SlideShare uma empresa Scribd logo
2013


         Centro Universitário de Ensino Superior do


T
                           Amazonas CIESA


                            Curso de Direito


C
       NORMAS TÉCNICAS DE
       PADRONIZAÇÃO PARA
       O   TRABALHO    DE
 0     CURSO (TC – 02)

 2
       Resumo sistematizado e adaptado das normalizações da ABNT para
       “Trabalho de Curso II”, no formato de “Artigo Científico”, a serem
       seguidas Curso de Graduação em Direito do CIESA.




                                                                        1
Equipe responsável



COORDENADORA DO CURSO DE DIREITO

         Prof. Msc. Andrea Lasmar

COORDENADOR DE TRABALHO DE CURSO

       Prof. Msc. Guilherme G.V.Mota

 PROFESSORA DE TRABALHO DECURSO

   Prof. Msc. Maria Suely Cruz de Almeida




                                            2
Sumário


1. Disposições gerais..........................................................................................................................4




2. Calendário e formulários necessários em “TC II”...........................................................................5




3. Como formatar meu Trabalho de Curso.........................................................................................8




4. Estrutura do Trabalho de Curso...................................................................................................13




5. Elementos Pré-textuais.................................................................................................................14




6. Elementos Textuais......................................................................................................................26




7. Elementos Pós-Textuais...............................................................................................................32




8. Como fazer citações.....................................................................................................................33




9. Como fazer referências.................................................................................................................40




10. Banca Examinadora...................................................................................................................41




                                                                                                                                              3
1. Disposições gerais

1 O presente Regulamento tem por finalidade normalizar as atividades relacionadas com o
   “Trabalho de Curso II”, indicar calendário das atividades, formulários e estabelecer diretrizes
   pertinentes.
2 O “Trabalho de Curso” é disciplina que tem por objetivo o estímulo à produção científica no
   Estado do Amazonas, propiciando aos alunos do curso de Direito do CIESA a oportunidade de
   demonstração dos conhecimentos técnicos da Ciência Jurídica e do aprofundamento temático
   pela consulta de bibliografia especializada, além do aprimoramento da capacidade de
   hermenêutica crítica do Direito pela produção e apresentação de projetos e trabalhos científicos.
3 A aprovação nas disciplinas “Trabalho de Curso I” e “Trabalho de Curso II”, doravante
   denominadas “TC I” e “TC II”, integrantes do Currículo Pleno do curso de Direito do CIESA,
   é condição imprescindível para a colação de grau de Bacharel em Direito.
4 A média das disciplinas “Trabalho de Curso I” e “Trabalho de Curso II” é 7,0 pontos, estando
   aprovado o aluno que atingir 28 pontos ao final do ano letivo. O “TC II” deve ser,
   necessariamente, um artigo científico com no mínimo 25 páginas de parte textual.
5 As orientações para a confecção do Projeto e do Trabalho de Curso, no que concerne às normas
   técnicas e compreensão da pesquisa científica, são de responsabilidade dos “professores de
   disciplina” que serão os professores que orientam o aluno em sala de aula.
6 A orientação sobre a temática e conteúdo do “TC II ” é de um professor do Curso de Direito do
   CIESA, denominado “professor orientador”, sendo sua responsabilidade a orientação temática
   da pesquisa do aluno a partir da formalização do “aceite”, supostamente já realizado por
   ocasião do “TC I, no ano anterior.
7 O aluno que deixar de apresentar alguma das atividades previstas em calendário, violando o
   prazo previsto, terá que apresentar requerimento junto à Coordenação de Trabalho de Curso,
   justificando o atraso a partir de atestados médicos ou documentos do mesmo gênero originais.
   Sendo deferido tal pedido, o aluno terá uma nova oportunidade, contudo será avaliado de 0 a 7
   se não comprovar motivo justo.
8 Se no decorrer de um semestre, o aluno de “TC” não entregar alguma das atividades previstas
   no calendário e não resolver a pendência junto à Coordenação de Trabalho de Curso, estará
   sumariamente reprovado na disciplina, sendo necessário repeti-la no ano posterior.
9 As aulas em TC II são ministradas pelo Prof. Msc. Guilherme G. V. Mota, às quartas-feiras,
   para a Turma “5 MA”, “5NA e 5NB” e ministradas pela Prof. Msc. Maria Sueli Cruz, na
   Segunda-feira, para a turma “05 VA”, concluindo ao final a carga de 50 horas.




                                                                                                   4
2. Calendário e Formulários necessários em “TC II”

    Abaixo, o calendário da disciplina “Trabalho de Curso II”, que também está reproduzido no
Anexo I.


                     Calendário de Trabalho de Curso II
                                                 Professor     Data de NPC     Trabalho de
 Avaliações               Atividade
                                                 Avaliador        oficial        Curso

              10 páginas + relatório.           Disciplina +     8 a 20 de   18/03 (5VA), 20/03
   1ª. NPC
                                                 orientador        Abril     (5MA/5NA/5NB).

                                                                10 a 22 de   20/05 (5VA), 22/05
   2ª. NPC    10 páginas + relatório.            Orientador
                                                                  Junho      (5MA/5NA/5NB).
                                                                   23 de
                                                Disciplina +                09/09 (5VA), 11/09
   3ª. NPC    10 páginas + relatório.                          Setembro a 5
                                                Orientador                  (5MA/5NA/5NB).
                                                                de Outubro
              Defesa do Artigo perante Banca + Componentes      18 a 30 de
   4ª. NPC                                                                   06 a 09 de Novembro
              termo de liberação para Banca.    da Banca        Novembro




      No quadro acima, é possível notar que há um campo chamado “professor avaliador”. Tal
campo se refere ao professor que irá avaliar o aluno em cada atividade, ou seja, onde aparece
“Disciplina”, significa que será o “professor de disciplina” que emitirá a nota que pode ser de 0 a 10.
Onde aparece “disciplina + orientador” significa que tanto o professor de disciplina quanto o
orientador avaliarão, cada um contribuindo com metade da nota. Onde aparece “orientador” será
somente o “professor orientador” o responsável pela avaliação e atribuição da nota do aluno.

      Na 4ª NPC, consta como avaliador os “componentes da banca”. As normas relacionadas à
Defesa do Artigo perante a Banca Examinadora estão referidas no Item 10, página 41.

      Durante o ano letivo, será necessária a apresentação dos seguintes formulários padronizados:

    (1)Relatório; (2) Termo de liberação para banca; (3) Modelo de artigo científico do CIESA


        Inicialmente serão analisados especificamente cada um desses documentos. As ilustrações
foram realizadas a partir dos modelos padronizados pela Coordenação de Trabalho de Curso,
disponíveis ao aluno no e-mail criado pela Coordenação de Trabalho de Curso:
                     LOGIN: trabalhodecursociesa@gmail.com, SENHA: alunotccciesa

                                                                                                     5
2.1.      Relatório

      O Relatório é o documento que acompanha a relação entre “professor-orientador” e aluno de
“TC”. Trata-se de uma exigência prevista no Calendário de “TC II” para todas as NPC´S, excluída a
4ª NPC em que o aluno defenderá seu Artigo Científico perante a Banca Examinadora, e na
oportunidade, será exigido outro documento. Assim, ao todo, são 3 relatórios no ano letivo, que
devem ser entregues nos prazos de cada NPC especificadas no Calendário.

      O modelo abaixo será utilizado na 1ª, 2ª e 3ª NPC.




                                                                                               6
2.2. Termo de liberação para Banca

       Na 4ª NPC não haverá apresentação de Relatório, mas será necessário que o “professor-
orientador” ateste formalmente que autoriza a defesa do Artigo Científico perante a Banca
examinadora que tem suas disposições previstas no Item 10, p. 41. A ilustração abaixo traz o
mencionado termo.




                                                                                           7
3. Como formatar o meu Trabalho de Curso no
            MS-WORD?

        Microsoft Word (2010) é o software de redação de textos mais utilizado atualmente. Para fazer
seu trabalho de curso é assim necessário aprender como formatar o texto que será escrito para que
fique dentro dos padrões de formatação exigidos pelo CIESA, embora já exista modelos previamente
padronizados para o aluno no email mencionado na página 5 e no sistema LIFE.
      Primeiro passo: adequar margens.
        No Microsoft Word, selecione a guia “Layout de página”, “Margens” e “Margens
personalizadas”.




Botão
“Margens”


                                                                  Guia “Layout de página”


Botão “margens
personalizadas”




      No quadro “Configurar página”, “margens”, escolha a margem “superior” – 3cm, “esquerda” –
3cm, “inferior” – 2cm, “direita” – 2cm.


                                                                                                   8
Superior: 3cm,
                                    Esquerda: 3cm
                                                                      Inferior:2cm
                                                                      Direita: 2cm




     Janela “Configurar página”




      Após tais definições clique na guia “página inicial” e no canto esquerdo da tela, clique em
selecionar como mostrado abaixo, e depois “selecionar tudo”.




  Guia “página inicial”                              Clique em
                                                     “selecionar”


      Clicando em “selecionar tudo”, todo o texto ficará sujeito às alterações realizadas a seguir:




                                                                                                      9
Após selecionar todo o texto escolha a letra “Times New Roman”, coloque no Tamanho 12.
Depois clique com o botão direito do mouse em cima do espaço de redação do texto. Aparecerá uma
pequena janela com opções. Clique na opção parágrafo, como demonstrado abaixo:




      Após clicar em “parágrafo” um novo quadro aparecerá. Configure da forma que está indicada
abaixo:




                                                                                             10
Na opção “espaçamento entre linhas”
                                               coloque “1,5 linhas”.




Em “Recuo” e
”espaçamento”
coloque tudo “0 pt”.




  OBSERVAÇÃO: No “espaçamento antes” será “0 pt” somente na “capa”, “folha de rosto” e
  demais elementos até a introdução. A partir da Introdução, o “Espaçamento antes” passa a
  ser “6 pt”.



          Clicando em “tabulação” aparecerá a janela abaixo. Trata-se da configuração
          do espaço de recuo, daquilo que é denominado usualmente de recuo do
          ponto parágrafo.




                                                                                             11
Coloque 1,5 de tabulação




      Em regra, todo o texto escrito deverá ser “JUSTIFICADO”, ou seja, as margens deve estar
alinhadas por igual tanto a esquerda quando direita.
        Isso pode ser facilmente realizado pela seguinte ação: selecione a parte do texto que não está
justificada e na guia “página inicial” e em “parágrafo” escolha “justificar” que é o último desenho à
direita como ilustrado abaixo:




      PRONTO! A base da formatação está pronta. Em relação a essa padronização, haverão poucas
exceções que serão analisadas pontualmente, como, por exemplo, na “capa” do TCC, o título fica em
letra 14 e não letra 12 e no Resumo, em que o espaço “entre linhas” é simples. Para isso cada elemento
da estrutura do TCC será aqui analisado.
        Nessa análise que se iniciará a seguir, o modelo utilizado nas ilustrações é o modelo padrão do
CIESA, tanto para TCC I (projeto e pré-projeto) quanto para o TCC II (Artigo científico), que estão
disponíveis no endereço eletrônico mencionado na página 5 e no LIFE.
      Ou seja, basta o aluno adquirir os modelos e incluir as informações nos locais indicados, pois
o CIESA já disponibiliza os modelos formatados.


                                                                                                    12
4. Estrutura do Trabalho de Curso


       As normas brasileiras (ABNT) fazem previsão de várias espécies de Trabalho de Curso. No
Curso de Direito do CIESA é realizado somente o formato de Artigo Científico.
       Como toda espécie de TCC, sua estrutura é dividida em elementos “pré-textuais”, “textuais” e
“pós-textuais”.
       O artigo científico que deverá ser apresentado pelo aluno do CIESA deverá conter no mínimo
25 páginas de elementos textuais. Nesse sentido, lembre-se da observação mencionada na página
anterior sobre a formatação da parte textual.




      Como já mencionado, existe o arquivo dos modelos abaixo analisados já padronizados e
disponíveis para o aluno do CIESA, entretanto, para fins acadêmicos, cada parte da estrutura do TC
será analisada. Assim, iniciaremos observando a ordem descrita na tabela acima.



                                                                                                13
5. Elementos pré-textuais

   a. Capa
        A capa é elemento de proteção externa do trabalho. Nela estão contidas informações
indispensáveis que identificam o Trabalho de Curso.


        Essas informações estão descritas na seguinte ordem: (1) nome da instituição, (2) designação
da espécie de Trabalho de Curso, (3) título em Caixa Alta, (4) nome completo do autor em Caixa Alta,
(5) local (cidade) e (6) ano de depósito (entrega do trabalho). A apresentação gráfica e suas normas
estão contidas no modelo a seguir.




Letra tamanho 14


                           5 espaços




                               7 espaços

        Letra
        tamanho
        14
                            6 espaços




                            8 espaços




                                                                                                 14
b. Capa dura e Lombada


        Na 4ª NPC, a o Trabalho de Curso deverá ser entregue em capa-dura cor vermelho-vinho e
letras douradas, uma versão em cd-room, além de 3 versões encadernadas que serão destinadas ao
componentes da Banca Examinadora.


        A capa-dura será idêntica à capa da letra “a”, acima mencionada, com o logo do CIESA
centralizado na parte superior como no exemplo acima. Deverá ser entregue no dia da defesa do artigo
perante a Banca Examinadora. Já as três versões encadernadas deverão ser entregues com
antecedência máxima de 5 dias antes da defesa.


        Lombada é a Parte da capa que reúne as margens internas ou dobras das folhas, sejam elas
costuradas, grampeadas, coladas ou mantidas juntas de outra maneira; também chamada de dorso. O
título da lombada será o título do documento e será grafada de forma descendente.




          NOME DO ALUNO                   TÍTULO E SUBTITULO                        ANO



                                                        Coloque o “ano” na vertical e não
                                                        como aparece em cima (horizontal)
  c. Folha de Rosto


      Esta folha contém os elementos constantes da capa além da seguinte informação:


“Artigo científico apresentado como exigência da Disciplina Trabalho de Curso II para obtenção do
grau de Bacharel no Curso de Direito do Centro Universitário de Ensino Superior do Amazonas –
CIESA, sob a orientação do Prof. (Esp.), (Msc.), ou (Dr) + nome completo do professor”.
        Abaixo a ilustração com exemplo da Folha de Rosto extraída do modelo padrão do CIESA:




                                                                                                 15
11 espaços




          Letra 14

                                                                     3 espaços




                                                       Repare que no modelo os
            10 espaços                                 dizeres acima não estão
                                                       entre aspas.




  d. Ficha catalográfica


      A ficha catalográfica é elaborada pela Biblioteca do CIESA. É um quadro com dados dispostos
de maneira sistemática, cujo objetivo é identificar sucintamente o assunto tratado, bem como os
aspectos físicos da obra. A apresentação gráfica está contida modelo abaixo.
      Para que haja a produção dessas, a Biblioteca do CIESA irá solicitar algumas informações, entre
as quais, quantas páginas contém, o TCC, e em razão disso, normalmente, esta será solicitada ao final
do ano.
   OBSERVAÇÃO: A ficha catalográfica fica localizada no verso da folha de rosto.




