SlideShare uma empresa Scribd logo
+
Serviço Social Autônomo
Isabela da Costa Rodrigues
+
Conceito
 Hely Lopes Meirelles afirma os Serviços Sociais Autônomos
“são todos aqueles instituídos por lei, com personalidade de
Direito Privado, para ministrar assistência ou ensino a certas
categorias sociais ou grupos profissionais, sem fins
lucrativos, sendo mantidos por dotações orçamentárias ou por
contribuições parafiscais”.
 Maria Sylvia Zanella Di Pietro explica que os serviços sociais
autônomos “não prestam serviços publico delegado pelo
Estado, mas atividade privada de interesse publico”
+
Conceito
 Diógenes Gasparini ensina que “os Serviços Sociais
Autônomos são dotadas de patrimônio e administração
próprios. Não se subordinam à Administração Pública
Federal, apenas se vinculam ao Ministério cuja atividade, por
natureza, mais se aproxima das que desempenham, para
controle finalístico e prestação de contas”.
+
Características
 Entidades Paraestatais
 Natureza Jurídica de Direito Privado
 Criadas por lei
 Inicio da Personalidade Jurídica com a inscrição do seu
Estatuto no Cartório de Registro Civil de Pessoas Jurídicas
 “Sistema S”
+
Características
 Finalidade: atividade social direcionada ao aprendizado
profissionalizante, á prestação de serviços assistenciais ou de
utilidade publica
 Não possui Fins Lucrativos
 Mantidos através de contribuições parafiscais
+
Legislação Aplicável
 Art. 240, CF - “Ficam ressalvadas do disposto no art. 195 as
atuais contribuições compulsórias dos empregadores sobre a
folha de salários, destinadas às entidades privadas de serviço
social e de formação profissional vinculadas ao sistema
sindical”
 Art. 149, CF - Compete exclusivamente à União instituir
contribuições sociais, de intervenção no domínio econômico e
de interesse das categorias profissionais ou econômicas, como
instrumento de sua atuação nas respectivas áreas, observado
o disposto nos arts. 146, III e 150, I e III, e sem prejuízo do
previsto no art. 195, §6º, relativamente às contribuições a que
alude o dispositivo.
+
Exemplos
+
Divergências
 Regime Celetista
 Obedece Regulamento de Licitação e Contrato próprio
 Contribuição Parafiscal é dinheiro publico?
 Prestação de Contas
 Não se aplicam a eles as normas constitucionais referentes à
administração pública (Art. 37 e 38)
 Forma Jurídica Livre
+
Maria Sylvia Zanella Di Pietro
 “Pelo fato de administrarem verbas decorrentes de
contribuições parafiscais e gozarem de uma série de privilégios
próprios dos entes públicos, estão sujeitas a normas
semelhantes às da Administração Pública, sob vários
aspectos, em especial no que diz respeito à observância dos
princípios da licitação, à exigência de processo seletivo para
seleção de pessoal, à prestação de contas, à equiparação de
seus empregados aos servidores públicos para fins criminais
(art. 327 do Código Penal) e para fins de improbidade
administrativa (Lei no. 8.429, de 2-6-92)”.
+
Marcelo Alexandrino
 “O Tribunal de Contas da União decidiu que os serviços sociais
autônomos não se submetem à lei de licitações (Lei 8.666/93).
Entretanto, não são livres para contratar; devem eles elaborar
e publicar regulamentos próprios, definindo as regras relativas
aos contratos que venham a celebrar, inclusive os critérios
para a escolha do contratado, observados os princípios da
licitação”. (TCU, Decisão Plenária nº 907/1997)
+
Manoel Gonçalves Ferreira Filho
 “O SESI de modo algum estaria gerindo “ blico”
meramente
procedimental”.
+
MANAUSPREV - Natureza
ESTATUTO DO MANAUSPREV
TÍTULO I
Da Denominação, Natureza, Sede e Jurisdição
Art. 1º O MANAUSPREV é instituição paradministrativa, sem
fins lucrativos, com natureza de serviço social autônomo, criado
pelo município de Manaus, através da Lei nº 870, de 21de julho
de 2005.
+
MANAUSPREV – Quadro de Pessoal
CAPÍTULO VI
Do Pessoal e dos Prestadores de Serviços
Art. 41- As ações e atividades da MANAUSPREV, compreendendo as
áreas executivas e técnicas, relacionadas com
programas, planos, projetos, produtos e serviços de sua
responsabilidade, são exercidas:
I. Por ocupantes de empregos de carreira, pertencentes ao quadro
permanente, contratados sob regime celetista;
II. Por servidores municipais cedidos a MANAUSPREV pelo Município
de Manaus;
III. Por ocupantes de funções de confiança, de direção e
assessoramento superior e de provimento temporário;
IV. Por terceiros, prestadores de serviços, pessoas físicas ou
jurídicas, mediante contratos próprios e específicos;
+
MANAUSPREV – Quadro de Pessoal
§ 1º. A admissão em cargo de carreira, de contratação
permanente, depende de prévia aprovação em processo
seletivo, nos termos do Plano de Cargos e Salários
§ 2º. A celebração, com terceiros, de contratos de prestação de
serviços de obras, compras e outros, dar-se-á nos temos do
disposto no Regulamento de Compras e Contratações
+
MANAUSPREV - Fiscalização
TÍTULO VI
Do Regime Financeiro e Atuarial
Art. 54 – A MANAUSPREV manterá sua contabilidade, seus
registros e seus arquivos atualizados, para facilitar a inspeção
permanente e o controle das contas pelo Conselho Fiscal, pela
Auditoria Interna e Externa e pelo Tribunal de Contas
Art. 49 - Anualmente, O MANAUSPREV deverá publicar no
Diário Oficial do Município as demonstrações contábeis do
exercício, juntamente com as notas explicativas.
+
AMAZONPREV - Natureza
CAPÍTULO I
Da Denominação, Regime Jurídico, Sede, Foro e Duração
Art. 1 - A AMAZONPREV – Fundo Previdenciário do Estado
do Amazonas é uma instituição paradministrativa, com
personalidade jurídica de direito privado e natureza de serviço
social autônomo, criada pela Lei Complementar Nº 30, de 27 de
dezembro de 2001
+
AMAZONPREV – Quadro de Pessoal
CAPÍTULO VI
Do Pessoal e dos Prestadores de Serviços
Art. 41- As ações e atividades da AMAZONPREV, compreendendo as áreas
executivas e técnicas, relacionadas com programas, planos, projetos, produtos e
serviços de sua responsabilidade, são exercidas:
I.por ocupantes de empregos de carreira, pertencentes ao quadro
permanente, contratados sob regime celetista;
II.por ocupantes de funções de confiança, de direção e assessoramento
superior, não ocupantes de empregos de carreira, contratados sob o regime
celetista;
III.por servidores estaduais cedidos a AMAZONPREV pelo Governo do Estado do
Amazonas;
IV.por terceiros, prestadores de serviços, pessoas físicas ou jurídicas, mediante
contratos próprios e específicos;
+
AMAZONPREV – Quadro de Pessoal
§ 1º A admissão ao quadro permanente depende de prévia
aprovação, em processo seletivo, nos termos do Plano de
Cargos e Salários.
§ 2ºA admissão em cargo de assessoramento superior e de
confiança está condicionada à aprovação do Conselho Diretor.
§ 3ºA celebração, com terceiros, de contratos de prestação de
serviços de obras, compras e outros dar-se-á nos termos do
disposto no Regulamento de Compras e Contratações.
+
AMAZONPREV - Fiscalização
CAPÍTULO VII
Do Patrimônio e das Receitas
Art. 47 - A AMAZONPREV manterá sua contabilidade, seus
registros e seus arquivos atualizados, para facilitar a inspeção
permanente e o controle das contas pelo Conselho Fiscal, pela
Auditoria Externa Independente, bem como o cumprimento das
atribuições de Controles Internos
+
MANAUSPREV e AMAZONPREV
 A Lei Complementar Nº93/2011, alterou o Regime Jurídico da
AMAZONPREV para Fundação, dotada de personalidade
Jurídica de direto público e autonomia administrativa,
financeira e contábil
+
Referências Bibliográficas
 DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. São
Paulo: Atlas, 2008.
 MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. São
Paulo: Malheiros, 2004.
 MAFFINI, Rafael. Direito Administrativo. São Paulo: Revista
dos Tribunais, 2008
 GASPARINI, Diógenes. Direito Administrativo. São Paulo:
Saraiva, 2004
 FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves.
o Parafiscal a partir do artigo
149 da CF/88, 1996.
+
Referências Bibliográficas
 Alexandrino, Marcelo. Direito Administrativo Descomplicado /
Marcelo Alexandrino, Vicente Paulo. – 16. ed. Rev. e atual. –
São Paulo: Método, 2008.
 http://manausprev.manaus.am.gov.br/wp-
content/uploads/2010/10/estatuto1.pdf
 http://ebanoteles.blogspot.com.br/2011/01/entes-de-
cooperacao-conceito-servico.html
 http://revista.uepb.edu.br/index.php/datavenia/article/viewFile/5
12/295
 http://www.domtotal.com/direito/pagina/detalhe/31661/servicos-
sociais-autonomos-o-chamado-sistema-s

