SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
CULTURA E IDEOLOGIA – UNIDADE 6
              CAPITULO 18




           CONCEITOS



Prof. Ms. PEDRO LUIZ DE AZEVEDO FILHO
        DISCIPLINA SOCIOLOGIA

                                PÁGINA 170
A Sociologia é uma das formas de
                                       conhecimento, resultado das condições
                                       sociais, econômicas e políticas do tempo em
                                       que se desenvolveu. Ela nasceu em resposta à
                                       necessidade de explicar e entender as
                                       transformações que começaram a ocorrer no
                                       mundo ocidental entre o final do século XVIII
                                       e o início do século XIX, decorrentes da
                                       emergência e do desenvolvimento da
                                       sociedade capitalista.


A produção de alimentos e de objetos
artesanais, que se concentrava no campo,
passou a se deslocar para as cidades, onde
começavam a se desenvolver as indústrias.
Afetando o modo de vida dos diferentes
grupos sociais, suas relações familiares e de
trabalho. Desta forma, as normas e valores
se estruturariam em novas bases, menos
religiosas estimulando o desenvolvimento de
novas ideias.
ELEMENTOS DO SISTEMA FEUDAL
A NOVA ESTRUTURA
CULTURA
Significa tudo que o ser humano produz ao construir sua         existência:     as
práticas, as teorias, as instituições, os valores materiais e espirituais. Cultura
é o conjunto de símbolos elaborados por um povo.

Segundo Alfredo Bosi, não há no grego uma palavra específica para cultura,
há sim, uma palavra que se aproxima desse conceito, que é paídeia (aquilo
que se ensina à criança”, “aquilo que deve ser trabalhado na criança até que
ela se transforme em adulta”.

A palavra cultura vem do latim e designa “ato de cultivar a terra”, “de cuidar do
que se planta” é o trabalho de preparar o solo, semear e fazer tudo para que
uma planta cresça e dê frutos.
CULTURA
   SEGUNDO A
 ANTROPOLOGIA

PARA O ANTROPÓLOGO
INGLÊS EDWARD        B.
TYLOR       (1832-1917),
CULTURA É O CONJUNTO
COMPLEXO            DE
CONHECIMENTOS,
CRENÇAS, ARTE, MORAL
E DIREITO, ALÉM DE
COSTUMES E HÁBITOS
ADQUIRIDOS      PELOS
INDIVÍDUOS EM UMA
SOCIEDADE.
PARA           O
ANTROPÓLOGO
ALEMÃO    FRANZ
BOAS (1858-1942),
QUE     POSSUÍA
UMA        VISÃO
PARTICULARISTA,
DEMONSTROU
QUE           AS
DIFERENÇAS
ENTRE         OS
GRUPOS         E
SOCIEDADE
HUMANAS ERAM
CULTURAIS,     E
NÃO BIOLÓGICAS.
PARA   O   ANTROPÓLOGO
INGLÊS        BRONISLAW
MALINOWSKI     (1884-1942),
CONCEBIA CULTURA COMO
SISTEMAS FUNCIONAIS E
EQUILIBRADOS, FORMADOS
POR           ELEMENTOS
INTERDEPENDENTES      QUE
LHES               DAVAM
CARACTERÍSTICAS
PRÓPRIAS,
PRINCIPALMENTE         NO
TOCANTE                 ÀS
NECESSIDADES     BÁSICAS,
COMO            ALIMENTO,
PROTEÇÃO E REPRODUÇÃO.
AS ANTROPÓLOGAS, ESTADUNIDENSE,
RUTH BENEDICT (1887-1948) (FOTO À
ESQUERDA) E MARGARETH MEAD
(1901-1978) (FOTO A DIREITA E ABAIXO),
INVESTIGARAM AS RELAÇÕES ENTRE
CULTURA E PERSONALIDADE.
PARA O ANTROPÓLOGO
CLAUDE LÉVI-STRAUSS,
CULTURA       É     UM
CONJUNTO DE SISTEMAS
SIMBÓLICOS, ENTRE OS
QUAIS SE INCLUEM A
LINGUAGEM, AS REGRAS
MATRIMONIAIS, A ARTE,
A CIÊNCIA, A RELIGIÃO E
AS              NORMAS
ECONÔMICAS.       ESSES
SISTEMAS             SE
RELACIONAM            E
INFLUENCIAM           A
REALIDADE SOCIAL E
FÍSICA DAS DIFERENTES
SOCIEDADES.
SEGUNDO             O
PENSADOR FRANCÊS
FÉLIX GUATTARI, (1930-
1992) CULTURA POSSUI
TRÊS     SIGNIFICADOS
DIFERENTES À SABER:

CULTURA VALOR;

CULTURA        –ALMA
COLETIVA;

CULTURA
MERCADORIA.
CULTURA-VALOR

PERMITE IDENTIFICAR QUEM
TEM CULTURA E QUEM NÃO
TEM,        OU
DETERMINAR      SE    UM
INDIVIDUO PERTENCE A UM
MEIO CULTO OU INCULTO,
DEFININDO             UM
JULGAMENTO DE VALOR,
SERVE PARA IDENTIFICAR
QUEM TEM        CULTURA
CLÁSSICA, ARTÍSTICA OU
CIENTÍFICA;
CULTURA-ALMA
      COLETIVA

É    O   SINÔNIMO   DE
CIVILIZAÇÃO. EXPRESSA
A IDEIA DE QUE TODAS
AS PESSOAS, GRUPOS E
POVOS TÊM CULTURA E
IDENTIDADE CULTURAL.
NESSA ACEPÇÃO, PODE-
SE FALAR DE CULTURA
NEGRA,         CHINESA,
MARGINAL, ETC. PRESTA-
SE A DIVERSOS USOS
PARA OS QUE DESEJAM
DAR SENTIDO A AÇÃO
DOS GRUPOS AOS QUAIS
PERTENCEM
IDENTIFICANDO-OS.
CULTURA-MERCADORIA

É A CULTURA DE MASSA, NÃO COMPORTA UM
JULGAMENTO DE VALOR, NEM DELIMITAÇÃO
DE TERRITÓRIO COMO OS ANTERIORES.

