SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
António Agostinho Neto nasceu a 16 de setembro de 1922 em
Kaxicane, distrito de Luanda;

De 1934 a 1944, completou os estudos (na escola primária e
secundária);

Em 1944, após concluir os estudos em Luanda, sendo funcionário dos
serviços de saúde, deixa Angola e embarca para Portugal para
poder frequentar a Faculdade de Medicina de Coimbra;
Integra-se e participa nas atividades sociais,
políticas e culturais da secção de Coimbra da Casa
dos Estudantes do Império com sede em Lisboa;

Em 1948, foi-lhe concedida uma bolsa de estudo
pela igreja Metodista americana;

Transfere a sua matrícula para a Faculdade de
Medicina de Lisboa, onde passa a residir, e continua
a sua atividade cultural e política na Casa dos
Estudantes do Império;
Em 1951, foi preso pela PIDE em Lisboa, durante 3 meses;

Pela segunda vez, em 1955, foi preso durante 2 anos (período
em que publica a sua primeira obra literária de poemas);

A sua obra literária foi reconhecida internacionalmente.
Em 1958, finalmente, formou-se em Medicina e, nesse mesmo dia, casa-
se com Maria Eugénia




                  Maria Eugénia Neto
              (viúva de Neto, foto atual)
1957 - Quatro Poemas de Agostinho Neto, Póvoa do Varzim

1961 - Poemas, Lisboa, Casa dos Estudantes do Império

1974 - Sagrada Esperança, Lisboa, Sá da Costa (inclui os poemas dos
dois primeiros livros)

1982 - A Renúncia Impossível, Luanda, INALD (edição póstuma)
Declaração

  As aves, como voam livremente
      num voar de desafio!
     Eu te escrevo, meu amor,
   num escrever de libertação.

     Tantas, tantas coisas comigo
         adentro do coração
    que só escrevendo as liberto
    destas grades sem limitação.
   Que não se frustre o sentimento
      de o guardar em segredo
como liones, correm as águas do rio!
 corram límpidos amores sem medo.

      Ei-lo que to apresento
     puro e simples – o amor
   que vive e cresce ao momento
    em que fecunda cada flor.

       O meu escrever-te é
   realização de cada instante
germine a semente, e rompa o fruto
    da Mãe-Terra fertilizante.
António Agostinho Neto morre a 10 de setembro de 1979, numa sala de
  operações no hospital de Moscovo.
“A vida de um homem do tamanho
  deste filho de África não se
  conta em pequenos minutos.
  Ficou muito por falar, muitos
  nomes por dizer, muitas
  histórias pequenas, algumas
  grandes também, guardadas
  para outra fogueira, se for o
  caso...Não se pode chorar
  mais”.
• Ana Santos nº 4

• Catarina Sousa nº8

 • Sara Vieira nº23

        10ºR
António Agostinho Neto, poeta e primeiro presidente de Angola

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho das decadas de 60 e 70
Trabalho das decadas de 60 e 70Trabalho das decadas de 60 e 70
Trabalho das decadas de 60 e 70Táina Souza
 
Textos literários e não literários
Textos literários e não literáriosTextos literários e não literários
Textos literários e não literáriosleozinferreiira
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Claudio Soares
 
Apresentação sobre modernismo e pós modernismo
Apresentação sobre modernismo e pós modernismo Apresentação sobre modernismo e pós modernismo
Apresentação sobre modernismo e pós modernismo MariaPiedadeSILVA
 
Eugenio de andrade
Eugenio de andradeEugenio de andrade
Eugenio de andradeliofer21
 
Modernismo e suas fases
Modernismo e suas fasesModernismo e suas fases
Modernismo e suas fasesLuan Victor
 
SEMINÁRIO DE LITERATURA - MURILO MENDES
SEMINÁRIO DE LITERATURA - MURILO MENDESSEMINÁRIO DE LITERATURA - MURILO MENDES
SEMINÁRIO DE LITERATURA - MURILO MENDESMarcelo Fernandes
 
Literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Literaturas Africanas de Língua PortuguesaLiteraturas Africanas de Língua Portuguesa
Literaturas Africanas de Língua PortuguesaJirede Abisai
 
