SlideShare uma empresa Scribd logo
O PAPEL DO PEDAGOGO NO
USO DAS TECNOLOGIAS
Nóvoa (2002, p. 23) diz que:
“O aprender contínuo é essencial e se concentra
em dois pilares: a própria pessoa, como
agente, e a escola, como lugar de crescimento
profissional permanente.” Para esse estudioso
português, a formação continuada se dá de
maneira coletiva e depende da experiência e
da reflexão como instrumentos contínuos de
análise.
QUAL O PAPEL DO PEDAGOGO?
O pedagogo é um profissional
capaz de atuar em diversos
âmbitos educativos e de
responder às diversas
demandas e exigências de
uma sociedade cada vez mais
complexa. Para tanto, precisa
estar preparado para
enfrentar, com criatividade e
competência, os problemas
do cotidiano, ser flexível,
tolerante e atento às
questões decorrentes da
diversidade cultural que
caracteriza nossa sociedade.
Ao gestor se atribui o trabalho
pedagógico, na administração
escolar, na coordenação
pedagógica, na orientação
educacional, e na supervisão
escolar da Educação Básica.
O PEDAGOGO COMO GESTOR
O bom diretor hoje domina as questões
administrativas, sabe ser um líder, conhece
políticas públicas, estimula a participação dos
pais e da comunidade, ajuda a formar
professores e funcionários...
Tudo com um objetivo maior: garantir que
os alunos aprendam
C O M U N I C A Ç Ã O
Primeiramente precisamos entender o
significado das palavras, ou seja, sua
etimologia. Começamos pela palavra
comunicação, que do latim
communicatio de communis = comum
significa a ação de tornar algo comum
a muitos. E, agora, a palavra
interpessoal, inter (Do lat. inter) que
exprime a idéia de –entre, em meio;
e, pessoal (Do lat. personale) relativo
a pessoa.
Entendido o significado,
podemos dizer que
comunicação interpessoal é
o estabelecimento de uma
corrente de pensamento ou
mensagem, dirigida de um
indivíduo a outro ou a outros,
com o fim de informar,
persuadir, ou divertir.
Podemos, ainda, acrescentar
que é um processo interativo
e didático em que o emissor
constrói significados e
desenvolve expectativas na
mente do receptor.
COMUNICAÇÃO
Entende-se por ruído tudo o que possa interferir na
comunicação, prejudicando-a. Pode ser um som sem
harmonia, um emissor ou receptor fora de sintonia, falta
de empatia, entre outras situações que podem impedir a
realização da comunicação.
Para melhorar a comunicação existem habilidades.
Citaremos a seguir, como exemplo, três sugestões para
a realização de uma comunicação eficaz.
Iniciamos com a
habilidade de
transmissão, quero
dizer, usar a linguagem
apropriada e direta,
evitando jargões e
termos eruditos. As
informações precisam
ser claras e completas
para que não haja
dúvidas. Sendo possível,
utilizar vários canais
para estimular os
sentidos de quem recebe
a mensagem, como o
áudio e o visual.
É importante criar situações que
ajudem as pessoas a falarem o que
realmente querem dizer, para que a
nossa resposta seja satisfatória.
Outra habilidade sugerida
é a auditiva - Escuta Ativa
Finalizando, com a
habilidade de
feedback. Posso dizer
que esta é aquela que
nos asseguramos que
queremos ajudar o
outro dando retornos
ou respostas, e em
caso de feedback
negativo precisamos ir
direto ao assunto sem
criar ansiedade. Esta
habilidade, também,
requer que
descrevamos a
situação de modo
claro, evitando
equívocos.
 Visão  Delegação
 Determinação  Persistência
 Planejamento  Autodisciplina
 Percepção  Comunicação
 Coerência  Autenticidade
 Empatia  Ousadia
HABILIDADES DO LÍDER
Uso de jornal como
instrumento pedagógico
O estimulo a escrita e a
leitura, a formação crítica e
o acesso aos
acontecimentos da
comunidade são alguns dos
benefícios da utilização de
jornais como instrumento
pedagógico. Por exemplo:
“Cada professor selecionará
uma notícia de acordo com
a disciplina que leciona,
para fazer uma análise em
sala-de-aula”.
O uso da linguagem
radiofônica no processo
de ensino escolar,
colabora como
ferramenta de
transmissão de
conhecimentos
interdisciplinares e
transdisciplinares,
permite (aproxima) o
acesso a informação
cotidiana e de utilidade
pública.
RÁDIO NA ESCOLA
RÁDIO NA ESCOLA
A Rádio na Escola pode
ser implementada
através de um projeto,
que dentre outras
finalidades propicia aos
alunos aprimorar a
escrita, aprender a
observar a mídia com
outros olhos, tanto no
sentido de ampliar o
senso crítico como de
buscar exemplos de ação
a serem seguidos.
Desse modo, permitirá
a realização de
produções que possam
atender as
necessidades internas
e da comunidade ao
redor, além de
estimular a produção
de materiais de apoio
pedagógico, e
exercitar a cidadania.
RÁDIO NA ESCOLA
DESAFIOS DA TELEVISÃO E DO VÍDEO À
ESCOLA
A televisão e o vídeo partem do concreto, do
visível, do imediato, próximo, que toca todos os
sentidos. Mexem com o corpo, com a pele, as
sensações e os sentimentos - nos tocam e
"tocamos" os outros, estão ao nosso alcance
através dos recortes visuais, do close, do som
estéreo envolvente.
Para que haja interatividade
e se promova a
interdisciplinaridade,
podemos:
- Gravar materiais
educativos (Canal Futura
(TV Cultura, Discovery
Kids, comerciais, etc.) e a
partir daí,planejar
estratégias de inserir esses
materiais e atividades com
dinâmicas, interessantes,
mobilizadoras e
significativas.
ESTRATÉGIAS DE UTILIZAÇÃO
DA TV E DO VÍDEO
A televisão e a Internet não são somente tecnologias
de apoio às aulas, são mídias, meios de
comunicação. Podemos analisá-las, dominar suas
linguagens, produzir e divulgar o que fazemos. Com
filmadoras, celulares ou câmeras digitais, também
podemos incentivar que os alunos filmem, e
apresentem suas pesquisas em vídeo, em CD, DVD
ou em páginas WEB - páginas na Internet.
TELEVISÃO & INTERNET
I N T E R N E T
Ensinar utilizando a
Internet
(rede mundial de
computadores)pressupõe
uma atitude do
professor diferente da
convencional.
O professor não é o
"informador", o que
centraliza a informação.
I N T E R N E T
A informação está em
inúmeros bancos de
dados, em revistas,
livros, textos, endereços
de todo o mundo. O
professor é o
coordenador do
processo, o responsável
na sala de aula. Sua
primeira tarefa é
sensibilizar os alunos,
motivá-los para a
importância da matéria,
mostrando entusiasmo,
ligação da matéria com
