SlideShare uma empresa Scribd logo
Professor:  Ivanderson Pereira da Silva ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM FÍSICA
Como se concebe o estágio no curso de Física da UFAL?
Estágio em Física da UFAL “ O estágio é o espaço de aprendizagem do fazer concreto das idéias do curso de licenciatura em física, onde uma variedade de situações de atividades de aprendizagem profissional de manifestam para o aluno tendo em vista sua profissionalização. O estágio é o lócus onde a identidade profissional do aluno é gerada, construída e referida. E assim, deve ser planejado crítica reflexiva e sistematicamente”. (PPP do curso de Física Licenciatura a Distância (UAB/UFAL)
Fazer concreto... Psicologia da Educação História da Educação Filosofia da Educação Tecnologia da Informação Avaliação da Aprendizagem Sociologia da Educação Educação Especial Educação de Adultos Política e Organização  Planejamento Pedagógico
Um traçado histórico da Educação Brasileira e do papel do professor neste cenário
Linha do tempo I * 1549. Chegada dos Jesuítas, Condições em que inicia-se a educação, Educação como instrumento de aculturação * 1564. O plano da Redízima, O percentual da coroa para a educação * 1599. O Ratio Studiorum (universalista e elitista com 457 regras de humanidades e tradição) * 1759. As reformas Pombalinas da instrução publica . A educação neste período (0, 1 %.) . A situação confortável da igreja . O quadro de atraso de Portugal . Sebastião José de Carvalho e Melo . A expansão dos Jesuítas e a instrução das aulas régias.
Linha do tempo II * 1972. O subsidio literário . Instrução para a minoria; às massas bastavam os sermões dominicais. . Para ministrar as aulas régias, o estado se limitava a pagar apenas o salário dos professores e as diretrizes curriculares. * 1822. O império (Independência?) * 1823. Constituição (Idem) . Dissolução da assembléia constituinte * 1827. Aprovada a lei das escolas de primeiras letras * 1834. O ato adicional à constituição transferiu a responsabilidade das escolas de primeiras letras para as províncias, que não estavam equipadas nem técnica nem financeiramente. . Falta fiscalização do poder público nas escolas.
Linha do tempo III * 1854. Reforma Couto Ferraz – professores adjuntos. * 1870. Tavares Bastos propõe que todos deveriam contribuir para o financiamento da educação e cria dois impostos um local provincial * 1879. Reforma Leôncio de Carvalho (regulamentação do ensino). * 1882. Rui Barbosa constata que com a educação gastava-se 1,99 % e com as dispesas militares 20,86 % * 1889. Proclamação da Republica * 1890. Caetano de Campos e Rangel Pestana instituem os grupos escolares. Obs. Ao longo da primeira república o ensino permaneceu praticamente estagnado e o índice de analfabetos era de 65% sobre o numero de habitantes entre 1960 e 1920sendo que o numero de analfabeto dobra neste período.
Linha do tempo IV * Fundação da ABE (escolanovismo) * 1930. Predomínio da educação nova . implemento do urbanismo . é incluído na constituição um percentual mínimo para a educação 10% união, 20% estados e 10% municípios. . Publicação do manifesto da educação nova. e IV CBE . 2,1% união, 15% estados e 8,1% municípios. * 1934. Saída dos Católicos da ABE e criação da confederação Católica Brasileira de educação * 1936. 2,5% união, 13,4% estados e 8,3% municípios, * 1937. Retirada do percentual da educação da C.F. no estado novo  * 1946. Constituição Federal (retomando o percentual) 10% para a união e 20% para os estados e municípios
Linha do tempo V * 1955. 5,7% união, 13,7% estados, 11,4% municípios * 1949/1957/1961- Discussão sobre a 1ª LDB (caráter descentralizado) * 1962- entrada em vigor a 1ª LDB e fixa em 12% a obrigação da união * 1964. Golpe Militar . O estado se desobrigado percentual em educação. * 1965. Crise da pedagogia nova . O estado investe 9,6% da arrecadação. . Articulação da pedagogia tecnicista. * 1967. A.C.F. retira o percentual da educação. * 1975. O estado investe 4,31% da arrecadação.
Linha do tempo V * 1980. Tecnicismo . Organização das associações de professores e profissionais da educação em todos os níveis. . Organização das conferencias nacionais de educação. . Grande volume de publicações em periódicos da área. . Reconhecimento das instituições financiadoras de pesquisa. . Despertar das idéias contra-hogemônicas libertadora /marxista. . Pedagogia da educação popular, da pratica, crítico-social dos conteúdos e histórico-crítica *1988. Constituição Federal . Obrigação do percentual p/ a educação: 18% união e 25% estados e municípios. . Direito social. . Prevê que deve o poder público em suas três instancias, destinar 50% do orçamento da educação p/ a universalização do ensino e a erradicação do analfabetismo com prazo de 10anos. . Este percentual é calculado em cima dos impostos.
Linha do tempo IV * 1989. Neo-liberalismo . (neo-produtivismo, neo-escolanovismo, neo-construtivismo (Walon e vigotasky).  Neo tecnicismo (toyotísmo) qualidade total, a educação como produto * 1994. FHC um caso intrigante, mais um drible na educação. * 1996. A LDB/Década da educação/PNE. * 1998. Vence o prazo de C.F. lança-se o fundef. Com prazo de 10 anos. Com a mesma finalidade. * 2001. Inclusão excludente e exclusão includente. * 2006. Protela-se mais; fundeb, mais 14 anos. * 2008. PDE; desenvolvimento? 2022. Prazo de 15 anos (os prazos aumentam)
