mais difíceis de elaborar;
Atomizam o conhecimento;
Mecanizam o aluno;
Facilitam a “cola”;
Possível resposta no “chute ou azar”;
Consequente “desnecessidade” de estudo.
TIPOS DE QUESTOES OBJETIVAS
Localização
Apresentado um mapa, esquema,
esquema, ilustração ou frase, pede-
pede-se que o aluno apenas
assinale, complemente ou escreva
escreva algum elemento.
FALSO X VERDADEIRO
Num conjunto de afirmações, o
aluno distingue as falsas das
verdadeiras
ESCOLHA SIMPLES
Dados vários elementos ou
afirmações alternativas, o aluno
apenas indica qual é a correta ou
incorreta. (X)
ORDENAMENTO
Apresentando um conjunto de
elementos sem nexo, o aluno
deverá colocá-los numa sequência
lógica.
CORRESPONDÊNCIA
Dados dois conjuntos diferentes,
pede-se a relação lógica entre os
elementos de um e outro conjunto
LACUNA
Apresentada uma afirmação,
esquema ou fluxo, detectasse a falta
de algum elemento para completar
o sentido
LISTAGEM
Dado um critério ou um ponto de
referência, pede-se uma série de
dados ou termos
EVOCAÇÃO
Dada uma introdução ou definição,
o aluno recorda e dá o nome ou
dado do que foi pedido. (Quando?
Qual? Onde? Quem?...)
ASSOCIAÇÃO
É a relação lógica que deve ser
encontrada entre duas ou mais
informações, dados ou ilustrações
DESCRIÇÃO
Trata-se de mencionar algumas
características de determinado
objeto ou tema proposto.
IDENTIFICAÇÃO
São dados alguns elementos ou
características fundamentais a
partir das quais o aluno descobre o
objeto ou termo correspondente.
DEFINIÇÃO
Dado o termo, pede-se uma
explicação essencial e exclusiva do
mesmo.
DIFERENCIAÇÃO
Apresentados dois ou mais itens, s,
pede-se ao aluno que expresse de
forma comparativa aquilo que
especificamente distingue um do
outro.
CLASSIFICAÇÃO
Dados vários elementos desconexos
pede-se ao aluno que os agrupe de
acordo com determinado(s)
critério(s).
APLICAÇÃO
A partir de uma fórmula, conceito,
princípio, método ou teorema,
pede-se ao aluno para resolver
determinado problema.
DEDUÇÃO
Dada uma ou mais afirmações
corretas, solicita-se ao aluno que
complete a linha de raciocínio
JUSTIFICAÇÃO
Proposta uma tese, um conceito ou
um dado observável pede-se que
exponha as razões ou argumentos
do afirmado ou observado.
JULGAMENTO
Apresenta a questão (tese, fato,
princípio, norma), pede-se ao aluno
que tome posicionamento emitindo
um juízo pessoal.
TIPOS DE QUESTOES OBJETIVAS
CRUZADA
É apenas um dispositivo de
respostas e não uma técnica. Para
obter as respostas, utilizam-se
outras técnicas; evocação, lacuna,
dedução, identificação, gravuras,
etc.
LOTERIA
Tal como a cruzada, é apenas um
dispositivo prático associado a
outras técnicas, principalmente
Falso/Verdadeiro, Associação,
Escolha simples, Correspondência.
TIPOS DE QUESTOES OBJETIVAS
Requisitos para elaboração de questões de múltipla escolha
Preconceituoso Violência Propagandas
Conteúdos
controversos
Pegadinhas Memorização
“sempre”, “nunca”,
“todo(a)”, “totalmente”,
“absolutamente”,
“completamente” e
“somente”;
Linguagem clara
Termos
impessoais
Alternativa
X
Enunciado
Ordenar de forma
logica
Pontuação correta
Prova Dissertativa
Diferente da prova de múltipla escolha, que você assinala a alternativa com “x”, a prova dissertativa é quando você precisa
discorrer, escrever a sua resposta com suas próprias palavras.
Vantagens:
• fáceis de elaborar;
• dificultam a cola;
• impedem o chute e o azar;
• oportunizam a criatividade e a originalidade;
• exigem o raciocínio;
• testam o domínio global do tema;
• promovem, consequentemente, o estudo;
• possibilitam avaliar o conteúdo com profundidade.
Desvantagens:
• dificultam a correção;
• entram mais fatores subjetivos do professor na avaliação;
• exigem mais tempo para a correção.
Quando Evitar a Prova
• Aplicada tradicionalmente para reforçar o instrucionismo – reprodução do que foi reproduzido em
sala de aula; não possuir valor formativo;
• Exigida a memorização reproduzida, em geral com perguntas e respostas fechadas e por vezes
facilitadoras da obtenção da nota;
• Vinculada a obtenção de uma nota com fim em si mesma. “A corrida pela nota é competitividade
depravada porque se substitui o compromisso formativo pela disputa acirrada” Demo (2004, p. 129);
• Ignorado o saber pensar, porque não promove a elaboração própria da habilidade de argumentar;
• Aplicada em ambiente estereotipado, com forte vigilância, controle e ameaça;
• Proliferada a “cola” para facilitação das respostas às questões objetivas;
• Repasse de conteúdos, cabendo aos alunos ouvir, anotar e desenvolver na prova;
• Surpreender o aluno em dia ruim, com problemas de saúde ou afetivos;
• Impor padrões de desempenho iguais para todos, à revelia das diferenças;
• Elaborada sem um plano que estabeleça os conhecimentos e habilidades necessárias que o aluno deve adquirir
Sempre
injusto
Sempre
incomodo
Sempre
incompleta
Sempre
ideológico
facilmente
autoritário
Facil
excludente
Facilmente
Humilhante
Facilmente
insidiosa
Sentido ético da avaliação
A ética está inserida num contexto, numa dada situação, em que
a subjetividade dos que nela convivem está permeada de
intencionalidade.
Avaliar é, nessa perspectiva, agir por motivos (lógicos e ilógicos)
que incidem sobre as consequências decorridas desse modo de
intervir.
Ao agirmos, interferimos no modo de ser do outro. Quando
avaliamos interferimos na condição de aprendizagem do aluno,
mexemos com sua auto-estima, com o seu modo de perceber o
mundo e o conhecimento.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisaProjeto de pesquisa
Projeto de pesquisa
Beatriz Gaydeczka
 
