SlideShare uma empresa Scribd logo
A QUÍMICA DA VIDA
BIO FGB 1
Composição Química da Célula
Inorgânicos
• Água
• Sais Minerais
Orgânicos
• Carboidratos
• Lipídios
• Proteínas
• Ácidos Nucléicos
• Vitaminas
Composição Química da Célula
A molécula de água é formada por dois
átomos de Hidrogênio e um de Oxigênio
(H2O).
Oxigênio
Hidrogênio
ÁGUA
Solvente universal;
Regular temperatura;
Amortecer impactos;
Lubrificar orgãos e tecidos,
Participar de reações
químicas (hidrólise),
Transportar substâncias.
TENSÃO SUPERFICIAL
É uma propriedade física que resulta da força
de atração entre as moléculas internas e da
superfície.
DENSIDADE
A densidade da água varia e diminui em
temperaturas menores. Isso explica porque o
gelo flutua na superfície da água.
VARIAÇÃO DA TAXA DE ÁGUA
• 1- ESPÉCIE
• 2- IDADE
• 3- TECIDO
Quantidade ideal de água por dia?
35 ml de água para cada kg
Os Sais Minerais (Moderadores das atividades celulares)
São encontrados de três formas nos organismos:
1) Componentes de estruturas esqueléticas (cristalina): o
cálcio na constituição de carapaças, esqueletos e casca dos
ovos.
2) Dissolvidos na água (iônica): não estão na forma de cristais,
mas como íons, partículas dotadas de carga elétrica (Ex:
sódio e potássio).
3) Associados a moléculas orgânicas: Hemoglobina + Ferro,
Clorofila + Magnésio
www.bioaula.com.br
Os Sais Minerais
(Moderadores das atividades celulares)
ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf
Se liga
no exercício
do Césão...
(UECE/2019) Relacione, corretamente, os minerais apresentados a
seguir com algumas de suas funções, numerando a coluna abaixo:
1. Cálcio 2. Ferro 3. Sódio 4. Flúor
( ) É um componente importante dos ossos e dos dentes, é
essencial à coagulação sanguínea e tem ação em nervos e
músculos.
( ) É um componente dos ossos e dos dentes, e auxilia na
prevenção da cárie dentária.
( ) É um componente da hemoglobina, da mioglobina e de
enzimas respiratórias, e é fundamental para a respiração celular.
( ) É importante no balanço de líquidos do corpo; é essencial
para a condução do impulso nervoso e tem ação nos músculos.
(UFRN) - Elementos que fazem parte da
constituição das moléculas de ATP, clorofila e
hemoglobina são, respectivamente:
a)magnésio, ferro e fósforo.
b)ferro, magnésio e fósforo.
c)fósforo, magnésio e ferro.
d)magnésio, fósforo e ferro.
e)fósforo, ferro e magnésio.
IFCE - Os sais minerais são reguladores e desempenham
diversas funções relacionadas com o metabolismo. São
considerados ativadores enzimáticos e essenciais para o
funcionamento celular. Sobre isso, é correto afirmar-se que:
a) o sódio interfere na pressão arterial e no volume celular.
b) a condução de impulsos nervosos nos nervos, nos
músculos e no coração é desencadeada pelo ferro.
c) o enxofre atua na produção de hormônios pela glândula
tireoide.
d) a coagulação sanguínea depende diretamente do
potássio.
e) o magnésio faz parte da hemoglobina.
CARBOIDRATOS
• Os carboidratos Glicídios, Glúcides,
Hidratos de Carbono ou Açúcares.
• Formados por carbono, hidrogênio
e oxigênio (Fórmula Geral CnH2nOn).
• Representam a principal fonte de
energia para a célula.
Pág 25
CARBOIDRATOS
• Energética: 1g = 4kcal
• Estrutural: Celulose e Quitina.
• Reserva energética: Amido e Glicogênio
• Genética: Ribose e Desoxirribose
CLASSIFICAÇÃO DOS CARBOIDRATOS
(Tamanho das moléculas)
1- MONOSSACARÍDEOS
• Não podem ser hidrolisados.
• Contêm de três a sete átomos de
carbono.
• Exemplos: Glicose, Frutose e Galactose
• Glicose : é utilizada pelas células como
fonte imediata de energia.
CLASSIFICAÇÃO DOS CARBOIDRATOS
MONOSSACARÍDEOS
C5H10O5
C5H10O4
CLASSIFICAÇÃO DOS CARBOIDRATOS
MONOSSACARÍDEOS C6H12O6
2- OLIGOSSACARÍDEOS
(2 a 10 monossacarídeos)
• DISSACARÍDEOS duas moléculas de
monossacarídeos.
• Cristalinos, solúveis em água e de
sabor doce.
• Exemplos: Sacarose, Lactose e Maltose.
DISSACARÍDEOS
3- POLISSACARÍDEOS
• Formados por várias moléculas de
monossacarídeos.
• Os quatro polissacarídeos mais
importantes:
Amido e glicogênio (energéticos)
Celulose e quitina ( estrutural)
QUITINA
POLISSACARÍDEOS
LIPÍDIOS
• Formados por carbono, hidrogênio e oxigênio.
• União de ácido graxo e álcool (glicerol)
• Exemplos: gorduras, ceras e óleos.
• Insolúveis na água (hidrofóbicos).
• Abundantes no organismo: triglicerídeos,
fosfolipídios e os esteróides.
FUNÇÕES:
•Estrutural: formação de membranas;
•Reserva energética;
•Isolante térmico;
•Impermeabilizante;
•Hormonal.
CLASSIFICAÇÃO DOS LIPÍDIOS
•Glicerídeos;
•Cerídeos;
•Fosfolipídios (membranas);
•Esteróides;
•Carotenóides.
Glicerídeos
www.bioaula.com.br
Cerídeos
Impermeabilização de superfícies
sujeitas a desidratação.
Ex: Folhas e frutos
Ex: Folhas, frutos e flores
www.bioaula.com.br
FOSFOLIPÍDIOS
•2 cadeias de ácidos graxos + grupo
fosfato = fosfolipídio
•Principais componentes das
membranas celulares.
www.bioaula.com.br
(UFRN) Embora seja visto como um vilão, o
colesterol é muito importante para o
organismo humano porque ele é:
a) precursor da síntese de testosterona e
progesterona.
b) agente oxidante dos carboidratos.
c) responsável pela resistência de cartilagens e
tendões.
d) cofator das reações biológicas.
ESTERÓIDES
•Síntese de vitamina D.
•Anti-alérgico e anti-inflamatório
(Cortisona);
•Hormônios sexuais ( estrógeno,
progesterona e testosterona);
•Colesterol (membranas celulares)
www.bioaula.com.br
LDL e HDL
O LDL (baixa densidade) transporta colesterol do fígado para os tecidos, fazendo com que
fique disponível na corrente sanguínea e possa aderir na parede dos vasos sanguíneos. O
