SlideShare uma empresa Scribd logo
Núcleo celular: O centro de
comando.
Unidade 4 –
Pág 34
NÚCLEO
• O núcleo é o centro de coordenação das
atividades da célula.
• Em geral há um núcleo por célula; células
sem núcleo são apenas uma fase da vida; há
células binucleadas (paramécio) e
plurinucleadas (fibra muscular estriada
esquelética).
FASES DO NÚCLEO
• NÚCLEO INTERFÁSICO: é o núcleo da célula
no intervalo entre duas divisões celulares.
• É constituído de:
– Envoltório nuclear
– Cromatina
– Nucléolo
– Cariolinfa
• NÚCLEO EM DIVISÃO: é o núcleo durante a
divisão celular. Contém os cromossomos.
1. O NÚCLEO INTERFÁSICO
1. CARIOTECA
2. RIBOSOMOS
3. POROS
4. NUCLÉOLO
5. CROMATINA
6. NÚCLEO
7. RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO
RUGOSO OU GRANULOSO
8. NUCLEOPLASMA
Envoltório nuclear: duas
membranas. A externa com
ribossomos e ligada ao R.E. R.
Em branco a cisterna
perinuclear. A membrana do lado
nuclear com a lâmina nuclear +
heterocromatina aderida.
Observar os poros do envoltório.
Áreas claras do núcleo:
eucromatina – ativa
geneticamente.
Áreas escuras:
heterocromatina – inativa
geneticamente.
Nucléolo – no centro – produtor
de ribossomos.
Micrografia eletrônica do núcleo com todos seus componentes bem visíveis. As setas mostram
os poros do EN. No citoplasma em volta do núcleo observar o R.E.R.
Poros
Ribossomos Mitocôndria
* Cada poro é rodeado de proteínas que controlam sua abertura
Cariolinfa
• É um material com aspecto gelatinoso que
preenche o núcleo. Contendo proteínas
(DNA polimerase, RNA polimerase,),
nucleotídeos, RNAt, RNAm e RNAr).
• Semelhante ao hialoplasma.
• Meio em que ocorrem reações químicas.
CROMATINA
• É um material de aspecto filamentoso,
constituído de DNA + histonas. O número
de filamentos é constante para cada
espécie (o mesmo de cromossomos). Na
mitose tornam-se condensados e visíveis
ao microscópio.
• Função: Contém as informações genéticas.
CROMATINA
• TIPOS:
– EUCROMATINA: é a cromatina com aspecto
claro ao microscópio. Menos condensada. É
geneticamente ativa (produz RNA).
– HETEROCROMATINA: é a cromatina com
aspecto escuro, é espiralizada e inativa
geneticamente.
Cromatina sexual ou Corpúsculo
de Barr
• Cromatina sexual, também chamado de
corpúsculo de Barr, é o nome dado ao
cromossomo X inativo e condensado das
células que constituem as fêmeas de
mamíferos.
Corpúsculo de Barr
NUCLÉOLO
• Tem aspecto de grânulo, mas não é
limitado por membrana. É o centro de
produção de ribossomos.
• São constituídos de RNAr e proteínas
vindas do citoplasma.
• Originam-se dos cromossomos
(organizadores nucleares).
Esquema do núcleo rodeado pelo envoltório nuclear. A área azul mais escura é o nucléolo onde se
observa a transcrição do DNA em RNAr e sua complexação com proteínas vindas do citoplasma para
formar as subunidades dos ribossomos que atravessam os poros do envoltório e no citoplasma unem-
se ao RNAm, iniciando o processo de Tradução.
Experiência de Balbiani: Importância
do núcleo.
CROMOSSOMOS
• Nas células que vão iniciar mitose ou
meiose, cada filamento de cromatina se
espiraliza tornando visível um
cromossomo, que atinge a condensação
máxima durante a metáfase;
(Durante essa etapa pode-se contar os cromossomos da célula)
ESTRUTURA DO CROMOSSOMO
• Todo cromossomo funcional apresenta as
seguintes estruturas durante as metáfase:
– Cromátides;
– Constrição primária ou centrômero;
– Constrição secundária;
– Telômero;
Formação de um cromossomo: Primeira figura (esquerda): filamento de cromatina com eucromatina (1)
e heterocromatina (2). Na fase S da interfase ocorre a replicação do DNA e o filamento de cromatina
aparece duplo (duas metades são cromátides). A terceira figura mostra o filamento de cromatina
espiralizado formando um cromossomo. Onde havia heterocromatina forma´-se constrições. A quarta
figura é o desenho de um cromossomo visto durante a metáfase.
TIPOS DE CROMOSSOMOS
• METACÊNTRICO: com os braços do mesmo comprimento
• SUBMETACÊNTRICO:braços de tamanhos diferentes.
• ACROCÊNTRICO: centrômero próximo à extremidade.
Podem ter regiões satélites.
• TELOCÊNTRICO: O centrômero fica na extremidade
(terminal). Encontrado somente em vegetais.
CARIÓTIPO
• Organização dos cromossomos homólogos em
pares, de acordo com o tipo e o tamanho.
• IMPORTÂNCIA: Verificar se há excesso ou
