SlideShare uma empresa Scribd logo
EQUIPE:
 ANTHONYS
 CRISTIANE
 ROZIANE
 MANOELA
 WLADIMIR
   O Grupo de Apoio
    Mútuo Pé no Chão é
    uma organização não
    governamental, criada
    em 1994, que desenvolve
    atividades educativas
    com crianças e
    adolescentes que fazem
    das ruas o principal
    espaço de luta pela
    sobrevivência na cidade
    de Recife
   "Pé no Chão" é uma expressão dos meninos de rua do
    Recife quando pedem esmola: “Estou com os pés no
    chão (porque não têm dinheiro nem mesmo para
    chinelas), lutando pelo meu pão de cada dia”. Mas “ter o
    pé no chão” também significa uma prática
    fundamentada no cotidiano e na realidade social e não
    num mero idealismo. Assim, o nome capta os dois
    aspectos mais importantes do trabalho do Grupo.
No inicio dos anos 90 diante do
discurso de piedade sobre o
“menor abandonado” reinava no
Recife a idéia de que as crianças
estavam na rua porque eram
abandonadas ou órfãs.

O grupo realizava seu primeiro       Por que abandonaram a casa?
                                    Há quanto tempo estavam na
projeto        de  investigação     rua? Qual era o seu horário na
profissional com as 60 familias     rua? Alguma vez voltaram para
atendidas     da   favela    da     casa? Mantinham algum tipo de
Encruzilhada sobre a verdadeira     relação com algum parente? Ser
vida dos meninos e meninas de       menino     ou    menina    era
rua no Recife.                      importante?
RESULTADOS

O Grupo descobriu que

78% dos meninos de rua do Recife
mantinham fortes vínculos familiares e todos tinham
se matriculado na escola pública em algum
momento da sua vida.

 80% haviam sido abordados por uma ou várias
entidades de serviço social.

Esta investigação exigiu a reorientação dos serviços
destinados aos meninos e meninas de rua,
dirigindo-os à família e à escola. O Grupo dedicou-
se a este programa
MISSÃO

    Promover a educação social de rua através da
 pedagogia popular, fortalecendo a identidade pessoal e
 social, a autonomia de crianças e adolescentes pela
 transformação social, rompendo o estereótipo de que
 toda criança de rua pobre não tem perspectiva.
VISÃO

 Ser reconhecida pela inserção de crianças e
 adolescentes, dos bairros de Santo Amaro e
 Arruda no Recife, em atividades pedagógicas
 que possibilitem o de suas potencialidades.
 reconhecimento
VALORES
 Respeito pelo ser humano;
 Valorização da vida;
 Compromisso social;
 Ética.
   CENÁRIO
   Alto índice de crianças e adolescentes em situação de
    rua;
   Baixa escolaridade;
   Exclusão social;
   Ausência de políticas públicas eficazes;
   Investimentos insuficientes em atividades de caráter
    social;
   Ociosidade;
   Falta de oportunidades.
   Oportunidades
               Oportunidades                             Ações

    •Aumento na quantidade de editais    •Profissionalizar equipe para escrever
    públicos na área cultural (teatro,   projetos de editais públicos;
    cinema, dança e artes plásticas).    •Criar calendário de editais de
                                         interesse
    Aumento de investimento do
    governo Federal em programas
    sociais.
    Descentralização de financiamento
    de espetáculos no eixo RJ – SP.
   Ameaças
                     Ameaças                                  Ações
    Desinteresse dos beneficiários pelas   Continua busca por instrumentos de arte
    atividades oferecidas                  educação que se adeqüem a nova realidade dos
                                           beneficiários



    Aumento de investimento de recursos    Aumento captação de recursos de
    internacionais na África               financiadores de projetos do Governo do
                                           Estado de Pernambuco, Ministério da Cultura
                                           etc.
   Pontos Fortes
             Pontos fortes                     Ações
Baixa rotatividade           Manutenção das políticas de recursos
                             humanos e formação continuada

Alta motivação da equipe     Manutenção das políticas de recursos
                             humanos e formação continuada

Inserção nas comunidades     Priorizar o bom relacionamento com as
                             famílias dos beneficiários,