HDL (alta densidade) faz o caminho inverso, tira colesterol dos tecidos e devolve para o
fígado onde é estocado ou liberado no intestino para excreção.
A produção das lipoproteínas é regulada pelos níveis de colesterol. Colesterol derivado de
gorduras saturadas e gordura trans favorecem a produção de LDL, enquanto que o consumo
de gorduras insaturadas, encontrada no azeite, peixes e amêndoas, por exemplo, promovem
a produção do HDL.
ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf
www.bioaula.com.br
Fazer no
CADERNO:
Explique o que são lipídios
insaturados, saturados e
trans.
Em quais alimentos podemos
encontra-los?
PROTEÍNAS (polipeptídeos)
Pág 29
• Constituintes básicos da vida;
• Macromoléculas formadas de aminoácidos;
• 50 a 80% do peso seco da célula eucariótica;
• Ligações peptídicas unem os aminoácidos.
FUNÇÕES:
• Plástica e Estrutural (Membranas, Músculos)
• Hormonal ( Insulina, GH e Tiroxina )
• Defesa Imunitária ( Anticorpos)
• Enzimática (Aceleram reações químicas)
BIOCATALISADORES
ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf
ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf
Recomendação da Organização Mundial da
Saúde (OMS), o consumo diário deve ser de 1g
a 1,5g de proteína por quilo de peso, podendo
ser superior a isso, dependendo do objetivo de
cada um.
Quantidade ideal de proteína por dia?
AMINOÁCIDOS
A formação de um polipeptídio ocorre quando
diversos aminoácidos se unem.
Obs.: O número de ligações peptídicas em uma
proteína = ao número de aminoácidos – 1.
AMINOÁCIDOS
GRUPO AMINO
Amino (-NH2) e Carboxila(-COOH), ligados ao carbono
AMINOÁCIDOS
•Naturais: O organismo produz;
•Essenciais: Provenientes da
alimentação.
* Insulina= 51 aminoácidos
* Hemoglobina = 574 aminoácidos
www.bioaula.com.br
Tipo Função
Proteínas estruturais
Componentes das membranas
celulares
Tamanho dos poros (canais);
auxiliam os hormônios no
“reconhecimento” celular
Colágeno Componente estrutural: músculos,
tendões e derme.
Queratina Pele, unha, cabelo e pelos.
Hormônios peptídicos (insulina,
hormônio do crescimento)
Muitos hormônios são proteínas e
exercem efeitos sobre diversos
sistemas orgânicos
Hemoglobina e Mioglobina Transporte de oxigênio
Anticorpos Defesa do organismo
Proteínas musculares ACTINA E MIOSINA
Enzimas Regulam os padrões das reações
químicas
PROTEÍNAS
GRAU DE ESTRUTURAÇÃO DAS PROTEÍNAS
SEQUÊNCIA
LINEAR
DOBRAMENTOS DOS FILAMENTOS .
PRIMEIRO ENROLAMENTO
HELICOIDAL
Estrutura
primária
Estrutura
secundária
Estrutura
terciária
Estrutura
quaternária
CLASSIFICAÇÃO DAS PROTEÍNAS
Quanto à composição:
Proteínas simples (Apenas
aminoácidos)
Ex. albumina, globulina
Proteínas conjugadas (Radical não
proteico)
Ex. Lipoproteínas, glicoproteínas
Enzimas
São proteínas que aumentam a
velocidade de uma reação química
(catalisadores biológicos) sem
interferir no processo.
Características das Enzimas
1- Especificidade de substrato:
(pontos de encaixe)
2- Podem ser reutilizadas!
Obs.: NÃO FAZEM PARTE DO
PRODUTO FINAL DA
REAÇÃO!
Características das Enzimas
3- Reversibilidade de Ação
Ex.: SACAROSE GLICOSE + FRUTOSE
SUCRASE
4- Ação proporcional à
concentração de substrato:
5- Temperatura e pH
www.bioaula.com.br
ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf
Relacione adequadamente as proteínas presentes no organismo
humano com suas respectivas localizações e
funções.
1. Colágeno. 2. Mioglobina. 3. Queratina. 4. Actina e Miosina.
( ) Músculos; responsável por armazenar gás oxigênio.
( ) Epiderme e anexos; responsável pela proteção contra
desidratação.
( ) Músculos; permite a realização de sua contração e distensão.
( ) Derme, tendões, ossos e córneas; propicia resistência à tração
mecânica.
A sequência está correta em
A) 2, 1, 4, 3.
B) 2, 3, 4, 1.
C) 4, 1, 2, 3.
D) 4, 3, 2, 1.
E) 1, 2, 3, 4.
1
Considerando-se a análise das informações contidas no gráfico, pode-
se inferir que:
A) as enzimas representadas participam de reações distintas e em
locais distintos, ao longo do trato digestivo humano.
B) a enzima B é característica de um indivíduo humano em estado
febril, com temperatura corpórea acima de 40oC.
C) a capacidade de manutenção da estrutura terciária da enzima A é
maior do que se comparada à enzima B.
D) variações de temperatura a partir da faixa ótima interferem mais na
velocidade de reação da enzima A do que na velocidade de reação da
enzima B.
E) a enzima B indica uma alta resistência ao calor, como as que
ocorrem, por exemplo, em bactérias termófilas.
O gráfico representa a variação
da velocidade de reação em
relação à variação da
temperatura do ambiente de
duas classes distintas de
enzimas.
O gráfico representa a variação da
velocidade de reação em relação à
variação da temperatura do ambiente
de duas classes distintas de enzimas.
Considerando-se a análise das informações contidas
no gráfico, pode-se inferir que:
A) as enzimas representadas participam de reações
distintas e em locais distintos, ao longo do trato
digestivo humano.
B) a enzima B é característica de um indivíduo humano
em estado febril, com temperatura corpórea acima de
40oC.
C) a capacidade de manutenção da estrutura terciária
da enzima A é maior do que se comparada à enzima B.
D) variações de temperatura a partir da faixa ótima
interferem mais na velocidade de reação da enzima A
do que na velocidade de reação da enzima B.
E) a enzima B indica uma alta resistência ao calor,
como as que ocorrem, por exemplo, em bactérias
termófilas.
3- A maioria das reações metabólicas de um organismo