falta de cromossomos ou de partes de
cromossomos.
Cariótipo humano masculino. Observe as diferenças de tamanho e dos tipos de cromossomos e os
diferentes tipos. Par 1: metacêntrico. Submetacêntrico: pares 2 – 12. Acrocêntricos: pares 13, 14, 15,
21 e 22. Os cromossomos de cada par são HOMÓLOGOS.
• Todas as células do nosso corpo (exceto os
gametas) são diplóides, ou seja, possuem
dois cromossomos de cada tipo.
• Células com um cromossomo de cada tipo
(gametas com 23 cromossomos), são
classificadas haplóides.
Humanos
2n=46
n=23
Cromossomos
homólogos
Autossomos (somáticos) e heterossomos (sexuais)
Os cromossomos autossômicos (A): características
comuns aos dois sexos, enquanto os sexuais (X e Y)
são os responsáveis pelas características próprias de
cada sexo.
A formação de órgãos somáticos, tais como fígado,
baço, o estômago e outros, deve-se a genes
localizados nos autossomos.
22 PARES DE AUTOSSOMOS + XY =
MASCULINO
22 PARES DE AUTOSSOMOS + XX =
FEMININO
Microscopia Eletrônica do cromossomo X e Y.
Os cromossomos sexuais
O cromossomo Y é mais curto e possui menos genes que o
cromossomo X, além de conter uma porção encurtada, em que
existem genes exclusivos do sexo masculino. Observe na figura abaixo
que uma parte do cromossomo X não possui alelos em Y, isto é, entre
os dois cromossomos há uma região não-homóloga.
AÇÃO GÊNICA DO DNA
SÍNTESE DE PROTEÍNAS
RNAm- faz a TRANSCRIÇÃO
Leva a informação de 1 GENE do núcleo
para o citoplasma, onde ocorre a
tradução. Ele contém uma sequência de
trincas correspondente a uma das fitas do
DNA.
1 códon 3 nucleotídeos 1 aminoácido
7 códons 21 nucleotídeos
DNA Transcrição DNA RNA
RNAt- faz a TRADUÇÃO
Levam os aminoácidos para o RNAm durante o
processo de síntese protéica. Possuem trincas de
nucleotídeos, denominada anticódon.
É através do anticódon que o RNAt reconhece o
local do RNAm onde deve ser colocado o
aminoácido específico por ele transportado.
Anti-códon
Sítio de
ligação ao
aminoácido
U A C
Tradução
• Quando o RNAm chega ao citoplasma ele
se associa ao ribossomo. Após essa
associação os RNAt levam os
aminoácidos, que serão ligados, formando
assim a proteína.
RNAr
São componentes dos ribossomos.
Os ribossomos são formados por RNAr e
proteínas.
Formam os nucléolos.
A U G U U U C U U G A C C C C U G A
U A C AAA
• Quando o RNAm chega ao
citoplasma, ele se associa ao
ribossomo.
• Nessa organela existem 2 espaços
onde entram os RNAt com
aminoácidos específicos.
• somente os RNAt que têm
seqüência do anti-códon
complementar à seqüência do
códon .
A U G U U U C U U G A C C C C U G A
U A C AAA
• Uma enzima presente na
subunidade maior do ribossomo
realiza a ligação peptídica entre os
aminoácidos.
A U G U U U C U U G A C C C C U G A
U A C
AAA
• O RNAt “vazio” volta para o
citoplasma para se ligar a outro
aminoácido.
A U G U U U C U U G A C C C C U G A
U A C
AAA G AA
• O ribossomo agora se desloca a
distância de 1 códon.
• o espaço vazio é preenchido por
um outro RNAt com seqüência do
anti-códon complementar à
seqüência do códon.
A U G U U U C U U G A C C C C U G A
U A C
AAA G AA
• Uma enzima presente na
subunidade maior do ribossomo
realiza a ligação peptídica entre os
aminoácidos.
A U G U U U C U U G A C C C C U G A
U A C AAA
G AA
• O RNAt “vazio” volta para o
citoplasma para se ligar a outro
aminoácido.
• Assim o ribossomo vai se
deslocando ao longo do RNAm e os
aminoácidos são ligados.
A U G U U U C U U G A C C C C U G A
G G G
Códon de
terminação
• Quando o ribossomo passa por um
códon de terminação nenhum RNAt
entra no ribossomo, porque na célula
não existem RNAt com seqüências
complementares aos códons de
terminação.
A U G U U U C U U G A C C C C U G A
G G G
• Então o ribossomo se solta do
RNAm, a proteína recém formada é
liberada e o RNAm é degradado.
CLONAGEM
CLONAGEM REPRODUTIVA
CLONAGEM TERAPEUTICA
O objetivo desta técnica é
produzir células-tronco para o
tratamento de doenças e produção de
tecidos e órgãos para transplante. Esta
técnica é a esperança de cura de doenças
como diabetes, Parkinson e Alzheimer.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 4 membranas celulares especializações e sinalização
Aula 4   membranas celulares especializações e sinalizaçãoAula 4   membranas celulares especializações e sinalização
Aula 4 membranas celulares especializações e sinalização
Ed_Fis_2015
 
