SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
                                            UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO
                                            PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO
                                                   FACULDADE DE MEDICINA
                                       COORDENAÇÃO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA


                                                  PLANO DE ENSINO

1) IDENTIFICAÇÃO: planensmed
Modulo: Saúde do Adulto I                                  Curso: Medicina
Código: 504266-92                                          Regime: seriado semestral
Carga Horária total: 150 horas-aula                        Período Letivo: 2011/01
Teórica: 60 horas-aula - Prática: 90 horas-aula
Supervisor: João Félix Dias

Tutores:
Alda Elizabeth Boehler Iglesias de Azevedo;
Francisco Mário Monteiro Fortes;
Hildenete Monteiro Fortes;
João Félix Dias
José Carlos Amaral


Professores envolvidos em outras atividades de ensino:
Profª. Dra. Ângela Cristina Cesar Terzian
Prof. Esp. José Sebastião Metelo
Profª. Esp. Arthur Nogueira Borges
Prof. Dr. José Rondon
Prof. Dr. Danilo
Prof. Heberth Donizete Salerno
Prof. Esp. Aloisia Rondon
Prof. Ms. Flavio Tampelini
Departamento de Origem: DCBS, DCM, e DCC
2) EMENTA:

– SAÚDE DO ADULTO I CH 150 (60T, 90P)


Ementa: Bases e fundamentos da propedêutica (semiologia) médica e cirúrgica. Fisiologia dos sistemas orgânicos com o objetivo
de interpretar sinais e sintomas. Introdução a psicologia médica buscando desenvolver no estudante uma atitude reflexiva, ética e
humanística da relação médico paciente. Anatomia, histologia e fisiologia do sistema reprodutor masculino com aplicação na
prática médica. A bioética e a prática humanizada da medicina. Princípios de anestesiologia, técnica operatória e bases da clínica
cirúrgica. Suporte básico de vida e primeiros socorros.
3) OBJETIVOS:

Objetivo Geral:
Introduzir o estudante de medicina na prática clínica, através da realização da anamnese e do exame físico geral registrando-o em
linguagem técnica.
Objetivos Específicos:
Ao final do módulo é esperado que o estudante seja capaz de:
    1) Estabelecer bom relacionamento com os pacientes e seus familiares, tendo a visão do mesmo com ser biopsicossocial.
    2) Reconhecer o paciente como um sujeito único; identificar e respeitar a forma como ele lida com sua própria vida e sua
         doença.
    3) Compreender as principais manifestações emocionais dos pacientes frente a sua condição de estar doente: reações
         psicológicas à sua própria doença; reações psicológicas à sua própria família; reações psicológicas à pessoa do estudante
         e do(s) médico (s); reações aos serviços de saúde.
    4) Agir de modo cordial e ético nos contatos com colegas, professores, pacientes e outros que porventura venha a encontrar
         no desempenho de suas atividades.
    5) Conhecer e respeitar o ambiente dos serviços de saúde (enfermarias, ambulatórios), bem como os profissionais que nele
         trabalham.
    6) Fazer uma anamnese completa: colher dados para a mesma e registrá-la de modo adequado e esclarecedor, usando para
         isto a nomenclatura apropriada.
    7) Conhecer a semiotécnica, praticando com desenvoltura e habilidade os procedimentos de inspeção, palpação, percussão,
         ausculta e outros, principalmente focado no exame da normalidade.
    8) Fazer o exame físico do adulto com sua descrição correta, principalmente focado no exame da normalidade.
    9) Reconhecer, ao exame clínico, o normal e suas variações, principalmente focado no exame da normalidade.
    10) Identificar manifestações clínicas de enfermidades comuns.
    11) Considerar as características peculiares a determinados grupos de pacientes: adolescentes, idosos, portadores de
         deficiências;
    12) Resumir verbalmente a anamnese, tentando salientar os dados que julgar mais importantes;
    13) Medir e anotar os dados biométricos e vitais do paciente;
    14) Avaliar a capacidade e as dificuldades no contato interpessoal;
    15) Iniciar o raciocínio clínico, estabelecendo qual(is) o(s) sistema(s) fisiológico(s) envolvido(s).

Objetivos Específicos Do Programa X Lógica Dos Conteúdos

    COGNITIVOS:

            Relação médico-paciente. O ciclo vital humano, as capacidades cognitivas, afetivas, volitivas e psicomotoras
             integradas na percepção do paciente.
            Conhecer a semiotécnica, praticando com desenvoltura e habilidade os procedimentos de inspeção, palpação,
             percussão, ausculta e outros, com ênfase na normalidade.
            Identificar manifestações clínicas de enfermidades comuns.

    PSICOMOTOR (PROCEDIMENTAIS)

            Fazer uma anamnese completa: colher dados para a mesma e registrá-la de modo adequado e esclarecedor, usando
             para isto a nomenclatura apropriada;
            Fazer o exame físico do adulto com sua descrição correta, com ênfase na normalidade.
            Realizar pesquisa bibliográfica em fontes variadas (bibliotecas, sites, etc.);
            Expressar-se com precisão crescente, oral e por escrito, nas atividades propostas.

    AFETIVOS (COMPORTAMENTAL)

            Vivenciar e identificar os aspectos emocionais, éticos, implícitos na Relação Médico-Paciente, através do contato
             direto com pacientes.
            Estabelecer bom relacionamento com os pacientes e seus familiares, tendo a visão do mesmo com ser
             biopsicossocial.
            Agir de modo cordial e ético nos contatos com colegas, professores, pacientes e outros que porventura venha a
             encontrar no desempenho de suas atividades.
            Conhecer e respeitar o ambiente dos serviços de saúde (enfermarias, ambulatórios), bem como os profissionais que
             nele trabalham.
            Comportar-se com ética e adequadamente em atividades teóricas e práticas;
            Participar de atividades individuais e em grupos, contribuindo para a construção pessoal e coletiva do
             conhecimento; Acompanhar e posicionar-se no processo, em atividades de auto e hetero avaliação.
4) CONTEÚDO PROGRAMÁTICO (conteúdo distribuído em unidades e subunidades)

SEMIOLOGIA MÉDICA

    1) Anamnese: estrutura, componentes, técnica de entrevista médica;
    2) Exame físico geral: ectoscopia – estado geral, dados biométricos, sinais do exame externo, semiotécnica (observação:
       não envolve o exame físico especial);
    3) Relação médico-paciente: Fundamentos da prática humanista do atendimento;
    4) Semiologia da dor: bases anatômica, fisiológicas e bioquímicas; tipos e características; fisiopatologia, etiopatogenia e
       semiotécnica
    5) Exame físico Segmentar: Cabeça e pescoço, Sistemas respiratório, cardiocirculatório, gastrointestinal, urinário,
       reprodutor masculino e feminino, Sistema Nervoso. Aparelho do movimento.
    6) Principais síndromes clínicas: febre, icterícia, anemia, hepatoesplenomegalia, edema, meníngea, dor torácica, abdômen
       agudo, cefaléias. Diarréias, insuficiência cardíaca, insuficiência respiratória, insuficiência renal. – Dúvidas em relação a
       este conteúdo, nós não trabalhamos estas síndromes!

CLÍNICA CIRÚRGICA

    1)   Noções básicas de cirurgia asséptica.
    2)   O fenômeno biológico da cicatrização.
    3)   Respostas Endócrinas e Metabólicas ao Trauma
    4)   Noções Básicas da Anestesia Local
    5)   Noções Básicas da anestesia Geral
    6)   Bases científicas da investigação clínica, cirúrgica e complementar: riscos, custos e benefícios.
    7)   Primeiro atendimento a urgências e emergências.

 ÉTICA E BIOÉTICA

    1) Código de ética médica;
    2) Código de ética do estudante de medicina
    3) Documentação médica: Prontuário médico. Exames complementares.