somente ocorre se houver a presença de enzimas. Sobre as
enzimas, analise as afirmativas abaixo.
I. A ação enzimática sofre influência de fatores como
temperatura e potencial de hidrogênio; variações nesses
fatores alteram a funcionalidade enzimática.
II. São formadas por aminoácidos e algumas delas podem
conter também componentes não proteicos adicionais,
como, por exemplo, carboidratos, lipídios, metais ou
fosfatos.
III. Apresentam alteração em sua estrutura após a reação
que catalisam, uma vez que perdem aminoácidos durante o
processo.
IV. A ligação da enzima com seu respectivo substrato tem
elevada especificidade. Assim, alterações na forma
tridimensional da enzima podem torná-la afuncional, porque
impedem o encaixe de seu centro ativo ao substrato.
Está correto apenas o que se afirma em:
A) I, II e IV.
B) I , II e III.
C) II, III e IV.
D) III e IV.
E) I, III e IV.
4- (Enem/2017) Sabendo-se que as enzimas podem
ter sua atividade regulada por diferentes condições de
temperatura e pH, foi realizado um experimento para
testar as condições ótimas para a atividade de uma
determinada enzima.
Em relação ao funcionamento da enzima, os resultados
obtidos indicam que o (a)
A) aumento do pH leva a uma atividade maior da enzima.
B) temperatura baixa (10°C) é o principal inibidor da enzima.
C) ambiente básico reduz a quantidade de enzima
necessária para a reação.
D) ambiente básico reduz a quantidade de substrato
metabolizado pela enzima.
E) temperatura ótima de funcionamento da enzima é 30 °C,
independentemente do pH.
4- (UFRGS) Nos seres vivos, as enzimas aumentam a velocidade
das reações químicas.
Assinale com V (verdadeiro) ou F (falso) as afirmações abaixo,
referentes às enzimas.
( ) As enzimas têm todas o mesmo pH ótimo.
( ) A temperatura não afeta a formação do complexo enzima-
substrato.
( ) A desnaturação, em temperaturas elevadas, acima da ótima,
pode reduzir a atividade enzimática.
( ) A concentração do substrato afeta a taxa de reação de uma
enzima.
A sequência correta de preenchimento dos parênteses, de cima
para baixo, é:
A) V – V – F – F.
B) V – F – V – F.
C) V – F – F – V.
D) F – V – F – V.
E) F – F – V – V.
(UEM) Sabe-se que mudanças de temperatura podem afetar
diretamente a velocidade de reações químicas e a atividade de
enzimas. A esse respeito e considerando o conhecimento sobre o
assunto, assinale a(s) alternativa(s) correta(s).
01) Dentro de certos limites, a velocidade de uma reação enzimática
aumenta com a elevação da temperatura. A partir de determinado
ponto, porém, o aumento de temperatura faz com que a velocidade da
reação diminua bruscamente e cesse.
02) O aquecimento excessivo de uma enzima provoca modificações
em sua estrutura e essas modificações são reversíveis. Esse processo
é conhecido como desnaturação.
04) Em uma reação química a elevação da temperatura aumenta o
número de colisões efetivas entre os reagentes, aumentando a
velocidade da reação.
08) Reações químicas endotérmicas aumentam de velocidade com o
aumento da temperatura da reação.
16) Reações químicas exotérmicas diminuem de velocidade com o
aumento da temperatura da reação.
Glicina Fenilalanina
Alanina Asparagina Valina
Serina Glutamina Triptofano
Cisteína Prolina Treonina
Tirosina Lisina
Ácido Aspártico Leucina
Ácido Glutâmico Isoleucina
Arginina Histidina Metionina
Podemos classificar os glicídios em três grupos
principais: monossacarídeos, dissacarídeos e
polissacarídeos. Marque a alternativa onde
encontramos apenas glicídios formados pela união
de dois monossacarídeos.
a) amido e celulose.
b) sacarose e celulose.
c) frutose e glicose.
d) celulose e glicogênio.
e) sacarose e lactose.
(UFRS) - Os carboidratos, moléculas constituídas, em geral, por
átomos de carbono, hidrogênio e oxigênio, podem ser divididos em
três grupos: monossacarídeos, oligossacarídeos e polissacarídeos.
A coluna I, a seguir, apresenta três grupos de carboidratos, e a II,
alguns exemplos desses carboidratos. Associe adequadamente a
segunda coluna à primeira.
COLUNA I
1. Monossacarídeo
2. Oligossacarídeo
3. Polissacarídeo
A sequência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para
baixo, é:
a) 2 - 3 - 1 - 1 - 3 - 2. b) 2 - 1 - 2 - 2 - 3 - 1. c) 3 - 1 - 3 - 2 - 2 - 1.
d) 2 – 1 – 3 – 3 – 1 - 2. e) 1 - 2 - 2 - 3 - 1 - 3.
COLUNA II
( ) sacarose
( ) desoxirribose
( ) amido
( ) quitina
( ) galactose
( ) maltose
(UFPEL) - Durante muito tempo acreditou-se que os carboidratos
tinham funções apenas energéticas para os organismos. O avanço
do estudo desses compostos, porém, permitiu descobrir outros
eventos biológicos relacionados aos carboidratos.
Baseado no texto e em seus conhecimentos some as corretas:
01) os carboidratos são fundamentais no processo de transcrição
e replicação, pois participam da estrutura dos ácidos nucléicos.
02) os carboidratos são importantes no reconhecimento celular,
pois estão presentes externamente na membrana plasmática, onde
eles formam o glicocálix.
04) os triglicérides ou triacilglicerídeos, carboidratos importantes
como reserva energética, são formados por carbono, hidrogênio e
oxigênio.
08) tanto quitina, que forma a carapaça dos artrópodes, quanto a
celulose, que participa da formação da parede celular, são tipos de
carboidratos.
16) o amido, encontrado nas plantas, e o glicogênio, encontrado
nos fungos e animais, são exemplos de carboidratos e têm como
função a reserva de energia.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A república liberal
A república liberalA república liberal
A república liberal
Bruno E Geyse Ornelas
 
