SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 137
A Revolução Francesa:
1789 - 1799
• A França vivia uma situação muito complicada
antes da Revolução. A burguesia, responsável
pelo desenvolvimento financeiro e comercial
do país, tinha grandes dificuldades para ter
seus interesses particulares atendidos. A
nobreza e o clero eram sustentados pela
cobrança de pesados impostos que
comprometiam o Terceiro Estado.
• Durante o reinado de Luís XV, a França perdeu
para a Inglaterra na Guerra dos Sete Anos
(1756 - 1763), perdendo vários territórios na
América do Norte. Esses territórios foram
dominados pela Inglaterra.
• Para se vingar da derrota na Guerra dos Sete
Anos, Luís XVI, ajudou os colonos ingleses na
guerra de independência dos EUA (1776 -
1781) e gastou muito dinheiro,
enfraquecendo ainda mais a economia
francesa.
Luís XVI:
Casamento de Luís XVI e Maria
Antonieta:
Maria Antonieta:
Luís XVI e a família:
• Para piorar a situação, a maioria da população da
França vivia no campo, sob antigas tradições e
exigências medievais. A dominação dos nobres
proprietários de terra (protegidos pela
monarquia) contra os camponeses piorou muito
quando houve uma crise de abastecimento na
França um pouco antes da revolução. A partir de
1787, as más colheitas provocaram aumento no
preço dos alimentos.
Os 3 Estados:
• A maioria da população: os camponeses ,os
trabalhadores da cidade, a burguesia estavam
muito insatisfeitos como Governo. O
problema é que o 3º Estado não era atendido
pelo governo.
• Somente o 1º Estado (clero) e o 2º Estado
(nobreza) tinham influência suficiente para ter
seus interesses atendidos pelo rei. A grave
crise econômica na França, na década de
1780, criou uma necessidade urgente de fazer
uma reforma política.
• Muitos ministros tentaram aumentar a
cobrança de impostos para assim tirar a
França da crise, mas, o rei a nobreza e o clero
impediam a realização dessas mudanças.
Jacques Necker:
• Somente em 1789, durante o mandato do
ministro Necker, que o rei permitiu a
convocação dos Estados Gerais, em maio. Os
Estados Gerais eram uma Assembleia
Nacional, representando os três Estados, que
não se reuniam desde 1614.
Os Estados Gerais
• Até 1614, cada Estado tinha trezentos
deputados, e as decisões eram tomadas com
base em um voto por Estado. Por isso, nas
votações, as opiniões dos deputados do
Terceiro Estado eram vencidas pelas dos
deputados do Primeiro e do Segundo Estados
que, unidos, tinham o dobro dos votos.
• A burguesia fez duas grandes exigências na
reunião dos Estados: 1ª: que o terceiro Estado
tivesse um número de deputados igual ao dos
dois outros Estados; 2ª: que o voto, na
Assembleia, fosse individual. A primeira
exigência foi atendida, mas a segunda não.
• Na abertura da Assembleia, em maio de 1789,
o rei anunciou, que o objetivo daquele
encontro político era resolver só os problemas
financeiros da França e determinou que a
votação continuaria sendo por Estado.
• O Terceiro Estado, com apoio de membros do
baixo clero e da nobreza de toga (nobreza que
comprou o seu título), declarou-se Assembleia
Nacional Constituinte. O rei reagiu, mandando
fechar o Congresso Nacional e prender os
deputados.
Luís XVI:
• Preocupado, o rei mandou as tropas para
reprimir as manifestações, mas a população
organizou milícias armadas, financiadas pela
burguesia, para enfrentar as tropas reais. No
dia 14 de julho de 1789, a população de Paris
tomou a Bastilha (prisão política, símbolo do
autoritarismo do rei).
• Durante a invasão da Bastilha a população
lutou com os guardas, que foram as primeiras
vítimas da Revolução Francesa. Quando os
revoltosos conseguiram tomar a prisão, o
chefe da guarda teve a cabeça decepada. Essa
foi a primeira de várias decapitações que
viriam no futuro.
• Depois da Tomada da Bastilha pelo povo de
Paris, os camponeses passaram a invadir as
terras e os castelos da nobreza feudal e matar
