SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS
POR QUE PRESTAR O ENEM?
[object Object],[object Object],[object Object]
O QUE É O ENEM?
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
Quatro habilidades são objetivo de reflexão neste encontro de agora:   ,[object Object]
2. Transformar linguagens . Diante de uma situação-problema, apresentada na linguagem de certa área do conhecimento, identificar a mesma formulação em outras linguagens – por exemplo, em texto e gráfico (competências testadas (1,3,4).   3.  Identificar o contexto de literatura e arte . Apontar o contexto histórico, social, político e cultural de textos literários selecionados e concepções artísticas apresentadas (competências testadas: 1,4,5).   4.  Conhecer as funções da linguagem.  Com base em um texto, analisar funções da linguagem, reconhecer variantes lingüísticas e estabelecer relações entre as linguagens coloquial e formal (competências testadas: 1,2,4).
[object Object]
 
CUITELINHO Cheguei na beira do porto Onde as ondas se espaia As garça dá meia vorta E senta na beira da praia E o cuitelinho não gosta Que o botão da rosa caia.
Quando eu vim da minha terra Despedi da parentaia Eu entrei no Mato Grosso Dei em terras paraguaia Lá tinha revolução Enfrentei fortes bataia.
A tua saudade corta Como aço de navaia O coração fica aflito Bate uma a outra faia E os óio se enche d’água Que até a vista se atrapaia. (música do folclore de Minas Gerais)
CUITELINHO Cheguei à beira do porto Onde as ondas se espalham As garças dão meia volta E assentam na beira da praia E o cuitelinho não gosta  Que o botão da rosa caia. Cheguei na beira do porto Onde as ondas se espaia As garça dá meia vorta E senta na beira da praia E o cuitelinho não gosta Que o botão da rosa caia. Quando eu vim da minha terra Despedi da parentaia Eu entrei no Mato Grosso Dei em terras paraguaia Lá tinha revolução Enfrentei fortes bataia. Quando eu vim da minha terra Despedi da parentalha Eu entrei no Mato Grosso Dei em terras paraguaias Lá havia revolução Enfrentei fortes batalhas. A tua saudade corta Como aço de navaia O coração fica aflito Bate uma a outra faia E os óio se enche d’água Que até a vista se atrapaia. A tua saudade corta  Como aço de navalha O coração fica aflito Bate uma a outra falha E os olhos se enchem d’água Que até a vista se atrapalha.
 
“ Macunaíma aproveitava a espera se aperfeiçoando nas duas línguas da terra, o brasileiro falado e o português escrito”. (Macunaíma – Mário de Andrade)
VÍCIO DA FALA Para dizerem milho dizem mio Para melhor dizem mió Para pior pió Para telha dizem teia Para telhado dizem teiado E vão fazendo telhados (Oswald de Andrade)
AULA DE PORTUGUÊS A linguagem na ponta da língua tão fácil de falar e de entender.
A linguagem na superfície estrelada de letras, sabe lá o que quer dizer?
Professor Carlos Góis, ele é quem sabe, e vai desmatando o amazonas de minha ignorância Figuras de gramática, esquipáticas, atropelam-me, aturdem-me, seqüestram-me.
Já esqueci a língua em que comia, em que pedia para ir lá fora, em que levava e dava pontapé, a língua, breve língua entrecortada do namoro com a priminha.   O português são dois, o outro, mistério. (Carlos Drummond de Andrade)
(ENEM- 2006) Explorando a função emotiva da linguagem, o poeta expressa o contraste entre marcas de variação de usos da linguagem em: a)  situações formais e informais b)  diferentes regiões do país c)  escolas literárias distintas d)  textos técnicos e poéticos e)  diferentes épocas
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
ARRUME NAMORADO
Arrumar. [ Do fr. Arrumer] V.t.d. 1. Pôr em ordem; arranjar, compor (...). 2. Dar determinado rumo a; dirigir para; rumar. 3. Dar posição ou ocupação profissional; colocar, empregar: (...). 4. Encontrar, conseguir, obter: (...). 5. Conceber, imaginar, inventar: (...) T.d.e i. 6. Atirar, arrojar, arremessar: (...). T.i. 7. Pôr de lado; acabar com, liquidar (...). P. 8. Estabelecer-se, empregar-se, colocar-se (...). 9. Conseguir boa situação, sob o aspecto financeiro, sentimental, etc; arranjar-se (...). 10. Acomodar-se, arranjar-se, ajeitar-se (...). 11.. Avir-se (...). 12. Fam. Vestir-se, aprontar-se.
ARRUME SEU NAMORADO
 