                                                                                                  16
Para mais informações sobre a ficha catalográfica, entre em contato com a Biblioteca do CIESA,
no telefone (092) 3878-2535.


  e. Folha de Aprovação


        Elemento obrigatório, colocado logo após a folha de rosto, constituído pelo nome do autor do
trabalho, título do trabalho e subtítulo (se houver), natureza, objetivo, nome da instituição a que é
submetido, área de concentração, data de aprovação, nome, titulação e assinatura dos componentes da
banca examinadora e instituições a que pertencem. A data de aprovação e assinaturas dos membros
componentes da banca examinadora são colocadas após a aprovação do trabalho.




                                                                                                    17
Letra 14 Caixa Alta




                                                                                 Esses campos
                                                                                   deverão ser
                                                                                  assinados na
                                                                               única via “capa-
                                                                                      dura”
                                                                                imediatamente
                                                                                 após a defesa.




  f. Dedicatória


   Folha opcional a ser utilizada pelo autor para prestar uma homenagem ou dedicar seu trabalho, de
forma sóbria e breve.




                                                                                                  18
Dê 21 espaços




                    Recuo de 4 cm




  g. Agradecimentos


   Folha opcional onde o autor dirige palavras de reconhecimento a pessoa(s) e /ou instituição(ões)
que tenha(m) contribuído de maneira relevante para a elaboração do trabalho.



                                                                                                19
Dê 3 espaços




Observe que
não existe
tabulação.




   h. Epígrafe

      Folha opcional onde o autor inclui uma citação que mantenha coerência com o tema abordado
   no trabalho. Após a citação, deve vir o nome do autor da citação ou, caso na haja, redigir a palavra
   “anônimo”.


                                                                                                    20
Dê 22 espaços




    Repare que o texto
    da epígrafe fica
    entre aspas.



 Repare que o espaço entre
 linhas é duplo




  i. Resumo em português e em língua estrangeira.

   Esta folha deve ser concisa e objetivamente informar ao leitor os pontos mais relevantes do
trabalho, dando a ele a possibilidade de decidir sobre a conveniência da leitura além da compreensão
do assunto sem dificuldades.



                                                                                                 21
O texto deve ser composto por uma sequência de frases correntes e, como sugestão, que sejam
 destacados o tema, a finalidade, a metodologia empregada, os resultados e as conclusões.

    O resumo deve ser redigido em parágrafo único, em espaço simples (entre linhas), com no máximo
 500 palavras e mínimo de 250, seguido das palavras-chave e de preferência na terceira pessoa do
 singular. Sua redação não deve conter quadros, tabelas, gráficos, ilustrações, equações, fórmulas,
 abreviações, siglas, símbolos e citações.


                                                          Repare que o espaço
                                                          “entre linhas” é simples.


   Essa observação é
   somente um
   lembrete, devendo
   ser apagada
   quando da
   produção do
   TCC.




Observe que não
há tabulação, nem
parágrafo.
                                                          O texto em língua
                                                          estrangeira pode ser obtido
                                                          no “Google Tradutor”, no
                                                          endereço:
                                                          http://translate.google.com.br
                                                          /




   j. Lista de Ilustrações, tabelas, abreviaturas e siglas e lista de símbolos

         Ilustrações: Consiste em uma listagem com a numeração, o título e a página de todos os
 desenhos, fluxogramas, fotografias, mapas e outros. Essas ilustrações devem ser elaboradas de acordo
 com a ordem apresentada no texto, exceto aquelas que se localizam nos Apêndices e Anexos.

                                                                                                  22
Exemplo:

      LISTA DE ILUSTRAÇÕES - EXEMPLO
      Figura 1 – Mapa do Estado de São Paulo – Vias Férreas – 1950 -.........................................59
      Figura 2 – Fotografia da Estação Ferroviária de Ribeirão Preto – 1958 .................................74


Tabelas: Consiste numa listagem com a numeração, o título e a página de todas as tabelas elaboradas
de acordo com a ordem apresentada no texto, exceto aqueles que se localizam nos Apêndices e
Anexos.

       Exemplo:

      LISTA DE TABELAS
      Tabela 1 – Nível de satisfação dos funcionários .........................................................................21
      Tabela 2 – Índice de aceitação por idade ....................................................................................62




Abreviaturas e siglas: Consiste na relação alfabética das abreviaturas ou siglas, seguidas de seu
respectivo significado ou nome por extenso sem a necessidade e indicar as páginas onde estão
localizadas. Exemplo:

     LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS - EXEMPLO
     BSC: Balanced Scorecard
     LNT: Levantamento das Necessidades de Treinamento
     PPR: Programa de Participação nos Resultados
     RH: Recursos Humanos
     ROI: Retorno Sobre Investimento
     T&D: Treinamento e Desenvolvimento


Símbolos: Consiste na relação dos símbolos ou sinais, seguidos de seu devido significado e na ordem
em que estão apresentados no trabalho sem a necessidade de indicar as páginas onde se localizam.

       Exemplo:

     LISTA DE SÍMBOLOS - EXEMPLO
     HCL: ácido clorídrico
     n: tamanho da amostra ou número de variáveis


  l. Sumário

          O sumário consiste na enumeração das principais divisões, capítulos, seções e outras partes do
trabalho, na mesma ordem e grafia em que a matéria nela se sucede. Seu objetivo é o de organizar e
indicar ao leitor a disposição geral do trabalho de maneira objetiva e resumida.



                                                                                                                                        23
Devem ser incluídas todas as listas apresentadas, os capítulos e seções do desenvolvimento e
  os elementos pós-textuais.




No sumário,
espaçamento
entre linhas é
duplo,
correspondend
o a uma
exceção ao
resto da
formatação.
Não será
duplo se
superar 1
página.




     m. Numeração

          A contagem de páginas se inicia na capa do TC, contudo a numeração só se inicia (só começa
     a aparecer) na introdução. Abaixo a ilustração de como inserir a numeração nas páginas do TC:




                                                                                                     24
Tecle na guia “inserir”.                          Tecle em “números de página”



               Escolha “numero sem formatação 3”
                                                                  Tecle na opção “fim da página”.




        Quando o aluno faz essas opções, toda a estrutura do Trabalho de Curso estará numerada, o
que não estará correto, pois como já se mencionou a numeração somente começa a aparecer na
introdução. Dessa forma, a solução menos complicada é antes de colocar a numeração, imprimir a
parte pré-textual, sem qualquer numeração e depois disso, colocar a numeração e imprimir o restante.




                                                                                                    25
6. Elementos Textuais

   a. Introdução

   É a parte inicial do trabalho onde se apresenta a formulação e delimitação do assunto tratado, os
objetivos da pesquisa e outros elementos que possam ser necessários para sua identificação. A técnica
da Introdução será repassada em sala de aula, mas sabe-se que deverá ocupar pelo menos uma folha da
parte textual. É oportuno dizer que a contagem das páginas se inicia na capa, mas a numeração
começa a aparecer justamente na introdução como se vê abaixo. A numeração do TC já foi
compreendida na página anterior.




                                                                Inserir dois espaços




        OBSERVAÇÃO: Como já mencionado antes, a partir da introdução o espaçamento
    “depois” será de 6pt, o que deve ser alterado como consta na ilustração abaixo:


                                                                                                  26
Observe!




   b. Desenvolvimento

          No artigo científico, não há capítulo, há item. Não há também divisão de página como na
Monografia, em que quando acaba um capítulo, ou outro deve começar em outra página. Isso não
ocorre no artigo científico, que deve ser todo “seguido” e contínuo.

          As partes devem ser numeradas e apresentadas numa sequência de subdivisões, partindo do
Geral para o mais específico. O tamanho das fontes também deve obedecer esta sequência, indo do
maior (geral) para o menor (específico) como exemplificado no painel abaixo:

                                       Seção primária 1
                                       Seção secundária 1.1
                                       Seção terciária 1.1.1
                                       Seção quaternária 1.1.1.1


          Assim cada uma dessas seções possuem configurações específicas, como pode ser verificar a
seguir:
               Seção primária – Letras Maiúsculas, em negrito, fonte 14, alinhado à esquerda.
               Seção secundária - 1ª. letra maiúscula, fonte 12, em negrito, alinhado à esquerda.
               Seção terciária - 1ª. letra maiúscula, fonte 12, sem negrito, alinhado à esquerda.
               Seção quaternária - 1ª. letra em maiúscula, fonte 12, sem negrito, em itálico,
               alinhado à
               esquerda.
                                                                                                    27
Excepcionalmente, na primeira folha do desenvolvimento, Haverá menção do Título do artigo,
 centralizado, com letra tamanho 16, negrito. Logo abaixo, o nome completo do aluno centralizado,
 letra 14.

        Seguindo essas observações a formatação ficará da seguinte forma:

         Letras
     Maiúsculas, em
      negrito, fonte
           14,                                                      Observe que o título está
      centralizado.                                                 em letra no tamanho 16 e o
                                                                    nome do aluno em letra 14




                                                                                       Dê um
                                                                                   espaço e no
                                                                                   segundo já
                                                                                     comece a
                                                                                     escrever,
                                                                                  observando a
Esse espaço,                                                                        tabulação.
tecnicamente                                                                       Repare que
chamado de                                                                            isso não
tabulação,                                                                          ocorre nas
possui um                                                                              demais
recuo de 1,5                                                                           seções.
cm e deve ser
observado em
todo o TC.




             b. Elementos de apoio ao texto para o artigo científico.
             Durante o desenvolvimento do texto, se faz necessário fundamentar as informações que são
 apresentadas. Na fundamentação do TCC, alguns elementos servem de apoio para confirmar as ideias
 do texto. São eles: as citações, as notas de rodapé, as abreviaturas e siglas, os quadros, as tabelas, os
 gráficos e as demais ilustrações.




 As citações serão vistas no Item 8, página 33.
                                                                                                       28
b.1.Abreviaturas e siglas
       A abreviatura é a representação de uma palavra por meio de alguma(s) de suas sílabas ou letras.
A sigla é a reunião das letras iniciais dos vocábulos fundamentais de uma denominação ou título.
       São utilizadas nos trabalhos acadêmicos e sua repetição pode ocorrer várias vezes. Tanto as
abreviaturas quanto as siglas devem ser redigidas em letras maiúsculas, sem negrito, e na mesma fonte
utilizada no texto (Times New Roman).
       Ambas devem ter seu significado redigido entre vírgulas somente quando apresentadas pela
primeira vez no trabalho.


b.2. Quadros e Tabelas.
       Os quadros, são livres arranjos que o autor faz para organizar e sistematizar a apresentação de
algumas informações, são preferencialmente descritivos, essencialmente informativos e não analíticos.
Já as tabelas são representações numéricas de dados quantitativos coletados por meio de instrumentos
próprios para este fim.
       Ambos são utilizados para explicar, esclarecer e apoiar as ideias mostradas no trabalho e podem
ser incluídos no trabalho a qualquer momento. Seu esboço ou indicação no texto pode acontecer de
modo isolado ou entre parênteses.As regras para quadros e tabelas são:
   1) Devem ser colocados entre parágrafos, não entre linhas e sem texto escrito ao lado;
   2) Estar próximos do trecho a que se referem;
   3) Estar centralizados na página e com disposição de texto alinhada.
   4) Em nenhuma hipótese as margens devem ser ultrapassadas, ou seja, deverão estar enquadrados
       nas margens adotadas. Caso seja indispensável sua alocação no trabalho, esta poderá ser
       incluída como um Apêndice ao final do mesmo.
   5) Os textos e números nos quadros e nas tabelas devem ser redigidos em Times New Roman
       tamanho 12, na cor preta e com espaçamento simples.
   6) Toda vez que se inserir um quadro ou uma tabela, sua legenda e sua referência deverão estar
       indicadas obrigatoriamente.
   7) Se a tabela é baseada nas informações do autor, mas não é transcrita literalmente, não precisa a
       menção da página, mas se é cópia literal, deve haver menção de que a tabela foi retirada na
       integra e deve haver a menção da página.


       Verifique a ilustração abaixo:
              Nesse caso, a tabela apresentada é baseada nas informações da fonte mencionada, mas
       sua disposição, organização não foi idêntica. Assim na fonte não é necessária a menção da
       página.

                                                                                                   29
Tudo
                                                                                              na
                                                                                              mesma
                                                                                              letra
                                                                                              12,
                                                                                              times
                                                                                              new
                                                                                              roman.




 Legenda                Referência na
                        letra 10



       Havendo utilização de tabelas, uma lista pré-textual para cada tipo de objeto deve ser elaborada,
inserida após o Sumário.




b.3. Gráficos e demais ilustrações
       Os gráficos são representações visuais de categorias variáveis e tendências, cuja leitura é
orientada, mais pelas curvas do que pelos números. São preferencialmente, montados a partir dos
dados de tabelas e podem ser apresentados conjuntamente com estas.


       Sua indicação deve ocorrer diretamente no texto, fazendo parte de uma afirmação ou isolada
entre parênteses, assim como ocorre com os quadros e tabelas.


       Os textos e números inseridos tanto nos gráficos e nas ilustrações devem ser redigidos em Times
New Roman tamanho 12 na cor preta e com espaçamento simples. Cores de fundo são facultativas,
mas sua utilização deve ser moderada. Os demais detalhes estéticos como bordas, linhas e outros
aspectos de formatação ficam a cargo do autor, desde que esta configuração seja mantida em todos os
quadros e tabelas do trabalho.




                                                                                                       30
Exemplo:




Legenda;
Letra T.N.R
tamanho 12




               Referencia; Letra 10




                                      31
7. Elementos Pós-Textuais

       Os elementos pós-textuais complementam o trabalho permitindo conhecer o material de
referência consultado e completar informações. São eles: referências, apêndices e anexos.


7.1. Referencias.
       É elemento obrigatório, indispensável na identificação de todas as publicações utilizadas para
corroborar as ideias expostas no desenvolvimento do trabalho.
       Este elemento possibilita ao leitor, buscar e consultar as fontes utilizadas e é fundamental que se
apresente de maneira uniforme.
       As referências devem ser organizadas em ordem alfabética e, com o objetivo de padronizar a
organização das referências, optou-se pelo sistema autor-data. Devem ser postas em espaço simples,
com mais um espaço entre cada obra, sendo alinhadas à esquerda. (ver exemplo no final deste
manual).


