SlideShare uma empresa Scribd logo
As Grandes
Navegações
A conquista do “Novo
Uma expansão movida pelo comércio
• No período medieval, alguns europeus mantiveram contato com o Oriente,
fonte de produtos cobiçados, especialmente pelos nobres.
• Os europeus buscavam esses produtos que vinham pela “Rota da Seda”.
• O movimento das Cruzadas permitiu maior contato com o Oriente
abastecendo a Europa com produtos finos, conhecidos como “Especiarias”.
Uma expansão movida pelo comércio
• Os europeus buscavam esses produtos que vinham pela “Rota da Seda”.
• O movimento das Cruzadas permitiu maior contato com o Oriente
abastecendo a Europa com produtos finos, conhecidos como “Especiarias”.
Uma expansão movida pelo comércio
• Duas cidades eram importantes nesse comércio: Gênova e Veneza.
Utilizando rotas marítimas, esses comerciantes traziam mercadorias orientais
e as revendiam em diversas localidades da Europa, alcançando grandes
lucros.
• Mas, quando em 1453 os turcos conquistaram o Império Bizantino, essa rota
comercial foi fechada para navios europeus. A busca pelas “especiarias”
deveria ser feita de outra forma.
Comerciantes portugueses em busca das
Índias
• No final do século XIV, duas grandes motivações econômicas impulsionavam
os portugueses a encontrar um caminho que os levasse diretamente às
Índias: o comércio (que era a base de lucro do reino português) e a busca
pelas especiarias.
• O que os portugueses queriam era evitar o intermédio das cidades italianas
de Gênova e Veneza, que encareciam muito os produtos. Isso só seria
possível, se os portugueses encontrassem rotas comerciais. A saída: a rota
do Atlântico.
Comerciantes portugueses em busca das Índias
• O Oceano Atlântico aterrorizava até
mesmo os navegantes mais
experientes.
• A crença na existência de monstros
marinho e terras exóticas habitadas
por criaturas disformes povoou
durante séculos a imaginação dos
navegantes europeus.
• Além disso, havia a crença de que a
Terra era plana e havia mares
ferventes, habitados por serpentes e
dragões gigantescos.
• Apesar do desejo de se aventurar nas viagens marítimas, os europeus
tinham medo do desconhecido.
Comerciantes portugueses em busca das Índias
• O estudo da astronomia tornou-se outro ponto de grande interesse, pois o
conhecimento de constelações e dos demais astros no céu foi ma forma de
localizar-se no espaço, dando muita vantagem aos que conheciam.
• A navegação, portanto, só se tornou possível por meio da observação dos
astros.
• Outro mecanismo importante foi o modelo de embarcação. Os portugueses
desenvolveram a caravela, mas leve e mais simples de manejar e podiam
levar de 20 a 50 homens.
Comerciantes portugueses em busca das Índias
O expansionismo espanhol
• Enquanto Portugal avançava pela costa africana, a Espanha preparava sua
aventura oceânica.
• O esforço espanhol para atingir as Índias por mar começou com o
financiamento do projeto de Cristóvão Colombo.
• Colombo planejou chegar até as Índias pelo Ocidente. Para isso, Colombo
considerava que a Terra tivesse um formato esférico, ideia que ainda era
vista com desconfiança.
O expansionismo espanhol
• Em 3 de agosto de 1492, o navegador partiu de Palos com uma nau (Santa
Maria), duas caravelas (Pinta e Niña) e 90 tripulantes, primeiro com destino
às Ilhas Canárias e, de lá, em 6 de setembro de 1492, para o desconhecido.
• A viagem durou pouco mais de um mês. Em 12 de outubro de 1492,
Cristóvão Colombo avistou terra, desembarcou na Ilha de Ganaani (atual S.
Salvador, no arquipélago das Bahamas.
• Lá ele pôde se aproximar dos primeiros nativos, que ele chamou de “índios”
por acreditar que chegara à região das Índias.
O expansionismo espanhol
• Recebido como herói da Espanha, Colombo comandou outras expedições
para iniciar a colonização. Lá ele chefiou uma administração desastrosa e
ineficiente, além de extremamente cruel com os habitantes.
• O governo espanhol financiou várias expedições de exploração do
continente americano, além patrocinar a famosa viagem de Fernão de
Magalhães, entre 1519 e 1522 que circunavegou o planeta, comprovando
sua esfericidade.
• Na realidade, a frota de
Colombo desembarcou
numa região das Américas.
Navegando pelo mar do
Caribe, descobriu outras
ilhas, tais como a de Cuba
e Hispaniola (Atuais Haiti e
República Dominicana).
A divisão do Novo Mundo: o Tratado de
Tordesilhas
• Com o número de viagens em crescimento, Portugal e Espanha entraram em
disputa para saber a quem pertenceriam os novos territórios.
• Em 1493, o Papa Alexandre VI assinou um decreto que dividiu o mundo em
duas partes.
• De acordo com um tratado realizado entre os reis de Portugal e Espanha, o
ponto de partida para essa divisão seria a Ilha de Cabo Verde no litoral da
África. Avançando-se 100 léguas em direção oeste, traçou-se uma linha
imaginária vertical. Todas as terras que ficavam a oeste dessa linha
pertenceriam à Espanha, e tudo que estava a leste era de Portugal.
• Houve um problema: os espanhóis estavam tomando posse de mais terras
que lhes cabia. Isso foi indicativo de que o novo mundo era maior que se
pensava. Então, em 1494, com o Tratado de Tordesilhas, a linha divisória
foi deslocada um pouco mais para oeste. Com esse tratado, veremos que
essa linha deu direito a Portugal a terras que viriam a ser o Brasil.
A divisão do Novo Mundo: o Tratado de Tordesilhas