seus antigos senhores e família. Esse episódio
ficou conhecido como: O grande medo.
O Grande Medo:
• No dia 26 de agosto de 1789, a Assembleia
Nacional proclamou a Declaração dos Direitos
do Homem e do Cidadão. Os principais pontos
defendidos por esse documento eram: a
dignidade da pessoa humana; a liberdade e a
igualdade perante a lei; o direito à
propriedade privada; a resistência à opressão
política; e a liberdade de pensamento.
• A Queda da Bastilha, em 14 de julho de
1789, marcou o início da Revolução Francesa.
• Uma nova constituição foi escrita, bem como
a Declaração dos Direitos dos Homens,
pregando o fim das desigualdades de classes.
• Surgiu aí também a bandeira tricolor,
representando os três poderes:
Legislativo (azul),Executivo (branco) e
o Povo (vermelho). As cores também
representam os ideias iluministas de
Liberdade, Igualdade e Fraternidade.
• Mas, 3 meses depois da tomada da Bastilha, a
situação econômica não tinha melhorado
ainda, os preços dos alimentos continuavam
altos, o rei nada fazia pelo seu povo.
• A população revoltada marchou para o palácio
de Versalhes. Eles eram liderados por um
grupo de mulheres fortes, que trabalhavam
como peixeiras, as "poissardes", que estavam
armadas com seus facões e instrumentos de
trabalho.
Palácio de Versalhes:
• Os revolucionários invadiram o palácio com
brutalidade e deceparam as cabeças dos
guardas. O rei e a rainha conseguiram sair em
segurança, mas foram detidos e transferidos
para Paris, onde ficaram instalados no Palácio
das Tulherias.
Palácio das Tulherias:
Fase da Monarquia Constitucional (1789-
1792)
• O Grande Medo, a Declaração dos Direitos dos
Homens, a perda dos direitos feudais,
formação de uma monarquia constitucional, a
primeira Constituição, assustaram os reis
absolutistas dos países vizinhos, que sentiram
medo de que a Revolução Francesa
influenciasse suas populações.
• Por isso, a Áustria e a Prússia declararam
guerra contra a França, em 1791.
A Fuga do rei:
• Luís XVI sabia que não conseguiria restaurar
sozinho o seu poder. Ele precisaria da ajuda de
um exército estrangeiro aliado, e sabia que
poderia contar com a Áustria, terra natal de sua
esposa.
• Em 21 de Junho de 1791, temendo por suas
vidas e em uma tentativa de buscar ajuda, o rei,
a rainha e seus dois filhos fugiram de Paris em
direção à Áustria, disfarçados de criados.
• Porém, quando já tinham viajado 160 km, e
estavam quase chegando na fronteira, na
cidade de Varennes, foram reconhecidos por
um guarda em uma barreira policial. Eles foram
presos e levados de volta a Paris.
A volta do rei à Paris:
• Após a tentativa de fuga a imagem do rei
perante seus súditos, que já era ruim, ficou
ainda pior. O poder passou então
definitivamente para a Assembleia, com a
liderança de Robespierre.
• Robespierre exigia que se adotassem os ideais
iluministas e que acabasse o tráfico de
escravos nas colônias francesas. Ele desejava
uma república, mas que ela pudesse existir, o
rei não poderia continuar vivo.
• Com as vitórias dos exércitos franceses sobre
as tropas austríacas e prussianas, que se
afastaram para a fronteira, Paris deixou de
ser ameaçada de invasão estrangeira. Em
setembro de 1791, foi criada a Convenção
Nacional e dissolvida a Assembleia Legislativa.
O líder da Convenção era Robespierre.
Maximilien Robespierre:
Convenção Republicana e o Período do Terror
(1792-1794)
• A Convenção Republicana queria fazer uma
nova Constituição, garantindo uma maior
participação popular na administração do
Estado, além de impedir o retorno da
monarquia absolutista.
• Nesse período surgiram divergências políticas
entre os revolucionários, que se dividiram em:
girondinos, jacobinos e a planície. Com a
República, foi inaugurado um novo calendário.
1792 foi considerado o ano I.
• A radicalização das propostas das classes mais
baixas na hierarquia social causou o