Curadoria de Conteúdo: o que é? para que serve? quem faz?
Curadoria de Conteúdo: o que é? para que serve? quem faz?Curadoria de Conteúdo: o que é? para que serve? quem faz?
Curadoria de Conteúdo: o que é? para que serve? quem faz?
Eliana Rezende
 
Fichamento de Texto
Fichamento de TextoFichamento de Texto
Fichamento de Texto
Portal do Vestibulando
 
Leitura e Escrita na Universidade
Leitura e Escrita na UniversidadeLeitura e Escrita na Universidade
Leitura e Escrita na Universidade
Universidade de Santiago de Compostela
 
Sistema de organização educaçao brasileira
Sistema de organização educaçao brasileiraSistema de organização educaçao brasileira
Sistema de organização educaçao brasileira
Herbert Schutzer
 
Políticas Educacionais
Políticas EducacionaisPolíticas Educacionais
Políticas Educacionais
Blog Amiga da Pedagogia By Nathália
 
Apostila políticas públicas e legislação sobre educação em gestão escolar b...
Apostila políticas públicas e legislação sobre educação em gestão escolar   b...Apostila políticas públicas e legislação sobre educação em gestão escolar   b...
Apostila políticas públicas e legislação sobre educação em gestão escolar b...
Prof. Antônio Martins de Almeida Filho
 