7.2. Apêndices.
       É elemento opcional que consiste em texto ou documento elaborado pelo próprio autor do
trabalho com o objetivo de complementar sua argumentação. São identificados por letras maiúsculas
consecutivas, seguidas de travessão e dos respectivos títulos. Excepcionalmente utilizam-se letras
maiúsculas dobradas na identificação dos apêndices, quando esgotadas as 23 letras do alfabeto.
Exemplos:
                        APÊNDICE A – Representação das normas e exemplos
                            APÊNDICE B – Valores descritos no laudo técnico


7.3. Anexos.
       É elemento opcional que consiste em texto ou documento não elaborado pelo próprioautor do
trabalho com o objetivo de complementar, comprovar e ilustrar. São identificados por letras
maiúsculas consecutivas, seguidas de travessão e dos respectivos títulos.
       Excepcionalmente utilizam-se letras maiúsculas dobradas na identificação dos apêndices,
quando esgotadas as 23 letras do alfabeto.
Exemplos:
                            ANEXO A – Modelo de capa para monografias
                            ANEXO B – Modelo de formulário de avaliação
                            ANEXO AA – Modelo de folha de pontuação




                                                                                                       32
8. Como fazer citações

       Qualquer informação trazida ao leitor no “TC I” deve possuir a fonte, ou seja, a menção da
obra da qual procede tal informação, seja esta oriunda de um livro, artigo, documento, físico ou
eletrônico.
       Essa exigência é o que torna a pesquisa, um trabalho científico, pois se o pesquisador traz
informações e não indica procedência, seus posicionamentos perdem a credibilidade e passam a ser
considerados meros “achismos” de quem escreve. Está na observância das técnicas, o atributo
científico que traz credibilidade.
       Neste sentido:

  A Citação é a menção de uma informação extraída/obtida de outra fonte com o objetivo de
  comprovar/confirmar as ideias que estão sendo desenvolvidas no trabalho.
  No CIESA, as citações não são realizadas mediante “Nota de rodapé”, mas somente no sistema
  “autor-data”.



8.1 Notas de Rodapé
       Acerca da fundamentação, existem regulamentos universitários que permitem o uso
incondicional das notas de rodapé.


              Contudo no TCC do CIESA, as notas de rodapé desempenham um único
              papel: de serem considerações suplementares ou esclarecimentos realizados
              pelo autor do trabalho, estando sujeitas à seguinte condição: somente
              podem ser utilizadas, se não houver outra forma de mencionar a
              informação no corpo do texto.

       Assim, a notas permitidas podem ser: a) notas de referência sobre endereço eletrônico; b) notas
explicativas, localizadas na região inferior da página, separadas do texto por um espaço simples de
entrelinhas, com filete de aproximadamente 3 cm, digitadas com fonte 10 dentro das margens e a partir
da margem esquerda.


         Importante: Utilizamos o sistema autor-data para as citações no texto e o sistema
         numérico, para notas explicativas realizadas mediante “nota de rodapé”.




                                                                                                   33
Exemplo de nota de rodapé de referência para endereço eletrônico:




        Neste caso não havia forma de utilizar o sistema autor-data, pois a informação é
disponibilizada em um site especializado que não mencionou o ano que a informação foi postada com
precisão, muito menos o nome de um autor, uma vez que os dados são de autoria de uma instituição
que possui credibilidade reconhecida, que é o King´s College London.

             Observação: quando citar sites, busque aqueles dotados de credibilidade,
             evitando “enciclopédias livres” como a Wikipedia.



       Exemplo de nota de rodapé explicativa:




                                                                                              34
Repare a utilização da “nota de rodapé”
                                              meramente para explicar um conceito.




       8.2 Citações pelo Sistema “autor-data”
        Mediante o sistema “autor-data” as fontes das citações são mencionadas no próprio corpo do
texto. Ao lado da informação coloca-se em um parêntese, o sobrenome do autor, o ano e a página
consultada quando tratar de “citação direta” e, sem indicação da página, quando for “citação
indireta”. Observa-se que, ao final do trabalho será possível identificar qual é a obra citada pela
verificação do sobrenome e ano mencionados na citação em parênteses, no campo de referências.


       A citação pode ser:
       (1) direta ou transcrição – deve conter o número da página;
       (2) indireta ou paráfrase – não deve conter o número da página;
       (3) citação de citação.


       8.2.1 Citação direta ou transcrição
       É a transcrição textual de parte da obra consultada, ou seja, a citação é, em si, a fiel reprodução
literal do trecho de uma determinada obra consultada, sem qualquer alteração na grafia, pontuação,
etc. No sistema “autor-data” de citação (o sistema adotado pelo CIESA), deverá ser mencionado o
sobrenome do autor e o ano da obra, e além dessas duas informações, NO CASO DAS CITAÇÕES
DIRETAS, o aluno deve mencionar a página da obra de onde retirou a citação. As citações diretas, no
texto, de até três linhas, devem estar contidas entre aspas duplas.
      Exemplo:
                                                     Verifique que na citação direta
                                                     deve haver menção da página.




                                                     Observe que a citação direta foi de
                                                     somente 3 linhas. Por isso é colocada
                                                     diretamente no texto, entre aspas.
    Repare a tabulação 1,5.
                                                                                                       35
Contudo se a citação direta ultrapassar três linhas do texto, deve ser colocada em recuo de 4cm,
letra 10, espaço simples “entre linhas”, como se pode observar no exemplo abaixo:




  Verifique a citação
  possui recuo de 4cm.




  Repare que não se usa            Observe que o espaço entre linhas é simples
  tabulação.                       e o tamanho da letra é 10.


             A supressão (parte do trecho transcrito omitido) deve ser indicada por reticências dentro
      de colchetes.
       Exemplo:




        As reticências foram colocadas entre colchetes, pois houve uma supressão, isso
        ocorre quando a transcrição da frase (no caso em análise) originalmente não iniciava
        na palavra “princípio” e sim em alguma outra que foi suprimida.




                                                                                                   36
8.2.2 Citação indireta ou paráfrase.
       É a reprodução/expressão da idéia de um autor citado, com palavras próprias do autor do TC,
sem transcrição literal.
     Exemplo:




        Como se pode perceber no trecho acima, as palavras são do autor do “TC”, ou seja, do aluno,
e dessa forma, por não ser transcrição direta ou literal, não há a necessidade de utilizar aspas e menção
da página consultada. Significa que o aluno se baseou na idéia do autor contida no livro especificado,
mas não trouxe as palavras do autor da obra consultada ipsi literis (literalmente).


8.2.3 Citação de citação
       É a citação direta ou indireta de um texto em que não se teve acesso ao documento original. Em
Direito, isso basicamente ocorre quando se menciona as palavras de um autor encontradas em um
livro de outro autor. Neste sentido, deve ser indicado o sobrenome do autor do documento original
(não consultado), seguido da data (se houver), da expressão latina apud (citado por, conforme,
segundo), do sobrenome do(s) autor(es) do documento efetivamente consultado, data e página (se for
citação direta). A citação da obra deve ser incluída nas referências.
Exemplo em citação direta:




                                                                                                      37
Nesse caso, o autor não consultou o livro de
                                                    MAUER, mas transcreveu um trecho em que
                                                    CHRISTIE cita MAUER.

8.2.4 Apresentação dos autores no texto
       As citações devem ser indicadas no texto pelo sistema “autor-data”. Esse sistema ou método
adotado deve ser seguido de forma consistente ao longo de todo o trabalho. Nesse momento é
importante compreender como é possível apresentar os autores no sistema “autor data” de citação.


       8.2.4.1 Citação com um autor
       Quando o nome do autor estiver incluído na sentença (na própria frase) indica-se a data, entre
parênteses, acrescida da(s) página(s), se a citação for direta.
       Exemplo:




       Quando o nome do autor estiver entre parênteses, este deverá ser colocado em letras
maiúsculas.
       Exemplo:




       ]




       Quando houver coincidência de sobrenomes de autores, acrescentam-se as iniciais de seus
prenomes; se mesmo assim existir coincidência, colocam-se os prenomes por extenso.
       Exemplo:

           [...] (BARBOSA, Cássio, 1958)                          [...] (BARBOSA, Celso, 1958)

           [...] Barbosa, Cássio (1958)                           Barbosa, Celso (1958) [...]
                                                                                                   38
As citações de diversos documentos de um mesmo autor, publicados num mesmo ano, são
distinguidas pelo acréscimo de letras minúsculas, em ordem alfabética (a, b, c), após a data e sem
espacejamento.
       Exemplo:




       8.2.4.2 Citação com dois autores
       Quando os nomes dos autores estiverem incluídos na sentença, separam-se os sobrenomes dos
autores citados pela letra “e”. “Caso estejam fora da sentença, indicam-se os sobrenomes dos autores
entre parênteses, separados por ponto e vírgula “;”.
      Exemplo:

        Litwin e Stringer (1968) [...] ou [...] (LITWIN; STRINGER, 1968)

       8.2.4.3. Citação com 3 autores
       Quando os nomes dos autores estiverem incluídos na sentença, separa-se o primeiro sobrenome
do seguinte por vírgula (,) e o segundo sobrenome do terceiro pela letra “e”. Caso estejam fora da
sentença, indicam-se os sobrenomes dos autores entre parênteses, separados por ponto e vírgula (;).
      Exemplo
         Anthony, Perrewe e Kacmar, (1996) [...] [...] (ANTHONY; PERREWÉ; KACMAR, 1996).


      8.2.4.4 Citação com 4 autores.
       Indicar o sobrenome do primeiro autor seguido da expressão latina et al. (e outros).
      Exemplo:


                            Schneider et al. (2000) [...] [...] (SCHNEIDER et al., 2000)
                                                                                                      39
9. Como fazer referências

       As referências são compostas dos documentos efetivamente citados no trabalho. As referências
são feitas na parte final do trabalho, após a Conclusão (e antes dos anexos e apêndices).
       Devem estar relacionadas aos documentos, obras e autores que foram mencionados no decorrer
do texto, nas citações diretas e indiretas, apresentando-se por ORDEM ALFABÉTICA.
       O modelo das referências deste manual foi normalizado de acordo com a ABNT – NBR 6023.
As normas para notação das referências bibliográficas estão descritas a seguir.


9.1 Autoria por número de autores
9.1.1 Um autor


      SOBRENOME DO AUTOR, Prenome (por extenso). “Título da obra: subtítulo”. Edição
      n. Local de publicação (Cidade): Editora, data de publicação.


       Eventualmente, o(s) nome(s) do(s) autor(es) de várias obras referenciadas sucessivamente, na
mesma página, pode(m) ser substituído(s), nas referências seguintes à primeira, por um traço sublinear
(equivalente a seis espaços) e ponto.




      Exemplo:




9.1.2 Dois autores


   SOBRENOME DO PRIMEIRO AUTOR, Prenome(s) (por extenso); SOBRENOME
   DO SEGUNDO AUTOR, Prenome(s) (por extenso). “Título da obra: subtítulo”. Edição
   n. Local de publicação (Cidade): Editora, data de publicação.




                                                                                                   40
9.1.3 Até 3 atores

 SOBRENOME DO PRIMEIRO AUTOR, Prenome(s) (por extenso); SOBRENOME DO
 SEGUNDO AUTOR, Prenome(s) (por extenso); SOBRENOME DO TERCEIRO AUTOR,
 Prenome(s) (por extenso). “Título da obra: subtítulo”. Edição. Local de publicação (Cidade):
 Editora, data de publicação.

9.1.4 Mais de três autores
Indica-se apenas o primeiro, acrescentando-se a expressão et al (e outros).

 SOBRENOME DO PRIMEIRO AUTOR, Prenome(s) (por extenso) et al.                       “ Título da obra:
 subtítulo”. Edição n. Local de publicação (Cidade): Editora, data de publicação.



9.2 Autor com indicação de responsabilidade intelectual (Org/ Coord).

 SOBRENOME(S) DO(S) AUTOR(ES) da parte referenciada, Prenome(s) (extenso). “Título da parte
 referenciada”. In: SOBRENOME(S) DO(S) AUTOR(ES) (ou editor, etc.), Prenome(s) (por extenso)
 da publicação. “Título da publicação”. Edição. Local: Editora, data de publicação. Capítulo, páginas
 (inicial e final).

   Exemplo:

 SHINYASHIKI, Gilberto Tadeu. O processo de socialização organizacional. In: FLEURY, Maria
 Tereza Leme (Org.). As Pessoas na Organização. São Paulo: Gente, 2002. p. 165-184.



9.3 Artigo ou matéria de periódico.

   SOBRENOME(S) DO(S) AUTOR(ES), Prenome(s) (iniciais ou por extenso). “Título do artigo:
   subtítulo”. Título da publicação, Local de publicação (Cidade), volume, fascículo, paginação inicial
   e final do artigo, período e data de publicação.
   Exemplos:
    Exemplo:
SOUZA, Edela Lanzer Pereira. “Clima e estrutura de trabalho”. Revista de Administração, São Paulo,
v. 22, n.1, p.14-18, jan/mar, 1982.


9.4 Artigo, matéria de revista, CD-ROOM e meio eletrônico.

                                                                                                    41
As referências devem obedecer aos padrões indicados para artigo e/ou matéria de revista,
boletim etc., de acordo com o item anterior, acrescidas das informações relativas à descrição física do
meio eletrônico (disquetes, CD-ROM, online etc.). Quando se tratar de obras consultadas online,
proceder-se-á conforme observação abaixo.


Exemplos:
NO CD-ROOM
VIEIRA, Cássio Leite; LOPES, Marcelo. “A queda do cometa”. Neo Interativa, Rio de Janeiro, n. 2,
inverno 1994, 1 CD-ROM.
ONLINE
ALVES,                     Castro.                Navio                  negreiro.                Disponível
em:<http://www.terra.com.br/virtualbooks/freebook/port/Lport2/navionegreiro.htm>. Acesso em:
10 jan. 2002.
9.5. Teses e dissertações

    SOBRENOME DO AUTOR, Prenome(s) (por extenso). Título: subtítulo. Data (ano de depósito).
    Folhas. Grau de dissertação ou tese – Unidade onde foi defendida, Local, data (ano da defesa).

9.6. Documento jurídico
           Inclui legislação, jurisprudência (decisões judiciais) e doutrina (interpretação dos textoslegais).
Elementos essenciais:
   JURISDIÇÃO (PAÍS, ESTADO ou MUNICÍPIO). Título (Lei ou Decreto), número da lei, data –
   dia,
   mês e ano – Seção, página.
          No caso de Constituição e suas emendas, entre o nome da jurisdição e o título, acrescenta-se a
palavra Constituição, seguida do ano de promulgação, entre parênteses.
Exemplos:
SÃO PAULO (Estado). Decreto nº 42.822, de 20 de janeiro de 1998. Lex: coletânea de legislação e
jurisprudência, São Paulo, v. 62, n. 3, p. 217-220, 1998.