Parceiros internacionais     Manutenção das parcerias atuais e
                             captação de novas parcerias em países
                             diferentes
   Pontos Fracos.
                Pontos Fracos                      Ações
    Equipe reduzida                Ou aumentar a quantidade de pessoas na
                                   equipe
                                   Ou melhorar o nível técnico da equipe
                                   atual
    Gestão não profissionalizada   Ou Contratação de pessoa com formação
                                   em administração
                                   Ou Custear cursos na área de
                                   administração para os atuais membros
o Grupo não defende que a
rua é em si mesma um
espaço pedagógico - a rua
tem que ser transformada
num espaço digno de
maneira a educar em todos
os sentidos da palavra.
        OBRIGADA!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Plan. estr.grupo pé no chão

Apresentação Projeto SURF.ART
Apresentação Projeto SURF.ARTApresentação Projeto SURF.ART
Apresentação Projeto SURF.ART
Paulo Canas
 
Jornal espirito santo_ed-04_abril_2012_formato_gazeta.indd
Jornal espirito santo_ed-04_abril_2012_formato_gazeta.inddJornal espirito santo_ed-04_abril_2012_formato_gazeta.indd
Jornal espirito santo_ed-04_abril_2012_formato_gazeta.indd
Leonardo Gomez
 
Projecto da Componente de Apoio a Familia JI VG
Projecto da Componente de Apoio a Familia JI VGProjecto da Componente de Apoio a Familia JI VG
Projecto da Componente de Apoio a Familia JI VG
Ana Barroca
 

Semelhante a Plan. estr.grupo pé no chão (20)

Festival 2018 - Organizações comunitárias podem mobilizar seus próprios recur...
Festival 2018 - Organizações comunitárias podem mobilizar seus próprios recur...Festival 2018 - Organizações comunitárias podem mobilizar seus próprios recur...
Festival 2018 - Organizações comunitárias podem mobilizar seus próprios recur...
 
Fundação Gol de Letra - Apresentação Institucional
Fundação Gol de Letra - Apresentação InstitucionalFundação Gol de Letra - Apresentação Institucional
Fundação Gol de Letra - Apresentação Institucional
 
Cartilha Projeto Epah
Cartilha Projeto EpahCartilha Projeto Epah
Cartilha Projeto Epah
 
Projeto EducaçãO E Valores
Projeto EducaçãO E ValoresProjeto EducaçãO E Valores
Projeto EducaçãO E Valores
 
Apresentação Projeto SURF.ART
Apresentação Projeto SURF.ARTApresentação Projeto SURF.ART
Apresentação Projeto SURF.ART
 
Apresentação smed
Apresentação smedApresentação smed
Apresentação smed
 
Relatório 2015 - Voluntariado O-I
Relatório 2015 - Voluntariado O-IRelatório 2015 - Voluntariado O-I
Relatório 2015 - Voluntariado O-I
 
Muitos lugares para_aprender
Muitos lugares para_aprenderMuitos lugares para_aprender
Muitos lugares para_aprender
 
Apresentaçãoflac
ApresentaçãoflacApresentaçãoflac
Apresentaçãoflac
 
Helena Thomé - Mobilização de Recursos
Helena Thomé - Mobilização de RecursosHelena Thomé - Mobilização de Recursos
Helena Thomé - Mobilização de Recursos
 
Bombou! - Ed. Especial, Nº 06/2012
Bombou! - Ed. Especial, Nº 06/2012Bombou! - Ed. Especial, Nº 06/2012
Bombou! - Ed. Especial, Nº 06/2012
 
Pet 2012 correto
Pet 2012 corretoPet 2012 correto
Pet 2012 correto
 
Moc (1)
Moc (1)Moc (1)
Moc (1)
 
8º Encontro Paulista de Fundações – 3º painel: “Inovação social e desenvolvim...
8º Encontro Paulista de Fundações – 3º painel: “Inovação social e desenvolvim...8º Encontro Paulista de Fundações – 3º painel: “Inovação social e desenvolvim...
8º Encontro Paulista de Fundações – 3º painel: “Inovação social e desenvolvim...
 
Jornal espirito santo_ed-04_abril_2012_formato_gazeta.indd
Jornal espirito santo_ed-04_abril_2012_formato_gazeta.inddJornal espirito santo_ed-04_abril_2012_formato_gazeta.indd
Jornal espirito santo_ed-04_abril_2012_formato_gazeta.indd
 
Reunião sobre Primeira Infância: Instituto da Infância (IFAN) - PARTE 2
Reunião sobre Primeira Infância: Instituto da Infância (IFAN) - PARTE 2Reunião sobre Primeira Infância: Instituto da Infância (IFAN) - PARTE 2
Reunião sobre Primeira Infância: Instituto da Infância (IFAN) - PARTE 2
 
Institucional apresentando o makanudos
Institucional   apresentando o makanudosInstitucional   apresentando o makanudos
Institucional apresentando o makanudos
 
De gotinha em gotinha descobrindo como economizar água e preservar o meio amb...
De gotinha em gotinha descobrindo como economizar água e preservar o meio amb...De gotinha em gotinha descobrindo como economizar água e preservar o meio amb...
De gotinha em gotinha descobrindo como economizar água e preservar o meio amb...
 