 
UNICAMP    01-A ambigüidade da história é provocada pela fala da personagem logo no primeiro quadrinho. Isso porque ela a)      não concluiu a primeira frase.  b)     não concluiu a segunda frase.  c)     juntou ação às palavras.  d)     concluiu mal a segunda frase.  e)      concluiu mal a primeira frase.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
03-  A ambigüidade também foi causada porque o inter­locutor/ouvinte, no primeiro quadrinho    a)    não percebeu a polissemia da palavra cabeça.  b)   não prestou atenção  à  expressão "Veja".  c)   confundiu e não entendeu perfeitamente os possessivos minha e sua.  d)   confundiu os auxiliares verbais poder e dever.  e)    não percebeu que o presente do verbo tinha valor de futuro.
04-     O último quadrinho mostra  a)      arrependimento.  b)     irritação pela burrice alheia.  c)    incompreensão violenta.  d)    auto crítica consciente. e)  compreensão bem-humorada.
 
ENEM 2007 – SIMULADO
01) A palavra grafite  é  originária do italiano (graffiti, plural de graffito) e significa marca ou inscrição feita em um muro. A palavra  é  utilizada desde  o  Império Romano, porém podemos encontrar inscrições em pa­redes na Pré-História  e  nas civilizações grega, etrusca romana, entre outras.  Na década de 1970, esse movimento volta a ter um lugar de destaque, por meio das pichações poéticas e ,  depois, com a stencil art, desenhos moldados em más­caras de papelão com   reprodução seriada. Ganha inúmeros adeptos, gerando forte influência na capital paulista e em todo o País. Já na década de 1980, alguns trabalhos foram expostos na Bienal Internacional de Arte de São Paulo, alcançando grande publicidade.  A análise das imagens e do texto nos permite concluir que
a) a pintura feita em murais, apesar de presente em toda a história da humanidade, sempre foi motivo de controvérsias, oposições e inúmeras repressões, na medida em que suja as cidades, contribuindo para a poluição visual.  b) a pintura feita em murais remonta à mais distante antigüidade e, apesar do uso de técnicas diferenciadas, co­mo o uso de grafismos figurativos, retrata o cotidiano através da expressão livre e consciente do artista que a elabora.  c) a arte sempre esteve presente na vida dos seres humanos, porém só foi reconhecida como forma de representação da história de vida dos povos a partir da época moderna e seguindo severas restrições que não permitem a inclusão da arte de rua.  d) a arte representa a história de vida dos seres humanos na medida em que retrata apenas temas e movimentos ocorridos na história oficial.  e) não existe relação entre a arte de rua e o cotidiano da sociedade moderna; essa manifestação foi proibida uma vez que suja a cidade e depreda o patrimônio público.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
Carlos Fabiano de Souza
 
Concordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalConcordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominal
Rebeca Kaus
 
Figuras de linguagem e efeitos de sentido.
Figuras de linguagem e efeitos de sentido.Figuras de linguagem e efeitos de sentido.
Figuras de linguagem e efeitos de sentido.
Flávio Ferreira
 
Intertextualidade: paródia e paráfrase
Intertextualidade:   paródia e paráfraseIntertextualidade:   paródia e paráfrase
Intertextualidade: paródia e paráfrase
Marcia Facelli
 

Mais procurados (20)

MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
 
Concordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalConcordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominal
 
Revisão – literatura
Revisão – literatura Revisão – literatura
Revisão – literatura
 
Figuras de linguagem
Figuras  de  linguagemFiguras  de  linguagem
Figuras de linguagem
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Figuras de linguagem e efeitos de sentido.
Figuras de linguagem e efeitos de sentido.Figuras de linguagem e efeitos de sentido.
Figuras de linguagem e efeitos de sentido.
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
 
. LÍNGUA PORTUGUESA – 1ª SÉRIE – HABILIDADE DA BNCC | (EM13LP02) D15
. LÍNGUA PORTUGUESA – 1ª SÉRIE – HABILIDADE DA BNCC | (EM13LP02) D15. LÍNGUA PORTUGUESA – 1ª SÉRIE – HABILIDADE DA BNCC | (EM13LP02) D15
. LÍNGUA PORTUGUESA – 1ª SÉRIE – HABILIDADE DA BNCC | (EM13LP02) D15
 
Regência nominal e verbal
Regência nominal e verbalRegência nominal e verbal
Regência nominal e verbal
 