BRASIL. Constituição (1988). Emenda constitucional nº 9, de 9 de novembro de 1995. Da nova
redação ao art. 177 da Constituição Federal, alterando e inserindo parágrafos. Lex: legislação federal e
marginalia, São Paulo, v. 59, p. 1966, out./dez. 1995.


AMAZONAS, Lei nº ......, ANO. Ementa. Nome da publicação, local, volume, fascículo, página
inicial e final, data da publicação.



                                                                                                           42
Exemplo:
BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação
nacional. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, v. 134, n. 248, 23 dez.
1996.Seção I, p. 27834-27841.


9.7. Medida provisória


BRASIL. Medida Provisória n° 209, de 21 de agosto de 1990. Dispõe sobre as funções de confiança a
que se refere a Lei n° 7.596, de 10 de abril de 1987 e dá outras providências. Diário Oficial [da
República Federativa do Brasil], Brasília DF, v. 128, n. 162, p. 15.935, 21 ago. 1990.Seção 1., pt.1.


9.8.Jurisprudência
Exemplo: (dados fictícios):

  JURISDIÇÃO (UNIÃO OU NOME DE ESTADO). Órgão judiciário competente, título (natureza
  da decisão ou ementa) e número, partes envolvidas (se houver), relator, local, data e dados da
  publicação.
BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Processual Penal. Hábeas Corpus. Constrangimento ilegal.
Hábeas corpus nº 181.636-1 1ª Turma. Relator:Ministro Hélio Mosimann. Brasília, DF, 6 dez. 1994.


Revista do Superior Tribunal de Justiça, n. 95, p. 236-238, mar. 1998.
Acórdãos, Decisões, Deliberações e Sentenças das Cortes ou Tribunais.
AUTOR (entidade coletiva responsável pelo documento). Nome da Corte ou Tribunal. Ementa
(quando houver). Tipo e número do recurso (apelação, embargo, habeas-corpus, mandado de
segurança, etc.). Partes litigantes. Nome do relator precedido da palavra "Relator". Data, precedida da
palavra (acórdão ou decisão ou sentença) Dados da publicação que o publicou. Voto vencedor e
vencido, quando houver.
Exemplo:
BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Ação Rescisória que ataca apenas um dos fundamentos do
julgado rescindendo, permanecendo subsistentes ou outrosaspectos não impugnados pelo autor.
Ocorrência, ademais, de imprecisão na identificação e localização do imóvel objeto da demanda.
Coisa julgada. Inexistência. Ação de consignação em pagamento não decidiu sobre domínio enão
poderia fazê-lo, pois não é de sua índole conferir a propriedade a alguém.
Alegação de violação da lei e de coisa julgada repelida. Ação rescisória julgada improcedente. Acórdão
em ação rescisória n. 75-RJ. Manoel da Silva Abreu e Estado do Rio de Janeiro. Relator: Ministro
Barros Monteiro. DJ, 20 nov. 1989.
Lex: Coletânea de Legislação e Jurisprudência, São Paulo, v.2, n. 5, jan. 1990.p.7-14.

                                                                                                        43
10. Banca Examinadora

         Em 2013 a defesa do artigo científico perante a banca examinadora será exigência de 4ª NPC
dos alunos de “TC II”.
10.1. Da programação das Bancas e componentes.
         A programação das bancas com data e hora será estabelecida pela Coordenação de Trabalho de
Curso e publicada no início de Abril de 2013.
         A banca será composta pelo “professor orientador” que será o presidente da Banca, um
“professor de disciplina” e por um “professor indicado” pela Coordenação de Trabalho de Curso, ou
ainda, pelo próprio aluno.
10.2. Do professor indicado
         O professor indicado pelo aluno pode ser da Instituição ou não. Se for de fora da Instituição
deve ser efetivamente professor de Direito, com pelo menos título de especialista, não ser parente até 2ª
grau do aluno.
         Para que possa haver essa indicação pelo aluno, o mesmo deve entrar em contato com o
professor indicado e apresentar o termo de compromisso de participação na Banca Examinadora no
dia de Março de 2013, devidamente assinado, na Coordenação de Trabalho de Curso.
         Não havendo indicação do aluno, o professor será indicado pela Coordenação de Trabalho de
Curso.
10.3. Requisitos para participação na Banca
         Para participar da Banca Examinadora na 4ª NPC o aluno deverá apresentar três vias da versão
original de seu artigo científico, com cópia do Termo de Liberação para Banca em até 7 dias antes do
dia em que foi programada a Banca Examinadora. Deverá ainda trazer a versão capa-dura e uma
versão em CD-ROOM no dia da defesa perante a Banca.
         Todos os requisitos acima mencionados são eliminatórios.
10.4. Da defesa
         Na defesa, o aluno em “TC II” terá de 10 (dez) minutos para defender seu artigo científico
perante a banca examinadora, podendo haver a concessão de mais 5(cinco) minutos. Os componentes
da banca terão no máximo 5 (cinco) minutos para fazer considerações, e no caso de perguntas, o aluno
terá 2 minutos para responde-las.
         A atribuição das notas se efetivará após o encerramento da defesa. A nota final do aluno é o
resultado da média aritmética das notas atribuídas pelos 3 (três) membros da banca examinadora.
         Se o aluno for reprovado, terá no máximo 05 (cinco) dias para apresentar reformulações
sugeridas pelos componentes da Banca. O aluno que não se apresentar para a sua defesa oral, sem
motivo justificado estará automaticamente reprovado na disciplina “TC II”.


                                                                                                      44

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Normas Acadêmicas FATEC
Normas Acadêmicas FATECNormas Acadêmicas FATEC
Normas Acadêmicas FATEC
César Augusto Fernandes
 
Manual de Trabalhos acadêmicos da UDESC - formato A5
Manual de Trabalhos acadêmicos da UDESC - formato A5Manual de Trabalhos acadêmicos da UDESC - formato A5
Manual de Trabalhos acadêmicos da UDESC - formato A5
Andreza Luz
 
Tcc -diretrizes_eesc_v_2010
Tcc  -diretrizes_eesc_v_2010Tcc  -diretrizes_eesc_v_2010
Tcc -diretrizes_eesc_v_2010
Milene Carvalho de Sousa
 
Guia elaboracaotfc
Guia elaboracaotfcGuia elaboracaotfc
Guia elaboracaotfc
Georgiana de Moraes
 
Redação e formatação de trabalhos científicos de acordo com as normas da abnt
Redação e formatação de trabalhos científicos de acordo com as normas da abntRedação e formatação de trabalhos científicos de acordo com as normas da abnt
Redação e formatação de trabalhos científicos de acordo com as normas da abnt
Marcelo Chaves de Jesus
 
Manual abnt-ufvjm
Manual abnt-ufvjmManual abnt-ufvjm
Manual abnt-ufvjm
João Rafael Lopes
 
Manual do tcc 2013 1
Manual do tcc 2013 1Manual do tcc 2013 1
Manual do tcc 2013 1
Dércio Luiz Reis
 
Novo manual tcc versão-1 2012
Novo manual tcc   versão-1 2012Novo manual tcc   versão-1 2012
Novo manual tcc versão-1 2012
Fatec São Bernardo do Campo
 
Tcc caf regimento
Tcc caf regimentoTcc caf regimento
Tcc caf regimento
Cassio Meira Jr.
 

Mais procurados (9)

Normas Acadêmicas FATEC
Normas Acadêmicas FATECNormas Acadêmicas FATEC
Normas Acadêmicas FATEC
 
Manual de Trabalhos acadêmicos da UDESC - formato A5
Manual de Trabalhos acadêmicos da UDESC - formato A5Manual de Trabalhos acadêmicos da UDESC - formato A5
Manual de Trabalhos acadêmicos da UDESC - formato A5
 
Tcc -diretrizes_eesc_v_2010
Tcc  -diretrizes_eesc_v_2010Tcc  -diretrizes_eesc_v_2010
Tcc -diretrizes_eesc_v_2010
 
Guia elaboracaotfc
Guia elaboracaotfcGuia elaboracaotfc
Guia elaboracaotfc
 
Redação e formatação de trabalhos científicos de acordo com as normas da abnt
Redação e formatação de trabalhos científicos de acordo com as normas da abntRedação e formatação de trabalhos científicos de acordo com as normas da abnt
Redação e formatação de trabalhos científicos de acordo com as normas da abnt
 
Manual abnt-ufvjm
Manual abnt-ufvjmManual abnt-ufvjm
Manual abnt-ufvjm
 
Manual do tcc 2013 1
Manual do tcc 2013 1Manual do tcc 2013 1
Manual do tcc 2013 1
 
Novo manual tcc versão-1 2012
Novo manual tcc   versão-1 2012Novo manual tcc   versão-1 2012
Novo manual tcc versão-1 2012
 
Tcc caf regimento
Tcc caf regimentoTcc caf regimento
Tcc caf regimento
 

Semelhante a Normas técnicas de padronização para o trabalho de curso (tc 02)

Orientações TCC Eng Comp
Orientações TCC Eng CompOrientações TCC Eng Comp
Orientações TCC Eng Comp
Elaine Cecília Gatto
 
Gestão de Projetos - Aula 1
Gestão de Projetos - Aula 1Gestão de Projetos - Aula 1
Gestão de Projetos - Aula 1
Alessandro Almeida
 
Ciências Econômicas - TCC.pdf
Ciências Econômicas - TCC.pdfCiências Econômicas - TCC.pdf
Ciências Econômicas - TCC.pdf
HELENO FAVACHO
 
Ncc 4 ed.pdf
Ncc 4 ed.pdfNcc 4 ed.pdf
Ncc 4 ed.pdf
André Silva
 
Educação Física Bacharelado - Trabalho de Conclusão de Curso II.pdf
Educação Física Bacharelado - Trabalho de Conclusão de Curso II.pdfEducação Física Bacharelado - Trabalho de Conclusão de Curso II.pdf
Educação Física Bacharelado - Trabalho de Conclusão de Curso II.pdf
HELENO FAVACHO
 
Curso de Direito do Trabalho para OAB 1ª Fase XXX Exame de Ordem
Curso de Direito do Trabalho para OAB 1ª Fase XXX Exame de OrdemCurso de Direito do Trabalho para OAB 1ª Fase XXX Exame de Ordem
Curso de Direito do Trabalho para OAB 1ª Fase XXX Exame de Ordem
Estratégia OAB
 
Curso de Direito do Trabalho para OAB 2ª Fase XXIX Exame de Ordem
Curso de Direito do Trabalho para OAB 2ª Fase XXIX Exame de OrdemCurso de Direito do Trabalho para OAB 2ª Fase XXIX Exame de Ordem
Curso de Direito do Trabalho para OAB 2ª Fase XXIX Exame de Ordem
Estratégia OAB
 
Engenharia de Software II - Aula 3
Engenharia de Software II - Aula 3Engenharia de Software II - Aula 3
Engenharia de Software II - Aula 3
Alessandro Almeida
 
Engenharia Civil TCC 1 e 2
Engenharia Civil TCC 1 e 2Engenharia Civil TCC 1 e 2
Engenharia Civil TCC 1 e 2
trabalhosnota10sp
 
Gestão da TI (04/02/2015)
Gestão da TI (04/02/2015)Gestão da TI (04/02/2015)
Gestão da TI (04/02/2015)
Alessandro Almeida
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS.pdf
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS.pdfESTÁGIO SUPERVISIONADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS.pdf
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS.pdf
HELENO FAVACHO
 
Manual de trabalho de conclusao de curso 2014 2
Manual de trabalho de conclusao de curso 2014 2Manual de trabalho de conclusao de curso 2014 2
Manual de trabalho de conclusao de curso 2014 2
Poli Costa
 
250 Questões de Direito Tributário CESPE - Assuntos mais Cobrados
250 Questões de Direito Tributário CESPE - Assuntos mais Cobrados250 Questões de Direito Tributário CESPE - Assuntos mais Cobrados
250 Questões de Direito Tributário CESPE - Assuntos mais Cobrados
Estratégia Concursos
 
Tcc completo modelo (2013)
Tcc completo modelo (2013)Tcc completo modelo (2013)
Tcc completo modelo (2013)
Cristiane Pereira Sales
 
PLANO DE ESTAGIO LICENCIATURAS.pdf
PLANO DE ESTAGIO LICENCIATURAS.pdfPLANO DE ESTAGIO LICENCIATURAS.pdf
PLANO DE ESTAGIO LICENCIATURAS.pdf
ArlenoFavacho2
 
ESTAGIO DE CAMPO LICENCIATURAS.pdf
ESTAGIO DE CAMPO LICENCIATURAS.pdfESTAGIO DE CAMPO LICENCIATURAS.pdf
ESTAGIO DE CAMPO LICENCIATURAS.pdf
ArlenoFavacho2
 
Curso de bacharelado em enfermagem manual de trabalho de conclusão de curso ii
Curso de bacharelado em enfermagem manual de trabalho de conclusão de curso iiCurso de bacharelado em enfermagem manual de trabalho de conclusão de curso ii
Curso de bacharelado em enfermagem manual de trabalho de conclusão de curso ii
HELENO FAVACHO
 
CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM Manual de Trabalho de Conclusão de Curso I...
CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM Manual de Trabalho de Conclusão de Curso I...CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM Manual de Trabalho de Conclusão de Curso I...
CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM Manual de Trabalho de Conclusão de Curso I...
HELENO FAVACHO
 
Gestão de Projetos - Aula 2
Gestão de Projetos - Aula 2Gestão de Projetos - Aula 2
Gestão de Projetos - Aula 2
Alessandro Almeida
 
Manual do tcc
Manual do tccManual do tcc
Manual do tcc
Ivanete Andrade
 

Semelhante a Normas técnicas de padronização para o trabalho de curso (tc 02) (20)

Orientações TCC Eng Comp
Orientações TCC Eng CompOrientações TCC Eng Comp
Orientações TCC Eng Comp
 
Gestão de Projetos - Aula 1
Gestão de Projetos - Aula 1Gestão de Projetos - Aula 1
Gestão de Projetos - Aula 1
 
Ciências Econômicas - TCC.pdf
Ciências Econômicas - TCC.pdfCiências Econômicas - TCC.pdf
Ciências Econômicas - TCC.pdf
 
Ncc 4 ed.pdf
Ncc 4 ed.pdfNcc 4 ed.pdf
Ncc 4 ed.pdf
 
Educação Física Bacharelado - Trabalho de Conclusão de Curso II.pdf
Educação Física Bacharelado - Trabalho de Conclusão de Curso II.pdfEducação Física Bacharelado - Trabalho de Conclusão de Curso II.pdf
Educação Física Bacharelado - Trabalho de Conclusão de Curso II.pdf
 