Projecto da Componente de Apoio a Familia JI VG
Projecto da Componente de Apoio a Familia JI VGProjecto da Componente de Apoio a Familia JI VG
Projecto da Componente de Apoio a Familia JI VG
 
Mulheres mil codir (2)
Mulheres mil   codir (2)Mulheres mil   codir (2)
Mulheres mil codir (2)
 

Mais de Wladimir Farias Tenorio Filho

Mais de Wladimir Farias Tenorio Filho (16)

Entregacontinua.pdf
Entregacontinua.pdfEntregacontinua.pdf
Entregacontinua.pdf
 
Análise do Dataset Dry beans
Análise do Dataset Dry beansAnálise do Dataset Dry beans
Análise do Dataset Dry beans
 
Curso gestão de projetos _ Gerenciamento das comunicações e das partes intere...
Curso gestão de projetos _ Gerenciamento das comunicações e das partes intere...Curso gestão de projetos _ Gerenciamento das comunicações e das partes intere...
Curso gestão de projetos _ Gerenciamento das comunicações e das partes intere...
 
Grupo de Estudo PMI-PE - Gerenciamento do Escopo
Grupo de Estudo PMI-PE - Gerenciamento do EscopoGrupo de Estudo PMI-PE - Gerenciamento do Escopo
Grupo de Estudo PMI-PE - Gerenciamento do Escopo
 
Palestra: Outras economias
Palestra: Outras economiasPalestra: Outras economias
Palestra: Outras economias
 
Cap 4 como padronizar sua área de trabalho wladimirfarias
Cap 4 como padronizar sua área de trabalho wladimirfariasCap 4 como padronizar sua área de trabalho wladimirfarias
Cap 4 como padronizar sua área de trabalho wladimirfarias
 
Contabilidade básica - conceitos introdutórios
Contabilidade básica - conceitos introdutóriosContabilidade básica - conceitos introdutórios
Contabilidade básica - conceitos introdutórios
 
Capítulo 3: Como gerenciar para melhorar os resultados
Capítulo 3: Como gerenciar para melhorar os resultadosCapítulo 3: Como gerenciar para melhorar os resultados
Capítulo 3: Como gerenciar para melhorar os resultados
 
Capítulo 2 arrumando a casa
Capítulo 2 arrumando a casaCapítulo 2 arrumando a casa
Capítulo 2 arrumando a casa
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
 
Capitulo 1: Entenda seu trabalho. livro Gerenciamento da rotina do trabalho d...
Capitulo 1: Entenda seu trabalho. livro Gerenciamento da rotina do trabalho d...Capitulo 1: Entenda seu trabalho. livro Gerenciamento da rotina do trabalho d...
Capitulo 1: Entenda seu trabalho. livro Gerenciamento da rotina do trabalho d...
 
Apresentação para V SEMEAP
Apresentação para V SEMEAPApresentação para V SEMEAP
Apresentação para V SEMEAP
 
Anais V SEMEAP - O CINEMA COMO EXPERIÊNCIA DE ARTE EDUCAÇÃO NA PREVENÇÃO À D...
Anais V SEMEAP - O CINEMA COMO EXPERIÊNCIA DE ARTE  EDUCAÇÃO NA PREVENÇÃO À D...Anais V SEMEAP - O CINEMA COMO EXPERIÊNCIA DE ARTE  EDUCAÇÃO NA PREVENÇÃO À D...
Anais V SEMEAP - O CINEMA COMO EXPERIÊNCIA DE ARTE EDUCAÇÃO NA PREVENÇÃO À D...
 