NESTA, CONCEPÇÃO, CULTURA SIGNIFICA
BENS   E    EQUIPAMENTOS    –   CENTROS
CULTURAIS, CINEMAS, BIBLIOTECAS – AS
PESSOAS     QUE    TRABALHAM      NESSES
ESTABELECIMENTOS, E OS CONTEÚDOS
TEÓRICOS E IDEOLÓGICOS DE PRODUTOS –
COMO FILMES, DISCOS E LIVROS – QUE ESTÃO
A DISPOSIÇÃO DE QUEM QUER E PODE
COMPRÁ-LOS,    OU   SEJA    QUE    ESTÃO
DISPONÍVEIS NO MERCADO.
DIFERENCIANDO AS PESSOAS: QUE
TÊM OU NÃO CULTURA (CLÁSSICA E
ERUDITA).

              IDENTIFICANDO GRUPOS ESPECÍFICOS
              QUANTO A POSSIBILIDADE OU NÃO DE
              CONSUMIR BENS CULTURAIS.


AS CONCEPÇÕES TRAZEM CARGA
VALORATIVAS DIVIDINDO GRUPOS E
POVOS QUE POSSUEM CULTURA E SE
ESTA CULTURA É SUPERIOR OU
INFERIOR.
CONVIVÊNCIA COM A DIFERENÇA: O ETNOCENTRISMO

O OUTRO:
Há grande dificuldade na aceitação das diversidades em uma sociedade ou entre
sociedades diferentes, pois os seres humanos tendem a tomar seu grupo ou sociedade
como medida para avaliar os demais. Em outras palavras, cada grupo ou sociedade
considera-se superior e olha com desprezo e desdém os outros, tidos como estranhos ou
estrangeiros. Para designar essa tendência, o sociólogo estadunidense William G.
Summer (1840-1910) criou em 1906 o termo ETNOCENTRISMO. Exemplos:

Na Antiguidade os romanos chamavam de bárbaros quem não era da sua cultura;
No Renascimento os europeus chamavam de selvagem os povos americanos;
Na ideologia racista a supremacia do branco sobre o negro;
No mundo globalizado a cultura ocidental é superior e deve ser adotada pelos povos de
cultura diferente modificando suas crenças, normas e valores.
O etnocentrismo foi responsável pela geração de intolerância e preconceito – cultural,
religioso, étnico e político.
TROCAS CULTURAIS E HIBRIDAS

NO MUNDO GLOBALIZADO,
n

INVADIDO POR INFORMAÇÕES
ORIUNDAS    DE   DIVERSOS
LUGARES,    É    POSSÍVEL
AFIRMAR   QUE   HÁ   UMA
CULTURA PURA? ATÉ QUE
PONTO CHEGOU O PROCESSO
DE    MUNDIALIZAÇÃO    DA
CULTURA?
NO SÉCULO XIX E INÍCIO DO
XX,        COM          O
DESENVOLVIMENTO       DOS
MEIOS DE TRANSPORTE E
DAS       COMUNICAÇÕES,
OCORREU A POSSIBILIDADE
DE UM MAIOR CONTATO
COM      SITUAÇÕES      E
CULTURAS DIFERENTES. NO
DECORRER DO SÉCULO XX,
AS    TECNOLOGIAS      DE
COMUNIÇÃO, O CINEMA, A
TELEVISÃO E A INTERNET
TORNARAM-SE
INSTRUMENTOS DE TROCAS
CULTURAIS INTENSAS, E OS
CONTATOS INDIVIDUAIS E
SOCIAIS PASSARAM A TER
NÃO UM, MAS MÚLTIPLOS
PONTOS DE ORIGEM.
AS   CULTURAS   DE
                   PAÍSES PRÓXIMOS SE
                   MESCLAM A ESSAS
                   EXPRESSÕES,
                   CONSTRUINDO
                   CULTURAS HÍBRIDAS

QUE NÃO PODEM
SER         MAIS
CARACTERIZADAS
COMO DE UM PAÍS,
MAS COMO PARTE
DE UMA IMENSA
CULTURA MUNDIAL.
PARA O SOCIÓLOGO
HOLANDÊS    JOOST
SMIERS    :    “A
QUESTÃO CENTRAL
É A DOMINAÇÃO
CULTURAL, E ISSO
PRECISA       SER
DISCUTIDO    COM
PROPOSTAS
ALTERNATIVAS
PARA PRESERVAR E
PROMOVER        A
DIVERSIDADE    NO
MUNDO”.
CULTURA ERUDITA E CULTURA POPULAR
A separação entre cultura popular e erudita, está relacionada à divisão da
sociedade em classes. É o resultado das diferenças sociais.

ERUDITO – abrange expressões artísticas como a música clássica de padrão
      europeu, as artes plásticas – escultura e pintura – o teatro e a literatura de
      cunho universal – (estes produtos podem ser comprados);
POPULAR – encontra expressão nos mitos e contos, danças, música – de
      sertaneja a cabocla – artesanato rústico de cerâmica ou de madeira e
      pintura.
É um conjunto de ideias ou pensamentos de uma pessoa ou de um
grupo de indivíduos. A ideologia pode estar ligada a ações políticas,
econômicas e sociais. O termo ideologia foi usado de forma marcante
pelo filósofo Antoine Destutt de Tracy.