Química Orgânica I - Introdução
Química Orgânica I - IntroduçãoQuímica Orgânica I - Introdução
Química Orgânica I - Introdução
Ricardo Stefani
 
00 revolução russa – 9º ano sj
00 revolução russa – 9º ano sj00 revolução russa – 9º ano sj
00 revolução russa – 9º ano sj
Rafael Noronha
 
História da astronomia
História da astronomiaHistória da astronomia
História da astronomia
Alison Martins
 
Ditadura militar no Brasil - resumo
Ditadura militar no Brasil - resumoDitadura militar no Brasil - resumo
Ditadura militar no Brasil - resumo
Cecília Chagas
 
Aula - Expectativa de vida
Aula - Expectativa de vidaAula - Expectativa de vida
Aula - Expectativa de vida
santhdalcin
 
Organização do corpo humano
Organização do corpo humanoOrganização do corpo humano
Organização do corpo humano
Eliando Oliveira
 
Diretas já
Diretas jáDiretas já
Diretas já
DeaaSouza
 
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Química Orgânica
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Química OrgânicaSlides da aula de Química (Manoel) sobre Química Orgânica
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Química Orgânica
Turma Olímpica
 
9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos
9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos
9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos
Carolina Suisso
 
Brasil democrático (1945 1964)
Brasil democrático (1945 1964)Brasil democrático (1945 1964)
Brasil democrático (1945 1964)
Fatima Freitas
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
Profernanda
 
Noções de Astronomia
Noções de AstronomiaNoções de Astronomia
Noções de Astronomia
Carlos Priante
 
Regimes totalitarios
Regimes totalitariosRegimes totalitarios
Regimes totalitarios
Creusa Lima
 
4. transformações da matéria
4. transformações da matéria4. transformações da matéria
4. transformações da matéria
Rebeca Vale
 
SLIDES – REVOLUÇÃO DE 1930.
SLIDES – REVOLUÇÃO DE 1930.SLIDES – REVOLUÇÃO DE 1930.
SLIDES – REVOLUÇÃO DE 1930.
Tissiane Gomes
 
9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico
crisbassanimedeiros
 
A gravitação universal de newton
A gravitação universal de newtonA gravitação universal de newton
A gravitação universal de newton
albertaratri
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
Isabel Aguiar
 
Aula 1 ramos da física
Aula 1 ramos da físicaAula 1 ramos da física
Aula 1 ramos da física
Daniela F Almenara
 

Mais procurados (20)

A república liberal
A república liberalA república liberal
A república liberal
 
Química Orgânica I - Introdução
Química Orgânica I - IntroduçãoQuímica Orgânica I - Introdução
Química Orgânica I - Introdução
 
00 revolução russa – 9º ano sj
00 revolução russa – 9º ano sj00 revolução russa – 9º ano sj
00 revolução russa – 9º ano sj
 
História da astronomia
História da astronomiaHistória da astronomia
História da astronomia
 
Ditadura militar no Brasil - resumo
Ditadura militar no Brasil - resumoDitadura militar no Brasil - resumo
Ditadura militar no Brasil - resumo
 
Aula - Expectativa de vida
Aula - Expectativa de vidaAula - Expectativa de vida
Aula - Expectativa de vida
 
Organização do corpo humano
Organização do corpo humanoOrganização do corpo humano
Organização do corpo humano
 
Diretas já
Diretas jáDiretas já
Diretas já
 
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Química Orgânica
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Química OrgânicaSlides da aula de Química (Manoel) sobre Química Orgânica
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Química Orgânica
 
9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos
9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos
9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos
 
Brasil democrático (1945 1964)
Brasil democrático (1945 1964)Brasil democrático (1945 1964)
Brasil democrático (1945 1964)
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
Noções de Astronomia
Noções de AstronomiaNoções de Astronomia
Noções de Astronomia
 
Regimes totalitarios
Regimes totalitariosRegimes totalitarios
Regimes totalitarios
 
4. transformações da matéria
4. transformações da matéria4. transformações da matéria
4. transformações da matéria
 
SLIDES – REVOLUÇÃO DE 1930.
SLIDES – REVOLUÇÃO DE 1930.SLIDES – REVOLUÇÃO DE 1930.
SLIDES – REVOLUÇÃO DE 1930.
 
9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico
 
A gravitação universal de newton
A gravitação universal de newtonA gravitação universal de newton
A gravitação universal de newton
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
 
Aula 1 ramos da física
Aula 1 ramos da físicaAula 1 ramos da física
Aula 1 ramos da física
 

Semelhante a ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf

Bioquimica-Composicao Quimica da Celula.pdf
Bioquimica-Composicao Quimica  da Celula.pdfBioquimica-Composicao Quimica  da Celula.pdf
Bioquimica-Composicao Quimica da Celula.pdf
FeridoZitoJonas
 
Apresentação de exercícios de biologia
Apresentação de exercícios de biologiaApresentação de exercícios de biologia
Apresentação de exercícios de biologia
CIN
 
Biologia molecular
Biologia molecularBiologia molecular
Biologia molecular
Samuel Barbosa
 
Biologia bmrn
Biologia bmrnBiologia bmrn
Biologia bmrn
Valdemir Marques
 
Compostos inorgânicos e orgânicos [modo de compatibilidade]
Compostos inorgânicos e orgânicos  [modo de compatibilidade]Compostos inorgânicos e orgânicos  [modo de compatibilidade]
Compostos inorgânicos e orgânicos [modo de compatibilidade]
César Milani
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
Suely Santos
 
Aula 1 Componentes químicos da célula
Aula 1  Componentes químicos da célulaAula 1  Componentes químicos da célula
Aula 1 Componentes químicos da célula
Marcelo Cabreira de Góes
 
Biologia molecular 1
Biologia molecular 1Biologia molecular 1
Biologia molecular 1
César Milani
 
a composicao quimica dos seres vivos
a composicao quimica dos seres vivosa composicao quimica dos seres vivos
a composicao quimica dos seres vivos
Luciana Menezes de Oliveira
 
Lista de Exercícios III
Lista de Exercícios IIILista de Exercícios III
Lista de Exercícios III
Carlos Priante
 
lista-de-exercc3adcos-composic3a7c3a3o-quc3admica.pdf
lista-de-exercc3adcos-composic3a7c3a3o-quc3admica.pdflista-de-exercc3adcos-composic3a7c3a3o-quc3admica.pdf
lista-de-exercc3adcos-composic3a7c3a3o-quc3admica.pdf
NeodelsioTiago
 