Aula - introdução à genética molecular
Aula - introdução à genética molecularAula - introdução à genética molecular
Aula - introdução à genética molecular
Kristian Wessman
 
Divisão celular mitose e meiose
Divisão celular  mitose e meioseDivisão celular  mitose e meiose
Divisão celular mitose e meiose
César Milani
 
Aula 07 núcleo e cromossomos
Aula 07   núcleo e cromossomosAula 07   núcleo e cromossomos
Aula 07 núcleo e cromossomos
Hamilton Nobrega
 
Mitose e meiose
Mitose e meioseMitose e meiose
Mitose e meiose
Andrey Moreira
 
Aula 06 mutação e reparo
Aula 06   mutação e reparoAula 06   mutação e reparo
Aula 06 mutação e reparo
edu.biologia
 
Núcleo celular 22.03.2012
Núcleo celular 22.03.2012Núcleo celular 22.03.2012
Núcleo celular 22.03.2012
Syrus1073
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Mitose e Meiose
Mitose e MeioseMitose e Meiose
Mitose e Meiose
Gisele A. Barbosa
 
Nucleotideos - acidos nucleicos
Nucleotideos - acidos nucleicosNucleotideos - acidos nucleicos
Nucleotideos - acidos nucleicos
Carls Tavares
 
Núcleo cromatina e cromossomo
Núcleo cromatina e cromossomoNúcleo cromatina e cromossomo
Núcleo cromatina e cromossomo
Professora Raquel
 
Aula de bioquímica celular
Aula de bioquímica celularAula de bioquímica celular
Aula de bioquímica celular
luam1969
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
Felipe Cavalcante
 
II. 3 Os ácidos nucléicos
II. 3 Os ácidos nucléicosII. 3 Os ácidos nucléicos
II. 3 Os ácidos nucléicos
Rebeca Vale
 
Célula vegetal e Parede Celular
Célula vegetal e Parede CelularCélula vegetal e Parede Celular
Célula vegetal e Parede Celular
Thiago Ávila Medeiros
 
Meiose
MeioseMeiose
Vias de sinalização do desenvolvimento
Vias de sinalização do desenvolvimentoVias de sinalização do desenvolvimento
Vias de sinalização do desenvolvimento
Myllenne Abreu
 
Replicação do DNA
Replicação do DNAReplicação do DNA
Replicação do DNA
Jaqueline Almeida
 
Aula RESPIRAÇÃO CELULAR
Aula RESPIRAÇÃO CELULARAula RESPIRAÇÃO CELULAR
Aula RESPIRAÇÃO CELULAR
MARCIAMP
 
Aula 8 ciclo celular mitose e meiose
Aula 8   ciclo celular mitose e meioseAula 8   ciclo celular mitose e meiose
Aula 8 ciclo celular mitose e meiose
MARCIAMP
 

Mais procurados (20)

Aula 4 membranas celulares especializações e sinalização
Aula 4   membranas celulares especializações e sinalizaçãoAula 4   membranas celulares especializações e sinalização
Aula 4 membranas celulares especializações e sinalização
 
Aula - introdução à genética molecular
Aula - introdução à genética molecularAula - introdução à genética molecular
Aula - introdução à genética molecular
 
Divisão celular mitose e meiose
Divisão celular  mitose e meioseDivisão celular  mitose e meiose
Divisão celular mitose e meiose
 
Aula 07 núcleo e cromossomos
Aula 07   núcleo e cromossomosAula 07   núcleo e cromossomos
Aula 07 núcleo e cromossomos
 
Mitose e meiose
Mitose e meioseMitose e meiose
Mitose e meiose
 
Aula 06 mutação e reparo
Aula 06   mutação e reparoAula 06   mutação e reparo
Aula 06 mutação e reparo
 
Núcleo celular 22.03.2012
Núcleo celular 22.03.2012Núcleo celular 22.03.2012
Núcleo celular 22.03.2012
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Mitose e Meiose
Mitose e MeioseMitose e Meiose
Mitose e Meiose
 