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Administração de empresas turísticas (diversos temas)
Administração de empresas turísticas (diversos temas)Administração de empresas turísticas (diversos temas)
Administração de empresas turísticas (diversos temas)
Aristides Faria
 
Ebook Receita Federal
Ebook Receita FederalEbook Receita Federal
Ebook Receita Federal
Personality Contabilidade
 
PBH Ativos - Relatorio preliminar final eulalia revisto
PBH Ativos - Relatorio preliminar final eulalia revistoPBH Ativos - Relatorio preliminar final eulalia revisto
PBH Ativos - Relatorio preliminar final eulalia revisto
Daniel Reis Duarte Pousa
 
Controle interno mútuo intragovernamental
Controle interno mútuo intragovernamentalControle interno mútuo intragovernamental
Controle interno mútuo intragovernamental
Celio C. Ferreira
 
Carreira de estado fonacate roberto kupski
Carreira de estado fonacate   roberto kupskiCarreira de estado fonacate   roberto kupski
Carreira de estado fonacate roberto kupski
Ellen Jocham
 
11º newsletter da regra assessoria em gestão pública
11º  newsletter da regra assessoria em gestão pública11º  newsletter da regra assessoria em gestão pública
11º newsletter da regra assessoria em gestão pública
Novosis
 
Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)
Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)
Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)
Sanches Consult.
 