A segunda geração modernista no brasil
A segunda geração modernista no brasilA segunda geração modernista no brasil
A segunda geração modernista no brasilMaria De Lourdes Ramos
 
Literaturas africanas contemporâneas: o texto lendo o contexto.
Literaturas africanas contemporâneas: o texto lendo o contexto.Literaturas africanas contemporâneas: o texto lendo o contexto.
Literaturas africanas contemporâneas: o texto lendo o contexto.Viegas Fernandes da Costa
 

Mais procurados (20)

Trabalho das decadas de 60 e 70
Trabalho das decadas de 60 e 70Trabalho das decadas de 60 e 70
Trabalho das decadas de 60 e 70
 
Textos literários e não literários
Textos literários e não literáriosTextos literários e não literários
Textos literários e não literários
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
 
Slide - aula fanfiction
Slide - aula fanfictionSlide - aula fanfiction
Slide - aula fanfiction
 
Geração de 30
Geração de 30Geração de 30
Geração de 30
 
Coesão e coerência
Coesão e coerênciaCoesão e coerência
Coesão e coerência
 
Textualidade e a construção dos sentidos
Textualidade e a construção dos sentidosTextualidade e a construção dos sentidos
Textualidade e a construção dos sentidos
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
Apresentação sobre modernismo e pós modernismo
Apresentação sobre modernismo e pós modernismo Apresentação sobre modernismo e pós modernismo
Apresentação sobre modernismo e pós modernismo
 
Eugenio de andrade
Eugenio de andradeEugenio de andrade
Eugenio de andrade
 
Humanismo 160313223949
Humanismo 160313223949Humanismo 160313223949
Humanismo 160313223949
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Modernismo e suas fases
Modernismo e suas fasesModernismo e suas fases
Modernismo e suas fases
 
SEMINÁRIO DE LITERATURA - MURILO MENDES
SEMINÁRIO DE LITERATURA - MURILO MENDESSEMINÁRIO DE LITERATURA - MURILO MENDES
SEMINÁRIO DE LITERATURA - MURILO MENDES
 
Crônica e conto eemh
Crônica e conto eemhCrônica e conto eemh
Crônica e conto eemh
 
Literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Literaturas Africanas de Língua PortuguesaLiteraturas Africanas de Língua Portuguesa
Literaturas Africanas de Língua Portuguesa
 
A segunda geração modernista no brasil
A segunda geração modernista no brasilA segunda geração modernista no brasil
A segunda geração modernista no brasil
 
A reportagem
A reportagemA reportagem
A reportagem
 
Literaturas africanas contemporâneas: o texto lendo o contexto.
Literaturas africanas contemporâneas: o texto lendo o contexto.Literaturas africanas contemporâneas: o texto lendo o contexto.
Literaturas africanas contemporâneas: o texto lendo o contexto.
 
Toda a Literatura
Toda a LiteraturaToda a Literatura
Toda a Literatura
 

Destaque

Linguagem poética e versificação
Linguagem poética e versificaçãoLinguagem poética e versificação
Linguagem poética e versificaçãoRoberta Savana
 
Amilcar cabral o heroi nacional-filosofia
Amilcar cabral   o heroi nacional-filosofiaAmilcar cabral   o heroi nacional-filosofia
Amilcar cabral o heroi nacional-filosofiaAldair Do Rosario
 
Queda do Regime Fascista
Queda do Regime FascistaQueda do Regime Fascista
Queda do Regime FascistaJoão Lima
 
Marcelo caetano
Marcelo caetanoMarcelo caetano
Marcelo caetanoberenvaz
 
Poesias Pé de pilão- Mário Quintana
Poesias  Pé de pilão- Mário QuintanaPoesias  Pé de pilão- Mário Quintana
Poesias Pé de pilão- Mário QuintanaJosiane Amaral
 
Guerra Colonial
Guerra ColonialGuerra Colonial
Guerra ColonialJoão Lima
 

Destaque (11)

A vida e obra de agostinho neto
A vida e obra de agostinho netoA vida e obra de agostinho neto
A vida e obra de agostinho neto
 