Composição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivosComposição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivos
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Biologia citologia - b1
Biologia   citologia - b1Biologia   citologia - b1
Biologia citologia - b1
Nuricel Aguilera
 
Questoes para 1 s sem resposta
Questoes para 1 s  sem respostaQuestoes para 1 s  sem resposta
Questoes para 1 s sem resposta
Ionara Urrutia Moura
 
3ª Aula de Biologia
3ª Aula de Biologia3ª Aula de Biologia
3ª Aula de Biologia
preuniversitarioitab
 
Bases moleculares da vida 1
Bases moleculares da vida 1Bases moleculares da vida 1
Bases moleculares da vida 1
Fatima Comiotto
 
Citologia
CitologiaCitologia
Composicao Quimica
Composicao QuimicaComposicao Quimica
Composicao Quimica
lidypvh
 
COMPOSIÇÃO QUÍMICA 2.pdf
COMPOSIÇÃO QUÍMICA 2.pdfCOMPOSIÇÃO QUÍMICA 2.pdf
COMPOSIÇÃO QUÍMICA 2.pdf
ZeineSoares
 
Apostila de Biologia
Apostila de BiologiaApostila de Biologia
Apostila de Biologia
Maurício Vieira
 

Semelhante a ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf (20)

Bioquimica-Composicao Quimica da Celula.pdf
Bioquimica-Composicao Quimica  da Celula.pdfBioquimica-Composicao Quimica  da Celula.pdf
Bioquimica-Composicao Quimica da Celula.pdf
 
Apresentação de exercícios de biologia
Apresentação de exercícios de biologiaApresentação de exercícios de biologia
Apresentação de exercícios de biologia
 
Biologia molecular
Biologia molecularBiologia molecular
Biologia molecular
 
Biologia bmrn
Biologia bmrnBiologia bmrn
Biologia bmrn
 
Compostos inorgânicos e orgânicos [modo de compatibilidade]
Compostos inorgânicos e orgânicos  [modo de compatibilidade]Compostos inorgânicos e orgânicos  [modo de compatibilidade]
Compostos inorgânicos e orgânicos [modo de compatibilidade]
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Aula 1 Componentes químicos da célula
Aula 1  Componentes químicos da célulaAula 1  Componentes químicos da célula
Aula 1 Componentes químicos da célula
 
Biologia molecular 1
Biologia molecular 1Biologia molecular 1
Biologia molecular 1
 
a composicao quimica dos seres vivos
a composicao quimica dos seres vivosa composicao quimica dos seres vivos
a composicao quimica dos seres vivos
 
Lista de Exercícios III
Lista de Exercícios IIILista de Exercícios III
Lista de Exercícios III
 
lista-de-exercc3adcos-composic3a7c3a3o-quc3admica.pdf
lista-de-exercc3adcos-composic3a7c3a3o-quc3admica.pdflista-de-exercc3adcos-composic3a7c3a3o-quc3admica.pdf
lista-de-exercc3adcos-composic3a7c3a3o-quc3admica.pdf
 
Composição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivosComposição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivos
 
Biologia citologia - b1
Biologia   citologia - b1Biologia   citologia - b1
Biologia citologia - b1
 
Questoes para 1 s sem resposta
Questoes para 1 s  sem respostaQuestoes para 1 s  sem resposta
Questoes para 1 s sem resposta
 
3ª Aula de Biologia
3ª Aula de Biologia3ª Aula de Biologia
3ª Aula de Biologia
 
Bases moleculares da vida 1
Bases moleculares da vida 1Bases moleculares da vida 1
Bases moleculares da vida 1
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
Composicao Quimica
Composicao QuimicaComposicao Quimica
Composicao Quimica
 
COMPOSIÇÃO QUÍMICA 2.pdf
COMPOSIÇÃO QUÍMICA 2.pdfCOMPOSIÇÃO QUÍMICA 2.pdf
COMPOSIÇÃO QUÍMICA 2.pdf
 
Apostila de Biologia
Apostila de BiologiaApostila de Biologia
Apostila de Biologia
 

Mais de César Milani

BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdf
BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdfBIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdf
BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdf
César Milani
 
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdfAUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
César Milani
 
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdfSISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
César Milani
 
2a Lei de Mendel.pdf
2a Lei de Mendel.pdf2a Lei de Mendel.pdf
2a Lei de Mendel.pdf
César Milani
 
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdf
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdfÁCIDOS NUCLEICOS.pdf
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdf
César Milani
 
ÁCIDOS NUCLÉICOS
ÁCIDOS NUCLÉICOSÁCIDOS NUCLÉICOS
ÁCIDOS NUCLÉICOS
César Milani
 
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIA
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIACÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIA
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIA
César Milani
 
AULÃO PAS - REVISÃO
AULÃO PAS - REVISÃOAULÃO PAS - REVISÃO
AULÃO PAS - REVISÃO
César Milani
 
Histologia humana epitelial e conjuntivo
Histologia humana   epitelial e conjuntivoHistologia humana   epitelial e conjuntivo
Histologia humana epitelial e conjuntivo
César Milani
 
Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial
César Milani
 
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentação
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentaçãoEmbriogênese - Tipos de ovos e segmentação
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentação
César Milani
 
Reprodução Animal
Reprodução AnimalReprodução Animal
Reprodução Animal
César Milani
 
Núcleo celular e Síntese de proteínas
Núcleo celular e Síntese de proteínasNúcleo celular e Síntese de proteínas
Núcleo celular e Síntese de proteínas
César Milani
 
Revestimentos e transporte atraves da membrana
Revestimentos e transporte atraves da membranaRevestimentos e transporte atraves da membrana
Revestimentos e transporte atraves da membrana
César Milani
 
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOSPOLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
César Milani
 
Roteiro estudos terceirão
Roteiro estudos terceirãoRoteiro estudos terceirão
Roteiro estudos terceirão
César Milani
 
SISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSOSISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSO
César Milani
 
Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6
César Milani
 
Fotossíntese
FotossínteseFotossíntese
Fotossíntese
César Milani
 
ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1
ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1
ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1
César Milani
 

Mais de César Milani (20)

BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdf
BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdfBIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdf
BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdf
 
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdfAUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
 
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdfSISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
 
2a Lei de Mendel.pdf
2a Lei de Mendel.pdf2a Lei de Mendel.pdf
2a Lei de Mendel.pdf
 
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdf
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdfÁCIDOS NUCLEICOS.pdf
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdf
 