Lei 9.790 99 - lei que cria a oscip
Lei 9.790 99 - lei que cria a oscipLei 9.790 99 - lei que cria a oscip
Lei 9.790 99 - lei que cria a oscip
ABRASCIP
 
Lof fenafim - carlos cardoso
Lof   fenafim - carlos cardosoLof   fenafim - carlos cardoso
Lof fenafim - carlos cardoso
Ellen Jocham
 
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos capítulo 6
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos   capítulo 6Contabilidade para entidades sem fins lucrativos   capítulo 6
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos capítulo 6
Força Aérea Brasileira
 
Apontamentos sobre o Regime de Pessoal e Terceirização por parte das Entidade...
Apontamentos sobre o Regime de Pessoal e Terceirização por parte das Entidade...Apontamentos sobre o Regime de Pessoal e Terceirização por parte das Entidade...
Apontamentos sobre o Regime de Pessoal e Terceirização por parte das Entidade...
Editora Fórum
 
O que é a Receita Estadual
O que é a Receita EstadualO que é a Receita Estadual
O que é a Receita Estadual
Neilton Costa
 
Controle Interno e Externo das Entidades do Terceiro Setor
Controle Interno e Externo das Entidades do Terceiro SetorControle Interno e Externo das Entidades do Terceiro Setor
Controle Interno e Externo das Entidades do Terceiro Setor
Editora Fórum
 
Codigotributario
CodigotributarioCodigotributario
Codigotributario
rbsapple
 
Código do Imposto sobre Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC)
Código do Imposto sobre Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC)Código do Imposto sobre Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC)
Código do Imposto sobre Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC)
Sanches Consult.
 
Informativo Tributário - Maio 2016
Informativo Tributário - Maio 2016Informativo Tributário - Maio 2016
Informativo Tributário - Maio 2016
Renato Lopes da Rocha
 
INCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA - ASSOCIAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS
INCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA - ASSOCIAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOSINCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA - ASSOCIAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS
INCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA - ASSOCIAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS
MARCO AURÉLIO BICALHO DE ABREU CHAGAS
 

Mais procurados (17)

Administração de empresas turísticas (diversos temas)
Administração de empresas turísticas (diversos temas)Administração de empresas turísticas (diversos temas)
Administração de empresas turísticas (diversos temas)
 
Ebook Receita Federal
Ebook Receita FederalEbook Receita Federal
Ebook Receita Federal
 
PBH Ativos - Relatorio preliminar final eulalia revisto
PBH Ativos - Relatorio preliminar final eulalia revistoPBH Ativos - Relatorio preliminar final eulalia revisto
PBH Ativos - Relatorio preliminar final eulalia revisto
 
Controle interno mútuo intragovernamental
Controle interno mútuo intragovernamentalControle interno mútuo intragovernamental
Controle interno mútuo intragovernamental
 
Carreira de estado fonacate roberto kupski
Carreira de estado fonacate   roberto kupskiCarreira de estado fonacate   roberto kupski
Carreira de estado fonacate roberto kupski
 
11º newsletter da regra assessoria em gestão pública
11º  newsletter da regra assessoria em gestão pública11º  newsletter da regra assessoria em gestão pública
11º newsletter da regra assessoria em gestão pública
 
Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)
Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)
Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)
 
Lei 9.790 99 - lei que cria a oscip
Lei 9.790 99 - lei que cria a oscipLei 9.790 99 - lei que cria a oscip
Lei 9.790 99 - lei que cria a oscip
 
Lof fenafim - carlos cardoso
Lof   fenafim - carlos cardosoLof   fenafim - carlos cardoso
Lof fenafim - carlos cardoso
 
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos capítulo 6
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos   capítulo 6Contabilidade para entidades sem fins lucrativos   capítulo 6
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos capítulo 6
 
Apontamentos sobre o Regime de Pessoal e Terceirização por parte das Entidade...
Apontamentos sobre o Regime de Pessoal e Terceirização por parte das Entidade...Apontamentos sobre o Regime de Pessoal e Terceirização por parte das Entidade...
Apontamentos sobre o Regime de Pessoal e Terceirização por parte das Entidade...
 