Tendências Pedagógicas PEDAGOGIA TRADICIONAL PEDAGOGIA LIBERAL/PROGRESSIVA  (Montessori Decroly, Dewey, Piaget ) PEDAGOGIA ESCOLANOVISTA ( Carl Rogers, "Sumermerhill" escola de A. Neill.) PEDAGOGIA TECNICISTA  (Leis 5.540/68 e 5.692/71) PEDAGOGIA  LIBERTADORA  (Paulo Freire) PEDAGOGIA LIBERTÁRIA  ( C. Freinet Miguel Gonzales Arroyo) PEDAGOGIA  HISTÓRICO-CRÍTICA  (Makarenko, B. Charlot, Suchodoski, Manacorda, G. Snyders, Demerval Saviani)
A disciplina estágio como lócus de pesquisa
Ementa da Disciplina Legislação [A Lei de Diretrizes e Bases (lei n° 9394/96), As Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (DCNEM), Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN e PCN+) para o ensino de Física na  educação Básica]; Indissociabilidade entre Teoria e Prática (Praxis Dialética); práticas de interdisciplinaridade na Educação, O perfil do Professor Pesquisador; Métodos e Técnicas de Pesquisa e de Intervenção em Educação; Ética na Educação. Discussão e proposição de seminários sobre os referidos temas, que favoreçam o desenvolvimento de habilidades comunicativas e de estratégias didáticas no grupo. Observação da dinâmica escolar in loco numa escola pública, ou particular, ou instituição que ofereça a disciplina de física na educação básica em quaisquer modalidade. Construção de propostas Individuais e/ou em grupo, de intervenção em sala de aula.
Objetivos da disciplina - Compreender o papel do professor de física diante do cenário atual e ser capaz de acompanhar as mudanças na Educação Básica que estão acontecendo e que possam vir a acontecer; - Perceber a indissociabilidade entre teoria e prática; - Apropriar-se de mecanismos que favoreçam práticas interdisciplinares com professores de outras áreas; - Incorporar o perfil de um professor pesquisador, conhecendo e respeitando os limites da ética profissional; - Observar um profissional, Físico Educador, no exercício da docência, bem como da estrutura física e administrativa da escola na qual este profissional desenvolve seu trabalho, fazendo o registro destas observações. - Buscar individualmente ou em grupo elaborar propostas de intervenção que tenham por finalidade melhorar o desenvolvimento de competências e habilidades no ensino de física na escola observada.
Metodologia Primeiramente, serão promovidos encontros semanais presenciais nos quais serão discutidos o papel do professor de física segundo as orientações legais, práticas interdisciplinares, perfil do professor pesquisador e métodos de pesquisa e intervenção em educação e ética profissional. Num segundo momento, os alunos serão desafiados a elaborar seminários individuais e/ou em grupo tem como temáticas os conteúdos discutidos anteriormente. Paralelamente ao desenvolvimento das aulas, os alunos deverão estar observando um físico educador no exercício do magistério numa instituição de ensino da educação básica. A avaliação nesta disciplina será processual, as notas serão diluídas entre a participação dos alunos em sala de aula, dos seminários desenvolvidos pelos alunos e pelo relatório de observação in loco, sendo este o instrumento que permite melhor acompanhamento das observações dos alunos e de sua proposta de intervenção que será melhorada no semestre posterior.
Cronograma
Avaliação  O aluno será avaliado através de sua participação nas discussões, da apresentação dos seminários, da elaboração do relatório de observação e da elaboração da proposta de pesquisa e/ou de intervenção. Acompanhamento da disciplina através do blog:  http://ivandersonpereira.blogspot.com
Referências BORTONI-RICARDO, S. M.  O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial. 2008 BRASIL.  Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), Disponível em: www.mec.gov.br Acesso em: 02 fev 2009 ____.  Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN+) Disponível em: www.mec.gov.br Acesso em 02 fev 2009 ____. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN) Disponível em: portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf1/proejalei9394.pdf Acesso em: 02 fev 2009 CARLOS, J. G. I nterdisciplinaridade: o que é isso? Disponível em: www.unb.br/ppgec/dissertacoes/.../proposicao_jairocarlos.pdf Acesso em: 02 fev 2009 CARVALHO, L. P.; FUZARI JUNIOR, G, C, FERREIRA, C. C.; GONÇALVES, E. C.; LIMA, J. J.; MELLO, M.  A radioatividade como tema para a interdisciplinaridade e contextualização. Disponível em: www.unesp.br/prograd/PDFNE2003/A %20radioatividade.pdf Acesso em: 02 fev 2009 DAMASCENO, A. M.; MERCADO, L. P. L.; ABREU, N. G.  Formando o professor pesquisador do ensino médio. Maceió: Edufal. 2007 FLICK, U.  Introdução à pesquisa qualitativa. MACHADO, N.  Interdisciplinaridade e contextualização; In: Seminário Nacional do Ensino Médio. Brasília, outubro/1999 (publicação no seminário) MACHADO, N. J.  Educação: projetos e valores. São Paulo: Escrituras, 2000 MERCADO, L. P. L.; CAVALCANTE, M. A. S.  Formação do Pesquisador em Educação: profissionalização docente, políticas públicas, trabalho e pesquisa. Maceió: Edufal. 2007 PIMENTA, S. G.  O estágio na formação de profesores: unidade teoria e prática? 7a ed. São Paulo: Cortez. 2006. SILVA, I. P.  Experiência de avaliação com o uso do youtube no ensino de física numa escola pública alagoana. Anais do IV EPEAL (no prelo) ____.  Projeto de rádio na escola: primeiras ações. Anais do IV EPEAL (no prelo) ____.  O computador como ferramenta interativa e os objetos virtuais de aprendizagem na disciplina de física numa escola pública alagoana. Anais do II CONEAD (no prelo)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ensino Superior No Brasil
Ensino Superior No BrasilEnsino Superior No Brasil
Ensino Superior No Brasil
guest9af8f23
 