Nucleotideos - acidos nucleicos
Nucleotideos - acidos nucleicosNucleotideos - acidos nucleicos
Nucleotideos - acidos nucleicos
 
Núcleo cromatina e cromossomo
Núcleo cromatina e cromossomoNúcleo cromatina e cromossomo
Núcleo cromatina e cromossomo
 
Aula de bioquímica celular
Aula de bioquímica celularAula de bioquímica celular
Aula de bioquímica celular
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
II. 3 Os ácidos nucléicos
II. 3 Os ácidos nucléicosII. 3 Os ácidos nucléicos
II. 3 Os ácidos nucléicos
 
Célula vegetal e Parede Celular
Célula vegetal e Parede CelularCélula vegetal e Parede Celular
Célula vegetal e Parede Celular
 
Meiose
MeioseMeiose
Meiose
 
Vias de sinalização do desenvolvimento
Vias de sinalização do desenvolvimentoVias de sinalização do desenvolvimento
Vias de sinalização do desenvolvimento
 
Replicação do DNA
Replicação do DNAReplicação do DNA
Replicação do DNA
 
Aula RESPIRAÇÃO CELULAR
Aula RESPIRAÇÃO CELULARAula RESPIRAÇÃO CELULAR
Aula RESPIRAÇÃO CELULAR
 
Aula 8 ciclo celular mitose e meiose
Aula 8   ciclo celular mitose e meioseAula 8   ciclo celular mitose e meiose
Aula 8 ciclo celular mitose e meiose
 

Destaque

Aves aquaticas
Aves aquaticasAves aquaticas
Aves aquaticas
Tatiana Santos
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
CCMbiologia
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
MARCIAMP
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
Annalu Jannuzzi
 
Tecido sanguineo
Tecido sanguineoTecido sanguineo
Tecido sanguineo
Marcia Bantim
 
V.2 Briófitas e Pteridófitas
V.2 Briófitas e PteridófitasV.2 Briófitas e Pteridófitas
V.2 Briófitas e Pteridófitas
Rebeca Vale
 
Cromossomos
CromossomosCromossomos
Cromossomos
Messias Chaves
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
kharins
 
Briofitas E Pteridofitas
Briofitas E PteridofitasBriofitas E Pteridofitas
Briofitas E Pteridofitas
Andrea Barreto
 
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermasAula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
Fatima Comiotto
 
Slideshare
SlideshareSlideshare

Destaque (11)

Aves aquaticas
Aves aquaticasAves aquaticas
Aves aquaticas
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
 
Tecido sanguineo
Tecido sanguineoTecido sanguineo
Tecido sanguineo
 
V.2 Briófitas e Pteridófitas
V.2 Briófitas e PteridófitasV.2 Briófitas e Pteridófitas
V.2 Briófitas e Pteridófitas
 
Cromossomos
CromossomosCromossomos
Cromossomos
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
 
Briofitas E Pteridofitas
Briofitas E PteridofitasBriofitas E Pteridofitas
Briofitas E Pteridofitas
 
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermasAula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
 
Slideshare
SlideshareSlideshare
Slideshare
 

Semelhante a Núcleo celular e Síntese de proteínas

17 09 16 aula 4 e 5 genetica sexta e sabado
17 09 16 aula 4 e 5 genetica sexta e sabado17 09 16 aula 4 e 5 genetica sexta e sabado
17 09 16 aula 4 e 5 genetica sexta e sabado
Mário Samico Samico
 
Ncleocelular 140804183236-phpapp02
Ncleocelular 140804183236-phpapp02Ncleocelular 140804183236-phpapp02
Ncleocelular 140804183236-phpapp02
Marcela Isis
 
Nucleo
NucleoNucleo
Nucleo
Aline Tonin
 
O nucleo celular
O nucleo celularO nucleo celular
O nucleo celular
Altair Hoepers
 
O núcleo celular
O núcleo celularO núcleo celular
O núcleo celular
SESI 422 - Americana
 
Biologia Celular: Dogma Central de Biologia
Biologia Celular: Dogma Central de BiologiaBiologia Celular: Dogma Central de Biologia
Biologia Celular: Dogma Central de Biologia
natboy51
 
Núcleo celular
Núcleo celular  Núcleo celular
Núcleo celular
Alexandra Arêa
 
Bases genética da hereditariedade
Bases genética da hereditariedadeBases genética da hereditariedade
Bases genética da hereditariedade
Herivelto Carlotto
 
2o ano - O núcleo celular
2o ano - O núcleo celular2o ano - O núcleo celular
2o ano - O núcleo celular
SESI 422 - Americana
 
1 s äcidos nucl[eicos_maio 2012
1 s äcidos nucl[eicos_maio 20121 s äcidos nucl[eicos_maio 2012
1 s äcidos nucl[eicos_maio 2012
CotucaAmbiental
 