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Cópia de Grandes Navegações II -2021 (1).ppt

Expansão maritima 4 ano
Expansão maritima 4 anoExpansão maritima 4 ano
Expansão maritima 4 ano
Gilvan Aragão
 
Grandes nvegaçoes
Grandes nvegaçoesGrandes nvegaçoes
Grandes nvegaçoes
Dismael Sagás
 
Expansaomaritimaeuropeia
ExpansaomaritimaeuropeiaExpansaomaritimaeuropeia
Expansaomaritimaeuropeia
Alessandro Varela Dos Santos
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
Glasiely Virgílio Silva
 
Expansão ultramarina
Expansão ultramarinaExpansão ultramarina
Expansão ultramarina
Fatima Freitas
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
edna2
 
G1
G1G1
Apresentação grandes navegações tmp
Apresentação grandes navegações tmpApresentação grandes navegações tmp
Apresentação grandes navegações tmp
Péricles Penuel
 
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptxExpansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
carloshistoriador
 
Expansão marítima
Expansão marítimaExpansão marítima
Expansão marítima
Nilton Sá
 
Asgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasil
AsgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasilAsgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasil
Asgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasil
Danielli Gomes
 
As grandes navegações
As grandes navegaçõesAs grandes navegações
As grandes navegações
Andrea Lemos
 
Cap. 15 - Navegações na Idade Moderna
Cap. 15 - Navegações na Idade ModernaCap. 15 - Navegações na Idade Moderna
Cap. 15 - Navegações na Idade Moderna
vbrizante
 
Grandes Navegações - slide para 7 ano do ensino fundamental
Grandes Navegações - slide para 7 ano do ensino fundamentalGrandes Navegações - slide para 7 ano do ensino fundamental
Grandes Navegações - slide para 7 ano do ensino fundamental
975668
 
AS GRANDES NAVEGAÇÕES.pptx
AS GRANDES NAVEGAÇÕES.pptxAS GRANDES NAVEGAÇÕES.pptx
AS GRANDES NAVEGAÇÕES.pptx
Valria35
 
Grandes navegações dos séculos XV e XVI
Grandes navegações dos séculos XV e XVIGrandes navegações dos séculos XV e XVI
Grandes navegações dos séculos XV e XVI
Beth Paes
 
As grandes navegações
As grandes navegaçõesAs grandes navegações
As grandes navegações
Janayna Lira
 
Slides - As Grandes Navegações
Slides -  As Grandes NavegaçõesSlides -  As Grandes Navegações
Slides - As Grandes Navegações
Leonardo Lira
 