os interesses dos alunos,
com a totalidade da
habilitação escolhida.
1 Escolher conteúdos
Eleger e estudar os conteúdos que serão apresentados ou aprofundados na sala de
informática é essencial para que a aula seja objetiva e produtiva. Além disso, faz
com que o professor se sinta mais seguro na hora da aula.
2 Selecionar programas
Com o conteúdo escolhido, é hora de encontrar os programas e sites mais
apropriados para atingir as metas de aprendizagem. Se a aula é de redação, um
editor de textos é uma boa opção.
3 Fazer o roteiro da aula
Todas as atividades precisam ser bem estruturadas e bem planejadas, prevendo
momentos de pesquisa, de visualização do conteúdo estudado e de troca de
informações. Isso evita a dispersão.
4 Incentivar a interação
Os alunos devem interagir para construir conhecimento. Para tanto, que tal
criar blogs, e-mails e fóruns?
5 Usar jogos educativos
Os desafios propostos pelos softwares e jogos virtuais estimulam os jovens e
complementam a aula de forma lúdica.
Computador como aliado - sugestões
6 Explorar o audiovisual
A internet e os programas educativos oferecem vídeos e animações que favorecem
o aprendizado. Use-os!
7 Permitir que o aluno crie
Publicar textos em blogs ou sites e fazer apresentações em slides torna o
estudante produtor de conteúdo e de conhecimento.
8 Evitar a desatenção
Para a turma não perder o foco da aula, vale bloquear o acesso a sites de
relacionamento, salas de bate-papo e programas de mensagens que não sejam
coerentes com o conteúdo ensinado.
9 Criar espaço lúdico
Todos precisam ficar à vontade na sala de informática. Por isso, coloque nas
paredes cartazes, mapas, ilustrações e trabalhos dos alunos, criando um
ambiente acolhedor e rico em informações.
10 Preparar-se bastante
Você se sentirá mais seguro na sala de informática se aprender a usar a máquina, a
internet e os programas básicos. Além disso, terá melhores resultados.
Computador como aliado - sugestões
O uso pedagógico do chat,
ou sala de bate-papo on
line é um campo a se
investigar e pode trazer
novas dimensões não só
para o ensino à distância,
mas como instrumento de
construção de
conhecimentos, pesquisa,
troca de informação e
comunicação entre sujeitos
que buscam aprender, seja
com instituições de ensino
ou não.
Uso Pedagógico do
Bate Papo/Chat
Pensar no chat como uma
ferramenta pedagógica é algo
desafiador para o professor,
visto que ele assumirá outro
papel, o de não ser mais
meramente um repassador de
informações, mas um
mediador. Ele deixa de ser o
centro do saber e estará
interagindo com os
participantes por meio das
novas tecnologias. Desta
forma, o professor na era da
informação está envolvido
com processos múltiplos do
conhecimento que pressupõe
flexibilidade, interatividade,
adaptação e cooperação.Uso Pedagógico do
Bate Papo/Chat
BLOGS EM EDUCAÇÃO
O QUE É UM BLOG?
Um blog (ou weblog) é um
registro publicado na Internet
relativo a algum assunto e
organizado cronologicamente
(como um diário). Pode ainda
permitir comentários dos
leitores aos textos publicados
(denominados posts).
Tem como grande vantagem o
fato de o autor do blog não
necessitar de saber construir
páginas para a Internet, ou
trabalhar com código.
Podem ser criados e geridos por professores
(individualmente ou em grupo), por alunos
(individualmente, por grupos de trabalho, ou por
turmas) e até simultaneamente por professores e
os seus alunos. O público-alvo de um blog destes
poderá ser professores, alunos, pais, comunidade
educativa em geral, e pode até não ter um
público-alvo específico.
O uso das novas ferramentas tecnológicas on-line deve
ter sempre em conta as limitações e potencialidades
destas, para que de fato exista mais valia na sua
aplicação. Portanto, o seu uso e escolha depende, em
grande parte, dos objetivos a que nos propomos.
•Apresentação das várias etapas
de um projeto educativo de um ou
mais professores;
•Preparação de encontros em
Educação;
•Reflexão em torno de temas
educativos;
•Apresentação de
projeto/trabalhos realizados por
alunos (em grupo ou
individualmente);
•Criação de um jornal escolar
online;
•Divulgação das atividades de um
clube de escola;
•Apoio a um disciplina.
Sugiro aqui uma lista de
aplicações possíveis para uso de
blogs na Educação:
BLOGS EM
EDUCAÇÃO
ALVES, Nilda (Coord.) Educação e Supervisão: o trabalho coletivo na
escola. 6ed. São Paulo: Cortez Autores Associados, 1991. 103p.
ANTUNES, Celso. Como transformar informações em conhecimento.
Fascículo 2. Petrópolis: Editora Vozes, 2001.
CASTRO, Amélia Domingues (et all). Ensinar a ensinar. São Paulo, Pioneira
Thomsom Learning, 2002, 195 p.
GARCÍA, C.M. Formação de professores: para uma mudança educativa.
Porto: Porto Editora, 1999.
MORAN, José Manuel. Novas Tecnologias e Mediação Pedagógica. 3.ed.
Campinas, SP: Papirus, 2001.
______. Mudanças na Comunicação Pessoal: gerenciamento integrado da
comunicação pessoal, social e tecnológica. 2.ed. São Paulo: Paulinas,
2000.
MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São
Paulo: Cortez, DF: Unesco, 2000.
NÓVOA, A. “A formação de professores e profissão docente”. In: NÓVOA,
A. (org.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 2002.
PERRENOUD, Philippe. Dez novas competências para ensinar. Trad.
Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. p.11-21.
SNYDERS, Georges. Para onde vão as pedagogias não diretivas. São
Paulo: Centauro, 2002, 372 p.
BIBLIOGRAFIA
Sueli Dib
Email: suelidib@gmail.com
Graduada pela Universidade São Marcos (SP) em
Pedagogia – Licenciatura Plena com Formação para
Docência das Séries Iniciais do Ensino Fundamental,
Administração Escolar, Supervisão Escolar e
Orientação Educacional; Especialização em Recursos
Digitais e Cultura de Uso na Educação pela
Universidade de São Paulo, USP-SP. Especialização
em Tecnologias Interativas Aplicadas à Educação pela
Pontifícia Universidade Católica, PUC-SP, e
Especialização em Educação Básica pela Organização
dos Estados Americanos (OEA).
Site: www.origemdosaber.com.br
Blog: http://dibnasletras.blogspot.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atribuicoes do supervisor
Atribuicoes do supervisorAtribuicoes do supervisor
Atribuicoes do supervisor
Luciane Oliveira
 