IMPORTÂNCIA DESTE PROGRAMA DE APRENDIZAGEM:

Base para a compreensão dos processos fisiopatológicos dos sistemas abordados, servindo como fundamento para as áreas da
medicina.

Definição da carga horária dos conteúdos específicos a serem abordados:
Semiologia Médica: 130 h
Clínica Cirúrgica: 08 h
Ética e Bioética: 06 h
Definição da seqüência das atividades práticas:
Semiologia médica integrada com a psicologia médica, clínica cirúrgica e ética/bioética.
Eixos temáticos: Entrevista médica (anamnese). Exame físico geral e segmentar. Raciocínio clínico. Relação médico-paciente-
família. Ética e bioética.

5) PROCEDIMENTOS DE ENSINO (técnicas, recursos e avaliação)
Serão empregadas metodologias ativas de aprendizagem, com aprendizado baseado em problemas e processo de ensino-
aprendizagem centrado no aluno.
O módulo de Saúde do Adulto I é composto por sessões tutoriais e por aulas teóricas e práticas com especialistas nas diferentes
áreas de conhecimento abordadas no módulo.
Nas sessões tutoriais, o aprendizado é baseado em problemas, sendo o eixo principal do aprendizado do módulo, objetivando o
aprendizado de conteúdos específicos e a integração das diferentes áreas de conhecimento.
As aulas teóricas com especialistas são expositivas e dialogadas e as aulas práticas com especialistas são interativas, sendo
realizadas em laboratório próprio de cada área de conhecimento.
As aulas práticas ocorrerão em diversos cenários: hospitais (enfermaria, ambulatórios), comunidade, laboratório de habilidades
clínicas e laboratório morfofuncional.
Além das aulas práticas, os estudantes terão a sua disposição a assistência de professores especialistas e de monitores.
Atividades integradoras: seminários, casos clínicos integradores
Serão empregados recursos audiovisuais de Multimídia e realizados seminários e aulas práticas.
Biblioteca e Internet serão utilizadas como fonte de discussão para o processo de ensino-aprendizagem.
Serão realizadas avaliações formativas e somativas.

6) BIBLIOGRAFIA BÁSICA
Bibliografia básica.
BATTES, B. Propedêutica médica. 8ª edição, Guanabara Koogan. 2005.
PORTO, C. C.Semiologia Médica. 6ª ed. Guanabara Koogan, 2009.
SAESP. Tratado de anestesiologia. 6ª edição, Atheneu. 2007.


Bibliografia complementar
BALINT, M. O médico, seu paciente e a doença. Atheneu. 2005.
BICKLEY, L. S.BATES - PROPEDEUTICA MEDICA. 8ª ed. Guanabara Koogan, 2005.
BROWSE, N. L. Sinais e sintomas em clínica cirúrgica. 3ª edição, Revinter. 2004.
EPSTEIN, O. et al EXAME CLÍNICO. 3ª ed. ELSEVIER, 2004.
GUYTON, A.C. & HALL, J.E. Tratado de Fisiologia Médica. 17ª. Edição. Guanabara Koogan, 2006.
KOEPPEN, B. M.; LEVY, M. N.; STANTON, B. A.. Fundamentos da Fisiologia: Berne e Levy. 4ª. Edição. 2006.
LOPES, A.C. Tratado de clínica médica. Roca. 2006.
LOPEZ, M. Semiologia médica. 5ª. Edição. Revinter, 2004.
LOPEZ, M.; J. , LAURENTYS-MEDEIROS. SEMIOLOGIA MEDICA. 5ª ed. REVINTER, 2004.
MANICA, J. Anestesiologia princípios e técnicas. 3ª Edição. Artmed. 2003.
MARQUES, R. G. Técnica operatória e cirurgia experimental. Guanabara Koogan, 2005.
NAEMT. Atendimento pré-hospitalar ao traumatizado. PHTLS. 5ª Edição. Elsevier, 2004.
PORTO, C. C.EXAME CLÍNICO: BASES PARA A PRATICA MEDICA. 6ª ed. GUANABARA KOOGAN, 2008.
SABISTON, T. Tratado de cirurgia. 17ª edição, Elsevier. 2005.
SOBOTTA, J. Sobotta Atlas de anatomia humana. 22ª Edição. Rio de Janeiro. Editora Guanabara Koogan, 2006.
SWARTZ, M. H.TRATADO DE SEMIOLOGIA MÉDICA: HISTÓRIA E EXAME CLÍNICO. 5ª ed. ELSEVIER, 2006.
TAHKA, V. Relacionamento médico-paciente. Porto alegre. Artes Médicas. 1989.
TALLEY, N. J.; O'CONNOR, S.EXAME CLÍNICO: UM GUIA DO DIAGNÓSTICO FÍSICO. 4ª ed. GUANABARA
KOOGAN, 2003.
WALLACH, J. Interpretação de exames laboratoriais. 7ª edição, Guanabara Koogan, 2003.
WEIR, J. & PETER, H. A. Atlas de Anatomia Humana em Imagens. 3ª. Edição. Editora Elsevier. 2004.

OUTRAS FONTES DE PESQUISAS

BATLLÓ, A. S.; BATLLÓ, J. S.SURÓS - SEMIOLOGIA MÉDICA Y TÉCNICA EXPLORATORIA. 8ª ed. ELSEVIER
MASSON, 2001.
COUTO, A. A. et al SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR. 1ª ed. ATHENEU, 2002.
DORETTO, D.FISIOPATOLOGIA CLÍNICA DO SISTEMA NERVOSO: FUNDAMENTOS DA SEMIOLOGIA. 2ª ed.
ATHENEU, 2005.
GONZALES, R. F.; BRANCO, R.A RELAÇÃO COM O PACIENTE: TEORIA, ENSINO E PRÁTICA. 1ª ed. GUANABARA
KOOGAN, 2003.
MACHADO, E. L. G.PROPEDÊUTICA E SEMIOLOGIA EM CARDIOLOGIA. 1ª ed. ATHENEU, 2004.
MANCALL, E. L.O EXAME NEUROLÓGICO. 2ª ed. COLINA EDITORA, 1986.
SEIDEL, H. M. et al MOSBY - GUIA DE EXAME FÍSICO. 6ª ed. ELSEVIER, 2006.

Bibliografia para pesquisa em sites:
Alguns sites interessantes para a atividade de semiologia médica.
Assistente de ausculta
http://www.med.ucla.edu/wilkes/inex.htm

Biografia médica
http://www.whonamedit.com/index.cfm

Guia de exame físico - Universidade da Califórnia
http://meded.ucsd.edu/clinicalmed/