Curso de Direito do Trabalho para OAB 1ª Fase XXX Exame de Ordem
Curso de Direito do Trabalho para OAB 1ª Fase XXX Exame de OrdemCurso de Direito do Trabalho para OAB 1ª Fase XXX Exame de Ordem
Curso de Direito do Trabalho para OAB 1ª Fase XXX Exame de Ordem
 
Curso de Direito do Trabalho para OAB 2ª Fase XXIX Exame de Ordem
Curso de Direito do Trabalho para OAB 2ª Fase XXIX Exame de OrdemCurso de Direito do Trabalho para OAB 2ª Fase XXIX Exame de Ordem
Curso de Direito do Trabalho para OAB 2ª Fase XXIX Exame de Ordem
 
Engenharia de Software II - Aula 3
Engenharia de Software II - Aula 3Engenharia de Software II - Aula 3
Engenharia de Software II - Aula 3
 
Engenharia Civil TCC 1 e 2
Engenharia Civil TCC 1 e 2Engenharia Civil TCC 1 e 2
Engenharia Civil TCC 1 e 2
 
Gestão da TI (04/02/2015)
Gestão da TI (04/02/2015)Gestão da TI (04/02/2015)
Gestão da TI (04/02/2015)
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS.pdf
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS.pdfESTÁGIO SUPERVISIONADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS.pdf
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS.pdf
 
Manual de trabalho de conclusao de curso 2014 2
Manual de trabalho de conclusao de curso 2014 2Manual de trabalho de conclusao de curso 2014 2
Manual de trabalho de conclusao de curso 2014 2
 
250 Questões de Direito Tributário CESPE - Assuntos mais Cobrados
250 Questões de Direito Tributário CESPE - Assuntos mais Cobrados250 Questões de Direito Tributário CESPE - Assuntos mais Cobrados
250 Questões de Direito Tributário CESPE - Assuntos mais Cobrados
 
Tcc completo modelo (2013)
Tcc completo modelo (2013)Tcc completo modelo (2013)
Tcc completo modelo (2013)
 
PLANO DE ESTAGIO LICENCIATURAS.pdf
PLANO DE ESTAGIO LICENCIATURAS.pdfPLANO DE ESTAGIO LICENCIATURAS.pdf
PLANO DE ESTAGIO LICENCIATURAS.pdf
 
ESTAGIO DE CAMPO LICENCIATURAS.pdf
ESTAGIO DE CAMPO LICENCIATURAS.pdfESTAGIO DE CAMPO LICENCIATURAS.pdf
ESTAGIO DE CAMPO LICENCIATURAS.pdf
 
Curso de bacharelado em enfermagem manual de trabalho de conclusão de curso ii
Curso de bacharelado em enfermagem manual de trabalho de conclusão de curso iiCurso de bacharelado em enfermagem manual de trabalho de conclusão de curso ii
Curso de bacharelado em enfermagem manual de trabalho de conclusão de curso ii
 
CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM Manual de Trabalho de Conclusão de Curso I...
CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM Manual de Trabalho de Conclusão de Curso I...CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM Manual de Trabalho de Conclusão de Curso I...
CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM Manual de Trabalho de Conclusão de Curso I...
 
Gestão de Projetos - Aula 2
Gestão de Projetos - Aula 2Gestão de Projetos - Aula 2
Gestão de Projetos - Aula 2
 
Manual do tcc
Manual do tccManual do tcc
Manual do tcc
 

Mais de José Rogério de Sousa Mendes Júnior

Discricionariedade oculta, valores econômicos aparentes e o Tubarão
Discricionariedade oculta, valores econômicos aparentes e o TubarãoDiscricionariedade oculta, valores econômicos aparentes e o Tubarão
Discricionariedade oculta, valores econômicos aparentes e o Tubarão
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Princípio da moralidade improbidade - atestado médico para si próprio
Princípio da moralidade   improbidade - atestado médico para si próprioPrincípio da moralidade   improbidade - atestado médico para si próprio
Princípio da moralidade improbidade - atestado médico para si próprio
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Princípio da impessoalidade e moralidade promoção pessoal prefeito e improb...
Princípio da impessoalidade e moralidade   promoção pessoal prefeito e improb...Princípio da impessoalidade e moralidade   promoção pessoal prefeito e improb...
Princípio da impessoalidade e moralidade promoção pessoal prefeito e improb...
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Princípios administrativos moralidade - abragência - debates e aprovação da...
Princípios administrativos   moralidade - abragência - debates e aprovação da...Princípios administrativos   moralidade - abragência - debates e aprovação da...
Princípios administrativos moralidade - abragência - debates e aprovação da...
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Aula inaugural
Aula inauguralAula inaugural
Plano de ensino 2014 direito administrativo i
Plano de ensino 2014   direito administrativo iPlano de ensino 2014   direito administrativo i
Plano de ensino 2014 direito administrativo i
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Plano de ensino 2014 direito processual administrativo
Plano de ensino 2014   direito processual administrativoPlano de ensino 2014   direito processual administrativo
Plano de ensino 2014 direito processual administrativo
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Autorização de uso de imagens e depoimentos curta direito
Autorização de uso de imagens e depoimentos curta direitoAutorização de uso de imagens e depoimentos curta direito
Autorização de uso de imagens e depoimentos curta direito
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Terceiro Setor e o Direito Administrativo Leonardo Bentes
Terceiro Setor e o Direito Administrativo Leonardo BentesTerceiro Setor e o Direito Administrativo Leonardo Bentes
Terceiro Setor e o Direito Administrativo Leonardo Bentes
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Organizações Sociais Wilde Bentes
Organizações Sociais  Wilde BentesOrganizações Sociais  Wilde Bentes
Organizações Sociais Wilde Bentes
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Serviços Sociais Autônomos
Serviços Sociais AutônomosServiços Sociais Autônomos
Serviços Sociais Autônomos
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Espécies de Atos Administrativos
Espécies de Atos AdministrativosEspécies de Atos Administrativos
Espécies de Atos Administrativos
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Serviços sociais autônomos
Serviços sociais autônomosServiços sociais autônomos
Serviços sociais autônomos
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Teoria geral do processo (prof. pascarelli) revisado 2013
Teoria geral do processo (prof. pascarelli) revisado 2013Teoria geral do processo (prof. pascarelli) revisado 2013
Teoria geral do processo (prof. pascarelli) revisado 2013
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Principais características da agências reguladoras palestra aluno scoty souza
Principais características da agências reguladoras   palestra aluno scoty souzaPrincipais características da agências reguladoras   palestra aluno scoty souza
Principais características da agências reguladoras palestra aluno scoty souza
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Semelhanças entre autarquias e administração direta palestra aluna rebecca ...
Semelhanças entre autarquias e administração direta   palestra aluna rebecca ...Semelhanças entre autarquias e administração direta   palestra aluna rebecca ...
Semelhanças entre autarquias e administração direta palestra aluna rebecca ...
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Autarquias federais – conselhos de classe características - aluna cileide c...
Autarquias federais – conselhos de classe   características - aluna cileide c...Autarquias federais – conselhos de classe   características - aluna cileide c...
Autarquias federais – conselhos de classe características - aluna cileide c...
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Regime de pessoal das autarquias palestra aluno wilde bentes
Regime de pessoal das autarquias   palestra aluno wilde bentesRegime de pessoal das autarquias   palestra aluno wilde bentes
Regime de pessoal das autarquias palestra aluno wilde bentes
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Licitações para copa do mundo e olimpíadas
Licitações para copa do mundo e olimpíadasLicitações para copa do mundo e olimpíadas
Licitações para copa do mundo e olimpíadas
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Ampla defesa e plenitude de defesa palestra aluno marcelo travessa guedes
Ampla defesa e plenitude de defesa   palestra aluno marcelo travessa guedesAmpla defesa e plenitude de defesa   palestra aluno marcelo travessa guedes
Ampla defesa e plenitude de defesa palestra aluno marcelo travessa guedes
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 

Mais de José Rogério de Sousa Mendes Júnior (20)

Discricionariedade oculta, valores econômicos aparentes e o Tubarão
Discricionariedade oculta, valores econômicos aparentes e o TubarãoDiscricionariedade oculta, valores econômicos aparentes e o Tubarão
Discricionariedade oculta, valores econômicos aparentes e o Tubarão
 
Princípio da moralidade improbidade - atestado médico para si próprio
Princípio da moralidade   improbidade - atestado médico para si próprioPrincípio da moralidade   improbidade - atestado médico para si próprio
Princípio da moralidade improbidade - atestado médico para si próprio
 
Princípio da impessoalidade e moralidade promoção pessoal prefeito e improb...
Princípio da impessoalidade e moralidade   promoção pessoal prefeito e improb...Princípio da impessoalidade e moralidade   promoção pessoal prefeito e improb...
Princípio da impessoalidade e moralidade promoção pessoal prefeito e improb...
 
Princípios administrativos moralidade - abragência - debates e aprovação da...
Princípios administrativos   moralidade - abragência - debates e aprovação da...Princípios administrativos   moralidade - abragência - debates e aprovação da...
Princípios administrativos moralidade - abragência - debates e aprovação da...
 
Aula inaugural
Aula inauguralAula inaugural
Aula inaugural
 
Plano de ensino 2014 direito administrativo i
Plano de ensino 2014   direito administrativo iPlano de ensino 2014   direito administrativo i
Plano de ensino 2014 direito administrativo i
 
Plano de ensino 2014 direito processual administrativo
Plano de ensino 2014   direito processual administrativoPlano de ensino 2014   direito processual administrativo
Plano de ensino 2014 direito processual administrativo
 
Autorização de uso de imagens e depoimentos curta direito
Autorização de uso de imagens e depoimentos curta direitoAutorização de uso de imagens e depoimentos curta direito
Autorização de uso de imagens e depoimentos curta direito
 
Terceiro Setor e o Direito Administrativo Leonardo Bentes
Terceiro Setor e o Direito Administrativo Leonardo BentesTerceiro Setor e o Direito Administrativo Leonardo Bentes
Terceiro Setor e o Direito Administrativo Leonardo Bentes
 
Organizações Sociais Wilde Bentes
Organizações Sociais  Wilde BentesOrganizações Sociais  Wilde Bentes
Organizações Sociais Wilde Bentes
 
Serviços Sociais Autônomos
Serviços Sociais AutônomosServiços Sociais Autônomos
Serviços Sociais Autônomos
 
Espécies de Atos Administrativos
Espécies de Atos AdministrativosEspécies de Atos Administrativos
Espécies de Atos Administrativos
 
Serviços sociais autônomos
Serviços sociais autônomosServiços sociais autônomos
Serviços sociais autônomos
 
Teoria geral do processo (prof. pascarelli) revisado 2013
Teoria geral do processo (prof. pascarelli) revisado 2013Teoria geral do processo (prof. pascarelli) revisado 2013
Teoria geral do processo (prof. pascarelli) revisado 2013
 
Principais características da agências reguladoras palestra aluno scoty souza
Principais características da agências reguladoras   palestra aluno scoty souzaPrincipais características da agências reguladoras   palestra aluno scoty souza
Principais características da agências reguladoras palestra aluno scoty souza
 
Semelhanças entre autarquias e administração direta palestra aluna rebecca ...
Semelhanças entre autarquias e administração direta   palestra aluna rebecca ...Semelhanças entre autarquias e administração direta   palestra aluna rebecca ...
Semelhanças entre autarquias e administração direta palestra aluna rebecca ...
 
Autarquias federais – conselhos de classe características - aluna cileide c...
Autarquias federais – conselhos de classe   características - aluna cileide c...Autarquias federais – conselhos de classe   características - aluna cileide c...
Autarquias federais – conselhos de classe características - aluna cileide c...
 
Regime de pessoal das autarquias palestra aluno wilde bentes
Regime de pessoal das autarquias   palestra aluno wilde bentesRegime de pessoal das autarquias   palestra aluno wilde bentes
Regime de pessoal das autarquias palestra aluno wilde bentes
 
Licitações para copa do mundo e olimpíadas
Licitações para copa do mundo e olimpíadasLicitações para copa do mundo e olimpíadas
Licitações para copa do mundo e olimpíadas
 
Ampla defesa e plenitude de defesa palestra aluno marcelo travessa guedes
Ampla defesa e plenitude de defesa   palestra aluno marcelo travessa guedesAmpla defesa e plenitude de defesa   palestra aluno marcelo travessa guedes
Ampla defesa e plenitude de defesa palestra aluno marcelo travessa guedes
 

Último

UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 

Último (20)

UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 

Normas técnicas de padronização para o trabalho de curso (tc 02)