C:\Fakepath\Otp Papel Do Pedagogo
C:\Fakepath\Otp Papel Do PedagogoC:\Fakepath\Otp Papel Do Pedagogo
C:\Fakepath\Otp Papel Do Pedagogo
Solange Soares
 
Ação supervisora: tendências e práticas
Ação supervisora: tendências e práticasAção supervisora: tendências e práticas
Ação supervisora: tendências e práticas
Ulisses Vakirtzis
 
ação supervisora
 ação supervisora ação supervisora
ação supervisora
Ulisses Vakirtzis
 
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
Seduc MT
 
Educação e Supervisão: o trabalho coletivo na escola
Educação e Supervisão: o trabalho coletivo na escolaEducação e Supervisão: o trabalho coletivo na escola
Educação e Supervisão: o trabalho coletivo na escola
Ulisses Vakirtzis
 
Trabalho de pedagogia
Trabalho de pedagogiaTrabalho de pedagogia
Trabalho de pedagogia
rere236
 
Formação continuada de professores
Formação continuada de professoresFormação continuada de professores
Formação continuada de professores
ditadoida
 
Formação de docentes
Formação de docentesFormação de docentes
Formação de docentes
rosangelamenta
 
Dimensões da Ação Supervisora
Dimensões da Ação SupervisoraDimensões da Ação Supervisora
Dimensões da Ação Supervisora
mylla1
 
Formação docente
Formação docenteFormação docente
Formação docente
Maria Cristina Bortolozo
 
Vertentes fundamentais de gestão escolar
Vertentes fundamentais de gestão escolarVertentes fundamentais de gestão escolar
Vertentes fundamentais de gestão escolar
Antonio Alfazema Alfazema
 
04 o papel do coordenador e supervisor
04  o papel do coordenador e supervisor04  o papel do coordenador e supervisor
04 o papel do coordenador e supervisor
Joao Balbi
 
6.proposta curricular
6.proposta curricular6.proposta curricular
6.proposta curricular
Ulisses Vakirtzis
 
Função so Supervisor Educacional
Função so Supervisor EducacionalFunção so Supervisor Educacional
Função so Supervisor Educacional
Trasimaco2008
 
Coordenação pedagógica competencias e atribuições.
Coordenação pedagógica competencias e atribuições.Coordenação pedagógica competencias e atribuições.
Coordenação pedagógica competencias e atribuições.
Elenize Lima
 
O Coordenador PedagóGico E A GestãO Da Escola
O Coordenador PedagóGico E A GestãO Da EscolaO Coordenador PedagóGico E A GestãO Da Escola
O Coordenador PedagóGico E A GestãO Da Escola
rosalamana
 
Formação sobre o papel do supervisor escolar
Formação sobre o papel do supervisor escolarFormação sobre o papel do supervisor escolar
Formação sobre o papel do supervisor escolar
Maria Cecilia Silva
 
Formação continuada presencial
Formação continuada presencialFormação continuada presencial
Formação continuada presencial
Agnaldo Paredes
 
2.comunidades de aprendizagem e educação escolar
2.comunidades de aprendizagem e educação escolar2.comunidades de aprendizagem e educação escolar
2.comunidades de aprendizagem e educação escolar
Ulisses Vakirtzis
 

Mais procurados (20)

Atribuicoes do supervisor
Atribuicoes do supervisorAtribuicoes do supervisor
Atribuicoes do supervisor
 
C:\Fakepath\Otp Papel Do Pedagogo
C:\Fakepath\Otp Papel Do PedagogoC:\Fakepath\Otp Papel Do Pedagogo
C:\Fakepath\Otp Papel Do Pedagogo
 
Ação supervisora: tendências e práticas
Ação supervisora: tendências e práticasAção supervisora: tendências e práticas
Ação supervisora: tendências e práticas
 
ação supervisora
 ação supervisora ação supervisora
ação supervisora
 
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
 
Educação e Supervisão: o trabalho coletivo na escola
Educação e Supervisão: o trabalho coletivo na escolaEducação e Supervisão: o trabalho coletivo na escola
Educação e Supervisão: o trabalho coletivo na escola
 
Trabalho de pedagogia
Trabalho de pedagogiaTrabalho de pedagogia
Trabalho de pedagogia
 
Formação continuada de professores
Formação continuada de professoresFormação continuada de professores
Formação continuada de professores
 
Formação de docentes
Formação de docentesFormação de docentes
Formação de docentes
 
Dimensões da Ação Supervisora
Dimensões da Ação SupervisoraDimensões da Ação Supervisora
Dimensões da Ação Supervisora
 
Formação docente
Formação docenteFormação docente
Formação docente
 
Vertentes fundamentais de gestão escolar
Vertentes fundamentais de gestão escolarVertentes fundamentais de gestão escolar
Vertentes fundamentais de gestão escolar
 
04 o papel do coordenador e supervisor
04  o papel do coordenador e supervisor04  o papel do coordenador e supervisor
04 o papel do coordenador e supervisor
 
6.proposta curricular
6.proposta curricular6.proposta curricular
6.proposta curricular
 
Função so Supervisor Educacional
Função so Supervisor EducacionalFunção so Supervisor Educacional
Função so Supervisor Educacional
 
Coordenação pedagógica competencias e atribuições.
Coordenação pedagógica competencias e atribuições.Coordenação pedagógica competencias e atribuições.
Coordenação pedagógica competencias e atribuições.
 