Estrutura do Sistema Educacional Brasileiro
Estrutura do Sistema Educacional BrasileiroEstrutura do Sistema Educacional Brasileiro
Estrutura do Sistema Educacional Brasileiro
Lucas Sebastião Barbosa
 
Pedagógico caxias
Pedagógico caxiasPedagógico caxias
Pedagógico caxias
Antonio Futuro
 
Currículo do Estado de São Paulo
Currículo do Estado de São PauloCurrículo do Estado de São Paulo
Currículo do Estado de São Paulo
Governo do Estado de São Paulo
 
Políticas Educacionais uma pequena discussão
Políticas Educacionais uma pequena discussãoPolíticas Educacionais uma pequena discussão
Políticas Educacionais uma pequena discussão
LOCIMAR MASSALAI
 
Políticas públicas de formação docente e a ação pedagógica no ensino superior
Políticas públicas de formação docente e a ação pedagógica no ensino superiorPolíticas públicas de formação docente e a ação pedagógica no ensino superior
Políticas públicas de formação docente e a ação pedagógica no ensino superior
Solange Soares
 
C:\Fakepath\Brasil 2005d
C:\Fakepath\Brasil 2005dC:\Fakepath\Brasil 2005d
C:\Fakepath\Brasil 2005d
Solange Soares
 
Defesa
DefesaDefesa
Defesa
neyfranca
 
Ensino Médio
Ensino MédioEnsino Médio
Ensino Médio
Tadeu Vasconcelos
 
REFORMAS EDUCATIVAS NO BRASIL: uma aproximação histórica
REFORMAS EDUCATIVAS NO BRASIL: uma aproximação histórica REFORMAS EDUCATIVAS NO BRASIL: uma aproximação histórica
REFORMAS EDUCATIVAS NO BRASIL: uma aproximação histórica
Iasmin Marinho
 
Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...
Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...
Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...
Ricardo da Palma
 
Plano de Curso - Estrutura I
Plano de Curso - Estrutura IPlano de Curso - Estrutura I
Plano de Curso - Estrutura I
UBIRAJARA COUTO LIMA
 
Curso orientacoes eja
Curso orientacoes ejaCurso orientacoes eja
Curso orientacoes eja
telasnorte1
 
Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.
Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.
Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.
markinho2013
 
A inclusão curricular de alunos com nee em países de língua portuguesa
A inclusão curricular de alunos com nee em países de língua portuguesaA inclusão curricular de alunos com nee em países de língua portuguesa
A inclusão curricular de alunos com nee em países de língua portuguesa
NehemiaGil
 
As reformas educacionais républica velhadocx
As reformas educacionais républica velhadocxAs reformas educacionais républica velhadocx
As reformas educacionais républica velhadocx
Marcos Souza
 
Reclassificação
ReclassificaçãoReclassificação
Reclassificação
coordenacaoolavohansen
 
Sistema Nacional de Educação de Moçambique
Sistema Nacional de Educação de MoçambiqueSistema Nacional de Educação de Moçambique
Sistema Nacional de Educação de Moçambique
FILIPE NERI
 
a iportancia da pedagogia Elenilda
a iportancia da pedagogia Elenildaa iportancia da pedagogia Elenilda
a iportancia da pedagogia Elenilda
Ana Vanessa Araujo Mouta Cesario
 
O CONTEXTO SÓCIO-HISTÓRICO DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA UTFPR
O CONTEXTO SÓCIO-HISTÓRICO DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA UTFPRO CONTEXTO SÓCIO-HISTÓRICO DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA UTFPR
O CONTEXTO SÓCIO-HISTÓRICO DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA UTFPR
ProfessorPrincipiante
 

Mais procurados (20)

Ensino Superior No Brasil
Ensino Superior No BrasilEnsino Superior No Brasil
Ensino Superior No Brasil
 