julgamento e a execução do rei Luís XVI e sua
esposa na guilhotina. Os girondinos que
foram contra as execuções, também
perderam suas cabeças na guilhotina. Foi o
início do período do Terror.
Julgamento de Luís XVI:
Luís XVI se despede da família:
• A nova Constituição entrou em vigor,
garantindo o voto a todos os homens maiores
de 21 anos. Foi sufocada a contrarrevolução
interna e leis sociais foram promulgadas,
entre elas, o fim da escravidão nas colônias e
o preço máximo dos alimentos.
• Na Convenção os jacobinos, sob a liderança de
Robespierre, adoraram uma série de medidas:
fim da escravidão nas colônias francesas;
abolição de todos os privilégios; divisão das
grandes propriedades; tabelamento de preços
de produtos essenciais; ajuda aos indigentes e
educação básica obrigatória e gratuita.
• A Rainha Maria Antonieta, foi julgada,
condenada à morte e executada na guilhotina.
Julgamento da rainha:
Maria Antonieta é levada para a Guilhotina:
• As medidas radicais despertaram nos
girondinos uma forte reação violenta.
Organizados, a alta burguesia da França
começou a perseguir, prender e assassinar
vários jacobinos.
• Os jacobinos reagiram com mais violência,
pois chegaram a conclusão que para defender
a revolução seria necessário eliminar todos os
opositores na França. Em 1793, cerca de 40
mil pessoas (monarquistas, girondinos e ricos
burgueses) foram executadas pelos jacobinos.
• Entre os aliados de Robespierre estava Jean
Paul Marat, que em 1789, fundou o jornal L'Ami
du Peuple(O Amigo do Povo), em que se
revelava defensor das causas populares.
Condenado várias vezes, era visto como o
porta-voz do partido jacobino, a ala mais radical
da revolução.
• Quando os sans-cullote (massas populares),
orientados pelos jacobinos, proclamaram a
República, Marat foi eleito um de seus
dirigentes. Seus adversários políticos, os
girondinos, o acusavam de querer estabelecer
uma ditadura com Robespierre e Danton.
Marat:
Danton:
Sans Cullotes:
• Charlotte Corday, militante girondina, entrou
na casa de Marat e o assassinou na banheira,
a punhaladas. Marat passava várias horas por
dia na banheira, num banho medicinal
porque tinha uma doença de pele.
A Morte de Marat:
Charlote Corday:
• O que inicialmente era uma perseguição
disfarçada aos girondinos tornou-se uma
perseguição geral a todos os “inimigos” da
Revolução, inclusive alguns elementos
jacobinos ou que sempre haviam apoiado a
mesma, como Danton.
Execução de Danton:
• O Comitê de Salvação Pública era o órgão que
conduzia a política do terror; sua figura de
maior destaque foi Robespierre.
Robespierre:
• Após a instituição da Convenção, o governo,
precisando do apoio das massas populares (os
sans-culottes) promulgou diversas leis de
assistência e garantia dos direitos humanos
estabelecidos pela revolução (liberdade,
igualdade, fraternidade).
• O Terror terminou com o golpe do 9 de
Termidor (27/28 de julho de 1794), que
desalojou Robespierre do cargo de presidente
do Comitê de Salvação Pública e no dia
seguinte, Robespierre e Saint-Just e mais de
uma centena de jacobinos foram executados
na guilhotina.
A Execução de Robespierre:
• Após o fim do período do terror, a revolução
francesa assumiu definitivamente um caráter
burguês, com o poder nas mãos do diretório
(alta burguesia).
O Diretório (1794-1799)
• A queda dos jacobinos representou a subida
ao poder da alta burguesia. O Diretório era
composto por cinco membros, e existiam
ainda duas assembleias: a dos Anciãos e a dos
Quinhentos.
• Essa fase representou o fortalecimento da
burguesia e a volta de alguns privilégios, como
o voto censitário e o fim das leis sociais do
período da Convenção.
• Houve ainda tentativas de insurreições, como
a de Graco Babeuf, líder da Conspiração dos
Iguais, que pretendia destituir o Diretório e
aprofundar as reformas sociais da Revolução
Francesa.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