7) AVALIAÇÃO:
Consistirá de avaliação formativa e somativa.
A avaliação formativa, explicitada no manual do aluno, é de caráter obrigatório, com o propósito de acompanhamento e
correção de rumos dentro do processo de ensino e aprendizagem. A avaliação formativa não terá peso na nota final do aluno.
A avaliação somativa será realizada ao final do módulo, conforme planilha em anexo, consistindo de avaliação cognitiva,
através de prova escrita, com valor de 0,0 a 10,0 pontos e peso dois (2) e através de prova prática, com valor de 0,0 a 10,0
pontos e peso dois (2); avaliação de procedimentos e atitudes através de prova prática de semiologia com valor de 0,0 a 10,0
pontos e peso um e meio (1,5).e elaboração de trabalho escrito com apresentação de seminário em grupo, com valor de 0,0 a
10,0 pontos e peso um e meio (1,5); e avaliação de desempenho durante as sessões de tutorias, com valor de 0,0 a 10,0 pontos
e peso três (3).
A avaliação cognitiva poderá ser reaplicada para os alunos que obtiverem aproveitamento inferior a 60%. Nesta avaliação de
correção de rumo, será cobrado o mesmo conteúdo programático da primeira avaliação cognitiva e o aluno será reavaliado nos
conteúdos cujo desempenho na primeira avaliação for inferior a 70%. Essa avaliação terá valor máximo de 6,0 pontos e,
quando convertido em peso 4, terá a pontuação máxima de 2,4 pontos (valor correspondente a 60% da nota cognitiva, com
peso 4). Poderá ainda ser atribuído valor de 0,0 a 1,8 pontos adicionais referentes ao desempenho, para compor a nota da
avaliação de correção de rumo de acordo com o progresso do mesmo nesta avaliação. Portanto, quando o aluno responder
corretamente 70% ou mais da avaliação, serão concedidos 1,8 pontos adicionais para que o aluno possa alcançar 6,0 pontos.
Quando o aluno responder corretamente menos de 70% da avaliação, os pontos adicionais serão proporcionalmente inferiores
a 1,8 pontos. Quando a nota na avaliação de correção de rumo for inferior à nota da primeira avaliação cognitiva, prevalecerá
a nota da primeira avaliação.
Os seminários serão avaliados por todos os tutores do módulo, segundo os seguintes critérios: quanto ao trabalho escrito, (1) a
adequação do conteúdo e a integração das áreas de conhecimento; (2) a qualidade da apresentação (atendimento às normas da
ABNT); quanto à qualidade da apresentação oral do seminário, (3) qualidade dos recursos audiovisuais utilizados; (4)
capacidade de síntese e organização durante a apresentação; (5) apresentação com sequência lógica; (6) integração do grupo
durante a apresentação; quanto ao conhecimento teórico, (7) domínio de conteúdo; (8) clareza e objetividade durante a
explanação; quanto à discussão ao final da apresentação, (9) domínio de conteúdo (10) clareza e objetividade durante a
explanação. A nota final corresponderá à média aritmética das notas atribuídas para os itens citados acima por cada tutor.
As tutorias serão avaliadas pelo tutor do grupo, segundo os seguintes critérios: (1) habilidade de solucionar o problema:
demonstra estudo prévio, trazendo informações pertinentes aos objetivos propostos; (2) habilidade de discutir o problema:
demonstra capacidade de gerar hipóteses, utilizando conhecimentos prévios; (3) interação no trabalho em grupo (formação do
comportamento ético): demonstra capacidade de sintetizar e expor de forma clara suas idéias; capacidade de desempenhar o
papel (membro do grupo, coordenador ou secretário); relacionamento interpessoal (tutor, colegas); capacidade de criticar com
objetividade; receptividade às críticas. A nota final corresponderá à média aritmética das notas atribuídas para os três itens
citados acima.
A presença nas tutorias e seminários é obrigatória. Para cada falta não justificada em uma sessão de tutoria, o aluno será
penalizado com menos 0,5 pontos na nota final da avaliação de procedimentos e atitudes durante as tutorias. Para cada falta
não justificada durante a apresentação de um seminário de outro grupo, o aluno será penalizado com menos 0,25 pontos em
sua nota final da avaliação do seminário. Em caso de falta à apresentação do seminário de seu grupo o aluno ficará com zero
nos itens referentes à apresentação, recebendo apenas a pontuação referente ao trabalho escrito na composição de sua nota.
 Decisões Específicas – Colegiados de Curso Referentes a Estágios e Trabalhos de Graduação.
 Durante o semestre, deverão ser realizadas avaliações formativas, avaliações cognitivas; avaliações de correções de rumos;
seminários; prova final; prova de segunda época de acordo com o desempenho individual dos alunos.
Os critérios de avaliação; da atribuição de notas; resultado final e/ou segunda época; da revisão de verificação da
aprendizagem; da segunda chamada seguem as normas da resolução CONSEPE 14/99 e CONSEPE 27/99.
Em anexo, segue o calendário de aulas e as avaliações.
8) RESOLUÇÕES
 CONSEPE 14/99 e Cursos Seriados / CONSEPE 27/99
 CONSEPE 59/98 (Turmas Especiais )


Supervisor de Módulo: João Félix Dias
Aprovação:
COLEGIADO DE CURSO: _____________________________________                   EM _______ / ______ / _________

CONGREGAÇÃO: ____________________________________________                    EM _______ / ______ / _________

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdf
AULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdfAULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdf
AULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdfnagelasouza1
 
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdfAula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdfJorgeFlix14
 
Fundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptxFundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptxMirnaKathary1
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Will Nunes
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemIvanete Dias
 
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchesterMétodo de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchesterAroldo Gavioli
 
Implementação do núcleo de segurança do paciente e elaboração do plano de seg...
Implementação do núcleo de segurança do paciente e elaboração do plano de seg...Implementação do núcleo de segurança do paciente e elaboração do plano de seg...
Implementação do núcleo de segurança do paciente e elaboração do plano de seg...Proqualis
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaJose Roberto
 
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)JONAS ARAUJO
 
Assistência materno infantil
Assistência materno infantilAssistência materno infantil
Assistência materno infantilAndrea Pereira
 
Apostila introducao a enfermagem
Apostila   introducao a enfermagemApostila   introducao a enfermagem
Apostila introducao a enfermagemrayana
 
Treinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do PacienteTreinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do PacienteMarco Lamim
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na SaúdeYlla Cohim
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeISCISA
 
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúdeGerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúdeAroldo Gavioli
 
Lei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissionalLei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissionalFernando Dias
 
História da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasilHistória da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasiljudicleia silva
 
Apostila fundamentos de enfermagem
Apostila fundamentos de enfermagemApostila fundamentos de enfermagem
Apostila fundamentos de enfermagemAretusa Delfino
 

Mais procurados (20)

AULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdf
AULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdfAULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdf
AULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdf
 
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdfAula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
 
Fundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptxFundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptx
 
Teorias de enfermagem
Teorias de enfermagemTeorias de enfermagem
Teorias de enfermagem
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchesterMétodo de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
 
Implementação do núcleo de segurança do paciente e elaboração do plano de seg...
Implementação do núcleo de segurança do paciente e elaboração do plano de seg...Implementação do núcleo de segurança do paciente e elaboração do plano de seg...
Implementação do núcleo de segurança do paciente e elaboração do plano de seg...
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatrica
 
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
 
Assistência materno infantil
Assistência materno infantilAssistência materno infantil
Assistência materno infantil
 
Apostila introducao a enfermagem
Apostila   introducao a enfermagemApostila   introducao a enfermagem
Apostila introducao a enfermagem
 
Treinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do PacienteTreinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do Paciente
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na Saúde
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidade
 
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúdeGerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
 
Lei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissionalLei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissional
 
História da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasilHistória da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasil
 
Apostila fundamentos de enfermagem
Apostila fundamentos de enfermagemApostila fundamentos de enfermagem
Apostila fundamentos de enfermagem
 

Destaque

Revisão enade saude do adulto
Revisão enade saude do adultoRevisão enade saude do adulto
Revisão enade saude do adultoAroldo Gavioli
 
Planilha das semanas_modulo_iii_- i - semestre_2011-i-2
Planilha das semanas_modulo_iii_- i - semestre_2011-i-2Planilha das semanas_modulo_iii_- i - semestre_2011-i-2
Planilha das semanas_modulo_iii_- i - semestre_2011-i-2Dr. João Félix Dias
 
Estágio supervisionado apresentação 1
Estágio supervisionado   apresentação 1Estágio supervisionado   apresentação 1
Estágio supervisionado apresentação 1Lívia Sousa
 
Cadernos de atencao basica saude mental - nº 34
Cadernos de atencao basica   saude mental - nº 34Cadernos de atencao basica   saude mental - nº 34
Cadernos de atencao basica saude mental - nº 34Binô Zwetsch
 
Assistencia a saude do trabalhador no contexto da saude do adulto
Assistencia a saude do trabalhador no contexto da saude do adultoAssistencia a saude do trabalhador no contexto da saude do adulto
Assistencia a saude do trabalhador no contexto da saude do adultoAlessandra Floriano Amaro
 