O conceito de ideologia foi muito trabalhado pelo filósofo alemão Karl
Marx, que ligava a ideologia aos sistemas teóricos (políticos, morais e
sociais) criados pela classe social dominante. De acordo com Marx, a
ideologia da classe dominante tinha como objetivo manter os mais
ricos no controle da sociedade.
O TERMO IDEOLOGIA FOI UTILIZADO INICIALMENTE PELO PENSADOR
FRANCÊS DESTUTT DE TRACY (1754-1836), EM SEU LIVRO ELEMENTOS DE
IDEOLOGIA (1801), NO SENTIDO DE “CIÊNCIA DA GÊNESE DAS IDEIAS”.
NAPOLEÃO BONAPARTE DEU AO TERMO IDEOLOGIA, O DE “IDEIA FALSA” OU
“ILUSÃO” EM 1812, EM UM DISCURSO PERANTE O CONSELHO DE ESTADO.
AUGUSTO COMTE (1798-1857), EM SEU CURSO DE FILOSOFIA POSITIVA (1830-
1842) RETOMOU O SENTIDO DADO POR TRACY, OU SEJA, O DE ESTUDO DA
FORMAÇÃO DAS IDEIAS, PARTINDO DAS SENSAÇÕES (RELAÇÃO DO CORPO
COM O MEIO) – E ACRESCENTOU OUTRO, O DE CONJUNTO DE IDEIAS DE
DETERMINADA ÉPOCA.
KARL MARX APRESENTOU OUTRAS DEFINIÇÕES PARA O TERMO:
        - NO LIVRO A IDEOLOGIA ALEMÃ (1846) – IDEOLOGIA COMO UM
SISTEMA ELABORADO DE REPRESENTAÇÕES E DE IDEIAS QUE
CORRESPONDEM A FORMA DE CONSCIÊNCIA QUE OS HOMENS TÊM EM
DETERMINADA ÉPOCA. AFIRMOU AINDA QUE AS IDEIAS DOMINANTES EM
QUALQUER ÉPOCA SÃO SEMPRE AS DE QUEM DOMINA A VIDA MATERIAL E,
PORTANTO, A VIDA INTELECTUAL. LOGO IDEOLOGIA É RESULTANTE DA
DIVISÃO ENTRE O TRABALHO MANUAL E O INTELECTUAL.
        - AFIRMOU QUE A EXISTÊNCIA SOCIAL CONDICIONAVA A
CONSCIÊNCIA DOS INDIVÍDUOS SOBRE A SITUAÇÃO EM QUE VIVIAM, ASSIM,
IDEOLOGIAS NÃO SÃO MERAS ILUSÕES E APARÊNCIAS – E MUITO MENOS O
FUNDAMENTO DA HISTÓRIA – MAS SÃO UMA REALIDADE OBJETIVA E
ATUANTE.
ÉMILE DURKHEIN, EM SEU LIVRO AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO
(1895) , AFIRMA QUE O CIENTISTA DEVE DEIXAR DE LADO TODAS AS PRÉ-
NOÇÕES, AS NOÇÕES VULGARES AS IDEIAS ANTIGAS E PRÉ-CIENTÍFICAS
E As IDEIAS SUBJETIVAS. SÃO ESSAS IDEIAS QUE ELE ENTENDE POR
IDEOLOGIA, OU SEJA, O CONTRÁRIO A CIÊNCIA.


KARL MANNHEIM (1893-1947) EM SEU LIVRO IDEOLOGIA E UTOPIA
(1929), IDEOLOGIA SÃO SEMPRE CONSERVADORAS, POIS EXPRESSAM
O PENSAMENTO DAS CLASSES DOMINANTES, QUE VISAM À
ESTABILIZAÇÃO DA ORDEM. EM CONTRAPOSIÇÃO, ELE CHAMA DE
UTOPIA O QUE PENSAM AS CLASSES OPRIMIDAS, QUE BUSCAM A
TRANSFORMAÇÃO. ELE CONCEITUA DUAS FORMAS DE IDEOLOGIA:
A PARTICULAR E A TOTAL.
A PARTICULAR – CORRESPONDE À OCULTAÇÃO DA REALIDADE,
INCLUINDO     MENTIRAS    CONSCIENTES   E    OCULTAMENTOS
SUBCONSCIENTES INCONSCIENTES, QUE PROVOCAM ENGANOS OU
MESMO AUTOENGANOS.
A TOTAL – É A VISÃO DE MUNDO (COSMOVISÃO) DE UMA CLASSE
SOCIAL OU DE UM ÉPOCA.
A IDEOLOGIA NO
      COTIDIANO
EM NOSSO COTIDIANO AO
NOS RELACIONARMOS COM
AS     OUTRAS      PESSOAS,
EXPRIMIMOS POR MEIO DE
AÇÕES,      PALAVRAS      E
SENTIMENTOS UMA SÉRIE DE
ELEMENTOS      IDEOLÓGICOS.
COMO VIVEMOS EM UMA
SOCIEDADE CAPITALISTA, A
LÓGICA QUE A ESTRUTURA, A
DA MERCADORIA, PERMEIA
TODAS       AS      NOSSAS
RELAÇÕES,     SEJAM    ELAS
ECONÔMICAS,       POLÍTICAS,
SOCIAIS OU SENTIMENTAIS.
PODEMOS DIZER QUE HÁ UM
MODO CAPITALISTA DE VIVER,
DE SENTIR E DE PENSAR.
A IDEOLOGIA NO COTIDIANO
Outra manifestação ideológica na
sociedade capitalista é a ideia de que
vivemos em uma comunidade sem
muitos conflitos e contradições. Essas
concepções passam a visão de que
há uma comunidade de interesses e
propósitos partilhados por todos os
que vivem num espaço especifico,
obscurecendo as diferenças sociais,
econômicas e culturais, os conflitos
entre os vários grupos e classes,
enfatizando-se uma unidade que não
existe.
OUTRA FORMA É A IDEIA DE
FELICIDADE. FELICIDADE É
UM ESTADO RELACIONADO
AO AMOR, MAS TAMBÉM
SIGNIFICA    ESTABILIDADE
FINANCEIRA              E
PROFISSIONAL, BEM-ESTAR
EXISTENCIAL E MATERIAL. É
UM      CONJUNTO       DE
SITUAÇÕES,            MAS
NORMALMENTE      A   MAIS
FOCALIZADA É A AMOROSA.
E    OS     FILMES,    AS
NOVELAS,AS      REVISTAS,
APESAR DE TODAS AS
CONDIÇÕES       ADVERSAS
QUE UM INDIVIDUO POSSA
ENFRENTAR,          ESTÃO
SEMPRE REFORÇANDO O
LEMA: “O AMOR VENCE
TODAS AS DIFICULDADES”.
TALVEZ A MAIOR DE TODAS
AS            EXPRESSÕES
IDEOLÓGICAS           QUE
ENCONTRAMOS EM NOSSO
COTIDIANO SEJA A IDEIA DE
QUE     O   CONHECIMENTO
CIENTÍFICOS  É   VERDADE
INQUESTIONÁVEL.