Coesão Referencial
Coesão ReferencialCoesão Referencial
Coesão Referencial
 
Tipos de argumentos
Tipos de argumentosTipos de argumentos
Tipos de argumentos
 
Processo de formação de palavras
Processo de formação de palavrasProcesso de formação de palavras
Processo de formação de palavras
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasil
 
Classes de palavras
Classes de palavrasClasses de palavras
Classes de palavras
 
Intertextualidade: paródia e paráfrase
Intertextualidade:   paródia e paráfraseIntertextualidade:   paródia e paráfrase
Intertextualidade: paródia e paráfrase
 

Semelhante a Português Enem

UERJ 2º exam. de qualificação (vest. 2012)
UERJ 2º exam. de qualificação (vest. 2012)UERJ 2º exam. de qualificação (vest. 2012)
UERJ 2º exam. de qualificação (vest. 2012)
jullyvi
 
Aulão de Linguagens - Enem 2017 - CSJ
Aulão de Linguagens - Enem 2017 - CSJAulão de Linguagens - Enem 2017 - CSJ
Aulão de Linguagens - Enem 2017 - CSJ
CrisBiagio
 
Enem2009 Linguagens Codigos
Enem2009 Linguagens CodigosEnem2009 Linguagens Codigos
Enem2009 Linguagens Codigos
BIOLOGO TOTAL
 
2009 simulado linguagenscodigos
2009 simulado linguagenscodigos2009 simulado linguagenscodigos
2009 simulado linguagenscodigos
newsevoce
 

Semelhante a Português Enem (20)

1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica
 
1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica
 
UERJ 2º exam. de qualificação (vest. 2012)
UERJ 2º exam. de qualificação (vest. 2012)UERJ 2º exam. de qualificação (vest. 2012)
UERJ 2º exam. de qualificação (vest. 2012)
 
Aap lp ago 2015 caderno do professor_2 em_intranet (3)
Aap lp ago 2015 caderno do professor_2 em_intranet (3)Aap lp ago 2015 caderno do professor_2 em_intranet (3)
Aap lp ago 2015 caderno do professor_2 em_intranet (3)
 
Aulão de Linguagens - Enem 2017 - CSJ
Aulão de Linguagens - Enem 2017 - CSJAulão de Linguagens - Enem 2017 - CSJ
Aulão de Linguagens - Enem 2017 - CSJ
 
Resumo Tp2
Resumo   Tp2Resumo   Tp2
Resumo Tp2
 
AULA 4 - SEMANTICA .docx
AULA 4 - SEMANTICA .docxAULA 4 - SEMANTICA .docx
AULA 4 - SEMANTICA .docx
 
Slides sobre as Funções da Linguagem.pptx
Slides sobre as Funções da Linguagem.pptxSlides sobre as Funções da Linguagem.pptx
Slides sobre as Funções da Linguagem.pptx
 
Conteúdo de linguagem cobrado no enem
Conteúdo de linguagem cobrado no enemConteúdo de linguagem cobrado no enem
Conteúdo de linguagem cobrado no enem
 
Conteúdo de linguagem cobrado no enem
Conteúdo de linguagem cobrado no enemConteúdo de linguagem cobrado no enem
Conteúdo de linguagem cobrado no enem
 
Português-Aula-4.pdf
Português-Aula-4.pdfPortuguês-Aula-4.pdf
Português-Aula-4.pdf
 
Literatura 1º-ano
Literatura 1º-anoLiteratura 1º-ano
Literatura 1º-ano
 
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e código
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e códigoLinguagem, Adequação da linguagem, língua e código
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e código
 
Variedades linguísticas- exercício
Variedades linguísticas-  exercícioVariedades linguísticas-  exercício
Variedades linguísticas- exercício
 
ATIVIDADE REVISE.docx
ATIVIDADE REVISE.docxATIVIDADE REVISE.docx
ATIVIDADE REVISE.docx
 
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 1º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 1º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 1º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 1º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
 
Caderno 1 a em_cl
Caderno 1 a em_clCaderno 1 a em_cl
Caderno 1 a em_cl
 
Enem2009 Linguagens Codigos
Enem2009 Linguagens CodigosEnem2009 Linguagens Codigos
Enem2009 Linguagens Codigos
 
2009 simulado linguagenscodigos
2009 simulado linguagenscodigos2009 simulado linguagenscodigos
2009 simulado linguagenscodigos
 

Mais de Prof Palmito Rocha

Mais de Prof Palmito Rocha (20)

Quadro Comparativo - Vanguardas Europeias
Quadro Comparativo - Vanguardas Europeias Quadro Comparativo - Vanguardas Europeias
Quadro Comparativo - Vanguardas Europeias
 