O Coordenador PedagóGico E A GestãO Da Escola
O Coordenador PedagóGico E A GestãO Da EscolaO Coordenador PedagóGico E A GestãO Da Escola
O Coordenador PedagóGico E A GestãO Da Escola
 
Formação sobre o papel do supervisor escolar
Formação sobre o papel do supervisor escolarFormação sobre o papel do supervisor escolar
Formação sobre o papel do supervisor escolar
 
Formação continuada presencial
Formação continuada presencialFormação continuada presencial
Formação continuada presencial
 
2.comunidades de aprendizagem e educação escolar
2.comunidades de aprendizagem e educação escolar2.comunidades de aprendizagem e educação escolar
2.comunidades de aprendizagem e educação escolar
 

Destaque

Ciesp
Ciesp Ciesp
Ciesp
CIESP Oeste
 
Anciao
AnciaoAnciao
INA Janeiro de 2010
INA Janeiro de 2010INA Janeiro de 2010
Revista do ancião 4º Trimestre 2014
Revista do ancião 4º Trimestre 2014Revista do ancião 4º Trimestre 2014
Revista do ancião 4º Trimestre 2014
Eduardo Santos
 
Jornal Batista nº 24
Jornal Batista nº 24Jornal Batista nº 24
Jornal Batista nº 24
Reinaldo Camacho
 
Formularios
FormulariosFormularios
Formularios
Denise Lima
 
INA Dezembro de 2009
INA Dezembro de 2009INA Dezembro de 2009
Informativo Derex - Set/2015
Informativo Derex - Set/2015Informativo Derex - Set/2015
São José Esporte Clube
São José Esporte ClubeSão José Esporte Clube
São José Esporte Clube
Sandra Sanches
 
Capa Estadão Convenção
Capa Estadão ConvençãoCapa Estadão Convenção
Capa Estadão Convenção
maluhca
 
基于标准的GIS系统
基于标准的GIS系统基于标准的GIS系统
基于标准的GIS系统Jun Sun
 
Direito económico e_empresarial
Direito económico e_empresarialDireito económico e_empresarial
Direito económico e_empresarial
Carlos Valentim
 
A Desigualdade é insustentável
A Desigualdade é insustentávelA Desigualdade é insustentável
A Desigualdade é insustentável
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 
Laurindo Junqueira Filho
Laurindo Junqueira FilhoLaurindo Junqueira Filho
Educacao reflexao diasatuaismg
Educacao reflexao diasatuaismgEducacao reflexao diasatuaismg
Educacao reflexao diasatuaismg
Governor
 
Má-conduta em pesquisa: plágio e outros
Má-conduta em pesquisa: plágio e outrosMá-conduta em pesquisa: plágio e outros
Má-conduta em pesquisa: plágio e outros
Portal de Periódicos UFSC
 
6º Congresso Estadual | Carlos Henrique Flory
6º Congresso Estadual | Carlos Henrique Flory6º Congresso Estadual | Carlos Henrique Flory
6º Congresso Estadual | Carlos Henrique Flory
APEPREM
 
Apostila 2-sistema-de-aviao-civil
Apostila 2-sistema-de-aviao-civilApostila 2-sistema-de-aviao-civil
Apostila 2-sistema-de-aviao-civil
Daniela Soares
 
O Estado de São Paulo
O Estado de São PauloO Estado de São Paulo
O Estado de São Paulo
weca.lab
 
Complexo de dança Guarulhos
Complexo de dança GuarulhosComplexo de dança Guarulhos
Complexo de dança Guarulhos
Nathéssia Marques
 

Destaque (20)

Ciesp
Ciesp Ciesp
Ciesp
 
Anciao
AnciaoAnciao
Anciao
 
INA Janeiro de 2010
INA Janeiro de 2010INA Janeiro de 2010
INA Janeiro de 2010
 
Revista do ancião 4º Trimestre 2014
Revista do ancião 4º Trimestre 2014Revista do ancião 4º Trimestre 2014
Revista do ancião 4º Trimestre 2014
 
Jornal Batista nº 24
Jornal Batista nº 24Jornal Batista nº 24
Jornal Batista nº 24
 
Formularios
FormulariosFormularios
Formularios
 
INA Dezembro de 2009
INA Dezembro de 2009INA Dezembro de 2009
INA Dezembro de 2009
 
Informativo Derex - Set/2015
Informativo Derex - Set/2015Informativo Derex - Set/2015
Informativo Derex - Set/2015
 
São José Esporte Clube
São José Esporte ClubeSão José Esporte Clube
São José Esporte Clube
 
Capa Estadão Convenção
Capa Estadão ConvençãoCapa Estadão Convenção
Capa Estadão Convenção
 
基于标准的GIS系统
基于标准的GIS系统基于标准的GIS系统
基于标准的GIS系统
 
Direito económico e_empresarial
Direito económico e_empresarialDireito económico e_empresarial
Direito económico e_empresarial
 
A Desigualdade é insustentável
A Desigualdade é insustentávelA Desigualdade é insustentável
A Desigualdade é insustentável
 
Laurindo Junqueira Filho
Laurindo Junqueira FilhoLaurindo Junqueira Filho
Laurindo Junqueira Filho
 
Educacao reflexao diasatuaismg
Educacao reflexao diasatuaismgEducacao reflexao diasatuaismg
Educacao reflexao diasatuaismg
 
Má-conduta em pesquisa: plágio e outros
Má-conduta em pesquisa: plágio e outrosMá-conduta em pesquisa: plágio e outros
Má-conduta em pesquisa: plágio e outros
 
6º Congresso Estadual | Carlos Henrique Flory
6º Congresso Estadual | Carlos Henrique Flory6º Congresso Estadual | Carlos Henrique Flory
6º Congresso Estadual | Carlos Henrique Flory
 
Apostila 2-sistema-de-aviao-civil
Apostila 2-sistema-de-aviao-civilApostila 2-sistema-de-aviao-civil
Apostila 2-sistema-de-aviao-civil
 
O Estado de São Paulo
O Estado de São PauloO Estado de São Paulo
O Estado de São Paulo
 
Complexo de dança Guarulhos
Complexo de dança GuarulhosComplexo de dança Guarulhos
Complexo de dança Guarulhos
 

Semelhante a O PAPEL DO PEDAGOGO NAS TIC's

Proinfo: Curso Redes de Aprendizagem
Proinfo: Curso Redes de AprendizagemProinfo: Curso Redes de Aprendizagem
Proinfo: Curso Redes de Aprendizagem
Reinaldo Paes
 
Relatório crítico final
Relatório crítico finalRelatório crítico final
Relatório crítico final
Luisa1959
 
Unidade III
Unidade IIIUnidade III
Memorial reflexivo
Memorial reflexivoMemorial reflexivo
Memorial reflexivo
bucarbio
 
Relatório final isabel morais.doc 1
Relatório final isabel morais.doc 1Relatório final isabel morais.doc 1
Relatório final isabel morais.doc 1
isamorais54
 