Estrutura do Sistema Educacional Brasileiro
Estrutura do Sistema Educacional BrasileiroEstrutura do Sistema Educacional Brasileiro
Estrutura do Sistema Educacional Brasileiro
 
Pedagógico caxias
Pedagógico caxiasPedagógico caxias
Pedagógico caxias
 
Currículo do Estado de São Paulo
Currículo do Estado de São PauloCurrículo do Estado de São Paulo
Currículo do Estado de São Paulo
 
Políticas Educacionais uma pequena discussão
Políticas Educacionais uma pequena discussãoPolíticas Educacionais uma pequena discussão
Políticas Educacionais uma pequena discussão
 
Políticas públicas de formação docente e a ação pedagógica no ensino superior
Políticas públicas de formação docente e a ação pedagógica no ensino superiorPolíticas públicas de formação docente e a ação pedagógica no ensino superior
Políticas públicas de formação docente e a ação pedagógica no ensino superior
 
C:\Fakepath\Brasil 2005d
C:\Fakepath\Brasil 2005dC:\Fakepath\Brasil 2005d
C:\Fakepath\Brasil 2005d
 
Defesa
DefesaDefesa
Defesa
 
Ensino Médio
Ensino MédioEnsino Médio
Ensino Médio
 
REFORMAS EDUCATIVAS NO BRASIL: uma aproximação histórica
REFORMAS EDUCATIVAS NO BRASIL: uma aproximação histórica REFORMAS EDUCATIVAS NO BRASIL: uma aproximação histórica
REFORMAS EDUCATIVAS NO BRASIL: uma aproximação histórica
 
Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...
Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...
Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...
 
Plano de Curso - Estrutura I
Plano de Curso - Estrutura IPlano de Curso - Estrutura I
Plano de Curso - Estrutura I
 
Curso orientacoes eja
Curso orientacoes ejaCurso orientacoes eja
Curso orientacoes eja
 
Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.
Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.
Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.
 
A inclusão curricular de alunos com nee em países de língua portuguesa
A inclusão curricular de alunos com nee em países de língua portuguesaA inclusão curricular de alunos com nee em países de língua portuguesa
A inclusão curricular de alunos com nee em países de língua portuguesa
 
As reformas educacionais républica velhadocx
As reformas educacionais républica velhadocxAs reformas educacionais républica velhadocx
As reformas educacionais républica velhadocx
 
Reclassificação
ReclassificaçãoReclassificação
Reclassificação
 
Sistema Nacional de Educação de Moçambique
Sistema Nacional de Educação de MoçambiqueSistema Nacional de Educação de Moçambique
Sistema Nacional de Educação de Moçambique
 
a iportancia da pedagogia Elenilda
a iportancia da pedagogia Elenildaa iportancia da pedagogia Elenilda
a iportancia da pedagogia Elenilda
 
O CONTEXTO SÓCIO-HISTÓRICO DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA UTFPR
O CONTEXTO SÓCIO-HISTÓRICO DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA UTFPRO CONTEXTO SÓCIO-HISTÓRICO DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA UTFPR
O CONTEXTO SÓCIO-HISTÓRICO DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA UTFPR
 

Semelhante a Pcnem+

Políticas letras
Políticas letrasPolíticas letras
Políticas letras
Mirlene Marinho
 
Coordenação Pedagogica
Coordenação PedagogicaCoordenação Pedagogica
Coordenação Pedagogica
serradourado
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
paemelo
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
paemelo
 
AULA 1.pptx
AULA 1.pptxAULA 1.pptx
AULA 1.pptx
DeboraCaroline16
 
Estrutura E Funcionamento Da Educação Volume 1 2 3 e 4
Estrutura E Funcionamento Da Educação Volume 1 2 3 e 4Estrutura E Funcionamento Da Educação Volume 1 2 3 e 4
Estrutura E Funcionamento Da Educação Volume 1 2 3 e 4
Albérico Henrique
 
Nova lei do em
Nova lei do emNova lei do em
Nova lei do em
Eliane Souza
 
Projeto de formação das diretrizes curriculares
Projeto de formação das diretrizes curricularesProjeto de formação das diretrizes curriculares
Projeto de formação das diretrizes curriculares
EMEF ODL
 
Reinterpretando os ciclos de aprendizagem
Reinterpretando os ciclos de aprendizagemReinterpretando os ciclos de aprendizagem
Reinterpretando os ciclos de aprendizagem
PedagogiZa
 
download bernadet gatti.pdf
download bernadet gatti.pdfdownload bernadet gatti.pdf
download bernadet gatti.pdf
Denise De Ramos
 
download bernadet gatti.pdf
download bernadet gatti.pdfdownload bernadet gatti.pdf
download bernadet gatti.pdf
Denise De Ramos
 
Artigo o-ensino-da-sociologia
Artigo o-ensino-da-sociologiaArtigo o-ensino-da-sociologia
Artigo o-ensino-da-sociologia
Jordeilson Amaral
 
Dilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptx
Dilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptxDilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptx
Dilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptx
EversonLima23
 
slides_organizacao_em_ciclos.pdf
slides_organizacao_em_ciclos.pdfslides_organizacao_em_ciclos.pdf
slides_organizacao_em_ciclos.pdf
Dani Malta
 