O que é a Receita Estadual
O que é a Receita EstadualO que é a Receita Estadual
O que é a Receita Estadual
 
Controle Interno e Externo das Entidades do Terceiro Setor
Controle Interno e Externo das Entidades do Terceiro SetorControle Interno e Externo das Entidades do Terceiro Setor
Controle Interno e Externo das Entidades do Terceiro Setor
 
Codigotributario
CodigotributarioCodigotributario
Codigotributario
 
Código do Imposto sobre Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC)
Código do Imposto sobre Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC)Código do Imposto sobre Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC)
Código do Imposto sobre Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC)
 
Informativo Tributário - Maio 2016
Informativo Tributário - Maio 2016Informativo Tributário - Maio 2016
Informativo Tributário - Maio 2016
 
INCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA - ASSOCIAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS
INCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA - ASSOCIAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOSINCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA - ASSOCIAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS
INCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA - ASSOCIAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS
 

Semelhante a Serviços Sociais Autônomos

Apostiladecontabilidadesitecursinhos 100306100227-phpapp01
Apostiladecontabilidadesitecursinhos 100306100227-phpapp01Apostiladecontabilidadesitecursinhos 100306100227-phpapp01
Apostiladecontabilidadesitecursinhos 100306100227-phpapp01
Roniboy Almeida
 
Autarquias federais – conselhos de classe características - aluna cileide c...
Autarquias federais – conselhos de classe   características - aluna cileide c...Autarquias federais – conselhos de classe   características - aluna cileide c...
Autarquias federais – conselhos de classe características - aluna cileide c...
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Retenções na Fonte
Retenções na FonteRetenções na Fonte
Retenções na Fonte
StyllusConsultoria
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
Raquel Oliveira
 
Organizacoes sociais Leme, SP
Organizacoes sociais Leme, SPOrganizacoes sociais Leme, SP
Organizacoes sociais Leme, SP
Gilson Lani
 
Manual controleinterno-tcesp-fev-2015
Manual controleinterno-tcesp-fev-2015Manual controleinterno-tcesp-fev-2015
Manual controleinterno-tcesp-fev-2015
qualidade23
 
Atps de contabilidade tributaria
Atps de contabilidade tributariaAtps de contabilidade tributaria
Atps de contabilidade tributaria
rdamaso
 
Regime juridico unico canindé
Regime juridico unico canindéRegime juridico unico canindé
Regime juridico unico canindé
SINDSEC
 
Cartilha Sugesp
Cartilha SugespCartilha Sugesp
Cartilha Sugesp
SUGESP
 
Dra. sandra cong. das apaes maranhão
Dra. sandra   cong. das apaes maranhãoDra. sandra   cong. das apaes maranhão
Dra. sandra cong. das apaes maranhão
Wildete Silva
 
Codigo de ética
Codigo de éticaCodigo de ética
Codigo de ética
Vicente Paulo Paulo
 
1 o per_o
1 o per_o1 o per_o
primeiro período do curso de administração - contabilidade
primeiro período do curso de administração - contabilidadeprimeiro período do curso de administração - contabilidade
primeiro período do curso de administração - contabilidade
Maurício José Tavares
 
CGU- controladoria-geral da união
CGU-  controladoria-geral da uniãoCGU-  controladoria-geral da união
CGU- controladoria-geral da união
Raquel DA Silva
 
165 questoes comentadas do ministerio da fazenda
165 questoes comentadas do ministerio da fazenda165 questoes comentadas do ministerio da fazenda
165 questoes comentadas do ministerio da fazenda
Rosane Domingues
 
3 quadrimestre rgf
3 quadrimestre   rgf3 quadrimestre   rgf
3 quadrimestre rgf
Alex Guimarães
 
Apostila etica serviço publico
Apostila etica serviço publicoApostila etica serviço publico
Apostila etica serviço publico
Alessandro Barbosa
 
Capítulo i1
Capítulo i1Capítulo i1
DireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - Cebas
DireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - CebasDireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - Cebas
DireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - Cebas
Instituto Comunitário Grande Florianópolis
 
Viii congresso ibet palestra julia de menezes nogueira
Viii congresso ibet   palestra julia de menezes nogueiraViii congresso ibet   palestra julia de menezes nogueira
Viii congresso ibet palestra julia de menezes nogueira
Julia De Menezes Nogueira
 

Semelhante a Serviços Sociais Autônomos (20)

Apostiladecontabilidadesitecursinhos 100306100227-phpapp01
Apostiladecontabilidadesitecursinhos 100306100227-phpapp01Apostiladecontabilidadesitecursinhos 100306100227-phpapp01
Apostiladecontabilidadesitecursinhos 100306100227-phpapp01
 
Autarquias federais – conselhos de classe características - aluna cileide c...
Autarquias federais – conselhos de classe   características - aluna cileide c...Autarquias federais – conselhos de classe   características - aluna cileide c...
Autarquias federais – conselhos de classe características - aluna cileide c...
 