Cartilha Direito a saude mental MPF
Cartilha Direito a saude mental MPFCartilha Direito a saude mental MPF
Cartilha Direito a saude mental MPFBinô Zwetsch
 
70 anos historia_saude_crianca
70 anos historia_saude_crianca70 anos historia_saude_crianca
70 anos historia_saude_criancaFran Lima
 
Apostila 50 questões saude publica diversoscargos
Apostila 50 questões saude publica diversoscargosApostila 50 questões saude publica diversoscargos
Apostila 50 questões saude publica diversoscargosAmanda Olibert
 
Retocolite Ulcerativa
Retocolite UlcerativaRetocolite Ulcerativa
Retocolite UlcerativaSandra Melo
 
Manual hipertensão 2013
Manual hipertensão 2013Manual hipertensão 2013
Manual hipertensão 2013Ismael Costa
 
Orientação de estágio ii
Orientação de estágio iiOrientação de estágio ii
Orientação de estágio iiFlavio Brim
 
Manual diabetes - 2013
Manual diabetes - 2013Manual diabetes - 2013
Manual diabetes - 2013Ismael Costa
 
Manual rede frio 4ed - 2013
Manual rede frio 4ed -  2013Manual rede frio 4ed -  2013
Manual rede frio 4ed - 2013Ismael Costa
 
Política de saúde 1
Política de saúde 1Política de saúde 1
Política de saúde 1Ismael Costa
 
Cartilha saude mental
Cartilha saude mentalCartilha saude mental
Cartilha saude mentalkarol_ribeiro
 
Guia vigilancia saude_completo
Guia vigilancia saude_completoGuia vigilancia saude_completo
Guia vigilancia saude_completoIsmael Costa
 

Destaque (20)

Revisão enade saude do adulto
Revisão enade saude do adultoRevisão enade saude do adulto
Revisão enade saude do adulto
 
Saúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagemSaúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagem
 
Planilha das semanas_modulo_iii_- i - semestre_2011-i-2
Planilha das semanas_modulo_iii_- i - semestre_2011-i-2Planilha das semanas_modulo_iii_- i - semestre_2011-i-2
Planilha das semanas_modulo_iii_- i - semestre_2011-i-2
 
Competência Mapa
Competência MapaCompetência Mapa
Competência Mapa
 
Estágio supervisionado apresentação 1
Estágio supervisionado   apresentação 1Estágio supervisionado   apresentação 1
Estágio supervisionado apresentação 1
 
Cadernos de atencao basica saude mental - nº 34
Cadernos de atencao basica   saude mental - nº 34Cadernos de atencao basica   saude mental - nº 34
Cadernos de atencao basica saude mental - nº 34
 
Assistencia a saude do trabalhador no contexto da saude do adulto
Assistencia a saude do trabalhador no contexto da saude do adultoAssistencia a saude do trabalhador no contexto da saude do adulto
Assistencia a saude do trabalhador no contexto da saude do adulto
 
Problemas saude do adulto
Problemas saude do adultoProblemas saude do adulto
Problemas saude do adulto
 
Cartilha Direito a saude mental MPF
Cartilha Direito a saude mental MPFCartilha Direito a saude mental MPF
Cartilha Direito a saude mental MPF
 
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde MentalAs Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
 
70 anos historia_saude_crianca
70 anos historia_saude_crianca70 anos historia_saude_crianca
70 anos historia_saude_crianca
 
Apostila 50 questões saude publica diversoscargos
Apostila 50 questões saude publica diversoscargosApostila 50 questões saude publica diversoscargos
Apostila 50 questões saude publica diversoscargos
 
Retocolite Ulcerativa
Retocolite UlcerativaRetocolite Ulcerativa
Retocolite Ulcerativa
 
Manual hipertensão 2013
Manual hipertensão 2013Manual hipertensão 2013
Manual hipertensão 2013
 
Orientação de estágio ii
Orientação de estágio iiOrientação de estágio ii
Orientação de estágio ii
 
Manual diabetes - 2013
Manual diabetes - 2013Manual diabetes - 2013
Manual diabetes - 2013
 
Manual rede frio 4ed - 2013
Manual rede frio 4ed -  2013Manual rede frio 4ed -  2013
Manual rede frio 4ed - 2013
 
Política de saúde 1
Política de saúde 1Política de saúde 1
Política de saúde 1
 
Cartilha saude mental
Cartilha saude mentalCartilha saude mental
Cartilha saude mental
 
Guia vigilancia saude_completo
Guia vigilancia saude_completoGuia vigilancia saude_completo
Guia vigilancia saude_completo
 

Semelhante a Plano de Ensino do Módulo Saúde do Adulto- I UC-III - 2011 - 1

Aulas im 2012 13 fmuc
Aulas im 2012   13 fmucAulas im 2012   13 fmuc
Aulas im 2012 13 fmuccommed1
 
apres_fisioterapia.ppt
apres_fisioterapia.pptapres_fisioterapia.ppt
apres_fisioterapia.pptZedequiaSilva
 
Semiologia anamnese e ectoscopia
Semiologia   anamnese e ectoscopiaSemiologia   anamnese e ectoscopia
Semiologia anamnese e ectoscopialeandrosdpsi
 
Semiologia 01 anamnese e ectoscopia
Semiologia 01   anamnese e ectoscopiaSemiologia 01   anamnese e ectoscopia
Semiologia 01 anamnese e ectoscopiaJucie Vasconcelos
 
Como Organizar um Grupo de Trabalho de Humanização - Dra. Izabel Cristina Rios
Como Organizar um Grupo de Trabalho de Humanização - Dra. Izabel Cristina RiosComo Organizar um Grupo de Trabalho de Humanização - Dra. Izabel Cristina Rios
Como Organizar um Grupo de Trabalho de Humanização - Dra. Izabel Cristina RiosAssociação Viva e Deixe Viver
 
O ensino-e-o-aprendizado-das-habilidades-clinicas-e-competencias-medicas-kira...
O ensino-e-o-aprendizado-das-habilidades-clinicas-e-competencias-medicas-kira...O ensino-e-o-aprendizado-das-habilidades-clinicas-e-competencias-medicas-kira...
O ensino-e-o-aprendizado-das-habilidades-clinicas-e-competencias-medicas-kira...PROIDDBahiana
 
Plano Ensino Epidemiologia e o que que eu te falei e que eu não vou aí ver a ...
Plano Ensino Epidemiologia e o que que eu te falei e que eu não vou aí ver a ...Plano Ensino Epidemiologia e o que que eu te falei e que eu não vou aí ver a ...
Plano Ensino Epidemiologia e o que que eu te falei e que eu não vou aí ver a ...PupyFtr
 
Ensino psicologia medica
Ensino psicologia medicaEnsino psicologia medica
Ensino psicologia medicaTadeu Rodrigues
 
Texto 1 modelos em saúde
Texto 1 modelos em saúdeTexto 1 modelos em saúde
Texto 1 modelos em saúdePsicologia_2015
 
Diretrizes Curriculares Nacionais o Curso de Medicina
Diretrizes Curriculares Nacionais o Curso de MedicinaDiretrizes Curriculares Nacionais o Curso de Medicina
Diretrizes Curriculares Nacionais o Curso de Medicinakassia_soares
 
Psicologia médica i 2015
Psicologia médica i 2015Psicologia médica i 2015
Psicologia médica i 2015Elisa Brietzke
 
Aula 1 Introdução a Epidemiologia & Estatística 05.02.2024.pptx
Aula 1 Introdução a Epidemiologia & Estatística 05.02.2024.pptxAula 1 Introdução a Epidemiologia & Estatística 05.02.2024.pptx
Aula 1 Introdução a Epidemiologia & Estatística 05.02.2024.pptxFábio Rogério De Oliveira Da Cunha
 
Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.
Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.
Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.Elisa Brietzke
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)LACES1
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)LACES1
 
Introdução e divisões da patologia
Introdução e divisões da patologiaIntrodução e divisões da patologia
Introdução e divisões da patologiaEduardo Crisóstomo
 

Semelhante a Plano de Ensino do Módulo Saúde do Adulto- I UC-III - 2011 - 1 (20)

Aulas im 2012 13 fmuc
Aulas im 2012   13 fmucAulas im 2012   13 fmuc
Aulas im 2012 13 fmuc
 
apres_fisioterapia.ppt
apres_fisioterapia.pptapres_fisioterapia.ppt
apres_fisioterapia.ppt
 
Semiologia completa
Semiologia completaSemiologia completa
Semiologia completa
 
Semiologia anamnese e ectoscopia
Semiologia   anamnese e ectoscopiaSemiologia   anamnese e ectoscopia
Semiologia anamnese e ectoscopia
 
Semiologia 01 anamnese e ectoscopia
Semiologia 01   anamnese e ectoscopiaSemiologia 01   anamnese e ectoscopia
Semiologia 01 anamnese e ectoscopia
 
Como Organizar um Grupo de Trabalho de Humanização - Dra. Izabel Cristina Rios
Como Organizar um Grupo de Trabalho de Humanização - Dra. Izabel Cristina RiosComo Organizar um Grupo de Trabalho de Humanização - Dra. Izabel Cristina Rios
Como Organizar um Grupo de Trabalho de Humanização - Dra. Izabel Cristina Rios
 
O ensino-e-o-aprendizado-das-habilidades-clinicas-e-competencias-medicas-kira...
O ensino-e-o-aprendizado-das-habilidades-clinicas-e-competencias-medicas-kira...O ensino-e-o-aprendizado-das-habilidades-clinicas-e-competencias-medicas-kira...
O ensino-e-o-aprendizado-das-habilidades-clinicas-e-competencias-medicas-kira...
 
E-book Fisioterapia.pdf
E-book  Fisioterapia.pdfE-book  Fisioterapia.pdf
E-book Fisioterapia.pdf
 
Plano Ensino Epidemiologia e o que que eu te falei e que eu não vou aí ver a ...
Plano Ensino Epidemiologia e o que que eu te falei e que eu não vou aí ver a ...Plano Ensino Epidemiologia e o que que eu te falei e que eu não vou aí ver a ...
Plano Ensino Epidemiologia e o que que eu te falei e que eu não vou aí ver a ...
 
Ensino psicologia medica
Ensino psicologia medicaEnsino psicologia medica
Ensino psicologia medica
 
Texto 1 modelos em saúde
Texto 1 modelos em saúdeTexto 1 modelos em saúde
Texto 1 modelos em saúde
 
Diretrizes Curriculares Nacionais o Curso de Medicina
Diretrizes Curriculares Nacionais o Curso de MedicinaDiretrizes Curriculares Nacionais o Curso de Medicina
Diretrizes Curriculares Nacionais o Curso de Medicina
 
Trabalho.individual.cap.desenho.curricular
Trabalho.individual.cap.desenho.curricularTrabalho.individual.cap.desenho.curricular
Trabalho.individual.cap.desenho.curricular
 
Psicologia médica i 2015
Psicologia médica i 2015Psicologia médica i 2015
Psicologia médica i 2015
 
Aula 1 Introdução a Epidemiologia & Estatística 05.02.2024.pptx
Aula 1 Introdução a Epidemiologia & Estatística 05.02.2024.pptxAula 1 Introdução a Epidemiologia & Estatística 05.02.2024.pptx
Aula 1 Introdução a Epidemiologia & Estatística 05.02.2024.pptx
 
Medicina
MedicinaMedicina
Medicina
 
Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.
Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.
Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
 
Introdução e divisões da patologia
Introdução e divisões da patologiaIntrodução e divisões da patologia
Introdução e divisões da patologia
 

Mais de Dr. João Félix Dias

Problema 6 saude adulto - UC-III 2011/01. FM - UFMT
Problema 6 saude adulto - UC-III 2011/01. FM - UFMTProblema 6 saude adulto - UC-III 2011/01. FM - UFMT
Problema 6 saude adulto - UC-III 2011/01. FM - UFMTDr. João Félix Dias
 
Problema 3 saude adulto UC-III 2011/01 - FM. UFMT
Problema 3 saude adulto  UC-III 2011/01 - FM. UFMTProblema 3 saude adulto  UC-III 2011/01 - FM. UFMT
Problema 3 saude adulto UC-III 2011/01 - FM. UFMTDr. João Félix Dias
 
UC-III 2011/01 - UFMT - FM - FREQUENCIA DOS ALUNOS NAS SESSÕES DE TUTORIA
UC-III 2011/01 - UFMT - FM - FREQUENCIA DOS ALUNOS NAS SESSÕES DE TUTORIAUC-III 2011/01 - UFMT - FM - FREQUENCIA DOS ALUNOS NAS SESSÕES DE TUTORIA
UC-III 2011/01 - UFMT - FM - FREQUENCIA DOS ALUNOS NAS SESSÕES DE TUTORIADr. João Félix Dias
 
Avaliação do estudante_pelo_tutor sandra coenga msa.i 2011.01
Avaliação do estudante_pelo_tutor sandra coenga msa.i 2011.01Avaliação do estudante_pelo_tutor sandra coenga msa.i 2011.01
Avaliação do estudante_pelo_tutor sandra coenga msa.i 2011.01Dr. João Félix Dias
 
Problema 2 saude adulto - I. UFMT/ FM/ UC-III 2011/01
Problema 2 saude adulto - I. UFMT/ FM/ UC-III 2011/01Problema 2 saude adulto - I. UFMT/ FM/ UC-III 2011/01
Problema 2 saude adulto - I. UFMT/ FM/ UC-III 2011/01Dr. João Félix Dias
 
UC-III 2011.01 - Registro de Frequencia dos Alunos
UC-III 2011.01 - Registro de Frequencia dos  AlunosUC-III 2011.01 - Registro de Frequencia dos  Alunos
UC-III 2011.01 - Registro de Frequencia dos AlunosDr. João Félix Dias
 
Avaliação do Estudante pelo tutor joao felix msa.i 2011.01
Avaliação do Estudante pelo tutor joao felix msa.i 2011.01Avaliação do Estudante pelo tutor joao felix msa.i 2011.01
Avaliação do Estudante pelo tutor joao felix msa.i 2011.01Dr. João Félix Dias
 
Avaliação do Estudante_pelo_tutor Hildenete msa.i 2011.01
Avaliação do Estudante_pelo_tutor Hildenete msa.i 2011.01Avaliação do Estudante_pelo_tutor Hildenete msa.i 2011.01
Avaliação do Estudante_pelo_tutor Hildenete msa.i 2011.01Dr. João Félix Dias
 
Avaliação do Estudante pelo Tutor JC Amaral - MSA.I 2011.01
Avaliação do Estudante pelo Tutor JC Amaral - MSA.I 2011.01Avaliação do Estudante pelo Tutor JC Amaral - MSA.I 2011.01
Avaliação do Estudante pelo Tutor JC Amaral - MSA.I 2011.01Dr. João Félix Dias
 
Avaliação do Estudante pelo Tutor Hildenete. MSA.I 2011.01
Avaliação do Estudante pelo Tutor Hildenete.  MSA.I 2011.01Avaliação do Estudante pelo Tutor Hildenete.  MSA.I 2011.01
Avaliação do Estudante pelo Tutor Hildenete. MSA.I 2011.01Dr. João Félix Dias
 
Avaliação do estudante_pelo_tutor francisco msa.i 2011.01
Avaliação do estudante_pelo_tutor francisco msa.i 2011.01Avaliação do estudante_pelo_tutor francisco msa.i 2011.01
Avaliação do estudante_pelo_tutor francisco msa.i 2011.01Dr. João Félix Dias
 

