As políticas nacionais em relação à
saúde mental: realidade e
perspectivas futuras.
Ana Carolina Schmidt de Oliveira
Psicó...
O que são Políticas Públicas
• Diretrizes, princípios norteadores de ação do
poder público
• Regras e procedimentos para a...
Políticas de Saúde Mental
• Pretendem criar um novo estatuto social para o
portador de transtorno mental.
• Uma luta que s...
Como chegamos até aqui
• Modelo Hospitalocêntrico
• SUS, 1988
• Reforma psiquiátrica
• I Conferência Nacional de Saúde Men...
Lei 10.216/01
Art. 1o direitos e a proteção das pessoas
acometidas de transtorno mental, de que trata
esta Lei, são assegu...
Lei 10.216/01
Art. 2o Nos atendimentos em saúde mental, de qualquer natureza, a pessoa e seus
familiares ou responsáveis s...
Lei 10.2016/01
Art. 3o É responsabilidade do Estado o
desenvolvimento da política de saúde mental, a
assistência e a promo...
Lei 10.216/01
Art. 4o A internação, em qualquer de suas
modalidades, só será indicada quando os recursos
extra-hospitalare...
Lei 10.216/01
§ 1o O tratamento visará, como finalidade permanente, a
reinserção social do paciente em seu meio.
§ 2o O tr...
Lei 10.216/01
Art. 5o O paciente há longo tempo hospitalizado
ou para o qual se caracterize situação de grave
dependência ...
Lei 10.216/01
Art. 6o A internação psiquiátrica somente será
realizada mediante laudo médico circunstanciado que
caracteri...
Lei 10.2016/01
Art. 7o A pessoa que solicita voluntariamente sua
internação, ou que a consente, deve assinar, no
momento d...
Lei 10.216/01
Art. 8o A internação voluntária ou involuntária somente
será autorizada por médico devidamente registrado no...
Lei 10.2016/01
Art. 9o A internação compulsória é determinada,
de acordo com a legislação vigente, pelo juiz
competente, q...
Lei 10.216/01
Art. 10. Evasão, transferência, acidente,
intercorrência clínica grave e falecimento serão
comunicados pela ...
Lei 10.2016/01
Art. 11. Pesquisas científicas para fins diagnósticos
ou terapêuticos não poderão ser realizadas sem o
cons...
Outras Leis importantes
• Lei n. 10.708, de 31 de julho de 2003
Institui o auxílio-reabilitação psicossocial para
paciente...
Outras Leis importantes
• Portaria GM no 106, de 11 de fevereiro de 2000 -
Serviços Residenciais Terapêuticos em Saúde
Men...
Outras Leis importantes
• Conselho nacional de política criminal e
penitenciária - Resolução no- 4, de 30 de julho
de 2010...
Serviços
• Serviços Residenciais Terapêuticos (SRT)
• Centros de Atenção Psicossocial (CAPS)
• Leitos – Hospital Geral/ CA...
Programa Nacional de Avaliação dos
Serviços Hospitalares
• Vistorias em todos os hospitais psiquiátricos públicos e
conven...
Programa Anual de Reestruturação da
Assistência Hospitalar no SUS
• Promover a redução progressiva e pactuada de
leitos a ...
PROGRAMA PERMANENTE DE
FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS
PARA A REFORMA PSIQUIÁTRICA
• Incentivo, apoio e financiamento da impl...
Supervisão Clínico-Institucional
• Contexto institucional, isto é, o serviço, a rede, a
gestão, a política pública.
• Esco...
O Programa Nacional de Avaliação de
Centros de Atenção Psicossocial
• Objetivos: levantamento de informação sobre estes
se...
Onde se quer chegar?
• mentaldados10.pdf
Conclusão
• Saúde Mental equânime, inclusiva, extra-
hospitalar e de base comunitária.
• Inclusão de serviços de pequena e...
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental

549 visualizações

Publicada em

Aula da Psicóloga Ana Carolina Schmidt sobre as políticas em relação a saúde mental.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
549
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
44
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental

  1. 1. As políticas nacionais em relação à saúde mental: realidade e perspectivas futuras. Ana Carolina Schmidt de Oliveira Psicóloga Especialista em Dependência Química UNIAD/UNIFESP Mestranda UNIFESP
  2. 2. O que são Políticas Públicas • Diretrizes, princípios norteadores de ação do poder público • Regras e procedimentos para as relações entre poder público e sociedade, mediação entre atores da sociedade e do Estado. • Políticas explicitadas, sistematizadas ou formuladas em documentos (leis, programas, linhas de financiamento) que orientam ações que normalmente envolvem aplicações de recursos públicos
  3. 3. Políticas de Saúde Mental • Pretendem criar um novo estatuto social para o portador de transtorno mental. • Uma luta que se estende além do fim dos manicômios • Visa à desconstrução de todo um aparato alienante que abarca aspectos sócio-políticos, assistenciais e jurídicos • Visa garantir ao sujeito em condição de adoecimento o respeito aos seus direitos e • individualidades
  4. 4. Como chegamos até aqui • Modelo Hospitalocêntrico • SUS, 1988 • Reforma psiquiátrica • I Conferência Nacional de Saúde Mental 1987 • Encontro Nacional do Movimento de Trabalhadores de Saúde Mental, Baurú-1987 • Intervenção na Casa de Saúde Anchieta, em Santos- 1989 • Apresentação na Câmara Federal do Projeto do Deputado Paulo Delgado, em 1989 • Declaração de Caracas, 1990 • Lei 10.216/01
  5. 5. Lei 10.216/01 Art. 1o direitos e a proteção das pessoas acometidas de transtorno mental, de que trata esta Lei, são assegurados sem qualquer forma de discriminação quanto à raça, cor, sexo, orientação sexual, religião, opção política, nacionalidade, idade, família, recursos econômicos e ao grau de gravidade ou tempo de evolução de seu transtorno, ou qualquer outra.
  6. 6. Lei 10.216/01 Art. 2o Nos atendimentos em saúde mental, de qualquer natureza, a pessoa e seus familiares ou responsáveis serão formalmente cientificados dos direitos enumerados no parágrafo único deste artigo. Parágrafo único. São direitos da pessoa portadora de transtorno mental: I - ter acesso ao melhor tratamento do sistema de saúde, consentâneo às suas necessidades; II - ser tratada com humanidade e respeito e no interesse exclusivo de beneficiar sua saúde, visando alcançar sua recuperação pela inserção na família, no trabalho e na comunidade; III - ser protegida contra qualquer forma de abuso e exploração; IV - ter garantia de sigilo nas informações prestadas; V - ter direito à presença médica, em qualquer tempo, para esclarecer a necessidade ou não de sua hospitalização involuntária; VI - ter livre acesso aos meios de comunicação disponíveis; VII - receber o maior número de informações a respeito de sua doença e de seu tratamento; VIII - ser tratada em ambiente terapêutico pelos meios menos invasivos possíveis; IX - ser tratada, preferencialmente, em serviços comunitários de saúde mental.
  7. 7. Lei 10.2016/01 Art. 3o É responsabilidade do Estado o desenvolvimento da política de saúde mental, a assistência e a promoção de ações de saúde aos portadores de transtornos mentais, com a devida participação da sociedade e da família, a qual será prestada em estabelecimento de saúde mental, assim entendidas as instituições ou unidades que ofereçam assistência em saúde aos portadores de transtornos mentais.
  8. 8. Lei 10.216/01 Art. 4o A internação, em qualquer de suas modalidades, só será indicada quando os recursos extra-hospitalares se mostrarem insuficientes.
  9. 9. Lei 10.216/01 § 1o O tratamento visará, como finalidade permanente, a reinserção social do paciente em seu meio. § 2o O tratamento em regime de internação será estruturado de forma a oferecer assistência integral à pessoa portadora de transtornos mentais, incluindo serviços médicos, de assistência social, psicológicos, ocupacionais, de lazer, e outros. § 3o É vedada a internação de pacientes portadores de transtornos mentais em instituições com características asilares, ou seja, aquelas desprovidas dos recursos mencionados no § 2o e que não assegurem aos pacientes os direitos enumerados no parágrafo único do art. 2o.
  10. 10. Lei 10.216/01 Art. 5o O paciente há longo tempo hospitalizado ou para o qual se caracterize situação de grave dependência institucional, decorrente de seu quadro clínico ou de ausência de suporte social, será objeto de política específica de alta planejada e reabilitação psicossocial assistida, sob responsabilidade da autoridade sanitária competente e supervisão de instância a ser definida pelo Poder Executivo, assegurada a continuidade do tratamento, quando necessário.
  11. 11. Lei 10.216/01 Art. 6o A internação psiquiátrica somente será realizada mediante laudo médico circunstanciado que caracterize os seus motivos. Parágrafo único. São considerados os seguintes tipos de internação psiquiátrica: I - internação voluntária: aquela que se dá com o consentimento do usuário; II - internação involuntária: aquela que se dá sem o consentimento do usuário e a pedido de terceiro; e III - internação compulsória: aquela determinada pela Justiça.
  12. 12. Lei 10.2016/01 Art. 7o A pessoa que solicita voluntariamente sua internação, ou que a consente, deve assinar, no momento da admissão, uma declaração de que optou por esse regime de tratamento. Parágrafo único. O término da internação voluntária dar-se-á por solicitação escrita do paciente ou por determinação do médico assistente.