  • 1. 2013 Centro Universitário de Ensino Superior do T Amazonas CIESA Curso de Direito C NORMAS TÉCNICAS DE PADRONIZAÇÃO PARA O TRABALHO DE 0 CURSO (TC – 02) 2 Resumo sistematizado e adaptado das normalizações da ABNT para “Trabalho de Curso II”, no formato de “Artigo Científico”, a serem seguidas Curso de Graduação em Direito do CIESA. 1
  • 2. Equipe responsável COORDENADORA DO CURSO DE DIREITO Prof. Msc. Andrea Lasmar COORDENADOR DE TRABALHO DE CURSO Prof. Msc. Guilherme G.V.Mota PROFESSORA DE TRABALHO DECURSO Prof. Msc. Maria Suely Cruz de Almeida 2
  • 3. Sumário 1. Disposições gerais..........................................................................................................................4 2. Calendário e formulários necessários em “TC II”...........................................................................5 3. Como formatar meu Trabalho de Curso.........................................................................................8 4. Estrutura do Trabalho de Curso...................................................................................................13 5. Elementos Pré-textuais.................................................................................................................14 6. Elementos Textuais......................................................................................................................26 7. Elementos Pós-Textuais...............................................................................................................32 8. Como fazer citações.....................................................................................................................33 9. Como fazer referências.................................................................................................................40 10. Banca Examinadora...................................................................................................................41 3
  • 4. 1. Disposições gerais 1 O presente Regulamento tem por finalidade normalizar as atividades relacionadas com o “Trabalho de Curso II”, indicar calendário das atividades, formulários e estabelecer diretrizes pertinentes. 2 O “Trabalho de Curso” é disciplina que tem por objetivo o estímulo à produção científica no Estado do Amazonas, propiciando aos alunos do curso de Direito do CIESA a oportunidade de demonstração dos conhecimentos técnicos da Ciência Jurídica e do aprofundamento temático pela consulta de bibliografia especializada, além do aprimoramento da capacidade de hermenêutica crítica do Direito pela produção e apresentação de projetos e trabalhos científicos. 3 A aprovação nas disciplinas “Trabalho de Curso I” e “Trabalho de Curso II”, doravante denominadas “TC I” e “TC II”, integrantes do Currículo Pleno do curso de Direito do CIESA, é condição imprescindível para a colação de grau de Bacharel em Direito. 4 A média das disciplinas “Trabalho de Curso I” e “Trabalho de Curso II” é 7,0 pontos, estando aprovado o aluno que atingir 28 pontos ao final do ano letivo. O “TC II” deve ser, necessariamente, um artigo científico com no mínimo 25 páginas de parte textual. 5 As orientações para a confecção do Projeto e do Trabalho de Curso, no que concerne às normas técnicas e compreensão da pesquisa científica, são de responsabilidade dos “professores de disciplina” que serão os professores que orientam o aluno em sala de aula. 6 A orientação sobre a temática e conteúdo do “TC II ” é de um professor do Curso de Direito do CIESA, denominado “professor orientador”, sendo sua responsabilidade a orientação temática da pesquisa do aluno a partir da formalização do “aceite”, supostamente já realizado por ocasião do “TC I, no ano anterior. 7 O aluno que deixar de apresentar alguma das atividades previstas em calendário, violando o prazo previsto, terá que apresentar requerimento junto à Coordenação de Trabalho de Curso, justificando o atraso a partir de atestados médicos ou documentos do mesmo gênero originais. Sendo deferido tal pedido, o aluno terá uma nova oportunidade, contudo será avaliado de 0 a 7 se não comprovar motivo justo. 8 Se no decorrer de um semestre, o aluno de “TC” não entregar alguma das atividades previstas no calendário e não resolver a pendência junto à Coordenação de Trabalho de Curso, estará sumariamente reprovado na disciplina, sendo necessário repeti-la no ano posterior. 9 As aulas em TC II são ministradas pelo Prof. Msc. Guilherme G. V. Mota, às quartas-feiras, para a Turma “5 MA”, “5NA e 5NB” e ministradas pela Prof. Msc. Maria Sueli Cruz, na Segunda-feira, para a turma “05 VA”, concluindo ao final a carga de 50 horas. 4
  • 5. 2. Calendário e Formulários necessários em “TC II” Abaixo, o calendário da disciplina “Trabalho de Curso II”, que também está reproduzido no Anexo I. Calendário de Trabalho de Curso II Professor Data de NPC Trabalho de Avaliações Atividade Avaliador oficial Curso 10 páginas + relatório. Disciplina + 8 a 20 de 18/03 (5VA), 20/03 1ª. NPC orientador Abril (5MA/5NA/5NB). 10 a 22 de 20/05 (5VA), 22/05 2ª. NPC 10 páginas + relatório. Orientador Junho (5MA/5NA/5NB). 23 de Disciplina + 09/09 (5VA), 11/09 3ª. NPC 10 páginas + relatório. Setembro a 5 Orientador (5MA/5NA/5NB). de Outubro Defesa do Artigo perante Banca + Componentes 18 a 30 de 4ª. NPC 06 a 09 de Novembro termo de liberação para Banca. da Banca Novembro No quadro acima, é possível notar que há um campo chamado “professor avaliador”. Tal campo se refere ao professor que irá avaliar o aluno em cada atividade, ou seja, onde aparece “Disciplina”, significa que será o “professor de disciplina” que emitirá a nota que pode ser de 0 a 10. Onde aparece “disciplina + orientador” significa que tanto o professor de disciplina quanto o orientador avaliarão, cada um contribuindo com metade da nota. Onde aparece “orientador” será somente o “professor orientador” o responsável pela avaliação e atribuição da nota do aluno. Na 4ª NPC, consta como avaliador os “componentes da banca”. As normas relacionadas à Defesa do Artigo perante a Banca Examinadora estão referidas no Item 10, página 41. Durante o ano letivo, será necessária a apresentação dos seguintes formulários padronizados: (1)Relatório; (2) Termo de liberação para banca; (3) Modelo de artigo científico do CIESA Inicialmente serão analisados especificamente cada um desses documentos. As ilustrações foram realizadas a partir dos modelos padronizados pela Coordenação de Trabalho de Curso, disponíveis ao aluno no e-mail criado pela Coordenação de Trabalho de Curso: LOGIN: trabalhodecursociesa@gmail.com, SENHA: alunotccciesa 5
  • 6. 2.1. Relatório O Relatório é o documento que acompanha a relação entre “professor-orientador” e aluno de “TC”. Trata-se de uma exigência prevista no Calendário de “TC II” para todas as NPC´S, excluída a 4ª NPC em que o aluno defenderá seu Artigo Científico perante a Banca Examinadora, e na oportunidade, será exigido outro documento. Assim, ao todo, são 3 relatórios no ano letivo, que devem ser entregues nos prazos de cada NPC especificadas no Calendário. O modelo abaixo será utilizado na 1ª, 2ª e 3ª NPC. 6
  • 7. 2.2. Termo de liberação para Banca Na 4ª NPC não haverá apresentação de Relatório, mas será necessário que o “professor- orientador” ateste formalmente que autoriza a defesa do Artigo Científico perante a Banca examinadora que tem suas disposições previstas no Item 10, p. 41. A ilustração abaixo traz o mencionado termo. 7
  • 8. 3. Como formatar o meu Trabalho de Curso no MS-WORD? Microsoft Word (2010) é o software de redação de textos mais utilizado atualmente. Para fazer seu trabalho de curso é assim necessário aprender como formatar o texto que será escrito para que fique dentro dos padrões de formatação exigidos pelo CIESA, embora já exista modelos previamente padronizados para o aluno no email mencionado na página 5 e no sistema LIFE. Primeiro passo: adequar margens. No Microsoft Word, selecione a guia “Layout de página”, “Margens” e “Margens personalizadas”. Botão “Margens” Guia “Layout de página” Botão “margens personalizadas” No quadro “Configurar página”, “margens”, escolha a margem “superior” – 3cm, “esquerda” – 3cm, “inferior” – 2cm, “direita” – 2cm. 8
  • 9. Superior: 3cm, Esquerda: 3cm Inferior:2cm Direita: 2cm Janela “Configurar página” Após tais definições clique na guia “página inicial” e no canto esquerdo da tela, clique em selecionar como mostrado abaixo, e depois “selecionar tudo”. Guia “página inicial” Clique em “selecionar” Clicando em “selecionar tudo”, todo o texto ficará sujeito às alterações realizadas a seguir: 9
  • 10. Após selecionar todo o texto escolha a letra “Times New Roman”, coloque no Tamanho 12. Depois clique com o botão direito do mouse em cima do espaço de redação do texto. Aparecerá uma pequena janela com opções. Clique na opção parágrafo, como demonstrado abaixo: Após clicar em “parágrafo” um novo quadro aparecerá. Configure da forma que está indicada abaixo: 10
  • 11. Na opção “espaçamento entre linhas” coloque “1,5 linhas”. Em “Recuo” e ”espaçamento” coloque tudo “0 pt”. OBSERVAÇÃO: No “espaçamento antes” será “0 pt” somente na “capa”, “folha de rosto” e demais elementos até a introdução. A partir da Introdução, o “Espaçamento antes” passa a ser “6 pt”. Clicando em “tabulação” aparecerá a janela abaixo. Trata-se da configuração do espaço de recuo, daquilo que é denominado usualmente de recuo do ponto parágrafo. 11
  • 12. Coloque 1,5 de tabulação Em regra, todo o texto escrito deverá ser “JUSTIFICADO”, ou seja, as margens deve estar alinhadas por igual tanto a esquerda quando direita. Isso pode ser facilmente realizado pela seguinte ação: selecione a parte do texto que não está justificada e na guia “página inicial” e em “parágrafo” escolha “justificar” que é o último desenho à direita como ilustrado abaixo: PRONTO! A base da formatação está pronta. Em relação a essa padronização, haverão poucas exceções que serão analisadas pontualmente, como, por exemplo, na “capa” do TCC, o título fica em letra 14 e não letra 12 e no Resumo, em que o espaço “entre linhas” é simples. Para isso cada elemento da estrutura do TCC será aqui analisado. Nessa análise que se iniciará a seguir, o modelo utilizado nas ilustrações é o modelo padrão do CIESA, tanto para TCC I (projeto e pré-projeto) quanto para o TCC II (Artigo científico), que estão disponíveis no endereço eletrônico mencionado na página 5 e no LIFE. Ou seja, basta o aluno adquirir os modelos e incluir as informações nos locais indicados, pois o CIESA já disponibiliza os modelos formatados. 12
  • 13. 4. Estrutura do Trabalho de Curso As normas brasileiras (ABNT) fazem previsão de várias espécies de Trabalho de Curso. No Curso de Direito do CIESA é realizado somente o formato de Artigo Científico. Como toda espécie de TCC, sua estrutura é dividida em elementos “pré-textuais”, “textuais” e “pós-textuais”. O artigo científico que deverá ser apresentado pelo aluno do CIESA deverá conter no mínimo 25 páginas de elementos textuais. Nesse sentido, lembre-se da observação mencionada na página anterior sobre a formatação da parte textual. Como já mencionado, existe o arquivo dos modelos abaixo analisados já padronizados e disponíveis para o aluno do CIESA, entretanto, para fins acadêmicos, cada parte da estrutura do TC será analisada. Assim, iniciaremos observando a ordem descrita na tabela acima. 13
  • 14. 5. Elementos pré-textuais a. Capa A capa é elemento de proteção externa do trabalho. Nela estão contidas informações indispensáveis que identificam o Trabalho de Curso. Essas informações estão descritas na seguinte ordem: (1) nome da instituição, (2) designação da espécie de Trabalho de Curso, (3) título em Caixa Alta, (4) nome completo do autor em Caixa Alta, (5) local (cidade) e (6) ano de depósito (entrega do trabalho). A apresentação gráfica e suas normas estão contidas no modelo a seguir. Letra tamanho 14 5 espaços 7 espaços Letra tamanho 14 6 espaços 8 espaços 14
  • 15. b. Capa dura e Lombada Na 4ª NPC, a o Trabalho de Curso deverá ser entregue em capa-dura cor vermelho-vinho e letras douradas, uma versão em cd-room, além de 3 versões encadernadas que serão destinadas ao componentes da Banca Examinadora. A capa-dura será idêntica à capa da letra “a”, acima mencionada, com o logo do CIESA centralizado na parte superior como no exemplo acima. Deverá ser entregue no dia da defesa do artigo perante a Banca Examinadora. Já as três versões encadernadas deverão ser entregues com antecedência máxima de 5 dias antes da defesa. Lombada é a Parte da capa que reúne as margens internas ou dobras das folhas, sejam elas costuradas, grampeadas, coladas ou mantidas juntas de outra maneira; também chamada de dorso. O título da lombada será o título do documento e será grafada de forma descendente. NOME DO ALUNO TÍTULO E SUBTITULO ANO Coloque o “ano” na vertical e não como aparece em cima (horizontal) c. Folha de Rosto Esta folha contém os elementos constantes da capa além da seguinte informação: “Artigo científico apresentado como exigência da Disciplina Trabalho de Curso II para obtenção do grau de Bacharel no Curso de Direito do Centro Universitário de Ensino Superior do Amazonas – CIESA, sob a orientação do Prof. (Esp.), (Msc.), ou (Dr) + nome completo do professor”. Abaixo a ilustração com exemplo da Folha de Rosto extraída do modelo padrão do CIESA: 15
  • 16. 11 espaços Letra 14 3 espaços Repare que no modelo os 10 espaços dizeres acima não estão entre aspas. d. Ficha catalográfica A ficha catalográfica é elaborada pela Biblioteca do CIESA. É um quadro com dados dispostos de maneira sistemática, cujo objetivo é identificar sucintamente o assunto tratado, bem como os aspectos físicos da obra. A apresentação gráfica está contida modelo abaixo. Para que haja a produção dessas, a Biblioteca do CIESA irá solicitar algumas informações, entre as quais, quantas páginas contém, o TCC, e em razão disso, normalmente, esta será solicitada ao final do ano. OBSERVAÇÃO: A ficha catalográfica fica localizada no verso da folha de rosto. 16
  • 17. Para mais informações sobre a ficha catalográfica, entre em contato com a Biblioteca do CIESA, no telefone (092) 3878-2535. e. Folha de Aprovação Elemento obrigatório, colocado logo após a folha de rosto, constituído pelo nome do autor do trabalho, título do trabalho e subtítulo (se houver), natureza, objetivo, nome da instituição a que é submetido, área de concentração, data de aprovação, nome, titulação e assinatura dos componentes da banca examinadora e instituições a que pertencem. A data de aprovação e assinaturas dos membros componentes da banca examinadora são colocadas após a aprovação do trabalho. 17
  • 18. Letra 14 Caixa Alta Esses campos deverão ser assinados na única via “capa- dura” imediatamente após a defesa. f. Dedicatória Folha opcional a ser utilizada pelo autor para prestar uma homenagem ou dedicar seu trabalho, de forma sóbria e breve. 18