Linguagem poética e versificação
Linguagem poética e versificaçãoLinguagem poética e versificação
Linguagem poética e versificação
 
Agostinho neto2
Agostinho neto2Agostinho neto2
Agostinho neto2
 
Amilcar cabral o heroi nacional-filosofia
Amilcar cabral   o heroi nacional-filosofiaAmilcar cabral   o heroi nacional-filosofia
Amilcar cabral o heroi nacional-filosofia
 
Queda do Regime Fascista
Queda do Regime FascistaQueda do Regime Fascista
Queda do Regime Fascista
 
Angola
AngolaAngola
Angola
 
General Spínola
General SpínolaGeneral Spínola
General Spínola
 
Marcelo caetano
Marcelo caetanoMarcelo caetano
Marcelo caetano
 
Poesias Pé de pilão- Mário Quintana
Poesias  Pé de pilão- Mário QuintanaPoesias  Pé de pilão- Mário Quintana
Poesias Pé de pilão- Mário Quintana
 
Produção de poemas
Produção de poemasProdução de poemas
Produção de poemas
 
Guerra Colonial
Guerra ColonialGuerra Colonial
Guerra Colonial
 

Semelhante a António Agostinho Neto, poeta e primeiro presidente de Angola

íCones da literatura angolana
íCones da literatura angolanaíCones da literatura angolana
íCones da literatura angolanaYuri Anacleto
 
Resumo, Vida, Morte, Obra e uma pequena Analise sobre Montaigne.
Resumo, Vida, Morte, Obra e uma pequena Analise sobre Montaigne.Resumo, Vida, Morte, Obra e uma pequena Analise sobre Montaigne.
Resumo, Vida, Morte, Obra e uma pequena Analise sobre Montaigne.Weslley Aquino Ferreira
 
Miguel torga - eliana e joana
Miguel torga - eliana e joanaMiguel torga - eliana e joana
Miguel torga - eliana e joana101d1
 
Jb news informativo nr. 2178
Jb news   informativo nr. 2178Jb news   informativo nr. 2178
Jb news informativo nr. 2178JB News
 
Modernismo_Portugal_Aulas 8 e 9.pptx
Modernismo_Portugal_Aulas 8 e 9.pptxModernismo_Portugal_Aulas 8 e 9.pptx
Modernismo_Portugal_Aulas 8 e 9.pptxAna Rodrigues
 
Poetas e Escritores Republicanos
Poetas e Escritores RepublicanosPoetas e Escritores Republicanos
Poetas e Escritores RepublicanosMichele Pó
 
Cecília Meireles, vida, obras, características e homenagens...
Cecília Meireles, vida, obras, características e homenagens...Cecília Meireles, vida, obras, características e homenagens...
Cecília Meireles, vida, obras, características e homenagens...Daniel Meneses
 
Síntese fp
Síntese fpSíntese fp
Síntese fplenaeira
 
Biografia de Antero de Quental
Biografia de Antero de QuentalBiografia de Antero de Quental
Biografia de Antero de Quental713773
 

Semelhante a António Agostinho Neto, poeta e primeiro presidente de Angola (20)

Antologia Poética
Antologia PoéticaAntologia Poética
Antologia Poética
 
íCones da literatura angolana
íCones da literatura angolanaíCones da literatura angolana
íCones da literatura angolana
 
Resumo, Vida, Morte, Obra e uma pequena Analise sobre Montaigne.
Resumo, Vida, Morte, Obra e uma pequena Analise sobre Montaigne.Resumo, Vida, Morte, Obra e uma pequena Analise sobre Montaigne.
Resumo, Vida, Morte, Obra e uma pequena Analise sobre Montaigne.
 