Retenções na Fonte
Retenções na FonteRetenções na Fonte
Retenções na Fonte
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
 
Organizacoes sociais Leme, SP
Organizacoes sociais Leme, SPOrganizacoes sociais Leme, SP
Organizacoes sociais Leme, SP
 
Manual controleinterno-tcesp-fev-2015
Manual controleinterno-tcesp-fev-2015Manual controleinterno-tcesp-fev-2015
Manual controleinterno-tcesp-fev-2015
 
Atps de contabilidade tributaria
Atps de contabilidade tributariaAtps de contabilidade tributaria
Atps de contabilidade tributaria
 
Regime juridico unico canindé
Regime juridico unico canindéRegime juridico unico canindé
Regime juridico unico canindé
 
Cartilha Sugesp
Cartilha SugespCartilha Sugesp
Cartilha Sugesp
 
Dra. sandra cong. das apaes maranhão
Dra. sandra   cong. das apaes maranhãoDra. sandra   cong. das apaes maranhão
Dra. sandra cong. das apaes maranhão
 
Codigo de ética
Codigo de éticaCodigo de ética
Codigo de ética
 
1 o per_o
1 o per_o1 o per_o
1 o per_o
 
primeiro período do curso de administração - contabilidade
primeiro período do curso de administração - contabilidadeprimeiro período do curso de administração - contabilidade
primeiro período do curso de administração - contabilidade
 
CGU- controladoria-geral da união
CGU-  controladoria-geral da uniãoCGU-  controladoria-geral da união
CGU- controladoria-geral da união
 
165 questoes comentadas do ministerio da fazenda
165 questoes comentadas do ministerio da fazenda165 questoes comentadas do ministerio da fazenda
165 questoes comentadas do ministerio da fazenda
 
3 quadrimestre rgf
3 quadrimestre   rgf3 quadrimestre   rgf
3 quadrimestre rgf
 
Apostila etica serviço publico
Apostila etica serviço publicoApostila etica serviço publico
Apostila etica serviço publico
 
Capítulo i1
Capítulo i1Capítulo i1
Capítulo i1
 
DireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - Cebas
DireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - CebasDireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - Cebas
DireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - Cebas
 
Viii congresso ibet palestra julia de menezes nogueira
Viii congresso ibet   palestra julia de menezes nogueiraViii congresso ibet   palestra julia de menezes nogueira
Viii congresso ibet palestra julia de menezes nogueira
 

Mais de José Rogério de Sousa Mendes Júnior

Discricionariedade oculta, valores econômicos aparentes e o Tubarão
Discricionariedade oculta, valores econômicos aparentes e o TubarãoDiscricionariedade oculta, valores econômicos aparentes e o Tubarão
Discricionariedade oculta, valores econômicos aparentes e o Tubarão
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Princípio da moralidade improbidade - atestado médico para si próprio
Princípio da moralidade   improbidade - atestado médico para si próprioPrincípio da moralidade   improbidade - atestado médico para si próprio
Princípio da moralidade improbidade - atestado médico para si próprio
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Princípio da impessoalidade e moralidade promoção pessoal prefeito e improb...
Princípio da impessoalidade e moralidade   promoção pessoal prefeito e improb...Princípio da impessoalidade e moralidade   promoção pessoal prefeito e improb...
Princípio da impessoalidade e moralidade promoção pessoal prefeito e improb...
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Princípios administrativos moralidade - abragência - debates e aprovação da...
Princípios administrativos   moralidade - abragência - debates e aprovação da...Princípios administrativos   moralidade - abragência - debates e aprovação da...
Princípios administrativos moralidade - abragência - debates e aprovação da...
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Aula inaugural
Aula inauguralAula inaugural
Plano de ensino 2014 direito administrativo i
Plano de ensino 2014   direito administrativo iPlano de ensino 2014   direito administrativo i
Plano de ensino 2014 direito administrativo i
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Plano de ensino 2014 direito processual administrativo
Plano de ensino 2014   direito processual administrativoPlano de ensino 2014   direito processual administrativo
Plano de ensino 2014 direito processual administrativo
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Autorização de uso de imagens e depoimentos curta direito
Autorização de uso de imagens e depoimentos curta direitoAutorização de uso de imagens e depoimentos curta direito
Autorização de uso de imagens e depoimentos curta direito
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Terceiro Setor e o Direito Administrativo Leonardo Bentes
Terceiro Setor e o Direito Administrativo Leonardo BentesTerceiro Setor e o Direito Administrativo Leonardo Bentes
Terceiro Setor e o Direito Administrativo Leonardo Bentes
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Organizações Sociais Wilde Bentes
Organizações Sociais  Wilde BentesOrganizações Sociais  Wilde Bentes
Organizações Sociais Wilde Bentes
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Espécies de Atos Administrativos
Espécies de Atos AdministrativosEspécies de Atos Administrativos
Espécies de Atos Administrativos
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Serviços sociais autônomos
Serviços sociais autônomosServiços sociais autônomos
Serviços sociais autônomos
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Teoria geral do processo (prof. pascarelli) revisado 2013
Teoria geral do processo (prof. pascarelli) revisado 2013Teoria geral do processo (prof. pascarelli) revisado 2013
Teoria geral do processo (prof. pascarelli) revisado 2013
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Principais características da agências reguladoras palestra aluno scoty souza
Principais características da agências reguladoras   palestra aluno scoty souzaPrincipais características da agências reguladoras   palestra aluno scoty souza
Principais características da agências reguladoras palestra aluno scoty souza
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Semelhanças entre autarquias e administração direta palestra aluna rebecca ...
Semelhanças entre autarquias e administração direta   palestra aluna rebecca ...Semelhanças entre autarquias e administração direta   palestra aluna rebecca ...
Semelhanças entre autarquias e administração direta palestra aluna rebecca ...
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Regime de pessoal das autarquias palestra aluno wilde bentes
Regime de pessoal das autarquias   palestra aluno wilde bentesRegime de pessoal das autarquias   palestra aluno wilde bentes
Regime de pessoal das autarquias palestra aluno wilde bentes
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Licitações para copa do mundo e olimpíadas
Licitações para copa do mundo e olimpíadasLicitações para copa do mundo e olimpíadas
Licitações para copa do mundo e olimpíadas
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Ampla defesa e plenitude de defesa palestra aluno marcelo travessa guedes
Ampla defesa e plenitude de defesa   palestra aluno marcelo travessa guedesAmpla defesa e plenitude de defesa   palestra aluno marcelo travessa guedes
Ampla defesa e plenitude de defesa palestra aluno marcelo travessa guedes
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Contrato de gestão palestra aluno luis carlos dos santos resende
Contrato de gestão   palestra aluno luis carlos dos santos resendeContrato de gestão   palestra aluno luis carlos dos santos resende
Contrato de gestão palestra aluno luis carlos dos santos resende
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Nepotismo aluno scoty de souza diniz
Nepotismo   aluno scoty de souza dinizNepotismo   aluno scoty de souza diniz
Nepotismo aluno scoty de souza diniz
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 