                            PARA TANTO BASTA DIZER QUE
                            SE TRATA DE RESULTADO DE
                            PESQUISA OU INFORMAÇÃO DE
                            UM CIENTISTA PARA QUE A
                            TOMEM COMO VERDADE E
                            PASSEM A ORIENTAR SUAS
                            PRÁTICAS COTIDIANAS POR
                            ELA.    NADA    ESTÁ    MAIS
                            DISTANTE DO CONHECIMENTO
                            CIENTIFICO DO QUE A IDEIA DE
                            VERDADE    ABSOLUTA E      A
                            PRETENSÃO     DE   EXPLICAR
                            TODAS AS COISAS.
MAS O CONHECIMENTO CIENTIFICO,
QUANDO ANALISADO DA PERSPECTIVA
DE UM PENSAMENTO HEGEMÔNICO
OCIDENTAL, TORNA-SE COLONIALISTA,
POIS O QUE É PARTICULAR(OCIDENTAL)
SE UNIVERSALIZA E SE TRANSFORMA EM
UM PARADIGMA QUE NEGA OUTRAS
FORMAS DE EXPLICAR E CONHECER O
MUNDO.




                                     ASSIM, DESQUALIFICA OUTRAS
                                     CULTURAS E SABERES, TIDOS
                                     COMO INFERIORES E EXÓTICOS,
                                     COMO O CONHECIMENTO DAS
                                     CIVILIZAÇÕES       AMERÍNDIAS,
                                     ORIENTAIS E ÁRABE.
OBRIGADO
BIBLIOGRAFIA
Sociologia para o ensino médio / Nelson
Dacio Tomazi. – 2. ed. – São Paulo:
Saraiva, 2010.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cultura e sociedade
Cultura e sociedadeCultura e sociedade
Cultura e sociedade
sagali
 
Conceito de cultura
Conceito de culturaConceito de cultura
Conceito de cultura
licasoler
 
Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1
iranildespm
 

Mais procurados (20)

Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
 
Sociologia - Diversidade Cultural - Prof.Altair Aguilar.
Sociologia - Diversidade Cultural - Prof.Altair Aguilar.Sociologia - Diversidade Cultural - Prof.Altair Aguilar.
Sociologia - Diversidade Cultural - Prof.Altair Aguilar.
 
Identidade cultural no Mundo
Identidade cultural no MundoIdentidade cultural no Mundo
Identidade cultural no Mundo
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Desigualdade Social
Desigualdade SocialDesigualdade Social
Desigualdade Social
 
Filosofia da Arte: Arte e estética
Filosofia da Arte: Arte e estéticaFilosofia da Arte: Arte e estética
Filosofia da Arte: Arte e estética
 
Diversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismoDiversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismo
 
Teoria Crítica
Teoria CríticaTeoria Crítica
Teoria Crítica
 
CULTURA E SOCIEDADE
CULTURA E SOCIEDADECULTURA E SOCIEDADE
CULTURA E SOCIEDADE
 
Cultura e sociedade
Cultura e sociedadeCultura e sociedade
Cultura e sociedade
 
Conceito de cultura
Conceito de culturaConceito de cultura
Conceito de cultura
 
Cultura de massa: que cultura? E que massa?
Cultura de massa: que cultura? E que massa?Cultura de massa: que cultura? E que massa?
Cultura de massa: que cultura? E que massa?
 
Sociologia - Religião
Sociologia - ReligiãoSociologia - Religião
Sociologia - Religião
 
Sociedade do espetáculo
Sociedade do espetáculoSociedade do espetáculo
Sociedade do espetáculo
 
Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1
 
Sociologia: Uma Ciência Social
Sociologia: Uma Ciência SocialSociologia: Uma Ciência Social
Sociologia: Uma Ciência Social
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
Sociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula IntrodutóriaSociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula Introdutória
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
 

Destaque

Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
Alison Nunes
 
Autoridade e poder
Autoridade e poderAutoridade e poder
Autoridade e poder
Liu Santos
 
Autoridade e poder
Autoridade e poderAutoridade e poder
Autoridade e poder
mvgui
 

Destaque (20)

Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 18 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 18 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 18 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 18 do Tomazi
 
Cultura e ideologia
Cultura e ideologiaCultura e ideologia
Cultura e ideologia
 
Sociologia Capítulo 18 - Cultura e Ideologia
Sociologia Capítulo 18 - Cultura e IdeologiaSociologia Capítulo 18 - Cultura e Ideologia
Sociologia Capítulo 18 - Cultura e Ideologia
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
 
Ideologia de genero
Ideologia de genero Ideologia de genero
Ideologia de genero
 
Cartilha Ideologia do Genero
Cartilha Ideologia do GeneroCartilha Ideologia do Genero
Cartilha Ideologia do Genero
 
Autoridade e poder
Autoridade e poderAutoridade e poder
Autoridade e poder
 
A familia e a ideologia de gênero
A familia e a ideologia de gêneroA familia e a ideologia de gênero
A familia e a ideologia de gênero
 
Unidade 6 => Sociologia: Cultura
Unidade 6 => Sociologia: CulturaUnidade 6 => Sociologia: Cultura
Unidade 6 => Sociologia: Cultura
 
Arte Pré-histórica: um compêndio.
 Arte  Pré-histórica: um compêndio. Arte  Pré-histórica: um compêndio.
Arte Pré-histórica: um compêndio.
 