SEMED
SEMEDSEMED
SEMED
zearaujo
 
Política e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação BrasileiraPolítica e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação Brasileira
Edneide Lima
 
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002. CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
Soares Junior
 
ApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
ApresentaçãO Tcc Fernanda RibeiroApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
ApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
Fernanda Ribeiro
 
Oficina de texto jornalístico
Oficina de texto jornalísticoOficina de texto jornalístico
Oficina de texto jornalístico
Fausto Coimbra
 
Apresentação planejamento e avaliação
Apresentação   planejamento e avaliaçãoApresentação   planejamento e avaliação
Apresentação planejamento e avaliação
Ana Lúcia M. Benício
 
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino FundamentalDiretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental
Helen Araújo
 
Educação inclusiva apresentação
Educação inclusiva apresentaçãoEducação inclusiva apresentação
Educação inclusiva apresentação
Fernanda Câmara
 
PROJETO DE PESQUISA NAS TURMAS DE EJA NO COLÉGIO IRAILDES PADILHA DE CARVALHO
PROJETO DE PESQUISA NAS TURMAS DE EJA NO COLÉGIO IRAILDES PADILHA DE CARVALHOPROJETO DE PESQUISA NAS TURMAS DE EJA NO COLÉGIO IRAILDES PADILHA DE CARVALHO
PROJETO DE PESQUISA NAS TURMAS DE EJA NO COLÉGIO IRAILDES PADILHA DE CARVALHO
Elaine Mattos
 
Educacao para pessoas com necessidades especiais
Educacao para pessoas com necessidades especiaisEducacao para pessoas com necessidades especiais
Educacao para pessoas com necessidades especiais
Wandelcy Leão Junior
 
ORIENTAÇÃO DE TCC
ORIENTAÇÃO DE TCCORIENTAÇÃO DE TCC
ORIENTAÇÃO DE TCC
UFMA e UEMA
 
Objetivos didáticos slides de didática
Objetivos didáticos  slides de didáticaObjetivos didáticos  slides de didática
Objetivos didáticos slides de didática
Wellinton Prestes
 
Slides sobre planejamento
Slides sobre planejamentoSlides sobre planejamento
Slides sobre planejamento
familiaestagio
 

Mais procurados (20)

Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisaProjeto de pesquisa
Projeto de pesquisa
 
Curadoria de Conteúdo: o que é? para que serve? quem faz?
Curadoria de Conteúdo: o que é? para que serve? quem faz?Curadoria de Conteúdo: o que é? para que serve? quem faz?
Curadoria de Conteúdo: o que é? para que serve? quem faz?
 
Fichamento de Texto
Fichamento de TextoFichamento de Texto
Fichamento de Texto
 
Leitura e Escrita na Universidade
Leitura e Escrita na UniversidadeLeitura e Escrita na Universidade
Leitura e Escrita na Universidade
 
Sistema de organização educaçao brasileira
Sistema de organização educaçao brasileiraSistema de organização educaçao brasileira
Sistema de organização educaçao brasileira
 
Políticas Educacionais
Políticas EducacionaisPolíticas Educacionais
Políticas Educacionais
 
Apostila políticas públicas e legislação sobre educação em gestão escolar b...
Apostila políticas públicas e legislação sobre educação em gestão escolar   b...Apostila políticas públicas e legislação sobre educação em gestão escolar   b...
Apostila políticas públicas e legislação sobre educação em gestão escolar b...
 