ÁCIDOS NUCLÉICOS
ÁCIDOS NUCLÉICOSÁCIDOS NUCLÉICOS
ÁCIDOS NUCLÉICOS
 
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIA
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIACÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIA
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIA
 
AULÃO PAS - REVISÃO
AULÃO PAS - REVISÃOAULÃO PAS - REVISÃO
AULÃO PAS - REVISÃO
 
Histologia humana epitelial e conjuntivo
Histologia humana   epitelial e conjuntivoHistologia humana   epitelial e conjuntivo
Histologia humana epitelial e conjuntivo
 
Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial
 
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentação
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentaçãoEmbriogênese - Tipos de ovos e segmentação
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentação
 
Reprodução Animal
Reprodução AnimalReprodução Animal
Reprodução Animal
 
Núcleo celular e Síntese de proteínas
Núcleo celular e Síntese de proteínasNúcleo celular e Síntese de proteínas
Núcleo celular e Síntese de proteínas
 
Revestimentos e transporte atraves da membrana
Revestimentos e transporte atraves da membranaRevestimentos e transporte atraves da membrana
Revestimentos e transporte atraves da membrana
 
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOSPOLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
 
Roteiro estudos terceirão
Roteiro estudos terceirãoRoteiro estudos terceirão
Roteiro estudos terceirão
 
SISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSOSISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSO
 
Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6
 
Fotossíntese
FotossínteseFotossíntese
Fotossíntese
 
ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1
ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1
ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1
 