  • 19. Dê 21 espaços Recuo de 4 cm g. Agradecimentos Folha opcional onde o autor dirige palavras de reconhecimento a pessoa(s) e /ou instituição(ões) que tenha(m) contribuído de maneira relevante para a elaboração do trabalho. 19
  • 20. Dê 3 espaços Observe que não existe tabulação. h. Epígrafe Folha opcional onde o autor inclui uma citação que mantenha coerência com o tema abordado no trabalho. Após a citação, deve vir o nome do autor da citação ou, caso na haja, redigir a palavra “anônimo”. 20
  • 21. Dê 22 espaços Repare que o texto da epígrafe fica entre aspas. Repare que o espaço entre linhas é duplo i. Resumo em português e em língua estrangeira. Esta folha deve ser concisa e objetivamente informar ao leitor os pontos mais relevantes do trabalho, dando a ele a possibilidade de decidir sobre a conveniência da leitura além da compreensão do assunto sem dificuldades. 21
  • 22. O texto deve ser composto por uma sequência de frases correntes e, como sugestão, que sejam destacados o tema, a finalidade, a metodologia empregada, os resultados e as conclusões. O resumo deve ser redigido em parágrafo único, em espaço simples (entre linhas), com no máximo 500 palavras e mínimo de 250, seguido das palavras-chave e de preferência na terceira pessoa do singular. Sua redação não deve conter quadros, tabelas, gráficos, ilustrações, equações, fórmulas, abreviações, siglas, símbolos e citações. Repare que o espaço “entre linhas” é simples. Essa observação é somente um lembrete, devendo ser apagada quando da produção do TCC. Observe que não há tabulação, nem parágrafo. O texto em língua estrangeira pode ser obtido no “Google Tradutor”, no endereço: http://translate.google.com.br / j. Lista de Ilustrações, tabelas, abreviaturas e siglas e lista de símbolos Ilustrações: Consiste em uma listagem com a numeração, o título e a página de todos os desenhos, fluxogramas, fotografias, mapas e outros. Essas ilustrações devem ser elaboradas de acordo com a ordem apresentada no texto, exceto aquelas que se localizam nos Apêndices e Anexos. 22
  • 23. Exemplo: LISTA DE ILUSTRAÇÕES - EXEMPLO Figura 1 – Mapa do Estado de São Paulo – Vias Férreas – 1950 -.........................................59 Figura 2 – Fotografia da Estação Ferroviária de Ribeirão Preto – 1958 .................................74 Tabelas: Consiste numa listagem com a numeração, o título e a página de todas as tabelas elaboradas de acordo com a ordem apresentada no texto, exceto aqueles que se localizam nos Apêndices e Anexos. Exemplo: LISTA DE TABELAS Tabela 1 – Nível de satisfação dos funcionários .........................................................................21 Tabela 2 – Índice de aceitação por idade ....................................................................................62 Abreviaturas e siglas: Consiste na relação alfabética das abreviaturas ou siglas, seguidas de seu respectivo significado ou nome por extenso sem a necessidade e indicar as páginas onde estão localizadas. Exemplo: LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS - EXEMPLO BSC: Balanced Scorecard LNT: Levantamento das Necessidades de Treinamento PPR: Programa de Participação nos Resultados RH: Recursos Humanos ROI: Retorno Sobre Investimento T&D: Treinamento e Desenvolvimento Símbolos: Consiste na relação dos símbolos ou sinais, seguidos de seu devido significado e na ordem em que estão apresentados no trabalho sem a necessidade de indicar as páginas onde se localizam. Exemplo: LISTA DE SÍMBOLOS - EXEMPLO HCL: ácido clorídrico n: tamanho da amostra ou número de variáveis l. Sumário O sumário consiste na enumeração das principais divisões, capítulos, seções e outras partes do trabalho, na mesma ordem e grafia em que a matéria nela se sucede. Seu objetivo é o de organizar e indicar ao leitor a disposição geral do trabalho de maneira objetiva e resumida. 23
  • 24. Devem ser incluídas todas as listas apresentadas, os capítulos e seções do desenvolvimento e os elementos pós-textuais. No sumário, espaçamento entre linhas é duplo, correspondend o a uma exceção ao resto da formatação. Não será duplo se superar 1 página. m. Numeração A contagem de páginas se inicia na capa do TC, contudo a numeração só se inicia (só começa a aparecer) na introdução. Abaixo a ilustração de como inserir a numeração nas páginas do TC: 24
  • 25. Tecle na guia “inserir”. Tecle em “números de página” Escolha “numero sem formatação 3” Tecle na opção “fim da página”. Quando o aluno faz essas opções, toda a estrutura do Trabalho de Curso estará numerada, o que não estará correto, pois como já se mencionou a numeração somente começa a aparecer na introdução. Dessa forma, a solução menos complicada é antes de colocar a numeração, imprimir a parte pré-textual, sem qualquer numeração e depois disso, colocar a numeração e imprimir o restante. 25
  • 26. 6. Elementos Textuais a. Introdução É a parte inicial do trabalho onde se apresenta a formulação e delimitação do assunto tratado, os objetivos da pesquisa e outros elementos que possam ser necessários para sua identificação. A técnica da Introdução será repassada em sala de aula, mas sabe-se que deverá ocupar pelo menos uma folha da parte textual. É oportuno dizer que a contagem das páginas se inicia na capa, mas a numeração começa a aparecer justamente na introdução como se vê abaixo. A numeração do TC já foi compreendida na página anterior. Inserir dois espaços OBSERVAÇÃO: Como já mencionado antes, a partir da introdução o espaçamento “depois” será de 6pt, o que deve ser alterado como consta na ilustração abaixo: 26
  • 27. Observe! b. Desenvolvimento No artigo científico, não há capítulo, há item. Não há também divisão de página como na Monografia, em que quando acaba um capítulo, ou outro deve começar em outra página. Isso não ocorre no artigo científico, que deve ser todo “seguido” e contínuo. As partes devem ser numeradas e apresentadas numa sequência de subdivisões, partindo do Geral para o mais específico. O tamanho das fontes também deve obedecer esta sequência, indo do maior (geral) para o menor (específico) como exemplificado no painel abaixo: Seção primária 1 Seção secundária 1.1 Seção terciária 1.1.1 Seção quaternária 1.1.1.1 Assim cada uma dessas seções possuem configurações específicas, como pode ser verificar a seguir: Seção primária – Letras Maiúsculas, em negrito, fonte 14, alinhado à esquerda. Seção secundária - 1ª. letra maiúscula, fonte 12, em negrito, alinhado à esquerda. Seção terciária - 1ª. letra maiúscula, fonte 12, sem negrito, alinhado à esquerda. Seção quaternária - 1ª. letra em maiúscula, fonte 12, sem negrito, em itálico, alinhado à esquerda. 27
  • 28. Excepcionalmente, na primeira folha do desenvolvimento, Haverá menção do Título do artigo, centralizado, com letra tamanho 16, negrito. Logo abaixo, o nome completo do aluno centralizado, letra 14. Seguindo essas observações a formatação ficará da seguinte forma: Letras Maiúsculas, em negrito, fonte 14, Observe que o título está centralizado. em letra no tamanho 16 e o nome do aluno em letra 14 Dê um espaço e no segundo já comece a escrever, observando a Esse espaço, tabulação. tecnicamente Repare que chamado de isso não tabulação, ocorre nas possui um demais recuo de 1,5 seções. cm e deve ser observado em todo o TC. b. Elementos de apoio ao texto para o artigo científico. Durante o desenvolvimento do texto, se faz necessário fundamentar as informações que são apresentadas. Na fundamentação do TCC, alguns elementos servem de apoio para confirmar as ideias do texto. São eles: as citações, as notas de rodapé, as abreviaturas e siglas, os quadros, as tabelas, os gráficos e as demais ilustrações. As citações serão vistas no Item 8, página 33. 28
  • 29. b.1.Abreviaturas e siglas A abreviatura é a representação de uma palavra por meio de alguma(s) de suas sílabas ou letras. A sigla é a reunião das letras iniciais dos vocábulos fundamentais de uma denominação ou título. São utilizadas nos trabalhos acadêmicos e sua repetição pode ocorrer várias vezes. Tanto as abreviaturas quanto as siglas devem ser redigidas em letras maiúsculas, sem negrito, e na mesma fonte utilizada no texto (Times New Roman). Ambas devem ter seu significado redigido entre vírgulas somente quando apresentadas pela primeira vez no trabalho. b.2. Quadros e Tabelas. Os quadros, são livres arranjos que o autor faz para organizar e sistematizar a apresentação de algumas informações, são preferencialmente descritivos, essencialmente informativos e não analíticos. Já as tabelas são representações numéricas de dados quantitativos coletados por meio de instrumentos próprios para este fim. Ambos são utilizados para explicar, esclarecer e apoiar as ideias mostradas no trabalho e podem ser incluídos no trabalho a qualquer momento. Seu esboço ou indicação no texto pode acontecer de modo isolado ou entre parênteses.As regras para quadros e tabelas são: 1) Devem ser colocados entre parágrafos, não entre linhas e sem texto escrito ao lado; 2) Estar próximos do trecho a que se referem; 3) Estar centralizados na página e com disposição de texto alinhada. 4) Em nenhuma hipótese as margens devem ser ultrapassadas, ou seja, deverão estar enquadrados nas margens adotadas. Caso seja indispensável sua alocação no trabalho, esta poderá ser incluída como um Apêndice ao final do mesmo. 5) Os textos e números nos quadros e nas tabelas devem ser redigidos em Times New Roman tamanho 12, na cor preta e com espaçamento simples. 6) Toda vez que se inserir um quadro ou uma tabela, sua legenda e sua referência deverão estar indicadas obrigatoriamente. 7) Se a tabela é baseada nas informações do autor, mas não é transcrita literalmente, não precisa a menção da página, mas se é cópia literal, deve haver menção de que a tabela foi retirada na integra e deve haver a menção da página. Verifique a ilustração abaixo: Nesse caso, a tabela apresentada é baseada nas informações da fonte mencionada, mas sua disposição, organização não foi idêntica. Assim na fonte não é necessária a menção da página. 29
  • 30. Tudo na mesma letra 12, times new roman. Legenda Referência na letra 10 Havendo utilização de tabelas, uma lista pré-textual para cada tipo de objeto deve ser elaborada, inserida após o Sumário. b.3. Gráficos e demais ilustrações Os gráficos são representações visuais de categorias variáveis e tendências, cuja leitura é orientada, mais pelas curvas do que pelos números. São preferencialmente, montados a partir dos dados de tabelas e podem ser apresentados conjuntamente com estas. Sua indicação deve ocorrer diretamente no texto, fazendo parte de uma afirmação ou isolada entre parênteses, assim como ocorre com os quadros e tabelas. Os textos e números inseridos tanto nos gráficos e nas ilustrações devem ser redigidos em Times New Roman tamanho 12 na cor preta e com espaçamento simples. Cores de fundo são facultativas, mas sua utilização deve ser moderada. Os demais detalhes estéticos como bordas, linhas e outros aspectos de formatação ficam a cargo do autor, desde que esta configuração seja mantida em todos os quadros e tabelas do trabalho. 30
  • 31. Exemplo: Legenda; Letra T.N.R tamanho 12 Referencia; Letra 10 31
  • 32. 7. Elementos Pós-Textuais Os elementos pós-textuais complementam o trabalho permitindo conhecer o material de referência consultado e completar informações. São eles: referências, apêndices e anexos. 7.1. Referencias. É elemento obrigatório, indispensável na identificação de todas as publicações utilizadas para corroborar as ideias expostas no desenvolvimento do trabalho. Este elemento possibilita ao leitor, buscar e consultar as fontes utilizadas e é fundamental que se apresente de maneira uniforme. As referências devem ser organizadas em ordem alfabética e, com o objetivo de padronizar a organização das referências, optou-se pelo sistema autor-data. Devem ser postas em espaço simples, com mais um espaço entre cada obra, sendo alinhadas à esquerda. (ver exemplo no final deste manual). 7.2. Apêndices. É elemento opcional que consiste em texto ou documento elaborado pelo próprio autor do trabalho com o objetivo de complementar sua argumentação. São identificados por letras maiúsculas consecutivas, seguidas de travessão e dos respectivos títulos. Excepcionalmente utilizam-se letras maiúsculas dobradas na identificação dos apêndices, quando esgotadas as 23 letras do alfabeto. Exemplos: APÊNDICE A – Representação das normas e exemplos APÊNDICE B – Valores descritos no laudo técnico 7.3. Anexos. É elemento opcional que consiste em texto ou documento não elaborado pelo próprioautor do trabalho com o objetivo de complementar, comprovar e ilustrar. São identificados por letras maiúsculas consecutivas, seguidas de travessão e dos respectivos títulos. Excepcionalmente utilizam-se letras maiúsculas dobradas na identificação dos apêndices, quando esgotadas as 23 letras do alfabeto. Exemplos: ANEXO A – Modelo de capa para monografias ANEXO B – Modelo de formulário de avaliação ANEXO AA – Modelo de folha de pontuação 32
  • 33. 8. Como fazer citações Qualquer informação trazida ao leitor no “TC I” deve possuir a fonte, ou seja, a menção da obra da qual procede tal informação, seja esta oriunda de um livro, artigo, documento, físico ou eletrônico. Essa exigência é o que torna a pesquisa, um trabalho científico, pois se o pesquisador traz informações e não indica procedência, seus posicionamentos perdem a credibilidade e passam a ser considerados meros “achismos” de quem escreve. Está na observância das técnicas, o atributo científico que traz credibilidade. Neste sentido: A Citação é a menção de uma informação extraída/obtida de outra fonte com o objetivo de comprovar/confirmar as ideias que estão sendo desenvolvidas no trabalho. No CIESA, as citações não são realizadas mediante “Nota de rodapé”, mas somente no sistema “autor-data”. 8.1 Notas de Rodapé Acerca da fundamentação, existem regulamentos universitários que permitem o uso incondicional das notas de rodapé. Contudo no TCC do CIESA, as notas de rodapé desempenham um único papel: de serem considerações suplementares ou esclarecimentos realizados pelo autor do trabalho, estando sujeitas à seguinte condição: somente podem ser utilizadas, se não houver outra forma de mencionar a informação no corpo do texto. Assim, a notas permitidas podem ser: a) notas de referência sobre endereço eletrônico; b) notas explicativas, localizadas na região inferior da página, separadas do texto por um espaço simples de entrelinhas, com filete de aproximadamente 3 cm, digitadas com fonte 10 dentro das margens e a partir da margem esquerda. Importante: Utilizamos o sistema autor-data para as citações no texto e o sistema numérico, para notas explicativas realizadas mediante “nota de rodapé”. 33
  • 34. Exemplo de nota de rodapé de referência para endereço eletrônico: Neste caso não havia forma de utilizar o sistema autor-data, pois a informação é disponibilizada em um site especializado que não mencionou o ano que a informação foi postada com precisão, muito menos o nome de um autor, uma vez que os dados são de autoria de uma instituição que possui credibilidade reconhecida, que é o King´s College London. Observação: quando citar sites, busque aqueles dotados de credibilidade, evitando “enciclopédias livres” como a Wikipedia. Exemplo de nota de rodapé explicativa: 34