Mercado de trabalho v04
Mercado de trabalho v04Mercado de trabalho v04
Mercado de trabalho v04
 
Mst e o estado brasileiro vfinal
Mst e o estado brasileiro vfinalMst e o estado brasileiro vfinal
Mst e o estado brasileiro vfinal
 
Apresentação trapeiros
Apresentação trapeirosApresentação trapeiros
Apresentação trapeiros
 

Plan. estr.grupo pé no chão

  • 1. EQUIPE:  ANTHONYS  CRISTIANE  ROZIANE  MANOELA  WLADIMIR
  • 2. O Grupo de Apoio Mútuo Pé no Chão é uma organização não governamental, criada em 1994, que desenvolve atividades educativas com crianças e adolescentes que fazem das ruas o principal espaço de luta pela sobrevivência na cidade de Recife
  • 3. "Pé no Chão" é uma expressão dos meninos de rua do Recife quando pedem esmola: “Estou com os pés no chão (porque não têm dinheiro nem mesmo para chinelas), lutando pelo meu pão de cada dia”. Mas “ter o pé no chão” também significa uma prática fundamentada no cotidiano e na realidade social e não num mero idealismo. Assim, o nome capta os dois aspectos mais importantes do trabalho do Grupo.
  • 4. No inicio dos anos 90 diante do discurso de piedade sobre o “menor abandonado” reinava no Recife a idéia de que as crianças estavam na rua porque eram abandonadas ou órfãs. O grupo realizava seu primeiro Por que abandonaram a casa? Há quanto tempo estavam na projeto de investigação rua? Qual era o seu horário na profissional com as 60 familias rua? Alguma vez voltaram para atendidas da favela da casa? Mantinham algum tipo de Encruzilhada sobre a verdadeira relação com algum parente? Ser vida dos meninos e meninas de menino ou menina era rua no Recife. importante?
  • 5. RESULTADOS O Grupo descobriu que 78% dos meninos de rua do Recife mantinham fortes vínculos familiares e todos tinham se matriculado na escola pública em algum momento da sua vida.  80% haviam sido abordados por uma ou várias entidades de serviço social. Esta investigação exigiu a reorientação dos serviços destinados aos meninos e meninas de rua, dirigindo-os à família e à escola. O Grupo dedicou- se a este programa
  • 6. MISSÃO Promover a educação social de rua através da pedagogia popular, fortalecendo a identidade pessoal e social, a autonomia de crianças e adolescentes pela transformação social, rompendo o estereótipo de que toda criança de rua pobre não tem perspectiva.
  • 7. VISÃO Ser reconhecida pela inserção de crianças e adolescentes, dos bairros de Santo Amaro e Arruda no Recife, em atividades pedagógicas que possibilitem o de suas potencialidades. reconhecimento
  • 8. VALORES  Respeito pelo ser humano;  Valorização da vida;  Compromisso social;  Ética.
  • 9. CENÁRIO  Alto índice de crianças e adolescentes em situação de rua;  Baixa escolaridade;  Exclusão social;  Ausência de políticas públicas eficazes;  Investimentos insuficientes em atividades de caráter social;  Ociosidade;  Falta de oportunidades.
  • 10. Oportunidades Oportunidades Ações •Aumento na quantidade de editais •Profissionalizar equipe para escrever públicos na área cultural (teatro, projetos de editais públicos; cinema, dança e artes plásticas). •Criar calendário de editais de interesse Aumento de investimento do governo Federal em programas sociais. Descentralização de financiamento de espetáculos no eixo RJ – SP.
  • 11. Ameaças Ameaças Ações Desinteresse dos beneficiários pelas Continua busca por instrumentos de arte atividades oferecidas educação que se adeqüem a nova realidade dos beneficiários Aumento de investimento de recursos Aumento captação de recursos de internacionais na África financiadores de projetos do Governo do Estado de Pernambuco, Ministério da Cultura etc.
  • 12. Pontos Fortes Pontos fortes Ações Baixa rotatividade Manutenção das políticas de recursos humanos e formação continuada Alta motivação da equipe Manutenção das políticas de recursos humanos e formação continuada Inserção nas comunidades Priorizar o bom relacionamento com as famílias dos beneficiários, Parceiros internacionais Manutenção das parcerias atuais e captação de novas parcerias em países diferentes
  • 13. Pontos Fracos. Pontos Fracos Ações Equipe reduzida Ou aumentar a quantidade de pessoas na equipe Ou melhorar o nível técnico da equipe atual Gestão não profissionalizada Ou Contratação de pessoa com formação em administração Ou Custear cursos na área de administração para os atuais membros
  • 14. o Grupo não defende que a rua é em si mesma um espaço pedagógico - a rua tem que ser transformada num espaço digno de maneira a educar em todos os sentidos da palavra. OBRIGADA!