Aula 1 - Ciclo Celular - Núcleo, Mitose e Meiose.pptx
Aula 1 - Ciclo Celular - Núcleo,  Mitose e Meiose.pptxAula 1 - Ciclo Celular - Núcleo,  Mitose e Meiose.pptx
Aula 1 - Ciclo Celular - Núcleo, Mitose e Meiose.pptx
GabrielMirandaMacamb
 
aula-4-nucleo-dogma-centra nucleo cel.pptx
aula-4-nucleo-dogma-centra nucleo cel.pptxaula-4-nucleo-dogma-centra nucleo cel.pptx
aula-4-nucleo-dogma-centra nucleo cel.pptx
Larissa Paiva
 
Núcleo, Mitose e Meiose
Núcleo, Mitose e MeioseNúcleo, Mitose e Meiose
Núcleo, Mitose e Meiose
BIOGERALDO
 
áCidos nucléicos o código da vida und 3
áCidos nucléicos  o código da vida und 3áCidos nucléicos  o código da vida und 3
áCidos nucléicos o código da vida und 3
César Milani
 
Biologia celular aula 4- Prof. Amilcar Sousa
Biologia celular aula 4- Prof. Amilcar SousaBiologia celular aula 4- Prof. Amilcar Sousa
Biologia celular aula 4- Prof. Amilcar Sousa
Amilcar Sousa
 
A genética molecular 1 e
A genética molecular   1 eA genética molecular   1 e
A genética molecular 1 e
César Milani
 
Dna e sintese proteínas
Dna e sintese proteínasDna e sintese proteínas
Dna e sintese proteínas
César Milani
 
AULÃO PAS - REVISÃO
AULÃO PAS - REVISÃOAULÃO PAS - REVISÃO
AULÃO PAS - REVISÃO
César Milani
 
1 s äcidos nucleicos_maio
1 s äcidos nucleicos_maio1 s äcidos nucleicos_maio
1 s äcidos nucleicos_maio
Ionara Urrutia Moura
 
Núcleo (Citologia para o Ensino Médio)
Núcleo (Citologia para o Ensino Médio)Núcleo (Citologia para o Ensino Médio)
Núcleo (Citologia para o Ensino Médio)
Andrea Barreto
 

Semelhante a Núcleo celular e Síntese de proteínas (20)

17 09 16 aula 4 e 5 genetica sexta e sabado
17 09 16 aula 4 e 5 genetica sexta e sabado17 09 16 aula 4 e 5 genetica sexta e sabado
17 09 16 aula 4 e 5 genetica sexta e sabado
 
Ncleocelular 140804183236-phpapp02
Ncleocelular 140804183236-phpapp02Ncleocelular 140804183236-phpapp02
Ncleocelular 140804183236-phpapp02
 
Nucleo
NucleoNucleo
Nucleo
 
O nucleo celular
O nucleo celularO nucleo celular
O nucleo celular
 
O núcleo celular
O núcleo celularO núcleo celular
O núcleo celular
 
Biologia Celular: Dogma Central de Biologia
Biologia Celular: Dogma Central de BiologiaBiologia Celular: Dogma Central de Biologia
Biologia Celular: Dogma Central de Biologia
 
Núcleo celular
Núcleo celular  Núcleo celular
Núcleo celular
 
Bases genética da hereditariedade
Bases genética da hereditariedadeBases genética da hereditariedade
Bases genética da hereditariedade
 
2o ano - O núcleo celular
2o ano - O núcleo celular2o ano - O núcleo celular
2o ano - O núcleo celular
 
1 s äcidos nucl[eicos_maio 2012
1 s äcidos nucl[eicos_maio 20121 s äcidos nucl[eicos_maio 2012
1 s äcidos nucl[eicos_maio 2012
 
Aula 1 - Ciclo Celular - Núcleo, Mitose e Meiose.pptx
Aula 1 - Ciclo Celular - Núcleo,  Mitose e Meiose.pptxAula 1 - Ciclo Celular - Núcleo,  Mitose e Meiose.pptx
Aula 1 - Ciclo Celular - Núcleo, Mitose e Meiose.pptx
 
aula-4-nucleo-dogma-centra nucleo cel.pptx
aula-4-nucleo-dogma-centra nucleo cel.pptxaula-4-nucleo-dogma-centra nucleo cel.pptx
aula-4-nucleo-dogma-centra nucleo cel.pptx
 
Núcleo, Mitose e Meiose
Núcleo, Mitose e MeioseNúcleo, Mitose e Meiose
Núcleo, Mitose e Meiose
 
áCidos nucléicos o código da vida und 3
áCidos nucléicos  o código da vida und 3áCidos nucléicos  o código da vida und 3
áCidos nucléicos o código da vida und 3
 