SEMED
SEMEDSEMED
SEMED
 
Política e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação BrasileiraPolítica e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação Brasileira
 
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002. CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
 
ApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
ApresentaçãO Tcc Fernanda RibeiroApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
ApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
 
Oficina de texto jornalístico
Oficina de texto jornalísticoOficina de texto jornalístico
Oficina de texto jornalístico
 
Apresentação planejamento e avaliação
Apresentação   planejamento e avaliaçãoApresentação   planejamento e avaliação
Apresentação planejamento e avaliação
 
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino FundamentalDiretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental
 
Educação inclusiva apresentação
Educação inclusiva apresentaçãoEducação inclusiva apresentação
Educação inclusiva apresentação
 
PROJETO DE PESQUISA NAS TURMAS DE EJA NO COLÉGIO IRAILDES PADILHA DE CARVALHO
PROJETO DE PESQUISA NAS TURMAS DE EJA NO COLÉGIO IRAILDES PADILHA DE CARVALHOPROJETO DE PESQUISA NAS TURMAS DE EJA NO COLÉGIO IRAILDES PADILHA DE CARVALHO
PROJETO DE PESQUISA NAS TURMAS DE EJA NO COLÉGIO IRAILDES PADILHA DE CARVALHO
 
Educacao para pessoas com necessidades especiais
Educacao para pessoas com necessidades especiaisEducacao para pessoas com necessidades especiais
Educacao para pessoas com necessidades especiais
 
ORIENTAÇÃO DE TCC
ORIENTAÇÃO DE TCCORIENTAÇÃO DE TCC
ORIENTAÇÃO DE TCC
 
Objetivos didáticos slides de didática
Objetivos didáticos  slides de didáticaObjetivos didáticos  slides de didática
Objetivos didáticos slides de didática
 
Slides sobre planejamento
Slides sobre planejamentoSlides sobre planejamento
Slides sobre planejamento
 

Semelhante a Processo de Avaliação da Aprendizagem

Aprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliaçãoAprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliação
Cristiane Lahdo
 
Aprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliaçãoAprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliação
Cristiane Lahdo
 
Tipos de avaliação
Tipos de avaliaçãoTipos de avaliação
Instrumentos de avaliação
Instrumentos de avaliaçãoInstrumentos de avaliação
Instrumentos de avaliação
Edson Mamprin
 
Aprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliaçãoAprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliação
Cristiane Lahdo
 
Nove jeitos comuns de avaliar os estudantes
Nove jeitos comuns de avaliar os estudantesNove jeitos comuns de avaliar os estudantes
Nove jeitos comuns de avaliar os estudantes
Cosmo Matias Gomes
 
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...
Karlla Costa
 
Os nove jeitos mais comuns de avaliar
Os nove jeitos mais comuns de avaliarOs nove jeitos mais comuns de avaliar
Os nove jeitos mais comuns de avaliar
Maju Ramos
 
Discussão
DiscussãoDiscussão
Discussão
pibidbio
 
MÓDULO II - AVALIAÇÕES
MÓDULO II - AVALIAÇÕESMÓDULO II - AVALIAÇÕES
MÓDULO II - AVALIAÇÕES
anjalylopes
 
Concepcao metodologica curriculo 2
Concepcao metodologica curriculo 2Concepcao metodologica curriculo 2
Concepcao metodologica curriculo 2
Jeca Tatu
 
Concepcao metodologica curriculo
Concepcao metodologica curriculoConcepcao metodologica curriculo
Concepcao metodologica curriculo
Jeca Tatu
 
Formação Móduloooooooooooooooooooo 3.pdf
Formação Móduloooooooooooooooooooo 3.pdfFormação Móduloooooooooooooooooooo 3.pdf
Formação Móduloooooooooooooooooooo 3.pdf
alexjtavares
 
Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02
Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02
Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02
Jhosyrene Oliveira
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
lucavao2010
 
Manual de elaboração de itens
Manual de elaboração de itensManual de elaboração de itens
Manual de elaboração de itens
RitaMuniz9
 
PLANO DE AULA-PASSO A PASSO GRUPO 1.docx
PLANO DE AULA-PASSO A PASSO GRUPO 1.docxPLANO DE AULA-PASSO A PASSO GRUPO 1.docx
PLANO DE AULA-PASSO A PASSO GRUPO 1.docx
MelchiorS1
 