Mais de Dr. João Félix Dias (14)

Problema 8 MSA-I . 2011.01
Problema 8 MSA-I . 2011.01 Problema 8 MSA-I . 2011.01
Problema 8 MSA-I . 2011.01
 
Problema 7 MSA-I 2011.01
Problema 7 MSA-I 2011.01Problema 7 MSA-I 2011.01
Problema 7 MSA-I 2011.01
 
Problema 6 saude adulto - UC-III 2011/01. FM - UFMT
Problema 6 saude adulto - UC-III 2011/01. FM - UFMTProblema 6 saude adulto - UC-III 2011/01. FM - UFMT
Problema 6 saude adulto - UC-III 2011/01. FM - UFMT
 
Problema 4 saude adulto
Problema 4 saude adulto Problema 4 saude adulto
Problema 4 saude adulto
 
Problema 3 saude adulto UC-III 2011/01 - FM. UFMT
Problema 3 saude adulto  UC-III 2011/01 - FM. UFMTProblema 3 saude adulto  UC-III 2011/01 - FM. UFMT
Problema 3 saude adulto UC-III 2011/01 - FM. UFMT
 
UC-III 2011/01 - UFMT - FM - FREQUENCIA DOS ALUNOS NAS SESSÕES DE TUTORIA
UC-III 2011/01 - UFMT - FM - FREQUENCIA DOS ALUNOS NAS SESSÕES DE TUTORIAUC-III 2011/01 - UFMT - FM - FREQUENCIA DOS ALUNOS NAS SESSÕES DE TUTORIA
UC-III 2011/01 - UFMT - FM - FREQUENCIA DOS ALUNOS NAS SESSÕES DE TUTORIA
 
Avaliação do estudante_pelo_tutor sandra coenga msa.i 2011.01
Avaliação do estudante_pelo_tutor sandra coenga msa.i 2011.01Avaliação do estudante_pelo_tutor sandra coenga msa.i 2011.01
Avaliação do estudante_pelo_tutor sandra coenga msa.i 2011.01
 
Problema 2 saude adulto - I. UFMT/ FM/ UC-III 2011/01
Problema 2 saude adulto - I. UFMT/ FM/ UC-III 2011/01Problema 2 saude adulto - I. UFMT/ FM/ UC-III 2011/01
Problema 2 saude adulto - I. UFMT/ FM/ UC-III 2011/01
 
UC-III 2011.01 - Registro de Frequencia dos Alunos
UC-III 2011.01 - Registro de Frequencia dos  AlunosUC-III 2011.01 - Registro de Frequencia dos  Alunos
UC-III 2011.01 - Registro de Frequencia dos Alunos
 
Avaliação do Estudante pelo tutor joao felix msa.i 2011.01
Avaliação do Estudante pelo tutor joao felix msa.i 2011.01Avaliação do Estudante pelo tutor joao felix msa.i 2011.01
Avaliação do Estudante pelo tutor joao felix msa.i 2011.01
 
Avaliação do Estudante_pelo_tutor Hildenete msa.i 2011.01
Avaliação do Estudante_pelo_tutor Hildenete msa.i 2011.01Avaliação do Estudante_pelo_tutor Hildenete msa.i 2011.01
Avaliação do Estudante_pelo_tutor Hildenete msa.i 2011.01
 
Avaliação do Estudante pelo Tutor JC Amaral - MSA.I 2011.01
Avaliação do Estudante pelo Tutor JC Amaral - MSA.I 2011.01Avaliação do Estudante pelo Tutor JC Amaral - MSA.I 2011.01
Avaliação do Estudante pelo Tutor JC Amaral - MSA.I 2011.01
 
Avaliação do Estudante pelo Tutor Hildenete. MSA.I 2011.01
Avaliação do Estudante pelo Tutor Hildenete.  MSA.I 2011.01Avaliação do Estudante pelo Tutor Hildenete.  MSA.I 2011.01
Avaliação do Estudante pelo Tutor Hildenete. MSA.I 2011.01
 
Avaliação do estudante_pelo_tutor francisco msa.i 2011.01
Avaliação do estudante_pelo_tutor francisco msa.i 2011.01Avaliação do estudante_pelo_tutor francisco msa.i 2011.01
Avaliação do estudante_pelo_tutor francisco msa.i 2011.01
 

