SlideShare uma empresa Scribd logo
ANÁLISE AO POEMA:
“NÃO SEI QUANTAS ALMAS
TENHO” DE FERNANDO
PESSOA
Trabalho realizado por:
Daniel Pinto nº5
João Teles nº11
Renato Almeida nº15
FERNANDO PESSOA
• Nasceu em 1888 em Lisboa

• Mudou-se para África do sul aos 6anos de idade
• Regressa a Lisboa em 1905
• Em 1906 matricula-se no Curso Superior de Letras, curso que iria abandonar 1 ano
depois
• Em 1914 surgem os heterónimos entre os quais Alberto Caeiro (mestre), Ricardo Reis e
Álvaro de Campos.
• Morre a 30 de Novembro de 1935 com 47 anos de idade
ANÁLISE DO POEMA:

NÃO SEI QUANTAS ALMAS TENHO
Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem acabei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,

Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem;
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.

Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que segue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo: "Fui eu ?"
Deus sabe, porque o escreveu.
Fernando Pessoa
ESTRUTURA DO POEMA:
NÃO SEI QUANTAS ALMAS TENHO

• O poema é composto por três oitavas.

• Estas têm uma métrica regular (cada verso contém 6 sílabas).
• Uma rima cruzada, uma rima emparelhada e por fim dois versos solto
(6 sílabas)
(6 sílabas)
(6 sílabas)
(6 sílabas)
(6 sílabas)
(6 sílabas)
(6 sílabas)
(6 sílabas)

Não sei quantas almas tenho. A
Cada momento mudei.
B
Continuamente me estranho. A
Nunca me vi nem achei.
B
De tanto ser, só tenho alma.
C
Quem tem alma não tem calma.C
Quem vê é só o que vê,
D
Quem sente não é quem é,
F

Rima Cruzada
Rima Emparelhada
Versos Livres
CONTEÚDO DO POEMA:

NÃO SEI QUANTAS ALMAS TENHO
1ª ESTROFE

Referências aos
heterónimos

Anáfora.

Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem acabei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,

Referência ao facto de não se
conhecer a si mesmo.
Assonância. Fernando pessoa expressa
a sua racionalidade. Tudo o que lhe
sucede na vida é pensado pela alma e
não sentido pelo corpo.
Antítese , remete para a oposição
entre viver e pensar. “Quem vê” vive
pois não pensa(sente). “Quem sente”
não consegue viver pois pensa.
CONTEÚDO DO POEMA:

NÃO SEI QUANTAS ALMAS TENHO
2ª ESTROFE

Referência aos
heterónimos.
Sugere a separação
entre alma do corpo

Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem;
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.

Despersonalização de
Fernando Pessoa. Esconde
os seus sonhos e desejos e
diz que estes pertencem
aos heterónimos.

Referência á sua
multiplicação em várias
pessoas embora sempre
solitário e sem conseguir
identificar-se como um só.
CONTEÚDO DO POEMA:

NÃO SEI QUANTAS ALMAS TENHO
3ª ESTROFE

Compara-se a um
livro, dentro do qual
escreve o que pensa
sentir nas suas
margens. Depois ao
ler duvida se foi ele
que o escreveu.

Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que segue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo: "Fui eu ?"
Deus sabe, porque o escreveu.

Metáfora. A sua vida foi racionalizada e
transmitida para palavras escritas pelos
heterónimos. Estes acabam por viver a
sua vida ao mesmo tempo que o reduzem
a uma insignificância.
CONCLUSÃO DA ANÁLISE DO POEMA:
NÃO SEI QUANTAS ALMAS TENHO

• O poema Não sei quantas almas tenho consiste numa autoanálise por parte do sujeito poético.
Nela Fernando Pessoa apresenta-se com “várias almas”, o que é uma alusão aos vários
heterónimos que possui, e descreve o seu interior como se fosse um labirinto onde é difícil
encontrar-se a ele mesmo. A ideia geral presente neste poema é a tentativa de Fernando

Pessoa de se expressar através dos heterónimos sentindo ao mesmo tempo uma grande solidão
e tristeza por não conseguir identificar-se.
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
Margarida Rodrigues
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
FilipaFonseca
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
MiguelavRodrigues
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Margarida Rodrigues
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
Paula Oliveira Cruz
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
Dina Baptista
 
A fragmentação do eu
A fragmentação do euA fragmentação do eu
A fragmentação do eu
Paulo Portelada
 
Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa Heterónimos
ESVieira do Minho
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Anabela Fernandes
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
guestde10d2
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Joana Azevedo
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
Dina Baptista
 
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análiseAlberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
Anabela Fernandes
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
Raffaella Ergün
 
Nevoeiro
Nevoeiro   Nevoeiro
Nevoeiro
aramalho340
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
Maria Freitas
 
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de CamposAnálise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Escola Secundária de Santa Maria da Feira
 
"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise
"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise
"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise
Maria João Oliveira
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
Aline Araújo
 

Mais procurados (20)

Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
A fragmentação do eu
A fragmentação do euA fragmentação do eu
A fragmentação do eu
 
Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa Heterónimos
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análiseAlberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 
Nevoeiro
Nevoeiro   Nevoeiro
Nevoeiro
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
 
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de CamposAnálise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
 
"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise
"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise
"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
 

Destaque

Cancioneiro - Fernando Pessoa -
Cancioneiro - Fernando Pessoa -Cancioneiro - Fernando Pessoa -
Cancioneiro - Fernando Pessoa -
frodemandacaru
 
Quadras ao gosto popular de Fernando Pessoa Ativ. 5 e 6 , Apresentação Prof. ...
Quadras ao gosto popular de Fernando Pessoa Ativ. 5 e 6 , Apresentação Prof. ...Quadras ao gosto popular de Fernando Pessoa Ativ. 5 e 6 , Apresentação Prof. ...
Quadras ao gosto popular de Fernando Pessoa Ativ. 5 e 6 , Apresentação Prof. ...
Antônia de Fátima Codonho
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
guest3fc89a1
 
F.pessoa heterónimo teste aval. sumativa
F.pessoa heterónimo   teste aval. sumativaF.pessoa heterónimo   teste aval. sumativa
F.pessoa heterónimo teste aval. sumativa
Paulinho Gonçalves
 
Ficha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaFicha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poema
Diogo Tavares
 
Teste 1
Teste 1Teste 1
Teste 1
Diogo Tavares
 
Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
Ana Clara San
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
luisprista
 

Destaque (8)

Cancioneiro - Fernando Pessoa -
Cancioneiro - Fernando Pessoa -Cancioneiro - Fernando Pessoa -
Cancioneiro - Fernando Pessoa -
 
Quadras ao gosto popular de Fernando Pessoa Ativ. 5 e 6 , Apresentação Prof. ...
Quadras ao gosto popular de Fernando Pessoa Ativ. 5 e 6 , Apresentação Prof. ...Quadras ao gosto popular de Fernando Pessoa Ativ. 5 e 6 , Apresentação Prof. ...
Quadras ao gosto popular de Fernando Pessoa Ativ. 5 e 6 , Apresentação Prof. ...
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
 
F.pessoa heterónimo teste aval. sumativa
F.pessoa heterónimo   teste aval. sumativaF.pessoa heterónimo   teste aval. sumativa
F.pessoa heterónimo teste aval. sumativa
 
Ficha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaFicha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poema
 
Teste 1
Teste 1Teste 1
Teste 1
 
Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
 

Semelhante a Nao sei quantas almas tenho - Análise ao poema

Não sei quantas almas tenho - Fernando Pessoa
Não sei quantas almas tenho - Fernando Pessoa Não sei quantas almas tenho - Fernando Pessoa
Não sei quantas almas tenho - Fernando Pessoa
Mima Badan
 
PINTURAS E POESIAS
PINTURAS E POESIASPINTURAS E POESIAS
PINTURAS E POESIAS
Vania Lima "Somos Físicos"
 
Fernando pessoa poemas fundamentais
Fernando pessoa poemas fundamentaisFernando pessoa poemas fundamentais
Fernando pessoa poemas fundamentais
Adalberto Diogo
 
Poesia Heterônima de Alberto Caiero
 Poesia Heterônima de Alberto Caiero Poesia Heterônima de Alberto Caiero
Poesia Heterônima de Alberto Caiero
Lindolfo Teixeira
 
Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)
Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)
Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)
Catarina Cruz
 
Crônica Do Amor Absoluto Ciducha.ppsx
Crônica Do Amor Absoluto Ciducha.ppsxCrônica Do Amor Absoluto Ciducha.ppsx
Crônica Do Amor Absoluto Ciducha.ppsx
Luzia Gabriele
 