Avaliação mediadora
Avaliação mediadoraAvaliação mediadora
Avaliação mediadora
Celi Jandy Moraes Gomes
 
DESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA
DESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICADESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA
DESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA
carolnacari
 
Métodos de Ensino e Aprendizagem
Métodos de Ensino e AprendizagemMétodos de Ensino e Aprendizagem
Métodos de Ensino e Aprendizagem
Joao Papelo
 

Semelhante a Processo de Avaliação da Aprendizagem (20)

Aprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliaçãoAprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliação
 
Aprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliaçãoAprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliação
 
Tipos de avaliação
Tipos de avaliaçãoTipos de avaliação
Tipos de avaliação
 
Instrumentos de avaliação
Instrumentos de avaliaçãoInstrumentos de avaliação
Instrumentos de avaliação
 
Aprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliaçãoAprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliação
 
Nove jeitos comuns de avaliar os estudantes
Nove jeitos comuns de avaliar os estudantesNove jeitos comuns de avaliar os estudantes
Nove jeitos comuns de avaliar os estudantes
 
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...
 
Os nove jeitos mais comuns de avaliar
Os nove jeitos mais comuns de avaliarOs nove jeitos mais comuns de avaliar
Os nove jeitos mais comuns de avaliar
 
Discussão
DiscussãoDiscussão
Discussão
 
MÓDULO II - AVALIAÇÕES
MÓDULO II - AVALIAÇÕESMÓDULO II - AVALIAÇÕES
MÓDULO II - AVALIAÇÕES
 
Concepcao metodologica curriculo 2
Concepcao metodologica curriculo 2Concepcao metodologica curriculo 2
Concepcao metodologica curriculo 2
 
Concepcao metodologica curriculo
Concepcao metodologica curriculoConcepcao metodologica curriculo
Concepcao metodologica curriculo
 
Formação Móduloooooooooooooooooooo 3.pdf
Formação Móduloooooooooooooooooooo 3.pdfFormação Móduloooooooooooooooooooo 3.pdf
Formação Móduloooooooooooooooooooo 3.pdf
 
Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02
Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02
Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
Manual de elaboração de itens
Manual de elaboração de itensManual de elaboração de itens
Manual de elaboração de itens
 
PLANO DE AULA-PASSO A PASSO GRUPO 1.docx
PLANO DE AULA-PASSO A PASSO GRUPO 1.docxPLANO DE AULA-PASSO A PASSO GRUPO 1.docx
PLANO DE AULA-PASSO A PASSO GRUPO 1.docx
 
Avaliação mediadora
Avaliação mediadoraAvaliação mediadora
Avaliação mediadora
 
DESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA
DESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICADESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA
DESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA
 
Métodos de Ensino e Aprendizagem
Métodos de Ensino e AprendizagemMétodos de Ensino e Aprendizagem
Métodos de Ensino e Aprendizagem
 

Mais de AndrSoares140

Avaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantilAvaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantil
AndrSoares140
 
Organizações que aprende
Organizações que aprendeOrganizações que aprende
Organizações que aprende
AndrSoares140
 
Disgrafia
DisgrafiaDisgrafia
Disgrafia
AndrSoares140
 
Volei
VoleiVolei
PARTICIPAÇÃO NO GRUPO- os tipos de lideres
PARTICIPAÇÃO NO GRUPO- os tipos de lideresPARTICIPAÇÃO NO GRUPO- os tipos de lideres
PARTICIPAÇÃO NO GRUPO- os tipos de lideres
AndrSoares140
 
CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL
CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASILCURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL
CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL
AndrSoares140
 
Diversidade da beleza com o passar dos anos
Diversidade da beleza com o passar dos anosDiversidade da beleza com o passar dos anos
Diversidade da beleza com o passar dos anos
AndrSoares140
 
Teoria inatista
Teoria inatistaTeoria inatista
Teoria inatista
AndrSoares140
 
Textos digitais literários
Textos digitais literários Textos digitais literários
Textos digitais literários
AndrSoares140
 