Plano de Ensino do Módulo Saúde do Adulto- I UC-III - 2011 - 1

  • 1. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA COORDENAÇÃO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO: planensmed Modulo: Saúde do Adulto I Curso: Medicina Código: 504266-92 Regime: seriado semestral Carga Horária total: 150 horas-aula Período Letivo: 2011/01 Teórica: 60 horas-aula - Prática: 90 horas-aula Supervisor: João Félix Dias Tutores: Alda Elizabeth Boehler Iglesias de Azevedo; Francisco Mário Monteiro Fortes; Hildenete Monteiro Fortes; João Félix Dias José Carlos Amaral Professores envolvidos em outras atividades de ensino: Profª. Dra. Ângela Cristina Cesar Terzian Prof. Esp. José Sebastião Metelo Profª. Esp. Arthur Nogueira Borges Prof. Dr. José Rondon Prof. Dr. Danilo Prof. Heberth Donizete Salerno Prof. Esp. Aloisia Rondon Prof. Ms. Flavio Tampelini Departamento de Origem: DCBS, DCM, e DCC 2) EMENTA: – SAÚDE DO ADULTO I CH 150 (60T, 90P) Ementa: Bases e fundamentos da propedêutica (semiologia) médica e cirúrgica. Fisiologia dos sistemas orgânicos com o objetivo de interpretar sinais e sintomas. Introdução a psicologia médica buscando desenvolver no estudante uma atitude reflexiva, ética e humanística da relação médico paciente. Anatomia, histologia e fisiologia do sistema reprodutor masculino com aplicação na prática médica. A bioética e a prática humanizada da medicina. Princípios de anestesiologia, técnica operatória e bases da clínica cirúrgica. Suporte básico de vida e primeiros socorros. 3) OBJETIVOS: Objetivo Geral: Introduzir o estudante de medicina na prática clínica, através da realização da anamnese e do exame físico geral registrando-o em linguagem técnica.
  • 2. Objetivos Específicos: Ao final do módulo é esperado que o estudante seja capaz de: 1) Estabelecer bom relacionamento com os pacientes e seus familiares, tendo a visão do mesmo com ser biopsicossocial. 2) Reconhecer o paciente como um sujeito único; identificar e respeitar a forma como ele lida com sua própria vida e sua doença. 3) Compreender as principais manifestações emocionais dos pacientes frente a sua condição de estar doente: reações psicológicas à sua própria doença; reações psicológicas à sua própria família; reações psicológicas à pessoa do estudante e do(s) médico (s); reações aos serviços de saúde. 4) Agir de modo cordial e ético nos contatos com colegas, professores, pacientes e outros que porventura venha a encontrar no desempenho de suas atividades. 5) Conhecer e respeitar o ambiente dos serviços de saúde (enfermarias, ambulatórios), bem como os profissionais que nele trabalham. 6) Fazer uma anamnese completa: colher dados para a mesma e registrá-la de modo adequado e esclarecedor, usando para isto a nomenclatura apropriada. 7) Conhecer a semiotécnica, praticando com desenvoltura e habilidade os procedimentos de inspeção, palpação, percussão, ausculta e outros, principalmente focado no exame da normalidade. 8) Fazer o exame físico do adulto com sua descrição correta, principalmente focado no exame da normalidade. 9) Reconhecer, ao exame clínico, o normal e suas variações, principalmente focado no exame da normalidade. 10) Identificar manifestações clínicas de enfermidades comuns. 11) Considerar as características peculiares a determinados grupos de pacientes: adolescentes, idosos, portadores de deficiências; 12) Resumir verbalmente a anamnese, tentando salientar os dados que julgar mais importantes; 13) Medir e anotar os dados biométricos e vitais do paciente; 14) Avaliar a capacidade e as dificuldades no contato interpessoal; 15) Iniciar o raciocínio clínico, estabelecendo qual(is) o(s) sistema(s) fisiológico(s) envolvido(s). Objetivos Específicos Do Programa X Lógica Dos Conteúdos COGNITIVOS:  Relação médico-paciente. O ciclo vital humano, as capacidades cognitivas, afetivas, volitivas e psicomotoras integradas na percepção do paciente.  Conhecer a semiotécnica, praticando com desenvoltura e habilidade os procedimentos de inspeção, palpação, percussão, ausculta e outros, com ênfase na normalidade.  Identificar manifestações clínicas de enfermidades comuns. PSICOMOTOR (PROCEDIMENTAIS)  Fazer uma anamnese completa: colher dados para a mesma e registrá-la de modo adequado e esclarecedor, usando para isto a nomenclatura apropriada;  Fazer o exame físico do adulto com sua descrição correta, com ênfase na normalidade.  Realizar pesquisa bibliográfica em fontes variadas (bibliotecas, sites, etc.);  Expressar-se com precisão crescente, oral e por escrito, nas atividades propostas. AFETIVOS (COMPORTAMENTAL)  Vivenciar e identificar os aspectos emocionais, éticos, implícitos na Relação Médico-Paciente, através do contato direto com pacientes.  Estabelecer bom relacionamento com os pacientes e seus familiares, tendo a visão do mesmo com ser biopsicossocial.  Agir de modo cordial e ético nos contatos com colegas, professores, pacientes e outros que porventura venha a encontrar no desempenho de suas atividades.  Conhecer e respeitar o ambiente dos serviços de saúde (enfermarias, ambulatórios), bem como os profissionais que nele trabalham.  Comportar-se com ética e adequadamente em atividades teóricas e práticas;  Participar de atividades individuais e em grupos, contribuindo para a construção pessoal e coletiva do conhecimento; Acompanhar e posicionar-se no processo, em atividades de auto e hetero avaliação.
  • 3. 4) CONTEÚDO PROGRAMÁTICO (conteúdo distribuído em unidades e subunidades) SEMIOLOGIA MÉDICA 1) Anamnese: estrutura, componentes, técnica de entrevista médica; 2) Exame físico geral: ectoscopia – estado geral, dados biométricos, sinais do exame externo, semiotécnica (observação: não envolve o exame físico especial); 3) Relação médico-paciente: Fundamentos da prática humanista do atendimento; 4) Semiologia da dor: bases anatômica, fisiológicas e bioquímicas; tipos e características; fisiopatologia, etiopatogenia e semiotécnica 5) Exame físico Segmentar: Cabeça e pescoço, Sistemas respiratório, cardiocirculatório, gastrointestinal, urinário, reprodutor masculino e feminino, Sistema Nervoso. Aparelho do movimento. 6) Principais síndromes clínicas: febre, icterícia, anemia, hepatoesplenomegalia, edema, meníngea, dor torácica, abdômen agudo, cefaléias. Diarréias, insuficiência cardíaca, insuficiência respiratória, insuficiência renal. – Dúvidas em relação a este conteúdo, nós não trabalhamos estas síndromes! CLÍNICA CIRÚRGICA 1) Noções básicas de cirurgia asséptica. 2) O fenômeno biológico da cicatrização. 3) Respostas Endócrinas e Metabólicas ao Trauma 4) Noções Básicas da Anestesia Local 5) Noções Básicas da anestesia Geral 6) Bases científicas da investigação clínica, cirúrgica e complementar: riscos, custos e benefícios. 7) Primeiro atendimento a urgências e emergências. ÉTICA E BIOÉTICA 1) Código de ética médica; 2) Código de ética do estudante de medicina 3) Documentação médica: Prontuário médico. Exames complementares. IMPORTÂNCIA DESTE PROGRAMA DE APRENDIZAGEM: Base para a compreensão dos processos fisiopatológicos dos sistemas abordados, servindo como fundamento para as áreas da medicina. Definição da carga horária dos conteúdos específicos a serem abordados: Semiologia Médica: 130 h Clínica Cirúrgica: 08 h Ética e Bioética: 06 h Definição da seqüência das atividades práticas: Semiologia médica integrada com a psicologia médica, clínica cirúrgica e ética/bioética. Eixos temáticos: Entrevista médica (anamnese). Exame físico geral e segmentar. Raciocínio clínico. Relação médico-paciente- família. Ética e bioética. 5) PROCEDIMENTOS DE ENSINO (técnicas, recursos e avaliação) Serão empregadas metodologias ativas de aprendizagem, com aprendizado baseado em problemas e processo de ensino- aprendizagem centrado no aluno. O módulo de Saúde do Adulto I é composto por sessões tutoriais e por aulas teóricas e práticas com especialistas nas diferentes áreas de conhecimento abordadas no módulo. Nas sessões tutoriais, o aprendizado é baseado em problemas, sendo o eixo principal do aprendizado do módulo, objetivando o aprendizado de conteúdos específicos e a integração das diferentes áreas de conhecimento. As aulas teóricas com especialistas são expositivas e dialogadas e as aulas práticas com especialistas são interativas, sendo realizadas em laboratório próprio de cada área de conhecimento. As aulas práticas ocorrerão em diversos cenários: hospitais (enfermaria, ambulatórios), comunidade, laboratório de habilidades clínicas e laboratório morfofuncional. Além das aulas práticas, os estudantes terão a sua disposição a assistência de professores especialistas e de monitores.