Grupo 7 formação de professores
Grupo 7   formação de professoresGrupo 7   formação de professores
Grupo 7 formação de professores
Lizandra Servino Barroso
 
Atividade 5.1.everton dos_santos_machado
Atividade 5.1.everton dos_santos_machadoAtividade 5.1.everton dos_santos_machado
Atividade 5.1.everton dos_santos_machado
Everton Machado
 
Cartilha do tutor
Cartilha do tutorCartilha do tutor
Cartilha do tutor
Katia Ampare-se Amparando
 
Entrevistas j3 a oradores
Entrevistas j3 a oradoresEntrevistas j3 a oradores
Entrevistas j3 a oradores
Nuno Maria
 
Entrevista final 2
Entrevista final 2Entrevista final 2
Entrevista final 2
Nuno Maria
 
Comunicação e linguagem no AVA
Comunicação e linguagem no AVAComunicação e linguagem no AVA
Comunicação e linguagem no AVA
maritania.linux
 
Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.
sil2007
 
Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.
sil2007
 
Projeto foresti
Projeto forestiProjeto foresti
Projeto foresti
SRSROSSETO
 
aula-1-definicao-do-letramento-digital-pesquisar.ppt
aula-1-definicao-do-letramento-digital-pesquisar.pptaula-1-definicao-do-letramento-digital-pesquisar.ppt
aula-1-definicao-do-letramento-digital-pesquisar.ppt
mocardoso
 
Pae 3 nadianecarolinadesouzamomospencer
Pae 3 nadianecarolinadesouzamomospencerPae 3 nadianecarolinadesouzamomospencer
Pae 3 nadianecarolinadesouzamomospencer
Nadiane Momo
 
Aparecida texto
Aparecida textoAparecida texto
Aparecida texto
ambrosio26
 
Tecnologias e Educação Infantil
Tecnologias e Educação InfantilTecnologias e Educação Infantil
Tecnologias e Educação Infantil
Vera Zacharias
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
joaquimjunior54
 
Conexao basico
Conexao basicoConexao basico
Conexao basico
Instituto Educadigital
 

Semelhante a O PAPEL DO PEDAGOGO NAS TIC's (20)

Proinfo: Curso Redes de Aprendizagem
Proinfo: Curso Redes de AprendizagemProinfo: Curso Redes de Aprendizagem
Proinfo: Curso Redes de Aprendizagem
 
Relatório crítico final
Relatório crítico finalRelatório crítico final
Relatório crítico final
 
Unidade III
Unidade IIIUnidade III
Unidade III
 
Memorial reflexivo
Memorial reflexivoMemorial reflexivo
Memorial reflexivo
 
Relatório final isabel morais.doc 1
Relatório final isabel morais.doc 1Relatório final isabel morais.doc 1
Relatório final isabel morais.doc 1
 
Grupo 7 formação de professores
Grupo 7   formação de professoresGrupo 7   formação de professores
Grupo 7 formação de professores
 
Atividade 5.1.everton dos_santos_machado
Atividade 5.1.everton dos_santos_machadoAtividade 5.1.everton dos_santos_machado
Atividade 5.1.everton dos_santos_machado
 
Cartilha do tutor
Cartilha do tutorCartilha do tutor
Cartilha do tutor
 
Entrevistas j3 a oradores
Entrevistas j3 a oradoresEntrevistas j3 a oradores
Entrevistas j3 a oradores
 
Entrevista final 2
Entrevista final 2Entrevista final 2
Entrevista final 2
 
Comunicação e linguagem no AVA
Comunicação e linguagem no AVAComunicação e linguagem no AVA
Comunicação e linguagem no AVA
 
Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.
 
Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.
 
Projeto foresti
Projeto forestiProjeto foresti
Projeto foresti
 
aula-1-definicao-do-letramento-digital-pesquisar.ppt
aula-1-definicao-do-letramento-digital-pesquisar.pptaula-1-definicao-do-letramento-digital-pesquisar.ppt
aula-1-definicao-do-letramento-digital-pesquisar.ppt
 
Pae 3 nadianecarolinadesouzamomospencer
Pae 3 nadianecarolinadesouzamomospencerPae 3 nadianecarolinadesouzamomospencer
Pae 3 nadianecarolinadesouzamomospencer
 
Aparecida texto
Aparecida textoAparecida texto
Aparecida texto
 
Tecnologias e Educação Infantil
Tecnologias e Educação InfantilTecnologias e Educação Infantil
Tecnologias e Educação Infantil
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
 
Conexao basico
Conexao basicoConexao basico
Conexao basico
 

Último

12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
JohnnyLima16
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 

Último (20)