Vitaminas A, D, E e K
Vitaminas A, D, E e KVitaminas A, D, E e K
Vitaminas A, D, E e K
AndrSoares140
 

Mais de AndrSoares140 (10)

Avaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantilAvaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantil
 
Organizações que aprende
Organizações que aprendeOrganizações que aprende
Organizações que aprende
 
Disgrafia
DisgrafiaDisgrafia
Disgrafia
 
Volei
VoleiVolei
Volei
 
PARTICIPAÇÃO NO GRUPO- os tipos de lideres
PARTICIPAÇÃO NO GRUPO- os tipos de lideresPARTICIPAÇÃO NO GRUPO- os tipos de lideres
PARTICIPAÇÃO NO GRUPO- os tipos de lideres
 
CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL
CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASILCURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL
CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL
 
Diversidade da beleza com o passar dos anos
Diversidade da beleza com o passar dos anosDiversidade da beleza com o passar dos anos
Diversidade da beleza com o passar dos anos
 
Teoria inatista
Teoria inatistaTeoria inatista
Teoria inatista
 
Textos digitais literários
Textos digitais literários Textos digitais literários
Textos digitais literários
 
Vitaminas A, D, E e K
Vitaminas A, D, E e KVitaminas A, D, E e K
Vitaminas A, D, E e K
 

Último

APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 

Último (20)

APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 

Processo de Avaliação da Aprendizagem

  • 1. Processo de Avaliação da Aprendizagem
  • 2. Objetiva avaliar o desempenho acadêmico do aluno no que diz respeito a sua aprendizagem TECNICAS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM
  • 3. Os portfolios e registros pessoais são formas de comunicação dos resultados como um modo de coletar informações a partir das percepções do aluno em relação ao trabalho do professor No Brasil, o uso de portfólio ainda não se consolidou como instrumento de avaliação no ensino superior
  • 4. Elaborado a partir de leituras e pesquisas tem como finalidade exercitar a habilidade de argumentar, fundamentar Construir, descontruir, interpretar leis, dados e fatos até que consiga dar consistência teórico-metodológico ao que pesquisa Considerando o tripé de uma universidade formado por: ensino, pesquisa e extensão a pesquisa é uma valiosa técnica de desenvolvimento profissional por integrar a dimensão teórico-prática. Textos, relatórios e narrativas possibilitam ao aluno perceber as leituras do mundo, ingredientes essenciais a sua autonomia PESQUISA ELABORAÇÃO DE TEXTOS
  • 5. TESTAGEM Relacionado a prova é o método mais utilizado pelos professores na pedagogia tradicional, que é estruturada em torno de um Numero limitado de perguntas que o aluno deve responder. Quando bem utilizada, a prova cumpre funções que podem ser educativamente válidas. Se bem conduzido o processo avaliativo não se restringirá ao uso exclusivo de provas
  • 6. CRITERIOS PARA ELABORAÇÃO DE QUESTÕES Cabe ao professor se cercar de todos os conhecimentos possíveis para situar-se, com consciência e compromisso, para realizar essa grandiosa tarefa Objetividade: delimitar-se ao que é pretendido para não fugir do foco. Relevância: incluir conhecimentos que sejam essenciais à formação do aluno. Pertinência e Oportunidade: referem-se à adequação com os objetivos propostos e às Fidedignidade e Validade: dizem respeito ao rigor, a precisão e a finalidade do que se avalia. Utilidade: algo é útil quando é capaz de satisfazer a necessidade para a qual foi criado. Nesse caso a questão deve contemplar esse requisito. Interdisciplinaridade: tem a ver com integração de áreas de conhecimento numa proposição ou solução de problemas. Contextualização: está relacionada ao contexto e ao cotidiano.
  • 7. Roteiro Para Elaboração e Itens Toda avaliação deve esta baseada em uma matriz de referencia, que servirá de apoio e direção para o que deve ser exigido do aluno
  • 8. MODALIDADES DE PROVAS Além das provas (dissertativas / objetivas) realizadas de forma individual e sem consulta de material, Há aquelas que o professor pode aplicar, levando em conta outros aspectos, tais como: Prova de Livro Aberto Provas Praticas ou Pratico-orais É permitido o uso de livros ou textos referenciados ao assunto, Normalmente é visto pelos alunos como uma prova fácil. Coloca o aluno diante de situações reais ou fictícias Onde o avaliador vera sua capacidade de desenvolver O que foi visto na teoria
  • 9. MODALIDADES DE PROVAS Provas Diferenciadas Destinadas a recuperação, após um período de preparação o professor pode usar outros instrumentos Juntamente com a prova. Provas em Grupo Provas realizadas em grupo de até 5 pessoas Prova em grupo sem consulta: os alunos discutem, Trocam ideias, construindo coletivamente as respostas A partir do que estudaram, sem consultar nenhum material Prova em grupo com consulta: coletiva e com permissão de consultar a livros e apontamentos sobre o assunto.
  • 10. MODALIDADES DE PROVAS Provas Mistas Prova Oral Dividas em dois tempos e de duas modalidades uma, para ser realizada no primeiro tempo, individualmente; a outra para ser realizada, no segundo tempo, em grupo. A parte individual é voltada para verificar as habilidades de pensamento de cada aluno. A parte grupal é voltada a aplicação ou perspectiva mais complexa do conhecimento, sendo discutida e construída coletivamente Utilizada pra medir a habilidade de expressão oral E a desenvoltura na apresentação de um assunto
  • 11. MODALIDADES DE PROVAS Provas Objetiva Provas normalmente de múltipla escolha, de somatório, verdadeiro e falso, ou mesmo de múltipla assertivas. Vantagens Fáceis de corrigir; Pouco tempo para correção; Possível correção mecânica; Possibilidade de avaliar, em extensão, maior quantidade de conteúdo. Desvantagens Mais difíceis de elaborar; Atomizam o conhecimento; Mecanizam o aluno; Facilitam a “cola”; Possível resposta no “chute ou azar”; Consequente “desnecessidade” de estudo.