Caderno 2 2ª etapa pacto
Caderno 2   2ª etapa pactoCaderno 2   2ª etapa pacto
Caderno 2 2ª etapa pacto
Adri Ruas
 
1 introdução práticas 1º ano cn
1 introdução práticas 1º ano cn1 introdução práticas 1º ano cn
1 introdução práticas 1º ano cn
claudiaandre
 
1 introdução práticas 1º ano cn
1 introdução práticas 1º ano cn1 introdução práticas 1º ano cn
1 introdução práticas 1º ano cn
claudiaandre
 
Avances de investigación: Políticas Educativas, Cultura y Tecnologías de la E...
Avances de investigación: Políticas Educativas, Cultura y Tecnologías de la E...Avances de investigación: Políticas Educativas, Cultura y Tecnologías de la E...
Avances de investigación: Políticas Educativas, Cultura y Tecnologías de la E...
Universidad de la Empresa UDE
 
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptxep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
renatacolbeich1
 
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptxep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
Cristiana Reis
 

Semelhante a Pcnem+ (20)

Políticas letras
Políticas letrasPolíticas letras
Políticas letras
 
Coordenação Pedagogica
Coordenação PedagogicaCoordenação Pedagogica
Coordenação Pedagogica
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
AULA 1.pptx
AULA 1.pptxAULA 1.pptx
AULA 1.pptx
 
Estrutura E Funcionamento Da Educação Volume 1 2 3 e 4
Estrutura E Funcionamento Da Educação Volume 1 2 3 e 4Estrutura E Funcionamento Da Educação Volume 1 2 3 e 4
Estrutura E Funcionamento Da Educação Volume 1 2 3 e 4
 
Nova lei do em
Nova lei do emNova lei do em
Nova lei do em
 
Projeto de formação das diretrizes curriculares
Projeto de formação das diretrizes curricularesProjeto de formação das diretrizes curriculares
Projeto de formação das diretrizes curriculares
 
Reinterpretando os ciclos de aprendizagem
Reinterpretando os ciclos de aprendizagemReinterpretando os ciclos de aprendizagem
Reinterpretando os ciclos de aprendizagem
 
download bernadet gatti.pdf
download bernadet gatti.pdfdownload bernadet gatti.pdf
download bernadet gatti.pdf
 
download bernadet gatti.pdf
download bernadet gatti.pdfdownload bernadet gatti.pdf
download bernadet gatti.pdf
 
Artigo o-ensino-da-sociologia
Artigo o-ensino-da-sociologiaArtigo o-ensino-da-sociologia
Artigo o-ensino-da-sociologia
 
Dilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptx
Dilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptxDilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptx
Dilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptx
 
slides_organizacao_em_ciclos.pdf
slides_organizacao_em_ciclos.pdfslides_organizacao_em_ciclos.pdf
slides_organizacao_em_ciclos.pdf
 
Caderno 2 2ª etapa pacto
Caderno 2   2ª etapa pactoCaderno 2   2ª etapa pacto
Caderno 2 2ª etapa pacto
 
1 introdução práticas 1º ano cn
1 introdução práticas 1º ano cn1 introdução práticas 1º ano cn
1 introdução práticas 1º ano cn
 
1 introdução práticas 1º ano cn
1 introdução práticas 1º ano cn1 introdução práticas 1º ano cn
1 introdução práticas 1º ano cn
 
Avances de investigación: Políticas Educativas, Cultura y Tecnologías de la E...
Avances de investigación: Políticas Educativas, Cultura y Tecnologías de la E...Avances de investigación: Políticas Educativas, Cultura y Tecnologías de la E...
Avances de investigación: Políticas Educativas, Cultura y Tecnologías de la E...
 
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptxep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
 
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptxep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
 

Mais de Ivanderson da Silva

Midias na educação
Midias na educaçãoMidias na educação
Midias na educação
Ivanderson da Silva
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicas
Ivanderson da Silva
 
Epistemologia
EpistemologiaEpistemologia
Epistemologia
Ivanderson da Silva
 
Orientacoesiniciais
OrientacoesiniciaisOrientacoesiniciais
Orientacoesiniciais
Ivanderson da Silva
 
Minicurso 24
Minicurso 24Minicurso 24
Minicurso 24
Ivanderson da Silva
 
DesmotivaçãO E Indisciplina Escolar Atualizado (1)
DesmotivaçãO E Indisciplina Escolar   Atualizado (1)DesmotivaçãO E Indisciplina Escolar   Atualizado (1)
DesmotivaçãO E Indisciplina Escolar Atualizado (1)
Ivanderson da Silva
 
O Que Pensam Os Alunos[1]
O Que Pensam Os Alunos[1]O Que Pensam Os Alunos[1]
O Que Pensam Os Alunos[1]
Ivanderson da Silva
 
Welson
WelsonWelson
Welson
WelsonWelson
Estagio 2
Estagio 2Estagio 2
ApresentaçãO Do Projeto De RáDio Para O MíDias Na EducaçãO
ApresentaçãO Do Projeto De RáDio Para O MíDias Na EducaçãOApresentaçãO Do Projeto De RáDio Para O MíDias Na EducaçãO
ApresentaçãO Do Projeto De RáDio Para O MíDias Na EducaçãO
Ivanderson da Silva
 