Fernando pessoa nas suas palavras
Fernando pessoa   nas suas palavrasFernando pessoa   nas suas palavras
Fernando pessoa nas suas palavras
Margarida Tomaz
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 78-79
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 78-79Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 78-79
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 78-79
luisprista
 
Pinturase Poesias
Pinturase PoesiasPinturase Poesias
Pinturase Poesias
taigua
 
Fernando Pessoa
Fernando  PessoaFernando  Pessoa
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Alexandra Canané
 
heteronimos
heteronimosheteronimos
heteronimos
guest1a60537
 
Pinturas poesias
Pinturas poesiasPinturas poesias
Pinturas poesias
Ariana Martins
 
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Maria Rebelo
 
Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
Cesarina Sousa
 
Porto Seguro
Porto SeguroPorto Seguro
Porto Seguro
guestc79f8f
 
Ser Poeta
Ser PoetaSer Poeta
Ser Poeta
JNR
 
Pp dia mundial da poesia1
Pp dia mundial da poesia1Pp dia mundial da poesia1
Pp dia mundial da poesia1
IsabelPereira2010
 
Imagens e poesias
Imagens e poesiasImagens e poesias
Imagens e poesias
Ivanete Oliveira
 
Pinturas E Poesias
Pinturas E  PoesiasPinturas E  Poesias
Pinturas E Poesias
guestbe4900
 

Semelhante a Nao sei quantas almas tenho - Análise ao poema (20)

Não sei quantas almas tenho - Fernando Pessoa
Não sei quantas almas tenho - Fernando Pessoa Não sei quantas almas tenho - Fernando Pessoa
Não sei quantas almas tenho - Fernando Pessoa
 
PINTURAS E POESIAS
PINTURAS E POESIASPINTURAS E POESIAS
PINTURAS E POESIAS
 
Fernando pessoa poemas fundamentais
Fernando pessoa poemas fundamentaisFernando pessoa poemas fundamentais
Fernando pessoa poemas fundamentais
 
Poesia Heterônima de Alberto Caiero
 Poesia Heterônima de Alberto Caiero Poesia Heterônima de Alberto Caiero
Poesia Heterônima de Alberto Caiero
 
Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)
Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)
Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)
 
Crônica Do Amor Absoluto Ciducha.ppsx
Crônica Do Amor Absoluto Ciducha.ppsxCrônica Do Amor Absoluto Ciducha.ppsx
Crônica Do Amor Absoluto Ciducha.ppsx
 
Fernando pessoa nas suas palavras
Fernando pessoa   nas suas palavrasFernando pessoa   nas suas palavras
Fernando pessoa nas suas palavras
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 78-79
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 78-79Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 78-79
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 78-79
 
Pinturase Poesias
Pinturase PoesiasPinturase Poesias
Pinturase Poesias
 
Fernando Pessoa
Fernando  PessoaFernando  Pessoa
Fernando Pessoa
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
heteronimos
heteronimosheteronimos
heteronimos
 
Pinturas poesias
Pinturas poesiasPinturas poesias
Pinturas poesias
 
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
 
Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
 
Porto Seguro
Porto SeguroPorto Seguro
Porto Seguro
 
Ser Poeta
Ser PoetaSer Poeta
Ser Poeta
 
Pp dia mundial da poesia1
Pp dia mundial da poesia1Pp dia mundial da poesia1
Pp dia mundial da poesia1
 
Imagens e poesias
Imagens e poesiasImagens e poesias
Imagens e poesias
 
Pinturas E Poesias
Pinturas E  PoesiasPinturas E  Poesias
Pinturas E Poesias
 

Último

D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 

Último (20)