42 a revolução russa
42   a revolução russa42   a revolução russa
42 a revolução russaCarla Freitas
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)missaodiplomatica
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesamesmoeumesmo
 
A revolução francesa e a mudança na sociedade
A revolução francesa e a mudança na sociedadeA revolução francesa e a mudança na sociedade
A revolução francesa e a mudança na sociedadeThiago Nunes
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução FrancesaJoemille Leal
 
Estudos CACD Missão Diplomática: História Mundial Aula Resumo 04 - (1848 a 18...
Estudos CACD Missão Diplomática: História Mundial Aula Resumo 04 - (1848 a 18...Estudos CACD Missão Diplomática: História Mundial Aula Resumo 04 - (1848 a 18...
Estudos CACD Missão Diplomática: História Mundial Aula Resumo 04 - (1848 a 18...missaodiplomatica
 
As fases da revolução
As fases da revoluçãoAs fases da revolução
As fases da revoluçãoCarla Teixeira
 
As Unificações na Europa no Século XIX
As Unificações na Europa no Século XIXAs Unificações na Europa no Século XIX
As Unificações na Europa no Século XIXFabio Pablo
 
_Resumo Revolução Francesa
_Resumo Revolução Francesa_Resumo Revolução Francesa
_Resumo Revolução FrancesaLela Leite
 
17. aula de história geral - revoluções liberais
17. aula de história geral - revoluções liberais17. aula de história geral - revoluções liberais
17. aula de história geral - revoluções liberaisDarlan Campos
 
8º ano as revoluções liberais
8º ano   as revoluções liberais8º ano   as revoluções liberais
8º ano as revoluções liberaisborgia
 
Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01
Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01
Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01Daniel Alves Bronstrup
 
3. a geografia dos movimentos revolucionários
3. a geografia dos movimentos revolucionários3. a geografia dos movimentos revolucionários
3. a geografia dos movimentos revolucionárioscattonia
 

Mais procurados (19)

Neocolonialismo ou Imperialismo
Neocolonialismo ou ImperialismoNeocolonialismo ou Imperialismo
Neocolonialismo ou Imperialismo
 
Era Napoleônica 2020
Era Napoleônica 2020Era Napoleônica 2020
Era Napoleônica 2020
 
42 a revolução russa
42   a revolução russa42   a revolução russa
42 a revolução russa
 
2º ano - Primeira Guerra Mundial
2º ano - Primeira Guerra Mundial2º ano - Primeira Guerra Mundial
2º ano - Primeira Guerra Mundial
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
A revolução francesa e a mudança na sociedade
A revolução francesa e a mudança na sociedadeA revolução francesa e a mudança na sociedade
A revolução francesa e a mudança na sociedade
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Estudos CACD Missão Diplomática: História Mundial Aula Resumo 04 - (1848 a 18...
Estudos CACD Missão Diplomática: História Mundial Aula Resumo 04 - (1848 a 18...Estudos CACD Missão Diplomática: História Mundial Aula Resumo 04 - (1848 a 18...
Estudos CACD Missão Diplomática: História Mundial Aula Resumo 04 - (1848 a 18...
 
As fases da revolução
As fases da revoluçãoAs fases da revolução
As fases da revolução
 
As Unificações na Europa no Século XIX
As Unificações na Europa no Século XIXAs Unificações na Europa no Século XIX
As Unificações na Europa no Século XIX
 
_Resumo Revolução Francesa
_Resumo Revolução Francesa_Resumo Revolução Francesa
_Resumo Revolução Francesa
 
Congresso de viena 2020
Congresso de viena 2020Congresso de viena 2020
Congresso de viena 2020
 
17. aula de história geral - revoluções liberais
17. aula de história geral - revoluções liberais17. aula de história geral - revoluções liberais
17. aula de história geral - revoluções liberais
 
Primavera dos Povos
Primavera dos PovosPrimavera dos Povos
Primavera dos Povos
 
8º ano as revoluções liberais
8º ano   as revoluções liberais8º ano   as revoluções liberais
8º ano as revoluções liberais
 
Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01
Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01
Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01
 
3. a geografia dos movimentos revolucionários
3. a geografia dos movimentos revolucionários3. a geografia dos movimentos revolucionários
3. a geografia dos movimentos revolucionários
 

Semelhante a A revolução francesa

A Revolução Francesa de 1789
A Revolução Francesa de 1789A Revolução Francesa de 1789
A Revolução Francesa de 1789Fatima Freitas
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliahistoriando
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaNelia Salles Nantes
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliahistoriando
 
2013 2o. ano 1o(1)
2013   2o. ano 1o(1)2013   2o. ano 1o(1)
2013 2o. ano 1o(1)Gustavo Cuin
 
Cap. 1 Revolução Francesa
Cap. 1 Revolução Francesa Cap. 1 Revolução Francesa
Cap. 1 Revolução Francesa Laguat
 
2013 2o. ano 1o
2013   2o. ano 1o2013   2o. ano 1o
2013 2o. ano 1oLaguat
 
Apostila de Historia - Revolução Francesa.docx
Apostila de Historia - Revolução Francesa.docxApostila de Historia - Revolução Francesa.docx
Apostila de Historia - Revolução Francesa.docxRenatoSilva922886
 
Revoluções Francesa, Inglesa e Industrial
Revoluções Francesa, Inglesa e IndustrialRevoluções Francesa, Inglesa e Industrial
Revoluções Francesa, Inglesa e IndustrialRivea Leal
 
Revolução francesa. liberdade igualdade fraternidade
Revolução francesa. liberdade  igualdade  fraternidadeRevolução francesa. liberdade  igualdade  fraternidade
Revolução francesa. liberdade igualdade fraternidadeRicardo Diniz campos
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesahistoriando
 