Miguel torga - eliana e joana
Miguel torga - eliana e joanaMiguel torga - eliana e joana
Miguel torga - eliana e joana
 
Alberto Caeiro (1889 – 1915)
Alberto Caeiro (1889 – 1915)Alberto Caeiro (1889 – 1915)
Alberto Caeiro (1889 – 1915)
 
Jb news informativo nr. 2178
Jb news   informativo nr. 2178Jb news   informativo nr. 2178
Jb news informativo nr. 2178
 
Trabalho de portugues
Trabalho de portuguesTrabalho de portugues
Trabalho de portugues
 
Modernismo_Portugal_Aulas 8 e 9.pptx
Modernismo_Portugal_Aulas 8 e 9.pptxModernismo_Portugal_Aulas 8 e 9.pptx
Modernismo_Portugal_Aulas 8 e 9.pptx
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Biografia
BiografiaBiografia
Biografia
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
 
Poetas e Escritores Republicanos
Poetas e Escritores RepublicanosPoetas e Escritores Republicanos
Poetas e Escritores Republicanos
 
Vinicius de moraes
Vinicius de moraesVinicius de moraes
Vinicius de moraes
 
Manuel alegre
Manuel alegreManuel alegre
Manuel alegre
 
Trabalhos dos alunos 8º ano LP
Trabalhos dos alunos 8º ano LPTrabalhos dos alunos 8º ano LP
Trabalhos dos alunos 8º ano LP
 
Vida e Obra de Mario Quintana
Vida e Obra de Mario QuintanaVida e Obra de Mario Quintana
Vida e Obra de Mario Quintana
 
Cecília Meireles, vida, obras, características e homenagens...
Cecília Meireles, vida, obras, características e homenagens...Cecília Meireles, vida, obras, características e homenagens...
Cecília Meireles, vida, obras, características e homenagens...
 
Síntese fp
Síntese fpSíntese fp
Síntese fp
 
Biografia de Antero de Quental
Biografia de Antero de QuentalBiografia de Antero de Quental
Biografia de Antero de Quental
 

Mais de Lucilia Fonseca

Arte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporâneaArte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporâneaLucilia Fonseca
 
Arte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporâneaArte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporâneaLucilia Fonseca
 
Arte portuguesa contemporânea 1
Arte portuguesa contemporânea 1Arte portuguesa contemporânea 1
Arte portuguesa contemporânea 1Lucilia Fonseca
 
Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!
Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!
Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!Lucilia Fonseca
 
História de uma_gaivota
História de uma_gaivotaHistória de uma_gaivota
História de uma_gaivotaLucilia Fonseca
 
Apresentação poemas sobre o mar
Apresentação poemas sobre o marApresentação poemas sobre o mar
Apresentação poemas sobre o marLucilia Fonseca
 
Catálogo Coletivo WinLib
Catálogo Coletivo WinLibCatálogo Coletivo WinLib
Catálogo Coletivo WinLibLucilia Fonseca
 
Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)
Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)
Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)Lucilia Fonseca
 
A ameaça da bola f (tratado)
A ameaça da bola f (tratado)A ameaça da bola f (tratado)
A ameaça da bola f (tratado)Lucilia Fonseca
 
Sociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtorasSociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtorasLucilia Fonseca
 
Formação de utilizadores
Formação de utilizadoresFormação de utilizadores
Formação de utilizadoresLucilia Fonseca
 
Formação de utilizadores
Formação de utilizadoresFormação de utilizadores
Formação de utilizadoresLucilia Fonseca
 
Concurso nacional de leitura
Concurso nacional de leituraConcurso nacional de leitura
Concurso nacional de leituraLucilia Fonseca
 
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...Lucilia Fonseca
 
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xxA europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xxLucilia Fonseca
 
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xxA europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xxLucilia Fonseca
 
Tema i – a europa e o mundo no limiar do séc. xx
Tema i – a europa e o mundo no limiar do séc. xxTema i – a europa e o mundo no limiar do séc. xx
Tema i – a europa e o mundo no limiar do séc. xxLucilia Fonseca
 

Mais de Lucilia Fonseca (20)

Arte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporâneaArte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporânea
 
Arte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporâneaArte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporânea
 
Arte portuguesa contemporânea 1
Arte portuguesa contemporânea 1Arte portuguesa contemporânea 1
Arte portuguesa contemporânea 1
 
Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!
Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!
Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!
 