  • 12. TIPOS DE QUESTOES OBJETIVAS Localização Apresentado um mapa, esquema, esquema, ilustração ou frase, pede- pede-se que o aluno apenas assinale, complemente ou escreva escreva algum elemento. FALSO X VERDADEIRO Num conjunto de afirmações, o aluno distingue as falsas das verdadeiras ESCOLHA SIMPLES Dados vários elementos ou afirmações alternativas, o aluno apenas indica qual é a correta ou incorreta. (X) ORDENAMENTO Apresentando um conjunto de elementos sem nexo, o aluno deverá colocá-los numa sequência lógica. CORRESPONDÊNCIA Dados dois conjuntos diferentes, pede-se a relação lógica entre os elementos de um e outro conjunto LACUNA Apresentada uma afirmação, esquema ou fluxo, detectasse a falta de algum elemento para completar o sentido LISTAGEM Dado um critério ou um ponto de referência, pede-se uma série de dados ou termos EVOCAÇÃO Dada uma introdução ou definição, o aluno recorda e dá o nome ou dado do que foi pedido. (Quando? Qual? Onde? Quem?...) ASSOCIAÇÃO É a relação lógica que deve ser encontrada entre duas ou mais informações, dados ou ilustrações DESCRIÇÃO Trata-se de mencionar algumas características de determinado objeto ou tema proposto. IDENTIFICAÇÃO São dados alguns elementos ou características fundamentais a partir das quais o aluno descobre o objeto ou termo correspondente. DEFINIÇÃO Dado o termo, pede-se uma explicação essencial e exclusiva do mesmo.
  • 13. DIFERENCIAÇÃO Apresentados dois ou mais itens, s, pede-se ao aluno que expresse de forma comparativa aquilo que especificamente distingue um do outro. CLASSIFICAÇÃO Dados vários elementos desconexos pede-se ao aluno que os agrupe de acordo com determinado(s) critério(s). APLICAÇÃO A partir de uma fórmula, conceito, princípio, método ou teorema, pede-se ao aluno para resolver determinado problema. DEDUÇÃO Dada uma ou mais afirmações corretas, solicita-se ao aluno que complete a linha de raciocínio JUSTIFICAÇÃO Proposta uma tese, um conceito ou um dado observável pede-se que exponha as razões ou argumentos do afirmado ou observado. JULGAMENTO Apresenta a questão (tese, fato, princípio, norma), pede-se ao aluno que tome posicionamento emitindo um juízo pessoal. TIPOS DE QUESTOES OBJETIVAS
  • 14. CRUZADA É apenas um dispositivo de respostas e não uma técnica. Para obter as respostas, utilizam-se outras técnicas; evocação, lacuna, dedução, identificação, gravuras, etc. LOTERIA Tal como a cruzada, é apenas um dispositivo prático associado a outras técnicas, principalmente Falso/Verdadeiro, Associação, Escolha simples, Correspondência. TIPOS DE QUESTOES OBJETIVAS
  • 15. Requisitos para elaboração de questões de múltipla escolha Preconceituoso Violência Propagandas Conteúdos controversos Pegadinhas Memorização “sempre”, “nunca”, “todo(a)”, “totalmente”, “absolutamente”, “completamente” e “somente”; Linguagem clara Termos impessoais Alternativa X Enunciado Ordenar de forma logica Pontuação correta
  • 16. Prova Dissertativa Diferente da prova de múltipla escolha, que você assinala a alternativa com “x”, a prova dissertativa é quando você precisa discorrer, escrever a sua resposta com suas próprias palavras. Vantagens: • fáceis de elaborar; • dificultam a cola; • impedem o chute e o azar; • oportunizam a criatividade e a originalidade; • exigem o raciocínio; • testam o domínio global do tema; • promovem, consequentemente, o estudo; • possibilitam avaliar o conteúdo com profundidade. Desvantagens: • dificultam a correção; • entram mais fatores subjetivos do professor na avaliação; • exigem mais tempo para a correção.
  • 17. Quando Evitar a Prova • Aplicada tradicionalmente para reforçar o instrucionismo – reprodução do que foi reproduzido em sala de aula; não possuir valor formativo; • Exigida a memorização reproduzida, em geral com perguntas e respostas fechadas e por vezes facilitadoras da obtenção da nota; • Vinculada a obtenção de uma nota com fim em si mesma. “A corrida pela nota é competitividade depravada porque se substitui o compromisso formativo pela disputa acirrada” Demo (2004, p. 129); • Ignorado o saber pensar, porque não promove a elaboração própria da habilidade de argumentar; • Aplicada em ambiente estereotipado, com forte vigilância, controle e ameaça; • Proliferada a “cola” para facilitação das respostas às questões objetivas; • Repasse de conteúdos, cabendo aos alunos ouvir, anotar e desenvolver na prova; • Surpreender o aluno em dia ruim, com problemas de saúde ou afetivos; • Impor padrões de desempenho iguais para todos, à revelia das diferenças; • Elaborada sem um plano que estabeleça os conhecimentos e habilidades necessárias que o aluno deve adquirir
  • 19. Sentido ético da avaliação A ética está inserida num contexto, numa dada situação, em que a subjetividade dos que nela convivem está permeada de intencionalidade. Avaliar é, nessa perspectiva, agir por motivos (lógicos e ilógicos) que incidem sobre as consequências decorridas desse modo de intervir. Ao agirmos, interferimos no modo de ser do outro. Quando avaliamos interferimos na condição de aprendizagem do aluno, mexemos com sua auto-estima, com o seu modo de perceber o mundo e o conhecimento.