Semelhante a A revolução francesa (20)

A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
A Revolução Francesa de 1789
A Revolução Francesa de 1789A Revolução Francesa de 1789
A Revolução Francesa de 1789
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
 
2013 2o. ano 1o
2013   2o. ano 1o2013   2o. ano 1o
2013 2o. ano 1o
 
2013 2o. ano 1o(1)
2013   2o. ano 1o(1)2013   2o. ano 1o(1)
2013 2o. ano 1o(1)
 
Cap. 1 Revolução Francesa
Cap. 1 Revolução Francesa Cap. 1 Revolução Francesa
Cap. 1 Revolução Francesa
 
2013 2o. ano 1o
2013   2o. ano 1o2013   2o. ano 1o
2013 2o. ano 1o
 
Apostila de Historia - Revolução Francesa.docx
Apostila de Historia - Revolução Francesa.docxApostila de Historia - Revolução Francesa.docx
Apostila de Historia - Revolução Francesa.docx
 
Revoluções Francesa, Inglesa e Industrial
Revoluções Francesa, Inglesa e IndustrialRevoluções Francesa, Inglesa e Industrial
Revoluções Francesa, Inglesa e Industrial
 
Revolução francesa. liberdade igualdade fraternidade
Revolução francesa. liberdade  igualdade  fraternidadeRevolução francesa. liberdade  igualdade  fraternidade
Revolução francesa. liberdade igualdade fraternidade
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 

Mais de Nelia Salles Nantes

A ditadura militar no brasil 2017
A ditadura militar no brasil   2017A ditadura militar no brasil   2017
A ditadura militar no brasil 2017Nelia Salles Nantes
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilNelia Salles Nantes
 
2 guerra japão e estados unidos - 2017
2 guerra   japão e estados unidos - 20172 guerra   japão e estados unidos - 2017
2 guerra japão e estados unidos - 2017Nelia Salles Nantes
 
2ª guerra em imagens do dia d ao fim da guerra na europa -2017
2ª guerra em imagens   do dia d ao fim da guerra na europa -20172ª guerra em imagens   do dia d ao fim da guerra na europa -2017
2ª guerra em imagens do dia d ao fim da guerra na europa -2017Nelia Salles Nantes
 
2ª guerra áfrica italia e alemanha
2ª guerra    áfrica italia e alemanha2ª guerra    áfrica italia e alemanha
2ª guerra áfrica italia e alemanhaNelia Salles Nantes
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilNelia Salles Nantes
 
A crise de 1929 e o new deal 2017
A crise de 1929 e o new deal   2017A crise de 1929 e o new deal   2017
A crise de 1929 e o new deal 2017Nelia Salles Nantes
 

Mais de Nelia Salles Nantes (20)

A ditadura militar no brasil 2017
A ditadura militar no brasil   2017A ditadura militar no brasil   2017
A ditadura militar no brasil 2017
 
O período regencial 2017
O período regencial   2017O período regencial   2017
O período regencial 2017
 
Brasil 1945 1964 -
Brasil 1945   1964 -Brasil 1945   1964 -
Brasil 1945 1964 -
 
O 1º reinado
O 1º reinadoO 1º reinado
O 1º reinado
 
A independência do brasil
A independência do brasilA independência do brasil
A independência do brasil
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasil
 
2 guerra japão e estados unidos - 2017
2 guerra   japão e estados unidos - 20172 guerra   japão e estados unidos - 2017
2 guerra japão e estados unidos - 2017
 
2ª guerra em imagens do dia d ao fim da guerra na europa -2017
2ª guerra em imagens   do dia d ao fim da guerra na europa -20172ª guerra em imagens   do dia d ao fim da guerra na europa -2017
2ª guerra em imagens do dia d ao fim da guerra na europa -2017
 
2ª guerra 1942 a 1945 imagens
2ª guerra 1942 a 1945   imagens2ª guerra 1942 a 1945   imagens
2ª guerra 1942 a 1945 imagens
 
2ª guerra áfrica italia e alemanha
2ª guerra    áfrica italia e alemanha2ª guerra    áfrica italia e alemanha
2ª guerra áfrica italia e alemanha
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasil
 
A 2ª guerra mundial 2017
A 2ª guerra mundial   2017A 2ª guerra mundial   2017
A 2ª guerra mundial 2017
 
A era napoleônica 2017
A era napoleônica   2017A era napoleônica   2017
A era napoleônica 2017
 
A era napoleônica 2017
A era napoleônica   2017A era napoleônica   2017
A era napoleônica 2017
 