D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 

Nao sei quantas almas tenho - Análise ao poema

  • 1. ANÁLISE AO POEMA: “NÃO SEI QUANTAS ALMAS TENHO” DE FERNANDO PESSOA Trabalho realizado por: Daniel Pinto nº5 João Teles nº11 Renato Almeida nº15
  • 2. FERNANDO PESSOA • Nasceu em 1888 em Lisboa • Mudou-se para África do sul aos 6anos de idade • Regressa a Lisboa em 1905 • Em 1906 matricula-se no Curso Superior de Letras, curso que iria abandonar 1 ano depois • Em 1914 surgem os heterónimos entre os quais Alberto Caeiro (mestre), Ricardo Reis e Álvaro de Campos. • Morre a 30 de Novembro de 1935 com 47 anos de idade
  • 3. ANÁLISE DO POEMA: NÃO SEI QUANTAS ALMAS TENHO Não sei quantas almas tenho. Cada momento mudei. Continuamente me estranho. Nunca me vi nem acabei. De tanto ser, só tenho alma. Quem tem alma não tem calma. Quem vê é só o que vê, Quem sente não é quem é, Atento ao que sou e vejo, Torno-me eles e não eu. Cada meu sonho ou desejo É do que nasce e não meu. Sou minha própria paisagem; Assisto à minha passagem, Diverso, móbil e só, Não sei sentir-me onde estou. Por isso, alheio, vou lendo Como páginas, meu ser. O que segue não prevendo, O que passou a esquecer. Noto à margem do que li O que julguei que senti. Releio e digo: "Fui eu ?" Deus sabe, porque o escreveu. Fernando Pessoa
  • 4. ESTRUTURA DO POEMA: NÃO SEI QUANTAS ALMAS TENHO • O poema é composto por três oitavas. • Estas têm uma métrica regular (cada verso contém 6 sílabas). • Uma rima cruzada, uma rima emparelhada e por fim dois versos solto (6 sílabas) (6 sílabas) (6 sílabas) (6 sílabas) (6 sílabas) (6 sílabas) (6 sílabas) (6 sílabas) Não sei quantas almas tenho. A Cada momento mudei. B Continuamente me estranho. A Nunca me vi nem achei. B De tanto ser, só tenho alma. C Quem tem alma não tem calma.C Quem vê é só o que vê, D Quem sente não é quem é, F Rima Cruzada Rima Emparelhada Versos Livres
  • 5. CONTEÚDO DO POEMA: NÃO SEI QUANTAS ALMAS TENHO 1ª ESTROFE Referências aos heterónimos Anáfora. Não sei quantas almas tenho. Cada momento mudei. Continuamente me estranho. Nunca me vi nem acabei. De tanto ser, só tenho alma. Quem tem alma não tem calma. Quem vê é só o que vê, Quem sente não é quem é, Referência ao facto de não se conhecer a si mesmo. Assonância. Fernando pessoa expressa a sua racionalidade. Tudo o que lhe sucede na vida é pensado pela alma e não sentido pelo corpo. Antítese , remete para a oposição entre viver e pensar. “Quem vê” vive pois não pensa(sente). “Quem sente” não consegue viver pois pensa.
  • 6. CONTEÚDO DO POEMA: NÃO SEI QUANTAS ALMAS TENHO 2ª ESTROFE Referência aos heterónimos. Sugere a separação entre alma do corpo Atento ao que sou e vejo, Torno-me eles e não eu. Cada meu sonho ou desejo É do que nasce e não meu. Sou minha própria paisagem; Assisto à minha passagem, Diverso, móbil e só, Não sei sentir-me onde estou. Despersonalização de Fernando Pessoa. Esconde os seus sonhos e desejos e diz que estes pertencem aos heterónimos. Referência á sua multiplicação em várias pessoas embora sempre solitário e sem conseguir identificar-se como um só.
  • 7. CONTEÚDO DO POEMA: NÃO SEI QUANTAS ALMAS TENHO 3ª ESTROFE Compara-se a um livro, dentro do qual escreve o que pensa sentir nas suas margens. Depois ao ler duvida se foi ele que o escreveu. Por isso, alheio, vou lendo Como páginas, meu ser. O que segue não prevendo, O que passou a esquecer. Noto à margem do que li O que julguei que senti. Releio e digo: "Fui eu ?" Deus sabe, porque o escreveu. Metáfora. A sua vida foi racionalizada e transmitida para palavras escritas pelos heterónimos. Estes acabam por viver a sua vida ao mesmo tempo que o reduzem a uma insignificância.
  • 8. CONCLUSÃO DA ANÁLISE DO POEMA: NÃO SEI QUANTAS ALMAS TENHO • O poema Não sei quantas almas tenho consiste numa autoanálise por parte do sujeito poético. Nela Fernando Pessoa apresenta-se com “várias almas”, o que é uma alusão aos vários heterónimos que possui, e descreve o seu interior como se fosse um labirinto onde é difícil encontrar-se a ele mesmo. A ideia geral presente neste poema é a tentativa de Fernando Pessoa de se expressar através dos heterónimos sentindo ao mesmo tempo uma grande solidão e tristeza por não conseguir identificar-se.
  • 9. FIM