Biologia celular aula 4- Prof. Amilcar Sousa
Biologia celular aula 4- Prof. Amilcar SousaBiologia celular aula 4- Prof. Amilcar Sousa
Biologia celular aula 4- Prof. Amilcar Sousa
 
A genética molecular 1 e
A genética molecular   1 eA genética molecular   1 e
A genética molecular 1 e
 
Dna e sintese proteínas
Dna e sintese proteínasDna e sintese proteínas
Dna e sintese proteínas
 
AULÃO PAS - REVISÃO
AULÃO PAS - REVISÃOAULÃO PAS - REVISÃO
AULÃO PAS - REVISÃO
 
1 s äcidos nucleicos_maio
1 s äcidos nucleicos_maio1 s äcidos nucleicos_maio
1 s äcidos nucleicos_maio
 
Núcleo (Citologia para o Ensino Médio)
Núcleo (Citologia para o Ensino Médio)Núcleo (Citologia para o Ensino Médio)
Núcleo (Citologia para o Ensino Médio)
 

Mais de César Milani

ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf
ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdfÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf
ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf
César Milani
 
BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdf
BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdfBIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdf
BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdf
César Milani
 
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdfAUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
César Milani
 
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdfSISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
César Milani
 
2a Lei de Mendel.pdf
2a Lei de Mendel.pdf2a Lei de Mendel.pdf
2a Lei de Mendel.pdf
César Milani
 
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdf
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdfÁCIDOS NUCLEICOS.pdf
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdf
César Milani
 
ÁCIDOS NUCLÉICOS
ÁCIDOS NUCLÉICOSÁCIDOS NUCLÉICOS
ÁCIDOS NUCLÉICOS
César Milani
 
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIA
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIACÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIA
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIA
César Milani
 
Histologia humana epitelial e conjuntivo
Histologia humana   epitelial e conjuntivoHistologia humana   epitelial e conjuntivo
Histologia humana epitelial e conjuntivo
César Milani
 
Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial
César Milani
 
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentação
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentaçãoEmbriogênese - Tipos de ovos e segmentação
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentação
César Milani
 
Reprodução Animal
Reprodução AnimalReprodução Animal
Reprodução Animal
César Milani
 
Revestimentos e transporte atraves da membrana
Revestimentos e transporte atraves da membranaRevestimentos e transporte atraves da membrana
Revestimentos e transporte atraves da membrana
César Milani
 
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOSPOLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
César Milani
 
Roteiro estudos terceirão
Roteiro estudos terceirãoRoteiro estudos terceirão
Roteiro estudos terceirão
César Milani
 
SISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSOSISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSO
César Milani
 
Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6
César Milani
 
Fotossíntese
FotossínteseFotossíntese
Fotossíntese
César Milani
 
ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1
ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1
ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1
César Milani
 
Resumo pas 1 em
Resumo pas 1 emResumo pas 1 em
Resumo pas 1 em
César Milani
 

Mais de César Milani (20)

ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf
ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdfÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf
ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf
 
BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdf
BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdfBIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdf
BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdf
 
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdfAUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
 
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdfSISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
 
2a Lei de Mendel.pdf
2a Lei de Mendel.pdf2a Lei de Mendel.pdf
2a Lei de Mendel.pdf
 
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdf
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdfÁCIDOS NUCLEICOS.pdf
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdf
 
ÁCIDOS NUCLÉICOS
ÁCIDOS NUCLÉICOSÁCIDOS NUCLÉICOS
ÁCIDOS NUCLÉICOS
 
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIA
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIACÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIA
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIA
 
Histologia humana epitelial e conjuntivo
Histologia humana   epitelial e conjuntivoHistologia humana   epitelial e conjuntivo
Histologia humana epitelial e conjuntivo
 
Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial
 
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentação
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentaçãoEmbriogênese - Tipos de ovos e segmentação
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentação
 
Reprodução Animal
Reprodução AnimalReprodução Animal
Reprodução Animal
 
Revestimentos e transporte atraves da membrana
Revestimentos e transporte atraves da membranaRevestimentos e transporte atraves da membrana
Revestimentos e transporte atraves da membrana
 
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOSPOLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
 
Roteiro estudos terceirão
Roteiro estudos terceirãoRoteiro estudos terceirão
Roteiro estudos terceirão
 
SISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSOSISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSO
 
Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6
 
Fotossíntese
FotossínteseFotossíntese
Fotossíntese
 
ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1
ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1
ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1
 