Portugal no século XV - Descobrimentos
Portugal no século XV - DescobrimentosPortugal no século XV - Descobrimentos
Portugal no século XV - Descobrimentos
131121
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
Nefer19
 

Semelhante a Cópia de Grandes Navegações II -2021 (1).ppt (20)

Expansão maritima 4 ano
Expansão maritima 4 anoExpansão maritima 4 ano
Expansão maritima 4 ano
 
Grandes nvegaçoes
Grandes nvegaçoesGrandes nvegaçoes
Grandes nvegaçoes
 
Expansaomaritimaeuropeia
ExpansaomaritimaeuropeiaExpansaomaritimaeuropeia
Expansaomaritimaeuropeia
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
 
Expansão ultramarina
Expansão ultramarinaExpansão ultramarina
Expansão ultramarina
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
 
G1
G1G1
G1
 
Apresentação grandes navegações tmp
Apresentação grandes navegações tmpApresentação grandes navegações tmp
Apresentação grandes navegações tmp
 
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptxExpansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
 
Expansão marítima
Expansão marítimaExpansão marítima
Expansão marítima
 
Asgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasil
AsgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasilAsgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasil
Asgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasil
 
As grandes navegações
As grandes navegaçõesAs grandes navegações
As grandes navegações
 
Cap. 15 - Navegações na Idade Moderna
Cap. 15 - Navegações na Idade ModernaCap. 15 - Navegações na Idade Moderna
Cap. 15 - Navegações na Idade Moderna
 
Grandes Navegações - slide para 7 ano do ensino fundamental
Grandes Navegações - slide para 7 ano do ensino fundamentalGrandes Navegações - slide para 7 ano do ensino fundamental
Grandes Navegações - slide para 7 ano do ensino fundamental
 
AS GRANDES NAVEGAÇÕES.pptx
AS GRANDES NAVEGAÇÕES.pptxAS GRANDES NAVEGAÇÕES.pptx
AS GRANDES NAVEGAÇÕES.pptx
 
Grandes navegações dos séculos XV e XVI
Grandes navegações dos séculos XV e XVIGrandes navegações dos séculos XV e XVI
Grandes navegações dos séculos XV e XVI
 
As grandes navegações
As grandes navegaçõesAs grandes navegações
As grandes navegações
 
Slides - As Grandes Navegações
Slides -  As Grandes NavegaçõesSlides -  As Grandes Navegações
Slides - As Grandes Navegações
 
Portugal no século XV - Descobrimentos
Portugal no século XV - DescobrimentosPortugal no século XV - Descobrimentos
Portugal no século XV - Descobrimentos
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
 

