Grandes navegações dos séculos XV e XVI

74.293 visualizações

Publicada em

5 comentários
50 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
74.293
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
93
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3.189
Comentários
5
Gostaram
50
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Grandes navegações dos séculos XV e XVI

  1. 1. Rotas das grandes navegações europeias do século XVI
  2. 2. Durante os séculos XV e XVI, exploradores europeus, mas principalmente portugueses e espanhóis, começaram a aventurar-se pelo “mar desconhecido”, isto é, pelo oceano Atlântico e também pelo Pacífico e Índico dando início à chamada Era das Grandes Navegações e Descobrimentos Marítimos.
  3. 3. Objetivos No século XV, os países europeus que quisessem comprar especiarias, tinham que recorrer aos comerciantes de Veneza ou Gênova, que possuíam o monopólio destes produtos.
  4. 4. Canela Cravo da ÍndiaPimenta do reino Açafrão
  5. 5. Gengibre Mostarda Coentro Noz Moscada
  6. 6. Com acesso aos mercados orientais - Índia era o principal - os burgueses italianos cobravam preços exorbitantes pelas especiarias do oriente. O canal de comunicação e transporte de mercadorias vindas do oriente era o Mar Mediterrâneo, dominado pelos italianos.
  7. 7. Encontrar um novo caminho para as Índias era uma tarefa difícil, porém muito desejada. Portugal e Espanha desejavam muito ter acesso direto às fontes orientais, para poderem também lucrar com este interessante comércio. Mas os navegadores tinham muito medo do “desconhecido” .
  8. 8. Eles acreditavam que no mar havia monstros e criaturas ameaçadoras.
  9. 9. Um outro fator importante, que estimulou as navegações nesta época, era a necessidade dos europeus de conquistarem novas terras. Eles queriam isso para poder obter matérias- primas, metais preciosos e produtos não encontrados na Europa. Até mesmo a Igreja Católica estava interessada neste empreendimento, pois, significaria novos fiéis.
  10. 10. Muitos acreditavam que o mar pudesse ser habitado por monstros, enquanto outros tinham uma visão da terra como algo plano e, portanto, ao navegar para o "fim" a caravela poderia cair num grande abismo.
  11. 11. Dentro deste contexto, planejar a viagem era de extrema importância. Os europeus contavam com alguns instrumentos de navegação como, por exemplo: a bússola, o astrolábio, o sextante e a balestilha. BÚSSOLA
  12. 12. ASTROLÁBIO - usado para medir a altura dos astros acima do horizonte.
  13. 13. SEXTANTE - instrumento utilizado para calcular o posicionamento global na navegação estimada, mas serve também para o cálculo de distância com base no tamanho aparente de objetos.
  14. 14. BALESTILHA - instrumento complementar da esfera armilar utilizado para medir a altura em graus que une o horizonte ao astro e dessa forma determinar os azimutes, antes e depois de sua passagem meridiana. É um instrumento de orientação.
  15. 15. Também era necessário utilizar um meio de transporte rápido e resistente. As caravelas cumpriam tais objetivos, embora ocorressem naufrágios e acidentes. As caravelas eram capazes de transportar grandes quantidades de mercadorias e homens. Numa navegação participavam marinheiros, soldados, padres, ajudantes, médicos e até mesmo um escrivão para anotar tudo o que acontecia durantes as viagens.
  16. 16. Navegações portuguesas e os descobrimentos No ano de 1498, Portugal realiza uma das mais importantes navegações: é a chegada das caravelas, comandadas por Vasco da Gama às Índias. Navegando ao redor do continente africano, Vasco da Gama chegou à Calicute e pôde desfrutar de todos os benefícios do comércio direto com o oriente. Ao retornar para Portugal, as caravelas portuguesas, carregadas de especiarias, renderam lucros fabulosos aos lusitanos.
  17. 17. Pintura de Vasco da Gama na chegada à Índia, ostentando a bandeira usada nos Descobrimentos: As armas de Portugal e a cruz de Cristo, patrocinadores do movimento de expansão iniciado pelo Infante D. Henrique.
  18. 18. Outro importante feito foi a chegada das caravelas de Cabral ao litoral brasileiro, em abril de 1500. Após fazer um reconhecimento da terra "descoberta", Cabral continuou o percurso em direção às Índias. Em função destes acontecimentos, Portugal tornou-se a principal potência econômica da época.
  19. 19. Navegações Espanholas e o descobrimento da América Enquanto os portugueses navegaram para as Índias contornando a África, os espanhóis optaram por um outro caminho. O genovês Cristóvão Colombo, financiado pela Espanha, pretendia chegar às Índias, navegando na direção oeste.
  20. 20. Em 1492, as caravelas espanholas, Santa Maria, Pinta e Niña partiram rumo ao oriente navegando pelo Oceano Atlântico. Colombo desconhecia a existência do continente americano. Chegou em 12 de outubro de 1492 nas ilhas da América Central, sem saber que tinha atingido um novo continente. Foi somente anos mais tarde que o navegador Américo Vespúcio identificou aquelas terras como sendo um continente ainda não conhecido dos europeus.
  21. 21. Primeira viagem em volta do mundo Entre todos os navegadores citados, Fernão de Magalhães percorreu o maior caminho. ● Servindo ao rei de Espanha, realizou a primeira viagem de circum- navegação pela Terra, o primeiro a atravessar o Estreito de Magalhães, batizado com o seu nome. Foi também o primeiro europeu a navegar o Oceano Pacífico.
  22. 22. Victoria
  23. 23. Na ilha de Mactan (Filipinas), o navegador foi morto numa luta com os nativos. A viagem, porém, não foi interrompida e a expedição prosseguiu sob o comando de Juan Sebastián Elcano. Com apenas uma única nau remanescente, a Victoria, e 17 homens dos 270 iniciais, a expedição, ou que restou dela, chegou ao porto espanhol de Sevilha (1522), depois de completar a volta ao globo, passando pelo sul da África, demonstrando, na prática, a esfericidade da Terra.

×