  13. 13. Lei 10.216/01 Art. 8o A internação voluntária ou involuntária somente será autorizada por médico devidamente registrado no Conselho Regional de Medicina - CRM do Estado onde se localize o estabelecimento. § 1o A internação psiquiátrica involuntária deverá, no prazo de setenta e duas horas, ser comunicada ao Ministério Público Estadual pelo responsável técnico do estabelecimento no qual tenha ocorrido, devendo esse mesmo procedimento ser adotado quando da respectiva alta. § 2o O término da internação involuntária dar-se-á por solicitação escrita do familiar, ou responsável legal, ou quando estabelecido pelo especialista responsável pelo tratamento.
  14. 14. Lei 10.2016/01 Art. 9o A internação compulsória é determinada, de acordo com a legislação vigente, pelo juiz competente, que levará em conta as condições de segurança do estabelecimento, quanto à salvaguarda do paciente, dos demais internados e funcionários.
  15. 15. Lei 10.216/01 Art. 10. Evasão, transferência, acidente, intercorrência clínica grave e falecimento serão comunicados pela direção do estabelecimento de saúde mental aos familiares, ou ao representante legal do paciente, bem como à autoridade sanitária responsável, no prazo máximo de vinte e quatro horas da data da ocorrência.
  16. 16. Lei 10.2016/01 Art. 11. Pesquisas científicas para fins diagnósticos ou terapêuticos não poderão ser realizadas sem o consentimento expresso do paciente, ou de seu representante legal, e sem a devida comunicação aos conselhos profissionais competentes e ao Conselho Nacional de Saúde.
  17. 17. Outras Leis importantes • Lei n. 10.708, de 31 de julho de 2003 Institui o auxílio-reabilitação psicossocial para pacientes acometidos de transtornos mentais egressos de internações.
  18. 18. Outras Leis importantes • Portaria GM no 106, de 11 de fevereiro de 2000 - Serviços Residenciais Terapêuticos em Saúde Mental • Portaria GM no 336, de 19 de fevereiro de 2002 - Centros de Atenção Psicossocial • Portaria GM no 2.391, de 26 de dezembro de 2002- Regulamenta o controle das internações psiquiátricas involuntárias e voluntárias
  19. 19. Outras Leis importantes • Conselho nacional de política criminal e penitenciária - Resolução no- 4, de 30 de julho de 2010- Dispõe sobre as Diretrizes Nacionais de Atenção aos Pacientes Judiciários e Execução da Medida de Segurança.
  20. 20. Serviços • Serviços Residenciais Terapêuticos (SRT) • Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) • Leitos – Hospital Geral/ CAPS III • Serviços Informais • Centros de Convivência • Rede (saúde, assistência, direito, lazer, educação...) • Comunidades Terapêuticas
  21. 21. Programa Nacional de Avaliação dos Serviços Hospitalares • Vistorias em todos os hospitais psiquiátricos públicos e conveniados ao SUS • Resultados: sérios problemas na qualidade de assistência: projeto terapêutico dos pacientes e da instituição; aspectos gerais da assistência (longo tempo de permanência, número alto de pacientes longamente internados) e aos aspectos gerais dos pacientes (limpeza, calçados e roupas, entre outros). • Classificar os hospitais psiquiátricos: aqueles de boa qualidade de assistência; os de qualidade suficiente; aqueles que precisam de adequações e devem sofrer revistorias; e aqueles de baixa qualidade, encaminhados para o descredenciamento.
  22. 22. Programa Anual de Reestruturação da Assistência Hospitalar no SUS • Promover a redução progressiva e pactuada de leitos a partir dos macro-hospitais ( hospitais com mais de 600 leitos, muitas vezes hospitais- cidade, com mais de mil leitos) e hospitais de grande porte (com 240 a 600 leitos psiquiátricos). • Garantir uma transição segura, onde a redução dos leitos hospitalares possa ser planificada e acompanhada da construção simultânea de alternativas de atenção no modelo comunitário.
  23. 23. PROGRAMA PERMANENTE DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PARA A REFORMA PSIQUIÁTRICA • Incentivo, apoio e financiamento da implantação de núcleos de formação em saúde mental para a rede pública. • Estímulo à Supervisão Clínico-institucional dos CAPS, por meio de editais para Projetos de Qualificação dos CAPS. • Apoio aos Programas de Residência Multiprofissional em Saúde Mental. • Fomento e apoio a projetos que aceleram e consolidam o processo de reorientação da assistência em saúde mental.
  24. 24. Supervisão Clínico-Institucional • Contexto institucional, isto é, o serviço, a rede, a gestão, a política pública. • Escolhido pelo município onde se localiza o serviço e a rede, espera-se que o supervisor inicie sua tarefa contando com condições propícias de acolhimento pela equipe, de modo a também acolhê-la em suas dificuldades, tensões internas, sobrecarga, construindo um ambiente de trabalho favorável.
  25. 25. O Programa Nacional de Avaliação de Centros de Atenção Psicossocial • Objetivos: levantamento de informação sobre estes serviços, possibilitando a caracterização dos CAPS, o acompanhamento, a estimativa de qualidade da assistência prestada e a proposição de indicadores. • O Programa de avaliação da qualidade e monitoramento dos CAPS se constitui em um instrumento de gestão, de indução da produção de informação nos serviços e uma oportunidade para uma atitude reflexiva diante das práticas cotidianas nos serviços de saúde mental.
  26. 26. Onde se quer chegar? • mentaldados10.pdf
  27. 27. Conclusão • Saúde Mental equânime, inclusiva, extra- hospitalar e de base comunitária. • Inclusão de serviços de pequena e média complexidade. • Pacientes para todos os tipos de serviços

×