Mais de José Rogério de Sousa Mendes Júnior (20)

Discricionariedade oculta, valores econômicos aparentes e o Tubarão
Discricionariedade oculta, valores econômicos aparentes e o TubarãoDiscricionariedade oculta, valores econômicos aparentes e o Tubarão
Discricionariedade oculta, valores econômicos aparentes e o Tubarão
 
Princípio da moralidade improbidade - atestado médico para si próprio
Princípio da moralidade   improbidade - atestado médico para si próprioPrincípio da moralidade   improbidade - atestado médico para si próprio
Princípio da moralidade improbidade - atestado médico para si próprio
 
Princípio da impessoalidade e moralidade promoção pessoal prefeito e improb...
Princípio da impessoalidade e moralidade   promoção pessoal prefeito e improb...Princípio da impessoalidade e moralidade   promoção pessoal prefeito e improb...
Princípio da impessoalidade e moralidade promoção pessoal prefeito e improb...
 
Princípios administrativos moralidade - abragência - debates e aprovação da...
Princípios administrativos   moralidade - abragência - debates e aprovação da...Princípios administrativos   moralidade - abragência - debates e aprovação da...
Princípios administrativos moralidade - abragência - debates e aprovação da...
 
Aula inaugural
Aula inauguralAula inaugural
Aula inaugural
 
Plano de ensino 2014 direito administrativo i
Plano de ensino 2014   direito administrativo iPlano de ensino 2014   direito administrativo i
Plano de ensino 2014 direito administrativo i
 
Plano de ensino 2014 direito processual administrativo
Plano de ensino 2014   direito processual administrativoPlano de ensino 2014   direito processual administrativo
Plano de ensino 2014 direito processual administrativo
 
Autorização de uso de imagens e depoimentos curta direito
Autorização de uso de imagens e depoimentos curta direitoAutorização de uso de imagens e depoimentos curta direito
Autorização de uso de imagens e depoimentos curta direito
 
Terceiro Setor e o Direito Administrativo Leonardo Bentes
Terceiro Setor e o Direito Administrativo Leonardo BentesTerceiro Setor e o Direito Administrativo Leonardo Bentes
Terceiro Setor e o Direito Administrativo Leonardo Bentes
 
Organizações Sociais Wilde Bentes
Organizações Sociais  Wilde BentesOrganizações Sociais  Wilde Bentes
Organizações Sociais Wilde Bentes
 
Espécies de Atos Administrativos
Espécies de Atos AdministrativosEspécies de Atos Administrativos
Espécies de Atos Administrativos
 
Serviços sociais autônomos
Serviços sociais autônomosServiços sociais autônomos
Serviços sociais autônomos
 
Teoria geral do processo (prof. pascarelli) revisado 2013
Teoria geral do processo (prof. pascarelli) revisado 2013Teoria geral do processo (prof. pascarelli) revisado 2013
Teoria geral do processo (prof. pascarelli) revisado 2013
 
Principais características da agências reguladoras palestra aluno scoty souza
Principais características da agências reguladoras   palestra aluno scoty souzaPrincipais características da agências reguladoras   palestra aluno scoty souza
Principais características da agências reguladoras palestra aluno scoty souza
 
Semelhanças entre autarquias e administração direta palestra aluna rebecca ...
Semelhanças entre autarquias e administração direta   palestra aluna rebecca ...Semelhanças entre autarquias e administração direta   palestra aluna rebecca ...
Semelhanças entre autarquias e administração direta palestra aluna rebecca ...
 