12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 

O PAPEL DO PEDAGOGO NAS TIC's

  • 1. O PAPEL DO PEDAGOGO NO USO DAS TECNOLOGIAS
  • 2. Nóvoa (2002, p. 23) diz que: “O aprender contínuo é essencial e se concentra em dois pilares: a própria pessoa, como agente, e a escola, como lugar de crescimento profissional permanente.” Para esse estudioso português, a formação continuada se dá de maneira coletiva e depende da experiência e da reflexão como instrumentos contínuos de análise.
  • 3. QUAL O PAPEL DO PEDAGOGO? O pedagogo é um profissional capaz de atuar em diversos âmbitos educativos e de responder às diversas demandas e exigências de uma sociedade cada vez mais complexa. Para tanto, precisa estar preparado para enfrentar, com criatividade e competência, os problemas do cotidiano, ser flexível, tolerante e atento às questões decorrentes da diversidade cultural que caracteriza nossa sociedade.
  • 4. Ao gestor se atribui o trabalho pedagógico, na administração escolar, na coordenação pedagógica, na orientação educacional, e na supervisão escolar da Educação Básica. O PEDAGOGO COMO GESTOR
  • 5. O bom diretor hoje domina as questões administrativas, sabe ser um líder, conhece políticas públicas, estimula a participação dos pais e da comunidade, ajuda a formar professores e funcionários... Tudo com um objetivo maior: garantir que os alunos aprendam
  • 6. C O M U N I C A Ç Ã O Primeiramente precisamos entender o significado das palavras, ou seja, sua etimologia. Começamos pela palavra comunicação, que do latim communicatio de communis = comum significa a ação de tornar algo comum a muitos. E, agora, a palavra interpessoal, inter (Do lat. inter) que exprime a idéia de –entre, em meio; e, pessoal (Do lat. personale) relativo a pessoa.
  • 7. Entendido o significado, podemos dizer que comunicação interpessoal é o estabelecimento de uma corrente de pensamento ou mensagem, dirigida de um indivíduo a outro ou a outros, com o fim de informar, persuadir, ou divertir. Podemos, ainda, acrescentar que é um processo interativo e didático em que o emissor constrói significados e desenvolve expectativas na mente do receptor. COMUNICAÇÃO
  • 8. Entende-se por ruído tudo o que possa interferir na comunicação, prejudicando-a. Pode ser um som sem harmonia, um emissor ou receptor fora de sintonia, falta de empatia, entre outras situações que podem impedir a realização da comunicação. Para melhorar a comunicação existem habilidades. Citaremos a seguir, como exemplo, três sugestões para a realização de uma comunicação eficaz.
  • 9. Iniciamos com a habilidade de transmissão, quero dizer, usar a linguagem apropriada e direta, evitando jargões e termos eruditos. As informações precisam ser claras e completas para que não haja dúvidas. Sendo possível, utilizar vários canais para estimular os sentidos de quem recebe a mensagem, como o áudio e o visual.
  • 10. É importante criar situações que ajudem as pessoas a falarem o que realmente querem dizer, para que a nossa resposta seja satisfatória. Outra habilidade sugerida é a auditiva - Escuta Ativa
  • 11. Finalizando, com a habilidade de feedback. Posso dizer que esta é aquela que nos asseguramos que queremos ajudar o outro dando retornos ou respostas, e em caso de feedback negativo precisamos ir direto ao assunto sem criar ansiedade. Esta habilidade, também, requer que descrevamos a situação de modo claro, evitando equívocos.
  • 12.  Visão  Delegação  Determinação  Persistência  Planejamento  Autodisciplina  Percepção  Comunicação  Coerência  Autenticidade  Empatia  Ousadia HABILIDADES DO LÍDER
  • 13. Uso de jornal como instrumento pedagógico O estimulo a escrita e a leitura, a formação crítica e o acesso aos acontecimentos da comunidade são alguns dos benefícios da utilização de jornais como instrumento pedagógico. Por exemplo: “Cada professor selecionará uma notícia de acordo com a disciplina que leciona, para fazer uma análise em sala-de-aula”.
  • 14. O uso da linguagem radiofônica no processo de ensino escolar, colabora como ferramenta de transmissão de conhecimentos interdisciplinares e transdisciplinares, permite (aproxima) o acesso a informação cotidiana e de utilidade pública. RÁDIO NA ESCOLA
  • 15. RÁDIO NA ESCOLA A Rádio na Escola pode ser implementada através de um projeto, que dentre outras finalidades propicia aos alunos aprimorar a escrita, aprender a observar a mídia com outros olhos, tanto no sentido de ampliar o senso crítico como de buscar exemplos de ação a serem seguidos.
  • 16. Desse modo, permitirá a realização de produções que possam atender as necessidades internas e da comunidade ao redor, além de estimular a produção de materiais de apoio pedagógico, e exercitar a cidadania. RÁDIO NA ESCOLA
  • 17. DESAFIOS DA TELEVISÃO E DO VÍDEO À ESCOLA A televisão e o vídeo partem do concreto, do visível, do imediato, próximo, que toca todos os sentidos. Mexem com o corpo, com a pele, as sensações e os sentimentos - nos tocam e "tocamos" os outros, estão ao nosso alcance através dos recortes visuais, do close, do som estéreo envolvente.
  • 18. Para que haja interatividade e se promova a interdisciplinaridade, podemos: - Gravar materiais educativos (Canal Futura (TV Cultura, Discovery Kids, comerciais, etc.) e a partir daí,planejar estratégias de inserir esses materiais e atividades com dinâmicas, interessantes, mobilizadoras e significativas. ESTRATÉGIAS DE UTILIZAÇÃO DA TV E DO VÍDEO
  • 19. A televisão e a Internet não são somente tecnologias de apoio às aulas, são mídias, meios de comunicação. Podemos analisá-las, dominar suas linguagens, produzir e divulgar o que fazemos. Com filmadoras, celulares ou câmeras digitais, também podemos incentivar que os alunos filmem, e apresentem suas pesquisas em vídeo, em CD, DVD ou em páginas WEB - páginas na Internet. TELEVISÃO & INTERNET
  • 20. I N T E R N E T Ensinar utilizando a Internet (rede mundial de computadores)pressupõe uma atitude do professor diferente da convencional. O professor não é o "informador", o que centraliza a informação.