Resumo pas 1 em
Resumo pas 1 emResumo pas 1 em
Resumo pas 1 em
 

Último

000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 

Núcleo celular e Síntese de proteínas

  • 1. Núcleo celular: O centro de comando. Unidade 4 – Pág 34
  • 2. NÚCLEO • O núcleo é o centro de coordenação das atividades da célula. • Em geral há um núcleo por célula; células sem núcleo são apenas uma fase da vida; há células binucleadas (paramécio) e plurinucleadas (fibra muscular estriada esquelética).
  • 3. FASES DO NÚCLEO • NÚCLEO INTERFÁSICO: é o núcleo da célula no intervalo entre duas divisões celulares. • É constituído de: – Envoltório nuclear – Cromatina – Nucléolo – Cariolinfa • NÚCLEO EM DIVISÃO: é o núcleo durante a divisão celular. Contém os cromossomos.
  • 4. 1. O NÚCLEO INTERFÁSICO 1. CARIOTECA 2. RIBOSOMOS 3. POROS 4. NUCLÉOLO 5. CROMATINA 6. NÚCLEO 7. RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO RUGOSO OU GRANULOSO 8. NUCLEOPLASMA
  • 5. Envoltório nuclear: duas membranas. A externa com ribossomos e ligada ao R.E. R. Em branco a cisterna perinuclear. A membrana do lado nuclear com a lâmina nuclear + heterocromatina aderida. Observar os poros do envoltório. Áreas claras do núcleo: eucromatina – ativa geneticamente. Áreas escuras: heterocromatina – inativa geneticamente. Nucléolo – no centro – produtor de ribossomos.
  • 6. Micrografia eletrônica do núcleo com todos seus componentes bem visíveis. As setas mostram os poros do EN. No citoplasma em volta do núcleo observar o R.E.R.
  • 7. Poros Ribossomos Mitocôndria * Cada poro é rodeado de proteínas que controlam sua abertura
  • 8. Cariolinfa • É um material com aspecto gelatinoso que preenche o núcleo. Contendo proteínas (DNA polimerase, RNA polimerase,), nucleotídeos, RNAt, RNAm e RNAr). • Semelhante ao hialoplasma. • Meio em que ocorrem reações químicas.
  • 9. CROMATINA • É um material de aspecto filamentoso, constituído de DNA + histonas. O número de filamentos é constante para cada espécie (o mesmo de cromossomos). Na mitose tornam-se condensados e visíveis ao microscópio. • Função: Contém as informações genéticas.
  • 10.
  • 11. CROMATINA • TIPOS: – EUCROMATINA: é a cromatina com aspecto claro ao microscópio. Menos condensada. É geneticamente ativa (produz RNA). – HETEROCROMATINA: é a cromatina com aspecto escuro, é espiralizada e inativa geneticamente.
  • 12. Cromatina sexual ou Corpúsculo de Barr • Cromatina sexual, também chamado de corpúsculo de Barr, é o nome dado ao cromossomo X inativo e condensado das células que constituem as fêmeas de mamíferos. Corpúsculo de Barr
  • 13. NUCLÉOLO • Tem aspecto de grânulo, mas não é limitado por membrana. É o centro de produção de ribossomos. • São constituídos de RNAr e proteínas vindas do citoplasma. • Originam-se dos cromossomos (organizadores nucleares).
  • 14. Esquema do núcleo rodeado pelo envoltório nuclear. A área azul mais escura é o nucléolo onde se observa a transcrição do DNA em RNAr e sua complexação com proteínas vindas do citoplasma para formar as subunidades dos ribossomos que atravessam os poros do envoltório e no citoplasma unem- se ao RNAm, iniciando o processo de Tradução.
  • 15. Experiência de Balbiani: Importância do núcleo.
  • 16. CROMOSSOMOS • Nas células que vão iniciar mitose ou meiose, cada filamento de cromatina se espiraliza tornando visível um cromossomo, que atinge a condensação máxima durante a metáfase; (Durante essa etapa pode-se contar os cromossomos da célula)
  • 17. ESTRUTURA DO CROMOSSOMO • Todo cromossomo funcional apresenta as seguintes estruturas durante as metáfase: – Cromátides; – Constrição primária ou centrômero; – Constrição secundária; – Telômero;
  • 18.
  • 19.
  • 20. Formação de um cromossomo: Primeira figura (esquerda): filamento de cromatina com eucromatina (1) e heterocromatina (2). Na fase S da interfase ocorre a replicação do DNA e o filamento de cromatina aparece duplo (duas metades são cromátides). A terceira figura mostra o filamento de cromatina espiralizado formando um cromossomo. Onde havia heterocromatina forma´-se constrições. A quarta figura é o desenho de um cromossomo visto durante a metáfase.
  • 21. TIPOS DE CROMOSSOMOS • METACÊNTRICO: com os braços do mesmo comprimento • SUBMETACÊNTRICO:braços de tamanhos diferentes. • ACROCÊNTRICO: centrômero próximo à extremidade. Podem ter regiões satélites. • TELOCÊNTRICO: O centrômero fica na extremidade (terminal). Encontrado somente em vegetais.