Apresentacao
ApresentacaoApresentacao
Apresentacao
Ivanderson da Silva
 
Apresentacaocaso
ApresentacaocasoApresentacaocaso
Apresentacaocaso
Ivanderson da Silva
 
Mi ComparaçãO Aureliano
Mi ComparaçãO   AurelianoMi ComparaçãO   Aureliano
Mi ComparaçãO Aureliano
Ivanderson da Silva
 
Pesquisa Em EducaçãO
Pesquisa Em EducaçãOPesquisa Em EducaçãO
Pesquisa Em EducaçãO
Ivanderson da Silva
 
Objetos De Aprendizagem
Objetos De AprendizagemObjetos De Aprendizagem
Objetos De Aprendizagem
Ivanderson da Silva
 
Estrelas, GaláXias E Universo
Estrelas, GaláXias E UniversoEstrelas, GaláXias E Universo
Estrelas, GaláXias E Universo
Ivanderson da Silva
 
Apresentacaoepeal
ApresentacaoepealApresentacaoepeal
Apresentacaoepeal
Ivanderson da Silva
 
ApresentaçãO
ApresentaçãOApresentaçãO
ApresentaçãO
Ivanderson da Silva
 
Apresentacao
ApresentacaoApresentacao
Apresentacao
Ivanderson da Silva
 

Mais de Ivanderson da Silva (20)

Midias na educação
Midias na educaçãoMidias na educação
Midias na educação
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicas
 
Epistemologia
EpistemologiaEpistemologia
Epistemologia
 
Orientacoesiniciais
OrientacoesiniciaisOrientacoesiniciais
Orientacoesiniciais
 
Minicurso 24
Minicurso 24Minicurso 24
Minicurso 24
 
DesmotivaçãO E Indisciplina Escolar Atualizado (1)
DesmotivaçãO E Indisciplina Escolar   Atualizado (1)DesmotivaçãO E Indisciplina Escolar   Atualizado (1)
DesmotivaçãO E Indisciplina Escolar Atualizado (1)
 
O Que Pensam Os Alunos[1]
O Que Pensam Os Alunos[1]O Que Pensam Os Alunos[1]
O Que Pensam Os Alunos[1]
 
Welson
WelsonWelson
Welson
 
Welson
WelsonWelson
Welson
 
Estagio 2
Estagio 2Estagio 2
Estagio 2
 
ApresentaçãO Do Projeto De RáDio Para O MíDias Na EducaçãO
ApresentaçãO Do Projeto De RáDio Para O MíDias Na EducaçãOApresentaçãO Do Projeto De RáDio Para O MíDias Na EducaçãO
ApresentaçãO Do Projeto De RáDio Para O MíDias Na EducaçãO
 
Apresentacao
ApresentacaoApresentacao
Apresentacao
 
Apresentacaocaso
ApresentacaocasoApresentacaocaso
Apresentacaocaso
 
Mi ComparaçãO Aureliano
Mi ComparaçãO   AurelianoMi ComparaçãO   Aureliano
Mi ComparaçãO Aureliano
 
Pesquisa Em EducaçãO
Pesquisa Em EducaçãOPesquisa Em EducaçãO
Pesquisa Em EducaçãO
 
Objetos De Aprendizagem
Objetos De AprendizagemObjetos De Aprendizagem
Objetos De Aprendizagem
 
Estrelas, GaláXias E Universo
Estrelas, GaláXias E UniversoEstrelas, GaláXias E Universo
Estrelas, GaláXias E Universo
 