  • 21. I N T E R N E T A informação está em inúmeros bancos de dados, em revistas, livros, textos, endereços de todo o mundo. O professor é o coordenador do processo, o responsável na sala de aula. Sua primeira tarefa é sensibilizar os alunos, motivá-los para a importância da matéria, mostrando entusiasmo, ligação da matéria com os interesses dos alunos, com a totalidade da habilitação escolhida.
  • 22. 1 Escolher conteúdos Eleger e estudar os conteúdos que serão apresentados ou aprofundados na sala de informática é essencial para que a aula seja objetiva e produtiva. Além disso, faz com que o professor se sinta mais seguro na hora da aula. 2 Selecionar programas Com o conteúdo escolhido, é hora de encontrar os programas e sites mais apropriados para atingir as metas de aprendizagem. Se a aula é de redação, um editor de textos é uma boa opção. 3 Fazer o roteiro da aula Todas as atividades precisam ser bem estruturadas e bem planejadas, prevendo momentos de pesquisa, de visualização do conteúdo estudado e de troca de informações. Isso evita a dispersão. 4 Incentivar a interação Os alunos devem interagir para construir conhecimento. Para tanto, que tal criar blogs, e-mails e fóruns? 5 Usar jogos educativos Os desafios propostos pelos softwares e jogos virtuais estimulam os jovens e complementam a aula de forma lúdica. Computador como aliado - sugestões
  • 23. 6 Explorar o audiovisual A internet e os programas educativos oferecem vídeos e animações que favorecem o aprendizado. Use-os! 7 Permitir que o aluno crie Publicar textos em blogs ou sites e fazer apresentações em slides torna o estudante produtor de conteúdo e de conhecimento. 8 Evitar a desatenção Para a turma não perder o foco da aula, vale bloquear o acesso a sites de relacionamento, salas de bate-papo e programas de mensagens que não sejam coerentes com o conteúdo ensinado. 9 Criar espaço lúdico Todos precisam ficar à vontade na sala de informática. Por isso, coloque nas paredes cartazes, mapas, ilustrações e trabalhos dos alunos, criando um ambiente acolhedor e rico em informações. 10 Preparar-se bastante Você se sentirá mais seguro na sala de informática se aprender a usar a máquina, a internet e os programas básicos. Além disso, terá melhores resultados. Computador como aliado - sugestões
  • 24. O uso pedagógico do chat, ou sala de bate-papo on line é um campo a se investigar e pode trazer novas dimensões não só para o ensino à distância, mas como instrumento de construção de conhecimentos, pesquisa, troca de informação e comunicação entre sujeitos que buscam aprender, seja com instituições de ensino ou não. Uso Pedagógico do Bate Papo/Chat
  • 25. Pensar no chat como uma ferramenta pedagógica é algo desafiador para o professor, visto que ele assumirá outro papel, o de não ser mais meramente um repassador de informações, mas um mediador. Ele deixa de ser o centro do saber e estará interagindo com os participantes por meio das novas tecnologias. Desta forma, o professor na era da informação está envolvido com processos múltiplos do conhecimento que pressupõe flexibilidade, interatividade, adaptação e cooperação.Uso Pedagógico do Bate Papo/Chat
  • 26. BLOGS EM EDUCAÇÃO O QUE É UM BLOG? Um blog (ou weblog) é um registro publicado na Internet relativo a algum assunto e organizado cronologicamente (como um diário). Pode ainda permitir comentários dos leitores aos textos publicados (denominados posts). Tem como grande vantagem o fato de o autor do blog não necessitar de saber construir páginas para a Internet, ou trabalhar com código.
  • 27. Podem ser criados e geridos por professores (individualmente ou em grupo), por alunos (individualmente, por grupos de trabalho, ou por turmas) e até simultaneamente por professores e os seus alunos. O público-alvo de um blog destes poderá ser professores, alunos, pais, comunidade educativa em geral, e pode até não ter um público-alvo específico. O uso das novas ferramentas tecnológicas on-line deve ter sempre em conta as limitações e potencialidades destas, para que de fato exista mais valia na sua aplicação. Portanto, o seu uso e escolha depende, em grande parte, dos objetivos a que nos propomos.
  • 28. •Apresentação das várias etapas de um projeto educativo de um ou mais professores; •Preparação de encontros em Educação; •Reflexão em torno de temas educativos; •Apresentação de projeto/trabalhos realizados por alunos (em grupo ou individualmente); •Criação de um jornal escolar online; •Divulgação das atividades de um clube de escola; •Apoio a um disciplina. Sugiro aqui uma lista de aplicações possíveis para uso de blogs na Educação: BLOGS EM EDUCAÇÃO
  • 29. ALVES, Nilda (Coord.) Educação e Supervisão: o trabalho coletivo na escola. 6ed. São Paulo: Cortez Autores Associados, 1991. 103p. ANTUNES, Celso. Como transformar informações em conhecimento. Fascículo 2. Petrópolis: Editora Vozes, 2001. CASTRO, Amélia Domingues (et all). Ensinar a ensinar. São Paulo, Pioneira Thomsom Learning, 2002, 195 p. GARCÍA, C.M. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999. MORAN, José Manuel. Novas Tecnologias e Mediação Pedagógica. 3.ed. Campinas, SP: Papirus, 2001. ______. Mudanças na Comunicação Pessoal: gerenciamento integrado da comunicação pessoal, social e tecnológica. 2.ed. São Paulo: Paulinas, 2000. MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, DF: Unesco, 2000. NÓVOA, A. “A formação de professores e profissão docente”. In: NÓVOA, A. (org.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 2002. PERRENOUD, Philippe. Dez novas competências para ensinar. Trad. Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. p.11-21. SNYDERS, Georges. Para onde vão as pedagogias não diretivas. São Paulo: Centauro, 2002, 372 p. BIBLIOGRAFIA
  • 30. Sueli Dib Email: suelidib@gmail.com Graduada pela Universidade São Marcos (SP) em Pedagogia – Licenciatura Plena com Formação para Docência das Séries Iniciais do Ensino Fundamental, Administração Escolar, Supervisão Escolar e Orientação Educacional; Especialização em Recursos Digitais e Cultura de Uso na Educação pela Universidade de São Paulo, USP-SP. Especialização em Tecnologias Interativas Aplicadas à Educação pela Pontifícia Universidade Católica, PUC-SP, e Especialização em Educação Básica pela Organização dos Estados Americanos (OEA). Site: www.origemdosaber.com.br Blog: http://dibnasletras.blogspot.com.br