Recursos expressivos
Recursos expressivos Recursos expressivos
Recursos expressivos
 
História de uma_gaivota
História de uma_gaivotaHistória de uma_gaivota
História de uma_gaivota
 
Apresentação poemas sobre o mar
Apresentação poemas sobre o marApresentação poemas sobre o mar
Apresentação poemas sobre o mar
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Catálogo Coletivo WinLib
Catálogo Coletivo WinLibCatálogo Coletivo WinLib
Catálogo Coletivo WinLib
 
Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)
Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)
Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)
 
A ameaça da bola f (tratado)
A ameaça da bola f (tratado)A ameaça da bola f (tratado)
A ameaça da bola f (tratado)
 
A civilização grega
A civilização gregaA civilização grega
A civilização grega
 
Sociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtorasSociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtoras
 
Formação de utilizadores
Formação de utilizadoresFormação de utilizadores
Formação de utilizadores
 
Formação de utilizadores
Formação de utilizadoresFormação de utilizadores
Formação de utilizadores
 
Concurso nacional de leitura
Concurso nacional de leituraConcurso nacional de leitura
Concurso nacional de leitura
 
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...
 
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xxA europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
 
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xxA europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
 
Tema i – a europa e o mundo no limiar do séc. xx
Tema i – a europa e o mundo no limiar do séc. xxTema i – a europa e o mundo no limiar do séc. xx
Tema i – a europa e o mundo no limiar do séc. xx
 

António Agostinho Neto, poeta e primeiro presidente de Angola

  • 1.
  • 2. António Agostinho Neto nasceu a 16 de setembro de 1922 em Kaxicane, distrito de Luanda; De 1934 a 1944, completou os estudos (na escola primária e secundária); Em 1944, após concluir os estudos em Luanda, sendo funcionário dos serviços de saúde, deixa Angola e embarca para Portugal para poder frequentar a Faculdade de Medicina de Coimbra;
  • 3. Integra-se e participa nas atividades sociais, políticas e culturais da secção de Coimbra da Casa dos Estudantes do Império com sede em Lisboa; Em 1948, foi-lhe concedida uma bolsa de estudo pela igreja Metodista americana; Transfere a sua matrícula para a Faculdade de Medicina de Lisboa, onde passa a residir, e continua a sua atividade cultural e política na Casa dos Estudantes do Império;
  • 4. Em 1951, foi preso pela PIDE em Lisboa, durante 3 meses; Pela segunda vez, em 1955, foi preso durante 2 anos (período em que publica a sua primeira obra literária de poemas); A sua obra literária foi reconhecida internacionalmente.
  • 5. Em 1958, finalmente, formou-se em Medicina e, nesse mesmo dia, casa- se com Maria Eugénia Maria Eugénia Neto (viúva de Neto, foto atual)
  • 6. 1957 - Quatro Poemas de Agostinho Neto, Póvoa do Varzim 1961 - Poemas, Lisboa, Casa dos Estudantes do Império 1974 - Sagrada Esperança, Lisboa, Sá da Costa (inclui os poemas dos dois primeiros livros) 1982 - A Renúncia Impossível, Luanda, INALD (edição póstuma)
  • 7.
  • 8. Declaração As aves, como voam livremente num voar de desafio! Eu te escrevo, meu amor, num escrever de libertação. Tantas, tantas coisas comigo adentro do coração que só escrevendo as liberto destas grades sem limitação. Que não se frustre o sentimento de o guardar em segredo como liones, correm as águas do rio! corram límpidos amores sem medo. Ei-lo que to apresento puro e simples – o amor que vive e cresce ao momento em que fecunda cada flor. O meu escrever-te é realização de cada instante germine a semente, e rompa o fruto da Mãe-Terra fertilizante.
  • 9. António Agostinho Neto morre a 10 de setembro de 1979, numa sala de operações no hospital de Moscovo.
  • 10. “A vida de um homem do tamanho deste filho de África não se conta em pequenos minutos. Ficou muito por falar, muitos nomes por dizer, muitas histórias pequenas, algumas grandes também, guardadas para outra fogueira, se for o caso...Não se pode chorar mais”.
  • 11. • Ana Santos nº 4 • Catarina Sousa nº8 • Sara Vieira nº23 10ºR