Apresentacaoepeal
ApresentacaoepealApresentacaoepeal
Apresentacaoepeal
 
ApresentaçãO
ApresentaçãOApresentaçãO
ApresentaçãO
 
Apresentacao
ApresentacaoApresentacao
Apresentacao
 

Pcnem+

  • 1. Professor: Ivanderson Pereira da Silva ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM FÍSICA
  • 2. Como se concebe o estágio no curso de Física da UFAL?
  • 3. Estágio em Física da UFAL “ O estágio é o espaço de aprendizagem do fazer concreto das idéias do curso de licenciatura em física, onde uma variedade de situações de atividades de aprendizagem profissional de manifestam para o aluno tendo em vista sua profissionalização. O estágio é o lócus onde a identidade profissional do aluno é gerada, construída e referida. E assim, deve ser planejado crítica reflexiva e sistematicamente”. (PPP do curso de Física Licenciatura a Distância (UAB/UFAL)
  • 4. Fazer concreto... Psicologia da Educação História da Educação Filosofia da Educação Tecnologia da Informação Avaliação da Aprendizagem Sociologia da Educação Educação Especial Educação de Adultos Política e Organização Planejamento Pedagógico
  • 5. Um traçado histórico da Educação Brasileira e do papel do professor neste cenário
  • 6. Linha do tempo I * 1549. Chegada dos Jesuítas, Condições em que inicia-se a educação, Educação como instrumento de aculturação * 1564. O plano da Redízima, O percentual da coroa para a educação * 1599. O Ratio Studiorum (universalista e elitista com 457 regras de humanidades e tradição) * 1759. As reformas Pombalinas da instrução publica . A educação neste período (0, 1 %.) . A situação confortável da igreja . O quadro de atraso de Portugal . Sebastião José de Carvalho e Melo . A expansão dos Jesuítas e a instrução das aulas régias.
  • 7. Linha do tempo II * 1972. O subsidio literário . Instrução para a minoria; às massas bastavam os sermões dominicais. . Para ministrar as aulas régias, o estado se limitava a pagar apenas o salário dos professores e as diretrizes curriculares. * 1822. O império (Independência?) * 1823. Constituição (Idem) . Dissolução da assembléia constituinte * 1827. Aprovada a lei das escolas de primeiras letras * 1834. O ato adicional à constituição transferiu a responsabilidade das escolas de primeiras letras para as províncias, que não estavam equipadas nem técnica nem financeiramente. . Falta fiscalização do poder público nas escolas.
  • 8. Linha do tempo III * 1854. Reforma Couto Ferraz – professores adjuntos. * 1870. Tavares Bastos propõe que todos deveriam contribuir para o financiamento da educação e cria dois impostos um local provincial * 1879. Reforma Leôncio de Carvalho (regulamentação do ensino). * 1882. Rui Barbosa constata que com a educação gastava-se 1,99 % e com as dispesas militares 20,86 % * 1889. Proclamação da Republica * 1890. Caetano de Campos e Rangel Pestana instituem os grupos escolares. Obs. Ao longo da primeira república o ensino permaneceu praticamente estagnado e o índice de analfabetos era de 65% sobre o numero de habitantes entre 1960 e 1920sendo que o numero de analfabeto dobra neste período.
  • 9. Linha do tempo IV * Fundação da ABE (escolanovismo) * 1930. Predomínio da educação nova . implemento do urbanismo . é incluído na constituição um percentual mínimo para a educação 10% união, 20% estados e 10% municípios. . Publicação do manifesto da educação nova. e IV CBE . 2,1% união, 15% estados e 8,1% municípios. * 1934. Saída dos Católicos da ABE e criação da confederação Católica Brasileira de educação * 1936. 2,5% união, 13,4% estados e 8,3% municípios, * 1937. Retirada do percentual da educação da C.F. no estado novo * 1946. Constituição Federal (retomando o percentual) 10% para a união e 20% para os estados e municípios
  • 10. Linha do tempo V * 1955. 5,7% união, 13,7% estados, 11,4% municípios * 1949/1957/1961- Discussão sobre a 1ª LDB (caráter descentralizado) * 1962- entrada em vigor a 1ª LDB e fixa em 12% a obrigação da união * 1964. Golpe Militar . O estado se desobrigado percentual em educação. * 1965. Crise da pedagogia nova . O estado investe 9,6% da arrecadação. . Articulação da pedagogia tecnicista. * 1967. A.C.F. retira o percentual da educação. * 1975. O estado investe 4,31% da arrecadação.
  • 11. Linha do tempo V * 1980. Tecnicismo . Organização das associações de professores e profissionais da educação em todos os níveis. . Organização das conferencias nacionais de educação. . Grande volume de publicações em periódicos da área. . Reconhecimento das instituições financiadoras de pesquisa. . Despertar das idéias contra-hogemônicas libertadora /marxista. . Pedagogia da educação popular, da pratica, crítico-social dos conteúdos e histórico-crítica *1988. Constituição Federal . Obrigação do percentual p/ a educação: 18% união e 25% estados e municípios. . Direito social. . Prevê que deve o poder público em suas três instancias, destinar 50% do orçamento da educação p/ a universalização do ensino e a erradicação do analfabetismo com prazo de 10anos. . Este percentual é calculado em cima dos impostos.
  • 12. Linha do tempo IV * 1989. Neo-liberalismo . (neo-produtivismo, neo-escolanovismo, neo-construtivismo (Walon e vigotasky). Neo tecnicismo (toyotísmo) qualidade total, a educação como produto * 1994. FHC um caso intrigante, mais um drible na educação. * 1996. A LDB/Década da educação/PNE. * 1998. Vence o prazo de C.F. lança-se o fundef. Com prazo de 10 anos. Com a mesma finalidade. * 2001. Inclusão excludente e exclusão includente. * 2006. Protela-se mais; fundeb, mais 14 anos. * 2008. PDE; desenvolvimento? 2022. Prazo de 15 anos (os prazos aumentam)