Notas do Editor

  1. O que buscamos na formação continuada, é discutir problemas didáticos reais do dia-a-dia, trocar experiências, ensinar e aprender. É consenso, no dia-a-dia da sala de aula, que nenhum fator tem mais influência no desempenho dos alunos do que o professor. Aqui abordaremos alguns sucintamente o uso da tecnologia na educação, mas poderá ser observado que as situações propostas de o “o quê” e “como” fazer e ensinar. TODA FORMAÇÃO CONTINUADA oferecida, enriquece quem a recebe, a educação ganha. E questiono: Se todo esse saber não for utilizado por receio, medo, preguiça ou falta de apoio, quem perde?
  2. Para exercermos um papel na sociedade como bons profissionais, é imprescindível que saibamos nos comunicar. Mas afinal o que é comunicação?
  3. Muito bem, entendemos o significado da palavra comunicação... e agora???
  4. Muito bem, entendemos o significado da palavra comunicação... e agora??? Podemos dizer que é também um processo interativo e didático em que o emissor constróis significados e desenvolve expectativas na mente do receptor. E quando falamos, todas as pessoas entendem da mesma forma? Entre um recado e outro muitos ruídos acontecem.
  5. O que são ruídos de comunicação? Pode ser muita coisa... Sons que interferem (ao falar e/ou escutar), emissor ou receptor fora de sintonia (aquelas pessoas que estão presentes de corpo, mas a cabeça está muito longe)
  6. Que tal melhorar a forma de nos comunicar? Então vamos começar com a habilidade de transmissão - ser objetivo e direto
  7. Vamos para mais uma habilidade comunicativa: saber ouvir, ou seja, escuta ativa.
  8. Finalmente, vamos finalizar com a habilidade de saber dar resposta quando nos questionam, que é o retorno, ou feedback (expressão mais utilizada no ambiente corporativo).
  9. Diante de tudo o que vimos, você pedagogo, sabe dizer se é mesmo um líder?? É importante que um líder tenha tais habilidades, indague a si mesmo, e conclua qual habilidade que ainda não é tão latente em você e aprimore-a.
  10. Tecnologia são meios de comunicação, dentre eles o jornal E sim, podemos utilizar o jornal como instrumento pedagógico
  11. Se usamos os jornais, também podemos utilizar o rádio. O rádio foi inventado pelo engenheiro italiano Guglielmo Marconi em 1892, que antes já havia inventado o telégrafo sem fio. O uso do rádio na educação a distância teve seu início no Canadá, para discussão de problemas locais e regionais, nas comunidades rurais isoladas. No Brasil, o Ensino a Distância nasceu já no século XX. Para Saraiva (1996), o EAD tem início no Brasil entre 1922 e 1925, com Roquete Pinto e a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, a partir da inserção de trechos da programação dedicados à radiodifusão da cultura, com a finalidade de ampliar o acesso à Educação. Em seguida, temos algumas experiências feitas pela Marinha e pelo Exército brasileiros, pelo Instituto Rádio Monitor, criado em 1939, assim como pelo Instituto Universal Brasileiro, fundado em 1941.
  12. O rádio foi utilizado no Projeto MOBRAL (Movimento Brasileiro de Alfabetização), criado em 1967 no governo Costa e Silva, tinha como objetivo alfabetizar adultos na faixa de 12 a 35 anos.
  13. É impossível retroceder a demanda tecnológica, e o rádio nas escolas de hoje podem permitir o exercício da cidadania, além obviamente de ser utilizado como estímulo a produção de materiais pedagógicos. Hoje temos rádio nos celulares, Ipods, mp3, e em outros aparelhos eletrônicos.
  14. A televisão, sob a ótica pedagógica, pode auxiliar a escola. TV e Escola são duas agências sociais que têm no conhecimento a sua matéria-prima. A primeira é nitidamente organizada, segundo um modelo industrial de produção, a partir do qual difunde e produz conhecimentos; a segunda, é concebida como um canal de transmissão e difusão de conhecimentos, em seus procedimentos identificados com uma pedagogia conservadora e tradicional, falida em seus propósitos, na atualidade.
  15. Utilizar o vídeo é vantajoso, principalmente, se considerada a facilidade com que este material didático pode ser transportado de uma classe para outra. Pode-se mudar o estilo de uma aula, transformando a sala em um moderno centro de ensino. O vídeo também cria um marco de referência para o aluno, já que é uma ferramenta que permite fácil assimilação do conceito apresentado. Por outro lado, este método facilita o processo de aprendizagem, não só para aqueles que aprendem visualmente, já que ao projetar diferentes experiências e conceitos, o estudante adquire uma imagem mais real do assunto e compartilha suas experiências com as pessoas mais próximas. Sendo assim, a imaginação é estimulada, os conceitos se reagrupam e se redefinem, e é assim que a presença do professor se reafirma.
  16. A tecnologia deve ser utilizada para apresentar e aprofundar conteúdos curriculares. Usar o computador somente para ensinar programas de informática é desperdício. Para isso, a internet nem sempre é imprescindível. O aluno pode fazer apresentações em slides, usar editores de texto e elaborar planilhas e gráficos. Essas ferramentas de aprendizado não requerem a rede mundial de computadores. Com ou sem a rede, o fato é que o planejamento é fundamental. "Definir as ações que serão feitas no computador é tão importante quanto ser criativo na hora de elaborar a aula“.
  17. Para ajudar a planejar e acabar com os equívocos sobre o uso do computador na sala de aula, colocamos os quadros elaborados e testados pela Nova Escola. Estão atitudes e procedimentos para fazer do computador um aliado.
  18. Para ajudar a planejar e acabar com os equívocos sobre o uso do computador na sala de aula, colocamos os quadros elaborados e testados pela Nova Escola. Estão atitudes e procedimentos para fazer do computador um aliado.
  19. No chat, os alunos interagem com os outros participantes por meio da comunicação escrita, utilizando códigos peculiares do ambiente virtual. Essa ferramenta pode contribuir para o aprimoramento da capacidade de raciocínio e agilidade na escrita. Após o chat, deve ser gerado um relatório de registro que deve ser analisado pelos professores e alunos na busca de identificar o que foi discutido, incluindo os assuntos mais palpitantes ou questões gramaticais, com vistas a levar os participantes a uma reflexão. Além disso, o chat pode ajudar os professores a entender os assuntos que mais interessam seus alunos e, dessa forma, desenvolver uma pedagogia de projetos que tem seu foco nas reais necessidades dos participantes.
  20. Em 2005, a pequena Nova Bassano, cidade com pouco mais de oito mil habitantes no interior do Rio Grande do Sul, ganhou destaque na internet graças à iniciativa da professora Marli Fioretin, de Língua Portuguesa, da Escola Estadual Padre Colbachini. Ela incentivou suas duas turmas de oitava série a registrar em um blog, o Vidas Secas, todo o trabalho desenvolvido em sala de aula com base na obra de Graciliano Ramos. A página acabou em quarto lugar em uma competição internacional de blogs educativos feito por escolas - o Blopes - em países de língua portuguesa e espanhola.
  21. Mais do que uma simples publicação na internet, o site serviu de estímulo para a leitura e a escrita dos alunos. O ponto de partida foi o romance de Graciliano. "Estabelecemos uma relação entre o sofrimento dos personagens do livro com a nossa realidade. Em 2005, parte do Rio Grande do Sul, incluindo a nossa região, foi afetada econômica e emocionalmente por um grande período de estiagem", recorda a professora. Depois, os alunos leram textos de outros autores sobre a questão da seca e publicaram seus comentários. Quem não tinha computador em casa recorreu ao laboratório de informática da escola. Na sala de aula, os alunos leram e discutiram os textos. No blog, Marli postou comentários, tarefas para a turma e a produção dos alunos. Ao ver seus escritos publicados em um endereço na internet, os estudantes se sentiram mais valorizados - e preocupados com a coerência de idéias, com a ortografia, com a gramática. A cada post, todos discutiam o retorno dos leitores - pessoal da escola, alunos e professores de outras instituições e até autores de textos propostos por Marli, como o escritor gaúcho Caio Ritter. A interatividade marcou o projeto do começo ao fim.
  22. Blog-se Quando percebem que vão publicar uma página na internet, os alunos dão um salto de qualidade nas pesquisas, na produção de texto, no trabalho em equipe... Na aprendizagem