Exercício verbo
Exercício verboExercício verbo
Exercício verbo
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Verbo
VerboVerbo
Verbo
 
Romance romântico
Romance românticoRomance romântico
Romance romântico
 
Roteiro
Roteiro Roteiro
Roteiro
 
Elementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoElementos da comunicação
Elementos da comunicação
 
Lista de exercício - Numeral
Lista de exercício - NumeralLista de exercício - Numeral
Lista de exercício - Numeral
 
Uso do numeral
Uso do numeralUso do numeral
Uso do numeral
 
Lista romantismo
Lista romantismoLista romantismo
Lista romantismo
 
Exercícios colocação pronominal
Exercícios colocação pronominalExercícios colocação pronominal
Exercícios colocação pronominal
 
Exercicio colocação pronominal
Exercicio colocação pronominalExercicio colocação pronominal
Exercicio colocação pronominal
 
Exercicio Coesão
Exercicio CoesãoExercicio Coesão
Exercicio Coesão
 
Exercicio acentuação
Exercicio acentuaçãoExercicio acentuação
Exercicio acentuação
 
Coesão
CoesãoCoesão
Coesão
 
Exercicio coesão textual
Exercicio coesão textualExercicio coesão textual
Exercicio coesão textual
 
Estudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
Estudo dirigido Trovadorismo-ClassicismoEstudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
Estudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
 
Exercício sobre colocação pronominal
Exercício sobre colocação pronominalExercício sobre colocação pronominal
Exercício sobre colocação pronominal
 
Fonologia 1º ano Ensino Médio
Fonologia 1º ano Ensino MédioFonologia 1º ano Ensino Médio
Fonologia 1º ano Ensino Médio
 

Último

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 

Último (20)

MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 

Português Enem

  • 1. LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS
  • 2. POR QUE PRESTAR O ENEM?
  • 3.
  • 4. O QUE É O ENEM?
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9. 2. Transformar linguagens . Diante de uma situação-problema, apresentada na linguagem de certa área do conhecimento, identificar a mesma formulação em outras linguagens – por exemplo, em texto e gráfico (competências testadas (1,3,4). 3. Identificar o contexto de literatura e arte . Apontar o contexto histórico, social, político e cultural de textos literários selecionados e concepções artísticas apresentadas (competências testadas: 1,4,5). 4. Conhecer as funções da linguagem. Com base em um texto, analisar funções da linguagem, reconhecer variantes lingüísticas e estabelecer relações entre as linguagens coloquial e formal (competências testadas: 1,2,4).
  • 10.
  • 11.  
  • 12. CUITELINHO Cheguei na beira do porto Onde as ondas se espaia As garça dá meia vorta E senta na beira da praia E o cuitelinho não gosta Que o botão da rosa caia.
  • 13. Quando eu vim da minha terra Despedi da parentaia Eu entrei no Mato Grosso Dei em terras paraguaia Lá tinha revolução Enfrentei fortes bataia.
  • 14. A tua saudade corta Como aço de navaia O coração fica aflito Bate uma a outra faia E os óio se enche d’água Que até a vista se atrapaia. (música do folclore de Minas Gerais)
  • 15. CUITELINHO Cheguei à beira do porto Onde as ondas se espalham As garças dão meia volta E assentam na beira da praia E o cuitelinho não gosta Que o botão da rosa caia. Cheguei na beira do porto Onde as ondas se espaia As garça dá meia vorta E senta na beira da praia E o cuitelinho não gosta Que o botão da rosa caia. Quando eu vim da minha terra Despedi da parentaia Eu entrei no Mato Grosso Dei em terras paraguaia Lá tinha revolução Enfrentei fortes bataia. Quando eu vim da minha terra Despedi da parentalha Eu entrei no Mato Grosso Dei em terras paraguaias Lá havia revolução Enfrentei fortes batalhas. A tua saudade corta Como aço de navaia O coração fica aflito Bate uma a outra faia E os óio se enche d’água Que até a vista se atrapaia. A tua saudade corta Como aço de navalha O coração fica aflito Bate uma a outra falha E os olhos se enchem d’água Que até a vista se atrapalha.
  • 16.  
  • 17. “ Macunaíma aproveitava a espera se aperfeiçoando nas duas línguas da terra, o brasileiro falado e o português escrito”. (Macunaíma – Mário de Andrade)
  • 18. VÍCIO DA FALA Para dizerem milho dizem mio Para melhor dizem mió Para pior pió Para telha dizem teia Para telhado dizem teiado E vão fazendo telhados (Oswald de Andrade)
  • 19. AULA DE PORTUGUÊS A linguagem na ponta da língua tão fácil de falar e de entender.
  • 20. A linguagem na superfície estrelada de letras, sabe lá o que quer dizer?
  • 21. Professor Carlos Góis, ele é quem sabe, e vai desmatando o amazonas de minha ignorância Figuras de gramática, esquipáticas, atropelam-me, aturdem-me, seqüestram-me.
  • 22. Já esqueci a língua em que comia, em que pedia para ir lá fora, em que levava e dava pontapé, a língua, breve língua entrecortada do namoro com a priminha. O português são dois, o outro, mistério. (Carlos Drummond de Andrade)
  • 23. (ENEM- 2006) Explorando a função emotiva da linguagem, o poeta expressa o contraste entre marcas de variação de usos da linguagem em: a) situações formais e informais b) diferentes regiões do país c) escolas literárias distintas d) textos técnicos e poéticos e) diferentes épocas
  • 24.
  • 26. Arrumar. [ Do fr. Arrumer] V.t.d. 1. Pôr em ordem; arranjar, compor (...). 2. Dar determinado rumo a; dirigir para; rumar. 3. Dar posição ou ocupação profissional; colocar, empregar: (...). 4. Encontrar, conseguir, obter: (...). 5. Conceber, imaginar, inventar: (...) T.d.e i. 6. Atirar, arrojar, arremessar: (...). T.i. 7. Pôr de lado; acabar com, liquidar (...). P. 8. Estabelecer-se, empregar-se, colocar-se (...). 9. Conseguir boa situação, sob o aspecto financeiro, sentimental, etc; arranjar-se (...). 10. Acomodar-se, arranjar-se, ajeitar-se (...). 11.. Avir-se (...). 12. Fam. Vestir-se, aprontar-se.
  • 28.  
  • 29.  
  • 30. UNICAMP   01-A ambigüidade da história é provocada pela fala da personagem logo no primeiro quadrinho. Isso porque ela a)     não concluiu a primeira frase. b)   não concluiu a segunda frase. c)   juntou ação às palavras. d)   concluiu mal a segunda frase. e)     concluiu mal a primeira frase.
  • 31.
  • 32. 03-  A ambigüidade também foi causada porque o inter­locutor/ouvinte, no primeiro quadrinho   a)    não percebeu a polissemia da palavra cabeça. b)   não prestou atenção à expressão "Veja". c)   confundiu e não entendeu perfeitamente os possessivos minha e sua. d)   confundiu os auxiliares verbais poder e dever. e)    não percebeu que o presente do verbo tinha valor de futuro.
  • 33. 04-    O último quadrinho mostra a)     arrependimento. b)   irritação pela burrice alheia. c)   incompreensão violenta. d)   auto crítica consciente. e) compreensão bem-humorada.
  • 34.  
  • 35. ENEM 2007 – SIMULADO
  • 36. 01) A palavra grafite é originária do italiano (graffiti, plural de graffito) e significa marca ou inscrição feita em um muro. A palavra é utilizada desde o Império Romano, porém podemos encontrar inscrições em pa­redes na Pré-História e nas civilizações grega, etrusca romana, entre outras. Na década de 1970, esse movimento volta a ter um lugar de destaque, por meio das pichações poéticas e , depois, com a stencil art, desenhos moldados em más­caras de papelão com reprodução seriada. Ganha inúmeros adeptos, gerando forte influência na capital paulista e em todo o País. Já na década de 1980, alguns trabalhos foram expostos na Bienal Internacional de Arte de São Paulo, alcançando grande publicidade. A análise das imagens e do texto nos permite concluir que
  • 37. a) a pintura feita em murais, apesar de presente em toda a história da humanidade, sempre foi motivo de controvérsias, oposições e inúmeras repressões, na medida em que suja as cidades, contribuindo para a poluição visual. b) a pintura feita em murais remonta à mais distante antigüidade e, apesar do uso de técnicas diferenciadas, co­mo o uso de grafismos figurativos, retrata o cotidiano através da expressão livre e consciente do artista que a elabora. c) a arte sempre esteve presente na vida dos seres humanos, porém só foi reconhecida como forma de representação da história de vida dos povos a partir da época moderna e seguindo severas restrições que não permitem a inclusão da arte de rua. d) a arte representa a história de vida dos seres humanos na medida em que retrata apenas temas e movimentos ocorridos na história oficial. e) não existe relação entre a arte de rua e o cotidiano da sociedade moderna; essa manifestação foi proibida uma vez que suja a cidade e depreda o patrimônio público.