A crise de 1929 e o new deal 2017
A crise de 1929 e o new deal   2017A crise de 1929 e o new deal   2017
A crise de 1929 e o new deal 2017
 
O despotismo esclarecido 2017
O despotismo esclarecido   2017O despotismo esclarecido   2017
O despotismo esclarecido 2017
 
O iluminismo 2017
O iluminismo   2017O iluminismo   2017
O iluminismo 2017
 
A república velha 2017
A república velha   2017A república velha   2017
A república velha 2017
 
Trabalho daniel
Trabalho danielTrabalho daniel
Trabalho daniel
 
Slidesthaismilenelucaspablojose
SlidesthaismilenelucaspablojoseSlidesthaismilenelucaspablojose
Slidesthaismilenelucaspablojose
 

Último

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfLUCASAUGUSTONASCENTE
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalErikOliveira40
 

Último (20)

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
 

A revolução francesa

  • 2.
  • 3.
  • 4. • A França vivia uma situação muito complicada antes da Revolução. A burguesia, responsável pelo desenvolvimento financeiro e comercial do país, tinha grandes dificuldades para ter seus interesses particulares atendidos. A nobreza e o clero eram sustentados pela cobrança de pesados impostos que comprometiam o Terceiro Estado.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8. • Durante o reinado de Luís XV, a França perdeu para a Inglaterra na Guerra dos Sete Anos (1756 - 1763), perdendo vários territórios na América do Norte. Esses territórios foram dominados pela Inglaterra.
  • 9.
  • 10.
  • 11. • Para se vingar da derrota na Guerra dos Sete Anos, Luís XVI, ajudou os colonos ingleses na guerra de independência dos EUA (1776 - 1781) e gastou muito dinheiro, enfraquecendo ainda mais a economia francesa.
  • 12.
  • 14. Casamento de Luís XVI e Maria Antonieta:
  • 16. Luís XVI e a família:
  • 17. • Para piorar a situação, a maioria da população da França vivia no campo, sob antigas tradições e exigências medievais. A dominação dos nobres proprietários de terra (protegidos pela monarquia) contra os camponeses piorou muito quando houve uma crise de abastecimento na França um pouco antes da revolução. A partir de 1787, as más colheitas provocaram aumento no preço dos alimentos.
  • 18.
  • 20. • A maioria da população: os camponeses ,os trabalhadores da cidade, a burguesia estavam muito insatisfeitos como Governo. O problema é que o 3º Estado não era atendido pelo governo.
  • 21. • Somente o 1º Estado (clero) e o 2º Estado (nobreza) tinham influência suficiente para ter seus interesses atendidos pelo rei. A grave crise econômica na França, na década de 1780, criou uma necessidade urgente de fazer uma reforma política.
  • 22. • Muitos ministros tentaram aumentar a cobrança de impostos para assim tirar a França da crise, mas, o rei a nobreza e o clero impediam a realização dessas mudanças.
  • 24. • Somente em 1789, durante o mandato do ministro Necker, que o rei permitiu a convocação dos Estados Gerais, em maio. Os Estados Gerais eram uma Assembleia Nacional, representando os três Estados, que não se reuniam desde 1614.
  • 26. • Até 1614, cada Estado tinha trezentos deputados, e as decisões eram tomadas com base em um voto por Estado. Por isso, nas votações, as opiniões dos deputados do Terceiro Estado eram vencidas pelas dos deputados do Primeiro e do Segundo Estados que, unidos, tinham o dobro dos votos.
  • 27.
  • 28. • A burguesia fez duas grandes exigências na reunião dos Estados: 1ª: que o terceiro Estado tivesse um número de deputados igual ao dos dois outros Estados; 2ª: que o voto, na Assembleia, fosse individual. A primeira exigência foi atendida, mas a segunda não.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32. • Na abertura da Assembleia, em maio de 1789, o rei anunciou, que o objetivo daquele encontro político era resolver só os problemas financeiros da França e determinou que a votação continuaria sendo por Estado.
  • 33. • O Terceiro Estado, com apoio de membros do baixo clero e da nobreza de toga (nobreza que comprou o seu título), declarou-se Assembleia Nacional Constituinte. O rei reagiu, mandando fechar o Congresso Nacional e prender os deputados.
  • 34.
  • 36. • Preocupado, o rei mandou as tropas para reprimir as manifestações, mas a população organizou milícias armadas, financiadas pela burguesia, para enfrentar as tropas reais. No dia 14 de julho de 1789, a população de Paris tomou a Bastilha (prisão política, símbolo do autoritarismo do rei).