  • 22.
  • 23. CARIÓTIPO • Organização dos cromossomos homólogos em pares, de acordo com o tipo e o tamanho. • IMPORTÂNCIA: Verificar se há excesso ou falta de cromossomos ou de partes de cromossomos.
  • 24. Cariótipo humano masculino. Observe as diferenças de tamanho e dos tipos de cromossomos e os diferentes tipos. Par 1: metacêntrico. Submetacêntrico: pares 2 – 12. Acrocêntricos: pares 13, 14, 15, 21 e 22. Os cromossomos de cada par são HOMÓLOGOS.
  • 25. • Todas as células do nosso corpo (exceto os gametas) são diplóides, ou seja, possuem dois cromossomos de cada tipo. • Células com um cromossomo de cada tipo (gametas com 23 cromossomos), são classificadas haplóides. Humanos 2n=46 n=23 Cromossomos homólogos
  • 26. Autossomos (somáticos) e heterossomos (sexuais) Os cromossomos autossômicos (A): características comuns aos dois sexos, enquanto os sexuais (X e Y) são os responsáveis pelas características próprias de cada sexo. A formação de órgãos somáticos, tais como fígado, baço, o estômago e outros, deve-se a genes localizados nos autossomos. 22 PARES DE AUTOSSOMOS + XY = MASCULINO 22 PARES DE AUTOSSOMOS + XX = FEMININO
  • 27. Microscopia Eletrônica do cromossomo X e Y.
  • 28. Os cromossomos sexuais O cromossomo Y é mais curto e possui menos genes que o cromossomo X, além de conter uma porção encurtada, em que existem genes exclusivos do sexo masculino. Observe na figura abaixo que uma parte do cromossomo X não possui alelos em Y, isto é, entre os dois cromossomos há uma região não-homóloga.
  • 29. AÇÃO GÊNICA DO DNA SÍNTESE DE PROTEÍNAS
  • 30. RNAm- faz a TRANSCRIÇÃO Leva a informação de 1 GENE do núcleo para o citoplasma, onde ocorre a tradução. Ele contém uma sequência de trincas correspondente a uma das fitas do DNA.
  • 31. 1 códon 3 nucleotídeos 1 aminoácido 7 códons 21 nucleotídeos
  • 33. RNAt- faz a TRADUÇÃO Levam os aminoácidos para o RNAm durante o processo de síntese protéica. Possuem trincas de nucleotídeos, denominada anticódon. É através do anticódon que o RNAt reconhece o local do RNAm onde deve ser colocado o aminoácido específico por ele transportado.
  • 35. Tradução • Quando o RNAm chega ao citoplasma ele se associa ao ribossomo. Após essa associação os RNAt levam os aminoácidos, que serão ligados, formando assim a proteína.
  • 36. RNAr São componentes dos ribossomos. Os ribossomos são formados por RNAr e proteínas. Formam os nucléolos.
  • 37. A U G U U U C U U G A C C C C U G A U A C AAA • Quando o RNAm chega ao citoplasma, ele se associa ao ribossomo. • Nessa organela existem 2 espaços onde entram os RNAt com aminoácidos específicos. • somente os RNAt que têm seqüência do anti-códon complementar à seqüência do códon .
  • 38. A U G U U U C U U G A C C C C U G A U A C AAA • Uma enzima presente na subunidade maior do ribossomo realiza a ligação peptídica entre os aminoácidos.
  • 39. A U G U U U C U U G A C C C C U G A U A C AAA • O RNAt “vazio” volta para o citoplasma para se ligar a outro aminoácido.
  • 40. A U G U U U C U U G A C C C C U G A U A C AAA G AA • O ribossomo agora se desloca a distância de 1 códon. • o espaço vazio é preenchido por um outro RNAt com seqüência do anti-códon complementar à seqüência do códon.
  • 41. A U G U U U C U U G A C C C C U G A U A C AAA G AA • Uma enzima presente na subunidade maior do ribossomo realiza a ligação peptídica entre os aminoácidos.
  • 42. A U G U U U C U U G A C C C C U G A U A C AAA G AA • O RNAt “vazio” volta para o citoplasma para se ligar a outro aminoácido. • Assim o ribossomo vai se deslocando ao longo do RNAm e os aminoácidos são ligados.
  • 43. A U G U U U C U U G A C C C C U G A G G G Códon de terminação • Quando o ribossomo passa por um códon de terminação nenhum RNAt entra no ribossomo, porque na célula não existem RNAt com seqüências complementares aos códons de terminação.
  • 44. A U G U U U C U U G A C C C C U G A G G G • Então o ribossomo se solta do RNAm, a proteína recém formada é liberada e o RNAm é degradado.
  • 45.
  • 47.
  • 50. O objetivo desta técnica é produzir células-tronco para o tratamento de doenças e produção de tecidos e órgãos para transplante. Esta técnica é a esperança de cura de doenças como diabetes, Parkinson e Alzheimer.