Autoridade e poder
Autoridade e poderAutoridade e poder
Autoridade e poder
 
Autoridade e poder
Autoridade e poderAutoridade e poder
Autoridade e poder
 
Autoridade e poder
Autoridade e poderAutoridade e poder
Autoridade e poder
 
Mesclando cultura e ideologia
Mesclando cultura e ideologiaMesclando cultura e ideologia
Mesclando cultura e ideologia
 
Poder e autoridade
Poder e autoridadePoder e autoridade
Poder e autoridade
 
Autoridade e poder
Autoridade e poderAutoridade e poder
Autoridade e poder
 
Sociologia Capítulo 19 - Mesclando Cultura e Ideologia
Sociologia Capítulo 19 - Mesclando Cultura e IdeologiaSociologia Capítulo 19 - Mesclando Cultura e Ideologia
Sociologia Capítulo 19 - Mesclando Cultura e Ideologia
 
Conceito de poder e autoridade
Conceito de poder e autoridadeConceito de poder e autoridade
Conceito de poder e autoridade
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 19 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 19 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 19 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 19 do Tomazi
 

Semelhante a Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18

Sociologia cultura - 2º ano- estudar para prova
Sociologia  cultura - 2º ano- estudar para provaSociologia  cultura - 2º ano- estudar para prova
Sociologia cultura - 2º ano- estudar para prova
Socorro Vasconcelos
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
aulasgege
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
aulasgege
 
T12 povo como construção social, 2000
T12 povo como construção social, 2000T12 povo como construção social, 2000
T12 povo como construção social, 2000
Elisio Estanque
 
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão social. filo. filos...
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão  social. filo. filos...Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão  social. filo. filos...
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão social. filo. filos...
Silvana
 

Semelhante a Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18 (20)

3º ano cultura - ii período
3º ano   cultura - ii período3º ano   cultura - ii período
3º ano cultura - ii período
 
Material 7 - Cultura e Antropologia.pptx
Material 7 -  Cultura e Antropologia.pptxMaterial 7 -  Cultura e Antropologia.pptx
Material 7 - Cultura e Antropologia.pptx
 
Sociologia cultura - 2º ano- estudar para prova
Sociologia  cultura - 2º ano- estudar para provaSociologia  cultura - 2º ano- estudar para prova
Sociologia cultura - 2º ano- estudar para prova
 
CULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIA
CULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIACULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIA
CULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIA
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Cultura e vida social
Cultura e vida socialCultura e vida social
Cultura e vida social
 
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHAATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
 
Aula diversidade diferença identidade
Aula diversidade diferença identidadeAula diversidade diferença identidade
Aula diversidade diferença identidade
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
A CRÍTICA DE NIETZSCHE À CULTURA DE MASS
A CRÍTICA DE NIETZSCHE À CULTURA DE MASSA CRÍTICA DE NIETZSCHE À CULTURA DE MASS
A CRÍTICA DE NIETZSCHE À CULTURA DE MASS
 
Aula 20 cultura, conhecimento e poder
Aula 20   cultura, conhecimento e poderAula 20   cultura, conhecimento e poder
Aula 20 cultura, conhecimento e poder
 
Cultura de Massa.pptx
Cultura de Massa.pptxCultura de Massa.pptx
Cultura de Massa.pptx
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Sociologia EJA CULTURA_aula_1
Sociologia  EJA CULTURA_aula_1Sociologia  EJA CULTURA_aula_1
Sociologia EJA CULTURA_aula_1
 
Si sobre cultura popular tradicional e música folclórica
Si sobre cultura popular tradicional e música folclóricaSi sobre cultura popular tradicional e música folclórica
Si sobre cultura popular tradicional e música folclórica
 
SI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
SI sobre cultura popular tradicional e música folclóricaSI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
SI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
 
CULTURA E IDEOLOGIA [Salvo automaticamente].ppt
CULTURA E IDEOLOGIA   [Salvo automaticamente].pptCULTURA E IDEOLOGIA   [Salvo automaticamente].ppt
CULTURA E IDEOLOGIA [Salvo automaticamente].ppt
 
T12 povo como construção social, 2000
T12 povo como construção social, 2000T12 povo como construção social, 2000
T12 povo como construção social, 2000
 
Mudanças e Transformações Sociais - Ciência e Tecnologia
Mudanças e Transformações Sociais - Ciência e TecnologiaMudanças e Transformações Sociais - Ciência e Tecnologia
Mudanças e Transformações Sociais - Ciência e Tecnologia
 
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão social. filo. filos...
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão  social. filo. filos...Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão  social. filo. filos...
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão social. filo. filos...
 

Mais de Péricles Penuel

Mais de Péricles Penuel (20)

Arte pré histórica
Arte pré históricaArte pré histórica
Arte pré histórica
 
Arte egípicia
Arte egípiciaArte egípicia
Arte egípicia
 
éTica capitulo 6
éTica capitulo 6éTica capitulo 6
éTica capitulo 6
 
3 revolução industrial 2013
3 revolução industrial 20133 revolução industrial 2013
3 revolução industrial 2013
 
1 diversidade da vida
1 diversidade da vida1 diversidade da vida
1 diversidade da vida
 
Lista 1 2013 escalas termométricas
Lista 1 2013   escalas termométricasLista 1 2013   escalas termométricas
Lista 1 2013 escalas termométricas
 
Aula 2 população
Aula 2   populaçãoAula 2   população
Aula 2 população
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
 
1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico
 
1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico
 
Biologia 2º ano frente 2 - procariontes
Biologia 2º ano   frente 2 - procariontesBiologia 2º ano   frente 2 - procariontes
Biologia 2º ano frente 2 - procariontes
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
Aula 1 o brasil
Aula 1   o brasilAula 1   o brasil
Aula 1 o brasil
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
 
Plano ins. pernambucana tmp
Plano ins. pernambucana tmpPlano ins. pernambucana tmp
Plano ins. pernambucana tmp
 
Imagens invvasão holandesa tmp
Imagens invvasão holandesa tmpImagens invvasão holandesa tmp
Imagens invvasão holandesa tmp
 

Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18

  • 1.
  • 2. CULTURA E IDEOLOGIA – UNIDADE 6 CAPITULO 18 CONCEITOS Prof. Ms. PEDRO LUIZ DE AZEVEDO FILHO DISCIPLINA SOCIOLOGIA PÁGINA 170
  • 3.
  • 4. A Sociologia é uma das formas de conhecimento, resultado das condições sociais, econômicas e políticas do tempo em que se desenvolveu. Ela nasceu em resposta à necessidade de explicar e entender as transformações que começaram a ocorrer no mundo ocidental entre o final do século XVIII e o início do século XIX, decorrentes da emergência e do desenvolvimento da sociedade capitalista. A produção de alimentos e de objetos artesanais, que se concentrava no campo, passou a se deslocar para as cidades, onde começavam a se desenvolver as indústrias. Afetando o modo de vida dos diferentes grupos sociais, suas relações familiares e de trabalho. Desta forma, as normas e valores se estruturariam em novas bases, menos religiosas estimulando o desenvolvimento de novas ideias.
  • 7. CULTURA Significa tudo que o ser humano produz ao construir sua existência: as práticas, as teorias, as instituições, os valores materiais e espirituais. Cultura é o conjunto de símbolos elaborados por um povo. Segundo Alfredo Bosi, não há no grego uma palavra específica para cultura, há sim, uma palavra que se aproxima desse conceito, que é paídeia (aquilo que se ensina à criança”, “aquilo que deve ser trabalhado na criança até que ela se transforme em adulta”. A palavra cultura vem do latim e designa “ato de cultivar a terra”, “de cuidar do que se planta” é o trabalho de preparar o solo, semear e fazer tudo para que uma planta cresça e dê frutos.
  • 8.
  • 9. CULTURA SEGUNDO A ANTROPOLOGIA PARA O ANTROPÓLOGO INGLÊS EDWARD B. TYLOR (1832-1917), CULTURA É O CONJUNTO COMPLEXO DE CONHECIMENTOS, CRENÇAS, ARTE, MORAL E DIREITO, ALÉM DE COSTUMES E HÁBITOS ADQUIRIDOS PELOS INDIVÍDUOS EM UMA SOCIEDADE.
  • 10. PARA O ANTROPÓLOGO ALEMÃO FRANZ BOAS (1858-1942), QUE POSSUÍA UMA VISÃO PARTICULARISTA, DEMONSTROU QUE AS DIFERENÇAS ENTRE OS GRUPOS E SOCIEDADE HUMANAS ERAM CULTURAIS, E NÃO BIOLÓGICAS.
  • 11. PARA O ANTROPÓLOGO INGLÊS BRONISLAW MALINOWSKI (1884-1942), CONCEBIA CULTURA COMO SISTEMAS FUNCIONAIS E EQUILIBRADOS, FORMADOS POR ELEMENTOS INTERDEPENDENTES QUE LHES DAVAM CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS, PRINCIPALMENTE NO TOCANTE ÀS NECESSIDADES BÁSICAS, COMO ALIMENTO, PROTEÇÃO E REPRODUÇÃO.
  • 12. AS ANTROPÓLOGAS, ESTADUNIDENSE, RUTH BENEDICT (1887-1948) (FOTO À ESQUERDA) E MARGARETH MEAD (1901-1978) (FOTO A DIREITA E ABAIXO), INVESTIGARAM AS RELAÇÕES ENTRE CULTURA E PERSONALIDADE.
  • 13. PARA O ANTROPÓLOGO CLAUDE LÉVI-STRAUSS, CULTURA É UM CONJUNTO DE SISTEMAS SIMBÓLICOS, ENTRE OS QUAIS SE INCLUEM A LINGUAGEM, AS REGRAS MATRIMONIAIS, A ARTE, A CIÊNCIA, A RELIGIÃO E AS NORMAS ECONÔMICAS. ESSES SISTEMAS SE RELACIONAM E INFLUENCIAM A REALIDADE SOCIAL E FÍSICA DAS DIFERENTES SOCIEDADES.
  • 14. SEGUNDO O PENSADOR FRANCÊS FÉLIX GUATTARI, (1930- 1992) CULTURA POSSUI TRÊS SIGNIFICADOS DIFERENTES À SABER: CULTURA VALOR; CULTURA –ALMA COLETIVA; CULTURA MERCADORIA.
  • 15. CULTURA-VALOR PERMITE IDENTIFICAR QUEM TEM CULTURA E QUEM NÃO TEM, OU DETERMINAR SE UM INDIVIDUO PERTENCE A UM MEIO CULTO OU INCULTO, DEFININDO UM JULGAMENTO DE VALOR, SERVE PARA IDENTIFICAR QUEM TEM CULTURA CLÁSSICA, ARTÍSTICA OU CIENTÍFICA;
  • 16. CULTURA-ALMA COLETIVA É O SINÔNIMO DE CIVILIZAÇÃO. EXPRESSA A IDEIA DE QUE TODAS AS PESSOAS, GRUPOS E POVOS TÊM CULTURA E IDENTIDADE CULTURAL. NESSA ACEPÇÃO, PODE- SE FALAR DE CULTURA NEGRA, CHINESA, MARGINAL, ETC. PRESTA- SE A DIVERSOS USOS PARA OS QUE DESEJAM DAR SENTIDO A AÇÃO DOS GRUPOS AOS QUAIS PERTENCEM IDENTIFICANDO-OS.
  • 17. CULTURA-MERCADORIA É A CULTURA DE MASSA, NÃO COMPORTA UM JULGAMENTO DE VALOR, NEM DELIMITAÇÃO DE TERRITÓRIO COMO OS ANTERIORES. NESTA, CONCEPÇÃO, CULTURA SIGNIFICA BENS E EQUIPAMENTOS – CENTROS CULTURAIS, CINEMAS, BIBLIOTECAS – AS PESSOAS QUE TRABALHAM NESSES ESTABELECIMENTOS, E OS CONTEÚDOS TEÓRICOS E IDEOLÓGICOS DE PRODUTOS – COMO FILMES, DISCOS E LIVROS – QUE ESTÃO A DISPOSIÇÃO DE QUEM QUER E PODE COMPRÁ-LOS, OU SEJA QUE ESTÃO DISPONÍVEIS NO MERCADO.