  • 13. Tendências Pedagógicas PEDAGOGIA TRADICIONAL PEDAGOGIA LIBERAL/PROGRESSIVA (Montessori Decroly, Dewey, Piaget ) PEDAGOGIA ESCOLANOVISTA ( Carl Rogers, "Sumermerhill" escola de A. Neill.) PEDAGOGIA TECNICISTA (Leis 5.540/68 e 5.692/71) PEDAGOGIA LIBERTADORA (Paulo Freire) PEDAGOGIA LIBERTÁRIA ( C. Freinet Miguel Gonzales Arroyo) PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA (Makarenko, B. Charlot, Suchodoski, Manacorda, G. Snyders, Demerval Saviani)
  • 14. A disciplina estágio como lócus de pesquisa
  • 15. Ementa da Disciplina Legislação [A Lei de Diretrizes e Bases (lei n° 9394/96), As Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (DCNEM), Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN e PCN+) para o ensino de Física na educação Básica]; Indissociabilidade entre Teoria e Prática (Praxis Dialética); práticas de interdisciplinaridade na Educação, O perfil do Professor Pesquisador; Métodos e Técnicas de Pesquisa e de Intervenção em Educação; Ética na Educação. Discussão e proposição de seminários sobre os referidos temas, que favoreçam o desenvolvimento de habilidades comunicativas e de estratégias didáticas no grupo. Observação da dinâmica escolar in loco numa escola pública, ou particular, ou instituição que ofereça a disciplina de física na educação básica em quaisquer modalidade. Construção de propostas Individuais e/ou em grupo, de intervenção em sala de aula.
  • 16. Objetivos da disciplina - Compreender o papel do professor de física diante do cenário atual e ser capaz de acompanhar as mudanças na Educação Básica que estão acontecendo e que possam vir a acontecer; - Perceber a indissociabilidade entre teoria e prática; - Apropriar-se de mecanismos que favoreçam práticas interdisciplinares com professores de outras áreas; - Incorporar o perfil de um professor pesquisador, conhecendo e respeitando os limites da ética profissional; - Observar um profissional, Físico Educador, no exercício da docência, bem como da estrutura física e administrativa da escola na qual este profissional desenvolve seu trabalho, fazendo o registro destas observações. - Buscar individualmente ou em grupo elaborar propostas de intervenção que tenham por finalidade melhorar o desenvolvimento de competências e habilidades no ensino de física na escola observada.
  • 17. Metodologia Primeiramente, serão promovidos encontros semanais presenciais nos quais serão discutidos o papel do professor de física segundo as orientações legais, práticas interdisciplinares, perfil do professor pesquisador e métodos de pesquisa e intervenção em educação e ética profissional. Num segundo momento, os alunos serão desafiados a elaborar seminários individuais e/ou em grupo tem como temáticas os conteúdos discutidos anteriormente. Paralelamente ao desenvolvimento das aulas, os alunos deverão estar observando um físico educador no exercício do magistério numa instituição de ensino da educação básica. A avaliação nesta disciplina será processual, as notas serão diluídas entre a participação dos alunos em sala de aula, dos seminários desenvolvidos pelos alunos e pelo relatório de observação in loco, sendo este o instrumento que permite melhor acompanhamento das observações dos alunos e de sua proposta de intervenção que será melhorada no semestre posterior.
  • 19. Avaliação O aluno será avaliado através de sua participação nas discussões, da apresentação dos seminários, da elaboração do relatório de observação e da elaboração da proposta de pesquisa e/ou de intervenção. Acompanhamento da disciplina através do blog: http://ivandersonpereira.blogspot.com
  • 20. Referências BORTONI-RICARDO, S. M. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial. 2008 BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), Disponível em: www.mec.gov.br Acesso em: 02 fev 2009 ____. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN+) Disponível em: www.mec.gov.br Acesso em 02 fev 2009 ____. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN) Disponível em: portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf1/proejalei9394.pdf Acesso em: 02 fev 2009 CARLOS, J. G. I nterdisciplinaridade: o que é isso? Disponível em: www.unb.br/ppgec/dissertacoes/.../proposicao_jairocarlos.pdf Acesso em: 02 fev 2009 CARVALHO, L. P.; FUZARI JUNIOR, G, C, FERREIRA, C. C.; GONÇALVES, E. C.; LIMA, J. J.; MELLO, M. A radioatividade como tema para a interdisciplinaridade e contextualização. Disponível em: www.unesp.br/prograd/PDFNE2003/A %20radioatividade.pdf Acesso em: 02 fev 2009 DAMASCENO, A. M.; MERCADO, L. P. L.; ABREU, N. G. Formando o professor pesquisador do ensino médio. Maceió: Edufal. 2007 FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. MACHADO, N. Interdisciplinaridade e contextualização; In: Seminário Nacional do Ensino Médio. Brasília, outubro/1999 (publicação no seminário) MACHADO, N. J. Educação: projetos e valores. São Paulo: Escrituras, 2000 MERCADO, L. P. L.; CAVALCANTE, M. A. S. Formação do Pesquisador em Educação: profissionalização docente, políticas públicas, trabalho e pesquisa. Maceió: Edufal. 2007 PIMENTA, S. G. O estágio na formação de profesores: unidade teoria e prática? 7a ed. São Paulo: Cortez. 2006. SILVA, I. P. Experiência de avaliação com o uso do youtube no ensino de física numa escola pública alagoana. Anais do IV EPEAL (no prelo) ____. Projeto de rádio na escola: primeiras ações. Anais do IV EPEAL (no prelo) ____. O computador como ferramenta interativa e os objetos virtuais de aprendizagem na disciplina de física numa escola pública alagoana. Anais do II CONEAD (no prelo)