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40. • Durante a invasão da Bastilha a população lutou com os guardas, que foram as primeiras vítimas da Revolução Francesa. Quando os revoltosos conseguiram tomar a prisão, o chefe da guarda teve a cabeça decepada. Essa foi a primeira de várias decapitações que viriam no futuro.
  • 41.
  • 42. • Depois da Tomada da Bastilha pelo povo de Paris, os camponeses passaram a invadir as terras e os castelos da nobreza feudal e matar seus antigos senhores e família. Esse episódio ficou conhecido como: O grande medo.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47. • No dia 26 de agosto de 1789, a Assembleia Nacional proclamou a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. Os principais pontos defendidos por esse documento eram: a dignidade da pessoa humana; a liberdade e a igualdade perante a lei; o direito à propriedade privada; a resistência à opressão política; e a liberdade de pensamento.
  • 48.
  • 49. • A Queda da Bastilha, em 14 de julho de 1789, marcou o início da Revolução Francesa. • Uma nova constituição foi escrita, bem como a Declaração dos Direitos dos Homens, pregando o fim das desigualdades de classes.
  • 50. • Surgiu aí também a bandeira tricolor, representando os três poderes: Legislativo (azul),Executivo (branco) e o Povo (vermelho). As cores também representam os ideias iluministas de Liberdade, Igualdade e Fraternidade.
  • 51.
  • 52. • Mas, 3 meses depois da tomada da Bastilha, a situação econômica não tinha melhorado ainda, os preços dos alimentos continuavam altos, o rei nada fazia pelo seu povo.
  • 53.
  • 54.
  • 55. • A população revoltada marchou para o palácio de Versalhes. Eles eram liderados por um grupo de mulheres fortes, que trabalhavam como peixeiras, as "poissardes", que estavam armadas com seus facões e instrumentos de trabalho.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59.
  • 61.
  • 62. • Os revolucionários invadiram o palácio com brutalidade e deceparam as cabeças dos guardas. O rei e a rainha conseguiram sair em segurança, mas foram detidos e transferidos para Paris, onde ficaram instalados no Palácio das Tulherias.
  • 63.
  • 64.
  • 66.
  • 67. Fase da Monarquia Constitucional (1789- 1792) • O Grande Medo, a Declaração dos Direitos dos Homens, a perda dos direitos feudais, formação de uma monarquia constitucional, a primeira Constituição, assustaram os reis absolutistas dos países vizinhos, que sentiram medo de que a Revolução Francesa influenciasse suas populações.
  • 68. • Por isso, a Áustria e a Prússia declararam guerra contra a França, em 1791.
  • 69.
  • 70.
  • 71. A Fuga do rei:
  • 72. • Luís XVI sabia que não conseguiria restaurar sozinho o seu poder. Ele precisaria da ajuda de um exército estrangeiro aliado, e sabia que poderia contar com a Áustria, terra natal de sua esposa.
  • 73.
  • 74. • Em 21 de Junho de 1791, temendo por suas vidas e em uma tentativa de buscar ajuda, o rei, a rainha e seus dois filhos fugiram de Paris em direção à Áustria, disfarçados de criados. • Porém, quando já tinham viajado 160 km, e estavam quase chegando na fronteira, na cidade de Varennes, foram reconhecidos por um guarda em uma barreira policial. Eles foram presos e levados de volta a Paris.
  • 75.
  • 76.
  • 77. A volta do rei à Paris:
  • 78.
  • 79. • Após a tentativa de fuga a imagem do rei perante seus súditos, que já era ruim, ficou ainda pior. O poder passou então definitivamente para a Assembleia, com a liderança de Robespierre.
  • 80. • Robespierre exigia que se adotassem os ideais iluministas e que acabasse o tráfico de escravos nas colônias francesas. Ele desejava uma república, mas que ela pudesse existir, o rei não poderia continuar vivo.
  • 81. • Com as vitórias dos exércitos franceses sobre as tropas austríacas e prussianas, que se afastaram para a fronteira, Paris deixou de ser ameaçada de invasão estrangeira. Em setembro de 1791, foi criada a Convenção Nacional e dissolvida a Assembleia Legislativa. O líder da Convenção era Robespierre.
  • 83. Convenção Republicana e o Período do Terror (1792-1794)
  • 84.
  • 85. • A Convenção Republicana queria fazer uma nova Constituição, garantindo uma maior participação popular na administração do Estado, além de impedir o retorno da monarquia absolutista.