Último

Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 

Cópia de Grandes Navegações II -2021 (1).ppt

  • 2. Uma expansão movida pelo comércio • No período medieval, alguns europeus mantiveram contato com o Oriente, fonte de produtos cobiçados, especialmente pelos nobres. • Os europeus buscavam esses produtos que vinham pela “Rota da Seda”. • O movimento das Cruzadas permitiu maior contato com o Oriente abastecendo a Europa com produtos finos, conhecidos como “Especiarias”.
  • 3. Uma expansão movida pelo comércio • Os europeus buscavam esses produtos que vinham pela “Rota da Seda”. • O movimento das Cruzadas permitiu maior contato com o Oriente abastecendo a Europa com produtos finos, conhecidos como “Especiarias”.
  • 4. Uma expansão movida pelo comércio • Duas cidades eram importantes nesse comércio: Gênova e Veneza. Utilizando rotas marítimas, esses comerciantes traziam mercadorias orientais e as revendiam em diversas localidades da Europa, alcançando grandes lucros. • Mas, quando em 1453 os turcos conquistaram o Império Bizantino, essa rota comercial foi fechada para navios europeus. A busca pelas “especiarias” deveria ser feita de outra forma.
  • 5. Comerciantes portugueses em busca das Índias • No final do século XIV, duas grandes motivações econômicas impulsionavam os portugueses a encontrar um caminho que os levasse diretamente às Índias: o comércio (que era a base de lucro do reino português) e a busca pelas especiarias. • O que os portugueses queriam era evitar o intermédio das cidades italianas de Gênova e Veneza, que encareciam muito os produtos. Isso só seria possível, se os portugueses encontrassem rotas comerciais. A saída: a rota do Atlântico.
  • 6. Comerciantes portugueses em busca das Índias • O Oceano Atlântico aterrorizava até mesmo os navegantes mais experientes. • A crença na existência de monstros marinho e terras exóticas habitadas por criaturas disformes povoou durante séculos a imaginação dos navegantes europeus. • Além disso, havia a crença de que a Terra era plana e havia mares ferventes, habitados por serpentes e dragões gigantescos. • Apesar do desejo de se aventurar nas viagens marítimas, os europeus tinham medo do desconhecido.
  • 7. Comerciantes portugueses em busca das Índias • O estudo da astronomia tornou-se outro ponto de grande interesse, pois o conhecimento de constelações e dos demais astros no céu foi ma forma de localizar-se no espaço, dando muita vantagem aos que conheciam. • A navegação, portanto, só se tornou possível por meio da observação dos astros. • Outro mecanismo importante foi o modelo de embarcação. Os portugueses desenvolveram a caravela, mas leve e mais simples de manejar e podiam levar de 20 a 50 homens.
  • 8. Comerciantes portugueses em busca das Índias
  • 9. O expansionismo espanhol • Enquanto Portugal avançava pela costa africana, a Espanha preparava sua aventura oceânica. • O esforço espanhol para atingir as Índias por mar começou com o financiamento do projeto de Cristóvão Colombo. • Colombo planejou chegar até as Índias pelo Ocidente. Para isso, Colombo considerava que a Terra tivesse um formato esférico, ideia que ainda era vista com desconfiança.
  • 10. O expansionismo espanhol • Em 3 de agosto de 1492, o navegador partiu de Palos com uma nau (Santa Maria), duas caravelas (Pinta e Niña) e 90 tripulantes, primeiro com destino às Ilhas Canárias e, de lá, em 6 de setembro de 1492, para o desconhecido. • A viagem durou pouco mais de um mês. Em 12 de outubro de 1492, Cristóvão Colombo avistou terra, desembarcou na Ilha de Ganaani (atual S. Salvador, no arquipélago das Bahamas. • Lá ele pôde se aproximar dos primeiros nativos, que ele chamou de “índios” por acreditar que chegara à região das Índias.
  • 11. O expansionismo espanhol • Recebido como herói da Espanha, Colombo comandou outras expedições para iniciar a colonização. Lá ele chefiou uma administração desastrosa e ineficiente, além de extremamente cruel com os habitantes. • O governo espanhol financiou várias expedições de exploração do continente americano, além patrocinar a famosa viagem de Fernão de Magalhães, entre 1519 e 1522 que circunavegou o planeta, comprovando sua esfericidade. • Na realidade, a frota de Colombo desembarcou numa região das Américas. Navegando pelo mar do Caribe, descobriu outras ilhas, tais como a de Cuba e Hispaniola (Atuais Haiti e República Dominicana).
  • 12. A divisão do Novo Mundo: o Tratado de Tordesilhas • Com o número de viagens em crescimento, Portugal e Espanha entraram em disputa para saber a quem pertenceriam os novos territórios. • Em 1493, o Papa Alexandre VI assinou um decreto que dividiu o mundo em duas partes. • De acordo com um tratado realizado entre os reis de Portugal e Espanha, o ponto de partida para essa divisão seria a Ilha de Cabo Verde no litoral da África. Avançando-se 100 léguas em direção oeste, traçou-se uma linha imaginária vertical. Todas as terras que ficavam a oeste dessa linha pertenceriam à Espanha, e tudo que estava a leste era de Portugal. • Houve um problema: os espanhóis estavam tomando posse de mais terras que lhes cabia. Isso foi indicativo de que o novo mundo era maior que se pensava. Então, em 1494, com o Tratado de Tordesilhas, a linha divisória foi deslocada um pouco mais para oeste. Com esse tratado, veremos que essa linha deu direito a Portugal a terras que viriam a ser o Brasil.
  • 13. A divisão do Novo Mundo: o Tratado de Tordesilhas