Regime de pessoal das autarquias palestra aluno wilde bentes
Regime de pessoal das autarquias   palestra aluno wilde bentesRegime de pessoal das autarquias   palestra aluno wilde bentes
Regime de pessoal das autarquias palestra aluno wilde bentes
 
Licitações para copa do mundo e olimpíadas
Licitações para copa do mundo e olimpíadasLicitações para copa do mundo e olimpíadas
Licitações para copa do mundo e olimpíadas
 
Ampla defesa e plenitude de defesa palestra aluno marcelo travessa guedes
Ampla defesa e plenitude de defesa   palestra aluno marcelo travessa guedesAmpla defesa e plenitude de defesa   palestra aluno marcelo travessa guedes
Ampla defesa e plenitude de defesa palestra aluno marcelo travessa guedes
 
Contrato de gestão palestra aluno luis carlos dos santos resende
Contrato de gestão   palestra aluno luis carlos dos santos resendeContrato de gestão   palestra aluno luis carlos dos santos resende
Contrato de gestão palestra aluno luis carlos dos santos resende
 
Nepotismo aluno scoty de souza diniz
Nepotismo   aluno scoty de souza dinizNepotismo   aluno scoty de souza diniz
Nepotismo aluno scoty de souza diniz
 

Último

Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 

Último (20)

Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 

Serviços Sociais Autônomos

  • 2. + Conceito  Hely Lopes Meirelles afirma os Serviços Sociais Autônomos “são todos aqueles instituídos por lei, com personalidade de Direito Privado, para ministrar assistência ou ensino a certas categorias sociais ou grupos profissionais, sem fins lucrativos, sendo mantidos por dotações orçamentárias ou por contribuições parafiscais”.  Maria Sylvia Zanella Di Pietro explica que os serviços sociais autônomos “não prestam serviços publico delegado pelo Estado, mas atividade privada de interesse publico”
  • 3. + Conceito  Diógenes Gasparini ensina que “os Serviços Sociais Autônomos são dotadas de patrimônio e administração próprios. Não se subordinam à Administração Pública Federal, apenas se vinculam ao Ministério cuja atividade, por natureza, mais se aproxima das que desempenham, para controle finalístico e prestação de contas”.
  • 4. + Características  Entidades Paraestatais  Natureza Jurídica de Direito Privado  Criadas por lei  Inicio da Personalidade Jurídica com a inscrição do seu Estatuto no Cartório de Registro Civil de Pessoas Jurídicas  “Sistema S”
  • 5. + Características  Finalidade: atividade social direcionada ao aprendizado profissionalizante, á prestação de serviços assistenciais ou de utilidade publica  Não possui Fins Lucrativos  Mantidos através de contribuições parafiscais
  • 6. + Legislação Aplicável  Art. 240, CF - “Ficam ressalvadas do disposto no art. 195 as atuais contribuições compulsórias dos empregadores sobre a folha de salários, destinadas às entidades privadas de serviço social e de formação profissional vinculadas ao sistema sindical”  Art. 149, CF - Compete exclusivamente à União instituir contribuições sociais, de intervenção no domínio econômico e de interesse das categorias profissionais ou econômicas, como instrumento de sua atuação nas respectivas áreas, observado o disposto nos arts. 146, III e 150, I e III, e sem prejuízo do previsto no art. 195, §6º, relativamente às contribuições a que alude o dispositivo.
  • 8. + Divergências  Regime Celetista  Obedece Regulamento de Licitação e Contrato próprio  Contribuição Parafiscal é dinheiro publico?  Prestação de Contas  Não se aplicam a eles as normas constitucionais referentes à administração pública (Art. 37 e 38)  Forma Jurídica Livre
  • 9. + Maria Sylvia Zanella Di Pietro  “Pelo fato de administrarem verbas decorrentes de contribuições parafiscais e gozarem de uma série de privilégios próprios dos entes públicos, estão sujeitas a normas semelhantes às da Administração Pública, sob vários aspectos, em especial no que diz respeito à observância dos princípios da licitação, à exigência de processo seletivo para seleção de pessoal, à prestação de contas, à equiparação de seus empregados aos servidores públicos para fins criminais (art. 327 do Código Penal) e para fins de improbidade administrativa (Lei no. 8.429, de 2-6-92)”.
  • 10. + Marcelo Alexandrino  “O Tribunal de Contas da União decidiu que os serviços sociais autônomos não se submetem à lei de licitações (Lei 8.666/93). Entretanto, não são livres para contratar; devem eles elaborar e publicar regulamentos próprios, definindo as regras relativas aos contratos que venham a celebrar, inclusive os critérios para a escolha do contratado, observados os princípios da licitação”. (TCU, Decisão Plenária nº 907/1997)
  • 11. + Manoel Gonçalves Ferreira Filho  “O SESI de modo algum estaria gerindo “ blico” meramente procedimental”.
  • 12. + MANAUSPREV - Natureza ESTATUTO DO MANAUSPREV TÍTULO I Da Denominação, Natureza, Sede e Jurisdição Art. 1º O MANAUSPREV é instituição paradministrativa, sem fins lucrativos, com natureza de serviço social autônomo, criado pelo município de Manaus, através da Lei nº 870, de 21de julho de 2005.
  • 13. + MANAUSPREV – Quadro de Pessoal CAPÍTULO VI Do Pessoal e dos Prestadores de Serviços Art. 41- As ações e atividades da MANAUSPREV, compreendendo as áreas executivas e técnicas, relacionadas com programas, planos, projetos, produtos e serviços de sua responsabilidade, são exercidas: I. Por ocupantes de empregos de carreira, pertencentes ao quadro permanente, contratados sob regime celetista; II. Por servidores municipais cedidos a MANAUSPREV pelo Município de Manaus; III. Por ocupantes de funções de confiança, de direção e assessoramento superior e de provimento temporário; IV. Por terceiros, prestadores de serviços, pessoas físicas ou jurídicas, mediante contratos próprios e específicos;
  • 14. + MANAUSPREV – Quadro de Pessoal § 1º. A admissão em cargo de carreira, de contratação permanente, depende de prévia aprovação em processo seletivo, nos termos do Plano de Cargos e Salários § 2º. A celebração, com terceiros, de contratos de prestação de serviços de obras, compras e outros, dar-se-á nos temos do disposto no Regulamento de Compras e Contratações
  • 15. + MANAUSPREV - Fiscalização TÍTULO VI Do Regime Financeiro e Atuarial Art. 54 – A MANAUSPREV manterá sua contabilidade, seus registros e seus arquivos atualizados, para facilitar a inspeção permanente e o controle das contas pelo Conselho Fiscal, pela Auditoria Interna e Externa e pelo Tribunal de Contas Art. 49 - Anualmente, O MANAUSPREV deverá publicar no Diário Oficial do Município as demonstrações contábeis do exercício, juntamente com as notas explicativas.
  • 16. + AMAZONPREV - Natureza CAPÍTULO I Da Denominação, Regime Jurídico, Sede, Foro e Duração Art. 1 - A AMAZONPREV – Fundo Previdenciário do Estado do Amazonas é uma instituição paradministrativa, com personalidade jurídica de direito privado e natureza de serviço social autônomo, criada pela Lei Complementar Nº 30, de 27 de dezembro de 2001
  • 17. + AMAZONPREV – Quadro de Pessoal CAPÍTULO VI Do Pessoal e dos Prestadores de Serviços Art. 41- As ações e atividades da AMAZONPREV, compreendendo as áreas executivas e técnicas, relacionadas com programas, planos, projetos, produtos e serviços de sua responsabilidade, são exercidas: I.por ocupantes de empregos de carreira, pertencentes ao quadro permanente, contratados sob regime celetista; II.por ocupantes de funções de confiança, de direção e assessoramento superior, não ocupantes de empregos de carreira, contratados sob o regime celetista; III.por servidores estaduais cedidos a AMAZONPREV pelo Governo do Estado do Amazonas; IV.por terceiros, prestadores de serviços, pessoas físicas ou jurídicas, mediante contratos próprios e específicos;
  • 18. + AMAZONPREV – Quadro de Pessoal § 1º A admissão ao quadro permanente depende de prévia aprovação, em processo seletivo, nos termos do Plano de Cargos e Salários. § 2ºA admissão em cargo de assessoramento superior e de confiança está condicionada à aprovação do Conselho Diretor. § 3ºA celebração, com terceiros, de contratos de prestação de serviços de obras, compras e outros dar-se-á nos termos do disposto no Regulamento de Compras e Contratações.
  • 19. + AMAZONPREV - Fiscalização CAPÍTULO VII Do Patrimônio e das Receitas Art. 47 - A AMAZONPREV manterá sua contabilidade, seus registros e seus arquivos atualizados, para facilitar a inspeção permanente e o controle das contas pelo Conselho Fiscal, pela Auditoria Externa Independente, bem como o cumprimento das atribuições de Controles Internos
  • 20. + MANAUSPREV e AMAZONPREV  A Lei Complementar Nº93/2011, alterou o Regime Jurídico da AMAZONPREV para Fundação, dotada de personalidade Jurídica de direto público e autonomia administrativa, financeira e contábil
  • 21. + Referências Bibliográficas  DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. São Paulo: Atlas, 2008.  MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. São Paulo: Malheiros, 2004.  MAFFINI, Rafael. Direito Administrativo. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008  GASPARINI, Diógenes. Direito Administrativo. São Paulo: Saraiva, 2004  FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. o Parafiscal a partir do artigo 149 da CF/88, 1996.
  • 22. + Referências Bibliográficas  Alexandrino, Marcelo. Direito Administrativo Descomplicado / Marcelo Alexandrino, Vicente Paulo. – 16. ed. Rev. e atual. – São Paulo: Método, 2008.  http://manausprev.manaus.am.gov.br/wp- content/uploads/2010/10/estatuto1.pdf  http://ebanoteles.blogspot.com.br/2011/01/entes-de- cooperacao-conceito-servico.html  http://revista.uepb.edu.br/index.php/datavenia/article/viewFile/5 12/295  http://www.domtotal.com/direito/pagina/detalhe/31661/servicos- sociais-autonomos-o-chamado-sistema-s