  • 18. DIFERENCIANDO AS PESSOAS: QUE TÊM OU NÃO CULTURA (CLÁSSICA E ERUDITA). IDENTIFICANDO GRUPOS ESPECÍFICOS QUANTO A POSSIBILIDADE OU NÃO DE CONSUMIR BENS CULTURAIS. AS CONCEPÇÕES TRAZEM CARGA VALORATIVAS DIVIDINDO GRUPOS E POVOS QUE POSSUEM CULTURA E SE ESTA CULTURA É SUPERIOR OU INFERIOR.
  • 19. CONVIVÊNCIA COM A DIFERENÇA: O ETNOCENTRISMO O OUTRO: Há grande dificuldade na aceitação das diversidades em uma sociedade ou entre sociedades diferentes, pois os seres humanos tendem a tomar seu grupo ou sociedade como medida para avaliar os demais. Em outras palavras, cada grupo ou sociedade considera-se superior e olha com desprezo e desdém os outros, tidos como estranhos ou estrangeiros. Para designar essa tendência, o sociólogo estadunidense William G. Summer (1840-1910) criou em 1906 o termo ETNOCENTRISMO. Exemplos: Na Antiguidade os romanos chamavam de bárbaros quem não era da sua cultura; No Renascimento os europeus chamavam de selvagem os povos americanos; Na ideologia racista a supremacia do branco sobre o negro; No mundo globalizado a cultura ocidental é superior e deve ser adotada pelos povos de cultura diferente modificando suas crenças, normas e valores. O etnocentrismo foi responsável pela geração de intolerância e preconceito – cultural, religioso, étnico e político.
  • 20.
  • 21. TROCAS CULTURAIS E HIBRIDAS NO MUNDO GLOBALIZADO, n INVADIDO POR INFORMAÇÕES ORIUNDAS DE DIVERSOS LUGARES, É POSSÍVEL AFIRMAR QUE HÁ UMA CULTURA PURA? ATÉ QUE PONTO CHEGOU O PROCESSO DE MUNDIALIZAÇÃO DA CULTURA?
  • 22. NO SÉCULO XIX E INÍCIO DO XX, COM O DESENVOLVIMENTO DOS MEIOS DE TRANSPORTE E DAS COMUNICAÇÕES, OCORREU A POSSIBILIDADE DE UM MAIOR CONTATO COM SITUAÇÕES E CULTURAS DIFERENTES. NO DECORRER DO SÉCULO XX, AS TECNOLOGIAS DE COMUNIÇÃO, O CINEMA, A TELEVISÃO E A INTERNET TORNARAM-SE INSTRUMENTOS DE TROCAS CULTURAIS INTENSAS, E OS CONTATOS INDIVIDUAIS E SOCIAIS PASSARAM A TER NÃO UM, MAS MÚLTIPLOS PONTOS DE ORIGEM.
  • 23. AS CULTURAS DE PAÍSES PRÓXIMOS SE MESCLAM A ESSAS EXPRESSÕES, CONSTRUINDO CULTURAS HÍBRIDAS QUE NÃO PODEM SER MAIS CARACTERIZADAS COMO DE UM PAÍS, MAS COMO PARTE DE UMA IMENSA CULTURA MUNDIAL.
  • 24. PARA O SOCIÓLOGO HOLANDÊS JOOST SMIERS : “A QUESTÃO CENTRAL É A DOMINAÇÃO CULTURAL, E ISSO PRECISA SER DISCUTIDO COM PROPOSTAS ALTERNATIVAS PARA PRESERVAR E PROMOVER A DIVERSIDADE NO MUNDO”.
  • 25. CULTURA ERUDITA E CULTURA POPULAR A separação entre cultura popular e erudita, está relacionada à divisão da sociedade em classes. É o resultado das diferenças sociais. ERUDITO – abrange expressões artísticas como a música clássica de padrão europeu, as artes plásticas – escultura e pintura – o teatro e a literatura de cunho universal – (estes produtos podem ser comprados); POPULAR – encontra expressão nos mitos e contos, danças, música – de sertaneja a cabocla – artesanato rústico de cerâmica ou de madeira e pintura.
  • 26. É um conjunto de ideias ou pensamentos de uma pessoa ou de um grupo de indivíduos. A ideologia pode estar ligada a ações políticas, econômicas e sociais. O termo ideologia foi usado de forma marcante pelo filósofo Antoine Destutt de Tracy. O conceito de ideologia foi muito trabalhado pelo filósofo alemão Karl Marx, que ligava a ideologia aos sistemas teóricos (políticos, morais e sociais) criados pela classe social dominante. De acordo com Marx, a ideologia da classe dominante tinha como objetivo manter os mais ricos no controle da sociedade.