  • 4. Atividades integradoras: seminários, casos clínicos integradores Serão empregados recursos audiovisuais de Multimídia e realizados seminários e aulas práticas. Biblioteca e Internet serão utilizadas como fonte de discussão para o processo de ensino-aprendizagem. Serão realizadas avaliações formativas e somativas. 6) BIBLIOGRAFIA BÁSICA Bibliografia básica. BATTES, B. Propedêutica médica. 8ª edição, Guanabara Koogan. 2005. PORTO, C. C.Semiologia Médica. 6ª ed. Guanabara Koogan, 2009. SAESP. Tratado de anestesiologia. 6ª edição, Atheneu. 2007. Bibliografia complementar BALINT, M. O médico, seu paciente e a doença. Atheneu. 2005. BICKLEY, L. S.BATES - PROPEDEUTICA MEDICA. 8ª ed. Guanabara Koogan, 2005. BROWSE, N. L. Sinais e sintomas em clínica cirúrgica. 3ª edição, Revinter. 2004. EPSTEIN, O. et al EXAME CLÍNICO. 3ª ed. ELSEVIER, 2004. GUYTON, A.C. & HALL, J.E. Tratado de Fisiologia Médica. 17ª. Edição. Guanabara Koogan, 2006. KOEPPEN, B. M.; LEVY, M. N.; STANTON, B. A.. Fundamentos da Fisiologia: Berne e Levy. 4ª. Edição. 2006. LOPES, A.C. Tratado de clínica médica. Roca. 2006. LOPEZ, M. Semiologia médica. 5ª. Edição. Revinter, 2004. LOPEZ, M.; J. , LAURENTYS-MEDEIROS. SEMIOLOGIA MEDICA. 5ª ed. REVINTER, 2004. MANICA, J. Anestesiologia princípios e técnicas. 3ª Edição. Artmed. 2003. MARQUES, R. G. Técnica operatória e cirurgia experimental. Guanabara Koogan, 2005. NAEMT. Atendimento pré-hospitalar ao traumatizado. PHTLS. 5ª Edição. Elsevier, 2004. PORTO, C. C.EXAME CLÍNICO: BASES PARA A PRATICA MEDICA. 6ª ed. GUANABARA KOOGAN, 2008. SABISTON, T. Tratado de cirurgia. 17ª edição, Elsevier. 2005. SOBOTTA, J. Sobotta Atlas de anatomia humana. 22ª Edição. Rio de Janeiro. Editora Guanabara Koogan, 2006. SWARTZ, M. H.TRATADO DE SEMIOLOGIA MÉDICA: HISTÓRIA E EXAME CLÍNICO. 5ª ed. ELSEVIER, 2006. TAHKA, V. Relacionamento médico-paciente. Porto alegre. Artes Médicas. 1989. TALLEY, N. J.; O'CONNOR, S.EXAME CLÍNICO: UM GUIA DO DIAGNÓSTICO FÍSICO. 4ª ed. GUANABARA KOOGAN, 2003. WALLACH, J. Interpretação de exames laboratoriais. 7ª edição, Guanabara Koogan, 2003. WEIR, J. & PETER, H. A. Atlas de Anatomia Humana em Imagens. 3ª. Edição. Editora Elsevier. 2004. OUTRAS FONTES DE PESQUISAS BATLLÓ, A. S.; BATLLÓ, J. S.SURÓS - SEMIOLOGIA MÉDICA Y TÉCNICA EXPLORATORIA. 8ª ed. ELSEVIER MASSON, 2001. COUTO, A. A. et al SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR. 1ª ed. ATHENEU, 2002. DORETTO, D.FISIOPATOLOGIA CLÍNICA DO SISTEMA NERVOSO: FUNDAMENTOS DA SEMIOLOGIA. 2ª ed. ATHENEU, 2005. GONZALES, R. F.; BRANCO, R.A RELAÇÃO COM O PACIENTE: TEORIA, ENSINO E PRÁTICA. 1ª ed. GUANABARA KOOGAN, 2003.
  • 5. MACHADO, E. L. G.PROPEDÊUTICA E SEMIOLOGIA EM CARDIOLOGIA. 1ª ed. ATHENEU, 2004. MANCALL, E. L.O EXAME NEUROLÓGICO. 2ª ed. COLINA EDITORA, 1986. SEIDEL, H. M. et al MOSBY - GUIA DE EXAME FÍSICO. 6ª ed. ELSEVIER, 2006. Bibliografia para pesquisa em sites: Alguns sites interessantes para a atividade de semiologia médica. Assistente de ausculta http://www.med.ucla.edu/wilkes/inex.htm Biografia médica http://www.whonamedit.com/index.cfm Guia de exame físico - Universidade da Califórnia http://meded.ucsd.edu/clinicalmed/ 7) AVALIAÇÃO: Consistirá de avaliação formativa e somativa. A avaliação formativa, explicitada no manual do aluno, é de caráter obrigatório, com o propósito de acompanhamento e correção de rumos dentro do processo de ensino e aprendizagem. A avaliação formativa não terá peso na nota final do aluno. A avaliação somativa será realizada ao final do módulo, conforme planilha em anexo, consistindo de avaliação cognitiva, através de prova escrita, com valor de 0,0 a 10,0 pontos e peso dois (2) e através de prova prática, com valor de 0,0 a 10,0 pontos e peso dois (2); avaliação de procedimentos e atitudes através de prova prática de semiologia com valor de 0,0 a 10,0 pontos e peso um e meio (1,5).e elaboração de trabalho escrito com apresentação de seminário em grupo, com valor de 0,0 a 10,0 pontos e peso um e meio (1,5); e avaliação de desempenho durante as sessões de tutorias, com valor de 0,0 a 10,0 pontos e peso três (3). A avaliação cognitiva poderá ser reaplicada para os alunos que obtiverem aproveitamento inferior a 60%. Nesta avaliação de correção de rumo, será cobrado o mesmo conteúdo programático da primeira avaliação cognitiva e o aluno será reavaliado nos conteúdos cujo desempenho na primeira avaliação for inferior a 70%. Essa avaliação terá valor máximo de 6,0 pontos e, quando convertido em peso 4, terá a pontuação máxima de 2,4 pontos (valor correspondente a 60% da nota cognitiva, com peso 4). Poderá ainda ser atribuído valor de 0,0 a 1,8 pontos adicionais referentes ao desempenho, para compor a nota da avaliação de correção de rumo de acordo com o progresso do mesmo nesta avaliação. Portanto, quando o aluno responder corretamente 70% ou mais da avaliação, serão concedidos 1,8 pontos adicionais para que o aluno possa alcançar 6,0 pontos. Quando o aluno responder corretamente menos de 70% da avaliação, os pontos adicionais serão proporcionalmente inferiores a 1,8 pontos. Quando a nota na avaliação de correção de rumo for inferior à nota da primeira avaliação cognitiva, prevalecerá a nota da primeira avaliação. Os seminários serão avaliados por todos os tutores do módulo, segundo os seguintes critérios: quanto ao trabalho escrito, (1) a adequação do conteúdo e a integração das áreas de conhecimento; (2) a qualidade da apresentação (atendimento às normas da ABNT); quanto à qualidade da apresentação oral do seminário, (3) qualidade dos recursos audiovisuais utilizados; (4) capacidade de síntese e organização durante a apresentação; (5) apresentação com sequência lógica; (6) integração do grupo durante a apresentação; quanto ao conhecimento teórico, (7) domínio de conteúdo; (8) clareza e objetividade durante a explanação; quanto à discussão ao final da apresentação, (9) domínio de conteúdo (10) clareza e objetividade durante a explanação. A nota final corresponderá à média aritmética das notas atribuídas para os itens citados acima por cada tutor. As tutorias serão avaliadas pelo tutor do grupo, segundo os seguintes critérios: (1) habilidade de solucionar o problema: demonstra estudo prévio, trazendo informações pertinentes aos objetivos propostos; (2) habilidade de discutir o problema: demonstra capacidade de gerar hipóteses, utilizando conhecimentos prévios; (3) interação no trabalho em grupo (formação do comportamento ético): demonstra capacidade de sintetizar e expor de forma clara suas idéias; capacidade de desempenhar o papel (membro do grupo, coordenador ou secretário); relacionamento interpessoal (tutor, colegas); capacidade de criticar com objetividade; receptividade às críticas. A nota final corresponderá à média aritmética das notas atribuídas para os três itens citados acima. A presença nas tutorias e seminários é obrigatória. Para cada falta não justificada em uma sessão de tutoria, o aluno será penalizado com menos 0,5 pontos na nota final da avaliação de procedimentos e atitudes durante as tutorias. Para cada falta não justificada durante a apresentação de um seminário de outro grupo, o aluno será penalizado com menos 0,25 pontos em sua nota final da avaliação do seminário. Em caso de falta à apresentação do seminário de seu grupo o aluno ficará com zero nos itens referentes à apresentação, recebendo apenas a pontuação referente ao trabalho escrito na composição de sua nota. Decisões Específicas – Colegiados de Curso Referentes a Estágios e Trabalhos de Graduação. Durante o semestre, deverão ser realizadas avaliações formativas, avaliações cognitivas; avaliações de correções de rumos;
  • 6. seminários; prova final; prova de segunda época de acordo com o desempenho individual dos alunos. Os critérios de avaliação; da atribuição de notas; resultado final e/ou segunda época; da revisão de verificação da aprendizagem; da segunda chamada seguem as normas da resolução CONSEPE 14/99 e CONSEPE 27/99. Em anexo, segue o calendário de aulas e as avaliações. 8) RESOLUÇÕES CONSEPE 14/99 e Cursos Seriados / CONSEPE 27/99 CONSEPE 59/98 (Turmas Especiais ) Supervisor de Módulo: João Félix Dias Aprovação: COLEGIADO DE CURSO: _____________________________________ EM _______ / ______ / _________ CONGREGAÇÃO: ____________________________________________ EM _______ / ______ / _________