Último

Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 

ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf

  • 1. A QUÍMICA DA VIDA BIO FGB 1
  • 2. Composição Química da Célula Inorgânicos • Água • Sais Minerais Orgânicos • Carboidratos • Lipídios • Proteínas • Ácidos Nucléicos • Vitaminas
  • 4. A molécula de água é formada por dois átomos de Hidrogênio e um de Oxigênio (H2O). Oxigênio Hidrogênio
  • 5. ÁGUA Solvente universal; Regular temperatura; Amortecer impactos; Lubrificar orgãos e tecidos, Participar de reações químicas (hidrólise), Transportar substâncias.
  • 6. TENSÃO SUPERFICIAL É uma propriedade física que resulta da força de atração entre as moléculas internas e da superfície.
  • 7. DENSIDADE A densidade da água varia e diminui em temperaturas menores. Isso explica porque o gelo flutua na superfície da água.
  • 8. VARIAÇÃO DA TAXA DE ÁGUA • 1- ESPÉCIE • 2- IDADE • 3- TECIDO
  • 9. Quantidade ideal de água por dia? 35 ml de água para cada kg
  • 10. Os Sais Minerais (Moderadores das atividades celulares) São encontrados de três formas nos organismos: 1) Componentes de estruturas esqueléticas (cristalina): o cálcio na constituição de carapaças, esqueletos e casca dos ovos. 2) Dissolvidos na água (iônica): não estão na forma de cristais, mas como íons, partículas dotadas de carga elétrica (Ex: sódio e potássio). 3) Associados a moléculas orgânicas: Hemoglobina + Ferro, Clorofila + Magnésio
  • 14. (UECE/2019) Relacione, corretamente, os minerais apresentados a seguir com algumas de suas funções, numerando a coluna abaixo: 1. Cálcio 2. Ferro 3. Sódio 4. Flúor ( ) É um componente importante dos ossos e dos dentes, é essencial à coagulação sanguínea e tem ação em nervos e músculos. ( ) É um componente dos ossos e dos dentes, e auxilia na prevenção da cárie dentária. ( ) É um componente da hemoglobina, da mioglobina e de enzimas respiratórias, e é fundamental para a respiração celular. ( ) É importante no balanço de líquidos do corpo; é essencial para a condução do impulso nervoso e tem ação nos músculos.
  • 15. (UFRN) - Elementos que fazem parte da constituição das moléculas de ATP, clorofila e hemoglobina são, respectivamente: a)magnésio, ferro e fósforo. b)ferro, magnésio e fósforo. c)fósforo, magnésio e ferro. d)magnésio, fósforo e ferro. e)fósforo, ferro e magnésio.
  • 16. IFCE - Os sais minerais são reguladores e desempenham diversas funções relacionadas com o metabolismo. São considerados ativadores enzimáticos e essenciais para o funcionamento celular. Sobre isso, é correto afirmar-se que: a) o sódio interfere na pressão arterial e no volume celular. b) a condução de impulsos nervosos nos nervos, nos músculos e no coração é desencadeada pelo ferro. c) o enxofre atua na produção de hormônios pela glândula tireoide. d) a coagulação sanguínea depende diretamente do potássio. e) o magnésio faz parte da hemoglobina.
  • 17. CARBOIDRATOS • Os carboidratos Glicídios, Glúcides, Hidratos de Carbono ou Açúcares. • Formados por carbono, hidrogênio e oxigênio (Fórmula Geral CnH2nOn). • Representam a principal fonte de energia para a célula. Pág 25
  • 18. CARBOIDRATOS • Energética: 1g = 4kcal • Estrutural: Celulose e Quitina. • Reserva energética: Amido e Glicogênio • Genética: Ribose e Desoxirribose
  • 19. CLASSIFICAÇÃO DOS CARBOIDRATOS (Tamanho das moléculas) 1- MONOSSACARÍDEOS • Não podem ser hidrolisados. • Contêm de três a sete átomos de carbono. • Exemplos: Glicose, Frutose e Galactose • Glicose : é utilizada pelas células como fonte imediata de energia.
  • 22. 2- OLIGOSSACARÍDEOS (2 a 10 monossacarídeos) • DISSACARÍDEOS duas moléculas de monossacarídeos. • Cristalinos, solúveis em água e de sabor doce. • Exemplos: Sacarose, Lactose e Maltose.
  • 24. 3- POLISSACARÍDEOS • Formados por várias moléculas de monossacarídeos. • Os quatro polissacarídeos mais importantes: Amido e glicogênio (energéticos) Celulose e quitina ( estrutural) QUITINA
  • 26. LIPÍDIOS • Formados por carbono, hidrogênio e oxigênio. • União de ácido graxo e álcool (glicerol) • Exemplos: gorduras, ceras e óleos. • Insolúveis na água (hidrofóbicos). • Abundantes no organismo: triglicerídeos, fosfolipídios e os esteróides.
  • 27. FUNÇÕES: •Estrutural: formação de membranas; •Reserva energética; •Isolante térmico; •Impermeabilizante; •Hormonal.
  • 31. Cerídeos Impermeabilização de superfícies sujeitas a desidratação. Ex: Folhas e frutos Ex: Folhas, frutos e flores
  • 33. FOSFOLIPÍDIOS •2 cadeias de ácidos graxos + grupo fosfato = fosfolipídio •Principais componentes das membranas celulares.
  • 35. (UFRN) Embora seja visto como um vilão, o colesterol é muito importante para o organismo humano porque ele é: a) precursor da síntese de testosterona e progesterona. b) agente oxidante dos carboidratos. c) responsável pela resistência de cartilagens e tendões. d) cofator das reações biológicas.
  • 36. ESTERÓIDES •Síntese de vitamina D. •Anti-alérgico e anti-inflamatório (Cortisona); •Hormônios sexuais ( estrógeno, progesterona e testosterona); •Colesterol (membranas celulares)
  • 38. LDL e HDL O LDL (baixa densidade) transporta colesterol do fígado para os tecidos, fazendo com que fique disponível na corrente sanguínea e possa aderir na parede dos vasos sanguíneos. O HDL (alta densidade) faz o caminho inverso, tira colesterol dos tecidos e devolve para o fígado onde é estocado ou liberado no intestino para excreção. A produção das lipoproteínas é regulada pelos níveis de colesterol. Colesterol derivado de gorduras saturadas e gordura trans favorecem a produção de LDL, enquanto que o consumo de gorduras insaturadas, encontrada no azeite, peixes e amêndoas, por exemplo, promovem a produção do HDL.
  • 41. Fazer no CADERNO: Explique o que são lipídios insaturados, saturados e trans. Em quais alimentos podemos encontra-los?
  • 42. PROTEÍNAS (polipeptídeos) Pág 29 • Constituintes básicos da vida; • Macromoléculas formadas de aminoácidos; • 50 a 80% do peso seco da célula eucariótica; • Ligações peptídicas unem os aminoácidos.
  • 43. FUNÇÕES: • Plástica e Estrutural (Membranas, Músculos) • Hormonal ( Insulina, GH e Tiroxina ) • Defesa Imunitária ( Anticorpos) • Enzimática (Aceleram reações químicas) BIOCATALISADORES
  • 46. Recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), o consumo diário deve ser de 1g a 1,5g de proteína por quilo de peso, podendo ser superior a isso, dependendo do objetivo de cada um. Quantidade ideal de proteína por dia?
  • 47. AMINOÁCIDOS A formação de um polipeptídio ocorre quando diversos aminoácidos se unem. Obs.: O número de ligações peptídicas em uma proteína = ao número de aminoácidos – 1.
  • 48. AMINOÁCIDOS GRUPO AMINO Amino (-NH2) e Carboxila(-COOH), ligados ao carbono
  • 49. AMINOÁCIDOS •Naturais: O organismo produz; •Essenciais: Provenientes da alimentação. * Insulina= 51 aminoácidos * Hemoglobina = 574 aminoácidos
  • 51. Tipo Função Proteínas estruturais Componentes das membranas celulares Tamanho dos poros (canais); auxiliam os hormônios no “reconhecimento” celular Colágeno Componente estrutural: músculos, tendões e derme. Queratina Pele, unha, cabelo e pelos. Hormônios peptídicos (insulina, hormônio do crescimento) Muitos hormônios são proteínas e exercem efeitos sobre diversos sistemas orgânicos Hemoglobina e Mioglobina Transporte de oxigênio Anticorpos Defesa do organismo Proteínas musculares ACTINA E MIOSINA Enzimas Regulam os padrões das reações químicas PROTEÍNAS
  • 52. GRAU DE ESTRUTURAÇÃO DAS PROTEÍNAS SEQUÊNCIA LINEAR DOBRAMENTOS DOS FILAMENTOS . PRIMEIRO ENROLAMENTO HELICOIDAL Estrutura primária Estrutura secundária Estrutura terciária Estrutura quaternária
  • 53. CLASSIFICAÇÃO DAS PROTEÍNAS Quanto à composição: Proteínas simples (Apenas aminoácidos) Ex. albumina, globulina Proteínas conjugadas (Radical não proteico) Ex. Lipoproteínas, glicoproteínas
  • 54. Enzimas São proteínas que aumentam a velocidade de uma reação química (catalisadores biológicos) sem interferir no processo.