  • 35. Repare a utilização da “nota de rodapé” meramente para explicar um conceito. 8.2 Citações pelo Sistema “autor-data” Mediante o sistema “autor-data” as fontes das citações são mencionadas no próprio corpo do texto. Ao lado da informação coloca-se em um parêntese, o sobrenome do autor, o ano e a página consultada quando tratar de “citação direta” e, sem indicação da página, quando for “citação indireta”. Observa-se que, ao final do trabalho será possível identificar qual é a obra citada pela verificação do sobrenome e ano mencionados na citação em parênteses, no campo de referências. A citação pode ser: (1) direta ou transcrição – deve conter o número da página; (2) indireta ou paráfrase – não deve conter o número da página; (3) citação de citação. 8.2.1 Citação direta ou transcrição É a transcrição textual de parte da obra consultada, ou seja, a citação é, em si, a fiel reprodução literal do trecho de uma determinada obra consultada, sem qualquer alteração na grafia, pontuação, etc. No sistema “autor-data” de citação (o sistema adotado pelo CIESA), deverá ser mencionado o sobrenome do autor e o ano da obra, e além dessas duas informações, NO CASO DAS CITAÇÕES DIRETAS, o aluno deve mencionar a página da obra de onde retirou a citação. As citações diretas, no texto, de até três linhas, devem estar contidas entre aspas duplas. Exemplo: Verifique que na citação direta deve haver menção da página. Observe que a citação direta foi de somente 3 linhas. Por isso é colocada diretamente no texto, entre aspas. Repare a tabulação 1,5. 35
  • 36. Contudo se a citação direta ultrapassar três linhas do texto, deve ser colocada em recuo de 4cm, letra 10, espaço simples “entre linhas”, como se pode observar no exemplo abaixo: Verifique a citação possui recuo de 4cm. Repare que não se usa Observe que o espaço entre linhas é simples tabulação. e o tamanho da letra é 10. A supressão (parte do trecho transcrito omitido) deve ser indicada por reticências dentro de colchetes. Exemplo: As reticências foram colocadas entre colchetes, pois houve uma supressão, isso ocorre quando a transcrição da frase (no caso em análise) originalmente não iniciava na palavra “princípio” e sim em alguma outra que foi suprimida. 36
  • 37. 8.2.2 Citação indireta ou paráfrase. É a reprodução/expressão da idéia de um autor citado, com palavras próprias do autor do TC, sem transcrição literal. Exemplo: Como se pode perceber no trecho acima, as palavras são do autor do “TC”, ou seja, do aluno, e dessa forma, por não ser transcrição direta ou literal, não há a necessidade de utilizar aspas e menção da página consultada. Significa que o aluno se baseou na idéia do autor contida no livro especificado, mas não trouxe as palavras do autor da obra consultada ipsi literis (literalmente). 8.2.3 Citação de citação É a citação direta ou indireta de um texto em que não se teve acesso ao documento original. Em Direito, isso basicamente ocorre quando se menciona as palavras de um autor encontradas em um livro de outro autor. Neste sentido, deve ser indicado o sobrenome do autor do documento original (não consultado), seguido da data (se houver), da expressão latina apud (citado por, conforme, segundo), do sobrenome do(s) autor(es) do documento efetivamente consultado, data e página (se for citação direta). A citação da obra deve ser incluída nas referências. Exemplo em citação direta: 37
  • 38. Nesse caso, o autor não consultou o livro de MAUER, mas transcreveu um trecho em que CHRISTIE cita MAUER. 8.2.4 Apresentação dos autores no texto As citações devem ser indicadas no texto pelo sistema “autor-data”. Esse sistema ou método adotado deve ser seguido de forma consistente ao longo de todo o trabalho. Nesse momento é importante compreender como é possível apresentar os autores no sistema “autor data” de citação. 8.2.4.1 Citação com um autor Quando o nome do autor estiver incluído na sentença (na própria frase) indica-se a data, entre parênteses, acrescida da(s) página(s), se a citação for direta. Exemplo: Quando o nome do autor estiver entre parênteses, este deverá ser colocado em letras maiúsculas. Exemplo: ] Quando houver coincidência de sobrenomes de autores, acrescentam-se as iniciais de seus prenomes; se mesmo assim existir coincidência, colocam-se os prenomes por extenso. Exemplo: [...] (BARBOSA, Cássio, 1958) [...] (BARBOSA, Celso, 1958) [...] Barbosa, Cássio (1958) Barbosa, Celso (1958) [...] 38
  • 39. As citações de diversos documentos de um mesmo autor, publicados num mesmo ano, são distinguidas pelo acréscimo de letras minúsculas, em ordem alfabética (a, b, c), após a data e sem espacejamento. Exemplo: 8.2.4.2 Citação com dois autores Quando os nomes dos autores estiverem incluídos na sentença, separam-se os sobrenomes dos autores citados pela letra “e”. “Caso estejam fora da sentença, indicam-se os sobrenomes dos autores entre parênteses, separados por ponto e vírgula “;”. Exemplo: Litwin e Stringer (1968) [...] ou [...] (LITWIN; STRINGER, 1968) 8.2.4.3. Citação com 3 autores Quando os nomes dos autores estiverem incluídos na sentença, separa-se o primeiro sobrenome do seguinte por vírgula (,) e o segundo sobrenome do terceiro pela letra “e”. Caso estejam fora da sentença, indicam-se os sobrenomes dos autores entre parênteses, separados por ponto e vírgula (;). Exemplo Anthony, Perrewe e Kacmar, (1996) [...] [...] (ANTHONY; PERREWÉ; KACMAR, 1996). 8.2.4.4 Citação com 4 autores. Indicar o sobrenome do primeiro autor seguido da expressão latina et al. (e outros). Exemplo: Schneider et al. (2000) [...] [...] (SCHNEIDER et al., 2000) 39
  • 40. 9. Como fazer referências As referências são compostas dos documentos efetivamente citados no trabalho. As referências são feitas na parte final do trabalho, após a Conclusão (e antes dos anexos e apêndices). Devem estar relacionadas aos documentos, obras e autores que foram mencionados no decorrer do texto, nas citações diretas e indiretas, apresentando-se por ORDEM ALFABÉTICA. O modelo das referências deste manual foi normalizado de acordo com a ABNT – NBR 6023. As normas para notação das referências bibliográficas estão descritas a seguir. 9.1 Autoria por número de autores 9.1.1 Um autor SOBRENOME DO AUTOR, Prenome (por extenso). “Título da obra: subtítulo”. Edição n. Local de publicação (Cidade): Editora, data de publicação. Eventualmente, o(s) nome(s) do(s) autor(es) de várias obras referenciadas sucessivamente, na mesma página, pode(m) ser substituído(s), nas referências seguintes à primeira, por um traço sublinear (equivalente a seis espaços) e ponto. Exemplo: 9.1.2 Dois autores SOBRENOME DO PRIMEIRO AUTOR, Prenome(s) (por extenso); SOBRENOME DO SEGUNDO AUTOR, Prenome(s) (por extenso). “Título da obra: subtítulo”. Edição n. Local de publicação (Cidade): Editora, data de publicação. 40
  • 41. 9.1.3 Até 3 atores SOBRENOME DO PRIMEIRO AUTOR, Prenome(s) (por extenso); SOBRENOME DO SEGUNDO AUTOR, Prenome(s) (por extenso); SOBRENOME DO TERCEIRO AUTOR, Prenome(s) (por extenso). “Título da obra: subtítulo”. Edição. Local de publicação (Cidade): Editora, data de publicação. 9.1.4 Mais de três autores Indica-se apenas o primeiro, acrescentando-se a expressão et al (e outros). SOBRENOME DO PRIMEIRO AUTOR, Prenome(s) (por extenso) et al. “ Título da obra: subtítulo”. Edição n. Local de publicação (Cidade): Editora, data de publicação. 9.2 Autor com indicação de responsabilidade intelectual (Org/ Coord). SOBRENOME(S) DO(S) AUTOR(ES) da parte referenciada, Prenome(s) (extenso). “Título da parte referenciada”. In: SOBRENOME(S) DO(S) AUTOR(ES) (ou editor, etc.), Prenome(s) (por extenso) da publicação. “Título da publicação”. Edição. Local: Editora, data de publicação. Capítulo, páginas (inicial e final). Exemplo: SHINYASHIKI, Gilberto Tadeu. O processo de socialização organizacional. In: FLEURY, Maria Tereza Leme (Org.). As Pessoas na Organização. São Paulo: Gente, 2002. p. 165-184. 9.3 Artigo ou matéria de periódico. SOBRENOME(S) DO(S) AUTOR(ES), Prenome(s) (iniciais ou por extenso). “Título do artigo: subtítulo”. Título da publicação, Local de publicação (Cidade), volume, fascículo, paginação inicial e final do artigo, período e data de publicação. Exemplos: Exemplo: SOUZA, Edela Lanzer Pereira. “Clima e estrutura de trabalho”. Revista de Administração, São Paulo, v. 22, n.1, p.14-18, jan/mar, 1982. 9.4 Artigo, matéria de revista, CD-ROOM e meio eletrônico. 41
  • 42. As referências devem obedecer aos padrões indicados para artigo e/ou matéria de revista, boletim etc., de acordo com o item anterior, acrescidas das informações relativas à descrição física do meio eletrônico (disquetes, CD-ROM, online etc.). Quando se tratar de obras consultadas online, proceder-se-á conforme observação abaixo. Exemplos: NO CD-ROOM VIEIRA, Cássio Leite; LOPES, Marcelo. “A queda do cometa”. Neo Interativa, Rio de Janeiro, n. 2, inverno 1994, 1 CD-ROM. ONLINE ALVES, Castro. Navio negreiro. Disponível em:<http://www.terra.com.br/virtualbooks/freebook/port/Lport2/navionegreiro.htm>. Acesso em: 10 jan. 2002. 9.5. Teses e dissertações SOBRENOME DO AUTOR, Prenome(s) (por extenso). Título: subtítulo. Data (ano de depósito). Folhas. Grau de dissertação ou tese – Unidade onde foi defendida, Local, data (ano da defesa). 9.6. Documento jurídico Inclui legislação, jurisprudência (decisões judiciais) e doutrina (interpretação dos textoslegais). Elementos essenciais: JURISDIÇÃO (PAÍS, ESTADO ou MUNICÍPIO). Título (Lei ou Decreto), número da lei, data – dia, mês e ano – Seção, página. No caso de Constituição e suas emendas, entre o nome da jurisdição e o título, acrescenta-se a palavra Constituição, seguida do ano de promulgação, entre parênteses. Exemplos: SÃO PAULO (Estado). Decreto nº 42.822, de 20 de janeiro de 1998. Lex: coletânea de legislação e jurisprudência, São Paulo, v. 62, n. 3, p. 217-220, 1998. BRASIL. Constituição (1988). Emenda constitucional nº 9, de 9 de novembro de 1995. Da nova redação ao art. 177 da Constituição Federal, alterando e inserindo parágrafos. Lex: legislação federal e marginalia, São Paulo, v. 59, p. 1966, out./dez. 1995. AMAZONAS, Lei nº ......, ANO. Ementa. Nome da publicação, local, volume, fascículo, página inicial e final, data da publicação. 42
  • 43. Exemplo: BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, v. 134, n. 248, 23 dez. 1996.Seção I, p. 27834-27841. 9.7. Medida provisória BRASIL. Medida Provisória n° 209, de 21 de agosto de 1990. Dispõe sobre as funções de confiança a que se refere a Lei n° 7.596, de 10 de abril de 1987 e dá outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília DF, v. 128, n. 162, p. 15.935, 21 ago. 1990.Seção 1., pt.1. 9.8.Jurisprudência Exemplo: (dados fictícios): JURISDIÇÃO (UNIÃO OU NOME DE ESTADO). Órgão judiciário competente, título (natureza da decisão ou ementa) e número, partes envolvidas (se houver), relator, local, data e dados da publicação. BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Processual Penal. Hábeas Corpus. Constrangimento ilegal. Hábeas corpus nº 181.636-1 1ª Turma. Relator:Ministro Hélio Mosimann. Brasília, DF, 6 dez. 1994. Revista do Superior Tribunal de Justiça, n. 95, p. 236-238, mar. 1998. Acórdãos, Decisões, Deliberações e Sentenças das Cortes ou Tribunais. AUTOR (entidade coletiva responsável pelo documento). Nome da Corte ou Tribunal. Ementa (quando houver). Tipo e número do recurso (apelação, embargo, habeas-corpus, mandado de segurança, etc.). Partes litigantes. Nome do relator precedido da palavra "Relator". Data, precedida da palavra (acórdão ou decisão ou sentença) Dados da publicação que o publicou. Voto vencedor e vencido, quando houver. Exemplo: BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Ação Rescisória que ataca apenas um dos fundamentos do julgado rescindendo, permanecendo subsistentes ou outrosaspectos não impugnados pelo autor. Ocorrência, ademais, de imprecisão na identificação e localização do imóvel objeto da demanda. Coisa julgada. Inexistência. Ação de consignação em pagamento não decidiu sobre domínio enão poderia fazê-lo, pois não é de sua índole conferir a propriedade a alguém. Alegação de violação da lei e de coisa julgada repelida. Ação rescisória julgada improcedente. Acórdão em ação rescisória n. 75-RJ. Manoel da Silva Abreu e Estado do Rio de Janeiro. Relator: Ministro Barros Monteiro. DJ, 20 nov. 1989. Lex: Coletânea de Legislação e Jurisprudência, São Paulo, v.2, n. 5, jan. 1990.p.7-14. 43
  • 44. 10. Banca Examinadora Em 2013 a defesa do artigo científico perante a banca examinadora será exigência de 4ª NPC dos alunos de “TC II”. 10.1. Da programação das Bancas e componentes. A programação das bancas com data e hora será estabelecida pela Coordenação de Trabalho de Curso e publicada no início de Abril de 2013. A banca será composta pelo “professor orientador” que será o presidente da Banca, um “professor de disciplina” e por um “professor indicado” pela Coordenação de Trabalho de Curso, ou ainda, pelo próprio aluno. 10.2. Do professor indicado O professor indicado pelo aluno pode ser da Instituição ou não. Se for de fora da Instituição deve ser efetivamente professor de Direito, com pelo menos título de especialista, não ser parente até 2ª grau do aluno. Para que possa haver essa indicação pelo aluno, o mesmo deve entrar em contato com o professor indicado e apresentar o termo de compromisso de participação na Banca Examinadora no dia de Março de 2013, devidamente assinado, na Coordenação de Trabalho de Curso. Não havendo indicação do aluno, o professor será indicado pela Coordenação de Trabalho de Curso. 10.3. Requisitos para participação na Banca Para participar da Banca Examinadora na 4ª NPC o aluno deverá apresentar três vias da versão original de seu artigo científico, com cópia do Termo de Liberação para Banca em até 7 dias antes do dia em que foi programada a Banca Examinadora. Deverá ainda trazer a versão capa-dura e uma versão em CD-ROOM no dia da defesa perante a Banca. Todos os requisitos acima mencionados são eliminatórios. 10.4. Da defesa Na defesa, o aluno em “TC II” terá de 10 (dez) minutos para defender seu artigo científico perante a banca examinadora, podendo haver a concessão de mais 5(cinco) minutos. Os componentes da banca terão no máximo 5 (cinco) minutos para fazer considerações, e no caso de perguntas, o aluno terá 2 minutos para responde-las. A atribuição das notas se efetivará após o encerramento da defesa. A nota final do aluno é o resultado da média aritmética das notas atribuídas pelos 3 (três) membros da banca examinadora. Se o aluno for reprovado, terá no máximo 05 (cinco) dias para apresentar reformulações sugeridas pelos componentes da Banca. O aluno que não se apresentar para a sua defesa oral, sem motivo justificado estará automaticamente reprovado na disciplina “TC II”. 44