  • 86. • Nesse período surgiram divergências políticas entre os revolucionários, que se dividiram em: girondinos, jacobinos e a planície. Com a República, foi inaugurado um novo calendário. 1792 foi considerado o ano I.
  • 87.
  • 88.
  • 89. • A radicalização das propostas das classes mais baixas na hierarquia social causou o julgamento e a execução do rei Luís XVI e sua esposa na guilhotina. Os girondinos que foram contra as execuções, também perderam suas cabeças na guilhotina. Foi o início do período do Terror.
  • 91. Luís XVI se despede da família:
  • 92.
  • 93.
  • 94.
  • 95. • A nova Constituição entrou em vigor, garantindo o voto a todos os homens maiores de 21 anos. Foi sufocada a contrarrevolução interna e leis sociais foram promulgadas, entre elas, o fim da escravidão nas colônias e o preço máximo dos alimentos.
  • 96. • Na Convenção os jacobinos, sob a liderança de Robespierre, adoraram uma série de medidas: fim da escravidão nas colônias francesas; abolição de todos os privilégios; divisão das grandes propriedades; tabelamento de preços de produtos essenciais; ajuda aos indigentes e educação básica obrigatória e gratuita.
  • 97. • A Rainha Maria Antonieta, foi julgada, condenada à morte e executada na guilhotina.
  • 99. Maria Antonieta é levada para a Guilhotina:
  • 100.
  • 101.
  • 102. • As medidas radicais despertaram nos girondinos uma forte reação violenta. Organizados, a alta burguesia da França começou a perseguir, prender e assassinar vários jacobinos.
  • 103. • Os jacobinos reagiram com mais violência, pois chegaram a conclusão que para defender a revolução seria necessário eliminar todos os opositores na França. Em 1793, cerca de 40 mil pessoas (monarquistas, girondinos e ricos burgueses) foram executadas pelos jacobinos.
  • 104.
  • 105.
  • 106.
  • 107. • Entre os aliados de Robespierre estava Jean Paul Marat, que em 1789, fundou o jornal L'Ami du Peuple(O Amigo do Povo), em que se revelava defensor das causas populares. Condenado várias vezes, era visto como o porta-voz do partido jacobino, a ala mais radical da revolução.
  • 108.
  • 109. • Quando os sans-cullote (massas populares), orientados pelos jacobinos, proclamaram a República, Marat foi eleito um de seus dirigentes. Seus adversários políticos, os girondinos, o acusavam de querer estabelecer uma ditadura com Robespierre e Danton.
  • 110. Marat:
  • 113.
  • 114. • Charlotte Corday, militante girondina, entrou na casa de Marat e o assassinou na banheira, a punhaladas. Marat passava várias horas por dia na banheira, num banho medicinal porque tinha uma doença de pele.
  • 115. A Morte de Marat:
  • 117. • O que inicialmente era uma perseguição disfarçada aos girondinos tornou-se uma perseguição geral a todos os “inimigos” da Revolução, inclusive alguns elementos jacobinos ou que sempre haviam apoiado a mesma, como Danton.
  • 119.
  • 120. • O Comitê de Salvação Pública era o órgão que conduzia a política do terror; sua figura de maior destaque foi Robespierre.
  • 122. • Após a instituição da Convenção, o governo, precisando do apoio das massas populares (os sans-culottes) promulgou diversas leis de assistência e garantia dos direitos humanos estabelecidos pela revolução (liberdade, igualdade, fraternidade).
  • 123.
  • 124.
  • 125.
  • 126. • O Terror terminou com o golpe do 9 de Termidor (27/28 de julho de 1794), que desalojou Robespierre do cargo de presidente do Comitê de Salvação Pública e no dia seguinte, Robespierre e Saint-Just e mais de uma centena de jacobinos foram executados na guilhotina.
  • 127.
  • 128.
  • 129.
  • 130. A Execução de Robespierre:
  • 131. • Após o fim do período do terror, a revolução francesa assumiu definitivamente um caráter burguês, com o poder nas mãos do diretório (alta burguesia).
  • 132.
  • 134. • A queda dos jacobinos representou a subida ao poder da alta burguesia. O Diretório era composto por cinco membros, e existiam ainda duas assembleias: a dos Anciãos e a dos Quinhentos.
  • 135.
  • 136. • Essa fase representou o fortalecimento da burguesia e a volta de alguns privilégios, como o voto censitário e o fim das leis sociais do período da Convenção.
  • 137. • Houve ainda tentativas de insurreições, como a de Graco Babeuf, líder da Conspiração dos Iguais, que pretendia destituir o Diretório e aprofundar as reformas sociais da Revolução Francesa.