  • 55. Características das Enzimas 1- Especificidade de substrato: (pontos de encaixe)
  • 56. 2- Podem ser reutilizadas! Obs.: NÃO FAZEM PARTE DO PRODUTO FINAL DA REAÇÃO!
  • 57. Características das Enzimas 3- Reversibilidade de Ação Ex.: SACAROSE GLICOSE + FRUTOSE SUCRASE
  • 58. 4- Ação proporcional à concentração de substrato:
  • 62. Relacione adequadamente as proteínas presentes no organismo humano com suas respectivas localizações e funções. 1. Colágeno. 2. Mioglobina. 3. Queratina. 4. Actina e Miosina. ( ) Músculos; responsável por armazenar gás oxigênio. ( ) Epiderme e anexos; responsável pela proteção contra desidratação. ( ) Músculos; permite a realização de sua contração e distensão. ( ) Derme, tendões, ossos e córneas; propicia resistência à tração mecânica. A sequência está correta em A) 2, 1, 4, 3. B) 2, 3, 4, 1. C) 4, 1, 2, 3. D) 4, 3, 2, 1. E) 1, 2, 3, 4. 1
  • 63. Considerando-se a análise das informações contidas no gráfico, pode- se inferir que: A) as enzimas representadas participam de reações distintas e em locais distintos, ao longo do trato digestivo humano. B) a enzima B é característica de um indivíduo humano em estado febril, com temperatura corpórea acima de 40oC. C) a capacidade de manutenção da estrutura terciária da enzima A é maior do que se comparada à enzima B. D) variações de temperatura a partir da faixa ótima interferem mais na velocidade de reação da enzima A do que na velocidade de reação da enzima B. E) a enzima B indica uma alta resistência ao calor, como as que ocorrem, por exemplo, em bactérias termófilas. O gráfico representa a variação da velocidade de reação em relação à variação da temperatura do ambiente de duas classes distintas de enzimas.
  • 64. O gráfico representa a variação da velocidade de reação em relação à variação da temperatura do ambiente de duas classes distintas de enzimas.
  • 65. Considerando-se a análise das informações contidas no gráfico, pode-se inferir que: A) as enzimas representadas participam de reações distintas e em locais distintos, ao longo do trato digestivo humano. B) a enzima B é característica de um indivíduo humano em estado febril, com temperatura corpórea acima de 40oC. C) a capacidade de manutenção da estrutura terciária da enzima A é maior do que se comparada à enzima B. D) variações de temperatura a partir da faixa ótima interferem mais na velocidade de reação da enzima A do que na velocidade de reação da enzima B. E) a enzima B indica uma alta resistência ao calor, como as que ocorrem, por exemplo, em bactérias termófilas.
  • 66. 3- A maioria das reações metabólicas de um organismo somente ocorre se houver a presença de enzimas. Sobre as enzimas, analise as afirmativas abaixo. I. A ação enzimática sofre influência de fatores como temperatura e potencial de hidrogênio; variações nesses fatores alteram a funcionalidade enzimática. II. São formadas por aminoácidos e algumas delas podem conter também componentes não proteicos adicionais, como, por exemplo, carboidratos, lipídios, metais ou fosfatos. III. Apresentam alteração em sua estrutura após a reação que catalisam, uma vez que perdem aminoácidos durante o processo. IV. A ligação da enzima com seu respectivo substrato tem elevada especificidade. Assim, alterações na forma tridimensional da enzima podem torná-la afuncional, porque impedem o encaixe de seu centro ativo ao substrato.
  • 67. Está correto apenas o que se afirma em: A) I, II e IV. B) I , II e III. C) II, III e IV. D) III e IV. E) I, III e IV.
  • 68. 4- (Enem/2017) Sabendo-se que as enzimas podem ter sua atividade regulada por diferentes condições de temperatura e pH, foi realizado um experimento para testar as condições ótimas para a atividade de uma determinada enzima.
  • 69. Em relação ao funcionamento da enzima, os resultados obtidos indicam que o (a) A) aumento do pH leva a uma atividade maior da enzima. B) temperatura baixa (10°C) é o principal inibidor da enzima. C) ambiente básico reduz a quantidade de enzima necessária para a reação. D) ambiente básico reduz a quantidade de substrato metabolizado pela enzima. E) temperatura ótima de funcionamento da enzima é 30 °C, independentemente do pH.
  • 70. 4- (UFRGS) Nos seres vivos, as enzimas aumentam a velocidade das reações químicas. Assinale com V (verdadeiro) ou F (falso) as afirmações abaixo, referentes às enzimas. ( ) As enzimas têm todas o mesmo pH ótimo. ( ) A temperatura não afeta a formação do complexo enzima- substrato. ( ) A desnaturação, em temperaturas elevadas, acima da ótima, pode reduzir a atividade enzimática. ( ) A concentração do substrato afeta a taxa de reação de uma enzima. A sequência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é: A) V – V – F – F. B) V – F – V – F. C) V – F – F – V. D) F – V – F – V. E) F – F – V – V.
  • 71. (UEM) Sabe-se que mudanças de temperatura podem afetar diretamente a velocidade de reações químicas e a atividade de enzimas. A esse respeito e considerando o conhecimento sobre o assunto, assinale a(s) alternativa(s) correta(s). 01) Dentro de certos limites, a velocidade de uma reação enzimática aumenta com a elevação da temperatura. A partir de determinado ponto, porém, o aumento de temperatura faz com que a velocidade da reação diminua bruscamente e cesse. 02) O aquecimento excessivo de uma enzima provoca modificações em sua estrutura e essas modificações são reversíveis. Esse processo é conhecido como desnaturação. 04) Em uma reação química a elevação da temperatura aumenta o número de colisões efetivas entre os reagentes, aumentando a velocidade da reação. 08) Reações químicas endotérmicas aumentam de velocidade com o aumento da temperatura da reação. 16) Reações químicas exotérmicas diminuem de velocidade com o aumento da temperatura da reação.
  • 72. Glicina Fenilalanina Alanina Asparagina Valina Serina Glutamina Triptofano Cisteína Prolina Treonina Tirosina Lisina Ácido Aspártico Leucina Ácido Glutâmico Isoleucina Arginina Histidina Metionina
  • 73. Podemos classificar os glicídios em três grupos principais: monossacarídeos, dissacarídeos e polissacarídeos. Marque a alternativa onde encontramos apenas glicídios formados pela união de dois monossacarídeos. a) amido e celulose. b) sacarose e celulose. c) frutose e glicose. d) celulose e glicogênio. e) sacarose e lactose.
  • 74. (UFRS) - Os carboidratos, moléculas constituídas, em geral, por átomos de carbono, hidrogênio e oxigênio, podem ser divididos em três grupos: monossacarídeos, oligossacarídeos e polissacarídeos. A coluna I, a seguir, apresenta três grupos de carboidratos, e a II, alguns exemplos desses carboidratos. Associe adequadamente a segunda coluna à primeira. COLUNA I 1. Monossacarídeo 2. Oligossacarídeo 3. Polissacarídeo A sequência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é: a) 2 - 3 - 1 - 1 - 3 - 2. b) 2 - 1 - 2 - 2 - 3 - 1. c) 3 - 1 - 3 - 2 - 2 - 1. d) 2 – 1 – 3 – 3 – 1 - 2. e) 1 - 2 - 2 - 3 - 1 - 3. COLUNA II ( ) sacarose ( ) desoxirribose ( ) amido ( ) quitina ( ) galactose ( ) maltose
  • 75. (UFPEL) - Durante muito tempo acreditou-se que os carboidratos tinham funções apenas energéticas para os organismos. O avanço do estudo desses compostos, porém, permitiu descobrir outros eventos biológicos relacionados aos carboidratos. Baseado no texto e em seus conhecimentos some as corretas: 01) os carboidratos são fundamentais no processo de transcrição e replicação, pois participam da estrutura dos ácidos nucléicos. 02) os carboidratos são importantes no reconhecimento celular, pois estão presentes externamente na membrana plasmática, onde eles formam o glicocálix. 04) os triglicérides ou triacilglicerídeos, carboidratos importantes como reserva energética, são formados por carbono, hidrogênio e oxigênio. 08) tanto quitina, que forma a carapaça dos artrópodes, quanto a celulose, que participa da formação da parede celular, são tipos de carboidratos. 16) o amido, encontrado nas plantas, e o glicogênio, encontrado nos fungos e animais, são exemplos de carboidratos e têm como função a reserva de energia.