  • 27. O TERMO IDEOLOGIA FOI UTILIZADO INICIALMENTE PELO PENSADOR FRANCÊS DESTUTT DE TRACY (1754-1836), EM SEU LIVRO ELEMENTOS DE IDEOLOGIA (1801), NO SENTIDO DE “CIÊNCIA DA GÊNESE DAS IDEIAS”. NAPOLEÃO BONAPARTE DEU AO TERMO IDEOLOGIA, O DE “IDEIA FALSA” OU “ILUSÃO” EM 1812, EM UM DISCURSO PERANTE O CONSELHO DE ESTADO. AUGUSTO COMTE (1798-1857), EM SEU CURSO DE FILOSOFIA POSITIVA (1830- 1842) RETOMOU O SENTIDO DADO POR TRACY, OU SEJA, O DE ESTUDO DA FORMAÇÃO DAS IDEIAS, PARTINDO DAS SENSAÇÕES (RELAÇÃO DO CORPO COM O MEIO) – E ACRESCENTOU OUTRO, O DE CONJUNTO DE IDEIAS DE DETERMINADA ÉPOCA. KARL MARX APRESENTOU OUTRAS DEFINIÇÕES PARA O TERMO: - NO LIVRO A IDEOLOGIA ALEMÃ (1846) – IDEOLOGIA COMO UM SISTEMA ELABORADO DE REPRESENTAÇÕES E DE IDEIAS QUE CORRESPONDEM A FORMA DE CONSCIÊNCIA QUE OS HOMENS TÊM EM DETERMINADA ÉPOCA. AFIRMOU AINDA QUE AS IDEIAS DOMINANTES EM QUALQUER ÉPOCA SÃO SEMPRE AS DE QUEM DOMINA A VIDA MATERIAL E, PORTANTO, A VIDA INTELECTUAL. LOGO IDEOLOGIA É RESULTANTE DA DIVISÃO ENTRE O TRABALHO MANUAL E O INTELECTUAL. - AFIRMOU QUE A EXISTÊNCIA SOCIAL CONDICIONAVA A CONSCIÊNCIA DOS INDIVÍDUOS SOBRE A SITUAÇÃO EM QUE VIVIAM, ASSIM, IDEOLOGIAS NÃO SÃO MERAS ILUSÕES E APARÊNCIAS – E MUITO MENOS O FUNDAMENTO DA HISTÓRIA – MAS SÃO UMA REALIDADE OBJETIVA E ATUANTE.
  • 28. ÉMILE DURKHEIN, EM SEU LIVRO AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO (1895) , AFIRMA QUE O CIENTISTA DEVE DEIXAR DE LADO TODAS AS PRÉ- NOÇÕES, AS NOÇÕES VULGARES AS IDEIAS ANTIGAS E PRÉ-CIENTÍFICAS E As IDEIAS SUBJETIVAS. SÃO ESSAS IDEIAS QUE ELE ENTENDE POR IDEOLOGIA, OU SEJA, O CONTRÁRIO A CIÊNCIA. KARL MANNHEIM (1893-1947) EM SEU LIVRO IDEOLOGIA E UTOPIA (1929), IDEOLOGIA SÃO SEMPRE CONSERVADORAS, POIS EXPRESSAM O PENSAMENTO DAS CLASSES DOMINANTES, QUE VISAM À ESTABILIZAÇÃO DA ORDEM. EM CONTRAPOSIÇÃO, ELE CHAMA DE UTOPIA O QUE PENSAM AS CLASSES OPRIMIDAS, QUE BUSCAM A TRANSFORMAÇÃO. ELE CONCEITUA DUAS FORMAS DE IDEOLOGIA: A PARTICULAR E A TOTAL. A PARTICULAR – CORRESPONDE À OCULTAÇÃO DA REALIDADE, INCLUINDO MENTIRAS CONSCIENTES E OCULTAMENTOS SUBCONSCIENTES INCONSCIENTES, QUE PROVOCAM ENGANOS OU MESMO AUTOENGANOS. A TOTAL – É A VISÃO DE MUNDO (COSMOVISÃO) DE UMA CLASSE SOCIAL OU DE UM ÉPOCA.
  • 29. A IDEOLOGIA NO COTIDIANO EM NOSSO COTIDIANO AO NOS RELACIONARMOS COM AS OUTRAS PESSOAS, EXPRIMIMOS POR MEIO DE AÇÕES, PALAVRAS E SENTIMENTOS UMA SÉRIE DE ELEMENTOS IDEOLÓGICOS. COMO VIVEMOS EM UMA SOCIEDADE CAPITALISTA, A LÓGICA QUE A ESTRUTURA, A DA MERCADORIA, PERMEIA TODAS AS NOSSAS RELAÇÕES, SEJAM ELAS ECONÔMICAS, POLÍTICAS, SOCIAIS OU SENTIMENTAIS. PODEMOS DIZER QUE HÁ UM MODO CAPITALISTA DE VIVER, DE SENTIR E DE PENSAR.
  • 30. A IDEOLOGIA NO COTIDIANO Outra manifestação ideológica na sociedade capitalista é a ideia de que vivemos em uma comunidade sem muitos conflitos e contradições. Essas concepções passam a visão de que há uma comunidade de interesses e propósitos partilhados por todos os que vivem num espaço especifico, obscurecendo as diferenças sociais, econômicas e culturais, os conflitos entre os vários grupos e classes, enfatizando-se uma unidade que não existe.
  • 31. OUTRA FORMA É A IDEIA DE FELICIDADE. FELICIDADE É UM ESTADO RELACIONADO AO AMOR, MAS TAMBÉM SIGNIFICA ESTABILIDADE FINANCEIRA E PROFISSIONAL, BEM-ESTAR EXISTENCIAL E MATERIAL. É UM CONJUNTO DE SITUAÇÕES, MAS NORMALMENTE A MAIS FOCALIZADA É A AMOROSA. E OS FILMES, AS NOVELAS,AS REVISTAS, APESAR DE TODAS AS CONDIÇÕES ADVERSAS QUE UM INDIVIDUO POSSA ENFRENTAR, ESTÃO SEMPRE REFORÇANDO O LEMA: “O AMOR VENCE TODAS AS DIFICULDADES”.
  • 32. TALVEZ A MAIOR DE TODAS AS EXPRESSÕES IDEOLÓGICAS QUE ENCONTRAMOS EM NOSSO COTIDIANO SEJA A IDEIA DE QUE O CONHECIMENTO CIENTÍFICOS É VERDADE INQUESTIONÁVEL. PARA TANTO BASTA DIZER QUE SE TRATA DE RESULTADO DE PESQUISA OU INFORMAÇÃO DE UM CIENTISTA PARA QUE A TOMEM COMO VERDADE E PASSEM A ORIENTAR SUAS PRÁTICAS COTIDIANAS POR ELA. NADA ESTÁ MAIS DISTANTE DO CONHECIMENTO CIENTIFICO DO QUE A IDEIA DE VERDADE ABSOLUTA E A PRETENSÃO DE EXPLICAR TODAS AS COISAS.
  • 33. MAS O CONHECIMENTO CIENTIFICO, QUANDO ANALISADO DA PERSPECTIVA DE UM PENSAMENTO HEGEMÔNICO OCIDENTAL, TORNA-SE COLONIALISTA, POIS O QUE É PARTICULAR(OCIDENTAL) SE UNIVERSALIZA E SE TRANSFORMA EM UM PARADIGMA QUE NEGA OUTRAS FORMAS DE EXPLICAR E CONHECER O MUNDO. ASSIM, DESQUALIFICA OUTRAS CULTURAS E SABERES, TIDOS COMO INFERIORES E EXÓTICOS, COMO O CONHECIMENTO DAS CIVILIZAÇÕES AMERÍNDIAS, ORIENTAIS E ÁRABE.
  • 35. BIBLIOGRAFIA Sociologia para o ensino médio / Nelson Dacio Tomazi. – 2. ed. – São Paulo: Saraiva, 2010.